ESCOLHA DE UM ERP ATRAVÉS DO MÉTODO PROMÉTHÉÉ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLHA DE UM ERP ATRAVÉS DO MÉTODO PROMÉTHÉÉ"

Transcrição

1 ISSN ESCOLHA DE UM ERP ATRAVÉS DO MÉTODO PROMÉTHÉÉ Rodrigo Ferreira da Silva, João Ricardo Lopes de Almeida (IBMEC) Resumo: Sistema Integrado de Gestão (ERP) representa um avanço em termos de tecnologia da informação e seu uso é muito discutido na moderna gestão das empresas. A implantação de um ERP em uma empresa leva muito tempo, requer altas quantias financeiras, provoca fortes impactos organizacionais, mas as últimas décadas foram marcadas pela implantação de ERP nos diversos segmentos de negócios, seja público ou privado. Inúmeras empresas possuem banco de dados que as tornam a maior produtora de informação do país, este título foi alcançado pelas empresas de TI que aprenderam a sobreviver num mercado altamente competitivo e desafiador. Neste contexto, o setor de Tecnologia da Informação, buscando novas formas de administração e operação, também está se rendendo às capacidades do sistema ERP. O objetivo deste artigo é apresentar uma análise da escolha de ERP pelo método Prométhéé, como forma de melhoria da performance do sistema. Procura-se identificar neste trabalho alguns aspectos relacionados com a situação a ser vivenciada pela empresa com o projeto de implantação do ERP. Palavras-chaves: ERP; Sistema de Informação; Decisão Multicritério

2 1. INTRODUÇÃO O início do século XXI está associado à intensa competitividade entre as empresas privadas e públicas. O entendimento de que as organizações são ordenadas em sistemas, o reconhecimento de sua importância e, sobretudo, de como são interligados em vários subsistemas, estes contidos num sistema ainda maior, faz com que as empresas passam a encarar seus processos, seus recursos, como um potencial valor a ser explorado e valorizado dentro da organização. Para tanto, mantê-los organizados sistematicamente para garantir a tempestividade e confiabilidade das inúmeras informações que circundam o ambiente, reverencia a importância da escolha e implantação bem sucedida de um sistema integrado de gestão. Entretanto, tal implantação requer esforços muitas vezes imensuráveis que pode por em risco todo o projeto. Podemos imaginar que, como em todo processo de mudança, o apoio da alta administração é fundamental, assim como a participação ativa dos empregados. Porém, para que o processo de implantação de ERP tenha bons resultados na gestão da organização, também é necessário que os principais critérios de escolha sejam contemplados para que o retorno deste investimento seja favorável para a empresa em termos de melhoria da performance para gestão dos dados e informações veiculadas, mas também com reflexos em empregados utilizando o máximo possível do que o sistema possa oferecer, maior interação entre os órgãos e ágil fornecimento de informações para tomada de decisão. O grande desafio para as empresas que decidem implantar ERP será fazer com que este projeto ofereça bons retornos em todos os aspectos, buscando uma melhor posição relativa entre as empresas bem sucedidas, e ao mesmo tempo resolver seus problemas seculares de mau gerenciamento das informações, demora no atendimento das solicitações internas e externas em geral, estagnação de organizações informais, empregados não motivados e retrabalho. A aceitação de uma posição clara da importância de escolha de ERP, assumindo um caminho de implantação supostamente responsável, baseado em metodologia singular, significa o avanço a favor da competitividade e eficácia na gestão. Segundo Filho(2004), ERP é a sigla de Enterprise Resource Planning, que deve ser entendida como Sistema Integrado de Gestão. Sistema porque é um conjunto de elementos interconectados, de modo a formar um todo organizado. Integrada porque possui todo um mapeamento de processos interligados, que possibilita que as informações uma única vez digitadas estejam disponíveis a todos os usuários envolvidos nos processos subseqüentes. De Gestão porque operacionaliza de maneira automatizada todas as atividades da cadeia de valor das 2

3 empresas e ainda fornece uma visão estratégica das informações para a tomada de decisão. Os elementos são funcionalidades que representam as mais diversas transações executadas nos diferentes departamentos (áreas funcionais) de uma organização. Essas funcionalidades são desenvolvidas, implementadas e testadas dentro de um ERP e ao longo do tempo validadas como melhores práticas de processo dentro de cada segmento de negócio. Em outras palavras um ERP traz consigo todo um conjunto de regras de negócio, agrupadas em módulos, integrando as diferentes áreas das empresas, seus clientes e fornecedores, considerando um fluxo de dados e um mapeamento de processos otimizados e inseridos dentro da cadeia produtiva de cada empresa. A adoção de um ERP constitui uma excelente oportunidade para modernização tecnológica, o mesmo também traz benefícios como regras de negócio bem definidas e controle mais rígido sobre pontos vulneráveis, padronização de processos e informações em tempo real. Para obter os benefícios do ERP é preciso encará-lo como um projeto em evolução contínua e tomar as medidas gerenciais necessárias para o seu sucesso. Quanto a sua estrutura, o trabalho apresentará inicialmente uma abordagem das características de um ERP, dos principais critérios utilizados quando da sua aquisição, instruído numa extensa referência bibliográfica. Em seguida será realizada uma abordagem acerca da metodologia escolhida para a aquisição de tal ativo. O tratamento e definição das alternativas, critérios e parâmetros são realizados pela equipe de TI e de negócios da empresa, que dão suporte à manutenção do sistema, e aos diversos empregados colaboradores que participam ativamente do projeto de implantação do ERP. Enfim, o trabalho permitirá concluir, com sua análise qualitativa, quais os critérios e seus respectivos pesos que devem ser atribuídos no momento da escolha de um ERP, buscando apontar o incremento na geração de valor no processo de tomada de decisão da empresa. 2. PROBLEMA São encontradas algumas dificuldades na tomada de decisão para aquisição de ERP no que diz respeito à escolha e priorização das alternativas a serem consideradas, quando se trata de avaliações de aspectos subjetivos, tais como: preço do ERP, customização, experiência do fornecedor, tratamento dos sistemas legados, suporte técnico, treinamento entre outros, os quais influenciam na melhoria da eficiência operacional. Assim, percebe-se claramente ser um problema multicritério e deve ser tratado como tal. 3

4 3. OBJETIVO GERAL Utilizar o método Prométhéé II como ferramenta de apoio à decisão para estabelecer uma ordenação de preferência para aquisição de ERP. 4. revisão da literatura SISTEMA DE INFORMAÇÃO Segundo Padovese (2004, p.50), sistema é um conjunto de elementos interdependentes, ou um todo organizado, ou partes que interagem formando um todo unitário e complexo. Numa empresa é possível identificar diversos tipos de sistemas: sistema de pagamento, sistema de faturamento, sistema de avaliação de desempenho, sistema de arrecadação, sistema de informações, etc. Todos por sua vez se constituem subsistemas do sistema maior denominado empresa. Dentre os diversos sistemas existentes numa empresa pode-se destacar o Sistema de Informação, que corresponde ao conjunto de recursos (humanos, materiais, tecnológicos, etc) que tem por fim gerar informações úteis ao processo decisório. De acordo com Laudon & Laudon (2003, p.7), Um sistema de informação pode ser definido como um conjunto de componentes inter-relacionados que coleta (ou recupera), processa, armazena e distribui informações destinadas a apoiar a tomada de decisões, a coordenação e o controle de uma organização. Das definições acima se pode depreender que as informações resultam das diversas formas como são relacionados os dados. A cada forma de relacionamento de dados pode-se gerar novas informações. É importante, sobretudo, que a informação possua valor para os tomadores de decisões. Em face da importância de que se reveste a informação a ser prestada a qualquer usuário, há necessidade de que sejam observadas as características essenciais da informação que em termos de confiabilidade, tempestividade, compreensibilidade e comparabilidade. Podemos comprovar tais requisitos através das Nomas Brasileiras de Contabilidade (NBC T1), mais especificamente expressa pela Resolução CFC nº 785/95, as quais: - confiabilidade: fundamenta-se na veracidade, completeza e pertinência do seu conteúdo; 4

5 - tempestividade: refere-se ao fato de a informação contábil dever chegar ao conhecimento do usuário em tempo hábil, a fim de que este possa utilizá-la para seus fins; - compreensibilidade: deve ser exposta na forma mais compreensível ao usuário a que se destine; e - comparabilidade: deve possibilitar ao usuário o conhecimento da evolução entre determinada informação ao longo do tempo, numa mesma Entidade ou em diversas Entidades, ou a situação destas num momento dado, com vista a possibilitar-se o conhecimento das suas posições relativas. Logo, um ERP com plena capacidade refere-se aquele que permite a empresa garantir todos os quesitos acima. Para tanto, o ERP deverá, de acordo com Karimi(2007), atender aos escopos funcional(vários módulos), organizacional(ser implantado em várias áreas da empresa)e geográfico(limites regionais de implantação). Neste trabalho, acrescentamos o escopo por processo(a facilidade do ERP aderir as mudanças eventualmente ocorridas nos processos existentes na empresa). Sistema Integrado de Gestão Conforme Padovese (2004, p.51) um Sistema Integrado de Gestão Empresarial tem por objetivo fundamental a consolidação e aglutinação de todas as informações necessárias para a gestão do sistema empresa. Os Enterprise Resourse Planning ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) constituem soluções de Tecnologia de Informação TI que integram os diversos subsistemas de uma entidade, a partir de única base de dados, padronizando processos e possibilitando uma visão do fluxo de informações dos diversos departamentos. Esta solução tem sido adotada por diversas corporações em todo mundo. Conforme Padovese (2000, p. 59), são três os fatores principais que têm levado as empresas a adotar esta solução, como seguem: a. o movimento da integração mundial das empresas transnacionais, exigindo tratamento único e em tempo real das informações; b. a tendência de substituição de estruturas funcionais por estruturas ancoradas em processos; e 5

6 c. a integração, viabilizada por avanços na tecnologia de informação, dos vários sistemas de informação em um sistema único. Pelos fatores citados por Padovese, constata-se que a boa gestão da empresa depende fundamentalmente das informações tramitadas no ERP. Assim, um processo de implantação de ERP bem estruturado e implementado é fator de sucesso que justificam a utilização desta solução como base para uma Gestão mais transparente e eficaz. De acordo com Buckhout et al. (1999), um ERP é um software de planejamento dos recursos empresariais que integra as diferentes funções da empresa para criar operações mais eficientes. Na perspectiva de Araujo et al.(2005), o sistema ERP é um sistema que controla e fornece o suporte a todos os processos operacionais, produtivos, administrativos e comerciais da empresa que facilita o fluxo de informações único, contínuo e consistente por todo a empresa. Para Silva e Fernandes (2005), o sistema ERP é um sistema de informação empresarial que auxilia a empresa em seu planejamento, ao qual este é dedicado ao controle da maioria das transações de uma empresa. Vollmann et al. (2006) argumenta que o ERP é um termo utilizado para descrever um sistema de software que integra programas de aplicação em finanças, produção, logística, vendas e marketing, recursos humanos e outras funções dentro da organização. Essa integração, no entanto, é feita através de uma base de dados compartilhada por todas as funções empresariais. A fase de escolha do sistema ERP é decisiva para a obtenção do sucesso na utilização desse tipo de sistema integrado, no momento da aquisição a empresa deve levar em conta as características do sistema em relação a sua estratégia; deve-se adquirir um sistema que esteja o mais próximo possível da estratégia empresarial (SILVA & FERNANDES, 2005). Segundo Lima et al (2000), o sucesso na implantação depende do alinhamento entre o software, cultura e objetivos da empresa. O princípio do sistema ERP é simples, contudo sua implantação no contexto empresarial é complexo, levando alguns meses para seu completo funcionamento na empresa. Laurindo e Mesquita (2000) argumentam que de maneira geral os sistemas ERP apresentam potencial para causar significativos impactos positivos nas empresas. Os autores destacam os seguintes benefícios dos sistemas integrados de gestão para as empresas: a) Possibilidade de integração e padronização das informações de diferentes unidades geográficas; b) Padronização dos processos das diferentes áreas da empresa; 6

7 c) Melhor gestão dos processos; d) Possibilidade de integração com fornecedores e clientes. Os mesmos autores ressaltam em sua pesquisa os riscos que podem surgir na implantação de sistemas integrados ERP, são eles: a) Na maioria dos casos a empresa que deve se adequar às características do sistema adotado; b) Ao adotar um sistema ERP a empresa está implicitamente adotando uma solução genérica, ao qual possui as melhores práticas de gerenciamento segundo a ótica do fornecedor do sistema; c) Existe para as empresas localizadas em várias unidades geográficas, a possibilidade de perda de identidade organizacional, já que os processos ficarão engessados as práticas nativas do sistema, ou no caso de uma customização, nas práticas da matriz. 5. METODOLOGIA PROMÉTHÉÉ São encontradas algumas dificuldades na tomada de decisão para escolha de sistemas ERP no que diz respeito à escolha ou priorização das alternativas a serem implantadas para a redução de perdas, quando se trata de avaliações de aspectos subjetivos. Sendo um problema multicritério, identifica-se a metodologia Prométhéé como aquela ideal para classificação e escolha da melhor alternativa de aquisição pela empresa. O apoio multicritério a decisão consiste em um conjunto de métodos para auxiliar pessoas e organizações a tomarem decisões, esclarecendo o problema e avaliando as alternativas através de múltiplos critérios, os quais são conflitantes na maioria dos casos (Gomes et al., 2002; Almeida & Costa, 2003; Gomes et al., 2004). Segundo Vincke (1992), esses modelos e métodos seguem duas principais vertentes: a Escola Americana, a qual consiste na agregação dos diferentes critérios em uma única função de síntese (por exemplo, MAUT, AHP, TOPSIS); e, a Escola Francesa ou Européia, a qual consiste em construir uma relação de sobreclassificação que representa as preferências estabelecidas pelo decisor e explorá-las a fim de ajudar a resolver seu problema (por exemplo, ELECTRE, PROMÉTHÉE). A escolha do método a ser empregado depende do tipo de problema em análise, do contexto estudado, dos atores envolvidos, da estrutura de preferência e do tipo de resposta que se deseja alcançar, ou seja, qual a problemática de referência (Gomes et al., 2002). Dessa forma, o 7

8 problema em questão, como já caracterizado anteriormente, visa uma priorização de alternativas, sofrendo a influência de vários agentes de decisão por se tratar de investimento que vai refletir em aspectos técnicos. Cada um desses aspectos será considerado como critério na avaliação, e, portanto, requer uma informação intercritério que corresponda à sua importância relativa. Para esses casos, freqüentemente faz-se uso dos métodos da Escola Francesa que utilizam a abordagem outranking (existem traduções diferenciadas para o português, tais como: superação, subordinação, prevalência e sobreclassificação) ou surclassement, da terminologia original em francês (Roy, 1985). Dentre os métodos baseados na relação de sobreclassificação, decidiu-se então, selecionar o método PROMÉTHÉE II para trabalhar este problema, cuja problemática é a ordenação das alternativas para aquisição de ERP, por sua vantagem em requerer uma informação adicional muito clara, que pode ser facilmente obtida e gerenciada tanto pelo decisor como pelo analista. Esta informação adicional, a noção de critério generalizado, é introduzida com a finalidade de captar a amplitude das diferenças entre as avaliações de cada um dos critérios, enriquecendo a estrutura de preferência. Além do mais, é um método flexível, oferecendo dois graus de liberdade ao decisor: o primeiro é relativo à seleção do tipo de função de preferência e o segundo os limiares a definir (Brans & Mareschal, 1994). De forma geral o PROMÉTHÉE é de fácil entendimento, de modo que os conceitos e parâmetros envolvidos em sua aplicação têm um significado físico ou econômico de rápida assimilação pelo decisor. Assim, o método propicia a modelagem de preferência de forma simples e de fácil compreensão, usando um paradigma diferente de outras abordagens que agregavam critérios por meio de uma função aditiva. Além disso, os métodos de sobreclassificação não admitem a compensação ilimitada de largas desvantagens e levam em conta o fato que pequenas diferenças entre as avaliações das alternativas nem sempre são significantes (Vincke, 1992). Este método foi proposto pela primeira vez em 1982 e desde então não deixou de ser objeto de desenvolvimento e adaptações complementares (Brans et al., 1986), tendo sido aplicado com sucesso em vários problemas de diferentes naturezas (Cavalcante & Almeida, 2005; Almeida & Costa, 2002; Ülengin et al., 2001; Raju & Kumar, 1999). As seguintes implementações do PROMÉTHÉE são descritas na literatura (Brans & Vincke, 1985; Brans et al., 1986; Taleb & Mareschal, 1995): PROMÉTHÉE I estabelece uma pré-ordem parcial entre as alternativas, utilizado para problemática de escolha. 8

9 PROMÉTHÉE II estabelece uma pré-ordem completa entre as alternativas, utilizado para problemática de ordenação. PROMÉTHÉE III ampliação da noção de indiferença, com tratamento probabilístico dos fluxos (preferência intervalar). PROMÉTHÉE IV estabelece uma pré-ordem completa ou parcial, utilizado para problemática de escolha e ordenação destinadas às situações em que o conjunto de soluções viáveis é contínuo. PROMÉTHÉE V nesta implementação, após estabelecer uma ordem completa entre as alternativas, com o PROMETHEE II, são introduzidas restrições, identificadas no problema, para as alternativas selecionadas; incorpora-se uma filosofia de otimização inteira. PROMÉTHÉE VI estabelece uma pré-ordem completa ou parcial, utilizada para problemática de escolha e ordenação. Destinado às situações em que o decisor não consegue estabelecer um valor fixo de peso para cada critério. PROMÉTHÉE GAIA extensão dos resultados do PROMETHEE, através de um procedimento visual e interativo. Como citado anteriormente, este modelo utilizará o método PROMÉTHÉE II, que objetiva uma ordenação completa das alternativas evitando qualquer incomparabilidade, característica que melhor se adequou à problemática considerada. A utilização do PROMÉTHÉE II exige o conhecimento de alguns conceitos utilizados em sua fase de construção da relação de sobreclassificação: wj é o peso do critério j, significa a importância que o critério tem em relação aos outros critérios. gj(a) é o valor ou o desempenho da alternativa a no critério j. q representa um limite de indiferença, o maior valor para [gj(a) gj(b)] abaixo do qual existe uma indiferença. p representa o limite de preferência, o menor valor para [gj(a) gj(b)] acima do qual existe uma preferência estrita. Fj(a,b) é a função de preferência, valor que varia de 0 a 1 e representa o comportamento ou atitude do decisor frente as diferenças provenientes da comparação par a par entre as alternativas, para um dado critério, indicando a intensidade da preferência da diferença 9

10 gj(a) gj(b) (Brans & Mareschal, 2002). Comumente, são apresentadas seis formais mais utilizadas, conforme figura abaixo: Π(a,b) é o grau de sobreclassificação de a em relação a b, também chamado de intensidade de preferência multicritério. É calculado por: Φ+(a) é chamado de fluxo de saída e representa a média de todos os graus de sobreclassificação de a, com respeito a todas as outras alternativas. É dado pela expressão: Φ (a) é chamado de fluxo de entrada, representa a média de todos os graus de sobreclassificação de todas as outras alternativas sobre a. É dado pela expressão: Φ(a) é chamado de fluxo líquido de sobreclassificação e representa o balanço entre o poder e a fraqueza da alternativa. Quanto maior Φ(a), melhor a alternativa. É dado pela expressão: 10

11 6. TRATAMENTO DAS ALTERNATIVAS E CRITÉRIOS PELO GRUPO Problemas de decisão nessa área normalmente envolvem vários decisores. Eles podem representar diferentes departamentos de uma firma, diferentes organizações ou simplesmente diferentes parceiros envolvidos em um projeto. Cada decisor usualmente tem seus objetivos específicos (Cai et al., 2004). De acordo com Macharis et al. (1998), em decisões em grupo os decisores devem ser reunidos com um facilitador cuja função é conduzir o encontro e moderar discussões diretas entre os decisores e dar assistência ao grupo a fim de obter uma decisão tão eficiente quanto possível. Critérios individuais ou comuns são considerados. Os critérios comuns são aqueles que são acordados por todos os decisores. Por exemplo, aumento dos benefícios ambientais e redução dos impactos sociais são provavelmente critérios comuns para o problema de gerenciamento de recursos naturais. Critérios individuais podem ser considerados por um ou vários decisores e não necessariamente pelo grupo inteiro, pois, o gerente de uma concessionária de água não terá a mesma avaliação de critérios que um líder comunitário. Todos os critérios, comuns e individuais, são apresentados numa matriz de avaliação. Esta matriz é apresentada a todos os decisores, os quais fazem seus julgamentos individuais. Como a maioria dos métodos de apoio a decisão, o PROMÉTHÉE requer avaliações numéricas. Dessa forma, escalas qualitativas terão que ser transformadas em escalas numéricas. Uma vez identificadas as alternativas e a avaliação de cada critério, o processo para agregação das informações pode ser iniciado. Para esta finalidade o método PROMÉTHÉE é utilizado. Cada decisor precisa definir os pesos, sendo este a importância relativa entre os critérios, e as funções de preferência para análise de cada critério. Caso algum decisor considere que determinado critério não seja relevante, este será avaliado com peso igual a zero. Isto significa que tais critérios não serão considerados na análise pessoal desse decisor. Conseqüentemente, embora todos os decisores estejam avaliando a mesma matriz, o número de critérios ativos considerados para cada um pode variar. De acordo com o procedimento do PROMÉTHÉE, deve ser associada uma função de preferência a cada critério para comparação por pares. Embora cada decisor esteja examinando os mesmos critérios (podendo associar pesos diferentes), a seleção da função de preferência pode ser de forma globalizada ou individual. A globalizada é feita em uma discussão aberta, onde todas as funções de preferência são as mesmas para todos os decisores, e a individual, os decisores 11

12 analisam o problema separadamente e podem escolher funções de preferência diferentes, cada uma de acordo com o seu respectivo ponto de vista. Neste contexto, apesar do conjunto de alternativas e de critérios serem idênticos para todos os decisores, as avaliações podem ser completamente diferentes de acordo com as funções de preferência e pesos distribuídos individualmente. Isto depende fortemente do interesse específico dos decisores, que deverão considerar pesos maiores para os critérios que representam sua preocupação no problema, sejam eles técnicos ou financeiros. Ao final desse estágio, todos os decisores têm uma boa visão pessoal do problema e os valores dos fluxos líquidos obtidos representam as preferências de cada decisor, sendo o maior valor correspondente a melhor alternativa para aquele decisor. Assim, os rankings de cada um são coletados e dispostos numa matriz de avaliação global. Então, dá-se início a um novo problema multicritério com as mesmas alternativas, considerando como critérios os decisores. A Figura abaixo ilustra esse procedimento. 7. APLICAÇÃO DO MÉTODO PROMÉTHÉÉ A primeira pergunta e que, aparentemente, parece ser de maior importância é o item Qual é o melhor sistema e qual é o seu preço?, porém, é preciso atentar a outros dois itens que são tão importantes tanto quanto a escolha do sistema e o seu preço. Desta forma, podemos resumir todo o processo em quatro tópicos: 1. Sistema: Qual sistema e como selecionar a melhor opção. 2. Investimento: Preço do sistema. 3. Fornecedor do Sistema: Um fornecedor confiável, com experiência e qualidade no suporte técnico é mais importante do que o sistema em si. 12

13 4. Processo de Implantação do Sistema: Planejar cuidadosamente o processo de implantação, que é um item tão importante tanto quanto a escolha do sistema e do fornecedor. Estratégias que priorizam o fator preço a qualquer custo e que não consideram o fornecedor e o processo de implantação do sistema se provaram ineficazes. A complexidade da seleção e implantação de um sistema de gestão empresarial deve levar em conta diversos outros fatores que precisam ser pesquisados e analisados antes que seja determinado um orçamento ou prazo para implantação do projeto. Abaixo, segue um pesquisa do autor Steve Hammett, realizada com várias empresas que passaram pela experiência de selecionar e implantar um Sistema ERP e que revela fatos muito interessantes e que são uma excelente base para quem está pensando em adotar o Sistema de Gestão Empresarial. Algo que é único nesta pesquisa é que ela separa os usuários que estão implantando o ERP pela primeira vez daqueles que já estão numa segunda tentativa, o que ajuda a mostrar se a importância dada a cada critério se modificou após a primeira experiência. Ainda sobre avaliação dos critérios, o quadro abaixo apresenta citações de critérios de seleção e análise elaborada pelos autores da literatura existente sobre os critérios frequentemente considerados para avaliações. 13

14 Com base na análise dos dois acima e, considerando que o segundo quadro possui a avaliação de seis referências literárias, consideramos como principais critérios aqueles mais bem avaliados pela maioria dos autores e, posteriormente, verificamos a repetição destes principais critérios no primeiro quadro (na coluna das empresas que implantaram o ERP pela segunda vez). Vale lembrar que a avaliação constante no segundo quadro prevalece ao primeiro, este sendo válido apenas como uma referência teórica. Desta forma, abaixo se encontram os critérios definidos e suas respectivas definições: Critério Definição C1 Preço O preço de um ERP geralmente é muito alto. O custo total de propriedade (TCO Total Cost Ownership) do sistema deve incluir além do preço das licenças, a sua manutenção e atualizações, os demais software exigidos para que a aplicação possa trabalhar eficazmente, o hardware, inclusive a rede, a consultoria, o treinamento, a equipe de implantação e ainda outros custos. C2 Qualidade Técnica O ERP é uma aplicação de SI/TI e as suas dimensões tecnológicas assumem importância em ambientes de rápidas mudanças tecnológicas e por isso deve estar atualizado nas tendências de SI/TI, particularmente quanto aos sistemas gerenciadores de banco de dados, ambiente cliente-servidor, hardware, sistema operacional, 14

15 C3 C4 Experiência do fornecedor Funcionalidade do sistema etc. As referências de vendas, a reputação, e a internacionalidade do vendedor, com histórico de projetos bem sucedidos devem ser considerados importantes critérios para o processo de seleção uma vez que, pela esperada longevidade do sistema, a empresa produtora deve estar preparada para suportá-lo por esse período. Principais aspectos: 1) quais áreas funcionais o produto pode cobrir; 2) o quanto o produto é flexível quanto à adaptabilidade e abertura e, 3) características específicas de alguns ERP. Também foram definidos os sistemas integrados que deveriam ser considerados pela empresa, estes sistemas têm sido analisados internamente pela equipe responsável pela implantação na empresa, e aqui estes são denominados como sistema 1, sistema 2 e sistema 3. O quadro abaixo apresenta uma descrição sucinta desses sistemas integrados. Sistema Sistema 1 Sistema 2 Sistema 3 Descrição Software com reconhecido prestígio no mercado, contudo este é amplamente genérico e se destina aos mais variados segmentos econômicos. Software destinado a empresas do segmento de distribuição e atacado. Possui sucesso em diversas implantações pelo país. Software também de reconhecido prestígio no mercado e também amplamente genérico. No entanto, possui alguns subprodutos de seu software principal que se destinam a empresas de diversos segmentos Diante disso, o problema em questão pode ser resumido conforme abaixo, a figura representa o modelo estruturado de acordo com as opções dos tomadores de decisão: 15

16 Figura 1 Esquema do problema multicritério Diante disso, ao elaborarmos, conjuntamente e com pesos de 1 a 9 para todos os critérios, excluindo o critério preço, a matriz m x n observamos o seguinte: Alternativas Critérios Preço Qualidade Experiência Funcionalidade Sistema Sistema Sistema Pesos Tabela 1 Matriz de avaliação Os parâmetros de minimização e maximização, assim como as funções de preferência e limiares de preferência e indiferença são descritos abaixo: Alternativas Critérios Preço Qualidade Experiência Funcionalidade Min/Max Minimizado Maximizado Maximizado Maximizado Função Linear Usual Usual Usual Parâmetros p= q= Tabela 2 Resumo dos parâmetros O cálculo da tabela par de alternativas, de acordo com os parâmetros estabelecidos na fase anterior é encontrado abaixo: Par de alternativas Preço Qualidade Experiência Funcionalidade , , , Tabela 3 Par de alternativas S ik Ø + 1 0,40 0,40 0,80 2 0,39 0,40 0,79 3 0,35 0,20 0,55 Ø - 0,74 0,60 0,80 Ø 0,03 0,09 0,12 16

17 Tabela 4 Matriz S ik De acordo com a tabela acima, podemos concluir que o fluxo líquido da alternativa 2 é o maior, com isso, a alternativa de escolha do sistema 2 deve ser priorizada. 8. CÁLCULO ATRAVÉS DO SISTEMA PROMÉTHÉÉ (RESULTADO) Nas figuras abaixo podemos verificar o cálculo realizado através do método prométhéé, evidenciando os critérios, pesos, funções de preferência e indiferença. O sistema 2 tem uma preferência em relação ao sistema 1 e 3, enquanto o sistema 1 tem preferência em relação ao sistema 3 e o sistema 3 não tem preferência. Portanto, ao selecionar o melhor sistema ERP para a empresa, aquele contemplado como sistema 2 deverá ser priorizado. Figura 2 Tela do sistema Prométhéé 17

18 Figura 3 Resultado do sistema Prométhéé 9. CONCLUSÃO O método Prométhéé II se mostrou adequado para utilização como ferramenta de apoio à decisão para ordenamento das opções de compra de ERP. A utilização da ferramenta pode oferecer ganhos relevantes para o processo de decisão pesquisada. Com base no conjunto de informações expedidas pelos decisores foi possível concluir que o sistema 2 é a melhor alternativa avaliada através dos passos preconizados pelo método PROMÉTHÉÉ. Embora esta alternativa tenha apresentado um desempenho menor que as outras à luz de alguns critérios é fato que esta reúne um conjunto de características qualificadoras e que a reunião deste conjunto tenha pesado de maneira importante para a sua escolha como o novo sistema integrado de gestão da empresa. 10. LIMITAÇÕES E ESTUDOS FUTUROS Embora as questões desenvolvidas neste trabalho foram utilizadas contemplando o universo de uma única empresa, uma futura investigação poderá ser conduzida com experiências de outras organizações que eventualmente passam ou passaram pelo mesmo processo. Pesquisas futuras poderão evidenciar a utilização da metodologia Prométhéé e os critérios escolhidos em empresas públicas, pois, em consonância com a Lei nº e afins, estas empresas 18

19 sentem-se limitadas a atender aos preceitos encontrados naquele ordenamento jurídico, o que pode necessitar a aplicação de aquisições não pelo tipo de compra pelo menor preço, mas sim pelo tipo de compra técnica e preço, podendo assim, serem determinados critérios técnicos como os apresentados neste trabalho. Entretanto, estes critérios, pesos, assim como função de preferência e indiferença devem ser exaustivamente arrolados no instrumento convocatório. 19

20 11. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Albertão, Sebastião Edmar. ERP Sistemas de Gestão Empresarial. IGLU; Araya, Marcela Cecilia González; Carignano, Claudia; Gomes, Luiz Flavio Autran Monteiro. Tomada de decisões em cenários complexos. Editora: THOMSOM, 2000; Filho, Lucio Colangelo. Implantação de Sistemas ERP. ATLAS; Giuzio Jr., Roberto. Implementando ERP; Canuto, Simione / LCTE; J Figueira, J; Greco, S. & Ehrgott, M. (eds.) (2005) Multiple Criteria Decision Analysis State of the Art Surveys. New York: Springer Science Business media; KARG, SORA.; PARK, JONG-HUN; YANG, HEE-DONG. ERP alignment for positive business performance: evidence from Korea s ERP market. Journal of Computer Information Systems, Summer 2008; KARIMI, J.; SOMERS, T. M.; BHATTACHERJEE, A. The Role of Information Systems Resources in ERP Capability Building and Business Process Outcomes. Journal of Management Information Systems, v. 24, n. 2, p , 2007; JUNIOR, ALBERTO M. Classificação de critérios para seleção de ERP: um estudo utilizando a técnica Delphi. Revista de Sistemas de Informação, v. 9, n. 1, artigo 1, 2010; OLIVEIRA, LINDOMAR S. Um estudo sobre os principais fatores na implantação de um sistema ERP. Ponta Grossa: Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Ponta Grossa, 2006; Souza, César Alexandre. Sistemas ERP no Brasil; Sarcol, Amarolinda / ATLAS; SOUZA, CESAR ALEXANDRE DE. Sistemas integrados de gestão empresarial: um estudo de caso de implementação de sistemas ERP. São Paulo: FEA/USP, 2000; Veira, Robson. A Influência do ERP na Liderança / GIZ EDITORIAL. 20

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE ANÁLISE HIERÁRQUICA (AHP) PARA A SELEÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP)

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE ANÁLISE HIERÁRQUICA (AHP) PARA A SELEÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE ANÁLISE HIERÁRQUICA (AHP) PARA A SELEÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) Jeanderson da Silva Azeredo (UENF) jd.azeredo@gepro.uenf.br

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Universidade Federal de Santa Catarina Sistemas de Informação André Luiz Samistraro Santin asantin@inf.ufsc.br

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Prof.: Gilberto Onodera

Prof.: Gilberto Onodera Automação de Sistemas Prof.: Gilberto Onodera Aula 21-maio maio-2007 Revisão Conceitos de Macro-economia: Globalização Objetivo: Entender os principais drivers de mercado Economia de escala Paradigma da

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados.

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. MRP l SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. Material Requirement Planning Planejamento de requisição de materiais. Tecnológica e Organizacional décadas de 60 e 70

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. José Carlos Vaz Baseado em LAUDON, K. & LAUDON, J. Sistemas de Informação Gerenciais. Pearson, 2004 (5a. ed.).

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. José Carlos Vaz Baseado em LAUDON, K. & LAUDON, J. Sistemas de Informação Gerenciais. Pearson, 2004 (5a. ed.). SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. José Carlos Vaz Baseado em LAUDON, K. & LAUDON, J. Sistemas de Informação Gerenciais. Pearson, 2004 (5a. ed.). O que é um sistema de informação? Um conjunto de componentes

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Tecnologia melhora o ABC

Tecnologia melhora o ABC Tecnologia melhora o ABC As inovações da informática estão contribuindo para tornar realidade a determinação de custos com base em atividade Por Mary Lee Geishecker FINANÇAS 18 Mais do que nunca, trabalhar

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 Índice 1. Conceitos de Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas...3 1.1. Principais Fases... 3 1.2. Técnicas... 4 1.3. Papéis de Responsabilidades... 4 1.3.1.

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 1 Contexto Reclamações comuns dos executivos: Há muita informação

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Corneli Gomes Furtado Júnior 1, Thiago Ferraz 1, Rossana Maria de Castro Andrade 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning

ERP Enterprise Resourse Planning Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC Bacharelado em Sistemas de Informação 2B Fundamentos de Sistemas de Informação Professor: Paulo de Tarso ERP Enterprise Resourse Planning Alexandre

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE DECISÃO EM GRUPO PARA PRIORIZAÇÃO DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SYSTEM - BPMS

UMA ABORDAGEM DE DECISÃO EM GRUPO PARA PRIORIZAÇÃO DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SYSTEM - BPMS UMA ABORDAGEM DE DECISÃO EM GRUPO PARA PRIORIZAÇÃO DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SYSTEM - BPMS Thiago Poleto (UFPE) poleto.thiago@gmail.com Lucio Camara e Silva (UFPE) luciocsilva@gmail.com Carina Lopes

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

A Escolha de um Sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) através do Método de Análise Hierárquica (AHP)

A Escolha de um Sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) através do Método de Análise Hierárquica (AHP) A Escolha de um Sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) através do Método de Análise Hierárquica (AHP) Jeanderson da Silva Azeredo (UENF) jazeredo@yahoo.com.br Geraldo Galdino de Paula Junior (UENF)

Leia mais

PORTFÓLIO www.imatec.com.br

PORTFÓLIO www.imatec.com.br História A IMATEC foi estabelecida em 1993 com o objetivo de atuar nos segmentos de microfilmagem, digitalização e guarda de documentos e informações, hoje conta com 300 colaboradores, têm em seu quadro,

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais