GESTÃO ESCOLAR: ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DE RECURSOS EM UNIVERSIDADES DO RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO ESCOLAR: ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DE RECURSOS EM UNIVERSIDADES DO RJ"

Transcrição

1 GESTÃO ESCOLAR: ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DE RECURSOS EM UNIVERSIDADES DO RJ MSc Francisco Coelho Mendes 1 Marisandra Neri Nunes 2 1. INTRODUÇÃO Em virtude da evolução social e das mudanças nos processos de gestão educacional, as instituições públicas de ensino procuram adaptar-se às características do sistema social que as envolvem. Uma boa gestão de recursos poderá servir de suporte para o crescimento e desenvolvimento organizacional. Este estudo refere-se ao desenvolvimento de um projeto de pesquisa que versa sobre gestão dos recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos das universidades públicas federais do Rio de Janeiro, abordando a gestão escolar, gestores educacionais e tecnologia na gestão escolar. Vários são os questionamentos feitos sobre a gestão de órgãos públicos como: má distribuição de recursos, atraso no andamento dos processos, uso indevido dos recursos públicos, falta de zelo para com o patrimônio público, falta de materiais de consumo, entre outros. Na gestão escolar não é muito diferente. Porém, a instituição escolar diferencia-se das empresas convencionais por apresentar um sistema de relações humanas e sociais com características interativas, que se refere aos princípios e procedimentos relacionados à ação de planejar o trabalho da escola, racionalizar o uso de recursos, coordenar e avaliar o trabalho das pessoas de forma democráticoparticipativa. 1 Docente UFRRJ. 2 Discente UFRRJ 1

2 Dessa forma, este estudo propõe conhecer como estão sendo geridos os recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos das universidades públicas federais do Rio de Janeiro. Propõe também analisar se a gestão dos recursos dessas universidades está alinhada ao desenvolvimento de novos métodos de trabalho e práticas de gestão no que se refere aos serviços prestados. Além de verificar a influência do gerenciamento dos recursos no processo de gestão das universidades em estudo e contribuir com sugestões de melhorias para os problemas de gestão pública na área da educação. Em se tratando de educação, em particular do ensino público, as lições básicas para o bom atendimento do cliente são: o cliente define a qualidade apropriada do produto ou serviço e a um preço justo. Nesse caso, o preço justo refere-se à correta gestão de recursos e do ensino de qualidade como forma de retribuição para a sociedade que custeiam as despesas dos órgãos públicos, dentre eles as universidades públicas. 2. REFERENCIAL TEÓRICO Gestão Escolar Lombardi (2006), enfatiza três olhares ou visões para exemplificar o que está querendo demonstrar sobre gestão escolar. A primeira é a visão a-histórica que trata a escola que temos como um tipo de organização que sempre existiu mais ou menos dessa forma como a conhecemos hoje, com essa estrutura, essa organização. Essa visão tende a eternizar a escola que, assim, não teria passado, nem futuro, mas apenas presente. Essa perspectiva a-histórica, ao transformar as coisas, os homens e as relações numa mera idéia fora do tempo, resulta na decretação do fim da história, o que é o mesmo que dizer que não importa o passado, nem adianta pensar no futuro, pois o presente é a única referência e o único horizonte. A segunda é a perspectiva anacrônica que considera a escola de ontem como muito melhor, em sua estrutura, em sua organização, em sua disciplina e em seu conteúdo, do que a escola de hoje. Colocando ênfase no discurso e na memória, que são certamente de fundamental importância para o entendimento do que se passou com nossa história, com nossas vidas e com nossa escola, acaba direcionando a discussão para o passado como um momento qualitativamente superior, desconsiderando as transformações 2

3 ocorridas ao longo da história, algumas, inclusive, significando avanços importantes para a sociedade como um todo. A terceira é a visão idealizada da escola, tomada como imagem e semelhança de uma sociedade igualmente idealizada, que toma tudo, todos e todas as relações como mera representação, ou como expressão ideal e distorcida da realidade, ou simplesmente como uma idéia geral e abstrata do mundo, do homem, da vida e de todas as coisas. A história da escola fica meio parecida com uma estória que, em lugar de tratar das situações reais que a envolve, sempre está a construir idéias como expressão da realidade. Segundo Lombardi (2006), com essas três visões, que são como aspectos indiferenciados de uma mesma e única dimensão, Ele expressa algumas das várias opiniões arraigadas que se tem sobre o mundo, a sociedade, a vida e o trabalho, e também sobre a escola, sobre a administração escolar e sobre o papel do diretor de escola. Lombardi ilustra que essas opiniões chegam aos cidadãos, acompanhando a avalanche de informações que se recebe todos os dias. E cita como exemplo, sem querer com isso questionar a seriedade ou competência do órgão de informação, está contida em três matérias publicadas pelo Jornal Folha de São Paulo, de 18 de setembro de A principal tem um título bastante revelador: Político escolhe 60% dos diretores de escola. O início da matéria é a síntese de seu conteúdo ao afirmar que Maioria das indicações é feita pela prefeitura ou pelo Estado; e alunos dessas instituições têm desempenho inferior A pedido do jornal, o INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, do MEC), tabulou e cruzou dados que mostram que 59,8% dos diretores de colégios públicos foram indicados em Em alguns Estados esse percentual é extremamente alto, Amapá (94,7%), Rio Grande do Norte (92,3%) e Sergipe (92,0%). Segundo Lombardi (2006), os métodos considerados mais democráticos ou meritocráticos, mas que são práticas pouco habituais no sistema público. Os dados tabulados são chamados a referendar essa opinião quanto ao caráter mais ou menos democrático da escolha do diretor. O percentual de diretores eleitos no país é de 19,5% e, somente em cinco Estados, o percentual de eleitos supera o de nomeados: Acre (onde 72,3% foram escolhidos por eleição), Paraná (58,8%), Rio Grande do Sul 3

4 (50,9%), Mato Grosso (48,3%) e Mato Grosso do Sul (44,6%). O percentual de concursados é de 9,2%, sendo que somente em um único Estado a proporção de escolhidos por concurso supera a de nomeados: São Paulo, onde 51,8% dos diretores passaram por concurso público. Conforme observado através do SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica), a qualidade do ensino tem uma relação direta com a escolha do diretor, num raciocínio mecânico de extremo simplismo, como se pode constatar pela citação do trecho que trata do assunto: [...] a indicação política é, segundo o SAEB (exame do MEC que avalia a qualidade da educação), a que tem mais impacto negativo no desempenho dos estudantes. No exame de 2003, em todas as seis provas (são aplicados testes de português e matemática para alunos de quarta e oitava séries e do terceiro ano do ensino médio), os alunos que estudavam em escolas dirigidas por diretores nomeados politicamente tinham o pior desempenho. Os melhores desempenhos foram de alunos de colégios onde a escolha foi feita por concurso ou eleição. (Gois, 2005) Outras duas matérias do Jornal Folha de São Paulo, de 18 de setembro de 2005, completam o quadro traçado por Góis (2005). Uma que tem como título: Sistemas necessitam de ajustes e que afirma que sozinha a eleição direta do diretor não é garantia de uma gestão democrática da escola e, ainda, que a escolha do diretor por concurso não é certeza de uma administração eficiente. Para respaldar a afirmação alinhava pequenos trechos de depoimentos de secretários da educação de dois Estados (Acre e São Paulo) e de técnicos do INEP. A outra matéria tem sugestivo título Boa gestão melhora nota de aluno que faz propaganda de projeto desenvolvido por um instituto junto a diretores da rede pública dos Estados de São Paulo e Santa Catarina. Recorrendo a dados estatísticos, afirma que há comprovação que, no curto prazo, melhorando a gestão do diretor na escola, também há melhora no rendimento dos alunos. Segundo Lombardi (2006), a compreensão histórico-filosófica da história pode possibilitar um melhor entendimento do conteúdo da disciplina Gestão Escolar: abordagem histórica, na medida em que possibilita a contextualização da organização 4

5 escolar brasileira e, em seu interior, de como se organiza a gestão escolar. O Autor procura sintetizar a visão da história que tem os seguintes princípios norteadores: princípio da determinação material (determina e torna possível a forma de organização da vida social e da escola); princípio da totalidade (a organização escolar e, em seu interior, a gestão escolar, constituem partes articuladas do todo econômico, social e político); e princípio da transformação (a organização escolar está em constante processo de transformação, acompanhando a produção da existência dos homens, de seu modo de produção; ao se transformar o modo de produção, suas mudanças também são acompanhadas por toda a organização social, jurídica e política). A explicitação desses pressupostos se faz necessária em vista dos fundamentos geralmente adotados pelos teóricos da administração escolar no Brasil e que, por vezes, a tomam em si mesma, fundamentando a exposição na legislação, também tomada como auto-explicativa, ou nas teorias administrativas existentes para as empresas. Nesse caso, a administração escolar adota como pressuposição uma suposta universalidade dos princípios da administração adotados na empresa capitalista, como se eles pudessem ser transplantados mecanicamente para todas as organizações de modo geral. Na escola, esses princípios foram adotados com o intuito de fazer a educação alcançar maior eficiência, produtividade e êxito, identicamente ao que se faz em relação às atividades empresariais. Segundo Felix (1985, p. 71), o pressuposto lógico-formal adotado é o de que [...] enquanto a administração de empresa desenvolve teorias sobre a organização do trabalho nas empresas capitalistas, a administração escolar apresenta proposições teóricas sobre a organização do trabalho na escola e no sistema escolar. Na administração escolar, portanto, podem ser identificadas as diferentes teorizações da administração de empresa, nada mais se fazendo que a mera aplicação dessas teorias à educação. Segundo Romanelli (1999, p. 18), a administração deve ser entendida como resultado de um longo processo de transformação histórica, que traz as marcas das contradições sociais e dos interesses políticos em jogo na sociedade. Ou seja, ao invés de se partir de um conceito de administração abstrato e geral, deve-se entendê-la como expressão 5

6 abstrata de relações que são historicamente determinada pelas relações econômicas, políticas e sociais, que se verificam sob o modo de produção capitalista [...]. Segundo Saviani (1996, p. 52), a educação no Brasil vem caminhando sempre um passo atrás do seu desenvolvimento. "... Razões intrínsecas à nossa cultura separam a educação do desenvolvimento...". E prossegue ainda em sua afirmação: "A educação para o desenvolvimento é a que promove o povo para desempenhar funções hoje reservadas às elites. Mas o desenvolvimento exige rupturas no sentido de construção de equilíbrio. Ruptura com o estilo liberal a que estamos abraçados, às vezes sem o saber." (Saviani, 1996, p. 70). Portanto, na educação em vez de mudar os modelos para se adequar a realidade, tentam mudar a realidade para se adequar aos modelos preestabelecidos. Geralmente, busca-se modernizar a estrutura da educação para acompanhar o desenvolvimento econômico, e se esquece de procurar onde está a falha que provocou e alimentou essa defasagem educacional. É o entendimento desse processo de transformação que possibilita entender como se deu a organização e a transformação do sistema educacional brasileiro, a forma como as escolas se constituíram, os regulamentos, as normas e as leis criadas para melhor organizar o seu funcionamento, as concepções filosóficas e pedagógicas que, em cada período, nortearam as inúmeras propostas de reformas educacionais. Não poderia se falar em gestão escolar sem mencionar o uso da tecnologia como ferramenta de auxílio às mudanças do processo ensino-aprendizagem. Tecnologia na Gestão Escolar Quando se fala em tecnologias costuma-se pensar imediatamente em computadores, vídeo, softwares e Internet. Sem dúvida são as mais visíveis e que influenciam profundamente os rumos da educação. Mas o conceito de tecnologia é muito mais abrangente. Tecnologias são os meios, os apoios, as ferramentas que se utiliza para que 6

7 os alunos aprendam. A forma como se organiza em grupos, em salas, em outros espaços, isso também é tecnologia. O giz que escreve na louça é tecnologia de comunicação e uma boa organização da escrita facilita e muito a aprendizagem. A forma de olhar, de gesticular, de falar com os outros, isso também é tecnologia. O livro, a revista e o jornal são tecnologias fundamentais para a gestão e para a aprendizagem e ainda não se sabe utilizá-las adequadamente. O gravador, o retroprojetor, a televisão, o vídeo também são tecnologias importantes e às vezes são muito mal utilizadas. Segundo Silva (2003), os principais colégios e universidades do Brasil utilizam programas integrados de gestão, que são utilizados para reduzir a circulação de papéis (formulários, ofícios, processos) tão comuns nas escolas públicas e podem converter todas as informações em arquivos digitais que vão sendo catalogados, organizados em pastas eletrônicas por assunto, assim como se faz na secretaria, só que ficam armazenados em um computador principal, chamado servidor. Segundo Moran et. alii (2003), as condições de gerenciamento de muitas das escolas públicas são precárias. Infra-estrutura deficiente, professores mal preparados, ambientes de trabalho inadequados. Mesmo reconhecendo essa dificuldade organizacional estrutural, a competência de um diretor de escola pode suprir boa parte das deficiências. Isso, às vezes depende da capacidade de liderar, de motivar, de encontrar soluções para driblar o orçamento precário, além da liberdade, confiança e amizade depositada em seus parceiros. O incentivo do gestor para que os professores aprendam, se aperfeiçoem e inovem deve ser constante. A escola deve estar aberta à comunidade com atividades de lazer e de aperfeiçoamento. Dessa forma, o profissional da área de educação necessita ter uma visão sistêmica do papel de sua organização junto à sociedade e do seu papel junto à instituição para que possa trabalhar novas formas de construção do conhecimento, visando a melhoria contínua do ambiente escolar. O gestor precisa superar as limitações organizacionais e contribuir para transformar a escola em um espaço criador, em uma comunidade de aprendizagem utilizando os recursos e as tecnologias disponíveis. Gestão de Recursos 7

8 Segundo Galvão & Mendonça (1999), a gestão de recursos pode definir a qualidade apropriada do produto ou serviço e a um preço justo. Deve-se traduzir as expectativas do cliente em informações úteis, levar em consideração as alternativas da concorrência ao analisar as expectativas do cliente, considerar que as expectativas do cliente são dinâmicas, a qualidade do produto e do serviço deve existir em todo o canal de distribuição de recursos, ou seja, desde o fabricante até chegar ao cliente final (passando por todos os intermediários) e toda a organização deve estar envolvida na responsabilidade de propiciar ao cliente a qualidade do produto ou serviço. Segundo Galvão & Mendonça (1999), o ciclo PDCA (Planejar-Executar-Verificar-Agir) é um instrumento de gestão aplicável a qualquer processo organizacional, do mais simples ao mais complexo. O que muda são as técnicas e ferramentas de integração a serem utilizadas em cada tipo de processo. O ciclo PDCA constitui-se na razão do sistema de gerenciamento pela qualidade. Toda gestão de recursos ou ação organizacional deverá ter como orientação básica o cumprimento desse ciclo, o qual é dinâmico, devendo haver continuidade entre suas fases, numa espécie de giro contínuo. Na gestão de recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos, entre outros é necessários que o gestor tenha conhecimento de integração e gerenciamento sistêmico para que haja uma sintonia entre os recursos. Gestão de recursos humanos Durante muito tempo ficou associada à forma coerciva como empresa tratava os seus trabalhadores. Depois de algum tempo adquiriu o nome de gestão de Recursos Humanos (RH) e só mais recente de gestão de pessoas. Esta última designação foi a mais popular e melhor aceita, isso porque o termo é mais flexível e passou a preocupar-se com os trabalhadores, a dar importância e reconhecer o mérito do talento humano em cada empresa. O tratamento e evolução do conceito de RH surgiu nas escolas a partir da necessidade do mercado. 8

9 Segundo Chiavenato (1999), a gestão de RH é uma atividade executada pelo departamento de recursos humanos de uma empresa com a finalidade de escolher quem será qualificado para trabalhar na empresa diante de uma série de candidatos. Isso requer uma maior preocupação dos gestores para com as pessoas. Para Gomes-Mejla (1995), na gestão escolar ou organizacional, é chamado RH ao conjunto dos funcionários ou dos colaboradores dessa escola (organização). Mas o mais freqüente deve chamar-se assim à função que ocupa para adquirir, desenvolver, usar e reter os colaboradores da empresa. O objetivo básico que persegue a função de Recursos Humanos (RH) com essas tarefas é alinhar as políticas de RH com a estratégia da organização. Essa prática torna-se mais favorável mediante a disponibilidade de recursos financeiros. Gestão de recursos financeiros A gestão financeira é tão relevante para a empresa como para a escola que realiza cursos específicos de administração financeira que tratam dos assuntos relacionados às finanças da escola como organização, seja ela pública ou privada. Para se compreender e entender o sentido e o significado de finanças que, corresponde ao conjunto de recursos disponíveis circulantes em espécie que serão usados em transações e negócios com transferência e circulação de dinheiro é necessário se analisar a real situação econômica dos fundos da empresa, com relação aos seus bens e direitos garantidos. As finanças fazem parte do cotidiano, no controle dos recursos para compras e aquisições, tal como no gerenciamento e a própria existência da empresa nas suas respectivas áreas, seja no marketing, produção, contabilidade e, principalmente na administração geral de nível operacional, gerencial e estratégico em que se usa dados e informações financeiras para a tomada de decisão na condução da empresa (escola). Segundo Gitman (2004), a administração financeira é uma ferramenta ou técnica utilizada para controlar da forma mais eficaz possível, no que diz respeito à concessão de credito para clientes, planejamento, analise de investimentos e, de meios viáveis para 9

10 a obtenção de recursos para financiar operações e atividades da empresa, visando sempre o desenvolvimento, evitando gastos desnecessários, desperdícios, observando os melhores caminhos para a condução financeira da organização. Às vezes é por falta de planejamento e controle financeiro que muitas escolas apresentam insuficiência e inexistência de recursos. Sendo necessárias informações do Balanço Patrimonial, no qual se contabiliza estes dados na gestão financeira, analisando-se detalhadamente para a tomada de decisão. Pelo beneficio, que a contabilidade proporciona à gestão financeira e pelo íntimo relacionamento que se tem de interdependência é que se confunde, às vezes, a compreensão e distinção dessas duas áreas, já que as mesmas se relacionam e geralmente se sobrepõem. Portanto, os contadores admitem a extrema importância do fluxo de caixa, assim como o administrador financeiro utiliza-se do regime de competência. Mas cada um tem suas especificidades e maneira de descrever a situação da organização, sem menosprezar a importância de cada atividade já que, uma depende da outra, no que diz respeito à circulação de dados e informações necessárias para o exercício de cada função, seja para aquisição de recursos materiais, tecnológicos ou prestação de serviços. Gestão de recursos materiais Segundo Ballou (2007), junto com a logística nasce o termo suprimentos, derivado da locução cadeia de suprimentos, utilizada para definir diversos materiais. Suprimento é como são definidos os itens administrados, movimentados, armazenados, processados e transportados (recursos materiais) pela logística. Segundo Ballou (2007), logística é a arte de comprar, receber, armazenar, separar, expedir, transportar e entregar o produto ou serviço certo, na hora certa, no lugar certo, ao menor custo possível. Até que ponto o gestor da escola pública se preocupa com esse conceito? Ou o coloca em prática? Na logística os suprimentos são os atores principais de toda a cadeia, são com base nas características dos suprimentos, que a logística define seus parâmetros de lead time, tipos de embalagem, as características dos 10

11 equipamentos de movimentação, modais de transporte, áreas de armazenamento e os recursos humanos e financeiros necessários. A logística é o principal responsável por assegurar a disponibilidade do item dentro dos prazos e quantidades estabelecidas pelas áreas de compras e planejamento e programação da produção. O termo suprimentos diferencia de matéria-prima, pois a matéria-prima é um dos tipos existente de suprimentos. Com base nessa lógica, será que as escolas públicas brasileiras possuem um sistema de informação integrado com as demais áreas ou setores visando viabilizar a aquisição de produtos ou serviços? Segundo Dias (2006), conceitua-se gerenciamento da cadeia de suprimentos como sendo um conjunto de materiais necessários para o funcionamento de uma empresa comercial ou fabricante. A cadeia de suprimentos envolve todos os níveis de fornecimento do produto desde a matéria-prima até a entrega do produto no seu destino final, além do fluxo reverso de materiais para reciclagem, descarte e devoluções. A parte mais importante da cadeia de suprimentos de uma escola pública pode ser entendida como sendo a lapidação e transformação do produto aluno para bem atuar no mercado competitivo. O uso da tecnologia se faz necessário para que a cadeia de suprimentos funcione adequadamente ou até mesmo surpreenda as exigências do mercado ou do consumidor. Gestão de recursos tecnológicos O termo Tecnologia da Informação (TI), segundo Laudon & Laudon (2004), serve para designar o conjunto de recursos tecnológicos e computacionais para geração e uso da informação. A TI está fundamentada nos seguintes componentes: hardware e seus dispositivos periféricos; software e seus recursos; sistemas de telecomunicações; gestão de dados e informações (Batista, 2004). Segundo Batista (2004), a TI é o conjunto de recursos não humanos dedicados ao armazenamento, processamento e comunicação da informação e à maneira como esses recursos estão organizados num sistema capaz de executar um conjunto de tarefas. A TI 11

12 não se restringe a equipamentos (hardware), programas (software) e comunicação de dados. Existem tecnologias relativas ao planejamento de informática, ao desenvolvimento de sistemas, ao suporte de software, aos processos de produção e operação, ao suporte de hardware, entre outros, que podem facilitar e agilizar os processos organizacionais. Aplicação combinada dos conhecimentos teóricos e práticos da computação, telecomunicação e microeletrônica a obtenção, processamento, armazenamento e transmissão de informação, e o processamento de informação, seja de que tipo for, é uma atividade de importância central nas economias industriais avançadas e estar presente com grande força em áreas como gestão escolar, finanças, planejamento de transportes, produção de bens, assim como na imprensa, nas atividades editorias, no rádio e na televisão. Por que não fazer uso dessa evolução tecnológica em prol de benefícios para a organização? Já que a integração e interação dos recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos podem agilizar os processos da gestão administrativa. 3. MATERIAL E MÉTODO Nesta etapa do trabalho apresenta-se a metodologia utilizada durante a pesquisa com o objetivo de identificar e analisar a gestão dos recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos das universidades públicas federais do Rio de Janeiro, abordando, inicialmente, a gestão escolar, gestores educacionais e tecnologia na gestão escolar. Segundo o descrito por Alves-Mazzoti & Gewandsznajder (1998), a estruturação da pesquisa tem por objetivo dar foco àquilo que se pretende alcançar, como o resultado da pesquisa qualitativa de caráter exploratório. A metodologia adotada para este estudo foi do tipo pesquisa qualitativa, segundo Yin (2001) e Alves-Mazzoti & Gewandsznajder (1998). Na realização desta pesquisa foram utilizadas consultas bibliográficas e pesquisa documental. Para tanto, realizou-se o levantamento de dados secundários através de uma revisão da literatura referente à gestão escolar no Brasil, no período de Agosto a Dezembro de Atualmente, a pesquisa encontra-se na fase de levantamento dos dados primários, mediante a aplicação de questionários aos docentes e a realização de entrevistas com os diretores de institutos e decanos das universidades em estudo, que posteriormente serão analisados para 12

13 caracterizar como são geridos os processos referentes aos recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos. O universo desta pesquisa são universidades públicas federais, que prestam serviços de ensino, pesquisa e extensão na área de educação superior e estão localizadas no Estado do Rio de Janeiro. São amostras desta pesquisa as seguintes universidades federais: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Universidade Federal Fluminense (UFF) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). A pesquisa limita-se à obtenção de informações, inerentes a gestão de recursos, fornecidas pelos chefes de departamentos, diretores de institutos e decanos das universidades em estudo. O eixo conceitual da pesquisa não esgota a problemática da gestão de recursos, uma vez que se restringe a propor melhoria contínua dos processos organizacionais. Esse recorte temático, traduzindo uma limitação do trabalho, tangencia alguns aspectos conceituais do processo gerencial, tais como: cultura organizacional; mudança de paradigmas; custos associados à ausência do planejamento e controle de ações. Finalmente, a proposta está limitada a aspectos específicos das universidades públicas federais, sem condicionantes técnicos que possam generalizá-lo a outros segmentos da educação. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Nesta fase do estudo apresenta-se a visão de alguns Autores sobre a gestão escolar, abordando a análise dos principais modelos de gestão escolar, do uso de instrumentos para a melhoria contínua aplicados ao processo de gestão dos recursos das instituições públicas de ensino no Brasil. Segundo Gil (1997), algumas sociedades modernizam seus sistemas políticos e econômicos enquanto que suas práticas pedagógicas evoluem muito lentamente, gerando disfunções na adaptação do indivíduo a essa sociedade. Gil (1997) afirma também que um dos papéis atribuído ao ensino é a influência da gestão na relação ensino-aprendizagem, que representa a interface entre a sociedade e a escola, logo é imperativo que essa relação seja capaz de fomentar um conjunto de competências 13

14 gerenciais, intelectuais, técnicas e comportamentais para aumentar as chances de sucesso no processo de inserção social. Em se tratando de educação e especialmente do ensino superior, a Lei de Diretrizes de Base (LDB) corrobora e especifica os mandamentos constitucionais que dizem respeito à educação, tais como o Artigo 205 da CF (1988) que versa sobre: A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. No âmbito restrito da educação superior, cita-se o Artigo 207 da CF (1988) que versa sobre: As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Claro que essas prerrogativas requerem o apoio da gestão em prol do ensino-aprendizagem de forma democrático-participativa. Segundo Libâneo (2005), as intervenções dos profissionais da educação e dos usuários na gestão escolar fazem dela uma comunidade democrática de aprendizagem. A adequada estruturação da direção e seu funcionamento constituem fatores essenciais para atingir eficazmente os objetivos de formação. Uma vez que as decisões são tomadas coletivamente, é preciso pô-las em prática. Para isso, a escola deve estar bem coordenada e administrada. A organização e a gestão escolar requerem o conhecimento e a adoção de princípios básicos como: planejamento participativo, integração de atividades, distribuição de recursos e auto-gestão, cuja sua aplicação deve estar subordinada às condições de cada escola. Alguns Autores, afirmam que o exercício das práticas de gestão democráticoparticipativa, a serviço de uma organização escolar, requer conhecimentos, habilidades e procedimentos práticos. O trabalho nas escolas envolve, ao mesmo tempo, processos de mudança nas formas de gestão e nos modos de pensar e agir. Em razão disso, a formação do docente, tanto a inicial como a continuada, precisa incluir ao estudo das ações de desenvolvimento organizacional, o desenvolvimento de competências individuais e grupais para que os pedagogos especialistas e os docentes possam participar de modo ativo e eficaz da organização e da gestão do trabalho na escola. 14

15 Segundo Nóbrega (2003, p.8), "A maior inovação que a escola pode fazer é colocar seus dirigentes para se tornarem gestores". Pois ao considerar o professor como um prestador de serviços e que ele precisa desenvolver algumas habilidades para ser bemsucedido no mercado, isso requer conhecimento de gestão. Andrade & Amboni (2002) citam algumas competências e habilidades a serem desenvolvidas no processo de gestão, como: capacidade de reconhecer e definir problemas, equacionar soluções, pensar estrategicamente, introduzir modificações no processo de trabalho, atuar preventivamente, transferir e generalizar conhecimentos. A ENAP (2003) afirma que a análise e melhoria de processos são fundamentais para o fortalecimento e o desenvolvimento dos processos de uma organização, conduzindo-a ao caminho da excelência gerencial. Ao final deste estudo, espera-se obter resultados como: esclarecimento sobre assuntos relacionados à gestão dos recursos das universidades públicas federais do Rio de Janeiro; caracterização da gestão dos processos referentes aos recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos dessas universidades. Os resultados desta pesquisa têm o intuito de gerar informações capazes de auxiliarem no planejamento, gestão dos recursos e ação de melhoria visando o melhor desempenho das universidades públicas, objetivando-se, desse modo, proporcionar melhor qualidade no processo de gestão dos recursos. Esses resultados poderão ser utilizados em pesquisas futuras como instrumento para construir ou lapidar as competências e habilidades dos gestores, propiciando assim uma melhoria contínua da gestão. 5. CONCLUSÃO A gestão democrático-participativa possibilita o envolvimento de todos os integrantes da escola no processo de tomada de decisão e no funcionamento da organização escolar, isso proporciona um melhor conhecimento dos objetivos e das metas da escola, o que propicia uma melhor distribuição de seus recursos e um clima de trabalho mais favorável. Portanto, este estudo busca contribuir com a atual gestão dos recursos e propor melhorias para as universidades públicas, visando padronizar e estruturar o trabalho a ser desenvolvido, simplificar e aperfeiçoar os processos, de modo a promover a obtenção de uma consistente gestão de recursos. 15

16 A análise e a melhoria de processos são fundamentais para o fortalecimento e o desenvolvimento dos processos de uma organização, conduzindo-a ao caminho da excelência gerencial. Essas análises e melhorias propiciam às organizações, estruturar a seqüência de trabalhos a serem desenvolvidos, visando a simplificação e o aperfeiçoamento ou melhoria dos processos, além de tratar de forma adequada seus problemas, de modo a promover a obtenção de uma consistente garantia da qualidade dos serviços prestados. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES-MAZZOTI, Alda Judith & GEWANDSZNAJDER, Fernando. O Método nas Ciências Naturais e Sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, ANDRADE, Rui B. de & AMBONI, Nério. Projeto Pedagógico para Cursos de Administração. São Paulo: Makron books, BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. Tradução Hugo T. Y. Yoshizaki. São Paulo: Atlas, BATISTA, Emerson de Oliveira. Sistemas de Informação: o uso consciente da tecnologia para gerenciamento. São Paulo: Saraiva, BRASIL. Constituição Federal de Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília DF: Senado, CF, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, DIAS, Marco Aurélio Pereira. Administração de Materiais: princípios, conceitos e gestão. 5ª ed. São Paulo: Atlas, ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Análise e Melhoria de Processos. Revista de Administração Pública, V. 47, Rio de Janeiro: ENAP, Jan-Fev, FÉLIX, Maria de Fátima Costa. Administração Escolar: um problema educativo e empresarial. São Paulo: Cortez e Autores Associados, GALVÃO, Célio A. C. & MENDONÇA, Mauro M. F. de. Fazendo Acontecer na Qualidade Total: análise e melhoria de processos. IBQN. Rio de Janeiro: Qualitymark,

17 GIL, Antonio Carlos. Metodologia do Ensino Superior. São Paulo: Atlas, GITMAN, L. J. Princípios de Administração Financeira. São Paulo: Pearson Prentice Hall, GOIS, Antônio. Político escolhe 60% dos diretores de escola. Folha de São Paulo, Caderno: Folha Cotidiana. 18 de setembro de GOMES-MEJLA, L. et al. Managing Human Resources. Englewood Cliffs: Prentice- Hall, LAUDON, Kenneth C. e LAUDON, Jane P. Sistemas de Informação Gerenciais: administrando a empresa digital. 5 ed. São Paulo : Prentice Hall, LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de & TOSCHI, Mirza Seabra. Educação Escolar: política, estrutura e organização. 2.ed. São Paulo: Cortez, (coleção docência em formação, coordenação: Antônio Joaquim Severino e Selma Garrido Pimenta). LOMBARDI, José Claudinei. A Importância da Abordagem Histórica da Gestão Educacional. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. especial, p , ago MORAN, José Manuel, MASETTO, Marcos & BEHRENS, Marilda. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 7 a ed. São Paulo: Papirus, NOBREGA, Clemente. O Negócio Escola. Revista Profissão Mestre, Nº 50, Nov/2003. p.8/9. Disponível em: Acesso em: 20 Jul ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil. 22ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, SAVIANI, Dermeval. Educação Brasileira: Estruturas e Sistemas. 7ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, SILVA, Marcos (Org.). Educação Online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Loyola, YIN, Robert K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman,

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Gestão inovadora da escola com tecnologias

Gestão inovadora da escola com tecnologias Page 1 of 7 Gestão inovadora da escola com tecnologias José Manuel Moran Especialista em projetos inovadores na educação presencial e a distância Texto publicado em VIEIRA, Alexandre (org.). Gestão educacional

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO MINISTÉRIO SUPERVISOR: Ministério da Educação ÓRGÃO/ENTIDADE: Universidade Federal de Santa Maria/RS DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Campus Centro de Educação da UFSM RESPONSÁVEL:

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

A gestão escolar na prática pode ser exercida de duas formas:

A gestão escolar na prática pode ser exercida de duas formas: Gestão escolar O que é gestão escolar? O conceito gestão escolar e seu estudo é relativamente recente dentro do meio acadêmico, não obstante ser considerado de extrema importância para que tenhamos uma

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Metodologia Científica Projeto de Pesquisa Orientações Gerais Projeto de pesquisa Questões a responder o que fazer? formulação do problema,

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AS NOVAS TECNOLOGIAS E A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: DA TEORIA À PRÁTICA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AS NOVAS TECNOLOGIAS E A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: DA TEORIA À PRÁTICA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AS NOVAS TECNOLOGIAS E A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: DA TEORIA À PRÁTICA Polyana Marques Lima Rodrigues 1 - UFAL Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 - UFAL Grupo de Trabalho

Leia mais

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Data: Gestão de suprimento em instituições

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 1 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras-chave: Gestão democrática; espaços escolares; organizações. 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 ÁREAS DE NEGÓCIOS E ENGENHARIA O Programa Pós-Flex da Universidade Positivo possui 15 cursos voltados para

Leia mais

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE CAMPUS PETROLINA PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I Código da Disciplina: Obrigatória: Sim Eletiva: Não Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Pré-requisito:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO INTERDISCIPLINAR PROJETO INTERDISCIPLINAR 2º ADN 2014.1

TRABALHO ACADÊMICO INTERDISCIPLINAR PROJETO INTERDISCIPLINAR 2º ADN 2014.1 TRABALHO ACADÊMICO INTERDISCIPLINAR AS PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIECONÔMICO, CULTURAL E AMBIENTAL PARA O ESTADO DO AMAPÁ COM A ABERTURA DA PONTE BINACIONAL. TÍTULO DO PROJETO: PROJETO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Faculdade Sumaré Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Faculdade Sumaré Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Faculdade Sumaré Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 4º. Semestre PROJETO PROFISSIONAL INTERDISCIPLINAR IV Tema: Gestão de Remuneração Objetiva desenvolver o tema proposto abrangendo:

Leia mais

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014.

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. A Diretora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia Centro, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE

AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE Renival Vieira de Freitas Faculdade São Luiz de França. E-mail: renofreitas@hotmail.com Magneide S. Santos Lima Universidade Lusófona

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO

A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO Kátia Maria Biesek Marilda Aparecida Behrens RESUMO Esta pesquisa teve como foco a investigação sobre

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE JAGUARÃO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE JAGUARÃO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE JAGUARÃO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Pesquisa em Educação PROFESSOR: Ms. Everton Fêrrêr de Oliveira I IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade

Leia mais

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD Maringá-PR Maio 2014 Prof. Evandro Paulo Bolsoni Centro Universitário de Maringá NEAD-UniCesumar evandro.bolsoni@unicesumar.edu.br

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Diagnóstico organizacional: um estudo tecnológico na cooperativa-escola do IFMG-campus Bambuí.

Diagnóstico organizacional: um estudo tecnológico na cooperativa-escola do IFMG-campus Bambuí. Diagnóstico organizacional: um estudo tecnológico na cooperativa-escola do IFMG-campus Bambuí. RESUMO Andressa Lima da CUNHA ; Aline Martins CHAVES ; Gabriel da SILVA 2 Pós-Graduada em Administração de

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: Origens e Desafios

GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: Origens e Desafios 1 GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: Origens e Desafios São Carlos, SP 05/2009 Daniel Mill UFSCar - mill@ufscar.br Nara D. Brito UFSCar - nara.diasbrito@gmail.com 2.2.1. - Categoria: Gerenciamento e Logística

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias - UFES Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.

Introdução aos Sistemas de Informação. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias - UFES Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes. Introdução aos Sistemas de Informação Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias - UFES Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br Nesta aula Apresentação da disciplina Avaliação Recursos

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL COMUNICAÇÃO SUBTEMA: QUESTÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS A MATEMÁTICA

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais