ESCOLA DE FORMAÇÃO GERENCIAL - EFG REGIMENTO ESCOLAR 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA DE FORMAÇÃO GERENCIAL - EFG REGIMENTO ESCOLAR 2015"

Transcrição

1 ESCOLA DE FORMAÇÃO GERENCIAL - EFG ENSINO MÉDIO COM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO (PERÍODO DIURNO) CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO (SUBSEQUENTE/CONCOMITANTE COM O ENSINO MÉDIO - PERÍODO NOTURNO) Belo Horizonte 2015 Página 1 de 42

2 Presidente do Conselho Deliberativo SEBRAE-MG LÁZARO LUIZ GONZAGA Diretor Superintendente SEBRAE-MG AFONSO MARIA ROCHA Diretor de Operações SEBRAE-MG FÁBIO VERAS DE SOUZA Diretor Técnico SEBRAE-MG LUIZ MÁRCIO HADDAD PEREIRA SANTOS Gerente do Sistema de Formação Gerencial SEBRAE-MG RICARDO LUIZ ALVES PEREIRA Diretor da EFG-BH SEBRAE-MG LEONARDO AMARAL DINIZ MEDINA Página 2 de 42

3 Sumário APRESENTAÇÃO... 5 IDENTIFICAÇÃO... 5 HISTÓRICO... 6 MISSÃO DA ESCOLA... 9 TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS E FINS DA EDUCAÇÃO NACIONAL CAPÍTULO II - DA FINALIDADE E COMPROMISSOS EDUCACIONAIS DA ESCOLA DE FORMAÇÃO GERENCIAL - EFG TÍTULO II - DA ESTRUTURA CURRICULAR E DO FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA SEÇÃO I - DOS NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO CAPÍTULO II - DO CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO CONCOMITANTE COM O ENSINO MÉDIO (PERÍODO DIURNO) 13 SEÇÃO I - DO CURRÍCULO Subseção I - DO ENSINO MÉDIO Subseção I - DO ENSINO TÉCNICO SEÇÃO II - DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM SEÇÃO III - DA RECUPERAÇÃO SEÇÃO IV - DO CONSELHO DE CLASSE SEÇÃO V - DA APROVAÇÃO E REPROVAÇÃO SEÇÃO VI - DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS SEÇÃO VII - DA CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO SEÇÃO VIII - DO AGRUPAMENTO DOS ALUNOS SEÇÃO IX - DA TRANSFERÊNCIA CAPÍTULO IV - DO CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE/CONCOMITANTE COM O ENSINO MÉDIO (PERÍODO NOTURNO) Página 3 de 42

4 SEÇÃO I - DO CURRÍCULO SEÇÃO II - DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM SEÇÃO III - DA RECUPERAÇÃO SEÇÃO IV - DO CONSELHO DE CLASSE SEÇÃO V - DA APROVAÇÃO, REPROVAÇÃO E TRANCAMENTO DE MATRÍCULA SEÇÃO VI - DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS CAPÍTULO V - DOS DOCUMENTOS ESCOLARES SEÇÃO I - DO CALENDÁRIO ESCOLAR SEÇÃO II - DA ESCRITURAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO SEÇÂO III - DA ELIMINAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO TÍTULO III - DOS DIREITOS E DEVERES DO CORPO DOCENTE CAPÍTULO I - DOS DIREITOS CAPÍTULO II - DOS DEVERES TÍTULO IV - DO CORPO DISCENTE CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO CAPÍTULO II - DOS DIREITOS CAPÍTULO III - DA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS EXTERNOS CAPÍTULO IV - DOS DEVERES CAPÍTULO V - DAS NORMAS DISCIPLINARES TÍTULO V - DOS DIREITOS E DEVERES DOS PAIS OU RESPONSÁVEIS CAPÍTULO I - DOS DIREITOS E DEVERES TÍTULO VI - DISPOSIÇÕES FINAIS CAPÍTULO I - DO CUMPRIMENTO E ATUALIZAÇÃO Página 4 de 42

5 APRESENTAÇÃO De acordo com o Parecer 1132/97 da CEE/MG, o Regimento Escolar é o documento que define os ordenamentos básicos da estrutura e funcionamento da escola, constituindo-se em um conjunto de regras que norteiam e regulam a estrutura e o funcionamento escolar, além de definir a organização administrativa, didática, pedagógica, disciplinar. Estabelece, também, direitos e deveres de todos que convivem no ambiente escolar. A finalidade do presente documento é expressar e fortalecer a autonomia da escola nas perspectivas administrativa e pedagógica, norteando, assim, a prática educativa escolar. Sua importância repousa na legitimação e legalização dos atos escolares de acordo com as leis vigentes. Neste sentido, todas as decisões deverão observar as normas contidas neste Regimento Escolar. IDENTIFICAÇÃO A Escola de Formação Gerencial EFG, pessoa jurídica de direito privado, regularmente inscrita no CNPJ/MF sob o nº / , com sede na Rua Maria Macedo, 998, Bairro Nova Granada Belo Horizonte/MG, CEP , integrada ao Sistema Estadual de Ensino, oferece o Ensino Médio com habilitação profissional de Técnico em Administração, no período diurno e o Curso Técnico em Administração, de forma subsequente e/ou concomitante, no período noturno. A Escola de Formação Gerencial EFG tem como entidade Mantenedora o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais - SEBRAE MG é uma pessoa jurídica de direito privado, constituído soba forma de serviço social autônomo nos termos da Lei nº 8.029/90 e Decreto nº /90, Página 5 de 42

6 regularmente inscrito no CNPJ/NF sob nº / com Sede na Avenida Barão Homem de Melo, nº 329, Bairro Nova Granada Belo Horizonte MG. A Escola Técnica de Formação Gerencial ETFG Sediada à Rua Fernandes Tourinho, 913, em Belo Horizonte MG, obteve sua autorização de funcionamento outorgada pela portaria 011/94 SEE/MG publicada em 13/01/94. Em 16 de março de 1995 foi publicado o parecer 104/95 autorizando mudança de endereço para Rua Maria Macedo, 200, no Bairro Nova Granada. O reconhecimento do Ensino Médio com a habilitação Profissional de Técnico em Administração foi publicado através da portaria 056/96 de 13/01/1996. Em 2001 foi criado o Curso Técnico em Gestão de Negócios (oferecido no Período Noturno) e autorizado pela com a portaria 333/01 de 27/04/2001 e reconhecido pela portaria 886/03 de 07/08/2003. Para atender ao novo catálogo nacional de Cursos Técnicos em 2010 ocorreu a mudança da denominação do curso, Gestão de Negócios para Técnico em Administração, de acordo com a portaria 1218/2010 de 11/09/2010. Em 30 de maio de 2014 através da publicação da portaria 781/2014 ocorreu a mudança da denominação da Instituição para Escola de Formação Gerencial EFG HISTÓRICO No início da década de 1990, ciente de que, para melhor cumprir sua missão de apoiar o desenvolvimento das micro e pequenas empresas, era vital formar uma geração de empreendedores com capacitação gerencial, imbuídos de valores éticos e de cidadania, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais Sebrae Minas, regido pela Lei nº 8.029/90 e pelo Decreto nº /90, autorizado pelo seu Conselho Deliberativo Estadual CDE, priorizou as ações educacionais voltadas para a formação de jovens, tendo como intenções estratégicas: Página 6 de 42

7 1. promover o desenvolvimento socioeconômico de Minas Gerais; 2. promover o desenvolvimento de uma nova cultura gerencial, baseada em novos conhecimentos e habilidades gerenciais e no comportamento empreendedor, a ser difundido pela ação de jovens gestores; 3. colaborar com a excelência empresarial, principalmente dos pequenos negócios; 4. desenvolver novas tecnologias gerenciais; 5. formar gestores capazes de atuar eficazmente nas empresas; 6. desenvolver um novo modelo de excelência educacional na formação profissional, de nível médio e sequencial. Em 1992, a então Escola Técnica de Formação Gerencial de Belo Horizonte ETFG-BH foi idealizada com o objetivo de suprir a formação de gestores de nível técnico para as pequenas empresas. Na Áustria, foi encontrado o referencial que serviu como parâmetro para o Projeto ETFG-BH (Atual EFG-BH), desenvolvido por meio de um acordo de cooperação com o Ministério de Educação e Artes daquele país, possibilitou o desenvolvimento de um modelo de formação gerencial adaptado à realidade brasileira. Em 22 de junho de 1993, o Conselho Deliberativo Nacional do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE aprovou a destinação de recursos para as obras de construção da ETFG-BH, por meio de convênio que assegurou a transferência de tecnologia e equipamentos destinados à implantação de um centro de treinamento em Minas Gerais. No dia 28 de julho, foi lançada a Pedra Fundamental da ETFG-BH. Em outubro, o SEBRAE Minas firmou contrato com o Pitágoras para operar a escola. Logo depois, foram selecionados os 90 primeiros alunos por meio de provas de Língua Portuguesa e Matemática e entrevistas que permitiram analisar o perfil de cada candidato, principalmente sob o Página 7 de 42

8 ponto de vista da motivação, da criatividade e de outras características necessárias ao futuro gestor e empreendedor. No dia 1º de fevereiro de 1994, iniciou-se o ano letivo da escola, com três turmas de 30 alunos, em salas adaptadas, na sede do Sebrae Minas. Em 16 de agosto de 1994, foi inaugurada a sede da Escola Técnica de Formação Gerencial ETFG-BH Sebrae Minas. A partir de 1995, a escola alcançou notoriedade em virtude de sua metodologia inovadora e por oferecer o Ensino Médio em concomitância e articulação com o Curso Técnico em Administração. Em virtude disso, foram instaladas mais três escolas parceiras nas cidades mineiras de Contagem, Itabira e Patos de Minas, dando início ao Sistema de Formação Gerencial do Sebrae Minas, que hoje atua em 15 escolas parceiras nas diversas regiões desse estado e uma escola no estado do Maranhão. Em 1997, os projetos institucionais Tutoria, Vitrine, Empresa Simulada e Estágio foram integralizados de forma satisfatória e foram reconhecidos pela comunidade interna e pela classe empresarial, os quais representaram e representam um grande avanço metodológico para a ETFG, por articularem teoria e prática à formação dos alunos. Neste mesmo ano, aconteceu a formatura da primeira turma de alunos, que iniciou o curso em 1994, considerando que a duração do curso era de 4 anos. O mercado conheceu a primeira geração de jovens formados pela Escola Técnica de Formação Gerencial ETFG Sebrae Minas. Desde os primeiros anos da escola, os alunos participam de competições nacionais, obtendo grande sucesso. Ao final de 2006, o Sistema de Gestão da Qualidade começou a ser implantado na ETFG. A Missão da escola foi reelaborada e o Plano da Qualidade ETFG Sebrae Minas foi construído. Nessa ocasião, o PPP passou por análise e nova elaboração de seus pressupostos. Página 8 de 42

9 A partir de 2008, a escola iniciou sua participação no Global Business Challenge, em Nova York, e os alunos alcançaram destaque na competição. A cada ano, a escola tem enviado grupos de alunos para participarem desse evento, acompanhados de professores e outros funcionários do Sebrae. Em 2011, a equipe de professores e funcionários da escola novamente se envolveu na revisão e atualização do Projeto Político-Pedagógico, por meio de grupos de estudo que se reuniram para este trabalho com o objetivo de conhecer o material, adequá-lo à nova realidade da escola e encontrar a melhor forma de conduzir os trabalhos educacionais de maneira integrada. Em 2013, a escola buscou um reposicionamento de seus pressupostos e, revisitando e aprimorando seus princípios, seus objetivos, suas metodologias e suas atividades, a escola vem se confirmando como referência para a comunidade empresarial e educacional em Minas Gerais e no Brasil. Isso se evidencia com a instituição de uma parceria com o estado do Maranhão para a abertura de uma escola. Atualmente, esse modelo educacional contribui para ampliar a visão de futuro e para o fortalecimento das regiões em que a escola tem sido implantada, alcançando relevantes resultados. MISSÃO DA ESCOLA Fomentar o comportamento empreendedor, promovendo a formação de sujeitos competentes em gestão, por meio de práticas educacionais humanizadoras e inovadoras, visando ao desenvolvimento sustentável da sociedade. Página 9 de 42

10 TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS E FINS DA EDUCAÇÃO NACIONAL Art. 1º. A escola assume e explicita seu compromisso de cumprir e fazer cumprir os princípios e fins da Educação Nacional, inspirada nos princípios de liberdade, nos ideais da solidariedade humana e nos valores éticos, estéticos e políticos, que têm por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho, conforme estabelecidos na Lei n.º 9.394/96: I. igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; II. liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; III. pluralismo de ideias e concepções pedagógicas; IV. respeito à liberdade e apreço à tolerância; V. valorização do profissional da educação escolar; VI. gestão democrática do ensino, na forma da legislação pertinente; VII. valorização da experiência extraescolar; VIII. garantia de padrão de qualidade; IX. vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais. Art. 2º. O ensino será ministrado com base nos seguintes referenciais, conforme a Resolução a CNE/CEB nº 02/2012 e Resolução CNE/CEB nº 06/2012: Parágrafo único - O Ensino Médio com habilitação em Técnico em Administração (Período Diurno) e o Curso Técnico em Administração (Período Noturno) da Escola de Formação Gerencial baseiam-se na (o): I. formação humanística e empreendedora do estudante; Página 10 de 42

11 II. pesquisa, trabalho, sustentabilidade e colaboração como princípios educativos; III. indissociabilidade entre educação e sociedade, bem como entre teoria e prática no processo ensino-aprendizagem; IV. integração de conhecimentos gerais e técnico-profissionais realizada na perspectiva da interdisciplinaridade e da contextualização, visando à superação da fragmentação de conhecimentos e de segmentação da organização curricular; V. reconhecimento e aceitação da diversidade e da realidade concreta dos sujeitos do processo educativo, das formas de produção, dos processos de trabalho e das culturas a eles subjacentes; VI. integração entre educação e as dimensões do trabalho (transformação da natureza e mediação da existência do ser humano), da ciência (conhecimentos sistematizados e construídos historicamente), da tecnologia (transformação da ciência em força produtiva) e da cultura (processo de produção de valores éticos, políticos e estéticos) como base da proposta e do desenvolvimento curricular; VII. contextualização, flexibilidade e interdisciplinaridade na utilização de estratégias educacionais; VIII. articulação com o desenvolvimento socioeconômico-ambiental de Minas Gerais; IX. autonomia da instituição educacional na concepção, elaboração, execução, avaliação e revisão do seu projeto político-pedagógico, construído como instrumento de trabalho da comunidade escolar, respeitadas a legislação e normas educacionais, estas diretrizes curriculares nacionais e outras complementares de cada sistema de ensino; X. flexibilidade na construção de itinerários formativos diversificados e atualizados, segundo interesses dos sujeitos e possibilidades das instituições educacionais, nos termos dos respectivos projetos políticopedagógicos. Página 11 de 42

12 CAPÍTULO II - DA FINALIDADE E COMPROMISSOS EDUCACIONAIS DA ESCOLA DE FORMAÇÃO GERENCIAL - EFG Art. 3º. A escola, por meio de seus cursos, tem por finalidade promover a formação do sujeito empreendedor, ético, consciente de sua responsabilidade social, capaz de: I. pensar criticamente; II. agir de maneira autônoma, interagindo com o meio e atuando proativa, participativa, inovadora e responsavelmente para a sua transformação; III. participar construtivamente de mudanças inovadoras; IV. mobilizar, articular e aplicar conhecimentos, habilidades, atitudes e valores pertinentes a uma boa prática de gestão; V. analisar o ambiente e perceber as ações a serem desencadeadas, avaliação dos desdobramentos, tomada de decisões com responsabilidade, agindo, inclusive, corretivamente; VI. trabalhar em equipe, respeitando e valorizando as diferenças individuais; VII. comprometer-se com o trabalho; VIII. adaptar-se ao novo, possibilitando a revisão de atitudes/ações/posições; IX. articular as informações acerca dos fundamentos da administração e economia, tecnologias da informação e comunicação, direito empresarial, finanças corporativas, gestão de pessoas, marketing, logística, gestão estratégica e princípios da comunicação empresarial; X. consolidar e aprofundar os conhecimentos construídos na educação básica e possibilitar o prosseguimento dos estudos; XI. compreender fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina. Página 12 de 42

13 Art. 4º. A Escola de Formação Gerencial se compromete com uma proposta de formação e prática pedagógica que: I. fomente o desenvolvimento do comportamento empreendedor. II. reconheça os sujeitos e suas diversidades, valorizando o exercício da autonomia e da responsabilidade de alunos e educadores; III. promova a eficácia na educação em nível médio, nas modalidades técnico em administração e ensino médio com habilitação de técnico em administração, integrando saberes específicos para a produção do conhecimento e a intervenção social; IV. integre a educação e as dimensões do trabalho, da ciência, da tecnologia e da cultura como base da proposta e do desenvolvimento curricular; V. articule conteúdos gerais aos técnico-profissionais, sempre que possível, por meio da interdisciplinaridade; VI. propicie o desenvolvimento da capacidade de análise crítica da realidade, de interação com o meio, para uma atuação transformadora. TÍTULO II - DA ESTRUTURA CURRICULAR E DO FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Seção I DOS NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO Art. 5º. O Curso Técnico em Administração é desenvolvido em duas modalidades: I. Ensino Médio com Habilitação Profissional de Técnico em Administração (Período Diurno); II. Subsequente e/ou Concomitante com o Ensino Médio (Período Noturno). CAPÍTULO II - ENSINO MÉDIO COM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO (PERÍODO DIURNO) Página 13 de 42

14 Seção I DO CURRÍCULO Art. 6º. A escola adota a nomenclatura de Curso Técnico em Administração concomitante com o Ensino Médio para designar o Curso Ensino Médio com habilitação profissional de Técnico em Administração. Art. 7º. As matrizes curriculares estão sujeitas a adequações mediante autorização do órgão competente. Subseção I DO ENSINO MÉDIO Art. 8º. O currículo do Ensino Médio é estruturado em três anos perfazendo um mínimo de (duas mil e oitocentas) horas. Parágrafo Único Cada série anual é organizada em três etapas de acordo com Calendário Escolar Anual Vigente. Art. 9º. Na organização curricular do Ensino Médio consta: I. Base Nacional Comum constituída pelos componentes curriculares de Língua Portuguesa, Arte, Educação Física, Matemática, Química, Física, Biologia, Filosofia, Sociologia, História e Geografia. II. Parte Diversificada constituída por Tecnologias Aplicadas aos Negócios, Produção Textual, Língua Estrangeira Moderna - Inglês, Língua Estrangeira Moderna - Espanhol, Matemática Financeira e Desenvolvimento Humano. Subseção I DO ENSINO TÉCNICO Página 14 de 42

15 Art. 10º. O currículo é estruturado em três anos perfazendo um mínimo de oitocentas (800) horas e cento e sessenta (160) horas de estágio supervisionado. Art. 11º. Na organização curricular do Curso Técnico em Administração consta: I. Para o 1º ano de 2015: Fundamentos da Administração, Contabilidade Geral e Finanças, Direito, Educação Financeira, Projeto Tutoria. II. Para o 2º ano de 2015: Gestão de Marketing, Gestão Logística Nacional e Internacional, Gestão Financeira, Educação Financeira, Gestão de Pessoas, Introdução ao Plano de Negócios - Projeto Vitrine, Desenvolvimento do Projeto Empresa Simulada. III. Para o 3º ano de 2015: Gestão Estratégica das Empresas, Economia, Educação Financeira, Cultura Organizacional, Projeto Vitrine, Estágio Supervisionado. Art. 12º. Ao término do curso, o aluno receberá o Diploma de Técnico em Administração, com validade nacional, mediante comprovação de conclusão do Ensino Médio. Seção II DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Art. 13º. A avaliação da aprendizagem deve ser orientada para o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e valores, através de problemas e situações contextualizadas com caráter diagnóstico e formativo, sendo parte do processo ensino-aprendizagem e que deve incidir sobre todos os envolvidos. 1º. A partir de instrumentos avaliativos, previamente planejados e diversificados, verificar-se-á o nível de aprendizagem dos alunos e o desempenho da prática pedagógica do professor como subsídios para novas estratégias didáticas. Página 15 de 42

16 Art. 14º. Para fins de avaliação e registro de resultados, o ano letivo é dividido em 3 (três) etapas com a seguinte distribuição de pontos: a) 1ª etapa valor: 30 pontos média para aprovação de 21 pontos. b) 2ª etapa valor: 30 pontos média para aprovação de 21 pontos. c) 3ª etapa valor: 40 pontos média para aprovação de 28 pontos. 1º. Ao final de cada etapa letiva o aluno deverá alcançar o mínimo de 70% (setenta por cento) dos pontos distribuídos. Art. 15º. Em caso de não realização de atividades avaliativas, previamente propostas, o aluno deverá comparecer ao Núcleo de Psicologia Educacional para apresentar documento de justificativa e solicitar a reposição em período e horário determinados pela escola, conforme Calendário Escolar vigente e divulgado para toda Comunidade Escolar. Art. 16º. Configuram elegíveis para a realização de reposição de provas, as seguintes hipóteses, mediante documento apresentado em até 48 horas após a aplicação da prova: I. doença (Atestado Médico); II. luto, no prazo previsto em lei (Atestado de Óbito); III. convocação judicial (Documento comprobatório do Fórum); IV. participação em atividades esportivas de Confederações (Documento Oficial de Convocação/Participação); V. alistamento militar (Documento Oficial de Convocação); VI. outras hipóteses devidamente justificadas e aprovadas pelo Núcleo de Psicologia Educacional. 1º. Os casos previstos nos incisos I a V deste artigo são isentos de pagamento da taxa de realização de atividades avaliativas, desde que devidamente comprovados pelos respectivos documentos listados. Os casos previstos no inciso VI estarão Página 16 de 42

17 sujeitos ao pagamento da taxa, aprovação de sua realização pelo Núcleo de Psicologia Educacional e à condicionante de realização de, no máximo, 3 (três) atividades avaliativas por etapa. 2º. Em caso de participação em eventos autorizados pela escola, automaticamente, considerar-se-á documento oficial, em que conste o nome dos alunos que deverão fazer a reposição. Seção III DA RECUPERAÇÃO Art. 17º. A recuperação é compreendida como parte do processo ensinoaprendizagem e deve acontecer ao longo do ano letivo. A escola oferecerá oportunidades de recuperação paralela em todos os componentes curriculares de forma diversificada. 1º Ao final de cada etapa letiva, o aluno que não obtiver o mínimo de 70% dos pontos avaliados, terá o direito à RECUPERAÇÃO DE ETAPA: I. a recuperação de etapa será composta por dois instrumentos avaliativos: um Plano de Estudos Autônomos, contendo exercícios e atividades de pesquisa para orientá-lo, e uma prova a ser aplicada em data e horário estabelecidos no Calendário Escolar; II. a pontuação distribuída na Recuperação de Etapa é a mesma da etapa correspondente. A nota será recuperada caso o aluno obtenha 70% da pontuação distribuída ou mais; III. após a recuperação, vigorará a maior nota obtida pelo aluno, limitando-se à média estabelecida para a etapa (70%). Página 17 de 42

18 2º É responsabilidade do aluno/família acompanhar o desempenho escolar e aproveitar as oportunidades de recuperação oferecidas pela escola. 3º O aluno terá direito a fazer Recuperação de Etapa em no máximo 6 (seis) componentes curriculares. Art. 18º. Além da Recuperação de Etapa, haverá a RECUPERAÇÃO FINAL para aqueles alunos que não obtiverem, no mínimo, 70% do total de pontos distribuídos ao longo do ano letivo. 1º. A recuperação final terá valor de 100 (cem) pontos e será realizada após o término do ano letivo: I. a recuperação final será composta por dois instrumentos avaliativos: um Plano de Estudos Autônomos, contendo exercícios e atividades de pesquisa para orientá-lo, e uma prova a ser aplicada em data e horário estabelecidos no Calendário Escolar; II. será considerado aprovado o aluno que obtiver 70% da pontuação distribuída ou mais; III. após a recuperação final, vigorará a maior nota obtida pelo aluno, limitandose à média estabelecida para aprovação (70%); IV. as atividades avaliativas realizadas na Recuperação Final não serão devolvidas ao aluno, permanecendo arquivadas na Escola. 2º. É responsabilidade do aluno/família acompanhar o desempenho escolar e aproveitar as oportunidades de recuperação oferecidas pela escola. 3º. O aluno terá direito a fazer Recuperação de Etapa em no máximo 6 (seis) componentes curriculares. 4º. O aluno/família retirará, pessoalmente e de forma intransferível, o boletim com o resultado final em local, data e horário, estabelecidos e informados pela escola. Página 18 de 42

19 Art. 19º. As taxas para a realização do processo de recuperação de etapa e da recuperação final serão divulgadas no site e nos quadros de comunicação da escola. Seção IV DO CONSELHO DE CLASSE Art. 20º. O Conselho de Classe é um órgão de natureza consultiva e deliberativa em assuntos didático-pedagógicos, fundamentado no Projeto Político-Pedagógico da escola e o Regimento Escolar. 1º. Ao término de cada etapa letiva, realiza-se um Conselho de Classe de natureza consultiva, com a finalidade de analisar as ações educacionais, indicando alternativas que garantam a efetividade do processo ensino/aprendizagem. 2º. Ao término do ano letivo, realiza-se um Conselho de Classe Final de natureza deliberativa, com a finalidade de analisar a trajetória escolar do aluno e decidir sobre a aprovação/reprovação do aluno. Art. 21º. O Conselho de Classe tem como principal atribuição avaliar a eficácia do processo educativo, possibilitando: I. o oferecimento de dados para que o Núcleo Pedagógico possa contribuir para a qualificação das atividades realizadas, orientando a reflexão do professor sobre a própria prática; II. o estabelecimento de estratégias, pelo Núcleo de Psicologia Educacional, para o pleno aproveitamento do aluno; III. a descrição e análise do perfil das turmas e do desempenho escolar de cada aluno; Página 19 de 42

20 IV. a orientação do professor, pelo Núcleo Pedagógico, para o planejamento de diferentes instrumentos avaliativos; V. a criação de condições para assistência aos alunos com necessidades educativas especiais. Parágrafo Único - O Conselho de Classe utilizará dados de natureza qualitativa e quantitativa em relação ao desempenho discente, com a participação e anuência da Direção da Escola. Art. 22º. O Conselho de Classe somente se constitui quando convocado, sendo a participação dos convocados obrigatória. Eventuais ausências deverão ser justificadas e comunicadas por escrito. O convocado tem a responsabilidade de enviar suas considerações por escrito e de forma organizada, com a devida antecedência. 1º. Em cada reunião será lavrada ata pelo secretário escolar e, após lida em voz alta, será assinada pelos membros presentes. 2º. Todos os membros do Conselho de Classe deverão manter em sigilo os assuntos discutidos, cabendo à Direção da Escola a divulgação das decisões tomadas. Seção V DA APROVAÇÃO E REPROVAÇÃO Art. 23º. Ao término do ano letivo, será considerado aprovado o aluno com frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento), conforme estabelecido na LDBEN nº 9.394/96 e obtiver aproveitamento igual ou superior a 70% (setenta por cento) no somatório das etapas letivas ou na Recuperação Final, em cada componente curricular. Página 20 de 42

21 Art. 24º. Será considerado reprovado no ano letivo, quanto ao rendimento escolar, o aluno que obtiver aproveitamento inferior a 70% (setenta por cento) no somatório das etapas letivas ou na Recuperação Final. Art. 25º. Para fins de registro, em caso de reprovação, a nota a ser lançada no Histórico Escolar e na Ata de Resultado Final será a maior nota obtida no somatório das etapas letivas ou na recuperação final. Seção VI DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS Art. 26º. Para fins de prosseguimento dos estudos e exclusivamente para alunos egressos de outros estabelecimentos de ensino que façam parte do Sistema de Formação Gerencial, observando-se orientações dadas na SEÇÃO IX deste documento, intitulada Transferência, a escola deverá avaliar os conhecimentos construídos pelo aluno em componentes curriculares concluídos com aproveitamento e devidamente comprovados. 1º. O Núcleo Pedagógico fará a análise da Situação Escolar do aluno, no que diz respeito à matriz curricular e ementas dos Componentes Curriculares e elaborará um parecer a respeito de possíveis adaptações e aproveitamentos de estudos que se fizerem necessários. 2º. O disposto neste artigo, aplica-se, no que couber, à dispensa de componentes curriculares da Educação Profissional. 3º. Além da análise de todas as informações enviadas, a EFG-BH se reserva o direito de, se necessário, convocar os candidatos e seus familiares para uma entrevista com o Núcleo de Psicologia Educacional e a Diretoria. Seção VII Página 21 de 42

22 DA CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO Art. 27º. Além do Processo Seletivo para matrícula no 1º ano do Ensino Médio concomitante com o Curso Técnico em Administração e da promoção para os anos subsequentes, a classificação e reclassificação do aluno, dar-se-á nos seguintes casos: 1º. Transferência de alunos de outras escolas que compõem o Sistema de Formação Gerencial apenas para o início do 2º ano. 2º. Para alunos em intercâmbio ou em casos especiais previstos na lei, por equivalência de estudos, conduzida pela Secretaria Escolar, com o apoio do Núcleo Pedagógico e Núcleo de Psicologia Educacional. 3º. O responsável pelo aluno, em retorno de intercâmbio, deverá apresentar o documento de equivalência de estudos, validado pela Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais, à Secretaria Escolar. Art. 28º. Caso a matriz curricular da escola de origem não seja idêntica à da EFG- BH, haverá adaptação de estudos para adequação curricular, o que implicará em novo Contrato de Prestação de Serviços Educacionais e pagamento extra. Art. 29º. A reclassificação por frequência, cujo objetivo é propiciar ao aluno com mais de 25% (vinte e cinco por cento) de faltas o prosseguimento em seus estudos, dar-se-á em casos especiais, desde que comprovado o alcance das habilidades e competências por meio de avaliação especial, conforme Parecer do Conselho Estadual de Educação de Minas Gerais CEE/MG nº 388/03. Seção VIII DO AGRUPAMENTO DOS ALUNOS Página 22 de 42

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS 1 FESP ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CGC/MF: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua General Carneiro, 216 Fone/Fax (0xx41) 264-3311

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

FACULDADE DE RIO CLARO SUMÁRIO

FACULDADE DE RIO CLARO SUMÁRIO SUMÁRIO CAPÍTULO I: DA DEFINIÇÃO, PRÍNCÍPIOS E FINALIDADE... 1 CAPÍTULO II: DA ORGANIZAÇÃO...2 CAPÍTULO III: DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 3 CAPÍTULO IV: DISPOSIÇÕES FINAIS...5 ANEXO I TABELA AVALIATIVA

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

Anexo I da Organização Didática Resolução nº 031/2010 33

Anexo I da Organização Didática Resolução nº 031/2010 33 ANEXO I ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 NORMAS ACADÊMICAS DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 183, de 19 de novembro de 2013. Estabelece diretrizes operacionais para a. Art. 2º A avaliação do processo ensinoaprendizagem

RESOLUÇÃO Nº 183, de 19 de novembro de 2013. Estabelece diretrizes operacionais para a. Art. 2º A avaliação do processo ensinoaprendizagem RESOLUÇÃO Nº 183, de 19 de novembro de 2013. Estabelece diretrizes operacionais para a avaliação do processo ensino-aprendizagem nos estabelecimentos de ensino de Educação Básica e Profissional Técnica

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Direito da Faculdade

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO N.º 136, 04 de DEZEMBRO de 2008. Regulamenta a matrícula na UFRRJ e o processo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Coordenação do Curso Superior de Química: Bacharelado em Química Industrial e Licenciatura em Química REGULAMENTO DAS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Dispõe sobre a regulamentação e o funcionamento do Sistema de Organização Modular de Ensino SOME, no âmbito da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e dá outras Providências. Lei: A

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 O Instituto de Ensino Superior João Alfredo de Andrade, por sua Comissão Organizadora do Processo Seletivo, instituída em caráter permanente pela Portaria

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios,

Leia mais

MANUAL NORMATIVO PARA PROGRAMAS DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL

MANUAL NORMATIVO PARA PROGRAMAS DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL MANUAL NORMATIVO PARA PROGRAMAS DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL APRESENTAÇÃO Em sintonia com a sua missão de promover o desenvolvimento das habilidades empreendedoras de nosso público-alvo, a ETFG-BH incentiva

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA Com base na Resolução CSA 02/07, que estabelece Monitoria Acadêmica Centro de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica Fixa normas preliminares visando à adaptação da legislação educacional do Sistema Estadual de Ensino às disposições da Lei

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Fisioterapia da Faculdade ASCES constitui uma etapa curricular com

Leia mais

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida Regulamento Geral Programas Executivos IBMEC MG 0 TÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - Os Programas CBA, MBA e LL.M. são atividades docentes do Ibmec MG, dirigidos à formação e aperfeiçoamento dos participantes,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 700/2009 Publicada no D.O.E. de 07-07-2009, p.16 Altera a Resolução nº 507/07 CONSU, que aprova o Regulamento de Monitorias

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SAJULBRA - 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA DA UNIVERSIDADE LUTERANA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA AEDA Nº. 053/REITORIA/2014 1/9 TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA, TRANSFERÊNCIA INTERNA E APROVEITAMENTO DE ESTUDOS PARA O PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES LETIVOS DE 2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JUINENSE DE ENSINO SUPERIOR DO VALE DO JURUENA AJES INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA

ASSOCIAÇÃO JUINENSE DE ENSINO SUPERIOR DO VALE DO JURUENA AJES INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ASSOCIAÇÃO JUINENSE DE ENSINO SUPERIOR DO VALE DO JURUENA AJES INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO Ata Nº. 0072 Aos vinte e dois dias

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 11/2/2004, publicado no DODF de 12/2/2004, p. 18. Portaria nº 33, de 11/2/2004, publicada no DODF de 12/3/2004, p. 18. Parecer nº 22/2004-CEDF Processo

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA)

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) 1 REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) Resolução nº 015/2005 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) Capítulo

Leia mais

R E G U L A M E N T O DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

R E G U L A M E N T O DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES R E G U L A M E N T O DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I: DA DEFINIÇÃO, PRÍNCÍPIOS E FINALIDADE Art. 1º. O presente Regulamento disciplina as Atividades Complementares desenvolvidas pelos alunos regularmente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2. 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2. 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 3.2 Como Fazer o Estágio Supervisionado Curricular 3 3.3 A empresa e o supervisor

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. Sumário TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 1 CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL... 1 TÍTULO II DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE)... 2 CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO... 2 CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS...

Leia mais