FACULDADE NOVOS HORIZONTES O CAMELÔ E O SHOPPING POPULAR NA REALIDADE DE BELO HORIZONTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE NOVOS HORIZONTES O CAMELÔ E O SHOPPING POPULAR NA REALIDADE DE BELO HORIZONTE"

Transcrição

1 FACULDADE NOVOS HORIZONTES O CAMELÔ E O SHOPPING POPULAR NA REALIDADE DE BELO HORIZONTE Daniela Laviola Rossi Matos Caldeira Luiz Flávio Silva Villani Mônica Figueira Dias Maurício dos Santos Sebastião Marcos Eduardo Lopes Philipe Eustáquio Teixeira de Assis Tacco Orientador: Prof. Hugo Schayer Sabino 2º SEMESTRE Belo Horizonte, outubro de 2007.

2 CURSO: DIREITO PROJETO INTERDISCIPLINAR 2º. SEMESTRE TEMA: O direito nos âmbitos econômico, político e social SUBTEMA: O camelô e o shopping popular na realidade de Belo Horizonte Grupo: S2DI1-G3 Orientador: Prof. Hugo Schayer Sabino Trabalho apresentado como requisito para a disciplina Projeto Interdisciplinar do curso de Direito da Faculdade Novos Horizontes. Belo Horizonte, 30 de outubro de 2007.

3 RESUMO O nosso grupo realizou um estudo sobre a realidade dos camelôs e shoppings populares em Belo Horizonte. Dando início ao trabalho, procuramos a definição de camelô e empresário, pesquisamos como foi o projeto coordenado pela Prefeitura de Belo Horizonte, de retirada dos camelôs das ruas e fizemos um levantamento bibliográfico sobre o tema em uma perspectiva histórica do Direito Comercial. Para a pesquisa de campo, elaboramos alguns roteiros de entrevista para: - os lojistas dos shoppings populares; - o representante da Prefeitura de Belo Horizonte; - o representante da Associação dos Trabalhadores Informais; - os clientes - e os lojistas legalmente estabelecidos no hiper-centro, nas proximidades dos locais onde ficavam os camelôs. O objetivo foi verificar os pontos positivos e negativos da mudança dos camelôs para os shoppings populares em seus aspectos econômico, político e social. Os resultados da pesquisa mostraram que a mudança foi adequada pois proporcionou uma grande melhora no aspecto visual e na circulação nas ruas do hiper-centro, além de melhores condições de trabalho para o camelô. Porém, percebemos que a questão é bastante polêmica, pois ao prentender dar um apoio social aos camelôs, a PBH passa uma imagem de permissividade para não pagar tributos e nem registrar seus funcionários. Palavras-chaves: Camelô; Shopping Popular; Trabalhador Informal; Empreendedor Popular.

4 SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA REFERENCIAL TEÓRICO PESQUISA DE CAMPO CONCLUSÃO...15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...17 ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA DA ASSOCIAÇÃO DOS TRABALHADORES DA ÁREA INFORMAL ANEXO II ROTEIRO DE ENTREVISTA DOS TRABALHADORES DA ÁREA INFORMAL...19 ANEXO III ROTEIRO DE ENTREVISTA DOS LOJISTAS LEGALMENTE ESTABELECIDOS...27 ANEXO IV ROTEIRO DE ENTREVISTA DOS CLIENTES ANEXO V ROTEIRO DE ENTREVISTA DO REPRESENTANTE DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE ANEXOS...18

5 1. INTRODUÇÃO A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio do Programa Centro Vivo, um conjunto de obras e projetos sociais que visam recuperar toda a área central da cidade, proporcionando uma cidade mais limpa e organizada, iniciou, em 1998, o cadastramento dos camelôs para posterior retirada e realocação. Os camelôs fizeram um acordo com a Prefeitura de Belo Horizonte e assinaram um contrato de locação com proprietários de imóveis particulares, recebendo a denominação de empreendedores populares. No projeto, foi feito o remanejamento dos camelôs das ruas para espaços fechados, criando-se então o Shopping Popular Oiapoque. Em 2004, entrou em vigor na Capital o Código de Posturas do Município, que proíbe o comércio informal no logradouro público. Na época em que ocorreu a retirada dos camelôs das ruas, a atitude gerou muita polêmica entre a população, pois a ação da Prefeitura passou uma imagem de proteção para não pagamento de impostos. Mas os shoppings populares expandiram com sucesso e hoje temos alguns exemplos como: Oiapoque (popularmente chamado Oi ), Xavantes, Tupinambás, Caetés e Tocantins.

6 2. OBJETIVO O objetivo do nosso trabalho é retratar a realidade dos camelôs de Belo Horizonte e suas atividades realizadas nos shoppings populares da Capital, considerando diversos âmbitos do direito, e apresentar alguns pontos favoráveis e outros desfavoráveis. Por considerarmos que este tema envolve o direito nos seus diversos âmbitos: político, econômico e social, ele foi escolhido para desenvolvermos o projeto interdisciplinar. 3. METODOLOGIA Para o desenvolvimento do trabalho, primeiramente fizemos uma pesquisa bibliográfica sobre o Comércio e sua relação com o Direito. Abordamos seu histórico, os pressupostos e os problemas enfrentados nas relações entre o Direito e o camelô. Considerando a importância de retratar a prática, elaboramos roteiros de entrevistas que foram aplicados aos lojistas dos locais onde os camelôs ficavam, aos próprios que foram transferidos e aos consumidores dos shoppings populares. Com isso, buscamos fundamentos para analisar o ponto de vista de cada um dos envolvidos e mostrar como é a realidade dos empreendedores populares de Belo Horizonte, levantando os pontos positivos e negativos desta situação. 6

7 4. REFERENCIAL TEÓRICO Segundo o art. 966 do Código Civil Brasileiro, considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou serviços. Analisando esse artigo, concluímos que os camelôs também podem ser considerados empresários. Camelô vem de camelot, vocábulo em francês, que significa "vendedor de artigos de pouco valor"). Usualmente, é como designamos os vendedores de rua. O camelô difere-se do ambulante por ter um ponto fixo na calçada. Geralmente, ocupa as calçadas dos centros comerciais de forma desordenada, atrapalhando a passagem dos pedestres. O Direito Comercial é o ramo de Direito Privado que tem por objeto regular o comércio. Segundo Rubens Requião (2006, p.4), o comércio é uma atividade humana que põe em circulação a riqueza produzida, onde, sempre há uma mercadoria-padrão, que serve de intermediária no processo circulatório. Inicialmente foi o direito do comerciante, que assim perdurou por muitos séculos, ou seja, a partir da primeira troca até o aparecimento das Ordenanças de Colbert, já no século XVIII, que anteciparam em alguns anos o verdadeiro marco de transformação e afirmação definitiva do Direito Comercial, que foi o Código Comercial de Napoleão de De acordo com Requião (2006), os atos do comércio adquiriram as características fundamentais que são a mediação do comerciante e conseqüentemente a sua busca à especulação. O núcleo do Direito Comercial 7

8 é o costume (consuetudo mercatorum). O Direito Comercial marítimo antecedeu o terrestre devido as vias naturais de comunicação serem as águas dos rios e mares. São originárias da ilha de Rodes as primeiras normas de direito comercial não escritas. Entretanto, as primeiras leis comercias escritas são italianas, vindas da Idade Média e foram os comerciantes, e não os juristas e legisladores, os criadores do Direito Comercial. Conforme Requião (2006), era considerado um direito especial e particular de uma classe profissional privilegiada, ou seja, a burguesia, e era caracterizado por seu aspecto consuetudinário, estatutário, eqüitativo. Sendo enfim um direito particularista, de exceção, somente dos mercadores que compunham essa burguesia italiana. Sabe-se que no Brasil, inicialmente, o comércio e a produção em si eram controladas pelas chamadas Ordenações Filipinas vigentes no século XVII (1603) até a edição do Código Comercial, em 1850, na gestão do Imperador D. Pedro II. Esse Código foi uma das normas mais duradouras da história brasileira, sendo que a parte que diz respeito ao comércio em geral esteve em vigor até a vigência do Código Civil (Lei /2002). Sua segunda parte ainda está em vigor e cuida do comércio marítimo. Modernamente, o Direito Comercial é chamado de Direito Empresarial e, nos dizeres de Maria Helena Diniz, é o conjunto de normas disciplinadoras da atividade negocial do comerciante e de qualquer pessoa, física ou jurídica, destinadas a fins de natureza econômica, desde que habitual e dirigida à produção de bens ou serviços conducentes a resultados patrimoniais ou lucrativos. (DINIZ, 1988, p.146) 8

9 Atualmente, observamos o florescer de um novo sistema comercial, com paradigmas completamente inovadores e baseados em blocos econômicos, como a Comunidade Européia e o nosso Mercosul. Os próprios ventos do neoliberalismo com a chamada globalização também contribuem para dar um novo conceito ao comércio e à atividade econômica, na medida em que as tarifas alfandegárias e a atuação global dos comerciantes permitiram que hoje se comercializem, por exemplo, produtos chineses, japoneses, norte-americanos e europeus em shopping-centers populares. 9

10 5. PESQUISA DE CAMPO Entrevistamos a Presidente da Associação da Economia Informal do Canteiro (ASSEIC), Rosemary da Silva, que nos informou sobre o funcionamento da economia informal (Anexo I). Segundo ela, os trabalhadores da área informal não pagam tributos e não tem vínculo com a Prefeitura. No início do funcionamento dos shoppings populares, a Prefeitura fez o cadastro dos camelôs que ficavam nas ruas, separados por corredores, ou canteiros, denominação dada pela Prefeitura aos passeios das ruas e avenidas ocupadas por eles. Com o Código de Posturas em vigor, a Prefeitura retirou os trabalhadores dos canteiros, alojando-os no Shopping Oiapoque. Pelo acordo realizado com a Prefeitura, eles seriam alojados em shoppings e pagariam o aluguel para o administrador do shopping, o qual foi designado pela Prefeitura. A presidente da ASSEIC considera que a administração do shopping Oiapoque atualmente é péssima, porque o administrador quer aumentar o aluguel, que hoje é R$ 321,00, em aproximadamente 500%. Além disso, é cobrada taxa de condomínio (R$ 250,00), e o shopping nunca proporcionou nenhuma infra-estrutura. Foram os próprios trabalhadores da área informal que fizeram as benfeitorias do box, como, por exemplo, a colocação de portas de aço e piso. Eles também fizeram o registro na Prefeitura, mas quem trabalha para eles não possui nenhum tipo de registro, nem vínculo empregatício. Antes do Código de Posturas ser implantado, o fiscal da Prefeitura fazia o cadastro daqueles que trabalhavam nos canteiros e eles foram levados 10

11 para o shopping popular. Hoje, no shopping Oiapoque, não existe nenhum tipo de cadastro com a Prefeitura, as negociações são feitas diretamente com o proprietário. Ela também nos informou que existe na Assembléia Legislativa de Minas Gerais uma proposta da Comissão de Asssuntos Municipais e Regionalização, presidida pelo Deputado Weliton Prado, para desapropriação do Shopping Oiapoque em benefício dos trabalhadores da área informal daquele Shopping. Segundo Mário Valadares, administrador e proprietário do Shopping Oiapoque, em reportagem ao Estado de Minas, hoje existe um programa de incentivo para regularizar o comércio no shopping Oiapoque. Das 800 lojas, 120 já estão legalizadas, e, para renovar os contratos de locação, está sendo exigido a abertura de empresa. Além disso, o Oiapoque está até lançando um cartão de crédito próprio, que só poderá ser usado em lojas com produtos legalizados. O que antes era informal está se transformando em comércio formal. Em entrevista ao administrador do shopping Caetés, ele nos disse que os lojistas de lá não pagam nenhum tributo e não costumam fazer reclamações. Nos shoppings Caetés e Tocantins, que são administrados pela Prefeitura de Belo Horizonte, o aluguel tem o custo de R$ 250,00 e a taxa de condomínio é R$ 70,00 Dando seqüência ao nosso trabalho, entrevistamos alguns trabalhadores da área informal nos shoppings Oiapoque, Caetés e Tocantins 11

12 (Anexo II). Constatamos que há uma variedade na denominação que eles dão à sua profissão. A maioria se considera comerciante, mas há também os que se intitulam microempresários, vendedor ambulante ou trabalhador informal. Antes de ir para o shopping popular, a maioria trabalhava nas ruas, sendo que três eram trabalhadores do setor formal. Questionados sobre as conseqüências da mudança para o shopping popular, a maioria dos entrevistados considera que a mudança foi positiva pois, nas ruas, não era fácil acondicionar as mercadorias e, no shopping, há maior segurança para as mesmas. Alguns consideram que a mudança foi negativa, pois as despesas aumentaram (condomínio, aluguel) e a concorrência aumentou e diminuiu o número de clientes. Com relação à renda mensal, a maioria dos trabalhadores informais considera que houve um aumento na renda, e a minoria considerou que ela permaneceu estável ou diminuiu. Perguntados sobre a condição de trabalho, a maioria dos trabalhadores pensa que houve uma melhora, pois eles não ficam expostos ao tempo, podem usar o banheiro, tem água à vontade para beber e não precisam procurar local para guardar suas mercadorias. Em razão de todos os aspectos relatados, a maioria se sente mais valorizado por estar no shopping popular, sendo que um deles falou que não precisa mais correr da fiscalização e é reconhecido no seu trabalho. A maioria faz um balanço positivo e pensa que a mudança para o shopping popular valeu a pena. 12

13 Além disso, a maioria dos entrevistados pensa que novos shoppings populares não deveriam ser abertos por causa da concorrência. Já outros pensam que novos shoppings populares deveriam ser abertos em bairros. Também entrevistamos os comerciantes legalmente estabelecidos no hiper-centro onde os camelôs trabalhavam anteriormente (Anexo III). Eles pensam que foi boa a mudança dos camelôs para o shopping popular porque as suas barracas dificultavam a entrada dos clientes nas lojas e atrapalhavam a visualização das vitrines. O número de pessoas que freqüentam a sua loja aumentou devido à facilidade de transitar no local. Conseqüentemente, o faturamento deles também aumentou pois, nas lojas, as pessoas procuram produtos de qualidade com nota fiscal e garantia, e existe um cliente mais elitista. Em relação à segurança, também houve uma melhora, pois antes os ladrões conseguiam se esconder entre as barracas, e hoje não existe mais esse problema, diminuindo assim o número de furtos. Ao questionar clientes do shopping popular (Anexo IV), alguns consideraram uma ótima idéia a retirada dos camelôs das ruas pois diminuiu o número de trombadinhas. Outros dizem que é mais fácil fazer compras no shopping popular onde está tudo concentrado em um local e as mercadorias são mais baratas que nas lojas convencionais. Com relação à diferença entre o preço praticado hoje no shopping popular e o que se praticava nas ruas, o cliente não notou diferença. A respeito da segurança, eles pensam que o número de furtos diminuiu, pois, na confusão das barracas, era mais fácil passar a mercadoria furtada adiante. O cliente é 13

14 favorável à abertura de novos shoppings populares nos bairros, porque acredita já existirem muitos no centro. Finalizando a nossa pesquisa de campo, procuramos a Prefeitura de Belo Horizonte e entrevistamos o Gerente Regional de Centros de Comércio Popular da Prefeitura de Belo Horizonte, Sr. Welton Petrilho Malta (Anexo V). Ele nos disse que os shoppings populares de Belo Horizonte se dividem em dois grupos: o 2, com os Shoppings Caetés e Tocantins, e o 3, com os Shoppings Oiapoque, Xavantes e Tupinambás. A diferença entre os grupos é que o primeiro (2) tem uma parte que pertence à Prefeitura. Portanto, os seus integrantes pagam o aluguel (R$ 224,00, já incluído condomínio) à Administração da Prefeitura. Eles assinaram um termo de permissão de uso e são controlados pela Prefeitura. Já o segundo grupo (3) pertence à iniciativa privada e seus integrantes pagam o aluguel/condomínio diretamente aos proprietários dos imóveis, que fizeram um contrato de locação regido pela indeterminação de prazo. Segundo Sr. Welton, a Prefeitura acompanhou o processo de adaptação, mas, após estarem estabilizados, não interferiu mais na administração. Hoje, apenas participa das reuniões mensais no Shopping Oiapoque, que foi o primeiro idealizado pela Prefeitura. Ele considera que o objetivo inicial foi alcançado, que era retirar os camelôs das ruas e colocá-los em um local pré-determinado. De acordo com Sr. Welton, em todos os shoppings populares, as pessoas que lá trabalham não são registradas, geralmente são familiares, e a Prefeitura apenas fiscaliza se não há trabalho infantil. 14

15 6. CONCLUSÃO Percebemos que a retirada dos camelôs para os shoppings populares foi bastante positiva pois melhorou o trânsito e o aspecto visual do centro da cidade. Beneficiou os trabalhadores da área informal, que adquiriram um espaço digno para exercerem suas atividades, os lojistas do centro, que retomaram a visibilidade de suas vitrines, e o público em geral, que ganhou com a desobstrução e melhora na higiene das ruas centrais. A iniciativa da Prefeitura de Belo Horizonte foi elogiada por todos e teve repercussões nos aspectos político, econômico e social. No entanto, a forma como ocorreu esta retirada das ruas têm gerado polêmica, porque a ilegalidade não é admitida pelo Estado e a imagem passada para a sociedade é a de que o Estado concorda com a informalidade dos lojistas dos shoppings populares. O camelô deixou de ser comerciante da rua e teve o seu local de trabalho transformado em pequena loja com aluguel e taxas a pagar. Ele recebeu da prefeitura a denominação de empreendedor popular e assinou um contrato de locação. Mas, atualmente, quem está administrando os shoppings populares está estipulando os valores de aluguel e condomínio que lhe convém, sem levar em consideração a renda dos trabalhadores lá instalados. Além disso, como no shopping popular a prática adotada é não pagar tributos e o movimento está muito bom, notamos que alguns lojistas que possuíam estabelecimentos no centro estão se mudando para lá e entrando para a informalidade. (Anexo II 2º e 9º entrevistados) 15

16 Pensamos que seria interessante a Prefeitura manter uma fiscalização e estipular algumas regras para a ocupação destes locais. A lei orgânica de Belo Horizonte, em seu artigo 12, XXII, já diz que compete ao município regulamentar e fiscalizar o comércio ambulante. Apesar do comércio não ser mais ambulante, pois hoje está fixo no shopping popular, é interessante promover o controle do mesmo para que não se desvirtue do objetivo inicial. 16

17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Código Civil e Constituição Federal. 58. ed. São Paulo: Saraiva, Criação de Shoppings Populares. Disponível em: <http://www.vivabh.org.br/projetos.html#populares> Acesso em: 30/08/2007 CHOUCAIR, Geórgea. Aluguel no Shopping Oiapoque supera o da Savassi. Disponível em: <http://www.uai.com.br/uai/html/sessao_4/2007/08/23/em_noticia_interna,id_s essao=4&id_noticia=26453/em_noticia_interna.shtml> Acesso em: 30/08/2007. DINIZ, Maria Helena. Dicionário Jurídico. São Paulo: Saraiva, MAMEDE, Gladson. Manual de Direito Empresarial. São Paulo: Atlas, MARTINS, Fran. Curso de Direito Comercial: empresa comercial, empresários individuais, microempresas, sociedades comerciais, fundo de comércio. Ed.rev.e atual. Rio de Janeiro: Forense, Polícia Civil apreende produtos falsificados. Exercícios da Autonomia. Estado de Minas, Minas Gerais, 3 de outubro de REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial. v.1. Saraiva, ed. São Paulo: 17

18 ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA DA ASSOCIAÇÃO DOS TRABALHADORES DA ÁREA INFORMAL 1) Quais os tributos pagos pelos trabalhadores da área informal? Por serem trabalhadores informais, não existem pagamentos de tributos. 2) Como está a administração dos shoppings populares? A administração do shopping popular está sendo realizada diretamente com o suposto proprietário do shopping. Sendo assim, a Prefeitura não tem mais responsabilidade na administração do mesmo. Com isso, posso dizer que a administração está péssima, pois não podemos fazer mais nada, quem manda é o administrador. 3) Como é o registro e controle do trabalhador da área informal que trabalha nos shoppings populares? E dos que trabalham nas ruas? Não há registros dos trabalhadores. 4) Quais os requisitos necessários para o trabalhador da área informal se inscrever na prefeitura? Antes do Código de Posturas, havia um cadastro na prefeitura por um fiscal de corredor (das ruas). Após o Código de Posturas, todos os cadastrados por este fiscal tiveram acesso. Hoje, o cadastro e a negociação são feitas diretamente com o proprietário, abrindo brechas para o empresário formal também adquirir um box nos shoppings populares, tornando assim trabalhadores informais.

19 ANEXO II ROTEIRO DE ENTREVISTA DOS TRABALHADORES DA ÁREA INFORMAL 1º entrevistado Shopping Oiapoque 1) Qual a denominação que você dá para a função que você exerce? Comerciante da área informal. 2) O que você fazia antes de ser comerciante informal/camelô? Empregado da área formal. 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou em sua vida? Na rua, as mercadorias estragavam, e, com o shopping, não. 4) A sua renda mensal modificou com essa mudança? Diminuiu ou aumentou? Não. Continua a mesma. Porque aumentou a concorrência em números de comerciantes, antes eram 294 e passou pra 900, e também por causa do valor do condomínio, aluguel e funcionário. 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Porquê? Melhorou. Nas ruas era complicado, não tinha 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Mais valorizado, por causa de toda infra-estrutura que foi montada pelos mesmos e os clientes conquistados. 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Valeu a pena, pela valorização do meu trabalho. 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Não, os outros Tupinambás/Xavantes não tem o mesmo movimento de clientes. 2º entrevistado Shopping Oiapoque 1) Qual a denominação que você dá para a função que exerce? Trabalhador informal.

20 2) O que você fazia antes de ser trabalhador informal/camelô? Empregado do setor privado. 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou na sua vida? Nada, pois sempre fui do ramo privado. 4) A sua renda mensal modificou com esta mudança? Diminuiu ou aumentou? Estável. 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Porquê? Mesma coisa. 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Nunca trabalhei na rua. 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Com certeza. 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Não deve ser aberto; as condições de concorrência aumentando, diminuiria condição de trabalho. 3º entrevistado Shopping Oiapoque 1) Qual a denominação que você dá para a função que exerce? Comerciante após a ida para o shopping, mas antes era camelô mesmo. 2) O que você fazia antes de ser trabalhador informal/camelô? Sempre fui camelô, criei meus filhos assim. 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou na sua vida? Piorou, perdi meus clientes, aqui tem muita concorrência, aí os clientes se dividiram. 4) A sua renda mensal modificou com esta mudança? Diminuiu ou aumentou? Piorou. Porque aqui tem que gastar pagando aluguel, condomínio, muito gastos que antes não tinha.

21 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Por quê? Não. Porque tenho muita despesa e meus clientes não compram mais aqui, antes eles compravam sempre. 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Não, pra quem esta de fora, foi bom, pra nós, não. 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Não, pra mim, não. 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Não. Deveria voltar para as ruas. 4º entrevistado Shopping Oiapoque 1) Qual a denominação que você dá para a função que exerce? Camelô antes, e comerciante agora. 2) O que você fazia antes de ser trabalhador informal/camelô? Sempre comerciante (ambulante). 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou na sua vida? Piorou, por causa do aluguel, preocupo com os impostos que vou ter que pagar se precisar registrar minha barraca. 4) A sua renda mensal modificou com esta mudança? Diminuiu ou aumentou? Piorou. Por causa das despesas, da concorrência. Aluguei esse box sem nada, eu que fiz essas melhorias, e agora querem aumentar o aluguel, antes não tinha esse tanto de coisa pra pagar. 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Por quê? Piorou. Por causa das despesas. 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Melhorou somente na aparência.

22 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Aqui é melhor se trabalharem dentro da lei, sem cobrar muito, agora, em relação ao movimento na rua, era melhor. 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Não. Já chega porque tem muita concorrência. 5º entrevistado Shopping Oiapoque 1) Qual a denominação que você dá para a função que exerce? Comerciante. 2) O que você fazia antes de ser trabalhador informal/camelô? Sempre trabalhei no comércio. 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou na sua vida? O ambiente ficou mais seguro. 4) A sua renda mensal modificou com esta mudança? Diminuiu ou aumentou? Aumentou. 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Por quê? Aumentou. 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Sim. Por que aqui é melhor que na rua. 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Valeu. 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Sim. No bairro.

23 6º entrevistado Shopping Oiapoque 1) Qual a denominação que você dá para a função que exerce? Microempresário. 2) O que você fazia antes de ser trabalhador informal/camelô? Sempre trabalhei com isso. 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou na sua vida? Sim. 4) A sua renda mensal modificou com esta mudança? Diminuiu ou aumentou? Sim, melhorou. 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Por quê? Sim. Por que aqui tem mais segurança, movimento, e o ambiente é melhor. 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Sim, não muito. 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Sim. 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Sim. Se for regularizada, nos bairros. 7º entrevistado Shopping Oiapoque 1) Qual a denominação que você dá para a função que exerce? Vendedor ambulante. 2) O que você fazia antes de ser trabalhador informal/camelô? Sempre fui vendedor ambulante. 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou na sua vida? Aumento nas vendas.

24 4) A sua renda mensal modificou com esta mudança? Diminuiu ou aumentou? Sim, sem dúvida aumentou. 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Por quê? Sim. Melhorou a segurança, o conforto e o aumento nas vendas. 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Sim. O povo que vem aqui nos valoriza mais. 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Não respondeu. 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Não respondeu. 8º entrevistado Shopping Oiapoque 1) Qual a denominação que você dá para a função que exerce? Microempresário. 2) O que você fazia antes de ser trabalhador informal/camelô? Metalúrgico. 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou na sua vida? Sim. 4) A sua renda mensal modificou com esta mudança? Diminuiu ou aumentou? Sim. Aumentou. 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Por quê? Sim. 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Sim. 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Sim.

25 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Sim. Região do Barreiro, Venda Nova. 9º entrevistado Shopping Caetés 1) Qual a denominação que você dá para a função que exerce? Comerciante. 2) O que você fazia antes de ser trabalhador informal/camelô? Era lojista na porta do prédio onde hoje é o shopping Caetés (Rua Rio de Janeiro). 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou na sua vida? Nada mudou, pois continuo sendo comerciante. 4) A sua renda mensal modificou com esta mudança? Diminuiu ou aumentou? Não. Minha renda permanece equilibrada. 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Por quê? Não. Com a loja para a rua, a vitrine era melhor vista pelos clientes. Aqui dentro do shopping, falta divulgação. 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Sim. É melhor dizer que eu tenho uma loja no shopping popular. 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Sim. No meu caso, se não viesse para cá, eu seria desapropriada. 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Sim. No centro. Porém, com um aluguel menor do que este (R$ 250). É muito caro! Além disso, mesmo pagando condomínio (R$ 70,00), não temos limpeza freqüente, e, para usarmos os dois banheiros existentes, temos que pagar. 10º entrevistado Shopping Tocantins 1) Qual a denominação que você dá para a função que exerce? Vendedor de shopping popular.

26 2) O que você fazia antes de ser trabalhador informal/camelô? Era camelô. 3) Com a mudança para o shopping popular, o que mudou na sua vida? Muita coisa. Deixei de se perseguido todos os dias pelos fiscais da PBH, não fico exposto ao sol e à chuva. 4) A sua renda mensal modificou com esta mudança? Diminuiu ou aumentou? A renda até aumentou. Mas eu pago aluguel (R$ 250,00) para o administrador (que não é da PBH, é o dono do shopping) e pago condomínio. No final, fica tudo a mesma coisa. 5) Você considera que sua condição de trabalho melhorou com a mudança para o shopping popular? Por quê? Claro. Não há sol, chuva, fiscais e correria. 6) Você se sente mais valorizado por estar no shopping e não na rua? Sim, aqui sou comerciante. 7) Considerando todos os aspectos, a mudança valeu a pena? Foi ótimo. Apesar desse aluguel caríssimo, valeu sim. 8) Você acha que novos shoppings populares devem ser abertos no centro de Belo Horizonte ou em outros locais? Aqui no centro não, é mais concorrente. Joga lá para os bairros.

Microempreendedor Individual

Microempreendedor Individual Microempreendedor Individual Tópico 1 A dura vida do informal A vida do trabalhador informal não é fácil. A informalidade traz uma série de prejuízos para o microempreendedor. Veja se você se encaixa em

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL Autor(es) FATIMA ANDREA KISIL MENDES Orientador(es) RENATA RIVELLI MARTINS SANTOS 1. Introdução

Leia mais

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações Mar/Abr 2015 ANO III Nº 16 R E V I S TA A REVISTA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Arranha-céu Ecológico O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Leia mais

A COMIDA DE RUA AGORA É LEI EM SÃO PAULO

A COMIDA DE RUA AGORA É LEI EM SÃO PAULO A COMIDA DE RUA AGORA É LEI EM SÃO PAULO COMO OBTER AUTORIZAÇÃO PARA TRABALHAR COM A VENDA DE ALIMENTOS NA CIDADE Lei Municipal 15.947, de 26/12/ 2013 Projeto de Lei 311/2013 do Ver. Andrea Matarazzo Esta

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA]

PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA] PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA] OBJETIVO Diagnosticar a opinião de moradores proprietários de imóveis no Jardim Esplanada sobre a possível mudança de zoneamento de residencial para comercial

Leia mais

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual Apresentação Muitos brasileiros trabalham informalmente por conta própria, ou seja, não têm nenhum tipo de registro. E por isso ficam sem acesso a diversos benefícios, como a Previdência Social, cursos

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O guia online Vitrine de Guarulhos é um dos produtos do Grupo Vitrine X3, lançado no dia 11/11/11 com o objetivo de promover

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual

o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual sumário >> Introdução... 3 >> Você sabe o que é MEI?... 5 >> Quais as vantagens em ser um MEI?... 11 >> Quais as responsabilidades do MEI?... 14 >> Como

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / /

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / / FICHA DE CADASTRO EMPRETEC Município Data: / / Caro Empreendedor, Obrigado por seu interesse pelo Empretec, um dos principais programas de desenvolvimento de empreendedores no Brasil e no Mundo! As questões

Leia mais

Cartilha. Ourocap Fiador

Cartilha. Ourocap Fiador Faz diferença ter Ourocap Fiador na hora de alugar um imóvel. Cartilha Ourocap Fiador O Ourocap Fiador* é o título de capitalização que funciona como uma garantia de aluguel, facilitando sua vida na hora

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

EMPRESA F 1) A Empresa F possui estrutura de balcão de atendimento?

EMPRESA F 1) A Empresa F possui estrutura de balcão de atendimento? EMPRESA F 1) A Empresa F possui estrutura de balcão de atendimento? Já teve e tem inclusive proposta da ANATEL para reabrir as lojas. Algumas empresas já conseguiram liminares, cassando agravos para poder

Leia mais

PAINEL CONFIANÇA Propósito elevado Cultura consciente Liderança consciente Orientação para todos os envolvidos no negócio

PAINEL CONFIANÇA Propósito elevado Cultura consciente Liderança consciente Orientação para todos os envolvidos no negócio PAINEL CONFIANÇA 2 PAINEL CONFIANÇA O Capitalismo Consciente é uma nova abordagem para condução dos negócios que as melhores empresas do mundo estão adotando. Essas empresas são guiadas por um conjunto

Leia mais

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVO PRINCIPAL. Oferecer microcrédito para população de baixa renda, atendendo pessoas que não tem perspectivas e nenhum crédito nas instituições financeiras tradicionais. Acreditamos que,

Leia mais

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE Por: Alexandre Maldonado Autor do site Marketing para E- commerce www.marketingparaecommerce.com.br TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FIMT

MANUAL DO USUÁRIO FIMT FÁCIL IMÓVEL MT MANUAL DO USUÁRIO FIMT GESTOR IMOBILIÁRIO SANDRO RAMIRO 05/06/2015 Manual completo de funcionalidade do Sistema FIMT. Versão 2.0 INTRODUÇÃO PÁGINA INICIAL 03 ANUNCIANTE 04 LANÇAMENTO 05

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. LEVANTAMENTOS DOS PREÇOS DE MERCADO... 14 3. QUEM?... 20 4. O QUÊ?... 26 5. QUANTO... 30

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. LEVANTAMENTOS DOS PREÇOS DE MERCADO... 14 3. QUEM?... 20 4. O QUÊ?... 26 5. QUANTO... 30 1 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. LEVANTAMENTOS DOS PREÇOS DE MERCADO... 14 3. QUEM?... 20 4. O QUÊ?... 26 5. QUANTO... 30 6. ANALISANDO O PREÇO DE VENDA DOS CONCORRENTES... 37 7. PREÇO NO COMÉRCIO COM

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL Natal, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando compra...

Leia mais

LUCRO ESTOU SABENDO APURAR?

LUCRO ESTOU SABENDO APURAR? Ano 3 / N 15 LUCRO ESTOU SABENDO APURAR? Capa LUCRO ESTOU SABENDO APURAR? O conceito de Lucro pode ser objetivamente definido pela diferença entre a Receita e os Custos de uma empresa, mas se formos nos

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins - GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 Lucros Bons e Lucros Ruins Podemos pensar que lucrar é sempre bom,

Leia mais

04 Os números da empresa

04 Os números da empresa 04 Os números da empresa Além de conhecer o mercado e situar-se nele, o empreendedor tem de saber com clareza o que ocorre com os números de sua empresa. Neste capítulo conheça os principais conceitos,

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

INFORMAÇÕES ÚTEIS. 1 - Definição

INFORMAÇÕES ÚTEIS. 1 - Definição INFORMAÇÕES ÚTEIS Em pesquisa realizada pelo Banco Mundial o Brasil é um país que pode levar cerca de 5 meses para se legalizar uma empresa, mas o desemprego, a vontade de ter um negócio próprio, está

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 32 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 30/09/2013 Aos trinta dias do mês de setembro do ano de dois mil e treze, nesta cidade de

Leia mais

PESQUISA EXPECTATIVA DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS 2013

PESQUISA EXPECTATIVA DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 PESQUISA EXPECTATIVA DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 Setembro 2013 Índice 1 Características da Pesquisa... 03 2 Resumo Gerencial... 04 3 Questões... 05 ~ 2 ~ Objetivo 1. Características da Pesquisa Avaliar

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...) LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N.... Ano...) DISPÕE SOBRE O TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS ATRAVÉS DE TÁXI. O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no uso das atribuições que lhe

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

ONG ALTO ASTRAL REEDUCAÇÃO AMBIENTAL PROJETO ECOMÓVEL

ONG ALTO ASTRAL REEDUCAÇÃO AMBIENTAL PROJETO ECOMÓVEL A ONG ALTO ASTRAL 1. Nome do projeto de responsabilidade social. A Astral Saúde Ambiental, maior empresa de controle de pragas urbanas da América Latina, líder no mercado nacional com mais de 5.500 contratos

Leia mais

SEÇÃO II DA TAXA DE LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS

SEÇÃO II DA TAXA DE LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS CAPÍTULO II DAS TAXAS DECORRENTES DO EXERCÍCIO DO PODER DE POLÍCIA ADMINISTRATIVA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 82 - As taxas de licença têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia

Leia mais

SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS

SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS OUTUBRO/2013 FECOMERCIO/TO Hugo de Carvalho Presidente Anselmo da Silva Moraes Vice Presidente Silmara Lustosa Ribeiro Superintendente INSTITUTO FECOMÉRCIO/TO Hugo de

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALESSANDRA PAIXÃO HUNGRIA Mat: 0201010801 FABIANA SUELI DAMASCENO DOS SANTOS Mat: 0101009601

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS Minhas áreas de atuação são, pela ordem de número de eventos: Gestão de Projetos; Gestão de Ativos; Gestão de Segurança Industrial e Gestão Estratégica de empresas. Considero-me,

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Antônio Carlos Bento Ribeiro

Antônio Carlos Bento Ribeiro Antônio Carlos Bento Ribeiro Acredito que a Academia pode e deve participar do processo de renovação do Direito do Trabalho no Brasil. Centrada essencialmente nas transformações que têm afetado o mundo

Leia mais

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história Desafio Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história de recuperação, tradição e sucesso no varejo de material de construção mineiro. O único caminho a seguir,

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 6 PLANO DE NEGÓCIOS (PN): UMA VISÃO GERAL - O QUE É E PARA QUE SERVE? Plano de negócios (do inglês business plan), também chamado plano empresarial, é um documento que especifica, em linguagem

Leia mais

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A mudança do direito empresarial no direito brasileiro Elias Jacobsen Bana Com o advento do novo Código Civil em 2002, todo o sistema societário que antes existia passou a vigorar

Leia mais

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK.

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. Pesquisa sobre a experiência de compra em lojas de brinquedos Outubro 2012 Amostra 200 homens e mulheres com filhos entre 3 e 11 anos Mais de 51 anos 3% Sexo

Leia mais

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com.

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com. Controle Financeiro 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz Emerson Machado Salvalagio Quando abrimos uma empresa e montamos nosso próprio negócio ou quando nos formalizamos, após algum tempo

Leia mais

Adeus à informalidade

Adeus à informalidade Adeus à informalidade A UU L AL A M Ó D U L O 23 E agora? Hilda nunca tinha imaginado que era preciso tanto papel, tanta espera, tantas idas e vindas para abrir uma pequena empresa. De uma coisa, no entanto,

Leia mais

INFORMATIVO DEZEMBRO/2012

INFORMATIVO DEZEMBRO/2012 INFORMATIVO DEZEMBRO/2012 Caro vizinho/condômino, Chegamos ao final do ano e gostaria de dizer a todos que, apesar das dificuldades e obstáculos que tivemos no início desta gestão, estamos caminhando.

Leia mais

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente?

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? Revista da ESPM -101 Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? FÁTIMA MOTTA Graduada em Administração de Empresas (FMU) e Comunicação (ECA/USP) Pós -Graduada em Administração de Empresas (PUC/SP)

Leia mais

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA Priscila Zanotti Pizol e Luciana Zamprogne A Futura foi às ruas para saber mais a respeito do setor varejista da Grande Vitória, conhecer

Leia mais

A ZONA DE CONFORTO DOS ADVOGADOS: PORQUE OS ESCRITÓRIOS ABANDONAM O SUCESSO.

A ZONA DE CONFORTO DOS ADVOGADOS: PORQUE OS ESCRITÓRIOS ABANDONAM O SUCESSO. A ZONA DE CONFORTO DOS ADVOGADOS: PORQUE OS ESCRITÓRIOS ABANDONAM O SUCESSO. Caro Advogado, Gostaria de começar este artigo com a pergunta mais misteriosa do mundo jurídico: por que alguns escritórios

Leia mais

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA Nome: Juliana Malacarne de Pinho No. USP 7166759 Curso ECA: Jornalismo Dados do Intercâmbio Universidade: Universidade NOVA de Lisboa Curso: Comunicação Social Período:

Leia mais

Dicas de vendas para postos de combustível

Dicas de vendas para postos de combustível Dicas de vendas para postos de combustível Ao visitar um cliente em potencial, apresente-se e apresente sua empresa e produtos (Bom dia, meu nome é Tiago, sou representante comercial da Moura Informática,

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version RECOMENDAÇÃO Nº 002/2010 (Prodemac) O Ministério Público do Estado do Amapá, por seu representante legal com atuação na Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Conflitos Agrários, Habitação e Urbanismo,

Leia mais

01. No dia das mães você dará presente para algum dos familiares abaixo?

01. No dia das mães você dará presente para algum dos familiares abaixo? % PESQUISA: DIA DAS MÃES AMOSTRA: 830 pessoas 1 A 5 DE MAIO DE 2015 Brasil Metodologia: campo de rua e web Mãe é uma só, mas existe mais de uma. Neste Dia das Mães, avós, sogras e irmãs aparecem na lista

Leia mais

Peça de Teatro Sinopse Argumento

Peça de Teatro Sinopse Argumento 1 Peça de Teatro Sinopse Duas crianças da comunidade...(comunidade local onde será encenada a peça) se encontram, conversam à respeito de limpar a rua e ser útil de alguma forma para o meio em que habitam.

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

MISAEL COLLETA RIBEIRO. 1 Edição, Dezembro de 2014.

MISAEL COLLETA RIBEIRO. 1 Edição, Dezembro de 2014. 1 O CAMINHO PARA A INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA MISAEL COLLETA RIBEIRO Site: investimentosedinheiro.com.br E-mail: ebook@investimentosedinheiro.com.br Todos os direitos protegidos e reservados (Lei 9.610 de

Leia mais

UM ESTUDO CRÍTICO SOBRE O PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO ÁREA DE RISCO EM ÁREA DE RICOS NA AVENIDA FILADÉLFIA EM ARAGUAÍNA - TO

UM ESTUDO CRÍTICO SOBRE O PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO ÁREA DE RISCO EM ÁREA DE RICOS NA AVENIDA FILADÉLFIA EM ARAGUAÍNA - TO UM ESTUDO CRÍTICO SOBRE O PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO ÁREA DE RISCO EM ÁREA DE RICOS NA AVENIDA FILADÉLFIA EM ARAGUAÍNA - TO Antonio Marcos P. Marinho - Acadêmico do curso de Geografia do CAMUAR-UFT marcosnvo@hotmail.com

Leia mais

Consultoria, Assessoria e Desenvolvimento em Gestão de Projetos

Consultoria, Assessoria e Desenvolvimento em Gestão de Projetos OUTSOURCI NG Oferece tercerização de processos de negócios e alocação de recursos especializados nas áreas de tecnologia da informação, desenvolvimento e gerenciamento de projetos. Consultoria, Assessoria

Leia mais

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >>

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> Para se candidatar a Vaga de Promotor(a) iremos dividir por etapas a apresentação e o treinamento: Primeira Etapa: 1. Apresentação da Empresa e seus Canais de Vendas 2. Apresentação

Leia mais

www.uvaeverde.com.br

www.uvaeverde.com.br O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador na gestão de redes de franquia

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102 PROJETO Desafios e possibilidades para uma vida melhor Turma: 102 Carolina Clack, Gabriela Scheffer, Lauren Scheffer e Victória Gomes. Desafios e possibilidades para uma vida melhor Trabalho apresentado

Leia mais

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira Artigo 16 Como montar uma Cafeteira O consumo de café é um hábito entre os brasileiros, seja em casa, no trabalho ou na rua. Esse hábito vem crescendo e se modificando também. O interesse pelos cafés finos

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS

REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS 1 TRIBUTOS E ENCARGOS PREVIDENCIÁRIOS PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NEVES. B. K. B. Resumo: O resumo trata, dos tributos e encargos previdenciários das Micro Empresa e Empresa de Pequeno

Leia mais

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Gestão do Negócio: Fazer Vender Controlar Liderar

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Gestão do Negócio: Fazer Vender Controlar Liderar Atualização: SEBRAE-SP - Unidade de Políticas Públicas e Relações Institucionais UPPRI - 12 março 2013 Cartilha do 3 Microempreendedor Individual Gestão do Negócio: Fazer Vender Controlar Liderar imagens:

Leia mais

Não abra a carteira ou a bolsa na frente de estranhos. Separe pequenas quantias de dinheiro para pagar passagem, café, cigarros etc.

Não abra a carteira ou a bolsa na frente de estranhos. Separe pequenas quantias de dinheiro para pagar passagem, café, cigarros etc. Dicas de Segurança I Cuidados no dia-a-dia Nas Ruas Previna-se contra a ação dos marginais não ostentando objetos de valor como relógios, pulseiras, colares e outras jóias de valor. Evite passar em ruas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

www.icert.com.br / www.gestortotal.com.br

www.icert.com.br / www.gestortotal.com.br Empreendedorismo Pequeno empreendedor: Saiba como começar sua empresa 1. Como financiar um negócio 2. O MEI Microempreendedor Individual 3. Benefícios em formalizar sua empresa 4. Local para se formalizar

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública Nacional. Associação dos Magistrados Brasileiros AMB Voto, Eleições e Corrupção Eleitoral

Pesquisa de Opinião Pública Nacional. Associação dos Magistrados Brasileiros AMB Voto, Eleições e Corrupção Eleitoral Pesquisa de Opinião Pública Nacional Associação dos Magistrados Brasileiros AMB Voto, Eleições e Corrupção Eleitoral Julho de 2008 Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Eleições e Política Corrupção eleitoral

Leia mais

"Desvalorizar o real e abrir mais o País dariam um rumo à indústria"

Desvalorizar o real e abrir mais o País dariam um rumo à indústria Nº EDIÇÃO: 816 30.MAI.13 ENTREVISTAS Edmar Bacha, economista e ex-presidente do BNDES "Desvalorizar o real e abrir mais o País dariam um rumo à indústria" O economista Edmar Bacha, que integrou a equipe

Leia mais

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Um ótimo serviço pode se tornar ruim se os funcionários não confiam em si mesmos. Uma endoentrevista sobre endomarketing. Troquemos de lugar! O título é, sem dúvida,

Leia mais

Esta é a pesquisa de satisfação

Esta é a pesquisa de satisfação Esta é a pesquisa de satisfação dos usuários de saneamento básico realizada entre a categoria residencial dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário regulados pela Agência em 244 municípios

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

COMUNICADO 02/13. Senhores, segue Comunicado Oficial do Corpo Diretivo eleito para a Gestão 2013/2015:

COMUNICADO 02/13. Senhores, segue Comunicado Oficial do Corpo Diretivo eleito para a Gestão 2013/2015: COMUNICADO 02/13 Senhores, segue Comunicado Oficial do Corpo Diretivo eleito para a Gestão 2013/2015: AÇÕES EFETUADAS: 1) Gerente Operacional: Seleção e Contratação 1.1) O Sr. Marcelo Fernandes foi contratado

Leia mais

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Um pouco de história: Em 1934, Charles B. Darrow da cidade de Germantown no estado da

Leia mais

O Contrato de Shopping Center e a Responsabilidade do Empreendedor e da Administração perante o Consumidor. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

O Contrato de Shopping Center e a Responsabilidade do Empreendedor e da Administração perante o Consumidor. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda O Contrato de Shopping Center e a Responsabilidade do Empreendedor e da Administração perante o Consumidor Shopping Center Os Shopping Centers são compostos por um grupo de lojas que obedecem, a um planejamento

Leia mais

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança 03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança Render 5 Vezes Mais por Leandro Sierra Índice Apresentação...03 Introdução... 04 Passo 1...05 Passo 2... 08 Educação Financeira para a Segurança do seu Investimento...

Leia mais

ESPM ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING MBA EXECUTIVO EM MARKETING PLANO DE MARKETING. Faria Guaspari Administradora de Bens e Comércio Ltda

ESPM ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING MBA EXECUTIVO EM MARKETING PLANO DE MARKETING. Faria Guaspari Administradora de Bens e Comércio Ltda ESPM ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING MBA EXECUTIVO EM MARKETING PLANO DE MARKETING Faria Guaspari Administradora de Bens e Comércio Ltda David Guaspari Barreto dguaspari@terra.com.br Professor

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica A REFORMULAÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E

Leia mais

Pesquisa com Comerciantes de Artesanato setembro / 2013

Pesquisa com Comerciantes de Artesanato setembro / 2013 Pesquisa com Comerciantes de Artesanato setembro / 2013 1 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Viabilidade de Negócios. Serviço

Viabilidade de Negócios. Serviço Viabilidade de Negócios Serviço SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANALISANDO A VIABILIDADE DO NEGÓCIO... 12 3. INVESTIMENTOS FIXOS... 17 4. GASTOS FIXOS MENSAIS... 23 5. CAPITAL DE GIRO INICIAL... 38 6. INVESTIMENTO

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

BANRIDICAS FINANCEIRAS. A sua cartilha sobre Educação Financeira

BANRIDICAS FINANCEIRAS. A sua cartilha sobre Educação Financeira BANRIDICAS FINANCEIRAS A sua cartilha sobre Educação Financeira Planejando seu orçamento Traçar planos e colocar tudo na ponta do lápis - não é tarefa fácil, mas também não é impossível. O planejamento

Leia mais

PESQUISA DIA DOS PAIS - NATAL

PESQUISA DIA DOS PAIS - NATAL PESQUISA DIA DOS PAIS - NATAL 1 Natal, julho de 2015 Sumário 1. ASPECTOS TÉCNICOS... 3 2. SÍNTESE DOS RESULTADOS... 4 Presentes... 4 Gastos... 4 Local e quando compra... 4 Estratégias... 5 Passeio... 5

Leia mais

CARTILHA EDUCAÇÃO FINANCEIRA

CARTILHA EDUCAÇÃO FINANCEIRA CARTILHA EDUCAÇÃO FINANCEIRA ÍNDICE PLANEJANDO SEU ORÇAMENTO Página 2 CRÉDITO Página 12 CRÉDITO RESPONSÁVEL Página 16 A EDUCAÇÃO FINANCEIRA E SEUS FILHOS Página 18 PLANEJANDO SEU ORÇAMENTO O planejamento

Leia mais

guia prático volume I finanças

guia prático volume I finanças guia prático volume I finanças Manter-se bem informado para gerenciar seu consultório ou clínica da melhor maneira possível é fundamental para o sucesso. Dessa forma, além de obter um resultado final mais

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DIA DAS MÃES CAMPINAS SHOPPING E PORTO SEGURO CARTÕES

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DIA DAS MÃES CAMPINAS SHOPPING E PORTO SEGURO CARTÕES REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DIA DAS MÃES CAMPINAS SHOPPING E PORTO SEGURO CARTÕES A presente promoção denominada Promoção Dia das Mães Campinas Shopping e Porto Seguro Cartões é instituída pela Associação

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

Ata 2670 (dois mil seiscentos e setenta) da Câmara Municipal de Marumbi Estado do Paraná.

Ata 2670 (dois mil seiscentos e setenta) da Câmara Municipal de Marumbi Estado do Paraná. Ata 2670 (dois mil seiscentos e setenta) da Câmara Municipal de Marumbi Estado do Paraná. Aos (26) vinte e seis dias do mês de outubro de dois mil e quinze às 20hrs reuniram-se, nas dependências da Câmara

Leia mais

PANOPTISMO: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, A CIDADE VIGIADA, NA ÓTICA OFICAL

PANOPTISMO: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, A CIDADE VIGIADA, NA ÓTICA OFICAL PANOPTISMO: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, A CIDADE VIGIADA, NA ÓTICA OFICAL MACEDO¹, Diego; ANDRADE¹, Daniel; DÓRIA¹, Vinícius; GASPARETO¹, Darci. Orientador Prof. MSc RIBEIRO¹, Gilson. ¹Universidade do Vale do

Leia mais