Histórias familiares, trajetórias e experiências de liberdade de afrodescendentes em Belo Horizonte, MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Histórias familiares, trajetórias e experiências de liberdade de afrodescendentes em Belo Horizonte, MG"

Transcrição

1 Histórias familiares, trajetórias e experiências de liberdade de afrodescendentes em Belo Horizonte, MG JOSEMEIRE ALVES PEREIRA Belo Horizonte era ainda considerada, pelos contemporâneos, um imenso canteiro de obras, em 1912, quando chegaram à recém-inaugurada capital de Minas Gerais, a ventre-livre Maria Pereira e seus filhos Bárbara Senhorinha, Eponina e Henrique. Pouco tempo antes mais precisamente até 1894, quando tiveram início os trabalhos de construção da nova Capital que substituiria a antiga Ouro Preto, aquelas terras abrigavam o Arraial do Curral Del-Rei, originada no início do século XVIII (BARRETO, 1996). A necessidade de transferência da sede administrativa do Estado de Minas Gerais para outra localidade, debatida pelas classes políticas, durante as últimas décadas do século XIX, corresponde às mudanças econômicas e políticas engendradas no país a partir do processo emancipacionista e da instauração do regime republicano. Para estudiosos da história de Belo Horizonte, como Maria Efigênia Lage de Rezende, a ideia de criação de uma nova capital vincula-se à emergência de novas forças econômicas dentro do Estado que, com a República, de certo modo representativa destas novas forças, vão desencadear a luta para a obtenção do poder político correspondente à sua expansão econômica. (REZENDE apud DUTRA, 1988: 52) 1 A nova Capital teria surgido, assim, sob o signo da modernidade e do progresso, representados pela própria República, em oposição à cidade colonial; e como estratégia de enfrentamento aos riscos de desagregação político-administrativa e estagnação econômica a que estava submetido o Estado, frente ao desenvolvimento testemunhado em outras regiões do país em especial no Rio de Janeiro e em São Paulo. 2 Para a criação da nova cidade, foram desapropriados e devidamente remunerados os antigos proprietários de terra do Arraial, que se instalaram em regiões próximas ao futuro núcleo urbano da nova cidade. Quanto à população outrora ali escravizada e/ou liberta, a despeito de sua relevância sobre o total da população da região, dela aparecem alguns raros Doutoranda em História Social pela Universidade Estadual de Campinas. Bolsista Fapesp. 1 Ver também, a respeito da criação de Belo Horizonte, dentre outros: DUTRA, 1996; SILVA; SILVEIRA, Segundo Tito Flávio Rodrigues de Aguiar (2006, p. 34), os debates políticos que precederam a mudança da capital do Estado, entre as décadas de 1880 e 1890, evidenciavam preocupações das elites políticas e econômicas quanto à necessidade de que o novo centro administrativo propiciasse a superação do sensível atraso no desenvolvimento em relação aos centros econômicos do país Rio de Janeiro e São Paulo. A noção de modernização mineira remete, assim, especialmente à de progresso econômico. Ver também: DULCI, 1999.

2 2 indícios na narrativa de Barreto sobre a história do Arraial e de Belo Horizonte, de onde, em geral, emerge através de personagens secundários, tais como um escravizado fugido que teria assassinado um major, ou outros descritos em atividades laborais (BARRETO, 1996: 112); inseridos na ordem social vigente, como mulheres e homens sem instrução, mas agentes ou beneficiários de alforrias 3, em geral concedidas após a morte do proprietário e, não raro, reclamadas por não serem cumpridas. No entanto, quase nada sabemos sobre o destino destas pessoas, depois de emancipadas por meio da lei n 3.353, de ( Lei Áurea ), ou mesmo antes, mediante outras formas legais de aquisição da liberdade de que se apropriaram ou foram beneficiárias 4. Teriam continuado a trabalhar com os antigos senhores? Em que condições? Por quê? Migraram para outras localidades, como observamos ocorrer, em diversas regiões do país (FRAGA FILHO, 2006; 2009; RIOS; MATTOS, 2005; TELLES, 2013) e também em outros países (FONER, 1988a; 1988b; COOPER, 2005), após os processos abolicionistas? Teriam participado da construção da Capital? Teriam se integrado à população de trabalhadores migrantes e imigrantes pobres que constituíam aqueles que seriam considerados os primeiros núcleos de favelas que se formavam na futura cidade, antes mesmo de sua inauguração? 5 Estas são questões que ainda demandam atenção nos estudos sobre a história de Belo Horizonte. Nestes, o que se ressalta, via de regra, é o esforço dos idealizadores da nova capital em associar à cidade uma imagem de progresso, vinculada à República suplantava-se o velho Arraial e com ele o passado colonial e tudo aquilo que nele representava atraso 6. De todo modo, a memória histórica 7 que se construiu para a cidade, não guarda referência significativa à presença da população negra afinal, poder-se-ia argumentar, Belo Horizonte, ao contrário das principais sedes administrativas do país, nascia sem a indelével marca da escravidão, que é, em geral, a via por meio da qual se faz referência à população negra. 3 No acervo do Arquivo Público Mineiro, é possível encontrar, por exemplo, registros de cartas de liberdade, do período entre 1834 e Cf. APM-Acervo da Câmara Municipal de Sabará. 1º.Livro de Notas do Distrito do Curral Del-Rei.CMS-240, rolo Ibid. 5 As favelas da Estação e da Fazenda do Leitão, segundo Barreto, já eram notadas desde A da Estação era um dos primeiros elementos da paisagem com que tinha contato quem chegavam à cidade. Cf. Barreto, 1996, op. cit. 6 É importante ressaltar, contudo, que este discurso não propunha um completo rompimento com a tradição colonial, aliandose as concepções de modernidade e modernização, nas práticas e interesses políticos e econômicos em Minas Gerais, aos elementos de tradição que se apresentassem conciliáveis com tais interesses. Ver, a respeito: BOMENY (1994). 7 Referenciando-se nos trabalhos de Pierre Nora sobre a memória, o historiador Antônio Torres Montenegro entende a memória histórica como o movimento de congelamento da memória, relembrando que para Nora, o próprio da história é a crítica, a desconstrução permanente de significados em razão de todo o conjunto de experiências e práticas do presente. Mas, quando esse movimento de ressignificação é interrompido, a história se torna Memória. (FLORES; BEHAR, 2008, p. 197).

3 3 Não obstante, era justamente nesse momento em que se implementava o projeto de modernidade forjado pelas elites mineiras, que ali chegava a família de Maria Pereira, originária do município de Bonfim, na região de Paraopeba. Após ficar viúva, Maria decidira tentar a vida em Belo Horizonte. Partia em busca de trabalho (LADISLAU, 2007) 8, como outros migrantes que afluíam para a cidade, à mesma época. Para ali instalar-se, ela e seus filhos contaram com o apoio da família de Teodolindo Pires Fernandes, que já vivia em Belo Horizonte, desde antes de 1912, com os irmãos, sua mãe, Ana Maria e seu pai, Nominato José Fernandes, oriundos de Piedade dos Gerais, também em Minas Gerais. As duas famílias já se conheciam e foi ainda por intermédio dos pais de Teodolindo que Maria e os filhos mais velhos Bárbara e Henrique conseguiram emprego. Teodolindo e Bárbara casaram-se, depois, e passaram a viver no terreno do pai dele, situado onde atualmente se encontra o Aglomerado Santa Lúcia, um dos mais conhecidos complexos de favela da cidade, na região Sul. Ali também viviam Antônio Pedro da Silva, que deixara a Serra do Cipó, sua esposa Maria Eulália dos Santos, que também partira da região de Paraopeba, e a pequena Santa, primeira filha do casal, nascida em 1910, já na capital. Integrantes de duas famílias formada por pessoas negras migrantes do interior do Estado, Nominato, Teodolindo e Antônio Pedro trabalhavam, à época, em fazendas da região da antiga Colônia Afonso Pena, núcleo agrícola que abastecia de gêneros alimentícios e artefatos para construção civil, a região central da cidade, onde viviam os funcionários da administração pública da capital, que mesmo após sua inauguração, em 12 de dezembro de 1897, continuava em construção. Belo Horizonte 9 teve sua constituição iniciada, entre fins do século XIX e as primeiras décadas do século XX, por uma população de trabalhadores composta, majoritariamente, por migrantes. Contava-se, inicialmente, um grande número de imigrantes europeus, empregados nas obras de construção da cidade, mas também beneficiados no processo de constituição das colônias agrícolas que tiveram importante papel no projeto de modernização ensaiado pelo governo do Estado, entre os anos 1898 e Não obstante, a 8 Integram o mesmo relato de Dona Ione Pires Ladislau, em entrevista concedida à pesquisadora em 2007, as informações que aqui coligimos para fazer referência às famílias da ventre-livre Maria, avó da entrevistada, e de Antônio Pedro e Eulália. Para informações sobre a história de família destes últimos, contamos também com o depoimento de uma de suas filhas, Isaltina da Silva Pereira. Cf. FERREIRA, Nos projetos iniciais para a nova capital, ela era denominada como Cidade de Minas. Já em 1891, a cidade passou a se chamar Belo Horizonte, nome pelo qual já se tornara conhecido o antigo Arraial do Curral Del-Rei. 10 Segundo Aguiar (2006: 285), em 1903, os estrangeiros correspondiam a 53% da população da zona colonial (agrícola), sendo preponderante a presença de italianos. Ex-escravos e descendentes sofriam restrições à aquisição de terras nos núcleos coloniais. Cf. Aguiar, ibidem, p. 278 e seguintes.

4 4 maior parte da população da cidade que se consolidava então, era composta por pessoas oriundas de outras regiões do estado e do país. Segundo o historiador Tarcísio Botelho (2007: 11-12), a cidade passou de 13 mil habitantes, em 1900, para mais de 17 mil, em 1905, cerca de 40 mil, em 1912 e 55 mil, em Duas décadas depois, contava com 211 mil habitantes e, em 1950, com 352 mil; com taxas de crescimento sempre acima de 4% ao ano. Concomitante ao elevado crescimento demográfico, ao longo das quatro primeiras décadas do século XX, observa-se o decréscimo do ingresso de imigrantes, em razão do fim da política de subvenção do Governo que atraía, desde os últimos anos o século XIX, o fluxo internacional de migração para o Estado. Portanto, como salienta Botelho, será a migração de mineiros e de outros brasileiros que sustentará o rápido crescimento da cidade, impulsionado pelo incremento da industrialização, a partir dos anos , e pelo aprimoramento de infraestrutura urbana. Entretanto, o perfil e a trajetória dos envolvidos nos processos de migração interna, durante as primeiras décadas do século XX, também são ainda pouco conhecidos. Nos estudos sobre a história da cidade, para o período em questão, as referências à população enfatizam, em geral, a participação de estrangeiros. (BOTELHO, 2007: 12-13; DUTRA, 1999; BELO HORIZONTE, 2004). Não obstante, alguns estudos dedicados às experiências de vida e trabalho da população afrodescendente, no Pós-Abolição, em regiões de Minas Gerais fortemente marcadas pela economia escravista dentre os quais os trabalhos de Guimarães (2006; 2007), Bosi (2004) e Meyer e Nascimento (2011), que tratam, respectivamente das regiões da Zona da Mata, Mariana e São João Del Rei nos oferecem um panorama importante para a compreensão que ocorre em Belo Horizonte. Tais estudos indicam que, assim como em outras regiões do Brasil (RIOS; MATTOS, 2005; FRAGA FILHO, 2005) e em outros países (COOPER, 2005; FONER, 1988a), em seus respectivos períodos pós-emancipação, o exercício da liberdade vivenciado pela população negra, nessas regiões do estado, implicava não raro, no recurso à migração, como estratégia de gestão de oportunidades de trabalho e condições de vida. Com efeito, as análises de Tarcísio Botelho indicam que houve, no período entre 1890 e 1940, um aumento da população negra na região central de Minas Gerais, onde está 11 Nos anos 1920, Belo Horizonte ocupava, no Estado, a terceira posição nos índices de valor de produção e pessoal ocupado na indústria; nos anos 1930, começa a consolidar-se como polo regional da indústria de ferro e aço e nos anos 1940, já constituía o principal polo industrial do Estado. Cf. Botelho, op. cit., p

5 5 localizada a capital. Segundo o historiador, durante esse período, a proporção de negros só aumentou em ritmo superior a esta região nos municípios do norte e leste, notando-se recuo desta população em todas as demais regiões do Estado. (BOTELHO, 2007: 21). Assim, a despeito da dificuldade de mensurar o percentual da população a partir do critério cor/raça 12, na cidade, durante as primeiras décadas do século XX, o autor estima que a presença de descendentes de africanos na capital, embora reduzida nos primeiros anos, tendeu a aumentar, devido ao fluxo migratório interno. Botelho afirma que esta dinâmica se insere no processo mais amplo de deslocamento do campo para a cidade, no contexto de crescente urbanização em diversas regiões do país. Atento ao ainda sensível desconhecimento sobre o destino dos ex-escravizados e nascidos livres no advento da Abolição no país, Botelho admite a possibilidade de que boa parte deles possa ter migrado para os centros urbanos. Não havendo maior precisão quanto a informações sobre sua inserção no mercado de trabalho, afirma, é provável que tenham passado a ocupar postos de trabalho menos qualificados e pior remunerados, já que provinham, em sua grande maioria, do meio rural (BOTELHO, 2007; ADELMAN, 1974). Considerando que a província de Minas Gerais foi detentora de grande plantel de escravos durante o século XIX e que esta abundância de mão-de-obra permitiu que a instituição paulatina do trabalho livre não dependesse tanto da imigração estrangeira, sendo favorecida a fixação do contingente existente de mão-de-obra no trabalho agrícola, Botelho acredita que a migração de negros para os grandes centros urbanos da região foi pouco significativa até a década de A participação de afrodescendentes na composição da população de Belo Horizonte, não obstante, teria se consolidado concomitantemente ao aumento populacional ocorrido ao longo das primeiras décadas do século XX, como já observado, devido ao desenvolvimento da cidade como o mais importante polo urbano e industrial do Estado. Afrodescendentes na população de Belo Horizonte 12 A análise de Botelho considera o silenciamento sobre a cor nas estatísticas e fontes produzidas no período, dificultando o conhecimento sobre os destinos da população de negros após a Abolição: após o Censo de 1890, o quesito raça só voltou a ser inserido na contagem da população a partir do de Mesmo fontes como os registros paroquiais e também os civis, deixaram de informar a cor. (BOTELHO, 2007: p ). Como observado por Hebe Mattos (1995) e outros pesquisadores do período Pós-Abolição, os registros judiciais em especial os processos-crimes, são dos poucos em que se pode identificar informações sobre a cor dos sujeitos referenciados em tais fontes. Também identificamos o registro da cor na documentação policial produzida pela Chefia de Polícia em Minas Gerais inclusive para Belo Horizonte e nos Relatórios da Santa Casa de Misericórdia, como será abordado neste texto.

6 6 Quando da decisão política de transferir a capital para a localidade do Arraial do Curral Del Rei, era provável que ali anda se encontrassem trabalhadoras e trabalhadores negros, que até bem pouco tempo haviam vivido sob o regime escravista, como escravizados ou mesmo como libertos e seus descendentes; sobretudo se considerarmos que se tratava de região onde historicamente se registrava forte presença de pretos e mestiços. 13 Na Comarca de Sabará, onde se localizava o Arraial, já em 1891, o articulista Lopes de Azeredo escrevendo para a Folha Sabarense, órgão que se intitulava como de tendência liberal e abolicionista, defende a criação de um estabelecimento comercial para refinar açúcar e torrar café, como solução para o que, na interpretação dele e provavelmente de seus pares, seriam problemas advindos das mudanças ocorridas nas relações de trabalho após a Abolição, como deixa transparecer a queixa registrada no excerto: As cosinheiras andam vasqueiras, careiras e sem sujeição. De hora a outra estamos com nossas caras metades, ou filhas, a catarem arroz, picarem hervas e carnes, descascarem alhos e cebolas, e a fazerem tudo mais lá pela cosinha. Coitadinhas! Com que mimosas mãos, acostumadas apenas com serviços delicados, hão de ser obrigadas tambem a torrar café e a limpar assucar! Quatro cobres para a torradeira de café, meia pataca à Zefa que alimpou o assucar. Mas tudo isto é um horror, principalmente nos gostosos tempos de cambio a menos de 13. (Folha Sabarense, ANNO VII No. 20, 15/11/1891, p. 01/02) Ainda que não saibamos muito sobre a Zefa ou a torradeira de café, é plausível inferir que, em uma região ainda não profundamente afetada pela presença de imigrantes europeus, como nos lembra Botelho (2007), tais personagens representassem o perfil de trabalhadores negros, recém-egressos da escravidão. A historiografia que trata de temas afetos à região, no período em questão e depois da transferência da capital, quase nada diz sobre estas pessoas. Em um importante estudo sobre as práticas operárias em Belo Horizonte e Juiz de Fora, durante a chamada Primeira República, por exemplo, a caracterização do perfil dos trabalhadores não envolve a identificação por cor/raça, muito embora nas imagens 13 De acordo com informações compiladas no Anuário Estatístico de Minas Gerais (1925), referente ao ano de 1921, o recenseamento de 1872 registrava a presença de 336 pessoas escravizadas, na população da Freguesia de Nossa Senhora da Boa Viagem do Curral Del Rei, frente a livres. Dentre os cativos, contavam-se 145 mulheres e 191 homens. Em edição de 1911 do mesmo Anuário, criado e dirigido por Nelson de Senna, o autor, preocupado em avaliar os números referentes à população branca do estado, faz menção a um primeiro recenseamento realizado na Capitania das Minas Gerais, em 1776, destacando a baixa proporção de brancos na Comarca do Rio das Velhas, à qual pertencia, então, a região de Sabará e o povoado do Curral Del Rei. Na comarca haviam sido registrados, então, apenas brancos contra mestiços e pretos. (MINAS GERAES, 1911: 255).

7 7 fotográficas utilizadas pela autora, identifiquemos significativa presença de operários negros (DUTRA, 1988). Ainda em 1891, já se nota um silêncio quase absoluto e, ao nosso olhar, inquietante da imprensa sobre a população negra outrora presença constante nos periódicos, em função da crescente onda de libertação de cativos, em face da eminente aprovação da Lei Áurea. 14 Dentre as raríssimas referências, para aquele ano, encontramos além da notícia acima, esta, que descreve um homem provavelmente negro, classificado caricaturalmente como um tipo popular, na mesma edição da Folha Sabarense: TYPOS POPULARES Zé Grande É incapaz de offender a quem quer que seja, coitado. Muito prestativo, embora um pouco preguiçoso, occupa-se em toda sorte de serviços, carrega agua, vai a mandados, serve de camarada, etc, etc. É pequeno e magro, olhos grandes e avermelhados, muito agil e comprimentador de Deus e de todo mundo. No reinado da festa do Rosario comparece, infallivelmente, com sua casaca bordada, chapéo armado e calça branca, muito engommada, com dous frisos vermelhoes, satisfeito e risonho na sua qualidade de vassalo estimado do rei. O que o destaca muito de outro qualquer typo popular, é o habito de saudar a quem encontra, sem excepção alguma, fazendo enorme barretada e abaixando a cabeça em signal de submissão. É impossivel ver-se o Zé Grande pela rua sem o inalteravel e continuo: Si, siôr, si siôr, si siôr! Como hoje abusa-se do fin de siècle à vontade, direi ao leitor que ele é um chuva fin de siècle. Eu que o conheço ha muitos annos, não temo mentir dizendo que bem poucas vezes o tenho visto em bom estado, isto é, em estado natural. É também dos taes que eleva a agua ardente à altura de pão nosso de cada dia. (...). O trocista. (Folha Sabarense, ANNO VII No. 20, 15/11/1891, p. 02/03). A descrição do tipo popular em questão, construída por um sujeito que se diferencia socialmente dele, evoca possíveis elementos comportamentais da população de trabalhadores habitantes do lugar que remetem à uma situação socioeconômica precária. O Zé Grande, representação provável de um homem negro a julgar pelos elementos culturais de matrizes africanas apontados por meio da referência às suas vestes e à participação na Festa 14 A exemplo da própria Folha Sabarense, que em suas edições publicadas no ano de 1888, noticiou, valorizando-as como exemplares, diversas iniciativas de alforria.

8 8 do Rosário, não é mais um sujeito escravizado; não obstante, sua nova condição de liberdade não lhe legou, de imediato, condições de uma vida segura e digna naquela sociedade. A embriaguez e o comportamento aparentemente submisso parecem sugerir o modo de vida possível quem sabe forjado pelo Zé Grande, ante a cidadania inalcançada?... De todo modo, em meio à grande lacuna de informações sobre a população negra habitante do lugar, o que começamos a vislumbrar, então, é a emergência paulatina da população negra de migrantes que passa a afluir para a região, a partir de fins do século XIX. Entretanto, em meio ao quase total silêncio sobre os destinos dos habitantes negros do próprio Arraial, um documento produzido pelo Delegado de Polícia de Belo Horizonte, Waldemar Loureiro, em 1916, oferece uma importante informação sobre um grupo de ex-escravizados residentes desde, pelo menos meados do século XIX, naquele território que passara a abrigar a capital. Trata-se de um relatório elaborado pelo Delegado e dirigido ao Juiz Municipal do termo, informando sobre as investigações procedidas sobre o assassinato de um certo Antonio Caramate, por Francisco Gomes da Rocha. Por este documento, nos é dado conhecer sobre a venda da Fazenda Bom Sucesso, em meados do século XIX a Joaquim Gomes da Rocha, falecido chefe da família Gomes da Rocha. Quanto à outra parte, o proprietário André Nogueira Villa Nova, della dispôz, em testamento, declarando que a deixava em usofructo, aos seus escravos RITA, parda; JOAQUIM, creoulo; FELICIANO, pardo, etc; até a decima geração, revertendo, depois, em plena propriedade à Egreja da Piedade (APM-Fundo Chefia de Polícia. Ocorrências Policiais-Belo Horizonte, 1916), sendo o testamento datado, no momento da elaboração do relatório, em mais de 70 anos, conforme o Delegado. Em 1916, os descendentes de Rita, Joaquim, Feliciano e dos demais herdeiros da Fazenda Bom Sucesso constituíam um grupo de 50 pessoas, aproximadamente. Segundo a documentação, havia um conflito entre eles e a família Gomes da Rocha, envolvendo disputa pelos limites das terras. O caso já havia chegado à Justiça, que, em geral favorecia aos Gomes da Rocha, quando se deu o assassinato de Caramate, representante dos herdeiros. Este registro é emblemático acerca da presença de trabalhadores negros e, especificamente, de uma extensa família negra de agricultores e possuidores de terra, que viveram o período Pós-Abolição no mesmo território onde se instalou a capital Este mesmo perfil é comumente descrito nas narrativas de histórias familiares que registramos por meio de um conjunto de 15 entrevistas dentre as quais está inclusa a de D. Ione Pires Ladislau, anteriormente referida. Trataremos deste aspecto abaixo.

9 9 A invisibilidade da presença de uma população constituída por pessoas negras em Belo Horizonte nesse período se transforma, ainda mais, na medida em que encontramos, em alguns tipos de fonte, a menção à cor dos indivíduos atendidos pelas instituições que os produziram. É o caso dos registros de doentes atendidos pela Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte ( ) e do Registro de Réus da Cadeia Pública de Belo Horizonte (1913). Não são claros, até o momento na pesquisa, quais são os critérios utilizados para definir a classificação da população por cor entre branca, preta e mestiça por estas instituições, especialmente em um período em que a menção à cor está em desuso nos registros oficiais. Não obstante, cabe ressaltar que o dado é uma constante em todos os Relatórios da Santa Casa de Belo Horizonte, encontrados; bem como nas Listas de doentes das outras unidades da Santa Casa de Misericórdia em outros municípios no Estado, conforme documentação integrante dos registros da Secretaria do Interior, que compõem o acervo do Arquivo Público Mineiro. 16 Mesmo ainda prescindindo de dados mais completos sobre doentes atendidos pela Santa Casa tais como nome, idade, sexo, cidade de origem, profissão, dentre outros que constam possivelmente das listas de doentes ainda não acessadas, e que permitiriam distinguir a população de negros, mestiços e brancos, residente em Belo Horizonte, daquela residente em outros municípios 17, por meio da comparação dos dados disponíveis, notamos, em consonância com os estudos de Tarcísio Botelho, a tendência de crescimento da população de pretos e mestiços, dentre os atendidos ao longo do período de 1908 a A mesma classificação de cor entre brancos, pretos e mestiços é utilizada pelos órgãos públicos de segurança, ao que indicam os dados fornecidos pela documentação do Fundo da Chefia de Polícia. Aqui, a manutenção do registro da cor, quando a tendência é omitir este tipo de informação, parece coerente com a prática de controle social que se busca implementar na cidade (COSTA E SILVA, 2009). A própria documentação policial consultada atesta a vigência de um exercício de controle da polícia sobre a população visando 16 O registro da cor também é observado nos recém-descobertos registros do Instituto Radium, instituição criada em 1921, na cidade, para o tratamento de câncer. A diferença é que, no Instituto Radium, instituição que atendia prioritariamente à população economicamente favorecida, a presença de pessoas negras é sensivelmente menor que na Santa Casa de Misericórdia. Cf. (CUPERSCHMID; MARTINS, 2014). 17 De acordo com os dados disponíveis nos referidos Relatórios da Santa Casa, sabemos o total de atendidos residentes em Belo Horizonte e oriundos de outros municípios, foi, respectivamente, para os períodos seguintes: e 4.441; e 771; e 1495; e 1232; e 1922; e 1966; e 2298; e 2553.

10 10 a constituição de uma determinada ordem social; controle manifesto por meio da vigilância de práticas associativas e da repressão sobre qualquer atividade que ferisse à moral e aos bons costumes. A propósito, entre 1912 e 1913, dentre 371 detidos na Cadeia Pública de Belo Horizonte, 55 respondiam pelo crime de ofensas físicas e 275 foram detidos correcionalmente, conforme atestam os registros do movimento de prisões da Cadeia local, à época (APM Fundo Chefia de Polícia, Ocorrências Policiais-Belo Horizonte, 1913). A cor enuncia-se ali como um elemento importante utilizado na identificação e classificação de suspeitos ou criminosos. À época, já efetuadas a instalação de um Gabinete de Identificação e a adoção do sistema de identificação pelo método dactiloscópico 18, considerado infalível, em comparação com o método até então empregado o antropomórfico, a cor continuava compondo uma das informações relevantes para identificação de criminosos, conforme atesta exemplar da ficha de identificação criminal constante de um relatório da Secretaria de Polícia, publicado em (APM Relatório da Secretaria de Polícia de Minas Gerais, 1909). Há que se considerar, ainda, que o decreto n , publicado em 20 de março do mesmo ano de 1909, pelo vice-presidente Bueno Brandão e por meio do qual se criava o Gabinete de Identificação, estabelecia-se dentre as pessoas passíveis de serem identificadas criminalmente, os considerados vadios muito embora, as próprias fontes policiais indiquem que a prisão, neste caso, era irregular. 19 Dentre os considerados vadios, provavelmente encontrava-se grande parte do contingente de migrantes negros oriundos do interior do estado. As informações contidas nos Registros de Réus recolhidos à Cadeia Pública de Belo Horizonte, não obstante, nos permitem identificar alguns dados que não constam dos Relatórios da Santa Casa de Belo Horizonte analisados nos primeiros, para além do histórico criminal, é possível estabelecer um breve perfil dos sujeitos de que trata a documentação. Assim, temos, por exemplo: A. A. C., 22 anos, casada, meretriz, mestiça, 1,48 18 Esta mudança foi precedida de uma intensa discussão em voga no estado e no país, por ocasião da sistematização do método de identificação dactiloscópica por Juan de Vucetich, então responsável pela Chefatura de Polícia da Província Buenos Aires, sediada em La Plata. O novo método contrapunha-se ao concebido por Alphonso Bertillon, que empregava medição antropomórfica, para identificação de indivíduos. (Cf. APM Relatório da Secretaria de Polícia de Minas Gerais, 1909.) 19 Em ofício enviado ao Chefe de Polícia, em julho de 1916, por ocasião de uma contenda sobre a cobrança ilegal de carceragem, o Delegado Orlando Pimenta, posicionando-se contrário à cobrança, argumenta: Demais, as chamadas prisões correccionaes, como as prisões para averiguações policiaes, que se impõem, muitas vezes, como medida de repressão ás irregularidades de conducta de indivíduos de baixa estofa social, não têm assento ou fundamento em lei alguma. Ora, assim, a taxa de sellos estipulada para os alvarás de soltura não póde referir-se a taes prisões, pois acto não previsto em lei, ou melhor, não reconhecido pela lei não póde ser por ella tributado. (Cf. APM-Fundo Chefia de Polícia. Ocorrências Policiais POL8-CX.24-Pc. 02).

11 11 de altura, alfabetizada (sabe ler e escrever); tendo sido pronunciada com base no artigo 303 do Código Penal, referente à prática de ofensas físicas, foi condenada em Belo Horizonte e solta por pagamento de fiança em 11 jan Além dela, observamos, conforme dados da Tabela 5, a presença de outras 3 mulheres, sendo uma outra meretriz e as demais trabalhadoras (servidoras) domésticas. Dentre os demais presos, portanto, destaca-se a forte presença de homens não brancos, correspondendo a 49,55% dos 111 detidos e detidas; neste percentual da população masculina de presos, 14,41% são classificados como pretos e 35,14%, como mestiços. Os brancos somam 26,13%, e os sem informação para a cor, 24,32%. Dentre as várias profissões declaradas, a grande maioria é de jornaleiros, militares e lavradores, conforme dados da Tabela 3. Nota-se também a presença de estrangeiros e de brasileiros de outros estados, sendo que alguns poucos, dentre estes presos estavam ali, provisoriamente, enquanto aguardavam julgamento, tendo cometido os crimes respectivos, em outros municípios do Estado.

12 12 Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte Tabela 1 Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte-Doentes admitidos entre 1908* e 1935 (Cor/Raça) Quadro comparativo - Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte Doentes admitidos, (Cor/Raça) Brancos Pretos Mestiços Totais Fonte: APM Relatórios da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte ( ). (*)Foram analisados os Relatórios do período entre 1901 a Contudo, somente a partir de 1908, são registradas neles informações sobre cor. Gráfico 1 Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte-Doentes admitidos entre 1908 e 1935 (Cor/Raça) Fonte: APM Relatórios da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte ( ).

13 13 Fundo Chefia de Polícia Registro de réus recolhidos à cadeia de Belo Horizonte Tabela 2 População Carcerária - Cadeia Pública de Belo Horizonte, 1913 (Cor/raça) Branca 29 26,13% Preta 16 14,41% Mestiça 39 35,14% Sem Informação 27 24,32% Total ,00% Fonte: Registro de réus recolhidos à cadeia de Belo Horizonte, 1913 (ACPM Fundo da Chefia de Polícia) Tabela 3 População Carcerária - Cadeia Pública de Belo Horizonte, 1913 (Naturalidade/Nacionalidade) A Espanha 1 0,90% EUA (Califórnia) 1 0,90% Itália 5 4,51% Minas 85 76,58% Pernambuco 1 0,90% Rio de Janeiro 1 0,90% Sem iformação 15 13,51% Síria 2 1,80% Total ,00% Fonte: Registro de réus recolhidos à cadeia de Belo Horizonte, 1913 (ACPM Fundo da Chefia de Polícia) Tabela 4 População Carcerária - Cadeia Pública de Belo Horizonte, 1913 (Naturalidade/Nacionalidade) B Brasileiros ,89% Estrangeiros 9 8,11% Mineiros 85 76,58% Outros Estados 2 1,80% Sem informação 15 13,51% Fonte: Registro de réus recolhidos à cadeia de Belo Horizonte, 1913 (ACPM Fundo da Chefia de Polícia) Tabela 5 População Carcerária - Cadeia Pública de Belo Horizonte,1913 (Profissões/Ocupações) Agencia/Agenciador 2 Alfaiate 2 Cabouqueiro 4 Caixeiro 1 Carpinteiro 3 Carroceiro 1 Chapeleiro 2 Cocheiro 1 Colchoeiro 1 Comerciante 1 Copeiro 2 Engenheiro 1 Guarda Civil 1 Guarda-freio 1 Jornaleiro 17 Lavrador 16 Meretriz 2 Militar 17 Motorneiro 1 Negociante 5 Oleiro 1 Pedreiro 4 Pintor 1 Sapateiro 3 Servente de pedreiro 1 Servidora doméstica 4 Veterinário 1 Viajante 1 Sem informação 14 Total 111 Fonte: Registro de réus recolhidos à cadeia de Belo Horizonte, 1913 (ACPM Fundo da Chefia de Polícia)

14 14 Trajetórias e experiências de migrantes negras/os em Belo Horizonte: as histórias de vida de Dona Cotinha e Sr. Raimundo 20 Buscando conhecer um pouco mais sobre a presença e atuação da população negra na cidade, observaremos, a seguir, alguns aspectos de histórias familiares produzidas por migrantes e/ou descendentes. 21 Em 1938, quando tinha 11 anos de idade, Dona Cotinha [Maria Ramos Monteiro] deixou a casa dos pais, em Volta Grande, próximo ao município de Ponte Nova (MG) e viajou para Belo Horizonte. Um tanto arrependida por deixar a mãe, especialmente, ela tinha destino certo na nova cidade uma casa de família situada próximo ao Colégio Arnaldo, na região do Bairro Funcionários. Ela passou a integrar o grupo de trabalhadoras e trabalhadores domésticos empregados na casa de uma certa família Nahas, chefiada por um advogado o Doutor Nahas. Ali ela exerceu a função de arrumadeira, desde então, até o casamento, nos anos Depois de um tempo, a mãe da entrevistada, Dona Rita Miranda também migrou para Belo Horizonte, estabelecendo-se no Bairro Santa Efigênia, onde recebia a visita da filha, quinzenalmente. Dona Rita, que também atuou como trabalhadora doméstica, chegou à cidade, em princípio, para acompanhar os filhos Vicente e Zezé, que haviam se mudado para Belo Horizonte, antes de Dona Cotinha, e trabalhavam como serventes de pedreiro. A família reconfigurava-se, então, na capital, sem a presença do pai, Sr. Francisco Miranda. Este, descrito pela entrevistada como boêmio, ficou na cidade de origem, num primeiro momento, mas juntou-se à família tempos depois. Chegou. É... Sem sanfona, nem nada. Diz ela, sorrindo. Só com a roupa do corpo. Ao lembrar-se dele, D. Cotinha remete imediatamente à ideia que tinha, quando criança e jovem, sobre casamento:... Eu... casar, eu num vou casar. Porque eu casar pr um homem querer [...] me bater e deixar eu passar [necessidade], eu num vou casar, não. Quando os outros falava assim: Eu vou casar com cê! Eu até chorava de raiva. (MONTEIRO; MONTEIRO, 2013) Esta impressão se diluiu, contudo, a partir de quando ela conheceu Sr. Raimundo, num passeio costumeiro na Avenida Amazonas, no Centro da cidade. Ali, nos anos 1940, 20 Os nomes firam mantidos, com anuência dos entrevistados, atestada no Termo de Cessão de Uso de Depoimento Oral estabelecido de acordo entre os mesmos e a pesquisadora. 21 Os depoimentos foram registrados em entrevistas realizadas pela pesquisadora, no âmbito da pesquisa em curso, e estão referenciados, ao final deste texto.

15 15 segundo os relatos de ambos, era um dos espaços de lazer e sociabilidade para as/os jovens trabalhadores/as, que passeavam por lá, aos finais de semana à noite. Nas palavras dela, aliás, percebemos que era um espaço segregado: É... Naquele tempo, tinha o lado... o lado direito era dos bacanas. O lado esquerdo era dos mais humildes. Afirma, sorrindo. Durante o dia, o lugar preferido para lazer era o Parque Municipal Américo René Giannetti, também na área central. Foi, portanto, num dos passeios pela Avenida Amazonas que ela conheceu aquele que se tornou seu companheiro e com quem construiu uma família de 5 filhos. A família constitui um grande valor para os Monteiro, assim como para a maioria dos grupos familiares integrados por outros de nossos entrevistados. Por meio dela, engendraram, em Belo Horizonte, projetos de vida que representam o esforço de superação das adversidades que tornavam cada vez mais inviável a vida nas cidades de origem. Com efeito, como já mencionado, o aumento do fluxo migratório observado em Minas Gerais, no período pós-abolição, é decorrente do aumento constante da urbanização fenômeno comum a diversas regiões do país, ao mesmo tempo em que a constitui. As narrativas das pessoas que entrevistamos, invariavelmente remetem, em algum momento, às lembranças familiares sobre os tempos da vida no interior. Esses tempos correspondem aos das gerações de avós e bisavós da maioria dos entrevistados, que viviam, em geral do trabalho como pequenos agricultores. Trabalhavam para terceiros como no caso dos familiares de Dona Lia (OLIVEIRA, 2014), por exemplo, mas em alguns relatos como os de Sr. Raimundo e Dona Cotinha (2013), Edna e Maria do Carmo Costa (2014) e da família Santos (2014); e Levínia da Costa (2014), aparecem como proprietários de pequenas roças. O estatuto da posse dessas terras, nestes casos, quase nunca é descrito com precisão pelos depoentes. Mas é comum, nos relatos, a memória de que em função das dificuldades enfrentadas pelos pequenos agricultores, as pessoas precisaram buscar alternativas de trabalho em Belo Horizonte em geral passando por municípios situados no entorno da capital, depois de abandonar ou vender a preço muito baixo as referidas terras. Sr. Raimundo, curiosamente, ao se lembrar da avó materna, que fora escrava ou filha de escravos não soube precisar e que ele conhecera quando criança, remete à precariedade da vida na roça, naquela época, no tempo da avó que, na narrativa dele, se mistura ao próprio tempo da infância. Esta memória da precariedade da vida, para Sr. Raimundo emerge de maneira forte, quando ele descreve as próprias experiências de trabalho

16 16 infantil, com a enxada nas mãos calejadas; bem como a dificuldade de estudar: Eu estudava numa lousazinha quebrada, diz ele com um sorriso um tanto entristecido. É. Ela caiu e quebrou um pedaço, assim e eu... A pessoa que tava muito atrás, num dava muito pra copiar, porque a lousa tava quebrada. (...) Comprava um caderno de duzentos réis... Era uma luta... [Pausa longa] Duzentos réis, naquela época!... (MONTEIRO; MONTEIRO, 2013). Órfão de pai, aos 7 anos e filho de uma mãe que ele descreve como guerreira, que trabalhou duramente na roça para sustentar os filhos, para ele, as oportunidades educacionais só puderam ser acessadas de maneira mais contínua na vida adulta, em uma escola pública em Belo Horizonte o Grupo Escolar Olegário Maciel, à Rua Carijós, também no Centro da cidade. Ele conciliou, durante alguns anos, o tempo de estudo com o de trabalho. Oportunidade não possibilitada a Dona Cotinha, que abdicou da escola, em função da necessidade de cuidar dos filhos. Em Belo Horizonte, ainda criança, Raimundo tornou-se aprendiz e empregado em uma oficina de cromagem. Tornou-se sócio desta primeira oficina em que trabalhou e manteve-se no ofício até se aposentar. O projeto familiar de Sr. Raimundo e D. Cotinha foi construído, com dedicação, em condições de enfretamento da precariedade da vida que tendia a se perpetuar mesmo na cidade ali, onde a crescente população negra ocupava os postos de trabalho menos valorizados em termos de remuneração e status, onde as condições de habitação, educação e saúde da população pobre eram ainda bastante precárias, embora em geral melhores que nas áreas rurais. A maioria de seus filhos e netos ensaiam a continuidade deste projeto, por meio de carreiras profissionais consolidadas como policiais civis ou militares, professor de Educação Física, administradores, e da formação de novos núcleos familiares, referenciados na história e na presença dos avós. Considerações Finais Como esperamos ter demonstrado, por meio da breve referência às experiências da Família Monteiro, as fontes orais permitem acessar outras dimensões da experiência das famílias negras na cidade. No conjunto das 15 entrevistas já realizadas, além dos temas abordados por Dona Cotinha e pelo Sr. Raimundo outros se destacam. Dentre eles, a reafirmação da experiência de migração para a capital, como marco das histórias das famílias negras entrevistadas: das 15 entrevistas de que dispomos, oito entrevistados nasceram em

17 17 Belo Horizonte; contudo, as histórias de quase todas as famílias reportam à migração de algum município de Minas Gerais para Belo Horizonte, na primeira metade do século XX. A passagem por outros municípios que hoje integram a Região Metropolitana de Belo Horizonte, antes do estabelecimento das famílias migrantes em Belo Horizonte, é coerente com os apontamentos de Botelho acerca do aumento populacional na região central do estado e para Belo Horizonte, no período em foco. Além disso, é recorrente referência à memória (ainda que remota) de algum antepassado liberto ou livre filho de escravizado. Nas narrativas sobre a migração, há ocorrência de memórias sobre alguns desses antepassados libertos ou filhos de libertos que teriam sido proprietários de terra. Quanto às memórias da vida nas cidades de origem, são referenciadas, em geral, no trabalho com a lavoura. Quanto às atividades laborais exercidas pelos que migraram para Belo Horizonte, encontram se, para os homens, as de policiais, operários de mineradora, agricultores (nas colônias agrícolas), trabalhadores da construção civil, técnicos em oficina mecânica (automóveis e cromagem); para as mulheres, as de trabalhadoras domésticas, funcionárias do serviço público de saúde, artesãs o que nos oferece um quadro mais amplo de ocupações, em comparação com os dados das demais fontes anteriormente analisadas. Há uma constância, nas narrativas, quanto à relevância da educação e a escassez de possibilidades de acesso a esse direito pelas gerações mais antigas. Nota-se uma mudança explícita quanto a este aspecto, nos relatos de filhos e netos dessas gerações acessando, inclusive o ensino superior. Para as gerações mais jovens, evidencia-se a expressão de valores como o afeto, a honestidade e o apreço pela qualidade no trabalho, como herança dos pais e como fator de manutenção da unidade familiar e de resistência às dificuldades experienciadas socialmente, na condição de negros e negras. Observa-se, ainda, a preponderância das narrativas femininas sobre tais histórias, o que nos convida a tratar mais atentamente a condição das mulheres negras na cidade. Por fim, um dos principais potenciais destas fontes, é a possibilidade de atentar para os olhares, as percepções e leituras da cidade construídas a partir do exercício de memória das pessoas entrevistadas, que constituem um aspecto importante de análise, a ser posto em diálogo com as perspectivas vigentes sobre a história Belo Horizonte. Referências Bibliográficas e Fontes Entrevistas

18 COSTA, Edna Ferreira da; COSTA, Maria do Carmo Ferreira da. História de Vida/História Familiar. Belo Horizonte. Entrevista concedida a Josemeire Alves Pereira. Arquivo Digital (85 min. 34 seg.). Áudio. 08. Out COSTA, Levínia; COSTA, Júnia Silva da. História de Vida/História Familiar. Belo Horizonte. Entrevista concedida a Josemeire Alves Pereira. Arquivo Digital (Arquivo A 50 min. 31 seg. Arquivo B 105 min. 51 seg.). Áudio. 24. Jan FERREIRA, Izaltina da Silva. Entrevista à Revista da Laje Projeto Memória. Entrevistadores: Josemeire Alves Pereira; Juvenal Lima Gomes. Belo Horizonte. Arquivo Digital (60 min. Aprox.). Áudio. 28.nov JESUS, Maria Ferreira; COSTA, Júnia Silva da. História de Vida/História Familiar. Belo Horizonte. Entrevista concedida a Josemeire Alves Pereira. Arquivo Digital (81 min. 23 seg.). Áudio. 24. Jan LADISLAU, Ione Pires. História de Vida. Belo Horizonte. Entrevista concedida a Josemeire Alves Pereira. Arquivo Digital (124 min.). Áudio. 22. ago MONTEIRO, Raimundo; COTINHA. História de Vida/História Familiar. Belo Horizonte. Entrevista concedida a Josemeire Alves Pereira. Arquivo Digital (78 min. 33 seg.). Áudio. 28. Dez OLIVEIRA, Maria das Dores de. História de Vida/História Familiar. Belo Horizonte. Entrevista concedida a Josemeire Alves Pereira. Arquivo Digital (Arquivo A 136 min. 21 seg. Arquivo B 11min. 34 seg.). Áudio. 11. Jan SANTOS, Euza Antônia; VÍTOR, Priscila dos Santos; SANTOS, Elizeth Pepétua dos; SANTOS, Hermes Antônio dos; SANTOS, Elizabeth Consolação dos. História de Vida/História Familiar. Belo Horizonte. Entrevista concedida a Josemeire Alves Pereira. Arquivo Digital (68 min. 28 seg.). Áudio. 16. Ago Arquivo Público Mineiro Anuários -MINAS GERAES. Anuário Estatístico. Belo Horizonte: Imprensa Oficial MINAS GERAES. Anuário Estatístico. Belo Horizonte, Secretaria da Agricultura (Ano I 1921 / Vol.2) Fundos e Coleções -Fundo Chefia de Polícia. Série 8. Ocorrências Policiais. -MINAS GERAES. Relatório da Secretaria de Polícia de Minas Gerais. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Dr. Secretário do Interior pelo Chefe de Polícia Dr. Urias de Mello Botelho em Bello Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Geraes, Microfilme [Original Impresso]. Coleção Obras Raras. Referências bibliográficas ADELMAN, Jeffry. Urban planning and reality in republican Brazil: Belo Horizonte, p. Tese (Doutorado em História) Indiana University, Bloomington. Acervo Biblioteca da Escola de Arquitetura/UFMG. AGUIAR, Tito Flávio Rodrigues de. Vastos Subúrbios da Nova Capital: formação do espaço urbano na primeira periferia de Belo Horizonte p. Tese (Doutorado em História) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, BARRETO, Abílio. Belo Horizonte: memória histórica e descritiva. ed. atual. rev. e anotada. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro/Centro de Estudos Históricos e Culturais, v., 447 p. e 916 p. Publicado originalmente em 1928 (v. 1) e 1936 (v. 2) (Coleção Mineiriana. Série Clássicos). BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. De outras terras, de outro mar: experiências de imigrantes estrangeiros em Belo Horizonte. Belo Horizonte: Museu Histórico Abílio Barreto, p. 18

19 BOMENY, Maria Helena B. Guardiães da Razão: modernistas mineiros. Rio de Janeiro: Ed. Tempo Brasileiro, BOSI, Antônio de Pádua. Ex-escravos, imigrantes e Estado na constituição da classe trabalhadora de Uberabinha, MG ( ). Revista de História Regional 9(1), Verão de 2004, p BOTELHO, Tarcísio R. A migração para Belo Horizonte na primeira metade do século XX. Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 9, n. 12, p , 2º sem COOPER, Frederick et al (Org.). Além da liberdade: investigações sobre raça, trabalho e cidadania em sociedades pós-emancipação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, COSTA E SILVA, Marina Guedes. A moral e os bons costumes: a experiência da cidade nas narrativas policiais (Belo Horizonte, ) p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, CUPERSCHMID, Ethel Mizrahy; MARTINS, Maria do Carmo Salazar. Instituto de Radium de Minas Gerais: vanguarda na radioterapia no Brasil, História, Ciências, Saúde Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, out-dez. 2014, p DULCI, Otávio Soares. Política e Recuperação econômica em Minas Gerais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, DUTRA, Eliana Regina de Freitas. Caminhos operários nas Minas Gerais: um estudo das práticas operárias em Juiz de Fora e Belo Horizonte na Primeira República. São Paulo: Hucitec; Editora UFMG (com apoio do MinC-Pró-Memória Instituto Nacional do Livro), BH Horizontes Históricos. Belo Horizonte: Ed. C/Arte, Inventários do Cotidiano de uma famiglia. Histórias de vida e memória das cidades. Varia História, Belo Horizonte, v. 20, p , FLORES, E. C.; Behar, R. Memórias, percursos e reflexões: com Antônio Torres Montenegro. Saeculum: Revista de História, João Pessoa, n. 18, p , jan./jun FRAGA FILHO, Walter. Mendigos, moleques, vadios na Bahia do século XIX. São Paulo, SP: Hucitec, Encruzilhadas da liberdade: histórias de escravos e libertos na Bahia ( ). Campinas, SP: Editora da UNICAMP, Migrações, itinerários e esperanças de mobilidade social no recôncavo bahiano após a Abolição. Cadernos AEL, v.14, n.26, FONER, Eric. O significado da liberdade. Revista Brasileira de História. v.1, n.16, p São Paulo, mar-ago/1988a.. Nada além da liberdade: a emancipação e seu legado. Rio de Janeiro;Brasília, Paz & Terra;CNPq, 1988b. GUIMARÃES, Berenice. Cafuas, Barracos e Barracões: Belo Horizonte, cidade planejada Tese (Doutorado em Sociologia). Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro IUPERJ. Rio de Janeiro/RJ, GUIMARÃES, E. S. Múltiplos viveres de afrodescendentes na escravidão e no pós-emancipação: Família, trabalho, terra e conflito (Juiz de Fora MG, ). São Paulo, Annablume; Juiz de Fora, Funalfa Edições, Memórias históricas de movimentos rurais Juiz de Fora na passagem do século XIX ao XX. Tempo Revista Digital do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ: vol. 11, n.22, jan p LIBBY, Douglas Cole. et. al. Família e demografia em Minas Gerais, Séculos XVIII, XIX e XX (Nota de Pesquisa). R. Bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 29, n.1, p , jan./jun MATTOS, Hebe. Prefácio. In: COOPER, Frederick et al (Org.). Além da liberdade: investigações sobre raça, trabalho e cidadania em sociedades pós-emancipação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Das cores do silêncio: Os Significados da Liberdade no Sudeste Escravista Brasil Século XIX. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1995 [1998] 2ed. 19

20 MELLO, Ciro. Bandeira de. A noiva do trabalho: uma capital para a República. In: Dutra, Eliana Regina de Freitas. BH Horizontes Históricos. Belo Horizonte: Ed. C/Arte, MEYER, Marileide Lázara Cassoli; GONÇALVES, Andrea Lisly. Nas fímbrias da liberdade: agregados, índios, africanos livres e forros na província de Minas Gerais (século XIX). In: VARIA HISTÓRIA, Belo Horizonte, v.27, n.46: p , jul/dez REZENDE, Maria Efigênia Lage de. Uma interpretação sobre a fundação de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Estudos Políticos. Belo Horizonte, UFMG (30) p Apud DUTRA, Eliana Regina de Freitas. Caminhos operários nas Minas Gerais: um estudo das práticas operárias em Juiz de Fora e Belo Horizonte na Primeira República. São Paulo: Hucitec; Editora UFMG (com apoio do MinC-Pró- Memória Instituto Nacional do Livro), RIOS, Ana Lugão; MATTOS, Hebe. Memórias do cativeiro: família, trabalho e cidadania no pósabolição. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, SCHWARCZ, Lília K. Moritz. O espetáculo das raças. 7ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1993 [2008]. SILVA, Regina Helena Alves; SILVEIRA, Ana J. Torres. Cenas de um Belo Horizonte. Belo Horizonte, Prefeitura Municipal de Belo Horizonte PBH,

Dos que vão e dos que ficam: migrantes negros em Belo Horizonte (1897c 1950c)

Dos que vão e dos que ficam: migrantes negros em Belo Horizonte (1897c 1950c) Dos que vão e dos que ficam: migrantes negros em Belo Horizonte (1897c 1950c) JOSEMEIRE ALVES PEREIRA E é uma coisa que eu fico me perguntando: Gente, como é que esse povo vinha? Porque não tinha estrada

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC Giovana Cadorin Votre 1, Talita Daniel Salvaro 2, Elisandro Raupp Prestes 3 1 Aluna do 2 o ano do curso

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG).

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola Castro SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). Resumo O Presente artigo trata da autora Maria Ceres Pimenta Spínola

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos MANUSCRITOS AFRODESCENDENTES AUTÓGRAFOS DA CHAPADA DIAMANTINA Elias de Souza Santos (UNEB) elias40_d@hotmail.com Pascásia Coelho da Costa Reis (UFBA/UNEB)

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO: Vitória da Conquista e região A economia regional nas fontes da Justiça do Trabalho (1963-1965) SILVA, Danilo Pinto da 1 Email: danilohist@gmail.com Orientadora:

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

V. Experiência de trabalho

V. Experiência de trabalho V. Experiência de trabalho Sonia Altoé SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ALTOÉ, S. Experiência de trabalho. In: De "menor" a presidiário: a trajetória inevitável? [online]. Rio de Janeiro: Centro

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 CRISTIANE REGINA MIYASAKA 2 Ainda que a historiografia a respeito das reformas urbanas empreendidas no Rio de Janeiro no início do século XX seja

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA,

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA, A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ. PAULA, Willian Silva de. UFMT CEFET-Cbá - willdepaula@yahoo.com.br Orientadora: Profª Drª Maria Lúcia R. Muller

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Questão 1 O canto das três raças, de Clara Nunes Ninguém ouviu Um soluçar de dor No canto do Brasil Um lamento

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza 33 Desafios da reflexão sociológica PARA análise Do ensino médio no BRASil* Marilia Pontes Sposito Raquel Souza O ensino médio se constitui em uma etapa da educação básica brasileira que tem mobilizado

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA.

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. Autora: Mestra Rosicleide Henrique da Silva Universidade Federal de Campina

Leia mais

ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, GT:

ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, GT: ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, Beatriz da Costa e UERJ GT: História da Educação / n.02 Agência Financiadora: CNPq

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

PERCURSOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO NO CERRADO

PERCURSOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO NO CERRADO PERCURSOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO NO CERRADO 5ÃTKG'FWECÁºQ)GTCN'FWECÁºQ5WRGTKQTG (QTOCÁºQ%QPVKPWCFCFQ'FWECFQT 'FKVQTC'ZGEWVKXC 2TQHC&TC/CTKCFG.QWTFGU2KPVQFG#NOGKFC7PKRNCE7PKECOR %QPUGNJQ'FKVQTKCN'FWECÁºQ0CEKQPCN

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br IDOSOS NO BRASIL: Vivências, Desafios e Expectativas na 3 a. Idade Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo em parceria com SESC Nacional e SESC São Paulo Considerações Para viabilizar a pesquisa

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Programa ADAI Projetos Brasileiros

Programa ADAI Projetos Brasileiros Programa ADAI Projetos Brasileiros Brasil 1999 1ª Convocatória Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte: Conservação preventiva de acervo audiovisual. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami:

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Pesquisa FAPESP - Maio 2008 - Edição 147 Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Quatro grandes

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO Gisela Morena de Souza 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: QUANDO FUNDADA EM 1876, A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO FEZ

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Nordestinos em São Paulo: o deslindar de uma trajetória

Nordestinos em São Paulo: o deslindar de uma trajetória Nordestinos em São Paulo: o deslindar de uma trajetória Luciano Deppa Banchetti* PAIVA, Odair da Cruz. Caminhos cruzados: migração e construção do Brasil moderno (1930-1950). Bauru: EDUSC, 2004. 306 p.

Leia mais

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES Cristina Ferreira Assis 1 Rosa Maria da Exaltação Coutrim 2 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO A pesquisa ora apresentada refere-se ao ser

Leia mais

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Keila Grinberg * Este paper está inserido no projeto de pesquisa que venho desenvolvendo atualmente sobre escravidão e formação das relações

Leia mais

Racismo na justiça, no trabalho,na rua

Racismo na justiça, no trabalho,na rua FÓRUM QUANDO O PRECONCEITO TEM COR. REFLEXÕES SOBRE O RACISMO PENSES - Movimento pela Despatologização da Vida. Racismo na justiça, no trabalho,na rua Prof. Dr. Ramatis Jacino Nenhuma pessoa branca que

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

A abordagem da Matemática Financeira nas escolas: uma proposta didática para EJA

A abordagem da Matemática Financeira nas escolas: uma proposta didática para EJA A abordagem da Matemática Financeira nas escolas: uma proposta didática para EJA Vanessa de Albuquerque Laport (aluna) 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Esta pesquisa norteará

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

SER OU NÃO SER : A PROFISSÃO DOCENTE NAS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS ESCOLAS DO CAMPO

SER OU NÃO SER : A PROFISSÃO DOCENTE NAS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS ESCOLAS DO CAMPO SER OU NÃO SER : A PROFISSÃO DOCENTE NAS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS ESCOLAS DO CAMPO Univille Universidade da Região de Joinville anahostin@gmail.com INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

PESQUISAS SOBRE A IMIGRAÇÃO ESPANHOLA NO RIO GRANDE DO SUL

PESQUISAS SOBRE A IMIGRAÇÃO ESPANHOLA NO RIO GRANDE DO SUL PESQUISAS SOBRE A IMIGRAÇÃO ESPANHOLA NO RIO GRANDE DO SUL Drª Regina Weber Daiane Souza Renata K. Veleda Vagner M. Corrêa Aluisio Lessa Os espanhóis chegaram ao Rio Grande do Sul, o estado mais meridional

Leia mais

Exercícios Migrações Internacionais

Exercícios Migrações Internacionais Exercícios Migrações Internacionais Material de apoio do Extensivo 1. Nas últimas décadas do século XX, o número de migrantes internacionais aumentou de forma significativa [ ] por causa das disparidades

Leia mais

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Maria Rosa Lombardi: Em geral, essa discriminação não é explícita, o que torna mais difícil

Leia mais

Redescobrindo o Poder Judiciário Paranaense: o acervo do arquivo Público do Paraná Bruna Marina Portela 1

Redescobrindo o Poder Judiciário Paranaense: o acervo do arquivo Público do Paraná Bruna Marina Portela 1 Redescobrindo o Poder Judiciário Paranaense: o acervo do arquivo Público do Paraná Bruna Marina Portela 1 Um trabalho inovador No primeiro semestre de 2004, o Arquivo Público do Paraná inovou o trabalho

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

(Adaptado de: . Acesso em: 26 jul. 2014.)

(Adaptado de: <http://www2.sabesp.com.br/mananciais/divulgacaositesabesp.aspx>. Acesso em: 26 jul. 2014.) GEOGRFI 1 Leia o texto e as figuras a seguir. O conhecimento da geografia contribui para que a sociedade tenha uma melhor compreensão dos problemas ambientais. falta d água no Sistema Cantareira do estado

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Do Sr. NELSON GOETTEN) Altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 1941 Código de Processo Penal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 1941

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov.

Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov. Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov.br 51-3288 1936 NETP/RS Secretaria da Segurança Pública do Estado É um dos programas

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO 1895-2009

ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO 1895-2009 ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO 1895-2009 Pedro de Brito de Soares Diretor de Conservação de Documentos Ana Souza Diretora de Arquivos Permanentes Márcia Alkmim Técnica em Documentação de Arquivo 1 ÁREAS DE GUARDA

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais