Injustiça no Preço: Percepção dos Consumidores dos Free Shops de Rivera. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Injustiça no Preço: Percepção dos Consumidores dos Free Shops de Rivera. Resumo"

Transcrição

1 Resumo Injustiça no Preço: Percepção dos Consumidores dos Free Shops de Rivera Autoria: Marta Olivia Rovedder de Oliveira, Emanuelle dos Santos Barcellos, Alcivio Vargas Neto É possível haver sentimento de injustiça com relação a diferentes cotações do Dólar praticada por free shops? Este estudo pré-experimental avalia a percepção de injustiça nos preços sentida por consumidores de free shops em relação às variações nas taxas cambiais adotadas pelas lojas, dado que a taxa pode ser responsável pela diferença no preço final em Reais dos produtos vendidos em outra moeda. Os resultados da pesquisa apontam que quando uma loja utiliza um taxa cambial superior a de outros free shops, os consumidores sentem-se injustiçados, o que gera emoções negativas, intenções de retaliação e a consideração das lojas concorrentes. 1

2 1 Introdução Com o aumento das ofertas de produtos no mercado, muitas empresas recorrem aos descontos em seus preços e promoções comerciais a fim de concretizar suas vendas. Porém, essas estratégias podem despertar no consumidor uma percepção de injustiça no preço, ao perceber que ao ter comprado antes da promoção, pagou um valor superior pelo mesmo produto. Além dessas estratégias, lojas que trabalham com moeda estrangeira, como os free shops (lojas livres de impostos), também recorrem à utilização de taxas de câmbios menores do que as utilizadas pelos seus concorrentes. A cidade de Rivera, no Uruguai, na fronteira com o Brasil, mais especificamente com a cidade de Santana do Livramento no Rio Grande do Sul, por exemplo, atrai cerca de 10 mil turistas por fim de semana, sendo que em feriados prolongados o número de brasileiros chega a 30 mil, aos seus 50 free shops (Gonçalves & Glória, 2011), que em sua maioria, utilizam o Dólar como moeda para comercializar suas mercadorias. Destaca-se que apesar desses produtos serem livres de impostos, o que já é interessante e atrativo para os brasileiros, a taxa de câmbio pode influenciar no preço final pago pelos consumidores brasileiros. Mesmo que o preço em Dólares de um produto desses free shops mantenha-se inalterado em um determinado período, a taxa cambial nesse mesmo intervalo de tempo pode ter variado, impactando no preço final da mercadoria em Reais, o que pode causar frustração no cliente ao notar que poderia ter esperado alguns dias a mais para adquirir o mesmo produto com uma taxa menor ou, ainda, poderia ter realizado sua compra em uma loja que fez uso de uma taxa inferior à outra loja ou a taxa atual. Questiona-se, assim, se o fato dessas taxas oscilarem diariamente, ocasionando diferenciação no preço final da mercadoria, poderia causar a percepção de injustiça nos preços pelos consumidores dos free shops de Rivera, no Uruguai? Sendo assim, esta pesquisa visa averiguar se consumidores brasileiros dos free shops uruguaios sentem percepções de injustiça nos preços causada por diferentes taxas cambiais utilizadas por distintos free shops em um mesmo dia e, ainda, se sentem a percepção de injustiça diante da mudança de taxa adotada por uma única loja, em diferentes dias. Busca-se também, verificar possíveis consequentes da injustiça no contexto avaliado. Embora existam pesquisas explorando temáticas em torno da percepção de injustiça no preço (Bechwati & Morrin, 2003; Fernandes, 2005; Xia et al. 2004; Mayer & Ávila, 2006; Fernandes & Slongo, 2007; Basso et al., 2011) e noticiais espalhadas pelos diversos meios de comunicação sobre o descontentamento dos clientes quanto à queda ou suba das taxas cambiais, dificilmente encontram-se estudos cujo foco seja a união de ambos os assuntos. Assim, com este estudo, procurar-se-á oferecer novas contribuições sobre a literatura atinente à percepção de injustiça no preço, ao observar as variações cambiais, em um cenário internacional de comércio. Este artigo apresenta, na sequência a fundamentação teórica, abordando a percepção de injustiça no preço e suas consequências; o método utilizado para o desenvolvimento desta pesquisa; resultados e discussão sobre resultados obtidos; considerações finais, englobando as implicações gerenciais, limitações do estudo e sugestões para futuras pesquisas. 2 Fundamentação Teórica A seguir, são apresentados conceitos referentes à percepção de injustiça nos preços, seus consequentes, assim com as hipóteses dessa pesquisa. 2

3 2.1 Percepção de Injustiça no Preço Um fator que muitos consumidores levam em consideração na hora da compra é o preço e dependendo da forma como ele é notado (como um valor baixo ou elevado em consideração ao produto ofertado) poderá gerar no individuo percepções distintas, como a de justiça ou injustiça. Segundo Kussler (2009, p.19) a subjetividade é elemento presente na percepção de injustiça devido à impossibilidade de haver unanimidade de opiniões além de parâmetros prédefinidos para todas as situações; isto é, uma ação é considerada injusta sob uma ótica em particular, não sendo possível generalizar quais atos são justos ou não. A autora ainda diz que, a elevação do preço de um produto pode ser considerada justa para alguns clientes, injusta para outra parcela dos mesmos, enquanto um terceiro grupo pode sentir-se indiferente quanto a este aumento. Outro fato que também pode ser examinado é a razão para este cliente considerar o aumento do preço como injusto, podendo ser o resultado de uma comparação entre preços, a situação econômica, entre outros. Conforme Bolton et al. (2003) a investigação sobre a justiça dos preços examinou como os pontos de referência afetam a percepção, incluindo aqueles que permitem comparações com a concorrência de um fornecedor e os seus custos e preços histórico. Neste sentido, esses autores consideram que a percepção de justiça pode ser entendida como a aceitação de que os resultados são razoáveis ou justos. Xia et al. (2004) completam este argumento esclarecendo que aspectos cognitivos indicam que os julgamentos justos envolvem a comparação de um preço de referência, contudo a noção de justiça é difícil de se articular enquanto a injustiça aparece de forma mais clara e nítida. Conforme Xia et al. (2004) a comparação entre o preço praticado e o preço de referência podem ter três possíveis resultados: a igualdade, a vantagem e a desvantagem para o consumidor. O presente estudo visa compreender a desvantagem para o consumidor, ou seja, percepção de injustiça. Sendo assim, o preço de referência, que dá base para o julgamento de justiça segundo Kahneman et al. (1986) influencia na percepção do consumidor. Isto é, quando o consumidor passa por algumas experiências similares, ele acostuma-se a fazer comparações entre produtos e preços e decide se o preço em questão é ou não justo a partir de um preço anterior, ou seja, o preço de referência. O preço que pode ser considerado injusto em um momento, no entanto pode se tornar um preço de referência em outro. No campo de estudo dessa pesquisa, conforme citado anteriormente, nem todos os free shops trabalham com a mesma taxa de câmbio, ou seja, algumas lojas podem fazer a troca da moeda há uma taxa inferior ou superior à outra. Percebendo isto, o consumidor pode sentir-se injustiçado ao reparar que a loja em que foi feita sua compra, utilizou uma taxa de câmbio maior a que estava sendo praticada em outro free shop, ao perceber que poderia ter ganho na compra do mesmo produto em outra loja. Assim, apresenta-se a seguinte hipótese: Hipótese 1: A utilização de diferentes taxas cambiais por distintos free shops de Rivera poderá desencadear percepção de injustiça nos preços pagos pelos consumidores. No caso de um free shop, ressalta-se que uma loja não utiliza a mesma taxa de câmbio todos os dias, percebendo que a taxa cambial está consideravelmente inferior a de outro dia, o consumidor pode sentir, por exemplo, sentimento de frustração ao notar que poderia ter esperado alguns dias a mais para realizar sua compra, quem sabe assim pagando menos na troca da moeda e consequentemente no produto (visto que a taxa de câmbio oscila quase que 3

4 diariamente, sendo que esta é uma prática normal de mercado). Baseado nisto, aponta-se a seguinte hipótese: Hipótese 2 A variação das taxas cambiais praticadas por um único free shop em diferentes dias poderá desencadear percepção de injustiça nos preços pagos pelos consumidores. 2.2 Consequências da Percepção de Injustiça Cox (2001) ressalta que quando duas partes (consumidor e empresa) estabelecem uma relação (compra e venda), cada um tem em si certa expectativa quanto ao final desta relação, no entanto, quando acaba em um resultado não satisfatório para uma das partes, poderá acarretar na percepção de injustiça, onde a parte beneficiada poderá sentir culpa e a não beneficiada, algum tipo de emoção negativa. Mayer e Ávila (2006) verificaram que sentimentos de alegria e tristeza não são emoções fortes em uma situação de injustiça no preço, no entanto, a raiva foi a principal emoção percebida no caso de injustiça. Os mesmos autores, ainda perceberam relações significativas entre injustiça (quando percebida) e o sentimento de raiva, entre raiva e intenção de realizar reclamação e ainda retaliação à empresa. Trazendo estes estudos para o foco da presente pesquisa, entende-se que ao perceber injustiça no preço referente às taxas praticadas, o consumidor pode vir a sentir emoções negativas pela empresa. Quando o consumidor sente que o preço ofertado é injusto, há inúmeras atitudes que podem ser tomadas por ele e dependendo da gravidade percebida irá afetá-lo com mais ou menos intensidade, acarretando em reações diversas. Possíveis respostas à percepção de injustiça são: não comprar mais da empresa/marca em questão; reclamar para a empresa ou terceira parte; boca a boca negativo ou não fazer nada (Basso et al. 2011). Mayer e Ávila (2006) discutem em sua pesquisa que a percepção de injustiça afetará na satisfação, percepção de valor, intenção de compra, confiança e emoções negativas, e comportamentos como boca a boca negativo e reclamação. Seu estudo mostrou ainda o desejo de retaliação contra a empresa. Fernandes e Slongo (2007) debatem que conforme a intensidade da emoção sentida pelo cliente acarretará na magnitude da injustiça percebida, ou seja, maior o sentimento de injustiça, maior será a emoção negativa, assim, a cognição influenciará a emoção e é esse sentimento que influenciará na intenção de ação do consumidor diante situação. Em seguida, os autores propõem algumas hipóteses referentes às ações dos indivíduos, tais como: quanto maior a percepção de injustiça no preço, maior será a emoção decorrente de tal situação; quanto maiores às emoções de raiva, ira e repugnância, maiores serão as intenções de reclamação, troca de empresa e comunicação boca a boca negativa; quanto maiores às emoções de ansiedade e frustração, menor será a intenção de reclamação, maiores serão as de troca de empresa e comunicação boca a boca negativa. Conforme Xia et al. (2004), as ações que os compradores tomam quando eles percebem que os preços são injustos são geralmente dirigidas para o vendedor, em vez de na direção de outro comparativo como o produto envolvido na transação. Sendo assim, é possível dizer que ao sentir algum tipo de emoção negativa, é provável que o consumidor fale mal da loja frequentada fazendo assim propaganda negativa. Com base nisto, acredita-se que quanto maior a emoção negativa, maior será a intenção de realizar boca a boca negativo. Além das emoções negativas e do possível boca a boca negativo, outra consequência da percepção de injustiça nos preços é a intenção troca/saída da empresa. Wieringa e Verhoef (2007) dizem que quando os clientes estão satisfeitos, eles estarão menos suscetíveis a exibir 4

5 intenções de trocar de empresa. Shirai (2009) ressalta que as emoções podem impactar tanto positivamente como negativamente na decisão de compra do consumidor, em outras palavras, estando satisfeito há mais chances do indivíduo realizar a compra pretendida, no entanto, tendo algum tipo de emoção negativa, é provavel que o mesmo desista da compra e saia da empresa. Xia et al. (2004) fazem sua contribuição afirmando que ao sentir emoção negativa, como raiva ou indignação, o consumidor pode fazer reclamação e ainda realizar boba a boca negativo para expressar sua insatisfação. Além disso, o indivíduo pode parar de frequentar a empresa. Com isso, entende-se que a emoção negativa pode levar a retaliação. De acordo com os estudos de Hirschman (1970), há dois tipos de respostas dos consumidores a situações insatisfatórias com relação à empresa. A primeira é "Sair" da empresa sem tentar consertar a situação problema. A segunda é "Voz", isto é, contatá-la sobre a questão percebida visando remediar os defeitos, tentando obter algum retorno quanto a questão. O autor salienta que a lealdade pode interferir na resposta, causando talvez a não tomada de decisão que encadearia na saída. Assim, crê-se que estar insatisfeito com as práticas comerciais do free shop em que frequenta, é possível que o consumidor possa escolher outra loja para realizar suas compras. Sendo assim, acredita-se que quanto maior a percepção de injustiça no preço, maior será a intenção de troca/saída de empresa. Tendo as emoções negativas como influenciador na intenção de troca de empresa, Xia et al. (2004) argumentam que o consumidor tende a buscar maneiras de controlar a até deixar de sentir tais emoções, além disso os compradores buscam compensações monetárias, o que pode acarretar na procura por melhores ofertas nos concorrentes. Bechwati e Morrin (2003) definem a intenção comportamental de agir contra a empresa, sendo por boicote, boca a boca negativo entre outros, como sentimentos de retaliação. E que esse sentimento leva a uma série de maneiras de como os consumidores podem responder a percepção de injustiça, sendo que a mais comum é a troca pelo concorrente. A seguir é apresentada a metodologia utilizada para a realização deste estudo. 3 Método Realizou-se um estudo pré-experimental de laboratório utilizando dois cenários relativos à compra de produtos em free shops, para avaliar a percepção de injustiça baseada nas diferentes taxas cambiais adotadas no mesmo dia por diferentes free shops ou ainda diferentes taxas cobradas por um único free shop em diferentes dias. Estes cenários foram apresentados aos entrevistados conforme a Figura 1: Cenário 1: Imagine que no dia 15 de janeiro deste ano você adquiriu uma TV de marca xxx, 32, LED, full HD, a qual estava sendo ofertada pelo preço de US$ com a cotação de 1,79 no Capitão Free Shop. Seu amigo comprou no mesmo dia 15, o mesmo aparelho pelo mesmo valor no Hiper Free Shop. No entanto, o free shop em que seu amigo fez a compra trabalhava com a cotação de 1,71, consequentemente variando o preço final da TV entre as duas lojas: R$ 1.686,18 no primeiro free shop e R$ 1.610,82. Cenário 2: Imagine que no dia 3 de fevereiro deste ano você adquiriu um ar condicionado no valor de US$ 350 com a cotação do dólar em 1,91 (em moeda real pagou-se R$ 668,50) no Capitão Free Shop. Porém duas semanas depois você constatou que essa taxa baixou para 1,65, diminuindo o preço final do produto vendido neste free shop (em moeda real se pagaria R$ 577,50). Figura 1. Cenários 1 e 2 descritos no questionário 5

6 Para operacionalizar a coleta de dados foi utilizado, com adaptações para o contexto do estudo, o trabalho de Basso et al. (2011). Este baseou-se em estudos anteriores como os de Grewal et al. (1994) sobre variáveis para medir a percepção de injustiça nos preços; Jones et al. (2007) com escalas para medir emoções negativas e a intenção de realizar o boca a boca negativo; Antón et al. (2007) onde medem a intenção de troca de empresa. Foi escolhido esse estudo, pois ele apresenta as escalas em português, já testadas. No questionário da pesquisa utilizou-se uma escala do tipo Likert com 5 pontos para as medições (dispostas entre discordo totalmente e concordo totalmente). Após a definição do questionário, encaminhou-se o mesmo a três professores da área de marketing, para a sua avaliação. Após essas avaliações e melhorias no instrumento de coleta, realizou-se um pré-teste com elementos da população para aprimorar o mesmo. A população de estudo foi composta por indivíduos brasileiros que vivem na fronteira com o Uruguai e que fazem compras nos free shops deste país. A amostra da pesquisa foi composta por estudantes dos cursos de Administração, Ciências Econômicas, Gestão Pública e Relações Internacionais de uma Universidade Federal localizada na cidade de Santana do Livramento a qual faz fronteira com Rivera no Uruguai. Observaram-se somente os questionários dos acadêmicos que realizaram compras nos free shops da cidade Uruguaia. A amostragem do estudo caracteriza-se como não probabilística e por conveniência e foi composta por 309 respondentes. A aplicação da coleta de dados ocorreu em salas de aula, levando em média 30 minutos entre a apresentação, distribuição e coleta dos questionários. Após a coleta, os dados foram tratados no software IBM SPSS a fim de prepara-los para a análise. Além da estatística descritiva, utilizou-se análise de variância para avaliar as diferenças estatísticas entre os dois cenários, com a utilização do teste de Levene. Para confirmar a adequação dos construtos indicados na fundamentação teórica foi utilizado o procedimento estatístico de análise fatorial exploratória, com o método de rotação ortogonal de fatores VARIMAX (Hair et al, 2005); a verificação da coerência interna do construto através do coeficiente alfa de Cronbach (Malhotra, 2001) e análise fatorial confirmatória para identificar a relação entre os construtos (Hair et al, 2005; Byrne, 2001). 4 Resultados A amostra do estudo é composta por 309 respondentes que resultaram em 609 casos válidos para análise (observando as respostas dos dois cenários). Dos respondentes, 50,2% é do gênero feminino, com média de idade de 27,74 anos, sendo que a maioria (37,2%) deles possui renda de R$ a R$ Quanto a frequência de compra nos free shops, 75,1% dos entrevistados respondeu realizar compras eventualmente, 15,9% realizam compras a cada 30 dias, 5,2% realizam compras a cada 15 dias e 3,9% realizam compras semanalmente. Cerca de 70% disseram saber ao certo ou aproximado o valor da cotação do dólar no dia da compra, destes, 35,9% buscam informações sobre a cotação nas casas de câmbio, 26,3% dentro da própria loja e 24,9% utilizam informes econômicos. Do total de entrevistados, 88,3% afirmaram serem os responsáveis pelo pagamento da mercadoria. Os procedimentos estatísticos utilizados na realização deste estudo são apresentados nos itens 4.1, 4.2 e 4.3. Inicialmente foi realizada uma análise fatorial exploratória para confirmação dos construtos indicados na fundamentação teórica. Após, foi analisada a percepção de injustiça nos dois cenários investigados através de análise de variância e 6

7 posteriormente foi realizada a análise fatorial confirmatória para identificar a relação existente entre os construtos encontrados. 4.1 Análise dos construtos O construto injustiça foi avaliado apenas quanto a sua coerência interna, pois a escala utilizada apresenta 2 itens conforme mostra a Tabela 1. Utilizou-se, para tanto, o método de confiabilidade da consistência interna do conjunto de itens que formam a escala, fazendo-se uso do coeficiente alfa (Alfa de Cronbach). O Alfa de Cronbach é a média de todos os coeficientes meio-a-meio que resultam das diferentes maneiras de dividir ao meio os itens da escala. O coeficiente varia de 0 a 1, e um valor menor ou igual a 0,6 indica confiabilidade insatisfatória (Malhotra, 2001). Tabela 1: Percepção de injustiça Média Desvio Padrão a1 - É justo o valor que você pagou? 3,11 1,220 a2 - É aceitável? 3,01 1,284 Alfa de Cronbach = 0,823 Verifica-se que o construto percepção de injustiça atendeu plenamente o critério recomendado, apresentando Alfa de Cronbach igual a 0,823. Posteriormente foram analisadas as consequências da percepção de injustiça. Inicialmente foi realizada a análise fatorial exploratória, com o método de rotação ortogonal de fatores VARIMAX (Hair et al, 2005) e posteriormente a verificação da coerência interna do construto indicado através do coeficiente alfa de Cronbach (Malhotra, 2001). O resultado dessa análise pode ser verificado na Tabela 2. Tabela 2: Consequências da percepção de injustiça Média Desvio Carga Padrão do Fator Emoções negativas e1 Frustrado 3,50 1,169,675 e2 Irritado 3,17 1,086,848 e3 Chateado 3,64,991,785 e4 - Com raiva 2,80 1, Alfa de Cronbach = 0,817 Variância Extraída = 28,90% Intenção de retaliação b1 - Eu avisaria meus amigos e parentes para não fazerem compras no Free Shop 3,12 1,278,887 b2 - Eu reclamaria aos meus amigos e familiares 3,12 1,225,861 b3 - Eu consideraria trocar de loja 3,42 1,206,814 Alfa de Cronbach = 0,893 Variância Extraída = 27,32% Avaliação da concorrência 7

8 b4 - Caso eu precisasse trocar de loja, existem outros bons free shops entre os quais escolher 3,91,935,875 b5 - Provavelmente ficaria feliz com os produtos/preços de outro free shop 3,61,927,835 Alfa de Cronbach = 0,709 Variância Extraída = 17,92% Variância total extraída = 74,20% De acordo com a revisão teórica e com a análise fatorial exploratória, foram verificados os seguintes construtos: emoções negativas e avaliação da concorrência. Verificase que todos os construtos identificados apresentam Alfa de Crombach superior a 0,6, atendendo o critério recomendado para confiabilidade. A intenção de troca e o boca a boca negativo não se apresentaram como construtos distintos. Eles foram identificados como um único construto. Esse construto foi caracterizado como intenção de retaliação. Salienta-se que pelo tipo de relação entre empresa e clientes não ser contratual, a intenção de troca toma um formato distinto de estudos anteriores (por exemplo, Basso et al., 2011). 4.2 Percepção de injustiça Para analisar os resultados obtidos foi realizada a análise de variância através do teste de Levene. Os resultados são apresentados na Tabela 3. Tabela 3: Análise de variância entre cenários a1 - É justo o valor que você pagou? a2 - É aceitável? Nota. * p<0,001; ** p<0,05 Cenário N Média , , , ,53 Teste de Levene F Sig. 9,164,003** 46,363,000* Constatou-se que a diferença de média é significativa pelo menos no nível de 0,05 em nas questões relacionadas à percepção de injustiça. Via a análise da Tabela 3, pode-se avaliar as Hipóteses 1 e 2. Dado que a média de resposta para a questão a1 foi 2,79 (no cenário 1), observando que a maioria discorda ser justo e menos ainda ser aceitável o valor pago, com média de 2,49 como consta na questão a2 (do cenário 1). Logo se confirma a Hipótese 1, apontando que a utilização de diferentes taxas cambiais por distintos free shops de Rivera, em um mesmo dia, poderá desencadear percepção de injustiça nos preços pagos pelos consumidores. Examinando as mesmas questões, a1 e a2 agora ambas do cenário 2, nota-se que as médias foram 3,43 e 3,53 respectivamente, concluindo que os entrevistados não sentem injustiça referente a esta situação. Assim, refuta-se a Hipótese 2, pois não há percepção de injustiça por parte dos consumidores quanto a variação da taxa cambiais praticadas por um único free shop em diferentes dias. 4.3 Relação entre os construtos 8

9 A etapa de análise seguinte foi a análise fatorial confirmatória para identificar a relação existente entre os construtos e as suas variáveis de mensuração. Considerando a revisão teórica e os resultados obtidos na análise fatorial exploratória apresenta-se na Figura 2 a estrutura para teste das relações entre os construtos. H3 Emoções Negativas Injustiça H5 H4 Intenção de retaliação H6 Avaliação da Concorrência Figura 2. Relações esperadas Com base nisso ficam estabelecidas as seguintes hipóteses para verificação: Hipótese 3: Quanto maior a injustiça, maior serão as emoções negativas (Cox, 2001; Mayer & Ávila, 2006). Hipótese 4: Quanto maior a injustiça, maior será a intenção de retaliação (Mayer & Ávila, 2006). Hipótese 5: Quanto maior as emoções negativas, maior será a intenção de retaliação (Xia et al. 2004; Mayer e Ávila, 2006) Hipótese 6: Quanto maior a intenção de retaliação, maior será a avaliação da concorrência (Bechwati & Morrin 2003; Basso et al., 2011; Xia et al., 2004). Para análise dos construtos seguiu-se a orientação de Byrne (2001) e Hair et al. (2005) utilizando o software IBM SPSS AMOS, versão Na Tabela 4, apresentam-se os índices de ajustamento para o modelo proposto. Usualmente, estes indicadores são avaliados em conjunto para determinar o ajuste do modelo. Tabela 4: Indicadores de avaliação do modelo NPAR CMIN P DF CMIN/DF GFI AGFI ,632 0, ,366 0,961 0,936 CFI RMSEA PCLOSE ECVI ECVI sat ECVI ind HFIVE HONE 0,971 0,062 0, O indicador NPAR mostra o número de parâmetros que foram estimados no modelo. Hair et al. (2005) recomendam que a amostra adequada para a estimação estrutural deve ter, no mínimo, cinco casos por parâmetro estimado. Neste estudo com 609 casos obtém-se 23,42 casos por parâmetro, sendo, portanto o tamanho da amostra satisfatório. 9

10 O indicador DF apresenta o número de graus de liberdade do modelo que corresponde à quantidade de dados não redundantes disponíveis no modelo após a sua estimação. O número de graus de liberdade deve ser maior que o número de parâmetros a ser estimado (Hair et al., 2005). Considerando o modelo estimado, ele apresenta graus de liberdade superior ao número de parâmetros a ser estimado (DF=40 e NPAR=26). O indicador CMIN é comumente conhecido como X 2 (qui quadrado). Este valor é significativo estatisticamente quando P a 0,05 (Hair et al., 2005). Cabe ressaltar que, segundo alguns autores, este indicador CMIN possui limitações (Byrne, 2001) e, por isso, recomendam a utilização de outros indicadores como CMIN/DF (X 2 pelos graus de liberdade) como um parâmetro mais adequado para avaliação do ajuste do modelo. Hair et al. (2005) indicam que o nível recomendado para CMIN/DF esteja entre 1,0 e 2,0, o que não é atendido pelo modelo estimado (CMIN/DF=3,366). O indicador GFI (goodness-of-fit) é usualmente utilizado para verificação do ajuste do modelo. Adicionalmente ao GFI, utiliza-se o indicador AGFI (adjusted goodness-of-fit), que é semelhante ao GFI com ajuste para os graus de liberdade do modelo. Ambos os indicadores GFI e AGFI são classificados como índices absolutos de ajuste (Byrne, 2001), pois comparam o modelo hipotetizado com nenhum modelo. Segundo Hair et al. (2005), o nível recomendado para estes índices é de 0,90. Quanto mais próximo de 1,00 melhor é o ajuste do modelo (Byrne, 2001). O modelo estimado apresentou GFI=0,961 e AGFI=0,936 atendendo plenamente o recomendado. O indicador CFI (comparative fit index) é uma versão modificada do indicador NFI (normed fit index) que leva em consideração o tamanho da amostra. Ambos os indicadores indicam a covariância completa entre os dados (Byrne, 2001). Para Hair et al. (2005), o nível mínimo recomendado para o indicador NFI é de 0,90. Byrne (2001) salienta que para o indicador CFI utiliza-se o mesmo nível adotado para o NFI. O modelo estimado apresentou NFI=9,59 e CFI=0,971 satisfazendo plenamente essa recomendação. O indicador RMSEA (root mean square error of approximation) considera a população amostral para avaliação do modelo. O indicador RMSEA avalia a discrepância por grau de liberdade existente no modelo (Hair et al., 2005; Byrne, 2001). Esse valor é estatisticamente significativo quando a PCLOSE (closeness of fit probability) é maior que 0,50 (Byrne, 2001). Hair et al. (2005) e Byrne (2001) recomendam que valores de RMSEA entre 0,05 e 0,08 indicam ajuste aceitável. Valores inferiores a 0,05 indicam bom ajuste do modelo e acima de 0,08 indicam um ajuste medíocre (Byrne, 2001). O modelo estimado não atende essa recomendação na sua totalidade; o RMSEA=0,062 indica um ajuste aceitável mas o PCLOSE=0,038 não atende ao recomendado. O indicador ECVI (expected cross-validation index) avalia a discrepância de covariância entre a amostra avaliada e a de outra amostra de tamanho equivalente da mesma população (Byrne, 2001). Esse indicador é utilizado, principalmente, para comparação com modelos equivalentes (modelo saturado e modelo independente). O valor do ECVI do modelo estimado deve ser inferior ao dos modelos saturado e independente. O modelo estimado não atendeu esta exigência plenamente, tendo ECVI=0,307 (modelo saturado ECVI=0,217 e modelo independente ECVI=5,471). Os indicadores HFIVE e HONE representam o tamanho crítico de amostra de Hoelter com a significância a 0,05 e a 0,01. Ambos os indicadores avaliam a adequação do tamanho da amostra para a estimação do modelo (Byrne, 2001). Valores acima de 200 indicam que o modelo representa adequadamente a amostra, o que é atendido pelo modelo estimado (HFIVE=252 e HONE=288). 10

11 Ullman (2006) salienta que quando são utilizados diferentes índices de ajustamento para a avaliação do modelo não é incomum que exista conflito entre eles. Essa situação deixa o pesquisador frente ao dilema de continuar o estudo sem modificações no modelo ou reespecificá-lo. Ullman (2006) da especial relevância ao CFI e RMSEA, que destaca como sendo dois dos mais populares índices para verificação do ajuste do modelo. Neste estudo ambos os índices estão de acordo com o recomendado na literatura: CFI=0,971 e RMSEA=0,062. Quanto ao RMSEA cabe destacar que nem Ulman (2006) ou Hair et al (2005) indicam a necessidade de verificação do PCLOSE para a sua avaliação. Diferente de Byrne (2001) que recomenda que esse seja maior que 0,50. Levando isso em consideração junto com a avaliação do conjunto de parâmetros de ajuste do modelo é possível considerar que o mesmo tem ajuste satisfatório. Isso significa que o fenômeno pode ser analisado sem que seja necessária a realização de modificações no mesmo. A Tabela 5 apresenta os resultados encontrados para o modelo proposto. Tabela 5: Avaliação das hipóteses do modelo Variável Dependente Variável Independente Hipótese Coeficiente de padronizado Variância Emoções Negativas 0,49* Injustiça H3 0,58* Intenção de Retaliação 0,65* Injustiça H4 0,45* Emoções Negativas H5 0,32* Avaliação da Concorrência 0,42* Intenção de Retaliação H6 0,47* Nota: * significativo a p<0,001 As hipóteses 3, 4, 5 e 6, indicadas pela revisão de literatura, foram confirmadas no modelo analisado. A percepção de injustiça impacta diretamente nas emoções negativas (β=+0,58; H3), e apresenta a mais elevada carga de regressão no modelo analisado. A injustiça também impacta diretamente na intenção de retaliação (β=+0,45; H4). Também, conforme esperado, foi confirmado o impacto das emoções negativas na intenção de retaliação (β=+0,32; H5) e o impacto da intenção de retaliação sobre a avaliação da concorrência (β=+0,47; H6). Todos os resultados apresentaram significância no nível p<001. A capacidade preditiva do modelo foi analisada através da análise de variância dos construtos. As emoções negativas, que recebem impacto direto apenas da injustiça, tiveram 49% de suas variações explicadas por esse modelo. A intenção de retaliação, que tem como antecedentes a percepção de injustiça e as emoções negativas, apresentou variância explicada de 65%. Já a avaliação da concorrência que tem como antecedente a intenção de retaliação apresentou 42% de sua variância explicada por esse modelo. Os coeficientes de explicação identificados nesse estudo são satisfatórios e indicam que o modelo apresenta evidências de validade preditiva. Sendo assim pode-se concluir que o modelo analisado é válido nesse contexto e confirma que a intenção de retaliação e as emoções negativas podem ser consequências da percepção de injustiça de preço por parte do consumidor de free shop quando ele verifica a prática de taxas de câmbio diferentes entre free shop concorrentes. Complementarmente, identifica-se que as emoções negativas também influênciam a intenção de retaliação e que essa induz o consumidor a avaliar melhor a concorrência. 11

Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto

Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto Juliana Alvares Duarte Bonini Campos Paula Cristina Jordani Patrícia Petromilli Nordi Sasso Garcia João Maroco Introdução A

Leia mais

Preços Mais Baixos para Novos Clientes: Consequências da Percepção de Injustiça de Preço nos Clientes Atuais

Preços Mais Baixos para Novos Clientes: Consequências da Percepção de Injustiça de Preço nos Clientes Atuais Preços Mais Baixos para Novos Clientes: Consequências da Percepção de Injustiça de Preço nos Clientes Atuais Autoria: Kenny Basso, Cristiane Pizzutti dos Santos, Laura Sangalli Kussler, Hugo Fridolino

Leia mais

Adaptação Portuguesa do Questionário de Bem Estar Espiritual: resultados. psicométricos preliminares

Adaptação Portuguesa do Questionário de Bem Estar Espiritual: resultados. psicométricos preliminares Referência Gouveia, M.J., Pais Ribeiro, J., & Marques, M. (2008). Adaptação Portuguesa do Questionário de Bem Estar Espiritual: resultados psicométricos preliminares. In: I.Leal, J.Pais-Ribeiro, I. Silva

Leia mais

4. Modelagem e Análise dos Dados

4. Modelagem e Análise dos Dados 4. Modelagem e Análise dos Dados Neste capítulo são avaliadas as propriedades estatísticas e psicométricas da amostra coletada, sendo ajustados os modelos de mensuração e estruturais propostos. São testadas

Leia mais

Preços mais baixos para novos clientes: consequências da percepção de injustiça de preço nos clientes atuais

Preços mais baixos para novos clientes: consequências da percepção de injustiça de preço nos clientes atuais ISSN 0080-2107 Preços mais baixos para novos clientes: consequências da percepção de injustiça de preço nos clientes atuais Kenny Basso Cristiane Pizzutti dos Santos Laura Sangalli Kussler Hugo Fridolino

Leia mais

RENTABILIDADE, TAMANHO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM EMPRESAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA: UMA ANÁLISE COM EQUAÇÕES ESTRUTURAIS

RENTABILIDADE, TAMANHO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM EMPRESAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA: UMA ANÁLISE COM EQUAÇÕES ESTRUTURAIS RENTABILIDADE, TAMANHO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM EMPRESAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA: UMA ANÁLISE COM EQUAÇÕES ESTRUTURAIS Rodrigo Fernandes Malaquias (UFU) rodrigofmalaquias@yahoo.com.br No ano de 2009,

Leia mais

4 Análise dos Resultados

4 Análise dos Resultados 55 4 Análise dos Resultados Este capítulo apresenta os resultados obtidos a partir de survey realizada com jovens universitários chilenos. Para compor a base de dados, foram utilizadas as respostas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração GERENCIAMENTO FINANCEIRO DOS BENEFÍCIOS ADVINDOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Aplicação do Modelo Store Equity: Um Estudo em uma Loja de Material de Construção de Belo Horizonte.

Aplicação do Modelo Store Equity: Um Estudo em uma Loja de Material de Construção de Belo Horizonte. Aplicação do Modelo Store Equity: Um Estudo em uma Loja de Material de Construção de Belo Horizonte. Resumo Autoria: Fabricio Dias Miranda, Dalton Jorget Teixeira O objetivo deste estudo foi o de testar

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Sharlene Neuma Henrique da Silva 1 Isys Pryscilla de Albuquerque Lima 2 Moacyr Cunha Filho 2 Maria Cristina Falcão Raposo 3 1

Leia mais

Processos empresariais como preditores de maturidade organizacional: uma aplicação da análise multivariada

Processos empresariais como preditores de maturidade organizacional: uma aplicação da análise multivariada Processos empresariais como preditores de maturidade organizacional: uma aplicação da análise multivariada Adriano Rodrigues de Melo 1 Vanessa Ferreira Sehaber 2 Jair Mendes Marques 3 1 Introdução A permanente

Leia mais

XVI SEMEAD Seminários em Administração

XVI SEMEAD Seminários em Administração XVI SEMEAD Seminários em Administração outubro de 2013 ISSN 2177-3866 Fatores de Escolha e Troca de Operadora de Telefonia Celular no Brasil: O que pesa na Lealdade dos Consumidores? RENATO HÜBNER BARCELOS

Leia mais

Serviço Especial de TV por Assinatura

Serviço Especial de TV por Assinatura RELATÓRIO CONTENDO AS ANÁLISES ESTATÍSTICAS DOS DADOS COLETADOS E SEUS RESULTADOS PRODUTO VI PÚBLICO (TUP) Serviço Especial de TV por Assinatura Janeiro de 2013 2 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VALIDAÇÃO

Leia mais

Revista de Administração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Administração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Administração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Universidade de São Paulo Brasil Heyde Fernandes, Daniel von der; Slongo, Luiz Antônio Antecedentes e conseqüências da injustiça no preço

Leia mais

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación E-ISSN: 1696-4713 RINACE@uam.es

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación E-ISSN: 1696-4713 RINACE@uam.es REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación E-ISSN: 1696-4713 RINACE@uam.es Red Iberoamericana de Investigación Sobre Cambio y Eficacia Escolar España Radons, Daiane; Battistella,

Leia mais

SATISFAÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIFRA: UM ESTUDO À LUZ DAS EQUAÇÕES ESTRUTURAIS

SATISFAÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIFRA: UM ESTUDO À LUZ DAS EQUAÇÕES ESTRUTURAIS SATISFAÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIFRA: UM ESTUDO À LUZ DAS EQUAÇÕES ESTRUTURAIS Jonas Venturini UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Breno Augusto Diniz Pereira UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. SEMESTRE 2015 DISCIPLINA: Pesquisa Quantitativa com Análise de Dados PROFESSOR:

Leia mais

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes 4 Análise de Dados 4.1 Perfil dos Respondentes A taxa de resposta foi de aproximadamente 8% de respostas na amostra de clientes que compram fora da loja (telefone e/ou Internet) e 3% na amostra de clientes

Leia mais

Uma Análise dos Serviços de Telefonia Móvel no Brasil: uma proposta de modelo empírico

Uma Análise dos Serviços de Telefonia Móvel no Brasil: uma proposta de modelo empírico Uma Análise dos Serviços de Telefonia Móvel no Brasil: uma proposta de modelo empírico Autoria: Marcio de Oliveira Mota, Cláudio André Gondim Nogueira, Felipe Cavalcante de Almeida, Paulo Giovanni Nogueira

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

Introdução. Verificar em que medida o investimento em educação conduz ao desenvolvimento humano na percepção do estudante universitário.

Introdução. Verificar em que medida o investimento em educação conduz ao desenvolvimento humano na percepção do estudante universitário. Análise das Relações de Causalidade entre o Investimento em Educação e os Indicadores de Desenvolvimento Humano através da Modelagem de Equações Estruturais Nonato Assis de Miranda (Universidade Paulista

Leia mais

Investigação Sociológica

Investigação Sociológica Investigação Sociológica Analisar modelos com Equações Estruturais Rui Brites rui.brites@iscte.pt 1 Modelação de Equações Estruturais (MEE) (SEM structural equations modeling) com SPSS/AMOS O essencial

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS APRESENTAÇÃO os módulos de análise de dados em IBM SPSS Statistics, organizados pelo Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho (CICS), pretendem contribuir para a difusão da utilização

Leia mais

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas CONDUÇÃO: PROF. THIAGO CAVALCANTE NASCIMENTO Questões Introdutórias Como se mensurar fenômenos que, na maioria das vezes, não podem ser

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

A Pesquisa Survey em Artigos de Marketing nos ENANPADs da Década de 90

A Pesquisa Survey em Artigos de Marketing nos ENANPADs da Década de 90 A Pesquisa Survey em Artigos de Marketing nos ENANPADs da Década de 90 Marcelo Gatterman Perin Mestre em Sistemas de Informações e Doutorando em Administração pela UFRGS, e Professor da UNISINOS E-mail:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 06/08/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores

Leia mais

Modelagem de Equações Estruturais: Exemplo Comentado da Aplicação Mediante a Utilização do Software AMOS

Modelagem de Equações Estruturais: Exemplo Comentado da Aplicação Mediante a Utilização do Software AMOS Abril de 20, vol. 03, n o. 04 ISSN 984-693 Modelagem de Equações Estruturais: Exemplo Comentado da Aplicação Mediante a Utilização do Software AMOS Flávio Régio Brambilla

Leia mais

Formação em Administração na Perspectiva do Aluno: Valor Percebido no Curso, Percepção do Prestígio e Identificação com a Profissão

Formação em Administração na Perspectiva do Aluno: Valor Percebido no Curso, Percepção do Prestígio e Identificação com a Profissão Formação em Administração na Perspectiva do Aluno: Valor Percebido no Curso, Percepção do Prestígio e Identificação com a Profissão Autoria: Francisco José da Costa, Alexandre Araujo Cavalcante Soares,

Leia mais

Autoria: Carlos Alberto Freire Medeiros, Lindolfo Galvão de Albuquerque, Glenda Michelle Marques

Autoria: Carlos Alberto Freire Medeiros, Lindolfo Galvão de Albuquerque, Glenda Michelle Marques 1 Comprometimento e Desempenho Organizacional: um Estudo da Estrutura de Relacionamentos dos Componentes do Comprometimento com o Desempenho das Empresas Hoteleiras. Autoria: Carlos Alberto Freire Medeiros,

Leia mais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Augusto César Ferreira Lima A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

Avaliação de serviços de segurança privada: um estudo exploratório

Avaliação de serviços de segurança privada: um estudo exploratório Avaliação de serviços de segurança privada: um estudo exploratório Luciano Zamberlan (UNIJUÍ) lucianoz@unijui.tche.br Júlio César Valandro Soares (UNIJUÍ) julioces@unijui.tche.br Elissandra Maria Diel

Leia mais

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR 1 Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Resultados COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia Superintendência de Regulação da Comercialização da

Leia mais

5.1. Avaliação das propriedades psicométricas do modelo de mensuração

5.1. Avaliação das propriedades psicométricas do modelo de mensuração 5 Análise dos dados 5.1. Avaliação das propriedades psicométricas do modelo de mensuração Antes de avaliar os resultados encontrados através deste trabalho de pesquisa foi necessário validar o modelo proposto

Leia mais

Valor Percebido no Curso, Percepção do Prestígio e Identificação com a Profissão: Uma Análise junto a Estudantes da Área de Negócios

Valor Percebido no Curso, Percepção do Prestígio e Identificação com a Profissão: Uma Análise junto a Estudantes da Área de Negócios Valor Percebido no Curso, Percepção do Prestígio e Identificação com a Profissão: Uma Análise junto a Estudantes da Área de Negócios Autoria: Francisco José da Costa, Leonel Gois Lima Oliveira, Davi Montefusco

Leia mais

IPA INSTITUTO DE PESQUISA AVANTIS Professor Coordenador Thiago Santos IPA@AVANTIS.EDU.BR

IPA INSTITUTO DE PESQUISA AVANTIS Professor Coordenador Thiago Santos IPA@AVANTIS.EDU.BR IPA INSTITUTO DE PESQUISA AVANTIS Professor Coordenador Thiago Santos IPA@AVANTIS.EDU.BR IPA Instituto de Pesquisa Avantis Objetivos: - Socializar os conhecimentos e informações originadas por pesquisas

Leia mais

ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA

ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA Mírian Moreira Menezes Venâncio mirian.me.ve@hotmail.com Odaléa Aparecida Viana odalea@pontal.ufu.br Resumo: Esta pesquisa tem como foco

Leia mais

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA NO ÂMBITO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA NO ÂMBITO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla PLANO DE ENSINO Universidade Positivo Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Gestão e Sociedade Disciplina: Métodos Quantitativos Administração de Pesquisa Carga horária total:

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

Aceitação e Prontidão do Consumidor para Tecnologia: Proposta de um Novo Modelo e Teste Empírico

Aceitação e Prontidão do Consumidor para Tecnologia: Proposta de um Novo Modelo e Teste Empírico Aceitação e Prontidão do Consumidor para Tecnologia: Proposta de um Novo Modelo e Teste Empírico Autoria: Jorge Brantes Ferreira, Angela da Rocha RESUMO Este estudo propõe um novo modelo de adoção de produtos

Leia mais

MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO RESUMO

MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO RESUMO MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO Jonas Bordim 1 Luiz Antônio Gazola 2 Wagner Augusto Rodrigues 3 Marcos Rogério Rodrigues 4 RESUMO No mercado cambial brasileiro, as empresas que nele participam devem conhecer

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Agência Nacional de Energia Elétrica ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Amazonas Distribuidora de Energia S/A ELETROBRAS AMAZONAS ENERGIA Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais - SRC

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Agência Nacional de Energia Elétrica ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Eletrobras Distribuição Alagoas Companhia Energética de Alagoas Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais - SRC

Leia mais

CUSTOS DE MUDANÇA E SEUS EFEITOS POSITIVOS E NEGATIVOS NO COMPROMETIMENTO, INTENÇÃO DE RECOMPRA E BOCA-A-BOCA RESUMO

CUSTOS DE MUDANÇA E SEUS EFEITOS POSITIVOS E NEGATIVOS NO COMPROMETIMENTO, INTENÇÃO DE RECOMPRA E BOCA-A-BOCA RESUMO CUSTOS DE MUDANÇA E SEUS EFEITOS POSITIVOS E NEGATIVOS NO COMPROMETIMENTO, INTENÇÃO DE RECOMPRA E BOCA-A-BOCA Autoria: Denise Avancini Alves, Mellina da Silva Terres, Cristiane Pizzutti dos Santos RESUMO

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

Mestrado Profissional em Administração. Disciplina: Análise Multivariada Professor: Hedibert Freitas Lopes 1º trimestre de 2015

Mestrado Profissional em Administração. Disciplina: Análise Multivariada Professor: Hedibert Freitas Lopes 1º trimestre de 2015 Mestrado Profissional em Administração Disciplina: Análise Multivariada Professor: Hedibert Freitas Lopes º trimestre de 205 Modelagem de Equações Estruturais Análise Fatorial Confirmatória Análise de

Leia mais

SERVQUAL Aplicado à Avaliação de Serviços Mecânicos em Veículos

SERVQUAL Aplicado à Avaliação de Serviços Mecânicos em Veículos SERVQUAL Aplicado à Avaliação de Serviços Mecânicos em Veículos Roxana M. Martínez Orrego Raquel Cymrot Daniel A. de Oliveira Barbosa Emiliana R. Beraldo RESUMO Neste artigo apresentam-se e discutem-se,

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES DO IPT: MECANISMO DE COMUNICAÇÃO COM O CLIENTE OBJETIVANDO A MELHORIA DOS PROCESSOS

PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES DO IPT: MECANISMO DE COMUNICAÇÃO COM O CLIENTE OBJETIVANDO A MELHORIA DOS PROCESSOS ENQUALAB 2013 Congresso da Qualidade em Metrologia PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES DO IPT: MECANISMO DE COMUNICAÇÃO COM O CLIENTE OBJETIVANDO A MELHORIA DOS PROCESSOS INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS

Leia mais

Contador Conservador ou Ser Humano Conservador? Um Estudo Sob a Perspectiva da Contabilidade Comportamental

Contador Conservador ou Ser Humano Conservador? Um Estudo Sob a Perspectiva da Contabilidade Comportamental Contador Conservador ou Ser Humano Conservador? Um Estudo Sob a Perspectiva da Contabilidade Comportamental RESUMO O objetivo desta pesquisa foi verificar se existe diferença significativa entre o nível

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

A influência da atmosfera de varejo sobre os consumidores

A influência da atmosfera de varejo sobre os consumidores A influência da atmosfera de varejo sobre os consumidores Francine Espinoza André Cauduro D Angelo Guilherme Liberali RESUMO Na pesquisa relatada neste artigo, analisa-se o impacto da atmosfera da loja

Leia mais

EC330 Tratamento da Informação

EC330 Tratamento da Informação EC330 Tratamento da Informação Prof. Dr. Maurício U. Kleinke PECIM PPG em Ensino de Ciências e Matemática Grupo de Ensino e Avaliação DFA/IFGW/Unicamp Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial

Leia mais

Qualidade Percebida, Satisfação e Propensão à Lealdade: Um Estudo Empírico no Setor de Telefonia Celular Móvel. Autoria: Gustavo Quiroga Souki

Qualidade Percebida, Satisfação e Propensão à Lealdade: Um Estudo Empírico no Setor de Telefonia Celular Móvel. Autoria: Gustavo Quiroga Souki Qualidade Percebida, Satisfação e Propensão à Lealdade: Um Estudo Empírico no Setor de Telefonia Celular Móvel Resumo Autoria: Gustavo Quiroga Souki O presente trabalho desenvolveu-se com o objetivo de

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO À QUALIDADE DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIJUÍ

A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO À QUALIDADE DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIJUÍ !"#! $&%(')%(*,+.- /10.2)%4365879%4/1:.*,58;.2)=?5.@A2)3B;.- C(D 5.+.5FE(5.G.* %4- 'IHJ%?+.* /?=(5.KA:.*,5MLN%OHJ5F%4E(2)EOHJ%('IHJ/(G.- D - ;./(;.% A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO À QUALIDADE DOS

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

Pesquisa de Satisfação e Imagem Alunos Ifes

Pesquisa de Satisfação e Imagem Alunos Ifes Pesquisa de e Imagem Alunos Ifes INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Vitória, Fevereiro de 2014. 1. APRESENTAÇÃO O presente documento corresponde ao produto 03 que trata da Pesquisa com Alunos sobre e

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo Universidade

Leia mais

O COMPORTAMENTO DE CONSUMIDORES DE VEÍCULOS USADOS: UM ESTUDO A PARTIR DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA

O COMPORTAMENTO DE CONSUMIDORES DE VEÍCULOS USADOS: UM ESTUDO A PARTIR DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA O COMPORTAMENTO DE CONSUMIDORES DE VEÍCULOS USADOS: UM ESTUDO A PARTIR DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA Luciano Zamberlan (UNIJUÍ) lucianoz@unijui.edu.br Ariosto Sparemberger (UNIJUÍ) ariosto@unijui.edu.br

Leia mais

Um estudo dos fatores que afetam a fidelidade dos compradores de automóveis

Um estudo dos fatores que afetam a fidelidade dos compradores de automóveis Um estudo dos fatores que afetam a fidelidade dos compradores de automóveis Isabel Nobre Pinheiro (UFRN) isabelpinheiro@ig.com.br Joab Maciel Saldanha Rodrigues (FCC) joab@matrix.com.br Rubens Eugênio

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE Jesse Alencar da Silva Centro Universitário La Salle (UNILASALLE-RS)

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO COM CLIENTES DA EMPRESA LALISUL COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES LTDA

PESQUISA DE SATISFAÇÃO COM CLIENTES DA EMPRESA LALISUL COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES LTDA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Karine Ana Zonatto PESQUISA DE SATISFAÇÃO COM CLIENTES DA EMPRESA LALISUL COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

O bem-estar subjectivo (BES) é uma categoria de fenómenos muito ampla que inclui as

O bem-estar subjectivo (BES) é uma categoria de fenómenos muito ampla que inclui as Referência Pais Ribeiro, J., & Cummins, R. (2008) O bem-estar pessoal: estudo de validação da versão portuguesa da escala. In: I.Leal, J.Pais-Ribeiro, I. Silva & S.Marques (Edts.). Actas do 7º congresso

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL Natal, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando compra...

Leia mais

Pesquisa de Satisfação da Central de Atendimento da Anvisa Relatório Resultados Finais Coordenação de Atendimento ao Público COATE/GGCIP

Pesquisa de Satisfação da Central de Atendimento da Anvisa Relatório Resultados Finais Coordenação de Atendimento ao Público COATE/GGCIP Pesquisa de Satisfação da Central de Atendimento da Anvisa Relatório Resultados Finais Coordenação de Atendimento ao Público COATE/GGCIP www.anvisa.gov.br Brasília, janeiro de 2015 Introdução A Agência

Leia mais

Coordenadora Profª. Drª. Kelmara Mendes Vieira. Ani Caroline G. Potrich

Coordenadora Profª. Drª. Kelmara Mendes Vieira. Ani Caroline G. Potrich UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO GERENCIAMENTO FINANCEIRO DOS BENEFÍCIOS ADVINDOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Relação entre Clima Organizacional, Percepção de Mudança Organizacional e Satisfação do Cliente 1

Relação entre Clima Organizacional, Percepção de Mudança Organizacional e Satisfação do Cliente 1 Psicologia: Teoria e Pesquisa Jan-Mar 2013, Vol. 29 n. 1, pp. 31-39 Relação entre Clima Organizacional, Percepção de Mudança Organizacional e Satisfação do Cliente 1 Juliana Neves Santos 2 Elaine Rabelo

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO A FÓRMULA DO SUCESSO PODE SER SIMPLES. A maioria dos corretores da bolsa sente dificuldade em atuar permanentemente com sucesso nos mercados financeiros.

Leia mais

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação Correlação Canônica Outubro / 998 Versão preliminar Fabio Vessoni fabio@mv.com.br (0) 306454 MV Sistemas de Informação Introdução Existem várias formas de analisar dois conjuntos de dados. Um dos modelos

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

Fatores críticos de sucesso na implantação de um sistema CRM em uma empresa de telecomunicações

Fatores críticos de sucesso na implantação de um sistema CRM em uma empresa de telecomunicações Fatores críticos de sucesso na implantação de um sistema CRM em uma empresa de telecomunicações Anderson Pereira da Silva Rocha (PUCPR) anders_rocha@hotmail.com Roberto Max Protil (PUCPR) protil@ppgia.pucpr.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

Emprego do SERVQUAL na avaliação da Qualidade de Serviços de Tecnologia da Informação: uma análise experimental

Emprego do SERVQUAL na avaliação da Qualidade de Serviços de Tecnologia da Informação: uma análise experimental XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 006 Emprego do SERVQUAL na avaliação da Qualidade de Serviços de Tecnologia da Informação: uma análise experimental André Luís Policani Freitas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA DE SERVIÇOS: UM ESTUDO EM UMA ORGANIZAÇÃO NÃO-GOVERNAMENTAL

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA DE SERVIÇOS: UM ESTUDO EM UMA ORGANIZAÇÃO NÃO-GOVERNAMENTAL AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA DE SERVIÇOS: UM ESTUDO EM UMA ORGANIZAÇÃO NÃO-GOVERNAMENTAL ARTIGO Celso Augusto de Matos Bacharelando em Administração Faculdade de Ciências Econômicas -UFMG cmatos@niag.face.ufmg.br

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 04 ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS 2 Dificuldades das avaliações imobiliárias características especiais dos imóveis, que

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

FATORES QUE DEFINEM O CLIMA ORGANIZACIONAL ENTRE OS SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS DO CEFET BAMBUÍ

FATORES QUE DEFINEM O CLIMA ORGANIZACIONAL ENTRE OS SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS DO CEFET BAMBUÍ Bambuí/MG - 2008 FATORES QUE DEFINEM O CLIMA ORGANIZACIONAL ENTRE OS SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS DO CEFET BAMBUÍ Regina Kátia Aparecida SILVA (1); Myriam Angélica DORNELAS (2); Washington Silva

Leia mais

Validação do BSI numa amostra portuguesa de mulheres com cancro da mama

Validação do BSI numa amostra portuguesa de mulheres com cancro da mama Actas do 6 Congresso Nacional de Psicologia da Saúde Organizado por Isabel Leal, José Pais Ribeiro, e Saul Neves de Jesus 2006, Faro: Universidade do Àlgarve Validação do BSI numa amostra portuguesa de

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Consumidor da Terceira Idade: Diferenciação de Mercado, Geração de Renda e Poder de Decisão de Compra

Consumidor da Terceira Idade: Diferenciação de Mercado, Geração de Renda e Poder de Decisão de Compra III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Consumidor da Terceira Idade: Diferenciação de Mercado, Geração de Renda e Poder de Decisão de Compra Jeferson Fernandes Fassa 1 Mário Sacomano

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

Nível de Serviço. Tópicos. Objetivo. FACCAMP MBA Eng. Logística. FACCAMP MBA Eng. Logística Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni. Engenharia Logística

Nível de Serviço. Tópicos. Objetivo. FACCAMP MBA Eng. Logística. FACCAMP MBA Eng. Logística Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni. Engenharia Logística Nível de Serviço Engenharia Logística I Objetivo Facilitar o engenheiro de logística a projetar e especificar os indicadores utilizado para aferir o nível de serviço, bem como entender sua importante no

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E DA LIDERANÇA NA PERFORMANCE ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO DE CASO Marisa Bettencourt Mota Março de 2015 UNIVERSIDADE DOS AÇORES

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à Importação São Paulo 2012 Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO NO PROCESSO DE COMPRA DA TELEFONIA MÓVEL DA AMAZÔNIA

A INFLUÊNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO NO PROCESSO DE COMPRA DA TELEFONIA MÓVEL DA AMAZÔNIA ISSN 1984-9354 A INFLUÊNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO NO PROCESSO DE COMPRA DA TELEFONIA MÓVEL DA AMAZÔNIA KATTIUCY FILGUEIRA WATSON (UFRR) Edgar Reyes Junior (UFRR) Resumo O marketing de relacionamento

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais