Marcelo Caldeira Pedroso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcelo Caldeira Pedroso"

Transcrição

1 COLABORAÇÃO NA CADEIA DE VALOR DA SAÚDE Marcelo Caldeira Pedroso Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (USP) SETRM 2015 Seminário de tecnologia para rastreabilidade de medicamentos 27 de maio de 2015 Prof. Marcelo Caldeira Pedroso, 2011 Direitos Reservados 1

2 O que significa cadeia de valor? 4

3 Cadeia de valor da saúde: Elos: agrupamento por conjunto de atividades 9 elos (ou segmentos): 6 verticais e 3 horizontais Cadeia de valor da saúde REGULAÇÃO DESENVOL- VIMENTO DE CONHECI- MENTO EM SAÚDE FORNECI- MENTO DE PRODUTOS E TECNOLOGIAS SERVIÇOS DE SAÚDE INTERME- DIAÇÃO FINANCEIRA FINANCIA- MENTO DA SAÚDE CONSUMO DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS DE SAÚDE SERVIÇOS DE APOIO E COMPLEMENTARES Fonte: PEDROSO, M.C. Um modelo de gestão estratégica para serviços de saúde. Tese (doutorado), Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, PEDROSO, M.C.; MALIK, A.M. Cadeia de valor da saúde: um modelo para o sistema de saúde brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 10, p ,

4 Algumas organizações de saúde podem permear os elos da cadeia Fonte: PEDROSO, M.C. Um modelo de gestão estratégica para serviços de saúde. Tese (doutorado), Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, GERAR E DISSEMINAR O CONHECI- MENTO BÁSICO E APLICADO TRANSFOR- MAR CONHE- CIMENTO EM PRODUTOS E TECNOLOGIAS MISSÃO DOS ELOS VERTICAIS EXECUTAR OS SERVIÇOS DE SAÚDE PROVER ACESSO, DILUIR RISCO E REPASSAR O FINANCIA- MENTO DISPONIBI- LIZAR OS RECURSOS FINANCEIROS MANTER E MELHORAR A SAÚDE E O BEM-ESTAR REGULAR O SISTEMA DE SAÚDE REGULAÇÃO MISSÃO DOS ELOS HORIZONTAIS DESENVOL- VIMENTO DE CONHECI- MENTO FORNECI- MENTO DE PRODUTOS E TECNOLOGIAS SERVIÇOS DE SAÚDE INTERME- DIAÇÃO FINANCEIRA FINANCIA- MENTO DA SAÚDE Paciente com pagamento direto CONSUMO PROVER CONVENIÊNCIA E DISPONI- BILIDADE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS DE SAÚDE APOIAR E COMPLEMENTAR AS ATIVIDADES DE SAÚDE SERVIÇOS DE APOIO E COMPLEMENTARES 8

5 ELOS DA CADEIA DE VALOR DA SAÚDE FLUXOS DA CADEIA DE VALOR Fonte: PEDROSO, M.C. Um modelo de gestão estratégica para serviços de saúde. Tese (doutorado), Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, Fluxos da cadeia de valor da saúde FLUXO DE INOVAÇÃO E CONHECIMENTO FLUXO FINANCEIRO FLUXO DE INFORMAÇÃO FLUXO DE PRODUTOS E SERVIÇOS REGULAÇÃO DESENVOL- VIMENTO DE CONHECI- MENTO FORNECIMENTO DE PRODUTOS E TECNOLOGIAS SERVIÇOS DE SAÚDE INTERME- DIAÇÃO FINANCEIRA FINANCIA- MENTO DA SAÚDE CONSUMO DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE SERVIÇOS DE APOIO E COMPLEMENTARES 9

6 Fonte: PEDROSO, M.C. Um modelo de gestão estratégica para serviços de saúde. Tese (doutorado), Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, FLUXOS DA CADEIA DE VALOR ELOS DA CADEIA DE VALOR DA SAÚDE Rastreabilidade de medicamentos na cadeia de valor da saúde FLUXO DE INOVAÇÃO E CONHECIMENTO FLUXO FINANCEIRO FLUXO DE INFORMAÇÃO FLUXO DE PRODUTOS E SERVIÇOS REGULAÇÃO DESENVOL- VIMENTO DE CONHECI- MENTO FORNECIMENTO DE PRODUTOS E TECNOLOGIAS SERVIÇOS DE SAÚDE INTERME- DIAÇÃO FINANCEIRA FINANCIA- MENTO DA SAÚDE CONSUMO DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE SERVIÇOS DE APOIO E COMPLEMENTARES 11

7 Rastreabilidade de medicamentos na cadeia de valor da saúde FLUXO DE INFORMAÇÃO Rastreabilidade de medicamentos FLUXO DE MEDICAMENTOS REGULAÇÃO (Anvisa - Resolução RDC No. 54/2013) FABRICANTES DE MEDICAMENTOS SERVIÇOS DE SAÚDE CONSUMO Fabricantes e importadores Hospitais Secretarias de saúde Centros e postos de saúde Clínicas milhões Pessoas DISTRIBUIÇÃO VAREJO Distribuidores Farmácias 12

8 Exemplos de processos colaborativos na cadeia de valor da saúde VMI Estoque gerenciado pelo fornecedor (Vendor Managed Inventory) CMI Estoque gerenciado em conjunto (Co Managed Inventory) CPFR Planejamento colaborativo dos estoques (Collaborative Planning, Forecasting and Replenishment) 13

9 Exemplo de VMI: Vendor Managed Inventory FABRICANTE (ou DISTRIBUIDOR) DE MEDICAMENTOS HOSPITAL Nível máximo Nível de reposição Acordo entre o fornecedor e o hospítal: nível de reposição nível máximo ou lote de reposição 14

10 Exemplo de VMI: Vendor Managed Inventory FABRICANTE (ou DISTRIBUIDOR) DE MEDICAMENTOS HOSPITAL Nível máximo Nível de reposição Necessidade de reposição Informação sobre os níveis de estoque no hospital 15

11 Exemplo de VMI: Vendor Managed Inventory FABRICANTE (ou DISTRIBUIDOR) DE MEDICAMENTOS HOSPITAL Reposição automática Nível máximo Nível de reposição Necessidade de reposição Informação sobre os níveis de estoque no hospital 16

12 As leis da dinâmica das cadeias de suprimentos Propagação da demanda Dinâmica das cadeias de suprimentos 1 a. LEI: Efeito BULLWHIP (chicote) 2 a. LEI: Efeito CLOCKSPEED (velocidade de mudanças) Propagação dos desenvolvimentos tecnológicos 17

13 Efeito chicote (Bullwhip effect) 1. Demanda dos consumidores 2. Demanda nos varejistas 3. Demanda nos distribuidores 4. Demanda nos fornecedores Fonte: Lee, H. L., Padmanabhan, V., Whang, S. The Bullwhip Effect in Supply Chains. Sloan Management Review, Spring, 1997, p

14 Regra # 1: CONFIANÇA entre os parceiros Colaboração: como começar Marcelo Caldeira Pedroso Direitos Reservados 20

15 Colaboração na cadeia de valor da saúde Marcelo Caldeira Pedroso Direitos Reservados 21

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen Logística Empresarial Aula 2 Evolução da Disciplina O papel da Logística Empresarial Aula 1 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Aula 2 Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

ETIQUETA INTELIGENTE (RFID) A nova fronteira na cadeia de distribuição. Onde estamos, para onde vamos? Claudio Czapski, ECR Brasil

ETIQUETA INTELIGENTE (RFID) A nova fronteira na cadeia de distribuição. Onde estamos, para onde vamos? Claudio Czapski, ECR Brasil ETIQUETA INTELIGENTE (RFID) A nova fronteira na cadeia de distribuição Onde estamos, para onde vamos? Claudio Czapski, ECR Brasil 1 Plano Estratégico do Comitê -o que? (disseminação do conhecimento) -

Leia mais

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL O PODER DE UMA MALHA GLOBAL NOSSAS SOLUÇÕES INTEGRAM O melhor gerenciamento da cadeia de suprimentos e demanda impacta diretamente no que as empresas estão sempre buscando: Aumento de receita Aumento da

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EPR420 Logística e Cadeia de Suprimentos

Programa Analítico de Disciplina EPR420 Logística e Cadeia de Suprimentos Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Tecnologia da Informação em Aplicações Logísticas. Professor: Msc. Marco Aurélio C. da Silva

Tecnologia da Informação em Aplicações Logísticas. Professor: Msc. Marco Aurélio C. da Silva Tecnologia da Informação em Aplicações Logísticas Professor: Msc. Marco Aurélio C. da Silva Importância da TI na Logística A TI foi um fator preponderante para o desenvolvimento da Logística nos últimos

Leia mais

Supply Chain Management. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção

Supply Chain Management. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Supply Chain Management MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Abrange o planejamento e gerenciamento de todas as atividades envolvidas no sourcing &

Leia mais

Aplicado no Alinhamento da Cadeia Produtiva

Aplicado no Alinhamento da Cadeia Produtiva E-Business Aplicado no Alinhamento da Cadeia Produtiva Benefícios Quantificados do Caso Genexis George Paulus Pereira Dias Engenheiro e Mestrando de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP

Leia mais

Informática Industrial Aula 1 O Que é Automação. sábado, 4 de outubro de 2003

Informática Industrial Aula 1 O Que é Automação. sábado, 4 de outubro de 2003 Informática Industrial Aula 1 O Que é Automação sábado, 4 de outubro de 2003 Definição Engenharia de automação é o estudo das técnicas que visam otimizar um processo de negócio, aumentando sua produtividade,

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Planejamento no Supply Chain - 2015 - Apresentação As empresas devem garantir que suas cadeias de suprimento estejam preparadas para um mercado em constante modificação. Planejar

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Logística Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística

Leia mais

GEORGE PAULUS PEREIRA DIAS

GEORGE PAULUS PEREIRA DIAS GEORGE PAULUS PEREIRA DIAS GESTÃO DOS ESTOQUES NUMA CADEIA DE DISTRIBUIÇÃO COM SISTEMA DE REPOSIÇÃO AUTOMÁTICA E AMBIENTE COLABORATIVO Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São

Leia mais

O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos

O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos RESUMO Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Neimar Follmann (UFSC) follmann2@hotmail.com Carlos Manuel Taboada Rodriguez

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CONTROLE DE ESTOQUES MULTICAMADA EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM USO DA INFORMAÇÃO: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO

RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CONTROLE DE ESTOQUES MULTICAMADA EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM USO DA INFORMAÇÃO: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CONTROLE DE ESTOQUES MULTICAMADA EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM USO DA INFORMAÇÃO: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO Aluna: Joana Freire de Carvalho Orientador: Fernanda Maria

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

Planejamento Logístico. Anhanguera 2011 Prof. André Jun

Planejamento Logístico. Anhanguera 2011 Prof. André Jun Planejamento Logístico Anhanguera 2011 Prof. André Jun Cap. 3 Vencendo como um time Just-in-time Contexto: complexidade e variabilidade tornam o SCM difícil de ser administrado; assim, as empresas têm

Leia mais

29 de novembro de 2011

29 de novembro de 2011 Práticas Contemporâneas em Logística e SupplyChain 29 de novembro de Composição dogelog 1)- ALEXANDRE JOSÉ DO NASCIMENTO 2)- ANA CLAUDIA BELFORT 3)- DOMINGOS ALVES CORRÊA NETO 4)- EDSON VALTER BOYAMIAN

Leia mais

Marcelo Caldeira Pedroso

Marcelo Caldeira Pedroso Estratégias de expansão e ganhos de escala na saúde Marcelo Caldeira Pedroso Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (USP) São Paulo, 04 de novembro de 2013 1 Informações sobre o conteúdo

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

GESTÃO DOS ESTOQUES NUMA CADEIA DE DISTRIBUIÇÃO COM SISTEMA DE REPOSIÇÃO AUTOMÁTICA E AMBIENTE COLABORATIVO

GESTÃO DOS ESTOQUES NUMA CADEIA DE DISTRIBUIÇÃO COM SISTEMA DE REPOSIÇÃO AUTOMÁTICA E AMBIENTE COLABORATIVO RESUMO GESTÃO DOS ESTOQUES NUMA CADEIA DE DISTRIBUIÇÃO COM SISTEMA DE REPOSIÇÃO AUTOMÁTICA E AMBIENTE COLABORATIVO GEORGE PAULUS PEREIRA DIAS E HUGO TSUGUNOBU YOSHIDA YOSHIZAKI Escola Politécnica da USP

Leia mais

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 Logística Curso Formação de Auditores para a Cadeia Industrial Farmacêutica 2 Sobre o Docente Programação SONJA HELENA MADEIRA MACEDO Graduada em Farmácia-Bioquímica

Leia mais

Serialização e Rastreabilidade

Serialização e Rastreabilidade Serialização e Rastreabilidade Uma Visão de Valor kpmg.com/br ALÉM DE COMBATER AS Seguindo uma tendência mundial, o Brasil está regulamentando ações de controle e rastreabilidade dos medicamentos através

Leia mais

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS A mentalidade de silos, fenômeno conhecido como políticas departamentais, rivalidade divisional ou guerras internas, devastam as organizações. Esta mentalidade

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 19 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Parte II Leonardo Julianeli Na primeira parte deste texto*, foram apresentados os principais motivadores

Leia mais

Previsão, Reabastecimento e Planejamento Colaborativo (CPFR): Conceitos e Aplicações

Previsão, Reabastecimento e Planejamento Colaborativo (CPFR): Conceitos e Aplicações Previsão, Reabastecimento e Planejamento Colaborativo (CPFR): Conceitos e Aplicações Flávio Luis Borges Tavares (UNIFEI) flbtjnc@yahoo.com.br Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima@unifei.edu.br Resumo:

Leia mais

Há décadas o tema gestão de cadeias de suprimentos

Há décadas o tema gestão de cadeias de suprimentos GESTÃO Gestão holística Há décadas o tema gestão de cadeias de suprimentos entrou na ordem do dia. No entanto, as abordagens tradicionais deram ênfase aos aspectos operacionais, em detrimento, muitas vezes,

Leia mais

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi*

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Existem diversas atividades fundamentais desempenhadas pelas empresas no cumprimento de sua missão, sempre com o objetivo de agregar de

Leia mais

Motivadores para Implementação de Iniciativas de Colaboração no Processo de Planejamento da Demanda

Motivadores para Implementação de Iniciativas de Colaboração no Processo de Planejamento da Demanda Motivadores para Implementação de Iniciativas de Colaboração no Processo de Planejamento da Demanda - Parte I - Leonardo Julianelli Depois de décadas estudando e discutindo modelos estatísticos sofisticados

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

Projeto TRANSFORMAR. No Contexto Varejo há que se trocar a turbina durante o voo, logo:

Projeto TRANSFORMAR. No Contexto Varejo há que se trocar a turbina durante o voo, logo: 1 Projeto TRANSFORMAR Levando em consideração que as PERDAS podem ser provenientes de diversas fontes, sejam elas OPERACIONAIS, OBSOLESCÊNCIA, FURTO ou INCONSISTÊNCIA DE DADOS, o Supermercados Russi adotou

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

O PAPEL DOS AGENTES DA CADEIA DE SUPRIMENTOS EM PROJETOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS CPFR: UM ESTUDO DE CASO

O PAPEL DOS AGENTES DA CADEIA DE SUPRIMENTOS EM PROJETOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS CPFR: UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& O PAPEL DOS AGENTES DA CADEIA DE SUPRIMENTOS EM

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

CONSULTOR MOSTRA COMO VENCER BARREIRAS E MELHORAR A COLABORAÇÃO ENTRE INDÚSTRIA E VAREJO

CONSULTOR MOSTRA COMO VENCER BARREIRAS E MELHORAR A COLABORAÇÃO ENTRE INDÚSTRIA E VAREJO Economia/Varejo/Indústria/Agenda CONSULTOR MOSTRA COMO VENCER BARREIRAS E MELHORAR A COLABORAÇÃO ENTRE INDÚSTRIA E VAREJO Durante o Cecral 2004, simultâneo à ExpoAbras, o norte-americano Joe Andraski e

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

Para simplificar o estudo da logística podemos dividi-la em três atividades primárias, de acordo com Ballou (1993):

Para simplificar o estudo da logística podemos dividi-la em três atividades primárias, de acordo com Ballou (1993): 2 Revisão bibliográfica 2.1 Logística A logística é um dos setores dentro das empresas que mais tem crescido nos últimos anos devido à necessidade das empresas de disponibilizar os produtos desejados pelos

Leia mais

A Propagação Amplificada da Demanda: Estudo Exploratório na Cadeia de Suprimentos de Bebidas

A Propagação Amplificada da Demanda: Estudo Exploratório na Cadeia de Suprimentos de Bebidas A Propagação Amplificada da Demanda: Estudo Exploratório na adeia de Suprimentos de Bebidas Liane Márcia Freitas e Silva (UFPB-PPGEP) lianemarcia@hotmail.com Antônio de Mello Villar (UFPB-PPGEP) avillar@producao.ct.ufpb.br

Leia mais

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA í n d ic e COMPRAS Gestão e optimização de p. 134 Aprovisionamento e gestão de p. 134 Técnicas avançadas de de p. 135 Selecção e avaliação de p. 135 LOGÍSTICA Optimizar a gestão logística

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Organização da Aula. Tópicos em Logística. Aula 4. 1. Logística de Resposta. Contextualização. Ações por Parte da Empresa. Instrumentalização

Organização da Aula. Tópicos em Logística. Aula 4. 1. Logística de Resposta. Contextualização. Ações por Parte da Empresa. Instrumentalização Tópicos em Logística Organização da Aula Aula 4 1. Logística de Resposta Rápida 2. Envolvimento da mão de obra Profa. Rosinda Angela da Silva 3. Tecnologia envolvida 1. Logística de Resposta Rápida Contextualização

Leia mais

Fonte: http://www.argentus.com/supply-chain-jobs-scm-jobs/ continental, bem como nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

Fonte: http://www.argentus.com/supply-chain-jobs-scm-jobs/ continental, bem como nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira. CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Parte II: Gestão da Cadeia de Abastecimento Relevância para a Logística Permanente 1 do Exército. Cap AdMil António Machado Fruto sobretudo da competitividade

Leia mais

Artigo publicado. na edição 14. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. janeiro e fevereiro de 2010

Artigo publicado. na edição 14. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. janeiro e fevereiro de 2010 Artigo publicado na edição 14 Assine a revista através do nosso site janeiro e fevereiro de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo VMI Estoque Gerenciado pelo Fornecedor Uma introdução aos principais

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Cadeia de valor da saúde: um modelo para o sistema de saúde brasileiro

Cadeia de valor da saúde: um modelo para o sistema de saúde brasileiro 2757 Cadeia de valor da saúde: um modelo para o sistema de saúde brasileiro Healthcare value chain: a model for the Brazilian healthcare system TEMAS LIVRES FREE THEMES Marcelo Caldeira Pedroso 1 Ana Maria

Leia mais

Estudo dos Efeitos Causados pelo Vmi no Controle dos Estoques do Segmento Atacadista

Estudo dos Efeitos Causados pelo Vmi no Controle dos Estoques do Segmento Atacadista Estudo dos Efeitos Causados pelo Vmi no Controle dos Estoques do Segmento Atacadista Wendel da Silva Cavalcanti Vaz wendel.vaz@fatec.sp.gov.br FATEC RENATO DE OLIVEIRA VALLE renato.valle@fatec.sp.gov.br

Leia mais

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos 1 1. Supply Chain Structure 3. Componentes gerenciais 4. Supply Chain Performance Measurement (SCPM) 5. Hot topics in Supply Chain (SC) 6. Dell Case

Leia mais

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo.

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo. Case Baterias Moura Liderança em Baterias Centro de Distribuição Planta de Reciclagem Planta de Baterias Porto Rico - USA Buenos Aires - Argentina Previsão da demanda Programação de produção VENDA DOS

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Gestão de Estoques. Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP

Gestão de Estoques. Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP Gestão de Estoques Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP Sumário Introdução A arte da segmentação Políticas Diferenciadas Aspectos Fundamentais Políticas de Estoques

Leia mais

5. Práticas de SCM na GSK

5. Práticas de SCM na GSK 5. Práticas de SCM na GSK Desde a fusão em 2001, a GSK estima que obteve cerca de 1 bilhão em economias relacionadas à racionalização da sua rede de suprimentos e das atividades de SCM. Além das economias

Leia mais

Pós-Graduação Fórum Lean Vale do Paraíba A contribuição do Lean-TOC-VMI para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann CIS-ERP / Grupo Everel 16maio2009 artur.moellmann@terra.com.br

Leia mais

Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões?

Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões? WANKE, Peter F. Estratégia Logística em Empresas Brasileiras. Uso exclusivamente interno para acompanhamento às aulas Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

CASO PARA DISCUSSÃO EM SALA DE AULA PROF. Paulo Roberto Leite. Havaianas: logística para todo mundo usar

CASO PARA DISCUSSÃO EM SALA DE AULA PROF. Paulo Roberto Leite. Havaianas: logística para todo mundo usar CASO PARA DISCUSSÃO EM SALA DE AULA PROF. Paulo Roberto Leite Havaianas: logística para todo mundo usar As sandálias Havaianas, tradicional produto da Alpargatas que é praticamente um símbolo do Brasil,

Leia mais

MINOR SUPPLY CHAIN (LOGÍSTICA) Coordenador: Prof. Dr. Fabiano Rodrigues

MINOR SUPPLY CHAIN (LOGÍSTICA) Coordenador: Prof. Dr. Fabiano Rodrigues MINOR SUPPLY CHAIN (LOGÍSTICA) Coordenador: Prof. Dr. Fabiano Rodrigues Fundamentos do Supply Chain Management ESTRUTURA DA MINOR SUPPLY CHAIN Supply Chain: Modelagem de Decisões Minor Supply Chain Supply

Leia mais

COORDENAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS AUTOMOTIVA: ESTUDO DO CASO DE VMI EM PEÇAS DE REPOSIÇÃO DA SCANIA

COORDENAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS AUTOMOTIVA: ESTUDO DO CASO DE VMI EM PEÇAS DE REPOSIÇÃO DA SCANIA COORDENAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS AUTOMOTIVA: ESTUDO DO CASO DE VMI EM PEÇAS DE REPOSIÇÃO DA SCANIA Autoria: José Roberto do Rego, Marcos Roberto Luppe, Jorge Luiz de Biazzi, Marílson Alves

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer a terminologia usada na gestão de estoques Conhecer os métodos e procedimentos básicos de planejamento

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Troca de informações através da cadeia de suprimento

Troca de informações através da cadeia de suprimento Alexandre Cardoso Glioche Troca de informações através da cadeia de suprimento Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao programa de pósgraduação em Engenharia Industrial da PUC Rio como requisito

Leia mais

Distribuição direta ou distribuição escalonada?

Distribuição direta ou distribuição escalonada? Distribuição direta ou distribuição escalonada? A visão da indústria numa rede de distribuição simples Peter Wanke Introdução As últimas três décadas foram marcadas por fortes transformações nas relações

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

EFEITO CHICOTE EM UM ELO DA CADEIA DE SUPRIMENTO DE EMBALAGENS PARA REFRIGERANTES ESTIMATIVA DE OSCILAÇÃO DE DEMANDA DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014.

EFEITO CHICOTE EM UM ELO DA CADEIA DE SUPRIMENTO DE EMBALAGENS PARA REFRIGERANTES ESTIMATIVA DE OSCILAÇÃO DE DEMANDA DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014. EFEITO CHICOTE EM UM ELO DA CADEIA DE SUPRIMENTO DE EMBALAGENS PARA REFRIGERANTES ESTIMATIVA DE OSCILAÇÃO DE DEMANDA DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014. Milton da Silva Cruz, milton.cruz@fieb.org.br X. L.

Leia mais

APLICAÇÃO DO VMI À UM MODELO DE GESTÃO INTEGRADA DE ESTOQUES EM UM ÒRGÃO PÚBLICO

APLICAÇÃO DO VMI À UM MODELO DE GESTÃO INTEGRADA DE ESTOQUES EM UM ÒRGÃO PÚBLICO APLICAÇÃO DO VMI À UM MODELO DE GESTÃO INTEGRADA DE ESTOQUES EM UM ÒRGÃO PÚBLICO Wattson José Saenz Perales (UFRN) wattson@ct.ufrn.br Gustavo Martins de Lima (UFRN) gus_engpro@hotmail.com Gabriel Brito

Leia mais

Colaboração logística na cadeia de suprimentos do etanol: o elo atacadista-varejista

Colaboração logística na cadeia de suprimentos do etanol: o elo atacadista-varejista Colaboração logística na cadeia de suprimentos do etanol: o elo atacadista-varejista Adélia Maria Dal-Cere Paes de Almeida (UFV) adelia.paes@gmail.com Juliana de Oliveira Vargas (UFV) ju.vargas@gmail.com

Leia mais

Modelos de Previsão no Supply Chain Management

Modelos de Previsão no Supply Chain Management Modelos de Previsão no Supply Chain Management Gláucia Michel de Oliva(DEST/UFRGS) João Fortini Albano(PPGEP/UFRGS) Resumo Este trabalho apresenta uma taxionomia dos modelos de previsão associados aos

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

f a s t t o r p e d o

f a s t t o r p e d o Insira o slogan da empresa aqui. f a s t t o r p e d o Com o intuito de conectar organizações e pessoas, o fasttorpedo desenvolveu uma plataforma para ajudar a transmitir informações de forma eficiente

Leia mais

Modelos de Gestão e Remuneração: Os artistas em cena

Modelos de Gestão e Remuneração: Os artistas em cena 24º - CONGRESSO DE PRESIDENTES, PROVEDORES, DIRETORES E ADMINISTRADORES HOSPITALARES DE SANTAS CASAS E HOSPITAIS BENEFICENTES DO ESTADO DE SÃO PAULO Modelos de Gestão e Remuneração: Os artistas em cena

Leia mais

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Infor ERP SyteLine Visão Geral Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Sobre a Mag-W A Mag-W foi criada especialmente para trazer ao mercado o que há de melhor em soluções corporativas de Tecnologia da Informação

Leia mais

Reunião Pública com Analistas Abril, 2009

Reunião Pública com Analistas Abril, 2009 Reunião Pública com Analistas Abril, 2009 Profarma Overview Profarma: Overview da Companhia Desde 1961, a Profarma distribui produtos farmacêuticos, higiene pessoal e cosméticos para farmácias e hospitais

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e Demanda NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Paulo Viola paulo.viola@neogrid.com Introdução Tema: Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre DEFINIÇÃO DE CADEIA DE SUPRIMENTOS Conjunto de atividades que objetivam fornecer produtos

Leia mais

Divulgação Resultados 1T09

Divulgação Resultados 1T09 Divulgação Resultados 1T09 Introdução 1. Principal negócio (fabricação e distribuição de produtos para a saúde) tem se mostrado resiliente 2. Mudanças na Diretoria Renúncia Antonio Godoy e desligamento

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTO PREÇO. Custo: Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço

CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTO PREÇO. Custo: Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço OBSERVAÇÃO IMPORTANTE CUSTOS LOGÍSTICOS Prof., Ph.D. CUSTO PREÇO : Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço Preço: Decisão de negócio - Quanto a empresa cobrará pelo serviço SÍNTESE

Leia mais

Alianças Estratégicas entre Indústria e Varejo

Alianças Estratégicas entre Indústria e Varejo Alianças Estratégicas entre Indústria e Varejo Agenda 1) Mudanças no Ambiente - A evolução do Varejo - A evolução da Indústria - A evolução Consumidor 2) Trade Marketing: Resposta ao Novo Cenário 3) Modelos

Leia mais

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Diretora da Divisão de Farmácia ICHC Agenda Perfil Farmácia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA GABRIEL ROSSONI SILVA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA GABRIEL ROSSONI SILVA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA GABRIEL ROSSONI SILVA DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE SIMULAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS MULTICAMADAS DO RAMO DE MINERAÇÃO

Leia mais

Utilizando a Internet como apoio ao CPFR (Collaborative Planning, Forecasting, and Replenishment)

Utilizando a Internet como apoio ao CPFR (Collaborative Planning, Forecasting, and Replenishment) Utilizando a Internet como apoio ao CPFR (Collaborative Planning, Forecasting, and Replenishment) Mauro Vivaldini (UNIMEP) mvivaldini@mbbrasil.com.br Fernando Bernardi de Souza (UNESP) fbernardi@feb.unesp.br

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: iniciativas e práticas

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: iniciativas e práticas Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: iniciativas e práticas Ana Carolina Cardoso Firmo (UNIFEI) carolinafirmo@yahoo.com.br Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima@unifei.edu.br

Leia mais

Gestão Estratégica de Compras no Varejo MANUAL DO CANDIDATO. ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP

Gestão Estratégica de Compras no Varejo MANUAL DO CANDIDATO. ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP Gestão Estratégica de Compras no Varejo MANUAL DO CANDIDATO ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8225 Segunda

Leia mais

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X PROCESSOS E

Leia mais

Gerenciamento e Previsão de Demanda

Gerenciamento e Previsão de Demanda Gerenciamento e Previsão de Demanda Cadeia de valor de suprimento e Previsão de Demanda; Demanda (princípios básicos); Gerenciamento da demanda; Por que previsões de demanda são necessárias?; Previsão

Leia mais

Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística

Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística Wagner Salzano Marcos Maregatti 21.05.2016 1 PALESTRANTES Wagner Salzano Head Divisão Supply Chain Marcos Maregatti Gerente

Leia mais

Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões?

Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões? WANKE, Peter F. Estratégia Logística em Empresas Brasileiras. Uso exclusivamente interno para acompanhamento às aulas Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos

Leia mais