Fitofortificante INFORME TÉCNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fitofortificante INFORME TÉCNICO"

Transcrição

1 Fitofortificante INFORME TÉCNICO GREETNAL WIZ

2 GREETNAL WIZ Extracto de algas GREETNAL WIZ é um extracto puro de algas (Ascophyllum nodosum) procedentes das costas do Atlântico Norte. GREETNAL WIZ proporciona a riqueza natural das algas (citocininas, auxinas, betaínas, enzimas, aminoácidos e nutrientes) de forma facilmente assimilável para as plantas. O sistema de processamento de GREETNAL WIZ assegura a conservação das propriedades das citocininas e dos outros componentes naturais das algas. GREETNAL WIZ constitui um poderoso fitofortificante para todo o tipo de culturas, especialmente para CITRINOS, MORANGOS, POMARES, HORTÍCOLAS, OLIVEIRA, ORNAMENTAIS E VID. Recomenda-se especialmente durante as fases de maior actividade vegetativa (transplante, floração, frutificação e crescimento do fruto) ou em condições desfavoráveis (geadas, secas, granizo, pragas, doenças, etc.). Mediante a utilização regular de GREETNAL WIZ obtêm-se benefícios importantes em todo o tipo de culturas. - Aumenta o desenvolvimento radicular: as citocininas e auxinas de GREETNAL WIZ, presentes como complexos naturais estimulam o desenvolvimento de um sistema radicular mais extenso e potente. - Equilibra a floração e a frutificação: as hormonas vegetais de GREETNAL WIZ favorecem uma floração e frutificação equilibradas. - Crescimento vigoroso e equilibrado: as enzimas e os aminoácidos de GREETNAL WIZ estimulam a divisão e o crescimento celular e aumentam o conteúdo em clorofila. Tudo isto favorece a produção e a qualidade das colheitas. - Melhora a resistência a condições adversas: a presença de betaínas estimula o sistema de autodefesa vegetal, obtendo-se plantas mais sãs e resistentes face a condições adversas. GREETNAL WIZ é um produto completamente natural, sem qualquer tratamento químico, sendo utilizável tanto em agricultura convencional como em Agricultura Ecológica e outros tipos de produções certificadas.

3 Cultivos y momento de aplicación Aplicar mediante pulverização foliar à dose de g/ha cobrindo bem toda a vegetação. Recomenda-se a realização de 2 a 4 tratamentos conforme a cultura e as necessidades. CITRINOS Equilibrar a floração e a frutificação: aplicar na floração precoce e na queda das pétalas. Melhorar a floração e a colheita: tratar no início do Verão e 6-8 semanas antes da colheita. Nos citrinos a dose pode aumentar-se até 1,1 1,4 kg/ha MORANGO Melhorar o enraizamento: tratar o viveiro antes do transplante. Adiantar e melhorar a floração, a frutificação e a qualidade do fruto: tratar na pré-floração e com os primeiros frutos. POMARES Aumento da produção e da qualidade: tratar antes da floração e repetir no início da frutificação. HORTÍCOLAS (pimento, tomate, beringela, pepino, melão, melancia, abóbora, alcachofras, cebola, alface, etc.). Aumento do desenvolvimento do sistema radicular: aplicar 2-3 semanas depois da plantação ou sementeira. Melhorar a floração e frutificação: aplicar na pré-floração. Aumento de produção e qualidade: aplicar com os primeiros frutos frutificados e repetir 2-3 semanas depois. BATATA Melhorar o estabelecimento da cultura Aumento de produção e qualidade dos tubérculos: realizar o primeiro tratamento no início da formação dos tubérculos. Repetir cada 2-3 semanas.

4 VID Aumento de produção: tratar na pré-floração, frutificação e repetir cada 3-4 semanas. Precauciones - Evitar tratar durante as horas de calor máximo. - Compatível com a maioria dos fitossanitários excepto os produtos de reacção alcalina, herbicidas e fitorreguladores. Em caso de dúvida faça um pequeno teste.

5 FICHA TÉCNICA GREETNAL WIZ PRODUTO RIQUEZAS GARANTIDAS Fitofortificante à base de extracto de algas (Ascophyllum nodosum) Extracto de algas: 100% Matéria orgânica: 45-55% Aminoácidos: 4,4% Azoto (N) total: 0,8 1,5% Óxido de potássio (K 2 O) total: 8-22% Ferro (Fe): ppm Manganês (Mn): 5-20 ppm Zinco (Zn): ppm Contém citocininas, auxinas, giberelinas e betaínas naturais (bioactividad equivalente a 600 ppm de citocininas) ASPECTO Solido ph (1% em agua) 10,0 10,5 DENSIDAD (a 20ºC) SOLUBILIDADE DOSES COMPATIBILIDADE PRECAUÇÕES EMBALAGEM 0,45 0,55 g/ml Solúvel em agua Pulverização foliar: g/ha Recomenda-se a realização de 2 a 4 tratamentos conforme a cultura e as necessidades. Compatível com a maioria dos fitossanitários excepto os produtos de reacção alcalina, herbicidas e fitorreguladores. Em caso de dúvida faça um pequeno teste. Agitar el producto antes de usar. 1 kg LAINCO PORTUGAL, LDA. Av. Luís de Camões, QUELUZ (Portugal) Tel Fax Internet:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES:

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: Aumenta a capacidade de retenção de água; Melhora a permeabilidade e o arejamento de solos pesados, minorando a sua tendência para a compactação;

Leia mais

ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO. António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013

ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO. António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013 ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013 SUMÁRIO SOLO NUTRIENTES PLANTA SOLO SOLO MATÉRIA ORGÂNICA ph do SOLO MATÉRIA ORGÂNICA

Leia mais

Quadro - Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal

Quadro - Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal Quadro Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal ABACATE ABÓBORA AGRIÃO AIPO ALFACE ALFARROBA ALGODÃO Geada e ALHO ALHO FRANCES ALPERCE plena floração ALPISTA emborrachamento AMEIXA

Leia mais

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Consociação favorável entre plantas hortícolas consiste em cultivar dentro do mesmo canteiro diferentes espécies de plantas (culturas) que se complementam

Leia mais

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA TRATAMENTO EM CANA-PLANTA objetivos oferecer produtos que estimulem a emissão de raízes iniciais do tolete; aumentar a velocidade de brotação

Leia mais

CURSO SOBRE PRODUÇÃO DE MORANGO Cultivo em Semi-Hidroponia. Eng.-Agr. Luciano Ilha Eng.-Agr. Cristina Gadea EMATER/RS-ASCAR

CURSO SOBRE PRODUÇÃO DE MORANGO Cultivo em Semi-Hidroponia. Eng.-Agr. Luciano Ilha Eng.-Agr. Cristina Gadea EMATER/RS-ASCAR CURSO SOBRE PRODUÇÃO DE MORANGO Cultivo em Semi-Hidroponia Eng.-Agr. Luciano Ilha Eng.-Agr. Cristina Gadea EMATER/RS-ASCAR VI Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas Vacaria/RS - 2011 Cultivo em semi-hidroponia:

Leia mais

Hortaliças: Importância e Cultivo. Werito Fernandes de Melo

Hortaliças: Importância e Cultivo. Werito Fernandes de Melo Hortaliças: Importância e Cultivo Werito Fernandes de Melo Importância do agronegócio para o Brasil. Algodão produção de 1,2 milhões/t em 2004 (5º); cresceu 22% em 2003; exportações em de 400 mil t (3º);

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

Nutrição e Fisiologia de Plantas

Nutrição e Fisiologia de Plantas Soluções De Sangosse Nutrição e Fisiologia de Plantas GRUPO O Grupo De Sangosse iniciou suas atividades na França, em 1926. Oferecemos tecnologias integradas para agricultura com atuação em mais de 80

Leia mais

Vários produtos têm sido colocados no Mercado

Vários produtos têm sido colocados no Mercado Luís Américo Paseto Vários produtos têm sido colocados no Mercado Para uso desde o plantio da semente Na formação de mudas (1º par de folhas) Em pulverização na folhagem do cafeeiro Aplicados ao solo em

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal, ESALQ/USP scmello@esalq.usp.br 19-34294190 r. 204 Diagnose foliar Interpretação: Material genético

Leia mais

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte ARBORICULTURA II Manutenção do Solo 1ªParte 2004-2005 As técnicas de manutenção do solo Mobilização Solo sem vegetação Sem mobilização Herbicida total Orgânico Mulching Inerte Solo coberto Cobertura vegetal

Leia mais

Fertilização racional da actinídea

Fertilização racional da actinídea L Q A R S Fertilização racional da actinídea Cecília Pacheco Kiwi de qualidade para assegurar o futuro / Oliveira do Bairro Instituto Nacional de Investigação Agrária ria e das Pescas Ministério da Agricultura,

Leia mais

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

OS FRUTOS E OS VEGETAIS

OS FRUTOS E OS VEGETAIS OS FRUTOS E OS VEGETAIS Os frutos e os vegetais representam uma parte fundamental da alimentação saudável! De um modo geral, podemos dizer que estes alimentos são fornecedores indispensáveis de minerais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA COMPONENTES CURRÍCULARES Código Nome Nível de Ensino 1 FTC0001 AGROECOLOGIA STRICTO

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DE VAGOS PLANO DE EXPLORAÇÃO 2015/2016

ESCOLA PROFISSIONAL DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DE VAGOS PLANO DE EXPLORAÇÃO 2015/2016 ESCOLA PROFISSIONAL DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DE VAGOS PLANO DE EXPLORAÇÃO 2015/2016 Professor Paulo Fernando Gomes Pais e Silva Diretor de Instalações da Exploração Agrícola Índice 1- Pomar

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA PROFERTIL ÍNDICE 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 - COMPOSIÇÃO / INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES

FICHA DE SEGURANÇA PROFERTIL ÍNDICE 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 - COMPOSIÇÃO / INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES PÁGINA: 1/6 ÍNDICE 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 - COMPOSIÇÃO / INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES 3 - IDENTIFICAÇÃO DOS PERIGOS 4 - PRIMEIROS SOCORROS 5 - MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO 6 -

Leia mais

A nova tecnologia de fertilização

A nova tecnologia de fertilização A nova tecnologia de fertilização AMIGOS E PARCEIROS, há quase 3 anos atrás, abrimos um novo capítulo na indústria agrícola com a constituição da AGROsolution. Estes últimos anos foram espantosos e instrutivos

Leia mais

Catálogo COMPO EXPERT. para áreas verdes COMPO EXPERT

Catálogo COMPO EXPERT. para áreas verdes COMPO EXPERT Catálogo COMPO EXPERT para áreas verdes COMPO EXPERT Fertilização do relvado O relvado necessita para cumprir a sua função estética e resistente, de uma série de nutrientes que absorvem do solo. Estas

Leia mais

Controlo de lagartas e Tuta. Mais eficaz! Mais rentável!

Controlo de lagartas e Tuta. Mais eficaz! Mais rentável! Controlo de lagartas e Tuta Mais eficaz! Mais rentável! Introdução O Affirm é um insecticida novo para os agricultores que querem produzir as suas hortícolas com a mais alta qualidade, e conseguir assim

Leia mais

Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos

Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos e repolho Prof. Dr. Renato de Mello Prado Prof. Dr. Arthur B. Cecílio Filho Depto. Solos e Adubos Depto de Produção Vegetal rmprado@fcav.unesp.br rutra@fcav.unesp.br

Leia mais

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes ABSORÇÃO FOLIAR Prof. Josinaldo Lopes Araujo 1 INTRODUÇÃO Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes Cada parte tem uma função definida As folhas absorvem água e nutrientes Porque essa capacidade?

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar. Rural e Licenciamento. Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas

Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar. Rural e Licenciamento. Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar Rural e Licenciamento Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas Relatório das Atividades de Inspeção Exportação / INFINET 202 INSPEÇÃO FITOSSANITÁRIA

Leia mais

IRRIGAÇÃO ENG 115. TABELA 1. Profundidade efetiva do sistema radicular (Z) de algumas culturas no estágio de máximo desenvolvimento vegetativo.

IRRIGAÇÃO ENG 115. TABELA 1. Profundidade efetiva do sistema radicular (Z) de algumas culturas no estágio de máximo desenvolvimento vegetativo. IRRIGAÇÃO ENG 115 TABELA 1. Profundidade efetiva do sistema radicular (Z) de algumas culturas no estágio de máximo desenvolvimento vegetativo. CULTURA Z (cm) CULTURA Z (cm) Abacate 60-90 Laranja 60 Abacaxi

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

Um exemplo, sem ser exemplar

Um exemplo, sem ser exemplar Um exemplo, sem ser exemplar Porquê vasos? Solução para um problema: Solo inadequado Como resolvemos fazer: Vasos de 50 litros, com 12 drenos (furos com broca 9) Substrato de granulometria fina, com: 70%

Leia mais

Novo Supermagro - O Biofertilizante

Novo Supermagro - O Biofertilizante Novo Supermagro - O Biofertilizante O que é o Novo Supermagro? O Novo Supermagro é um fertilizante foliar. Isto é, um adubo para ser pulverizado sobre as folhas das plantas. Ele serve para adubar e melhorar

Leia mais

As culturas foram instaladas na Estação Horto-Florícola de Vairão em talhões de 8*15 metros conforme o esquema seguinte: BAMBUS CAMINHO

As culturas foram instaladas na Estação Horto-Florícola de Vairão em talhões de 8*15 metros conforme o esquema seguinte: BAMBUS CAMINHO PRODUÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA VERSUS PRODUÇÃO EM AGRICULTURA COVECIOAL CULTURAS PRIMAVERA-VERÃO AO 1 2009 Isabel Barrote As culturas foram instaladas na Estação Horto-Florícola de Vairão em talhões

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2015

PLANO DE ENSINO 2015 PLANO DE ENSINO 2015 CURSO: Agronomia DISCIPLINA: AG-71 Olericultura TURMA(S): 7ª Fase SEMESTRE LETIVO: 7 CARGA HORARIA SEMESTRAL: 75 h PRÉ-REQUISITO: AG-53 Nutrição Vegetal PROFESSOR (A): Rony da Silva

Leia mais

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE:

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produção Integrada de Manga PI-Manga CADERNO DE CAMPO Informações da Parcela Seção 2 Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: Telefone: ( ) Fax:( )

Leia mais

Contribuição dos Alimentos Orgânicos para a Segurança Alimentar e Nutricional

Contribuição dos Alimentos Orgânicos para a Segurança Alimentar e Nutricional Contribuição dos Alimentos Orgânicos para a Segurança Alimentar e Nutricional Dra. Regilda Saraiva dos Reis Moreira-Araújo Professora Associada (DN/CCS/UFPI) Alimentos Orgânicos e Qualidade de Vida Na

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

A Lusosem, S.A. é uma Empresa Nacional, com actividade no desenvolvimento de Sementes Certificadas, Agroquímicos e Nutrição Vegetal.

A Lusosem, S.A. é uma Empresa Nacional, com actividade no desenvolvimento de Sementes Certificadas, Agroquímicos e Nutrição Vegetal. A Lusosem, S.A. é uma Empresa Nacional, com actividade no desenvolvimento de Sementes Certificadas, Agroquímicos e Nutrição Vegetal. Tendo como permanente preocupação a especificidade do mercado nacional,

Leia mais

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Como garantir níveis de produtividade desta exigente cultura? geadas Experiencias da adaptação ecológica da cultura da nogueira a varias regiões

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Fertilidade do solo e nutrição das plantas

Fertilidade do solo e nutrição das plantas Ciclo de Colóquios comemorativos do Ano Internacional do Solo Fertilidade do solo e nutrição das plantas F. Calouro Fertilidade do solo e nutrição das plantas Oeiras, 22 de setembro de 2015 Fertilidade

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2009/10

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2009/10 1 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2009/10 OLERICULTURA Economista Marcelo Garrido Moreira Outubro de

Leia mais

Apresentação de Resultados FERTILIDADE DO SOLO

Apresentação de Resultados FERTILIDADE DO SOLO Agro Vale Longo, Lda. Sociedade Agrícola Saramago de Brito, Lda. Apresentação de Resultados FERTILIDADE DO SOLO Isabel Guerreiro (IPBeja/ESA) Manuel Patanita (IPBeja/ESA) EDIA, Beja, 17 dezembro 2014 PARÂMETROS

Leia mais

Insecticida eficaz desde o início. Único, pelo seu efeito ovicida

Insecticida eficaz desde o início. Único, pelo seu efeito ovicida Insecticida eficaz desde o início Único, pelo seu efeito ovicida em Macieira... Inseticida regulador de crescimento, com ação ovicida, para controlo das principais pragas das fruteiras, em particular:

Leia mais

SESSÃO DE INFORMAÇÃO/FORMAÇÃO

SESSÃO DE INFORMAÇÃO/FORMAÇÃO SESSÃO DE INFORMAÇÃO/FORMAÇÃO Benefícios da horticultura social e terapêutica: Físicos: Sistema imunológico; Diminuição do colesterol e dos fatores de risco de patologias cardíacas; Coordenação motora;

Leia mais

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação.

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação. Produto VEDACIT RÁPIDO CL proporciona rápido endurecimento e resistências iniciais ao cimento. Não deve ser usado em concretos estruturais armados e nem em argamassas armadas. Características Densidade:

Leia mais

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes em Assentamentos Rurais de Santa Catarina/Brasil EJE: Ciencia, Tecnología y Sociedad AUTORES: Msc. Marina Bustamante Ribeiro Prof. Dr.

Leia mais

AMINO ADUBO ESPECIAL, PRODUTO COM AMINOÁCIDOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO PARA APLICAÇÃO FOLIAR

AMINO ADUBO ESPECIAL, PRODUTO COM AMINOÁCIDOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO PARA APLICAÇÃO FOLIAR AMINO ADUBO ESPECIAL, PRODUTO COM AMINOÁCIDOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO PARA APLICAÇÃO FOLIAR RIQUEZAS GARANTIDAS (% P/P) : - Aminoácidos Livres : 30% - Azoto Total : 9% (Azoto Amoniacal 4.4% e Azoto Proteico

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355. Semestre de oferta da disciplina: I e II

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355. Semestre de oferta da disciplina: I e II PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: I e II Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência a partir

Leia mais

Ficha Técnica de Produto: FOSFINOVA-K Referência: FT-00051

Ficha Técnica de Produto: FOSFINOVA-K Referência: FT-00051 Ficha Técnica de Produto: FOSFINOVA-K Referência: FT-00051 ESPECIFICAÇÕES PRODUTO: FOSFINOVA-K GAMA: F026 - LÍQUIDOS DE APLICAÇÃO FOLIAR DIVISÃO: D002 - ESPECIAIS CLASSIFICAÇÃO: PK SOLUÇÃO FERTILIZANTE.

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

MALHAS FOTOSSELETIVAS DE PROTEÇÃO E SOMBREAMENTO TRANSFORMANDO LUZ EM PRODUTIVIDADE!

MALHAS FOTOSSELETIVAS DE PROTEÇÃO E SOMBREAMENTO TRANSFORMANDO LUZ EM PRODUTIVIDADE! MALHAS FOTOSSELETIVAS DE PROTEÇÃO E SOMBREAMENTO TRANSFORMANDO LUZ EM PRODUTIVIDADE! ChromatiNet / Raschel é um tipo de malha de sombreamento e proteção que permite o controle do desenvolvimento vegetativo

Leia mais

Disciplina: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL E REDAÇÃO TÉCNICA Carga horária: 60h

Disciplina: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL E REDAÇÃO TÉCNICA Carga horária: 60h EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1 SEMESTRE Disciplina: MATEMÁTICA APLICADA Carga horária: 60h Ementa: Conjuntos numéricos. Operações em R. Geometria plana e espacial. Funções Polinomiais. Função Exponencial e

Leia mais

Plantas MEDICINAIS. para cultivar EM CASA NO TERRAÇO, NA VARANDA OU NA JANELA. Serge Schall

Plantas MEDICINAIS. para cultivar EM CASA NO TERRAÇO, NA VARANDA OU NA JANELA. Serge Schall Plantas MEDICINAIS para cultivar EM CASA NO TERRAÇO, NA VARANDA OU NA JANELA Serge Schall Introdução Desde os primórdios da humanidade que o homem tenta tudo para cuidar de si, para adiar o inevitável.

Leia mais

ARBORICULTURA II NUTRIÇÃO MINERAL

ARBORICULTURA II NUTRIÇÃO MINERAL ARBORICULTURA II NUTRIÇÃO MINERAL 2003-2004 Particularidades da Nutrição Mineral em Fruteiras Tal como já viram na adubação de fundo, também a aplicação anual de nutrientes em plantas perenes segue princípios

Leia mais

1. ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES 2.PROJECTO 3. NOVOS DESAFIOS

1. ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES 2.PROJECTO 3. NOVOS DESAFIOS APRESENTAÇÃO 1. ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES 2.PROJECTO 3. NOVOS DESAFIOS 1.ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES Objectivos: Promoção do desenvolvimento sustentado da Produção Horticola e sua concentração; Promover

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DOS NUTRIENTES NO METABOLISMO VEGETAL. Enga Agra Clélia Maria Mardegan

PARTICIPAÇÃO DOS NUTRIENTES NO METABOLISMO VEGETAL. Enga Agra Clélia Maria Mardegan PARTICIPAÇÃO DOS NUTRIENTES NO METABOLISMO VEGETAL Enga Agra Clélia Maria Mardegan COMO FAZER PARA AUMENTAR NOSSA PRODUTIVIDADE? Nitrogênio Funções - faz parte da composição das proteínas (estrutural);

Leia mais

Cultura da Alface. EEEP PROFESSOR SEBASTIÃO VASCONCELOS SOBRINHO Compromisso com o Sucesso de Nossos Jovens

Cultura da Alface. EEEP PROFESSOR SEBASTIÃO VASCONCELOS SOBRINHO Compromisso com o Sucesso de Nossos Jovens EEEP PROFESSOR SEBASTIÃO VASCONCELOS SOBRINHO Compromisso com o Sucesso de Nossos Jovens Cultura da Alface Professor: Aparecido Porto Disciplina: Olericultura Equipe: Antônio Francyel 05 Marcelo Araújo

Leia mais

Seguros Agrícolas O Sistema Português

Seguros Agrícolas O Sistema Português Seguros Agrícolas O Sistema Português Por Pedro Santos Toda a actividade agrícola está sujeita a variadíssimos riscos, sendo os provocados pelas condições meteorológicas os mais imprevisíveis e menos controláveis.

Leia mais

Principais Técnicas da Produção Agrícola

Principais Técnicas da Produção Agrícola 1 Principais Técnicas da Produção Agrícola Disciplina de Produção Agrícola Licenciatura em Engenharia Alimentar Escola Superior de Biotecnologia Universidade Católica Portuguesa Domingos Almeida Formação

Leia mais

INSTALAÇÃO DAS CULTURAS III

INSTALAÇÃO DAS CULTURAS III AGRICULTURA GERAL I INSTALAÇÃO DAS CULTURAS III Sementeiras, (trans)plantações Textos dedicados a docência exclusivamente para circulação interna dos alunos das licenciaturas da FCUP. Sementeiras e (trans)plantações

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

TOP 10 RAZÕES PARA BEBER GEL DE ALOE VERA

TOP 10 RAZÕES PARA BEBER GEL DE ALOE VERA TOP 10 RAZÕES PARA BEBER GEL DE ALOE VERA Gel de Aloe Vera Imagine cortar uma folha de babosa e consumir o gel diretamente da planta. Um produto certificado pela Forever Living, o Aloe Vera Gel está tão

Leia mais

NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA

NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA Produtores de oliveiras e figueiras Produtores de hortícolas em hidroponia (NFT e NGS) Centro de jardinagem Criação e manutenção de espaços verdes Elaboração/acompanhamento de projectos agrícolas OBJECTIVO

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

Família Misuke Guia Técnico

Família Misuke Guia Técnico Família Misuke Guia Técnico O que é Misuke? Poderoso sistema de Recondicionamento Térmico e Tratamento Capilar, criado para profissionais que buscam integrar as necessidades da mulher moderna que deseja

Leia mais

Racionalizar o uso do cobre em viticultura biológica

Racionalizar o uso do cobre em viticultura biológica Racionalizar o uso do cobre em viticultura biológica 1 INTRODUÇÃO O COBRE NA VINHA INTRODUÇÃO O cobre é uma das substâncias utilizadas desde há mais tempo na vinha acção anti-míldio descoberta por Millardet

Leia mais

Cultivar uma horta

Cultivar uma horta 2 Cultivar uma horta 018205 3 Bruno Del Medico Ilustrado por Elisabetta Del Medico Horta orgânica e sinérgica. Semear com sucesso para escolher com abundância Cálculo dos dias melhores para semear cada

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO - AGROPECUÁRIA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO - AGROPECUÁRIA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO - AGROPECUÁRIA 26. No manejo conservacionista do solo, umas das técnicas passíveis de utilização é o uso de adubação verde. Com base nessa técnica, que

Leia mais

Estufas para o Brasil: túneis híbridos

Estufas para o Brasil: túneis híbridos Estufas para o Brasil: túneis híbridos Marca de Higuerillas ou bandera Mexico Engenheiro Agrónomo : Ramiro Zúñiga Pelayo Agrícola Las Higuerillas (México) Traduçao: Andrés da Silva, Eng. Agricola, M.Sc.

Leia mais

Produção de Alimentos Orgânicos

Produção de Alimentos Orgânicos Curso FIC Produção de Alimentos Orgânicos Fernando Domingo Zinger fernando.zinger@ifsc.edu.br 11/08/2015 Qualidade dos Alimentos Preocupação da população com: Impactos sociais e ambientais dos sistemas

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 23/03/2013

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 23/03/2013 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 23/03/2013 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Refil para apagador 150N Flip Top. CARACTERÍSTICA: Refil (Feltro) para

Leia mais

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Refletivo Prata 8910 Descrição O Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata 8910 foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança e em roupas

Leia mais

LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA

LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Hidrófitas: vivem locais com muita disponibilidade de água Mesófitas: vivem em locais com disponibilidade

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015 Considerando o Decreto-Lei n.º 162/2015, de 14 de agosto,

Leia mais

Fertirrigação em hortaliças Eng. Agr. Carine Cocco Acad.: Djeimi Janisch

Fertirrigação em hortaliças Eng. Agr. Carine Cocco Acad.: Djeimi Janisch UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DEPARTAMENTO D FITOTECNIA CAPACITAÇÃO EM FERTIRRIGAÇÃO Fertirrigação em hortaliças Eng. Agr. Carine Cocco Acad.: Djeimi Janisch Fertirrigação

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

Bases para Uso Mais Eficiente de Nutrientes pelos Citros

Bases para Uso Mais Eficiente de Nutrientes pelos Citros 38⁰ Semana de Citricultura Centro de Citricultura Sylvio Moreira Bases para Uso Mais Eficiente de Nutrientes pelos Citros Fernando Zambrosi Cordeirópolis - SP 07 de Junho 2016 Instituto Agronômico Centro

Leia mais

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas 1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas Em agricultura orgânica sempre se busca o equilíbrio ecológico e a prevenção de problemas que afetam a saúde das plantas. Através do uso de algumas técnicas simples

Leia mais

COMPASSO Camalhões com 3 linhas (pode também ser com 2) distanciadas entre si 20cm com a distância na linha a 10cm, ou seja 30 plantas/m 2.

COMPASSO Camalhões com 3 linhas (pode também ser com 2) distanciadas entre si 20cm com a distância na linha a 10cm, ou seja 30 plantas/m 2. SEMENTEIRA / TRANSPLANTAÇÃO Alentejo: Opção por sementes de dias curtos com plantação no Outono. Cultivar de cebola de dias curtos ( Spring Star ) Spring Star - Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro.

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Airgenic para armazenagem de frutas, legumes e verduras

Airgenic para armazenagem de frutas, legumes e verduras Airgenic para armazenagem de frutas, legumes e verduras Produção de etileno Etileno (C 2 H 4 ) é um gás naturalmente produzido em frutas, legumes e verduras durante o amadurecimento. Em geral: Figura 1:

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR

PROJETO INTERDISCIPLINAR PROJETO INTERDISCIPLINAR "O Campo no Colégio" Ano Letivo 2012/2013 11 NOTA INTRODUTÓRIA O contacto com a Natureza assume um papel de extrema importância na vida do ser humano. A agricultura, a jardinagem

Leia mais

Inseticida 1. Doses. Modalidade de aplicação. Culturas. Pragas controladas

Inseticida 1. Doses. Modalidade de aplicação. Culturas. Pragas controladas COMPOSIÇÃO: Imidacloprido 200 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Neonicotinoide TIPO DE FORMULAÇÃO: Suspensão Concentrada (SC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO:

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS SEÇÃO 1: Preparação do solo para plantio de ananás 1. Identificação da área para o plantio de ananas 1.A área seleccionada deve ter via de acesso 1. Se não tiver via

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS Sistemas de produção Sementes Estruturas vegetativas (propagação por estolhos, estacas, tubérculos, bulbos, rizomas, raízes, micropropagação) PROPAGAÇÃO SEXUADA A SEMENTE

Leia mais

Milho - Girassol - Sorgo

Milho - Girassol - Sorgo Milho - Girassol - Sorgo 2009 Experimentação e demonstração A ROCALBA investe todos os anos em Portugal e Espanha capital económico e humano, com o propósito de testar e adaptar a determinadas zonas as

Leia mais

Projeto Rede de Bufetes Escolares Saudáveis

Projeto Rede de Bufetes Escolares Saudáveis Projeto Rede de Bufetes Escolares Saudáveis Completa as palavras com as letras que faltam, sabendo que correspondem a nomes de diferentes hortícolas: O T C U - L R C E N R A E I N A F C B Ó U O P M N Ã

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383. Semestre de oferta da disciplina: I e II

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383. Semestre de oferta da disciplina: I e II PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: I e II Faculdade responsável: Agronomia Matriz 120 Programa em vigência

Leia mais

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Prof. Fabrício Ávila Rodrigues Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Fitopatologia Laboratório rio da Interação Planta-Pat Patógeno fabricio@ufv.br

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUÍNA MT SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA, MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE SAMMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUÍNA MT SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA, MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE SAMMA Palestra: Como fazer uma horta Ildamir Teixeira de Faria/Diretor de Meio Ambiente SAMMA; Roselaine Mezz/Estudante de agropecuária IFMT/Estagiaria SAMMA; PREFEITURA MUNICIPAL DE JUÍNA MT SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais