SISTEMAS CERÂMICOS METAL FREE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS CERÂMICOS METAL FREE"

Transcrição

1 SISTEMAS CERÂMICOS METAL FREE Alexandre Carvalho Pedrosa 1 Orientador: Professor Francisco Girundi 2 RESUMO Os sistemas de cerâmicas atuais puras têm tido grande avanço tecnológico, permitindo o seu uso cada vez maior em coroas unitárias e pontes fixas até 3 elementos. Com relação às cerâmicas puras, nada se compara à sua excelência estética, por isso é a preferida pelos pacientes até mesmo pelos profissionais. Este artigo faz uma revisão das cerâmicas contemporâneas, principalmente das cerâmicas injetadas e das cerâmicas para máquina (CAD/CAM). O aumento da resistência dessas cerâmicas e a adaptação marginal dentro de padrões aceitáveis proporcionam segurança ao profissional para indicar a sua utilização. PALAVRAS CHAVES: Metal Free. Cerâmicas puras. Restaurações estéticas. ABSTRACT The current pure ceramic systems have been great technological advances, allowing its growing use in crowns and fixed bridges to three elements. With respect to pure ceramic, nothing compares to its aesthetic excellence, so often is preferred by patients even by professionals, but, considering its limitations in relation to occlusal forces and technical sensitivities. The lack of correct information and lack of technical rigor in the use of current ceramic systems are certainly the greatest obstacles to its clinical success. KEY-WORDS: Metal Free. Pure ceramics. Esthetic Restorations. 1 Títulação 2 Titulação

2 1 INTRODUÇÃO As palavras cerâmica e porcelana são usadas indistintamente em odontologia. O termo cerâmica é originado da palavra grega keramos que significa matéria-prima queimada, (1) já o termo porcelana designa um tipo de cerâmica branca e translúcida, mais fina, preparada essencialmente com o caulim, podendo ser ou não vitrificada. O interesse no uso da cerâmica como material restaurador odontológico tem tido a atenção de cirurgiões-dentistas por mais de dois séculos. Apesar da dureza e fragilidade intrínseca deste material, sua insuperável estética e biocompatibilidade têm promovido estímulos para superar suas limitações. Flutuações na popularidade das restaurações de cerâmicas tem sido influenciadas através de décadas pelo desenvolvimento em outros campos. Como exemplo pode-se citar a introdução do cimento de silicato, da resina acrílica, da técnica do condicionamento ácido, materiais de impressão elastoméricos. Igualmente o desenvolvimento de fornos de porcelana e da queima a vácuo tem determinado maior influência sobre produto final. Contudo, os dentistas, ainda, têm permanecido temerosos quanto à longevidade estrutural das cerâmicas, do potencial abrasivo e da adaptação das restaurações cerâmicas. Estes conceitos têm influenciado o desenvolvimento e incentivado a introdução de novos materiais cerâmicos e sistemas de processamento laboratorial como tentativa para superação destes problemas. (2) Novos avanços tecnológicos têm sido introduzidos através das décadas. Hoje, temos meios e sistemas que nos proporcionam um trabalho duradouro e melhor estética, fatores, dentre outros, que serão discutidos ao longo do trabalho. São novos sistemas como: cerâmicas convencionais (pó/liquido); cerâmicas fundidas; cerâmicas para máquinas; cerâmicas prensadas; cerâmicas infiltradas; sistema CAD/CAM. Neste trabalho, objetivou-se revisar literatura sobre os aspetos que envolvem a ciência e a arte das cerâmicas odontológicas atuais mais modernas, principalmente as que se mostram mais promissoras como as injetadas e o sistema CAD/CAM. Estes incluem a evolução histórica, a composição, as propriedades mecânicas e físicas, como também as novas tecnologias utilizadas para confeccionar os trabalhos cerâmicos.

3 2 REVISÃO DE LITERATURA A primeira referência do uso da porcelana como material odontológico, data de 1774, quando o farmacêutico e químico francês, Alexis Duchateou, tornou-se infeliz com o odor, gosto e descoloração dos dentes de sua dentadura (dentes de marfim de hipopótamo). Sendo assim, ele se dispôs a pesquisar um material que apresentasse características estéticas e ainda pudesse ser resistente ao manchamento e abrasão. Ao observar os utensílios utilizados diariamente em seu laboratório, notou que aqueles feitos de porcelana, para manipular produtos químicos pareciam resistir à descoloração e abrasão. (3) Em 1839, John Murphy, em Londres, introduziu uma técnica de folheado de platina. Entretanto, Dr. Charles H. Land de Detroit foi o pioneiro em seu campo, a prótese fixa, e em 1889 obteve a primeira patente para fabricação de coroas de jaqueta de porcelana com folheado de platina. Além disso, desenvolveu o forno a gás para a queima da porcelana. Desde que o Dr. Charles Land, dentista do Michigan, produziu a primeira jaqueta em 1903, alguns importantes avanços ocorreram na cerâmica dental até 1965 quando McLean introduziu a coroa de porcelana aluminizada. (4) Nesta técnica, um núcleo de porcelana aluminizada foi aplicada e queimada sobre um substrato, folheado de platina. Camadas de porcelana tradicionais foram então aplicadas e queimadas até completar a coroa. Após a complementação do processo, folheado foi removido da coroa. (5) A existência de defeitos na forma de microtrincas e microporosidades são responsáveis pela fratura das cerâmicos, mesmo em baixos níveis de tensões. (6) Para aumentar a resistência das cerâmicas era necessária a utilização de uma infra estrutura de metal, atualmente, os profissionais têm procurado reduzir o emprego das subestruturas metálicas nas restaurações, inclusive das restaurações sobre implantes, para obter uma estética melhor. Surgiram, assim, as cerâmicas reforçadas, que se caracterizam basicamente por acrescentar uma maior quantidade da fase cristalina em relação à cerâmica feldspática convencional. Diversos cristais têm sido empregados, como a alumina, a leucita, o dissilicato de lítio e a zircônia os quais atuam como bloqueadores da propagação de fendas quando a cerâmica é submetida a tensões de tração, aumentando a resistência do material. Nossa revisão de literatura concentra-se em algumas das cerâmicas injetadas e cerâmicas para máquinas, mais modernas: (7) (8)

4 2.1 Cerâmicas injetadas O IPS Empress é um tipo de porcelana feldspática fornecida em lingotes. Os lingotes são aquecidos e pressionados sobre o molde para obter a restauração. A técnica consiste no enceramento de uma coroa que é incluída e colocada em um molde especializado que tem um injetor de alumina. O lingote de cerâmica é colocado sob o injetor, e então a montagem é aquecida a 1150ºC e o injetor pressiona a cerâmica fundida para dentro do molde. A prensagem pelo calor depende da aplicação de pressão externa para sinterizar e conformar a cerâmica em alta temperatura, o que auxilia na prevenção de poros grandes, promovendo uma boa dispersão da fase cristalina dentro da matriz vítrea. (7) A cor final da coroa é ajustada pela pintura ou aplicando-se uma fina camada de cerâmica feldspática convencional. Nesta técnica, a face vestibular do padrão de cera é reduzida cerca de 0,3 mm em sua superfície externa. Após a obtenção da coroa, a porcelana feldspática é adicionada à superfície para se obter o desejado contorno e cor da coroa. (9) O procedimento de injeção do material dura mais de 45 minutos sob alta temperatura para produzir a subestrutura cerâmica. Com a injeção da cerâmica líquida sob pressão para dentro do molde reduz-se o problema de contração de queima da porcelana feldspática convencional (sistema pó/líquido). Desta forma ocorre apenas uma pequena mudança dimensional que pode ser controlada pelo revestimento que poderá oferecer uma adequada expansão do molde. (10) O sistema IPS Empress (97 a 180MPa) é baseado na tradicional técnica da cera perdida, sendo sua fase cristalina obtida a partir de um vidro por meio do processo de cristalização controlada, também conhecido como ceramização. Consiste, basicamente, em uma cerâmica feldspática reforçada por cristais de leucita, prevenindo a propagação de microfraturas que poderiam se expandir pela matriz vítrea. O sistema permite a realização de restaurações através da técnica de pintura, sendo indicada para inlays, onlays, facetas e coroas unitárias anteriores e posteriores, sendo contra-indicada para confecção de próteses parciais fixas Os sistemas que contêm o dissilicato de lítio como a fase cristalina, apresentam como vantagens superiores, resistências flexural e à fratura, a qual estende o seu leque de aplicações11. Esse sistema cerâmico apresenta-se nas formas do IPS Empress 2 e do OPC 3G All Ceramic System. (11) O IPS Empress 2 (300 a 400MPa) foi desenvolvido objetivando o uso de um sistema cerâmico aquecido e prensado para confecção de próteses parciais fixas. Além das diferenças de composição química, existem diferenças consideráveis entre as microestruturas e as

5 propriedades do IPS Empress. O IPS Empress 2 possui 60% em volume de cristais de disilicato de lítio, o que proporciona um material com maior resistência flexural após o procedimento de prensagem e aumenta a tenacidade do material. Está indicado para coroas em geral As porcelanas feldspáticas reforçadas com leucita, juntamente àquelas a base de dissilicato de lítio, são igualmente classificadas em vidros ceramizados prensados. (12) Pesquisa in vitro comparou quatro porcelanas feldspáticas reforçadas por leucita com uma porcelana feldspática de baixa fusão e uma cerâmica contendo dissilicato de lítio, avaliando a resistência flexural sobre cargas estática e cíclica; assim como resistência à fratura sobre carga estática. A cerâmica contendo dissilicato de lítio obteve uma resistência flexural e à fratura significantemente maior, sendo a primeira de 205Mpa. (13) O Optec OPC (Optec Pressable Ceramic) é também uma composição de vidro feldspático com carga de cristais de leucita. Este sistema pode ser usado para contorno completo de restaurações inlays, facetas e coroas totais. Alternativamente, ela pode ser usada como material de núcleo. O tamanho de partículas de leucita cristalina tem sido reduzido e o conteúdo de leucita aumentado, resultando em uma melhor resistência flexural da Optec. Devido ao seu alto conteúdo de leucita pode ser esperado que esta porcelana seja mais abrasiva ao esmalte do dente antagonista. Suas vantagens são a ausência de subestrutura metálica ou opaca, boa translucidez, moderada resistência à flexão. As desvantagens são que o material exige equipamento especial para o processamento (forno de prensar e de evaporação), entretanto a cerâmica Optec HSP pode ser processada sem equipamento especial já que é apresentada também no sistema pó/líquido, mas a adaptação das restaurações é prejudicada. (14) O sistema IPS e.max, tem se apresentado como uma excelente alternativa, devido à possibilidade de reproduzir a naturalidade da estrutura dentária. Este sistema cerâmico apresenta quatro materiais altamente estéticos e resistentes para as duas tecnologias atualmente disponíveis: injeção e CAD/CAM. Constitui-se em um sistema versátil que vai das cerâmicas de vidro com base de disilicato de lítio injetado ou fresado, respectivamente e.max Press e e.max CAD, até o óxido de zircônia injetado ou fresado, e.max ZirPress e e.max ZirCAD5. Estas possibilidades de uso do IPS e.max tornam o sistema totalmente flexível para os protéticos, além de permitirem que os quatro materiais de estruturas diferentes que constituem o sistema IPS e.max possam ser estratificados com a mesma cerâmica de recobrimento. A cerâmica de recobrimento consiste em uma cerâmica de baixa fusão, à base de apatita e nanopartículas, que garantem o biomimetismo com a estrutura dentária. (15)

6 O IPS e.max é altamente preciso, pela técnica de prensagem de pastilhas que se encontram em diferentes níveis de opacidade para mascarar núcleos metálicos e também para técnicas de confecção de facetas e lentes de contato com pastilhas HT de alta translucidez. Tem sua indicação em facetas, lentes de contato, coroas de dentes posteriores, pontes fixas anteriores e posteriores até pré molar, prótese sobre implantes. (16) 2.2 Sistema CAD/CAM Os lingotes de cerâmicas usados para produzir as restaurações CAD/CAM (desenho assistido por computador/ fabricação assistida por computador) não requerem processos de altas temperaturas. Eles são colocados em uma máquina a qual produz o desejado contorno da restauração, auxiliada que é por um programa de computador. O desgaste do lingote é realizado por discos diamantados ou outros brocas até as dimensões obtidas da imagem escaneada do preparo. A superfície externa é desgastada manualmente, embora alguns sistemas CAD/CAM recentes sejam capazes de produzir a anatomia da superfície externa também. No sistema CAD/CAM o computador irá converter as informações digitalizadas obtidas pelo scanner em pontos tridimensionais. Estes pontos reproduzirão com alta fidelidade os contornos do preparo dentário na tela do computador. Após o processamento destes dados, é possível, por meio de um programa (software) específico, trabalhar sobre este preparo definindo suas margens, estabelecendo espessura uniforme da infra estrutura protética, tipo de colar cervical e espessura do espaço interno para o agente cimentante, e, outros detalhes. Uma linha de comunicação via modem permite que o scanner possa ficar separado do local de produção, a qualquer distância. (17) Os sistemas CAD/CAM funcionam basicamente em três passos: digitalização do preparo dentário, desenho da restauração e produção da restauração. (18) A Nobel Biocare lançou recentemente no mercado odontológico o sistema PROCERA, que adota o conceito de desenho e manufatura auxiliados por computador (tecnologia CAD/CAM) para fabricar coroas totalmente cerâmicas compostas de uma infraestrutura em óxido de alumínio puro, densamente sinterizado, combinado com uma porcelana especial para recobrimento. O funcionamento de sistema baseia-se na leitura, via scanner, de um troquel e na transferência dos dados obtidos ao computador que comanda a manufatura de um núcleo de alumina densamente sinterizada para receber, posteriormente, a aplicação de porcelana matizada, constituindo assim a coroa protética.

7 O primeiro sistema CAD/CAM usado em odontologia foi o Cerec. Esse requer ao dentista cobrir o dente preparado com uma fina camada de pó para luz reflectante, o qual facilita a subseqüentemente captura da imagem do preparo com uma câmera de mão. Seguindo-se a essa etapa, o dentista deve identificar as margens do preparo e bordas anatômicas em um monitor de computador que fará a produção da restauração. A restauração é usinada a partir de blocos de cerâmica, através da usinagem controlada por uma máquina em poucos minutos, sendo o procedimento de fresagem desse sistema através de uma ponta diamantada e um disco de desgaste (Cerec 2) ou duas pontas diamantadas em uma unidade modular (Cerec 3). É indicado para inlays, onlays e facetas. (8) (19) O sistema Celay (Mikroma Technologies) não é um sistema CAD/CAM, Baseado em um dispositivo mecânico tendo como cópia para a restauração cerâmica uma réplica da restauração em resina composta que é confeccionada diretamente na boca do paciente ou no modelo de gesso. (20) A medida que o instrumento de cópia passa sobre o padrão, uma máquina de torneamento duplica estes movimentos e torneia uma cópia do padrão em um bloco de material cerâmico. Segundo o fabricante, o material cerâmico utilizado originalmente pelo sistema é uma porcelana feldspática de granulação fina a qual produz um reduzido desgaste no esmalte do dente antagonista. (9) É possível, atualmente, com a utilização desta técnica, tornear casquete de porcelana, In-Ceram e In-Ceram Spinell bem como subestruturas de In-Ceram para próteses parciais fixas. (4) Posteriormente os padrões obtidos são infiltrados com vidro de sódio-lantânico de modo similar ao utilizado para as subestruturas convencionais de In-Ceram para coroas ou pontes. Entretanto, aqui há uma grande vantagem no tempo necessário para a infiltração, já que apenas alguns minutos são gastos para realizá-la comparada às quatro horas necessárias para o processo laboratorial In-Ceram convencional. Este tipo de restauração, foi julgado um sucesso clínico nos quesitos resistência a fratura, desgaste, aparência e integridade marginal. (21) Todos estes sistemas parecem ter adequada resistência e estabilidade para unidades simples, coroa, inlays e facetas, que são unidas a dente. Eles também podem ser caracterizados com pintura após a escultura e ajuste de face oclusal. (22) A precisão da adaptação de restaurações obtidas pelo sistema CAD/CAM é relativamente pobre com discrepâncias marginais típicas em média de 110m ou mais, gaps nas adaptações protéticas entre 50 e 100 µm têm sido aceitável. (4) Já o sistema Celay apresenta uma adaptação marginal melhor que o sistema Cerec, sendo considerada clinicamente aceitável. Embora, excluída para

8 pacientes com um moderado a alto risco de cárie, a maior discrepância não é considerada como sendo um problema clínico se a técnica de cimentação adesiva é usada. (22) O sistema Lava 3M ESPE, é o mais novo investimento dos novos laboratórios de prótese, onde um sistema de scanner e fresa torna possível entregar os trabalhos com mais rapidez já que todas as etapas são realizadas dentro do próprio laboratório. O sistema Lava, trabalha em harmonia. Da digitalização do modelo com o Lava scaner, ao desenvolvimento virtual com o Lava software, e a usinagem com a zircôncia Lava. Neste contexto, a utilização de componentes protéticos de zircônia na odontologia e em especial na implantodontia tornase um campo de amplo interesse dos profissionais. A zircônia quando submetida ao carregamento transforma a sua fase estrutural passando de tetragonal para monoclínica. A transformação de fase é acompanhada por uma expansão volumétrica de 3 a 6%, a qual gera um campo de tensão compressivo na trinca, dificultando a propagação e crescimento dessas. (23) As diferenças na adaptação marginal entre Procera, Lava e In-Ceram YZ foram analisadas. O sistema cerâmico Lava apresentou discrepâncias na adaptação marginal entre mm; desadaptações marginais para o In- Ceram YZ foram mm, o procera Bridge Zirconia apresentou as menores discrepâncias entre 9-12 mm. Os três sistemas zircônia analisados demonstraram diferenças notáveis com relação à adaptação marginal ao grupo de metal e cerâmica antes e após a cimentação. Confirmando que a técnica CAD / CAM propicia mais precisão do que a técnica convencional da cerâmica / metal, evitando os erros inerentes ao processo de fundição. As diferenças na adaptação marginal entre Procera, Lava, e In- Ceram YZ poderia ser explicada pelos sistemas diferentes de digitalização utilizados: um scanner laser para Lava e In-Ceram YZ, em contraste com um scanner mecânico Procera. (24) Resultados revelaram significativas diferenças na adaptação após cimentação das coras confeccionadas em cerâmica com metal, não havendo alteração após cimentação para trabalhos em zircônia. Isso poderia ser explicado pela precisão da Tecnologia CAD / CAM. Dentro das limitações deste estudo, concluiu-se que os valores de adaptação marginal observada estavam todos dentro intervalo clínico aceitável (120 ym), e a discrepância marginal das restaurações de zircônia foram significativamente menores que os do grupo metal / cerâmica. A cimentação não aumentou significativamente a discrepância marginal vertical. O Jornal de prótese dentária (24) das bactérias orais, que podem causar cáries secundárias e / ou traumáticas gengival irritation. Um estudo avaliou e comparou a adaptação marginal de restaurações, confeccionadas em dois tipos de sistemas cerâmicos: CEREC inlab (VITA) e IPS Empress 2 (Ivoclar-

9 Vivadent), apos a cimentação com cimento resinoso RelyX (3M). Foram preparados 20 prémolares humanos com cavidade MOD inlay, reproduzidos com silicone de adição, e obtidos modelos em gesso tipo IV, sobre os quais foram confeccionadas as restaurações conforme as recomendações dos fabricantes. Dez inlays no sistema IPS Empress 2 e dez inlays no sistema CEREC inlab. As desadaptações marginais foram avaliadas em microscopia. Uma diferença estatisticamente significante entre as desadaptações marginais no sistema IPS Empress (93,8±15,5µm) que se mostraram menores que no sistema CEREC inlab (114,4±10,6µm). Quando se comparou os valores médios entre as faces Proximais (116,51+/-21,85µm) e Oclusal (112,26±8,49µm) do sistema Cerec InLab, e faces Proximais (87,12±27,98µm) e Oclusal (100,47±22,23µm) do sistema IPS Empress 2, verifica-se que esses valores não diferem estatisticamente. Ainda assim, conclui-se que as medias obtidas são aceitáveis clinicamente. (AU). (25) Avaliação da desadaptação marginal em 45 restaurados foi realizada em três sistemas CAD/CAM: 15 restaurados do sistema Everest, 15, do sistema Procera, e 15 do sistema Lava. As desadaptações foram avaliadas, em diferentes fases de processamento, por meio de microscópio com uma ampliação de x50. Os valores médios para o sistema Everest foram: 63,37, os valores médios para o sistema de Lava foram: 46,30, os valores médios para o sistema Procera foram: 61,08. Os três sistemas CAD / CAM a base de óxido de zircônia, demonstraram um ajuste aceitável, no entanto, o sistema Lava produziu medições estatisticamente menores que o Everest e do que o sistema Procera. (26) A adaptação marginal foi analisada também nos dois sistemas CAD/CAM: Procera Bridge Zirconia (Nobel Biocare) and Lava AllCeramic System (3M ESPE). Próteses fixas de três elementos foram confeccionadas e a adaptação lingual e vestibular avaliada por meio de microscopia com magnificação da imagem de 1000x. Nenhuma diferença significativa foi observada entre os dois sistemas e entre as diferentes superfícies. O sistema procera apresentou resultados melhores ( microns). A precisão de adaptação desses sistemas de processamento da zircônia ficou dentro de índices clinicamente aceitáveis. (27) Em outro trabalho, a adaptação marginal e estética de três sistemas de processamento CAD/CAM foi analisada para próteses parciais fixas de três elementos. Vinte e quatro restaurados de cerâmica pura foram confeccionados e divididos em três grupos de tamanho iguais. Oito estruturas foram fabricadas usando CAD/CAM Digident, oito estruturas usando o sistema Cerec Inlab. Blocos de Zircônia Inceram Vita foram utilizados como manufatura para esses dois grupos. Para o terceiro grupo os blocos utilizados foram de Zircônia estabilizada por ítrio usadas no sistema Lava. Sessenta e três próteses parciais de três elementos

10 metalocerâmicas serviram como grupo controle. As análises foram feitas com microscópio. A média das desadaptações marginais foi de 75 microns para o digident; 65 microns para o lava e Cerec inlab e 54 microns para as metalocerâmicas. Diferença significativa somente para o sistema digident, apesar disso os três sistemas de cerâmica pura analisados apresentaram resultados clinicamente aceitáveis quanto à adaptação. (28) Uma análise da desadaptação de vinte e quatro próteses parciais fixas em zircônia (oito DCS, oito Procera e oito Vita YZ-Cerec) foi realizada. As medidas das desadaptações foram feitas em três momentos: antes da cimentação, após cimentação com cimento de ionômero de vidro e após ciclos mastigatórios. O grupo Vita YZ Cerec apresentaram desadaptações menores que os grupos DCS e Procera, mas as desadaptações em todas as fases não apresentaram diferença significativa entre todos os sistemas. (29) Outro estudo comparou a precisão de adaptação de blocos de zircônia semi-sinterizada fabricadas por dois sistemas CAD/CAM diferentes. Próteses parciais fixas de três elementos foram confeccionadas com o Lava e o Procera. A análise da adaptação foi realizada por meio de microscopia óptica. A media das desadaptações foram 15 (+/-7) para o Lava e 9 (+/- 5) para o procera. A adaptação de ambos sistemas estudados é clinicamente satisfatória. (30) 3 DISCUSSÃO Como estética consiste na ciência de copiar ou harmonizar o trabalho com a natureza, um tratamento restaurador não deve ficar restrito apenas à devolução da forma e função dos elementos dentários, mas também na capacidade de restabelecer um novo sorriso que se adapte ao estilo de vida do paciente e realce as características estéticas do mesmo. As cerâmicas puras conseguiam restabelecer a estética, mas não apresentavam resistência suficiente para serem indicadas com segurança pelos profissionais. Atualmente todos os sistemas de porcelana pura parecem ter uma adequada resistência para unidades simples. Apesar da resistência à fratura de muitas coroas de cerâmica pura ser significativamente menor que a de coroas metalocerâmicas, a habilidade para se unir à estrutura do dente pode ser considerada um adicional mecanismo de resistência para inabilitar a fratura da restauração. (31) IPS Empresas e Optec Pressable Ceramic são cerâmicas reforçadas com leucita prensada a quente. Elas são reforçadas pela dispersão de cristais de leucita através de sua estrutura interna. Optec HSP também é reforçada através de dispersão interna de cristais de leucita, ela é fabricada usando a técnica da porcelana convencional (Pó/liquido). (32) Com relação ás

11 técnicas de fabricação, com a exceção do Optec HPS, Duceram LFC e as restaurações metalocerâmicas, todos os outros exigem equipamento e técnica especializada. Isto pode ser considerado uma desvantagem devido ao custo adicional para o técnico. (33) Para a técnica de injeção, estão disponíveis pastilhas como: IPS e.max Press, uma cerâmica de dissilicato de lítio, e IPS e.max Zir-Press, uma cerâmica estética de vidro para ser sobreinjetada em estruturas de óxidos de zircônia, de forma eficaz e rápida. A cerâmica de cobertura IPS e.max Ceram é uma cerâmica à base de nanofluorapatita, destinada a estratificar todos os tipos de estruturas do Sistema IPS e.max, independentemente de ser dissilicato de lítio ou óxido de zircônio, injetável ou CAD/CAM. Além da versatilidade do sistema, apresenta-se também com excelente resultado estético, garantindo à restauração de cerâmica propriedades ópticas, como translucidez e fluorescência, semelhantes às da estrutura dentária. A composição da cerâmica (presença de cargas) e a composição de sua microestrutura podem afetar a capacidade de desgaste aos dentes antagonistas. (34, 35) Pode-se esperar que todos os materiais que contém leucita provoquem desgastes no dente natural antagonista. Os materiais com grande aumento no conteúdo de leucita (IPS Empress, Optec HSP e Optec OPC) podem causar um grande desgaste clínico. E.max Press geralmente causam mais desgate aos dentes antagonistas do que o IPSempress. (34) Um restaurado em ouro não desgastará o esmalte do dente hígido antagonista, quando a opção for por restaurados cerâmicos o Finesse e o All-Ceram causarão menor desgaste do que o IPS-empress. (36) As cerâmicas de óxido utilizadas nos sistemas CAD/CAM como a alumina e as cerâmicas de zircônia provocam menor desgaste aos antagonistas apresentando resultados clinicamente superiores às cerâmicas com carga. (37) A adaptação marginal é importante para o sucesso a longo prazo das restaurações. Dados da adaptação marginal fornecida pelo sistema CAD/CAM no processamento de blocos cerâmicos são necessários. Com relação à adaptação marginal valores menores que 120µm são clinicamente aceitáveis evitando a infiltração marginal. Foi evidenciado recentemente que o sistema IPS e.max Press apresenta valores de adaptação marginal inferiores a 120µm, sendo considerados totalmente aceitáveis quando associado à cimentação adesiva9. Há trabalhos que relatam uma média de discrepâncias marginais entre 60,5 µm e 74 µm para uma cerâmica de óxido de zircônia. (38) Investigações in vivo da discrepância marginal de vidros cerâmicos de dissilicato de lítio apresentaram média de desadaptação antes da cimentação de 96 microns para coroas, mas após a cimentação adesiva a desadaptação aumentou para 130 microns. Os autores concluíram que os cimentos adesivos causam diferença significativa na adaptação

12 marginal. (39). O Grupo VITA YZ-Cerec apresenta significativamente menor desadaptações marginais que o grupo Procera após a cimentação (P<0,05). A adaptação marginal de próteses dentárias fixas de zircônia é influenciada pela técnica de fabricação. (40) Todos os estudos atuais com as cerâmicas puras comteporâneas relatam uma adaptação aceitável. Essa revisão de literatura mostra variações maiores dos valores encontrados nos estudos antes de 2003 em relação à adaptação marginal. Trabalhos mais recentes, após 2003, apresentam resultados mais satisfatórios, provavelmente devido à melhora na produção dessas cerâmicas. Não há relato na literatura atual de discrepâncias maiores que os valores clinicamente aceitáveis. (24) (25) (34) (36) (37) (38) (39) Uma adequada cimentação adesiva torna-se fundamental. O desenvolvimento dos sistemas adesivos e dos cimentos resinosos, aliado ao desenvolvimento dos sistemas cerâmicos, permitiu uma adequada união da cerâmica à estrutura dentária e, desta maneira, aumentou a longevidade e a performance clínica para este tipo de restauração. A compensação para discrepâncias ou gap podem ser feitas usando cimento resinoso, no caso de restaurações de cerâmica pura O sucesso de um trabalho cerâmico, deve-se ao fato de uma perfeita união, adesão, da cerâmica ao seu substrato, independente das suas variações de tensões. (41) (42) Trabalhos recentes não confirmam relatos de aumento da desadaptação após a cimentação. (39) (29) As cerâmicas de máquina já fornecem um espaçamento ideal ao cimento evitando essas alterações. A cimentação não aumenta significativamente a discrepância marginal vertical. O Jornal de prótese dentária (24) das bactérias orais, que podem causar cáries secundárias e / ou traumáticas gengival irritation. Diante da grande tendência de utilização das restaurações indiretas metal free, tornase de fundamental importância ter o conhecimento que o sucesso do tratamento restaurador indireto, com estes novos sistemas cerâmicos, deve ser avaliado do ponto de vista do restabelecimento estético e funcional, do conforto e da fonética. Dessa forma, apresentando à Estética em Odontologia um eterno compromisso entre biologia e função. 4 CONCLUSÃO Os sistemas atuais das cerâmicas puras melhoraram a resistência, pela incorporação de outros matérias em sua fase cristalina como os vidros ou pela composição do óxido como os de alumina Al2O3 e principalmente os de zircônia ZrO. A tecnologia de fabricação dessas cerâmicas atuais também evoluiu promovendo uma adaptação marginal aceitável. A utilização das cerâmicas atuais é segura e deve ser utilizada, quando bem indicada, pelo profissional.

13 REFERÊNCIAS (1) Rosenblum, 1997 (2) Hart DA, Powers WH. Flexural strength and modulus of opalescent porcelain. J Dent Res, 1994; 73:235. (3) Kiyan,2002 (4) Anusavice KJ. Materiais dentários. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. (5) Schenkel LB. Metalocerâmica aos sistemas totalmente cerâmicos: razões da evolução e indicações. In: Congresso Paulista de Técnicos em Prótese Dentária, 6. Atualização em prótese dentária: procedimento clínico e laboratorial. São Paulo: Santos, p (6) Callister WD. Ciência e engenharia dos materiais. Porto Alegre: LTC, (7) Conceição EM, Sphor A. M. Fundamentos dos sistemas cerâmicos. Porto Alegre: Artmed, (8) Veloso GE. Título Tese (Doutorado) - Universidade Fernando Pessoa, Faculdade de Ciências da Saúde, Porto. (9) Nishioka RS et al. Prótese adesiva sem metal com sistema IPS Empress 2. Rev Assoc Paul Cir Dent, 2002; 56(4): (10) Bona AD. Cerâmicas : desenvolvimento e tecnologia. Rev Fac Odontol Univ Passo Fundo, 1996; 1(1): (11) Bottino MA, Quintas AF, Miyashita E, Giannini V. Estética em reabilitação oral: metal free. São Paulo: Artes Médicas, (12) Denry IL. Cerâmicas. In: Craig RG, Powers JM. Materiais dentários restauradores. São Paulo: Santos, p (13) Drummond JL, King TJ, Bapna MS, Koperski RD. Mechanical property evaluation of pressable restorative ceramics. Dent Materials, 2000; 16: (14) Borges GA, Spohr AM, Correr SL, Consani S, Sinhoreti MA. História e atualidade das cerâmicas odontológicas. Rev ABO Nac, 2001; 9(2): (15) Referência 1 (16) Referência 2 (17) Francischone CE, Vasconcelos LW. Sistema Procera: nova tecnologia em estética. São Paulo: Quintessence, p. (18) Conceição EM et al. Restaurações estéticas: compósitos,cerâmicas e implantes. São Paulo: Artmed, 2007.

14 (19) Krejci I, Luts F, Reimer M. Wear of CAD/CAM ceramic inlays: restorations, opposing cusps and luting cementes. Quint. Int, 1994; 25: (20) Touati et al (21) Chain MC et al. Restaurações cerâmicas estéticas e próteses livres de metal: as novas alternativas possibilitadas pelas novas porcelanas. Rev Gaúcha Odontol, 2000; 48(2): (22) Castro JCM et al. Facetas laminadas em porcelana: uma opção estética para o clínico geral. Rev. Fac. Odontol. Lins, 2000; 12(1/2): (23) Referência 3 (24) Gonzalo E, Suárez MJ, Serrano B, Lozano JF. A comparison of the narginal vertical discrepancies of zirconium and metal ceramic posterior fixed dental prostheses before and after cementation. J Prosthet Dent, 2009; 102(6): (25) Carvalho CF. Avaliação da adaptação marginal de restaurações cerâmicas inlay após cimentação. s.l: s.n, s.d. 102 p. (26) Vigolo P, Fonzi F. An in vitro evaluation of fit of zirconium-oxide-based ceramic fourunit fixed partial dentures, generated with three different CAD/CAM systems, before and after porcelain firing cycles and after glaze cycles. J Prosthodont, 2008; 17(8): (27) Gonzalo E, Suárez MJ, Serrano B, Lozano JF. Marginal fit of Zirconia posterior fixed partial dentures.int J Prosthodont, 2008; 21(5): (28) Reich S, Wichmann M, Nkenke E, Proeschel P. Clinical fit of all-ceramic three-unit fixed partial dentures, generated with three different CAD/CAM systems. Eur J Oral Sci, 2005; 113(2): (29) Att W, Komine F, Gerds T, Strub JR. Marginal adaptation of three different zirconium dioxide three-unit fixed dental prostheses. J Prosthet Dent, 2009; 101(4): (30) Beuer F, Naumann M, Gernet W, Sorensen JA. Precision of fit: zirconia three-unit fixed dental prostheses. Clin Oral Investig, 2009; 13(3): (31) Denry IL, Rosenstiel SF. Flexural strength and fracture toughness of Dicor glass-ceramic after embedment modification. J. Dent Res, 1993; 72: (32) Gunn S, Powers JM. Strength of ceramic brackets in shear and torsion (abstract), J. Dent Res, 1990; 69:313. (33) O Brien WJ, Kay KS, Boenke KM. Sources of color variantion on firing porcelain, Dent Mater, 1991; 7: (34) Heintze SD, Cavalleri A, Forjanic M, Zellweger G, Rousson V. Wear of ceramic and antagonist--a systematic evaluation of influencing factors in vitro. Dent Mater, 2008; 24(4):

15 (36) Elmaria A, Goldstein G, Vijayaraghavan T, Legeros RZ, Hittelman EL. An evaluation of wear when enamel is opposed by various ceramic materials and gold. J Prosthet Dent, 2006; 96(5): (37) Ghazal M, Albashaireh ZS, Kern M. Wear resistance of nanofilled composite resin and feldspathic ceramic artificial teeth. J Prosthet Dent, 2008; 100(6): (38) Tinschert J, Natt G, Mautsch W, Spiekermann H, Anusavice KJ. Marginal fit of aluminaand zirconia-based fixed partial dentures produced by a CAD/CAM system. Oper Dent, 2001; 26(4): (39) Wolfart S, Wegner SM, Al-Halabi A, Kern M. Clinical evaluation of marginal fit of a new experimental all-ceramic system before and after cementation. Int J Prosthodont, 2003; 16(6): (40) Autor. Título. J Odontol Dent, 2009; 101: (41) Holmes JR et al. Marginal fit of castable ceramic crowns. J Prosthet Dent, 1992; 67(5): (42) Ricci WA, Jorge JH, Fonseca RG. Adaptação marginal em coroas metalocerâmicas. Rev Gaucha Odontol, 2003; 51(1):7-10.

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 O Laboratório Julio utiliza produtos com qualidade garantida: www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 V I S Ã O & I N S P I R

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES CERÂMICAS DE ZIRCÔNIO: UMA REVISÃO MARINGÁ 2006 2 EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Montes Claros 2014 DANIEL DA COSTA PARRELLA CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Monografia

Leia mais

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL 1 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 2009 2 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL Trabalho de

Leia mais

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro Cercon CAD/CAM Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro O que você considera mais importante ao investir em soluções de CAD/CAM? Flexibilidade Quão importante é a flexibilidade para produção

Leia mais

LEANDRO ASSUNÇÃO MOREIRA ADAPTAÇÃO MARGINAL DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCÔNIA

LEANDRO ASSUNÇÃO MOREIRA ADAPTAÇÃO MARGINAL DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCÔNIA LEANDRO ASSUNÇÃO MOREIRA ADAPTAÇÃO MARGINAL DAS CERÂMICAS À BASE DE ZIRCÔNIA Monografia apresentada ao Departamento de Odontologia Restauradora da UFMG para obtenção do título de Especialista em Dentística

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS BRUNO SEEMANN VIEIRA ZIRCÔNIA COMO MATERIAL DE ESCOLHA PARA INFRA-ESTRUTURA DE PRÓTESES FIXAS REVISÃO DE LITERATURA Florianópolis, 2011 BRUNO SEEMANN VIEIRA

Leia mais

In-Ceram Zirconia: Prótese Parcial Fixa In-Ceram Zirconia: Fixed Partial Prosthesis

In-Ceram Zirconia: Prótese Parcial Fixa In-Ceram Zirconia: Fixed Partial Prosthesis CASO CLÍNICO In-Ceram Zirconia: Prótese Parcial Fixa In-Ceram Zirconia: Fixed Partial Prosthesis Renato Sussumu Nishioka* Luis Gustavo Oliveira de Vasconcellos** Karina Tiemi Tanaka*** Gilberto Duarte

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE

RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE RESTAURAÇÕES TOTALMENTE CERÂMICAS: CARACTERÍSTICAS, APLICAÇÕES CLÍNICAS E LONGEVIDADE Luís Henrique Araújo Raposo Letícia Resende Davi Paulo Cézar Simamoto Júnior Flávio Domingues das Neves Paulo Vinícius

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso Tecnologia CAD/CAM Odara Íris Petter Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Graduação em Odontologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA

Leia mais

IPS e.max: harmonização do sorriso

IPS e.max: harmonização do sorriso Artigo Clínico IPS e.max: harmonização do sorriso Victor Grover Rene Clavijo*, Niélli Caetano de Souza*, Marcelo Ferrarezi de Andrade** Resumo Neste artigo será relatada a reabilitação do sorriso com o

Leia mais

TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS

TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS CAMPO GRANDE 2011 TIOMI SUGUIURA MAKINO INDICAÇÕES E AS PROPRIEDADES DO SISTEMA EMPRESS Trabalho apresentado ao curso de pósgraduação

Leia mais

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA Dr. Dario Adolfi Dr. Ivan Ronald Huanca Duração: 6 meses/módulos de 2 dias. Datas: 11 e 12 de março de 2010 8 e 9 de abril de 2010 13 e 14 de maio de 2010 17 e 18 de junho de 2010 15 e 16 de julho de 2010

Leia mais

SISTEMA IN-CERAM DE INFRA-ESTRUTURAS TOTALMENTE CERÂMICAS

SISTEMA IN-CERAM DE INFRA-ESTRUTURAS TOTALMENTE CERÂMICAS FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP SISTEMA IN-CERAM DE INFRA-ESTRUTURAS TOTALMENTE CERÂMICAS IN-CERAM ALL-CERAMIC SYSTEM SICKNAN SOARES DA ROCHA GEORGE SCHERRER ANDRADE JOSÉ CLÁUDIO MARTINS

Leia mais

2 Revisão da Literatura

2 Revisão da Literatura 15 2 Revisão da Literatura Com o objetivo de avaliar e comparar a resistência de materiais totalmente cerâmicos e suas terminações cervicais utilizadas na confecção de próteses fixas investigou-se na literatura

Leia mais

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm;

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm; DEFINIÇÃO AJUSTES E CIMENTAÇÃO Desgaste e polimento necessários para o correto assentamento da peça protética sobre o preparo, garantindo o vedamento marginal e um adequado equilíbrio de contatos proximais

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

Cerâmicas odontológicas: o estado atual. (Ceramic in dentistry: current situation)

Cerâmicas odontológicas: o estado atual. (Ceramic in dentistry: current situation) Cerâmica 54 (2008) 319-325 319 Cerâmicas odontológicas: o estado atual (Ceramic in dentistry: current situation) E. A. Gomes, W. G. Assunção, E. P. Rocha, P. H. Santos R. José Bonifácio, 1193, Vila Mendonça,

Leia mais

Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica

Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica Mariana Veras Godeiro Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN. Especialista em Dentística

Leia mais

LETÍCIA CAROLINA SAMPAIO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DE DENTES ANTERIORES POR MEIO DE COROAS TOTALMENTE CERÂMICAS: RELATO DE CASO CLÍNICO

LETÍCIA CAROLINA SAMPAIO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DE DENTES ANTERIORES POR MEIO DE COROAS TOTALMENTE CERÂMICAS: RELATO DE CASO CLÍNICO LETÍCIA CAROLINA SAMPAIO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DE DENTES ANTERIORES POR MEIO DE COROAS TOTALMENTE CERÂMICAS: RELATO DE CASO CLÍNICO Londrina 2014 LETÍCIA CAROLINA SAMPAIO REABILITAÇÃO ESTÉTICA

Leia mais

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL Data: 24 a 27 de novembro de 2015 Atualmente existe uma forte tendência no mercado mundial sobre os Sistemas CAD/CAM. A proposta deste programa é brindar-lhes com toda

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Cristina Rech Grandi Molin Adaptação marginal de infraestruturas de próteses dentossuportadas obtidas por diferentes técnicas: Revisão de literatura

Leia mais

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso.

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso. Apresentação 5365410005 - CELTRA Cad FC LT A1 C14 (6PCS); ou 5365410011 - CELTRA Cad FC LT A2 C14 (1PCS) ; ou 5365410021 - CELTRA Cad FC LT A3 C14 (1PCS) ; ou 5365410025- CELTRA Cad FC LT A3 C14 (6PCS)

Leia mais

Adaptação cervical de elementos livres de metal confeccionados pelo sistema CAD/CAM: uma revisão de literatura

Adaptação cervical de elementos livres de metal confeccionados pelo sistema CAD/CAM: uma revisão de literatura Adaptação cervical de elementos livres de metal confeccionados pelo sistema CAD/CAM: uma revisão de literatura DARTORA, Gustavo 1 ; BACCHI, Ataís 2 (1) Aluno do curso de Odontologia, IMED, Brasil. E-mail:

Leia mais

Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório!

Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório! Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório! Bons profissionais procuram bons parceiros e fornecedores. Trabalhar com profissionais diferenciados, prestando serviços de alta qualidade é a nossa prioridade.

Leia mais

ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Romão, Waldyr; Rosa de Oliveira, Flávio Sistemas cerâmicos reforçados e suas indicações ConScientiae Saúde,

Leia mais

Laminados cerâmicos - relato de caso. Ceramic laminates - case report

Laminados cerâmicos - relato de caso. Ceramic laminates - case report 246 COLUNA VISÃO CLÍNICA Laminados cerâmicos - relato de caso Ceramic laminates - case report Weider Silva 1 Moises Cronemberger 2 Gil Montenegro 3 Lêndiel Olímpio 4 Tarcísio Pinto 5 Resumo Os parâmetros

Leia mais

Tecnologias CAD/CAM a serviço da Odontologia

Tecnologias CAD/CAM a serviço da Odontologia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MESTRADO EM ODONTOLOGIA TECNOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA PROFESSORAS: CARMEM DOLORES VILARINHO SOARES DE MOURA

Leia mais

HEITOR DE ALMEIDA SOUZA COROAS TOTAIS METAL-FREE EM DENTES ANTERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO

HEITOR DE ALMEIDA SOUZA COROAS TOTAIS METAL-FREE EM DENTES ANTERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO HEITOR DE ALMEIDA SOUZA COROAS TOTAIS METAL-FREE EM DENTES ANTERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Londrina 2013 HEITOR DE ALMEIDA SOUZA COROAS TOTAIS METAL-FREE EM DENTES ANTERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO

Leia mais

IJD ISSN:1806-146X. Revisão de Literatura / Review Article

IJD ISSN:1806-146X. Revisão de Literatura / Review Article Revisão de Literatura / Review Article IJD ISSN:1806-146X Indicações, adaptação marginal e longevidade clínica de sistemas cerâmicos livres de metal: uma revisão da literatura Indications, marginal adaptation

Leia mais

CEREC. Feito para inspirar.

CEREC. Feito para inspirar. SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O dentista CEREC. Feito para inspirar. sirona.com.br CEREC NO CONSULTÓRIO: CLINICAMENTE SEGURO. Mais de 28 anos de experiência por um bom motivo: tudo está sob seu controle com CEREC,

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Adriana Cláudia de Oliveira

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Adriana Cláudia de Oliveira Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Adriana Cláudia de Oliveira A tecnologia CAD/CAM e a importância das linhas de referências Faciais na busca da e estética CURITIBA 2010 Adriana

Leia mais

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM DATA à definir Atualmente existe uma forte tendência no mercado mundial sobre os Sistemas CAD/CAM. A proposta deste programa é brindar-lhes com toda

Leia mais

ESTÁGIO ATUAL DAS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS EARLY STAGE OF ODONTOLOGIC CERAMICS

ESTÁGIO ATUAL DAS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS EARLY STAGE OF ODONTOLOGIC CERAMICS ARTIGO DE REVISÃO / Review Article ESTÁGIO ATUAL DAS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS EARLY STAGE OF ODONTOLOGIC CERAMICS Cátia Maria Fonseca GUERRA 1 Cristiana Abrantes da Fonte NEVES 2 Elvia Christina Barros

Leia mais

Metalocerâmica, IPS Empress I, II e IPS e.max: uma revisão de literatura.

Metalocerâmica, IPS Empress I, II e IPS e.max: uma revisão de literatura. 0 Instituto de Ciências da Saúde FUNORTE/SOEBRAS Nilton Campos Junior Metalocerâmica, IPS Empress I, II e IPS e.max: uma revisão de literatura. Lages, 2011. 1 Nilton Campos Junior Metalocerâmica, IPS Empress

Leia mais

Técnica Laboratorial Laboratory technique

Técnica Laboratorial Laboratory technique Técnica Laboratorial Laboratory technique Juliana Nerculini Alexandretti 1 Metalocerâmica do dia a dia Everyday metal-ceramic Resumo As coroas metalocerâmicas são muito utilizadas pelo fato de proporcionar

Leia mais

Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA

Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA 1 Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA PUCRS PARA A OBTENÇÃO DO TÍTULO DE CIRURGIÃ-DENTISTA

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 QUESTÃO 17 A Prótese Dentária é considerada uma especialidade odontológica de rico intercâmbio com as outras especialidades da odontologia. Esse intercâmbio

Leia mais

Resinas compostas: o estado da arte

Resinas compostas: o estado da arte Caso Selecionado Resinas compostas: o estado da arte Maurício U. Watanabe Na Odontologia atual, a resina composta é o material de eleição quando se trata de reconstruções de coroas fraturadas de dentes

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Cibele Cândida de Almeida Kintopp SISTEMAS COMPUTADORIZADOS UTILIZADOS PARA CONFECÇÃO DE RESTAURAÇÕES PROTÉTICAS: CAD-CAM. RELATO DE CASO CLíNICO. CURITIBA 2010 Cibele Cândida

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Serviços preliminares

Serviços preliminares Vazagem de modelo em gesso tipo lv Vazagem de modelo em gesso sintético colocação de gengiva em silicone (elemento) colocação de gengiva em silicone total Vazagem do modelo de transferência Montagem em

Leia mais

Restauração Indireta Onlay: Seleção do Sistema Cerâmico e Cimentação com Cimento Auto-adesivo relato de caso clínico

Restauração Indireta Onlay: Seleção do Sistema Cerâmico e Cimentação com Cimento Auto-adesivo relato de caso clínico ISSN 1981-3708 Restauração Indireta Onlay: Seleção do Sistema Cerâmico e Cimentação com Cimento Auto-adesivo relato de caso clínico Indirect Restoration Onlay: Selection of System Ceramic and Luting Cement

Leia mais

BRADENT. Alumina BRADENT. Manual Técnico. i m p o r t s

BRADENT. Alumina BRADENT. Manual Técnico. i m p o r t s BRADENT i m p o r t s Alumina Manual Técnico Rua Indochina, 201 - Jardim Fontana CEP.: 06713-030 - Cotia - SP - Brasil Tel/Fax.: 55 11 3726-5953 Mais informações no Web Site www.bradent.com.br BRADENT

Leia mais

Coluna Visão Protética

Coluna Visão Protética Coluna Visão Protética 88 PROSTHESIS Prosthes. Lab. Sci. 2013; 2(6):88-97. L A B O R A T O R Y i n Gustavo Bertholdo 1 Elson Bertholdo 2 Eduardo Souza Junior 3 Luis Gustavo Barrote Albino 4 Thays Bertoldo

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

Próteses Straumann CARES. Mais que eficiência. Soluções efetivas para seu fluxo de trabalho.

Próteses Straumann CARES. Mais que eficiência. Soluções efetivas para seu fluxo de trabalho. Próteses Straumann CARES Mais que eficiência. Soluções efetivas para seu fluxo de trabalho. PRÓTESES STRAUMANN CARES Experimente as soluções protéticas com Straumann CARES O mercado de restaurações dentárias

Leia mais

Single Bond Universal Adesivo. Single Bond. Universal. O adesivo que você. sempre quis

Single Bond Universal Adesivo. Single Bond. Universal. O adesivo que você. sempre quis Universal Adesivo Universal O adesivo que você sempre quis Chegou o Universal O adesivo mais versátil e confiável do mundo O Universal é o primeiro e único adesivo que pode ser utilizado sob qualquer técnica

Leia mais

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE Protemp TM 4 Material Provisório à Base de Bisacril Restauração provisória com a qualidade 3M ESPE Protemp TM 4 Com 40 anos de experiência em materiais provisórios e amplo conhecimento em produtos com

Leia mais

Reabilitação estética do sorriso por meio do sistema cerâmico dissilicato de lítio relato de caso

Reabilitação estética do sorriso por meio do sistema cerâmico dissilicato de lítio relato de caso 112 Full Dent. Sci. 2014; 6(21):112-117. Reabilitação estética do sorriso por meio do sistema cerâmico dissilicato de lítio relato de caso Aesthetic rehabilitation of the smile using lithium disilicate

Leia mais

Adaptação cervical de elementos livres de metal confeccionados pelo sistema CAD/CAM: uma revisão de literatura

Adaptação cervical de elementos livres de metal confeccionados pelo sistema CAD/CAM: uma revisão de literatura Adaptação cervical de elementos livres de metal confeccionados pelo sistema CAD/CAM: uma revisão de literatura DARTORA, Gustavo 1 ; BACCHI, Ataís 2 (1) Aluno do curso de Odontologia, IMED, Brasil. E-mail:

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE PREPARO DO DENTE

ORIENTAÇÕES DE PREPARO DO DENTE ORIENTAÇÕES DE PREPARO DO DENTE NEODENT DIGITAL Índice Fluxos de trabalho que se adaptam às suas necessidades 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 04 2. OPÇÕES DE MATERIAIS RESTAURADORES... 05 A tecnologia CAD/CAM

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL ADAPTAÇÃO MARGINAL EM PRÓTESE FIXA LIVRE DE METAL PASSO FUNDO 2008 SANDRA

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS Dr. Alex Antônio Maciel de Oliveira Especialista em Implantodontia Consultor científico do Sistema Friccional de Implantes Kopp Contato: alexamaciel@hotmail.com Nos

Leia mais

PORTUGUÊS 100% BRANCO. Próteses dentárias sem metal feitas em zirconia de grande qualidade

PORTUGUÊS 100% BRANCO. Próteses dentárias sem metal feitas em zirconia de grande qualidade PORTUGUÊS 100% BRANCO Próteses dentárias sem metal feitas em zirconia de grande qualidade 100% BRANCO O zircónio é o mineral mais antigo e frequente na crosta terreste. Desse elemento consegue-se um material

Leia mais

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA CURSOS ICMDS PROSTODONTIA OBJECTIVOS Aprimorar a pratica clinica dos profissionais que praticam Prostodontia no seu dia dia e buscam a exelência no planeamento Estético, Mock up, Metal Free, nos Preparos

Leia mais

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA Injete essa Idéia WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA www.wolcampress.com.br 0xx62 3210 3671 Manual Técnico CTO-Central de cursos- 0xx19 3405 6545 www.overtec.com.br Índice: I. Sistema

Leia mais

Guillaume Esteves Veloso. Sistema CEREC Chairside

Guillaume Esteves Veloso. Sistema CEREC Chairside Guillaume Esteves Veloso Sistema CEREC Chairside Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2008 Guillaume Esteves Veloso Sistema CEREC Chairside Universidade Fernando Pessoa Faculdade

Leia mais

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Roteiro de estudo - Preparo do Dente: 1. Técnica da silhueta modificada. 2. Desgaste do dente com ponta diamantada (PD) 1,4 mm na região cervical e terço médio respeitando

Leia mais

CAD-CAM: a informática a serviço da prótese fixa

CAD-CAM: a informática a serviço da prótese fixa Revista de Odontologia da UNESP. 2006; 35(2): 183-89 2006 - ISSN 1807-2577 CAD-CAM: a informática a serviço da prótese fixa André Ricardo Maia CORREIA a, João Carlos Antunes SAMPAIO FERNANDES b, Jorge

Leia mais

VITRO-CERAM ALUMINA. Alumina infiltrada com vidro para copings e estruturas de próteses fixas de porcelana sem metal.

VITRO-CERAM ALUMINA. Alumina infiltrada com vidro para copings e estruturas de próteses fixas de porcelana sem metal. VITRO-CERAM ALUMINA Alumina infiltrada com vidro para copings e estruturas de próteses fixas de porcelana sem metal Instruções de Uso Introdução Nos últimos anos o desenvolvimento de porcelanas com extraordinárias

Leia mais

SISTEMA CAD/CAM: reabilitação oral protética

SISTEMA CAD/CAM: reabilitação oral protética SISTEMA CAD/CAM: reabilitação oral protética Ivelton Santos Ferreira 1, Rodrigo Araújo Rodrigues 2 RESUMO: A tecnologia CAD/CAM vem causando uma evolução muito grande e importante no ramo da odontologia.

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS. Silvio Henrique Brito de Araújo COROAS DE PORCELANA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS. Silvio Henrique Brito de Araújo COROAS DE PORCELANA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS Silvio Henrique Brito de Araújo COROAS DE PORCELANA Montes Claros 2012 1 SILVIO HENRIQUE BRITO DE ARAÚJO COROAS DE PORCELANA Monografia apresentada ao Programa

Leia mais

VITA ENAMIC O conceito

VITA ENAMIC O conceito O conceito VITA Farbkommunikation E En VITA Farbkommunikation Versão 03.15 VITA shade, VITA made. A fórmula de sucesso En : Resistência + Elasticidade = Confiabilidade² MARCOS DOS MATERIAIS DENTÁRIOS CAD/CAM

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Estruturas cerâmicas a base de zircônia

Leia mais

Caso Clínico. Felipe Augusto Villa Verde* Yasmine Mendes Pupo** Carlos Kose** Giovana Mongruel Gomes** João Carlos Gomes***

Caso Clínico. Felipe Augusto Villa Verde* Yasmine Mendes Pupo** Carlos Kose** Giovana Mongruel Gomes** João Carlos Gomes*** Caso Clínico Felipe Augusto Villa Verde* Yasmine Mendes Pupo** Carlos Kose** Giovana Mongruel Gomes** João Carlos Gomes*** * Mestrando em Odontologia, área de concentração Dentística Restauradora, na Universidade

Leia mais

SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O LABORATÓRIO DENTAL

SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O LABORATÓRIO DENTAL SOLUÇÕES CAD/CAM PARA O LABORATÓRIO DENTAL Sistema inlab O melhor resultado estético. sirona.com.br ARTE E HABILIDADE SÃO SINÔNIMOS. A inovadora tecnologia inlab ajuda você a desenvolver ao máximo suas

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS: PROPRIEDADES, INDICAÇÕES E CONSIDERAÇÕES CLÍNICAS

CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS: PROPRIEDADES, INDICAÇÕES E CONSIDERAÇÕES CLÍNICAS CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS: PROPRIEDADES, INDICAÇÕES E CONSIDERAÇÕES CLÍNICAS DENTAL CERAMICS: PROPERTIES, INDICATIONS AND CLINICAL CONSIDERATIONS Andressa Paschoal AMOROSO 1 Mayara Barbosa FERREIRA 1 Leonardo

Leia mais

E.max como fator estético na reabilitação em dentes com coroas clínicas curtas: relato de caso clínico

E.max como fator estético na reabilitação em dentes com coroas clínicas curtas: relato de caso clínico E.max como fator estético na reabilitação em dentes com coroas clínicas curtas: relato de caso clínico E.max as aesthetic factor in rehabilitation in teeth with short clinical crowns: clinical case report

Leia mais

Catálogo. Linha Laboratorial. Fotos meramente ilustrativas. Máxima qualidade em produtos odontológicos nacionais e importados

Catálogo. Linha Laboratorial. Fotos meramente ilustrativas. Máxima qualidade em produtos odontológicos nacionais e importados Catálogo Linha Laboratorial Fotos meramente ilustrativas. Máxima qualidade em produtos odontológicos nacionais e importados Creation CC Cerâmica feldspática para aplicação sobre refratário e ligas metálicas

Leia mais

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

PROTOTIPAGEM RÁPIDA DE PROTESES DENTÁRIAS POR MEIO DE UM COMPÓSITO DE VIDRO FELDSPÁTICO MISTURADO COM MICA MOSCOVITA VIA CAD/CAM

PROTOTIPAGEM RÁPIDA DE PROTESES DENTÁRIAS POR MEIO DE UM COMPÓSITO DE VIDRO FELDSPÁTICO MISTURADO COM MICA MOSCOVITA VIA CAD/CAM PROTOTIPAGEM RÁPIDA DE PROTESES DENTÁRIAS POR MEIO DE UM COMPÓSITO DE VIDRO FELDSPÁTICO MISTURADO COM MICA MOSCOVITA VIA CAD/CAM E. S. G. Junior 1, G. G. G. Junior 1, M. D. Fonseca 1, E. E. S. Moraes 1

Leia mais

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini Caso Selecionado Harmonia Sidney Kina e José Carlos Romanini Na busca para encontrar uma composição agradável no sorriso, alguns fatores de composição estética devem ser observados, para orientação na

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

Avaliação dos tipos de reabilitações fixas dento-suportadas em dentes anteriores

Avaliação dos tipos de reabilitações fixas dento-suportadas em dentes anteriores Marlene Tavares Moreira Avaliação dos tipos de reabilitações fixas dento-suportadas em dentes anteriores Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2013 Marlene Tavares Moreira

Leia mais

RESTAURAÇÃO PROTÉTICA COM FACETAS INDIRETAS DE IN-CERAM ALUMINA

RESTAURAÇÃO PROTÉTICA COM FACETAS INDIRETAS DE IN-CERAM ALUMINA RESTAURAÇÃO PROTÉTICA COM FACETAS INDIRETAS DE IN-CERAM ALUMINA PROSTHETIC RESTORATION WITH LAMINATE VENNERS INDIRECT OF IN-CERAM ALUMINA Marcelo Coelho GOIATO 1 Aldiéris Alves PESQUEIRA 2 Daniela Micheline

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA LARISSA CARLOTTO

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA LARISSA CARLOTTO 0 UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA LARISSA CARLOTTO SISTEMAS CAD-CAM: AVALIAÇÃO LABORATORIAL E CLÍNICA PASSO FUNDO 2009 1 LARISSA CARLOTTO

Leia mais

FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA

FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA 28 Maio - 2 Junho 2012 FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA curriculum v vitae curric u Prof. Dr. Fernando Almeida Phd 2006 FMDUP - Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto. Administrador

Leia mais

REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DO SORRISO: RELATO DE CASO CLÍNICO

REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DO SORRISO: RELATO DE CASO CLÍNICO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DO SORRISO: RELATO DE CASO CLÍNICO AESTHETIC AND FUNCTIONAL REHABILITATION OF THE SMILE: A CASE REPORT Rebeca Barroso BEZERRA 1 Lívia Daniella Alves PORTELLA Pitta 2 Dayane

Leia mais

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE Dr. Dario Adolfi Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Dr. Maurício Adolfi Data: 7 a 11 de outubro de 2013 OBJETIVOS: Saiba como planejar uma reabilitação total e mostrar ao paciente

Leia mais

Guia de Indicações e Preparo

Guia de Indicações e Preparo Guia de Preparo e Manuseio para Dentistas e Laboratórios Lava Sistema CAD/CAM Guia de Indicações e Preparo C R C 3 M E S P E : 0 8 0 0 0 1 5 5 1 5 0 Acesse site: www.3mespe.com.br/laboratórios 3M, ESPE,

Leia mais

Coroas estéticas anteriores em cerâmica metal-free: relato de caso clínico. Aesthetic all-ceramic dental crowns for anterior teeth: a case report

Coroas estéticas anteriores em cerâmica metal-free: relato de caso clínico. Aesthetic all-ceramic dental crowns for anterior teeth: a case report ISSN: Versão impressa: 1806-7727 Versão eletrônica: 1984-5685 Rev Sul-Bras Odontol. 2010 Oct-Dec;7(4):494-8 Artigo de Relato de Caso Case Report Article Coroas estéticas anteriores em cerâmica metal-free:

Leia mais

Casos Clínicos. Caso Clínico: Importância do Acabamento e Polimento na Obtenção de Excelência Estética com Resina Composta Direta.

Casos Clínicos. Caso Clínico: Importância do Acabamento e Polimento na Obtenção de Excelência Estética com Resina Composta Direta. Autor: Dr. LUIZ RAFAEL CALIXTO ESPECIALISTA EM DENTÍSTICA PELA UNESP- ARARAQUARA/SP MESTRE EM DENTÍSTICA PELA UNESP- ARARAQUARA/SP DOUTORANDO EM DENTÍSTICA PELA UNESP- ARARAQUARA/SP PROFESSOR DOS CURSOS

Leia mais

LESSANDRO MACHRY FACETAS EM PORCELANAS

LESSANDRO MACHRY FACETAS EM PORCELANAS LESSANDRO MACHRY FACETAS EM PORCELANAS FLORIANÓPOLIS 2003 LESSANDRO MACHRY FACETAS EM PORCELANA Monografia apresentada A. Escola Aperfeiçoamento Profissional ABO-SC para obtenção do titulo de Especialista

Leia mais

A FÁBULA DA ZIRCONIA

A FÁBULA DA ZIRCONIA LabPro 2 Artigo Técnico A FÁBULA DA ZIRCONIA Histórias do mundo de especialistas em zirconia T.D. Luca Nelli Na sua primeira visita ao laboratório, Maria era uma mulher infeliz. A higiene oral era um conceito

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Produção de Compósito Moscovita-Vidro Feldspático: Microscopia Eletrônica de Varredura e Análise de Difração de Raios-X

Produção de Compósito Moscovita-Vidro Feldspático: Microscopia Eletrônica de Varredura e Análise de Difração de Raios-X Produção de Compósito Moscovita-Vidro Feldspático: Microscopia Eletrônica de Varredura e Análise de Difração de Raios-X F.P.F.Costa 1, T.Ogasawara 1, S.F. Santos 1, S.C.A. França 2, C.N Barbato 2 1 UFRJ-COPPE/PEMM,

Leia mais

Associação Odontológica Norte do Paraná AONP. Metal Free. João Fernando Souza Bazzo

Associação Odontológica Norte do Paraná AONP. Metal Free. João Fernando Souza Bazzo Associação Odontológica Norte do Paraná AONP Metal Free João Fernando Souza Bazzo Londrina Associação Odontológica Norte do Paraná AONP Metal Free João Fernando Souza Bazzo Monografia apresentada ao curso

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOLOGIA PRÉ-CLÍNICA II Código: ODO-028 Pré-requisito:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO ENTRE INFRA-ESTRUTURAS DE ZIRCÔNIA E PORCELANAS DE COBERTURA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO ENTRE INFRA-ESTRUTURAS DE ZIRCÔNIA E PORCELANAS DE COBERTURA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-graduação em Odontologia AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UNIÃO ENTRE INFRA-ESTRUTURAS DE ZIRCÔNIA E PORCELANAS DE COBERTURA LUCILIA FONSECA

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

Restabelecimento da Estética e Função em Paciente com Amelogênese Imperfeita: Relato de um Caso Clínico

Restabelecimento da Estética e Função em Paciente com Amelogênese Imperfeita: Relato de um Caso Clínico CASO CLÍNICO Restabelecimento da Estética e Função em Paciente com Amelogênese Imperfeita: Relato de um Caso Clínico Recovering Function and Aesthetic for a Patient with Amelogenesis Imperfecta: Clinical

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO COMPORTAMENTO MECÂNICO E DE FRATURA EM DENTES PRÉ-MOLARES RESTAURADOS COM COROAS TOTAIS METALOCERÂMICAS E COROAS CERÂMICAS

ANÁLISE COMPARATIVA DO COMPORTAMENTO MECÂNICO E DE FRATURA EM DENTES PRÉ-MOLARES RESTAURADOS COM COROAS TOTAIS METALOCERÂMICAS E COROAS CERÂMICAS ANÁLISE COMPARATIVA DO COMPORTAMENTO MECÂNICO E DE FRATURA EM DENTES PRÉ-MOLARES RESTAURADOS COM COROAS TOTAIS METALOCERÂMICAS E COROAS CERÂMICAS Maria Eugênia Volpato Passarini de Resende Zampieri Dissertação

Leia mais

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio Prof. Dr. Glauco Rangel Zanetti Doutor em Clínica Odontológica - Prótese Dental - FOP-Unicamp

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Felipe Sczepanski

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Felipe Sczepanski Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Felipe Sczepanski Reabilitação protética fixa sobre implantes em maxila, com estrutura em zircônia Relato de caso clínico CURITIBA 2010 Felipe

Leia mais