MOVIMENTO BH PELO PARTO NORMAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MOVIMENTO BH PELO PARTO NORMAL"

Transcrição

1 MOVIMENTO BH PELO PARTO NORMAL

2 Histórico Comissão o Perinatal Belo Horizonte SMSA-BH

3 Comissão Perinatal de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Fórum intersetorial e interinstitucional responsável pelo planejamento e gestão da assistência à gestante e recém-nascido (planejamento familiar, pré-natal, parto, puerpério).

4 Comissão Perinatal de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Composição Secretaria Municipal de Saúde Saúde da Mulher e da Criança, Coordenação DST/AIDS Epidemiologia e Informação Controle e Avaliação Ambulatorial Controle e Avaliação Hospitalar - Hospitalar Auditoria Supervisão Vigilância Sanitária

5 Comissão Perinatal de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Composiçã ção Outras instituições Maternidades do SUS/BH Associação Mineira de Hospitais Sociedade Mineira Pediatria Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia/MG Associação Brasileira de Enfermagem Associação Brasileira de Enfermagem Obstétrica Conselho Municipal dos Direitos da Criança Coordenadoria Municipal de Direitos da Mulher Pastoral da Criança Rede Feminista de Saúde Conselho Regional de Medicina Conselho Municipal de Saúde

6 REORGANIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA Organização da Atenção Básica; Vinculação dos Centros de Saúde às Maternidades; Equacionamento de leitos para RN de alto risco; Qualificação / monitoramento das maternidades; Descredenciamento de hospitais/maternidades privados - SUS.

7 Monitoramento das maternidades (SIM/SINASC/Outros) Morbidade e mortalidade infantil Mortalidade perinatal Morbidade e mortalidade materna Taxas de cesárea Satisfação da usuária Avaliação da Assistência ao parto/ puerpério (supervisor hospitalar)

8 Mortalidade infantil Coeficiente de mortalidade infantil segundo componentes. Belo Horizonte, dias 7-27 dias > 28 dias TMI ,4 0-6 dias 15,4 15,0 15,0 13,2 12,0 10,5 9,7 8,5 6,0 6,0 6,8 6,5 7, dias 4,4 4,0 4,0 3,6 3,7 3,2 3,1 3,1 2,6 2,6 2,2 2,5 2,9 > 28 dias 15,5 15,0 10,5 8,4 6,4 6,8 5,5 5,4 5,5 4,5 5,2 4,4 4,5 TMI 35,3 34,0 29,5 25,1 22,1 20,4 18,2 16,9 14,1 13,1 14,1 13,4 14,4

9 Mortalidade Materna

10 EPIDEMIA DE CESARIANAS Evolução dos partos cesareanos. BH,

11 EPIDEMIA DE CESARIANAS % Percentual de cesarianas segundo hospital.bh,2006 Privados Públicos hospital

12 Percentual de cesariana em primigestas, gestação única, a termo, peso ao nascer > 2500 g, sem malformação congênita. BH,2005 Estabelecimento Parto Parto Vaginal Cesárea Total % Cesariana H. Semper ,7 Lifecenter ,9 H. Mater Dei ,3 M. BH Mater ,1 H. Belo Horizonte ,4 Santa Fé ,1 Promater ,0 Otaviano Neves ,4 Unimed BH ,5 IPSEMG ,4 Mater Clínica ,0 Santa Casa ,9 H.J. Kubistsheck ,4 Evangelico ,6 H. Clínicas ,0 Odete Valadares ,6 H. Odilon Behrens ,7 H. Sofia Feldman ,0

13 Proporção de Cesarianas Saúde Suplementar - SUS - Média Brasil, de 2003 a % 80% 70% 81,7% 82,6% 84,4% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 40,0% 41,8% 42,9% 26,8% 27,5% 28,6% S.Suple mentar SUS Média Brasil

14 Barros et al. Rev. Saúde Pública v.40 n.3 São Paulo jun. 2006

15 Aumento da incidência de prematuros tardios

16 Maior risco de morte infantil entre prematuros tardios

17 Elevação das taxas de cesárea e resultados desfavoráveis Cesariana desnecessária - eletiva sem indicação médica risco para a mulher: morbidade e morte materna (7 x maior) risco para o RN: prematuridade e morte neonatal(1,7x maior) Villar, et al. Caesarean delivery rates and pregnancy outcomes - The WHO global survey on maternal and perinatal health in Latin America (Lancet,2006) Marian F. MacDorman et al. Infant and Neonatal Mortality for Primary Cesarean and Vaginal Births to Women with "No Indicated Risk," United States, Birth Cohorts. Birth 33 (3),

18 Via de parto e aleitamento materno Rowe-Murray HJ, Fisher JR. Operative intervention in delivery is associated with compromised early mother-infant interaction.bjog Oct; 108(10): (Parto cesáreo e vaginal instrumental exercem impacto negativo no contato precoce e na persistência de alterações emocionais na mãe ex. depressão) D Orsi E et al. Quality of birth care in maternity hospitals of Rio de Janeiro, Brazil Rev Saude Publica Aug;39(4): Epub 2005 Aug 16

19

20 Preferência por tipo de parto POA - BH- Natal- SP mulheres Potter, J. E et al. BMJ 2001;323:

21 Taxa de cesárea entre mulheres que preferiram parto vaginal Potter, J. E et al. BMJ 2001;323:

22 REORGANIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA Desafio Mudança de Modelo Assistencial Qualificação do cuidado (tecnologia leve, relações interpessoais...) Adoção das práticas baseadas em evidências Ambiência hospitalar Trabalho em equipe: inserção da enfermeira obstetra Redução da incidência de cesarianas desnecessárias

23 Qualificação da Assistência Pré-natal

24 Cuidado Centrado na Mulher

25

26

27

28

29 MOVIMENTO BH PELO PARTO NORMAL Movimento plural e constante Grupos de trabalho: aspectos técnocientíficos, ético-legais, sócioculturais e da saúde suplementar Objetivo Geral: Potencializar o processo de mudança do modelo assistencial ao parto e nascimento e reduzir as taxas de cesariana desnecessária em BH.

30 BH pelo Parto Normal Entidades participantes SMSA BH Comissão Perinatal SMSA SES MG MS ANS CRM MG COREN MG AMMG AMP SMP SOGIMIG ABENFO MG ABEN MG Associação de Medicina de Família e Comunidade UFMG Faculdade de Ciências Médicas PUC Minas UNIMED BH CASSI GEAP Sindicato dos Médicos MG Comissão de Saúde da Câmara Comissão de Saúde da ALMG Frente Parlamentar Saúde da Mulher Rede Feminista de Saúde COMDIM Conselho Municipal de Saúde Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Pastoral da Criança Ministério Público Promotoria da Infância e Juventude AHMG Federação das Filantrópicas Federação das Santas Casas

31 DIVULGAÇÃO DO MOVIMENTO BH PELO PARTO NORMAL Reportagens Campanhas de mídia Estande Itinerante BH Pelo Parto Normal Kit BH Pelo Parto Normal: folders com orientações sobre gravidez, aleitamento materno, puerpério, incentivo ao parto normal + camiseta Parto Normal: eu quero!

32

33

34

35 Camiseta Parto Normal Eu quero!

36 Estande BH Pelo Parto Normal

37 Estande BH Pelo Parto Normal

38 Formação de Multiplicadores

39 Rodas de Conversa

40 DIVULGAÇÃO DO MOVIMENTO BH PELO PARTO NORMAL Boletim da Comissão Perinatal Página do movimento na internet PBH Confecção de CD com material técnico e de divulgação do movimento Tradução dos spots argentinos Confecção de vídeo do movimento Implementação da Semana pelo Parto Respeitoso

41

42 FORMAÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL Parceria com universidades; Comissão de residência médica; Formação e inserção de enfermeiras obstetras na assistência; Formação de doulas comunitárias; Visita às maternidades com práticas de humanização implementadas; Implantação do protocolo de anestesiologia em obstetrícia;

43 Parceria com Ministério Público, CRM, Sindicato dos Médicos Reunião para apresentação do movimento: Sindicato dos Médicos/MP falta CRM Avaliar o número real e a motivação dos processos e queixas em curso Estruturar Comitê Interinstitucional para assessoria a promotoria, conselhos e outras entidades 1º Fórum do Movimento

44

45

46 SAÚDE SUPLEMENTAR E PRIVADA Reunião com as Maternidades Privadas para adesão ao movimento Abordagem dos profissionais com carta do Secretário Municipal de Saúde Estruturar proposta de certificação / selo de qualidade para o hospital (VISA)

47 SAÚDE SUPLEMENTAR E PRIVADA Aumentar peso da taxa de cesariana na avaliação da ANS Discutir processo de remuneração por procedimento; avaliar remuneração por indicadores / resultados Remuneração do enfermeiro obstetra

48 SAÚDE SUPLEMENTAR E PRIVADA Implementação de práticas humanizadas nas maternidades privadas Implementar ações educativas no prénatal Garantir alojamento/ internação conjunta para o bebê

49 SAÚDE SUPLEMENTAR E PRIVADA Monitorar as intervenções para incentivo ao parto normal proposta da ENSP Avaliar dimensão do problema laqueadura tubária X cesariana Proposta de inclusão da taxa de cesariana para a acreditação hospitalar

50 Obrigada Vamos precisar de todo o mundo... Um mais um é sempre mais que dois Míriam R C leão

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Política Municipal de Saúde Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte BH -REDE ASSISTENCIAL 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF 2.420 ACS CERSAM, UPA, outros 34 hospitais conveniados

Leia mais

Assistência humanizada a gestação, parto e nascimento: Comissão Perinatal a experiência de Belo Horizonte

Assistência humanizada a gestação, parto e nascimento: Comissão Perinatal a experiência de Belo Horizonte Assistência humanizada a gestação, parto e nascimento: Comissão Perinatal a experiência de Belo Horizonte Rosângela Durso Perillo Seminário Integrado do Paraná Novembro 2009 População: 2.424.292 - (IBGE/2007)

Leia mais

BH - REDE ASSISTENCIAL

BH - REDE ASSISTENCIAL BH - REDE ASSISTENCIAL 2.300.000 habitantes 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF cobertura 80% 2.420 ACS CERSAM e UPA regionais 34 hospitais 7 maternidades SUS Assistência - Regulação -

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

Comissão Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte

Comissão Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Simpósio Internacional de Redes de Atenção Integral à Saúde da Mulher e da Criança Boas práticas no Brasil, Boas práticas no SUS Comissão Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte BELO HORIZONTE/MG

Leia mais

Projeto de intervenção para melhorar a assistência obstétrica no setor suplementar de saúde e para o incentivo ao parto normal

Projeto de intervenção para melhorar a assistência obstétrica no setor suplementar de saúde e para o incentivo ao parto normal Projeto de intervenção para melhorar a assistência obstétrica no setor suplementar de saúde e para o incentivo ao parto normal Apresentação Entendendo como ação fundamental debater o problema das elevadas

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes Meta 6 do ODM 5 Reduzir em ¾ entre 1990 e 2015 a taxa de mortalidade materna De 140 mortes por 100.000 NV no ano 2000 para 35 mortes em 2015 1990 1991 1992 1993 1994

Leia mais

I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais CRM MG/SOGIMIG Claudia Navarro C D Lemos

I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais CRM MG/SOGIMIG Claudia Navarro C D Lemos I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais CRM MG/SOGIMIG Claudia Navarro C D Lemos Conselheira CRMMG Membro Conselho Consultivo SOGIMIG Cenário atual da assistência ao parto em Minas Gerais Assistência

Leia mais

Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação dos Comitês de Mortalidade

Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação dos Comitês de Mortalidade Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação dos Comitês de Mortalidade Por que investigar óbitos maternos, infantis, fetais? Direitos da Criança e Mulher: direito inalienável à vida, à qualidade

Leia mais

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL O PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL * I. ESTRATÉGIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO ARTICULAÇÃO COM A SOCIEDADE CIVIL FORTALECENDO O CONTROLE SOCIAL O envolvimento de diferentes atores

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA CONCEITO DE SAÚDE da OMS Saúde é o perfeito bem estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. Portanto: Ter saúde é fenômeno complexo

Leia mais

REDE MÃE PARANAENSE. Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná

REDE MÃE PARANAENSE. Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná REDE MÃE PARANAENSE Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná A Rede Mãe Paranaense o o Em 2011 a SESA iniciou o processo de implantação da Rede Mãe Paranaense com a introdução

Leia mais

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a),

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a), Ofício XXXXXX n 23/ 2012. Salvador, 05 de janeiro de 2012. Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX Prezado (a) Senhor ( a), Cumpre-nos informar que os óbitos infantis de residência

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

Sônia Lansky 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Atenção Perinatal. Gestão de serviços de saúde. Mortalidade materna. Mortalidade infantil ABSTRACT

Sônia Lansky 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Atenção Perinatal. Gestão de serviços de saúde. Mortalidade materna. Mortalidade infantil ABSTRACT FAZENDO ACONTECER: EXPERIÊNCIAS EXITOSAS MAKING IT HAPPEN: SUCCESSFUL EXPERIENCES HACIENDO POSIBLE: EXPERIENCIAS EXITOSAS Gestão da qualidade e da integralidade do cuidado em saúde para a mulher e a criança

Leia mais

Médicos e obstetrizes: cooperando para melhor assistir o nascimento

Médicos e obstetrizes: cooperando para melhor assistir o nascimento Médicos e obstetrizes: cooperando para melhor assistir o nascimento Edson Borges de Souza Hospital Sofia Feldman Belo Horizonte, MG edsonsouza71@yahoo.com.br Modelos de atenção perinatal Aspectos Visão

Leia mais

Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar

Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar janeiro/2015 A importância do estímulo ao parto normal Parto é uma questão de saúde e a escolha do modelo deve ser pelo método mais adequado para

Leia mais

SEMINÁRIO DOS DEZ ANOS DOS COMITÊS DE MORTALIDADE MATERNA DO PARANÁ 12, 13 e 14 DE AGOSTO DE 1.999 CARTA DO PARANÁ

SEMINÁRIO DOS DEZ ANOS DOS COMITÊS DE MORTALIDADE MATERNA DO PARANÁ 12, 13 e 14 DE AGOSTO DE 1.999 CARTA DO PARANÁ SEMINÁRIO DOS DEZ ANOS DOS COMITÊS DE MORTALIDADE MATERNA DO PARANÁ 12, 13 e 14 DE AGOSTO DE 1.999 CARTA DO PARANÁ O Paraná atendendo recomendações do Ministério da Saúde e Organização Panamericana de

Leia mais

Antes da hora. Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos

Antes da hora. Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos 18 fevereiro DE 2015 capa Antes da hora Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos Alice Giraldi e Ricardo Zorzetto ilustração mariana zanetti No início de janeiro o Ministério

Leia mais

Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstétras - Nacional Triênio: 2009 a 2011. Nota Técnica

Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstétras - Nacional Triênio: 2009 a 2011. Nota Técnica Nota Técnica A Atuação de Enfermeiras Obstétricas na Atenção ao Pré- Natal e ao Parto como contribuição a Política Pública para Redução da Mortalidade Materna e Neonatal Jacqueline Alves Torres Kleyde

Leia mais

Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g

Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-04 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS MATERNIDADES DE MINAS GERAIS Projeto Viva a Vida. Relatório Descritivo

AVALIAÇÃO DAS MATERNIDADES DE MINAS GERAIS Projeto Viva a Vida. Relatório Descritivo AVALIAÇÃO DAS MATERNIDADES DE MINAS GERAIS Projeto Viva a Vida Relatório Descritivo Execução Operacional 2007 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 9 PARTE I: PERFIL, RH, GESTÃO, PROCESSO DE TRABALHO E INDICADORES DAS

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

PLANO DE CURSO 2. EMENTA:

PLANO DE CURSO 2. EMENTA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 80 H Créditos: 05 Preceptoria: 20H

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. GABINETE DO MINISTRO Portaria nº 572/GM Em 1 de junho de 2000

MINISTÉRIO DA SAÚDE. GABINETE DO MINISTRO Portaria nº 572/GM Em 1 de junho de 2000 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO Portaria nº 572/GM Em 1 de junho de 20 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569/GM, de 1º de junho

Leia mais

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização no Serviço Público e seus reflexos na Mortalidade Infantil Dra. Miriam Ribeiro de Faria Silveira Maternidade Escola V. Nova Cachoeirinha HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

O QUE É A REDE CEGONHA?

O QUE É A REDE CEGONHA? Desafios da Atenção Básica em Tempos de Rede Cegonha - O que temos e o que queremos? Portaria n 1.459, de 24/06/11 O QUE É A REDE CEGONHA? Estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa organizar

Leia mais

Trabalho curto premiado na 3ª mostra PRÓ-Saúde/PET-Saúde

Trabalho curto premiado na 3ª mostra PRÓ-Saúde/PET-Saúde Linha temática Rede Cegonha Trabalho curto premiado na 3ª mostra PRÓ-Saúde/PET-Saúde Avaliação do tipo de parto de puérperas que realizaram pré-natal no Centro de Saúde São Tomás: compreendendo o problema:

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO PARTO: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional na rede hospitalar pública e privada de Belo Horizonte

HUMANIZAÇÃO DO PARTO: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional na rede hospitalar pública e privada de Belo Horizonte PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais HUMANIZAÇÃO DO PARTO: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional na rede hospitalar

Leia mais

Mulheres em rede pela humanização da assistência ao parto. O trabalho da Rede Parto do Princípio

Mulheres em rede pela humanização da assistência ao parto. O trabalho da Rede Parto do Princípio Mulheres em rede pela humanização da assistência ao parto O trabalho da Rede Parto do Princípio Enfª Marisol Figueiredo Almeida Bacharel em enfermagem UCB Pós Graduanda em atenção integral à saúde materno-infantil

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Enfermagem Obstétrica e Neonatal Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: SAU57 Carga Horária: 100h (Teoria:

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO PARTO

HUMANIZAÇÃO DO PARTO HUMANIZAÇÃO DO PARTO TEIXEIRA, Kátia de Cássia CBES katita.teixeira@gmail.com BASTOS, Raquel CBES Resumo Este texto apresenta os diferentes aspectos envolvidos na humanização do parto, desde sua definição,

Leia mais

Perinatal. no Estado de Minas Gerais. página 1 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA

Perinatal. no Estado de Minas Gerais. página 1 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Fundação Educacional Lucas Machado Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA Perinatal no Estado de Minas Gerais

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011

PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a criação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança - IHAC pela Organização Mundial da

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2013

MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2013 2013 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER DEFISC Nº 09/2012 Porto Alegre, 11 de maio de 2012. Laudo para teste rápido de gravidez por profissionais de Enfermagem. I - Relatório Trata-se de solicitação de dúvida, encaminhada por profissional

Leia mais

Exercício Profissional da Enfermagem

Exercício Profissional da Enfermagem Drª Janine Schirmer Profª Titular do Departamento Enfermagem na Saúde da Mulher da Escola Paulista de Enfermagem Vice Presidente do Conselho Gestor do Hospital Universitário Coordenadora da Residência

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO PARTO: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional na rede hospitalar pública e privada de Belo Horizonte

HUMANIZAÇÃO DO PARTO: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional na rede hospitalar pública e privada de Belo Horizonte PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais HUMANIZAÇÃO DO PARTO: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional na rede hospitalar

Leia mais

Fonte: Fotos do site da Escola de Enfermagem/UFMG

Fonte: Fotos do site da Escola de Enfermagem/UFMG Seminário aborda pesquisa, formação e assistência no cuidado neonatal e O Programa de Educação pelo Trabalho é citado como uma importante estratégia para a formação. Período: 28 e 29/11/2013 Estudantes,

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL NIKKEL, FRANCIELLE TAMARA 1 GEHRING, LETÍCIA BARROS 2 LEMOS,

Leia mais

A CONTINUIDADE DO CUIDADO À MULHER E AO RECÉM NASCIDO APÓS O PARTO E NASCIMENTO: PERSPECTIVAS PARA O CUIDADO INTEGRADOR E AUTOMIZANTE

A CONTINUIDADE DO CUIDADO À MULHER E AO RECÉM NASCIDO APÓS O PARTO E NASCIMENTO: PERSPECTIVAS PARA O CUIDADO INTEGRADOR E AUTOMIZANTE A CONTINUIDADE DO CUIDADO À MULHER E AO RECÉM NASCIDO APÓS O PARTO E NASCIMENTO: PERSPECTIVAS PARA O CUIDADO INTEGRADOR E AUTOMIZANTE EXPERIÊNCIA DA ONG BEM NASCER O que eu venho falar aqui, não nasceu

Leia mais

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE Apresentar os resultados da elaboração do modelo lógico para uma política de saúde. Trata-se da iniciativa

Leia mais

Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas:

Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas: Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas: Inserção no site do IBEDESS e envio, para todas as entidades que compõem o Instituto, do material citado abaixo, incluindo

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

Estímulo ao Parto Normal. Organização da Atenção ao Pré-natal, Parto e Nascimento

Estímulo ao Parto Normal. Organização da Atenção ao Pré-natal, Parto e Nascimento Estímulo ao Parto Normal Organização da Atenção ao Pré-natal, Parto e Nascimento Contexto A taxa de cesarianas na saúde suplementar é de 84% e na saúde pública chega a 40%; não há justificativas clínicas

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA 1/6 PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER CÓDIGO: EMI026 CARGA HORÁRIA TEÓRICA 30H CARGA HORÁRIA PRÁTICA 90H CRÉDITOS 8 VERSÃO CURRICULAR: 2010/2 PERÍODO: 7º DEPTO: EMI PRÉ-REQUISITOS Fundamentos

Leia mais

POLÍTICA DE ATENÇÃO AO PARTO E NASCIMENTO NA SAÚDE SUPLEMENTAR: DESAFIOS PARA INSERÇÃO DE ENFERMEIROS OBSTETRAS

POLÍTICA DE ATENÇÃO AO PARTO E NASCIMENTO NA SAÚDE SUPLEMENTAR: DESAFIOS PARA INSERÇÃO DE ENFERMEIROS OBSTETRAS POLÍTICA DE ATENÇÃO AO PARTO E NASCIMENTO NA SAÚDE SUPLEMENTAR: DESAFIOS PARA INSERÇÃO DE ENFERMEIROS OBSTETRAS Jacqueline Alves Torres 1 Discutir a inserção de enfermeiras obstétricas no modelo de atenção

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE II

INDICADORES DE SAÚDE II Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES DE SAÚDE II 2005 Taxa de mortalidade infantil

Leia mais

Mobilização Social. Núcleo de Mobilização Social da Assessoria de Comunicação Social - SES/MG

Mobilização Social. Núcleo de Mobilização Social da Assessoria de Comunicação Social - SES/MG Mobilização Social 2013 Núcleo de Mobilização Social da Assessoria de Comunicação Social - SES/MG Mobilizar é convocar vontades para atuar na busca de um propósito comum, sob uma interpretação e um sentido

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

para o acompanhamento dos filhos de mães adolescentes.

para o acompanhamento dos filhos de mães adolescentes. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno Desafios do SUS para o acompanhamento dos

Leia mais

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ Larissa Fernanda Silva Borges de Carvalho Enfermeira, Especialista em Gestão de Serviços de Saúde Gerente Assistencial da Maternidade Unimed BH Unidade Grajaú Governança

Leia mais

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR ADRIANA SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ SANDRA MARISA PELLOSO (UEM)² EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)³

Leia mais

PESQUISA NASCER NO BRASIL Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Coordenação Maria do Carmo Leal

PESQUISA NASCER NO BRASIL Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Coordenação Maria do Carmo Leal Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento Coordenação Maria do Carmo Leal Financiamento: CNPq -Chamada/Edital MCT/CNPq/CT-Saúde/MS/SCTIE/DECIT nº 57/2009 -Parto Cesáreo Processo: 557366/2009-7 MS-SCTIES

Leia mais

Humanização do parto

Humanização do parto MINISTÉRIO DA SAÚDE Programa Humanização do parto Humanização no Pré-natal e nascimento Brasília - DF Ministério da Saúde Secretaria Executiva Brasília-DF 2002 1 Conceito...5 2 Funcionamento...9 3 Requisitos/Habilitação...

Leia mais

RECOMENDAÇÕES E CUIDADOS NO PRÉ-NATAL PARA PREVENIR TRANSTORNOS MAMÁRIOS NO PUERPÉRIO

RECOMENDAÇÕES E CUIDADOS NO PRÉ-NATAL PARA PREVENIR TRANSTORNOS MAMÁRIOS NO PUERPÉRIO RECOMENDAÇÕES E CUIDADOS NO PRÉ-NATAL PARA PREVENIR TRANSTORNOS MAMÁRIOS NO PUERPÉRIO CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo Comissão Nacional

Leia mais

Oficina de Ambiência para o Parto e Nascimento

Oficina de Ambiência para o Parto e Nascimento Mirela Pilon Pessatti Consultora PNH/DAPES/SAS Oficina de Ambiência para o Parto e Nascimento Maternidades de Belo Horizonte Local: Hospital Sofia Feldman/ BH 03/04/2012 Ambiência na PNH Uma das diretrizes

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Objetivo Principal Promover o intercâmbio e a cooperação técnica e operacional relacionados

Leia mais

METAS DE DESEMPENHO, INDICADORES E PRAZOS DE EXECUÇÃO HOSPITAL DE CLÍNICAS E MATERNIDADE VICTOR FERREIRA DO AMARAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

METAS DE DESEMPENHO, INDICADORES E PRAZOS DE EXECUÇÃO HOSPITAL DE CLÍNICAS E MATERNIDADE VICTOR FERREIRA DO AMARAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ METAS DE DESEMPENHO, INDICADORES E PRAZOS DE EXECUÇÃO HOSPITAL DE CLÍNICAS E MATERNIDADE VICTOR FERREIRA DO AMARAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MARÇO DE 2014 1 SUMÁRIO 1. Indicadores... 3 2. Quadro de

Leia mais

Estratégia de Controle da MORTALIDADE MATERNA

Estratégia de Controle da MORTALIDADE MATERNA Secretaria da Saúde do RS Departamento de Ações em Saúde SEÇÃO DE SAÚDE DA MULHER Estratégia de Controle da MORTALIDADE MATERNA Dr. Jorge Telles MORTALIDADE MATERNA NO MUNDO Canadá e EUA: 9 óbitos / 100.000

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO REDE CEGONHA

CONTRATUALIZAÇÃO REDE CEGONHA CONTRATUALIZAÇÃO REDE CEGONHA O QUE É CONTRATUALIZAÇÃO processo pelo qual o representante legal da maternida e o gestor do SUS (estadual ou municipal) estabelecem metas quantitativas e qualitativas que

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 27/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 27/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/07/2013) PARECER CREMEB Nº 27/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 005.616/13 ASSUNTO: Responsabilidade ético-profissional dos médicos nas Casas de Parto e Maternidades, que mantêm

Leia mais

TÍTULO: HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DESENVOLVIDA PELO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE PARA ESTÍMULO AO PARTO NORMAL

TÍTULO: HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DESENVOLVIDA PELO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE PARA ESTÍMULO AO PARTO NORMAL TÍTULO: HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DESENVOLVIDA PELO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE PARA ESTÍMULO AO PARTO NORMAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

Leia mais

PARECER CRM/MS N 15/2014 PROCESSO CONSULTA CRM MS: INTERESSADO

PARECER CRM/MS N 15/2014 PROCESSO CONSULTA CRM MS: INTERESSADO PARECER CRM/MS N 15/2014 PROCESSO CONSULTA CRM MS: 09/2014 INTERESSADO: ASSOCIAÇÃO BENEFICIENTE DE CAMPO GRANDE PARECERISTA: Eliana Patrícia S. Maldonado Pires PALAVRA CHAVE: Doulas; Parto dentro d agua.

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2 INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I Epidemiologia 2 Fórmulas, conceitos notícias de EPI2 Acesse do seu celular, tablet ou computador Indicadores de saúde São medidas que descrevem as características

Leia mais

AREMG - PSU 2016 - Relação de Inscrições por vaga

AREMG - PSU 2016 - Relação de Inscrições por vaga AREMG - Associação de Apoio a Residência Médica de Minas Gerais AREMG - PSU 2016 - Relação de Inscrições por vaga Numero total de Candidatos 7.283 Numero total de inscrições 39.753 Vaga Instituição Vagas

Leia mais

CAMPANHA PARTO NORMAL. Parto Normal. Deixe a vida acontecer naturalmente.

CAMPANHA PARTO NORMAL. Parto Normal. Deixe a vida acontecer naturalmente. CAMPANHA PARTO NORMAL Parto Normal. Deixe a vida acontecer naturalmente. Cenário Dados fornecidos à ANS pelas empresas que comercializam planos de assistência à saúde demonstram que a proporção de cesarianas

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA RECOMENDAÇÃO 001/2012. As mortes maternas e perinatais podem ser evitadas com adoção de medidas no

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA RECOMENDAÇÃO 001/2012. As mortes maternas e perinatais podem ser evitadas com adoção de medidas no EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA RECOMENDAÇÃO 001/2012 As mortes maternas e perinatais podem ser evitadas com adoção de medidas no âmbito da prevenção e da atenção. Infelizmente, ambas essas situações não configuram

Leia mais

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos.

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. Relatório Mesa 4 OBJETIVO 4 Meta 5 REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. I. Introdução Após a apresentação dos participantes

Leia mais

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Mercado de Saúde Suplementar Tabela 13 - Operadoras em atividade por porte, segundo modalidade (Brasil março/2012) Modalidade da operadora Total Sem beneficiários

Leia mais

APRESENTAÇÃO. A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação.

APRESENTAÇÃO. A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação. APRESENTAÇÃO A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação. Em 1983, o hoje extinto INAMPS publicou uma portaria tornando a medida obrigatória em

Leia mais

Gravidez na Adolescência

Gravidez na Adolescência Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Serviço de Obstetrícia Direcção de Serviço: Dr.ª Fernanda Matos Sessão Clínica Hospitalar Gravidez na Adolescência Bruna Ambrósio Mariana Miranda Participação

Leia mais

elainelemes@baraodemaua.br

elainelemes@baraodemaua.br Associação entre uso de drogas ilícitas na gestação e repercussões no recémnascido da coorte de nascimento de Ribeirão Preto-SP, 200: nascimento pré-termo e perímetro craniano Daniela Ricci Morandim, Laís

Leia mais

PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE

PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE Antônio Jorge de Souza Marques MINAS GERAIS Superfície: 586.523 Km2 População (Estimativas IBGE, 2012): 19.855.332 hab. Municípios:

Leia mais

Governo treina gestores municipais para reduzir mortalidade materna 6

Governo treina gestores municipais para reduzir mortalidade materna 6 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (4). Edição 20 Nathayana de Sousa Soares 1 Rayane Francisca Costa Coutinho 2 Rosiany Dantas Queiroz 3 Selonia Patricia Oliveira

Leia mais

ATENÇÃO A SAÚDE DA CRIANÇA: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NO MUNÍCIPIO DE SANTA MARIA 1

ATENÇÃO A SAÚDE DA CRIANÇA: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NO MUNÍCIPIO DE SANTA MARIA 1 ATENÇÃO A SAÚDE DA CRIANÇA: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NO MUNÍCIPIO DE SANTA MARIA 1 Cerezer, J. 2, Pozzobon, L. 2, Oliveira, N. 2, Vedoin, P. 2, Colomé, J. 3. 1 Trabalho desenvolvido na Disciplina

Leia mais

Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS

Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde COLÓQUIO Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS PAINEL III Subtema 2: Primeira infância e gravidez na adolescência: O

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra de Projetos 2011 Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal O U T U B R O 2011 Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal Dra.Telma de Moura Reis Médica Pediatra Coordenadora da Área Estratégica da Saúde

Leia mais