RIO+20: O FUTURO DA TERRA E DA HUMANIDADE DISCUTE-SE NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RIO+20: O FUTURO DA TERRA E DA HUMANIDADE DISCUTE-SE NO BRASIL"

Transcrição

1 Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental NESTA EDIÇÃO: Desenvolvimento sustentável: Rio +20 a 20 de junho 2 RIO+20: O FUTURO DA TERRA E DA HUMANIDADE DISCUTE-SE NO BRASIL Entrevista com o Secretário-Geral da ONU 4 Paz e segurança: Síria, Mali e Guiné-Bissau preocupam CSNU. 6 Ex-presidente da Libéria condenado a 50 anos 7 Deasarmamento Gota a Gota 7 8 O Rio de Janeiro vai uma vez mais ser palco de uma das cimeiras mais importantes para o futuro do planeta. 20 anos depois da Cimeira da Terra, vão reunir-se no Rio representantes dos Governos, representantes da sociedade civil, do sector privado e cientistas. O objectivo é procurar soluções para reduzir a pobreza, promover a equidade social e assegurar a protecção ambiental num mundo cada vez mais populoso. Em suma, debater que futuro queremos e como alcançá-lo. A Conferência propriamente dita, com a presença dos chefes de estado tem lugar de 20 a 22 de Junho mas as actividades começam uma semana antes com os Diálogos sobre Desenvolvimento Sustentável, um fórum para a sociedade civil organizado pelo Governo do Brasil com o apoio da ONU, que vai ter lugar de 16 a 19 de Junho. O sector privado também vai estar reunido antes da conferência, no Fórum de Sustentabilidade Empresarial, de 15 a 18 e Junho. (pág. 2 e 3) EDITORIAL: O FUTURO QUE QUEREMOS O UNRIC está a atravessar algumas mudanças, quer do ponto de vista estratégico, quer no seu quadro de pessoal. Por esta razão, o Boletim em Português tem estado ausente dos vossos ecrãs. Antes de mais, quero prestar homenagem à nossa querida colega, conhecida de todos vós, Ana Mafalda Tello, que deixou a Organização depois de muitos anos de empenho e serviço dedicado. Temos saudades! A Júlia Galvão Alhinho, é a nossa nova colega à frente do Desk Português. Bem vinda, Júlia! Agora que o Boletim em Português, um dos mais bem sucedidos produtos do UNRIC, está de volta, vamos dar também mais ênfase ao site do UNRIC em Português org/pt/. Por ultimo, em nome do UNRIC e do Departamento de Informação Pública da ONU, gostaria de uma vez mais agradecer ao Governo Português pelo seu apoio constante. Estamos trabalho, aceitando ser anualmente um dos patrocinadores do Concurso Europeu da ONU de criação de anúncios de jornal, o mais recente dos quais está integrado na campanha da ONU para o Rio+20, e cujo tema foi a água. O concurso - Gota-a- -Gota - foi um sucesso tendo recebido mais de 3500 trabalhos www. dropbydrop.eu É bom estar de volta! Afsané Bassir-Pour, Directora

2 CONFERÊNCIA DA ONU SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: QUE FUTURO QUEREMOS? Vinte anos depois da Cimeira da Terra, também no Rio de Janeiro onde os países adoptaram a Agenda 21 um plano para repensar o desenvolvimento económico, promover a equidade social e assegurar a proteção ambiental e dez anos depois da Cimeira de Joanesburgo, a ONU volta a reunir governos, organizações internacionais, Major Groups, incluindo empresas e indústria, para debater o futuro da terra. O objectivo é chegar a um acordo sobre um conjunto de medidas concretas para reduzir a pobreza e, ao mesmo tempo, promover o emprego, energia limpa e um uso mais justo e sustentável dos recursos. Tomar tais medidas é urgente, porque o actual modelo de desenvolvimento é insustentável. Quem o diz é o Painel de Alto Nível para o Desenvolvimento Sustentável, composto por pe - ritos e políticos de vários países do mundo e que foi mandatado pelo Secretário-Geral da ONU para fazer o ponto da situação sobre o estado da sustentabilidade global. O Painel, presidido pelo presidente da África do Sul, Jacob Zuma, concluiu no seu relatório de Janeiro, Pessoas resilientes, planeta resiliente - que com uma população que pode chegar aos 9 biliões de pessoas em 2040, o mundo irá precisar de mais 50 por cento de comida, mais 45 por cento de energia e mais 30 por cento de água do que consumimos hoje. Para além do problema de recursos, o mundo enfrenta um problema de equidade, diz o painel. Nunca antes se viu tanta prosperidade no mundo mas o fosso entre ricos e pobres continua a aumentar e mais de um bilião de pessoas vive abaixo do limiar da pobreza. Embora o conceito de desenvolvimento sustentável exista desde 1987 (ver página ao lado) e se tenham feito vários acordos para implementar o modelo de desenvolvimento sustentável, não foram bem sucedidos por falta de vontade política e o facto de os decisores ainda não terem incorporado o conceito de desenvolvimento económico nas suas análises e desenho de políticas macroeconómicas, sugere o Painel no seu relatório. Este relatório foi o ponto de partida para as negociações que têm estado a ter lugar em Nova Iorque entre vários re - presentantes governamentais e outros grupos e que culminam com a discussão e aprovação Já existe um rascunho desse documento que abrange um leque variado de áreas em que os líderes mundiais se comprometem a agir: água, energia, turismo sustentável, transporte sustentável, cidades sustentáveis, saúde e populações, emprego, oceanos e mares e Para todas estas áreas se apontam objectivos de sustentabilidade e, caso venha a ser aprovado, os governos do mundo pedirão às Nações Unidas que desenvolva os indicadores e que estes venham a ser aprovados na assembleia Geral da ONU. Além disso o documento coloca a tónica na economia verde, no respeito pelas normas internacionais já existentes, tais como direitos humanos, normas que regulam a gestão dos oceanos e normas de comércio internacional, entre outras, que permitirão implementar esta agenda ambiciosa. O documento refere também o desenvolvimento de parcerias público-privadas tos necessários, por exemplo em desenvolvimento de novas tecnologias, assim como a sua transferência para os países menos desenvolvidos. É ainda dada prioridade à boa governação e ao combate à corrupção e o papel dos governos na promoção e regulação do sector privado é deixado ao critério de cada país de acordo com as O rascunho refere também a possibilidade de o programa das Nações Unidas para o ambiente vir a ser reforçado. O quão profundas serão as mudanças, dependerá dos chefes de estado no dia 20 de Junho. OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: PARA ALÉM DO PIB Uma das maiores preocupações daqueles que têm participado das negociações do Rio+20 é como medir e monitorizar o desenvolvimento sustentável, de uma forma abrangente que vá para além do PIB (Produto Interno Bruto). Além disso a medição é considerada importante para comprometer os governos com a implementação do modelo de desenvolvimento que sairá do Rio+20. O Secretá- junto de Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para continuar a partir dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODMs) e vamos procurar um consenso sobre como alcançá-los. Já existem várias sugestões sobre a mesa e é possível que os ODS venham a incidir sobre áreas como: energia, água, segurança alimentar, oceanos, consumo sustentável, produção sustentável, equidade, inclusão social, estado de direito e boa governação, e igualdade de género e empoderamento das mulheres. Os OMD expiram em Os ODS vão aplicar-se a nível global. =400&menu=45

3 O conceito de desenvolvimento sustentável foi formulado pela primeira vez em 1987 no relatório da Comissão Mundial sobre desenvolvimento e ambiente, intitulado O nosso futuro comum. Esta Comissão, estabelecida pela ONU, foi presidida pela ex- Primeira- -Ministra da Noruega, Gro Harlem Brundland, razão pela do como Relatório Brudtland. Este relatório foi o ponto de partida para as discussões da Cimeira da Terra de 1992 (na volvimento sustentável como um processo de mudança no qual a exploração de recursos, a direção dos investimentos, a orientação do desenvolvimento tecnológico e a mudança institucional estão em harmonia e ampliam o potencial presente e futuro para responder às necessidades e aspirações humanas. O conceito de desenvolvimento sustentável contém dois sub-conceitos que importa explicar: necessidades humanas e a limitação de recursos. As necessidades humanas são as mais básicas para a sobrevivência, tais como: alimentos, água, abrigo, emprego. Os recursos são obviamente aqueles que usamos para produzir bens e crescimento económico, tais como energia, materiais, água e solo. Diz o relatório Brundtland: O crescimento não tem limites em termos de população ou uso de recursos, para além do qual resta o desastre ecológico. E embora se reco - nheça que o desenvolvimento tecnológico possa aumentar a os limites existem e a sustentabilidade exige, muito antes dos limites serem atingidos, que o mundo assegure um acesso equitável aos recursos e reoriente o desenvolvimento de forma a aliviar a pressão sobre o planeta. O debate de 1992 em torno desta ideia de desenvolvimento sustentável resultou numa declaração de princípios conhecida por Agenda 21 aprovada naquela Cimeira e pela Assembleia Geral das Nações Unidas logo a seguir em Agosto de A Agenda 21 (contém 27 princípios que incluem, entre outros, a proteção do ambiente, a erradicação da pobreza, a eliminação de padrões insustentáveis de consumo e de produção, a transferência de tecnologia entre países mais desenvolvidos e menos desenvolvidos, e a ideia de que só com uma parceria global se pode alcançar o desenvolvimento sustentável e garantir a preservação do planeta para o futuro. economia verde como uma economia em que o crescimento, em rendimento e emprego, é gerado por investimentos públicos e privados que reduzem a emissão de carbono para a atmosfera e a poluição, que melhora o perda de biodiversidade e de serviços ecossistémicos. O conceito de economia verde exige que os investimentos sejam iniciados e apoiados pela despesa pública, reformas de políticas e alterações aos mecanismos regulatórios. Este caminho para o desenvolvimento deve preservar, melhorar e, se necessário, restaurar património natural como um capital económico activo e fonte de benefícios públicos, em especial para os mais pobres, cuja sobrevivência depende grandemente da natureza. Em traços gerais procura-se com este modelo aumentar o investimento público e privado em energias renováveis, em novas tecnologias, gerando novos empregos. As discussões em torno deste modelo também incluem calcular custos e benefícios dos recursos naturais para que se possam proteger e preservar, assim como captar investimentos para esse efeito. Segundo peritos da ONU, o conceito comporta a promessa de um novo paradigma económico amigo do ambiente e que pode contribuir para a erradicação da pobreza mas também comporta riscos que poderão ser evitados com uma boa moldura institucional e regulatória para o desenvolvimentos sustentável, que respeite os princípios da Agenda 21, e equilibre os três pilares do desenvolvimento sustentável: económico, social e ambiental. tabid/29784/default.aspx ger/ger_synthesis_pt.pdf

4 SECRETÁRIO-GERAL DA ONU: O PODER DAS PARCERIAS PODE COLOCAR-NOS NA DIRECÇÃO CERTA Ban Ki-moon iniciou este ano o seu segundo mandato como Secretário-Geral das Nações Unidas prometendo aproveitar o do planeta, tais como a luta contra as alterações climáticas, o combate à pobreza e o empoderamento das mulheres e das raparigas. Numa entrevista à Radio ONU, Ban Ki-moon, de 67 anos, revelou um pouco do seu plano para cinco anos e salientou a necessidade de unidade, especialmente entre os Estados-Membros e os seus cidadãos. Juntos, nada é impossível, disse, acrescentando que se reforçarmos estas parcerias entre os governos, as comunidades todas estas parcerias poderosas nos poderão colocar na direcção certa. UN Radio/Serviço de Notícias da ONU: Qual foi, na tivo desde que tomou posse em 2007? Ban Ki-moon: Vimos o poder das pessoas e o aprofundamento da globalização. Vimos muitas pessoas marginalizadas, pessoas oprimidas que anseiam pela democracia, pela sua dignidade e pelos direitos humanos. Temos a responsabilidade de as ajudar a fazer a transição para a democracia. Com o aprofundamento da globalização, vimos muitas coisas acontecer no mundo. Há muitas ideias boas e muitas pessoas desejam realmente estar ligadas entre si. Entre as ideias e as pessoas, temos de ajudar essa transição a concretizar-se o mais rapidamente possível. Estarmos unidos depende de nós. A tecnologia pode ajudar a unir as pessoas mas, em última análise, são as pessoas que devem unir-se. Qual a coisa que se orgulha mais de ter realizado durante o seu primeiro mandato? É difícil dizer. Alguns resultados apenas se concretizarão dentro de muitos anos. No entanto, orgulho-me muito de me ter encontrado com as pessoas que precisavam realmente do nosso apoio. Enquanto falava com elas, apercebi-me da sua expectativa e con- muito orgulhoso de pertencer ao sistema das Nações Unidas. rapaz que me pediu: Por favor ajude-nos a combater as alterações climáticas. As nossas casas e a nossa vida podem desaparecer de um dia para o outro. Foi por isso que conseguimos colocar a questão das alterações climáticas entre as nossas grandes prioridades. Encontrámo-nos com imensas pessoas, especialmente mulheres e raparigas, cujos direitos humanos haviam sido violados. Mesmo assim, quando me encontrei com elas, vi a sua dignidade e a sua determinação em vencer as circunstâncias da sua vida. Foi isso que nos levou a criar a ONU Mulheres. Conseguimos também melhorar a saúde das mulheres e das crianças. Fizemos progressos no domínio do desarmamento nuclear. Temos estado a tentar agilizar o nosso trabalho e organizá-lo de uma maneira podemos orgulhar do nosso trabalho, mas temos de fazer mais. Geral em Junho passado, depois de me ter decidido por um segundo mandato, Juntos, nada é impossível. Ensemble rien n est impossible Viajou muito durante o seu primeiro mandato. Houve alguma experiência que lhe tenha deixado uma impressão pessoal mais forte? Tal como acaba de dizer, tenho viajado muito. Não há sítio quase nenhum onde eu não tenha estado para tomar conhecimento da lizadas, para me informar melhor sobre aquilo que poderemos fazer para ajudar a proteger o nosso planeta de uma maneira mais sus- estas visitas a diferentes locais e os encontros com pessoas diferentes: é isso que a ONU tem de fazer. Há grandes expectativas quanto ao papel de liderança das Nações Unidas: liderança da campanha contra as alterações climáticas, das campanhas de luta

5 contra a pobreza, contra as doenças curáveis que é possível prevenir, liderança da campanha de prevenção de [crises e catástrofes] antropogénicas e naturais. São muitas as áreas em que a ONU pode intervir. É por essa razão que me tenho encontrado com tantas pessoas no mundo inteiro. Houve algum momento particular em que tenha sentido mais a responsabilidade e, talvez, as oportunidades que advêm do seu cargo? Tem havido muitas crises. Mas as crises também proporcionam oportunidades. Foi isso que senti. Quando vi a sede das Nações Unidas no Haiti [depois do sismo de Janeiro de 2010] senti-me totalmente perdido. Não consigo descrever o que vi em Fukushima [depois do sismo e do tsunami de Março de 2011]. E encontrei-me com imensas pessoas. Depois há um nível elevado de expectativas e, também, de oportunidades. A ONU pode organizar e promover a tomada de consciência, bem como traduzir isso em acções concretas é isso que a ONU deve fazer. Estamos a viver uma era de austeridade; os recursos são muito limitados. Mas se modernizarmos a nossa forma de agir, se nos mostrarmos unidos na acção, penso que a ONU poderá mesmo assim conduzir esta campanha no mundo inteiro. Leais para com as pessoas que servimos, com a Carta pelo homem, outros de origem natu- consiste em saber como modernizar a nossa organização, adaptando-a às mudanças do século XXI. A tecnologia está a avançar mais rapidamente do que a forma como pensamos, as ideias das pessoas e a forma como trabalhamos. Temos de agilizar a nossa e responsável. Claro que isto exige o pleno apoio do 193 Estados- enfrentamos: as alterações climáticas. Temos de proteger o planeta Terra de uma forma mais sustentável em termos ambientais, para as gerações vindouras. Há imensas pessoas cujos direitos humanos são gravemente violados e temos de as proteger. Há imensas pessoas a morrer em consequência de doenças que é possível evitar. Há muitas áreas em que os direitos humanos das pessoas actualmente a manutenção de 120 mil capacetes azuis. Mas é pos- nos unirmos mais. O primeiro Secretário-Geral, Trygve Lie, disse ao seu sucessor, Dag Hammarskjold: Vai assumir o cargo mais impossível do planeta. O que há de tão difícil no cargo de SG? Já tenho ouvido isso muitas vezes. Talvez me deva aconselhar com Tom Cruise! Mas o que é importante nesta altura é que os Estados-Membros, os 193 Estados-Membros, tenham uma visão correcta e uma compreensão correcta das situações e dos desa- minha missão consiste em tornar este trabalho aparentemente disse-me uma vez antes de eu assumir o meu cargo que talvez este seja o cargo mais impossível, mas é talvez aquele que permite fazer o trabalho melhor e mais nobre pela humanidade. Peço a todos os Estados-Membros que se unam em torno dos ideais e objectivos da Carta das Nações Unidas. Se assim for, creio que esse cargo impossível é algo que deixa de existir. É uma realidade que os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança têm um estatuto especial e que, enquanto Secretário-Geral, se vê às vezes preso entre Estados-Membros poderosos. Como lida com essa pressão? Como Secretário-Geral da ONU, não posso ser leal para com da Carta das Nações Unidas. Algumas pessoas dizem que temos 193 patrões, ou um conselho de administração com 193 membros. Parece quase impossível lidar com tantas pessoas, vindas de países diferentes, tradições diferentes e interesses diferentes. Mas creio que também estão unidas e que todas acreditam na Carta das os Estados-Membros se mostram unidos. É isso que lhes peço. A diversidade pode ser aproveitada para cumprir a Carta da melhor maneira. O que gostaria de fazer de forma diferente durante o seu segundo mandato? Já tive oportunidade de observar o grande poder das parcerias. Se reforçarmos as parcerias entre os governos, as comunidades tropos, penso que podemos avançar na direcção certa. Vamos dar continuidade a tudo aquilo que concretizámos e construímos durante os últimos cinco anos. Gostaria, por- grandes questões aparentemente diferentes. É isso que eu gostaria de fazer. Gostaria de ligar as pessoas entre si com ideias. Quais são as prioridades do seu segundo mandato? Referi cinco oportunidades geracionais para o trabalho que irei desenvolver com os Estados-Membros durante o meu segundo mandato. Em primeiro lugar, temos de alcançar o desenvolvimento sustentável. Temos de estabelecer uma ligação entre as alterações climáticas, a crise alimentar, a escassez de água e de energia, o empoderamento das mulheres e as questões mundiais relacionadas com a saúde. Estas questões estão todas interligadas. Por conseguinte, é necessário que a cimeira Rio+20 agora em Junho seja um grande êxito. Depois vamos concentrar-nos na prevenção: a prevenção de crises antropogénicas ou naturais. E, em terceiro lugar, temos de tornar o mundo em que vivemos mais seguro. Asseguramos a manutenção de soldados no terreno mas, se as nossas actividades de mediação forem bem sucedidas e conseguirmos facilitar o diálogo político, poderemos poupar muito tempo e energia, e mesmo dinheiro. Em quarto lugar, temos de ajudar os países em transição. Temos vindo a assistir à Primavera Árabe no Médio Oriente e no Norte de África. Continua a haver muitas pessoas cujos direitos humanos e dignidade continuam a não ser respeitados. Temos de fazer mais por essas pessoas. Temos também de fazer mais em termos de trabalhar juntos e em prol das mulheres. O empoderamento das mulheres é uma das minhas cinco prioridades durante os próximos cinco anos.

6 MANUTENÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DA PAZ NO MUNDO Actualmente o Departamento de Operações de Paz das Nações Unidas, que depende directamente do Secretariado, gere 16 missões de paz em todo o mundo. Cerca de 100 mil capacetes azuis oriundos de 117 países e 17 mil civis servem nestas missões que têm um orçamento total de 7.84 biliões de dólares americanos. A mais antiga de todas as missões ainda em operações é a UNTSO (Organização da ONU para a Supervisão de tréguas) estabelecida em Maio de 1948 no Médio Oriente. As mais recentes - UNISFA e UNMISS foram estabelecidas em 2011 no Sudão (Abey) e Sul Sudão, respectivamente. Prevê-se que a UNMIT, missão integrada da ONU em Timor-Leste encerre em Dezembro de Para além das missões de manutenção de paz que têm como objectivo a ONU têm também missões de consolidação da paz e/ou missões políticas, que dependem do Departamento de Assuntos Políticos da ONU. Estas são estabelecidas em necessitam de um apoio mais prolongado por exemplo em programas de reforma do sector de segurança. Actualmente existem 13 missões deste tipo em funcionamento. Entre estas, inclui-se a missão para a Serra Leoa, a UNIPSIL, a recém estabelecida missão na Líbia, UNMISIL e o Escritório Integrado da ONU para a Guiné-Bissau, UNIOGBIS. about/dpko/ SÍRIA: 14 MESES DE VIOLÊNCIA A ONU estima que mais de 9 mil pessoas, na maioria civis, tenham sido mortas na Síria e dezenas de milhares deslocadas, desde que começou a revolta contra o governo de Bashar al-assad em Março de 2011, no contexto da Primavera Árabe. Depois de falhar a aprovação, devido à oposição da China e da Rússia, em Feverei- à violência, o Conselho de Segurança autorizou a 22 de Abril o estabelecimento de uma missão de supervisão da ONU (UNS- MIS) com 300 observadores militares não armados, por um período de três meses. Um dia antes do início da campanha eleitoral para a segunda-volta das eleições presidenciais, entre Carlos Gomes Junior e Kumba Iala, no dia 12 de Abril, um grupo de militares tomou o poder em Bissau. O mesmo grupo prendeu o ainda primeiro-ministro, Carlos Gomes Junior, o presidente interino Raimundo Pereira e o General António Indjai. No dia 13 o grupo que liderou o golpe intitulou-se de Comando Militar e justi- O mandato da missão é supervisionar o cessar fogo e a implementação de um plano de paz, entretanto negociado pelo enviado especial conjunto Liga Árabe e Nações - então os episódios de violência têm continuado em vários pontos do país. Um dos mais chocantes incidentes foi o massacre de 108 civis, incluindo 30 crianças, em Hola, no dia 25 de Maio que foi imediatamente condenado pelo Conselho de Segurança e pela Assembleia-Geral da ONU. Também o Conselho dos Direitos Humanos da ONU estabeleceu uma Comissão de inquérito para investigar as violações de direitos humanos naquele país. No último relató- a maior parte das violações de direitos humanos têm sido cometidas pelas forças de segurança sírias contra indivíduos ou grupos da oposição. A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi centes como os de Hola são crimes internacionais. Os estados-membros da ONU continuam à procura de uma solução para GUINÉ-BISSAU: CONSELHO DE SEGURANÇA MANTÉM PRESSÃO SOBRE AUTORES DO GOLPE O presidente interino Dioncounda Traoré Bamako, no passado dia 22 de Maio. A 22 de Março elementos militares anunciaram a dissolução do governo. O golpe foi condenado pela comunidade internacional. Após uma reunião de mediação organizada países da África Ocidental e Conselho de Segurança da ONU, os líderes do golpe concordaram voltar à ordem constitucional. No norte do país o combate entre as forças do governo e grupos tuaregues continua desde janeiro. Já há mais de 200 mil deslocados. um plano secreto acordado entre Gomes Júnior e Angola para o desmantelamento do exército. O golpe foi imediatamente condenado pela União Africana, Comunidade dos países da África Ocidental (CEDAO) CPLP e Nações Unidas. Após uma reunião no dia 18 de Maio, o Conselho de Segurança emitiu a resolução 2048 de 2012 em que os estados membros da ONU se comprometem a proibir a viagem e entrada dos autores dos golpes nos seus países. MALI: INSTABILIDADE NA CAPITAL E CONFLITO NO NORTE

7 EX-PRESIDENTE DA LIBÉRIA CONDENADO A 50 ANOS DE PRISÃO POR CRIMES DE GUERRA E CRIMES CONTRA A HUMANIDADE Em Maio, o Tribunal Especial para a Serra Leoa (TESL) apoiado pela Nações Unidas, condenou o ex-presidente da Libéria, Charles Taylor, a 50 anos de prisão por ter planeado, apoiado e incitado os crimes cometidos pelas forças rebeldes da Serra Leoa durante a década da guerra civil do país, como crimes de guerra e crimes contra a humanidade. O TESL decidiu, por unanimidade, uma pena única para todas as 11 acusações de crimes pelos quais Charles Taylor foi considerado culpado, em Abril. Estes actos de terrorismo, assassinato, violação, escravidão sexual, atentados contra a dignidade pessoal, tratamento desumano, recrutamento ou alistamento crianças-soldado, escravidão e pilhagem, estão relacionados com a guerra civil na Serra Leoa na década de A Câmara de Primeira Instância constatou que Charles Taylor abusou da sua posição como Presidente da Libéria para ajudar e estimular a prática de crimes na Serra Leoa, e o abuso da sua posição enquanto membro da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental Comité dos Cinco (Seis mais tarde), que era parte integrante do processo invocado pela comunidade internacional para trazer a paz para a Serra Leoa, era um factor agravante de grande peso para a sua sentença. Charles Taylor atrocidades e com os crimes cometidos na Serra Leoa, mas negou que tenha ajudado os rebeldes que cometeram tais atrocidades. Ele pediu que a reconciliação, a cura e a não retribuição fossem os princípios orientadores para determinar a sua sentença. Taylor tem agora 14 dias para recorrer. O TESL é um tribunal independente criado em conjunto pelo Governo da Serra Leoa e pelas Nações Unidas. Está mandatado para julgar os que têm forte responsabilidade por violações graves dos direitos humanos internacionais e do direito da Serra Leoa, cometidas no país desde 30 de Novembro de À data em que foram cometidos os crimes ainda não existia o Tribunal Penal Internacional. Charles Taylor é o primeiro chefe de Estado a ser condenado por um tribunal internacional ou semi-internacional desde os julgamentos de Nuremberga que tiveram lugar a seguir à Segunda-Guerra mundial. Desde a entrada em funcionamento em 2002, o TESL acusou um total de 21 indivíduos por crimes contra a humanidade e/ ou crimes de guerra, cometidos na Serra após 1996 e durante a guerra civil. Nove foram condenados e encontram-se a cumprir pena, um foi absolvido, cinco estão em julgamento, quatro já cumpriram pena. Três acusados morreram e um está fugitivo. Para além do TESL, e do Tribunal Penal Internacional, a ONU estabeleceu outros cinco mecanismos judiciais internacionais e semi-internacionais: o Tribunal Penal Internacional para o Ruanda, o Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia, o Tribunal Especial para o Líbano, os Colectivos Especiais para o Cambodja, e os Colectivos Especiais para Crimes Graves em Timor- Leste. O estado de Direito, a nível nacional e Internacional é visto pela ONU como undamental para a paz, direitos humanose desenvolvimento. COMÉRCIO DE ARMAS: ONU PROMOVE CONFERÊNCIA EM JULHO PARA CHEGAR AO PRIMEIRO TRATADO INTERNACIONAL A Conferência da ONU sobre o Comércio de Armas vai ter lugar em Nova Iorque, de 2 a 27 de Julho com o objectivo de chegar ao primeiro tratado internacional sobre este sector. Em todo o mundo, a disponibilidade de armas e munições tem levado ao sofrimento humano, repressão, crime e terror às populações civis. As transferências irresponsáveis de armas convencionais podem destabilizar regiões inteiras, conduzir a violações de embargos impostos pelo Conselho de segurança da ONU e contribuir para a comissão de graves violações de direitos humanos. Além disso, impedem o investimento e o afectando a sua capacidade para atingir os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. Embora hajam inúmeros acordos que regulam o comércio internacional, não existe até ao presente qualquer tratado internacional sobre o comércio de armas. A compra e venda de navios e tanques de guerra, aviões de combate, metralhadoras e munições continua a ser mal regulada. Para tentar resolver este problema, a ONU tem vindo a promover uma série de esforços, deste estudos a encontros regionais preparatórios que possam conduzir à adopção de um Tratado Internacional sobre Comércio de Armas. decidiu organizar a Conferência da ONU sobre o Comércio de Armas em 2012 para elaborar um instrumento legal vinculativo sobre as normas internacionais, o mais exigentes possíveis, para regular as transferências de armas convencionais. A primeira reunião da Comissão preparatória teve lugar em Julho de

8 Save Earthlings, prémio da Juventude Save your children, prémio do pùblico O anúncio Português mais votado, intitulado Warning, enviado por um concorrente com pseudónimo, Sente Design ITALIANO VENCE CONCURSO EUROPEU DA ONU DE CRIAÇÃO DE ANÚNCIOS SOBRE A ÁGUA Direcção: Afsane Bassir-Pour Edição: Júlia Galvão Alhinho Redacção: Júlia Galvão Alhinho e Telmo Fernandes Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental sobre direitos e desenvolvimento Filme: Children of the Amazon Dia 19 de Junho, Auditório do Diário de Notícias, Lisboa Parceria: UNRIC, Plataforma Portuguesa ONGD e Diário de Notícias (Inscreva-se enviando um para: pt) da UNESCO (36a Sessão) De 24 de Junho a 6 de Julho de 2012, São Petersburgo, Federação Russa sessions/36com O designer italiano Daniele Gaspari 31 anos, natural de Verona, venceu o Concurso Europeu da ONU de criação de anúncios sobre a Água, o concurso Gota- -a-gota: o Futuro que queremos. O primeiro prémio, doado pelo Conselho Nórdico de Ministros no valor de 5000 euros, foi entregue a Daniele Gaspari numa cerimónia em Copenhaga, a 5 de Junho, Dia Mundial do Ambiente, por Sua Alteza Real o Príncipe Herdeiro da Dinamarca. que inspirasse as pessoas a preservar a água, no presente e para as gerações futuras. Daniele Gaspari venceu com o anúncio O desperdício de água vai matar o futuro, que mostra uma arma de água apontada à cabeça de uma criança. Um júri de especialistas, presidido pelo guru da publicidade, Jacques Séguéla escolheu este anúncio entre mais de trabalhos, provenientes de 45 países europeus. O designer disse estar feliz por ter vencido o concurso: A intenção por trás deste anúncio é certamente chocar as pessoas e torná-las conscientes de que cada acção que eles fazem tem consequências, declarou Daniele Gaspari. Espero que esta mensagem tenha impacto. A combinação de objectos adoráveis e brincalhões colocados em poses hostis cria uma imagem interessante, disse o membro do júri, o fotógrafo sueco Jens Assur, a propósito do anúncio vencedor. Somos atraídos pelos contrastes, querendo aprender mais. O Concurso Gota-a-Gota foi organizado pelo UNRIC, Centro de Informação Regional das Nações Unidas, em Bruxelas, em cooperação com o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA) e com o Conselho Nórdico de Ministros. Faz também parte da campanha do Secretário-Geral, O Futuro que Queremos para o Rio +20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável no Brasil, que tem lugar de 20 a 22 de Junho, onde a escassez crescente de água está entre os principais temas em discussão. do concurso, de um total de dezassete países, será exibida no website do concurso e publicados nos jornais que aderiram à parceria de imprensa com a UNRIC. 22 exposições dos trabalhos estão já projectadas para 12 países, algumas em colaboração com o Conselho Nórdico de Ministros. Além da aliança dos jornais europeus, o concurso foi apoiado pelo Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos (EACDH), pelo Governo Português que ofereceu o Prémio voto do público e por outros Centros de Informação das Nações Unidas na Europa.

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

www.rio20.info www.uncsd2012.org

www.rio20.info www.uncsd2012.org Rio de Janeiro, Brasil 20 a 22 de junho de 2012 www.rio20.info www.uncsd2012.org A Rio+20 será uma das mais importantes reuniões globais sobre desenvolvimento sustentável de nosso tempo. No Rio, nossa

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

Síria: Possível intervenção armada internacional após alegado ataque com armas químicas

Síria: Possível intervenção armada internacional após alegado ataque com armas químicas Síria: Possível intervenção armada internacional após alegado ataque com armas químicas Introdução Nos últimos dias, vários governos assinalaram a intenção de intervir militarmente contra o governo Sírio,

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE PEQUENOS ESTADOS-ILHA EM VIAS DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Joanesburgo,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

Relatório Anual 2007 Amnistia Internacional. Factos e Números

Relatório Anual 2007 Amnistia Internacional. Factos e Números Embargado até às 10h00 TMG, de dia 23 de Maio de 2007 Relatório Anual 2007 Amnistia Internacional Factos e Números Estes factos e números ilustram a situação em algumas áreas de trabalho da Amnistia Internacional

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sua Exa. Kevin Rudd MP

MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sua Exa. Kevin Rudd MP MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sua Exa. Kevin Rudd MP DECLARAÇÃO AUSTRALIANA REUNIÃO PLENÁRIA DE ALTO NÍVEL DA ASSEMBLEIA-GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS (CIMEIRA DOS OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÉNIO)

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

POBREZA E DESIGUALDADE: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO

POBREZA E DESIGUALDADE: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO POBREZA E DESIGUALDADE: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO A Declaração do Milénio adoptada em 2000, comprometeu países ricos e pobres a fazerem tudo o que poderem para erradicar a pobreza, promover a dignidade

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Assembleia Parlamentar Paritária ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos 31.7.2014 PROJETO DE RELATÓRIO sobre o desafio da reconciliação nacional nos países em situação de pósconflito e de pós-crise Correlatores:

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Terra: O Planeta que queremos ter!

Terra: O Planeta que queremos ter! Terra: O Planeta que queremos ter! 1. Localização da Acção: Centro Cultural e de Congressos de Aveiro (Grande Auditório) 2. Data de realização da Acção: 22 e 23 de Abril de 2008 3. Descrição e objectivos

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio(ODM) aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio(ODM) aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Programa da Nações Unidas para o Desenvolvimento Dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio(ODM) aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Seminário: O caminho para a dignidade até 2030 Organizações

Leia mais

Manifesto do Partido Socialista Europeu Adotado pelo Congresso do PSE Roma 1 de março 2014. Rumo a uma Nova Europa

Manifesto do Partido Socialista Europeu Adotado pelo Congresso do PSE Roma 1 de março 2014. Rumo a uma Nova Europa Manifesto do Partido Socialista Europeu Adotado pelo Congresso do PSE Roma 1 de março 2014 Rumo a uma Nova Europa Acreditamos firmemente que a União Europeia deve mudar. Em maio, o seu voto nas eleições

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL. Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson

CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL. Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL Mindelo, 24 de Julho de 2015 Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson Senhora Ministra da Juventude,

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança /Vice-Presidente da Comissão Europeia. Federica Mogherini

Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança /Vice-Presidente da Comissão Europeia. Federica Mogherini Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança /Vice-Presidente da Comissão Europeia Federica Mogherini Assembleia da República, 17 fevereiro de 2015 CURRICULUM

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável. Das nossas origens ao futuro

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável. Das nossas origens ao futuro Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das nossas origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação

REPÚBLICA DE ANGOLA. Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação REPÚBLICA DE ANGOLA Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação Intervenção de Sua Excelência Licínio Tavares Ribeiro, Ministro dos Correios e Telecomunicações ANGOLA (Genebra, 12 de Dezembro de 2003)

Leia mais

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios A seguir inclui-se o texto completo da Declaração de Princípios assinada pelos os Chefes de Estado e de Governo que participaram da Primeira

Leia mais

Novembro 2012 - Setembro 2013

Novembro 2012 - Setembro 2013 ON SANITATION AND WATER KIT DE FERRAMENTAS DA CAMPANHA Novembro 2012 - Setembro 2013 Mantenha as suas promessas é uma campanha internacional que apela aos decisores para cumprirem os compromissos que assumiram

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

Discurso de S.EXA SENEC na reunião da Comissão para a Promoção da Qualidade de Vida e Intercâmbios Humanos e da Cultura

Discurso de S.EXA SENEC na reunião da Comissão para a Promoção da Qualidade de Vida e Intercâmbios Humanos e da Cultura Discurso de S.EXA SENEC na reunião da Comissão para a Promoção da Qualidade de Vida e Intercâmbios Humanos e da Cultura Assembleia Parlamentar Euromediterrânica Lisboa, Assembleia da República, 22Fevereiro2010

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 Introdução A África alcançou um ponto de viragem crítico na sua luta contra a malária este ano à medida que objectivos, estratégias e planos globais e regionais

Leia mais

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global Grupo Parlamentar Português sobre População e Cumprimentos: Desenvolvimento Assembleia da República 18 de Novembro

Leia mais

Preâmbulo. Rumo a 2030: uma nova visão para a educação

Preâmbulo. Rumo a 2030: uma nova visão para a educação Preâmbulo 1. Nós, ministros, chefes e membros de delegações, chefes de agências e oficiais de organizações multilaterais e bilaterais e representantes da sociedade civil, dos docentes, da juventude e do

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO O Código da Ética no Desporto do Conselho da Europa para o Fair play no desporto é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto.

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5525849 Fax: (251-11) 5525855 Website: www.africa-union.org

P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5525849 Fax: (251-11) 5525855 Website: www.africa-union.org AFRICAN UNION UNION AFRICAINE CONFERÊNCIA DA UNIÃO Vigésima Terceira Sessão Ordinária 26 27 de Junho de 2014 Malabo, GUINÉ EQUATORIAL UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11)

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

13ª REUNIÃO DOS CHEFES DE ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS DOS PAÍSES MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

13ª REUNIÃO DOS CHEFES DE ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS DOS PAÍSES MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) 13ª REUNIÃO DOS CHEFES DE ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS DOS PAÍSES MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) DECLARAÇÃO FINAL (MAPUTO, 20 e 21 de Abril de 2011) Em conformidade

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 26.2.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre "Cumprir os ODM: respostas inovadoras aos desafios sociais e económicos" Co-relatores:

Leia mais

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO O Ministério da Informação da República Árabe Síria expressa seus protestos de alta estima e consideração a Vossa Excelência e anexa ao presente texto a Declaração

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Restabelecer a Confiança Global

Restabelecer a Confiança Global Restabelecer a Confiança Global Os dois principais desafios à justiça global, as alterações climáticas e a pobreza, estão interligados. Temos que combatê-los simultaneamente; não podemos cuidar de um sem

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva O que é a saúde sexual e reprodutiva? A saúde sexual e reprodutiva é uma componente essencial do direito universal ao mais alto padrão de saúde física e mental, consagrado

Leia mais

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Contribuições das Federações de Pequenos Agricultores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Pronunciamento da Deputada Telma de Souza no dia 09 de Agosto de 2005 Breves Comunicações. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares

Pronunciamento da Deputada Telma de Souza no dia 09 de Agosto de 2005 Breves Comunicações. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares Pronunciamento da Deputada Telma de Souza no dia 09 de Agosto de 2005 Breves Comunicações Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares Para dar ciência à Câmara Federal, solicitando sua transcrição

Leia mais

Excelências Senhoras e Senhores,

Excelências Senhoras e Senhores, Excelência Sr. Blaise Campaoré - Presidente do Burkina Faso, Excelência Sr. Jean Ping, Presidente da Comissão da União Africana, Sr. Soumaila Cissé Presidente da Comissão Económica dos Estados da África

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais