A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO NO PÓS - OPERATÓRIO DE CIRURGIAS PLÁSTICAS: Abdominoplastia e lipoaspiração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO NO PÓS - OPERATÓRIO DE CIRURGIAS PLÁSTICAS: Abdominoplastia e lipoaspiração"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO NO PÓS - OPERATÓRIO DE CIRURGIAS PLÁSTICAS: Abdominoplastia e lipoaspiração THE IMPORTANCE OF NURSES IN POST - OPERATIVE SURGERY PLASTIC: Abdominoplasty and Liposuction Elizete Simão de Freitas 1 Marcela Milrea Araújo Barros 2 1 Enfermeira e Pós-graduanda em Estética e Cosmetologia, 2 Mestre, Enfermeira e Docente do Curso de Enfermagem, Faculdade Interamericana de Porto Velho UNIRON RO. End. Rua José Vieira Caúla, n.º 5301, Res. Marina Casa 10, Fone:

2 2 RESUMO Com a busca do corpo perfeito enfatizado pela mídia nacional e internacional, cada vez se tornam mais viáveis para os indivíduos, a prática das cirurgias plásticas. Dentre os procedimentos cirúrgicos mais realizados no Brasil, destaca-se o implante de silicone nos seios, as variadas formas da lipoaspiração e as abdominoplastias. Optou-se nessa pesquisa em detalhar os procedimentos de lipoaspiração e das abdominoplastias visto que além de ser uma demanda mais eminente da realidade estudada, ainda tem sido alvo de preocupações de especialistas quanto aos cuidados pré e pós-operatórios das cirurgias.. É que com o intuito de compreender como está sendo realizado esse acompanhamento do enfermeiro, que essa pesquisa desenvolveu suas atividades visando analisar a importância do mesmo em uma clínica de cirurgia plástica e estética no município de Porto Velho-RO. Para tanto utilizou-se da pesquisa do tipo quali-quantitativa descritiva, com a aplicação de questionário como instrumental de pesquisa, sendo aplicado a um grupo de mulheres com idade variável entre 19 e 50 anos no período de setembro e outubro de 2010, com o objetivo de compreender a atuação do profissional enfermeiro no processo de pós-operatório das cirurgias de lipoaspiração e abdominoplastia. O cuidado pós-operatório garante o sucesso do procedimento e principalmente diminui os riscos de morte ou sequelas, por isso, a importância de estudar tal assunto. Palavras Chave: Cirurgias Plásticas. Enfermeiro. Pós-operatório. Recuperação. ABSTRACT With the pursuit of the perfect body emphasized by national and international media, increasingly become more viable for individuals, the practice of plastic surgery. Among the most common surgical procedures in Brazil, there is the silicone breast implant, the various forms of liposuction and abdominoplasty. It was decided that research in detail the procedures liposuction and tummy tucks because besides being a demand most eminent reality studied, yet has been the subject of concerns about the expert care and post-operative surgeries of.. Is that in order to understand how this monitoring is being carried out by nurses, this research has developed its activities in order to analyze the importance of it in a plastic surgery clinic and aesthetics in the city of Porto Velho-RO. For this research we used the type qualiquantitative descriptive, with a questionnaire as research instrument, being applied to a group of women with age ranging between 19 and 50 years from September and October 2010, with the order to understand the role of the professional nurse in the process of post-operative surgical liposuction and abdominoplasty. The postoperative care ensures the success of the procedure and especially reduces the risk of death or sequelae, so the importance of studying this subject. Key - Words: Plastic Surgery. Nurse. Post-operative. Recovery.

3 3 1 INTRODUÇÃO O desejo do corpo perfeito, os modelos de bem-estar físico e principalmente a insatisfação levam os indivíduos a buscarem a idealização do que é bom, e muitas vezes esquecem daquilo que é saudável ao seu organismo. Essa realidade pode ser vista e contemplada nos jornais, noticiários, reportagens e principalmente nas clínicas de estética e de beleza. Mulheres e homens, jovens, adultos ou de meia idade que buscam incansavelmente pelo corpo perfeito. Essa busca pode trazer riscos para a vida desses indivíduos, especialmente quando não existe orientação de um profissional especializado e devidamente reconhecido em sua prática. De acordo com estudos realizados pelo Instituto de Pesquisa Datafolha e pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica ao analisar a cirurgia plástica no Brasil, observou-se que, são realizadas aproximadamente 629 mil plásticas anualmente, dessas cirurgias 73% são cirurgias plásticas estéticas e 27% cirurgias reparadoras/reconstrutoras. E, dentre as cirurgias plásticas mais realizadas, 21% constituem-se de aumento de mama, 20% de lipoaspiração, 15% de abdômen, 12% redução de mama e os 5% restantes de outras cirurgias como pálpebras, nariz, rejuvenescimento, etc (DATAFOLHA, 2009). Eis um dos motivos que existe a necessidade em falar sobre a importância do enfermeiro no pós- operatório e resultado final da cirurgia plástica, visto que este profissional possui conhecimentos científicos e técnicos para lidar com o paciente neste momento delicado de pós operatório, tanto imediato, quanto tardio. O enfermeiro que há tempos atrás tinha seu campo de atuação muitas vezes restrito aos hospitais e clínicas que tratam e auxiliam no tratamento de outras enfermidades, hoje tem seu campo de atuação ampliado e pode sim, estar auxiliando nas cirurgias plásticas e na medicina estética, além de fazer parte da equipe multiprofissional que deve compor as clínicas estéticas espalhadas pelo Brasil. É nessa realidade que essa pesquisa teve seu foco de atuação. A realização de cirurgias plásticas em mulheres e a importância de se demonstrar que a recuperação quando bem acompanhada, traz ao paciente, excelentes resultados no

4 4 pós operatório e nos objetivos desejados pelo mesmo na realização de tal procedimento. Para tanto, essa pesquisa teve como objetivo geral, descrever as vantagens do acompanhamento do enfermeiro no pós-operatório das cirurgias plásticas Abdominoplastia e Lipoaspiração em uma clínica de procedimentos cirúrgicos e estéticos e a utilização dos recursos disponíveis para a recuperação rápida e satisfatória do paciente. 2 METODOLOGIA Diante da finalidade da pesquisa, a mesma pode ser considerada como pesquisa quali-quantitativa e descritiva, já que Gil (1999), propõe como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. De acordo com Neves (1996, p.01) a pesquisa quali-quantitativa compreende um conjunto de diferentes técnicas interpretativas que visam a descrever e a decodificar os componentes de um sistema complexo de significados, o que representa que os dados colhidos foram apresentados e discutidos, visando comparar e complementar com as respostas aferidas as perguntas abertas respondidas no instrumental de coleta de dados. A pesquisa caracterizou-se como exploratória já que teve como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito (GIL, 2007, p.41). A pesquisa em tela visou identificar os fatores que contribuem para a prática desse profissional em clínicas estéticas e principalmente de compreender profundamente essa atuação além das vantagens que se pode obter com esse tipo de complemento ao tratamento. A pesquisa foi realizada em uma Clínica de procedimentos cirúrgicos e estéticos, uma empresa privada, cadastrada no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de saúde, no município de Porto Velho-RO desde 2008, com finalidade exclusiva de realização das cirurgias plásticas e na realização de procedimentos não-operatórios, porém estéticos. A amostra da população que participou dessa pesquisa foi composta de 30 pacientes mulheres com idade entre 19 e 50 anos, que realizaram o procedimento

5 5 cirúrgico de abdominoplastia ou lipoaspiração na clínica da realização do estudo nos meses de setembro e outubro de O instrumental para a coleta de dados constituiu-se de prontuários e livros de registro das pacientes que se internam na clínica de realização da pesquisa. Em um segundo momento, foi aplicado um questionário composto de 24 perguntas abertas e fechadas, considerado semi-estruturado. O questionário foi entregue a paciente pesquisada após contato prévio via contato telefônico e assinatura de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). O questionário foi aplicado às mulheres que realizaram cirurgia plástica de abdominoplastia e lipoaspiração na clínica de procedimentos cirúrgicos e estéticos, no período de setembro e outubro de Nessa pesquisa os dados foram analisados quali-quantitativamente, ou seja, via uso de gráficos, tabelas ou quadros no programa Microsoft Office Excel 2007, além da descrição das respostas dos sujeitos da pesquisa, a partir dos dados obtidos via questionário aplicado. O projeto foi aprovado no dia 29 de setembro de 2010 Folha de rosto n.º , 169/2010 pelo Comitê de Ética e Pesquisa (CEP) das Faculdades Integradas Aparício Carvalho (FIMCA). 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Os dados foram dispostos, apresentados e discutidos, inicialmente de forma quantitativa via gráficos ou tabelas e posteriormente, no intermédio e em consonância com a pesquisa, a discussão dos dados qualitativos da pesquisa. De acordo com segue abaixo: Gráfico Perfil das mulheres que realizaram cirurgia plástica: Abdominoplastia e lipoaspiração. Porto Velho-RO, no período de setembro e outubro de % 7% 40% 46% 20 a 30 anos 30 a 40 anos 40 a 50 anos Em branco

6 6 O gráfico 3.1 representa a faixa etária do grupo de pesquisa. Lembrando que todos os indivíduos que participaram desse estudo deveriam ser do gênero feminino e com idade entre 19 a 50 anos. Lê-se que 14 (46%) das mulheres pesquisadas tem faixa etária variante entre 20 e 30 anos, ao passo que 12 (40%) com 30 a 40 anos, e 2 (7%) com 40 a 50 anos e ainda 2 (7%) abstiveram-se de responder esse item da pesquisa. Os dados apresentados pela pesquisa comprovam que a faixa etária com maior freqüência de realização dos procedimentos cirúrgicos estéticos corresponde entre 19 à 50 anos, o que na pesquisa fora expresso em períodos etários diferenciados, mas que relatam características semelhantes ao nível nacional do ano anterior. Gráfico 3.2 Estado Civil das mulheres pesquisadas. Porto Velho-RO, no período de setembro e outubro de % 3% 33% 10% 10% 34% Solteira Namorando Casada Separada Outros Em branco O gráfico 3.2 apresenta o estado civil dos indivíduos pesquisados. Como se pode perceber, 11 (34%) delas disseram estar solteiras, ao passo que 9 (33%) disseram estar casadas, 3 (10%) que estão namorando e outros 3 (10%) que estão separadas, e ainda,1 (3%) que tem outro tipo de estado civil. E 3 (10%) se abstiveram de responder essa questão. Percebe-se que a maioria das pacientes pesquisadas vivenciam um momento do qual não possuem companheiros (fixos ou com relacionamento estável), o que nos deixa inferir que as mulheres que estão casadas passam por menos procedimentos cirúrgicos estéticos do que as que não possuem companheiro fixo. Esse gráfico corrobora com o pensamento de Marthe (2010, p. 100) o casamento hoje é genuinamente um pacto e um compromisso entre iguais. E,

7 7 quando os parceiros estão de comum acordo, pode oferecer muito mais satisfação e até mais saúde e paixão do que a vida em voo-solo. Gráfico 3.3 Fator Econômico das mulheres pesquisadas: Dados referentes à faixa salarial.porto Velho-RO, no período de setembro e outubro de % 7% 43% De R$ 501,00 a R$ 1.000,00 De R$ 1.001,00 a R$ 4.000,00 Mais de R$ 4.000,00 Ao serem indagadas referente a faixa salarial ou renda familiar que possuem, 15 (50%) afirmaram que esse valor é maior que R$ 4.000,00 (quatro mil reais), 13 (43%) que a renda é variável entre R$ 1.000,01 (Mil reais e um centavo) a R$ 4.000,00 (quatro mil reais) e apenas 2 (7%) disseram que essa renda é de R$ 501,00 (quinheitos e um reais) a R$ 1.000,00 (mil reais). Diante da faixa salarial, que em sua maioria, tem uma renda maior de R$ 4.000,00 (quatro mil reais) é possível concordar com os autores Auricchio e Massarolo (2007, p. 68) que nos diz que devemos considerar que os procedimentos de ordem estética são onerosos, necessitando, na maioria das vezes de manutenção periódica, além de não serem cobertos pelos planos de saúde. Porém, atualmente, estão sendo mais conhecidos e disseminados formas diferenciadas de pagamento, como por exemplo, consórcios e financiamentos de cirurgias estéticas. Com esse novo movimento, é compreensivel que indivíduos com renda inferior a R$ 4.000,00 (quatro mil reais) possam estar custeando seu procedimento cirúrgico e assim realizar seu sonho ou seu desejo.

8 8 Gráfico 3.4 Atividade Profissional desempenhada pelas mulheres que participaram da pesquisa. Porto Velho-RO, no período de setembro e outubro de Funcionária Pública 23% 17% 20% 40% Funcionária de Empresa Particular Empresária. Tabela 3.1- Pergunta: Quantas cirurgias você já realizou em sua história de vida (isso inclui cesariana)? Quantidade Número Porcentagem (%) % % % A tabela 3.1 representa o número de cirurgias já realizadas pelas pacientes que participaram do estudo, o que incluia parto cesariana. Como se pode notar, 19 (63%) das mulheres pesquisadas já realizaram, uma ou duas cirurgias. Ao passo que 9 (30%) delas afirmaram ter realizado duas ou três cirurgias e ainda 2 (7%) que realizaram quatro ou cinco procedimentos cirúrgicos. Pouco existe a respeito das possíveis consequências referentes a realização de inúmeras cirurgias e a posterior prática de cirurgias estéticas, neste caso, fica complexo inferir com a base teórica necessária. Ao que se sabe, empiricamente e com os estudos nessa questão, é que conforme são realizadas as cirurgias, o tecido sempre será lesionado, dificultando cada vez mais a recuperaçao, o que pode acarretar riscos a paciente e ao efeito desejado do procedimento cirúrgico.

9 9 Gráfico 3.5 Tipificação da cirurgia realizada. Porto Velho-RO, no período de setembro e outubro de % 7% Lipoaspiração clássica 13% 13% 3% 7% 50% Lipoaspiração com outra cirurgia Abdominoplastia clássica Lipoabdominoplasti a O gráfico 3.5 questionou as pacientes pesquisadas no que se refere ao tipo de procedimento cirúrgico que fora realizado. Como se pode perceber, 15 (50%) da amostra pesquisada realizaram lipoaspiração clássica, 4 (13%) realizaram lipoabdominoplastia e abdominoplastia com outra cirurgia, 2 (7%) fizeram lipoaspiração com outra cirurgia, 2 (7%) realizaram outras cirurgias e 2 (7%) abstiveram-se de responder essa questão. Esse gráfico retrata uma realidade similiar com a do Instituto Datafolha do ano de 2009 referente ao perfil das cirurgias plásticas no Brasil, dos quais revelam que 35% das cirurgias plásticas realizadas são de lipoaspiração e de abdomen e suas vertentes. (DATAFOLHA, 2009). Ainda é importante caracterizar que algumas pacientes realizaram cirurgias concomitantes, como por exemplo, lipoaspiração mais implante de silicone. Essa realidade de acordo com Jatene e Barbosa (2005, p.68) sabemos que a prática de cirurgias combinadas aumenta a morbidade, levando a maior tempo de internação, maior índice de transfusão sangüínea no intra e pós-operatório, maior incidência de infecções graves e tromboembolismo.

10 10 Gráfico 3.6 Realização de pré-operatório referente ao procedimento estético realizado. Porto Velho-RO, no período de setembro e outubro de % 77% Sim Não No gráfico 3.6 as pacientes foram questionadas se realizaram algum acompanhamento pré-operatório. Como se pode perceber, 23 (77%) disseram que realizaram o pré-operatório da cirurgia plástica, porém, 7 (23%) afirmaram que não realizaram. Das que afirmaram que realizaram algum tipo de acompanhamento préoperatório, 23 (62%) disseram ter realizado acompanhamento com o médico, 10 (27%) que realizaram drenagem linfática, 3 (8%) abstiveram-se de responder e 1 (3%) disseram que fizeram outros procedimentos. A importância do pré-operatório já fora descrita anteriormente, e se torna necessário frisar esse momento, pois, ele pode ser determinante para o sucesso do procedimento cirúrgico. O acompanhamento médico é essencial já que se constroí a história de vida do paciente, realiza-se o controle dos sinais vitais e são realizados exames físicos e laboratorias, além de retirar todas as dúvidas dos pacientes antes do prosseguimento da cirurgia. (BRUNNER & SUDDARTH,2005). Gráfico 3.7 Percepção das pacientes frente à importância do pós-operatório de cirurgias plásticas. Porto Velho-RO, no período de setembro e outubro de % 6% Muito Importante Importante 67% Pouco Importante

11 11 No gráfico 3.7 as pacientes participantes da pesquisa em tela foram questionadas, para elas, qual seria a importância do pós-operatório de uma cirurgia estética. Sendo que 20 (67%) afirmaram ser muito importante, 8 (27%) que seria importante e 2 (6%) que seria pouco importante. De acordo com Goin e Goin (1986) apud Auricchio e Massarollo (2007, p.69) a maioria dos clientes tende a negar, ou a não valorizar a possibilidade de complicações, mesmo quando exaustivamente orientada a respeito. Em outras palavras, a cirurgia plástica é um procedimento como outro qualquer, que requer os mesmos cuidados e riscos, o que nem sempre é levado em consideração para o paciente. Tabela 3.2- Pergunta: Para você o profissional enfermeiro (a) foi importante no seu processo pósoperatório da cirurgia plástica? Respostas Número Porcentagem (%) Muito Importante 20 67% Importante 8 27% Pouco Importante 1 3% Nada Importante 1 3% De acordo com a tabela 3.2, na qual as pacientes pesquisadas foram indagadas da importância do profissional enfermeiro no período pós-operatório, lê-se que 67% acreditam que ele é muito importante, ao passo que 27% dissem que ele é importante e 3%, respectivamente, que é pouco ou nada importante. Ainda se torna importante que quando indagadas a respeito de seguir as recomendações do médico e da equipe para assim atingir o efeito desejado, afirmaram em sua totalidade, ou seja, 100% que acreditam nessa importância para atingir os resultados. Como justificativas afirmaram que o enfermeiro tem uma grande importância no pós-operatório para os remédios, no levantar e deitar, uma segurança melhor (sic), é passada uma confiança muito maior de que as coisas não vão se complicar, eu fiquei mas segura (sic), eles passam confiança de que vamos ficar bem, que a cirurgia ocorrerá bem antes e depois de operar (sic), o enfermeiro pode proporcionar o controle da recuperação, ele pode amenizar a dor (sic).

12 12 E ainda como respostas disseram que: em cuidados e atenção com os remédios, os banhos, o que faz nos sentirmos tão inúteis nesse período de recuperação (sic), profissional capacitado para tirar dúvidas, mais acessível, disponível para auxiliar no auto-cuidado (sic), cuidados no pós-imediato, medicação nos horário para alívio da dor, auxiliar com técnicas para facilitar o dia-adia (sic) e prepararo para a cirurgia, acompanhamento mais próximo, orientação quanto aos cuidados que de vem ser tomados com o pós (sic). Outras afirmações, como, por exemplo: o enfermeiro é fundamental no pósoperatório até porque ele é o profissional que acompanha de perto todo o processo e cuidados (sic), temos um acesso muito maior no dia-a-dia facilitando assim a retirada de dúvidas, orientações, nos transmitindo segurança (sic), mais próximo do paciente no decorrer de toda cirurgia, muitas vezes nem precisa levar minhas dúvidas ao médico (sic), foi essencial no ensino de técnicas para meu autocuidado (sic), é imporante pelo fato de que sem um ótimo tratamento, não haverá resultados satisfatórios (psicológicos e corpo). O enfermeiro é essencial, pois, só o médico, em si não faz tanto efeito (sic), entre outras respostas. Em suma, caracterizaram o enfermeiro como sendo aquele que atua diretamente com o paciente e que realiza cuidados básicos para o sucesso do pósoperatório, o que corrobora com Waldow (1992, p.30) apud Bedin et al. (2005, p.123) que cuidado pode ser considerado como a conotação de atenção, preocupação para, responsabilidade por, observar com atenção, com afeto, amor ou simpatia. Em geral, o termo implica a ideia de fazer, de ação. Tabela 3.3- Na sua cirurgia plástica, você teve acompanhamento de um enfermeiro nos processo de pré, durante e pós-operatório? Respostas Número Porcentagem (%) Sim 25 83% Não 3 10% Outros 2 7% Na tabela 3.3 as pacientes foram questionadas se na cirurgia que realizaram tiveram acompanhamento do profissional enfermeiro nos períodos de pré, durante e pós-operatório, sendo que 83% afirmaram que foram acompanhadas, 10% que não foram e 7% que foram acompanhadas parcialmente por esse profissional.

13 13 E ainda das que foram acompanhadas em todos os processos pelo enfermeiro (a) disseram, em 87% dos casos, que esse acompanhamento foi satisfatório. E como justificativas, as pacientes afirmaram que orientação no pré e pós, ajudou com técnicas como colocação da cinta (sic), importante para a recuperação, esclarecer dúvidas e ajudar de perto, todo dia da recuperação (sic), o acompanhamento diário, tirando dúvidas e ajudando no processo de recuperação (sic), uma boa orientação, um cuidado especial (sic), foi satisfatório, tirava dúvidas, sempre que senti dor quando estava internada era bem tratada e com rapidez, na verdade fui tratada como uma rainha (sic), sem ele o meu pós não seria completo nem satisfatório (sic), ele tem papel único, muito importante, em todo o auxilio psicológico e a segurança (sic). Outras respostas dessa afirmação: um profissional capacitado e seguro (sic), apoio psicológico e emocional (sic), técnicas para alívio da dor e inchaço com a drenagem linfática (sic), ao longo do processo passam uma energia, que ajuda muito além do simples auxílio (sic) e outras afirmações. O acompanhamento do enfermeiro no período pré, peri e pós-operatório é fundamental para o sucesso da cirurgia e no alcance dos desejos do paciente. O que confirma, diante da reprodução dos pensamentos das pacientes, o que Santos et al (2002, p.26) apud Bedin et al (2005, p.124) dizem a respeito dos processos pré, peri e pós-operatório, a qualidade da assistência de enfermagem nesse momento é capaz de contribuir para avaliar a tensão, ao transmitir para o cliente informações que lhe permitam enfrentar a situação em que se encontra com menos temor. CONSIDERAÇÕES FINAIS Na sociedade atual, as cirurgias plásticas transformaram-se em um fenômeno abrangente e preocupante, ao mesmo tempo. Abrangente, pois, uma boa parcela da população está tendo mais acesso a esse tipo de procedimento e técnica. Preocupante, já que apesar de ser um procedimento de beleza, ainda é uma cirurgia e tem seus riscos e consequências. É no quesito de preocupação com a prática desordenada das cirurgias plásticas de que essa pesquisa foi fonte de inspiração. Ao realizar o procedimento

14 14 existem padrões a serem efetuados pelo cliente antes e depois de tal ação, ou seja, o período pré e pós-operatório. Que são de fundamental cuidado para a satisfação da cirurgia estética e na obtenção dos resultados desejados. O objetivo geral dessa pesquisa foi alcançado já que descreveu as vantagens do acompanhamento do enfermeiro no pós-operatório das cirurgias plásticas Abdominoplastia e Lipoaspiração em uma clínica de procedimentos cirúrgicos e estéticos e a utilização dos recursos disponíveis para a recuperação rápida e satisfatória do paciente. As vantagens do enfermeiro no processo de pós-operatório na clínica de estudo demonstraram que, de acordo com o olhar do paciente cirúrgico, esse profissional auxilia na segurança e no apoio psicológico e emocional posterior e anterior ao procedimento, fornece esclarecimentos e tira dúvidas quanto aos riscos da cirurgia, presta assistência nos momentos de dor e em atividades rotineiras, como levantar e movimentar-se, e ainda em concomitância com o médico orienta e educa nos quesitos de pós-operatório e nos possíveis tratamentos estéticos que auxiliam em uma melhora rápida e eficaz. É possível questionar-se quais seriam as vantagens de se fazer um acompanhamento pós operatório adequado com o profissional enfermeiro. O pósoperatório em si, traz riscos ao paciente de, por exemplo, trombose, má-cicatrização, entre outros. Um acompanhamento com um profissional capacitado diminui as chances de riscos ao paciente e aumenta as possibilidades de obter os resultados desejados na realização da cirurgia plástica. Já a ausência desse profissional e a utilização de tratamentos estéticos concomitantes sem a presença do mesmo pode trazer riscos de prejudicar o bom andamento do procedimento cirúrgico. É só conscientizando e criando políticas públicas de acesso ao conhecimento dos indivíduos, que os riscos serão divulgados e os cuidados serão redobrados por quem realiza as cirurgias plásticas. Além de ser uma questão pessoal de cada um, deve ser uma questão política e social do governo brasileiro, o que diminuirá certamente, os casos de mortes em decorrência da prática errônea ou equivocada de profissionais na realização das cirurgias plásticas.

15 15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AURICCHIO, Ana Maria. MASSAROLLO, Maria Cristina Komatsu Braga. Procedimentos estéticos: percepção do cliente quanto ao esclarecimento para a tomada de decisão. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 41, n. 1, mar Disponível em:< >. Acesso em 26 de agosto de BARBOSA, Vanessa Cristina. RANDOMILE, Maria Eugênia Scatena. Ansiedade pré-operatória no Hospital Geral. Psicópio: Revista Virtual de Psicologia Hospitalar e da Saúde. Belo Horizonte, Disponível em: <http://alamysusana.sites.uol.com.br >. Acesso em: 20 de novembro de BEDIN, Eliana. RIBEIRO, Luciana Barcelos Miranda. BARRETO, Regiane Aparecida dos Santos Soares. Humanização da assistência de enfermagem em centro cirúrgico. Revista eletrônica de enfermagem, v.07, n. 01, Disponível em:< >. Acesso em 26 de outubro de 2010 BRASIL. Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde. Resolução n 196 de outubro de Dispõe sobre pesquisas envolvendo seres humanos. BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de Enfermagem médico-cirúrgica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, DATAFOLHA, Instituto de Pesquisas. Cirurgia Plástica no Brasil. Janeiro de Disponível em:<www.cirurgiaplastica.org.br >. Acesso em 15 de agosto de GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo. Atlas, Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, JATENE, Paulo Roberto de Sousa. JATENE, Maria Cristina Vargas. BARBOSA, André Luiz de Miranda. Abdominoplastia: Experiência clínica e revisão da literatura. Rev. Soc. Bras. Cir. Plástica, Disponível em:< >. Acesso em 15 de outubro de MARTHE, Marcelo. Casamento: Por que ele continua a valer a pena. Revista Veja, edição 2179, ano 43, n.34, MATTOS, André Luis de Castro de Magalhães. Lipoaspiração e Lipoescultura corporal. Disponível em:< >. Acesso em 13 de agosto de NEVES, José Luis. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em administração, São Paulo, v. 1, n. 3, Disponível em: <www.ead.fea.usp.br >. Acesso em 19 de novembro de 2010.

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS.

IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS. IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS. Ana Paula Alves Martins 1 Marcelo Costa Fernandes 2 Introdução Para Ferreira (2005) cuidado é executado por quem é

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Tratamento Pré e Pós Operatório Código: -- Pré-requisito: --

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO Eu,, identidade autorizo o Dr. Jorge Antônio de Menezes, médico cirurgião plástico, membro associado da Sociedade

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

Metodologia da Pesquisa

Metodologia da Pesquisa BACHARELADO EM ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Prof. Me. Eurípedes Gil de França Metodologia da Pesquisa AULA 5 Refere-se ao como vou fazer a pesquisa. É a parte mecânica da pesquisa. Por meio

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO Objetivou-se neste estudo discutir a utilização do processo de

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE Rosimery Cruz de Oliveira Dantas Universidade Federal de Campina Grande Campus Cajazeiras. Symara Abrantes Albuquerque

Leia mais

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores.

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Joyce Santiago Ferreira Orientador: Profa. Dra. Claci Fátima Weirich Faculdade de Enfermagem, Goiânia-GO,

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec: PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio de

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA O IDOSO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Marina Menezes Ladeira Débora Vargas Ferreira Costa Victor Cláudio Paradela Ferreira Rejane Prevot Nascimento

Leia mais

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DE TRATAMENTOS ESTÉTICOS REALIZADOS NA CIDADE DE MARINGÁ-PARANÁ

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DE TRATAMENTOS ESTÉTICOS REALIZADOS NA CIDADE DE MARINGÁ-PARANÁ 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DE TRATAMENTOS ESTÉTICOS REALIZADOS NA CIDADE DE MARINGÁ-PARANÁ Sandra Regina de Magalhães Itikawa 1 ; Tatiane Hisae Sakaguti¹;

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

A CONSULTA: ESCOLHENDO O SEU MÉDICO

A CONSULTA: ESCOLHENDO O SEU MÉDICO A CONSULTA: ESCOLHENDO O SEU MÉDICO Como escolher o seu médico Avaliação na primeira consulta: obtendo o máximo de informações O que fazer durante a consulta O que o staff do médico pode revelar Importância

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL: UM PERFIL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ

FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL: UM PERFIL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL: UM PERFIL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ Ana Paula Serra de Araújo 1, Maristela Lopes Cabral 2 RESUMO:

Leia mais

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL INTRODUÇÃO: Ítala Mônica de Sales Santos Joelma Barros de Sousa Ana Izabel Oliveira Nicolau As Doenças sexualmente transmissíveis, principalmente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki

Leia mais

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Nara Elizia Souza de OLIVEIRA 1 ; Lizete Malagoni de A. C. OLIVEIRA 2 ; Roselma LUCCHESE

Leia mais

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS 1 Resumo MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS SILVA, Gusmão Fernanda¹ SOUZA, Lindyara Thâmara² O câncer de mama tem sido o responsável pelos maiores índices

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM FRENTE AO CUIDADO HUMANIZADO PRESTADO AO PACIENTE NA UTI

A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM FRENTE AO CUIDADO HUMANIZADO PRESTADO AO PACIENTE NA UTI A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM FRENTE AO CUIDADO HUMANIZADO PRESTADO AO PACIENTE NA UTI Técnico em Enfermagem Elisabete Batista Alves - betebatista@bol.com.br Francisca Assunção Alves da Costa

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR Andreza de Jesus Dutra Silva Mestre em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente - UniFOA; Especialista em Enfermagem em Terapia Intensiva - USS; MBA em Administração

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347, como profissional

Leia mais

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Gabriela Pereira Batista, graduanda em enfermagem (UNESC Faculdades) gabrielabio_gabi@hotmail.com

Leia mais

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA BEZERRA, Nanci Candido, Faculdade Santa Maria, nanci.candido26@gmail.com. SILVA, Evandro Dantas, Faculdade Santa Maria.

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

Cirurgia plástica e envelhecimento

Cirurgia plástica e envelhecimento Cirurgia plástica e envelhecimento Cirurgia plástica e envelhecimento Maira Cristina Fistarol Audino *, Andréia Schmitz ** Resumo Verifica-se, atualmente, um novo cenário brasileiro, o aumento da expectativa

Leia mais

MERCADO DE CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL 2009

MERCADO DE CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL 2009 MERCADO DE CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL 2009 Metodologia e Amostra Ficha Técnica Objetivos Traçar um diagnóstico do mercado brasileiro de cirurgia plástica, através do levantamento e informações referentes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Auxiliar de Enfermagem Qualificação:

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

Gabriela Herrmann Cibeira 1. Nutrição na enfermagem: uma disciplina fundamental para a formação do enfermeiro

Gabriela Herrmann Cibeira 1. Nutrição na enfermagem: uma disciplina fundamental para a formação do enfermeiro 5 1. NUTRIÇÃO NA ENFERMAGEM: UMA DISCIPLINA FUNDAMENTAL PARA A FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO 1. NUTRITION ON NURSING: AN IMPORTANT DISCIPLINE FOR KNOWLEDGE IN NURSING Gabriela Herrmann Cibeira RESUMO OBJETIVO:

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

DEPRESSÃO NO IDOSO ONCOLÓGICO: UMA REALIDADE A SER VIVENCIADA

DEPRESSÃO NO IDOSO ONCOLÓGICO: UMA REALIDADE A SER VIVENCIADA Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DEPRESSÃO NO IDOSO ONCOLÓGICO: UMA REALIDADE A SER VIVENCIADA Mariana Leone Perissinotto 1 ; Carla Alexandra Gomes Jardim

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 Renata Pereira Moreira 2 Heraldo Simões Ferreira 3

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA A mastoplastia (mastoplastia) redutora é uma das cirurgias mais realizadas em nosso país, abrangendo uma faixa etária a mais variada possível, desde a adolescência até

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE FISIOTERAPIA DO SETOR PRIVADO DA CIDADE DE CAJATI-SP: UM ESTUDO PILOTO

TÍTULO: ANÁLISE DA SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE FISIOTERAPIA DO SETOR PRIVADO DA CIDADE DE CAJATI-SP: UM ESTUDO PILOTO TÍTULO: ANÁLISE DA SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE FISIOTERAPIA DO SETOR PRIVADO DA CIDADE DE CAJATI-SP: UM ESTUDO PILOTO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

Aluno do curso de Enfermagem da Unioeste. Bolsista do Programa de Iniciação Científica Unioeste/CNPQ.

Aluno do curso de Enfermagem da Unioeste. Bolsista do Programa de Iniciação Científica Unioeste/CNPQ. AVALIAÇÃO DE UM DOS INDICADORES DE QUALIDADE DE ENFERMAGEM: O ÍNDICE DE TREINAMENTO DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO 1 João Lucas Campos de Oliveira 2 Anair Lazzari Nicola 3 INTRODUÇÃO A preocupação

Leia mais

AS OCORRÊNCIAS EMOCIONAIS E NUTRICIONAIS EM ADOLESCENTES GRÁVIDAS

AS OCORRÊNCIAS EMOCIONAIS E NUTRICIONAIS EM ADOLESCENTES GRÁVIDAS AS OCORRÊNCIAS EMOCIONAIS E NUTRICIONAIS EM ADOLESCENTES GRÁVIDAS Aline Aparecida de Souza 1, Camila Oliveira de Souza¹, Joana Ercilia Aguiar 2 RESUMO: A Adolescência é marcada por transformações biopsicossocial

Leia mais

DEMANDA DE INFORMAÇÕES DE PACIENTES CIRÚRGICOS HOSPITALIZADOS: ESTUDO DESCRITIVO E PROSPECTIVO

DEMANDA DE INFORMAÇÕES DE PACIENTES CIRÚRGICOS HOSPITALIZADOS: ESTUDO DESCRITIVO E PROSPECTIVO DEMANDA DE INFORMAÇÕES DE PACIENTES CIRÚRGICOS HOSPITALIZADOS: ESTUDO DESCRITIVO E PROSPECTIVO Debora Viviane Stadler (PIBIC/CNPq), Gabriela Machado Ezaias Paulino, Renata Rodrigues Zanardo, Helena Sonobe

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIA - ESTRATÉGIAS UTILIZADAS POR ENFERMEIROS PARA SUA APLICAÇÃO 1

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIA - ESTRATÉGIAS UTILIZADAS POR ENFERMEIROS PARA SUA APLICAÇÃO 1 DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v8i3.9018 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIA - ESTRATÉGIAS UTILIZADAS POR ENFERMEIROS PARA SUA APLICAÇÃO 1 Isabella Rita do Amaral Saragiotto* Cibele

Leia mais

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL V Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL Janete Giuliane Tavares 1 ; Laís

Leia mais

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente.

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica

RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica Autores: Glenda Garrafa Mori glendagmori@yahoo.com.br Irene Abramovich iabramo@uol.com.br Paulo Monteiro

Leia mais

Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe na Unidade de Terapia Intensiva

Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe na Unidade de Terapia Intensiva Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe na Unidade de Terapia Intensiva Myrian Karla Ayres Veronez PEIXOTO Lizete Malagoni de Almeida Cavalcante OLIVEIRA Denize Bouttelet MUNARI Programa

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS RESUMO ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Ana Paula Fleig Saidelles,

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO Esta investigação tem como enfoque o atendimento às gestantes adolescentes primigestas nas equipes de ESF. Visa conhecer o universo destas gestantes

Leia mais

Visão crítica dos Enfermeiros sobre suas passagens de plantão no Centro de Diagnóstico por Imagem

Visão crítica dos Enfermeiros sobre suas passagens de plantão no Centro de Diagnóstico por Imagem Hospital Israelita Albert Einstein Departamento de Imagem São Paulo Brasil Hospital Israelita Albert Einstein Imaging Department Sao Paulo Brazil Visão crítica dos Enfermeiros sobre suas passagens de plantão

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA TERAPIA DO RISO NO TRATAMENTO DO PACIENTE PEDIÁTRICO

A INFLUÊNCIA DA TERAPIA DO RISO NO TRATAMENTO DO PACIENTE PEDIÁTRICO A INFLUÊNCIA DA TERAPIA DO RISO NO TRATAMENTO DO PACIENTE PEDIÁTRICO GARCIA, D. T. R.¹; SILVA, J. G. ² ; VAZ, A. C.³ ; FILOCOMO, F. R. F. 4 ; FILIPINI, S. M. 5 1,2,3,4,5 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT03-P ESTUDO DAS DROGAS: IMPORTÂNCIA PARA OS DISCENTES DE ENFERMAGEM NO CENÁRIO DE PRÁTICA Lucilla Vieira Carneiro (2), Patrícia Serpa de Souza Batista (3), Jacira dos Santos Oliveira (4) Centro

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 Solicitantes: DR. M. L. B. CRM/GO XXXX Conselheiro Parecerista: DR. PAULO ROBERTO CUNHA VENCIO Assunto: RESPONSABILIDADE ÉTICA E LEGAL DE PROFESSOR

Leia mais

O PSICOLOGO FACE O ADOECER, E A SAÚDE PÚBLICA

O PSICOLOGO FACE O ADOECER, E A SAÚDE PÚBLICA O PSICOLOGO FACE O ADOECER, E A SAÚDE PÚBLICA NETO, Rui Mesquita Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde de Garça FASU/ACEG GARÇA SP BRASIL email: neto334@gmail.com MOREIRA, Simone

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido Eu, RG n solicito e autorizo o Dr. Fausto A. de Paula Jr, CRM-SP 103073, medico otorrinolaringologista,

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO Raniele Ramalho de SOUZA 1*, Sara Fonte Boa de OLIVEIRA 1,

Leia mais

A Importância na Identificação dos Fatores de Risco para Prevenção do Câncer de Mama

A Importância na Identificação dos Fatores de Risco para Prevenção do Câncer de Mama A Importância na Identificação dos Fatores de Risco para Prevenção do Câncer de Mama Felipe A. de A. Souza Universidade Severino Sombra,Acd. de medicina faandrades@hotmail.com Juliana L. Fernandes Universidade

Leia mais

O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS DO LITORAL DE SÃO PAULO, SP.

O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS DO LITORAL DE SÃO PAULO, SP. Revista Ceciliana Dez 3(2): 35-39, 2011 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana O CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICI- NAIS EM DOIS MUNICÍPIOS

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA 1 ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA Rozane Pereira de Sousa. Estudante da Especialização em Direitos Humanos da Universidade Federal Campina Grande - UFCG, Cajazeiras

Leia mais

O ENFERMEIRO NO CUIDADO AO PACIENTE CIRÚRGICO NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO

O ENFERMEIRO NO CUIDADO AO PACIENTE CIRÚRGICO NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO O ENFERMEIRO NO CUIDADO AO PACIENTE CIRÚRGICO NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO Camila Amthauer 1 João Werner Falk 2 RESUMO: O procedimento cirúrgico é permeado por significados e tabus acerca de possíveis riscos

Leia mais

DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS

DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS Ana Leticia Dias Semtchuk 1 ; Gabryella Caparós Pimentel 2 ; Lilian Gatto 3 ; Willian Augusto de Melo 4 RESUMO: A Educação Permanente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM NO CUIDADO COM O CLIENTE

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM NO CUIDADO COM O CLIENTE A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM NO CUIDADO COM O CLIENTE Curso Técnico em Enfermagem Alessandra Teixeira de Queiroz - alessandra.teixeira.545@facebook.com Elber Barreto Martins Barcelos - elbermartins-@hotmail.com

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO PROCESSO DE TRABALHO EM HEMODINÂMICA: O OLHAR DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO PROCESSO DE TRABALHO EM HEMODINÂMICA: O OLHAR DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, August 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA SBPR PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO PROCESSO DE TRABALHO EM HEMODINÂMICA: O OLHAR

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

Nossa História e Filosofia PREVENT SENIOR

Nossa História e Filosofia PREVENT SENIOR Sejam bem vindos a Nossa História e Filosofia Antes da Lei Nº 9656/98 Constatação: Dificuldade da continuidade da internação pelos limites de dias; Não coberturas de procedimentos; Ausência de suporte

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM COM RECÉM-NASCIDO EM MÉTODO CANGURU

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM COM RECÉM-NASCIDO EM MÉTODO CANGURU RELATO DE EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM COM RECÉM-NASCIDO EM MÉTODO CANGURU SOARES, Marília Freitas Elias 1 MOREIRA, Michele Pontes 2 SILVA, Emanuele Nascimento 3 SILVA, Eliana

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA.

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. Mirielle Ravache Machado Dias; Vanessa Felix Da Hora ; Maria Conceição Furtado Lancia Faculdade de Ciências da Saúde

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais