Organization of Presentation

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organization of Presentation"

Transcrição

1 Avoiding Disease Caused by Land Use and Climate Change: Net Economic Benefits of Conservation Keith Alger Em parceria com Subhrendu K. Pattanayak, Martin Ross, B. Depro, C. Timmins, S. Bauch and M. Honzak RTI International, NC State University e Conservação Internacional 1º Encontro Pan Amazônico Sobre Saúde E Meio Ambiente INPA, OTCA, SBMT e Petrobras Manaus, 18 de novembro de 2007

2 +/- Response By Institutions +/- Response By Individuals Stress from Change in Land Use and Climate Change in Ecosystem Function and Process Change in Production by Household and Firm Change in Total Utility and Welfare 1. Ecosystem Links to Disease Emergence 2. Ecosystem Service Value Behavioral change 3. Behavioral Change Organization of Presentation

3 Desmatamento, mudanças no uso da terra e doenças Desmatamento, mudanças no uso da terra e doenças Desmatamento Mineração Projetos de água e desenvolvimento agrário Mudança na vegetação, construção de estradas, alteração de cursos d água, aumento no nível do lençol freático, má drenagem e escoamentos Aumento nas áreas de reprodução de mosquitos Mudanças de habitat e vetores de doenças Fonte: Patz Patz et al. et(2005). al. (2005). Ecosystem Ecosystem Regulation Regulation of Infectious Disease. of Infectious MEA

4 Malaria Transition on Forest Frontier Castro, M. C. d., R. L. Monte-Mor, D. O. Sawyer, and B. H. Singer Malaria risk on the Amazon frontier. Proceedings of the National Academy of Sciences 103 (7):

5 Average Malaria Incidence

6 Change in Annual Malaria Incidence

7 % Increase in Deforestation between 2000 and 2005

8 Malaria mosquito and parasite mature more rapidly with climate change

9 Literatura I: Mudança climática e morbidade Mudança de clima, temperaturas excessivas e ondas de calor podem alterar a pressão arterial, viscosidade do sangue e batimento cardíaco causando doenças cardiovasculares e cerebrovasculares em pessoas idosas Estresse termal e temperatura relacionada à poluição do ar (inversão térmica), pólen, mofo e precursores de poluição (ozônio de NO) podem causar uma gama de doenças respiratórias asma, bronquite, pneumonia, tosse e gripe. Aumento na temperatura, umidade e pluviosidade podem afetar a proliferação, densidade, comportamento, variedade, viabilidade e maturação de mosquitos que carregam os parasitas da malária e dengue Efeitos indiretos através de impactos no rendimento da agricultura podem impactara nutrição Desmatamento, desertificação e emissão de gases de efeito estufa podem catalisar muitas destas mudanças - McMichael et al. (1996); Martens (1998); Patz et al. (1996); Epstein (2001)

10 Literatura II: desmatamento como fator de risco de malaria Criação de habitat para mosquitos que transmitem doenças Mudanças na ecologia do vetor incidência do sol, poças, ph Alterações micro-climáticas - umidade, temperatura Mudanças na biodiversidade e cadeia alimentar p.e. libélulas que comem larvas de mosquitos Leva a comportamentos humanos arriscados Uso da floresta Migração Agricultura irrigada Impactos indiretos em parasitas (p.e., maior resistência a inseticidas)

11 Download in Spanish and Portuguese at Infrastructure Projects Improving Access allow for movements of people

12 2. Change in Ecosystem Function Changes Household Production

13 Cenário de mudança climática e conservação Cenário de aquecimento IPCC moderado (Hulme and Sheard, 1999) Temperatura: 1.6 a 2.8 C Pluviosidade: -15% a +15% Expansão do sistema de FLONAS 50 milhões de ha até 2010 espécies, habitats e funções

14 Dados e estatísticas descritivas para estimação: 484 Micro-regiões inc cap 2.18E E+05 area hway rsep educ tsep beds rjun hosp tjun hhdc rmar bed tmar urb rdec insuf tdec sanitation protected area water 1.17E E+04 deforestation 1.13E E+04 young 2.06E E+05 forest stock_ E E+04 pop respiratory inf cwest dengue north cardiovasc. dis neast malaria Desv Pad Média Variável Desv Pad Média Variável

15 Malaria Dengue CVD ARI Temperatura no verão - ~ + + Temperatura no inverno + + ~ ~ Pluviosidade no verão Pluviosidade no inverno + + ~ + - Termos de interação Controles saúde pública (2) hospitais, leitos Sim Sim Sim Sim Controles de infraestrutura (3) estradas, água, sanidade Sim Sim Sim Sim Outros controles (12) regiões, população, renda, qualidade da casa, educação Sim Sim Sim Sim Número de observações Regressões (Timmins, 2003): morbidade e mudanças climáticas

16 Maior morbidade (casos por 1000): Cenário de mudanças climáticas (IPCC moderado) Rural (66 M) Urban (110 M) Malaria Dengue Doenças Cárdiovasculares Doenças respiratórias

17 Regressões II: (Pattanayak et al., 2006): Malaria & Dengue, Deforestation, Conservation Cobertura florestal Desmatamento Conservação (áreas protegidas) X termos de interação (AP x Desmatamento x Amazônia) Controles climáticos (8) pluviosidade e temperaturas sasonais Controles saúde pública (2) hospitais, leitos Controles de infraestrutura (3) estradas, água, sanidade Outros controles (12) regiões, população, renda, qualidade da casa, educação Número de observações Malaria - + ~ - sim sim sim sim 484 Dengue ~ sim sim sim sim 484

18 Cenário de conservação florestal : Menos malária e dengue (Casos por 1000) Malaria Dengue Por

19 From Household production to Total Economic Impact Será que os custos em saúde resultado da exploração da Amazônia são maiores ou menores que os benefícios econômicos da exploração para o país? Um modelo de equilíbrio geral macroeconômico (EGC) do Brasil pode calcular valor líquido de conservação em benefício para saúde

20 Por que usar um modelo de Equilíbrio Geral Macroeconômico? Grande tamanho das mudanças no Brasil Atuais taxas de desmatamento são altras Políticas públicas como FLONAS iriam mudar as taxas de desmatamento significativamente no futuro Setores econômicos importantes serão impactados Impacto direto no setor agrícola e florestal através de políticas como as FLONAS Taxas de doenças afetam a oferta de mão-de-obra no Brasil Muitos mercados são afetados pelas mudanças Terra na agricopecuária e setor florestal Oferta de mão-de-obra afeta todos os setores da economia Models de EGC podem avaliar os impactos de modo consistente com a teoria Mudanças sem precedentes históricos Mudanças que fluem entre múltiplos setores da economia sociais ou ecológicos

21 Modelando clima e conservação Cenário sem conservação: Impactos climáticos em morbidade + desmatamento Mudança na oferta efetiva de mão-de-obra (população mais produtividade) Urbano Redução de 0.89% em cada ano Rural Redução de 1.98% em cada ano Tendências de desmatamento até 2050 de Soares-Filho et al. (2006) 3-4 milhões de hectares por ano (aumento em terras de agricultura e pasto) Cenário com Conservação de 50 milhões de ha de florestas até 2010 Redução dos impactos da morbidade na área para 1.78%, se conserva 3 milhões ha Apenas uma melhora de 0.1% por 3 milhões de ha conservados Também reduz áreas disponíveis para agricultura no futuro Florestas seriam usadas para manejo sustentado de madeira (aumento das áreas manejadas em ~10x)

22 Scenario without Forest Conservation Scenario with Forest Conservation GDP is lower by $5.73 billion/ yr. 30M ha Deforested Effects in Year 2015 Climate Change (Morbidity Impacts + Deforestation) GDP -0.68% Inves tment -1.19% Exports -0.96% Imports -0.62% Consumption Rural 3.50% Urban -0.73% Wage Rate Rural 1.40% Urban 0.22% Labor Earnings Rural -1.27% Urban -0.60% Output Agriculture -1.06% Energy -0.55% Food -0.56% Forestry/W ood -0.76% Manufacturing -0.91% Services -0.69% Hectares (change) million Effects in Year 2015 Conservation Forests (Lower Morbidity Impacts + Sustain Forestry) GDP 0.06% Investment 0.33% Exports 0.15% Imports 0.15% Consumption Rural -3.81% Urban 0.34% Wage Rate Rural -0.66% Urban 0.08% Labor Earnings Rural 0.60% Urban -0.01% Output Agriculture 0.32% Energy 0.08% Food 0.00% Forestry/Wood 0.17% Manufacturing 0.17% Services 0.04% Hectares (change) million GDP is higher by $474 million/ yr. 20M ha. Increase in Forest protected. Comparison of EGC scenarios to 2015

23 Alto risco de desmatamento e malaria, pesada pela biodiversidade em extinção

24 Valor Saúde (Adaptação) agregado com desmatamento evitado (Mitigação) e biodiversidade (Opção e Existência) Aggregando Valores de Ecossistema Mitigation Adaption Bundled Services Biodiversity Value Health Value Carbon Value

25 Enfim: Serviços ambientais Estimação econométrica com dados regionais do Brasil mostra Mudança climática vai aumentar morbidade Conservação da biodiversidade pode mediar impactos climáticos (malária) Simulações de EGC usando parâmetros econométricos sugere Impactos econômicos substanciais originários de mercados de insumos (terra e mão-de-obra) Potencial para serviços ambientais significativos através do caminho de saúde humana: ~US$500 milhões/ano Recobrimento de biodiversidade sugere seguro contra risco de extinção Ênfase na necessidade de uma visão multidisciplinar e multimétodo para tratar de biodiversidade e questões de saúde humana

26 +/- Response By Individuals Benefit +/- from Response Policy to By Reduce Institutions Environmental Stressors Benefit from Policy to Influence Individual Behaviors Stress from Change in Land Use and Climate Change in Ecosystem Function and Process Change in Production by Household and Firm Change in Household Utility and Welfare 1. Ecosystem Links to Disease Emergence 2. Ecosystem Service Value Behavioral change 3. Behavioral Change Obrigado

27 Funding Opportunity Title: An Interdisciplinary Approach to Examining the Links Between Social Stressors, Biodiversity, and Human Health Project Title: The road less traveled: Biodiversity loss, malaria transmission, and economic impacts in the Amazon Investigators: Jonathan Patz (PI), Subhrendu K. Pattanayak (Co-PI), William Pan (Co-PI), Keith Alger, Ron Gangnon, Ulisses Confalonieri Other Collaborators: IMAZON, PAHO, FIOCRUZ, IRD-CNRS Institutions: 1) University of Wisconsin, Madison, WI; 2) RTI International, Research Triangle Park, NC; 3) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, Baltimore, MD; FIOCRUZ 4) Center for Applied Biodiversity Sciences of Conservation International, Washington, DC Project Cost: $749,978 Priority Research

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro Climate Change, Energy and Food Security Rio de Janeiro Mudanças Climáticas Amazônia, Problemas Ambientais e Proteção da Biomassa Israel Klabin F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V

Leia mais

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia SERVAMB

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia SERVAMB 1 INCT-SERVAMB: Relatório MCT (of. Circ. 0247/10) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia SERVAMB Coordenador: Philip Martin Fearnside (pmfearn@inpa.gov.br) Vice-coordenador:

Leia mais

2 - MATERIAIS E MÉTODOS

2 - MATERIAIS E MÉTODOS Reflexões sobre as mudanças climáticas e a dinâmica da malária na Amazônia Marly Satimi Shimada 1,Angela Imakawa 2 1 Aluna do curso de Especialização em Saúde Ambiental Centro de Pesquisa Leônidas e Maria

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Desmatamento Amazônico e Mudanças as Climáticas

Desmatamento Amazônico e Mudanças as Climáticas Desmatamento Amazônico e Mudanças as Climáticas Ciclone Catarina: evidência de mudança a do clima? Evidência do Aquecimento Global Emissões Globais 70-75% 75% das Emissões de GEE Queima de Combustíveis

Leia mais

HEALTH SECTORIAL PLAN ON CLIMATE CHANGE

HEALTH SECTORIAL PLAN ON CLIMATE CHANGE MINISTRY OF HEALTH OF BRAZIL HEALTH SECTORIAL PLAN ON CLIMATE CHANGE Guilherme Franco Netto, MD, MPH, Ph.D. guilherme.netto@saude.gov.br Rio de Janeiro, October 19, 2011 Background IPCC(1988) UNFCCC (1992/1994)

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Virgilio Viana Secretario de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas - SDS

Virgilio Viana Secretario de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas - SDS MECANISMO DE COMPENSAÇÃO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PROVIDOS POR FLORESTAS E MUDANÇAS DO USO DA TERRA: A PROPOSTA DO GOVERNO DO AMAZONAS Virgilio Viana Secretario de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Climate Change and Coffee Production: Vulnerability and possible adaptation

Climate Change and Coffee Production: Vulnerability and possible adaptation World Coffee Conference 2010 Guatemala City 26-28 February Climate Change and Coffee Production: Vulnerability and possible adaptation Eduardo Delgado Assad Embrapa - Brazil The growth rate of C02 is very

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE

Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE Foreign & Commonwealth Office Desastre climático e midiático. Uma coisa é produzir dados, outra é torná-los inteligíveis

Leia mais

AÇÃO AMBIENTAL 2015 - FIRJAN: Painel 1 Visão Geral sobre Mudança do Clima e Perspectivas para a COP21

AÇÃO AMBIENTAL 2015 - FIRJAN: Painel 1 Visão Geral sobre Mudança do Clima e Perspectivas para a COP21 AÇÃO AMBIENTAL 2015 - FIRJAN: Painel 1 Visão Geral sobre Mudança do Clima e Perspectivas para a COP21 Adriano Santhiago de Oliveira Diretor Departamento de Mudanças Climáticas Secretaria de Mudanças Climáticas

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Thelma Krug Pesquisadora, INPE Membro do Conselho do IPCC Congresso Internacional de Sustentabilidade São José dos Campos,

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Capítulo III

Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Capítulo III Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Capítulo III Projeto monitoramento 2005 Resumo do livro Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais.

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Estudo Economia das Mudanças Climáticas no Brasil. Workshop Internacional sobre os Relatórios Stern FAPESP São Paulo 03/11/2008

Estudo Economia das Mudanças Climáticas no Brasil. Workshop Internacional sobre os Relatórios Stern FAPESP São Paulo 03/11/2008 Estudo Economia das Mudanças Climáticas no Brasil Workshop Internacional sobre os Relatórios Stern FAPESP São Paulo 03/11/2008 Características do Estudo Horizonte de Tempo : 2100 Espacialização: Escala

Leia mais

São Paulo 20 de novembro de 2014

São Paulo 20 de novembro de 2014 São Paulo 20 de novembro de 2014 Usos múltiplos da água e impactos da seca na agricultura Eduardo Assad - Embrapa Uso da água Abastecimento Energia Serviços ecossistêmicos agricultura ITAIPU TRÊS MARIAS

Leia mais

O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL

O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL Carlos Nobre, Gilvan Sampaio, Luis Salazar CPTEC/INPE A PROBLEMÁTICA DO DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL E SEU PAPEL NAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DO ABATIMENTO DAS EMISSÕES DE CO 2 A PARTIR DE ATIVIDADES SUSTENTÁVEIS NO SETOR ENERGÉTICO, DE TRANSPORTES E FLORESTAL NO BRASIL

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DO ABATIMENTO DAS EMISSÕES DE CO 2 A PARTIR DE ATIVIDADES SUSTENTÁVEIS NO SETOR ENERGÉTICO, DE TRANSPORTES E FLORESTAL NO BRASIL AVALIAÇÃO COMPARATIVA DO ABATIMENTO DAS EMISSÕES DE CO 2 A PARTIR DE ATIVIDADES SUSTENTÁVEIS NO SETOR ENERGÉTICO, DE TRANSPORTES E FLORESTAL NO BRASIL ALINE G. MONTEIRO CLAUDINE P.DERECZYNSKI JÚLIO NICHIOKA

Leia mais

6 Só será permitido o uso de dicionário INGLÊS/INGLÊS. 8 Utilize para rascunhos o verso de cada página deste Caderno.

6 Só será permitido o uso de dicionário INGLÊS/INGLÊS. 8 Utilize para rascunhos o verso de cada página deste Caderno. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Mudanças as Climáticas e Agricultura Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Alerta Global 87% dos brasileiros

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015

AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015 AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015 Principais Questões Ambientais - Séc. XXI Superaquecimento da Terra Extinção da

Leia mais

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Seminário sobre Pagamento por Serviços Ambientais 21 de Agosto, 2009 Rio Branco, Acre FOREST TRENDS

Leia mais

Rodrigo José Oliveira Paiva (*), Ricardo Seixas Brites * Universidade de Brasília, Instituto de Geociências, email: drigojbio@gmail.com.

Rodrigo José Oliveira Paiva (*), Ricardo Seixas Brites * Universidade de Brasília, Instituto de Geociências, email: drigojbio@gmail.com. A INFLUÊNCIA DA ESFERA GOVERNAMENTAL SOBRE A EFETIVIDADE DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM CONTER A CONVERSÃO ANTRÓPICA DE HABITATS NATURAIS NA REGIÃO NUCLEAR DO BIOMA CERRADO Rodrigo José Oliveira Paiva (*),

Leia mais

Combatendo as causas das mudanças climáticas

Combatendo as causas das mudanças climáticas WWF-Brasil SHIS EQ QL 06/08 Conj. E 2º andar Lago Sul 71620-430 Brasília-DF Brasil Tel: +55 61 3364-7400 Fax: +55 61 3364-7474 Panda@wwf.org.br http://www.wwf.org.br Combatendo as causas das mudanças climáticas

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

O Brasil e a Conferência de Paris

O Brasil e a Conferência de Paris O Brasil e a Conferência de Paris José Domingos Gonzalez Miguez Secretaria Execu8va Ministério do Meio Ambiente Dois Trilhos na Convenção sobre Mudança do Clima Grupo de Trabalho Ad Hoc sobre a Plataforma

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB)

A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB) A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB) Helena Boniatti Pavese Coordenadora Regional, América Latina e Caribe UNEP - World Conservation Monitoring Centre 10 de Novembro de 2010 Panorama

Leia mais

Alessandra Luglio CRN-3 6893

Alessandra Luglio CRN-3 6893 Alessandra Luglio CRN-3 6893 Nutricionista graduada pela Universidade de São Paulo em 1996; Mais de 18 anos de atuação na área clínica esportiva amadora e profissional, emagrecimento, saúde e estilo de

Leia mais

USO DE FOGÕES ECOLÓGICOS POR FAMÍLIAS AGRICULTORAS DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO EXPERIÊNCIA DO PROJETO DOM HELDER CAMARA

USO DE FOGÕES ECOLÓGICOS POR FAMÍLIAS AGRICULTORAS DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO EXPERIÊNCIA DO PROJETO DOM HELDER CAMARA INVESTINDO NO SER HUMANO TRANSFORMANDO O SEMIÁRIDO USO DE FOGÕES ECOLÓGICOS POR FAMÍLIAS AGRICULTORAS DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO EXPERIÊNCIA DO PROJETO DOM HELDER CAMARA PROJETO DOM HELDER CAMARA Ação referencial

Leia mais

Amazônia: 0% desmatamento, 100% produção: 1. Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia IPAM

Amazônia: 0% desmatamento, 100% produção: 1. Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia IPAM Amazônia: 0% desmatamento, 100% produção: 1 Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia IPAM O desmatamento zero na Amazônia brasileira, legal e ilegal, é um movimento inexorável. A Amazônia, o Brasil

Leia mais

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU RÔMULA F. DA SILVA 1 ; ELOY L. DE MELLO 2 ; FLÁVIO B. JUSTINO 3 ; FERNANDO F. PRUSKI 4; FÁBIO MARCELINO DE

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Percepções dos agricultores quanto aos benefícios e riscos resultantes do uso de águas servidas na agricultura em Accra, Gana

Percepções dos agricultores quanto aos benefícios e riscos resultantes do uso de águas servidas na agricultura em Accra, Gana Percepções dos agricultores quanto aos benefícios e riscos resultantes do uso de águas servidas na agricultura em Accra, Gana Kafui Adjaye-Gbewonyo, Harvard University, Email: KafuiG@post.harvard.edu Conforme

Leia mais

Resumo do artigo: O Protocolo de Quito e o reflorestamento da Mata Atlântica: possibilidades para a bacia do Rio São João.

Resumo do artigo: O Protocolo de Quito e o reflorestamento da Mata Atlântica: possibilidades para a bacia do Rio São João. Resumo do artigo: O Protocolo de Quito e o reflorestamento da Mata Atlântica: possibilidades para a bacia do Rio São João. Seção 2: Políticas públicas e instrumentos econômicos para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

PRÁTICA E CONSEQUÊNCIAS DAS QUEIMADAS NA CIDADE DE PALMAS - TO PRACTICE AND CONSEQUENCES OF FOREST FIRES IN THE CITY OF PALMAS TO

PRÁTICA E CONSEQUÊNCIAS DAS QUEIMADAS NA CIDADE DE PALMAS - TO PRACTICE AND CONSEQUENCES OF FOREST FIRES IN THE CITY OF PALMAS TO PRÁTICA E CONSEQUÊNCIAS DAS QUEIMADAS NA CIDADE DE PALMAS - TO PRACTICE AND CONSEQUENCES OF FOREST FIRES IN THE CITY OF PALMAS TO Wellyda Bispo de Sousa Gomes¹ Alexandre Barreto Almeida dos Santos² RESUMO

Leia mais

CERRADO E AQUECIMENTO GLOBAL

CERRADO E AQUECIMENTO GLOBAL CERRADO E AQUECIMENTO GLOBAL Preservar o cerrado ajuda a amenizar o efeito estufa, que causa a elevação da temperatura global Por Vitor Teodoro Pereira Savana Gramíneo-Lenhosa http://www.shopping1.radiologico.nom.br/aparaiso/vejetal.htm

Leia mais

Disponibilidade de água : impacto das mudanças de uso do solo e do aquecimento global

Disponibilidade de água : impacto das mudanças de uso do solo e do aquecimento global Disponibilidade de água : impacto das mudanças de uso do solo e do aquecimento global Ciclo de conferências Biodiversidade e Recursos Hídricos FAPESP 24 Abr 2014 Humberto Rocha O que é disponibilidade

Leia mais

Mudanças climáticas e serviços ecossistêmicos. Jean Paul Metzger Instituto de Biociências, USP

Mudanças climáticas e serviços ecossistêmicos. Jean Paul Metzger Instituto de Biociências, USP Mudanças climáticas e serviços ecossistêmicos Jean Paul Metzger Instituto de Biociências, USP Plano Duas histórias Os serviços ecossistêmicos e o IPBES Cenários de mudanças climáticas e os serviços Primeira

Leia mais

PROTEGENDO AS FLORESTAS DO PLANETA Biodiversidade & Clima

PROTEGENDO AS FLORESTAS DO PLANETA Biodiversidade & Clima UNEP/CBD/COP/9/3: Relatório da SBSTTA13 XIII/2. Revisão da implementação do programa de trabalho sobre Biodiversidade e Florestas PROTEGENDO AS FLORESTAS DO PLANETA Biodiversidade & Clima As mudanças climáticas

Leia mais

QUANTO VALE A FLORESTA AMAZÔNICA?

QUANTO VALE A FLORESTA AMAZÔNICA? Moving Beyond Technical Hurdles in Regulated and Voluntary Carbon Markets [Evoluindo além m das Tecnicalidades nos Mercados Regulamentados e Voluntários] Paulo Moutinho moutinho@ipam.org.br, pmoutinho@whrc.org

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra

Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra Conceitos de Uso e Cobertura da Terra CST-312 Bases Conceituais e Teóricas 1. Conceitos básicos Cobertura da Terra Uso da terra Uso X Cobertura

Leia mais

WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA A JICA E SEU PAPEL NO CONTEXO DE PROJETOS DE MEIO AMBIENTE, BIOMASSA E AGROENERGIA

WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA A JICA E SEU PAPEL NO CONTEXO DE PROJETOS DE MEIO AMBIENTE, BIOMASSA E AGROENERGIA WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA A JICA E SEU PAPEL NO CONTEXO DE PROJETOS DE MEIO AMBIENTE, BIOMASSA E AGROENERGIA INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE JICA LINHA DE ATUAÇÃO DA JICA

Leia mais

Padrões Voluntários de Verificação Bruno Brazil

Padrões Voluntários de Verificação Bruno Brazil Padrões Voluntários de Verificação Bruno Brazil 13/12/2011 Imaflora incentiva e promove mudanças nos setores florestal e agrícola, visando a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais e a promoção

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE MERCADOS DE CARBONO NA AMÉRICA LATINA. São Paulo Setembro - 2015

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE MERCADOS DE CARBONO NA AMÉRICA LATINA. São Paulo Setembro - 2015 WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE MERCADOS DE CARBONO NA AMÉRICA LATINA São Paulo Setembro - 2015 A BIOFÍLICA ATUAÇÃO A Biofílica Investimentos Ambientais S.A. é a primeira empresa brasileira focada na gestão

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

www.serrano.neves.nom.br

www.serrano.neves.nom.br SERRANO NEVES Diretor Institucional HUMBERTO R. MOREIRA Superintendente Administrativo CYLENE DANTAS DA GAMA Gestora Operacional Educação Sócio-ambiental no entorno no Lago da UHE SERRA DA MESA - Reg.

Leia mais

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 Florestas Energéticas Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 O IAPAR Vinculado à Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB), é o órgão de pesquisa que da embasamento tecnológico

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

Modelo para cálculo do custo de oportunidade do uso da terra MCODE v1.0

Modelo para cálculo do custo de oportunidade do uso da terra MCODE v1.0 Conservação Estratégica Modelo para cálculo do custo de oportunidade do uso da terra MCODE v.0 Guia completo para utilização da ferramenta Thales Rosa Sumário. Apresentação.... Introdução..... Custo de

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Land Use Sector: Methods

Land Use Sector: Methods April 2015, New Delhi Technical Workshop for GHG Emissions Estimation: Exploring the SEEG Framework for India Land Use Sector: Methods Amintas Brandão Jr. Adjunct Researcher brandaojr@imazon.org.br Workshop

Leia mais

1. Empresas dos setores de alimentos, bebidas e tabaco e a biodiversidade

1. Empresas dos setores de alimentos, bebidas e tabaco e a biodiversidade 1. Empresas dos setores de alimentos, bebidas e tabaco e a biodiversidade As empresas dos setores de alimentos, bebidas e tabaco dependem da biodiversidade e dos serviços ambientais para obter matérias-primas.

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

PERDA DA BIODIVERSIDADE DEVIDA AO IMPACTO DE TRANSFERÊNCIA DE CARBONO PARA A ATMOSFERA. Marcela Valles Lange & Cassia Maria Lie Ugaya

PERDA DA BIODIVERSIDADE DEVIDA AO IMPACTO DE TRANSFERÊNCIA DE CARBONO PARA A ATMOSFERA. Marcela Valles Lange & Cassia Maria Lie Ugaya PERDA DA BIODIVERSIDADE DEVIDA AO IMPACTO CLIMÁTICO DO USO DO SOLO NA ACV: DADOS REGIONAIS DE TRANSFERÊNCIA DE CARBONO PARA A ATMOSFERA Marcela Valles Lange & Cassia Maria Lie Ugaya Introdução Categoria

Leia mais

Challenges and lessons learned from the Surui Forest Carbon Project, Brazilian Amazon. Pedro Soares / IDESAM

Challenges and lessons learned from the Surui Forest Carbon Project, Brazilian Amazon. Pedro Soares / IDESAM Challenges and lessons learned from the Surui Forest Carbon Project, Brazilian Amazon Pedro Soares / IDESAM Project Proponent & Partners Proponent: Support and supervise the project activities and will

Leia mais

Política de Conservação na Amazônia Parte 6

Política de Conservação na Amazônia Parte 6 1 http://colunas.globoamazonia.com/philipfearnside/ Globo Amazônia Globo.com Política de Conservação na Amazônia Parte 6 sex, 01/07/11 por Globo Amazônia categoria Uncategorized Valor agregado versus matérias

Leia mais

PROJETO LUPIS. Políticas de uso da Terra e o Desenvolvimento Sustentável em Países em Desenvolvimento

PROJETO LUPIS. Políticas de uso da Terra e o Desenvolvimento Sustentável em Países em Desenvolvimento PROJETO LUPIS Políticas de uso da Terra e o Desenvolvimento Sustentável em Países em Desenvolvimento Coordenação: Saulo Rodrigues Filho e Marcel Bursztyn CDS Centro de Desenvolvimento Sustentável UnB Universidade

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 14 de Maio de 2009 Politica Nacional sobre Mudança do Clima Plano Nacional Mudança do Clima Fundo de Mudança Climática (funded by a share of oil royalties)? Fundo

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS COORDENAÇÃO DE MANEJO SUSTENTÁVEL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS - CMSP Plano Agricultura

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA. Ana Maria H. de Avila

MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA. Ana Maria H. de Avila MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA Ana Maria H. de Avila Pelotas, Novembro de 2010 Mudança Climática Global Mudanças no meio ambiente global (incluindo modificações no clima,

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA

PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA É necessária urgentemente uma reforma para travar o avanço de biocombustíveis insustentáveis e para promover as soluções corretas para descarbonizar

Leia mais

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, ISO TC 207 (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

Bioenergia e Sustentabilidade: a perspectiva da indústria. FAPESP 18 de Novembro de 2013. Paulo Artaxo Instituto de Física Universidade de São Paulo

Bioenergia e Sustentabilidade: a perspectiva da indústria. FAPESP 18 de Novembro de 2013. Paulo Artaxo Instituto de Física Universidade de São Paulo Bioenergia e Sustentabilidade: a perspectiva da indústria. FAPESP 18 de Novembro de 2013 Paulo Artaxo Instituto de Física Universidade de São Paulo O que é segurança ambiental e climática? Quais os driving

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 2: Buscando Maneiras de Reduzir a Perda da

Leia mais

Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia

Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia Brasília, DF 2015 O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) é uma organização científica, não governamental e sem fins lucrativos que há 20 anos trabalha por um modelo de desenvolvimento na

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Valoração de recursos naturais, pagamento por serviços ambientais e modelagem ecológica na bacia do rio Purus

Valoração de recursos naturais, pagamento por serviços ambientais e modelagem ecológica na bacia do rio Purus I Workshop sobre Modelagem Ecológica e Espacial em Bacias Hidrográficas de Grande Escala Valoração de recursos naturais, pagamento por serviços ambientais e modelagem ecológica na bacia do rio Purus Ademar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas. Pegada Ecológica. 26 de Novembro de 2007

LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas. Pegada Ecológica. 26 de Novembro de 2007 LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas Pegada Ecológica Bernardo Augusto bra@civil.ist.utl.pt 26 de Novembro de 2007 Conceito de Capital Natural; Definição de

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

Aquecimento Global. Porque devemos nos preocupar?

Aquecimento Global. Porque devemos nos preocupar? Aquecimento Global Porque devemos nos preocupar? O que é aquecimento global? Aumento da temperatura média global, ocasionado pelo acréscimo de Gases Efeito Estuda (GEEs) na atmosfera, gerando a intensificação

Leia mais

Produção Animal e Mudanças Climá4cas: Visão Geral e Desafios

Produção Animal e Mudanças Climá4cas: Visão Geral e Desafios Produção Animal e Mudanças Climá4cas: Visão Geral e Desafios Luís Gustavo Barioni Embrapa Informá6ca Agropecuária Campinas, 9 de fevereiro de 2015 Ondas eletromagnéticas podem gerar calor! Espectro das

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

2014 World Cup FIFA Brazil

2014 World Cup FIFA Brazil Copa do Mundo da FIFA 2014 Brasil 2014 World Cup FIFA Brazil JORNADAS TÉCNICAS BRASIL AS INFRAESTRUTURAS NAS CIDADES SEDE DA COPA DE FUTEBOL Evoluçãosócio-econômicado Brasil Entre as dez maiores economias

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

REDUÇÕES DE EMISSÕES DE CARBONO POR DESMATAMENTO EVITADO NO ESTADO DO AMAZONAS: UMA PROPOSTA DE ESTIMAÇÃO 1

REDUÇÕES DE EMISSÕES DE CARBONO POR DESMATAMENTO EVITADO NO ESTADO DO AMAZONAS: UMA PROPOSTA DE ESTIMAÇÃO 1 REDUÇÕES DE EMISSÕES DE CARBONO POR DESMATAMENTO EVITADO NO ESTADO DO AMAZONAS: UMA PROPOSTA DE ESTIMAÇÃO 1 Carlos Eduardo Frickmann Young 2 Vivian Mac-Knight 3 Roberta Carvalho Muniz 4 Raphael Simas Zylberberg

Leia mais

Características microclimáticas em área de clareira na Amazônica

Características microclimáticas em área de clareira na Amazônica Características microclimáticas em área de clareira na Amazônica José P.R.Costa 1 ; Ana Alice S. Fernandes 2 ; Suzyanne N. Bandeira 2 1 Prof. Dr.Universidade Federal do Pará, jpaulo@ufpa.br; meteorologia

Leia mais

Cuiabá 23 de Setembro de 2012 REDD+ em Mato Grosso: Rumo à implementação. Panorama de REDD+ no Mundo e no Brasil

Cuiabá 23 de Setembro de 2012 REDD+ em Mato Grosso: Rumo à implementação. Panorama de REDD+ no Mundo e no Brasil Cuiabá 23 de Setembro de 2012 REDD+ em Mato Grosso: Rumo à implementação Panorama de REDD+ no Mundo e no Brasil Apresentação: Paulo Moutinho Diretor Executivo IPAM moutinho@ipam.org.br www.ipam.org.br

Leia mais

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 AULA 7 I. Consequências Ecológicas da Modificação de Paisagens Causas e distribuição das modificações da paisagem Modificação da estrutura de comunidades de plantas e animais

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais