Radiojornalismo, Webjornalismo e Formação Profissional 1. Carla Rodrigues 2 Creso Soares Jr 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Radiojornalismo, Webjornalismo e Formação Profissional 1. Carla Rodrigues 2 Creso Soares Jr 3"

Transcrição

1 Resumo Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação Radiojornalismo, Webjornalismo e Formação Profissional 1 Carla Rodrigues 2 Creso Soares Jr 3 Este artigo discute as habilidades do profissional de rádio, a partir da expansão do veículo para a internet. Para isso, toma-se como ponto de partida o exemplo do blog especial da rádio CBN para as olimpíadas de Pequim 2008 e a experiência do Portal PUC-Rio Digital a fim de para discutir que novas exigências o mercado de trabalho impõe ao radiojornalista. Palavras-chave radiojornalismo; webjornalismo; formação profissional; novas tecnologias de informação e comunicação Introdução Este artigo tem como objetivo discutir de que forma a expansão do rádio para a internet provoca mudanças na formação profissional, conseqüência das transformações trazidas pelas Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação (NTICs) à profissão de jornalista. As NTICs também estão transformando profundamente a radiodifusão, e neste trabalho unem-se o debate sobre esses dois processos de transformação: o exercício do jornalismo e as características do rádio, que passou por inúmeras transformações nos mais de 80 anos em que está no Brasil. Com a chegada da TV, nos anos 1950, o rádio vai se transformando em prestador de serviço, a audiência deixa de ser coletiva para ser individual, e a vozes impostadas dos locutores vão dando lugar aos comunicadores que conseguem estabelecer empatia e proximidade. Mais recentemente, a transmissão de rádio via web começa a mudar significativamente a relação do ouvinte com o áudio que vai se tornar portável, mudando também a rotina e os requisitos do profissional de rádio. Para discutir essas mudanças, o artigo vai explorar um caso exemplar: a comparação das coberturas da emissora de rádio CBN de duas Olimpíadas: a de 2004, em Atenas, e a de 2008, na Grécia. Na primeira, em 2004, o repórter Carlos Eduardo Éboli desembarcou na Grécia com gravadores para captura de áudio e um telefone para 1 Trabalho apresentado no GP Rádio e Mídia Sonora, IX Encontro dos Grupos/Núcleos de Pesquisas em Comunicação, evento componente do XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Setembro de Jornalista, mestre e doutoranda em Filosofia (PUC-Rio), professora do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio, editora do Portal PUC-Rio Digital. 3 Jornalista, especialista em Jornalismo Cultural (Unesa/2003), professor do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio editor do Portal PUC-Rio Digital. 1

2 fazer entradas ao vivo e se comunicar com a redação. Quatro anos depois, o mesmo jornalista foi a Pequim com máquinas fotográficas e filmadora, a fim de produzir imagens para a área especial do sítio 4 da emissora dedicada à cobertura das olimpíadas. Breve história do rádio no Brasil e seu papel social Quando o rádio chegou ao Brasil, Edgard Roquette-Pinto, fundador da primeira emissora com transmissões regulares no país, justificava a utilidade do rádio como o veículo que poderia trabalhar pelo progresso do Brasil: o rádio é o jornal de quem não sabe ler; é o mestre de quem não pode ir à escola; é o divertimento gratuito do pobre; é o animador de novas esperanças; o consolador do enfermo; o guia dos sãos, desde que realizem com o espírito altruísta e elevado (ROQUETE PINTO apud FERRARETO: 1997: 97). As idéias de Roquette-Pinto, que o rádio deveria ser usado para educação, um veículo sem fins lucrativos, caem por terra quando é descoberta a potencialidade de obter lucros com venda de espaço publicitário. Quase um século depois, o rádio brasileiro passou por um processo parecido com o do folhetim na França. Nas palavras de Martin-Barbero: O estatuto da comunicação literária sofre com o folhetim um duplo deslocamento: do âmbito do livro para o da imprensa o que implica a mediação das técnicas da escritura jornalística e da técnica do aparato tecnológico na composição e na diagramação de um formato específico e do âmbito do escritor-autor, que agora só entra com a matéria prima e por vezes mais do que escrever reescreve para o do editor-produtor, que é quem muitas vezes tem o projeto e dirige sua realização. (MARTIN-BARBERO, 2006:179) O rádio brasileiro, nascido como uma atividade de diletantes, de uma elite capaz de comprar os caros equipamentos para receber as transmissões, entra então no universo dos lucros e do consumo. A sociedade brasileira começa a se modernizar. No fim dos anos 1920, o Brasil já possui um mercado interno razoável, com o crescimento da mãode-obra assalariada. Neste momento, o veículo se desloca do eixo da novidade científica para se constituir num veículo de comunicação, voltado para a obtenção de lucros, anunciantes e audiência. Com a regulamentação da propaganda, a indústria e o comércio ganham um canal para atingir a população, inclusive os analfabetos. Graças às iniciativas de Adhemar Casé e César Ladeira, entra em cena o programa de auditório. Este tipo de 4 2

3 atração que apresentava grandes nomes da música e do teatro fazia com que o público se aproximasse de seus ídolos. Como explica Ferraretto: Com o auditório servindo à interação com o público, o espetáculo radiofônico desenvolveu-se até a chegada da televisão que, gradativamente,ocupa seu lugar como principal forma de entretenimento massivo. (FERRARETTO, 1998:107) Com a chegada da TV, o rádio passa por uma reestruturação. O espetáculo massivo ficaria com o novo veículo. O rádio investiu em itens que anteriormente representavam um espaço menor na programação, como o jornalismo, as transmissões esportivas, a prestação de serviço e a música gravada. A sobrevivência veio também pelo uso de uma nova tecnologia: o transistor, que deu ao rádio portabilidade. O aparelho saiu da sala e ganhou outros cômodos da casa. A audiência coletiva da época do rádio-espetáculo dava lugar a uma audiência individual. Nesta época, o Brasil abria-se a investimentos estrangeiros fortemente baseados numa política desenvolvimentista capitaneada por Juscelino Kubitschek. O país vivia então relativa estabilidade econômica e prosperidade. Depois da transferência do espetáculo para a tela da TV, o jornalismo ganhou grande incremento no rádio. Destacam-se as experiências da Emissora Continental e Rádio Jornal do Brasil no Rio de Janeiro, da Jovem Pan, em São Paulo, e Guaíba, em Porto Alegre. Como diz Canclini (2005:17): Há mais de meio século os intercâmbios culturais entre os Estados Unidos e a América Latina ocorrem mais nas indústrias de comunicação do que na literatura, nas artes visuais, ou na cultura tradicional. A primeira rádio all-news e a migração para a web Um dos resultados desse intercâmbio na indústria da comunicação nasceu em 1991, ano de fundação da Rádio CBN, inspirada no modelo de radiojornalismo feito nos EUA. O modelo de 24 horas de notícia já existia naquele país desde a década de O idealizador da emissora, José Roberto Marinho, explicou o tipo de rádio que pensou para a CBN: Achei mais interessante optar por um mix: usar o modelo da CBS, de conteúdo local e prestação de serviço, mas já acrescentando o conceito de rede, como operava a ABC. (MARINHO apud TAVARES&FARIA, 2006:16). A partir do que diz Marinho, se pode classificar o processo de criação da CBN como uma hibridação, tendo em vista que para a realidade brasileira, os idealizadores 3

4 pensaram na mistura de dois modelos importados da América para resultar numa rádio brasileira, como explica Canclini (2008:XIX): entendo por hibridação processos socioculturais nos quais estruturas ou práticas discretas, que existam de forma separada. Se combinam para gerar novas estruturas, objetos e práticas. O modelo adotado pela CBN se insere no que diz Meditsch o jornalismo é feito no rádio sob influência do que se faz na imprensa escrita. O rádio informativo não é apenas um novo canal para a mesma mensagem do jornalismo, é também um jornalismo novo, qualitativamente diferente, e a designação diversa procura dar conta dessa transformação (MEDITSCH, 2001:30). Fundada em 1991, a CBN se expandiu para a internet em As estatísticas de acesso ao sítio apontavam, em abril de 2008, para 2,5 milhões de páginas vistas por mês e 811 mil visitantes únicos 5. Na web, a rádio publica três mil páginas e há cerca de 90 mil arquivos de áudio. A expansão para a plataforma web faz parte de uma estratégia de aproximação do público jovem. Assim como o transistor permitiu portabilidade ao rádio e possibilitou a sobrevivência do meio após a chegada da TV, a internet aparece como uma nova tecnologia capaz de renovar a transmissão de áudio e dar ao rádio novas configurações. Nas Olimpíadas de 2004, a CBN enviou dois repórteres para cobrir o maior evento esportivo do planeta. Eles foram munidos de gravadores e telefones para fazer as reportagens. Na verdade, quando os eventos eram transmitidos ao vivo, os narradores ficavam no Brasil, acompanhando as competições pela televisão e os repórteres iam aos locais para fazer registros posteriores. Esta parte da cobertura não se alterou para Pequim 2008, mas a equipe cresceu. Foram cinco profissionais, que além de gravadores levaram também máquinas fotográficas e filmadoras. No sítio, a emissora criou um ambiente especial chamado blog das olimpíadas. Os repórteres levaram os equipamentos para fazerem reportagens de comportamento. O jornalista Carlos Eduardo Eboli tem dois vídeos emblemáticos dessa nova fase do rádio sobre plataforma web e, portanto, livre das suas limitações de transmissão exclusivamente em áudio. No primeiro vídeo, Éboli aparece comendo um escorpião frito e conversan com a câmera. No segundo, o repórter negocia a compra de um lenço num mercado popular chinês. Ao entrar no ambiente especial criado para a cobertura olímpica, o ouvinteinternauta encontra um muro construído na capital chinesa que separa o país que mais 5 Estatísticas do Google Analytics, acesso restrito. 4

5 cresce no mundo, de um povo que ficou de fora da festa. Por intermédio da CBN, o internauta toma conhecimento da imagem que desnuda o contraste. Os novos radialistas devem falar bem, fotografar bem e se relacionar satisfatoriamente com a imagem em movimento, tanto como o agente que captura essas imagens, como o ator que vai aparecer na frente das câmeras. Carlos Eduardo Eboli 6 afirma que a equipe da CBN não tinha a intenção de fazer reportagens esportivas com o equipamento de vídeo: as câmeras foram usadas para matérias de comportamento e captar flagrantes do cotidiano chinês. O repórter personificou, assim, o que diz o jornalista Heródoto Barbeiro: Não há mais lugar para o locutor-apresentador de notícias apuradas pela redação, a sua função passa a ser de divulgador de serviços como hora, temperatura, pequenas notas, etc. A nova organização industrial das redações, que alicerça o conceito de multifunção e as necessidades de se respeitar os orçamentos de gastos obriga todos os jornalistas de rádio a falar (BARBEIRO apud MEDITSCH, 2001:20). É interessante notar que os vídeos não seguem a estrutura de matérias televisivas com offs, passagens e sonoras. A imagem captura o momento, seja ele a árdua luta para baixar o preço de um produto ou o desfrutar de uma iguaria oriental. Não há edição, é quase um plano-seqüência. Outro aspecto importante de ressaltar é que na transmissão da CBN em Pequim, as imagens eram usadas de forma periféricas aos eventos esportivos, elas serviam para ilustrar reportagens de comportamento. A emissora pertence ao Sistema Globo de Rádio (SGR), braço radiofônico das Organizações Globo, maior conglomerado de participação do país. Além de não haver como brigar tecnologicamente com as transmissões da TV Globo, o fato da CBN transmitir os jogos com imagens via internet poderia contrariar a política comercial do conglomerado. Meditsch faz uma reflexão sobre a forma que as organizações multimídias tratam o assunto: Como essa concentração (de propriedade e/ou controle da produção) se dá geralmente em mãos de grupos empresarias multimídia, continuará sendo difícil reverter a subordinação do rádio ás decisões tomadas em função da televisão nessas empresas. Pelo volume de investimento e lucro que representa, a TV naturalmente se torna prioridade onde a motivação é econômica (MEDITSCH, 2001:42). Assim como na chegada da TV ao Brasil, o rádio teve que ocupar lugares que não interessavam ao novo veículo, este processo usado na cobertura das olimpíadas é uma tentativa de ir por um caminho diferente do tomado pela televisão e conseguir seu 6 Depoimento aos autores em junho de

6 espaço próprio. Assim, a programação da CBN no blog das olimpíadas é uma hibridação de TV e rádio, formando uma nova forma de comunicação: Como a hibridação funde estruturas ou práticas sociais discretas para gerar novas estruturas e novas práticas? Às vezes isso ocorre de modo não planejado ou é resultado imprevisto de processos migratórios, turísticos e de intercâmbio econômico ou comunicacional. Mas frequentemente a hibridação surge da criatividade individual e coletiva, não só nas artes, mas também na vida cotidiana e no desenvolvimento tecnológico. Busca-se reconveter um patrimônio (uma fábrica, uma capacitação profissional, um conjunto de saberes e técnicas) para reinseri-lo em novas condições de produção e mercado (CANCLINI, 2008, XXII). Pelo exemplo da CBN nas Olimpíadas, ter boa locução e escrever corretamente.não são suficientes para o repertório do novo profissional de rádio. Ele deve estar apto a trabalhar com a imagem em movimento, por trás das câmeras e até como apresentador de televisão, modificando não apenas os atributos necessários para a sobrevivência do profissional que já está no mercado, mas trazendo também o desafio da formação do futuro profissional de rádio, que exercerá sua função de radiojornalista em um ambiente profundamente modificado pelas novas tecnologias de informação e comunicação, fenômeno que afeta a prática jornalística como um todo, mas também num meio de comunicação especificamente alterado pela necessidade de renovação de público. Os novos radialistas devem falar bem, fotografar bem e se relacionar satisfatoriamente com a imagem em movimento, tanto como o agente que captura essas imagens, como o ator que vai aparecer na frente das câmeras. A migração para a internet e a incorporação de imagem em movimento em reportagens que eram apenas radiofônicas traz para a cena o debate sobre o risco de desaparecimento do rádio. Meditsch contraria esta expectativa quando diz que o rádio vai continuar existindo, convivendo com a internet, e fortalecido pelas possibilidades abertas com as novas tecnologias (2001b:3). Minha aposta é que o rádio assim definido - um meio de comunicação que transmite informação sonora, invisível, em tempo real - vai continuar existindo, na era da internet e até depois dela, e vai ser aperfeiçoado pelos novas tecnologias que estão por aí e ainda por vir, sem deixar de ser o que é (Meditsch, 2001b: 4) A internet é a plataforma para a área de rádio do Curso de Jornalismo da UFSC, como relata Meditsch. Segundo ele, a Rádio Ponto 7 funciona 24 horas por dia e proporciona ao aluno de Jornalismo diferentes experiências, com programação musical, produção de peças de radioteatro e documentários, além de programas de reportagem 7 6

7 informação ao vivo. A aposta do autor passaria pelos desafios da formação desse profissional, como se discutirá a seguir. Radiojornalismo ou webjornalismo? Repensando a formação O que se viu até aqui é que a entrada da rádio CBN na web pode ser dividida em duas etapas: na primeira, o sítio da emissora apenas reproduzia aquilo que estava sendo transmitido pela forma tradicional. Já nessa primeira fase, os jornalistas tiveram que incorporar nas suas rotinas de trabalho as práticas do webjornalismo, que incluem o uso e manuseio de ferramentas de gestão de conteúdo e o domínio da linguagem escrita. Na segunda etapa, o uso de recursos multimídia no sítio da emissora aprofunda as alterações na prática profissional, incorporando exigências novas, como a produção de imagem e vídeos. Nessa segunda fase, a questão da formação de um radiojornalista nos levará para uma discussão sobre a ligação entre o ensino do jornalismo e as novas tecnologias de informação e comunicação. Professores responsáveis pela formação de futuros jornalistas devem reconhecer que a atividade está sendo desempenhada em um ambiente de contínua inovação tecnológica e que o webjornalismo é uma habilidade extra que passa a ser exigida de muitos daqueles que estavam já treinados para lidar com outras tecnologias. Nos EUA, uma pesquisa buscou identificar habilidades e características mais importantes a serem desenvolvidas para trabalhar em ambientes online (Magee, 2006). Foram entrevistados diferentes tipos de profissionais que lidam com a produção de conteúdo para sites, como jornais, revistas, TVs e emissoras de rádio. A pesquisa identificou 35 habilidades necessárias para o desempenho dessas funções e, além dos aspectos técnicos que caracterizam o trabalho cotidiano, algumas habilidades foram identificadas como necessárias para trabalhar no ambiente web: o interesse por aprender coisas novas, ser multitarefa e trabalhar em equipe seriam as características mais importantes para o desempenho da atividade. A esse novo perfil se soma as habilidades tradicionalmente ligadas à profissão, seguindo a afirmação de António Fidalgo: Para fazer o novo jornalismo, possibilitado pela Internet, é preciso conhecer e dominar princípios, regras e práticas do velho jornalismo (Fidalgo, 2003: 8). Assim, o radiojornalista continuará tendo que dominar técnicas específicas de redação de texto e de entrevistas, mas a esses atributos cada vez mais será necessário incorporar novas habilidades. De uma maneira geral, o que as NTICs indicam é que as necessidades de formação do jornalista dificilmente poderão ser resolvidas apenas 7

8 dentro do curso de Comunicação Social. As exigências para quem trabalha com o ambiente web são amplas a ponto de incluir desde noções de telecomunicações e transferência de dados, passando por arquitetura de redes informatizadas, usabilidade e design, até o acompanhamento das transformações tecnológicas que, dada a sua velocidade, se tornam um desafio a mais dentro da universidade. Pensando nessa formação global, a PUC-Rio criou o domínio adicional em tecnologia e mídias digitais 8, oferecido com o objetivo de estimular a formação interdisciplinar do aluno. Para obter o domínio adicional em mídias digitais, o aluno deve cumprir, além das disciplinas de Comunicação, créditos dos cursos de Engenharia, Informática, Artes e Design, Educação e Direito, nas quais serão enfatizados temas ligados ao universo da internet, como conectividade, usabilidade, ferramentas de educação à distância e questões jurídicas ligadas aos direitos autorais em ambiente digital. Implantando no final de 2008, o domínio adicional em tecnologia e mídias digitais é uma das iniciativas que pode contribuir com a idéia de uma formação extra ao aluno de Comunicação Social. Ainda assim, a grade curricular está dividida nos compartimentos tradicionais do jornalismo, ensinando práticas e técnicas para jornal impresso, rádio e TV em disciplinas de redação, edição e laboratório. A mesma lógica se repete no Portal PUC- Rio Digital, projeto criado no bojo da última reforma curricular do curso de Comunicação Social da PUC-Rio, implantada a partir do primeiro semestre de O objetivo do portal era a criação de um espaço de veiculação da produção prática a ser realizada nas disciplinas laboratoriais. Foram criadas seções de Jornal 10, Rádio 11 e TV 12 e está em curso o processo de implantação de uma emissora de rádio com transmissão exclusiva pela web. Nesse caso, a internet funcionará apenas como plataforma de veiculação contínua de áudio, mas nas reportagens diárias publicadas no portal já está em curso ampla mudança na forma de produzir matérias de áudio. Em primeiro lugar, para que uma reportagem possa vir a ser veiculada como manchete do portal, é preciso estar ilustrada com uma fotografia ou imagem, alterando 8 9 Uma apresentação ampla do Portal PUC-Rio Digital e seus desdobramentos na formação profissional Kischinhevsky, Rodrigues & Barreto. Portal PUC-Rio Digital: Um Debate sobre Educação e Prática Jornalística. Anais do XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste (Intercom Sudeste), ECO/UFRJ, maio de

9 já na sala de aula a prática do radiojornalismo. Em segundo lugar, professores e estagiários estão se deparando com desafios diários na produção de reportagens de rádio que podem ser ouvidas pelo usuário do portal a qualquer momento, o que subverte a lógica da transmissão de rádio e faz do áudio mais um dos formatos possíveis de veiculação de notícias na web. O desafio da equipe do portal tem sido conciliar o ensino das formas tradicionais de produção de notícias para rádio com a plataforma web, de forma a formar alunos mais aptos para coberturas recentes como as realizadas pela CBN no seu sítio. É preciso reconhecer que as exigências do mercado de trabalho não estão mais restritas a estes limites rígidos. Os meios tecnológicos que um radiojornalista precisava dominar se ampliaram de forma inédita, incluindo até mesmo a captura de imagens. Fronteiras que já estiveram bem demarcadas estão sendo eliminadas, abrindo espaço para repensar a prática profissional a partir do surgimento do jornalismo on-line (Rodrigues, 2009). Considerações finais A partir da exposição de um exemplo de migração de emissora de rádio para a internet, esse artigo pretende refletir sobre quais são os requisitos para a formação do radiojornalista. O que se constata é que as habilidades que já foram suficientes bom domínio da voz e de técnicas de reportagem e entrevista em áudio estão sendo, não substituídas, mas incorporadas a um novo perfil de profissional. Se o jornalismo on-line tem um profundo impacto na rotina de todos os jornalistas atuantes no mercado de trabalho, este impacto é ainda mais profundo nas rotinas de quem, por princípio, trabalhava invisível, ou seja, totalmente livre da imagem, usando a voz e o áudio como recursos principais. Em emissoras de rádio na web, fotografias e imagens em movimento incluem um caráter de visualidade inédito para o veículo rádio e trazem para o debate não apenas a questão da formação, mas sobretudo levam a pensar o quanto as NTICs e a convergência de mídia estão alterando a profissão. Conseqüentemente, será preciso alterar também o tipo de formação universitária que se oferece e, principalmente, repensar as categorias do jornalismo que estão caracterizadas por prefixos tele, rádio, web, numa associação talvez insuficiente com as tecnologias de cada veículo. Repensar essa lógica, desafio de todos, pode ser um passo fundamental para repensar também o radiojornalismo. 9

10 Referências bibliográficas FERRARETTO, Luiz Artur. Rádio: o veículo, a história e a técnica. Porto Alegre: Ed. Sagra Luzzatto, FIDALGO, Antônio. O ensino do jornalismo no e para o século XXI. In: FIDALGO, António; SERRA, Paulo. Informação e comunicação online: jornalismo online. Covilhã: Universidade da Beira Interior, v. I. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/fidalgo-antonio-ensino-jornalismo-internet.pdf>. Acesso em: 10 abr GARCIA CANCLINI, Néstor. Culturas Híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, Consumidores e cidadãos Conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, HERSCHMANN, Micael e KISCHINHEVSKY, Marcelo. A geração podcasting e os novos usos do rádio na sociedade do espetáculo e do entretenimento. Anais do XVI Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós- Graduação em Comunicação (Compós), Curitiba, KISCHINHEVSKY, Marcelo. O rádio sem onda Convergência digital e novos desafios na radiodifusão. Rio de Janeiro: E-Papers, 2007a. KISCHINHEVSKY, Marcelo; RODRIGUES, Carla; BARRETO, Ivana. Portal PUC-Rio Digital: um debate sobre educação e prática jornalística. Rio de Janeiro: XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste (Intercom Sudeste), MAGEE, C. Max. The roles of journalists in online newsrooms. Online ews Association, Disponível em: <http://www.mediosparalapaz.org/downloads/investigationenglish.pdf>. Acesso em: 10 abr MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, MEDITSCH, Eduardo. O Rádio na era da informação Teoria e técnica do novo radiojornalismo. Florianópolis: Insular, Ed da UFSC, 2001a.. O ensino do radiojornalismo em tempos de internet. XXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação Intercom 2001b. RODRIGUES, Carla. Ainda em busca de definições para o jornalismo on-line. IN: RODRIGUES, Carla. Jornalismo on-line: modos de fazer. Rio de Janeiro, Porto Alegre: Editora PUC-Rio, Editora Sulina,

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR Humsol e a luta contra o câncer de mama 1 Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A reportagem foi realizada para a disciplina de Rádiojornalismo ainda no quarto

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Ações de Interatividade

Ações de Interatividade Ações de Interatividade Fundação Padre Anchieta TV Cultura Julho de 2007 Diário de Bárbara Em agosto de 2007, 14 adolescentes de várias partes do mundo foram convidados a conhecer o Pólo Norte para ver

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio O desenvolvimento do rádio como MCM faz parte da expansão capitalista. Apesar do senso comum atribuir a invenção do rádio ao italiano

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1

Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1 Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1 Ana Carolina Fernandes MAXIMIANO 2 Bruno da SILVA 3 Rita de Cássia Romeiro PAULINO 4 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 RESUMO O Voz do Nicéia é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015 REGULAMENTO I - AS CATEGORIAS São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 11 de Matéria Completa 3 de Texto 4 de Arte 4 de Fotografia 5 Digitais 2 Especiais Prêmio Roberto Civita Prêmio Matéria

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO EDITAL As Faculdades Integradas Barros Melo vêm tornar público aos alunos regularmente matriculados nos Cursos de Jornalismo,

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA Ana Lhayse Feitoza Albuquerque analhayse@hotmail.com Beatriz Correia Neri de Araújo beatrizneri00@hotmail.com Thays Emanuela

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

Um Site Sobre Viagens...

Um Site Sobre Viagens... Um Site Sobre Viagens... www.cidadaodoplaneta.com.br contato@cidadaodoplaneta.com.br @caiofochetto 2 HISTÓRICO...03 CURRÍCULO...04 MÍDIAS DO SITE...05 PUBLICIDADE...06 ESTATÍSTICAS DE ACESSO...07 DADOS

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Curso de Jornalismo CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Área 1 Jornalismo Especializado (1 vaga) Graduação Exigida: Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo Titulação mínima exigida:

Leia mais

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 A relevância e credibilidade dos resultados da pesquisa UPP: O que pensam os policiais foram, sem dúvida, pontos de partida

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão . Indice 1 Introdução 2 Quem Somos 3 O que Fazemos 4 Planejamento 5 Serviços 6 Cases 9 Conclusão . Introdução 11 Segundo dados de uma pesquisa Ibope de 2013, o Brasil ocupa a terceira posição em quantidade

Leia mais

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!!

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!! A MVP é uma agência de Comunicação e Marketing Esportivo que atua de forma diferenciada no mercado, gerenciando a imagem de grandes atletas do esporte nacional desde 2006, passando pelos ciclos olímpicos

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Maicon Ferreira de SOUZA 3 Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, PR. RESUMO O presente

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO - Gabarito

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO - Gabarito? Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES AO

Leia mais

VOLKSWAGEN - VAREJO JORNAL DA BAND

VOLKSWAGEN - VAREJO JORNAL DA BAND VOLKSWAGEN - VAREJO JORNAL DA BAND BAND.COM.BR O BAND.com.br é o endereço da melhor informação na web, com acesso direto ao conteúdo de 4 canais de televisão, 14 emissoras de rádio e 2 jornais impressos.

Leia mais

Direcionando a Estratégia de TI do Grupo RBS

Direcionando a Estratégia de TI do Grupo RBS Direcionando a Estratégia de TI do Grupo RBS Perfil do Grupo RBS Retrato da TI no segmento Mídia Pilares Estratégicos da TI Principais Projetos da TI Perfil do Grupo RBS 50 anos de fundação 5,7 mil colaboradores

Leia mais

REVISTA PONTO E VÍRGULA: CULTURA E COTIDIANO DE MODO DIFERENCIADO NA WEB RADIO UNESP VIRTUAL

REVISTA PONTO E VÍRGULA: CULTURA E COTIDIANO DE MODO DIFERENCIADO NA WEB RADIO UNESP VIRTUAL REVISTA PONTO E VÍRGULA: CULTURA E COTIDIANO DE MODO DIFERENCIADO NA WEB RADIO UNESP VIRTUAL Andréa Cristiane Carneiro 1 Davi Rocha de Lima 2 Julia Formis Giglio 3 RESUMO A Revista Ponto e Vírgula é uma

Leia mais

Telejornal Sala 221 1

Telejornal Sala 221 1 Telejornal Sala 221 1 Thayane dos Santos MOREIRA 2 Gabriela Barbosa NEVES 3 Kamila Katrine Nascimento de FREITAS 4 Marcelo LIMA 5 Maryjane da Costa PEREIRA 6 Cogenes Felipe Silva de LIRA 7 Zulmira NÓBREGA

Leia mais

Um projeto social SET EXPERIMENTAL Idealização e direção: Giuliano Chiaradia. https://artmobileproject.com

Um projeto social SET EXPERIMENTAL Idealização e direção: Giuliano Chiaradia. https://artmobileproject.com Um projeto social SET EXPERIMENTAL Idealização e direção: Giuliano Chiaradia. https://artmobileproject.com Gostaríamos de apresentar um projeto inovador de inclusão e arte digital. ÍNDICE: 1. O projeto

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta as Atividades Complementares do Curso de Jornalismo do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 O SESI/SENAI - PR, torna pública a RETIFICAÇÃO referente ao Edital de CREDENCIAMENTO N.º 502/2009, conforme segue: Fica Incluído no ANEXO III - ÁREAS

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

Leia mais

JORNALISMO ON-LINE: modos de fazer. organização Carla Rodrigues

JORNALISMO ON-LINE: modos de fazer. organização Carla Rodrigues JORNALISMO ON-LINE: modos de fazer organização Carla Rodrigues Reitor Pe. Josafá Carlos de Siqueira, S.J. Vice-Reitor Pe. Francisco Ivern Simó, S.J. Vice-Reitor para Assuntos Acadêmicos Prof. José Ricardo

Leia mais

Agência Radiocom: a notícia compartilhada com as rádios comunitárias do Rio Grande do Norte 1

Agência Radiocom: a notícia compartilhada com as rádios comunitárias do Rio Grande do Norte 1 Agência Radiocom: a notícia compartilhada com as rádios comunitárias do Rio Grande do Norte 1 Tarcio ARAÚJO 2 Fábio Willard de OLIVEIRA 3 Everton Holanda MAIA 4 José Dênis Pinheiro FERNANDES 5 Andréa MENDONÇA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Giovanna HUEB 2 Professor orientador: Renato ESSENFELDER 3. Escola Superior de Propaganda e Marketing ESPM-SP

Giovanna HUEB 2 Professor orientador: Renato ESSENFELDER 3. Escola Superior de Propaganda e Marketing ESPM-SP Agência de Jornalismo ESPM-SP: múltiplos olhares 1 (Modalidade: Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série)) Giovanna HUEB 2 Professor orientador: Renato ESSENFELDER 3 Escola Superior de Propaganda e Marketing

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1

APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1 APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1 Igor Samuel de Oliveira PRADO 2 Juscelino Ribeiro de OLIVEIRA Júnior 3 Shaianna da Costa ARAÚJO 4 Orlando Maurício de Carvalho BERTI

Leia mais

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo Anissa Ayala CAVALCANTE 1 - UFMA Jessica WERNZ 2 - UFMA Márcio CARNEIRO 3 - UFMA

Leia mais

Projeto Especial Esporte que Educa

Projeto Especial Esporte que Educa Projeto Especial Esporte que Educa Hub de Mídia ibahia Digital O ibahia Digital é o hub de mídia digital da Rede Bahia. Além de conteúdo próprio e de projetos especiais desenvolvidos pela equipe do portal

Leia mais

PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2015 REGULAMENTO. Encerramento das inscrições. Cerimônia de premiação dos vencedores

PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2015 REGULAMENTO. Encerramento das inscrições. Cerimônia de premiação dos vencedores PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2015 REGULAMENTO Calendário ATIVIDADES DATA Lançamento no site Encerramento das inscrições Anúncio oficial dos finalistas Cerimônia de premiação dos vencedores 03 de

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA UNINTER EXPOCOM 2014 REGIONAL

SELEÇÃO INTERNA UNINTER EXPOCOM 2014 REGIONAL SELEÇÃO INTERNA UNINTER EXPOCOM 2014 REGIONAL Está na hora de tirar os trabalhos da gaveta! Fique atento e participe!!! É para já!!! O que é o Expocom? O Expocom (Exposição de Pesquisa Experimental em

Leia mais

Conteúdo regional para o mundo

Conteúdo regional para o mundo 2012 Guia de Mídia Conteúdo regional para o mundo A credibilidade conquistada ao longo do tempo pelo jornalista Hélio Scherer, sócio-fundador do primeiro jornal da região, o Paladino Serrano (Jornal da

Leia mais

FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ

FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ Giselle Gomes Tiscoski, Marcos Franzoni Acadêmicos do Curso de Jornalismo da UFSC Maria José Baldessar, Ms. Professora do Departamento de Jornalismo

Leia mais

Nas ondas do rádio produção de programa na Web

Nas ondas do rádio produção de programa na Web Nas ondas do rádio produção de programa na Web O rádio chegou ao Brasil na festa de centenário da Independência, em 7 de setembro de 1922. Hoje é um meio de comunicação amplamente difundido em nosso país,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS Trabalho final da disciplina Computadores, Redes, IP e Internet Professor: Walter Freire Aluno:

Leia mais

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O Prêmio OAB-GO de Jornalismo é um concurso jornalístico instituído pela Seção de Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil para premiar matérias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Reportagem radiofônica - Festas Populares: a identidade amazonense retratada por músicas e danças 1

Reportagem radiofônica - Festas Populares: a identidade amazonense retratada por músicas e danças 1 Reportagem radiofônica - Festas Populares: a identidade amazonense retratada por músicas e danças 1 Édria Caroline de Melo PIMENTE 2 Rosianne Cristina COUTO da Silva 3 David Simplício dos SANTOS 4 Isabelle

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Portifólio Regina Ramalho

Portifólio Regina Ramalho 1 Portifólio Regina Ramalho Diretora de Comunicação e Editora do Pró Trabalhador Aniger Comunicação janeiro de 2013 até o momento (1 ano 6 meses)aclimação Regina Ramalho- Estratégias de comunicação e Assessoria

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

Mídia Kit. Produzido por Luis Daniel da Silva Rodrigo Almeida Tancy Costa Mavignier. Jornalistas

Mídia Kit. Produzido por Luis Daniel da Silva Rodrigo Almeida Tancy Costa Mavignier. Jornalistas Mídia Kit Produzido por Luis Daniel da Silva Rodrigo Almeida Tancy Costa Mavignier Jornalistas Índice Quem somos... 3 Conteúdo... 3 Temática... 4 Periodicidade... 5 Redes Sociais... 5 Estatísticas de visitas...

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

O XD é um produto focado no mobile para o público jovem

O XD é um produto focado no mobile para o público jovem O mais novo produto da Infoglobo está surpreendendo muita gente descolada por aí. Unimos nossa vocação para contar histórias com emoção ao nosso espírito inovador e criamos um jeito irreverente de trazer

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

ducker.com.br O site da Torcida Tricolor MÍDIA KIT

ducker.com.br O site da Torcida Tricolor MÍDIA KIT ducker.com.br O site da Torcida Tricolor MÍDIA KIT O Site ducker.com.br foi criado em novembro de 2005, por Richard Eduard Ducker, atualmente conselheiro do Grêmio e colaborador do clube. É um veículo

Leia mais

BEM VINDO AO MUNDO. Michael Schumacher

BEM VINDO AO MUNDO. Michael Schumacher BEM VINDO AO MUNDO GRUPO ESPN é o grupo de comunicação líder mundial em esportes, reunindo plataformas multimídia para cobrir todas as modalidades esportivas. São 34 canais de TV, emissoras de rádio, sites

Leia mais

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia:

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: INTRODUÇÃO Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: 1450 Imprensa de Gutemberg 1940 Primeiras transmissões na TV 1960 Internet começa a ser desenvolvida 1973 Primeira ligação

Leia mais

MÍDIA FJU - A VOZ DA FORÇA JOVEM

MÍDIA FJU - A VOZ DA FORÇA JOVEM P R O J E T O ANO 2015 MÍDIA FJU - A VOZ DA FORÇA JOVEM #QUEMSOMOS O MÍDIA FJU é o projeto da Força Jovem Universal responsável por divulgar e fazer conhecido tudo o que acontece na FJU, tanto para o público

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

O TEXTO DA MÍDIA DIGITAL

O TEXTO DA MÍDIA DIGITAL PACOTE DE NOTÍCIAS no dreamweaver O TEXTO DA MÍDIA DIGITAL União das principais características das mídias "anteriores : - Agilidade (rádio) - rapidez na atualização de conteúdo e na formatação do layout

Leia mais

Web Rádio Universitária e as novas práticas de ensino e aprendizagem de produção para Rádio e Mídia Sonora 1

Web Rádio Universitária e as novas práticas de ensino e aprendizagem de produção para Rádio e Mídia Sonora 1 Web Rádio Universitária e as novas práticas de ensino e aprendizagem de produção para Rádio e Mídia Sonora 1 Márcia CARVALHO 2 Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação, Universidade de São Paulo, São

Leia mais

As inscrições encontram-se abertas no período de 29 a 31 de agosto do corrente ano.

As inscrições encontram-se abertas no período de 29 a 31 de agosto do corrente ano. PROCESSO DE INSCRIÇÁO DOS ALUNOS DE JORNALISMO PARA O TRABALHO INTERDISCIPLINAR EDITAL As Faculdades Integradas Barros Melo tornam público aos alunos matriculados no Curso de Jornalismo, que estarão abertas

Leia mais

COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1

COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Projeto Experimental COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1 Leonardo Ferreira COSTA 2 Pablo

Leia mais