Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas"

Transcrição

1 Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Janeiro Dezembro 2012 Ano I

2 Um Projecto de: SCALABRINIANAS Congregação das Irmãs Missionárias de S. Carlos Borromeu Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Em Parceria com: ATLAS Associação de Cooperação para o Desenvolvimento

3 1. CONTEXTO DE POBREZA EM ANGOLA, NOMEADAMENTE A SITUAÇÃO DA MULHER E DAS CRIANÇAS As mulheres e as crianças são as que mais sofrem os efeitos da pobreza no seio familiar, porque uma grande parte das famílias são chefiadas por mulheres (23,1%).

4 1. CONTEXTO DE POBREZA EM ANGOLA, NOMEADAMENTE A SITUAÇÃO DA MULHER E DAS CRIANÇAS Educação No âmbito do ensino é importante observar que o analfabetismo entre as mulheres é muito superior em relação ao dos homens: 74,1% contra 44%, respectivamente. A proporção das mulheres entre 15 a 24 anos que sabe ler e escrever de 67%, taxa que se agrava de forma expressiva considerando a área de residência. Apenas 40,5% das mulheres do meio rural sabem ler e escrever, contra 83% das mulheres do meio urbano. A considerar que o analfabetismo da mulher tem implicações directas para o bem estar das famílias, sendo um dos principais obstáculos da sua ascensão socioeconómica.

5 1. CONTEXTO DE POBREZA EM ANGOLA, NOMEADAMENTE A SITUAÇÃO DA MULHER E DAS CRIANÇAS Saúde A mortalidade das Mulheres no parto ou em situação relacionada com o parto mortes para cada 100 mil crianças nascidas vivas - uma das taxas mais altas do mundo Apenas metade da população feminina em condições de parto tem acesso a assistência de profissionais qualificados. A mortalidade materna é mais elevada para as mães solteiras, mais jovens, e sobretudo, com um nível educacional mais baixo.

6 2. O BAIRRO CAMBAMBA I é uma ocupação ilegal de terras e é formado por cerca de 200 famílias, oriundas das mais diversas regiões do país. Os casebres em que vivem são de chapas. Vivem em condições desumanas, assolados por todas as dificuldades típicas da pobreza extrema: o desemprego, o alcoolismo e o consumo de drogas, o analfabetismo das mulheres e das crianças, a falta de documentos de identificação pessoal como o registo de nascimento e o bilhete de identidade. Para além disso, falta água potável, energia eléctrica e acesso a cuidados básicos de saúde.

7 2. O BAIRRO CAMBAMBA I Situação das Crianças A situação familiar precária obriga as mães a procurarem trabalho, vendendo na praça, deixando as crianças entregues a elas próprias. É, por isso, frequente encontrar crianças de 5 anos responsáveis pela casa e a tomar conta dos bebés, em consequência, os acidentes domésticos são muito frequentes.

8 2. O BAIRRO CAMBAMBA I Situação das Crianças As escolas primárias da zona não têm capacidade para receber as crianças do bairro e os pais não tem recursos para matricular os filhos nas escolas privadas. Neste bairro, existem cerca de 160 crianças em idade escolar, sem acesso à rede geral de ensino.

9 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Objectivos Gerais Promover os meios necessários para tornar possível os serviços/actividades de formação humana e educativa, que facilitem o desenvolvimento pessoal das crianças e, consequentemente, também das mães. Estas, vivendo com maior dignidade, podem tornar-se agentes de desenvolvimento no seio de suas famílias e na comunidade.

10 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Objectivos Específicos 1º Dar acesso às crianças à aprendizagem básica da língua e de noções de matemática e aritmética, através do método de alfabetização, com vista à sua futura integração no método norma de ensino de acordo com a sua idade. 2º Facilitar às mães cursos de desenvolvimento pessoal, familiar e profissional que melhorem o seu papel de mães na família e na sociedade.

11 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 1º Organização de cursos de Alfabetização para as crianças em idade escolar, contrariando assim a tendência para o facto de crianças entre os 6 e os 14 anos nunca terem frequentado a escola. 2º Promoção de acções e acompanhamento das mães em matéria de alfabetização, formação pessoal, nutrição, puericultura e medicina natural.

12 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 1º Organização de cursos de Alfabetização para crianças em idade escolar, de Fevereiro a Dezembro e2º anos 160 crianças

13 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 2º Promoção de acções e acompanhamento das mães em matéria de alfabetização, formação pessoal, nutrição, puericultura e medicina natural. Há 6 turmas no Bairro, num total de 162 alunas e 8 formadores. O método usado é o método Paulo Freire, adaptado como programa rápido pelos Salesianos e reconhecido pelo Ministério da Educação de Angola.

14 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 2º Promoção de acções e acompanhamento das mães em matéria de alfabetização, formação pessoal, nutrição, puericultura e medicina natural. Formação das Mães em Medicina Natural dos Trópicos As mulheres aprendem a fazer tinturas, óleos, pomadas e chás com plantas medicinais locais..

15 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 2º Promoção de acções e acompanhamento das mães em matéria de alfabetização, formação pessoal, nutrição, puericultura e medicina natural. Formação das Mães em formação pessoal, cidadania e intervenção cívica. Inclui sessões sobre diferentes temáticas de formação humana: direitos da mulher, o HIV-SIDA, violência doméstica, educação dos filhos, planeamento familiar, alimentação saudável e higiene, medicina natural, alcoolismo e as suas consequências, entre outras.

16 4. O ORÇAMENTO 2012 RECEITAS Kuanzas Euros Donativos contribuição das famílias 200Kw x 160x 9meses , ,65 donativos em KW atv do ATLAS , ,65 contribuição do Atlas em espécie , ,99 contribuição da Congregação , ,00 Total , ,29 Demonstração dos Custos do Projecto DESPESAS POR NATUREZA Quant. Custo Unit. Custo Total 1. Recursos Humanos Professores 42000kw x 9 meses , , ,41 Coordenadora 36000kw x 9 meses , , ,35 Total , ,76 2. Material Escolar livros matemática , ,00 470,59 livros português , ,00 470,59 folhas aluno, pautas e certificados 300kw por aluno , ,00 352,94 cadernos , ,00 47,06 estojos , ,00 23,53 mochilas , ,00 639,71 giz branco 6 300,00 900,00 6,62 giz cor 3 500, ,00 11,03 quadro , ,00 58,82 cadeiras professor , ,00 14,71 mesas professor , ,00 44,12 Total , ,71 3. Biblioteca caixa de madeira para guardar livros , ,00 51,47 carimbo , ,00 36,76 Total ,00 88,24 4. Lanches 51200KW x 160 frutas crianças x 9meses 2 x semana 40, , ,24 leite em pó 30latas x 9meses 7,5 l x semana 2.000, , ,59 água 480lx9 meses 120l x semana 1, ,00 47,65 Total , ,47 5.Suporte Administrativo e Publicidade tinteiros, papel e fotocópias ,00 73,53 folhetos ,00 110,29 taxas bancárias 2% 5.107,28 37,55 Total ,28 221,38 6. Outros chinelos , ,00 352,94 imprevistos 5% ,00 641,79 Total ,00 994,74 Total Geral , ,29

17 Obtenção de Donativos: Para a viabilidade deste projecto é fundamental o apoio no ordenado mensal dos professores (6000kw), material escolar e os lanches para as crianças: Donativos em Angola: Banco Angolano de Negócios e Comércio Congregação das Irmãs de São Carlos Conta n /33/001 (EUR) IBAN: AO SWIFT: ANCEAOLU Donativos em Portugal: Montepio ATLAS Associação de Cooperação para o Desenvolvimento Projecto Crianças de Angola NIB IBAN PT BIC MPIOPTPL Em Portugal todos os donativos têm benefícios fiscais.

18 SCALABRINIANAS - Congregação das Irmãs Missionárias de S. Carlos Borromeu Encontra-se em Angola desde o ano 2000 Tem a responsabilidade da Coordenação Arquidiocesana da Pastoral para os Migrantes e Itinerantes em Luanda Tem a Direcção Nacional da Cáritas de Angola Tem um projecto com Mulheres migrantes Faz assessoria junto da Pastoral Paroqual ATLAS Associação de Cooperação para o Desenvolvimento É uma ONGD, fundada em 2008 com projectos em Portugal, Angola, Moçambique entre outros

19 Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Janeiro Dezembro 2012 Ano I

20 Um Projecto de: SCALABRINIANAS Congregação das Irmãs Missionárias de S. Carlos Borromeu Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Em Parceria com: ATLAS Associação de Cooperação para o Desenvolvimento

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Futuro Maior. Com uma contribuição única de 30 tem-se o poder de dar a alguém o inalcançável e mudar a sua vida para sempre, através de:

Futuro Maior. Com uma contribuição única de 30 tem-se o poder de dar a alguém o inalcançável e mudar a sua vida para sempre, através de: Objectivo Pela 1ª vez, no ano passado, a ONGD Helpo associou-se ao ACP (Automóvel Clube de Portugal) e à Câmara Municipal de Fronteira, na prova 24 Horas TT, Vila de Fronteira 2013. Várias empresas amigas

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

Gabinete de Gestão Financeira

Gabinete de Gestão Financeira Gabinete de Gestão Financeira Í N D I C E Pág. ORÇAMENTO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PARA 2 0 0 8 EVOLUÇÃO DA DESPESA CONSOLIDADA - 2007 / 2008 2 DESPESA CONSOLIDADA SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

Case-study Projeto de Assistência Técnica à Direção Nacional de Águas, Angola

Case-study Projeto de Assistência Técnica à Direção Nacional de Águas, Angola Promover Parcerias Win-Win no âmbito do mercado das multilaterais Direção Nacional de Águas, Angola Américo Abreu Ferreira (AdP-I) Henrique Gomes (TESE) 7 de junho de 2016 ENQUADRAMENTO DESIGNAÇÃO E OBJECTO

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades

A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades Workshop: A Graduação de Angola da Categoria de Países Menos Avançados (PMAs): Desafios e Oportunidades Luanda, 27 de Outubro de 2016 Graduação de Angola de PMA e os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX A tendência do número de nascimentos em Portugal neste período é de um decréscimo. O período de 1975 a 1977 contraria esta evolução devido a fatores

Leia mais

ORGANOGRAMA FERSAP. Órgãos Sociais

ORGANOGRAMA FERSAP. Órgãos Sociais ORGANOGRAMA FERSAP Órgãos Sociais Mesa da Assembleia Geral Conselho Executivo Conselho Fiscal e Disciplinar A FERSAP tem dois departamentos que correspondem aos seus principais fins estatutários: e, os

Leia mais

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Após a aprovação no último Conselho Pedagógico de 13 de Outubro de 2010, das líneas orientadoras para a definição das opções estratégicas do

Leia mais

Município da Samba - Província de Luanda

Município da Samba - Província de Luanda Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Projecto Integrado para o Desenvolvimento Sociocomunitário na Missão da Corimba - Município da Samba (Província de Luanda) Missão da Corimba - Sede Localização

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA. O potencial dos instrumentos de percussão tradicionais portugueses S E M I N Á R I O

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA. O potencial dos instrumentos de percussão tradicionais portugueses S E M I N Á R I O O potencial dos instrumentos de percussão tradicionais portugueses no ensino da música S E M I N Á R I O. acção de formação 2 D I A S 1 2 H O R A S R U I J Ú N I O R formador ObJECTIvOS O seminário tem

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO (UAN) REITORIA CENTRO de ESTUDOS de APOIO à FORMAÇÃO, INVESTIGAÇÃO e EXTENSÃO

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO (UAN) REITORIA CENTRO de ESTUDOS de APOIO à FORMAÇÃO, INVESTIGAÇÃO e EXTENSÃO UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO (UAN) REITORIA CENTRO de ESTUDOS de APOIO à FORMAÇÃO, INVESTIGAÇÃO e EXTENSÃO CEAFIE TEMA: Algumas Reflexões em Torno da Cooperação na Área de Investigação Científica Projecto

Leia mais

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS 1.1. A população: evolução e diferenças regionais 1.1.1. A evolução da população na 2ª metade do século XX Preparação para exame nacional Geografia A 1/8 Síntese: Evolução demográfica da população portuguesa

Leia mais

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO O requerimento deve ser preenchido manualmente.

Leia mais

BALANÇO DO ANO LECTIVO

BALANÇO DO ANO LECTIVO BALANÇO DO ANO LECTIVO 2015 www.isptec.co.ao Introdução No termo de mais um ano académico, torna-se imprescindível apresentar o Balanço do Ano Académico 2015, sempre no âmbito do cumprimento dos princípios

Leia mais

SALESIANOS DE DOM BOSCO. FAMILIA SALESIANA : Um vasto movimento de. EDUCAÇÃO dos jovens.

SALESIANOS DE DOM BOSCO. FAMILIA SALESIANA : Um vasto movimento de. EDUCAÇÃO dos jovens. SALESIANOS DE DOM BOSCO FAMILIA SALESIANA : Um vasto movimento de pessoas para a EDUCAÇÃO dos jovens. 1 ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL - ANGOLA SALESIANOS EM ANGOLA Salesianos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO

APRESENTAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Projeto Comum Rede 10 APRESENTAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Expositora: Marlene Bueno Zola Diretora Presidente Fundação Criança de São Bernardo Querétaro Fevereiro/2006 Localização Sudeste

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

1. MATRIZ DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO INICIAL PARA JOVENS E QUALIFICAÇÃO DE ADULTOS

1. MATRIZ DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO INICIAL PARA JOVENS E QUALIFICAÇÃO DE ADULTOS 1. MATRZ DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO NCAL PARA JOVENS E QUALFCAÇÃO DE ADULTOS Condições de Acesso Condições à Saída Modalidades Destinatários Grupo Etário Hab. Académicas Outras condições Duração Equivalência

Leia mais

A Vida é a nossa maior inspiração

A Vida é a nossa maior inspiração PLANO ACTIVIDADES & ORÇAMENTO 2017 A Vida é a nossa maior inspiração O ano de 2017 será um ano de crescimento. A partir de Janeiro de 2017, a Vida Norte alargará a sua intervenção para o concelho de Braga.

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO PESSOAL NÃO DOCENTE

FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO PESSOAL NÃO DOCENTE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO PESSOAL NÃO DOCENTE ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO E ENSINO NÃO SUPERIOR DIRECÇÃO GERAL DOS RECURSOS HUMANOS DA EDUCAÇÃO DIVISÃO DE APOIO À FORMAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

PEACEBUILDING PROCESSES AND STATE FAILURE STRATEGIES

PEACEBUILDING PROCESSES AND STATE FAILURE STRATEGIES Núcleo de Estudos para a Paz PEACEBUILDING PROCESSES AND STATE FAILURE STRATEGIES Lessons learned from three former Portuguese colonies Desafios à Cooperação Portuguesa Fundação Cidade de Lisboa 28.05.2007

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2017

Programa BIP/ZIP 2017 Programa BIP/ZIP 217 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 1 Novas GerAções Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 11-6 Lisboa Telefone: 21 322

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2017 RECEITAS

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2017 RECEITAS 38.000 - MINISTÉRIO DO TRABALHO - ENTIDADES 38.806 - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL RECEITAS RUBRICA/ESPECIFICAÇÃO 1000.00.00 RECEITAS CORRENTES 4.008.50 1200.00.00 RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES 3.150.00

Leia mais

MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO ou

MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO ou DADOS PESSOAIS NOME Data de Nascimento Nacionalidade Contacto Residência MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO 21de Maio de 1953 Angolana 912215832 ou 92372767 julietaoctavio21@hotmail.com julietaoctavio@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO EXTRA-ESCOLAR Regulada pelo Despacho nº 37 /SEEBS /93

EDUCAÇÃO EXTRA-ESCOLAR Regulada pelo Despacho nº 37 /SEEBS /93 EDUCAÇÃO EXTRA-ESCOLAR Regulada pelo Despacho nº 37 /SEEBS /93 ORIENTAÇÕES GERAIS 1. Os Cursos de Educação Extra-Escolar destinam-se, predominantemente, a indivíduos com baixos níveis de escolaridade que

Leia mais

PEQUENA CASA DA CRIANÇA

PEQUENA CASA DA CRIANÇA PROJETO REDE EXTENSIVA DE APRENDIZAGEM ENTIDADE BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO MISSÃO VISÃO VALORES IMPACTO DIAGNÓSTICO DA REGIÃO Pequena Casa da Criança CNPJ: 92.852.953/0001-04 Registrada sob o nº 429

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto. Mar de Oportunidades

Ficha de Caracterização de Projecto. Mar de Oportunidades Ficha de Caracterização de Projecto Mar de Oportunidades 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Mar de Oportunidades Promotor(es): Aporvela e Casa Pia de Lisboa Sigla Mar de Oportunidades Morada

Leia mais

TEXTO DE APOIO INTRODUTÓRIO À TAREFA: "TRABALHAR COM A FACTURA DA LUZ (DE ENERGIA ELÉCTRICA)"

TEXTO DE APOIO INTRODUTÓRIO À TAREFA: TRABALHAR COM A FACTURA DA LUZ (DE ENERGIA ELÉCTRICA) Exemplo retirado e adaptado da Sequência Didáctica 3 (pp. 41 a 43) de Carzola, Irene M e Santana, Eurivalda R. S. (2006). Tratamento da Informação para o Ensino Fundamental e Médio. Série Alfabetização

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Normas reguladoras do projeto. Praia Acessível Praia Para Todos

Normas reguladoras do projeto. Praia Acessível Praia Para Todos Normas reguladoras do projeto Praia Acessível Praia Para Todos As presentes normas tiveram a aprovação da Capitania do Porto de Cascais e da ARH Tejo e visam definir o projeto Praia Acessível Praia Para

Leia mais

Projecto Educativo. de Escola

Projecto Educativo. de Escola Projecto Educativo de Escola 2006/2010 Nota Introdutória P.E.E. No seu primeiro ano de implementação 2006/07, com o objectivo de trabalhar os problemas seleccionados: dificuldades sentidas nas relações

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

Regime Jurídico do Gás Natural em Angola

Regime Jurídico do Gás Natural em Angola AO A N G O L A O Gás Natural pode ser um elemento chave na estratégia de desenvolvimento de novas indústrias e polos industriais no país. O Gás Natural é uma energia em franca expansão em todo o Mundo

Leia mais

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio República de Moçambique Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Ponto de Situação, Progressos e Metas Conferência Cumprir Bissau Desafios e Contribuições da CPLP para o cumprimento dos ODMS 5 de Junho

Leia mais

Lisboa 2012 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2012 Refª: 047 Reajustar Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE Preâmbulo Considerando: - A importância que a área do desenvolvimento social assume na acção do Município de São Pedro do Sul; - O interesse

Leia mais

Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante

Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado

Leia mais

FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS

FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS 600.000 FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS CLIENTE FREQUENTE Poupe mais com esta solução integrada de produtos e serviços bancários e pague o mesmo todos os meses. MILLENNIUM. AQUI CONSIGO. www.millenniumbcp.pt

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

PROGRAMA PINHAL NOVO PALMELA E QUINTA DO ANJO MARATECA E POCEIRÃO

PROGRAMA PINHAL NOVO PALMELA E QUINTA DO ANJO MARATECA E POCEIRÃO PROGRAMA PINHAL NOVO PALMELA E QUINTA DO ANJO MARATECA E POCEIRÃO A diversidade dos espaços e dos tempos educativos remete cada vez mais para o conceito de Escola - Comunidade, aberta ao diálogo e à educação

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar (33 V4.02) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 051 BOUTIQUE DO BAIRRO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 A Rede Portuguesa de Reservas da Biosfera foi criada pela Comissão Nacional da UNESCO,

Leia mais

Orçamento aprovado: ,00 / só foram efectuadas 2 transferências no valor total de ,90AOA

Orçamento aprovado: ,00 / só foram efectuadas 2 transferências no valor total de ,90AOA OSC: Rede Mulher FORTALECIMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO E APLICABILIDADE SOBRE A LEI 25/11 entendendo e aplicando a lei contra a DV" para agentes de segurança pública e de investigação criminal entendendo e aplicando

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

REGULAMENTO Nº2/IPT/2006

REGULAMENTO Nº2/IPT/2006 REGULAMENTO Nº2/IPT/2006 Relativo à implementação de projectos/acções por Unidades Orgânicas e Unidades Funcionais do IPT Considerando o disposto no n.º 1 do artigo 8.º da lei de autonomia dos estabelecimentos

Leia mais

CLUSTER: Formação Para o Desenvolvimento Regional e Local

CLUSTER: Formação Para o Desenvolvimento Regional e Local ACTIVIDADE 1-A - Actualização de bibliotecas / mediatecas Nº de Volumes a adquirir Temáticas ACEP 5 Educação, Psicologia, Sociologia, Gestão e Economia Social ADPM 4 Ambiente, Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

Praznik Formação Monitores 2017

Praznik Formação Monitores 2017 Praznik Formação Monitores 2017 Índice: 1 Programa 1.1 Objectivos 1.2 A quem se destina 2 O Formando 2.1 Direitos e deveres 2.2 Assiduidade 2.3 Avaliação 3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador

Leia mais

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO Entre: *** com sede na..., pessoa colectiva nº..., matriculada na Conservatória do Registo Comercial de... sob o nº..., com o capital social de Euros..., de ora em diante

Leia mais

Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola

Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

Estás grávida? Podemos ajudar-te.

Estás grávida? Podemos ajudar-te. Estás grávida? Podemos ajudar-te. QUEM SOMOS? O Apoio à Vida é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) nascida em 1998 com a finalidade de ajudar, acolher e formar adolescentes e mulheres

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM DIRECÇÃO DE PLANEAMENTO E PROMOÇÃO DE EMPREGO Formulário de Candidatura EMPRESAS DE INSERÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) Vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável

Leia mais

PES 2011 / EB Salgueiro Maia

PES 2011 / EB Salgueiro Maia PES 2011 / 2012 Data 15 de Setembro de 2011 Professor(a) Página 1 de 9 ATIVIDADES OBJETIVOS INTERVENIENTES RECURSOS CALENDARIZA- Semana da Alimentação Reflexão sobre os lanches Reconhecer a importância

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 30 ANOS ( ) QUARTA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS MULHERES 10 ANOS (1995, PEQUIM)

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 30 ANOS ( ) QUARTA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS MULHERES 10 ANOS (1995, PEQUIM) Dia Internacional da Mulher (8 de Março) 1995-2005 04 de Março de 2005 DIA INTERNACIONAL DA MULHER 30 ANOS (1975 2005) QUARTA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS MULHERES 10 ANOS (1995, PEQUIM) No momento em

Leia mais

Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 031 Casa "Novo Respirar"

Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 031 Casa Novo Respirar Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 031 Casa "Novo Respirar" Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 088 Mediação Escolar Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017

PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017 PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017 - Ao longo do ano - Manutenção do blogue da BE - Divulgar as actividades no blogue - Promover a integração da BE na Escola -Difusão da informação educativa -

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Outubro de 2014 REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Nota justificativa (art.º 116.º do Código do Procedimento Administrativo)

Leia mais

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Saúde

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Saúde VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Saúde Documentação do Requerente Formulário de pedido de visto devidamente preenchido online (www.cgportugalemluanda.com) e assinado; Duas fotografias 3x4 (tipo passe), atualizadas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Um Pequeno Gesto Uma Grande Ajuda. Plano de Actividades 2008

Um Pequeno Gesto Uma Grande Ajuda. Plano de Actividades 2008 Um Pequeno Gesto Uma Grande Ajuda Plano de Actividades 2008 Agenda Apadrinhamento 2008 Projectos 2008 Orçamento 2008 Fontes de Financiamento Agradecimentos 2 Apadrinhamento As nossas crianças! Missão de

Leia mais

De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos. Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável

De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos. Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável Circular 8-1-006 de 1 de Fevereiro De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável Caros Irmãos Escutas A Direcção

Leia mais

2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO

2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO 2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO Aprovado em Conselho Pedagógico de 18 de novembro de 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES 4. MODALIDADES DE FORMAÇÃO 5. ÁREAS DE FORMAÇÃO 5.1.

Leia mais

Actividades Organizadores Destinatários Recursos Previsão de Custos Calendarização Sem custos. Alunos da Turma. Alunos da turma.

Actividades Organizadores Destinatários Recursos Previsão de Custos Calendarização Sem custos. Alunos da Turma. Alunos da turma. 1º período Estrutura Educativa: Conselho de Turma. Ensino Secundário 10ºAno 10º H 1 Resultados Escolares Promover a aquisição de saberes e o desenvolvimento de competências essenciais de cada disciplina/ano/ciclo

Leia mais

Agrupamento De Escolas Bartolomeu Gusmão E.B.1. Rainha Sta. Isabel

Agrupamento De Escolas Bartolomeu Gusmão E.B.1. Rainha Sta. Isabel Agrupamento De s Bartolomeu Gusmão E.B.1. Rainha Sta. Isabel 1 Introdução Planos anual e plurianual de actividades documentos de planeamento, que definem, em função do projecto educativo, os objectivos,

Leia mais

Estatuto dos Beneficios Fiscais

Estatuto dos Beneficios Fiscais Dedução ao rendimento Majoração à criação emprego para Jovens e empregados de longa duração Artº19º 14 x retribuição minima mensal garantida Valor = 14 x 485 eur = 6.790 eur 150% Este beneficio passa a

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2015

Programa BIP/ZIP 2015 Programa BIP/ZIP 2015 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 086 Ensaio HD Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21

Leia mais

RESIDÊNCIA UNIVERSITÁRIA DOS ÁLAMOS

RESIDÊNCIA UNIVERSITÁRIA DOS ÁLAMOS RESIDÊNCIA UNIVERSITÁRIA DOS ÁLAMOS NOVAS INSTALAÇÕES CATÁLOGO PARA OFERTAS Mais do que cama, mesa e roupa lavada o que já não seria pouco!, os Álamos têm sempre ido muito mais além de ser uma simples

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular.

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. O MODELO DE AUTO-AVALIA AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. ESRDL/CREM CREM/Carlos Carlos Carvalho 1 Interacção Sociedade-Escola Escola-NTI Vivemos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO ALEXANDRE HERCULANO Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO ALEXANDRE HERCULANO Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos Biblioteca /Centro de Recursos Educativos OBJECTIVOS ACTIVIDADES DATA LOCAL DINAMIZADORES DESTINATÁRIOS AVALIAÇÃO Divulgar as instalações, os documentos existentes e as modalidades de utilização dos mesmos

Leia mais

CALENDÁRIO GERAL DE ATIVIDADES PARA JANEIRO Oração

CALENDÁRIO GERAL DE ATIVIDADES PARA JANEIRO Oração CALENDÁRIO GERAL DE ATIVIDADES PARA 2014 AB Acampamento Baptista Departamento Feminino DH Departamento de Homens DJ Departamento da Juventude DM - Departamento de Missões Seminário Teológico Baptista DIR-CBP

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Memória das actividades da. no desenvolvimento educativo na Guiné-Bissau

Memória das actividades da. no desenvolvimento educativo na Guiné-Bissau Memória das actividades da ONGD SOGUIBA no desenvolvimento educativo na Guiné-Bissau ONGD SOGUIBA Solidariedade com Guiné-Bissau INTRODUÇÃO 1. Dados da Entidade Nome SOGUIBA ( Solidariedade com Guiné-Bissau

Leia mais

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Intercâmbio de Estudantes, Estágio Profissional e Voluntariado

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Intercâmbio de Estudantes, Estágio Profissional e Voluntariado VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Intercâmbio de Estudantes, Estágio Profissional e Voluntariado Documentação do Requerente Formulário de pedido de visto devidamente preenchido online (www.cgportugalemluanda.com)

Leia mais

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Transferência de Trabalhadores

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Transferência de Trabalhadores VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Transferência de Trabalhadores Documentação do Requerente Formulário de pedido de visto devidamente preenchido online (www.cgportugalemluanda.com) e assinado; Duas fotografias

Leia mais

GOVERNO PROVINCIAL DA CIDADE DE MAPUTO DIRECÇÃO DA JUSTIÇA DE MAPUTO CIDADE

GOVERNO PROVINCIAL DA CIDADE DE MAPUTO DIRECÇÃO DA JUSTIÇA DE MAPUTO CIDADE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO PROVINCIAL DA CIDADE DE MAPUTO DIRECÇÃO DA JUSTIÇA DE MAPUTO CIDADE O presente documento tem em vista apresentar de forma resumida as realizações da Direcção da Justiça

Leia mais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Darlinda Moreira Universidade Aberta ProfMat-2003 Santarém A complexidade da realidade social O mundo foi sempre multicultural, sempre coexistiram

Leia mais

Jurista/ Assessora jurídica/ Advogada

Jurista/ Assessora jurídica/ Advogada Informação Pessoal: Patrícia Cruz Gomes Rua Nova da Trindade n.º 1 5º S 1200-301 Lisboa 00351 91 3222194 patricia.gomes@sgpa.pt Género: Feminino Data de nascimento: 1973/12/31 Nacionalidade/Cidadania:

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição Junho de 2013 Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique 1 Breve Historial Mais de 70%vivem da agricultura Pequenos

Leia mais

ANEXO 14 FICHAS DE AVALIAÇÃO SOCIAL

ANEXO 14 FICHAS DE AVALIAÇÃO SOCIAL ANEXO 14 FICHAS DE AVALIAÇÃO SOCIAL 1 - FICHAS SOCIAIS (Esta ficha deve ser aplicada para todos os subprojetos e contempla o levantamento e demanda da área social, inclusive os povos tradicionais e demais

Leia mais

Escola: Nome: Nº: Turma:

Escola: Nome: Nº: Turma: Escola: Nome: Nº: Turma: Skimming e scanning Skimming e scanning são duas técnicas de leitura de textos. Utilizamos frequentemente estas duas técnicas em conjunto para poupar tempo na identificação, localização

Leia mais

Liberalização do Aborto em Portugal, 4 anos depois

Liberalização do Aborto em Portugal, 4 anos depois Liberalização do Aborto em Portugal, 4 anos depois Gabinete de Estudos da F.P.V. Coordenação Francisco Vilhena da Cunha (De)crescimento populacional 110 000 108 000 106 000 104 000 1º ano em que o número

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 081 HÁ VIDA NO PAÇO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA AGENDA LIPOR LIPOR 28 de Novembro de 2006

APRESENTAÇÃO DA AGENDA LIPOR LIPOR 28 de Novembro de 2006 APRESENTAÇÃO DA AGENDA LIPOR 2007 LIPOR 28 de Novembro de 2006 A Lipor Associação de Municípios - 1982 Gestão e tratamento de RSU 1 000 000 hab 230 colaboradores Horta da Formiga Centro de compostagem

Leia mais

Twendela kumwe Capacitação Institucional da Caritas de Angola Mercedes Pinto FEC ONGD. 2º Encontro Conhecimento e Cooperação 6 de junho de 2013

Twendela kumwe Capacitação Institucional da Caritas de Angola Mercedes Pinto FEC ONGD. 2º Encontro Conhecimento e Cooperação 6 de junho de 2013 Mercedes Pinto FEC ONGD 2º Encontro Conhecimento e Cooperação Objetivo geral Melhorar a eficiência e integração das intervenções da Caritas de Angola (CA) e de outras organizações envolvidas no trabalho

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 009 "Ajuda no Bairro"

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 009 Ajuda no Bairro Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 009 "Ajuda no Bairro" Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 031 CRIAR MUDANÇA ATRAVÉS ARTE URBANA Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73

Leia mais

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade?

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade? 1 2 QUEM SOMOS? Parte 1: Perfil da comunidade. Nome da comunidade: Estado onde se localiza: Município onde se localiza: 1.1. A que distância a sua comunidade fica da cidade? 1.2. Aproximadamente, quantas

Leia mais