20 ANOS DO MST E A PERSPECTIVA DA REFORMA AGRÁRIA NO GOVERNO LULA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "20 ANOS DO MST E A PERSPECTIVA DA REFORMA AGRÁRIA NO GOVERNO LULA"

Transcrição

1 20 ANOS DO MST E A PERSPECTIVA DA REFORMA AGRÁRIA NO GOVERNO LULA Bernardo Mançano Fernandes Departamento de Geografia UNESP Campus de Presidente Prudente Introdução Nos últimos 20 anos, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra MST organizou-se em todas as regiões do país, tornando-se o mais expressivo movimento camponês brasileiro. Para analisar essa realidade, elaboramos um ensaio teórico que tem como conceitos principais o processo de territorialização, a destruição e a recriação do campesinato. Na primeira parte do texto, apresentamos os três momentos da formação do MST, estudando as formas de luta dos sem-terra na construção de espaços de socialização política para a conquista da terra de trabalho. Na segunda parte, fasemos uma reflexão a respeito das perspectivas da realização da reforma agrária no governo de Luis Inácio Lula da Silva, eleito em Nossas pesquisas foram realizadas em escala nacional e corresponde a segunda metade do século XX. Aprofundamos nossos estudos com o objetivo de explicar a forma de organização do MST e a sua territorialização na implantação de assentamentos rurais, resultados da ocupação da terra. Essa realidade tem revelado uma importante política de desenvolvimento territorial e de ressocialização de parte dos trabalhadores excluídos do processo produtivo. A territorialização é um processo de expansão de uma relação de poder no espaço geográfico. A expansão ocorre com a ampliação da área do território e sua multiplicação. No campo, a territorialização ocorre pela expansão de uma determinada relação social. Nesse caso há dois tipos de relações sociais que tem se confrontado historicamente: a propriedade capitalista e a propriedade camponesa. A territorialização do capital promove a desterritorialização do campesinato e vice-versa. Nesse estudo da formação do MST, procuramos compreender o processo de recriação do campesinato por ele mesmo, através da ocupação da terra. Com esse objetivo, desenvolvemos um ensaio teórico para explicar as formas de lutas e de resistência na luta pela conquista da terra de trabalho. Contestamos as teses do fim do campesinato, que vem sendo defendida desde o final século XIX e que foi reafirmada no final do século XX, por Hobsbawm, 1995, entre diversos outros cientistas. Neste mesmo final de século, vimos nascer a Via Campesina, uma

2 2 articulação mundial dos movimentos camponeses, realizando lutas em escala internacional pela defesa dos direitos dos pequenos agricultores. O campesinato vem sendo destruído e recriado continuamente de diversas formas: por políticas de compra de terras para pequenos agricultores, com apoio do Banco Mundial, pelo arrendamento de terras pelos grandes proprietários e pelas ocupações terras, que ocorrem na América Latina, na África e na Ásia. A diminuição da população camponesa em todo o mundo não pode ser compreendida sem a análise das políticas agrícolas que os excluem, das políticas de desenvolvimento urbano que estão produzindo cidades insustentáveis e da territorialização das multinacionais que controlam cada vez mais a terra e água nos países em desenvolvimento. De fato, em quase todos os países do mundo, ele é tratado como resíduo de uma sociedade que se modernizou. Todavia, as teses do fim do campesinato insistem em querer ignorar o sentido da sua resistência e também não explica como ficaria o mundo sem a existência do campesinato. Com o desenvolvimento tecnológico promovido neste momento de pós industrialização, que gerou o desemprego estrutural, a agricultura familiar é uma possibilidade para a geração de trabalho e desenvolvimento. Nessa realidade, a idéia do fim do campesinato pela inserção destes trabalhadores no mercado de trabalho torna-se, cada vez mais, uma impossibilidade, principalmente com a mecanização e robotização do setor industrial. Nesse sentido, a luta pela terra é uma luta de ressocialização e de desenvolvimento territorial. É nesse contexto que compreendermos a formação e a territorialização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Essa luta se constitui no campo das possibilidades dos processos de transformação da sociedade. Esse tem sido um movimento de avanços e refluxos de um processo em permanente construção. Caminhando na contra-corrente das teses do capitalismo agrário, compreendemos o campesinato como uma forma de organização e desenvolvimento fundamental para a construção de um mundo mais justo. MST - 20 anos de territorialização: desafios, refluxos e resistência No dia 22 de janeiro de 2004, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST completou 20 anos de existência. É o movimento camponês de caráter não sindical com vida mais longa da história do Brasil. Esse tempo refere-se à data oficial de sua fundação, com a realização do Primeiro Encontro Nacional, realizado no município de Cascavel, Estado do Paraná, nos dias 20 a 22 de janeiro de Todavia, essa vida é mais longa, em torno de 25 anos, se considerarmos que a gestação do Movimento começou no ano de 1979, quando aconteceram as primeiras lutas de resistência na terra e ocupações de terra nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

3 3 O nascimento do MST foi resultado da intensificação da questão agrária. A ditadura militar ( ) intensificou a questão agrária com a implantação de um modelo de desenvolvimento da agropecuária que privilegiou a agricultura capitalista em detrimento da agricultura camponesa. Este modelo dinamizou a territorialização do capital no campo, por todas as regiões do País, principalmente com a expansão da soja, da cana-de-açúcar e da pecuária. A territorialização do capital significa a desterritorialização do campesinato e vice-versa. Esses processos não são lineares, tampouco separados e contém a contradição porque na territorialização de um está contida a produção e a reprodução de outro. No interior do processo de territorialização do capital há a criação, destruição e recriação do trabalho familiar. Da territorialização do campesinato produzem-se o trabalho assalariado e o capitalista. Os avanços e recuos desses processos pelo território são determinados por um conjunto de fatores políticos e econômicos. Nas últimas três décadas, a territorialização da agricultura capitalista desterritorializou grande parte do campesinato, concentrando ainda mais a estrutura fundiária. Esse processo encontrou pouca resistência, porque o golpe militar da 1964 aniquilou os três movimentos camponeses mais bem organizados: as Ligas Camponesas, a União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas ULTAB - e o Movimento dos Agricultores Sem-Terra MASTER, nascidos na década de Permitiu apenas a existência, sob intervenção, da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura CONTAG. Com a extinção dos movimentos camponeses e o movimento sindical sob controle, o regime totalitário pôde ignorar a reforma agrária e pretendeu eliminar os conflitos por terra, incorporando os trabalhadores rurais por meio do assalariamento e ou provocando a migração para as cidades. O resultado desse processo político foi o aumento das desigualdades. A modernização da agricultura capitalista aconteceu de forma extraordinária. A mecanização da agricultura e as crises econômicas também promoveram o desemprego. Os conflitos por terra aumentaram com o renascimento da resistência organizada dos camponeses, representada pelo trabalho da Comissão Pastoral da Terra, fundada em 1975, que reuniu as lutas dos posseiros, dos semterra, dos meeiros, dos pequenos proprietários e contribuiu com a formação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra Formação e territorialização do MST Nesta parte apresentamos os três momentos da formação e territorialização do MST. Denominamos o primeiro momento de gestação e nascimento do MST. Este momento é compreendido pelas lutas que formaram o MST e que aconteceram no período 1979 a 1985.

4 4 Em cinco estados do Centro Sul do Brasil (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul) aconteceram ocupações de terra e as resistências de posseiros e de arrendatários. As experiências dessas lutas foram reunidas pela Comissão Pastoral da Terra CPT e em julho de 1982, no município de Medianeira PR, foi realizado o primeiro encontro para discutir o crescimento da luta pela terra. Em setembro deste mesmo ano, novo encontro foi organizado em Goiânia - GO, onde camponeses de todas as regiões do País formaram uma comissão provisória para a criação de um movimento camponês em escala nacional. Ainda, no ano de 1983, mais dois encontros foram realizados até a fundação do MST, em 22 de janeiro de 1984, no município de Cascavel PR. Um ano depois, o MST realizou o seu primeiro Congresso Nacional com representantes de 23 das 27 unidades federativas. Nesse tempo, o MST estava organizado parcialmente nos cinco estados do Centro Sul Os sem-terra haviam enfrentado diversos desafios desde O primeiro foi constituir uma articulação para superar o isolamento a que estavam confinados pela repressão do governo militar. Uma luta histórica foi o acampamento Encruzilhada Natalino, quando o governo Militar não poupou esforços para abortar o nascimento do MST. (Fernandes, 2000, p. 55). Neste primeiro momento, o MST já esboçava a sua futura estrutura com a criação de comissões setoriais nos acampamentos e nos primeiros assentamentos. A criação de comissões de alimentação, saúde, comunicação, negociação entre outras, tornar-se-ia uma referência para a constituição de sua forma de organização. O crescimento do MST sempre esteve associado diretamente a sua territorialização. Fora assim no período Crescer também significava organizar-se nacionalmente. Em suas avaliações de conjuntura política e histórica, os sem-terra compreendiam que um movimento camponês organizado em escala local ou regional teria menos possibilidades de enfretamento com o capital. Nesse sentido, no segundo momento de sua formação, que denominamos de territorialização de consolidação do MST, o MST completou a sua territorialização na região Sudeste, territorializou-se por toda a região Nordeste e chegou em Rondônia na região amazônica, além do Estado de Goiás, na região Centro - Oeste. Neste tempo, o Movimento também definiu sua estrutura organizativa e se consolidou como movimento nacional. Este momento é compreendido pelas lutas que aconteceram no período 1985 a O MST se territorializa por meio da ocupação da terra. A ocupação é uma forma de enfrentamento, resistência e recriação do campesinato. Quando um grupo de famílias começa a se organizar com o objetivo de ocupar terra, desenvolve um conjunto de procedimentos, definindo uma metodologia de luta popular. Essa experiência tem a sua lógica construída na práxis. Essa lógica tem como componentes constitutivos a indignação e a revolta, a necessidade e o interesse, a consciência e a identidade, a concepção de terra de trabalho contra a de terra de negócio e de exploração, o movimento e a superação.

5 5 A formação de um grupo de famílias começa com o trabalho de base. Esse é um processo contínuo da luta pela terra. Das lutas ocorridas no período de gestação do MST, foram formadas diversas lideranças que iniciaram os trabalhos de base em outras regiões do País, através da criação de espaços de socialização política. Esse espaço possui três dimensões: espaço comunicativo, espaço interativo e espaço de luta e resistência. A primeira é o espaço comunicativo, construído desde as primeiras reuniões. É o momento da apresentação, do conhecer-se e da definição dos objetivos da luta. É o início de uma experiência de transformação de suas realidades. É o ponto de partida para a criação do o espaço interativo. Este, dependendo da metodologia, realiza-se antes, durante ou depois da ocupação da terra, que se constitui em um espaço de luta e resistência. O espaço interativo é um contínuo processo de aprendizado. O sentido da interação está nas trocas de experiências, no conhecimento das trajetórias de vida, na conscientização da condição de expropriados e explorados, na construção da identidade semterra. O conteúdo das reuniões dos trabalhos de base é a recuperação das histórias de vida associadas ao desenvolvimento da questão agrária. Fazem análises de conjuntura, das relações de forças políticas, da formação de articulações e alianças para o apoio político e econômico. Esse é um processo de formação política, gerador da militância que fortalece a organização sociopolítica do MST. Todos esses processos, práticas e procedimentos colocam as pessoas em movimento, na construção da consciência de seus direitos, em busca da superação da condição de expropriadas e exploradas. A superação de suas realidades começa com a deliberação a respeito da participação na ocupação da terra. Essa tomada de decisão tem como pressuposto que somente com essa ação poderão encontrar solução para o estado de miséria em que vivem. Ocupando, é dessa forma, que os sem-terra vêm a público, dimensionam o espaço de socialização política, intervindo na realidade, construindo o espaço de lutas e resistência, quando ocupam a terra ou acampando nas margens das rodovias. Conquistando a terra, na formação do assentamento, transformam o espaço em território, recriando o trabalho familiar e reproduzindo a luta pela terra através do trabalho de base na formação de novos grupos de famílias. As reuniões realizadas nos trabalhos de base são espaços geradores de sujeitos construindo suas próprias existências. Essas reuniões podem durar um, três, seis meses ou até anos, dependendo da conjuntura. Podem envolver um município, vários municípios ou até mais de um estado em áreas de fronteira. A ocupação, como forma de luta e acesso à terra, não é um fato novo. É um contínuo na história do campesinato. Desde o princípio de sua formação, os camponeses em seu processo de criação e recriação ocuparam terra. Nas últimas quatro décadas, os posseiros e os sem-terra são os principais sujeitos dessa luta. Os posseiros ocupam terras,

6 6 predominantemente, nas faixas das frentes de expansão, em áreas de fronteira. Com a territorialização do capital ocorrem os processos de expropriação desses camponeses, desenvolvidos principalmente pela grilagem de terra, por latifundiários e empresários. Os semterra ocupam terras, predominantemente, em regiões onde o capital já se territorializou. Ocupam latifúndios propriedades capitalistas terras de negócio e exploração - terras devolutas e ou griladas. As lutas por frações do território os assentamentos representam um processo de territorialização na conquista da terra de trabalho contra a terra de negócio e de exploração. Essa diferença é fundamental, porque o grileiro, o latifundiário, o empresário chegam onde o posseiro está. Os sem-terra estão ou chegam onde o grileiro, o latifundiário, o empresário estão. Desde de 1985, quando o MST se territorializou por todas as regiões do Brasil, os semterra intensificaram as ocupações de terra, causando grande impacto político, de modo que os sem-terra passaram a ser os principais interlocutores, no enfrentamento com o Estado, na luta pela terra e pela reforma agrária. Esses trabalhadores de origem rural ou urbana estão lutando pela terra em todas as grandes regiões. Hobsbawm, 1998, p , destaca três tipos de ocupações: a) recuperación ou terras de trabalho reconquistadas que estavam ocupadas há décadas por camponeses, mas se encontram em litígio por causa da territorialização do capital na expropriação das famílias camponesas; b) terras devolutas, quando os camponeses ocupam terras pertencentes ao Estado, em áreas de fronteira, e cujas terras passam a ser griladas por latifundiários, e c) ocupação de latifúndios. Nesse estudo, Hobsbawm preocupou-se, principalmente, com as ocupações do primeiro tipo, que também têm relevância no Brasil, especialmente na Amazônia, onde parte das terras de posseiros foi apropriada e grilada pelos latifundiários e empresários. Contudo, no Brasil predominam as ocupações de terras devolutas e as ocupações de latifúndios. No curso das experiências, os sem-terra passaram a combinar várias formas de luta. Essas acontecem em separado ou simultaneamente com ocupações de terra. São as marchas ou caminhadas, as ocupações de prédios públicos e as manifestações em frente às agências bancárias. Esses atos intensificam as lutas e aumentam o poder de pressão dos trabalhadores nas negociações com os diferentes órgãos do governo. Igualmente expõem suas realidades, recebendo apoio e críticas da opinião pública e de diversos setores da sociedade. As caminhadas e marchas são formas de manifestação política produzidas na espacialização e produtoras de espacialidades. Pelo desenvolvimento dos procedimentos das práticas de lutas, nos processos de espacialização e territorialização, é possível definir dois tipos de ocupação: ocupação de uma área determinada e ocupação massiva. A principal diferença desses tipos está no fato que no primeiro, o tamanho da área é critério para a mobilização e organização das famílias. Dependendo do tamanho da área pode ser uma ocupação de pequenos grupos ou até

7 7 numerosos grupos, massificando a luta. No segundo, a mobilização e organização têm como critério assentar todas as famílias sem-terra, ocupando quantas áreas forem necessárias. No primeiro tipo a ocupação é realizada com o objetivo de conquistar somente a área ocupada. Portanto, as famílias são mobilizadas e se organizam para reivindicarem a terra ocupada. Havendo famílias remanescentes, iniciam uma nova luta para se conquistar uma outra área. Cada ocupação resulta na conquista de um assentamento. A lógica da organização das famílias é mobilizar conforme as áreas reivindicadas. Essa lógica muda com as ocupações massivas. Nesse caso, os sem-terra superaram a condição de ficarem limitados ao tamanho da área reivindicada. O sentido da ocupação deixou de ser somente pela conquista de uma determinada área, e passou a ser o assentamento de todas as famílias, de modo que uma ocupação pode resultar em vários assentamentos. Essa forma de organização intensificou a territorialização da luta. O critério principal para assentar as famílias não é mais o limite territorial, mas o tempo e as formas em que as famílias participam da luta. A ocupação transformou-se numa luta contínua pela terra, num refazendo constante, conforme as famílias vão sendo assentadas, novas famílias unem-se as famílias em luta. Assim, conforme vão conquistando frações do território, vão somando mais grupos de famílias aos grupos de famílias remanescentes. Uma ocupação de uma área determinada pode se transformar em uma ocupação massiva, não só pela quantidade de famílias que participam, mas por causa do desdobramento da luta. Isso acontece quando, depois da conquista da terra reivindicada, passa-se a ter conhecimento de um conjunto de áreas que podem ser conquistadas e da perspectiva de se reunir diversos grupos de famílias em uma mesma ocupação. Desse modo, é importante destacar que a massificação não tem só o sentido de quantidade, mas também o de qualidade. Este é determinado pelo dimensionamento do espaço de socialização política, principalmente no fortalecimento do espaço interativo, que acontece por meio da difusão de núcleos, setores e comissões, de modo a fortalecer o movimento. Com essas práticas, os sem-terra reúnem-se em movimento. Superam bases territoriais e fronteiras oficiais. Na organização da ocupação massiva, agrupam famílias de vários municípios e de mais de um estado, quando em áreas fronteiriças. Desse modo, rompem com localismos e outros interesses que possam impedir o desenvolvimento da luta pelos trabalhadores. Assim, os critérios de seleção das famílias a serem assentadas não podem ficar restritos a procedência das famílias. As pessoas que compõem as comissões de seleção precisam considerar como critério, entre os determinados pelo governo, a história da luta. Na execução das ocupações, os sem-terra podem realizar diferentes formas de estabelecimento na terra. Há experiências em que ocupam uma faixa de terra e prosseguem com as negociações, reivindicando a desapropriação da área. Há experiências em que ocupam a terra, dividem em lotes e começam a trabalhar, noutras demarcam uma única área e plantam coletivamente. Essas práticas são resultados do desenvolvimento da organização dos sem-

8 8 terra. São formas de resistência que colocam em questão a terra de trabalho contra a terra de exploração. Por mais que se tenha um planejamento, a espacialização da luta por meio da ocupação da terra é sempre um devir. Possui o sentido das possíveis transformações incessantes, quando as conjunturas construídas, dissolvem-se e ou relacionam-se, formando novas conjunturas, superando-se ou retrocedendo. Portanto, por mais que os sem-terra tenham construído experiências diversas, a espacialização de uma ocupação nunca é um fato completamente conhecido, tampouco desconhecido. Através desse processo, o MST tornou-se uma organização camponesa territorializada em escala nacional. Delineou a forma de sua estrutura organizativa em setores de atividades e instâncias políticas que se ampliou na década de Denominamos o terceiro momento da formação de territorialização e institucionalização do MST. Como demonstramos análise do momento anterior, o MST territorializa-se continuamente, contribuindo para a recriação do campesinato brasileiro, que também é expropriado constantemente pela territorialização do capital. Esse terceiro momento da formação do MST começou no início da década de Desde então, o Movimento territorializou-se na região amazônica, nos estados do Pará e Tocantins e na região Centro Oeste, em Mato Grosso. Neste tempo, o Movimento ampliou sua estrutura organizativa, tornou-se conhecido no Brasil e no exterior, enfrentou novos desafios e viveu a contradição da superação e do refluxo. Na década de 1990, as ocupações multiplicaram-se e foram uma importante forma de pressão política para o a multiplicação do número de assentamentos implantados. (Ver gráfico 1). O avanço e recuo das ocupações de terra corresponderam igualmente ao avanço e recuo do número de assentamentos implantados. As políticas governamentais para a questão agrária, em toda a década, foram de caráter compensatório, implantando assentamento em áreas de conflitos ou na região onde o governo tem estoque de terras. Essa política de implantação de assentamentos tem sido denominada erroneamente de reforma agrária (Fernandes, 2000, p.300).

9 9 A territorialização do MST por todas as regiões do País expandiu ainda mais as necessidades de organizar o território do assentamento. E mais, por seus princípios, tornou-se inevitável pensar um modelo de organização do território, ao mesmo tempo em que experimenta novas formas de organização sociopolítica e econômica. Esse desafio está em movimento e apesar dos impasses, a perspectiva é mantida como coerência e possibilidade das transformações. Nesse tempo, o Movimento tornou-se uma organização popular que articula cooperativas, associações e escolas. É uma estrutura múltipla, plural e híbrida, que foi construída como novas e antigas formas de organização. Contrariando as especulações teóricas, não se transformou em sindicato, nem em partido político, nem tampouco é um movimento social no sentido da definição sociológica. Sem conseguir superar esta questão, definimos o MST como um movimento socioterritorial (Fernandes, 2000, p. 290). Uma organização política que tem como trunfo a conquista do território para sua permanente recriação. Ao definirmos esse momento da existência do MST como de territorialização e institucionalização, é preciso discutir significado do conceito de instituição. É comum ao se tratar do conceito de instituição, tomar como referência as instituições convencionais. Acreditamos que esses referenciais não são suficientes. Em nosso trabalho compreendemos a instituição como uma estrutura conseqüente das necessidades organizacionais vitais, de caráter permanente e definido por um conjunto de valores e códigos, que determinam as

10 10 ações, a visão de mundo e as perspectivas de transformação da realidade, o que exige a constante análise e elaboração teórica na discussão dos conteúdos dos conceitos. Neste sentido, a estrutura organizativa do MST é um processo que se transforma no seu próprio movimento, expandindo com a criação de novas formas e recriação de velhas formas. Tem caráter informal e formal e uma amplitude que garante os trabalhos em todas as dimensões sociais, econômicas, ambientais e políticas. A sua consolidação não está na definibilidade da estrutura, mas em seu movimento. Atualmente, a estrutura organizativa do MST tem três partes interativas: as instâncias de representação, os setores de atividades e as organizações convencionais transversais. (Ver figura a seguir). As duas primeiras partes são resultados de uma ampla reflexão a respeito das formas de organização dos movimentos camponeses e outras instituições (Stedile e Fernandes, 1999). A terceira parte mantém a forma tradicional das instituições convencionais. As instâncias de representação política reúnem diferentes espaços, que são formados por diversas modalidades: núcleos, coordenações, direções, encontros e Congresso Nacional. Os núcleos são formados pelas famílias sem-terra nos acampamentos e nos assentamentos. Os assentamentos e acampamentos elegem suas coordenações que escolhem as coordenações regionais, que por sua vez elegem as coordenações das instâncias superiores e assim conseqüentemente. Os coordenadores indicam, entre seus membros, os componentes da direção nas suas respectivas escalas. Os núcleos, as coordenações e as direções são os fóruns políticos por excelência do MST. Os encontros e o Congresso Nacional são momentos de definições das políticas conjunturais e estruturais. Os encontros são realizados em todas as escalas da organização do MST. Com exceção do encontro nacional, realizado a cada dois anos, os encontros locais, regionais e estaduais são realizados anualmente. São espaços de decisões políticas que determinam as ações do Movimento e culminam com a realização do Congresso Nacional a cada cinco anos. Dos núcleos de base ao Congresso Nacional do MST há as coordenações e direções em diferentes níveis e escalas. Os principais fóruns de decisão de planejamento de políticas são os encontros e os congressos. A participação nesses espaços acontece pela inserção do sujeito no Movimento e de seu reconhecimento pelos coletivos. Uma instância elege ou indica os membros de outra instância em nível superior. A porta de entrada nesse processo, geralmente, são os núcleos de base de um acampamento ou de um assentamento. Nesses diferentes espaços são deliberadas as políticas que são executadas pelos setores de atividades e nas secretarias. Os Setores e as secretarias têm caráter administrativo e executivo e são responsáveis pela realização de projetos de desenvolvimento socioterritorial nos assentamentos e acampamentos. Os setores também estão articulados em diferentes escalas. Desse modo, por exemplo, o setor de educação está organizado desde a escala local, o acampamento e do assentamento, às escalas regionais, estaduais e nacional. E mantêm

11 11 relações com governos nessas escalas para o desenvolvimento de políticas públicas dirigidas aos acampamentos e aos assentamentos. Nos trabalhos realizados nos setores estão presentes as organizações convencionais transversais na interação dos projetos de desenvolvimento agropecuário, educacional, saúde e infra-estrutura entre outros. Essa é uma forma extraordinária de interação que impede o clássico isolamento de uma organização setorial, transformando-os em uma articulação em que as ações dos setores materializam-se pelas práticas territoriais e multidimensionais. Um exemplo é a educação, pensada como totalidade para o desenvolvimento territorial, voltado para a formação humanista, técnica e política dos sem-terra. Na parte setores de atividades há os coletivos. Essa é uma modalidade também de caráter transversal. Por exemplo, o coletivo de cultura é formado por membros de vários setores, bem como a Mística que envolve a maior parte dos membros do movimento na realização desta atividade. Outro exemplo é o coletivo de relações internacionais, que embora seja um trabalho específico, também de responsabilidade da coordenação nacional.

12 12 ESTRUTURA ORGANIZATIVA DO MST SETORES DE ATIVIDADES INSTÂNCIAS DE REPRESENTAÇÃO CONGRESSO NACIONAL ENCONTRO NACIONAL COORDENAÇÃO NACIONAL DIREÇÃO NACIONAL ENCONTRO ESTADUAL COORDENAÇÃO ESTADUAL DIREÇÃO ESTADUAL COORDENAÇÃO REGIONAL COORDENAÇÃO DE ASSENTAMENTOS COORDENAÇÃO DE ACAMPAMENTOS NÚCLEOS DA BASE SECRETARIA NACIONAL SECRETARIAS ESTADUAIS SECRETARIAS REGIONAIS SETOR DE FRENTE DE MASSA SETOR DE FORMAÇÃO SETOR DE EDUCAÇÃO SETOR DE PRODUÇÃO, COOPERAÇÃO E MEIO AMBIENTE SETOR DE COMUNICAÇÃO SETOR DE FINANÇAS SETOR DE PROJETOS SETOR DE DIREITOS HUMANOS COLETIVO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS SETOR DE SAÚDE SETOR DE GÊNERO COLETIVO DE CULTURA MÍSTICA ORGANIZAÇÕES CONVENCIONAIS E TRANSVERSAIS ANCA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE COOPERAÇÃO AGRÍCOLA CONCRAB CONFEDERAÇÃO DAS COOPERATIVAS DE REFORMA AGRÁRIA DO BRASIL LTDA.

13 13 Desse modo, o MST, em sua estrutura organizativa, reúne diferentes dimensões, fortalecendo a sua organização, mas também criando enormes desafios. Os sem-terra são uma população em processo de ressocialização, que para se constituírem como camponeses não podem depender de uma política de desenvolvimento setorial e ou compensatória. A situação ainda é mais complexa, porque estão interessados em construir a superação das condições que sempre os fragilizaram politicamente. Acreditam na possibilidade de construção de novas relações sociais. Um dos princípios do MST é a luta estrutural contra o capital. Neste sentido, o Movimento vem enfrentando o desafio de tentar construir novas experiências que permitam superar as relações sociais isoladas do trabalho familiar camponês sem reproduzir as relações capitalistas. Este princípio é marca de sua identidade política. Considerando-o é que compreendemos os avanços e os refluxos do MST. É o que torna admirado, odiado e criticado por instituição, políticos e cientistas O governo Lula e a questão agrária No final da segunda metade da década de 1970, depois de quinze anos de forte repressão política da ditadura militar, os trabalhadores do campo e da cidade lutaram intensamente para reconstruir a democracia e reconquistar direitos. No campo, da luta pela terra congregada pela Comissão Pastoral da Terra - CPT, nasceram as experiências de luta pela terra que formaram o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra MST. As lutas camponesas para ficar na terra, principalmente pela resistência dos posseiros na Amazônia; ou para entrar na terra, especialmente das ocupações de terra no Nordeste e no Centro Sul, foram ações que recolocavam na pauta política a questão da reforma agrária, que havia sido sufocada com o golpe militar de Na cidade, das greves dos metalúrgicos, professores, bancários e outras categorias, reunidas na formação de um movimento sindical autêntico, que formou a Central Única dos Trabalhadores CUT, nasceu o Partido dos Trabalhadores PT. Na década de 1980, as lutas populares dos movimentos e dos sindicatos pelas conquistas dos direitos e pelo restabelecimento da democracia constituíram se nas bandeiras de lutas que transformaram o PT em um dos mais importantes partidos brasileiros. Essas distintas forças políticas nasceram quase que concomitantemente em espaços políticos diferentes, interativos e autônomos. Cada qual com sua estrutura organizativa e além de suas origens formadas no seio das lutas de classes, tinham em comum pelo menos um princípio: a defesa dos direitos e dos interesses dos trabalhadores. Com a fundação do Partido dos Trabalhadores criou-se um espaço para reunir os projetos políticos dos diferentes segmentos da classe. Na década de 1980, os movimentos camponeses, a Comissão Pastoral da Terra, juntamente com o PT, recolocaram na pauta política a questão da

14 14 reforma agrária. A retomada desta luta representava igualmente a intensificação do enfrentamento entre camponeses e latifundiários. Esta luta foi interrompida com o golpe militar de O governo totalitário havia elaborado o Estatuto da Terra: uma Lei que expressava os princípios da reestruturação fundiária, que, todavia, jamais foi aplicada. Pela forte vinculação política entre os governos militares e os ruralistas, o que ocorreu de fato foi o extermínio de todos os movimentos camponeses e a intervenção na recém fundada Confederação dos Trabalhadores na Agricultura CONTAG. Em 1985, foi eleito indiretamente - pelo Congresso Nacional, o presidente Tancredo Neves, que veio a falecer antes de tomar posse. Assumiu o poder o vice-presidente José Sarney, como o primeiro governo da Nova República. Neste governo foi elaborado o Plano Nacional de Reforma Agrária - PNRA. Novamente, o ataque dos ruralistas foi exterminador. Nesse tempo, surgira a União Democrática Ruralista UDR. Vinculados ao governo, influenciaram politicamente para a derrubada do presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA e impediram que o PNRA fosse implantado. Em 1988, com a elaboração da nova Constituição, a reforma agrária sofreu duro golpe da bancada ruralista. Embora a reforma agrária fora aprovada na Constituição, necessitava, contudo, de lei complementar para a sua realização. Somente em 1993, com a aprovação da Lei 8629, passou a existir regulamentação para a desapropriação de terras. Todavia, mesmo com a existência desta nova Lei, os ruralistas conseguem impedir a desapropriação de terras, arrolando os processos desapropriatórios, conseguindo até mesmo reverter situações em processos já assinados pelo presidente da República. Em 1989 ocorreu a primeira eleição direta para presidente da República depois de duas décadas de ditadura militar e uma eleição indireta. O PT concorreu nesta e nas eleições de 1994 e 1998, ficando sempre em segundo lugar. Nas eleições de 1989, foi eleito o presidente Fernando Collor, que sofreu impedimento em outubro de 1992, pelo Congresso Nacional, acusado de participar de diversos esquemas de corrupção. Collor foi substituído pelo vice-presidente Itamar Franco que governou até Nas eleições de 1994 e 1998, Fernando Henrique Cardoso (FHC) foi eleito presidente, sendo que no primeiro mandato realizou uma ampla política de assentamentos rurais. Nesse período, o governo defendia a tese que não havia mais latifúndios no Brasil e que não existiam tantas famílias sem-terra (Cardoso, 1991, p.10). Desse modo, acreditava que assentando somente as famílias acampadas, o problema agrário seria resolvido. Todavia, com os massacres de Corumbiara, no Estado de Rondônia, em 1995, e de Eldorado dos Carajás, no Estado do Pará, em 1996, e com o crescimento das ocupações de terra durante o seu primeiro mandato, que passou de vinte mil famílias em 1994, para setenta e seis mil famílias em 1998, o governo FHC viu a sua tese cair por terra. Em seu segundo mandato, FHC mudou de estratégia e desenvolveu uma política agrária extremamente repressora, criminalizando a luta pela terra e desenvolvendo de uma política de

15 15 mercantilização da terra. Desse modo, criou duas medidas provisórias: uma em que determinava o não assentamento das famílias que participassem das ocupações de terra e outra que determinava a não vistoria das terras ocupadas por dois anos, quando ocupadas uma vez e por quatro anos quando ocupada mais de uma vez. Ainda implantou o Banco da Terra, uma política de crédito para compra de terras e criação de assentamentos. No segundo mandato do governo FHC, essa política cresceu em detrimento das desapropriações. Também destruiu a política de crédito especial para a reforma agrária, criada durante o governo Sarney, e a política de assistência técnica, prejudicando centenas de milhares de famílias assentadas, intensificando o empobrecimento. Ainda proscreveu a política de educação para os assentamentos, que fora criada a partir de um conjunto de ações do MST. De 1999 a 2002, o MST e outros movimentos camponeses experimentaram um enorme refluxo da luta pela terra. Este era o segundo refluxo experimentado desde retomada da democracia brasileira e as eleições livres para presidente. O primeiro fora com o governo Collor, quando a Policia Federal invadiu várias secretarias e prendeu diversas lideranças do MST. As ocupações de terras diminuíram, assim como o número de assentamentos implantados, significando um retrocesso para a luta pela reforma agrária. Embora FHC tenha propagandeado que realizou a maior reforma agrária da história do Brasil, essa realidade produziu pelo menos dois resultados lamentáveis: o represamento com o crescimento do número de famílias acampadas, que em 2003, chegou a cento e vinte mil famílias, e a precarização dos assentamentos implantados, que foram implantados como projetos incompletos, que além de não terem infra-estrutura básica, a maior parte também não recebeu crédito agrícola e de investimento. Na verdade, o governo FHC nunca possuiu um projeto de reforma agrária. Durante os mandatos de seu governo, 90% dos assentamentos implantados foram resultados de ocupações de terra. Todavia, no seu segundo mandato, quando criminalizou as ocupações e os movimentos camponeses entraram em refluxo e, por conseqüência, diminuíram as ocupações de terra, também diminuiu o número de assentamentos implantados. Para garantir as metas da propaganda do governo, o Ministério do Desenvolvimento Agrário clonou assentamentos criados em governos anteriores ou criados por governos estaduais e os registrou como assentamentos criados no segundo mandato de FHC. Essa tática criou uma balbúrdia, de modo que em 2003 nem mesmo o INCRA consegue afirmar, com certeza, quantos assentamentos foram implantados de fato. 2.1 Governo Lula e perspectiva da reforma agrária É diante dessa farsa e dessa tragédia, que em 2002, o PT em uma coligação de forças políticas desde a esquerda à direita, elegeu Luís Inácio Lula da Silva para presidente do Brasil. Desde as eleições de 1989, quando Lula concorreu pela primeira vez até as eleições de 2002,

16 16 quando concorreu pela quarta vez e venceu, a conjuntura política e econômica em escalas nacional e internacional mudou significativamente. No caso do Brasil, o avanço das políticas neoliberais, com o desemprego estrutural, a desregulamentação e eliminação dos direitos dos trabalhadores, a privatização de grande parte de empresas estatais, provocou um enorme refluxo dos movimentos sindicais e camponeses. Nesse contexto, os ruralistas criaram a tática de destacar o agronegócio, tentando suprimir a figura do latifúndio, denominando-o de empresa rural. Ainda, nessa nova conjuntura política, os ruralistas também criaram a tática de transferir a questão agrária do território da política, do campo dos direitos dos trabalhadores, para o território do mercado e do capital, onde os trabalhadores são plenamente subalternos. Uma das artes do pensamento neoliberal é que a superação do conflito é possível via mercado. Na verdade, esse argumento procura criar uma relação de dependência e, portanto de dominação. É uma visão linear de um processo desigual, explicito na questão agrária. A questão agrária tem como elementos principais a desigualdade, a contradição e o conflito. O desenvolvimento desigual e contraditório do capitalismo gerado, principalmente, pela renda capitalizada da terra, provoca a diferenciação do campesinato e conseqüentemente a sua destruição e recriação. Nesse processo, acontece a concentração da terra e a luta pela terra, produzindo implacavelmente o conflito. Esse processo é inerente ao capitalismo, faz parte de sua lógica e de sua vida, é, portanto, insuperável. Ou convive-se com ele, administrando-o politicamente, procurando minimizar os seus efeitos devastadores, produtores de pobreza e miséria, ou supera-se o capitalismo. Essa compreensão do processo é denominada de Paradigma da Questão Agrária. Ainda, na década de 1990, surgiu uma nova corrente teórica a respeito do problema agrário. Essa corrente, denominada de Paradigma do Capitalismo Agrário (Abramovay, 1992), procura desconsiderar a existência da questão agrária como problema insolúvel no capitalismo. Partindo desse pressuposto, propõe uma solução por meio da integração dos camponeses ao mercado e ao capital. A partir dessas condições e com e execução de políticas desenvolvidas pelo Estado, seria superado o problema agrário do capitalismo. Esse paradigma teve uma força política extraordinária. Além de criar novos conceitos de conteúdos eufemísticos, como agricultura familiar para substituir o conceito de agricultura camponesa; ou agricultura empresarial para substituir o conceito de agricultura capitalista, gerou uma compreensão linear a respeito do desenvolvimento da agricultura e contribuiu para a criação de novos movimentos camponeses, denominados de movimentos de agricultores familiares, como por exemplo, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul - FETRAF- SUL, vinculada à Central Única dos trabalhadores CUT. O discurso de que o problema agrário pode ser resolvido pelo mercado, pela integração ao capital e com políticas públicas determinadas e dirigidas pelo Estado agradou as forças políticas desde a direita à esquerda. Da mesma forma, a mídia televisiva e a escrita abriram espaços para

17 17 os cientistas de passaram a defender essa tese em diferentes jornais diários. Da mesma forma, esse discurso foi incorporado pelos jornalistas e cientistas de diversas áreas do conhecimento, de modo que se tornou predominante. Desde esse ponto de vista, a questão agrária tornou-se um problema inexistente já que não tem solução na sociedade capitalista e, conforme o discurso predominante, mesmo no Partido dos Trabalhadores, não tem sentido procurar uma solução que não seja a partir da realidade capitalista. Ainda, desde esse ponto de vista, a compra de terras por meio de políticas tipo Banco da Terra, como o apoio do Banco Mundial, pode ser uma saída para o problema agrário. Outras políticas agrícolas determinadas pelo mercado e integração ao capital, por meio do agronegócio, incorporando a agricultura familiar passaram a ser bem vistas por diversos setores da esquerda e da direita, fazendo parte também dos discursos de parlamentares do PT. Desde a vitória de Lula, a mídia nacional, compreendida pelo jornal O Estado de São Paulo, pela Folha de São Paulo, O Globo, e Jornal do Brasil, ainda pela revista Veja e outros periódicos semanais, vem explorando os princípios do paradigma do capitalismo agrário, tentando pautar as políticas governamentais. Com essa tremenda força política, tenta-se impedir que a realidade do campo brasileiro apareça como de fato é: com uma das estruturas fundiárias mais concentradas do mundo e em intensificação; com o aumento de famílias acampadas nas beiras das estradas e dentro dos latifúndios; com o empobrecimento dos camponeses, com o aumento da expropriação e exclusão. O que a mídia nacional procura mostrar é o aumento do conflito, mas não apresenta suas causas. Comprova que os assentamentos criados pelo governo FHC estão precarizados, mas não comenta as razões políticas dessas realidades. A mídia procura convencer a sociedade que o problema são os movimentos camponeses, com destaque para o MST, por causa de sua amplitude e de seu poder de espacialização e territorialização (Fernandes, 2000). Assim, a mídia convence a opinião pública e, até mesmo, políticos e cientistas, que o problema são os conflitos e não as causas dos conflitos. Com a vitória do governo Lula, os movimentos camponeses participaram nas indicações de nomes para cargos de segundo escalão do governo Lula. O MST e a CPT tiveram forte influência na nomeação de vários cargos no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA, inclusive indicando para presidente o geógrafo Marcelo Resende, que trabalhara no Instituto de Terras do Estado de Minas Gerais, durante a gestão do então governador Itamar Franco. A CONTAG também indicou alguns nomes para o Ministério do Desenvolvimento Agrário. Durante oito meses, o INCRA construiu um conjunto de políticas para atender os assentados em estado de precarização. Iniciou-se e elaboração de uma política de assistência técnica, foi retomada a política de educação para os assentados, e juntamente com o Ministério do Desenvolvimento agrário, formou-se uma equipe de especialistas para e elaboração do II Plano Nacional de Reforma Agrária.

18 18 Também, os ruralistas participaram das indicações de nomes para o Ministério da Agricultura, garantido dessa forma a continuidade do modelo de desenvolvimento da agropecuária, que fora implantado pelos governos militares. Além de ocupar esse espaço político, os ruralistas reagiram ferozmente ao aumento das ocupações de terra e do número de famílias acampadas. Com o forte apoio da mídia, os ruralistas mobilizaram-se contra a política agrária do governo Lula e conseguiram anular a primeira desapropriação executada no município de São Gabriel, no Estado do Rio Grande do Sul. Também se organizaram em todo o país, realizando marchas a cavalo ou carreatas, cercando acampamentos de famílias sem-terra e obstruindo estradas com o gado. Com a intensificação da reação dos ruralistas, aumentou o número de trabalhadores sem-terra mortos por pistoleiros. Durante os primeiros oito meses de 2003, o INCRA tratou os conflitos fundiários como problema a ser resolvido com a implantação de uma política de reforma agrária. Desse modo, procurou solucionar os conflitos por meio do diálogo e da busca de soluções, procurando romper com as medidas repressivas criadas pelo governo FHC. Essa postura política foi derradeira para a equipe de Marcelo Resende. O alto escalão do PT pressionou LULA para que o presidente do INCRA fosse substituído. No mês de setembro de 2003, Lula destituiu o presidente do INCRA e sua equipe e nomeou um assessor parlamentar do PT como novo presidente. Com essa medida, o PT demonstrou para os sem-terra e para os ruralistas o seu objetivo de ter o controle político sobre os conflitos fundiários. O significado dessa medida representa pelo menos que o PT não aceitou a política implantada pelo ex-presidente do INCRA. Ainda não existem elementos para análise do desdobramento dessa atitude de Lula, contudo pode-se desenvolver uma análise a respeito das perspectivas da reforma agrária no governo Lula. Desde o programa de governo das eleições de 1989 até o programa de governo das eleições de 2002, mudanças ocorreram nos programas, no que se refere à reforma agrária. Algumas dessas mudanças são: não inclusão do número de famílias que poderão ser assentadas até 2006; não mencionar a estrutura fundiária concentrada e abolir a critica ao sistema latifundista. Com um discurso ameno e conciliador, a ênfase do texto do programa do governo de 2002 é desenvolvimentista e contém dois objetivos principais: a recuperação dos assentamentos implantados e a implantação de novos assentamentos, acompanhados das políticas básicas: crédito, infra-estrutura, educação, capacitação técnica e comercialização. Nesse sentido, o governo Lula deverá superar alguns desafios para que possa efetivamente realizar a reforma agrária. O primeiro será conceber a reforma agrária como política de desenvolvimento territorial e não como política compensatória. Uma política de desenvolvimento territorial implica em desconcentrar a estrutura fundiária, o que nunca aconteceu em mais de quinhentos anos de história do Brasil. Todos os governos, até então, conceberam a

19 19 reforma agrária como política compensatória, de forma que a maior parte dos assentamentos foi implantada atendendo às pressões dos movimentos camponeses. Essa realidade provocou uma distribuição espacial generalizada de assentamentos rurais por todas as regiões do País, com assentamentos cercados de latifúndios por todos os lados. Esse desarranjo é uma das muitas evidências da não existência de uma política de reforma agrária. Pois o que determinou a implantação desses assentamentos foram lutas populares e conjunturas políticas e não um projeto estruturado pelo Estado. Nesses vinte e cinco anos de existência do MST, surgiram diversos outros movimentos camponeses. As ocupações de terras tornaram-se uma forma de luta popular que tem apresentado resultados efetivos. Na verdade, tornou-se a principal forma de acesso à terra por causa da inexistência de uma política de reforma agrária. As experiências dos movimentos camponeses em pressionar o governo por meio das ocupações é um potencial político que não pode ser ignorado. No ano de 2003, o governo Lula assentou apenas trinta e seis mil famílias. Apresentou um plano nacional de reforma agrária em que propõe assentar quatrocentas mil famílias durante a sua gestão. Também se propõe a assentar cento e trinta mil famílias através de uma política de crédito fundiário. Se esta meta de implantação de assentamentos do governo Lula estiver abaixo da potencialidade política dos movimentos, também as pressões dos ruralistas aumentarão e o governo será acusado de ser conivente com a situação. Diante deste fato, o governo Fernando Henrique Cardoso optou pela criminalização da luta pela terra, com a criação das medidas provisórias, que permanecem no governo Lula. Será um desastre político se esse recurso for usado para refluir os movimentos. Uma possibilidade democrática de superar essa situação é com a execução de uma política de reforma agrária como desenvolvimento territorial, que deverá definir áreas para o reordenamento fundiário e implantação de vários assentamentos. Os assentamentos isolados possuem maiores dificuldades de organização, inserção, enfrentamento e resistência ao mercado. Nesse sentido, o governo Lula conta com pelo menos vinte anos de experiências de políticas de assentamentos de outros governos, para poder separar os fracassos dos sucessos. Outro desafio do governo Lula é desconcentrar de fato a estrutura fundiária. Em toda a história do Brasil, a tendência é de concentração e nas últimas décadas é de intensificação da concentração. Para desconcentrar a estrutura fundiária não basta assentar. Também é necessário diminuir a expropriação dos camponeses, por meio de políticas de desenvolvimento territorial, como crédito, garantia de preços, orientação técnica e tecnológica, educação, infra-estrutura, entre outras. A reforma agrária é uma política pública de desconcentração fundiária por meio da desapropriação de terras. Crédito fundiário para compra de terras não deve ser confundido com reforma agrária, para não se repetir a esdrúxula expressão: reforma agrária de mercado do governo FHC. Afinal, o mercado não desconcentra, ao contrário, intensifica a concentração, como pode ser analisado nos censos agropecuários desde a metade do século XX.

20 20 Outro desafio será superar a dicotomização das políticas públicas para as famílias assentadas e as famílias de pequenos agricultores já estabelecidas muito antes da implantação dos assentamentos. Considerando que a maior parte dos camponeses está empobrecida, políticas conjuntas para o desenvolvimento territorial dos agricultores serão fundamentais. A política de recuperação de assentamentos deve estar contida no plano nacional de reforma agrária, que por sua vez dever ser ágil para diminuir senão acabar com os acampamentos de famílias sem-terra. Conseguindo esse intento, os conflitos tenderão da diminuir e a maior luta dos movimentos camponeses será pela apropriação da riqueza produzida pelo trabalho familiar, podendo ser superada dessa forma centenas de anos de luta pela terra. Evidente que esta é uma perspectiva bastante otimista. Todavia, este foi o lema que ajudou a eleger o governo Lula: a esperança. Considerações finais Embora a esperança seja do todos, a realidade não apresenta indicadores de muita confiança. Não há no Congresso Nacional uma conjunção de forças favoráveis à reforma agrária. Nos escalões do governo, parece-nos que existe muito mais uma proximidade política com o paradigma do capitalismo agrário do que para com o paradigma da questão agrária, de modo que a questão agrária pode ser tratada como problema inexistente, e ainda poderemos ouvir que o tempo da reforma agrária já passou. Se isso for fato, os assentamentos serão tratados como política compensatória e novamente os movimentos camponeses enfrentarão um enorme retrocesso na luta pela reforma agrária. Durante os primeiros meses do governo Lula, o MST não cessou as formas de pressão, por meio de ocupações e marchas. Por causa da intensificação dos conflitos, Lula vem afirmando constantemente na mídia que ninguém fará a reforma agrária na marra, mas não tem afirmado no mesmo tom que ninguém impedirá a reforma agrária na marra. Se se repetir o poder do atraso da história brasileira, grande parte dos latifundiários venderá suas terras para o INCRA e serão denominados como aqueles que contribuíram para que o Brasil superasse mais um de seus problemas políticos. Bibliografia Abramovay, Ricardo. Paradigmas do Capitalismo Agrário em Questão. São Paulo, Hucitec, Cardoso, Fernando Henrique. Prefácio. In Graziano Neto, Francisco. A Tragédia da Terra: o fracasso da reforma agrária no Brasil. São Paulo: IGLU/FUNEP/UNESP, DATALUTA Banco de Dados da Luta pela Terra. Fernandes, Bernardo Mançano. A Formação do MST no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes, Fernandes, Bernardo Mançano. Questão Agrária. Pesquisa e MST. São Paulo: Cortez, 2001.

REFORMA AGRÁRIA NO GOVERNO LULA: A ESPERANÇA

REFORMA AGRÁRIA NO GOVERNO LULA: A ESPERANÇA REFORMA AGRÁRIA NO GOVERNO LULA: A ESPERANÇA Bernardo Mançano Fernandes Geógrafo, professor e pesquisador do Departamento de Geografia Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Estadual Paulista

Leia mais

A OCUPAÇÃO COMO FORMA DE ACESSO À TERRA

A OCUPAÇÃO COMO FORMA DE ACESSO À TERRA A OCUPAÇÃO COMO FORMA DE ACESSO À TERRA Bernardo Mançano Fernandes Departamento de Geografia - Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Estadual Paulista Unesp - Campus de Presidente Prudente

Leia mais

DO PONTAL DO PARANAPANEMA A RIBEIRÃO PRETO: uma viagem geográfica e paradigmática para melhor compreender os modelos de desenvolvimento da agricultura

DO PONTAL DO PARANAPANEMA A RIBEIRÃO PRETO: uma viagem geográfica e paradigmática para melhor compreender os modelos de desenvolvimento da agricultura DO PONTAL DO PARANAPANEMA A RIBEIRÃO PRETO: uma viagem geográfica e paradigmática para melhor compreender os modelos de desenvolvimento da agricultura Bernardo Mançano Fernandes Geógrafo, professor dos

Leia mais

ASCENSÃO E QUEDA DA LUTA PELA TERRA NO GOVERNO LULA (2003-2010)

ASCENSÃO E QUEDA DA LUTA PELA TERRA NO GOVERNO LULA (2003-2010) ASCENSÃO E QUEDA DA LUTA PELA TERRA NO GOVERNO LULA (2003-2010) Resumo Camila Ferracini Origuéla Universidade Estadual Paulista UNESP / Campus Presidente Prudente ferracinicamila@yahoo.com.br Este artigo

Leia mais

ESTUDOS AVANÇADOS reproduz a seguir entrevista do economista José Juliano

ESTUDOS AVANÇADOS reproduz a seguir entrevista do economista José Juliano Reforma Agrária A proposta é uma coisa, o plano do governo é outra ENTREVISTA ESTUDOS AVANÇADOS reproduz a seguir entrevista do economista José Juliano de Carvalho Filho, professor da Faculdade de Economia

Leia mais

O MST e os limites da luta pela terra no Brasil Claudinei Coletti

O MST e os limites da luta pela terra no Brasil Claudinei Coletti O MST e os limites da luta pela terra no Brasil Claudinei Coletti II Simpósio Estadual Lutas Sociais na América Latina GEPAL/UEL Mesa-redonda: Avanços e limites da luta pela terra no Brasil Resumo: O objetivo

Leia mais

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis Hanen Sarkis Kanaan 1 Resumo: Este trabalho discute a implantação e a situação das famílias assentadas pelo programa de assentamento do Banco

Leia mais

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1 CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina FACULDADE MARECHAL RONDON/ UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI GUTEMBERG_GEOGRAFO@HOTMAIL.COM DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO A formação geo histórica da Pedagogia da Alternância

Leia mais

O MST e as reformas agrárias do Brasil

O MST e as reformas agrárias do Brasil O MST e as reformas agrárias do Brasil Bernardo Mançano Fernandes * Universidade Estadual Paulista (UNESP). Coordenador do Grupo de Trabalho Desenvolvimento Rural da CLACSO. Resumo O trabalho estuda a

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PARLAMENTARES. Nesta série estão entrevistas com parlamentares federais e com um vereador.

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PARLAMENTARES. Nesta série estão entrevistas com parlamentares federais e com um vereador. APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PARLAMENTARES Nesta série estão entrevistas com parlamentares federais e com um vereador. Entrevistas disponíveis até o momento: Adão Preto Alcides Modesto Ezídio Pinheiro Freitas

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Ariovaldo Umbelino: sem enfrentamento, não haverá reforma agrária Escrito por Valéria Nader 02-Mai-2007

Ariovaldo Umbelino: sem enfrentamento, não haverá reforma agrária Escrito por Valéria Nader 02-Mai-2007 Reforma Agrária no Brasil Fonte:Correio da Cidadania Ariovaldo Umbelino: sem enfrentamento, não haverá reforma agrária Escrito por Valéria Nader 02-Mai-2007 O mês de abril, em que tradicionalmente se intensificam

Leia mais

CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live.

CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live. CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live.com Resumo Este trabalho faz parte das reflexões iniciais uma pesquisa

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

A questão agrária no Brasil: a política agrária do governo Lula e a relação com o MST

A questão agrária no Brasil: a política agrária do governo Lula e a relação com o MST A questão agrária no Brasil: a política agrária do governo Lula e a relação com o MST Solange I. Engelmann 1 Aldo Duran Gil 2 Resumo Este artigo apresenta um esboço de análise sobre a política agrária

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

OS ACAMPADOS DA TO-050 E A LUTA PELA TERRA

OS ACAMPADOS DA TO-050 E A LUTA PELA TERRA OS ACAMPADOS DA TO-050 E A LUTA PELA TERRA Marta Sônia Alves Lima Silva Universidade Federal do Tocantins-UFT Campus de Porto Nacional martageograf@hotmail.com Ariovaldo Umbelino de Oliveira - Orientador

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS EDUCADORES DO CAMPO: A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DA ESCOLA CAMPONESA MUNICIPAL CHICO MENDES

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS EDUCADORES DO CAMPO: A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DA ESCOLA CAMPONESA MUNICIPAL CHICO MENDES FORMAÇÃO CONTINUADA DOS EDUCADORES DO CAMPO: A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DA ESCOLA CAMPONESA MUNICIPAL CHICO MENDES Francielle de Camargo Ghellere1 Maria Edi da Silva Camilo2 Resumo Este artigo representa

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

Regimento Interno da Articulação de Esquerda

Regimento Interno da Articulação de Esquerda Regimento Interno da Articulação de Esquerda A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência interna do Partido dos Trabalhadores. Existe para a defesa de um PT de luta, de massa, democrático, socialista

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

REFORMA AGRÁRIA OBJETIVOS

REFORMA AGRÁRIA OBJETIVOS Trabalho: Reforma Agrária 1 REFORMA AGRÁRIA Conceito: Considera-se Reforma Agrária o conjunto de medidas que visem a promover melhor distribuição da terra, mediante modificações no regime de posse e uso,

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Brasil: 500 anos de luta pela terra (1)

Brasil: 500 anos de luta pela terra (1) Brasil: 500 anos de luta pela terra (1) Bernardo Mançano Fernandes Neste artigo apresento uma breve leitura da luta pela terra e da resistência camponesa nesses cinco séculos de história do Brasil. A luta

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PRODUTOR RURAL. Esta série foi criada para abrigar entrevistas com empresário e produtores rurais.

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PRODUTOR RURAL. Esta série foi criada para abrigar entrevistas com empresário e produtores rurais. APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PRODUTOR RURAL Esta série foi criada para abrigar entrevistas com empresário e produtores rurais. Entrevistas disponíveis até o momento: Carlos Henrique Maranhão Cecílio Rego de Almeida

Leia mais

O PT E OS MOVIMENTOS SOCIAIS

O PT E OS MOVIMENTOS SOCIAIS O PT E OS MOVIMENTOS SOCIAIS OS INSTRUMENTOS DE AÇÃO 1- Na atual conjuntura, as elites se unificaram em torno de alguns pressupostos básicos do projeto neoliberal e deram formato a uma maioria expressiva

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva**

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva** DISPERSÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DE REGISTROS ADMINISTRATIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Ernesto Pereira Galindo*

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

ESPAÇOS AGRÁRIOS DE INCLUSÃO E EXCLUSÃO SOCIAL: novas configurações do campo brasileiro

ESPAÇOS AGRÁRIOS DE INCLUSÃO E EXCLUSÃO SOCIAL: novas configurações do campo brasileiro Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, pp. 11-27, Jan/Jun 2003 ESPAÇOS AGRÁRIOS DE INCLUSÃO E EXCLUSÃO SOCIAL: novas configurações do campo brasileiro Bernardo Mançano Fernandes Universidade Estadual de São

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Entrevista com Clarice dos Santos - Coordenadora do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA

Entrevista com Clarice dos Santos - Coordenadora do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA Entrevista com Clarice dos Santos - Coordenadora do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA O Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária traz um novo impulso para a Educação do

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO CURITIBA SEED/PR 2008 1

EDUCAÇÃO DO CAMPO CURITIBA SEED/PR 2008 1 EDUCAÇÃO DO CAMPO CURITIBA SEED/PR 2008 1 GOVERNO DO PARANÁ CADERNOS TEMÁTICOS Educação do Campo Uma publicação da SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Reforma agrária no Brasil: uma falácia ou uma alternativa no atual estágio do capitalismo? Maristela Dal Moro 1 dalmororj@uol.com.

Reforma agrária no Brasil: uma falácia ou uma alternativa no atual estágio do capitalismo? Maristela Dal Moro 1 dalmororj@uol.com. Reforma agrária no Brasil: uma falácia ou uma alternativa no atual estágio do capitalismo? Maristela Dal Moro 1 dalmororj@uol.com.br Modalidad de trabajo: Eje temático: Palabras claves: Resultados de investigaciones

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS DE REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS DE REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS DE REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL Jean Roger Bombonatto Danelon Universidade Federal de Uberlândia jean.geoufu@yahoo.com.br Aline de Freitas Roldão Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse O B R A S I L DE SARNEY A FHC Da redemocratização à globalização O G O V E R N O S A R N E Y (1985-1990) 1990) Antecedentes Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

O PROCESSO DE RESISTÊNCIA E DE RECRIAÇÃO DO CAMPONÊS COMO PARTE CONTRADITÓRIA DO PROCESSO CAPITALISTA DE PRODUÇÃO NO BRASIL *

O PROCESSO DE RESISTÊNCIA E DE RECRIAÇÃO DO CAMPONÊS COMO PARTE CONTRADITÓRIA DO PROCESSO CAPITALISTA DE PRODUÇÃO NO BRASIL * O PROCESSO DE RESISTÊNCIA E DE RECRIAÇÃO DO CAMPONÊS COMO PARTE CONTRADITÓRIA DO PROCESSO CAPITALISTA DE PRODUÇÃO NO BRASIL * Introdução BEDUN, Maria Rosangela ** AVELINO JUNIOR, Francisco José **** Com

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA Mercedes Ferreira 1 - mercedita4@hotmail.com Maria Inês Vidal 2 Orientador: Luiz Alexandre Gonçalves Cunha

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

EXPANSÃO DO CAPITAL NO ESPAÇO RURAL BRASILEIRO: UMA REVISÃO DE CLÁSSICOS DA LITERATURA QUE ABORDAM A QUESTÃO AGRÁRIA NO PERÍODO MILITAR (1964-1985)

EXPANSÃO DO CAPITAL NO ESPAÇO RURAL BRASILEIRO: UMA REVISÃO DE CLÁSSICOS DA LITERATURA QUE ABORDAM A QUESTÃO AGRÁRIA NO PERÍODO MILITAR (1964-1985) EXPANSÃO DO CAPITAL NO ESPAÇO RURAL BRASILEIRO: UMA REVISÃO DE CLÁSSICOS DA LITERATURA QUE ABORDAM A QUESTÃO AGRÁRIA NO PERÍODO MILITAR (1964-1985) Fernando Veronezzi Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O INCRA E O ASSENTAMENTO

O INCRA E O ASSENTAMENTO O INCRA E O ASSENTAMENTO É um conjunto de medidas que visa promover a melhor distribuição da terra, mediante modificação no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios da justiça social

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

GLOBALIZATION AND MOBILIZATION IN THE NEOLIBERAL ERA IN LATIN AMERICA. CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE.

GLOBALIZATION AND MOBILIZATION IN THE NEOLIBERAL ERA IN LATIN AMERICA. CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE. GLOBALIZATION AND MOBILIZATION IN THE NEOLIBERAL ERA IN LATIN AMERICA. CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE. Maria da Glória Gohn University of Campinas-Brazil 1 O paper da Profa Susan Eckstein analisa as novas tendências

Leia mais

CAPITALISMO, QUESTÃO AGRÁRIA E OS MOVIMENTOS SOCIAIS.

CAPITALISMO, QUESTÃO AGRÁRIA E OS MOVIMENTOS SOCIAIS. CAPITALISMO, QUESTÃO AGRÁRIA E OS MOVIMENTOS SOCIAIS. João Mateus de Amorim 1 (1 - Professor de Geografia - Escola Agrotécnica Federal de Uberlândia, mateusamorim@terra.com.br) Resumo Este artigo faz uma

Leia mais

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet 1 UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA Ivo Tonet Introdução Para melhor orientar e sustentar a nossa luta, é importante compreender as dimensões mais gerais em que ela se situa. A convicção, gerada

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS. A Questão Agrária no Brasil no Século XXI

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS. A Questão Agrária no Brasil no Século XXI 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS A Questão Agrária no Brasil no Século XXI Marcos Cassin 1 Mírian Helena Goldschmidt 2 GT3 Marxismo e ciências humanas Introdução O que é a Questão Agrária? O

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil!

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Fora PM da USP! O estado de sítio na USP, com a instalação de bases da Polícia Militar

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

A RELAÇÃO CAMPO- CIDADE NO ENSINO DE GEOGRAFIA DE ESCOLAS RURAIS DE CATALÃO: entre o ideal e o essencial

A RELAÇÃO CAMPO- CIDADE NO ENSINO DE GEOGRAFIA DE ESCOLAS RURAIS DE CATALÃO: entre o ideal e o essencial A RELAÇÃO CAMPO- CIDADE NO ENSINO DE GEOGRAFIA DE ESCOLAS RURAIS DE CATALÃO: entre o ideal e o essencial Heloisa Vitória de CASTRO; Mestranda do PPG/UFG/Campus Catalão/Membro do NEPSA/Bolsista CAPES heloisavcp@hotmail.com

Leia mais

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL (...) Colocamos-nos, nesse momento, diante do desafio de trazer ao debate questões que se inserem nas reflexões em torno do enraizamento histórico do sindicalismo rural no

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014 Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, Encaminhamos, para ampla divulgação, a Carta de Aracaju (59º

Leia mais

O FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1

O FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1 O FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1 Benedito Anselmo Martins de Oliveira 2 A Economia Solidária no Brasil, em conformidade com as informações

Leia mais

O MST E A LUTA PELA TERRA NO CAMPO BRASILEIRO

O MST E A LUTA PELA TERRA NO CAMPO BRASILEIRO O MST E A LUTA PELA TERRA NO CAMPO BRASILEIRO Fábio Ferreira Santos membro do Grupo de Estudos Políticas Públicas e Produção do Espaço Universidade Federal de Sergipe - UFS Josefa de Lisboa Santos Coordenadora

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

Estado, burguesia agrária e sem-terra: lutas sociais sob o governo Lula

Estado, burguesia agrária e sem-terra: lutas sociais sob o governo Lula Estado, burguesia agrária e sem-terra: lutas sociais sob o governo Lula Marcela Testa (Graduanda Ciências Sociais/UEL) marcela_testa@hotmail.com As políticas neoliberais adotadas pelo governo Lula têm

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

criação da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1937

criação da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1937 História da ENESSO No Brasil, desde o período colonial podemos observar a participação dos estudantes na política do país, mesmo não possuindo um caráter organizado que só aconteceria no século XX. A primeira

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Mapa Mental Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Dois Focos Temáticos Sistema Capitalista História Contradições Desafios para a classe

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo SANEAMENTO RURAL Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo FOTO: Edmar Chaperman/Funasa O campo brasileiro é marcado por profundas desigualdades sociais e econômicas, que incidem diretamente

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

Mostrar a importância dos movimentos sociais do campo para o processo de redemocratização do Brasil.

Mostrar a importância dos movimentos sociais do campo para o processo de redemocratização do Brasil. Aula OS CONFLITOS AGRÁRIOS META Mostrar a importância dos movimentos sociais do campo para o processo de redemocratização do Brasil. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: entender os motivos que

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST)

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST) APRESENTAÇÃO DA SÉRIE MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST) Série que reúne a documentação do MST. É composta pelos seguintes dossiês: Análises estruturais e conjunturais; Congressos; Cooperativismo

Leia mais

Questão Agrária: conflitualidade e desenvolvimento territorial 1

Questão Agrária: conflitualidade e desenvolvimento territorial 1 Questão Agrária: conflitualidade e desenvolvimento territorial 1 BERNARDO MANÇANO FERNANDES 2 Sonhar mais um sonho impossível Lutar quando é fácil ceder Vencer o inimigo invencível Negar quando a regra

Leia mais

Acesso à Terra e Políticas Governamentais

Acesso à Terra e Políticas Governamentais Acesso à Terra e Políticas Governamentais Mario Paiva 2 ACESSO À TERRA E POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS Mario Antonio Lobato de Paiva (*) O direito de acesso à terra em razão da moradia é universal. Os governos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

Bernardo Mançano Fernandes. 1 Texto elaborado a partir de pesquisa de doutoramento em andamento, sob orientação do Prof. Dr.

Bernardo Mançano Fernandes. 1 Texto elaborado a partir de pesquisa de doutoramento em andamento, sob orientação do Prof. Dr. NOTAS SOBRE A REFORMA AGRÁRIA E O MERCADO DE TERRAS EM SERGIPE 1 Eraldo da Silva Ramos Filho (eramosfilho@hotmail.com) Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe Professor do Colégio de Aplicação

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A RECRIAÇÃO DO CAMPONÊS

O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A RECRIAÇÃO DO CAMPONÊS O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A RECRIAÇÃO DO CAMPONÊS Luiza Santos Alves luizaalves.geo@gmail.com Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia Universidade Federal do Espírito Santo

Leia mais