INFORMAÇÕES UTÉIS. Guia prático para seniores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÕES UTÉIS. Guia prático para seniores"

Transcrição

1 INFORMAÇÕES UTÉIS Guia prático para seniores Situação

2 Os números de telefone importantes Emergências 112 Em caso de acidente: doméstico, circulação, trabalho, lazer, Em caso de incêndio e explosão Em caso de desaparecimento de uma pessoa Este número permite-lhe também obter informações sobre: hospitais de serviço farmácias de serviço médicos generalistas de serviço dentistas de serviço veterinários de serviço serralheiros de emergência serviços de assistência Urgências 113 A chamada de emergência da Polícia do Grão-ducado está disponível 24 horas sobre 24. Os agentes do Centro de intervenção nacional estão em contacto permanente com todas as unidades disponíveis e podem desta forma responder a qualquer pedido de ajuda urgente. A chamada é grátis. utiliza reste número somente no caso de uma verdadeira urgência. Médico de família:... Pessoa a contactar:... O meu município:... Outros:...

3 2 Estimado(a) leitor(a), Nos últimos 15 anos, as ofertas de serviços destinados aos idosos desenvolveram-se e especializaram-se não só no domínio das ajudas e cuidados mas também no domínio do lazer e do sociocultural, nomeadamente através da criação de Clubes Senior e da "Seniorenakademie" do serviço "RBS-Center fir Altersfroen". Estas ofertas permitem hoje responder melhor às várias necessidades dos idosos. Graças a investimentos financeiros importantes, novos centros integrados para idosos e centros de cuida dos foram construídos. Estes esforços de investimento ainda prosseguem. Na sequência de medidas legislativas como o seguro de dependência, e a lei sobre o atendimento gerontológico, o Luxemburgo é capaz de proporcionar um acompanhamento de qualidade a todos os idosos dependentes, que vivam em casa ou numa instituição, independentemente da respectiva situação financeira. Neste contexto, o seguro para prestação de assistência permitiu um desenvolvimento sem precedentes dos serviços de apoio domiciliário, designada mente dos centros psicogeriátricos, dando à maioria dos idosos a possibilidade de continuar a viver em sua casa, mesmo com um certo nível de dependência. Num mundo em plena mutação no qual as tecnologias da comunicação têm um papel central, a informação do cidadão é cada vez mais importante. Por estes motivos, o Ministério da Família e da Integração publicou o presente guia no âmbito de ajudar as pessoa s a obter informações sobre as ofertas de serviços para idosos. Graças a uma linguagem acessível, o leitor encontrará rapidamente as informações básicas procuradas. Desejo-lhe uma boa leitura e que este guia seja uma primeira orientação eficaz para responder às suas necessidades. Marie-Josée JACOBS Ministra da Família e da Integração

4 3 Índice CAPÍTuLO 1: Informação, orientação e consulta p Os ministérios e os municípios p Ministério da Família e da Integração Ministério da Saúde Ministério da Segurança Social Os municípios 1.2. Os serviços sociais p A sede social Os serviços sociais da Liga luxemburguesa de Prevenção e Acção médico-sociais 1.3. Os serviços de informação, de consulta, p. 22 de apoio e de mediação O Senioren-Telefon Linha de ajuda Seguro para prestação de assistência O Berodungsdéngscht (Serviço de Assistência, Conselho e Apoio) da Fundação "Stëftung Hëllef Doheem" Linha de ajuda SOS Alzheimer Centro de mediação asfl Ombudsman/O Mediador Patiente Vertriedung asfl "Hëllef iwwer Telefon" da asfl SOS Détresse Perguntas de saúde específicas p Associação Luxemburguesa da Diabetes asfl Associação Luxemburguesa de Alzheimer asfl Fundação Luxemburguesa contra o Cancro Associação Parkinson Luxembourg o asfl Associação Polyarthrite Luxembourg asfl Fundação "Lëtzebuerger Blannevereenegung" Centro de consulta para pessoas com problemas de audição ou surdas "Solidarität mit Hörgeschädigten" asbl

5 4 CAPÍTuLO 2: Formação, voluntariado e lazeres p Os Clubes Sénior p A Academia Seniores do serviço p. 45 "RBS-Center fir Altersfroen" 2.3. As Associações-Seniores p Amiperas asfl Lëtzebuerger Rentner-an Invalideverband asfl Ofertas locais para seniores 2.4. O voluntariado dos seniores p A Agência do voluntariado Contacto humano asfl Omega 90 asfl Luxembourg Senior Consultants asfl 2.5. A mobilidade em qualqueridade p A aprendizagem em qualqueridade p O desporto em qualqueridade p. 56

6 5 CAPÍTuLO 3: Viver em casa p As ofertas de proximidade p A iniciativa Babuschka Seniores e Estudantes coabitam debaixo de um mesmo tecto Os serviços de proximidade 3.2. Os serviços de apoio a pessoa dependente p Repas sur roues O "telealarme" a chamada de assistência externa As ajudas técnicas As adaptações da habitação As redes de ajuda e de cuidados Os centros psicogeriátricos (centros de dia especializados para idosos) As camas de férias A reeducação geriátrica e as curas de convalescença

7 6 CAPítuLO 4: Viver numa instituição p As habitações enquadradas para idosos p Os centros enquadrados para idosos (CIPA) p Os centros de cuidados p O centro de cuidados paliativos p. 82 CAPítuLO 5: As prestações p O complemento RMG p As prestações do gabinete social dos municípios p Seguro de dependência p As prestações sociais p O complemento ao atendimento gerontológico p. 92 (participação no preço de pensão) 5.6. O direito aos cuidados paliativos, p. 93 à directiva antecipada e ao acompanhamento no final de vida anexo: Publicações recentes em língua francesa p. 94 do Ministério da Família e da Integração

8 1. Informação, orientação e consulta Informação, orientação e consulta

9 7 CAPÍtulO 1: Informação, orientação e consulta Neste capítulo encontrará os ministérios que coordenam a política para idosos os serviços sociais a nível regional e local os serviços de informação sobre as ofertas de ajuda e de cuidados os serviços de mediação e de apoio psicológico os serviços de reclamações as organizações de entreajuda

10 Os ministérios e os municípios O Ministério da Família e da Integração Os planos a favor dos idosos constituem uma dimensão importante nas competências do ministério da Família e da Integração. O presente capítulo apresenta um resumo das competências, a maioria dos temas evocados serão explicados em detalhe no presente guia. As iniciativas a favor dos idosos podem ser divididas em quatro subtítulos: 1. a construção de novas infra-estruturas e o controlo dos serviços existentes 2. a política das competências 3. a política dos cuidados 4. os serviços directos ao cidadão. 1. No quadro dos orçamentos disponíveis, o ministério pode contribuir financeiramente na construção de centros integrados para idosos (CIPA), de centros de cuidados, de centros psicogeriátricos (centros de dia) e de Clubes Sénior, cada vez que se verificar necessidades regionais ou nacionais. A lei 1 obriga a maioria dos serviços para idosos a respeitar as normas de qualidade no que diz respeito ao edifício construído e aos trabalhadores. Os agentes do ministério fazem, regularmente, controlos no local para verificar se os serviços continuam a cumprir estas exigências. 1 A lei de 8 de Setembro de 1998 que regula as relações entre o Estado e os organismos que trabalham nos domínios sociais, familiares e terapêuticos e o regulamento do Grão-Ducado alterado de 8 de Dezembro de 1999 relativo à autorização concedida aos gestores de serviços para idosos.

11 9 2. Desde finais dos anos 90, o ministério tem-se dedicado particularmente à criação de serviços para pessoas com mais de 50 anos nos domínios da formação, da formação contínua, dos desportos e lazeres, da participação social e das tecnologias modernas. A título de exemplo, podemos citar a Academia Seniores do serviço "RBS-Center fir Altersfroen" e os Clubes Sénior. Periodicamente, o departamento lança também manifestações neste domínio. 3. Se o seguro de dependência cobre, em regra geral, as situações de dependência, é verdade que pessoas não abrangidas pelos critérios do seguro, podem viver situações que requerem ajudas e cuidados. A fim de permitir a qualquer pessoa, independentemente da sua situação financeira, de poder recorrer, em situação de necessidade, aos serviços de apoio domiciliário, o ministério participa, de acordo com as tabelas estabelecidas anualmente, nas despesas das prestações realizadas. O ministério apoia financeiramente um certo número de serviços que actuam em situações particulares. A título de exemplo podemos citara chamada de assistência externa (Telealarme) ou o serviço "SOS Alzheimer". Tendo como preocupação constante um acompanhamento de qualidade, o departamento organiza regularmente, sozinho ou em colaboração com gestores, sessões de informação e de formação destinadas ao quadro profissional.

12 10 4. Há já alguns anos que o ministério coloca à disposição dos idosos e seus próximos serviços de informação, de consulta e de orientação. O Senioren- Telefon recebe chamadas de segunda a sexta-feira das 8h30 às 11h30 e informações são difundidas no site Internet Regularmente, o departamento edita também folhetos informativos e de sensibilização 2 e oferece convites para participar em seminários ou conferências sobre a situação dos idosos. INFORMAÇÕES: Ministère de la Famille et de l Intégration Division V Personnes âgées 12 14, avenue Emile Reuter L-2919 Luxembourg Senioren-Telefon: E Internet: 2 Ver anexo

13 11 O Conselho superior dos Idosos Conselho superior dos Idosos é um órgão consultivo do Governo encarregado de estudar, ou por iniciativa própria, ou a pedido do governo, todos os problemas relacionados com os idosos. Conselho dá o seu parecer e aconselha nomeadamente a Ministra da Família e da Integração em assuntos relacionados com os idosos. Conselho é com posto por 13 membros delegados ou por organizações para idosos, ou por organizações actuando a favor dos idosos, e por membros nomeados com base a respectiva competência profissional nos domínios do direito, da medicina, dos cuidados, do trabalho social, das ciências humanas, da gerontologia, ou com base o respectivo compromisso social. O mandato dos membros do Conselho é de dois anos. Os processos recentes do Conselho diziam respeito aos direitos dos idosos dementes e às políticas para idosos a nível local. INFORMAÇÕES: Secrétariat du Conseil supérieur des Personnes âgées Ministère de la Famille et de l Intégration 12 14, avenue Emile Reuter L-2919 Luxembourg E

14 O Ministério da Saúde A organização da saúde pública e do sistema dos cuidados de saúde está sob a responsabilidade do Ministério da Saúde e do Ministério da Segurança Social. O Ministro da Saúde define os grandes eixos da saúde pública, cuida da respectiva implementação, da aplicação das leis e regulamentos associados, e da supervisão das instituições e dos serviços que têm um papel activo em matéria de saúde. O departamento ministerial, a Direcção de Saúde e o Serviço de Acção sócio-terapêutica são responsáveis pela execução da política de saúde. No que diz respeito aos idosos, convém destacar nomeadamente os serviços seguintes: A Divisão da Medicina preventiva e social Esta divisão tem competência para todas as questões relativas à prevenção das doenças e deficiências, e à supervisão médico-social em caso de doença, deficiência ou velhice. INFORMAÇÕES: Ministère de la Santé Division de la Médecine préventive et sociale Allée Marconi Villa Louvigny L-2120 Luxembourg E (secretaria)

15 13 O Serviço Ortóptico e Pleóptico As suas principais missões são o rastreio precoce, a reeducação e a readaptação da função visual. O acompanhamento vai do recém-nascido ao idoso. INFORMAÇÕES: Service Orthoptique et Pléoptique Site principal: 47, rue de l Alzette L-4011 Esch-sur-Alzette E Annexe: Galerie Kons 24-26, place de la Gare L-1616 Luxembourg E O Serviço de audiofonologia Este serviço tem por missão o rastreio, a prevenção, o apoio e a correcção das perturbações que se podem manifestar no domínio da comunicação. Os adultos que seguem uma reeducação neste serviço foram transferidos por médicos generalistas ou médicos especialistas por forma a beneficiar da comparticipação. Sessões com aparelhos áudio-protéticos são efectuadas em vários pontos do país. INFORMAÇÕES: Services Audiophonologiques 3, route d Arlon / Bâtiment B L-8009 Strassen E

16 14 O Serviço deficientes das forças armadas O serviço encarrega-se do pagamento das pensões atribuídas às vítimas da guerra, do reembolso das despesas médicas, farmacêuticas e hospitalares. As prestações acessórias, curas, massagens e os cuidados domiciliários são comparticipados mesmo que as vítimas não beneficiem do seguro de dependência. INFORMAÇÕES: Service des dommages de guerre corporels 26, rue Zithe L-2763 Luxembourg E ou

17 O Ministério da Segurança Social O Ministério da Segurança Social coordena o conjunto da segurança social. Entre os vários sectores da segurança social, podemos citar o seguro de doença e maternidade, seguro contra acidentes de trabalho e doenças profissionais, o seguro de velhice invalidez e sobrevivência, as prestações familiares, o subsídio de desemprego e o seguro de dependência. No contexto da presente publicação, é necessário destacar o seguro de dependência. O seguro de dependência 3 foi introduzido em 1999 (ver capítulo 5.3.). O seguro cobre: as ajudas e cuidados fornecidos integralmente ou parcialmente no quadro de uma permanência ao domicílio ou do estabelecimento de ajudas e cuidados para a pessoa dependente as ajudas técnicas e as adaptações da habitação. Para a pessoa dependente que permanece no domicílio, a comparticipação pode incluir prestações em espécies em substituição das prestações em dinheiro. A célula de avaliação e de orientação do seguro de dependência é dirigida por um médico e é composta por profissionais da saúde e do sector social. Tem por principal missão constatar o estado de dependência e determinar as ajudas e cuidados necessários para a pessoa que requer as prestações. O valor monetário para uma hora de ajuda ou de cuidado é negociado anualmente pela Caisse nationale de Santé (Caixa nacional de saúde) de doença com o organismo que representa o conjunto dos prestadores de ajudas e cuidados, a Confederação dos organismos prestadores de ajudas e cuidados. O valor monetário é uma média de todos os custos associados aos prestadores (remuneração dos profissionais e encargos associados aos serviços). 3 Lei de 19 de Junho de 1998 relativa à introdução de um seguro de dependência e lei de 23 de Dezembro de 2005 modificando 1. várias disposições do Código de seguros sociais em matéria de seguro de dependência 2. os artigos 12, 92 e 97 do Código de seguros sociais 3. a lei de 25 de Julho de 2005 e a lei de 8 de Junho de 1999 relativa aos regimes complementares de pensão.

18 16 Os valores monetários são definidos para 4 tipos de prestadores 4 : Para as redes de ajudas e de cuidados: os serviços profissionais que têm um contrato com o seguro para prestação de assistência e prestam as ajudas e cuidados à pessoa dependente que se encontra no domicílio (ver capítulo ) Para os centros semi-permanentes: um centro que acolhe as pessoas dependentes durante o dia ou a noite (ver capítulo ) Para os estabelecimentos de ajudas e cuidados com permanência contínua: são estabelecimentos onde a pessoa reside de forma permanente (ver capítulos 4.2. e 4.3.) Para os estabelecimentos de ajudas e cuidados com permanência intermitente: são estabelecimentos onde a pessoa alterna a permanência no estabelecimento e a permanência ao domicílio. Estes estabelecimentos são destinados unicamente às pessoas deficientes. INFORMAÇÕES: Ministère de la Sécurité sociale 26, rue Zithe L-2763 Luxembourg E Internet: Cellule d évaluation et d orientation de l assurance dépendance 125, route d Esch L-2974 Luxembourg E Réception-Helpline Confédération des organismes prestataires d aides et de soins COPAS asbl Rue de Turi L-3378 Livange E Fax: Internet: 4 Definições retiradas do folheto "Seguro de dependência Guia prático", Ministério da Segurança social, Célula de avaliação e de orientação do seguro para prestação de assistência, Setembro de 2007.

19 Os municípios As administrações municipais são os primeiros interlocutores para informar o cidadão sobre os serviços e estruturas oferecidos aos seniores a nível local. Informações estão em princípio disponíveis junto dos secretariados municipais. É sob a responsabilidade dos municípios que são organizados dois serviços particulares: os serviços de repas sur roues e os serviços de chamada assistência externa. Por outro lado, a administração municipal pode informar as horas de permanência da sede social do município. Por fim, vários municípios celebraram acordos de colaboração com serviços de proximidade, permitindo desta forma aos idosos beneficiar de prestações, como por exemplo, obras de desobstrução dos passeios no caso de neve, etc. As pessoas interessadas em colaborar com os municípios podem integrar uma comissão consultiva. Estas comissões deliberam e emitem o seu parecer à assembleia municipal, à câmara municipal e ao presidente da câmara sobre processos que lhes são submetidos, tendo em conta as suas competências. Em regra geral, cada município dispõe de uma comissão que tem um particular interesse na situação dos idosos.

20 Os serviços sociais a nível regional e local Qualquer pessoa, a dado momento da sua vida, pode ser confrontada com uma situação difícil e excepcional, que a afecte pessoalmente ou à respectiva família. Estas situações podem estar relacionadas com problemas de saúde, direitos sociais (abono de família, pertença à segurança social, etc.), questões financeiras, problemas relacionais ou outras questões particulares. Até ao fim de 2010, duas grandes organizações, a Cruz Vermelha luxemburguesa e a Liga luxemburguesa de prevenção e de acção médico-social (Ligue luxembourgeoise de Prévention et d Action médico-sociales), coordenaram serviços sociais descentralizados e que tinham por missão: informar e aconselhar todas as pessoas relativamente às possibilidades e aos meios acessíveis relativamente às questões colocadas ajudar e apoiar todas as pessoas que o pretendam no âmbito das acções para obter as ajudas solicitadas. Para as questões particulares relacionadas com a 3ª e 4ª idade, as duas organizações forneciam informações sobre os serviços existentes relacionados com os idosos. Estas apoiavam as pessoas e/ou as respectivas famílias no sentido de organizar ajudas concretas ao domicílio ou aquando da procura de uma instituição (centro integrado para pessoas idosas, hospital residencial) e podiam fornecer apoio em todas as acções concretas. Com a lei de 18 de Dezembro de 2009 que visa organizar o apoio social, ocorreu uma mudança importante. A nova legislação criou um direito ao apoio social e visa permitir a todas as pessoas levar uma vida em conformidade com a dignidade humana, preservando a autonomia. Esta missão de apoio foi atribuída a um novo organismo, o gabinete social, que actua sobre o estatuto de instituição pública.

21 O gabinete social As missões gerais são as seguintes: explicar à pessoa os direitos a que pode ter direito indicar as formalidades a cumprir e, se necessário, prestar apoio na realização das acções necessárias orientar o requerente para os serviços especializados que melhor se adaptam aos requisitos acompanhar o requerente até à estabilização da respectiva situação individual estabelecer, se necessário, um plano de intervenção adaptado à situação da pessoa. A partir do dia 1 de Janeiro de 2011, os 30 gabinetes sociais entram em funções. Cada gabinete social tem competência para um ou vários municípios. A lista que se segue indica o organismo competente para o município onde reside. Käerjeng (Bascharage, Hautcharage, Linger, Clemency e Fingig) Beaufort (Beaufort, Bech, Berdorf, Consdorf et Reisdorf) Bettembourg (Bettembourg, Frisange e Roeser) extensão Contern (Contern, Sandweiler, Schuttrange et Weiler-la-Tour) Differdange Dudelange Echternach (Echternach e Rosport) Esch-sur-Alzette Ettelbruck (Bettendorf, Bourscheid, (Nordstad) Colmar-Berg, Diekirch, Erpeldange, Ettelbruck, Feulen, Mertzig e Schieren) Grevenmacher (Biwer, Flaxweiler, Grevenmacher, Manternach, Mertert, Mompach e Wormeldange) Hesperange

22 20 Hosingen (Resonord) Junglinster (Centrest) (Clervaux, Eschweiler, Kiischpelt, Parc Hosingen, Putscheid, Tandel, Troisvierges, Vianden, Weiswampach e Wincrange) (Betzdorf, Junglinster e Niederanven) extensão 20 ou 22 Kayl (Kayl e Rumelange) larochette (Fischbach, Heffingen, Larochette, (Aernzdallgemeng) Nommern e Waldbillig) luxembourg Mamer (Bertrange, Dippach, Kehlen, Kopstal, Leudelange, Mamer e Reckange-Mess) Mersch (Bissen, Boevange/Attert, Lintgen, Mersch e Tuntange) Mondercange ou 35 Mondorf (Dalheim e Mondorf) Pétange extensão 20, 21, 24, 25 Rédange (Beckerich, Ell, Grosbous, (OSCARE) Préizerdaul, Rambrouch, Rédange, Saeul, Useldange, Vichten e Wahl) Remich (Bous, Lenningen, Remich, Schengen, Stadtbredimus e Waldbredimus) Sanem Schifflange Steinfort (Garnich, Hobscheid, Koerich, Septfontaines e Steinfort) Steinsel (Lorentzweiler e Steinsel) (OSStElO) Strassen (Lorentzweiler) (Steinsel) ou Walferdange extensão 224 ou 279 Wiltz (Boulaide, Esch-sur-Sûre, Goesdorf, Lac de la Haute-Sûre, Neunhausen, Wiltz e Winseler)

23 Os serviços sociais da Liga luxemburguesa de Prevenção e de Acção médico-social O Serviço de acompanhamento social é destinado às pessoas ou famílias cuja natureza dos problemas necessita de um acompanhamento a longo prazo. O acompanhamento social consiste em encorajar e apoiar a pessoa, e fazer o necessário para ajudá-la a recuperar a sua autonomia de vida, nomeadamente a estabilizara sua situação. O Centro de Consultas do luxemburgo oferece uma consulta psicológica e psicoterapêutica. Os problemas dirigidos ao centro podem ser de ordem individual, relacional, conjugal, educativo, sexual ou familiar. INFORMAÇÕES: ligue médico-sociale c/o Direction sociale 21 23, rue Henri VII L-1725 Luxembourg E Internet: Centre de Consultations 2, rue G.C. Marshall L-2181 Luxembourg E A linha de ajuda Info-Social informa e orienta gratuitamente sobre questões de domínio social. Todas as chamadas são processadas de forma confidencial e oserviço é garantido por trabalhadores do serviço social. INFORMAÇÕES: E (chamada grátis) dias úteis das 9.00h às 12.00h e das 13.00h às 17.00h

24 Os serviços de informação, de consulta, de apoio e de mediação O Telefone- Seniores O Senioren-Telefon é um serviço do Ministério da Família e da Integração que informa e aconselha os idosos, respectivas famílias e qualquer outra pessoa interessada, sobre qualquer pergunta que possa incidir sobre: as instituições e os serviços para seniores o tema do envelhecimento as prestações sociais as actividades de lazer para seniores o apoio prestado aos seniores por um serviço ou uma instituição. O Telefone-Seniores recebe também qualquer reclamação relacionada com as instituições ou serviços para idosos. As informações e os conselhos são prestados em luxemburguês, alemão ou francês por colaboradores do ministério. Sob pedido, um contacto em português ou inglês pode ser obtido. O serviço funciona todos os dias úteis das 8.30 h às 11.30h. Fora deste horário, uma mensagem pode ser deixada no atendedor de chamadas.

25 Linha de ajuda Seguro de dependência Esta linha telefónica da Célula de avaliação e de orientação do seguro de dependência fornece informações sobre: o processo de requerimento do seguro de dependência as diligências a realizar em caso de contestação da decisão tomada o processamento das reclamações as diligências a seguir no âmbito da revisão da comparticipação. A Célula de avaliação e de orientação dispõe também do formulário de requerimento das prestações do seguro de dependência. Este formulário existe em francês e alemão. Explicações sobre o seguro de dependência estão disponíveis em quatro línguas: francês, alemão, português e inglês. O serviço funciona todos os dias úteis das 9.00h às 11.00h e das 14.00h às 16.00h.

26 O Berodungsdéngscht (Serviço de Assistência, Conselho e Apoio) da Fundação "Stëftung Hëllef Doheem" A Fundação "Stëftung Hëllef Doheem" (SHD) é uma rede que se especializou nas ajudas e cuidados domiciliários. A SHD está presente em todas as regiões do país, gere centros psicogeriátricos e propõe outros serviços de proximidade como o serviço "Propper Doheem", "Nuetswachen" O "Berodungsdéngscht" é um serviço multidisciplinar que informa e aconselha os idosos, seus próximos, e nomeadamente os ajudantes informais 5 sobre questões relacionadas com situações de dependência. Este serviço oferece as prestações seguintes: consultas no domicílio da pessoa conselhos e informações sobre o apoio prestado aos pacientes AVC (acidente vascular cerebral) conselhos e informações sobre o apoio prestado à pessoa que necessita de muitos cuidados conselhos sobre a alimentação da pessoa pelo serviço de "dietética ao domicílio" organização de cursos de formação para o ajudante informal apoio psicológico para o idoso e seus próximos. INFORMAÇÕES: Fondation "Stëftung Hëllef Doheem" "Berodungsdéngscht" 26, rue John F. Kennedy L-7327 Steinsel E Internet: 5 O ajudante informal é uma pessoa próxima (muitas vezes um membro da família ou um próximo) que presta ajuda e cuidados à pessoa dependente ao domicílio.

27 Linha de ajuda SOS Alzheimer A Associação Luxemburgo Alzheimer (ALA) é uma organização que se compromete a melhorar a qualidade de vida das pessoas vítimas de um tipo de demência e nomeadamente da doença de Alzheimer. A associação oferece uma variedade de serviços às pessoas concernidas, aos próximos ou a qualquer outro ajudante informal. A ALA gere vários centros psicogeriátricos e um centro de cuidados. Ã ALA põe ênfase na informação e no aconselhamento às pessoas concernidas e respectivas famílias. Desta forma, um centro de documentação está à disposição dos interessados, onde as famílias e os profissionais podem aceder a livros, revistas, filmes e vídeos. A linha de ajuda SOS Alzheimer está disponível 24 horas sobre 24 e fornece conselhos práticos em situações de emergência, um apoio psicológico e moral. INFORMAÇÕES: Help-line SOS Alzheimer E (24 ore su 24) Internet:

28 Centro de mediação asfl A mediação é o processo de resolução amigável de um conflito no qual uma terceira pessoa (o mediador) intervém junto das partes para ajudá-las a alcançar acordos satisfatórios. A mediação tem os objectivos seguintes: estabelecer ou restabelecer a comunicação entre as pessoas em conflito procurar a criação de novos laços ajudar as pessoas para que tentem elas próprias encontrar uma solução para o conflito. Os mediadores não são nem juízes nem árbitros. Eles ouvem as pessoas facilitam o diálogo dão a palavra deixam escolher. No que diz respeito aos idosos, o centro é solicitado por exemplo para restabelecer as relações entre avós e filhos para questões relacionadas com o direito de visita dos avós. INFORMAÇÕES: Centre de médiation asbl 24-26, place de la Gare (Galerie Kons, 3º andar sector C) L-1616 Luxembourg E Internet:

29 O Ombudsman/o Mediador Quem é o Mediador? O Ombudsman ou o Mediador analisa as reclamações do cidadão relacionadas com a administração pública (isto é uma administração do estado, uma administração municipal ou ainda um estabelecimento público do Estado ou dos municípios), simplifica as dificuldades e submete à Câmara dos Deputados recomendações que podem conter propostas que visam melhorar o funcionamento do serviço visado e/ou modificações que parecem oportunas realizar em alguns textos legislativos e regulamentares. Qual é o seu papel? Se um cidadão ou uma pessoa moral de direito privado (uma associação ou uma empresa privada) contesta uma decisão ou um processo da administração ou estima que foi lesado(a) pelo comportamento de um agente público, ele/ela pode dirigir-se ao Ombudsman. Este actuará enquanto mediador no processo e procurará resolver o litígio que opõe o cidadão respectivamente a pessoa moral de direito privado à administração. As reclamações podem ser efectuadas por escrito ou oralmente mediante marcação. O folheto "Ombudsman O Mediador ao serviço dos cidadãos" está disponível em quatro línguas (alemão, inglês, francês e português) junto de cada município e junto do gabinete do Ombudsman. INFORMAÇÕES: Senhora lydie Err Ombudsman 36, rue du Marché-aux-Herbes L-1728 Luxembourg Horas de abertura dos gabinetes: das 8.00h às 17.00h E Internet:

30 Patiente Vertriedung asfl A associação sem fins lucrativos Patiente Vertriedung tem os objectivos seguintes: fornecer ao cidadão interessado informações relativas: - à saúde e à segurança social - aos direitos e deveres dos pacientes - às várias diligências possíveis no caso de litígio entre um paciente e um prestador de cuidados fornecer às pessoas que recorrem à associação, um parecer consultivo que lhes permita decidir as diligências ou acções a realizar, no caso de contestar as prestações. Os membros da Patiente Vertriedung asfl são os membros efectivos (associações membros) e os membros aderentes (membros individuais). Qualquer pessoa pode tornar-se membro aderente da associação. Um membro aderente pode então beneficiar gratuitamente dos serviços da Patiente Vertriedung. A associação elabora os folhetos informativos relacionados com os direitos e deveres dos pacientes. A associação propõe também um serviço de documentação com documentos que podem ser consultados só no local e documentos que podem ser levados. INFORMAÇÕES: Patiente Vertriedung asbl 1a, rue Christophe Plantin L-2339 Luxembourg E O gabinete está aberto ao público às terças, quartas e quintas-feiras das 9.00h às 12.00h e das 14.00h às 17.00h Internet:

INFORMAÇÕES UTÉIS. Guia prático para seniores. Versão actualizada

INFORMAÇÕES UTÉIS. Guia prático para seniores. Versão actualizada INFORMAÇÕES UTÉIS Guia prático para seniores Versão actualizada Os números de telefone importantes Emergências 112 Em caso de acidente: doméstico, circulação, trabalho, lazer, Em caso de incêndio e explosão

Leia mais

Guia prático para seniores. InformaçÕes utéis

Guia prático para seniores. InformaçÕes utéis Guia prático para seniores InformaçÕes utéis Os números de telefone importantes Emergências 112 Em caso de acidente: doméstico, circulação, trabalho, lazer, Em caso de incêndio e explosão Em caso de desaparecimento

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS Está em curso um inquérito, promovido pela ANMP, sobre as despesas municipais com acções de carácter social que ultrapassam as competências

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA A AMI é uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, privada, independente, apolítica e sem fins

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO OUTONOS DA VIDA Instituição sem fins lucrativos, candidata a IPSS da área da Saúde com interacção com a Segurança

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO LEGAL 3 2- PRINCÍPIOS DO VOLUNTARIADO 3 3- ESTATUTO DE VOLUNTÁRIO 4 4- DIREITOS DO VOLUNTÁRIO 4 5- DEVERES DO VOLUNTÁRIO 6 6- ÂMBITO DE ACÇÃO 6

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de uma forma livre, responsável

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO REGº SM Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projecto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE)

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Preâmbulo A universalidade do acesso ao ensino superior, para além de um direito constitucional, constitui igualmente

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO A prestação de serviços ao exterior por docentes com contrato em funções públicas, em regime de dedicação exclusiva,

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Em colaboração com as comunas - da gestão de resíduos à economia de consumo-devolução

Em colaboração com as comunas - da gestão de resíduos à economia de consumo-devolução Eng Aktioun vum Ministär fir nohalteg Entwécklung an Infrastrukturen mat de Gemengen Maach-mat! Em colaboração com as comunas - da gestão de resíduos à economia de consumo-devolução 1. Segurança e futuro

Leia mais

Apoios gratuitos a doentes e seus familiares

Apoios gratuitos a doentes e seus familiares União Humanitária dos Doentes com Cancro Quanto mais olharmos o cancro de frente, mais ele se afasta de nós Exmo(a). Senhor(a), Os melhores cumprimentos. A União Humanitária dos Doentes com Cancro está

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL Avª de França, 549 4050-279 PORTO Tel: 22 834 95 70 Fax: 22 832 54 94 CIRCULAR Nº 01 2010 2011 Para conhecimento das Associações, Clubes seus filiados, Rádio, Televisão,

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

PACK BEM-VINDO * (*) Pack gratuito durante 1 o ano. Toujours plus proche de ceux qui veulent aller plus loin.

PACK BEM-VINDO * (*) Pack gratuito durante 1 o ano. Toujours plus proche de ceux qui veulent aller plus loin. PACK BEM-VINDO * * (*) Pack gratuito durante 1 o ano Toujours plus proche de ceux qui veulent aller plus loin. BCP Bem-vindo Descubra o nosso pack gratuito ** para recém chegados ao Luxemburgo! Gestão

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Projecto de Lei nº 504/X

Projecto de Lei nº 504/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 504/X Criação de um esquema de protecção social, em condições especiais, a atribuir às pessoas que sofrem de Doença de Parkinson (DP) Exposição de motivos A Doença

Leia mais

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt UNIVERSIDADE SÉNIOR DE CARNAXIDE - APRENDIZAGEM E LAZER ARTIGO 1º Aspectos Gerais REGULAMENTO 1- A Universidade Sénior de Carnaxide - Aprendizagem e Lazer, adiante designada por USCAL, tem por objectivo

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

CASNA. Bem-vindo à escola luxemburguesa! Informações para pais e alunos estrangeiros. Português

CASNA. Bem-vindo à escola luxemburguesa! Informações para pais e alunos estrangeiros. Português Bem-vindo à escola luxemburguesa! Português PT Informações para pais e alunos estrangeiros CASNA Cellule d accueil scolaire pour élèves nouveaux arrivants Bem-vindo à escola luxemburguesa! Informações

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014 Plano de Acção da APP para o triénio 2012-201 Documento de trabalho para contributos Proposta I da APP 2012-201 ASSOCIAÇ PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 201

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Agência - Contrato de prestação de serviços - Anúncio de concurso - Concurso público

Agência - Contrato de prestação de serviços - Anúncio de concurso - Concurso público 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:42434-2015:text:pt:html Irlanda-Dublim: Prestação de serviços para a formação e desenvolvimento do pessoal da Eurofound

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO (nº SM) Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projeto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

S EGURO DE D EPENDÊNCIA

S EGURO DE D EPENDÊNCIA S EGURO DE D EPENDÊNCIA G u i a p r á t i c o 125, roue d Esch L-2974 Luxemburgo Maio 2015 Tel.: (+352) 247 86 060 Email: secretariat@igss.etat.lu ÍNDICE Termos frequentemente utilizados no seguro de

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

CASNA. Bem-vindo à escola luxemburguesa! Informações para pais e alunos estrangeiros. Português

CASNA. Bem-vindo à escola luxemburguesa! Informações para pais e alunos estrangeiros. Português Bem-vindo à escola luxemburguesa! Português PT Informações para pais e alunos estrangeiros CASNA Cellule d accueil scolaire pour élèves nouveaux arrivants Bem-vindo à escola luxemburguesa! Informações

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Ficha de Inscrição e identificação do Voluntário PND

Ficha de Inscrição e identificação do Voluntário PND Ficha de Inscrição e identificação do Voluntário PND Dados de Identificação: Nome Completo: Data de nascimento: / / Local: Sexo: F M Estado Civil: Numero de BI ou Cartão de Cidadão Segurança Social: Numero

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

A Direcção, Dora Dias Susana Silva

A Direcção, Dora Dias Susana Silva A Mais Família é uma empresa recente, sediada no centro de Matosinhos. Somos uma empresa de APOIO DOMICILIÁRIO, tutelada pelo Instituto da Segurança Social, com o alvará nº 23/2011, prestando assistência

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Situação Geográfica e História

Situação Geográfica e História Centro de Formação e de Consulta para Crianças e Adolescentes Deficientes Auditivos Escolas Públicas com externato e internato D 79252 Stegen Sobre a Escola Situação Geográfica e História Em 1970 o estabelecimento

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Circular n.º 13 Colónia, Maio de 2013

Circular n.º 13 Colónia, Maio de 2013 Endereço postal: Conterganstiftung für behinderte Menschen (Fundação Contergan para Pessoas com Deficiência) 50964 Köln (Colónia) ENDEREÇO DA EMPRESA Sibille-Hartmann-Str. 2-8 50969 Köln (Colónia) ENDEREÇO

Leia mais