Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011"

Transcrição

1 Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011 Temos encontrado com freqüência a Psicologia relacionada ao termo das Políticas Públicas. Isto é bastante positivo. Mas estes campos não estiveram sempre relacionados e nem se relacionam obrigatoriamente. Penso que políticas públicas fazem parte da preocupação de um segmento da Psicologia. Quando associamos psicologia com políticas públicas como se fosse algo natural e esperado, deixamos ou perdemos a oportunidade de dar visibilidade a um projeto de inserção social da profissão. Psicologia como um fazer profissional e um conhecimento científico surgiu com a modernidade. Foi preciso que os humanos desenvolvessem um sentimento de eu que produzisse novas perguntas que a ciência moderna se dispôs a responder. Nem sempre nossa organização psíquica esteve nucleada e organizada a partir de uma noção de eu individual. Mas este sentimento exigiu também uma definição deste próprio eu. Quem sou eu? A sociedade moderna e capitalista incentivou e precisou deste eu para promover a idéia do homem livre: livre para consumir, livre para vender sua força de trabalho, livre para escolher. As ofertas se tornaram cada vez mais diversas, dado o enriquecimento e desenvolvimento de um número infindável de mercadorias, sejam elas roupas, calçados, moveis, ou sejam elas religiões, crenças, profissões. O eu se viu frente a este desafio: escolher para poder se identificar. Sofrimento, dificuldades, angustia, muitos serão os nomes dados às dificuldades que se colocaram com a nova tarefa. É desta vivência social e desta "crise do eu que a sociedade passará a reivindicar um conhecimento que pudesse dar conta desta experiência e de ajudar a cada um saber-se a si próprio. A Psicologia surge, então, com esta tarefa: quem sou eu e como me torno o que sou? Seus conhecimentos e suas técnicas vão buscar responder a estas questões. No Brasil, a introdução deste conhecimento e deste fazer, vai acontecer quando o projeto da elite brasileira, de modernizar o país, convocar para isto todos os conhecimentos e fazeres que, baseados na ciência apresentassem uma tecnologia de intervenção. A modernidade está diretamente relacionada à tecnologia: ao saber fazer com a ajuda de uma técnica ou aparelho. A Psicologia se apresenta com seus instrumentos técnicos: os testes psicológicos. Se dispõe a ajudar na categorização, discriminação, diferenciação dos sujeitos para que pudéssemos (baseados na ciência e na técnica) produzirmos processos sociais mais eficientes. O Homem certo para o lugar certo era a resposta que oferecíamos à elite brasileira. Não é para menos que, poucos anos depois de ingressarmos no país como conhecimento, vamos receber de presente uma Lei (4119/62) que regulamentou nossa profissão. A Psicologia vai se colocar nas indústrias e nos serviços de saúde e educação. Notem que, no início de nossa história no Brasil, estivemos nos serviços públicos de saúde e nas escolas. Estivemos 1

2 nestes espaços utilizando nosso saber e nossas técnicas (chamávamos psicometristas, psicotécnicos) para diferenciar e categorizar as crianças e os trabalhadores. A possibilidade de ajudarmos alguém a saber quem é, ou a sentir-se mais a vontade consigo mesmo, não foi considerado um fazer prioritário, mas foi instalado como serviço privado, para servir à elite. Notem ainda que no serviço público, nas empresas ou nas clínicas estivemos sempre colados aos interesses da elite brasileira. Hoje falamos de políticas públicas com outro sentido e dentro de outro projeto para a profissão: o projeto do compromisso social da Psicologia. Alguns aspectos sociais e históricos permitem o desenvolvimento deste outro projeto. Cito alguns deles: A Psicologia recebeu uma certidão de nascimento (a Lei 4119) antes mesmo que a criança tivesse nascido. As condições para sermos efetivamente uma profissão não estavam dadas: não tínhamos a corporação para dar forma à profissão; não tínhamos o discurso ideológico que caracteriza uma profissão; não tínhamos modelos nem lastro. Estava colocada uma tarefa importante: era preciso construir a profissão que havia sido regulamentada; era preciso construir um projeto para esta profissão e uma corporação, identificada em torno do projeto para sustentar a profissão e seu lugar social. A categoria tinha a tarefa de se por como profissionais em uma sociedade que não conhecia esta profissão; não a reivindicou. Passamos os anos 70, 80 e 90 nos perguntando quem somos, que psicólogos queremos ser. Isto expressa claramente a falta de um projeto para a profissão e a necessidade de construí-lo. E a profissão foi sendo construída, ou melhor, inventada pelos psicólogos. Em vários espaços foram sendo inauguradas práticas e novos campos, tornando a Psicologia uma profissão de interesse social. Este caminho não foi sem disputa e sem projetos distintos. Muitos projetos de Psicologia estiveram em jogo Talvez termos nascido sob a ditadura militar, a falta de democracia social, as lutas ocultas nos partidos, nas várias formas de arte, nas academias, talvez tenham formado um bom terreno para escaparmos de um projeto corporativista, mesquinho, que nos mantivesse aliados às elites. Sem duvida, a abertura de novos cursos e todo país, colocou na Universidade as camadas médias e possibilitou uma composição de categoria profissional para além dos filhos das elites. A situação era propicia para o desenvolvimento de um projeto de compromisso social. E a Psicologia, que até então se colocava de costas para a realidade social, acreditando possível explicar o humano sem considerar sua realidade econômica, cultural e social, se voltou para a sociedade. O surgimento da Psicologia Comunitária e a inserção e desenvolvimento da prática dos psicólogos na saúde pública podem ser considerados aspectos importantes do projeto de compromisso que iria surgir. O redemocratização do país, os movimentos grevistas e operários, os movimentos sociais que se constituíram (como o da anistia) tudo isto ia criando uma possibilidade para a Psicologia questionar seu vínculo com a sociedade e grupos progressistas ocuparem as entidades ou as criarem. 2

3 O novo projeto significava um rompimento com esta tradição e a construção de um novo lugar para a Psicologia; a construção de uma nova relação da Psicologia com a sociedade. Uma Psicologia a serviço dos interesses da maioria da sociedade; uma psicologia acessível a todos. Começa a se esboçar o projeto do Compromisso Social. Há em todas as escolas de Psicologia questionamentos sobre as técnicas, sobre as teorias, sobre o exercício da profissão. Os psicólogos vão refazer o Código de ética 3 vezes a partir dos anos 80. Isto significa que a profissão se movimentou, se transformou. Aliás os códigos de ética expressam bem o caminho desta mudança. Tínhamos um código que expressava as preocupações e o regramento do fazer profissional nos consultórios; em 2000 aprovamos um código que trouxe a questão das equipes multiprofissionais como aspecto de preocupação (o que podemos e devemos fazer nestas equipes?); trouxe ainda as mudanças que incorporaram o exercício da profissão em outros espaços que não os consultórios. Neste código já encontramos os Direitos Humanos e a preocupação com a o bem estar. É no código de 2005 que vamos encontrar no primeiro princípio os Direitos Humanos; vamos encontrar a saúde do sujeito aliada à qualidade de vida; a exigência de uma postura crítica frente à realidade política, social, econômica e a preocupação, que surge como princípio com a universalização do acesso da população às informações, ao conhecimento e aos serviços de psicologia (princípio V). Os debates em torno da questão do sigilo também são importantes, pois demonstraram um novo vínculo dos psicólogos com seus clientes e com a sociedade e suas urgências. Nestes anos a categoria profissional cresceu. Cresceram os cursos de Psicologia e a categoria cresceu mais ainda. Era uma das tarefas: criar um contingente de psicólogos que pudessem responder socialmente por aquela profissão criada (quase magicamente) em Mais de 200 mil psicólogos querem trabalhar em Psicologia. São aqueles que se mantêm vinculados ao Conselho. Querem atuar no mercado de trabalho, mercado este que se expandiu mas não na proporção do crescimento da categoria. Os psicólogos começam a reivindicar emprego. Este cenário nos colocou frente às políticas públicas. São elas que possibilitarão o acesso democratizado aos nossos conhecimentos e fazeres; são elas que permitirão emprego em larga escala ara a categoria profissional; são elas que nos ajudarão a dar outro caminho para o compromisso da psicologia com a sociedade brasileira; são elas que exigirão reformulações em nossas teorias e técnicas; são elas que empurrarão os cursos para que possam sair do lugar cristalizado e conservador que tínhamos (ou ainda temos). São elas que permitirão a mudança de critério para a apresentação e identificação dos psicólogos, que deixarão de ter a filiação teórica como o aspecto fundamental de sua identidade profissional para ter em seu lugar o projeto que desenvolvem profissionalmente (onde, com quem e o que estamos transformando com nosso fazer). Nossas tarefas agora nos parecem outras: É preciso sistematizar e conhecer os fazeres já existentes dos psicólogos que ousaram e tiveram a oportunidade de avançar, atuando nas políticas públicas. Não são poucos, pois nos últimos 10 anos o Brasil se envolveu com a recuperação de um Estado que se volta para os direitos básicos da 3

4 população e oferece a ela os atendimentos e os recursos necessários para a garantia destes direitos. Se em 2000, quando os Conselhos realizaram a I Mostra de Práticas em Psicologia: Psicologia e Compromisso Social, já encontrávamos um contingente grande de profissionais que atuavam com diversos segmentos da sociedade, pobres ou incluídos perversamente, com novas técnicas e possibilidades de trabalho, em locais diversos, com populações diversas, hoje este contingente é muito maior. Tornou-se assim necessário organizar este crescimento. O CREPOP foi uma ferramenta das mais importantes, pois possibilita sistematizar estes fazeres, debatê-los e avançar, oferecendo referências aos estudantes, professores, pesquisadores, profissionais e aos gestores que, muitas vezes, desconhecem nossa profissão na sua totalidade. Mas é preciso ir adiante, pressionando as Universidades para que formem psicólogos que possam ocupar estes espaços. Há hoje um desencontro: um mercado exigindo determinados fazeres e saberes e uma Universidade formando alunos para atuarem em consultórios ou empresas particulares. Precisamos das Universidades, pois é nelas que encontraremos o esforço da revisão teórica de nossos saberes. Apesar de já ter muitos anos de sua realização, gosto ainda de citar meu estudo de doutorado, sobre a concepção de fenômeno psicológico entre os psicólogos. E penso que neste debate esta questão toma força e importância, pois, apesar de reconhecer mudanças, ainda temos resultados parecidos com os que obtive em Encontrei entre a maioria dos psicólogos uma noção que equipara o fenômeno psicológico com um verdadeiro eu, ou seja, é mais verdadeiro que o eu que aparece nas relações sociais, sendo este, em geral, resultado da negociação feita pelo sujeito com o mundo social, para dar conta dos interesses e desejos do eu verdadeiro. Como o mundo psicológico tem destino traçado, porque está visto sob uma perspectiva naturalizante, a prática profissional dos psicólogos surge como algo que dá suporte a este desenvolvimento, reencaminhando para o seu trilho quando algo provoca um desvio. Nossa missão é sublime! Temos uma missão que conserta o que a natureza planejou e o que a sociedade desviou. A sociedade não tem tido papel algum na perspectiva psicológica e por isto não temos tido necessidade de discutir qual o papel da Psicologia na sociedade. A realidade social está vista como algo externo ao sujeito que nada tem a ver com seu desenvolvimento. O homem se desenvolve pela sua natureza. A sociedade ajuda ou atrapalha, mas nunca é vista como algo do humano, construção do próprio homem, objetivação do humano que permite transmitir de geração para geração a humanidade criada pelo homem. Não. A sociedade é vista muitas vezes como algo que impede; algo que deve ser driblado, controlado, para que não impeça o desenvolvimento das potencialidades que já estão no homem, a priori. Assim, os psicólogos se puseram de costas para a realidade social, acreditando poder entender o fenômeno psicológico a partir dele mesmo. 4

5 A inserção que temos hoje na sociedade exige e exigirá a mudança destas concepções, pois elas são patologizantes, universalizantes e não servem para o trabalho com a maioria da população brasileira. Temos uma população negra em nosso país: o que sabemos sobre a subjetividade de quem tem esta condição social? A maioria de nós ainda responde que somos todos iguais e uma teoria em Psicologia serve para ler a subjetividade de qualquer humano. José Moura Gonçalves, ao nos apresentar o conceito de humilhação social, nos inquietou e nos tirou do lugar confortável daquela verdade. Queremos uma Psicologia que possa contribuir para a compreensão de que o tipo de vida que oferecemos como conjunto social aos nossos humanos será responsável pela forma subjetiva que vamos tomar. A matéria prima de nossa subjetividade está na vida vivida, nesta vida que nós mesmos construímos. Se continuarmos mantendo e reconstruindo cotidianamente uma sociedade desigual como a nossa, vamos ser cúmplices de um projeto de humano onde as subjetividades desiguais (notem que não estou dizendo diferentes, estou dizendo desiguais) se instalarão e teremos um mundo uns são dominantes e outros dominados, uns humilhados e subalternos; outros arrogantes e proprietários. E a Psicologia estará ajudando a ocultar esta desigualdade com seu humano universal!!!! Queremos construir uma Psicologia que seja capaz de contribuir para que esta realidade desigual se evidencie e possamos também com nosso conhecimento contribuir para sua superação. Mas para isto é preciso abandonar concepções naturalizantes e universalizantes de fenômeno psicológico; é preciso adotar perspectivas históricas que permitam compreender que o humano não está pronto e que nem tem um destino próprio a perseguir, mas que vai se constituindo conforme vamos, coletivamente, dando conta de produzir nossa sobrevivência e nossa vida social. Produzimos bens materiais necessários a nossa vida e produzimos subjetividades humanizadas que carregam aspectos fundamentais destas formas de vida. O projeto do compromisso social é um que está aí a nossa disposição, precisando ser desenvolvido e aperfeiçoado. Precisa tomar corpo. Precisa sair do discurso e estar nas práticas cotidianas de nossa categoria profissional. O novo compromisso da Psicologia com a sociedade pode estar se realizando (e deve) em todas as áreas da Psicologia. Mas, devemos nos perguntar: onde é prioritário? Onde deveremos estar? Para responder a essa questão deve-se equacionar alguns aspectos: Quais são nossas competências? Quais são as necessidades que a população apresenta para as quais temos competências para responder? Quais as instituições que prestam serviços nessa direção? Enfim, é preciso analisar a situação social para podermos saber onde estão as prioridades. Mas, uma coisa sabemos: se queremos dar acesso à maioria da população brasileira, aquela população que fica com 25% da riqueza nacional, deveremos atuar nas políticas públicas que se tornam prioridade. 5

6 E são muitos os locais que poderemos estar: políticas públicas de saúde, de educação, de assistência social, trabalho e desemprego, habitação, ambiental, aplicação de medidas sócioeducativas, na justiça, na comunicação, no lazer, no transporte, enfim em muitos locais e em muitas atividades necessárias que respondem às necessidades e urgências da população pobre de nosso país. É preciso que se esclareça: políticas públicas não são políticas para pobres. Políticas Públicas são políticas para todos. A questão é que em nosso país desigual há que se construir formas e espaços de trabalho que permitam o acesso da maioria da população aos serviços de Psicologia que NUNCA estiveram ao seu alcance. Por sito colocamos sempre uma ênfase na população pobre, quando falamos em políticas públicas. E todo este projeto exige uma nova Psicologia. Não é um convite a jogar o bebê com a água do banho. Não. Mas é um convite a jogar a água do banho. Pois: 1. Nossas ferramentas de trabalho (técnicas e teorias) têm se apresentado como limitados para essa atuação. Temos utilizado conceitos e formas de intervenção que foram criadas e se desenvolveram no trabalho com a camada alta da população. Por exemplo, nossa população pobre ainda apresenta um índice alto de pessoas analfabetas e nossos recursos de trabalho muitas vezes supõem uma familiaridade com a escrita e com a linguagem. Com isto temos estado distantes daqueles aos quais queremos prestar serviços. É preciso cuidar desse aspecto. 2. Outro aspecto são nossos valores e formas de pensar e viver o mundo. São, muitas vezes, muito diferentes da forma com que a população encara a vida e dos recursos que estão habituamos a utilizar. Por exemplo, a situação terapêutica, será que sabemos o que as pessoas pensam desta situação? Como será que eles pensam esta situação? Como relacionam com o que sentem? 3. Será que nossos conceitos podem realmente dar visibilidade à realidade desse povo e às necessidades que querem ver resolvidas? 4. O que será que pensam sobre a doença ou o sofrimento que trazem? São muitas as questões que podemos nos fazer e deveremos nos fazer, pois nosso saber pensou os sujeitos de forma universal. Nossas teorias e técnicas apresentam um sujeito da Europa e do Brasil como tendo o mesmo desenvolvimento e tendo a mesma estrutura psíquica. Não poderemos servir à nossa gente se não nos dispusermos a rever nosso saber. Quero, antes de terminar, fazer a defesa de uma formação inquietante e que ensine a perguntar. A Universidade não pode se limitar a ensinar a responder. É preciso ir além e ensinar a perguntar. Perguntar sempre coisas à realidade; perguntar sempre à teoria. Não podemos, como pessoas de formação denominada superior, nos satisfazermos com o óbvio. A ciência é um processo de pensamento que vai para além da aparência, do empírico, do visível. Por tudo isso, defendemos uma formação em Psicologia que seja marcada pela ciência e pela pesquisa. Defendemos uma concepção de profissão que não se limita ao saber aplicar bem conhecimentos prontos (isso é uma formação técnica). Defendemos uma profissão como um exercício 6

7 permanente de busca de explicações sobre a realidade. Precisamos entender que profissão não é apropriação de um saber; profissão é apropriação de um saber e de uma postura crítica que não permite a satisfação plena com o que se sabe. É preciso colocar a Psicologia a serviço da sociedade; é preciso colocar a Psicologia a serviços da construção de um mundo melhor, de condições de vida digna, de respeito aos direitos e da construção de políticas públicas que possam oferecer Psicologia a quem dela tiver necessidade. Penso que o projeto do compromisso social e sua defesa das políticas públicas é uma meta a ser alcançada. Não se pode achar que é só esperar que este destino para a Psicologia se concretizará. Não. É uma utopia ou como preferia Paulo freire é o inédito viável. Para isto é preciso e esforço de caminhar nesta direção, de romper com a tradição, de ousar atuar construindo os recursos novos necessários. Enfim, espero poder ter feito de minha reflexão um convite para a luta. 7

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 Ana Mercês Bahia Bock 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo/Brasil O tema proposto para a reflexão

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz 28/11/2007 - Quart ética Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz Agradeço o convite para participar deste encontro. Considero muito importante a iniciativa

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores AS DIFICULDADES DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS DOS ALUNOS DE PEDAGOGIA NOS PRIMEIROS

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

De mãos dadas: RH e marketing

De mãos dadas: RH e marketing De mãos dadas: RH e marketing A união de RH e marketing é um dos melhores caminhos para a sobrevivência de uma empresa - e das próprias áreas Não é incomum, em tempos de turbulência e incertezas econômicas,

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Processos Metodológicos na Construção de sistemas de indicadores (memória terceira oficina)

Processos Metodológicos na Construção de sistemas de indicadores (memória terceira oficina) Processos Metodológicos na Construção de sistemas de indicadores (memória terceira oficina) ------------------------------------------------------------------------------------ Oficina de Indicadores Plataforma

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

A DIMENSÃO SUBJETIVA DA DESIGUALDADE SOCIAL: UM ESTUDO NA CIDADE DE SÃO PAULO

A DIMENSÃO SUBJETIVA DA DESIGUALDADE SOCIAL: UM ESTUDO NA CIDADE DE SÃO PAULO A DIMENSÃO SUBJETIVA DA DESIGUALDADE SOCIAL: UM ESTUDO NA CIDADE DE SÃO PAULO Ana Mercês Bahia Bock Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUCSP anabock@terra.com.br A Psicologia, com suas perspectivas

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS JOÃO DANILO BATISTA DE OLIVEIRA E CARLOS ALEXANDRE ANDRADE DOS SANTOS (depoimento)

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI 1 Com muita honra e responsabilidade, falo uma vez mais em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA Yrismara Pereira da Cruz 3, Ana Raquel Holanda Barros¹, Indira Siebra Feitosa¹. Correspondência para: yrismaracruz@hotmail.com

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

MANIFESTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO (SBPOT)

MANIFESTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO (SBPOT) MANIFESTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO (SBPOT) Psicologia do trabalho e das organizações: não atuamos pela cisão Quase nenhum estudioso da psicologia ousaria negar

Leia mais

Formação do Psicólogo: Um Debate a Partir do Significado do Fenmeno Psicológico

Formação do Psicólogo: Um Debate a Partir do Significado do Fenmeno Psicológico Formação do Psicólogo: Um Debate a Partir do Significado do Fenmeno Psicológico A Psicologia é apresentada despida de suas pendências naturalizantes. O ser humano é visto como aquele que cria a história

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO:

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: Uma contribuição para o debate Eliete Godoy 2011 "Devemos lutar pela igualdade sempre que a diferença nos inferioriza, mas devemos lutar pela diferença sempre que a igualdade

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Gestão Educacional e organização do trabalho pedagógico pressupostos teórico - metodológicos Alberto Albuquerque Gomes Total

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Discurso na cerimónia de regulamentação

Leia mais

Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia

Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia Emanuel Amaral CIÊNCiA - Reconhecido internacionalmente, Miguel Nicolelis tem planos ambiciosos para o RN 05/08/2007 - Tribuna do Norte Anna Ruth

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

file://c:\documents and Settings\Administrador\Meus documentos\minhas Webs\NED...

file://c:\documents and Settings\Administrador\Meus documentos\minhas Webs\NED... Página 1 de 16 ano 2 - número 2-2004 ELEMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO E PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DO CAMPO [1] Roseli Salete Caldart [2] Momento Atual da Educação do Campo Passaram-se quase 6

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais)

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) MOÇÃO/DELIBERAÇÃO (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) Uma cooperativa é uma associação autónoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações

Leia mais

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem.

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem. RESENHA Artigo: ARROYO, M. G. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens adultos populares? Revej@ - Revista de Educação de Jovens e Adultos, V. I; 2007. Estamos diante de um texto que problematiza

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS

CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS Lúcio André Andrade da Conceição (IFBA) 1 O Candomblé é um tipo de manifestação religiosa criada pelos negros em nosso país.

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação 1 Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo Temática: Valorização das/dos profissionais de educação Maria Malta Campos Introdução Há um paradoxo, já reconhecido

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Autogestão Autonomia E Inclusão social

Autogestão Autonomia E Inclusão social Autogestão Autonomia E Inclusão social Moira Sampaio Rocha moyrahelmer@hotmail.com Terapeuta Ocupacional Especialista em Educação Especial Inclusiva Especializanda em Tecnologia Assistiva A pessoa com

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

EDUCAÇÃO E TRABALHO: A ORIENTAÇÃO VOCACIONAL/PROFISSIONAL COM JOVENS DE ESCOLA PÚBLICA 1

EDUCAÇÃO E TRABALHO: A ORIENTAÇÃO VOCACIONAL/PROFISSIONAL COM JOVENS DE ESCOLA PÚBLICA 1 EDUCAÇÃO E TRABALHO: A ORIENTAÇÃO VOCACIONAL/PROFISSIONAL COM JOVENS DE ESCOLA PÚBLICA 1 JACINTO-SILVA, Ramon Arthur 2 ; PAULINO-PEREIRA, Fernando César 3 ; ALVES- SANTOS, Lara Gabriella 4 ; Palavras-chave:

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Educação em direitos humanos hoje Vera Maria Candau * Podemos afirmar que há uma convicção profundamente arraigada entre os grupos que trabalham com direitos humanos: a necessidade

Leia mais