NOTÍCIAS FISCAIS Nº 2.474

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTÍCIAS FISCAIS Nº 2.474"

Transcrição

1 NOTÍCIAS FISCAIS Nº BELO HORIZONTE, 16 DE NOVEMBRO DE O mais importante ingrediente na fórmula do sucesso é saber como lidar com as pessoas." Theodore Roosevelt COMÉRCIO APOIA NOVA NOTA FISCAL, MAS QUESTIONA CUSTO E COMPLEXIDADE % DAS EMPRESAS INDUSTRIAIS TÊM ALGUM TIPO DE DÍVIDA, DIZ CNI... 5 COMPRADOR DE IMÓVEL LITIGIOSO NÃO TEM LEGITIMIDADE PARA OPOR EMBARGOS DE TERCEIRO... 6 TESTE DE LÓGICA PREMIADO... 7

2 Comércio apoia nova nota fiscal, mas questiona custo e complexidade Para CNDL, é 'praticamente impossível' informar valor preciso de tributos. ACSP sugere modelo e diz que 6 meses são suficientes para adaptação. Por Fabíola Glenia, G1. A nova nota fiscal, com o detalhamento do valor de impostos, conforme projeto de lei aprovado na Câmara, garante maior transparência, mas ainda não há consenso sobre a viabilidade do projeto, devido, principalmente, à complexidade do sistema tributário brasileiro, e também aos custos que a mudança pode significar para o empresário, segundo representantes do varejo e especialistas consultados pelo G1. Na noite de terça-feira (13), a Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que obriga que as notas fiscais informem o valor de impostos embutidos nos produtos ou serviços adquiridos pelo consumidor. De iniciativa popular e apresentada inicialmente no Senado, o projeto precisa agora ser sancionado pela presidente Dilma Rousseff. A ideia é excepcional. Isso geraria transparência e somos plenamente favoráveis ao intuito da lei. (...) O problema todo está na complexidade do sistema tributário brasileiro, que foi projetado para esconder os tributos e permitir, inclusive, que haja bitributação, diz Roque Pellizzaro Júnior, presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Vejo dificuldades na implantação. Em entrevista nesta quarta-feira (14), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que é favorável ao projeto de lei, mas prevê "dificuldades operacionais" para implantar as mudanças. O presidente da CNDL destaca que o regime tributário varia muito, dependendo do tamanho da empresa, do tipo de produto. Se sou microempresa, tenho um tipo de tributação; pelo lucro real, outro tipo de tributação; pelo presumível é outro ainda. (...) Cide vai discriminar quem é posto de combustível; PIS/Cofins, quem está no Simples, não vai aparecer, mas quando compro um produto, ele tem PIS/Cofins embutido, explica. Posso afirmar que é praticamente impossível que coloque um número preciso do tributo. Pode ser que se consiga um valor aproximado. Associação Comercial de São Paulo (ACSP) faz menos ressalvas em relação ao projeto de lei. A entidade acredita, por exemplo, que o prazo de seis meses para que os estabelecimentos se adaptem, após sanção da Presidência, seria mais que suficiente. A ACSP já formulou, inclusive, um modelo sugerido de nota fiscal com o campo dos impostos discriminados. Rogério Amato, presidente da ACSP, diz que a aprovação do projeto de lei veio depois de uma espera de dias e afirma que saber quanto está sendo pago de imposto é um direito de todo cidadão, previsto na Constituição. Mas nosso

3 manicômio tributário é tão absurdo que ninguém sabe o que está pagando, critica. Ele destaca que a entidade não é contra o pagamento de impostos. Somos a favor, mas nós queremos saber o quanto estamos pagando e para onde está indo isso, diz. Custos da mudança Outro ponto de questionamento é em relação aos custos desta mudança. Em relação ao varejo, a imensa maioria é de PMEs [pequenas e médias empresas] e isso vai significar um custo a mais. O prazo de seis meses é muito curto, não vão conseguir se adaptar, argumenta Pellizzaro Júnior, da CNDL. Claudio Felisoni de Angelo, presidente do conselho do Programa de Administração de Varejo (Provar/Ibevar) da Fundação Instituto de Administração (FIA), também avalia que a implementação do projeto pode resultar em custos para as empresas. Haverá mudanças operacionais que vão impactar no curto prazo, mas acho que os benefícios superam em larga monta esses custos, opina. Para a ACSP, entretanto, a mudança não acarretará em aumento de gastos para as empresas. Posso afirmar categoricamente que não vai haver nenhum custo adicional. Já existe um software, desenvolvido pelo IBPT [Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário], que está lendo os nove impostos, diz Amato. Se tivéssemos que pagar alguma coisa, ainda assim, valeria muito a pena. Nove impostos Gilberto Luiz do Amaral, presidente do conselho superior e coordenador de estudos do IBPT, informa que, desde outubro do ano passado, a entidade mantém no ar o site Lupa no Imposto, em que qualquer pessoa pode consultar a carga tributária incidente nos produtos. Ele afirma, entretanto, que será preciso fazer adaptações, dependendo do que for ou não sancionado. Criamos o Lupa no Imposto já prevendo a aprovação da lei. Agora vamos nos adequar de acordo com os critérios estabelecidos pela lei. Trata-se de um software que está apresentado hoje num site e que será disponibilizado para que as empresas se conectem a ele via web service e que possam ter essas questões (nota fiscal e painéis informativos), sem custo nenhum. Este é um serviço que será disponibilizado pelo IBPT, em conjunto com a Associação Comercial, explica. O sistema já está lendo os impostos exigidos no projeto de lei, ou seja, ICMS, ISS, IPI, IOF, IR, CSLL, PIS/Pasep, Cofins e Cide. Vale lembrar que os impostos variam dependendo do tipo de produto ou serviço, do Estado da federação, se é indústria ou comércio, se está comercializando para a cadeia produtiva ou varejo, etc. Vivemos num país que tem o sistema tributário mais complexo do mundo, não é simples, admite Amaral.

4 Para ele, o projeto não implica em aumento da burocracia. O empresário precisa deixar de ser cabeça dura, porque ali vai estar demonstrado que grande parte do preço que ele cobra do consumidor é de imposto, afirma. Vantagens para a população Felisoni argumenta que o projeto de lei é uma questão política de conscientização da população. O peso do governo é absurdo. (...) O governo é um prestador de serviços com base naquele valor que está sendo recolhido em determinado produto que eu compro, diz. As pessoas precisam tomar consciência e, a partir desta clarificação, perceber quem é o grande sócio. E começar a cobrar, de forma mais efetiva, o resultado deste valor que é pago. É muito fácil dizer o preço é tanto, mas têm 40%, 50% de imposto embutido. E esse dinheiro todo financia uma máquina que, nós sabemos, é muito ineficiente, acrescenta. A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) também vê vantagens na aprovação do projeto de lei, mas faz ressalvas. Realmente estava na hora de a sociedade como um todo conhecer efetivamente o quanto paga-se de imposto no Brasil, diz José Maria Chapina Alcazar, presidente do Conselho de Assuntos Tributários da entidade. O receio, no entanto, é que a regulamentação da lei transfira o ônus da alteração para o empreendedor brasileiro. Quem paga por toda alteração é sempre o contribuinte, critica. Ele lembra que a mudança exigiria que as empresas reestruturassem seus sistemas de controle. Os empresários precisariam ser incentivados com recursos de crédito tributário, porque senão vai acabar pagando essa com certeza e a formalidade vai ser prejudicada mais uma vez no nosso país. Isso vai aumentando o Custo Brasil, diz. Para Alcazar o mais importante seria reformular o sistema tributário do país. Cidadania fiscal Do ponto de vista do consumidor, a aprovação foi recebida com entusiasmo. Para Paulo Arthur Góes, diretor-executivo da Fundação Procon-SP, a transparência é importante. Isso aqui é nada mais que cumprir aquilo que está na Constituição, a educação do cidadão para as questões tributárias. Estamos falando de cidadania fiscal, argumenta. Conhecer o que está sendo pago é dar ao cidadão a chance de ele se empoderar, defende. Você só é capaz de cobrar aquilo que tem conhecimento. A partir do momento que você consegue entender, discernir, pode exigir a contrapartida, diz. Assim como no caso da nota paulista, tem tudo para tornar mais consciente o consumidor daquilo que ele paga, o valor efetivo da mercadoria, inclusive para poder participar cada vez mais do processo da democracia. Ele é protagonista deste processo, e não um mero telespectador, acrescenta Góes.

5 Mas ele também reconhece que "a viabilização prática deste projeto é muito difícil, dada a complexidade do nosso sistema tributário atual. 69% das empresas industriais têm algum tipo de dívida, diz CNI Levantamento foi feito com empresas entre 1º e 13 de agosto. Das empresas com dívida, 53% não podem mais se endividar, diz CNI. Sondagem feita com as indústrias extrativa, de transformação e da construção, divulgada nesta sexta-feira (16) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), revela que 69% das empresas industriais informaram ter algum tipo de dívida. O levantamento foi feito com empresas entre 1º e 13 de agosto, das quais 843 de pequeno porte, 920 médias e 600 grandes. "Desse universo de companhias com dívidas, 37% informaram estar no limite do endividamento e 16% disseram estar acima, somando, portanto, um total de 53% das empresas com dívidas que não podem mais se endividar", informou a CNI. A pesquisa aponta ser o capital próprio a maior fonte de financiamento das indústrias, usado por 69% delas. Os empréstimos bancários compõem o financiamento de 56% das empresas, enquanto o crédito de fornecedores e de clientes é utilizado por 34%, segundo o levantamento. A captação externa de recursos é utilizada por 4% das companhias industriais. "A falta de linhas de crédito adequadas às suas necessidades foi a principal dificuldade apontada pelas indústrias na obtenção de crédito, conforme 47% delas. Vêm, em seguida, pela ordem, a exigência de garantias reais (assinalada por 44%) e de documentos e renovação de cadastros (registrada por 39%)", acrescentou a entidade. As reduções nas taxas de juros, pontua a Sondagem Especial, foram percebidas pela indústria no segundo trimestre de Embora 48% das empresas tenham dito que os juros estavam iguais nos empréstimos de curto prazo, 43% relataram juros menores, índice que sobe para 45% no crédito de longo prazo. Igualmente 45% informaram que, no financiamento de longo prazo, os juros estavam semelhantes, informou a CNI. Apenas 10%, nesse caso, disseram ter havido aumento dos juros. A maioria das empresas que obteve crédito 57% relatou que os valores foram iguais aos que solicitaram. Quase um terço exatamente 30% informou que os valores dos financiamentos foram menores do que necessitavam. Segundo 13% das indústrias, o valor do crédito foi maior do que precisavam, concluiu a entidade.

6 Comprador de imóvel litigioso não tem legitimidade para opor embargos de terceiro A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reafirmou o entendimento de que a pessoa que adquire bem litigioso não possui a qualidade de terceiro e, portanto, não tem legitimidade para opor embargos de terceiro, buscando defender tal bem em execução movida contra quem o alienou. Para defender a posse de um imóvel, ameaçado pela insolvência decretada contra o alienante, o comprador opôs embargos de terceiro. O magistrado de primeiro grau extinguiu o processo, sem resolução de mérito, sob o fundamento de que o autor não teria legitimidade na causa. O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMS) negou provimento à apelação, por considerar que o embargante que adquiriu coisa já litigiosa está sujeito aos efeitos que a decisão guerreada produziu, não sendo mais considerado terceiro. Ciência O TJMS verificou que constava expressamente no contrato de compra e venda que o comprador tinha ciência dos ônus judiciais sobre o imóvel. Verificou, ainda, que a compra do imóvel ocorreu anos após a citação do vendedor e o trânsito em julgado da sentença que o declarou insolvente. No recurso especial, o comprador alegou violação ao artigo 472 do Código Civil e às Súmulas 84 e 375 do STJ. Além disso, sustentou que a decisão do TJMS o impede de exercer o direito de defesa da posse, a qual, segundo ele, já dura mais de 12 anos. Certidões O ministro Sidnei Beneti, relator do recurso especial, afirmou que a Terceira Turma tem entendimento no sentido de que o adquirente de qualquer imóvel pode obter certidões que mostram a situação pessoal dos alienantes, bem como do próprio imóvel e, com isso, cientificar-se da existência de eventuais demandas e ônus sobre o objeto do contrato. Ele citou precedente segundo o qual, na alienação de imóveis litigiosos, ainda que não haja averbação dessa circunstância na matrícula, subsiste a presunção relativa de ciência do terceiro adquirente acerca da litispendência, pois é impossível ignorar a publicidade do processo, gerada pelo seu registro e pela distribuição da petição inicial (RMS ). A jurisprudência da Terceira e Quarta Turmas é unânime em não considerar como terceiro aquele que adquire a coisa litigiosa, não podendo, portanto, opor embargos, aplicando-se o disposto no artigo 42, parágrafo 3º, do Código de Processo Civil, concluiu Sidnei Beneti. Diante disso, a Terceira Turma, em decisão unânime, negou provimento ao recurso especial.

7 Teste de lógica premiado Um viajante precisava pagar sua estadia de uma semana (7 dias) em um hotel, sendo que só possuía uma barra de ouro para pagar. O dono do hotel fez um desafio ao viajante para que ele aceitasse o pagamento em ouro. A proposta foi a seguinte: Aceito o pagamento em ouro. Porém, você terá que pagar uma diária de cada vez, e só poderá cortar a barra duas vezes. Como o viajante deverá cortar a barra para fazer o pagamento? O boletim jurídico da BornHallmann Auditores Associados é enviado gratuitamente para clientes e usuários cadastrados. Para cancelar o recebimento, favor remeter informando CANCELAMENTO no campo assunto para:

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda:

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda: DECRETO Nº 8.264, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.741, de 8 de dezembro de 2012, que dispõe sobre as medidas de esclarecimento ao consumidor quanto à carga tributária incidente sobre mercadorias

Leia mais

Quatro em cada dez empresas avaliam estar no limite ou acima do limite de endividamento

Quatro em cada dez empresas avaliam estar no limite ou acima do limite de endividamento SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA Ano 2 Número 2 novembro de 2012 www.cni.org.br FINANCIAMENTO Quatro em cada dez empresas avaliam estar no limite ou acima do limite de endividamento

Leia mais

determinará medidas para que os consumidores

determinará medidas para que os consumidores Shutterstock Vendo o invisível sívelinvisívelinvisí Neste mês passa a valer a lei que determina que os impostos embutidos em produtos e serviços sejam discriminados na nota fiscal determinará medidas para

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário Peça GABARITO COMENTADO O Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) é imposto de competência municipal, cabendo à lei complementar estabelecer

Leia mais

59 especial. sondagem

59 especial. sondagem Indicadores CNI sondagem 59 especial Financiamento Mais de um terço das empresas avalia que não há espaço para maior O acesso à linhas de financiamento permite não só a realização de projetos de investimento,

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

Apostila NOTA FISCAL ELETRÔNICA LEI DA TRANSPARENCIA FISCAL NT2013/003

Apostila NOTA FISCAL ELETRÔNICA LEI DA TRANSPARENCIA FISCAL NT2013/003 Apostila NOTA FISCAL ELETRÔNICA LEI DA TRANSPARENCIA FISCAL NT2013/003 software.web.technology.security 0 Moema São Paulo SP 04088-001 1. Conceito e Objetivo: Em 10/06/2013 entra em vigor a Lei nº 12.741/2012,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741 Cartilha A SMPE preparou uma cartilha para esclarecer as principais dúvidas referentes ao Decreto nº 8264/14. Ela pode também ser acessada no site da secretaria (www.smpe.gov.br). Perguntas e respostas

Leia mais

Recife (PE) Maio 2014

Recife (PE) Maio 2014 Recife (PE) Maio 2014 ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Art. 170 A ordem econômica... tem por fim... existência digna, conforme os ditames da justiça social... observados os seguintes princípios:... VII - redução

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA SUMÁRIO Primeira Parte - Como Registrar sua Empresa Segunda Parte - O Novo Estatuto da Micro e Pequena Empresa PRIMEIRA PARTE COMO REGISTRAR SUA EMPRESA

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO EM SOCIEDADES DE PROPÓSITO ESPECÍFICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA VENDA DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS

Leia mais

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem Sumário 1. Introdução... 2 2. Operações de venda à ordem - emissão de documentos fiscais... 3 2.1 Procedimentos adotados pelo vendedor remetente (fornecedor)...

Leia mais

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll sajfâu PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 397 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAC>PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll Vistos,

Leia mais

INDÚSTRIA NÃO PRECISA DISCRIMINAR IMPORTADO

INDÚSTRIA NÃO PRECISA DISCRIMINAR IMPORTADO Ano III Edição Nº 159 04/04/2013 INDÚSTRIA NÃO PRECISA DISCRIMINAR IMPORTADO Por Sérgio Ruck Bueno - de Porto Alegre A Justiça de Caxias do Sul (RS) concedeu liminar para uma "tradicional indústria" da

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF Tema 1: Quentinho do forno!!! MP 670/2015 PLV 7/2015 Nova tabela do IRPF Isenção de PIS/PASEP e de COFINS sobre óleo diesel Dedução para professores de gastos com livros para si e seus dependentes. Princípio

Leia mais

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA nº 13 / setembro de 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA ALTERA REGRAS SOBRE COMPENSAÇÃO E RESSARCIMENTO

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA nº 13 / setembro de 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA ALTERA REGRAS SOBRE COMPENSAÇÃO E RESSARCIMENTO nº 13 / setembro de 2010 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária Decisões do Poder Judiciário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL A unificação das alíquotas do ICMS para acabar com a guerra fiscal será gradual e levará oito anos, anunciou nesta quarta-feira (7/11) o ministro da Fazenda,

Leia mais

2013 José Carlos Guarino

2013 José Carlos Guarino José Carlos Guarino 2013 OBJETIVOS 1- Panorama Atual X Panorama Futuro ( O Que vai mudar?) 2-Aumento do COFINS de 1% em alguns itens importados (com similar nacional) Porque? Que devemos fazer? 3- Prestadores

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Viabilidade da Tributação Verde Lucilene Prado Existe no sistema jurídico brasileiro fundamentos para uma tributação que induza a comportamentos e atividades empresariais

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 03, ANO 1I MARÇO DE 2010 1 ACABA EM JUNHO O PRAZO PARA RECUPERAR TRIBUTO INDEVIDO DOS ÚLTIMOS DEZ ANOS STJ já julgou Lei Complementar

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINENTE DO DESEMBARGADOR

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINENTE DO DESEMBARGADOR PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA APELADO APELAÇÃO CÍVEL N 200.2006.021661-7/002 Capital RELATOR : Miguel de Britto Lyra Filho Juiz de Direito convocado. APELANTE : Indústria Reunidas F. Matarazzo

Leia mais

Qualidade do Sistema Tributário é considerada muito ruim

Qualidade do Sistema Tributário é considerada muito ruim Qualidade do Sistema Tributário é considerada muito ruim O empresário industrial paraibano avalia como muito ruim quatro das sete variáveis investigadas quanto à qualidade do sistema tributário brasileiro.

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO 1I MAIO DE 2010 1 LUCRO IMOBILIÁRIO E O IMPOSTO DE RENDA A incidência do Imposto de Renda sobre o ganho de capital na venda de

Leia mais

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS E-COMMERCE TRIBUTAÇÃO E PRÁTICAS

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS E-COMMERCE TRIBUTAÇÃO E PRÁTICAS MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS E-COMMERCE TRIBUTAÇÃO E PRÁTICAS 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

AGRAVO INTERNO EM APELACAO CIVEL 2002.02.01.005234-7

AGRAVO INTERNO EM APELACAO CIVEL 2002.02.01.005234-7 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO BARATA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : JANE MARIA MACEDO MIDOES AGRAVADO : O FORTE DO SABAO LTDA ADVOGADO : SAULO RODRIGUES DA

Leia mais

DECISÕES» ISS. 3. Recurso especial conhecido e provido, para o fim de reconhecer legal a tributação do ISS.

DECISÕES» ISS. 3. Recurso especial conhecido e provido, para o fim de reconhecer legal a tributação do ISS. DECISÕES» ISS INTEIRO TEOR. EMENTA. TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. ATIVIDADE DE INCORPORAÇÃO DE IMÓVEIS. EXISTÊNCIA DE DOIS CONTRATOS: O DE COMPRA E VENDA E O DE EMPREITADA. CARACTERIZAÇÃO DE FATO GERADOR

Leia mais

Sentença Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL Impetrante: GUSTAVO BARBOSA DE MIRANDA Impetrado: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM GOIÂNIA/GO

Sentença Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL Impetrante: GUSTAVO BARBOSA DE MIRANDA Impetrado: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM GOIÂNIA/GO Sentença Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL Impetrante: GUSTAVO BARBOSA DE MIRANDA Impetrado: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM GOIÂNIA/GO SENTENÇA Cuida-se de mandado de segurança impetrado

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

Carta PRESI Nº004 Brasília, 20 de janeiro de 2016.

Carta PRESI Nº004 Brasília, 20 de janeiro de 2016. Carta PRESI Nº004 Brasília, 20 de janeiro de 2016. Sua Excelência, o Senhor NELSON HENRIQUE BARBOSA FILHO Ministro da Fazenda e Presidente do Conselho Nacional de Política Fazendária Confaz Prezado Senhor,

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O 06/02/2007 SEGUNDA TURMA RECURSO EXTRAORDINÁRIO 461.968-7 SÃO PAULO RELATOR RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRIDO(A/S) : MIN. EROS GRAU : ESTADO DE SÃO PAULO : PGE-SP - MANOEL

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1 Apresentação Prefácio à 11ª edição Prefácio à 10ª edição Prefácio à 9ª edição Prefácio à 8ª edição Prefácio à 7ª edição Prefácio à 6ª edição Nota à 5ª edição Prefácio Planejamento tributário como técnica

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 6ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20090020080840AGI Agravante(s) POLIMPORT COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO

Leia mais

Negócios legais crescem mais rápido

Negócios legais crescem mais rápido Negócios legais crescem mais rápido Como fazer o planejamento tributário da sua empresa Produzido em parceria com o BM&A Tax SUmário 1 INTRODUÇÃO 2 O que é o planejamento tributário? 3 Planejamento fiscal:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.679, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo)

PROJETO DE LEI N.º 6.679, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.679, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) Dispõe sobre as atividades de locação de bens móveis. DESPACHO: À COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA (MÉRITO

Leia mais

opções de crédito para sua empresa

opções de crédito para sua empresa para sua empresa sumário introdução... 3 cartão bndes... 6 Introdução... 7 Custos operacionais... 8 Recebimentos... 9 Distribuidores... 9 Exemplos de operação...10 Revendedor compra com o Cartão BNDES

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Loddi & Ramires ADVOGADOS

Loddi & Ramires ADVOGADOS São Paulo 15/10/2010 LEGISLAÇÃO Decreto nº 7.323/2010 O Presidente da República, por meio do mencionado Decreto, alterou o Regulamento do IOF para elevar, de 2% para 4%, a alíquota do IOF incidente sobre

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014)

BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014) BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014) 01. PIS E COFINS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE 23/06/2014 - Operadora de planos de saúde não deve contribuição sobre faturamento total dos planos

Leia mais

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Fecomércio MG Jurídico MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Outubro de 2014 www.fecomerciomg.org.br S umário O que é o Simples Nacional... 3 Quem pode optar pelo Simples Nacional... 4 Modificações...5 Principais modificações

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 465/00/6 a Impugnação: 40.10100460-65 Impugnante: INPA - Indústria de Embalagens Santana S/A PTA/AI: 02.000166311-92 Inscrição Estadual: 511.061170.00-98 Origem: AF/II Além Paraíba Rito: Ordinário

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 133 ICMS - ES FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 133 LEGISLAÇÃO

Leia mais

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 127-01 DE SETEMBRO A 15 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 127-01 DE SETEMBRO A 15 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS 1 de 5 19/5/2012 17:30 VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 127-01 DE SETEMBRO A 15 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS Tributos e Contribuições Federais IOF ALÍQUOTA ZERO: CÂMBIO PARA INGRESSO DE DOAÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

TRIBUTOS CUMULATIVOS

TRIBUTOS CUMULATIVOS TRIBUTOS CUMULATIVOS João da Silva Medeiros Neto Consultor Legislativo da Área III Direito Tributário ESTUDO AGOSTO/2001 Câmara dos Deputados Praça dos 3 Poderes Consultoria Legislativa Anexo III - Térreo

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013.

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. Adota medidas para informar os consumidores acerca dos tributos indiretos que incidem sobre bens e serviços, conforme o disposto no 5º,

Leia mais

Locação de bens móveis.

Locação de bens móveis. Locação de bens móveis. Entende-se por Locação de Bens Móveis aquela em que o locador entrega o bem ao locatário, dispondo este da coisa como bem lhe convier, sem a necessidade do locador operar ou executar

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 08, ANO IV AGOSTO DE 2012 1 TRIBUNAL PAULISTA ENTENDE QUE REEMBOLSO DE DESPESAS NÃO ESTÁ SUJEITO AO ISS TJ SP autoriza empresa a excluir

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados Fonte: Dr. Richard Dotoli (sócio do setor tributário na SCA Rio de Janeiro) MEDIDA DO CONFAZ Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados 01.05.2013 A ação requer que indústrias importadoras

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO. Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro

QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO. Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro SONDAGEM ESPECIAL Ano 9 Número 4 setembro de 2011 www.cni.org.br QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro 96% dos empresários criticam o elevado número

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Informativo FISCOSoft ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Os armazéns gerais têm por finalidade a guarda e a conservação das mercadorias remetidas a eles pelos estabelecimentos

Leia mais

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS a) IPI NA AQUISIÇÃO DE AERONAVES Na aquisição de aeronaves pode incidir IPI, dependendo da natureza do adquirente, com alíquotas de 0% (empresas aéreas de transporte

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A APELAÇÃO CÍVEL. TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. IPTU. TRANSFERÊNCIA DO DIREITO. REDIRECIONAMENTO. POSSIBILIDADE. OBRIGAÇÃO PROPTER REM. VERBETE Nº 392 DA SÚMULA DO STJ. INAPLICABILIDADE. A transferência da

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL -

Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL - BOLETIM NR #28 Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL - O Superior Tribunal de Justiça editou quatro novas súmulas (nº 406 a 409), que trazem um teor bastante relevante

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Rinaldo Maciel de Freitas * Nas operações de comércio exterior, é preciso entender a existência de duas modalidades de

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra...

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... 0 http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... Outubro Notas Cenofisco: 1ª) Além das obrigações relacionadas neste Calendário, o assinante poderá,

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-1357-39.2013.5.09.0016. A C Ó R D Ã O Ac. 3ª Turma GMALB/arcs/AB/wbs

PROCESSO Nº TST-RR-1357-39.2013.5.09.0016. A C Ó R D Ã O Ac. 3ª Turma GMALB/arcs/AB/wbs A C Ó R D Ã O Ac. 3ª Turma GMALB/arcs/AB/wbs RECURSO DE REVISTA SOB A ÉGIDE DA LEI Nº 13.015/2014. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL. EMPREGADOR. EMPRESA SEM EMPREGADOS. Os arts. 578 e 579 da CLT se dirigem a todos

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS NÚCLEO DE METALMECÂNICAS Incentivos fiscais e regimes especiais de tributação. Conceito de insumos para: ICMS, IPI, COFINS e PIS. REGULARIDADE, CONTROLES ELETRÔNICOS & INCENTIVOS FISCAIS DOIS conceitos

Leia mais