São Cirilo de Jerusalém ( ), bispo de Jerusalém, doutor da Igreja Catequese baptismal 13 O homem da décima primeira hora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São Cirilo de Jerusalém (313-350), bispo de Jerusalém, doutor da Igreja Catequese baptismal 13 O homem da décima primeira hora"

Transcrição

1 Evangelho segundo S. Mateus 20,1-16. «Com efeito, o Reino do Céu é semelhante a um proprietário que saiu ao romper da manhã, a fim de contratar trabalhadores para a sua vinha. Ajustou com eles um denário por dia e enviou-os para a sua vinha. Saiu depois pelas nove horas, viu outros na praça, que estavam sem trabalho, e disse-lhes: 'Ide também para a minha vinha e tereis o salário que for justo. E eles foram. Saiu de novo por volta do meio-dia e das três da tarde, e fez o mesmo. Saindo pelas cinco da tarde, encontrou ainda outros que ali estavam e disse-lhes: 'Porque ficais aqui todo o dia sem trabalhar? Responderam-lhe: 'É que ninguém nos contratou. Ele disse-lhes: 'Ide também para a minha vinha. Ao entardecer, o dono da vinha disse ao capataz: 'Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, começando pelos últimos até aos primeiros. Vieram os das cinco da tarde e receberam um denário cada um. Vieram, por seu turno, os primeiros e julgaram que iam receber mais, mas receberam, também eles, um denário cada um. Depois de o terem recebido, começaram a murmurar contra o proprietário, dizendo: 'Estes últimos só trabalharam uma hora e deste-lhes a mesma paga que a nós, que suportámos o cansaço do dia e o seu calor. O proprietário respondeu a um deles: 'Em nada te prejudico, meu amigo. Não foi um denário que nós ajustámos? Leva, então, o que te é devido e segue o teu caminho, pois eu quero dar a este último tanto como a ti. Ou não me será permitido dispor dos meus bens como eu entender? Será que tens inveja por eu ser bom? Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. Porque muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.» São Cirilo de Jerusalém ( ), bispo de Jerusalém, doutor da Igreja Catequese baptismal 13 O homem da décima primeira hora Um dos ladrões crucificados com Jesus gritava: Lembra-te de mim, Senhor! Para Ti que me volto neste momento. Não Te falo das minhas obras, porque elas me fazem tremer. Qualquer homem tem boas disposições relativamente aos seus companheiros de viagem; eis-me aqui, Teu companheiro de viagem para a morte. Lembra-Te de mim, teu companheiro de viagem, não apenas agora, mas quando chegares ao Teu Reino (Lc 24, 42). Que poder te iluminou, ó bom ladrão? Quem te ensinou a assim adorar Aquele que foi desprezado e crucificado contigo? Ó Luz eterna, que iluminas aqueles que se encontram nas trevas (Lc 1, 79)! Tem coragem! Em verdade te digo, que hoje estarás comigo no paraíso, porque hoje ouviste a Minha voz e não endureceste o coração (Sl 94, 8). Por ter desobedecido, Adão foi rapidamente expulso do jardim do paraíso. Tu, que hoje obedeceste à fé, serás salvo. Para Adão, a árvore foi ocasião de queda; a ti, a árvore far-te-á entrar no paraíso. Ó graça imensa e inexprimível: ainda Abraão, o fiel por excelência, não tinha entrado, quando o ladrão entrou. Espantado com o facto, Paulo comenta: Onde abundou o pecado, superabundou a graça (Rom 5, 20). Aqueles que haviam penado todo o dia ainda não tinham entrado no reino e ele, o homem da décima primeira hora, é admitido sem tardar. Que ninguém murmure contra o Mestre: A ninguém faço injustiça; não terei o poder de fazer o que quero em Minha casa? O ladrão quer ser justo, Eu contento-me com a sua fé. Eu, o

2 Pastor, encontrei a ovelha perdida e pu-la aos ombros (Lc 15, 5), porque ela Me disse: Errei, mas recorda-te de mim, Senhor, quando entrares no Teu reino. São João Crisóstomo (c ), bispo de Antioquia, posteriormente de Constantinopla, doutor da Igreja Homilias sobre São Mateus «Ide vós, também, para a minha vinha» É bem evidente que esta parábola se dirige, ao mesmo tempo, tanto aos que são virtuosos desde a sua tenra idade, como aos que se tornam tais na sua velhice: aos primeiros para os preservar do orgulho e os impedir de censurarem os da hora undécima; aos segundos para lhes ensinar que podem merecer o mesmo salário em pouco tempo. O Salvador acabava de falar da renúncia às riquezas, do desprezo de todos os bens, de virtudes que exigem grande ânimo e coragem. Para tal, era preciso o fervor e a força de uma alma cheia de juventude; o Senhor, portanto, reacende neles a chama da caridade, fortalece os seus sentimentos e mostra-lhes que mesmo os últimos a virem recebem o salário de um dia inteiro Todas as parábolas de Jesus: as das virgens, da rede, dos espinhos, da árvore estéril, convidam-nos a manifestar a nossa virtude nas nossas acções. Fala pouco de dogmas, porque estes não exigem muito esforço. Mas fala frequentemente da vida, ou antes, fala sempre, porque sendo a vida uma luta contínua, o esforço também resulta contínuo. São João Crisóstomo (c ), bispo de Antioquia, mais tarde de Constantinopla, doutor da Igreja Homilia 64 Cada um à sua hora «Ide, também vós, para a minha vinha». Irmãos, talvez me perguntem por que não foram convidados ao mesmo tempo todos esses operários para a vinha do Senhor? Ao que eu responderei que a intenção de Deus foi chamá-los a todos ao mesmo tempo. Mas o facto de eles não quererem vir ao ser chamados à primeira hora deve-se à sua recusa. Por isso, o próprio Deus acaba por chamá-los em particular, à hora em que Ele pensava que iriam aceitar e responder ao seu convite. É isto o que o apóstolo Paulo declara quando diz: «Quando aprouve a Deus que me escolheu desde o seio de minha mãe» (Gl 1, 15). E quando Lhe aprouve senão quando viu que Paulo obedeceria ao seu chamamento? Deus podia tê-lo chamado, certamente, desde o começo da sua vida, mas porque Paulo não iria obedecer à sua voz, Deus preferiu não chamá-lo senão quando viu que ele iria responder. Deste modo, Deus não teria chamado o bom ladrão só na última hora, se tivesse previsto que esse homem iria responder ao seu chamamento. Portant o, se os operários da parábola dizem que ninguém os contratou, é preciso recordar a paciência de Deus. Ele, por sua vez, demonstra bem que fez tudo o que estava em seu poder para que todos pudessem vir desde a primeira hora do dia. Deste S. Efrém (cerca ), diácono na Síria, doutor da Igreja Diatessaron, 15, «Não me será permitido dispor dos meus bens como me aprouver?»

3 Aqueles homens estavam dispostos a trabalhar mas «ninguém os contratou»; eles eram trabalhadores, mas ociosos por falta de trabalho e de patrão. Em seguida, uma voz contratouos, uma palavra pô-los a caminho e, no seu zelo, não combinaram antecipadamente qual o preço do seu trabalho, como os primeiros. O patrão avaliou os seus trabalhos com sabedoria e pagou-lhes tanto como aos outros. Nosso Senhor disse esta parábola para que ninguém dissesse: «Uma vez que não fui chamado na juventude, não posso ser recebido». Mostrou que, seja qual for o momento da sua conversão, todo o homem é acolhido... «Ele saiu pela manhã, pela terceira hora, pela hora sexta, pela hora nona e pela hora undécima»: pode-se compreender isso desde o início da sua pregação, ao longo da sua vida até à cruz, porque foi «à hora undécima» que o ladrão entrou no Paraíso. Para que não se incrimine o ladrão, nosso Senhor afirma a sua boa vontade; se tivesse sido contratado, teria trabalhado: «Ninguém nos contratou». O que damos a Deus é bem digno dele e o que ele nos dá bem superior a nós. Contratam-nos para um trabalho proporcional às nossas forças, mas propõem-nos um salário superior ao que o nosso trabalho merece... Ele age do mesmo modo para com os primeiros e para com os últimos; «recebeu cada um uma moeda» com a imagem do Rei. Tudo isso significa o pão da vida (Jo 6,35) que é o mesmo para todos os homens; único é o remédio de vida para aqueles que o tomam. No trabalho da vinha, não se pode acusar o patrão pela sua bondade, e não se encontra nada a dizer acerca da sua rectidão. Na sua rectidão, ele deu como havia combinado, e mostrou-se misericordioso como quis. É para ensinar isto que nosso Senhor disse esta parábola, e resumiu tudo isto nestas palavras: «Não me é permitido fazer o que quero na minha casa?» Pregador do Papa: «Existe um chamado universal à vinha do Senhor!» O padre Raniero Cantalamessa comenta o Evangelho do próximo domingo ROMA, sexta-feira, 16 de setembro de 2005 (ZENIT.org).- Publicamos o comentário do padre Raniero Cantalamessa OFM Cap. --pregador da Casa Pontifícia-- ao Evangelho do próximo domingo (Mt 20, 1-16). * * * XXV do tempo comum (ano A) Mateus (20, 1-16) Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos esta parábola: «O Reino dos Céus é semelhante a um proprietário que saiu à primeira hora da manhã a contratar operários para sua vinha. [...] Mas o proprietário contestou a um deles: Amigo, não te faço nenhuma injustiça. Não combinaste comigo um denário? Pois toma o teu e vai. Por minha parte, quero dar a este último o mesmo que a ti. Será que não posso fazer com o meu o que quero? Ou vai ser invejoso porque eu sou bom? Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros, últimos». Ide à minha vinha

4 A parábola dos operários enviados a trabalhar na vinha em horas diferentes, que recebem o mesmo pagamento de um denário, propôs sempre problemas aos leitores do Evangelho. É aceitável o modo de atuar do proprietário? Não viola o princípio da recompensa justa? Os sindicatos se sublevariam ao uníssono se alguém atuasse como esse proprietário. A dificuldade nasce de um equívoco. Considera-se o problema da recompensa em abstrato, ou em referência à recompensa eterna. Visto assim, o tema contradiria com efeito o princípio segundo o qual Deus «dará a cada um segundo suas obras» (Rm 2,6). Mas Jesus se refere aqui a uma situação concreta. O único denário que se dá a todos é o Reino dos Céus que Jesus trouxe à terra; é a possibilidade de entrar para fazer parte da salvação messiânica. A parábola começa: «O Reino dos Céus é semelhante a um proprietário que saiu à primeira hora da manhã...». É o Reino dos Céus, portanto, o tema central do fundo da parábola. O problema é, uma vez mais, o da postura de judeus e pagãos, ou de justos e pecadores, frente à salvação anunciada por Jesus. Ainda que os pagãos (respectivamente os pecadores, os publicanos, as prostitutas, etc.) só ante a pregação de Jesus se decidiram por Deus, enquanto que antes estavam distantes («ociosos»), não por isto ocuparão no Reino uma posição de segunda classe. Também eles se sentarão na mesma mesa e gozarão da plenitude dos bens messiânicos. Mais ainda, posto que os pagãos se mostram mais dispostos a acolher o Evangelho que os chamados «justos» (os fariseus e os escribas), realiza-se aquilo que Jesus diz como conclusão da parábola: «Os últimos serão os primeiros e os primeiros, últimos». Uma vez conhecido o Reino, isto é, uma vez abraçada a fé, então sim que há lugar para as diferenças. Não é idêntica a sorte de quem serve a Deus toda a vida, fazendo render ao máximo seus talentos, com respeito a quem dá a Deus só as sobras da vida, com uma confissão reparadora, em certo modo, no último momento. Esclarecido este ponto central, é legítimo tirar à luz os outros ensinamentos da parábola. Um é que Deus chama todos e todas horas. Existe um chamado à vinha do Senhor! Trata-se, em resumo, do problema do chamado mais que do da recompensa. Este é o modo em que nossa parábola é utilizada na exortação de João Paulo II «sobre vocação e missão dos leigos na Igreja e no mundo» («Christifideles laici»): «Os fiéis leigos pertencem àquele Povo de Deus representado nos operários da vinha... Ide também vós à minha vinha «n. 1-2). A parábola evoca também o problema do desemprego: «Ninguém nos contratou!», esta resposta desconsolada dos operários da última hora poderão fazê-la própria milhões de desempregados. Todos sabemos o que significa estar desempregado para quem tem família ou para um jovem que quer se casar e não pode porque falta trabalho e com ele a mínima garantia de poder manter dignamente a família. Se falta trabalho para muitos, um dos motivos (não o único, não o principal, mas certamente relevante) é que alguns têm muito. Outro ensinamento se pode tirar da parábola. Aquele proprietário sabe que os operários da última hora têm as mesmas necessidades que os demais, têm também suas crianças que alimentar, como os da primeira hora. Dando a todos a mesma paga, o proprietário mostra não ter em conta tanto o mérito como a necessidade. Mostra ser não só justo, mas também «bom», generoso, humano. [Traduzido por Zenit. Original publicado por «Famiglia Cristiana»]

5 ZP Pregador do Papa: pagamento do Reino é igual para todos Comentário do Pe. Cantalamessa sobre a Liturgia do próximo domingo ROMA, sexta-feira, 19 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- Publicamos o comentário do Pe. Raniero Cantalamessa, OFM Cap. pregador da Casa Pontifícia sobre a Liturgia da Palavra do próximo domingo, 21 de setembro. XXV Domingo do Tempo Comum Isaías 55, 6-9; Filipenses 1, 20c-27a; Mateus 20, 1-16a Ide vós também para a minha vinha A parábola dos trabalhadores enviados à vinha em horas diferentes do dia sempre gerou grande dificuldade aos leitores do Evangelho. É aceitável a maneira de atuar do dono, que dá o mesmo pagamento para quem trabalhou uma hora e para quem trabalhou uma jornada inteira? Ele não viola o princípio da justa recompensa? Os sindicatos hoje se rebelariam contra quem comportasse como esse patrão. A dificuldade nasce de um equívoco. Considera-se o problema da recompensa em abstrato e em geral, ou em referência à recompensa eterna no céu. Visto assim, realmente haveria uma contradição com o princípio segundo o qual Deus «dá para cada um segundo suas obras» (Rm 2, 6). Mas Jesus se refere aqui a uma situação concreta, a um caso bem preciso: o único denário que é dado a todos é o Reino dos Céus que Jesus trouxe à terra; é a possibilidade de entrar para fazer parte da salvação messiânica. A parábola começa dizendo: «O Reino dos céus é como a história do patrão que saiu de madrugada...». O problema é, mais uma vez, o da postura dos judeus e dos pagãos, ou dos justos e dos pecadores, frente à salvação anunciada por Jesus. Ainda que os pagãos (respectivamente, os pecadores, os publicanos, as prostitutas, etc.) só diante da pregação de Jesus se decidiram por Deus, enquanto antes estavam afastados («ociosos»), não por isso ocuparão no Reino um lugar diferente e inferior. Eles também se sentarão à mesma mesa e gozarão da plenitude dos bens messiânicos. E mais, como eles se mostraram mais dispostos a acolher o Evangelho que os chamados «justos», realiza-se o que Jesus diz para concluir a parábola de hoje: «os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos». Uma vez conhecido o Reino, ou seja, uma vez abraçada a fé, então sim há lugar para a diversificação. Então já não é idêntico o destino de quem serve Deus durante toda a vida, fazendo render ao máximo seus talentos, com relação a quem dá a Deus só as sobras de sua vida, com uma confissão remediada, de alguma forma, no último momento. A parábola contém também um ensinamento de ordem espiritual da máxima importância: Deus chama todos e chama em todas as horas. O problema, em suma, é o chamado, e não tanto a recompensa. Esta é a forma com que nossa parábola foi utilizada na exortação de João Paulo II sobre a «vocação e missão dos leigos na Igreja e no mundo» (Christifideles laici): «Os fiéis leigos pertencem àquele Povo de Deus que é representado na imagem dos trabalhadores da vinha (...). Ide vós também. A chamada não diz respeito apenas aos Pastores,

6 aos sacerdotes, aos religiosos e religiosas, mas estende-se aos fiéis leigos: também os fiéis leigos são pessoalmente chamados pelo Senhor» (n. 1-2). Quero chamar a atenção sobre um aspecto que talvez seja marginal na parábola, mas que é muito vivo na sociedade moderna: o problema do desemprego. À pergunta do proprietário: «Por que estais aí o dia inteiro desocupados?», os trabalhadores respondem: «Porque ninguém nos contratou». Esta resposta poderia ser dada hoje por milhões de desempregados. Jesus não era insensível a este problema. Se Ele descreve tão bem a cena é porque muitas vezes seu olhar havia pousado compassivamente sobre aqueles grupos de homens sentados no chão, ou apoiados em uma porta, com um pé na parede, à espera de serem contratados. Esse proprietário sabe que os operários da última hora têm as mesmas necessidades que os outros; também eles têm filhos para alimentar, como os da primeira hora. Dando a todos o mesmo pagamento, o proprietário mostra levar em conta não só o mérito, mas também a necessidade. Nossas sociedades capitalistas baseiam a recompensa unicamente no mérito (com freqüência mais nominal que real) e no tempo de serviço, e não nas necessidades da pessoa. No momento em que um jovem operário ou um profissional tem mais necessidade de ganhar para construir uma casa e uma família, seu pagamento é o mais baixo, enquanto que no final da carreira, quando já se tem menos necessidade, a recompensa (especialmente em certas categorias sociais) chega às nuvens. A parábola dos operários da vinha nos convida a encontrar um equilíbrio mais justo entre as duas exigências, do mérito e da necessidade. Bento XVI: ser operário na vinha do Senhor já é uma recompensa Comenta a passagem evangélica do domingo CIDADE DO VATICANO, domingo, 21 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- Publicamos as palavras que Bento XVI dirigiu neste domingo ao rezar a oração mariana do Ângelus junto a vários milhares de peregrinos congregados no pátio do palácio apostólico de Castel Gandolfo. * * * Queridos irmãos e irmãs: Talvez recordem que, no dia de minha eleição, quando me dirigi à multidão na Praça de São Pedro, apresentei-me espontaneamente como um operário da vinha do Senhor. Pois bem, no Evangelho de hoje (Cf. Mateus 20, 1-16ª), Jesus narra precisamente a parábola do dono da vinha que, em diferentes horas do dia, chama operários para trabalhar em sua vinha. E, ao terminar o dia, dá a todos o mesmo salário, um denário, suscitando o protesto dos operários da primeira hora. Está claro que o denário representa a vida eterna, dom que Deus reserva para todos. E mais, precisamente aqueles que são considerados os «últimos», se aceitam, convertem-se nos «primeiros», enquanto que os «primeiros» podem correr o risco de serem os «últimos». Uma primeira mensagem desta parábola está no fato de que o dono não tolera, por assim dizer, o desemprego: quer que todos trabalhem em sua vinha. E, na realidade, o ser chamados é já a primeira recompensa: poder trabalhar na vinha do Senhor, pôr-se a seu serviço, colaborar em sua obra, constitui em si um prêmio inestimável, que recompensa de todo

7 cansaço. Mas só quem ama o Senhor e o seu Reino o compreende; quem, pelo contrário, só trabalha pelo salário nunca se dará conta do valor deste tesouro inestimável. Quem narra a parábola é São Mateus, apóstolo e evangelista, de quem se celebra precisamente hoje a festa litúrgica. Gosto de sublinhar que Mateus viveu em primeira pessoa esta experiência (Cf. Mateus 9, 9). Antes que Jesus o chamasse, desempenhava a profissão de publicano, e por este motivo era considerado um pecador público, excluído da «vinha do Senhor». Mas tudo muda quando Jesus, ao passar por seu escritório de impostos, diz-lhe: «Segue-me». Mateus levantou-se e o seguiu. De publicano se converteu imediatamente em discípulo de Cristo. De «último» se converteu em «primeiro», graças à lógica de Deus que por sorte para ele! é diferente da do mundo. «Não são meus pensamentos vossos pensamentos, nem vossos caminhos são meus caminhos» (Isaías 55, 8). São Paulo, de quem estamos celebrando um ano jubilar, também experimentou a alegria de sentir-se chamado pelo Senhor a trabalhar em sua vinha. E quanto trabalho fez! Mas como ele mesmo confessa, foi a graça de Deus que atuou nele, essa graça que de perseguidor da Igreja o transformou em apóstolo dos povos. Até o ponto de dizer: «Para mim viver é Cristo, e morrer é lucro». Mas, imediatamente depois, acrescenta: «Mas se o viver na carne significa para mim trabalho fecundo, não sei o que escolher» (Filipenses 1, 21-22). Paulo compreendeu bem que trabalhar pelo Senhor já é uma recompensa nesta terra. A Virgem Maria, que tive a alegria de venerar há uma semana em Lourdes, é sarmento perfeito da vinha do Senhor. Dela brotou o fruto bendito do amor divino: Jesus, nosso Salvador. Que ela nos ajude a responder sempre e com alegria ao chamado do Senhor e a encontrar nossa felicidade para poder cansar-nos pelo Reino dos céus. [Traduzido por Élison Santos Copyright Libreria Editrice Vaticana] Mateus 20, cf.par. Mc 10,32-45; Lc 18, Ao subir a Jerusalém, pelo caminho, chamou à parte os Doze e disse-lhes: «Vamos subir a Jerusalém e o Filho do Homem vai ser entregue aos sumos sacerdotes e aos doutores da Lei, que o vão condenar à morte. Hão-de entregá-lo aos pagãos, que o vão escarnecer, açoitar e crucificar. Mas Ele ressuscitará ao terceiro dia.» Aproximou-se então de Jesus a mãe dos filhos de Zebedeu, com os seus filhos, e prostrou-se diante dele para lhe fazer um pedido. «Que queres?» perguntou-lhe Ele. Ela respondeu: «Ordena que estes meus dois filhos se sentem um à tua direita e o outro à tua esquerda, no teu Reino.» Jesus retorquiu: «Não sabeis o que pedis. Podeis beber o cálice que Eu estou para beber?» Eles responderam: «Podemos.» Jesus replicou-lhes: «Na verdade, bebereis o meu cálice; mas, o sentar-se à minha direita ou à minha esquerda não me pertence a mim concedê-lo: é para quem meu Pai o tem reservado.» Ouvindo isto, os outros dez ficaram indignados com os dois irmãos. Jesus chamou-os e disselhes: «Sabeis que os chefes das nações as governam como seus senhores, e que os grandes exercem sobre elas o seu poder. Não seja assim entre vós. Pelo contrário, quem entre vós quiser fazer se grande, seja o vosso servo; e quem, no meio de vós quiser ser o primeiro, seja

8 vosso servo. Também o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para resgatar a multidão.» Orígenes (cerca ), padre e teólogo Catequeses sobre o livro do Génesis 1,7 «Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João e levou-os só a eles a um monte elevado» (Mc 9,2): S. Tiago, testemunha da luz Nem todos os que contemplam Cristo são igualmente iluminados por ele, mas cada um na medida que pode receber a luz. Os olhos do nosso corpo não são igualmente iluminados pelo sol; quanto mais subimos a lugares elevados, quanto mais alto contemplamos o nascer do sol, melhor nos apercebemos da luz e do calor. Igualmente o nosso espírito, quanto mais subir e se elevar para perto de Cristo, mais próximo se lhe oferecerá a luz da sua claridade, mais magnificamente e mais brilhantemente será alumiado pela sua luz. O Senhor disse de si próprio pelo profeta: «Aproximai-vos de mim, e eu me aproximarei de vós» (Zac 1,3)... Portanto não vamos todos a ele do mesmo modo, mas cada qual «segundo as suas próprias capacidades» (Mt 25,15). Se é com as multidões que vamos a ele, ele alimenta-nos em parábolas para que não enfraqueçamos de privação no caminho. (Mc 8,3). Se permanecemos a seus pés sem cessar, preocupando-nos apenas em ouvir a sua palavra, sem nunca nos deixarmos perturbar pelos múltiplos cuidados das obrigações (Lc 10,38s)...; sem dúvida alguma que aqueles que se aproximam assim dele recebem muito mais a sua luz. Mas se, como os apóstolos, sem nunca nos afastarmos, «permanecemos constantemente com ele em todas as suas provações» (Lc 22,28), então ele explica-nos em segredo o que disse às multidões, e é ainda com mais claridade que nos ilumina (Mt 13,11s). Enfim, se ele acha alguém capaz de subir com ele à montanha, como Pedro, Tiago e João, esse não é iluminado somente pela luz de Cristo, mas pela voz do próprio Pai. Santo Agostinho ( ), bispo de Hipona (norte de África) e doutor da Igreja Discurso sobre o salmo 121 Eis que subimos a Jerusalém Nos Salmos da Subida, o salmista aspira a Jerusalém, afirmando que deseja subir. Subir para onde? Desejará atingir o sol, a lua, as estrelas? Não. O que está no céu é a Jerusalém eterna, onde habitam os anjos, nossos concidadãos (Heb 12, 22). Nesta terra, nós estamos exilados, longe deles. No percurso do exílio, suspiramos; na cidade, exultaremos de alegria. Durante a viagem, encontramos alguns companheiros que já viram a cidade e que nos animam a correr para ela. Eles arrancaram ao salmista um grito de alegria: Exultei quando me disseram: Iremos para a casa do Senhor (Sl 121, 1). [ ] Iremos para a casa do Senhor : corramos, pois, corramos, porque chegaremos à casa do Senhor. Corramos sem parar; aqui, não há lassidão. Corramos para a casa do Senhor e exultemos de alegria com aqueles que nos

9 chamam, os que foram os primeiros a contemplar a nossa pátria. Eles chamam de longe os que os seguem, bradando: Iremos para a casa do Senhor; vinde, correi! Os apóstolos viram essa casa e chamam-nos: Correi, vinde, segui-nos! Iremos para a casa do Senhor! E que responde cada um de nós? Exultei quando me disseram: Iremos para a casa do Senhor. Alegrei-me nos profetas, alegrei-me nos apóstolos, porque todos eles me disseram: Iremos para a casa do Senhor. Papa Bento XVI Audiência geral do dia 21/6/06 (trad. DC n 2362 copyright Libreria Editrice Vaticana) "Haveis de beber o meu cálice" Tiago, filho de Zebedeu, chamado Tiago Maior, pertence, juntamente com Pedro e João, ao grupo dos três discípulos privilegiados que foram admitidos por Jesus em momentos importantes da sua vida. Ele pôde participar, juntamente com Pedro e Tiago, no momento da agonia de Jesus no horto do Getsémani e no acontecimento da Transfiguração de Jesus. Trata-se portanto de situações muito diversas uma da outra: num caso, Tiago com os outros dois Apóstolos experimenta a glória do Senhor, vê-o no diálogo com Moisés e Elias, vê transparecer o esplendor divino de Jesus; no outro encontra-se diante do sofrimento e da humilhação, vê com os próprios olhos como o Filho de Deus se humilha tornando-se obediente até à morte. Certamente a segunda experiência constitui para ele a ocasião de uma maturação na fé, para corrigir a interpretação unilateral, triunfalista da primeira: ele teve que entrever que o Messias, esperado pelo povo judaico como um triunfador, na realidade não era só circundado de honra e de glória, mas também de sofrimentos e fraqueza. A glória de Cristo realiza-se precisamente na Cruz, na participação dos nossos sofrimentos. Esta maturação da fé foi realizada pelo Espírito Santo no Pentecostes, de forma que Tiago, quando chegou o momento do testemunho supremo, não se retirou. No início dos anos 40 do século I o rei Herodes Agripa, sobrinho de Herodes o Grande, como nos informa Lucas, "maltratou alguns membros da Igreja. Mandou matar à espada Tiago, irmão de João" (Act 12, 1-2)... Portanto, de São Tiago podemos aprender muitas coisas: a abertura para aceitar a chamada do Senhor também quando nos pede que deixemos a "barca" das nossas seguranças humanas, o entusiasmo em segui-lo pelos caminhos que Ele nos indica além de qualquer presunção ilusória, a disponibilidade a testemunhá-lo com coragem, se for necessário, até ao sacrifício supremo da vida. Assim, Tiago o Maior, apresenta-se diante de nós como exemplo eloquente de adesão generosa a Cristo. Ele, que inicialmente tinha pedido, através de sua mãe, para se sentar com o irmão ao lado do Mestre no seu Reino, foi precisamente o primeiro a beber o cálice da paixão, a partilhar com os Apóstolos o martírio. Basílio da Selêucida [?-c. 468], bispo Sermão 24

10 Ordena que estes meus dois filhos se sentem, um à tua direita e o outro à tua esquerda" Vês a fé desta mulher? Pois bem, considera o momento da sua petição. [ ] A cruz estava preparada, a Paixão estava iminente, a multidão dos inimigos preparava-se já. O Mestre fala da sua morte, os discípulos preocupam-se; antes mesmo da Paixão, estremecem à simples evocação da sua chegada; o que ouvem espanta-os e perturba-os. É nesse preciso momento que, distanciando-se do grupo dos apóstolos, esta mãe pede o Reino, reclama um trono para seus filhos. Que dizes, mulher? Ouves falar da cruz, e pedes um trono? Fala-se da Paixão e desejas o Reino? Deixa aos discípulos os seus temores, as suas preocupações com o perigo. Mas como te ocorreu vires solicitar tal dignidade? Que elemento, de entre o que foi dito e feito, te leva a pensar no Reino? [ ] - Vejo diz ela a Paixão, mas prevejo a Ressurreição. Vejo a cruz erguida e contemplo o céu aberto. Olho os cravos, mas vejo igualmente o trono. [ ] Ouvi dizer ao próprio Senhor: Sentar-vos-eis em doze tronos (Mt 19, 28). Vejo o futuro com os olhos da fé. Parece-me que esta mulher chega mesmo a antecipar as palavras do ladrão que, da cruz, pronunciou esta oração: Lembra-te de mim quando estiveres no teu reino (Lc 23, 42). Antes da cruz, ela tomou o Reino como objecto da sua súplica. [ ] Que desejo perdido na visão do futuro! O que o tempo escondia, via-o a fé! S. João Crisóstomo (cerca de ), bispo de Antioquia, depois de Constantinopla, doutor da Igreja Homilias sobre Mateus, nº 65 Beber do cálice para se sentar à direita Por intermédio de sua mãe, os filhos de Zebedeu pedem ao mestre, na presença dos seus colegas: "Ordena que nos sentemos um à tua direita e outro à tua esquerda" (cf. Mc 10,35)... Cristo apressa-se a tirá-los das suas ilusões, dizendo-lhes que devem estar prontos a sofrer injúrias, perseguições e até a morte: "Não sabeis o que pedis. Podeis beber do cálice que eu vou beber?" Que ninguém se espante ao ver os apóstolos com disposições tão imperfeitas. Espera que o mistério da cruz esteja realizado, que a força do Espírito Santo lhes seja comunicada. Se queres ver a força da sua alma, olha-os mais tarde e vê-los-ás superiores a todas as fraquezas humanas. Cristo não lhes esconde as fraquezas, para que tu vejas tudo o que se tornarão depois, pelo poder da graça que os transformará... "Não sabeis o que pedis." Não sabeis como é grande essa honra, como isso é prodigioso! Estar sentados à minha direita? Isso ultrapassa mesmo os poderes angélicos! "Podeis beber do cálice que eu vou beber?" Falais-me de tronos e de diademas insignificantes; eu falo-vos de combates e de sofrimentos. Não é agora que receberei a minha realeza; não chegou ainda a hora da glória. Para mim e para os meus, trata-se para já do tempo da violência, dos combates e dos perigos. Nota bem que ele não lhes pergunta directamente: "Tereis coragem para derramar o vosso sangue?" Para os encorajar, propõe-lhes que partilhem o seu próprio cálice, que vivam em comunhão com ele... Mais tarde, verás esse mesmo S. João, que neste momento procura o primeiro lugar, ceder sempre a presidência a S. Pedro... Quanto a Tiago, o seu apostolado não durou muito. Ardente de fervor, desprezando inteiramente os interesses puramente humanos,

11 mereceu pelo seu zelo ser o primeiro mártir entre os apóstolos (Act 12,2). Santo Agostinho ( ), bispo de Hipona (Norte de África) e doutor da Igreja Comentário sobre o Salmo 126 "Eis que subimos a Jerusalém" "É em vão que vos levantais antes da aurora" (Sl 126,2). Que quer isto dizer?... Cristo, nosso Dia, já se ergueu; é bom que nos levantemos depois de Cristo e não antes. Quem são os que se levantam antes de Cristo?... Os que querem ser exaltados cá em baixo, onde ele foi humilde. Que eles sejam, pois, humildes neste mundo, se querem ser exaltados onde Cristo é exaltado. Com efeito, Cristo disse daqueles que a ele tinham aderido pela fé - e nós estamos precisamente entre esses: "Pai, aqueles que me deste, quero que, lá onde eu estiver, eles estejam também comigo" (Jo 17,25). Dom magnífico, grande graça, gloriosa promessa... Quereis estar lá onde ele é exaltado? Sede humildes onde ele foi humilde. "O discípulo não está acima do mestre" (Mt 10,24)... Contudo, os filhos de Zebedeu, antes de terem suportado a humilhação em conformidade com a Paixão do Senhor, tinham já escolhido o seu lugar, um à direita e outro à esquerda. Queriam "levantar-se antes da aurora"; é por isso que caminhavam em vão. O Senhor chamou-os à humildade perguntando-lhes: "Podeis beber o cálice que eu devo beber? Eu vim para ser humilde e vós quereis ser exaltados antes de mim? Segui-me, disse ele, no caminho por onde vou. Porque se quereis ir por um caminho onde eu não vou, é em vão que o fazeis." Liturgia latina das horas Hino da festa da dedicação de uma igreja: Urbs Jerusalem Beata "Eis que subimos a Jerusalém" Ó Jerusalém, cidade de Deus, nós te aclamamos, "Visão da Paz". Nos céus foste construída com pedras vivas (1 Pe 2,5); Coroada de anjos e de santos, tu és a Bem-Amada do Rei (cf. Sl 45). Descida do Céu como uma jovem, ornaste-te para o teu Esposo (Ap 21,2). Avança como Esposa; vem abraçar o teu Senhor. E veremos sobre as muralhas rebrilhar o ouro da tua alegria (Ap 21,8). Que se abram as tuas portas de dois batentes; que a tua beleza resplandeça. Que pela graça seja salvo todo o homem que em ti entre. Que seja acolhido o que sofre em nome de Cristo e desanima. É Cristo o mestre e o artífice; é Ele quem talha e quem lima. Ajusta cada pedra, escolhe o lugar para cada uma E aí a coloca para que fique neste templo santo em que Ele habita (1 Co 3,16).

12 Eusébio de Cesareia (cerca de ), bispo, teólogo, historiador O martírio de S. Tiago, Apóstolo Foi sem dúvida graças ao poder e ao auxílio do céu que a doutrina da salvação, tal como um raio de sol, iluminou repentinamente toda a terra. De acordo com as divinas Escrituras, com efeito, sobre toda a terra ressoou a voz dos divinos Evangelistas e dos Apóstolos; a sua palavra atingiu os limites do universo. E, em cada cidade, em cada aldeia, tal como numa eira transbordante, constituíram-se em massa Igrejas fortes com milhares de homens, cheias de fiéis... Mas, no reinado do imperador Cláudio, o rei Herodes decidiu maltratar alguns membros da Igreja; foi assim que mandou matar pela espada a Tiago, irmão de João (Act 12,2). De Tiago, Clemente dá-nos a narrativa seguinte, digna de memória: aquele que o tinha conduzido ao tribunal ficou comovido ao vê-lo dar testemunho e confessou que também ele era cristão. Ambos (diz ele) foram conduzidos juntos ao suplício e, ao longo do caminho, aquele pediu a Tiago que lhe perdoasse. Tiago reflectiu um instante e abraçou-o dizendo: "Que a paz esteja contigo!" E ambos foram decapitados ao mesmo tempo. Mateus 20,29-34: Os cegos de Jericó. cf.par. Mc 10,46-52; Lc 18, 35-43

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO 25-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Como se deu a entrada messiânica em Jerusalém? No tempo estabelecido,

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO Domingo XXXIV e último NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO Solenidade LEITURA I 2 Sam 5, 1-3 «Ungiram David como rei de Israel» Leitura do Segundo Livro de Samuel Naqueles dias, todas as tribos

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR CANTO 1 - LOUVOR DA CRIAÇÃO D Bm G Em A7 D Bm G Em A7 Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! D F#m G Em A7 1. Javé o nosso Deus é poderoso, seu nome é grande em todas as nações D F#m G Em A7 Na boca das crianças

Leia mais

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe.

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe. NOVENA O verdadeiro crente deve conscientizar-se da importância da oração em sua vida. O senhor Jesus disse : Rogai sem cessar ; quando fazemos uma novena que é uma de oração, estamos seguindo um ensinamento

Leia mais

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo!

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! A vida e o ministério do padre é um serviço. Configurado a Jesus, que

Leia mais

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus OBJETIVOS 1) Analisar em que se resume a autoridade do Cristo. 2) Esclarecer como o Espiritismo explica essa autoridade. IDEIAS PRINCIPAIS 1) Sob a autoridade moral do Cristo, somos guiados na busca pela

Leia mais

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE XXV domingo do tempo comum 23/09/2012 Igreja de Cedofeita ENTRADA Eu vi meu Deus e Senhor, aleluia, aleluia. Cantai ao amor, cantai, aleluia, aleluia. ADMONIÇÃO DE ENTRADA

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO A pessoa de Maria foi desde os primeiros séculos do cristianismo uma grade fonte de inspiração para o povo cristão. De fato nas catacumbas de Roma, onde os cristãos

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor!

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor! TUDO POR AMOR A dor, o espinho vil, as lágrimas, o seu sofrer, o meu Senhor na cruz está. Não posso suportar! O que o fez se entregar, pagar o preço lá na cruz? Como um cordeiro foi morrer pra vir me resgatar!

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

Português. Sagrada Família de Jesus, Maria e José B. Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14)

Português. Sagrada Família de Jesus, Maria e José B. Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14) Português Sagrada Família de Jesus, Maria e José B Deus apareceu na terra e começou a viver no meio de nós. (cf. Bar 3,38) Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14) Deus quis honrar os pais nos filhos

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Sociedade das Ciências Antigas. Novena das Mãos Ensanguentadas de Jesus

Sociedade das Ciências Antigas. Novena das Mãos Ensanguentadas de Jesus Sociedade das Ciências Antigas Novena das Mãos Ensanguentadas de Jesus Oração final para todos os dias da novena Suplicando o poder das Mãos Ensanguentadas de Jesus Cura-me, Senhor Jesus. "Jesus, coloca

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

EVANGELHO Mt 22,1-14 «.Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.».

EVANGELHO Mt 22,1-14 «.Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.». «.Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.». Ambiente: Continuamos em Jerusalém, nos dias que antecedem a Páscoa. Os dirigentes religiosos judeus aumentam a pressão sobre Jesus. Instalados

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

Glória! Glória! Glória! Glória ao Senhor! Glória pelos séculos sem fim!

Glória! Glória! Glória! Glória ao Senhor! Glória pelos séculos sem fim! Page 1 of 6 GUIÃO DA CELEBRAÇÃO DA 1ª COMUNHÃO 2006 Ambientação Irmãos: Neste Domingo, vamos celebrar e viver a Eucaristia com mais Fé e Amor e também de uma maneira mais festiva, já que é o dia da Primeira

Leia mais

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote ARQUIDIOCESE DE FLORIANÓPOLIS ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009 Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote 1 - MOTIVAÇÃO INICIAL: Dir.: Em comunhão

Leia mais

Tempo do Natal. Vésperas

Tempo do Natal. Vésperas Tempo do Natal. DESDE A SOLENDADE DA EPFANA Hinos Vésperas Rei Herodes, porque temes A vinda de Cristo Rei, Que veio trazer aos homens Dos Céus o reino e a lei? Foram os Magos seguindo A estrela do Oriente

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Congregação das Irmãs Missionárias de São Carlos B. Scalabrinianas Centro de Estudos Migratórios Cristo Rei-CEMCREI Rua Castro Alves, 344 90430-130 Porto Alegre-RS cemcrei@cpovo.net www.cemcrei.org.br

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós.

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós. Lausperene Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos

Leia mais

PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO. Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima

PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO. Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima PRIOR VELHO 12-05-2007 Cântico de Entrada: 1. A treze de Maio, na Cova da Iria, apareceu brilhando a Virgem Maria. Ave,

Leia mais

I DOMINGO DA QUARESMA

I DOMINGO DA QUARESMA I DOMINGO DA QUARESMA LITURGIA DA PALAVRA / I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 Leitura do Livro do Génesis O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Síntese. Coragem, filha! A tua fé te salvou. (Mt 9, 22).

Síntese. Coragem, filha! A tua fé te salvou. (Mt 9, 22). Síntese Coragem, filha! A tua fé te salvou (Mt 9, 22). Novembro de 2013 2 Editorial Caros Polens, Entramos no penúltimo mês do ano. Nossos novos irmãos se encontram cada vez mais perto de nós em suas e

Leia mais

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito 9.9 Jesus Cristo é homem perfeito Aula 48 Assim como é importante verificarmos na Palavra de Deus e crermos que Jesus Cristo é Deus, também é importante verificarmos e crermos na humanidade de Jesus após

Leia mais

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Ano Novo 2013 Carta Pastoral do Bispo D. Paulo Otsuka Yoshinao Diocese de Kyoto A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Fiquem sempre alegres no Senhor! Fl.4,4. O maior presente do cristianismo é

Leia mais

Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo

Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo Homilias Meditadas Lectio Divina para a Família Salesiana P. J. Rocha Monteiro, sdb Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo - Ano B Mc 14, 12-16-22-26 1. Introdução Esta

Leia mais

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus.

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus. A sociedade, em todas as nações, encontra-se doente. A maioria das pessoas tem a alma enferma. Nesses últimos dias, o que tem acontecido no Sebastião Norões, tem nos mostrado que até as crianças estão

Leia mais

Tríduo Pascal - Ano C

Tríduo Pascal - Ano C 1 A celebração da Missa Vespertina da Ceia do Senhor inaugura o Sagrado Tríduo Pascal, o coração do ano litúrgico, no qual celebramos a morte, sepultura e a ressurreição de Jesus Cristo. Trata-se de um

Leia mais

SOLENIDADES DO SENHOR NO TEMPO COMUM

SOLENIDADES DO SENHOR NO TEMPO COMUM SOLENIDADES DO SENHOR NO TEMPO COMUM Domingo depois do Pentecostes SANTÍSSIMA TRINDADE Solenidade LEITURA I Prov 8, 22-31 Antes das origens da terra, já existia a Sabedoria Leitura do Livro dos Provérbios

Leia mais

Sagrado Coração de Jesus

Sagrado Coração de Jesus Trezena em honra ao Sagrado Coração de Jesus Com reflexões sobre suas doze promessas a Santa Margarida Maria de Alacoque EDITORA AVE-MARIA Introdução Antes de o prezado leitor iniciar esta Trezena em honra

Leia mais

CANTOS À SANTA BEATRIZ

CANTOS À SANTA BEATRIZ (MÚSICA:DOCE É SENTIR) Santa Beatriz, com imenso amor Humildemente corre ao Senhor Entra no céu com grande alegria Acompanhada da Virgem Maria. Que maravilha vê-la exaltada assim, Na glória eterna de Deus

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

Dia 23 de Janeiro - Domingo

Dia 23 de Janeiro - Domingo Comunidade de Católicos Brasileiros Diocese de Arlington, Virginia EUA Leituras da missa para o domingo dia 23 de janeiro de 2011 III DOMINGO DO TEMPO COMUM Dia 23 de Janeiro - Domingo Antífona da entrada:

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

LAUSPERENE das Crianças da Catequese 1 de Dezembro de 2010 - Carreço

LAUSPERENE das Crianças da Catequese 1 de Dezembro de 2010 - Carreço LAUSPERENE das Crianças da Catequese 1 de Dezembro de 2010 - Carreço Cântico: Deixa Deus entrar Deixa Deus entrar na tua própria casa Deixa-te tocar pela sua graça Dentro em segredo reza-lhe sem medo Senhor,

Leia mais

Vem, Senhor Jesus! (Apc 22,20)

Vem, Senhor Jesus! (Apc 22,20) DEZEMBRO 2014 Editorial Chegamos ao último mês do ano, um mês especial onde ainda temos a oportunidade de nos aproximarmos mais Dele, que é o Natal, período de nascimento de Cristo. O movimento Pólen nos

Leia mais

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015 1 QUEM É JESUS Jo 1 26 Respondeu João: Eu batizo com água, mas entre vocês está alguém que vocês não conhecem. 27 Ele é aquele que vem depois de mim, e não sou digno de desamarrar as correias de suas sandálias

Leia mais

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem?

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? O Batismo nas Águas O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? É UMA ORDENANÇA DE JESUS O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que

Leia mais

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos Servos de Maria e ficou conhecido como o protetor contra o câncer.

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

Cântico: Dá-nos um coração

Cântico: Dá-nos um coração Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos que vivem

Leia mais

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10.

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Vigília Jubilar Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Material: Uma Bíblia Vela da missão Velas para todas as pessoas ou pedir que cada pessoa

Leia mais

A Diferença entre DEUS e seu FILHO

A Diferença entre DEUS e seu FILHO A Diferença entre DEUS e seu FILHO João 4.22 Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus. Mateus 15.9 Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

Testemunha fiel Defender a vida até a morte

Testemunha fiel Defender a vida até a morte Bíblia:- A Sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta Testemunha fiel Defender a vida até a morte Nona Parte Por que querem matar Jesus? 1 Porque

Leia mais

TIPOS DE BATISMO. Existem historicamente três formas de Batismo: por imersão, por afusão (derramamento) e por aspersão.

TIPOS DE BATISMO. Existem historicamente três formas de Batismo: por imersão, por afusão (derramamento) e por aspersão. TIPOS DE BATISMO Existem historicamente três formas de Batismo: por imersão, por afusão (derramamento) e por aspersão. A forma praticada no Novo Testamento era por imersão, conforme vemos: A palavra grega

Leia mais

Felizes os puros de coração porque verão a Deus (Mt 5, 8)

Felizes os puros de coração porque verão a Deus (Mt 5, 8) Janeiro e Fevereiro 2015 Editorial Esta é a Síntese dos meses de Janeiro e Fevereiro, assim como a Palavra de Vida, em que o nosso diretor espiritual, Pe. Pedro, fala sobre Felizes os puros de coração

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013 ROTEIRO PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE RIO2013 Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude - CNBB CANTO DE ENTRADA (Canto a escolha) (Este momento de oração pode ser associado

Leia mais

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução Festa do Perdão Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste Cristo Jesus, tu me chamaste Eu te respondo: estou aqui! Tu me chamaste pelo meu nome Eu te respondo: estou aqui! Quero subir à montanha,

Leia mais

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor!

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! 16º DOMINGO DO TEMPO COMUM - 19 de julho de 2015 Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! Leituras: Jeremias 23, 1-6; Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R/1.6a); Efésios 2, 13-18;

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

E aconteceu que, apertando-o a multidão para ouvir a Palavra de Deus, estava Ele junto ao lago de Genezaré.

E aconteceu que, apertando-o a multidão para ouvir a Palavra de Deus, estava Ele junto ao lago de Genezaré. E aconteceu que, apertando-o a multidão para ouvir a Palavra de Deus, estava Ele junto ao lago de Genezaré. E andando ao longo do mar da Galileia, viu dois barcos junto à praia. Os pescadores, Simão, chamado

Leia mais

Os Mandamentos da Igreja

Os Mandamentos da Igreja Os Mandamentos da Igreja Por Marcelo Rodolfo da Costa Os mandamentos da Igreja situam-se na linha de uma vida moral ligada à vida litúrgica e que dela se alimenta CIC 2041 Os Mandamentos da Igreja tem

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

LECTIO DIVINA 26 de julho de 2015 Domingo XVII do Tempo Comum Ano B. O mais bonito que o pão tem é poder ser partido e repartido. D.

LECTIO DIVINA 26 de julho de 2015 Domingo XVII do Tempo Comum Ano B. O mais bonito que o pão tem é poder ser partido e repartido. D. Perguntas para a reflexão pessoal Perante as necessidades com que me deparo, predisponho-me a dar da minha pobreza, a pôr generosamente à disposição o que sou e o que tenho? Acredito no potencial dos outros,

Leia mais

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM Página 1 TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM 01. Canto de Entrada 02. Saudação inicial do celebrante presidente 03. Leitura

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MISSA DO DIA DOS PAIS

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MISSA DO DIA DOS PAIS COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MISSA DO DIA DOS PAIS RITOS INICIAIS ANIM.: Celebramos hoje a Eucaristia, ação de graças a Deus, nosso Pai, por todos os pais do colégio.

Leia mais

SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE DE CRISTO

SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE DE CRISTO Quinta-feira depois da Santíssima Trindade ou no Domingo seguinte SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE DE CRISTO Solenidade LEITURA I Ex 24, 3-8 «Este é o sangue da aliança que Deus firmou convosco» Leitura do Livro

Leia mais

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém.

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. 13 Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. O episódio relatado por Lucas aconteceu no dia da ressurreição, durante e após uma caminhada

Leia mais

San Joãu de Deus. Março de 2015. 1.- Introdução. Oração do Mês

San Joãu de Deus. Março de 2015. 1.- Introdução. Oração do Mês San Joãu de Deus Oração do Mês Março de 2015 1.- Introdução O amor de Deus manifesta-se no amor ao próximo. A vida consagrada, para viver o carisma da Hospitalidade, obriga-nos a viver o amor de Deus na

Leia mais

Síntese Informativo Mensal do Movimento Pólen

Síntese Informativo Mensal do Movimento Pólen Síntese Informativo Mensal do Movimento Pólen Como o Pai me enviou, também Eu vos envio (Jo 20,21) Outubro de 2011 / Ano MMXI 1 EDITORIAL Queridos Amigos, Com grande alegria que terminamos mais um mês

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando.

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando. Celebração de Encerramento PREPARAR 1. Bíblia e velas para a Procissão de Entrada da Palavra 2. Sementes de girassóis para cada catequista depositar num prato com terra diante do altar durante a homilia

Leia mais

A Bíblia afirma que Jesus é Deus

A Bíblia afirma que Jesus é Deus A Bíblia afirma que Jesus é Deus Há pessoas (inclusive grupos religiosos) que entendem que Jesus foi apenas um grande homem, um mestre maravilhoso e um grande profeta. Mas a Bíblia nos ensina que Jesus

Leia mais

Hora Santa pela santificação do Clero

Hora Santa pela santificação do Clero Hora Santa pela santificação do Clero Solenidade do Sagrado Coração de Jesus - 12 de Junho de 2015 1. ABERTURA Animador: Caríssimos irmãos e irmãos, neste dia em que a Igreja celebra a Solenidade do Sagrado

Leia mais

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ O BATISMO DO SENHOR JESUS CRISTO E O COMEÇO DE SEU MINIST ÉRIO Volume 03 Escola: Nome : Professor (a): Data : / / 5) VAMOS BRINCAR DE FORCA? Marque com um x na letra

Leia mais

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ SEIA 23 DE JUNHO 2013 ENTRADA NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, POVO SACERDOTAL, IGREJA SANTA

Leia mais

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Roteiro 1- Introdução 2- Fundamento Bíblico 3- Conclusão 1. Introdução Voce entende por que é importante

Leia mais

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...).

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...). 122 ANO B DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia (Se estiverem presentes adultos que tenham sido baptizados na última Páscoa, as intenções da oração dos fiéis poderão hoje ser propostas por eles).

Leia mais

Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.

Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. (Apocalipse 1:7) A Bíblia inteira focaliza o futuro.

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

Jo 15.2 = Toda vara em mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.

Jo 15.2 = Toda vara em mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. A Responsabilidade dos Filhos de Deus Texto Base: 1º João 2.6 = Aquele que diz que está nele também deve andar como ele andou. Introdução: O nosso dever é andar como Ele (Jesus) andou.. Todos que O aceitam

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer.

Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer. Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer. Hebreus 12:1b deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e

Leia mais

OS IRMÃOS DA COPA. HONDURAS Wilson, Jhony e Jerry Palacios. COSTA DO MARFIM Yaya e Kolo Touré. PARAGUAI Edgard e Diego Barreto

OS IRMÃOS DA COPA. HONDURAS Wilson, Jhony e Jerry Palacios. COSTA DO MARFIM Yaya e Kolo Touré. PARAGUAI Edgard e Diego Barreto OS IRMÃOS DA COPA HONDURAS Wilson, Jhony e Jerry Palacios COSTA DO MARFIM Yaya e Kolo Touré PARAGUAI Edgard e Diego Barreto ALEMANHA e GANA Jerome e Kevin Prince Boateng OS FILHOS DO TROVÃO TIAGO E JOÃO

Leia mais

3. Nossa Pátria, vem iluminar! Nossas crianças, vem iluminar! Todo este povo, vem iluminar! Os nossos jovens, vem iluminar.

3. Nossa Pátria, vem iluminar! Nossas crianças, vem iluminar! Todo este povo, vem iluminar! Os nossos jovens, vem iluminar. ACOLHIDA COMENTARISTA: Irmãos e irmãos sejam todos bem vindos. Segundo nosso marco referencial, a PUC é um centro de reflexão e estudo. Sua identidade é fundamentada na pedagogia marista e na concepção

Leia mais

A Alegria do Evangelho Lectio Divina

A Alegria do Evangelho Lectio Divina A Alegria do Evangelho Lectio Divina #20 [01 MAI 2014] CONHECER para ter ESPERARANÇA e SER ALEGRE Oração inicial: Invocação do Espírito Santo V. Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS COLABORADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO -ACHUAP-

ASSOCIAÇÃO DOS COLABORADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO -ACHUAP- 1 ASSOCIAÇÃO DOS COLABORADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO -ACHUAP- DIA 15.06.2010 MOMENTO ORANTE ECUMÊNICO PELA PASSAGEM DO 59º ANIVERSÁRIO DA ACHUAP (para propiciar momento de silêncio e

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

oda ALEGRIA da nossa vocação

oda ALEGRIA da nossa vocação oda ALEGRIA da nossa vocação Ao chamar-vos, Deus diz-vos: És importante para mim, Eu amote; conto contigo. (Papa Francisco) Não fostes vós que me escolhestes; fui Eu que vos escolhi. (Jo 15, 16) Acreditamos

Leia mais

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A Evangelho de São Mateus Ano litúrgico A O Segundo Envangelho O TEMPO DE JESUS E O TEMPO DA IGREJA Este Evangelho, transmitido em grego pela Igreja, deve ter sido escrito originariamente em aramaico, a

Leia mais

Seminários: para que Cristo se forme em nós!

Seminários: para que Cristo se forme em nós! Seminários: para que Cristo se forme em nós! Nesta vigília faremos um percurso pelas várias etapas da vocação. Há um dinamismo comum que se verifica em toda a nossa vida. Mais do que um momento vocacional

Leia mais