ESFORÇO MUDANÇA RECONHECIMENTO. 6ª edição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESFORÇO MUDANÇA RECONHECIMENTO. 6ª edição"

Transcrição

1 ESFORÇO MUDANÇA RECONHECIMENTO 6ª edição

2 FICHA TÉCNICA Título Boas Práticas no Sector Público Edição e Paginação MC Factory Divisão de Customer Publishing da Media Capital Edições Rua Mário Castelhano, nº40, Queluz de Baixo, Barcarena Telef Contribuinte nº Projecto Gráfico Luís Martins Ilustração de capa Sabrina Forte, Bi Light Colaborações Deloitte Diário Económico Instituto Nacional de Administração INA Fundação Luso-Americana FLAD SIC Notícias Impressão e Acabamentos Fernandes e Terceiro Artes Gráficas Depósito Legal /08

3 3 Prefácio Constituiu para mim um privilégio integrar, desde a primeira hora, o Júri do Prémio das Boas Práticas na Administração Pública. Esta iniciativa da Deloitte, em parceria com o Diário Económico é, a todos os títulos, de enorme merecimento. Ela revela a importância de termos uma Administração Pública de excelência, facilitadora e impulsionadora do exercício dos direitos por parte dos cidadãos e favorecedora do crescimento da economia. Mas também parte do reconhecimento de que o ambiente nem sempre é muito propício à sustentação e ao apoio à dinâmica de serviços mais audazes que queiram verdadeiramente fazer melhor. Uma constatação destas, por parte do sector privado e com o seu envolvimento activo, não é vulgar ou, pelo menos, não estamos a ela habituados no nosso país.

4 4 É que podemos discordar quanto ao modelo de Estado que queremos. A discussão é abundante e está muito marcada política e ideologicamente. Mas ninguém discorda, estou certa, de que necessitamos de uma Administração Pública menos burocratizada, mais facilitadora das pretensões legítimas dos cidadãos e das empresas que dela dependam, mais transparente, mais eficaz, mais eficiente, mais moderna e mais responsável. O lastro de séculos, que nos amarra a uma cultura de excesso de peso administrativo, de permanente defesa face à responsabilização, de desconfiança de tudo o que é novo e de falta de iniciativa, tolhe-nos no percurso de ir ao encontro das expectativas e dos direitos dos cidadãos, de contribuir para a certeza e a segurança jurídicas nas relações com os agentes económicos e de incorporar os novos instrumentos de gestão que permitem fazer mais e melhor com os mesmos recursos. É certo que as coisas mudaram bastante. Os Programas de Modernização Administrativa encetados há anos por vários Governos e a assumpção pelo actual de um vastíssimo programa de desburocratização dirigido à Administração Central, numa primeira fase e à Administração Local seguidamente, constituíram e constituirão fortíssimos impulsos à qualificação da Administração. No entanto, repetidas vezes o discurso público e publicado desprestigia os servidores públicos e afecta a sua imagem e auto-estima, uma vez que o que corre bem não chega ao conhecimento público. O Prémio das Boas Práticas, à sua medida, contribui para corrigir essa injustiça e para combater o espírito de auto-flagelação. Divulga e dá visibilidade aos serviços que não se conformam. Que têm iniciativa, que apostam na qualidade e na inovação e que verdadeiramente querem servir, cada vez melhor, o interesse público. Entre estes há que distinguir aqueles que são apoiados pelo Governo nesse sentido e aqueles que, mesmo não o sendo, pelo menos específica ou dirigidamente, vão em frente, inovam, fazem diferente, fazem melhor. Entre estes, ainda, há aqueles que exercem uma função que é só sua, e que têm soluções não replicáveis e aqueles outros cujos procedimentos inovadores podem ser adoptados por entidades similares. Ora, se tudo isto ficar escondido, perde-se um potencial de contágio na sua reprodução noutros serviços que nos descapitaliza a todos enquanto comunidade. E se tudo isto for ignorado e não for elogiado publicamente há uma força anímica que se perde. Ora, não estamos em época de desperdiçar energia!

5 O trabalho que a Deloitte tem desenvolvido para apuramento dos distinguidos é muito profissional. A responsabilidade da selecção recai inteiramente no Júri. É este que identifica os projectos que, tendo concorrido ao Prémio, são seleccionados para visita e estudo detalhado e este detalhe, que obedece a grelhas objectivas, é tão exigente a aprimorado que todos temos que estar gratos a quem o realiza de forma tão discreta e eficiente. Os anos de vida que esta iniciativa já conta, permitem apurar a necessidade de introduzir algumas alterações em futuras realizações. Relativamente à 5ª edição apenas houve uma reconfiguração dos grupos de entidades; Separação da Administração Pública em dois grupos: Administração Local e Administração Central e Regional; Inclusão de um novo grupo denominado Projectos Intersectoriais. A Edição deste ano, a 6ª, em termos comparativos com a anterior, permite-nos identificar os seguintes aspectos distintivos: Verificou-se maior expressão da Administração Local (peso 11% superior); Manteve-se um volume significativo em projectos na área da Saúde (permaneceu 17%); A Administração Central teve um papel de menor supremacia (-9%), representando, ainda assim 53% das candidaturas, bem como o Sector Público Empresarial (-2%); Decresceu o peso relativo das Categorias I Serviço ao Cidadão (-7%) e IV Gestão Financeira (-2%), reflectido no crescimento das Categorias II Capital Humano (+4%) e III Melhoria de Processos (+5%); Houve poucas candidaturas na Categoria de Gestão Financeira, mas consistentes; Globalmente concorrem projectos mais consistentes, com candidaturas mais fundamentadas, mais consubstanciadas, com respostas mais incisivas aos pontos sob avaliação, a par de uma sensibilidade acrescida para a criação/explicitação de indicadores de expressão financeira dos resultados alcançados; Houve um maior número de nomeados, independentemente do menor número de candidaturas (44% nomeados - 42 em 95, face a 36% na 5ª edição 35 em 128); 5

6 Independentemente dos prémios atribuídos pelo Júri, as instituições apresentam sempre os seus projectos com confiança. Mesmo quando não concordam com algumas decisões do Júri, expõem-se acreditando na qualidade dos seus projectos; Assistiu-se à recorrência de instituições candidatas há organismos que já colocaram nos seus objectivos apresentar os seus projectos mais meritórios ao prémio das Boas Práticas; Existiu uma maior dispersão entre distritos: não tendo variado o número de distritos concorrentes, observou-se um menor peso do distrito de Lisboa (-12%), absorvido especialmente pelo crescimento do distrito do Porto (+6%). Ainda assim, o distrito de Lisboa representa 49% das candidaturas; As candidaturas na área de Capital Humano revelaram uma incidência social significativa ao invés da capitalização interna dos Recursos Humanos. 6 Novas edições, novos aperfeiçoamentos tendentes a permitir alcançar cada vez mais e melhor os objectivos que presidiram à criação do Prémio. Uma palavra final de gratidão a todos os que tornam possível a concretização deste projecto e a minha gratidão pessoal, por aquilo que considero, como já referi, um privilégio: o poder melhor testemunhar o enorme caminho percorrido pelos Serviços Públicos ao longo destes anos no sentido da exigência da qualidade, do rigor, da transparência e do espírito da missão. Tudo isto constitui um recurso precioso que está ao nosso alcance e que é dever de todos fazer crescer. Julho de 2008 Maria de Belém Roseira

7 Índice Prefácio Maria de Belém Roseira Índice Introdução Galeria de Imagens Categoria 1 Serviço ao Cidadão...19 VENCEDORES Câmara Municipal da Trofa Brigada Pró - Família LCS Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde (Saúde 24) DGRHE Escola Mais Próxima do Cidadão, Contrato de Trabalho NOMEADOS AMA Cartão de Cidadão Município de Albergaria a - Velha Projecto SAL Online Câmara Municipal de Pombal Fórum Munícipe Câmara Municipal de Santarém Reestruturação e Modernização do Departamento de Gestão Urbanística e Ambiente Câmara Municipal do Seixal Espaço Cidadania DGAIEC e DGITA Sistema de tratamento automático da declaração aduaneira de exportação DGCI e DGITA Pré - Preenchimento das declarações de IRS DGRHE Upgrade do serviço ao cidadão.. 47 IAPMEI Programa Quadro INOFIN Instituto Geográfico do Exército Acesso a informação geográfica através de serviços Web CANDIDATOS Categoria 2 Capital Humano VENCEDORES Escola Prática de Transmissões Plano de Valorização de Recursos Humanos Instituto Politécnico de Portalegre Recuperação do Quartel do Trem por Administração Directa Câmara Municipal Porto Desenvolver competências através da Qualidade Total DGSP Empreendedorismo para reinserção social de Reclusos/as Administração da Universidade de Coimbra Focalização nas UC NOMEADOS Bragahabit Sistema Itinerante 83 7

8 8 Câmara Municipal de Miranda do Corvo e ADFPMC Formação Profissional / Integração de Cidadãos Programa Escolhas Programa Escolhas CANDIDATOS Categoria 3 Melhoria de Processos VENCEDORES Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil Criação de uma rede de Caracterização Clínica e de Disponibilização da Informação no Âmbito do Registo Oncológico Regional Sul AMA Ciclo de Vida da Empresa CP Melhoria do serviço, aplicação da metodologia RCM NOMEADOS CCDR LVT Monitorização automática e permanente da extracção de inertes no Rio Tejo CEGER Sistema de Certificação Electrónica do Estado Centro Hospitalar da Cova da Beira Sistema de Gestão Integrada da Logística Hospitalar e do Circuito do Medicamento CTT Processo de Despacho Electrónico ERSE Gestão dos processos de reclamação e pedidos de informação no âmbito do apoio aos consumidores de energia. 121 GEPE Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa IHRU Sistema NRAU IRN Empresa Online IRN Nascer Cidadão SEF Rapid CANDIDATOS Categoria 4 Gestão Financeira VENCEDORES Câmara Municipal de Águeda Gestão Financeira Pela Transparência IGFCSS, IP Medidas de atribuição do Excess Return 156 DGCI e DGITA Sistema electrónico integrado para a eficácia na obtenção de receitas fiscais. 160 NOMEADOS IRN em conjunto com ITIJ, DGVI, DGITA, Banco de Portugal e INE Informação Empresarial Simplificada Menção Honrosa Especial Unidade Local de Saúde de Matosinhos Acompanhamento do prematuro ao domicílio Optimização e Centralização de MCDT Prescrição Electrónica Monitorização e divulgação da ecologia hospitalar

9 Introdução Pelo sexto ano consecutivo a Deloitte, com a colaboração especial do Diário Económico, do Instituto Nacional da Administração Pública (INA), da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) e da SIC Notícias, promoveu o Prémio Boas Práticas no Sector Público. Esta iniciativa visa reconhecer os projectos e entidades que, independentemente da sua dimensão, volume de recursos envolvidos, tempo ou custo de implementação, tenham gerado um benefício evidente face à situação inicial. A publicação VI Livro Boas Práticas no Sector Público tem como objectivo dar a devida expressão aos 95 projectos concorrentes que participaram na VI edição do Prémio das Boas Práticas no Sector Público. A qualidade e o volume de projectos apresentados foram substanciais, constituindo uma evidência da motivação do Sector Público para criar projectos de valor e para submeter os mesmos à apreciação da sociedade civil. A Organização do Prémio expressa ainda um agradecimento muito especial aos membros do Júri, pela sua dedicação durante o processo de avaliação e selecção, o qual foi altamente recompensado pela qualidade dos projectos candidatos. Um muito obrigado a todas as entidades e às suas equipas que se empenharam no desenvolvimento de projectos de excelência, na concretização dos mesmos e na exposição pública das melhores práticas Objectivos do Prémio Desde a origem da iniciativa, em 2002, que o objectivo do Prémio é promover a partilha de conhecimentos entre entidades em situações similares, através da divulgação de projectos que melhoraram a prestação do Estado. O Prémio visa assim reconhecer publicamente todos os que assumem o papel de Servidores do Estado, trabalhando com tenacidade em prol do cidadão. 2. Balanço da 6ª edição Mais uma vez a Organização do Prémio pôde contar com uma adesão considerável de projectos, cuja qualidade superou, mais uma vez, as expectativas. Este facto prova a preocupação crescente junto do Sector Público na

10 medição dos resultados dos projectos e na sua divulgação, bem como o esforço investido na divulgação do Prémio e o prestígio crescente associado ao mesmo. Não obstante, é importante continuar o bom trabalho a que assistimos até aqui e reunir mais projectos de qualidade e dá-los a conhecer, no intuito de contribuir para a melhoria do Serviço Público. Nesta 6ª edição, as candidaturas distribuíram-se da seguinte forma: Distribuição por categoria CATEGORIA Nº DE CANDIDATURAS PERCENTAGEM Serviço ao Cidadão 34 36% Capital Humano 18 19% Melhoria de Processos 38 40% Gestão Financeira 5 5% Total % Fonte: Deloitte 10 Distribuição por grupo GRUPO Nº DE CANDIDATURAS PERCENTAGEM Administração Central e Regional 36 38% Administração Local 24 25% Instituições de Ensino Superior 8 8% Instituições de Saúde 16 17% Empresas Públicas e Empresas Concessionárias de Serviço Público 5 5% Projectos Intersectoriais 6 6% Total % Fonte: Deloitte

11 Introdução Evolução do número de candidaturas 3. Metodologia adoptada na 6ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público A metodologia adoptada na 6ª edição foi o modelo Balanced Scorecard de Robert Kaplan e David Norton. O processo iniciou-se com a recepção das candidaturas por parte da Deloitte, procedendo em seguida à sua compilação e ao tratamento prévio dos indicadores de classificação. Com base nesta informação e nos elementos qualitativos apresentados na candidatura, o Júri selecciona uma short list de projectos que irá ser alvo de avaliação in loco. Após esta avaliação, o Júri delibera sobre a atribuição dos prémios e menções honrosas Membros do Júri da 6ª edição Dra. Suzana Toscano Presidente do Júri Dr. António José Seguro Prof. Barata Moura Prof. Carlos Zorrinho Dr. Francisco Maria Balsemão Dr. Jorge Coelho Eng. Jorge Jardim Gonçalves Prof. Dr. Luís Valadares Tavares Dra. Manuela Ferreira Leite Dra. Maria de Belém Roseira Dra. Paula Teixeira da Cruz Eng. Rui Afonso Lucas Dr. Rui Machete

12 5. Critérios de Avaliação Os critérios de avaliação da 6ª edição do Prémio, previamente acordados entre a Organização e os elementos do Júri, foram os seguintes: a) Vector cliente: preço/custo, qualidade intrínseca e extrínseca, tempo e escala. b) Vector capital humano: satisfação, produtividade individual e colectiva, escala. c) Vector melhoria de processos: preço/custo, qualidade, tempo, produtividade, escala. d) Vector financeiro: impacto na despesa e receita, qualidade da informação financeira, escala, foco do investimento na missão, retorno do investimento. Para cada um dos critérios supra-mencionados tiveram-se em conta indicadores de impacto interno e externo à organização. Valorizou-se, ainda, a polivalência dos projectos nos quatro vectores, independentemente de cada vector estar eminentemente ligado a cada uma das categorias a concurso ou não Categorias Nesta edição optou-se por manter a estrutura adoptada na edição anterior, por se adaptar às actuais características do Sector Público português. Sendo assim, as categorias a concurso foram: a) Categoria 1 Serviço ao Cidadão b) Categoria 2 Capital Humano c) Categoria 3 Melhoria de Processos d) Categoria 4 Gestão Financeira Nesta edição criaram-se mais dois grupos, para além dos já existentes, de forma a corresponder da melhor forma à natureza das entidades concorrentes. A designação dos grupos é a seguinte: a) Administração Central e Regional b) Administração Local c) Instituições de Ensino Superior d) Instituições de Saúde e) Empresas Públicas e Empresas Concessionárias de Serviço Público f) Projectos Intersectoriais

13 Galeria de Imagens

14 Júri Eng. Jardim Gonçalves Dr. Francisco Maria Balsemão Dr. António José Seguro Prof. Carlos Zorrinho Dr. Jorge Coelho Dra. Paula Teixeira da Cruz Dra. Maria de Belém Roseira Dra. Manuela Ferreira Leite 14 Eng. Rui Afonso Lucas Prof. Barata Moura Dr. Rui Machete Prof. Luís Valadares Tavares Dra. Suzana Toscano, Presidente do Júri, discursando

15 Galeria de Imagens Gala Prof. José Barata Moura, Prof. Carlos Zorrinho e Dr. Rui Machete 15 Eng. Filipe Simões de Almeida, Dr. António José Seguro e Dra. Susana Toscano A apresentadora, Sofia Cerveira A cerimónia decorreu no Hotel Ritz, em Lisboa

16 Entrega de Prémios Categoria 1 Serviço ao Cidadão Dr. António José Seguro entrega o 1º prémio (em ex-aequo) ao Eng. Ramiro Martins, Administrador Delegado da Linha de Cuidados de Saúde Dra. Suzana Toscano entrega o 1º prémio (em ex-aequo) ao Presidente da Câmara Municipal de Trofa, Dr. Bernardino de Vasconcelos 16 Eng. Jardim Gonçalves entrega a menção honrosa ao Mestre Jorge Sarmento Morais, Director-Geral dos Recursos Humanos da Educação Categoria 2 Capital Humano Dr. Francisco Maria Balsemão entrega a menção honrosa ao Coronel José Filipe Moreira da Escola Prática de Transmissões Prof. Barata Moura entrega a menção honrosa ao Dr. Nuno Manuel Grilo de Oliveira, Presidente do Instituto Politécnico de Portalegre

17 Galeria de Imagens Categoria 3 Melhoria de Processos Dr. Manuel Pizarro entrega o 1º Prémio à Mestre Ana da Costa Miranda, Directora de Serviço do IPO Lisboa Prof. Luís Valadares Tavares entrega o 2º Prémio à Dra. Anabela Pedroso, Presidente do Conselho Directivo da AMA Categoria 4 Gestão Financeira 17 Dr. Rui Machete entrega o 1º Prémio ao Dr. Gil Nadais da Fonseca, Presidente da Câmara Municipal de Águeda Prof. António Castro Guerra entrega o 2º prémio (em ex-aequo) ao Prof. Manuel Baganha, Presidente do Conselho Directivo do IGFCSS Prof. Maria Manuel Leitão Marques entrega o 2º prémio (em ex-aequo) ao Prof. José António Azevedo Pereira, Director Geral dos Impostos, pelo projecto realizado em parceria com a DGITA

18 Grupo Administração Central e Regional Grupo Administração Local Dr. Conde Rodrigues entrega a menção honrosa ao Dr. José Ricardo Nunes, sub-director geral da DGSP Mestre João Silveira entrega a menção honrosa ao Dr. Manuel de Sampaio Pimentel, vereador da Câmara Municipal do Porto Grupo Instituições de Ensino Superior Grupo Empresas Públicas e Empresas Concessionárias de Serviço Público 18 Prof. Carlos Zorrinho entrega a menção honrosa à Dra. Maria Alzira Vaz, Chefe de Divisão de Recursos Humanos da Universidade de Coimbra Dr. Jorge Coelho entrega o 1º Prémio ao Eng. Francisco Cardoso dos Reis, Presidente do Conselho de Gerência da CP Menção Honrosa Especial Dra. Maria de Belém Roseira entrega a menção honrosa especial ao Dr. Nuno Luís Morujão, Presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde de Matosinhos

19 1 Categoria Serviço ao Cidadão

20 Vencedores GRUPO ENTIDADE PROJECTO PRÉMIO Administração Local Empresas Públicas e Empresas Concessionárias de Serviço Público Administração Central e Regional Câmara Municipal da Trofa LCS Linha de Cuidados de Saúde, S.A. DGRHE Direcção-Geral dos Recursos Humanos da Educação Brigada Pró-Família Saúde 24 Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde Escola Mais Próxima do Cidadão 1º Prémio 1º Prémio Menção Honrosa 20 Nomeados GRUPO ENTIDADE PROJECTO Projectos Intersectoriais Administração Local Administração Local Administração Local Administração Central e Regional Administração Central e Regional Administração Central e Regional Projectos Intersectoriais Administração Central e Regional Administração Local Instituições de Saúde Agência para a Modernização Administrativa, IP Câmara Municipal de Pombal Câmara Municipal de Santarém Câmara Municipal do Seixal DGRHE - Direcção-Geral dos Recursos Humanos da Educação Direcção-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo e da Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros Direcção-Geral dos Impostos (DGCI) e Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros (DGITA) IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, I.P. Instituto Geográfico do Exército Município de Albergaria-a-Velha Unidade Local de Saúde de Matosinhos, EPE Cartão de Cidadão Fórum Munícipe Reestruturação e Modernização do Departamento de Gestão Urbanística e Ambiente (DGUA) no âmbito do licenciamento Espaço Cidadania Pacto Territorial para o Diálogo Intercultural do Seixal Upgrade no Serviço ao Cidadão Recurso Hierárquico Instruído Sistema de Tratamento Automático da Declaração Aduaneira de Exportação Pré-preenchimento das declarações do IRS Programa-Quadro INOFIN Acesso a informação geográfica através de serviços Web Projecto SAL Online, Serviços Autárquicos Locais Online Acompanhamento do prematuro no domicílio

21 Categoria 1 Serviço ao Cidadão GRUPO ENTIDADE PROJECTO Administração Central e Regional Administração Central e Regional Administração Central e Regional Administração Central e Regional Administração Central e Regional Administração Central e Regional Administração Central e Regional Administração Local Administração Local Administração Local CEGER Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Direcção-Geral dos Impostos (DGCI) IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, I.P. Instituto do Emprego e Formação Profissional, I. P. Instituto do Emprego e Formação Profissional, I. P. Instituto do Emprego e Formação Profissional, I. P. Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Câmara Municipal da Batalha Câmara Municipal da Trofa Câmara Municipal de Águeda Portal Internet da Presidência Portuguesa da União Europeia Implementação do Documento Electrónico e da Assinatura Electrónica na DGCI Programa FINICIA Netemprego Centro de Contacto Livre Serviço de Emprego Quiosques Electrónicos PEP Passaporte Electrónico Português Viver + Plano Orientador do Monte de Paradela Serviços ao Cidadão... A Caminho da Excelência Administração Local Câmara Municipal de Alpiarça Gabinete de Apoio à Família Administração Local Câmara Municipal de Arganil Balcão Único Municipal Administração Local Câmara Municipal de Braga Guia de Recursos para as Pessoas com Deficiência do Concelho de Braga Administração Local Câmara Municipal do Seixal Gestão dos Serviços Online Administração Local Empresas Públicas e Empresas Concessionárias de Serviço Público Instituições de Ensino Superior Gaiamina - Equipamentos Municipais, EM Metro do Porto, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto egaianima coesão na educação: alunos, pais, professores e administração MetroTV Sistema de telefonia sobre a rede IP Candidatos 21 Instituições de Ensino Superior Instituições de Saúde Instituições de Saúde Instituto Politécnico de Portalegre Unidade Local de Saúde de Matosinhos, EPE Unidade Local de Saúde de Matosinhos, EPE Académicos Online Prevenção das Úlceras de Pressão Aprendendo com a doença

22 Categoria 1 Serviço ao Cidadão Vencedores Câmara Municipal da Trofa Nome do Projecto: Brigada Pró-Família Missão da Entidade: A missão da Câmara Municipal da Trofa consiste em regulamentar e gerir, sob sua responsabilidade e no claro interesse dos cidadãos da Trofa, fins de interesse público municipal, nos termos e formas previstas na lei. O objectivo principal consiste na criação da melhoria das condições de vida, de trabalho e de lazer dos habitantes do concelho, o qual é conseguido através de um sério empenho nas actividades que a Câmara Municipal desenvolve em prol da satisfação dos cidadãos e das suas necessidades. 23 Descrição do Projecto: A Brigada Pró-Família do Município da Trofa foi oficialmente lançada em Novembro de 2007, depois de funcionar em regime experimental desde Setembro do mesmo ano. Esta valência pioneira e inovadora a nível nacional assume-se como um elo de proximidade entre a população e os serviços sociais da autarquia. Com este projecto a autarquia consegue potenciar as valências sociais disponíveis, descentralizando apoios e informações, permitindo um contacto directo, próximo e informal com as populações em geral e com as franjas sociais mais carenciadas em particular. Desta forma, é

23 24 garantido o acesso de todos aos recursos, direitos e serviços sociais básicos necessários à participação plena dos cidadãos. A Brigada Pró Família é constituída por uma equipa pluridisciplinar de profissionais da área psicossocial (Assistentes Sociais, Psicólogos, Educador Social, Sociólogo) que trabalha em equipa no contexto de rua, encarando-o como um meio privilegiado de contacto directo e de proximidade com a população. Os técnicos são escalonados por equipas de 2 elementos, de diferentes áreas de formação base, que efectuam piquetes bissemanais ordinários. Existem assim, três equipas, duas escalonadas para saídas ordinárias e 1 equipa de Prevenção (24h por dia) para as situações de emergência. Esta Brigada consegue desta forma obter uma resposta complementar ao Atendimento Integrado (Loja Social) e à Comissão Protecção de Crianças e Jovens da Trofa (CPCJ). A Brigada inclui ainda voluntários com formação específica, recrutados no Banco Local de Voluntariado da Câmara Municipal da Trofa, que integram as equipas das saídas ordinárias, com trabalho já agendado de acordo com a sua condição e formação. Uma das áreas mais importantes de actuação da Brigada Pró-Familia é em situações de grave situação social, actuando como Piquete de Emergência Permanente, isto é, sempre que surjam acontecimentos imprevistos, (por exemplo, incêndios, inundações, intempéries), a Equipa de piquete é accionada para actuação imediata. Desta forma, a Brigada surge como resposta pronta e in loco dos diversos problemas directa ou indirectamente ligados aos cidadãos. Adicionalmente, quando as saídas ordinárias não possuem casos urgentes para averiguação, a equipa trabalha na elaboração de um levantamento das necessidades da população, nomeadamente em áreas como a deficiência, a toxicodependência e a prostituição. Esta permanência mais próxima junto da população permite ainda identificar e detectar casos de isolamento social de idosos, bem como outras situações que requeiram intervenção social imediata Benefícios do Projecto: Uma das principais mais valias da Brigada Pró-Família é a possibilidade de trabalhar directamente com a po-

24 Categoria 1 Serviço ao Cidadão pulação. O facto de serem os técnicos a dirigir-se aos cidadãos facilita a proximidade e a informalidade que muitas vezes são cruciais em áreas de trabalho como esta. Para além disto, é também um benefício bastante importante o facto desta valência conseguir desenvolver no terreno uma resposta complementar aos serviços de Protecção Civil, GNR e Bombeiros, que em casos de emergência social accionam a Brigada para intervenção imediata, frequentemente para auxílio às situações apresentadas, já que por vezes aquelas instituições não têm formação adequada na área da intervenção social e psicossocial. Quando se referem benefícios é importante nunca esquecer que só com trabalho em equipa no terreno e de forma sistemática e aprofundada é possível um conhecimento profundo da realidade da população Trofense, quer no que se refere às problemáticas presentes, e às quais é preciso dar resposta, quer no que se refere à sua dispersão pelo Concelho. De resto, esta Brigada não se assume como um Bombeiro Social, mas antes como uma Acção Social Avançada que conhece a realidade específica de cada freguesia, de cada lugar e muitas vezes de cada família conseguindo dar respostas firmes, rápidas e adequadas à realidade que encontra no seu dia-a-dia. Esta valência ajuda a criar famílias bem estruturadas e unidas. Para isso, conta com as próprias famílias, isto é que elas saibam estar presentes, vigilantes e actuantes em todos os momentos. Iniciativas como esta Brigada podem ter um papel catalizador, pela dinamização de futuras iniciativas que fomentem a coesão familiar e, porque não, a participação mais activa dos cidadãos na construção da comunidade, já que se sentirão como uma parte integrante da sociedade. Outro benefício a registar foi o facto de, através deste modo de actuação, se poder trabalhar em horário pós-laboral, permitindo o acompanhamento das dinâmicas familiares em contexto real e não em contexto de Gabinete. Desde Setembro a esta parte foram inúmeras as visitas que a Brigada efectuou, pelo que foram bastantes os munícipes do concelho da Trofa abrangidos por este novo Serviço. 25

25 LCS Linha de Cuidados de Saude, S.A. Nome do Projecto: Saúde 24 Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde Missão da Entidade: Contribuir para a Prestação de Cuidados de Saúde integralmente focados no Cidadão, facilitando o respectivo acesso a informação e aos Serviços de Saúde do SNS, através de um serviço de reconhecida notoriedade e de elevado valor para o utente com nível de excelência nos serviços disponibilizados. 26 Descrição do Projecto: O Saúde 24 é uma iniciativa do Ministério da Saúde que visa responder às necessidades manifestadas pelos cidadãos em matéria de saúde, contribuindo para ampliar e melhorar a acessibilidade aos serviços e racionalizar a utilização dos recursos existentes através do encaminhamento dos Utentes para as instituições integradas no Serviço Nacional de Saúde mais adequadas. O Saúde 24 incorpora os serviços de atendimento Saúde 24 Pediatria, comummente conhecido por Dói, Dói? Trim, Trim!, e a Linha de Saúde Pública, encontrando-se acessível a todos os beneficiários do Serviço Nacional de Saúde e a qualquer cidadão que, em território português, necessite de aconselhamento na área da saúde. O atendimento é efectuado por enfermeiros qualificados e devidamente formados para dar o melhor aconselhamento/encaminhamento ou ajudar o Utente a resolver a situação por si próprio.

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO 2009 2010 MEDIDAS INTERSECTORIAIS: LICENÇAS, AUTORIZAÇÕES PRÉVIAS E OUTROS CONDICIONAMENTOS ADMINISTR ATIVOS SIMILARES Identificar e inventariar todas as licenças, autorizações

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008 Implementação do conceito Balcão Único na Administração Pública Janeiro de 2008 Janeiro 2008 1 Índice 1. Enquadramento e Objectivos...3 1.1. Enquadramento...3 1.2. Objectivos...7 2. Conceitos...7 3. Recomendações

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

2015/2016 INTRODUÇÃO

2015/2016 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A concepção de um Prémio Distrital da Qualidade surgiu na sequência da experiência e resultados alcançados com o Programa de Modernização Administrativa das Autarquias de Setúbal (PROMAAS),

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Simplex Exportações Exportações mais Simplex

Simplex Exportações Exportações mais Simplex Simplex Exportações Exportações mais Simplex Este é o primeiro SIMPLEX dedicado a um tema específico: as EXPORTAÇÕES. É por isso um programa diferente. Mais participado e feito em verdadeira co produção:

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção : Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção Mário Jorge Leitão INESC Porto / FEUP Sumário Enquadramento e-governo Local e Regional Cartão do Cidadão e Plataforma de Serviços Comuns da Administração Pública

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO

ACORDO DE COLABORAÇÃO ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE: A AMA, I.P. AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, I.P., adiante designada por AMA, pessoa colectiva n.º 508184509, com sede na Rua Abranches Ferrão, nº 10, 3º G, 1600-001,

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

QUALIDADE NOS SERVIÇOS PÚBLICOS UM NOVO DESAFIO

QUALIDADE NOS SERVIÇOS PÚBLICOS UM NOVO DESAFIO SEMINÁRIO QUALIDADE NOS SERVIÇOS PÚBLICOS UM NOVO DESAFIO Funchal, 2003/10/21 2003/10/21 Diapositivo 1 Agenda (1) 1. Apresentação 1.1. O Concelho 1.2. O Município 2. Implementação do SGQ 2.1. Motivações

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 v.1.6. Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 Versão reduzida Hugo Sousa Departamento de Tecnologias PESI 2009 Calendário de Projectos Calendário Direcção de projectos para 2009Projecto Licenciamento

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

MUNICÍPIO DE POMBAL. Qualificação da Administração Municipal SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE (NP EN ISO 9001: 2000)

MUNICÍPIO DE POMBAL. Qualificação da Administração Municipal SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE (NP EN ISO 9001: 2000) Qualificação da Administração Municipal Leiria, 17 de Maio de 2007 Diapositivo 1 Agenda 1. Apresentação 1.1. O Concelho 1.2. O Município 2. Implementação do SGQ 2.1. Motivações 2.2. Selecção do objecto

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos cruciais

Leia mais

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n.º 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto conjunto de medidas de simplificação da vida dos cidadãos e das empresas. Destas, destacam-se a

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Regulamento 1. Introdução O presente concurso destina-se à criação da Mascote da Eficiência Energética, que estará associada à COGEN Portugal, e que será

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

ONLINE. www.leiriareg iaodig ital.p t. Serviços on-line para cidadãos e empresas. Nerlei

ONLINE. www.leiriareg iaodig ital.p t. Serviços on-line para cidadãos e empresas. Nerlei www.leiriareg iaodig ital.p t U M ONLINE COM A R E G I Ã O A VIDA Leiria Região Digital Serviços on-line para cidadãos e empresas Nerlei Sumário Parceiros do Leiria Região Digital (LRD) Zona de abrangência

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Dare to be the best. Apresentação da 7ª Edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 24 de Novembro de 2008

Dare to be the best. Apresentação da 7ª Edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 24 de Novembro de 2008 Dare to be the best. 24 de Novembro de 2008 Parceiros: 2 Modelo da 7ª Edição Entidades que se podem candidatar G1) Administração Central Directa e Administração Regional G2) Administração Central Indirecta

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007 Resumo Nos três últimos anos a Administração Fiscal tem vindo a efectuar estudos qualitativos de periodicidade anual com o objectivo de conhecer o

Leia mais

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO INFORMAÇÃO N.º 56 P E R Í O D O DE 23 A 30 D E D E Z E M B R O DE 2011 PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO Dec. Lei n.º 119/2011, de 26 de Dezembro Estabelece com carácter permanente o limite legal

Leia mais

Prémio da Qualidade do Distrito de Setúbal Serviços Públicos. Regulamento

Prémio da Qualidade do Distrito de Setúbal Serviços Públicos. Regulamento Prémio da Qualidade do Distrito de Setúbal Serviços Públicos Regulamento Apresentação A experiência e os resultados alcançados com o PROMAAS Programa de Modernização Administrativa das Autarquias de Setúbal,

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

REGULAMENTO REGRESSO À CASA I. PREÂMBULO. Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS

REGULAMENTO REGRESSO À CASA I. PREÂMBULO. Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS REGRESSO À CASA Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS REGULAMENTO I. PREÂMBULO O Jornal Arquitectos (adiante designado por JA), é um projecto editorial que integra

Leia mais

Registos: Seguramente

Registos: Seguramente Registos: Seguramente mais simples 2005-2008 Três anos de simplificação na Justiça Desmaterialização, eliminação e simplificação de actos e processos na Justiça O projecto Desmaterialização, eliminação

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014. Média do grau de satisfação 4.

Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014. Média do grau de satisfação 4. Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014 1. Breve apresentação do inquérito De acordo com a disposição relativa a Recolha de opiniões dos destinatários

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão MTTI/CNTI 2015 Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação Centro Nacional das Tecnologias de Informação Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro e implementada ao abrigo do Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Sérgio Gomes Saúde 24

Sérgio Gomes Saúde 24 Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Sérgio Gomes Saúde 24 Patrocínio: Patrocinadores Globais Centro de Atendimento

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO

CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO Considerando que: O voluntariado está a crescer no nosso país, ganhando cada vez mais expressão e importância, tanto para quem o pratica

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais