BELO HORIZONTE E O ORFANATO PÃO DE SANTO ANTÔNIO: A PEDAGOGIA FRANCISCANA COMO PROPOSTA DE FORMAÇÃO. Anderson de Freitas Barros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BELO HORIZONTE E O ORFANATO PÃO DE SANTO ANTÔNIO: A PEDAGOGIA FRANCISCANA COMO PROPOSTA DE FORMAÇÃO. Anderson de Freitas Barros divaca@ig.com."

Transcrição

1 BELO HORIZONTE E O ORFANATO PÃO DE SANTO ANTÔNIO: A PEDAGOGIA FRANCISCANA COMO PROPOSTA DE FORMAÇÃO. Anderson de Freitas Barros Uma proposta de educação religiosa direcionada a determinados fundamentos humanistas franciscanos, tendo como referência valores como respeito, abertura para com o outro e promoção do próximo. Isso se torna o pressuposto inicial para uma reflexão sobre a pedagogia franciscana na formação do ser humano, da infância à juventude. De acordo com este referencial formativo, faz parte do processo apontar ao sujeito as metas e os caminhos a seguir, legitimados pela missão franciscana. A proposta de estudo tem como referência a fundação da Associação Pão de Santo Antônio, em Belo Horizonte, com sua prática social, que tem como objetivo principal auxiliar os mais necessitados, proporcionando tanto apoio espiritual, quanto corporal. Trata-se de uma ação embrionária no âmbito da caridade e da preocupação com o próximo, na qual pretende-se desenvolver valores religiosos e familiares no espaço de um orfanato. Construída em 04 anos 1894 / 1897, o plano de Belo Horizonte era copia do repertório urbanístico em voga no estrangeiro. Em nome da salubridade e da higiene, o projeto é redigido pela lógica segregacionista e por uma tendência à compartimentação dos espaços. O projeto de mudança da capital do Estado de Minas Gerais era um debate antigo, recorrente desde o período provincial, através do advento da República, momento em que se realinha uma nova ordem política no país, em que as elites mineiras encontram ocasião propícia para a implementação do projeto 1,em um contexto ideológico favorável a uma cultura reformista, que comunga a idéia de ruptura e de nova espacialidade; Ouro Preto, então capital de Minas, passa a ser relacionada ao passado monárquico e colonial, portanto, a um modelo político econômico associado ao atraso e a práticas conservadoras que se pretendem superar e esquecer. Os porta-vozes da mudança, a exemplo de toda a geração de intelectuais republicanos, assumem a missão de promover a renovação do espaço urbano, eleito território símbolo da instalação da ordem e progresso, domínio por excelência da experiência da modernidade 2. 1 Ver a respeito MELO, Ciro F.B. de. A noiva do trabalho uma capital para a República. In: BH: Horizontes Históricos.Belo Horizonte: C/ Arte, 1996.p Embora a afirmativa esteja presente em inúmeras teses e artigos, a citação foi feita a partir do ensaio de LEMOS, Celina.B A construção simbólica dos espaços da cidade. In: Belo Horizonte: espaços e tempos em construção. Belo Horizonte: CEDEPLAR/PBH, p

2 O sonho de inaugurar uma nova temporalidade esta refletido na utopia dos idealizadores da nova capital de Minas que planejam uma geografia urbana qual se contempla o que há de mais moderno. Centro, área suburbana, zona rural são os anéis concêntricos desenhados pelos projetistas. Lugares e papeis estão previamente determinados na lógica estruturante da nova capital: o centro é o território da civilidade e do moderno, ocupado pelas elites e segmentos médios, e as áreas adjacentes, preteridas pelo planejamento, se destinam as classes populares, excluídas das promessas do progresso. Em Belo Horizonte a modernidade, alheia a sua possibilidade de realizar uma emancipação sociopolítica, assume, desde o início, aspectos conservadores e autoritários, desenhando uma espacialidade normativa e excludente 3 (JULIÃO.1996,p.49). Áreas de lazer, prédios administrativos, transportes, redes de água e de esgoto, energia elétrica, mercado, cemitério, matadouro, hospital, Igreja e demais equipamentos públicos limitam-se à região urbana, núcleo acessível às conquistas da civilidade. O centro possui quarteirões e lotes bem divididos, ruas e avenidas largas, retas, arborizadas, entrecruzando-se como num tabuleiro de xadrez, estrutura que permite seu crescimento até o anel da contorno, muralha invisível a separar a zona urbana da suburbana. Em sintonia com as tendências urbanísticas do período, são mobilizados recursos técnicos voltados para a racionalização do espaço, reunindo os maiores elementos das cidades consideradas modelos: Paris, Buenos Aires, La Plata e Wanshington. O percurso da Comissão Construtora é sintomático das bases em que é concebido Belo Horizonte: da utopia para a realidade, da teoria para a práxis, do gabinete para o canteiro de obras (BARRETO.1995,p.95). Palco do encontro e do confronto das diversas classes sociais, as cidades do século XIX tornaram-se alvos da atenção de administradores, médicos, engenheiros e sanitaristas preocupados em disciplinar e neutralizar as ameaças representadas pela multidão. É esse o espírito que irá guiar a Comissão Construtora. Para Aarão Reis, engenheiro da Escola Politécnica e responsável pelo o desenho da planta da cidade, Belo Horizonte teria sido, então, uma oportunidade rara de colocar em 3 JULIÃO, Letícia. Belo Horizonte: itinerários da cidade moderna. In: BH Horizontes Históricos.Belo Horizonte: C / Arte, p

3 prática o projeto tantas vezes discutido de uma cidade racional, regenerada, para um homem novo 4. Uma vez escolhido o local da nova capital, não se cogita a reestruturação, reforma ou ampliação das instalações existentes no vilarejo do Curral Del Rei. Faz-se tábua rasa do passado com a completa demolição do povoado, idéia que parece traduzida, em Abílio Barreto, nas seguintes palavras: o homem do século XIX é também aquele que remodela as coisas e o espaço 5. De acordo com Brant: em 13 de junho de 1902, o Confrade Mário Augusto Brandão Amorim, Juiz de Direito substituto da Comarca, fundou inspirado em sua homônima de Diamantina erigida um ano antes, a Associação Pão de Santo Antônio, no dia da festa do Santo, junto com o primeiro Vigário na Matriz de São José em Belo Horizonte, Padre Pedro (Brant. 2002, p.32). A Associação Pão de Santo Antônio, formada por seus vinte e um Confrades de São José e mais o Vigário da Paróquia, tem por fim, em honra de Santo Antônio de Pádua, seu padroeiro, auxiliar quanto possível, a pobreza, proporcionando não só os socorros corporais como espirituais(brant. 2002, p.32). Tendo recebido em doação de terrenos no Centro da Cidade, confrontantes com uma área onde está erigida a capela do Rosário, foi construído um prédio e erguidas duas casas segundo o livro de Tombos da Igreja São José. Nesse momento, os Confrades já era discutido com as Irmãs Auxiliares da Piedade, presentes em Belo Horizonte, a fundação de um Asilo de Orfãs 6. Este Asilo, que seria no Edifício do Colégio Imaculada Conceição, localizado na rua Espírito Santo, foi estudado, redigindo-se um Estatuto em 1904, publicado no Minas Gerais no dia 07 de julho do mesmo ano. Reza o Estatuto publicado em Brant: Art.1 o O Asylo das Orphãs é uma instituição da Associação Pão de Santo Antônio, tendo sua sede em Bello Horizonte. A sua administração pertence à Directoria da mesma Associação, que confiará a direcção e economia interna do Asylo às Irmãs da Piedade. Art.2 o São admitidas como asyladas: a) As orphãs de três a doze (3 a 12) annos de idade, mediante guia do juiz de orphãs: 4 SALGUEIRO, Helena A.gotti. Engenheiro Aarão Reis: o progresso como missão.belo Horizonte: Fundação João Pinheiro / Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1997.p BARRETO, Abílio. Belo Horizonte memória histórica e descritiva. História Média. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro/PBH, 1995.p Vide in: BRANT, Edmundo Caldeira. Associação Pão de Santo Antônio Um século de história Belo Horizonte: Ed. O lutador, 2002.

4 b) As orphãs de sete a doze (7 a 12) annos, reconhecidamente pobres, que forem apresentadas por uma pessoa de confiança e digna de fé, que se constitua seu fiador o protector, e disposta a recebe-las, se forem despedidas do Asylo. Parágrafo Único No primeiro caso, a guia será apresentada ao Director da Associação que mandará admitir a orphã no asylo. No segundo caso a proposta será apresentada á Directoria, que resolverá sobre a admissão da orphã. Art.3 o No caso da letra b, do art. 2 o, a pessoa que, tendo entregue uma orphã ao asylo, se quizer retira-la, será obrigada a pagar a quota de vinte mil reis (20$000) mensais desde a data de sua admissão. Art.4 o Deixam de ser asyladas: a) As que tomarem estado: b) As que forem despedidas pelas Directoria, para o que é necessário que haja Parágrafo Único No caso da letra b, será a orphã restituída ao juiz de orphãos, ou a pessoa que se constitui protector della (art.2 o letra b). Art.5 o A Directoria poderá empregar em casa de família as orphãs maiores de 11 annos, que estiverem preparadas para os serviços domésticos, caso ellas queiram sahir do Asylo para este fim. Perceberão uma soldada previamente ajustada, que será recolhida na Caixa Econômica do Estado. Parágrafo Único Com relação às orphãs que tiveram entrado no Asylo mediante guia do juiz de orphãs, a directoria solicitará a devida auctorização a essa auctoridade. Art.6 o As orphãs receberão educação e instrução conforme sua capacidade, prestando-se alternadamente umas e outras aos trabalhos de casa, como cosinha, lavanderia, emgommar, etc. enfim tudo o que diz respeito ao asseio da casa. Art.7 o A directoria expedirá diplomas de benfeitores aos cavalheiros e senhoras que tiverem prestado serviços relevantes, ou fizerem valiosos donativos ao Asylo.

5 Art.8 o A receita e despesa do Asylo serão escripturadas em um livro especial, que ficara a cargo e sob a guarda do Director da Associação. Art.9 o Os casos não previstos por este regulamento serão resolvidos pela directoria. Belo Horizonte, 10 de janeiro de 1904 Padre Pedro Beks, director, - Mário de Amorim, presidente Joaquim Alves Pereira, vice presidente Francisco Termiliano. Secretário João Andrade, thesoureiro Precedido o anúncio no Minas Gerais de 13 a 14 de junho de 1904, foi inaugurado no dia 13, dia da festa do Santo, às 13h (uma hora da tarde) no respectivo prédio do Colégio Imaculada Conceição. (BRANT. 2002, p.47 48) Em 1910 uma nova ordem iria substituir as Irmãs da Piedade, as Irmãs Franciscanas do Sagrado Coração de Jesus, em outro asilo. Só em 12 (doze) de março de 1911, devido as dificuldades em se conseguir um local onde as Irmãs pudessem instalar-se, tendo a associação alugado uma casa na Rua Espírito Santo 903, para lá elas se mudaram. De acordo com Brant, depois das Irmãs Auxiliares da Piedade, nos primeiros anos do século passado, e a do Padre Thiago Boormars, Vigário de São José, chegaram a Belo Horizonte a Madre São de Diniz e a Irmã Auxiliadora em 10 de novembro de 1910, a primeira, Provincial da Congregação das Irmãs Franciscanas do Sagrado Coração de Jesus, com Casa Generalícia no Rio de Janeiro (Brant. 2002, p.895). A Congregação de origem francesa possuía sua sede na cidade de Ales, assim permaneceu no Brasil até 19 de outubro de 1937, quando houve o desligamento, tornando-se aqui uma Congregação Nacional e inteiramente brasileira. 7 Iniciando o funcionamento desse segundo asilo, a Diretoria do Pão de Santo Antônio e o Padre Thiago Boomaars, de acordo com a Madre Provincial, resolveram que o mesmo se chamaria Orfanato Santo Antônio. A quinze de março, em 1911, dia da festa de São Clemente, após a missa na Igreja de São José, o Padre Vigário procedeu à benção da casa, marcando assim a fundação do Orfanato Santo Antônio, com a presença de muitas famílias e representantes da Imprensa, que 7 Vide: BRANT, Edimundo Caldeira. Associação Pão de Santo Antônio: Um século de história Belo Horizonte, MG,2002.

6 espontaniamente haviam comparecido ao ato. O Sr. Vigário, depois da benção, dirigiu breves mais comoventes palavras de agradecimentos a diretoria da Associação Pão de Santo Antônio, cuja a iniciativa era devida essa instituição de benificência 8 (Brant. 2002, p. 50). O tempo passava e o Orfanato prosseguia na missão de acolher as meninas pobres e sofredoras, tentando substituir da melhor maneira possível o lar e a família a que tinham direito e necessidade, e que por razões diversas lhes faltaram. Segundo aos esclarecimentos cedidos pelo Padre Avelino Marques Capelão da Associação Pão de Santo Antônio, publicado em Brant dizia: 01 O Educandário Santo Antônio é como sucedâneo do antigo ORFANATO SANTO ANTÔNIO, fundado em 15/03/1911 é um patrimônio social e religioso da Capital Belo Horizonte em Venda Nova. 02 O Educandário compreendendo: um Ginásio Comercial, um internato para meninas e um Instituto de Religiosas, foi inaugurado em Venda Nova aos 13 de Junho de 1962 com a benção de D.João Resende Costa Arcebispo de Belo Horizonte. 03 Desde 1911 as Irmãs Franciscanas prestam seus serviços ao Orfanato e posteriormente - março de 1926, a Congregação das Irmãs Franciscanas do Sagrado Coração de Jesus assumiu a direção e a administração de todo o estabelecimento. (BRANT. 2002, p.614) O termo pedagogia compreende a arte da educação, a ciência desta arte e a filosofia desta ciência. Etimologicamente, o termo pedagogo indica o guarda das crianças; em seguida, o termo se estendeu para indicar o educador ; em Clemente de Alexandria, o termo pedagogo é atribuído a Cristo 9. A pedagogia nasceu como reflexão sobre o fato educativo. Ela não visa somente a conhecer o processo educativo, mas também a agir sobre ele, a influenciá-lo e possivelmente melhorá-lo. A unidade do saber pedagógico apresenta-se, portanto, como unidade funcional de várias disciplinas, a medida que estas se submetem à leitura em chave educativa. A pedagogia apresenta-se, então, como ciência teórico - prática ao mesmo tempo.para melhor ambientar o 8 Vide: BRANT, Edimundo Caldeira. Associação Pão de Santo Antônio: Um século de história Belo Horizonte, MG, Cf. M. LAENG, Pedagogia, em Enc. Pedag. 5 (1992)

7 presente trabalho sobre o plano histórico-metodológico, procuramos esclarecer a relação do termo pedagogia com outros dois termos de uso freqüente, como são os termos educação e formação 10 : (...) Pedagogia: Tem um sentido estático e indica uma ciência estruturada, no que diz respeito às teorias, aos métodos e aos problemas relativos à educação...; (...) Educação: de conteúdo dinâmico, indica o conjunto das iniciativas que, de fato, orientam a educação na realização de objetivos precisos que implicam o desenvolvimento polivalente do indivíduo, seja a nível pessoal, seja em chave de integração social..; (...) Formação: tem um conteúdo mais amplo e mais geral, visto que inclui um processo global, composto de intervenções parcializadas, que visa ao completo, ao perfeito, ao total (ZAVALLONI. 1999, p.18-19). A pessoa humana aperfeiçoa-se à medida que adquire qualidades, hábitos, modo de pensar e de comportamento, etc., de maneira também a educação favorece o desenvolvimento físico, intelectual e moral da pessoa humana, para a plena consciência de si e para o pleno domínio de si e para a correspondência recíproca as exigências da comunicação e da cooperação social, na participação de valores 11. Por formação entende-se, portanto, o processo através do qual as potencialidades subjetivas chegam à maturação ou se aprende o que é necessário para desempenhar um papel particular, acompanhado da integração com o ambiente, da participação do patrimônio social da cultura e da mediação e do apoio de figuras e instituições incumbidas desta finalidade 12. Uma outra distinção que se deve ter presente é entre informação e formação : o primeiro termo indica a mera transmissão de noções; o segundo termo indica o desenvolvimento de capacidades autônomas no sujeito. Muito significativa é também a distinção entre instrução e educação. Há estudiosos e docentes de pedagogia que sustentam que a tarefa essencial desta disciplina no âmbito das instituições escolásticas é a de desenvolver exclusivamente uma função de instrução, sendo que a tarefa da pedagogia é a de desenvolver a verdadeira função de educação. O conceito de 10 Cf. g. GIUGNI, Introduzione allo Studio della pedagogia. Ed. S.E.I., Turim 1971, p Cf. M. LAENG, Educazione, em Enc. Pedag. 3 (1989) Cf. C. NANNI, Formazione, em Enc. Pedag.3 (1989)

8 educação, e igualmente o de formação, comporta naturalmente também tudo o que está implícito no conceito de instrução, mas vai bem além de tal conceito 13. O desenvolvimento humano deve levar à maturidade da pessoa e, por isso, não pode ser restrito só a alguns âmbitos: por exemplo, ao âmbito moral e cognitivo, mas compreende-se como seja importante incluir também o nível afetivo e o modo em que tal nível se integra ou permanece estranho às metas de crescimento, seja humano, seja espiritual de um indivíduo 14. A unidade do homem é o princípio formal da educação. As diferentes formas de desenvolvimento humano assumem um caráter educativo à medida que concorrem para formar todo o homem. A convergência destes desenvolvimentos no ápice da personalidade é precisamente o princípio que dá unidade e valor educativo a cada aspecto do desenvolvimento humano; e é uma imediata conseqüência da natureza do homem e da sua unidade substancial, sobre a qual se baseia, em última análise, a ação educativa 15. As contribuições ao estudo da pedagogia franciscana, por descobrir-lhe a originalidade, a validade e a atualidade, trazem a marca do tempo no qual foram redigidas, pelo que se assiste a uma descoberta de São Francisco como educador de caráter evolutivo. Ao falar sobre a pedagogia franciscana automaticamente nos arremete à figura de São Francisco de Assis considerado um educador. Situar Francisco em seu contexto (séculos XII e XIII) significa garantir a sua compreensão como homem de seu tempo, cuja ação se via embrenhada a profundas divergências entre o mundo feudal, que inicia seu processo de definhamento, mas que procura resistir, e o novo modelo apresentado pela burguesia em forma embrionária em sua luta por suplantar o velho. Segundo LE GOFF, Francisco de Assis ( ) nasce no âmago do período de maior progresso do ocidente medieval e numa região fortemente marcada por esse progresso. 16 Este progresso possui uma dupla dimensão: é quantitativo, isto é, há um crescente surto demográfico e econômico construído a partir do padrão de incastellamento, ou seja,...aglomerações 13 Cf.G.SCARVGLIERI, Formazione.II.Aspetti psico-sociologici, em Diz. Ist. Perf. 4 (1977) A este propósito, veja-se:f.imoda,sviluppo umano. Psicologia e mistério.ed. Piemme, Casale Monferrato (AL) 1993, p Cf. R. ZAVALLONI,Educazine e personalità. Principi di psicoterapia educativa.ed. Vita e Pensiero, Milão 3 a ed. 1968, p.332; ID., La liberta personale. Psicologia della condota umana. Ed. Vita e Pensiero, Milão 3 a ed.1973, p LE GOFF, J.; MOLLAT, M. & ROTZETTER, A. Francisco de Assis : Além do Tempo e do Espaço. Petrópolis, RJ: Vozes, Revista Concilium nº169: Espiritualidade, 1981, p. 3.

9 concentradas muitas vezes empoleiradas em torno da igreja e dos castelos. 17 Tal processo traz como conseqüência um acelerado movimento de urbanização que provoca uma mudança também qualitativa. È sobre as cidades, centros do novo mundo em que circulam os trabalhadores e o dinheiro, que se vai organizar gradativamente a nova estrutura de riqueza (baseada no comércio) e de poder (baseada no grupo de homens novos, os cidadãos ou burgueses) em direção contrária e antagônica ao poder tradicional do bispo e do senhor, baseado na concentração da terra, no monopólio do conhecimento e na ascendência. Francisco é filho de comerciante, seu primeiro campo de trabalho se dá em terreno urbano, mas à cidade deseja ele trazer o sentido de pobreza em face do dinheiro e dos ricos, a paz em vez das lutas que conhecera em Assis, entre Assis e Perúsia. 18 No mundo dividido entre a Cristandade e o Islã, cujas fronteiras se delimitavam pela guerra santa nas cruzadas, soube bem propor o ideal da fraternidade e reconciliação universal, transformando aquela força de combate em energia de amor, força criadora de comunhão entre os seres. Com a sua pesquisa sobre a pedagogia de São Francisco de Assis, F. De Maldonado 19 deunos um trabalho sólido e importante: levando em conta os estudos precedentes, ele nos oferece um completo panorama das temáticas pedagógicas intuídas e praticadas por São Francisco. Estamos todos de acordo que são Francisco não é um pedagogo, se considerarmos a pedagogia a parir de um ponto de vista científico, que supõe uma sistematização teórico prática dos princípios da educação, sendo, estes implícitos e explícitos ao guiar os escritos e a ação pedagógica de São Francisco, mantendo assim, o mais próximo dos conceitos da filosofia, evitando o que se refere ao sobrenatural na ação educativa cristã.de maneira semelhante, B. Madariaga entende por pedagogia a condução não só da criança, como a etimologia desta palavra quer significar, mas igualmente a condução do homem adulto e maduro. Por pedagogia, entende-se todos os aperfeiçoamentos humanos realizados ou realizáveis mediante a instrução e a educação, sem excluir os graus superiores da união mística do homem com Deus 20. Neste sentido amplo, a pedagogia vem a ser uma função da vida e, como tal, é difundida totalmente na mesma, especialmente na vida social. Não é lícito confinar a pedagogia à redutora 17 LE GOFF, J.; MOLLAT, M. & ROTZETTER, A. Francisco de Assis : Além do Tempo e do Espaço. Petrópolis, RJ: Vozes, Revista Concilium nº169: Espiritualidade, 1981, p LE GOFF, op.cit., p DE MALDONADO F., La pedagogia de San Francisco de Asís,em Larent. 3 (1962) 3-40, B. MADARIAGA, La pedagogia franciscana y el actual momento pedagógico, em Ver. Vida 4 (1946)

10 área do ensino organizado e sistemático, e menos ainda reduzi-la ao estreito recinto da escola primária. Ela deve ser entendida neste sentido vasto e abrangente, Evangelho, da imitação de Cristo até a máxima conformidade da nossa vida com a sua, da fraternidade universal em Deus de todos os homens e de todos os seres da natureza 21. No que diz respeito à metodologia educativa, Temperini 22 sublinha que, nos escritos legislativos e nas cartas, Francisco só raramente usa formas imperativas, preferindo as vias da persuasão e da proposta. Ação educativa move-se com grande respeito pela personalidade do discípulo, que deve realizar um projeto, uma vocação própria. Segundo Zavalloni, a pedagogia franciscana é a arte de conduzir o jovem da infância à maturidade, apontando-lhe a meta a atingir, o caminho a seguir e, sobretudo, suscitando nele aquele amor que é capaz de dar sentido às palavras, ao caminho, à vida (Zavalloni. 1999, p.11). A proposta metodológica que surge através dos valores franciscanos na ótica da educação direcionará os fundamentos de uma educação humanista franciscana sobre questões do respeito ao outro, da abertura para o outro e da promoção do outro. 23 a pedagogia franciscana propõe-se, portanto, formar o homem completo, capaz de percorrer o seu itinerário para Deus, sofrendo com os próprios irmãos, ajudando os pobres e os doentes e defendendo, por toda a parte, o amor à justiça e o Dom a paz (ZAVALLONI. 1999, p.29). Os principais expoentes do pensamento pedagógico no âmbito de toda a Família Franciscana, passa pela tradição pedagógica franciscana. O franciscanismo contém uma impostação pedagógica na sua própria espiritualidade. Segundo o pensamento de São de Boaventura, descrito por Zavalloni, o superior deve esforçar-se por tornar cristiformes as pessoas a ele confiadas: isto é, imprimir nelas a forma da vida e da doutrina de Cristo, de maneira que não só se dirijam a ele com a alma, mas o imitem nos costumes (Zavalloni. 1999, p.29). Como considerações finais,com a sua fundação em 13/06/1902, a Associação Pão de Santo Antônio cresceu com Belo Horizonte, viu o seu desenvolvimento testemunhou ao seu lado o 21 Cf. A. MERCATALI, S. Francesco padre e maestro, em Anton. 57 (1982) TEMPERINI L., Francesco d Assisi, maestro di formazione, em Anal. TOR, 22/151 (1922) ;Ed. 1992, p A discussão do comprometimento com a problemática social em priorizar a pessoa, o irmão, o excluído e o desprezado, levantado no III Congresso Internacional de Educadores Franciscanos realizado em Cusco Peru em 2008.

11 progresso do mundo contemporâneo. Iniciando suas atividades filantrópicas com as construções de casas para os pobres dentro das limitações e delimitações de uma cidade planejada, num terreno no centro da cidade, doado pelo Município, passou a nova entidade ao recolhimento das meninas órfãs, fundando dois Asilos, um na Rua da Bahia e outro na Rua Espírito Santo, e o Orfanato Santo Antônio na Rua São Paulo que, por mais de cinqüenta anos constituiu um marco na Sede Administrativa do Estado. Contudo, os trabalhos estiveram por alguns anos no final da década de 1940 diretamente a cargo das Irmãs desta Casa. E por fim, no âmbito material, podemos perceber dois elementos na essência franciscana. O primeiro elemento é a capacidade de renovação que há no franciscanismo. Sendo uma contínua tentativa de retorno às origens; um esforço constante de apresentar as bases evangélicas na sua pureza, desprendendo- o do tempo através de suas práticas sociais. O segundo elemento é representado por uma fidelidade genuína, autêntica, filial à Igreja e ao seu magistério. Francisco educa para o amor, para a perfeita alegria, para a pacificação sem reservas. O que é preciso compreender, aceitar, aprofundar e colocar em prática é que amar a Deus é amar os homens, tornando-se uma exigência intrínseca de si próprio. Referências ANDRÈ, M. E. D. A. Etnografia da Prática Escolar. Campinas: Ed. Papirus, BARRETO, Abílio. Belo Horizonte memória histórica e descritiva. História Média. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro/PBH, BATISTA, Paulo Agostinho Nogueira; PASSOS, Mauro; SILVA, Wellington Teodora da (Orgs.). O sagrado e o urbano diversidades, manifestações e análise. São Paulo: Ed. Paulinas, BRANT, Edmundo Caldeira. Associação Pão de Santo Antônio Um século de história Belo Horizonte: Ed. O lutador, BOFF, Leonardo. São Francisco de Assis: Ternura e Vigor uma leitura a partir dos pobres. 5 a ed., Petrópolis: Ed. Vozes, CAROLI, E. (coord.). Dicionário Franciscano. 2 a ed. Petrópolis: Ed. Vozes/CEFEPAL, CAYOTA, M. Semeando entre brumas. Utopia franciscana e humanismo renascentista: uma alternativa para a conquista. Petrópolis, RJ: CEFEPAL, CONGREGAÇÃO DA EDUCAÇÃO CATÓLICA. A escola católica no limiar do terceiro milênio.caderno da AEC do Brasil. Brasília: AECBR, 1998, nº 76.

12 CONGREGAÇÃO DA EDUCAÇÃO CATÓLICA. Dimensão Religiosa da Educação na escola católica: orientações para a reflexão e a revisão. Roma: Vaticana, COSTA, M. A educação nas Constituições do Brasil Dados e Direções. RJ: DP&A., DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO. Franciscanos na Educação e Comunicação. Bragança Paulista, EDUSF, DEPARTAMENTO DE COLÉGIOS E FACULDADES. Franciscanos na educação. Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil Setor de Pastoral. Petrópolis, RJ: 29/01/1985. JULIÃO, Letícia. Belo Horizonte: itinerários da cidade moderna. In: BH Horizontes Históricos.Belo Horizonte: C / Arte, LE GOFF, J.; MOLLAT, M. & ROTZETTER, A. Francisco de Assis : Além do Tempo e do Espaço. Petrópolis, RJ: Vozes, (Revista Concilium nº169/1981/9: Espiritualidade). LECLERC, E. O Sol Nasce em Assis. Petrópolis, RJ: Vozes, LIMA, Danilo. Educação, Igreja e Ideologia. Rio de Janeiro: Ed. Livraria Francisco Alves Editora S.A, MANSELLI, R. São Francisco. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes/FFB, MATURA, T. O Projeto Evangélico de Francisco de Assis. Petrópolis, RJ: Vozes/CEFEPAL, MAZZUCO, V. Francisco de Assis e o modelo de amor cortês-cavaleiresco: elementos cavaleirescos na personalidade e espiritualidade de Francisco de Assis. 4ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, MEIRIEU, P. Aprender...sim, mas como? 7ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas,1998. MESQUIDA, P. Educação Brasileira. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba, (Apostila do Mestrado em Educação) OLIVEIRA, Terezinha (Org). Luzes sobre a Idade Média. Maringá: Ed. UEM, MCLAREN, Peter. Rituais na Escola: Em direção a uma economia política de símbolos e gestos na educação. Petrópolis: Ed. Vozes, 1992.

13 PICCOLO, Frei Agostinho S. Perfil do Educador franciscano. Bragança Paulista, SP: EDUSF, OFM, Frei Nilo Agostini. Evangelização contribuição franciscana. Petrópolis: Ed. Vozes, PAIVA, Vanilda (Org). Catolicismo Educação e Ciência. São Paulo: Ed. Loyola, PERONDI, Frei Ildo. Caminhando com Clara e Francisco. Petrópolis: Ed. FFB,2000. PILONETTO, Adelino G (Org). Francisco de Assis 750 anos depois. Petrópolis: Ed. Cefepal, REDE ESCOLAR FRANCISCANA. Projeto educativo franciscano. Anápolis, GO: Universidade Católica de Goiás, REVISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. Bragança Paulista, SP: EDUSF, nº 4, vol. 7, SALGUEIRO, Helena A.gotti. Engenheiro Aarão Reis: o progresso como missão. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro / Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1997.p.80. ZAVALLONI, Roberto. Pedagogia Franciscana Desenvolvimentos e perspectivas. Petrópolis: Ed. Vozes,1995.

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

Projeto Educativo Franciscano Bonlandense

Projeto Educativo Franciscano Bonlandense Projeto Educativo Franciscano Bonlandense Irmãs Franciscanas da Imaculada Conceição de Maria, de Bonlanden Discípulas e seguidoras de Nosso Senhor Jesus Cristo, buscam viver o Evangelho em espírito e verdade.

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

Ambiência escolar Marista: desafios da educação popular na evangelização

Ambiência escolar Marista: desafios da educação popular na evangelização Ambiência escolar Marista: desafios da educação popular na evangelização Adriano de Souza Viana 1 A práxis pastoral no ambiente educativo é sempre desafiante. Melhor dizendo, toda ação educativa é sempre

Leia mais

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA PASTORAL É O HOJE DA IGREJA As mudanças sociais são desafios à Evangelização. A atualização da mensagem cristã nas diversas realidades e em diferentes tempos fez surgir a Pastoral. Hoje em nossas paróquias

Leia mais

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo?

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo? São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224 9 772358 022003 Podemos falar de ética nas práticas de consumo? São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 164 A teologia católica e a ética no

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE Espiritualidade Apostólica Marista Ir. José Milson de Mélo Souza Ano de Deus Pai LADAINHA DE SÃO MARCELINO CHAMPAGNAT (Ir. José Milson) V. Senhor, tende piedade de nós.

Leia mais

A MÚSICA LITÚRGICA NO MAGISTÉRIO DA IGREJA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX ATÉ O CONCÍLIO VATICANO II. Anderson Luís Moreira

A MÚSICA LITÚRGICA NO MAGISTÉRIO DA IGREJA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX ATÉ O CONCÍLIO VATICANO II. Anderson Luís Moreira A MÚSICA LITÚRGICA NO MAGISTÉRIO DA IGREJA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX ATÉ O CONCÍLIO VATICANO II. Anderson Luís Moreira Pe. José Humberto Motta / Pe. Antonio Élcio De Souza Faculdade Católica de Filosofia

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Pastoral Juvenil Salesiana Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Fundamentos Dom Bosco Madre Mazzarello Movidos pelo ES tiveram clara consciência de ser chamados por Deus a uma missão singular

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

LINHAS DE AÇÃO E PRIORIDADES DO LXVIII CAPÍTULO GERAL

LINHAS DE AÇÃO E PRIORIDADES DO LXVIII CAPÍTULO GERAL LINHAS DE AÇÃO E PRIORIDADES DO LXVIII CAPÍTULO GERAL I. Introdução O LXVIII Capítulo Geral da Ordem realizado em Fátima (Portugal) sob o lema: "A família de S. João de Deus ao serviço da Hospitalidade",

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Vida em Sociedade Palestrante: Regina de Agostini Rio de Janeiro 05/02/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

Vós sois a luz do mundo Mateus 5:14

Vós sois a luz do mundo Mateus 5:14 Vós sois a luz do mundo Mateus 5:14 Bem aventuranças O caráter do Cristão Humilde de Espírito O que chora Manso Fome e sede de justiça Misericordioso Limpo de coração Pacificador A influência do Cristão

Leia mais

CONSELHOS EVANGÉLICOS

CONSELHOS EVANGÉLICOS CONSELHOS EVANGÉLICOS 1- RAZÃO TEOLÓGICA 1.1. Fato de Vida na Igreja A vivência da virgindade-pobreza-obediência de Jesus Cristo é fato de vida que existe na igreja desde suas origens. O estado religioso:

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

Celebrando o ANIVERSÁRIO da CONGREGAÇÃO das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo Scalabrinianas

Celebrando o ANIVERSÁRIO da CONGREGAÇÃO das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo Scalabrinianas Celebrando o ANIVERSÁRIO da CONGREGAÇÃO das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo Scalabrinianas Data da Fundação: 25 DE OUTUBRO (1895-2010) 115 ANOS SÃO CARLOS Foi escolhido por João Batista Scalabrini

Leia mais

Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão:

Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão: II) NOSSA VISÃO Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão: A) Adorar a Deus em espírito e verdade Queremos viver o propósito para o qual Deus

Leia mais

Victor André João de Deus

Victor André João de Deus Victor André João de Deus Historia Marcellin Champagnat, aportuguesado para Marcelino Champagnat (20 de maio de 1789, Marlhes - 6 de junho de 1840, Notre Dame de l'hermitage) foi um presbítero da Sociedade

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

COM SÃO FRANCISCO, NA CARIDADE, BUSQUEMOS A ÉTICA EM PROL DO BEM COMUM

COM SÃO FRANCISCO, NA CARIDADE, BUSQUEMOS A ÉTICA EM PROL DO BEM COMUM CONVITE: A Paróquia de São Francisco de Assis tem a honra de lhes convidar para a Festa do Nosso Amado Padroeiro com o Tema: COM SÃO FRANCISCO, NA CARIDADE, BUSQUEMOS A ÉTICA EM PROL DO BEM COMUM Que realizar-se-á

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

ISSN 1806-7328 CADERNOS DA ESTEF. Revista Semestral N 45 2010/2 A TEIA DA ESPIRITUALIDADE ESTEF

ISSN 1806-7328 CADERNOS DA ESTEF. Revista Semestral N 45 2010/2 A TEIA DA ESPIRITUALIDADE ESTEF ISSN 1806-7328 CADERNOS DA ESTEF Revista Semestral N 45 2010/2 A TEIA DA ESPIRITUALIDADE ESTEF Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana Porto Alegre (RS) Brasil SUMÁRIO A teia da espiritualidade...3

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI

A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI COORDENAÇÃO Prof. Dr. Antonio Joaquim Severino FINANCIAMENTO: UNINOVE Auxílio Financeiro ANO DE INÍCIO: 2010 INTRODUÇÃO

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE

BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE A Paróquia de São João Batista do Tauape foi criada por sua Excia. Revma. Dom Antônio, de Almeida Lustosa, na época Arcebispo de Fortaleza, pelo decreto

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

REQUERIMENTO N.º, DE 2008

REQUERIMENTO N.º, DE 2008 REQUERIMENTO N.º, DE 2008 Requeiro, nos termos do artigo 222, e de acordo com as tradições da Casa, voto de congratulações pelo 70º aniversário do teólogo, professor e escritor LEONARDO BOFF. Justificativa

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Israel Operadora. Autoridade no Turismo Religioso. Peregrinações Religiosas no Brasil

Israel Operadora. Autoridade no Turismo Religioso. Peregrinações Religiosas no Brasil Israel Operadora Autoridade no Turismo Religioso Peregrinações Religiosas no Brasil Nossa Especialidade A Israel Operadora, empresa do Grupo Skill Supertravel é especializada em turismo religioso. Com

Leia mais

Apresentação. 8-11 de Abril 2015: Seminário para Formadores/ as. 23-26 de Setembro 2015: Congresso para jovens consagrados/as

Apresentação. 8-11 de Abril 2015: Seminário para Formadores/ as. 23-26 de Setembro 2015: Congresso para jovens consagrados/as Nota pastoral da Conferência Episcopal sobre o Ano da Vida Consagrada Chamados a levar a todos o abraço de Deus ) Para além da abertura (30 de Novembro de 2014 e do encerramento (2 de Fevereiro de 2016,

Leia mais

www.entrenacoes.com.br UMA IGREJA FORTE, SE FAZ COM MINISTÉRIOS FORTES

www.entrenacoes.com.br UMA IGREJA FORTE, SE FAZ COM MINISTÉRIOS FORTES www.entrenacoes.com.br UMA IGREJA FORTE, SE FAZ COM MINISTÉRIOS FORTES A RESPONSABILIDADE É PESSOAL A CEEN é uma igreja que tem a responsabilidade de informar e ensinar os valores e princípios de Deus,

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 57 Imprimir 2015-09-24 Rádio Vaticana Francisco no Congresso Americano acolhido com grandes aplausos. É a primeira vez que um Papa

Leia mais

Maria Maria Maria Maria

Maria Maria Maria Maria 1 Ave, Maria! 2 Introdução Poucas vezes, Maria é citada nas Escrituras Sagradas. Na verdade, são apenas 17 passagens, algumas relativas aos mesmos fatos, distribuídas nos quatro Evangelhos, e uma passagem

Leia mais

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 [Multimídia] Amados irmãos e irmãs, bom dia! Nos últimos domingos o evangelista Marcos tem-nos contado a acção de Jesus

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL. Indice:

CARTA INTERNACIONAL. Indice: CARTA INTERNACIONAL Indice: Introdução. I. Equipas de Jovens de Nossa Senhora II. A equipa III. As funções na equipa IV. A vida em equipa V. Abertura ao mundo, compromisso VI. O Movimento das E.J.N.S.

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê?

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? DÍVIDA SOCIAL ESCRAVIDÃO E IMIGRAÇÃO FALTA DE ESTRUTURA SOCIAL

Leia mais

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA PE. GREGÓRIO LUTZ Certamente o título deste artigo não causa estranheza à grande maioria dos leitores da Revista de Liturgia. Mas mesmo assim me parece conveniente

Leia mais

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ Pe. Thiago Henrique Monteiro Muito adultos convertem-se a Cristo e à Igreja Católica. Por exemplo, neste ano, nas dioceses

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

A Pastoral juvenil FMA: um modelo orgânico para uma Vida em abundância para todos segundo as Linhas orientadoras da missião educativa (LOME)

A Pastoral juvenil FMA: um modelo orgânico para uma Vida em abundância para todos segundo as Linhas orientadoras da missião educativa (LOME) ISTITUTO FIGLIE DI MARIA AUSILIATRICE Consigliera generale per la Pastorale giovanile Via dell Ateneo Salesiano, 81-00139 ROMA A Pastoral juvenil FMA: um modelo orgânico para uma Vida em abundância para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

Desmistificando. a Nobre Instituição

Desmistificando. a Nobre Instituição Desmistificando a Nobre Instituição O que é a Maçonaria? - A Maçonaria é uma instituição essencialmente filosófica, filantrópica, educativa e progressista. Por que é Filosófica? -É filosófica porque em

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB Introdução Marcos Antonio Lopes do Nascimento Universidade Federal da Paraíba marcosal99@yahoo.com.br

Leia mais

Estatutos da Fundação Spes

Estatutos da Fundação Spes Estatutos da Fundação Spes Por testamento de 24 08 1977, o Senhor D. António Ferreira Gomes, Bispo do Porto, declarou ser sua última vontade criar a Fundação SPES como instituição particular perpétua de

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

SETEMBRO Visita do governador do Estado - Ceará

SETEMBRO Visita do governador do Estado - Ceará SETEMBRO Visita do governador do Estado - Ceará No dia 04, ocorreu na Casa Cardeal Guarino, em Madalena um evento do governo do Estado do Ceará, o qual consistiu na entrega de uma cisterna de nº 500 mil,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

SOCIEDADE ESPÍRITA AMOR E CARIDADE SERVIÇO DE EVANGELIZAÇÃO DA FAMÍLIA (SEF) DEPARATAMENTO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE (DIJ) EVANGELIZAÇÃO 2013

SOCIEDADE ESPÍRITA AMOR E CARIDADE SERVIÇO DE EVANGELIZAÇÃO DA FAMÍLIA (SEF) DEPARATAMENTO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE (DIJ) EVANGELIZAÇÃO 2013 SOCIEDADE ESPÍRITA AMOR E CARIDADE SERVIÇO DE EVANGELIZAÇÃO DA FAMÍLIA (SEF) DEPARATAMENTO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE (DIJ) Para a treva só há um remédio, a luz. (Monteiro Lobato) EVANGELIZAÇÃO 2013 CRONOGRAMA

Leia mais

Irmã Dulce Dados retirados de

Irmã Dulce Dados retirados de <http://www.irmadulce.org.br> Irmã Dulce Dados retirados de Irmã Dulce 1914-1992 DADOS BIOGRÁFICOS 1914 26 de maio - Nasce Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes,, no bairro do Barbalho, cidade de Salvador,

Leia mais

universidade estadual de campinas

universidade estadual de campinas UNICAMP universidade estadual de campinas GALERIA DE ARTE» UNICAMP GALERIA DE ARTE < UNICAMP ODILLA MESTRINER AQUARELAS E DESENHOS SETEMBRO/85 APRESENTAÇÃO A primeira característica impressionante na personalidade

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PRIMÓRDIOS DA ENFERMAGEM NO BRASIL No Brasil, a organização da enfermagem iniciou-se no período colonial, quando os cuidados

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE A experiência de um casal cristão que acompanha a equipa traz aos seus membros uma riqueza complementar à que caracteriza a presença do padre.

Leia mais

Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO

Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO Plano Diocesano de Pastoral para o quinquénio 2008-2013 A PALAVRA DO SR. BISPO PONTO DE PARTIDA 1. INICIAMOS UMA NOVA PERSPECTIVA

Leia mais

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Adriano José da Silva, Patrícia Hetti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em geografia adriano_hist@hotmail.com.

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA Curso: Ensino Médio Integrado Prof. MSc. Manoel dos Passos da Silva Costa 1 POSITIVISMO Primeira corrente de pensamento sociológico; Sistematiza cientificamente alguns princípios

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

3º Congresso Vocacional do Brasil

3º Congresso Vocacional do Brasil III CONGRESSO VOCACIONAL DO BRASIL Tema: Discípulos missionários a serviço das vocações Lema: Indaiatuba, Itaici, 03 a 07 de setembro de 2010 3º Congresso Vocacional do Brasil Dom Leonardo Ulrich Steiner

Leia mais

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora BELO HORIZONTE, 21 DE MAIO DE 2010 Nº 002 Prezados Salesianos, demais grupos da Família Salesiana e Leigos, No dia 24 de maio, celebramos a Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora, padroeira de toda a

Leia mais