MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/24

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/24"

Transcrição

1 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS 1/24

2 INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS... 4 POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS... 8 IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS FORTES E DOS PONTOS FRACOS /24

3 INTRODUÇÃO A importância dos Recursos Humanos nos dias de hoje é capital. O sucesso ou o insucesso passam, em grande medida, pela forma como as empresas gerem os seus recursos internos e «O Capital Humano é o reagem às novas mudanças do meio envolvente. principal A flexibilidade e a adaptação às mudanças são um desafio à instrumento Gestão de Recursos Humanos. A mudança do mercado de trabalho coloca também novos desafios às empresas, que têm que implementar novos de crescimento e riqueza dos modelos de organização de trabalho, alterar as suas países...tal como o estruturas, procurar novas competências tornando-as mais capital flexíveis e com maior ênfase, não no contributo individual, financeiro e mas no trabalho em equipa. A missão e objectivos da função Recursos Humanos centramse, hoje, no apoio aos Clientes Internos. Por outro lado, embora os Recursos Humanos tenham que ser tecnológico, tem que ser redescoberto e renovado». vistos numa perspectiva humanista, têm igualmente que estar voltados para os objectivos e estratégias de negócio da Belmiro de Azevedo empresa e para o valor acrescentado que podem trazer. As empresas de sucesso no futuro (ou até hoje) são aquelas que conseguirem conciliar: visão estratégica do negócio; processos simples, eficazes e competitivos; e, naturalmente, pessoas motivadas, competentes e dinêmicas. 3/24

4 CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS A gestão de recursos humanos pressupõe, antes de mais, um conhecimento aprofundado dos recursos humanos disponíveis. Nesta óptica, deve ser analisado em profundidade a natureza da força de trabalho, nomeadamente, nas seguintes vertentes: Recursos disponíveis Sua evolução Perfil etário da empresa Distribuição por nível de habilitações Antiguidade Absentismo Custos com pessoal Recursos Disponíveis A partir da análise dos recursos disponíveis a empresa poderá identificar áreas de carência, de ajustamento às necessidades e de desadequação do pessoal existente face às necessidades actuais e, designadamente, futuras. As informações necessárias para esta análise serão recolhidas a partir do registo do pessoal. Este deve reunir os documentos relativos às entradas e saídas do pessoal, contratações, licenças, demissões e expiração de contratos a termo certo. Para cada pessoa em questão, deve conter os nomes, apelidos, nacionalidade, data de nascimento, sexo, categoria profissional, emprego e qualificação, datas de admissão e de saída. 4/24

5 Evolução do quadro de Pessoal da Empresa No que se refere ao quadro de Pessoal da Empresa, é possível distinguir diferentes indicadores (dados brutos e rácios). Estes indicadores são relativos à estrutura dos efectivos, ao movimento do pessoal durante um ano, à mobilidade desse mesmo pessoal e à evolução do nível de emprego. Estrutura Etária A análise do perfil etário da empresa permite retirar um conjunto de ilações acerca da juventude ou envelhecimento da empresa e, por essa via, perceber o maior ou menor grau de dinamismo potencial associado. Isto porque empresas com estruturas etárias mais jovens são, em geral e à partida, comparativamente mais dinâmicos e inovadores. Paralelamente, a análise das idades levanta múltiplas pistas de reflexão sobre a cultura, as possibilidades de políticas dinâmicas de empregos, as possíveis saídas, etc. Estrutura de Habilitações e Qualificações A análise das habilitações e qualificações do pessoal ao serviço permite perceber as exigências que a este nível a empresa apresenta ou constatar um eventual desfasamento entre os níveis existentes e as necessidades sentidas pela empresa. Antiguidade A análise da antiguidade apresenta tanto mais interesse quanto mais a antiguidade influencia, por um lado, as aspirações e o comportamento profissional do trabalhador e, por outro, o seu estatuto na empresa. A 5/24

6 representação gráfica da antiguidade permite evidenciar os grandes períodos de contratações e o seu carácter irregular, não programado. Absentismo O absentismo é uma expressão utilizada para designar as faltas ou ausências dos colaboradores ao trabalho. O absentismo é tempo trabalhável ou esperado que não foi utilizado. Assim a taxa de absentismo é calculada do seguinte modo: Número de Horas ou dias de ausência Número de horas ou dias esperados ou X 100 trabalháveis A taxa de absentismo deve considerar um determinado período (por exemplo, uma quinzena, um mês, um ano). São excluídos dos dias trabalháveis as férias, os feriados, e os dias de descanso semanal. Também o efectivo em ausência prolongada, do tipo serviço militar ou licença sem vencimento, não é tido em conta no tempo a calcular. Nem todo o tipo de absentismo é eliminável. Uma taxa de absentismo equivalente a zero não seria possível nem humanamente aceitável. Os vários tipos de ausência agrupam-se em dois conjuntos, conforme a lista seguinte, aos quais correspondem lógicas diferentes: há um absentismo que pode ser parcialmente reduzido por melhoria de condições e organização de trabalho, enquanto o outro não é redutível dessa forma ou representa quer um tempo de investimento (formação) quer o compromisso ou cumprimento com normas contratuais ou legais. Assim, como exemplo de classificação de Motivos de Ausência, temos: 6/24

7 a) Absentismo em Parte Redutível por acções de melhoria de condições e organizações do trabalho: doenças; acidentes de trabalho; faltas justificadas; atrasos; faltas injustificadas; suspensão disciplinar; greves internas. b) Absentismo Não Redutível por acções de melhoria de condições e organização do trabalho: situações familiares (assistência inadiável, luto, casamento, etc); serviço militar; formação; actividade de organismos representativos de trabalhadores (sindical, comissão de trabalhadores). Custos com Pessoal Entende-se por custos com pessoal um conjunto de custos que oneram o factor trabalho num dado período e que são resultantes de relações contratuais, independentemente da sua natureza. Assim, serão de considerar como custos as despesas suportadas pela empresa com remunerações ou com responsabilidades sociais de trabalhadores a tempo inteiro ou parcial, reformados ou pensionistas, e os seus agregados familiares. 7/24

8 POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS As políticas de recursos humanos constituem um do vectores mais relevantes de obtenção de vantagem competitiva. Hoje é comum ouvir dizer que os recursos humanos, ou seja, as pessoas que compõem e trabalham numa dada empresa são o seu activo mais importante. Do seu maior ou menor envolvimento, do seu maior ou menor grau de competências, depende a concretização dos objectivos organizacionais. Nesta perspectiva, a utilização de técnicas de gestão de recursos humanos aplicadas, directa e indirectamente, sobre as pessoas é, não apenas desejável, como indispensável. A análise das políticas de recursos humanos irá ser desenvolvida ao longo de quatro eixos: Recrutamento Formação Remuneração Motivação Política de Recrutamento As actividades de recrutamento e selecção de pessoal, são condições fundamentais para a introdução na empresa das qualificações e dos comportamentos profissionais e pessoais necessários para o cumprimento dos seus objectivos. Neste sentido, a forma como é efectuado o recrutamento, a selecção e a integração e acompanhamento dos colaboradores, especialmente dos mais novos, assume particular importância. 8/24

9 Ao contratar novos colaboradores o responsável da empresa determina a qualidade da sua equipa. Procede aí, portanto, a escolhas importantes. É por isso mesmo que, ainda que tenha outras obrigações urgentes, deve participar pessoalmente no recrutamento do pessoal, ou, pelo menos, assegurar-se do seu bom desenrolar. O recrutamento comporta quatro etapas: Definir o perfil da função A procura de candidatos O processo de selecção Acolhimento e Integração 1ª Definir o perfil da função Qualquer que seja o nível da função a preencher tem inerente determinadas exigências que interessa começar por definir. Estas exigências devem ser resumidas num perfil da função, que englobe os seguintes aspectos: Descrição das tarefas e responsabilidades inerentes à função a desempenhar pelo novo colaborador. Formação desejada, por exemplo: escola primária, escola profissional, especialização, escola superior. Experiência desejada, tipo e duração. Competências necessárias para a função, por exemplo: conhecimentos de línguas, experiência como utilizador de computador, talento para o negócio, aptidões para liderar, facilidade de relacionamento. 9/24

10 Traços de personalidade desejados, por exemplo: forte motivação, desejo de aprender, espírito de equipa, grande capacidade de trabalho, exactidão, destreza manual, robustez física, iniciativa, flexibilidade, resistência a trabalhos repetitivos. Os candidatos devem dispor não só de experiência profissional e dos conhecimentos necessários, mas ainda apresentarem alguns traços de personalidade e capacidade de integra-se na equipa existente Antes de iniciar a procura do candidato é preciso fixar a data de entrada desejada e o leque de salários no interior da qual a oferta poderá situar-se. 2ª A procura de candidatos Diferentes vias se oferecem à empresa para fazer saber que procura um novo colaborador. Fontes, internas ou externas, podem ser utilizadas para atrair candidatos que apresentem probabilidades de atender aos requisitos preestabelecidos pela empresa. São elas: Preencher a vaga internamente, pela transferência ou promoção de um outro colaborador para a função em aberto. Consultar a base de dados da empresa, constituída por candidaturas espontâneas ou que já tenham participado em outros processos de recrutamento. Convidar os colaboradores a procurarem amigos, familiares ou conhecidos. Anunciar na imprensa, rádio, institutos, universidades e na própria empresa. Contactar com Associações Profissionais ou Empresariais, Escolas Profissionais, Institutos ou Universidades e Centros de Emprego. Contactar directamente potenciais candidatos que estão noutras empresas. 10/24

11 Recorrer a empresas especializadas em recrutamento para trabalho temporário ou de longa duração. Qualquer que seja a via de recrutamento escolhida convém precisar o perfil da função e os documentos desejados (carta de candidatura, curriculum vitae, certificados, etc.). 3ª O processo de selecção Com o objectivo de manter a objectividade e a precisão, o processo de selecção deve passar por um processo de comparação entre duas variáveis: o perfil de competências exigidos pela função e as características/competências apresentadas pelos candidatos recrutados. Após a comparação, pode acontecer que vários destes candidatos tenham condições similares para serem indicados ao departamento requisitante para ocuparem a função em aberto. Nesse caso, o responsável pelo processo de selecção dispõe de várias técnicas para utilizar: Em termos esquemáticos Testes de Personalidade TÉCNICAS DE SELECÇÃO Testes Perceptivo-Cognitivos Provas de Grupo Entrevistas Individuais 11/24

12 Testes de Personalidade que se baseiam na análise de diversos traços ou aspectos da personalidade, como equilíbrio emocional, interesses, frustrações, ansiedade, agressividade, nível motivacional, etc. Testes Perceptivo-Cognitivos, que se destinam essencialmente à medição de capacidades de ordem prática, com o fim de avaliar as eventuais competências intelectuais e perspectivas do candidato. Através destes testes, avaliam-se diversos factores: a memória, a precisão, a atenção, o sentido de organização, a agilidade manual e mental, a capacidade de análise e síntese de problemas e o raciocínio lógico. Provas de Grupo, realizadas com o objectivo de analisar as características relacionais dos candidatos, a capacidade de argumentação, a capacidade de influenciar os outros e a capacidade de aplicar experiências passadas a novas situações. Entrevistas Individuais, que visam verificar se o candidato possui ou pode adquirir os conhecimentos mínimos exigidos para o lugar em aberto; Ajuizar, com precisão bastante, dos aspectos exteriores da sua personalidade: apresentação, fisionomia, maneira de se exprimir, vocabulário, olhar, sorriso, comportamento; Avaliar os factores intelectuais e morais da personalidade: dinamismo, adaptabilidade, bom senso, capacidade de relacionamento interpessoal e de comunicação, imaginação, emotividade, sociabilidade, ambição, etc. 12/24

13 Aspectos a Analisar Questões a colocar Necessidades de recrutamento Fontes de Recrutamento Processo de Selecção Que importância tem tido para a empresa o recrutamento de pessoal? Em que áreas tem havido necessidade de recrutar novos colaboradores? Que problemas concretos se encontram na altura de preencher as vagas? O recrutamento externo é preferido pela empresa face ao recrutamento interno? Quais as principais fontes de recrutamento externo utilizadas? O perfil do candidato e as competências necessárias para o seu bom desempenho na função são previamente definidas? Quais os aspectos mais determinantes na selecção de um candidato? Que técnicas são utilizadas na selecção dos candidatos? 4ª Acolhimento e Integração Depois de estar tomada a decisão de seleccionar um candidato, é necessário assegurar, nas melhores condições, o seu acolhimento e a sua integração. O sucesso da integração recai sobre a qualidade dos procedimentos de acolhimento e de acompanhamento da integração. 13/24

14 Aspectos a Analisar Questões a colocar Processo de Acolhimento Os novos colaboradores são objecto de um período de sensibilização e formação inicial, no sentido de melhor se adaptarem à empresa? Política de Formação A Formação Profissional dá a possibilidade aos colaboradores de adquirirem ou aperfeiçoarem os conhecimentos, as qualificações e os comportamentos necessários para assumirem com competência as funções actuais e as que lhes virão a ser exigidas no futuro, assumindo-se, desse modo, como um factor estratégico para o desenvolvimento das empresas, na medida em que permite uma constante adequação ao meio envolvente e acrescenta valor ao que é produzido. A formação deve ser encarada como um recurso a utilizar para atingir determinados fins, como melhorar a qualidade do trabalho, preparar o profissional para o melhor desempenho da sua função, melhorar os pontos fracos e reforçar as suas competências. O sucesso de um Plano de Formação está, entre outros factores, associado ao envolvimento da hierarquia da empresa, garantindo as condições materiais e psicológicas para a viabilização do processo pedagógico. Na verdade, a 14/24

15 formação não produzirá valor acrescentado significativo se não houver condições organizacionais para aplicação dos saberes adquiridos. A aplicação de métodos eficazes no planeamento de formação revela-se útil em três momentos importantes da sua realização: O diagnóstico de necessidades de formação corresponde ao levantamento das necessidades de formação numa perspectiva da empresa e dos trabalhadores envolvidos. Esta fase implica necessariamente recolha de informação que precise as restrições existentes face às mudanças pretendidas. Os principais meios são: Descobrir, através da avaliação de desempenho, quais os colaboradores que, porque executam as suas tarefas a um nível satisfatório, necessitam de formação. Verificar, pela observação, a evidência de trabalho ineficiente. Pesquisar, através de questionários que coloquem em evidência as necessidades de formação. Responder a solicitações de supervisores e gerentes. A programação da formação para atender às necessidades alimenta-se de um conjunto de métodos e técnicas articuladas com as opções feitas ao nível do planeamento e naturalmente decorrentes do estudo realizado para determinar as necessidades de formação. As respostas dadas às perguntas: Para quê formar? Quem formar? Como formar? Quando formar?, levam a definir e classificar os métodos pedagógicos e operacionais da formação. A escolha de métodos de formação está relacionada com os objectivos e com os grupos. As empresas podem realizar formação dentro ou fora da empresa, a tempo inteiro ou não, tudo dependendo da disponibilidade possível e do grau de profundidade que se quer atingir com estas acções. Numa empresa com 10 ou 20 colaboradores torna-se difícil programar no dia-a-dia acções de 15/24

16 formação que envolvam metade dos seus colaboradores. Nestes casos há que fazer aderir os colaboradores à formação e programá-la, por exemplo, em horário pós-laboral. As práticas dominantes da avaliação da formação são, para além daquelas que passam por uma Avaliação dos Resultados da Aprendizagem que valida os conhecimentos adquiridos, caracterizadas pelo nível de satisfação obtido pelos formandos. Esta satisfação está ligada aos factores que envolvem a acção de formação, tais como o ambiente, a personalidade do formador, os métodos pedagógicos e os suportes. A avaliação efectuada deverá incidir também na questão de saber se os formandos utilizaram o que aprenderam e se a utilização dos conhecimentos e competências, obtidos na acção de formação, teve repercussões no desempenho. Aspectos a Analisar Questões a colocar Características da formação realizada A empresa estimula e incentiva o desenvolvimento dos seus colaboradores, facilitando-lhes o acesso a formação? Em que áreas tem havido formação? A formação desenvolvida na empresa resulta de uma análise de necessidades específica, relacionada com os requisitos do Negócio? Como são escolhidas as pessoas que frequentam as acções de formação? Quem é o responsável? A empresa avalia os resultados práticos da formação produzida? 16/24

17 Política de Remuneração A empresa dispõe, dentro do quadro das leis do mercado, de uma certa liberdade de apreciação para a sua política salarial. As grandes opções da sua política de remunerações devem permitir o controlo da massa salarial e entrar em linha de conta com as ligações entre remuneração, motivação e desempenho. A remuneração representa para a empresa, de um ponto de vista contabilístico e económico, um dos seus custos mais importantes. Para os trabalhadores, pelo contrário, ela representa a principal fonte de rendimento, aquilo que assegura os seus meios de subsistência e a sua inserção social. Pode ser considerada como um importante factor de motivação: é um sinal, de satisfação, que o indivíduo recebe da empresa, e um instrumento de gestão destinado a melhorar as performances dos colaboradores. Só que, significando custo, rendimento e factor de motivação a remuneração pode também ser fonte de desacordo e conflitos. O quadro que se segue resume as principais consequências da política de remuneração: 17/24

18 Altos salários Baixos salários Vantagens: Vantagens: Os bons elementos mantêm-se Custo mais reduzido Menor rotação de pessoal Melhores colaboradores Inconvenientes: (desempenho, iniciativa, formação, independência) Os bons elementos saem da empresa Boa imagem do empregador Maior rotação Numerosas candidaturas aquando do recrutamento Piores colaboradores (iniciativa, formação, independência) Má imagem do empregador Inconvenientes: Poucas candidaturas Custo mais elevado Uma análise das diversas formas de remuneração supõe antes de mais um breve exame das suas principais componentes. Esta operação permitirá evidenciar as possibilidades de que dispõe uma empresa para modular a remuneração em função de uma política salarial particular que lhe convenha. Remuneração Base + Remuneração Variável = Remuneração Total A remuneração base compreende todas as remunerações em dinheiro pagas anualmente pelo trabalho realizado, incluindo todos os pagamentos acordados por contrato. Inclui salário mensal, subsídios de Natal, de Férias e de Almoço, diuturnidades, prémios por antiguidade e bónus que se tornaram automáticos e fixos. 18/24

19 A remuneração variável é composta pelos bónus por desempenho individual ou colectivo, planos de participação, comissões e qualquer outras remunerações variáveis. Da remuneração variável fazem, ainda, parte os benefícios - bens, serviços e facilidades sem expressão pecuniária directa - e os incentivos - os elementos da retribuição total processados como recompensa por resultados alcançados. A remuneração total corresponderá à soma das duas anteriores. Os incentivos e benefícios pode ser agrupados em: Compensação por resultados (modalidades de participação nos resultados ou de incentivo a melhores desempenhos); Transporte individual (pagamento de despesas, fornecimento de transporte ou de viatura individual); Segurança e Protecção (esquemas complementares de segurança social e protecção na vida/invalidez); Saúde (protecção do próprio e do seu agregado familiar na doença); Serviços Pessoais (fornecimento de bens e serviços relacionados com necessidades individuais, no exercício profissional e nos tempos livres); Educação e Formação (compensação de despesas com formação e educação do próprio e dos seus familiares). 19/24

20 Aspectos a Analisar Questões a colocar Política Salarial Política de Prémios e Incentivos A política salarial resulta unicamente da regulamentação colectiva do trabalho? A política salarial excede as recomendações/imposições da regulamentação colectiva do trabalho? Os colaboradores têm conhecimentos dos critérios que estão na origem da política/grelha salarial? Que tipo de Prémios existem? Como são calculados? Existem benefícios sociais? De que tipo? O sistema de remuneração fundamenta-se num sistema de avaliação de desempenho formal? Política de Motivação Como motivar os colaboradores? Antes de mais é necessário descobrir o que é que motiva cada uma das pessoas da equipa, uma vez que cada uma delas é motivada por razões diferentes. Para uns pode ser dinheiro e recompensas, para outros respeito, reconhecimento ou interacção. Se for necessário, pergunte. Depois procure ir de encontro às suas necessidades. 20/24

21 Existem factores, que embora não motivem, podem ser a causa de descontentamento como as necessidades financeiras, a lenta progressão da carreira ou a falta de segurança no emprego. Como factores motivadores e fontes de satisfação temos: alcançar ou exceder objectivos, reconhecimento de um bom trabalho (é até mais importante que recompensá-lo), aumento da responsabilidade, assim como a viabilidade de progressão e interesse do trabalho para aquele colaborador em concreto. Aqui vão algumas ideias que pode concretizar: Defina objectivos claros. Estabeleça expectativas elevadas, mas realistas (senão poderão provocar desmoralização), e verá que os seus colaboradores respondem ao desafio. Mantenha o trabalho o mais variado possível. Se fizer promessas, cumpra-as. Certifique-se que os seus colaboradores sabem qual o seu papel e importância. Utilize uma gestão partilhada em vez de uma gestão de comando e controlo. Crie um ambiente positivo no local de trabalho e dê o exemplo, mostrandose empenhado, e tratando os seus colaboradores como parceiros. Os objectivos da equipa devem ser do interesse de todos e não apenas do seu interesse. Delegue responsabilidades que aproveitem as capacidades da sua equipa e que, ao mesmo tempo, vão de encontro às necessidades da empresa. Confie no seu pessoal, deixando-o trabalhar por iniciativa própria e incentivando-a a assumir responsabilidades por tarefas completas. Confie no seu pessoal, a menos e até provarem que não são merecedores dela. 21/24

22 Faça uma gestão positiva, clara e pronta das condições de trabalho, posição social, remuneração, segurança e ambiente no trabalho. Incentive à partilha de ideias, troca de informações, pontos de vista e opiniões. Convide à discussão. Incentive os colaboradores a partilharem as suas ideias e entusiasmo pelo trabalho. Peça sugestões, e se encontrar uma que gostasse de implementar, deixe-a à responsabilidade de quem apresentou a ideia. A iniciativa é um índice de elevada motivação. Envolva-os e inclua-os nas decisões que os possam afectar. Mantenha-os informados assim como disponível para os ouvir. Não se envolva e desencoraje politiquices. Incentive à aceitação dos erros, sem no entanto criar uma cultura de culpa. Assuma uma atitude construtiva e compreensiva face ao fracasso, sem, contudo permitir a repetição do mesmo erro. Aprenda e faça com que aprendam com os erros. Chame a atenção com justiça e firmeza, sem criticar com demasiada severidade. Encoraje a progressão da carreira. Agradeça verbalmente por um trabalho bem executado e acompanhe-o de um reconhecimento por escrito. O reconhecimento público e as reuniões para aumentar o moral são outras formas de conquistar e manter a cooperação. As reuniões, comemorações e metas conquistadas elevam o espírito de equipa. Trate com compreensão pedidos do pessoal, como por exemplo tempo livre para uma ocasião especial. 22/24

23 IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS FORTES E DOS PONTOS FRACOS Com base na informação recolhida na análise dos recursos disponíveis e das políticas de recursos humanos é possível apurar os pontos fortes e fracos da empresa. Os pontos fortes são todos os factores que constituem vantagens competitivas da empresa no mercado de trabalho e os pontos fracos são um conjunto de factores que a colocam em situação de desvantagem perante as outras empresas. TOME NOTA! O primeiro passo é conhecer os seus recursos humanos: disponíveis, sua evolução, perfil etário, nível de habilitações, antiguidade, absentismo, custos com pessoal. Depois analisar a Política de Recursos Humanos: Recrutamento, Formação, Remuneração e Motivação. Aferir se a empresa tem condições ou não para, ao nível do Capital Humano, atingir os objectivos definidos a curto e longo prazo. Se não, que medidas são possíveis levar a cabo para inverter essa situação. Também a detecção de debilidades e pontos fortes é essencial para aferir quais as medidas necessárias que podem ser tomadas para corrigir os pontos fracos e potenciar o que a empresa tem de mais valia ao nível de Recursos Humanos e práticas de gestão nesta área crucial para o desenvolvimento da organização. Um aspecto importante: a Motivação. Não subestime as pessoas isso causa tanto stress como o trabalho demasiado. Quanto mais esperar das pessoas, mais elas lhe darão, desde que as apoie. 23/24

24 QUESTÕES PARA DISCUSSÃO 1. No âmbito da Gestão de Recursos Humanos e tomando por referência o Caso Mobilex, pondere sobre a adequação dos seus recursos humanos relativamente aos objectivos de curto e longo prazo que definiu para a sua empresa: são suficientes, têm as habilitações/ qualificações necessárias, estão nas funções adequadas e sabem perfeitamente quais são essas funções, têm o perfil etário conveniente? 2. Quanto ao quadro actual, o grau de absentismo da sua empresa é elevado? A rotatividade do pessoal é grande? Quais são as razões que, na sua opinião, justificam esses comportamentos. 3. Como é feito o recrutamento na sua empresa? Recorrendo a fontes formais ou informais? É dada formação aos novos colaboradores, existe um Plano de Formação? É dada atenção à integração destes? Se sim, como é que esta é levada a cabo? 4. Quanto à remuneração, esta não é suficiente para motivar os colaboradores, mas pode ser um factor de desmotivação. Sente que o seu pessoal está ou não motivado? Justifique. Que acções a sua empresa implementa ou poderia implementar para motivar o pessoal? 24/24

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Retribuir. Compensação. Recompensa. Ordenado. Remunerar

Retribuir. Compensação. Recompensa. Ordenado. Remunerar Gestão do sistema retributivo e de sistemas de incentivos Principais objectivos Benefícios directos e indirectos; fixos e variáveis Factores que afectam a remuneração Qualificação e avaliação de funções

Leia mais

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO LEGAL 3 2- PRINCÍPIOS DO VOLUNTARIADO 3 3- ESTATUTO DE VOLUNTÁRIO 4 4- DIREITOS DO VOLUNTÁRIO 4 5- DEVERES DO VOLUNTÁRIO 6 6- ÂMBITO DE ACÇÃO 6

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHCRecursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos CS

Leia mais

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores Trabalhos Práticos Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores 1. Objectivos 2. Calendarização 3. Normas 3.1 Relatório 3.2 Avaliação 4. Propostas Na disciplina de Programação

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

incorporação de um novo colaborador

incorporação de um novo colaborador incorporação de um novo colaborador Manual de Excelência no Serviço 21 4. A Incorporação de um Novo Colaborador Recrutamento e Selecção Antes da incorporação de um novo colaborador no Hotel será obrigatório

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III. 1 - Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

Para a empresa a igualdade entre mulheres e homens é considerada uma prioridade para o desenvolvimento organizacional?

Para a empresa a igualdade entre mulheres e homens é considerada uma prioridade para o desenvolvimento organizacional? > QUESTIONÁRIO QUESTIONÁRIO I. MISSÃO E VLORES D EMPRES Empresas de excelência que visam ser socialmente responsáveis incorporam na sua missão e valores os princípios da igualdade de género e implementam

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2009 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO INDICE INDICE...2 ÂMBITO...4 1. GESVEN - GESTÃO DE PESSOAL E VENCIMENTOS CGV02 Gestão Base de Cadastro...5 CGV03 Report Writer (Base)...5 CGV04 Processamento

Leia mais

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO 1) Quais os objectivos que se pretende atingir com a Sessão de Imersão e o Seminário de Diagnóstico? A Sessão de Imersão tem por objectivo a apresentação

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO... 3 3. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 4. FORMAS E MÉTODOS DE SELECÇÃO... 4 4.1. Selecção

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas -

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas - Vários estudos provam que a Gestão de Recursos Humanos é a área mais problemática nas organizações e a que consome grande parte do tempo do empresário. Por outro lado, a área da inovação e do Marketing

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Organização de Eventos Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDAS

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

WePeopleValueYourPeople

WePeopleValueYourPeople WePeopleValueYourPeople e info@peoplevalue.com.pt w www.peoplevalue.com.pt Actualizado em 2010Jan14 quem somos? Somos a consultora sua parceira focada nas Pessoas e na sua valorização. Através da especialização

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Muitos autores consideram a análise de funções como a espinha dorsal da GRH.

Muitos autores consideram a análise de funções como a espinha dorsal da GRH. Análise e Descrição de Funções Muitos autores consideram a análise de funções como a espinha dorsal da GRH. A análise de funções tem relevância em várias v vertentes: - Recrutamento e Selecção, - Avaliação

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL Anexos II ao Regulamento do Sistema de Avaliação dos Bombeiros Voluntários (Despacho ANPC n.º 9368/2008- DR nº 64, 2ª Série, de 2008-04-01) Corpo de Bombeiros de - Concelho - Distrito - FICHA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão.

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão. ANÚNCIO DE CONCURSO O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os novos procedimentos no regulamento de concursos, com o objectivo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

Protocolo. Carreiras Profissionais

Protocolo. Carreiras Profissionais Protocolo Carreiras Profissionais A TAP e o SITAVA acordam o seguinte: 1. São criadas as seguintes novas categorias profissionais, com a caracterização funcional estabelecida em anexo: a) Analista Programador

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Competências chave para o Emprego

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Competências chave para o Emprego ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Competências chave para o Emprego Introdução Objectivos: Desenvolver um conjunto de atitudes e competências de carácter pessoal, social e profissional,

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a otimização da seleção e recrutamento, a correta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a avaliação

Leia mais