Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica"

Transcrição

1 Curso de Formação em Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica Leccionado por Jorge Alberto Mendes de Sousa para Galp Energia Lisboa Abril 2010

2 1. Enquadramento O presente curso de formação em Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica destina-se a quadros da Galp Energia cuja actividade se relaciona com esta área, tendo como principal objectivo dotar os participantes de conhecimentos que potenciem, de forma directa e indirecta, a sua actividade profissional. O curso encontra-se organizado em quatro módulos que cobrem os fundamentos técnicos e económicos associados à actividade de produção de energia eléctrica, a gestão económica de sistemas de produção de energia eléctrica, a análise e simulação de mercados de energia eléctrica e os mecanismos de alocação e gestão da capacidade de transporte nas interligações. O curso compreende um total de 41 horas de formação efectiva, sendo a metodologia utilizada baseada em técnicas mistas de método expositivo, exercícios de aplicação, simulação usando software dedicado (GAMS) e estudos de caso

3 2. Programa 1. Fundamentos técnicos e económicos associados à produção de energia eléctrica (6 horas) S1 Qua 28/04 (14h às 17h) S2 Qua 28/ Descrição das principais tecnologias de geração: nuclear, carvão, CCGT, hídrica, eólica e fotovoltaica. 1.2 Características dos grupos electroprodutores: tempos e custos de arranque e paragem, restrições técnicas de operação, rendimento, tipo e nível de emissões. 1.3 Determinação dos custos de produção dos grupos térmicos: custos variáveis de combustível e de emissões, custos de O&M fixos e variáveis, custos de investimento. 1.4 Introdução ao software GAMS para simulação de sistemas e mercados de energia eléctrica. 2. Gestão económica de sistemas de produção de energia eléctrica (16 horas) S3 Seg 03/ Despacho económico: Determinação do perfil óptimo de produção de um portfolio de grupos térmicos, de forma a cumprir um valor dado de produção total e respeitando os limites técnicos de operação dos grupos (potência mínima e potência máxima). S4 Qui 06/05 S5 Ter 18/05 S6 Qua 19/05 S7 Qua 26/05 S8 Sex 28/ Comissionamento de grupos: Determinação dos grupos térmicos a comissionar em cada momento e seu perfil de produção para cumprir um valor de produção total variável no tempo, tendo em consideração as características técnicas dos grupos (potências mínima e máxima, custos de arranque e de paragem, rampa de subida e rampa de descida). 2.3 Coordenação hidro-térmica: Afectação óptima dos recursos hídricos disponíveis num portfolio de produção composto por grupos térmicos e grupos hídricos para produção de energia eléctrica. 2.4 Bombagem: Determinação do perfil óptimo de turbinamento e bombagem de grupos hídricos reversíveis para um horizonte temporal dado. 2.5 Eólica: Modelação e integração de fontes de produção não despacháveis no sistema electroprodutor, com aplicação específica à energia eólica. 2.6 Integração de outras fontes de produção no sistema electroprodutor: aplicação à cogeração e minihídrica

4 3. Análise e simulação de mercados de energia eléctrica (12 horas) S9 Qua 02/06 S10 Qua 16/06 S11 Sex 18/06 S12 Seg 28/ Caracterização das principais formas de negociação em mercado com referência ao MIBEL: mercados a prazo (mercado organizado e contratação bilateral), mercados spot (diário, intra-diário) e mercado de serviços de sistema. 3.2 Estratégias de licitação em mercado: análise de estratégias típicas utilizadas pelos agentes ibéricos no mercado diário. 3.3 Técnicas de modelação e simulação de mercados de energia eléctrica para previsão de preços spot, produções e estratégias concorrenciais. 3.4 Simulação da estratégia óptima de um agente produtor com um portfolio de tecnologias diversificado para optimização do lucro operacional com base na curva de procura residual ou no preço estimado. S13 Qua 30/ Simulação de mercados de energia eléctrica com modelo baseado em custos de produção para previsão de preços, produções e trânsito nas interligações. 4. Mecanismos de alocação e gestão da capacidade de transporte nas interligações (7 horas) S14 Qua 21/ Caracterização dos principais mecanismos de alocação e gestão de congestionamento das interligações existentes. S15 Seg 26/07 S16 Qua 28/ Análise e simulação do mecanismo de market splitting. Estudo de caso: MIBEL. 4.3 Análise do mecanismo de leilões explícitos. Estudo de caso: interligações Espanha-França e França-Alemanha

5 3. Formador Jorge Alberto Mendes de Sousa é Licenciado e Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores pelo Instituto Superior Técnico, com especialização em Sistemas de Energia, e Doutorado em Economia pela Universidade Nova de Lisboa, com especialização em Economia Industrial. Desde 1998 exerce funções académicas no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa, onde possui a categoria de com nomeação definitiva, sendo coordenador da Secção de Sistemas de Energia do Departamento de Engenharia Electrotécnica e Automação. Colabora com a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa como docente do Mestrado em Energias Renováveis e na orientação de alunos de mestrado e doutoramento. É Investigador Associado do MIT/Center for Energy and Environmental Policy Research, investigador do Centro para a Inovação em Engenharia Elecrotécnica e de Energia do IST, membro do IEEE, da Ordem dos Economistas e da Ordem dos Engenheiros. Na qualidade de Professor Convidado da Universidade Estatal de Engenharia da Arménia leccionou cursos intensivos na área económica dirigidos a quadros superiores de empresas do sector eléctrico e alunos finalistas nos anos de 2000 e Antes de ingressar na carreira académica foi colaborador de diversas empresas do sector eléctrico entre as quais a EDP - Electricidade de Portugal, a EDF - Electricité de France e o INTERG - Instituto da Energia. Ao longo do seu percurso profissional tem participado e coordenado projectos de consultoria com empresas e instituições do sector energético entre as quais a EDP, a Autoridade da Concorrência, a Galp Energia, a EGSP, a CENOR, a CESO CI e o INETI (actual LNEG), nas áreas de mercados liberalizados de energia eléctrica, gestão de risco, sistemas de produção e transmissão de energia eléctrica, mercados ambientais (CO2 e certificados verdes) e energias renováveis. Jorge Alberto Mendes de Sousa ISEL - Instituto Superior de Engenharia de Lisboa DEEA Secção de Sistemas de Energia Rua Conselheiro Emídio Navarro Lisboa PORTUGAL Web: Tm:

EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS)

EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS) EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS) O papel da bombagem na integração da energia eólica no sistema electroprodutor usando o GAMS Jorge Alberto Mendes de Sousa

Leia mais

A Construção do Mercado Europeu de Eletricidade

A Construção do Mercado Europeu de Eletricidade A Construção do Mercado Europeu de Eletricidade Situação atual e perspetivas futuras Jorge Sousa Professor Coordenador ISEL Investigador INESC-ID Lisboa PORTUGAL jsousa@isel.pt 1 A G E N D A 2 Breve Caracterização

Leia mais

Energias Renováveis:

Energias Renováveis: Energias Renováveis: o contributo da Investigação e Desenvolvimento. António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do

Leia mais

Energia nuclear no mercado de eletricidade

Energia nuclear no mercado de eletricidade Energia nuclear no mercado de eletricidade Audição Parlamentar Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação da Assembleia da República 1 março 2017 Agenda

Leia mais

EER Economia das Energias Renováveis -1-

EER Economia das Energias Renováveis -1- EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS) Resolução da Coordenação Hidro-térmica com Bombagem usando o GAMS Jorge Alberto Mendes de Sousa Professor Coordenador Webpage:

Leia mais

A Produção Solar PV em Portugal

A Produção Solar PV em Portugal A Produção Solar PV em Portugal 5 de Maio de 2017 Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 10:00 10:10 10:10 10:30 10:30 10:50 Abertura Prof. Dr. Jorge Maia Alves, Faculdade de Ciências da Universidade

Leia mais

A Regulação do Sector Energético

A Regulação do Sector Energético A Regulação do Sector Energético Apresentação realizada na FEUC Vítor Santos 25 de Maio de 2012 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do setor energético 2. Liberalização do sector Energético

Leia mais

Área de Especialização de Energia

Área de Especialização de Energia Área de Especialização de Energia Rui Castro IST / DEEC / AC Energia rcastro@tecnico.ulisboa.pt https://sites.google.com/site/ruigameirocastro/ Grupos de disciplinas Eletromagnetismo Aplicado e Conversão

Leia mais

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE CLÁUDIO CASIMIRO claudio.casimiro@ceeeta.pt A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será diferente Peter Drucker Paradigma Actual - UE Nos

Leia mais

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Área de Especialização em Energias Renováveis e Sistemas de Potência Edição 2007/2008 Enquadramento Especialização de Energias Renováveis e Sistemas

Leia mais

Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Produção Distribuída e Energias Renováveis (Setembro de 2005) J. A.

Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Produção Distribuída e Energias Renováveis (Setembro de 2005) J. A. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Produção Distribuída e Energias Renováveis (Setembro de 2005) J. A. Peças Lopes Introdução Kyoto e a Directiva das Energias Renováveis na Europa:

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL

CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL PARA A DESCARBONIZAÇÃO DA ECONOMIA ANTÓNIO SÁ DA COSTA LISBOA, 17 DE MARÇO DE 2017 EVOLUÇÃO DO SETOR ELETROPRODUTOR PORTUGUÊS 2 EVOLUÇÃO DO MIX DE PRODUÇÃO ELÉTRICO

Leia mais

QUI606: Ana Leitão, Ana Morgado, Ana Raquel Costa, Bárbara Silva, Helena Barranha e Marta Santos.

QUI606: Ana Leitão, Ana Morgado, Ana Raquel Costa, Bárbara Silva, Helena Barranha e Marta Santos. QUI606: Ana Leitão, Ana Morgado, Ana Raquel Costa, Bárbara Silva, Helena Barranha e Marta Santos. 29/10/2010 Supervisora: Doutora Alexandra Pinto Monitora: Vânia Oliveira 1 - Objectivos - Introdução -

Leia mais

Mercado Liberalizado de Energia

Mercado Liberalizado de Energia Mercado Liberalizado de Energia BRAGA - 26/10/2012 1 ÍNDICE 1. PRESENÇA GLOBAL 2. NEGÓCIO LIBERALIZADO 3. IBERDROLA EM PORTUGAL 4. MERCADO LIVRE 5. CONTRATAÇÃO PÚBLICA 2 PRESENÇA GLOBAL 3 A IBERDROLA é

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo SMART-SEN: Um Modelo de Simulação do Sistema Elétrico Nacional com Presença de Geração de Renováveis Intermitentes: Impactos Operacionais, Regulatórios e Custos Equipe Básica: Prof. Dr. Paulo Barbosa Prof.

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ENERGÉTICA E HÍDRICA NO CICLO URBANO DA ÁGUA AQUAPOR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA HÍDRICA E ENERGÉTICA Otimização Energética Grupo AQUAPOR Edifício do auditório

Leia mais

MIBEL enquanto mercado spot e a prazo O funcionamento do mercado spot

MIBEL enquanto mercado spot e a prazo O funcionamento do mercado spot WORKSHOP ERSE-GESEL INTEGRAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA ELÉCTRICA E FORMAÇÃO DE PREÇOS MIBEL enquanto mercado spot e a prazo O funcionamento do mercado spot Eduardo Teixeira 4 de Março de 2011 Agenda 1.

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Engenharia. Projecto Final e Tese I

Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Engenharia. Projecto Final e Tese I Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Engenharia Projecto Final e Tese I M E S T R A D O S E M E N G E N H A R I A : A M B I E N T E E U R B A N I S M O, B I O M É D I C A, C I V I L, C L Í N I

Leia mais

Livro Verde sobre a eficiência energética

Livro Verde sobre a eficiência energética Livro Verde sobre a eficiência energética Fazer mais com menos Integrado na estratégia de Lisboa Paula Abreu Marques Comissão Europeia Direcção Geral da Energia e dos Transportes 1 Antecedentes: O Livro

Leia mais

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues As Energias do Presente e do Futuro Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA EÓLICA E EM PORTUGAL Situação, objectivo e desafios Álvaro Rodrigues Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Instituto

Leia mais

Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas

Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas de electro-produção João Joanaz de Melo FCT-UNL / GEOTA Ciclo Política Ambiental no Sistema Fiscal Português Seminário: o sector energético

Leia mais

Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010

Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010 Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010 José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia Lisboa, 09 de Junho 2010 0 Cogeração de Elevada Eficiência (EE)

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 4/2005 SACYR- VALLEHERMOSO, S.A-/FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 4/2005 SACYR- VALLEHERMOSO, S.A-/FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S. DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 4/2005 SACYR- VALLEHERMOSO, S.A-/FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A I - INTRODUÇÃO 1. Em 10 de Janeiro de 2005, a Autoridade da Concorrência

Leia mais

Gestão do Sistema Elétrico com grande penetração de renováveis

Gestão do Sistema Elétrico com grande penetração de renováveis Seminário Ordem Engenheiros Gestão do Sistema Elétrico com grande penetração de renováveis Lisboa, 21 Jun 2017 TOPICOS 1. A (r) evolução em 10 anos: 2007-2016 2. Principais desafios para a Gestão do Sistema

Leia mais

A Cogeraçãoem Portugal

A Cogeraçãoem Portugal A Cogeraçãoem Portugal Desafios e Oportunidades Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com jcosta@dem.isel.pt Seminário Gás Natural Os Desafios do Futuro, Lisboa 11 de Outubro de 2011 A Cogeração

Leia mais

edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate O desafio O compromisso europeu Agenda

edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate edp corporate O desafio O compromisso europeu Agenda Agenda Estratégia Mecanismos: os Serviços de Energia Energia, Ecoeficiência e Desenvolvimento Local Que estratégias e mecanismos para introdução de práticas ecoeficientes e energias renováveis nas Autarquias?

Leia mais

Jorge Tropa CEO Siemens Angola. Tecnologia como factor determinante para a rentabilidade das infra-estruturas eléctricas. Ccc

Jorge Tropa CEO Siemens Angola. Tecnologia como factor determinante para a rentabilidade das infra-estruturas eléctricas. Ccc Jorge Tropa CEO Siemens Angola Tecnologia como factor determinante para a rentabilidade das infra-estruturas eléctricas Jorge Tropa 15 de Setembro de 2011 Presença em África Primeiras actividades (países

Leia mais

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos Renováveis- Grande e Pequena Hídrica Carlos Matias Ramos Lisboa, 3 de Março de 2009 Ilusão da Abundância Existe o sentimento de que os bens essenciais - água e energia eléctrica -são recursos disponíveis

Leia mais

Energy Derivatives ELETRICIDADE. 1ª Edição. Domine e controle os distintos tipos de Derivados e saiba como e quando utilizá-los SEMINÁRIO TÉCNICO

Energy Derivatives ELETRICIDADE. 1ª Edição. Domine e controle os distintos tipos de Derivados e saiba como e quando utilizá-los SEMINÁRIO TÉCNICO INSCREVA-SE EM 21 793 29 89 SEMINÁRIO TÉCNICO 1ª Edição Domine e controle os distintos tipos de Derivados e saiba como e quando utilizá-los Energy Derivatives ELETRICIDADE GÁS Lisboa 23 e 24 de Outubro

Leia mais

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT Investimentos Plano de Desenvolvimento em perspetiva e Investimento da Rede de Transporte Redes Energéticas Nacionais, SGPS de Electricidade 2012-2017 (2022)

Leia mais

PLANO NOVAS ENERGIAS (ENE 2020)

PLANO NOVAS ENERGIAS (ENE 2020) PLANO NOVAS ENERGIAS (ENE 2020) 0 Metas da União Europeia para 2020 20% 20% 20% Peso das Renováveis no consumo de energia final Redução do consumo de energia final Redução de gases de efeito de estufa

Leia mais

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de ! %! &' ( "##$ %&' (%&' A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de parques eólicos na Polónia

Leia mais

Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC)

Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC) Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC) Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006 Licenciatura em Engenharia

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Abril de 217 [GW] ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O passado mês de abril apresentou temperaturas elevadas e uma fraca pluviosidade, em

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS DE ENERGIA ELÉCTRICA

TARIFAS E PREÇOS DE ENERGIA ELÉCTRICA TARIFAS E PREÇOS DE ENERGIA ELÉCTRICA REVISÃO EXTRAORDINÁRIA PARA VIGORAR ENTRE SETEMBRO E DEZEMBRO DE 2007 10 de Agosto de 2007 1 Agenda 1. O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico? 2. O

Leia mais

EER Economia das Energias Renováveis -1-

EER Economia das Energias Renováveis -1- EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS) Resolução do Despacho Económico usando o GAMS Jorge Alberto Mendes de Sousa Professor Coordenador Webpage: pwp.net.ipl.pt/deea.isel/jsousa

Leia mais

Coordenação dos Investimentos no Transporte e Produção de Electricidade: Estudo da Interligação Portugal-Espanha-França

Coordenação dos Investimentos no Transporte e Produção de Electricidade: Estudo da Interligação Portugal-Espanha-França Coordenação dos Investimentos no Transporte e Produção de Electricidade: Estudo da Interligação Portugal-Espanha-França João Gustavo da Cunha Feio Dissertação para a Obtenção de Grau de Mestre em Engenharia

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologias

Faculdade de Ciências e Tecnologias Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Duração: 5 anos Grau: Mestrado Coordenador: Maria de Graça Martinho Objectivos: A Engenharia

Leia mais

A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote)

A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote) WORKSHOP ERSE-GESEL INTEGRAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA ELÉCTRICA E FORMAÇÃO DE PREÇOS A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote) José Afonso 4 de Março de 2011 Índice

Leia mais

MEEC / MEM Energias Renováveis Energia Eólica. Energia Eólica. Gestão de Sistemas Eléctricos com Elevada Integração de Geração Eólica

MEEC / MEM Energias Renováveis Energia Eólica. Energia Eólica. Gestão de Sistemas Eléctricos com Elevada Integração de Geração Eólica Gestão de Sistemas Eléctricos com Elevada Integração de Geração Eólica J. A. Peças Lopes Introdução A integração de elevados níveis de geração eólica nos sistemas eléctricos têm impactos na gestão do sistema:

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil 1 Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil Estratégia Nacional de Energia Barragens e Mini-Hídricas Luís Braga da Cruz (FEUP) PORTO 21 de Maio de 2011 2 Índice 1. Estratégia Nacional

Leia mais

DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO

DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO PLANEAMENTO E ENGENHARIA DE AEROPORTOS DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO 1 DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM PLANEAMENTO E ENGENHARIA DE AEROPORTOS 1. Objectivos O Diploma de Especialização em Planeamento e Engenharia

Leia mais

Impacto da Produção Distribuída nas Redes de Distribuição

Impacto da Produção Distribuída nas Redes de Distribuição Impacto da Produção Distribuída nas Redes de Distribuição Trabalho PDME 2010/2011 Elves Silva (1) (1) Instituto Superior da engenharia do porto (ISEP) Resumo O presente trabalho criado no âmbito da disciplina

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Licenciatura em Engenharia e Gestão do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Responsável: Professor Doutor Rui Bento Elias Objectivos: Na sequência da adequação dos cursos

Leia mais

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA PROMOVIDO PELA: ORDEM DOS ENGENHEIROS ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA PORTUGUESA CARLOS ALEGRIA

Leia mais

ENERGIA HIDROELÉCTRICA. António Gonçalves Henriques 1

ENERGIA HIDROELÉCTRICA. António Gonçalves Henriques 1 ENERGIA HÍDRICA ANTÓNIO GONÇALVES HENRIQUES António Gonçalves Henriques 1 DIAGRAMA DE CARGAS António Gonçalves Henriques 2 DIAGRAMA DE CARGAS António Gonçalves Henriques 3 APROVEITAMENTOS HIDRO-ELÉCTRICOS

Leia mais

3 de Fevereiro de 2011

3 de Fevereiro de 2011 Energia Renovável Offshore em Portugal Grupo de Trabalho Energia e Ciência da Comissão dos Assuntos Económicos da Assembleia da República 3 de Fevereiro de 2011 António Sarmento É INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

Leia mais

Engenharia Industrial-EM (Mestrado)

Engenharia Industrial-EM (Mestrado) Engenharia Industrial-EM (Mestrado) Complementos de Mecânica dos Fluidos 26/06 14:30 10/07 09:30 Mecânica Computacional 17/06 18:00 06/07 18:00 1 Mecatrónica 09/06 09:30 04/07 11:00 Processos de Ligação

Leia mais

TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008

TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008 TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008 12 de Dezembro de 2007 1 Agenda 1. Qual é o enquadramento legal que condiciona a fixação das tarifas para 2008? 2. O que mudou no sector eléctrico que condiciona

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO - Sistemas de Gestão de Energia -

CURSOS DE FORMAÇÃO - Sistemas de Gestão de Energia - CURSOS DE FORMAÇÃO - Sistemas de Gestão de Energia - No âmbito do desenvolvimento do seu centro de formação a Self Energy Innovation propõe-se executar em parceria com a Agência Municipal de Energia de

Leia mais

Cursos IST/OE(RS) (Análises Económica e de Decisão aplicadas à avaliação de projetos de engenharia)

Cursos IST/OE(RS) (Análises Económica e de Decisão aplicadas à avaliação de projetos de engenharia) Cursos IST/OE(RS) Curso de Engenharia Económica (EE) (Análises Económica e de Decisão aplicadas à avaliação de projetos de engenharia) Quintas-feiras, 19h às 22h, sala VA1, Pavilhão de Civil, IST Alameda.

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. a 29 de fevereiro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. a 29 de fevereiro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS a 29 de fevereiro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O mês de fevereiro, à semelhança do anterior, continua a evidenciar o forte potencial das fontes

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DO MESTRADO EM ENGENHARIA DE GESTÃO DE ENERGIAS RENOVAVEIS (MEGER) Em Elaboração

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DO MESTRADO EM ENGENHARIA DE GESTÃO DE ENERGIAS RENOVAVEIS (MEGER) Em Elaboração PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DO MESTRADO EM ENGENHARIA DE GESTÃO DE ENERGIAS RENOVAVEIS (MEGER) Em Elaboração Pelo: Vicente Chihale (Ph. D.) 1 DADOS DO CURSO Denominação do curso Modalidade oferecida Título

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E INSCRIÇÃO

ORGANIZAÇÃO E INSCRIÇÃO FICHA DE INSCRIÇÃO Nome completo: Título: Tel.: e-mail: Residência: Localidade: Naturalidade: Nacionalidade: Data de Nascimento: Local Emissão: Empresa: Endereço: Localidade: Tel.: Recibo em nome de: SIMULAÇÃO

Leia mais

INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES

INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES Compromisso para o Crescimento Verde: Energia 2 Dezembro 2014 0 As metas da UE para 2030 3 objectivos de política energética METAS (%) 2030 UE POLÍTICA ENERGÉTICA DA UE OBJECTIVOS

Leia mais

ARMANDO JOSÉ PINHEIRO MARQUES PIRES

ARMANDO JOSÉ PINHEIRO MARQUES PIRES CURRICULUM VITÆ DE ARMANDO JOSÉ PINHEIRO MARQUES PIRES Setembro de 2009 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Armando José Pinheiro Marques Pires Data de nascimento: 21-10-1962 2. GRAUS E TÍTULOS ACADÉMICOS E PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

VI Conferência Anual da RELOP

VI Conferência Anual da RELOP VI Conferência Anual da RELOP Novos Desafios para a Regulação do Setor Energético Vitor Santos, Presidente da ERSE Luanda, 30 de Maio de 2013 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do sector

Leia mais

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia 10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia PROBLEMAS ENERGÉTICOS DA ACTUALIDADE O avanço científico e tecnológico da nossa sociedade provocou o aumento acelerado

Leia mais

Centrais Solares Termoeléctricas

Centrais Solares Termoeléctricas Semana da Tecnologia e Design 2012 Instituto Politécnico de Portalegre Aproveitamento de Energia Solar Térmica Centrais Solares Termoeléctricas João Cardoso joao.cardoso@lneg.pt Unidade de Energia Solar,

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Setembro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Setembro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Setembro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Setembro de 2016 caracterizou-se por uma diminuição da disponibilidade do recurso renovável hídrico e

Leia mais

ALBIOMA I SEMINÁRIO MINEIRO DE BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA-DE-AÇÚCAR

ALBIOMA I SEMINÁRIO MINEIRO DE BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA-DE-AÇÚCAR ALBIOMA I SEMINÁRIO MINEIRO DE BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA-DE-AÇÚCAR Outubro 2016 NOSSO OBJETIVO COMUM 1. Disponibilidade de biomassa 2. Tecnologia consolidada 3. Condições econômicas voltam

Leia mais

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 LIS-143096080926 Evolução (quase) disruptiva do paradigma energético Formas

Leia mais

Comissão da Especialização em Energia da Ordem dos Engenheiros CICLO DE ENCONTROS DEBATE SOBRE O PREÇO DA ENERGIA

Comissão da Especialização em Energia da Ordem dos Engenheiros CICLO DE ENCONTROS DEBATE SOBRE O PREÇO DA ENERGIA Comissão da Especialização em Energia da Ordem dos Engenheiros CICLO DE ENCONTROS DEBATE SOBRE O PREÇO DA ENERGIA 17-02-2011 1 1 -As renováveis são mais caras que as convencionais? Há renováveis e renováveis.

Leia mais

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELECTRICIDADE E GÁS NATURAL INVESTIMENTO, RISCO E REGULAÇÃO

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELECTRICIDADE E GÁS NATURAL INVESTIMENTO, RISCO E REGULAÇÃO III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELECTRICIDADE E GÁS NATURAL INVESTIMENTO, RISCO E REGULAÇÃO OS OPERADORES DO SISTEMA Victor Baptista Porto, 12.Fevereiro.2010 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO OPERADOR DO SISTEMA EVOLUÇÃO

Leia mais

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 Panorama político-econômico para a geração de energia eólica e perspectivas ambientais para o setor Saulo Cisneiros

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 3/2017. Formação do preço da banda de regulação secundária

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 3/2017. Formação do preço da banda de regulação secundária 2006 Diário da República, 2.ª série N.º 20 27 de janeiro de 2017 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 3/2017 Formação do preço da banda de regulação secundária O Manual de

Leia mais

Apresentação Credit Suisse 26 de agosto de /07

Apresentação Credit Suisse 26 de agosto de /07 Apresentação Credit Suisse 26 de agosto de 2016 05/07 Nova Realidade no Setor Matriz mais complexa e centrada no cliente Cogeração Geração Energia Eólica Geração Veículos Elétricos Transmissão Energia

Leia mais

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. BENEFICIÁRIOS E PROJECTOS ELEGÍVEIS 3. TIPO DE DESPESAS 4. INVESTIMENTOS ELEGÍVEIS 5. SUMÁRIO DAS CARACTERÍSTICAS DA LINHA 6. VANTAGENS PARA

Leia mais

FINANÇAS. ORGANIZAÇÃO O curso está estruturado em duas áreas de especialização: Mercados Financeiros; Instituições

FINANÇAS. ORGANIZAÇÃO O curso está estruturado em duas áreas de especialização: Mercados Financeiros; Instituições COMISSÃO CIENTÍFICA E PEDAGÓGICA Professor doutor João Duque (coordenador) Professora doutora Raquel Gaspar Professora doutora Clara Raposo DESTINATÁRIOS FINANÇAS O mestrado destina-se essencialmente a

Leia mais

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética Process Automation Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética A ABB é líder em tecnologias electrotécnicas e de automação que tornam possível às indústrias aumentarem a sua eficiência,

Leia mais

SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs. O impacto das políticas energéticas nas PME. 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa

SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs. O impacto das políticas energéticas nas PME. 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa O impacto das políticas energéticas nas PME Pedro Neves Ferreira EDP - Diretor de Planeamento Energético O setor elétrico europeu

Leia mais

Martifer regista lucro líquido de 100,2 M em 2009

Martifer regista lucro líquido de 100,2 M em 2009 Oliveira de Frades, 25 de Fevereiro de 2010 Martifer regista lucro líquido de 100,2 M em 2009 Proveitos Operacionais consolidados ascenderam a 606.1 milhões de euros, apesar do ambiente geral de recessão

Leia mais

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética.

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética. SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Workshop Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas PAINEL II O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência

Leia mais

O Hidrogénio no Novo Paradigma Energético Oportunidades para Portugal

O Hidrogénio no Novo Paradigma Energético Oportunidades para Portugal O Hidrogénio no Novo Paradigma Energético Oportunidades para Portugal Plano Intervenção Guião Hidrogénio Novo Vector Energético Motores da Economia do Hidrogénio Incursão na Tecnologia Desafios / Oportunidades

Leia mais

Integração da PRE no MIBEL

Integração da PRE no MIBEL Integração da PRE no MIBEL Resultados da Consulta Pública e Propostas de Harmonização Regulatória Eduardo Teixeira Motivações Efeitos da presença da PRE no contexto do MIBEL Motivações Peso relativo e

Leia mais

Formação do preço da banda de regulação secundária

Formação do preço da banda de regulação secundária ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 22/2016 Formação do preço da banda de regulação secundária O Manual de Procedimentos da Gestão Global do Sistema do setor elétrico (MPGGS), aprovado

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO Corpo Docente

MESTRADO EM GESTÃO Corpo Docente MESTRADO EM GESTÃO Corpo Docente Carlos Manuel Gomes da Silva Doutor em Organização e Gestão de Empresas, na especialidade de Investigação Operacional, Mestre em Gestão da Informação nas Organizações,

Leia mais

ELECTRICIDADE RENOVÁVEL Um protagonismo crescente. António Sá da Costa

ELECTRICIDADE RENOVÁVEL Um protagonismo crescente. António Sá da Costa ELECTRICIDADE RENOVÁVEL Um protagonismo crescente António Sá da Costa 2 EVOLUÇÃO 2000-2012 6.000 Evolução da potência renovável instalada em Portugal 5.000 4.000 MW 3.000 2.000 1.000 0 2000 2001 2002 2003

Leia mais

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto Jornadas de Investigação e Inovação LNEC Energias renováveis Potencial de integração da indústria da construção apinto@lnec.pt LNEC 26 de março de 2012 Objetivos para energia renovável > Diretiva 2009/28/CE

Leia mais

Orientações para a preparação de propostas: partilha de boas práticas e casos de sucesso da participação nacional

Orientações para a preparação de propostas: partilha de boas práticas e casos de sucesso da participação nacional Orientações para a preparação de propostas: partilha de boas práticas e casos de sucesso da participação nacional Grupo Vivapower Self Energy Neuza Rosa 10 Setembro 2015 Laboratório Nacional de Engenharia

Leia mais

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07 ENERGIA EÓLICAE Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de 2007 Enquadramento (Convenção Quadro NU Alterações Climáticas) Electricidade Directiva UE para as renováveis Actividade humana Gases c/efeito

Leia mais

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em:

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: www.ccdr-n.pt/agendastematicas Índice Contexto União Europeia Portugal Região do Norte Análise SWOT Plano de Acção

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Novembro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O outono de 2016 tem-se caracterizado por temperaturas ligeiramente acima da média e uma produtibilidade

Leia mais

Perspectivas para o Programa de P&D ANEEL. São Paulo, Agosto de 2016

Perspectivas para o Programa de P&D ANEEL. São Paulo, Agosto de 2016 Perspectivas para o Programa de P&D ANEEL São Paulo, Agosto de 2016 Agenda 1 2 3 CONTEXTO SITUAÇÃO ATUAL DA INOVAÇÃO E P&D IDEIAS PARA NOVO MODELO DE P&D+I Privado e Confidencial Anos Anos Estamos a viver

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Possíveis Saídas Profissionais: As engenheiras e os engenheiros electrotécnicos podem exercer a sua actividade profissional em: a) projecto de instalações eléctricas,

Leia mais

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços Lisboa, 15 de julho de 2016 Ordem dos Engenheiros Oportunidades de Financiamento

Leia mais

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Hélder Serranho Vice-presidente da APREN

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Hélder Serranho Vice-presidente da APREN Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Hélder Serranho Vice-presidente da APREN Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Hélder Serranho, APREN Índice Enquadramento

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

O LNEG e as Compras Sustentáveis

O LNEG e as Compras Sustentáveis Inovação através das Compras Sustentáveis: O projecto SMART-SPP Paula Trindade, LNEG Supported by: YOUR LOGO O LNEG e as Compras Sustentáveis o Projecto GreenMed (2003 2003-2006 2006) Aplicação na Câmara

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL ABRIL DE Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL ABRIL DE Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL ABRIL DE 215 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Abril de 215 O preço médio aritmético durante o mês foi de 45,34 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa foi

Leia mais

A importância da descentralização da produção de energia elétrica no âmbito da descarbonização da economia.

A importância da descentralização da produção de energia elétrica no âmbito da descarbonização da economia. A importância da descentralização da produção de energia elétrica no âmbito da descarbonização da economia. Raul Cunha dst Solar OERN Evolução da Potência Renovável Instalada em Portugal Produção de Energia

Leia mais

Gestão do Desporto Profissional

Gestão do Desporto Profissional - Diplomas e Certificações Aos alunos que obtenham aprovação em todas as disciplinas será atribuído um Diploma de em Gestão do Desporto Profissional e um certificado das disciplinas realizadas. Aos formandos

Leia mais

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS 5. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL OUTUBRO DE Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL OUTUBRO DE Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL OUTUBRO DE 215 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Outubro de 215 O preço médio aritmético durante o mês foi de 49,9 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa foi

Leia mais

MEEC. Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores. Índice. MEEC Edição 2008/09 Instituto Superior de Engenharia do Porto

MEEC. Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores. Índice. MEEC Edição 2008/09 Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores O Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores destina-se a complementar a formação de profissionais habilitados com o grau de Licenciado, fornecendo

Leia mais

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Sector Industrial Carlos Pimparel, DGEG Índice Enquadramento do SGCIE Objectivos e âmbito de aplicação do Sistema de Gestão Organização

Leia mais