Diagnósticos de Rua D A N N I W A N D E R S O N N O B R E C H A G A S

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnósticos de Rua D A N N I W A N D E R S O N N O B R E C H A G A S"

Transcrição

1 Diagnósticos de Rua D A N N I W A N D E R S O N N O B R E C H A G A S

2 Homem 50 anos Febre Cefaléia e astenia HPP: Pequena úlcera cicatrizada no pé Linfadenopatia inguinal maciça bactéria Francisella tularensis Exposição direta a animal infectado Complicações pulmonares são comuns levando a parada respiratória TULAREMIA

3 Artralgia Mialgia Placa eritematosa endurecida com uma borda pseudovesiculosa Infiltrado pulmonar Infiltrado neutrofílico difuso Hepatite e insuficiência renal associada a várias doenças infecciosas, inflamatórias, neoplásicas e ao uso de medicamentos. dermatose neutrofílica aguda febril Síndrome de sweet

4 Mal estar Cefaléia Febre Calafrio Mialgia e artralgia bactéria espiroqueta Borrelia burgdorferi. carrapato da espécie Ixodes scapularis Cresce em diâmetro clareando a zona central Eritema migratório crônico Doença de Lyme

5 Dor Perda da destreza Infecção fúngica(trichophyton mentagrophytes e Rubrum) Onicomicose

6 afecção de natureza hereditária alterações em tecidos de origem meso e ectodérmica comprometendo, assim, estruturas ósseas, articulares e ungueais Unhas displásicas Cornos ilíacos Hipoplasia de patela Hipoplasia de cabeça do rádio e capítulo Síndrome unha-patela (onicoosteoartrodisplasia hereditária)

7

8

9 Neisseria Gonorrhoeae Chlamydia (2 a 4 semanas) Conjuntivite Bacteriana

10 Adenovírus(+comum); picorna; varíola; varicela-zoster Autolimitada Menor duração Sem secreção puruenta Coceira Lacrimejamento Vermelhidão Fotofobia Conjuntivite viral

11 Nódulo indolor Brilhante e ceroso Endurecido e imóvel Perda dos cílios(madarose) Carcinoma Basocelular

12 Ardor Sensação de fotofobia Dor Diminuição da visão Inflamação das pálpebras(geralmente por colonização bacteriana) Associada a rosácea e a dermatite seborréica Blefarite

13 Dermatofitose Alopecia Trichophyton Microsporum Acometimento do pelo na porção próxima à raiz Área eritematosa e descamativa Tinea capitis

14 Febre Astenia Lesões semelhantes nas mãos, nas nádegas e na boca, não pruriginosas e não dolorosas Vírus coxsackie Usualmente crianças <5anos Regressão espontânea em uma semana Meningite ou encefalite - raramente Doença da mão-pé-boca(dmpb)

15 Prurido Queimação Ardor Infecção das pregas da pele por Candida Pontilhado satélite Intertrigo Candidiásico

16 Febre baixa Dor Linfadenopatia regional edema Porta de entrada: trauma, lesão, picada de inseto... Em alguns casos pode haver surgimento e rompimento de bolhas com necrose tecidual Pode evoluir com sépsis e meningite Estreptococos e estafilococos Celulite Infecciosa

17 Bolhoso(estafilo) Comum(estrepto) Rosto, membros e axilas Impetigo

18 Calafrios, febre alta, mal-estar, cefaléia, náuseas e vômitos Vermelhidão, dor e edema, calor Causado +comumente por estreptococos +comum em diabéticos, obesos e portadores de deficiência da circulação venosa Erisipela

19 Assintomático(+comum) Pode haver dor e prurido Poxvirus É o maior (300 nanômetros) e mais complexo vírus que infecta o ser humano Molusco Contagioso

20 Homem de 25 anos, há 1 ano com lesões de pele no nariz e no braço Ferida de aspecto pápulo-eritematoso ou furunculóide ou pápuloulcerado Lesões deformantes e dolorosas Leishmaniose Tegumentar

21 Mulher, 17 anos Há 15 dias observou o surgimento de uma pápula pequena, pruriginosa e indolor que ampliou rapidamente, formou uma vesícula que estorou formando uma úlcera indolor com uma escara necrótica. O edema palpebral se desenvolveu em 7 dias Afebril Sem linfoadenomegalias Bacillus anthracis(grampositivo) Antraz Cutâneo

22 Ceratoses seborréicas Indica Síndrome Paraneoplásica Estão mais associados a adenocarcinomas gastrointestinais Sinal de Leser-Trélat

23 Homem de 61 anos Lesões indolores brancas que surgiram há 1 mês Episódio semelhante há 1 ano Múltiplas manchas eritematosas com um anel branco bem delimitado Doença inflamatória benigna Atrofia das papilas filiformes Glossite migratória benigna Diferencial: Candida leucoplasia, Liquen plano LES Língua Geográfica

24 Anidrose, febre recorrente, transtornos digestivos(diarréia e flatulência), embaçamento da córnea, parestesias dolorosas Essas lesões nas costas e virilha Doença de depósito lisossômico(ddl) A deficiência de Alfagalactosidase A nos lisossomos, resulta no acúmulo progressivo do glicosfingolipido, globotriaosilceramida (Gb3), nas células de muitos sistemas orgânicos Angioquerato mas Doença de Fabry Erro inato recessivo ligado ao X

25 Mulher, 22 anos Lesões cutâneas por todo o corpo que só pouparam o couro cabeludo Mialgia e artralgia Febre de 40,5 Eritema bolhoso reação alérgica pode ser causada por estímulos como drogas, infecções virais, entre outras, embora em grande parte dos casos a etiologia específica não seja facilmente identificável. Síndrome de Stevens-Johnson

26 Bibliografia Harrison Medicina Interna,17ª Edição mon-eye-conditions# mon-rashes# -in-clinical-medicine/

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE HISTÓRIA CLÍNICA PARA INVESTIGAÇÃO DE URTICÁRIA DATA / / NOME GÊNERO IDADE ESTADO CIVIL RAÇA ENDEREÇO TELEFONE PROFISSÃO 1. ANTECEDENTES A) história familiar: Urticária angioedema Doenças da tireóide Asma,

Leia mais

Doenças exantemáticas DIP II

Doenças exantemáticas DIP II Doenças exantemáticas DIP II Profª Christiane Rangel Doenças exantemáticas Em geral infecto-contagiosas Diagnóstico essencialmente clínico Exantema é variável, de acordo com tipo de afecção: Macular Papular

Leia mais

Conheça algumas doenças tipicamente femininas

Conheça algumas doenças tipicamente femininas Uol - SP 03/12/2014-11:51 Conheça algumas doenças tipicamente femininas Da Redação ANSIEDADE: este transtorno mental é caracterizado por preocupações, tensões ou medos exagerados, sensação contínua de

Leia mais

página: 204 Capítulo 10: Psoríase causas lesiones básicas procura índice imprimir última página vista anterior seguinte

página: 204 Capítulo 10: Psoríase causas lesiones básicas procura índice imprimir última página vista anterior seguinte Capítulo 10: Psoríase página: 204 Psoríase Aspectos clínicos página: 205 10.1 Aspectos clínicos Psoríase vulgar Forma eritematosa Psoríase muito extensa. Grandes placas confluentes, essencialmente eritematosas,

Leia mais

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral PARTE Parte 12 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 2012 LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Parte II Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Orientações gerais para as famílias Ambulatório 2016 Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de duas enfermeiras e duas auxiliares de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Infecção estreptocócica da pele, caracterizada pelo aparecimento de manchas vermelhas com borda nitidamente demarcada.

Infecção estreptocócica da pele, caracterizada pelo aparecimento de manchas vermelhas com borda nitidamente demarcada. P2 - DERMATOSES Conceito: DERMATOSES SÃO DOENÇAS DA PELE QUE PODEM SER: CONTAGIOSAS INFLAMATÓRIAS NÃO CONTAGIOSAS NEOPLASICAS DERMATOSES CONTAGIOSAS 1. ERISIPELA 2. FURUNCULOS 3. HERPES SIMPLES 4. IMPETIGO

Leia mais

17º Imagem da Semana: Fotografia

17º Imagem da Semana: Fotografia 17º Imagem da Semana: Fotografia Enunciado Paciente de 61 anos, sexo masculino, natural e residente em Belo Horizonte, aposentado, apresentou, há cerca de 20 dias, lesões em membro superior esquerdo, com

Leia mais

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 Sumário parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 1 Terapêutica: estratégia geral... 29 terminologia de doenças... 29 História do caso... 34 Disposição do fármaco... 39 Seleção do fármaco...

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 MÉDICO DERMATOLOGISTA PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 MÉDICO DERMATOLOGISTA PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1) O sinal de Auspitz, ou sinal do orvalho sangrento, é encontrado na seguinte doença: a) psoríase b) líquen plano c) micose fungoide d) pitiríase rubra pilar 2) O quadro de

Leia mais

Região FC especifica Ligação com os leucócitos

Região FC especifica Ligação com os leucócitos Anticorpos Porção FAB se liga ao antígeno (variável) Cadeia Leve Região FC especifica Ligação com os leucócitos Cadeia Pesada Anticorpos apresentam 3 modos de ação: 1- Opsonização: marcação do antigeno.

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia

Imagem da Semana: Fotografia Imagem da Semana: Fotografia Imagem 01. Fotografia de rosto em visão frontal Imagem 02. Fotografia de rosto em perfil Paciente do sexo feminino, 9 meses, foi trazida pela mãe à Unidade Básica de Saúde

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

Verutex B (Ácido fusídicol + Valerato de betametasona) LEO PHARMA LTDA creme 20 mg/g + 1,0 mg/g

Verutex B (Ácido fusídicol + Valerato de betametasona) LEO PHARMA LTDA creme 20 mg/g + 1,0 mg/g Verutex B (Ácido fusídicol + Valerato de betametasona) LEO PHARMA LTDA creme 20 mg/g + 1,0 mg/g Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder à sua leitura antes de utilizar o medicamento. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ÁREA DE CONHECIMENTO: CIRURGIA GERAL 4. Cuidados Pré, trans e pós operatório. 5. Resposta endócrina e metabólica ao trauma. 6. Infecção

Leia mais

Especificidade das lesões dos membros inferiores

Especificidade das lesões dos membros inferiores Curso Avançado de Feridas Crónicas Especificidade das lesões dos membros LURDES FERREIRA DERMATOLOGISTA Unidade de Dermatologia Médico-Cirúrgica de Lisboa Ulcus - Centro de Estudos e Investigação em Feridas

Leia mais

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão.

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. 1 Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. SÍNDROMES OU CONDIÇÃO CLÍNICA PATÓGENOS POTENCIAIS PRECAUÇÕES EMPIRICAS Diarréia: Aguda, por provável

Leia mais

ÁCIDO FUSÍDICO + VALERATO DE BETAMETASONA EMS S/A CREME. 20 mg/g + 1 mg/g

ÁCIDO FUSÍDICO + VALERATO DE BETAMETASONA EMS S/A CREME. 20 mg/g + 1 mg/g ÁCIDO FUSÍDICO + VALERATO DE BETAMETASONA EMS S/A CREME 20 mg/g + 1 mg/g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ácido fusídico + valerato de betametasona Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES

Leia mais

O importante é ter saúde sempre!

O importante é ter saúde sempre! O importante é ter saúde sempre! MEDICAMENTOS GENÉRICOS Bromoprida está indicada para alívio dos distúrbios da motilidade gastrintestinal, situações de refluxo gastroesofágico, náuseas, vômitos e para

Leia mais

Curso de Medicina Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Questões para Revisão P4

Curso de Medicina Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Questões para Revisão P4 Curso de Medicina Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Questões para Revisão P4 1. Todas as opções abaixo resultam de uma infecção por N. gonorrhoeae. Qual destas origina as outras?

Leia mais

VIII - Doenças alérgicas

VIII - Doenças alérgicas VIII - Doenças alérgicas Douglas A. Rodrigues Jane Tomimori Marcos C. Floriano Sofia Mendonça SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros RODRIGUES, DA., et al. Atlas de dermatologia em povos indígenas

Leia mais

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão.

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. Sinais e sintomas: Em um quadro geral pode haver hipotermia, náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores, cefaléia, mal estar,

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

Doenças Exantemáticas em Pediatria. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria Faculdade de Medicina - UNESP

Doenças Exantemáticas em Pediatria. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria Faculdade de Medicina - UNESP Doenças Exantemáticas em Pediatria Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria Faculdade de Medicina - UNESP Doenças Exantemáticas São moléstias infecciosas nas quais a erupção cutânea é a característica

Leia mais

Hanseníase na Atenção Básica. Reações Hansênicas. Docente: Maria Angela Bianconcini Trindade

Hanseníase na Atenção Básica. Reações Hansênicas. Docente: Maria Angela Bianconcini Trindade Hanseníase na Atenção Básica Reações Hansênicas Docente: Maria Angela Bianconcini Trindade Reações Hansênicas Importantes causas de morbidade e incapacidade em hanseníase; Alterações inflamatórias abruptas

Leia mais

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR Fisiologia do Sistema Respiratório A respiração pode ser interpretada como um processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio, ou como um conjunto de reações químicas

Leia mais

Gênero Leishmania. século XIX a febre negra ou Kala-azar era temida na Índia. doença semelhante matava crianças no Mediterrâneo

Gênero Leishmania. século XIX a febre negra ou Kala-azar era temida na Índia. doença semelhante matava crianças no Mediterrâneo Leishmaniose Leishmaniose é um espectro de doenças produzidas por Leishmania sp. cuja manifestação clínica varia de infecção assintomática tica à morte Gênero Leishmania Histórico século XIX a febre negra

Leia mais

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP]

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] www.drapriscilaalves.com.br [DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] 2 É considerada a doença alérgica mais comum na rotina dermatológica, podendo corresponder a até 90% dos casos nos pacientes felinos

Leia mais

www.paulomargotto.com.br Introdução Micoses superficiais que se limitam às camadas queratinizadas ou semiqueratinizadas da epiderme, dos pêlos e das unhas. Embora não invadam a derme e epiderme, ocorre

Leia mais

Gênero Staphylococcus Gênero Streptococcus. PDF created with pdffactory Pro trial version

Gênero Staphylococcus Gênero Streptococcus. PDF created with pdffactory Pro trial version Gênero Staphylococcus Gênero Streptococcus TAXONOMIA BACTERIANA FAMÍLIA Gênero Gênero Gênero espécie espécie espécie cepa cepa TAXONOMIA BACTERIANA MICROCOCCACEAE Staphylococcus Micrococcus Stomatococcus

Leia mais

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano LESÕES INFLAMATÓRIAS DOS TECIDOS BUCAIS PERIODONTOPATIAS PERIODONTOPATIAS DOENÇAS DO PERIODONTO Periodontopatias Pulpopatias Periapicopatias Inflamação limitada aos tecidos moles que circundam os dentes(tec.peridentais).

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia

Imagem da Semana: Fotografia Imagem da Semana: Fotografia Imagem 01. Lesões nas palmas das mãos. Imagem 02. Lesões na superfície extensora do antebraço Imagem 03. Lesão em lábio inferior. Paciente do sexo feminino, 35 anos, casada,

Leia mais

APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO: Creme : Bisnaga com 25 g. Solução Capilar : Frasco com 25 ml.

APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO: Creme : Bisnaga com 25 g. Solução Capilar : Frasco com 25 ml. Therapsor propionato de clobetasol CREME 0,05% SOLUÇÃO CAPILAR 0,05% Uso adulto e pediátrico Uso externo APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO: Creme : Bisnaga com 25 g. Solução Capilar : Frasco com 25 ml. COMPOSIÇÃO:

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina É uma região anatômica que estabelece a contigüidade entre ossos ou cartilagens, permitindo que o movimento seja direcionado neste sentido. Cápsula sinovial

Leia mais

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros Semiologia do aparelho osteoarticular Professor Ivan da Costa Barros IMPORTÂNCIA CLÍNICA 10% das consultas médicas Mais de 100 doenças Complicações não articulares Geralmente auto limitado 1 em 5 americanos

Leia mais

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS)

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) Versão de 2016 1. O QUE É A CAPS 1.1 O que é? A Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) compreende

Leia mais

Meningite: O que você PRECISA SABER

Meningite: O que você PRECISA SABER SUBS ECRE TARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS E IMONUPREVENÍVEIS GERÊNCIA DE

Leia mais

O site do Ministério da Saúde disponibilizou em seu Blog, algumas perguntas e respostas acerca da Febre Amarela, que podem ser conferidas nos links:

O site do Ministério da Saúde disponibilizou em seu Blog, algumas perguntas e respostas acerca da Febre Amarela, que podem ser conferidas nos links: DE OLHO NO MOSQUITO Hoje vamos nos estender um pouco mais, mas é por um bom motivo: falar da Febre Amarela. Quando abrimos qualquer site na Internet, muito raramente não vemos notícias relacionadas a esta

Leia mais

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira VARIZES DE MEMBROS INFERIORES Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira Definição Dilatação, alongamento, tortuosidade com perda funcional, com insuficiência valvular Incidência: 3/1 sexo feminino;75%

Leia mais

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito!

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito! Paz e Bem 9º ano em AÇÃO Assunção contra o mosquito! Informações sobre o mosquito Mosquito doméstico Hábitos Reprodução Transmissão vertical DENGUE Transmissão: principalmente pela picada do mosquito

Leia mais

Vacina meningocócica C (conjugada)

Vacina meningocócica C (conjugada) Vacina meningocócica C (conjugada) Baxter Hospitalar Ltda Suspensão injetável Dose única de 0,5mL IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Vacina meningocócica C (conjugada) polissacarídeo meningocócico do grupo

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol

valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol Bula para paciente Pomada 0,5 mg + 1 mg + 10 mg + 10 mg Página 1 valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

Eritema Nodoso na criança

Eritema Nodoso na criança 1 PROTOCOLO Eritema Nodoso na criança Introdução O eritema nodoso (EN) é uma doença relativamente rara, com prevalência de 24 por cada 100.000 habitantes. Manifesta-se em qualquer idade, sendo mais frequente

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

anastrozol Bula para paciente Comprimido revestido 1 mg VERSÃO 02 da RDC 47- Essa versão altera a VERSÃO 01 Anastrozol_ Bula_Paciente

anastrozol Bula para paciente Comprimido revestido 1 mg VERSÃO 02 da RDC 47- Essa versão altera a VERSÃO 01 Anastrozol_ Bula_Paciente anastrozol Bula para paciente Comprimido revestido 1 mg anastrozol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Comprimido Revestido FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Embalagem com 30 comprimidos revestidos

Leia mais

Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya e Zika Vírus

Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya e Zika Vírus Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya e Zika Vírus Janeiro de 216 Semana Epidemiológica 2 (3/1 a 9/1)* A Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul (SES/RS) por meio do Centro Estadual

Leia mais

Limpeza de Pele Tissue

Limpeza de Pele Tissue Limpeza de Pele Tissue Introdução à Pele - REVISÃO Pele A pele é o maior órgão do corpo humano (representa quase 15% do peso de nosso corpo) e desempenha funções muito importantes, confira. Regula a perda

Leia mais

J00-J99 CAPÍTULO X : Doenças do aparelho respiratório J00-J06 Infecções agudas do trato respiratório superior J09-J19 Influenza (gripe) e pneumonia J20-J22 Doenças respiratórias agudas das vias aéreas

Leia mais

Anastrolibbs. Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 1 mg

Anastrolibbs. Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 1 mg Anastrolibbs Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 1 mg Anastrolibbs anastrozol APRESENTAÇÃO Comprimido revestidos contendo 1 mg de anastrozol em embalagem blíster calendário com 30 comprimidos

Leia mais

Verutex Creme 5 g, 10 g e 15 g

Verutex Creme 5 g, 10 g e 15 g Verutex Creme 5 g, 10 g e 15 g Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder à sua leitura antes de utilizar o medicamento. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Verutex ácido fusídico APRESENTAÇÕES Creme

Leia mais

REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS

REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos Processos sistêmicos conhecidos desde tempos

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

CLORIDRATO DE BROMEXINA

CLORIDRATO DE BROMEXINA CLORIDRATO DE BROMEXINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope infantil 4mg/5mL Xarope adulto 8mg/5mL Você não deve usar o cloridrato de bromexina se tiver alergia a bromexina (substância ativa) ou

Leia mais

PRINCIPAIS PROBLEMAS DERMATOLÓGICOS Jayme de Oliveira Filho Thaís Cruz Berti Franchin

PRINCIPAIS PROBLEMAS DERMATOLÓGICOS Jayme de Oliveira Filho Thaís Cruz Berti Franchin PRINCIPAIS PROBLEMAS DERMATOLÓGICOS Jayme de Oliveira Filho Thaís Cruz Berti Franchin A PELE DO RECÉM-NASCIDO A pele do neonato é 40 a 60% mais fina, menos pilosa e com menor coesão entre a epiderme e

Leia mais

Vacina Influenza. Andrea Lucchesi de Carvalho Pediatra/Infectologista Pediátrica Presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da SMP

Vacina Influenza. Andrea Lucchesi de Carvalho Pediatra/Infectologista Pediátrica Presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da SMP Vacina Influenza Andrea Lucchesi de Carvalho Pediatra/Infectologista Pediátrica Presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da SMP Influenza Orthomyxoviridae Três tipos antigênicos: A.B e C Influenza

Leia mais

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS)

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) Versão de 2016 1. O QUE É A CAPS 1.1 O que é? A Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) compreende

Leia mais

Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD)

Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD) www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD) Versão de 2016 1. O QUE É A MKD 1.1 O que é? A deficiência de mevalonato quinase é uma doença

Leia mais

anastrozol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Embalagem com 30 comprimidos revestidos contendo 1 mg de anastrozol.

anastrozol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Embalagem com 30 comprimidos revestidos contendo 1 mg de anastrozol. anastrozol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Revestido FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Embalagem com 30 comprimidos s contendo de anastrozol. USO ORAL USO ADULTO Composição: Cada comprimido

Leia mais

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PATOLOGIA Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo SÃO PAULO/SP Departamento de Patologia, 1º andar, sala 1154 20 e 21 de MAIO DE 2016 GABARITO PROVA TEÓRICA

Leia mais

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Caso Clínico 5 Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Apresentação do caso J.M.G.M.F. Homem, 40 anos de idade, psicólogo, casado e com 4 filhos Antecedente de enxaquecas Ex-fumador

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia

Imagem da Semana: Fotografia Imagem da Semana: Fotografia Figura 1: Fotografia da região extensora do cotovelo. Figura : Fotografia da região dorsal do tronco. Enunciado Paciente do sexo masculino, 55 anos, relata surgimento de lesões

Leia mais

Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico

Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico Capítulo 16: Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico página: 473 anterior seguinte Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico Urticária página: 474 16.1 Urticária Urticárias

Leia mais

DERMOTIL FUSID. Dermotil Fusid_VP01 1. (furoato de mometasona + ácido fusídico) Creme 0,1% + 2%

DERMOTIL FUSID. Dermotil Fusid_VP01 1. (furoato de mometasona + ácido fusídico) Creme 0,1% + 2% DERMOTIL FUSID (furoato de mometasona + ácido fusídico) Creme 0,1% + 2% Dermotil Fusid_VP01 1 DERMOTIL FUSID furoato de mometasona + ácido fusídico LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

Leia mais

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2012

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2012 Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2012 (Material produzido pelo Ministério da Saúde e adaptado pela SES/RS) Depois de definida, pela Organização Mundial de

Leia mais

LÍNGUA 243 Língua superposta (dupla) ASPECTO LINGUAL Língua - Vermelho-viva.

LÍNGUA 243 Língua superposta (dupla) ASPECTO LINGUAL Língua - Vermelho-viva. LÍNGUA 243 Língua superposta (dupla) ASPECTO LINGUAL Língua - Vermelho-viva. Saburra - Branca e suja. A parte central é amarelo-clara; a parte inferior da língua apresenta-se edemaciada e levantada como

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. Este

Leia mais

Permut. Bula para paciente. Creme. 10 mg

Permut. Bula para paciente. Creme. 10 mg Permut Bula para paciente Creme 10 mg Permut (valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato+ clioquinol) Creme FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: Permut creme dermatológico apresenta-se

Leia mais

R E S U D E R M A. dermanote.com.br 1 D E R M A N O T E

R E S U D E R M A. dermanote.com.br 1 D E R M A N O T E R E S U D E R M A dermanote.com.br 1 D E R M A N O T E Dermatite atópica 3 Características clínicas 3 Características associadas 3 Genética 4 Manifestações clínicas 4 Complicações 5 Alimentos 6 Imuno-histoquímica

Leia mais

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity)

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO IV (Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TARDIA

Leia mais

CLOB-X propionato de clobetasol EMULSÃO. 0,5mg/g

CLOB-X propionato de clobetasol EMULSÃO. 0,5mg/g CLOB-X propionato de clobetasol EMULSÃO 0,5mg/g CLOB-X propionato de clobetasol APRESENTAÇÕES Emulsão dermatológica para uso tópico, contendo 0,5mg de propionato de clobetasol por ml de produto. Embalagens

Leia mais

A avaliação na ponta dos dedos

A avaliação na ponta dos dedos Reunião do Núcleo de Acessos Vasculares SPACV Mª TERESA VIEIRA Cirurgia Vascular Hospital Pulido Valente CHLN Guideline NKF K/DOQUI: Definição do termo, em relação ao acesso vascular Monitorização Exame

Leia mais

DERMATOSES OCUPACIONAIS

DERMATOSES OCUPACIONAIS DERMATOSES OCUPACIONAIS Representam parcela considerável das doenças profissionais Autotratamento Tratamento no ambulatório da empresa Clínicos externos Serviços especializados Dermatites de contato (alérgicas

Leia mais

Vacinação contra Febre Amarela em Santa Catarina. Arieli Schiessl Fialho

Vacinação contra Febre Amarela em Santa Catarina. Arieli Schiessl Fialho apresentam Vacinação contra Febre Amarela em Santa Catarina Arieli Schiessl Fialho A Doença A Febre Amarela (FA) é uma doença infecciosa febril aguda, imunoprevenível, endêmica e enzoótica nas florestas

Leia mais

Tralen tioconazol. Tralen creme dermatológico em embalagens contendo 1 bisnaga com 30 g.

Tralen tioconazol. Tralen creme dermatológico em embalagens contendo 1 bisnaga com 30 g. Tralen tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÃO Tralen creme dermatológico em embalagens contendo 1 bisnaga com 30 g. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Cistos e cavidades pulmonares

Cistos e cavidades pulmonares Cistos e cavidades pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1 Definições Cistos e cavidades são condições em que há aumento da transparência

Leia mais

Coselen Multilab Ind. e Com. de Prod. Farmacêuticos Ltda. Solução para unhas 280 mg/ml (28%)

Coselen Multilab Ind. e Com. de Prod. Farmacêuticos Ltda. Solução para unhas 280 mg/ml (28%) Coselen Multilab Ind. e Com. de Prod. Farmacêuticos Ltda. Solução para unhas 280 mg/ml (28%) Coselen tioconazol FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução para unhas 280mg/mL Embalagem contendo 1 frasco

Leia mais

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca Processo Inflamatório e Lesão Celular Professor: Vinicius Coca www.facebook.com/profviniciuscoca www.viniciuscoca.com O que é inflamação? INFLAMAÇÃO - Inflamare (latim) ação de acender, chama FLOGOSE phlogos

Leia mais

PERMUT (valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol)

PERMUT (valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol) PERMUT (valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol) Bula para paciente Pomada dermatológica 0,5mg/g + 1,0mg/g + 10mg/g + 10mg/g Permut valerato de betametasona + sulfato

Leia mais

Os sintomas da dengue hemorrágica são os mesmos da dengue comum. A diferença ocorre quando acaba a febre e começam a surgir os sinais de alerta:

Os sintomas da dengue hemorrágica são os mesmos da dengue comum. A diferença ocorre quando acaba a febre e começam a surgir os sinais de alerta: DENGUE A Dengue pode ser transmitida por duas espécies de mosquitos (Aëdes aegypti e Aëdes albopictus), que picam durante o dia e a noite, ao contrário do mosquito comum, que pica durante a noite. Os transmissores

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada grama de THERASONA Creme contém: Acetato de hidrocortisona...11,2mg

COMPOSIÇÃO Cada grama de THERASONA Creme contém: Acetato de hidrocortisona...11,2mg Therasona hidrocortisona 10mg/g Uso adulto e pediátrico Uso externo APRESENTAÇÃO Creme - Embalagem contendo bisnaga com 25 g. COMPOSIÇÃO Cada grama de THERASONA Creme contém: Acetato de hidrocortisona......11,2mg

Leia mais

SEMIOLOGIA DA DOR. Curso de semiologia em Clínica Médica I. Medicina humana 2 ano

SEMIOLOGIA DA DOR. Curso de semiologia em Clínica Médica I. Medicina humana 2 ano SEMIOLOGIA DA DOR Curso de semiologia em Clínica Médica I Medicina humana 2 ano Prof. Luiz Shiguero Matsubara Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu 2008 DOR-DEFINIÇÃO Sintoma

Leia mais

Instituto de Pesquisas em Patologias Tropicais IPEPATRO/FIOCRUZ. Ferida Brava (Leishmaniose): Conheça e Aprenda a se proteger

Instituto de Pesquisas em Patologias Tropicais IPEPATRO/FIOCRUZ. Ferida Brava (Leishmaniose): Conheça e Aprenda a se proteger Instituto de Pesquisas em Patologias Tropicais IPEPATRO/FIOCRUZ Ferida Brava (Leishmaniose): Conheça e Aprenda a se proteger Janeiro de 2013 O que é? É uma doença infecciosa, não contagiosa, que afeta

Leia mais

EDITAL JANEIRO DE DERMATOLOGIA

EDITAL JANEIRO DE DERMATOLOGIA EDITAL JANEIRO DE 2017 - DERMATOLOGIA Pós-Graduação em Dermatologia Lato Sensu A BWS - NES- Núcleo de Ensino em convenio com a APS - Associação Pele Saudável comunicam o início de novas turmas de seus

Leia mais

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio.

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. INTRODUÇÃO A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. - conjunto de reações químicas do metabolismo energético (respiração celular). RESPIRAÇÃO CELULAR

Leia mais

Brochura de informação para o doente sobre KEYTRUDA. (pembrolizumab)

Brochura de informação para o doente sobre KEYTRUDA. (pembrolizumab) Brochura de informação para o doente sobre KEYTRUDA (pembrolizumab) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de segurança. Poderá

Leia mais

valerato de betamerasona sulfato de gentamicina tolnaftato clioquinol Creme 20g

valerato de betamerasona sulfato de gentamicina tolnaftato clioquinol Creme 20g valerato de betamerasona sulfato de gentamicina tolnaftato clioquinol Creme 20g MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE valerato de betamerasona sulfato de gentamicina tolnaftato clioquinol Medicamento

Leia mais

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ 1. Homem 54 anos, em uso regular de diclofenaco sódico por dor lombar. Há 24h com náuseas, vômitos e soluços. Normocorado, hálito urêmico, pressão arterial (PA) = 140x72mmHg, frequência cardíaca (FC)=

Leia mais

[DEMODICIOSE]

[DEMODICIOSE] [DEMODICIOSE] 2 Demodiciose É uma dermatose parasitária não contagiosa (ou seja, não há transmissão de um cão para o outro) muito comum da pele dos cães e um problema também reconhecido em gatos, embora

Leia mais

Tuberculose Juliana Aquino

Tuberculose Juliana Aquino Tuberculose Juliana Aquino O que é? Sintomas Transmissão Contágio Fatores de Risco Diagnóstico Tratamento Tipos de Tuberculose Tuberculose O que é a Tuberculose? A tuberculose é uma doença infeciosa causada

Leia mais

valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol

valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Creme dermatológico 0,5mg + 1mg + 10mg + 10mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO:

Leia mais

ESTUDO DE CASO A UTILIZAÇÃO DE TERAPIAS BIOFÍSICAS FREQUENCIAIS E DA HIDROZONIO TERAPIA NA OTIMIZAÇÃO DO TRATAMENTO DA LEISHMANIOSE

ESTUDO DE CASO A UTILIZAÇÃO DE TERAPIAS BIOFÍSICAS FREQUENCIAIS E DA HIDROZONIO TERAPIA NA OTIMIZAÇÃO DO TRATAMENTO DA LEISHMANIOSE ESTUDO DE CASO A UTILIZAÇÃO DE TERAPIAS BIOFÍSICAS FREQUENCIAIS E DA HIDROZONIO TERAPIA NA OTIMIZAÇÃO DO TRATAMENTO DA LEISHMANIOSE Maria de Lourdes Nazareth Guedes Alcoforado malounazareth@gmail.com Palavras-Chave:

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais