Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas"

Transcrição

1 Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Janeiro Dezembro 2012 Ano I

2 Um Projecto de: SCALABRINIANAS Congregação das Irmãs Missionárias de S. Carlos Borromeu Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Em Parceria com: ATLAS Associação de Cooperação para o Desenvolvimento

3 1. CONTEXTO DE POBREZA EM ANGOLA, NOMEADAMENTE A SITUAÇÃO DA MULHER E DAS CRIANÇAS As mulheres e as crianças são as que mais sofrem os efeitos da pobreza no seio familiar, porque uma grande parte das famílias são chefiadas por mulheres (23,1%).

4 1. CONTEXTO DE POBREZA EM ANGOLA, NOMEADAMENTE A SITUAÇÃO DA MULHER E DAS CRIANÇAS Educação No âmbito do ensino é importante observar que o analfabetismo entre as mulheres é muito superior em relação ao dos homens: 74,1% contra 44%, respectivamente. A proporção das mulheres entre 15 a 24 anos que sabe ler e escrever de 67%, taxa que se agrava de forma expressiva considerando a área de residência. Apenas 40,5% das mulheres do meio rural sabem ler e escrever, contra 83% das mulheres do meio urbano. A considerar que o analfabetismo da mulher tem implicações directas para o bem estar das famílias, sendo um dos principais obstáculos da sua ascensão socioeconómica.

5 1. CONTEXTO DE POBREZA EM ANGOLA, NOMEADAMENTE A SITUAÇÃO DA MULHER E DAS CRIANÇAS Saúde A mortalidade das Mulheres no parto ou em situação relacionada com o parto mortes para cada 100 mil crianças nascidas vivas - uma das taxas mais altas do mundo Apenas metade da população feminina em condições de parto tem acesso a assistência de profissionais qualificados. A mortalidade materna é mais elevada para as mães solteiras, mais jovens, e sobretudo, com um nível educacional mais baixo.

6 2. O BAIRRO CAMBAMBA I é uma ocupação ilegal de terras e é formado por cerca de 200 famílias, oriundas das mais diversas regiões do país. Os casebres em que vivem são de chapas. Vivem em condições desumanas, assolados por todas as dificuldades típicas da pobreza extrema: o desemprego, o alcoolismo e o consumo de drogas, o analfabetismo das mulheres e das crianças, a falta de documentos de identificação pessoal como o registo de nascimento e o bilhete de identidade. Para além disso, falta água potável, energia eléctrica e acesso a cuidados básicos de saúde.

7 2. O BAIRRO CAMBAMBA I Situação das Crianças A situação familiar precária obriga as mães a procurarem trabalho, vendendo na praça, deixando as crianças entregues a elas próprias. É, por isso, frequente encontrar crianças de 5 anos responsáveis pela casa e a tomar conta dos bebés, em consequência, os acidentes domésticos são muito frequentes.

8 2. O BAIRRO CAMBAMBA I Situação das Crianças As escolas primárias da zona não têm capacidade para receber as crianças do bairro e os pais não tem recursos para matricular os filhos nas escolas privadas. Neste bairro, existem cerca de 160 crianças em idade escolar, sem acesso à rede geral de ensino.

9 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Objectivos Gerais Promover os meios necessários para tornar possível os serviços/actividades de formação humana e educativa, que facilitem o desenvolvimento pessoal das crianças e, consequentemente, também das mães. Estas, vivendo com maior dignidade, podem tornar-se agentes de desenvolvimento no seio de suas famílias e na comunidade.

10 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Objectivos Específicos 1º Dar acesso às crianças à aprendizagem básica da língua e de noções de matemática e aritmética, através do método de alfabetização, com vista à sua futura integração no método norma de ensino de acordo com a sua idade. 2º Facilitar às mães cursos de desenvolvimento pessoal, familiar e profissional que melhorem o seu papel de mães na família e na sociedade.

11 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 1º Organização de cursos de Alfabetização para as crianças em idade escolar, contrariando assim a tendência para o facto de crianças entre os 6 e os 14 anos nunca terem frequentado a escola. 2º Promoção de acções e acompanhamento das mães em matéria de alfabetização, formação pessoal, nutrição, puericultura e medicina natural.

12 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 1º Organização de cursos de Alfabetização para crianças em idade escolar, de Fevereiro a Dezembro e2º anos 160 crianças

13 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 2º Promoção de acções e acompanhamento das mães em matéria de alfabetização, formação pessoal, nutrição, puericultura e medicina natural. Há 6 turmas no Bairro, num total de 162 alunas e 8 formadores. O método usado é o método Paulo Freire, adaptado como programa rápido pelos Salesianos e reconhecido pelo Ministério da Educação de Angola.

14 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 2º Promoção de acções e acompanhamento das mães em matéria de alfabetização, formação pessoal, nutrição, puericultura e medicina natural. Formação das Mães em Medicina Natural dos Trópicos As mulheres aprendem a fazer tinturas, óleos, pomadas e chás com plantas medicinais locais..

15 3. O PROJECTO CRIANÇAS DE ANGOLA - BAIRRO CAMBAMBA I Plano de Actividades 2º Promoção de acções e acompanhamento das mães em matéria de alfabetização, formação pessoal, nutrição, puericultura e medicina natural. Formação das Mães em formação pessoal, cidadania e intervenção cívica. Inclui sessões sobre diferentes temáticas de formação humana: direitos da mulher, o HIV-SIDA, violência doméstica, educação dos filhos, planeamento familiar, alimentação saudável e higiene, medicina natural, alcoolismo e as suas consequências, entre outras.

16 4. O ORÇAMENTO 2012 RECEITAS Kuanzas Euros Donativos contribuição das famílias 200Kw x 160x 9meses , ,65 donativos em KW atv do ATLAS , ,65 contribuição do Atlas em espécie , ,99 contribuição da Congregação , ,00 Total , ,29 Demonstração dos Custos do Projecto DESPESAS POR NATUREZA Quant. Custo Unit. Custo Total 1. Recursos Humanos Professores 42000kw x 9 meses , , ,41 Coordenadora 36000kw x 9 meses , , ,35 Total , ,76 2. Material Escolar livros matemática , ,00 470,59 livros português , ,00 470,59 folhas aluno, pautas e certificados 300kw por aluno , ,00 352,94 cadernos , ,00 47,06 estojos , ,00 23,53 mochilas , ,00 639,71 giz branco 6 300,00 900,00 6,62 giz cor 3 500, ,00 11,03 quadro , ,00 58,82 cadeiras professor , ,00 14,71 mesas professor , ,00 44,12 Total , ,71 3. Biblioteca caixa de madeira para guardar livros , ,00 51,47 carimbo , ,00 36,76 Total ,00 88,24 4. Lanches 51200KW x 160 frutas crianças x 9meses 2 x semana 40, , ,24 leite em pó 30latas x 9meses 7,5 l x semana 2.000, , ,59 água 480lx9 meses 120l x semana 1, ,00 47,65 Total , ,47 5.Suporte Administrativo e Publicidade tinteiros, papel e fotocópias ,00 73,53 folhetos ,00 110,29 taxas bancárias 2% 5.107,28 37,55 Total ,28 221,38 6. Outros chinelos , ,00 352,94 imprevistos 5% ,00 641,79 Total ,00 994,74 Total Geral , ,29

17 Obtenção de Donativos: Para a viabilidade deste projecto é fundamental o apoio no ordenado mensal dos professores (6000kw), material escolar e os lanches para as crianças: Donativos em Angola: Banco Angolano de Negócios e Comércio Congregação das Irmãs de São Carlos Conta n /33/001 (EUR) IBAN: AO SWIFT: ANCEAOLU Donativos em Portugal: Montepio ATLAS Associação de Cooperação para o Desenvolvimento Projecto Crianças de Angola NIB IBAN PT BIC MPIOPTPL Em Portugal todos os donativos têm benefícios fiscais.

18 SCALABRINIANAS - Congregação das Irmãs Missionárias de S. Carlos Borromeu Encontra-se em Angola desde o ano 2000 Tem a responsabilidade da Coordenação Arquidiocesana da Pastoral para os Migrantes e Itinerantes em Luanda Tem a Direcção Nacional da Cáritas de Angola Tem um projecto com Mulheres migrantes Faz assessoria junto da Pastoral Paroqual ATLAS Associação de Cooperação para o Desenvolvimento É uma ONGD, fundada em 2008 com projectos em Portugal, Angola, Moçambique entre outros

19 Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Janeiro Dezembro 2012 Ano I

20 Um Projecto de: SCALABRINIANAS Congregação das Irmãs Missionárias de S. Carlos Borromeu Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Em Parceria com: ATLAS Associação de Cooperação para o Desenvolvimento

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX A tendência do número de nascimentos em Portugal neste período é de um decréscimo. O período de 1975 a 1977 contraria esta evolução devido a fatores

Leia mais

Futuro Maior. Com uma contribuição única de 30 tem-se o poder de dar a alguém o inalcançável e mudar a sua vida para sempre, através de:

Futuro Maior. Com uma contribuição única de 30 tem-se o poder de dar a alguém o inalcançável e mudar a sua vida para sempre, através de: Objectivo Pela 1ª vez, no ano passado, a ONGD Helpo associou-se ao ACP (Automóvel Clube de Portugal) e à Câmara Municipal de Fronteira, na prova 24 Horas TT, Vila de Fronteira 2013. Várias empresas amigas

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

SALESIANOS DE DOM BOSCO. FAMILIA SALESIANA : Um vasto movimento de. EDUCAÇÃO dos jovens.

SALESIANOS DE DOM BOSCO. FAMILIA SALESIANA : Um vasto movimento de. EDUCAÇÃO dos jovens. SALESIANOS DE DOM BOSCO FAMILIA SALESIANA : Um vasto movimento de pessoas para a EDUCAÇÃO dos jovens. 1 ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL - ANGOLA SALESIANOS EM ANGOLA Salesianos

Leia mais

A Vida é a nossa maior inspiração

A Vida é a nossa maior inspiração PLANO ACTIVIDADES & ORÇAMENTO 2017 A Vida é a nossa maior inspiração O ano de 2017 será um ano de crescimento. A partir de Janeiro de 2017, a Vida Norte alargará a sua intervenção para o concelho de Braga.

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

Gabinete de Gestão Financeira

Gabinete de Gestão Financeira Gabinete de Gestão Financeira Í N D I C E Pág. ORÇAMENTO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PARA 2 0 0 8 EVOLUÇÃO DA DESPESA CONSOLIDADA - 2007 / 2008 2 DESPESA CONSOLIDADA SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

Estás grávida? Podemos ajudar-te.

Estás grávida? Podemos ajudar-te. Estás grávida? Podemos ajudar-te. QUEM SOMOS? O Apoio à Vida é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) nascida em 1998 com a finalidade de ajudar, acolher e formar adolescentes e mulheres

Leia mais

PROGRAMA PINHAL NOVO PALMELA E QUINTA DO ANJO MARATECA E POCEIRÃO

PROGRAMA PINHAL NOVO PALMELA E QUINTA DO ANJO MARATECA E POCEIRÃO PROGRAMA PINHAL NOVO PALMELA E QUINTA DO ANJO MARATECA E POCEIRÃO A diversidade dos espaços e dos tempos educativos remete cada vez mais para o conceito de Escola - Comunidade, aberta ao diálogo e à educação

Leia mais

Lisboa 2012 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2012 Refª: 047 Reajustar Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO O requerimento deve ser preenchido manualmente.

Leia mais

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade?

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade? 1 2 QUEM SOMOS? Parte 1: Perfil da comunidade. Nome da comunidade: Estado onde se localiza: Município onde se localiza: 1.1. A que distância a sua comunidade fica da cidade? 1.2. Aproximadamente, quantas

Leia mais

BALANÇO DO ANO LECTIVO

BALANÇO DO ANO LECTIVO BALANÇO DO ANO LECTIVO 2015 www.isptec.co.ao Introdução No termo de mais um ano académico, torna-se imprescindível apresentar o Balanço do Ano Académico 2015, sempre no âmbito do cumprimento dos princípios

Leia mais

Normas reguladoras do projeto. Praia Acessível Praia Para Todos

Normas reguladoras do projeto. Praia Acessível Praia Para Todos Normas reguladoras do projeto Praia Acessível Praia Para Todos As presentes normas tiveram a aprovação da Capitania do Porto de Cascais e da ARH Tejo e visam definir o projeto Praia Acessível Praia Para

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 088 Mediação Escolar Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Liberalização do Aborto em Portugal, 4 anos depois

Liberalização do Aborto em Portugal, 4 anos depois Liberalização do Aborto em Portugal, 4 anos depois Gabinete de Estudos da F.P.V. Coordenação Francisco Vilhena da Cunha (De)crescimento populacional 110 000 108 000 106 000 104 000 1º ano em que o número

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Sugestões pedagógicas para orientar a leitura dos livros da Biblioteca Digital Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Atividades para trabalhar os temas: Tolerância intercultural

Leia mais

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS 1.1. A população: evolução e diferenças regionais 1.1.1. A evolução da população na 2ª metade do século XX Preparação para exame nacional Geografia A 1/8 Síntese: Evolução demográfica da população portuguesa

Leia mais

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Programa Cidadania Ativa Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Carta da Cidadania Infantojuvenil A Carta da Cidadania Infantojuvenil (Carta)

Leia mais

TEXTO DE APOIO INTRODUTÓRIO À TAREFA: "TRABALHAR COM A FACTURA DA LUZ (DE ENERGIA ELÉCTRICA)"

TEXTO DE APOIO INTRODUTÓRIO À TAREFA: TRABALHAR COM A FACTURA DA LUZ (DE ENERGIA ELÉCTRICA) Exemplo retirado e adaptado da Sequência Didáctica 3 (pp. 41 a 43) de Carzola, Irene M e Santana, Eurivalda R. S. (2006). Tratamento da Informação para o Ensino Fundamental e Médio. Série Alfabetização

Leia mais

PEQUENA CASA DA CRIANÇA

PEQUENA CASA DA CRIANÇA PROJETO REDE EXTENSIVA DE APRENDIZAGEM ENTIDADE BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO MISSÃO VISÃO VALORES IMPACTO DIAGNÓSTICO DA REGIÃO Pequena Casa da Criança CNPJ: 92.852.953/0001-04 Registrada sob o nº 429

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

Projecto de Enfermagem para a Parentalidade

Projecto de Enfermagem para a Parentalidade Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida BEM-ME-QUER Projecto de Enfermagem para a Parentalidade Alexandra Correia Ana Rita Castro Vieira Susana Ferreira ULSM 18 Dezembro 2010 UCC SH estreita

Leia mais

Município da Samba - Província de Luanda

Município da Samba - Província de Luanda Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Projecto Integrado para o Desenvolvimento Sociocomunitário na Missão da Corimba - Município da Samba (Província de Luanda) Missão da Corimba - Sede Localização

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais 1 Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais Quais as mudanças e as continuidades ocorridas nestas famílias entre 1991-2011? Qual o impacto das mudanças na conjugalidade e na parentalidade,

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto. Mar de Oportunidades

Ficha de Caracterização de Projecto. Mar de Oportunidades Ficha de Caracterização de Projecto Mar de Oportunidades 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Mar de Oportunidades Promotor(es): Aporvela e Casa Pia de Lisboa Sigla Mar de Oportunidades Morada

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Outubro de 2014 REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Nota justificativa (art.º 116.º do Código do Procedimento Administrativo)

Leia mais

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal CLDS Setúbal Entidades Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal Executoras ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (Bela Vista e zona envolvente) APACCF - Associação de Professores

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE Luanda, 06 Outubro de 2015 PLANO DE APRESENTAÇÃO Caracterização geográfica, demográfica e administrativa de Angola Evolução

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA AGENDA LIPOR LIPOR 28 de Novembro de 2006

APRESENTAÇÃO DA AGENDA LIPOR LIPOR 28 de Novembro de 2006 APRESENTAÇÃO DA AGENDA LIPOR 2007 LIPOR 28 de Novembro de 2006 A Lipor Associação de Municípios - 1982 Gestão e tratamento de RSU 1 000 000 hab 230 colaboradores Horta da Formiga Centro de compostagem

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA Seminário Política Brasileira de Educação ao Longo da Vida. Porto Seguro, 16 a 18 de setembro

Leia mais

ESTUDO DE CASO EXPLORATÓRIO QUESTÕES DE GÊNERO

ESTUDO DE CASO EXPLORATÓRIO QUESTÕES DE GÊNERO ESTUDO DE CASO EXPLORATÓRIO QUESTÕES DE GÊNERO A EXPERIÊNCIA DO PCPR/ RN Coordenação BIRD: Fatima Amazonas Tulio Barbosa Alberto Costa Claudia Romano Apresentação: Ana Guedes SEPLAN/RN PCPR II: RESUMO

Leia mais

Projecto Educativo. de Escola

Projecto Educativo. de Escola Projecto Educativo de Escola 2006/2010 Nota Introdutória P.E.E. No seu primeiro ano de implementação 2006/07, com o objectivo de trabalhar os problemas seleccionados: dificuldades sentidas nas relações

Leia mais

CURITIBA - PR habitantes habitantes ,84 hab/km². 76,30 anos. População : Estimativa populacional - 2.

CURITIBA - PR habitantes habitantes ,84 hab/km². 76,30 anos. População : Estimativa populacional - 2. CURITIBA - PR População - 2.010: 1.751.907 habitantes Estimativa populacional - 2.016: 1.893.997 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010: 0,99% Densidade demográfica - 2.010: 4.024,84 hab/km²

Leia mais

FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS

FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS 600.000 FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS CLIENTE FREQUENTE Poupe mais com esta solução integrada de produtos e serviços bancários e pague o mesmo todos os meses. MILLENNIUM. AQUI CONSIGO. www.millenniumbcp.pt

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 017 MARVILA RECICLA Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DIÁRIA 11/01/2011

PLANIFICAÇÃO DIÁRIA 11/01/2011 INSTITUIÇÃO FORMADORA: ISEC CURSO: Mestrado de Qualificação para a Docência em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º ciclo do ensino Básico PLANIFICAÇÃO DIÁRIA 11/01/2011 INSTITUIÇÃO DE INTERVENÇÃO: Jardim

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar (33 V4.02) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF 1988-2011 CLÁUDIA COSTA; RITA SANTOS; ADRIANA LOUREIRO; PAULA SANTANA Intervenção do IMVF Perfil Instituto

Leia mais

DEMOGRÁFICO EM MOÇAMBIQUE: OPORTUNID OPOR ADES TUNID

DEMOGRÁFICO EM MOÇAMBIQUE: OPORTUNID OPOR ADES TUNID DIVIDENDO DEMOGRÁFICO EM MOÇAMBIQUE: OPORTUNIDADES E DESAFIOS Carlos Arnaldo Maputo, 18 de Setembro de 2015 Roteiro 1. Introdução; 2. Objectivo e metodologia; 3. O que é o dividendo demográfico? 4. A dinâmica

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática Secretaria de Atenção à Saúde - SAS

Leia mais

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) Vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 031 CRIAR MUDANÇA ATRAVÉS ARTE URBANA Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73

Leia mais

Actividades Organizadores Destinatários Recursos Previsão de Custos Calendarização Sem custos. Alunos da Turma. Alunos da turma.

Actividades Organizadores Destinatários Recursos Previsão de Custos Calendarização Sem custos. Alunos da Turma. Alunos da turma. 1º período Estrutura Educativa: Conselho de Turma. Ensino Secundário 10ºAno 10º H 1 Resultados Escolares Promover a aquisição de saberes e o desenvolvimento de competências essenciais de cada disciplina/ano/ciclo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE Preâmbulo Considerando: - A importância que a área do desenvolvimento social assume na acção do Município de São Pedro do Sul; - O interesse

Leia mais

De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos. Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável

De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos. Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável Circular 8-1-006 de 1 de Fevereiro De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável Caros Irmãos Escutas A Direcção

Leia mais

MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO ou

MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO ou DADOS PESSOAIS NOME Data de Nascimento Nacionalidade Contacto Residência MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO 21de Maio de 1953 Angolana 912215832 ou 92372767 julietaoctavio21@hotmail.com julietaoctavio@gmail.com

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA (Decreto-Lei 203/2006, de 27 de Outubro) Guarda Nacional Republicana (GNR) Forças de Segurança Polícia de Segurança Pública (PSP) Forças de Segurança Serviço de Estrangeiros

Leia mais

MEALHADA DEDICA SEMANA AO COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

MEALHADA DEDICA SEMANA AO COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL MEALHADA DEDICA SEMANA AO COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL A Câmara Municipal da Mealhada vai dedicar a semana de 15 a 22 de outubro ao combate à pobreza e à exclusão social, promovendo diversas iniciativas,

Leia mais

Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante

Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado

Leia mais

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 25 de Novembro de 2009 A publicação Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007, apresenta,

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 081 EVA - RE:ACT Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Programa Operacional Emprego Formação e Desenvolvimento Social. Eixo 5 Promoção do Desenvolvimento Social. Medida 5.1. Apoio ao Desenvolvimento Social

Programa Operacional Emprego Formação e Desenvolvimento Social. Eixo 5 Promoção do Desenvolvimento Social. Medida 5.1. Apoio ao Desenvolvimento Social Programa Operacional Emprego Formação e Desenvolvimento Social Eixo 5 Promoção do Desenvolvimento Social Medida 5.1. Apoio ao Desenvolvimento Social 1 Entidade Promotora Entidade Formadora MultiAveiro,

Leia mais

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT)

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Departamento de Saúde Pública JOVENS E TABACO - COMO INTERVIR? ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Rosa Branca Mansilha DSP da ARS Norte 29 Novembro 2013 PELT 2006-2009 PROGRAMA Escolas

Leia mais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Darlinda Moreira Universidade Aberta ProfMat-2003 Santarém A complexidade da realidade social O mundo foi sempre multicultural, sempre coexistiram

Leia mais

II Encontro de Benchmarking dos Enfermeiros Especialistas de Saúde Infantil e Pediátrica. Projecto de Enfermagem para a Parentalidade ME-QUER

II Encontro de Benchmarking dos Enfermeiros Especialistas de Saúde Infantil e Pediátrica. Projecto de Enfermagem para a Parentalidade ME-QUER II Encontro de Benchmarking dos Enfermeiros Especialistas de Saúde Infantil e Pediátrica Projecto de Enfermagem para a Parentalidade BEM-ME ME-QUER Fundação Bissaya Barreto 16 de Outubro de 2009 BEM-ME-QUER

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

PES 2011 / EB Salgueiro Maia

PES 2011 / EB Salgueiro Maia PES 2011 / 2012 Data 15 de Setembro de 2011 Professor(a) Página 1 de 9 ATIVIDADES OBJETIVOS INTERVENIENTES RECURSOS CALENDARIZA- Semana da Alimentação Reflexão sobre os lanches Reconhecer a importância

Leia mais

Módulo 4 do curso: Diagnóstico Comunitário Participativo.

Módulo 4 do curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Módulo 4 do curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. 1 2 Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Créditos Coordenação: Gleyse Peiter e Marcos Carmona. Modelo do questionário: Marcelo Vale Elaboração

Leia mais

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também,

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, o facto de o insucesso escolar aumentar à medida que

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise

AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise Biblioteca Municipal de Castelo Branco 03 de abril de 2013 A ação de formação é realizada no âmbito do Projeto Saber viver em tempos de crise, apoiado financeiramente

Leia mais

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO Entre: *** com sede na..., pessoa colectiva nº..., matriculada na Conservatória do Registo Comercial de... sob o nº..., com o capital social de Euros..., de ora em diante

Leia mais

Como superar a precariedade do emprego feminino

Como superar a precariedade do emprego feminino Como superar a precariedade do emprego feminino Ana Flávia Machado (Cedeplar/UFMG) Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Fatos estilizados Radical mudança do papel das mulheres

Leia mais

Formação Financeira para a Inclusão Projeto de intervenção: Saber viver em Tempos de crise Fernanda Santos

Formação Financeira para a Inclusão Projeto de intervenção: Saber viver em Tempos de crise Fernanda Santos Formação Financeira para a Inclusão Projeto de intervenção: Saber viver em Tempos de crise Fernanda Santos Contexto Crise financeira mundial Crise económica e social em Portugal Inquérito à literacia

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Balcão Único é um projecto que visa criar facilidades aos investimentos reduzindo as barreiras administrativas;

Balcão Único é um projecto que visa criar facilidades aos investimentos reduzindo as barreiras administrativas; O QUE É? da Zambézia O QUE É BALCÃO ÚNICO? Balcão Único é um projecto que visa criar facilidades aos investimentos reduzindo as barreiras administrativas; É um serviço de informação e atendimento permanente

Leia mais

O Sonho. Intervenção pela Arte. Educação para todos. Realização de espectáculos nacionais e internacionais. Associação/ Cooperativa

O Sonho. Intervenção pela Arte. Educação para todos. Realização de espectáculos nacionais e internacionais. Associação/ Cooperativa O Sonho Intervenção pela Arte Educação para todos Realização de espectáculos nacionais e internacionais Associação/ Cooperativa Estado de Arte O que tem acontecido em Portugal ao nível do serviço educativo?

Leia mais

Protocolo. Data de. Entidade. Definição de articulação técnica DGSP

Protocolo. Data de. Entidade. Definição de articulação técnica DGSP s Entidade Data de DGSP 01.06.1984 Instituto de Apoio à Emigração e Comunidades Portuguesas 01.08.1993 Fundação para o Desenvolvimento das Tecnologias da Educação 14.02.2004 Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM 1 - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Unidade: Campus Jataí - UFG Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem pediátrica e neonatológica I Código: 8282

Leia mais

cüé} Ü xvxàé v àé a a Å `âäà áàâüt Zâ Z Ç â U Ç áát U â áát

cüé} Ü xvxàé v àé a a  Å `âäà áàâüt  Zâ Z Ç â U Ç áát U â áát cüé}xvàé a ^âåx ftu @`âäà Å áàâüt `âäà Å áàâüt@ @Vtv{xâ@ Zâ Ç U áátâ OBJECTIVOS GLOBAIS: Prevenir e combater c a desnutrição das grávidas e das crianças dos 0 aos 5 anos através da produção e comercialização

Leia mais

Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola

Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

Caracterização. dos Territórios de Identidade. da Bahia. LidaS. Território 26 - Região Metropolitana de Salvador. instituto

Caracterização. dos Territórios de Identidade. da Bahia. LidaS. Território 26 - Região Metropolitana de Salvador. instituto Caracterização dos Territórios de Identidade da Bahia Território 26 - Região Metropolitana de Salvador instituto LidaS Caracterização dos Territórios de Identidade Território 26 - Metropolitana de Salvador

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

PROJETO ARTESANATO PARA A FAMÍLIA EM BENEFÍCIO DA EDUCAÇÃO EMEF ALFREDO DE OLIVEIRA CEZAR BAIRRO LINHARES LOCALIDADE: BAIRRO LINHARES

PROJETO ARTESANATO PARA A FAMÍLIA EM BENEFÍCIO DA EDUCAÇÃO EMEF ALFREDO DE OLIVEIRA CEZAR BAIRRO LINHARES LOCALIDADE: BAIRRO LINHARES 1 PROJETO ARTESANATO PARA A FAMÍLIA EM BENEFÍCIO DA EDUCAÇÃO EMEF ALFREDO DE OLIVEIRA CEZAR BAIRRO LINHARES LOCALIDADE: BAIRRO LINHARES COORDENADORA: PROFª BRUNA LINHATI DE OLIVEIRA DIRETORA: PROFª ROSANE

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 17 de Junho de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Visto de Curta Duração: Visita Familiar: ( Todas as traduções tem que ser para português ou inglês, autenticadas no notário):

Visto de Curta Duração: Visita Familiar: ( Todas as traduções tem que ser para português ou inglês, autenticadas no notário): Visto de Curta Duração: Visita Familiar: ( Todas as traduções tem que ser para português ou inglês, autenticadas no notário): 1) Convite com termo de responsabilidade (incluindo despesas de alojamento,

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

GOVERNO PROVINCIAL DA CIDADE DE MAPUTO DIRECÇÃO DA JUSTIÇA DE MAPUTO CIDADE

GOVERNO PROVINCIAL DA CIDADE DE MAPUTO DIRECÇÃO DA JUSTIÇA DE MAPUTO CIDADE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO PROVINCIAL DA CIDADE DE MAPUTO DIRECÇÃO DA JUSTIÇA DE MAPUTO CIDADE O presente documento tem em vista apresentar de forma resumida as realizações da Direcção da Justiça

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

O valor mínimo de despesas elegíveis por projecto Euros; O valor máximo de despesas elegíveis por projecto Euros.

O valor mínimo de despesas elegíveis por projecto Euros; O valor máximo de despesas elegíveis por projecto Euros. 1. INVESTIMENTOS 1.1 INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURAS Apoio financeiro a iniciativas de investimento em infra-estruturas de natureza colectiva que defendam e preservem actividades culturais e recreativas,

Leia mais

A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA EM ÁREAS PERI-URBANAS GRANDES CIDADES DE MOÇAMBIQUE

A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA EM ÁREAS PERI-URBANAS GRANDES CIDADES DE MOÇAMBIQUE A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA EM ÁREAS PERI-URBANAS GRANDES CIDADES DE MOÇAMBIQUE Marseilles, Março de 2012 Orador: Pedro Paulino Contexto Peri-urbano Água urbana em Moçambique População: Total: 23,700,715

Leia mais

O Paradigma da Habitação Social

O Paradigma da Habitação Social O Paradigma da Habitação Social A HABISOLVIS E.M., criada em 2004 tem como objecto social principal: A gestão social, patrimonial e financeira da habitação social património do município de Viseu; A gestão

Leia mais

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009 FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO Lisboa, 20 de Junho de 2009 INTRODUÇÃO O FUNAB é uma pessoa colectiva, de direito público, com personalidade jurídica e dotado

Leia mais

PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE Ano lectivo 2009/2010 PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE Equipa: Ana Luísa Leal António Sousa Célia Oliveira Justa Costa PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE 1º PERÍODO ÁREA de INTERVENÇÃO- HÁBITOS ALIMENTARES DEFICITÁRIOS

Leia mais