UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE MANOEL PEREIRA DA SILVA NETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE MANOEL PEREIRA DA SILVA NETO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE MANOEL PEREIRA DA SILVA NETO AVALIAÇÃO HISTOLÓGICA DO MÚSCULO GRANDE DORSAL SUBMETIDO À EXPANSÃO TECIDUAL PÓS-INFILTRAÇÃO COM TOXINA BOTULÍNICA: ESTUDO EXPERIMENTAL EM RATOS UBERABA-MG 2014

2 MANOEL PEREIRA DA SILVA NETO AVALIAÇÃO HISTOLÓGICA DO MÚSCULO GRANDE DORSAL SUBMETIDO À EXPANSÃO TECIDUAL PÓS-INFILTRAÇÃO COM TOXINA BOTULÍNICA: ESTUDO EXPERIMENTAL EM RATOS Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, como requisito parcial para a obtenção do Título de Mestre. Área de Concentração: Patologia Básica e Experimental Orientadora: Profa. Dra. Renata Margarida Etchebehere UBERABA-MG 2014

3

4 MANOEL PEREIRA DA SILVA NETO AVALIAÇÃO HISTOLÓGICA DO MÚSCULO GRANDE DORSAL SUBMETIDO À EXPANSÃO TECIDUAL PÓS-INFILTRAÇÃO COM TOXINA BOTULÍNICA: ESTUDO EXPERIMENTAL EM RATOS Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, como requisito parcial para a obtenção do Título de Mestre Área de Concentração: Patologia Humana Aprovada em Uberaba (MG), 28 de Abril de Banca Examinadora Prof. Dr. Hélio Humberto Angotti Carrara Membro da Banca Profa. Dra. Renata Margarida Etchebehere Orientadora Profa. Dra. Rosekeila Simões Nomeline Membro da Banca

5 Dedico este trabalho ao meu pai José Pereira Gomes (in memoriam), exemplo de homem bom, honesto, responsável, dedicado e bem humorado. É uma grande referência em minha vida e espelho para minhas decisões. À minha mãe Severina Ferreira Gomes, cujas atitudes referentes a mim podem ser resumidas em poucas palavras: minha torcedora sempre fiel. À minha esposa Fabiana Helena Oliveira da Silva, pelo entendimento, compreensão, disponibilidade e ajuda contínua, ao longo da minha vida e carreira. À minha filha Manuela Oliveira Silva Pereira, minha melhor produção e razão de alegria e aprendizagem. Aos meus irmãos, cada qual com sua sensibilidade, que acreditaram na minha forma de conduzir a vida e a profissão, em especial àquele que foi minha inspiração para abraçar a Medicina e a Cirurgia Plástica, meu irmão Francisco Leopoldo Ferreira Pereira. Aos residentes, que foram verdadeiros laboratórios da minha formação desde 2002: aprendia o que ensinava a eles. Enfim, a todos os familiares e amigos que participaram do meu crescimento pessoal e profissional.

6 AGRADECIMENTOS A Deus, a quem sempre entreguei minha vida, carreira, pacientes, preocupações, obstáculos e vitórias. Em todos os momentos, busquei a calma Nele. Aos meus mestres, Odo Adão, José Fernando Borges Bento, Luciano Palis Horta (in memoriam), Paulo Roberto Borges Cherulli (in memoriam), Luiz Humberto Toyoso Chaem e Marco Túlio Rodrigues da Cunha, pelo caminho ético e profissional que demonstraram ao longo da minha formação. São referências na minha prática médica. Aos meus pacientes, pelo que me ensinaram. Frente à todas as possibilidades de cura, alívio, suporte e desafios, isso mantém meu amor e encanto pela arte médica. À Universidade Federal do Triângulo Mineiro, minha casa, onde consegui ter minha formação, especialização, pós-graduação e onde formo novos alunos. Meu respeito, agradecimento e eterna gratidão. À minha orientadora Renata Margarida Etchebehere, por acreditar em mim, confiar no potencial e com extremo carinho, zelo, atenção, disponibilidade e cuidado ao direcionar cada etapa deste trabalho, com isso, reacendeu meu interesse pela pesquisa científica, pela metodologia e por novas produções. Ao meu coorientador Prof. Dr. Luiz Carlos Reis, pela sugestão do tema e orientação da metodologia. Seu raciocínio rápido e genialidade foram sempre marcantes. À Srta. Márcia Maria Palhares, pela grande ajuda na estruturação gramatical e metodológica do trabalho.

7 Pessoas, muito mais que coisas, devem ser restauradas, revividas, resgatadas e redimidas: jamais jogue alguém fora. Audrey Hepburn

8 RESUMO SILVA NETO, Manoel Pereira da. Avaliação Histológica do Músculo Grande Dorsal Submetido à Expansão Tecidual Pós-infiltração com Toxina Botulínica: Estudo Experimental em Ratos f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba (MG), Introdução: Os autores descrevem as alterações histológicas do músculo grande dorsal submetido à expansão após relaxamento prévio com toxina botulínica e as possíveis correlações dos achados com os benefícios encontrados na prática como, por exemplo, aumento da complacência muscular e melhor acomodação da prótese. Método: Empregaram o modelo animal, com o uso de dez ratas com peso médio de 300 g, mesma faixa etária, da cepa Wistar (Rattus norvegicus) e o músculo Grande Dorsal, por ser de fácil abordagem cirúrgica, delgado, com evidente plano de clivagem e base óssea subjacente. Biópsias musculares eram feitas antes e após as expansões, no músculo normal, no grupo controle (apenas com expansores) e no grupo com expansores e toxina botulínica. Expansores de 3 centímetros cúbicos eram posicionados abaixo do músculo e expandidos com 0,3 mililitros de soro fisiológico semanalmente, por 10 semanas. Os cortes histológicos eram corados segundo as técnicas de Hematoxilina-eosina (HE), para avaliação geral, e Tricrômio de Masson (TM) para avaliação do tecido conjuntivo. Resultados: As fibras musculares submetidas à expansão sob a ação da toxina botulínica apresentaram focos de fibrose e proliferação de vasos sanguíneos menos intensos que no grupo sem toxina botulínica e a diminuição do número de fibras musculares e a atrofia eram menores que no grupo que não utilizou a toxina. Conclusão: Os achados encontrados nos permitem presumir que a expansão muscular associada ao relaxamento com toxina botulínica preserva as características da musculatura esquelética oferecendo melhor acomodação e proteção da prótese e facilitando a dinâmica da expansão Descritores: Expansores de Tecidos. Toxinas Botulínicas. Histologia.

9 ABSTRACT SILVA NETO, Manoel Pereira da. Histological Evaluation of Latissimus Dorsi Muscle Subjected to Tissue Expansion After Infiltration with Botulinum Toxin: an Experimental Study in Rats f. Dissertation (Master's Degree in Health Sciences) Federal University of the Triângulo Mineiro, Uberaba (MG), Introduction: The authors describe the histological alterations in skeletal muscle subjected to expansion after the relaxation with botulinum toxin and the possible correlations of the findings with the benefits found in practice, as for example, muscle increased complacency and better accommodation of the prosthesis. Method: Ten Winstar rats were used with average weight of 300g, females and in the same age range. The selected muscle for expansion was the Large Dorsal Muscle, by being easy surgical approach, slender, with evident cleavage plane and osseous base behind. Muscle Samples were collected for histological evaluation before the expansion and the end of the same. Ten expansions were made, with an interval between them of 7 days, being injected the equivalent to 10% of the total capacity of the expansion valve, i.e, 0.3 ml in each session. The histological sections were then stained according to the techniques of Hematoxylin-eosin (HE), for general evaluation, and Masson trichrome (TM) for evaluation of the connective tissue. Results: Evaluating muscle fibers subjected to expansion without the action of botulinum toxin, were observed, in both slides stained with HE as by TM, foci of fibrosis and increased connective tissue between the muscle fibers and between the muscle fascicles. In addition, there were an increase in the number of blood vessels, atrophy of skeletal muscle and consequent centralization of nuclei in cells compared to toxin group. Conclusion: The findings suggest the use of botulinum toxin in muscles that will be submitted to expansion permits greater maintenance of structural characteristics and consequently better accommodation of the prosthesis. Descriptors: Tissue Expansion Devices. Botulinum Toxins. Histology.

10 RESUMEN SILVA NETO, Manoel Pereira da. Evaluación Histológica del Latissimus Dorsi Sometido a Expansión Tisular Post-infiltración con Toxina Botulínica: Estudio Experimental enratas f. Tesis (Maestría en Ciencias de la Salud) - Universidad Federal del Triángulo Mineiro, Uberaba (MG), Introducción: Los autores describen los cambios histológicos del Latissimus dorsi sometido a expansión tras la relajación de la toxina botulínica y las posibles correlaciones de los resultados con los beneficios en la práctica, como, por ejemplo, la mayor complacencia muscular y un mejor alojamiento de la prótesis. Método: Las personas han utilizado el modelo animal, con el uso de diez ratas con un peso promedio de 300 g, el mismo rango de edad, la cepa Wistar las ratas (Rattus norvegicus) y el músculo Gran Dorsal, por ser de fácil abordaje quirúrgico, Delgado, con una evidente y plano de clivaje base ósea. Las biopsias musculares fueron tomadas antes y después de la expansión, en normal del músculo, en el grupo de control (sólo con expansores) y en el grupo con expansores y toxina botulínica. Tres Centímetros cúbicos de expansores se encuentra por debajo del músculo y se ampliará con 0,3 ml de solución salina cada semana, durante 10 semanas. Los cortes histológicos se tiñeron con arreglo a las técnicas de hematoxilina-eosina (HE), para evaluación general y Masson masson (TM) para la evaluación del tejido conectivo. Resultados: las fibras del músculo sometido a la expansión bajo la acción de la toxina botulínica, mostró focos de fibrosis y proliferación de vasos sanguíneos menos intensa que en el grupo sin toxina botulínica y la disminución del número de fibras musculares y atrofia fueron menores que en el grupo que no utilice la toxina. Conclusión: Com los hallazgos podemos suponer que su aplicación en el músculo esquelético permitirá una mayor relajación y preservación del músculo, y por consiguiente una mayor distensibilidad y alojamiento de la prótesis. Descriptores: Dispositivos de Expansión Tisular. Toxinas Botulínicas. Histología.

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Expansor de órbita da marca SILIMED 19 Figura 2 Toxina Botulínica do tipo A (Botox, Allergan Incorporation, Irvine, CA) 20 Figura 3 Aplicação da toxina no músculo grande dorsal Figura 4 Infiltração do anestésico intraperitoneal. 21 Figura 5 Posicionamento do animal, tricotomia e marcação.. 22 Figura 6 Identificação do músculo grande dorsal e dissecção supra e submuscular 22 Figura 7 Posicionamento do expansor Figura 8 Posicionamento da válvula.. 23 Figura 9 Colocação de azul de metileno dentro do expansor 24 Figura 10 Síntese. 24 Figura 11 Aspecto pós-expansão.. 25 Figura 12 Cortes histológicos do músculo grande dorsal normal, após expansão e após expansão e aplicação de toxina botulínica 27

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS % Porcentagem µm Micrometro cm Centímetro cm 2 Centímetros quadrados g Grama Ki67 Proteína mg/kg Miligramas por quilo de peso mg/ml Miligramas por mililitros ml Mililitro ml/cm 3 Mililitros por centímetros cúbicos UI/cm 2 Unidades Internacionais por centímetro quadrado UI/ml Unidades Internacionais por mililitros ANVISA CEUA HE TM UI VGFR Agência Nacional de Vigilância Sanitária Comitê de Ética em Uso de Animais Hematoxilina-eosina Tricrômio de Masson Unidades Internacionais Vascular Endothelial Growth Factor Receptor

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 14 2 OBJETIVOS 17 3 JUSTIFICATIVA 18 4 MATERIAL E MÉTODOS 19 5 RESULTADOS 26 6 DISCUSSÃO 28 7 CONCLUSÃO 30 8 REFERÊNCIAS 31 ANEXOS ANEXO A: Parecer do Comitê de Ética em uso de Animais da Universidade Federal do Triângulo Mineiro

14 14 1 INTRODUÇÃO A expansão tecidual é uma técnica muito utilizada em cirurgia plástica, e, tem como característica principal utilizar as propriedades biomecânicas da pele submetida à tensão progressiva (ARGENTA; MARKS, 2006). A expansão natural de tecidos ocorre durante a fase de crescimento físico, no aumento das mamas na puberdade e na gestação, demonstrando que a pele humana se adapta rapidamente à expansão fisiológica. Diversas culturas empregam dilatações progressivas de estruturas anatômicas, como orelhas, pescoço e lábios, para fins de embelezamento (ARGENTA; MARKS, 2006; CHUN; ROHRICH, 1998; CUNHA et al. 2002; DE FILIPPO; ATALA, 2002; GEMPERLI; BRECHTBÜHL, 2002; GUYURON; HUDDLESTON, 2004; HOCHBERG et al., 2004; JANKOVIC; BRIN, 1991; LOGIUDICE; GOSAIN, 2003). Os expansores são largamente utilizados na prática médica desde a técnica de 50 e são considerados um dos maiores avanços da Cirurgia Plástica na última década (NEUMANM, 1957). A vantagem principal do expansor cutâneo consiste na possibilidade de reconstrução com tecidos regionais, portanto, com semelhança de cor e textura e sem a adição de novas cicatrizes, oferecendo resultados superiores àqueles obtidos com enxertos e retalhos à distância. O processo de expansão pode ser utilizado em lesões maiores ou em áreas com distensibilidade pequena. Esse procedimento tem permitido reparar grandes perdas teciduais de origem congênita, como nas meningomieloceles, ou adquiridas por traumas ou tumores, como por exemplo, o emprego em sequelas de queimaduras, reconstruções de mama, tratamento de alopecia e até nas expansões ósseas (CHUN; ROHRICH, 1998; DE FILIPPO; ATALA, 2002; GEMPERLI; BRECHTBÜHL, 2002). Uma das principais queixas da expansão muscular progressiva é a dor, provavelmente secundária ao espasmo muscular induzido pela hipóxia, que pode levar inclusive à interrupção do tratamento. Uma observação prática de atenuação ou ausência da dor ocorre nos casos em que há uma denervação cirúrgica eletiva ou traumática de um determinado músculo que será expandido, por exemplo, nos casos de reconstrução mamária com próteses

15 15 expansíveis (BURGEN; DICKENS; ZATMAN, 1949; HOCHBERG et al., 2004; LAYEEQUE et al., 2004). Existem trabalhos que demonstram, no músculo expandido para reconstrução mamária com prótese, a redução da dor após o relaxamento com toxina botulínica (LOGIUDICE; GOSAIN, 2003; LU et al., 1998; MATHES, 2006). Há aproximadamente 60 anos a toxina botulínica é empregada na medicina para diminuição ou interrupção temporária do tônus muscular. O mecanismo básico de ação dessa proteína é sua ligação aos receptores de membrana da acetilcolina e o bloqueio da liberação dessa (GIBSTEIN et al., 1997; HOCHBERG; PEREIRA; ALMEIDA, 1990; HUGHES, 1994; LOGIUDICE; GOSAIN, 2003; LAYEEQUE, et al., 2004; RADOVAN, 1982; SCOTT, 1980). Já foi descrito que, além da atividade nos neurônios, a toxina botulínica pode inibir a liberação evocada de outros neurotransmissores, aumentando ainda mais as possibilidades de sua aplicação prática no futuro (VERSACI; BALKOVICH, 1984). Estudos demonstraram que as alterações histológicas após a expansão ocorrem principalmente na epiderme e na derme. A pele apresenta aumento da atividade mitótica da epiderme, comprovada pelo aumento do marcador de proliferação celular Ki67 pela imunohistoquímica na área expandida. A derme tem sua espessura diminuída consideravelmente, associada à formação de uma cápsula fibrosa ao redor do expansor (HOCHBERG et al., 2004; HUGHES, 1994; LOGIUDICE; GOSAIN, 2003). Após a expansão há um ganho na complacência muscular contribuindo para a diminuição da tensão na sutura. As principais alterações histológicas são a hipertrofia da fibra muscular, alteração no formato da fibra e na posição nuclear, aumento e alterações nos vasos sanguíneos. Essas alterações não são encontradas na expansão muscular aguda realizada no intraoperatório por causa do tempo excessivamente curto para estimular crescimento muscular permanente (DE FILIPPO; ATALA, 2002). O mecanismo de neovascularização em tecidos expandidos ainda não foi totalmente esclarecido. Alguns autores sugerem que esse decorra do estímulo da própria tensão mecânica, induzindo angiogênese. Outros, porém questionam a íntima relação entre o aumento do fluxo sanguíneo capilar e o

16 16 aumento da viabilidade da pele expandida, o que não seria justificado somente pela tensão mecânica. Estudos detectaram aumento do Fator de Crescimento do Endotélio Vascular (VGFR) em tecidos expandidos, o que justifica a neovascularização (GUR et al., 1998; JANKOVIC; BRIN, 1991; LOGIUDICE; GOSAIN, 2003; PITANGUY, 1991). De Filippo e Atala (2002) revisaram a cascata de eventos envolvidos no crescimento e regeneração tecidual após a expansão. O estímulo mecânico desencadeia um sinal para transdução de fatores de crescimento, proteína quinases e estruturas do citoesqueleto, responsáveis pelo aumento da área de superfície tissular após expansão. Gur et al. (1998) após análise em microscopia eletrônica e de luz do músculo peitoral maior para reconstrução de mama, relataram degeneração muscular e desorganização estrutural, contradizendo outros estudos que, em sua maioria, indicavam uma conservação da estrutura muscular normal após expansão. O objetivo deste estudo foi descrever as alterações com ênfase na presença e intensidade de atrofia ou hipertrofia muscular, posição do núcleo, inflamação, quantidade de vasos sanguíneos e de depósitos de hemossiderina em lâminas coradas pela Hematoxilina e eosina e o Tricômico de Masson para qualificar e quantificar o tecido conjuntivo.

17 17 2 OBJETIVOS O objetivo deste estudo foi descrever as alterações histológicas no músculo Grande dorsal de ratas submetido à expansão tecidual com e sem aplicação de Toxina Botulínica e comparar com o músculo normal.

18 18 3 JUSTIFICATIVA Existem poucos estudos que avaliam as alterações histológicas no músculo esquelético submetido a expansão, prática muito comum em medicina, especialmente em cirurgia reparadora. Avaliar as alterações da expansão associada ao denervante químico e correlacioná-las com os possíveis benefícios tais como aumento da complacência muscular, melhor acomodação e proteção da prótese, poderá ser de grande aplicação na prática médica, especialmente nas reconstruções de mama.

19 19 4 MATERIAL E MÉTODO O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Uso de Animais (CEUA) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, com o protocolo nº 305 de 2014 (ANEXO A). Foram utilizadas dez ratas com peso médio de 300 g, mesma faixa etária (cerca de 6 meses) da cepa Wistar (Rattus norvegicus). Justifica-se o uso desse animal como modelo devido à facilidade de reprodução de condições semelhantes ao que acontece na expansão de tecidos no ser humano. Além disso, o animal é adequado em termos de porte (não é de grande tamanho, requerendo maior espaço e quantidade de alimento; nem é pequeno, dificultando os procedimentos técnicos), e de ciclo de vida (em pouco tempo obtém-se uma simulação de alguns meses em humanos). O músculo escolhido para expansão foi o Músculo Grande Dorsal, por ser de fácil abordagem cirúrgica, delgado, com evidente plano de clivagem e base óssea subjacente. Para a expansão muscular, utilizou-se dez expansores de órbita de seres humanos de 1,7 cm de diâmetro, com 3 ml de volume, lisos, com duas válvulas, esterilizados com óxido de etileno, registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), da marca SILIMED Silicone e Instrumentos Médico-Cirúrgicos e Hospitalares LTDA (Figura 1). Figura 1 - Expansor de órbita da marca SILIMED Fonte: Acervo do autor (2014).

20 20 A toxina botulínica aplicada foi do tipo A (Botox, Allergan Incorporation, Irvine, CA), que é apresentada na forma liofilizada em frasco com 100UI (Figura 2). Figura 2 - Toxina Botulínica do tipo A (Botox, Allergan Incorporation, Irvine, CA) Fonte: Acervo do autor (2014). Foi feita diluição com 4 ml de solução fisiológica a 0,9%, de forma a obter 25UI/ml. A dose empregada foi de 1UI por cm 2 de músculo. Para a aplicação, utilizou-se seringas e agulhas de insulina de 1 ml/cc, sendo infiltrados dois traços de referência da seringa. Cinco animais foram submetidos à expansão do Músculo Grande Dorsal sem aplicação da toxina botulínica. Outros cinco animais foram submetidos à expansão com aplicação prévia de toxina botulínica (Figura 3).

21 21 Figura 3 - Aplicação da toxina botulínica no músculo Grande dorsal Fonte: Acervo do autor (2014). Amostras do músculo foram coletadas para avaliação histológica antes da expansão e ao final da mesma. Foram feitas dez expansões, com intervalo entre elas de sete dias, sendo injetado o equivalente a 10% da capacidade total do expansor, ou seja, 0,3 ml em cada sessão. Para a introdução do expansor, os animais eram anestesiados com substância sedativa, analgésica e relaxante muscular, o cloridrato de xylasina 2% na dosagem de 5mg/kg, em uma concentração de 9,1mg/ml (dose calculada por meio da fórmula : Peso x dosagem x 1/concentração ), associada a ketamina na dosagem de 50mg/kg, intraperitoneal (Figura 4). Figura 4 - Infiltração de anestésico por via intraperitoneal Fonte: Acervo do autor (2014).

22 22 O animal era posicionado com os membros anteriores abduzidos e a área de incisão de aproximadamente 2 cm era tricotomizada manualmente após a confirmação do estado anestésico, pela perda do reflexo da cauda pelo animal e relaxamento muscular (Figura 5). Figura 5 - Posicionamento do animal, tricotomia e marcação da pele Fonte: Acervo do autor (2014). Após a incisão e identificação do músculo grande dorsal, era realizada uma dissecção romba submuscular, buscando confeccionar uma loja na qual se colocava o expansor (Figura 6). submuscular Figura 6 - Identificação do músculo grande dorsal e dissecção supra e Fonte: Acervo do autor (2014).

23 23 Ainda foram coletadas amostras do músculo para avaliação histológica. A válvula conectada ao expansor era posicionada no subcutâneo, para facilitar a identificação nas futuras punções (Figura 7). Figura 7 - Posicionamento do expansor Fonte: Acervo do autor (2014). Imediatamente após o posicionamento do expansor, injetou-se 10% de sua capacidade com soro fisiológico tingido com azul de metileno, manobra utilizada na prática para acompanhamento de possíveis extravasamentos (Figura 8). Figura 8 - Posicionamento da válvula Fonte: Acervo do autor (2014).

24 24 Após a expansão completa coletavam-se amostras do músculo para a análise histológica (Figuras 9,10,11). Nenhum animal morreu durante a pesquisa e apenas um apresentou necrose cutânea por provável sobreposição do expansor e da válvula, complicação tecnicamente evitada com o afastamento dos mesmos. Figura 9 Injeção de azul de metileno dentro do expansor Fonte: Acervo do autor (2014). Figura 10 Síntese da pele do animal Fonte: Acervo do autor (2014).

25 25 Figura 11 - Aspecto do dorso do animal após a expansão Fonte: Acervo do autor (2014). As amostras do músculo colhidas eram fixadas em formol tamponado a 4%, onde permaneciam por um período mínimo de quatro horas. Posteriormente, o material era processado, incluído em parafina e submetido à microtomia para obtenção de cortes histológicos com cerca de 4µm de espessura. Os cortes histológicos eram então corados segundo as técnicas de Hematoxilina-eosina (HE), para avaliação geral, e Tricrômio de Masson (TM) para avaliação do tecido conjuntivo. As lâminas foram analisadas em microscópio de luz comum (OLYMPUS BX 41) por dois observadores simultaneamente, o orientador e o mestrando, especialmente para treinamento do aluno. Inicialmente eram avaliadas as biópsias realizadas antes da expansão, consideradas como músculo normal. Nas lâminas coradas pelo HE, nas amostras após a expansão, avaliou-se a presença de atrofia muscular, mudança na posição e no tamanho do núcleo das células musculares, presença e intensidade de inflamação, quantidade de vasos sanguíneos e presença de depósitos, particularmente de hemossiderina, comparando-se com a biópsia pré-expansão nos grupos com e sem relaxamento prévio com Toxina Botulínica. Nas lâminas coradas pelo TM, avaliou-se a quantidade de tecido conjuntivo, corado em azul, entre as fibras musculares coradas em vermelho.

26 26 5 RESULTADOS As fibras musculares biopsiadas antes da expansão nos animais dos grupos com e sem relaxamento com a toxina botulínica foram consideradas como músculo normal e utilizadas como referência (Figura 12 A, B e C). As principais características de uma fibra muscular normal são a disposição em fascículos dos feixes musculares com pouco tecido conjuntivo entre eles, núcleo posicionado na periferia e com presença de filetes nervosos e vasos sanguíneos esparsos no tecido conjuntivo. Não identificamos fibrose, depósitos ou processo inflamatório no músculo normal (biópsia antes da expansão). Ao avaliar as fibras musculares submetidas à expansão sem a ação da toxina botulínica, observou-se, tanto nas lâminas coradas pelo HE quanto pelo TM, fibrose evidenciada pelo aumento do tecido conjuntivo entre as fibras musculares e entre os fascículos musculares. Além disso, havia aumento do número de vasos sanguíneos, atrofia do músculo esquelético e consequente centralização dos núcleos destas células e músculo esquelético mais escasso quando comparado com o músculo normal e muito mais intenso quando comparada com o grupo com aplicação de toxina botulínica. Exibia ainda focos de hemorragia recente e antiga (depósitos de hemossiderina) e leve infiltrado inflamatório inespecífico composto por linfócitos e plasmócitos (Figura 12 D, E e F). Quanto às fibras musculares submetidas à expansão sob a ação da toxina botulínica, observaram-se focos de fibrose e proliferação de vasos sanguíneos, porém, menos intensos que no grupo sem toxina botulínica. Nesse caso, a diminuição do número de fibras musculares e a atrofia eram menores que no grupo que não utilizou a toxina. Por outro lado, não se observou hemorragia antiga ou infiltrado inflamatório neste grupo (Figura 12 G, H e I). Outro achado importante foi a ausência de cápsula de tecido conjuntivo fibroso em torno da prótese, observação comum em humanos.

27 27 Figura 12 - Cortes histológicos do músculo grande dorsal normal, após expansão sem aplicação de toxina botulínica e após expansão e aplicação de toxina botulínica A e B músculo esquelético antes da expansão seta indica vaso sanguíneo (HE, 400X); C escasso tecido conjuntivo (azul) entre as fibras musculares (vermelho) no músculo antes da expansão (TM, 400X); D fibrose e leve infiltrado inflamatório mononuclear (seta) no músculo expandido; E proliferação de vasos sanguíneos no múculo expandido; F hemorragia antiga - depósitos de hemossiderina em amarelo (HE, 400X); G aumento do tecido conjuntivo (azul) no músculo expandido (TM, 400X); H vasos sanguíneos ao lado de músculo esquelético após expansão e aplicação de toxina botulínica (HE, 400X); tecido conjuntivo (azul) entre as fibras musculares (vermelho) após expansão e aplicação de toxina botulínica (TM, 400X). Fonte: Acervo do autor (2014).

28 28 6 DISCUSSÃO Acredita-se que a fibrose observada nos animais submetidos à expansão muscular esquelética decorra provavelmente da isquemia sofrida pelo tecido pela expansão e consequente distensão dos tecidos e compressão dos vasos sanguíneos. Posteriormente, seriam liberadas citocinas que induziriam a proliferação vascular encontrada (MITCHELL; KUMAR; ABBAS, 2012). Quando se avaliou o grupo que recebeu a toxina botulínica, a fibrose e a proliferação vascular eram menos intensas. Provavelmente, o relaxamento da musculatura induzido pela toxina diminua a isquemia local, o que justifica a diferença encontrada. Por outro lado, também se encontrou menos atrofia, bem como não foi encontrada inflamação ou hemorragia nesse grupo. Acredita-se que a isquemia nesse grupo seria menor, em consequência do relaxamento muscular induzido pela toxina. Provavelmente, haveria menor liberação de citocinas pró-inflamatórias. Além disso, como a expansão após o relaxamento muscular é mais fácil e haveria menos hemorragia (AL-QATTAN et al,, 2013 ). Segundo a literatura, há íntima relação entre o aumento do fluxo sanguíneo capilar e o aumento da viabilidade da pele expandida. Além disso, estudos recentes detectaram aumento do VGFR em tecidos expandidos, o que justifica a neovascularização (GUR et al., 1998; JANKOVIC; BRIN, 1991; LOGIUDICE; GOSAIN, 2003; PITANGUY, 1991). Uma das principais queixas da expansão tecidual progressiva é a dor, provavelmente secundária ao espasmo muscular induzido pela hipóxia, que pode levar inclusive à interrupção do tratamento. Uma observação prática de atenuação ou ausência da dor ocorre nos casos em que há uma denervação cirúrgica eletiva ou traumática de um determinado músculo que será expandido, por exemplo, nos casos de reconstrução mamária com próteses expansíveis (BURGEN; DICKENS; ZATMAN, 1949; LOGIUDICE; GOSAIN, 2003). Existem trabalhos que demonstram a redução da dor no músculo expandido para reconstrução mamária com prótese pós relaxamento com toxina botulínica (LOGIUDICE; GOSAIN, 2003; LU et al., 1998; MATHES, 2006).

29 29 Além do relaxamento muscular, acredita-se que a menor hipóxia sofrida pelas fibras musculares seja um fator associado à diminuição da dor, talvez pela diminuição de liberação de substâncias álgicas.

30 30 7 CONCLUSÃO A toxina botulínica é uma substância usada na prática médica há vários anos, relativamente segura e de fácil aplicação que causa relaxamento muscular, permitindo distensão muscular menos abrupta e consequentemente menos dolorosa. O presente estudo é um piloto para o desenvolvimento da tese de doutorado, em que aumentaremos o número de animais permitindo avaliação estatística, além de acrescentarmos estudo imunohistoquímico buscando classificar o infiltrado inflamatório, algumas citocinas envolvidas e marcadores vasculares. Apesar do tamanho reduzido da amostra, indicando a necessidade de estudos posteriores, esses achados (redução da fibrose, preservação das fibras musculares, ausência de hemorragia e menor inflamação), correlacionados com dados da literatura, nos permitem presumir que o uso da toxina botulínica na expansão de músculo esquelético permitirá maior relaxamento e preservação do músculo, havendo consequentemente maior distensibilidade e melhor acomodação da prótese.

Dr. Athanase Christos Dontos

Dr. Athanase Christos Dontos 3. MATERIAL e MÉTODO Este trabalho foi realizado em três etapas. Na primeira, etapa experimental, realizamos implantes no dorso de camundongos com posterior análise histológica visando verificar o grau

Leia mais

Dr. Athanase Christos Dontos

Dr. Athanase Christos Dontos FIO LIFTING BIOLÓGICO (fio serrilhado de poliuretana do óleo de mamona) Avaliação de sua biocompatibilidade e eficácia no rejuvenescimento facial Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação Interunidades

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DO MÚSCULO SÓLEO DE RATOS DA LINHAGEM WISTAR EM DIFERENTES PERÍODOS PÓS IMOBILIZAÇÃO

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DO MÚSCULO SÓLEO DE RATOS DA LINHAGEM WISTAR EM DIFERENTES PERÍODOS PÓS IMOBILIZAÇÃO ISN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE MORFOMÉTRICA DO MÚSCULO SÓLEO DE RATOS DA LINHAGEM WISTAR EM DIFERENTES PERÍODOS PÓS IMOILIZAÇÃO

Leia mais

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

Elevação da temperatura cutânea após a infusão controlada de dióxido de carbono

Elevação da temperatura cutânea após a infusão controlada de dióxido de carbono ARTIGO ORIGINAL Elevação A aponeurose da temperatura epicraniana cutânea no Franco após segundo a infusão T et tempo al. controlada reconstrução de dióxido de carbono orelha Elevação da temperatura cutânea

Leia mais

ANÁLISE HISTOLÓGICA DAS REAÇÕES TECIDUAIS AO IMPLANTE DE MATRIZES DE COLÁGENO NO TECIDO SUBCUTÂNEO DE RATOS TRATADOS COM SOLUÇÃO SALINA NEUTRA

ANÁLISE HISTOLÓGICA DAS REAÇÕES TECIDUAIS AO IMPLANTE DE MATRIZES DE COLÁGENO NO TECIDO SUBCUTÂNEO DE RATOS TRATADOS COM SOLUÇÃO SALINA NEUTRA ANÁLISE HISTOLÓGICA DAS REAÇÕES TECIDUAIS AO IMPLANTE DE MATRIZES DE COLÁGENO NO TECIDO SUBCUTÂNEO DE RATOS TRATADOS COM SOLUÇÃO SALINA NEUTRA Filadelpho, André Luís Pós-Graduando do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Patologia Geral Código: FAR 314 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

Otimização no uso de expansores de pele Aluno: Fabio Percia Mehlem Professora orientadora: Michele Dal Toe Casagrande PUC-Rio 2012.

Otimização no uso de expansores de pele Aluno: Fabio Percia Mehlem Professora orientadora: Michele Dal Toe Casagrande PUC-Rio 2012. Otimização no uso de expansores de pele Aluno: Fabio Percia Mehlem Professora orientadora: Michele Dal Toe Casagrande PUC-Rio 2012.2 Introdução Expansão de pele é uma cirurgia que visa à obtenção de um

Leia mais

EDITAL DO VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E IV JORNADA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA E MEDICINA (JIOME) DA UNINCOR, CAMPUS BELO HORIZONTE

EDITAL DO VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E IV JORNADA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA E MEDICINA (JIOME) DA UNINCOR, CAMPUS BELO HORIZONTE UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DO VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E IV JORNADA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA E MEDICINA (JIOME) DA UNINCOR, CAMPUS

Leia mais

ANTINOCICEPÇÃO ENDÓGENA

ANTINOCICEPÇÃO ENDÓGENA ANTINOCICEPÇÃO ENDÓGENA Laboratório de Neurofisiologia Prof a.dr a. Leda Menescal de Oliveira Luis Felipe Souza da Silva Mariulza Rocha Brentegani INTRODUÇÃO De acordo com a International Association of

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

ANÁLISE HISTOPATOLÓGICA COMPARATIVA DAS CÁPSULAS DOS IMPLANTES DE ESPUMAS DE SILICONE E POLIURETANO EM RATOS*

ANÁLISE HISTOPATOLÓGICA COMPARATIVA DAS CÁPSULAS DOS IMPLANTES DE ESPUMAS DE SILICONE E POLIURETANO EM RATOS* ARTIGO ORIGINAL Análise histopatológica comparativa das cápsulas dos implantes de silicone e poliuretano ANÁLISE HISTOPATOLÓGICA COMPARATIVA DAS CÁPSULAS DOS IMPLANTES DE ESPUMAS DE SILICONE E POLIURETANO

Leia mais

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA A cirurgia mamária, seja ela uma tumorectomia, quadrantectomia ou mastectomia, provoca uma alteração significativa no órgão e que pode e deve ser minimizada.

Leia mais

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAUDE DA UEM VI SEMINÁRIO CIENTÍFICO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAUDE DA UEM VI SEMINÁRIO CIENTÍFICO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE II CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAUDE DA UEM VI SEMINÁRIO CIENTÍFICO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CELULARIDADE DE FERIDAS CUTÂNEAS TRATADAS COM AÇÚCAR ( SACAROSE ) E COMPOSTOS COM

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESPOSTA CICATRICIAL À APLICAÇÃO TRANSDÉRMICA E INTRADÉRMICA DE SCAFFOLD

AVALIAÇÃO DA RESPOSTA CICATRICIAL À APLICAÇÃO TRANSDÉRMICA E INTRADÉRMICA DE SCAFFOLD AVALIAÇÃO DA RESPOSTA CICATRICIAL À APLICAÇÃO TRANSDÉRMICA E INTRADÉRMICA DE SCAFFOLD A BASE DE AMIDO ADITIVADO EM FERIDAS CIRÚRGICAS DE Oryctolagus cuniculus Autores: Gisele SCHIOCHET¹, Débora Cristina

Leia mais

EXPANSORES DE TECIDO 1

EXPANSORES DE TECIDO 1 EXPANSORES DE TECIDO 1 2 PAIXÃO INSPIRANDO A CIÊNCIA. 3 SILIMED HÁ 35 ANOS LANÇANDO AS NOVAS GERAÇÕES DE IMPLANTES DE SILICONE NO MUNDO. Criada em 1978, no Rio de Janeiro, a Silimed atende as áreas de

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

Avaliação histológica qualitativa dos efeitos do Sunitinib no tratamento de tumores induzidos em bolsa jugal de hamster sírio dourado

Avaliação histológica qualitativa dos efeitos do Sunitinib no tratamento de tumores induzidos em bolsa jugal de hamster sírio dourado Avaliação histológica qualitativa dos efeitos do Sunitinib no tratamento de tumores induzidos em bolsa jugal de hamster sírio dourado Mariana Oliveira de Oliveira 1, Maria Antonieta Lopes de Souza 1 (orientador)

Leia mais

ANÁLISE HISTOLÓGICA DE FERIDAS CUTÂNEAS EM RATOS E ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA EM CAMUNDONGOS TRATADOS COM ÓLEO DE COPAÍBA

ANÁLISE HISTOLÓGICA DE FERIDAS CUTÂNEAS EM RATOS E ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA EM CAMUNDONGOS TRATADOS COM ÓLEO DE COPAÍBA ANÁLISE HISTOLÓGICA DE FERIDAS CUTÂNEAS EM RATOS E ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA EM CAMUNDONGOS TRATADOS COM ÓLEO DE COPAÍBA Ana Carolina Guidi 1 ; Gislaine Cardoso de Souza 2 ; Valéria do Amaral 3 RESUMO:

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

Trastuzumab. Herceptin Roche

Trastuzumab. Herceptin Roche Trastuzumab Herceptin Roche PORTARIA Nº 73, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 Estabelece protocolo de uso do trastuzumab na quimioterapia do câncer de mama HER-2 positivo inicial e localmente avançado. que devem

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA. Ernani Mendes Botelho

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA. Ernani Mendes Botelho UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Uso da Toxina Botulínica nos Estrabismos

Uso da Toxina Botulínica nos Estrabismos Uso da Toxina Botulínica nos Estrabismos Dra. Célia Nakanami Chefe do Setor de Motilidade Extrínseca Ocular - Oftalmopediatria Depto de Oftalmologia da UNIFESP Engana-se quem acha que a toxina botulínica

Leia mais

CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL

CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL Janeiro 2009 2 Índice Objetivo Metodologia Perfil da amostra Situação atual da cirurgia plástica Perfil do paciente Principais resultados 3 Objetivo Conhecer a situação atual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

Diogo B de Souza; Dilson Silva; Célia M Cortez; Waldemar S Costa; Francisco J B Sampaio. J. of Andrology 2011

Diogo B de Souza; Dilson Silva; Célia M Cortez; Waldemar S Costa; Francisco J B Sampaio. J. of Andrology 2011 Estudo Estrutural do Pênis em Diferentes Situações Clínicas e Modelos Experimentais Francisco J. B. Sampaio Stress Efeitos do Estresse Crônico no Corpo Cavernoso de Ratos Os animais foram contidos diariamente,

Leia mais

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular DISCIPLINA DE PATOLOGIA Prof. Renato Rossi Jr Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular Objetivo da Unidade: Identificar e compreender os mecanismos envolvidos nas lesões celulares reversíveis e irreversíveis.

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

Situação atual da cirurgia plástica

Situação atual da cirurgia plástica CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL Índice Objetivo Metodologia Perfil da amostra Situação atual da cirurgia plástica Perfil do paciente Principais resultados Objetivo Conhecer a situação atual da cirurgia plástica*

Leia mais

Reconstrução mamária imediata com expansor de tecido: estudo retrospectivo

Reconstrução mamária imediata com expansor de tecido: estudo retrospectivo ARTIGO ORIGINAL A aponeurose Reconstrução epicraniana mamária no Franco segundo imediata T et tempo com al. expansor da reconstrução de tecido de orelha Reconstrução mamária imediata com expansor de tecido:

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

ESTUDO DE CASO: TOXINA BOTULINICA TIPO A EM RUGA GLABELAR

ESTUDO DE CASO: TOXINA BOTULINICA TIPO A EM RUGA GLABELAR UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTÉTICA ESTUDO DE CASO: TOXINA BOTULINICA TIPO A EM RUGA GLABELAR Raphael Luiz G. T. Mira Artigo cientifico para obtenção

Leia mais

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. L.A.S.E.R. Introdução Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. Introdução Em 1900 o físico alemão Max Planck apresentou uma explanação

Leia mais

PROJETOS DE PESQUISA AULAS E CURSOS ANALISADOS PELA CEUA ISCMSP

PROJETOS DE PESQUISA AULAS E CURSOS ANALISADOS PELA CEUA ISCMSP PROJETOS DE PESQUISA AULAS E CURSOS ANALISADOS PELA CEUA ISCMSP 2010 Curso nº 001/10 Título: Curso ATLS Advanced trauma life support. Pesquisador: Dr. José Cesar Assef Departamento/Serviço: Emergência

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR NEUROFISIOLOGIA Prof. Hélder Mauad DOR - Mecanismo de proteção do organismo Ocorre quando um tecido está sendo lesado Faz com que o indivíduo reaja para remover o estímulo lesivo

Leia mais

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko REPARAÇÃO M.Sc Isabela Brcko Conceito: "Processo de reposição do tecido destruído observado após a extinção dos agentes flogísticos Objetivo: restaurar o tecido a seu estado natural A reparação pode acontecer

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

Tecido Muscular e Contração

Tecido Muscular e Contração Tecido Muscular e Contração Aula ao Vivo Características gerais: Constitui os músculos Originado do mesoderma; Relacionado à locomoção e movimentação de substâncias internas do corpo em função da capacidade

Leia mais

Por: Leonardo Alex Passo de Paulo PLANO DE ENSINO 1 - INSTITUIÇÃO DE ENSINO: SOLVET DIAGNÓSTICOS VETERINÁRIOS

Por: Leonardo Alex Passo de Paulo PLANO DE ENSINO 1 - INSTITUIÇÃO DE ENSINO: SOLVET DIAGNÓSTICOS VETERINÁRIOS Por: Leonardo Alex Passo de Paulo PLANO DE ENSINO 1 - INSTITUIÇÃO DE ENSINO: SOLVET DIAGNÓSTICOS VETERINÁRIOS Estilo do curso: Curso de extensão para capacitação profissional CURSO: Título do curso: "Curso

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 MARCELA BENEVENTE [1], LUCIANA MOURA CAMPOS PARDINI [2], ADRIANA CAMARGO FERRASI [1,3], MARIA INES DE MOURA CAMPOS PARDINI [3], ALINE FARIA GALVANI [3], JOSE JOAQUIM TITTON RANZANI [2] 1. Instituto de

Leia mais

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB Por este instrumento o Conselho de Pós-Graduação (CPG) do Programa de Pós-Graduação em Oncologia do Hospital de Câncer de Barretos Fundação Pio XII, torna

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica;

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Tipos: Músculo estriado esquelético; Músculo estriado cardíaco; Músculo liso; Músculo

Leia mais

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA.

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA. UTVIG/NUVIG/ANVISA Em 31 de janeiro de 2011. Assunto: Nota de esclarecimento sobre notícia veiculada na mídia que trata de comunicado de segurança da FDA Food and Drug Administration sobre possível associação

Leia mais

ETAPA 2 Figura 11 Efeito da lesão bilateral pré-teste de estriado dorsal no condicionamento clássico de medo ao som. (A) (B)

ETAPA 2 Figura 11 Efeito da lesão bilateral pré-teste de estriado dorsal no condicionamento clássico de medo ao som. (A) (B) ETAPA 2 Figura 11 Efeito da lesão bilateral pré-teste de estriado dorsal no condicionamento clássico de medo ao som. ED = estriado dorsal. (A) Tempo de congelamento por minuto (média + erro padrão) dos

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA Estrutura do Projeto de Pesquisa CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO 1. RESUMO 2. PROBLEMA DE PESQUISA OU INTRODUÇÃO 3. REFERENCIAL TEÓRICO (REVISÃO DE

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

TERAPIA FOTODINÂMICA

TERAPIA FOTODINÂMICA TERAPIA FOTODINÂMICA Terapia Fotodinâmica Estudo e desenvolvimento de novas tecnologias. Seu uso por podólogos brasileiros é anterior a 1995. Usado por podólogos em outros países, desde a década de 80.

Leia mais

Prof: Andreza Martins ADAPTAÇÃO CELULAR

Prof: Andreza Martins ADAPTAÇÃO CELULAR Prof: Andreza Martins ADAPTAÇÃO CELULAR ADAPTAÇÃO CELULAR Alteração do volume celular Hipertrofia Hipotrofia Alteração da taxa de divisão celular Hiperplasia Hipoplasia Alteração da diferenciação Metaplasia

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

RETALHOS ÂNTERO-LATERAL DA COXA E RETO ABDOMINAL EM GRANDES RECONSTRUÇÕES TRIDIMENSIONAIS EM CABEÇA E PESCOÇO

RETALHOS ÂNTERO-LATERAL DA COXA E RETO ABDOMINAL EM GRANDES RECONSTRUÇÕES TRIDIMENSIONAIS EM CABEÇA E PESCOÇO Artigo Original RETALHOS ÂNTERO-LATERAL DA COXA E RETO ABDOMINAL EM GRANDES RECONSTRUÇÕES TRIDIMENSIONAIS EM CABEÇA E PESCOÇO ANTEROLATERAL THIGH AND RECTUS ABDOMINUS FLAPS IN LARGE TRIDIMENSIONAL HEAD

Leia mais

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 SILVA, Pedro Ducatti de Oliveira e 1 ; GUIMARÃES, Nilo Borges 2 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 3 ; BENETTI, Edson José 4 ; FIUZA,

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS GABINETE DO VEREADOR ELIAS EMANUEL

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS GABINETE DO VEREADOR ELIAS EMANUEL PROJETO LEI Nº048/2015. Institui no Calendário Oficial do Município o Dia de Conscientização de Doação ao Transplante de Fígado, a ser celebrado anualmente no dia 27 de setembro, e dá outras providências.

Leia mais

Citologia, Histologia e Embriologia

Citologia, Histologia e Embriologia FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Citologia, Histologia e Embriologia Educação Física 1º P Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão O que significa

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA Efeito da Ausência de Testosterona sobre as Glândulas Sexuais Acessórias (Vesículas seminais e Próstata) em Ratos da Raça Wistar.

Leia mais

Vias de administração

Vias de administração Vias de administração Parenteral Intravenosa: I.V. Intraperitoneal: I.P. Intramuscular: I.M. Subcutânea: SC Intradérmica: ID Infiltração Local Aplicação tópica Considerações Antes de tudo: Observação Treinamento

Leia mais

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA A mastoplastia (mastoplastia) redutora é uma das cirurgias mais realizadas em nosso país, abrangendo uma faixa etária a mais variada possível, desde a adolescência até

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Patologia Geral Código: ODO-010 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA DAS ESTRUTURAS DA REGIÃO DA EPÍFISE DISTAL DA TÍBIA DE RATOS PÓS-IMOBILIZAÇÃO.

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA DAS ESTRUTURAS DA REGIÃO DA EPÍFISE DISTAL DA TÍBIA DE RATOS PÓS-IMOBILIZAÇÃO. NÁLISE HISTOMORFOMÉTRIC DS ESTRUTURS D REGIÃO D EPÍFISE DISTL D TÍI DE RTOS PÓS-IMOILIZÇÃO. Jéssica parecida Xavier (PIIC/CNPq-UEM), Evanilde uzzo Romano (Orientadora), e-mail: ebromano@uem.br. Universidade

Leia mais

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA O que é ELA? O primeiro passo para você conhecer melhor a esclerose

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno COLESTEROL A n a L a u r a B u e n o Esteróides são álcoois de alto peso molecular. São compostos lipossolúveis muito importantes na fisiologia humana. Os esteróis possuem uma estrutura básica chamada

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda.

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda. O USO DA CRIOTERAPIA NAS LESÕES AGUDAS DE TECIDO MOLE RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o organismo responde através do mecanismo de inflamação e o uso da crioterapia vai amenizar

Leia mais

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia PATOLOGIA GERAL CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO CELULAR VETERINÁRIA INDISPENSÁVEIS PARA OS SERES VIVOS CRESCIMENTO - multiplicação celular formação normal dos organismos e reposição TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor.

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor. 7 LEANDRO RAATZ BOTTURA EFEITOS DA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR SOBRE O SISTEMA NERVOSO CENTRAL Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da Odontologia

Leia mais

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO A Estética da Mama A estética da mama responde a costumes étnicos, sociais e culturais. Há não muitos anos, no Brasil as mulheres solicitavam a diminuição do volume do seio, quando a aspiração do inconsciente

Leia mais

IDET Intradiscal Electrothermal Therapy

IDET Intradiscal Electrothermal Therapy IDET Intradiscal Electrothermal Therapy (Terapia Eletrotermal Intradiscal) A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1). Figura 1: Uma

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Roberta de Souza Chun Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa

Leia mais

células Vários tipos de

células Vários tipos de Células tronco Bioquímicas Maria Alice Vieira Willrich Adriana Helena Sedrez Patricia Bernardi Curso de Gestantes Unimed Brusque, 03 de setembro de 2007. O que são células tronco? Tipos de Células-Tronco

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA.com.br Dr. Miguel Srougi é médico, professor de Urologia na Universidade Federal de São Paulo e autor do livro Próstata: Isso É Com Você..com.br Drauzio Varella Vamos

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TECIDO CONJUNTIVO SUBCUTÂNEO DO RATO APÓS IMPLANTE DE ESPONJA DE POLIVINIL ÁLCOOL.

COMPORTAMENTO DO TECIDO CONJUNTIVO SUBCUTÂNEO DO RATO APÓS IMPLANTE DE ESPONJA DE POLIVINIL ÁLCOOL. Rev. Odont. UNESP 10(1/2):63-68, 1981 COMPORTAMENTO DO TECIDO CONJUNTIVO SUBCUTÂNEO DO RATO APÓS IMPLANTE DE ESPONJA DE POLIVINIL ÁLCOOL. Eliana Viana MARTINEZ* Tetuo OKAMOTO** José Simões BARROSO*** RESUMO:

Leia mais

...E QUANDO NADA RESOLVE?????

...E QUANDO NADA RESOLVE????? ...E QUANDO NADA RESOLVE????? Talvez vc seja um daqueles pacientes já tratados para dor na coluna e que nada parece... ter surtido efeito. Se vc já tomou vários anti-inflamatórios, analgésicos, já fez

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO Eu,, identidade autorizo o Dr. Jorge Antônio de Menezes, médico cirurgião plástico, membro associado da Sociedade

Leia mais

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra LUZ INTENSA PULSADA Princípios Básicos - P arte II FOTOREJUVENESCIMENTO Dra Dolores Gonzalez Fabra O Que é Fotorejuvescimento? Procedimento não ablativo e não invasivo. Trata simultaneamente hiperpigmentações,

Leia mais

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO.

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. Izamara Maria Fachim Rauber 1 IZAMARA_MARIA_FACHIM_RAUBER.doc,

Leia mais