Eficiência Energética e Gestão de Energia na Sabesp. SENAI/SC 3 de outubro de 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eficiência Energética e Gestão de Energia na Sabesp. SENAI/SC 3 de outubro de 2014"

Transcrição

1 Eficiência Energética e Gestão de Energia na Sabesp SENAI/SC 3 de outubro de 2014

2 A Sabesp em números

3 Os Números da Sabesp 364 municípios, quase 60% da população urbana de São Paulo

4 Os Números da Sabesp 28,2 milhões de pessoas abastecidas com água e 22,1 milhões de pessoas com coleta de esgotos Água faturada: 67,5 m 3 /s Atua em parceria em 4 outros municípios e em parceria com a CASAL e CESAN

5 Distribuição do Capital Social Data base: Agosto/2014

6 Indicadores de Desempenho Empresa Consumo Anual (MWh) Despesa Anual com EE (R$ milhões) Despesa por Consumo de EE (R$/MWh) Índice de Consumo de EE Água (kwh/m 3 ) Índice de Consumo de EE Esgotos (kwh/m 3 ) Sabesp ,63 0,32 Casan ,66 0,58 Corsan ,72 0,20 Sanepar ,82 0,15 Fonte: SNIS 2012

7 A gestão de energia

8 Uso da energia elétrica na Sabesp (2013) Gasto no ano Consumo no ano R$ 547 milhões GWh Consumo total de energia elétrica Água 1936 GWh 83,9% Esgoto 356 GWh 15,4% Administrativo 16 GWh 0,7% Fonte: Sabesp Sistema GEL

9 Sistema de informações utilizado para o controle e acompanhamento do consumo e gastos com energia elétrica. Ações para redução do consumo e gastos com energia (operacional e administrativamente) Unidades Consumidoras de Energia Elétrica cadastradas: 6616 Ferramenta de Gestão - GEL Usuários (segregação de funções) Acompanha a legislação do setor elétrico

10 Relatório mensal de acompanhamento dos gastos com energia elétrica

11 Relatório mensal de acompanhamento dos gastos com energia elétrica

12 Relatório mensal de acompanhamento dos gastos com energia elétrica

13 Relatório mensal de acompanhamento dos gastos com energia elétrica

14 Relatório mensal de acompanhamento dos gastos com energia elétrica

15 Relatório mensal de acompanhamento dos gastos com energia elétrica

16 Capacitação Treinamento em gestão energética 26 turmas 470 participantes 9 cidades 14 meses

17 Capacitação Treinamento em gestão energética 8h 24h Conteúdo Programático Introdução Operação e manutenção bombas hidráulicas Noções básicas de hidráulica Operação e manutenção motores elétricos Noções básicas de eletricidade Fornecimento de energia elétrica Conhecendo a conta de energia elétrica Otimização do uso

18 Redução dos gastos com energia elétrica

19 Redução dos gastos com energia elétrica Booster B5 Campos do Jordão

20 Redução dos gastos com energia elétrica Booster B5 Campos do Jordão

21 Redução dos gastos com energia elétrica Fator de Potência CAUSAS DO BAIXO FATOR DE POTÊNCIA: Motores de indução operando em vazio ou superdimensionados (carga leve); Transformadores operando em vazio ou carga leve; Reatores de lâmpadas de descarga (fluorescentes, vapor de mercúrio, etc.) com baixo fator de potência. COMO CORRIGIR O BAIXO FATOR DE POTÊNCIA: Instalação de bancos de capacitores

22 Redução dos gastos com energia elétrica Correção do Fator de Potência ETE Marabá Despesa anual com baixo fator de potência (R$) ,00 Despesa anual da conta de energia elétrica (R$) ,00 Investimento banco de capacitores (R$) ,00 Payback simples (anos) 1,5 Fator de potência corrigido em Janeiro/2013

23 Redução dos gastos com energia elétrica Mudança de Tensão de Fornecimento ETA Cabreúva Antes - atendimento em baixa tensão Depois - atendimento em alta tensão Conta mensal R$ ,00 Conta mensal R$ ,00 Redução de 41%

24 Eficiência Energética

25 Eficiência energética: avaliação da eficiência energética Unidade Consumidora Demanda (kw) Consumo de Energia Normalizado (kwh/m 3 /100m) Eficiência (%) EEAB SANTA INÊS ,309 88,2% EEA JARDIM DAMASCENO ,362 75,3% BOOSTER JD SAPOPEMBA 490 0,368 74,0% EEA VILA BELA 710 0,382 71,3% BOOSTER POÁ ,389 70,0% EEA Sistema A 56 0,434 62,8% BOOSTER ATALAIA 440 0,497 54,8% CEN adotado pela ERSAR (Portugal): kwh/m 3 /100m 0,27 a 0,40 Bom Eficiência > 68% 0,40 a 0,54 Mediano Entre 50% e 68% > 0,54 Insatisfatório < 50% CEEE adotado pela DWA (Alemanha): Wh/(m 3.m)

26 Eficiência energética: ETE Jacaré RIO PIRAI Efluente tratado - decantação (retirada do lodo) - desinfecção( cloração) Lagoa aerada - recebe o efluente da lagoa anaeróbia, nela é feito o processo de transferência de oxigênio para oxidação da matéria orgânica e elevação da taxa de oxigênio dissolvido no efluente Lagoa anaeróbia - recebe o esgoto após o gradeamento Gradeamento

27 Eficiência energética: ETE Jacaré Os problemas que geraram a ação de Eficiência Energética nesta ETE foram: - Elevado índice de paradas para manutenção dos aeradores em função das características do esgoto tratado nesta ETE: presença de fibras longas; - Os níveis de DBO e OD do efluente lançado no rio Pirai estavam fora dos padrões exigidos pela legislação ambiental para rio de classe 2: Legislação para rio classe 2* Efluente lançado Valores médios em 09/11 DBO < 5 mg O 2 /L DBO = 247 mg O 2 /L OD > 5 mg O 2 /L OD = 0,4 mg O 2 /L * Resolução CONAMA 20/86

28 Eficiência energética: ETE Jacaré Metodologia dos trabalhos de medição baseados no PIMVP 2010 EVO Grandezas elétricas Volume de esgoto tratado Medições Amostragens DBO e OD na entrada e saída da lagoa aerada e na entrada do esgoto bruto Especificação dos equipamentos Análise do retorno do investimento Cálculos

29 Eficiência energética: ETE Jacaré Seleção do aerador novo foco na eficiência energética do equipamento: No mercado foram identificados vários tipos de aeradores que supririam as necessidades de transferência de OD para o tratamento. A busca foi decidida pelo equipamento que tivesse a melhor taxa de transferência e a menor potência. Aerador existente: Tipo submerso Taxa de transferência de O 2 1,2 kg O 2 /kwh Potência 5,6 kw Injeta 0,2 kg O 2 /h Aerador proposto: Tipo superficial Taxa de transferência de O 2 1,8 kg O 2 /kwh Potência 4,0 kw Injeta 0,5 kg O 2 /h

30 Eficiência energética: ETE Jacaré Pré implantação Valores médios 09/11 Pós implantação valores médios 03/12 DBO = 247 mg O 2 /L DBO < 5,0 mg O 2 /L OD = 0,4 mg O 2 /L OD = 5,3 mg O 2 /L Troca dos aeradores Redução de consumo de 16,0% Retorno de investimento em 6,5 anos Atendimento à legislação ambiental

31 Eficiência energética: EEAB Alumínio Sistema superdimensionado Local com inundações recorrentes

32 Eficiência energética: EEAB Alumínio Medições no barrilete de recalque da EEAB Medições no barrilete de chegada da ETA

33 Eficiência energética: EEAB Alumínio Retrofit no recalque 2 bombas de 100cv anfíbias multiestágios com rendimento de bombeamento de 70% Problemas de inundação Vazão de trabalho = 145,0m³/h Pressão de trabalho = 130,0 mca 2 bombas de 250cv C. R. multiestágios com rendimento de bombeamento de 39% Vazão de trabalho = 135,9 m³/h Pressão de trabalho = 130,7 mca Benefícios Obtidos Consumo Mensal (kwh) Consumo Anual (kwh) Atual Proposto Economia anual R$ ,98 Redução de consumo de 36,8% Retorno de investimento em 2,7 anos

34 Gestão de Energia e Eficiência energética CPFL - PEE da ANEEL: Sistema Pouso Alegre

35 Gestão de Energia e Eficiência energética CPFL - PEE da ANEEL: Sistema Pouso Alegre

36 Gestão de Energia e Eficiência energética CPFL - PEE da ANEEL: Sistema Pouso Alegre

37 Gestão de Energia e Eficiência energética CPFL - PEE da ANEEL: Sistema Pouso Alegre

38 Gestão de Energia e Eficiência energética CPFL - PEE da ANEEL: Sistema Pouso Alegre Redução de consumo de 13,8% Retorno de investimento em 2,1 anos

39 Gestão de Energia e Eficiência energética Ações permanentes Se você não pode medir, você não pode gerenciar (Peter Drucker) Acompanhamento das faturas de energia elétrica: Análise e validação das faturas; Consumo (kwh); Ultrapassagem de Demanda (kw); Fator de Potência. Medição de: Grandezas elétricas; Vazão; Pressão. Avaliação da eficiência energética; Melhoria dos Indicadores (kwh/m 3 x100m, R$/MWh, kwh/kgdbo removida); Automação; Manutenção; Capacitação.

40 Obrigado Nome Cargo: Dados para contato: SaneamentoSabesp

Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF

Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF Programa de Eficiência Energética Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF Objetivos: Contribuir para a eficientização de todos os sistemas da Cagece e redução das despesas com energia. Conscientizar

Leia mais

Cód: DS75 Revisão: 00 Data: 03/08/2012

Cód: DS75 Revisão: 00 Data: 03/08/2012 Conceito: Sustentabilidade Eficiência Hidroenergética Inovação Tecnológica Gestão: Trinorma - SIGS Sistema Integrado de Gestão da Sustentabilidade Produtos: Bombas Anfíbias e Submersas Aeradores e Misturadores

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE RIO CLARO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE RIO CLARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE RIO CLARO PRESTADOR: DAAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTOS DE RIO CLARO PARCEIRA: ODEBRECHT AMBIENTAL RIO CLARO S/A Relatório R7 Continuação diagnóstico

Leia mais

A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade. Fórum de Eficiência Energética

A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade. Fórum de Eficiência Energética A Visão da Indústria sobre os Movimentos de Eficiência Energética e Conformidade Fórum de Eficiência Energética Agenda Conceito de Esco; Conceito de Contrato de Performance; Potencial Nacional da Indústria

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach Conceito de Biogás É o gás obtido a partir da fermentação anaeróbica de material orgânico: resíduos

Leia mais

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes MÁRCIO MARTINEZ KUTSCHER mkutscher@comusa.com.br Responsável pela automação e manutenção de sistemas eletromecânicos.

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência SEL-0437 Eficiência Energética Correção do Fator de Potência Prof. José Carlos de Melo Vieira Júnior E-mail: jcarlos@sc.usp.br 1 Introdução Fator de potência: É possível quantificar numericamente as discrepâncias

Leia mais

Aplicação de tecnologias de eficiência energética

Aplicação de tecnologias de eficiência energética Aplicação de Inversores de Frequência em sistemas de Bombeamento Aplicação de tecnologias de eficiência energética São Paulo SP 22/04/10 Eduardo Maddarena Gerente de Produto e Eng a. de Aplicação Maquinas

Leia mais

FENERGIA

FENERGIA FENERGIA 2016 28.11.2016 Eficiência Energética: Cenários e Oportunidades CENÁRIO DE ENERGIA - MUNDO Mudança na demanda de Energia: atual - 2035 Insights» 21 % do consumo mundial atual = China» Crescimento

Leia mais

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone Escola SENAI Comendador Santoro Mirone NÚCLEO DE ENERGIA & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 16 ÁREAS INDUSTRIAIS 22 NÚCLEOS DE TECNOLOGIA ALIMENTOS & BEBIDAS ENERGIA AUTOMAÇÃO & ELETRÔNICA CERÂMICA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 ACIJS Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Evolução da tarifa de energia elétrica Fonte: Aneel Tarifa de Energia; IBGE

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

Programa de Eficiência Energética

Programa de Eficiência Energética Programa de Eficiência Energética ETAPAS CARGA HORÁRIA OBJETIVOS SENSIBILIZAÇÃO 3 h Sensibilizar quanto ao uso e consumo de Energia Apresentar o programa(benefícios, etapas, custos, relatórios, depoimentos,

Leia mais

Paul Anthony Woodhead e David Charles Meissner Centroprojekt do Brasil Outubro 2008

Paul Anthony Woodhead e David Charles Meissner Centroprojekt do Brasil Outubro 2008 A aplicação do sistema de lodos ativados de baixa carga combinado com um seletor aeróbico para atender aos rigorosos padrões de emissão de efluentes tratados na indústria de papel e celulose. Paul Anthony

Leia mais

Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas

Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Marcos Danella 29/julho/2015 Agenda Quem somos Cenários/Diagnósticos de Campo Metodologia Etapa 1 Engajamento do Corpo Diretivo/Gerencial

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (a): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (a): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Correção do Fator de Potência em uma Subestação Elevatória de Bombeamento de Água Palavras-chave: Conservação de Energia Elétrica, Eficiência Energética, Contrato de Energia, Demanda

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL NO SAEMAS SERTÃOZINHO (SP) COM RECURSOS DO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CPFL

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL NO SAEMAS SERTÃOZINHO (SP) COM RECURSOS DO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CPFL PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL NO SAEMAS SERTÃOZINHO (SP) COM RECURSOS DO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CPFL Antonio José Rodrigues Diretor Administrativo 29/julho/2015 NOSSA HISTÓRIA

Leia mais

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento 2 EDP no Mundo EDP no mundo Video 14 países 11.992 colaboradores Geração: 25.223 MW Canada Estados Unidos Reino Unido Bélgica

Leia mais

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB MsC. Eng a. Lilian Silva de Oliveira (UnB/PRC/CICE) Prof. Dr. Marco Aurélio Gonçalves de Oliveira (UnB/FT/ENE) HISTÓRICO DE ATIVIDADES RELACIONADAS

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Infraestrutura de Abastecimento

Leia mais

de Investimento na Baixada Santista

de Investimento na Baixada Santista Sérgio Hideki Fluxo Yamashita de Investimento na Baixada Santista Unidade de Negócio Baixo Paranapanema GESTÃO DE VALOR AGREGADO: MAXIMIZAÇÃO DA RIQUEZA DA COMPANHIA ATRAVÉS DO INVESTIMENTO EM PROJETOS

Leia mais

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO Atuação do Grupo no Brasil Ribeirão Preto 1995 População Atendida 680.000 Mogi Mirim 2008 População Atendida: 130.000 Tratamento

Leia mais

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Gerenciamento de Energia Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas de tarifario Brasileiro: Conceitos Dois modelos de tarifação: Convencional e Horo-Sazonal. Clientes do Grupo

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E OPERACIONAIS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E OPERACIONAIS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E OPERACIONAIS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (*) Graduado em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Faculdade Barão de Mauá

Leia mais

Ferramentas de Transferência de Informação Concessionária-Agência e Geração de Indicadores de Qualidade

Ferramentas de Transferência de Informação Concessionária-Agência e Geração de Indicadores de Qualidade Serviços de Água e Esgoto de Joinville Ferramentas de Transferência de Informação Concessionária-Agência e Geração de Indicadores de Qualidade 1º ENARMIS 12 e 13 de novembro de 2015 Florianópolis -SC Sobre

Leia mais

No mundo, o Grupo Kirin produz bebidas alcóolicas, não alcóolicas, funcionais, produtos farmacêuticos e bioquímicos.

No mundo, o Grupo Kirin produz bebidas alcóolicas, não alcóolicas, funcionais, produtos farmacêuticos e bioquímicos. Biogás 6 No mundo, o Grupo Kirin produz bebidas alcóolicas, não alcóolicas, funcionais, produtos farmacêuticos e bioquímicos. NÚMEROS 13 UNIDADES FABRIS EM 11 ESTADOS 11 MIL FUNCIONÁRIOS 23 CENTROS/PONTOS

Leia mais

BIODIGESTÃO E APROVEITAMENTO DO BIOGÁS. Rodrigo Augusto F.O. Zawadzki, MSc. SENAI Cidade Industrial de Curitiba

BIODIGESTÃO E APROVEITAMENTO DO BIOGÁS. Rodrigo Augusto F.O. Zawadzki, MSc. SENAI Cidade Industrial de Curitiba BIODIGESTÃO E APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Rodrigo Augusto F.O. Zawadzki, MSc. SENAI Cidade Industrial de Curitiba Consumo energia elétrica no Brasil 2014 473 TW.h 2,2% maior que 2013; Ao mesmo tempo: Menor

Leia mais

Sistemas de Esgotamento Sanitário. Ernani de Souza Costa Setembro de 2016

Sistemas de Esgotamento Sanitário. Ernani de Souza Costa Setembro de 2016 Sistemas de Esgotamento Sanitário Ernani de Souza Costa Setembro de 201 S.A.C. Sistema de Antecipação de Coleta Decantadores Primários x SAC As comportas do SAC tornarão os rios grandes decantadores primários

Leia mais

1º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE REUSO DE ÁGUA

1º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE REUSO DE ÁGUA 1º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE REUSO DE ÁGUA Quinto Encontro Técnico Ibero-Americano de Alto Nível Curitiba -17 a 19 de outubro de 2012 Controle da Poluição de Águas e Solos por Processos Biológicos 05 de

Leia mais

Programa de Eficiência Energética EMBASA. Seminário de Gestão do Uso de Energia Elétrica no Saneamento 2013

Programa de Eficiência Energética EMBASA. Seminário de Gestão do Uso de Energia Elétrica no Saneamento 2013 Programa de Eficiência Energética EMBASA Seminário de Gestão do Uso de Energia Elétrica no Saneamento 2013 EMBASA Empresa Baiana de Águas e Saneamento A Embasa está presente em 361 dos 417 municípios do

Leia mais

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO AESBE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS ESTADUAIS DE SANEAMENTO SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO Tipologias de projeto Rio de Janeiro Março / 2013 Airton S. Gomes - Consultor

Leia mais

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS I ENCONTRO DAS ÁGUAS 13 a 15 de maio de 2009 - Campo Grande MS Realização: SINTERCON Painel : Título da Palestra: Palestrante: GESTÃO TÉCNICA E OPERACIONAL Avaliação do descarte de lodo da ETA diretamente

Leia mais

Eficiência Energética Cocelpa

Eficiência Energética Cocelpa Eficiência Energética Cocelpa 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Cocelpa Ramo de atividade: Papel e Celulose Localização: Araucária / PR Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda Contratada:

Leia mais

Tarifa de Energia Elétrica

Tarifa de Energia Elétrica Tarifação - GTD : Tarifa de Energia Elétrica A tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia; R$/kWh; Preço da energia elétrica: formado pelos custos incorridos desde a geração até a sua disponibilização

Leia mais

Motores Eficientes Estado da Arte

Motores Eficientes Estado da Arte Motores Eficientes Estado da Arte Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos - fundada em 1937, com o objetivo de mobilizar o setor de máquinas e equipamentos, defendendo os interesses

Leia mais

COPASA Day 2010 GESTÃO DE ENERGIA

COPASA Day 2010 GESTÃO DE ENERGIA GESTÃO DE ENERGIA AQUISIÇÃO DA ENERGIA Autoprodução e Mercado de Energia Abastecimento de Água Esgotamento Sanitário Resíduos Sólidos USO DA ENERGIA Eficiência Energética 1 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2 PROGRAMA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS

GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS Alexandre Saron Engenheiro Químico da Cia de Saneamento Básico do Estado de São

Leia mais

I WORKSHOP CHAMADA PÚBLICA

I WORKSHOP CHAMADA PÚBLICA I WORKSHOP CHAMADA PÚBLICA SUMÁRIO Programa de Eficiência Energética PEE PEE CEMIG Projetos em Hospitais Chamada Pública de Projetos - CPP Tipos de Investimento Etapas da CPP Portal Eficiência Energética

Leia mais

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO TÍTULO DO DOCUMENTO LUSÁGUA A LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. é a empresa do grupo AQUAPOR vocacionada para a prestação de serviços relacionados com a gestão integral do ciclo urbano da água, gestão

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA

PROGRAMA DE MELHORIA Sistema de Abastecimento de Água (SAA) PROGRAMA DE MELHORIA - do planejamento à aplicação real - Engª Priscila Faria CREA-RJ 2006129552 Agosto 2012 Quem Somos? Atendimento a 6.2 milhões de habitantes Planejamento

Leia mais

Documento Síntese da 1ª Oficina de Trabalho sobre Operação de Tratamento de Esgotos Sanitários da Câmara Temática de Tratamento de Esgotos da ABES

Documento Síntese da 1ª Oficina de Trabalho sobre Operação de Tratamento de Esgotos Sanitários da Câmara Temática de Tratamento de Esgotos da ABES Documento Síntese da 1ª Oficina de Trabalho sobre Operação de Tratamento de Esgotos Sanitários da Câmara Temática de Tratamento de Esgotos da ABES A Câmara Técnica de Tratamento de Esgotos da Associação

Leia mais

Programa de Eficiência Energética

Programa de Eficiência Energética Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Programa de Eficiência Energética Schaeffler Brasil Ltda. Programa de Eficiência Energética EnEffPro Guilherme Megda Mafra Engº Ambiental Aproximadamente

Leia mais

Em vigor. Aprovação - Operações. (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.

Em vigor. Aprovação - Operações. (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto. Versão 1.1 01/10/2013 Página: 1 de 9 Código do Documento RH-P0XX Política Institucional de Eficiência Autor Aprovação - Operações Karen Ribeiro Operações Gerente Planejamento Adm Aprovação - Jurídico Raimundo

Leia mais

Motores Elétricos. Medição e Verificação de Performance. Mário Ramos

Motores Elétricos. Medição e Verificação de Performance. Mário Ramos Motores Elétricos Medição e Verificação de Performance Mário Ramos INTRODUÇÃO A eficiência energética é um conjunto de políticas e ações que tem por objetivo a redução dos custos da energia efetivamente

Leia mais

Aula 5: Química das Águas Parte 3b

Aula 5: Química das Águas Parte 3b Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Química Aula 5: Química das Águas Parte 3b Purificação de águas: tratamento de esgotos Vinícius da Silva Carvalho 1 Na última aula... Tratamento de

Leia mais

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S ETE - ESTAÇÕES DE TRATAMENTO PARA ESGOTO As Estações de tratamento para esgoto da Ganaind possuem alto padrão e rigorosidade na fabricação,

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre

Leia mais

WORKSHOP Título do trabalho CHAMADA PÚBLICA PROPEE - 001/2016. WORKSHOP Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL

WORKSHOP Título do trabalho CHAMADA PÚBLICA PROPEE - 001/2016. WORKSHOP Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL CEPEL WORKSHOP Título do trabalho CHAMADA PÚBLICA PROPEE - 001/2016 Autor/apresentador José Carlos de Souza Guedes Área Cepel - DTE Materiais e equipamentos Vida útil e perdas O anexo I da chamada Pública

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Módulo IV POTÊNCIA E VALOR EFICAZ UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Potência Instantânea Potência entregue a um elemento em um

Leia mais

Objetivos da Exposição

Objetivos da Exposição 1 Objetivos da Exposição Apresentar aos participantes do Fórum o modelo adotado pela Prefeitura Municipal de Caraguatatuba para gestão da Iluminação Pública seus principais desafios. 15 de setembro 2010

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA DO PAU D ALHO E MOMBAÇA 16 DE AGOSTO DE 2016; Agência Reguladora de Itu

CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA DO PAU D ALHO E MOMBAÇA 16 DE AGOSTO DE 2016; Agência Reguladora de Itu CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA DO PAU D ALHO E MOMBAÇA 16 DE AGOSTO DE 2016; Agência Reguladora de Itu A QUESTÃO DA ÁGUA EM ITU. 18 DE MARÇO DE 2015 Maurício Dantas Superintendente da Agência Reguladora de Itu.

Leia mais

Águas de Niterói. Uso Eficiente de Energia Elétrica

Águas de Niterói. Uso Eficiente de Energia Elétrica Águas de Niterói Uso Eficiente de Energia Elétrica Grupo Águas do Brasil Empresa Cidade População Águas de Niterói Niterói - RJ 494.000 Águas do Paraíba Campos dos Goytacazes- RJ 400.000 Águas do Imperador

Leia mais

II-005 TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS POR PROCESSO DE LODOS ATIVADOS: CUSTOS OPERACIONAIS

II-005 TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS POR PROCESSO DE LODOS ATIVADOS: CUSTOS OPERACIONAIS II-005 TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS POR PROCESSO DE LODOS ATIVADOS: CUSTOS OPERACIONAIS Rui César Rodrigues Bueno, Químico Industrial, formado pela Escola Superior de Química Osvaldo Cruz São Paulo,

Leia mais

PROJETO DE SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DOS REATORES ANAERÓBIOS DA ETE POTECAS S.I.E. CONTINENTAL GRANDE FLORIANÓPOLIS

PROJETO DE SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DOS REATORES ANAERÓBIOS DA ETE POTECAS S.I.E. CONTINENTAL GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DOS REATORES ANAERÓBIOS DA ETE POTECAS S.I.E. CONTINENTAL GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO CONTRATADO STE 1.113/2015 Empresa Escoar Engenharia Período de Execução: 30/06/2015

Leia mais

SALTO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R6 Continuação do Diagnóstico e Não-Conformidades

SALTO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R6 Continuação do Diagnóstico e Não-Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SALTO PRESTADOR: SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SALTO SAAE E SANESALTO Saneamento Relatório R6 Continuação do Diagnóstico

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU*

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* Autores: Felix de Carvalho Augusto (apresentador) Técnico em Química (Colégio São José RJ), Químico Industrial (Faculdade da

Leia mais

ETE Sustentável COPASA MG

ETE Sustentável COPASA MG ETE Sustentável COPASA MG 09 de junho de 2015 ETE Sustentável Valorização do Esgoto Baixa percepção da sociedade quanto à importância; Dificuldades de adesão; Resistência para pagar a tarifa; Alto custo

Leia mais

Eficiência Energética nas Instalações Elétricas na Superintendência da Zona Franca de Manaus-Suframa

Eficiência Energética nas Instalações Elétricas na Superintendência da Zona Franca de Manaus-Suframa ROSA, Daniel de Souza [1] CÂMARA, Patrícia Trabuco [2] ASCUÍ, Rogério Roman Mesquita de [3] ROSA, Daniel de Souza; CÂMARA, Patrícia Trabuco; ASCUÍ, Rogério Roman Mesquita de. Eficiência Energética nas

Leia mais

Ações para enfrentamento da Crise Hidrica SABESP CBH-AT 16/07/2015

Ações para enfrentamento da Crise Hidrica SABESP CBH-AT 16/07/2015 Ações para enfrentamento da Crise Hidrica SABESP CBH-AT 16/07/2015 Solução para o abastecimento da RMSP Programa de Bônus Utilização da Reserva Técnica Estratégia para enfrentamento da crise Transferência

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE RELATÓRIO DE ENCERRAMENTO

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE RELATÓRIO DE ENCERRAMENTO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE RELATÓRIO DE ENCERRAMENTO 1 OBJETIVO O presente tem por objetivo apresentar o detalhamento das etapas de execução e das metas previstas

Leia mais

Programa de Eficiência Energética PEE Ciclo 2002 / 2003

Programa de Eficiência Energética PEE Ciclo 2002 / 2003 Tipo: Iluminação Pública. Nome: Eficientização Energética em Sistema de Iluminação Pública. Reduzir o desperdício de energia elétrica, por meio da aplicação de equipamentos de iluminação mais eficientes,

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr.

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. 18 de agosto de 2010, Rio de Janeiro GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. O Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro Dados

Leia mais

Steven David Sodek. Engenheiro Civil MEng CEng MICE MAUÁ 11/06/13

Steven David Sodek. Engenheiro Civil MEng CEng MICE MAUÁ 11/06/13 Steven David Sodek Engenheiro Civil MEng CEng MICE MAUÁ 11/06/13 Mauá Dados Gerais Dados Geográficos Localização geográfica: Grande São Paulo Área: 61,866 km 2 (IBGE 2010) Divisas: Santo André, Ribeirão

Leia mais

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo (ISO Em Processo de Implantação) IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo Vantagens de um sistema de gestão da qualidade nos serviços de saneamento básico Manoel Carlos

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos QUEM SOMOS A MEGAPRESS é fabricante de sistemas de pressurização inteligentes e também painéis de comandos voltados para área de aquecimento, possuímos profissionais capazes de desenvolver

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos SUMÁRIO Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos 1.1 - Introdução 1.2 - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica 1.3 - Viscosidade e Outras Propriedades 1.3.1 - Viscosidade

Leia mais

Medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014

Medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014 Medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014 Apresentação IBERDROLA A EMPRESA MISSÃO & VALORES IBERDROLA PORTUGAL Uma das 5 maiores companhias elétricas do mundo; Líder mundial em Energia eólica; Equipa

Leia mais

Programa de Eficiência Energética PEE Light ANEEL

Programa de Eficiência Energética PEE Light ANEEL Programa de Eficiência Energética PEE Light ANEEL Rio de Janeiro, 29 de março de 2015 Antônio Raad LIGHT EM NÚMEROS 1 IBGE (2010) Área de Concessão Estado RJ % População 1 11 MM 16 MM 68% Área¹ 11 mil

Leia mais

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de 2012 Rafael M. David Ministério das Minas e Energia 39.453 MW É A CAPACIDADE GERADORA DAS EMPRESAS ELETROBRAS, O QUE EQUIVALE A CERCA DE TRANSMISSÃO GERAÇÃO 37%

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

Desempenho operacional de lagoas de estabilização do estado de Goiás, Brasil. Susane Campos Mota Angelim, SANEAGO Eraldo Henriques de Carvalho, UFG

Desempenho operacional de lagoas de estabilização do estado de Goiás, Brasil. Susane Campos Mota Angelim, SANEAGO Eraldo Henriques de Carvalho, UFG Desempenho operacional de lagoas de estabilização do estado de Goiás, Brasil Susane Campos Mota Angelim, SANEAGO Eraldo Henriques de Carvalho, UFG Introdução Lagoas de estabilização: sistemas amplamente

Leia mais

Evolução do modelo de gestão de energia e medidas de eficiência energética na Águas do Douro e Paiva, S. A.

Evolução do modelo de gestão de energia e medidas de eficiência energética na Águas do Douro e Paiva, S. A. Evolução do modelo de gestão de energia e medidas de eficiência energética na Águas do Douro e Paiva, S. A. APDA Encontro "Alterações Climáticas Escassez de Água e Eficiências Energética e Hídrica no Ciclo

Leia mais

Aplicação do EcoDrive. Descubra os benefícios e desafios de uma transformação ecológica na sua empresa.

Aplicação do EcoDrive. Descubra os benefícios e desafios de uma transformação ecológica na sua empresa. Aplicação do EcoDrive. Descubra os benefícios e desafios de uma transformação ecológica na sua empresa. O EcoDrive pode reduzir o consumo de energia, ajudando a melhorar sua eficiência energética. O consumo

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

CONSERVAÇÃO E USO RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA E ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO SETOR SANTANA, NA REGIÃO NORTE DA CIDADE DE SÃO PAULO SP

CONSERVAÇÃO E USO RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA E ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO SETOR SANTANA, NA REGIÃO NORTE DA CIDADE DE SÃO PAULO SP CONSERVAÇÃO E USO RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA E ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO SETOR SANTANA, NA REGIÃO NORTE DA CIDADE DE SÃO PAULO SP Alex Orellana 1 ; Celso Haguiuda 2 ;Claudia R.O. Oliveira

Leia mais

REDE BÁSICA DO METRÔ DE SÃO PAULO

REDE BÁSICA DO METRÔ DE SÃO PAULO 10 º SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA FÓRUM TÉCNICO CONSERVAÇÃO DE ENERGIA UTILIZAÇÃO DE BENEFÍCIOS LEGAIS COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ APRESENTADORES: DAVID TURBUK MASSARU SAITO REDE

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA DA EFICIÊNCIA DA OPERAÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA VILA DAS FLORES

PROGRAMA DE MELHORIA DA EFICIÊNCIA DA OPERAÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA VILA DAS FLORES PROGRAMA DE MELHORIA DA EFICIÊNCIA DA OPERAÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA VILA DAS FLORES INTRODUÇÃO Recentemente realizamos inúmeras adequações de procedimentos operacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MAYRON DE SOUZA MACHADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MAYRON DE SOUZA MACHADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MAYRON DE SOUZA MACHADO Estudo da Eficiência Energética de uma Estação Elevatória de Água VIÇOSA

Leia mais

Unidades de negócios. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia. Tintas

Unidades de negócios. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia. Tintas Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado total Brasil Argentina Chile Colômbia Venezuela Peru México Estados

Leia mais

BROTAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

BROTAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BROTAS PRESTADOR: SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE BROTAS SAAEB Relatório R2 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

Leia mais

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia CENTRO SEBRAE DE SUSTENTABILIDADE MISSÃO Gerir e disseminar conhecimentos, soluções xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

Resumo Expandido. Resumo:

Resumo Expandido. Resumo: Resumo Expandido Título da Pesquisa: Adequação do contrato de energia no sistema de abastecimento de água Palavras-chave: Conservação de Energia Elétrica, Eficiência Energética, Contrato de Energia, Demanda.

Leia mais

RIO CLARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades

RIO CLARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE RIO CLARO PRESTADOR: DAAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTOS DE RIO CLARO Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades

Leia mais

A Copel Atua em 10 estados

A Copel Atua em 10 estados Copel Distribuição A Copel Atua em 10 estados Copel Holding Copel Geração e Transmissão Copel Renováveis Copel Distribuição Copel Telecomunicações Distribuição 4º maior distribuidora de energia do Brasil

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA JOSE ARTHURO TEODORO

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA JOSE ARTHURO TEODORO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA JOSE ARTHURO TEODORO Eficiência Energética Conceito Otimização no consumo da energia elétrica; Motivação Desenvolvimento econômico, sustentabilidade; Métodos Avanços tecnológicos,

Leia mais

SALTO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

SALTO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SALTO PRESTADOR: SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SALTO SAAE E CONASA SANESALTO S/A Relatório R2 Não Conformidades Americana,

Leia mais

O Legado da Crise Hídrica

O Legado da Crise Hídrica O Legado da Crise Hídrica José Bonifácio de Sousa Amaral Filho Diretor de Regulação Econômico-Financeira e Mercados ARSESP Departamento de Infraestrutura - FIESP São Paulo, 30 de junho de 2016 1 Agência

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011 Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade São Paulo SP 26 de maio de 2011 Missão da ANEEL Proporcionar condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica

Leia mais

Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética

Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética 18ª Audiência de Inovação Sustentabilidade: A Contribuição da Eficiência Energética Marco Antonio Saidel saidel@usp.br Grupo de Energia do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas da

Leia mais

IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO

IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO Flávio Yoshida (1) Companhia de Saneamento do Paraná SANEPAR Engenheiro Civil,

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais

IBATÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico

IBATÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico 1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE IBATÉ PRESTADOR: DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DA PREFEITURA DE IBATÉ Relatório R1 Diagnóstico Americana, maio de 2016

Leia mais

A sua iluminação eficiente O turbo da iluminação

A sua iluminação eficiente O turbo da iluminação A sua iluminação eficiente O turbo da iluminação 1 A iluminação é a principal área de enfoque das medidas de eficiência energética nos edifícios Energia final Impacto Certificação Média escritório (8 mil

Leia mais

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 2 Usos finais de eletricidade e Conservação slide 1 / 30 O Processo de Uso Final da EE (1) Eletricidade Motor Força motriz Entrada de energia Tecnologia

Leia mais

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS;

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Apoio técnico à elaboração do PNEf. Vista superior do Lenhs da UFRGS Procel Selo Instituído

Leia mais

MEDIÇÃO E FATURAÇÃO DE ENERGIA. Lisboa, 27 de setembro de 2016

MEDIÇÃO E FATURAÇÃO DE ENERGIA. Lisboa, 27 de setembro de 2016 MEDIÇÃO E FATURAÇÃO DE ENERGIA Lisboa, 27 de setembro de 2016 Programa 1.ª Parte 14:00h-15:30h 2.ª Parte 15:45h-17:00h Medição de energia elétrica e de gás natural Faturação de energia elétrica e de gás

Leia mais