Circunvizinhança em que a organização opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais, flora, fauna, seres humanos e suas inter-relações.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Circunvizinhança em que a organização opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais, flora, fauna, seres humanos e suas inter-relações."

Transcrição

1 Meio SUMÁRIO 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. ANEXOS 1. FINALIDADE Regulamentar os critérios e padronizar os procedimentos referentes ao trabalho desenvolvido por empresas contratadas e subcontratadas a serviço das empresas Grupo CPFL Energia que possam vir a causar impactos ao meio ambiente. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Nas empresas do Grupo CPFL Energia (Paulista, Piratininga, Santa Cruz, Jaguariúna, Sul Paulista, Leste Paulista, Mococa, Jaguarí, Geração, RGE e CPFL Serviços) e empresas por elas controladas. 3. CONCEITOS BÁSICOS 3.1. Empresas Contratadas Toda e qualquer pessoa jurídica legalmente estabelecida, que venha a prestar serviços, trabalhos ou executar atividades para as empresas do Grupo CPFL Energia, em qualquer local e tempo Empresa Contratante Empresas do Grupo CPFL, jurídica e legalmente estabelecidas: CPFL Energia (Paulista, Piratininga, Santa Cruz, Jaguariúna, Sul Paulista, Leste Paulista, Mococa, Jaguarí, Geração, RGE e CPFL Serviços) Meio Circunvizinhança em que a organização opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais, flora, fauna, seres humanos e suas inter-relações Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

2 Meio 3.4. Política Ambiental e Compromissos da CPFL Política Ambiental Prover à sociedade serviços na área energética com total respeito ao meio ambiente, cumprindo a legislação ambiental, prevenindo a poluição e promovendo a melhoria contínua do desempenho ambiental em nossas atividades. Compromissos 1. Considerar, nos processos de planejamento e decisão, as variáveis de qualidade, meio ambiente, segurança e saúde ocupacional e de responsabilidade social, em todas as atividades da Empresa, provisionando os recursos necessários para a implantação de planos empresarias que previnam, mitiguem, minimizem ou restaurem os impactos causados por suas atividades, disseminando esta cultura e compromisso por toda a organização, na cadeia de fornecedores e para os principais parceiros. 2. Apoiar projetos de Pesquisa e Desenvolvimento, que conduzam ao progresso tecnológico e contribuam para a minimização dos impactos causados pela operacionalização e implantação dos empreendimentos da Empresa. 3. Promover e estimular iniciativas de conservação de energia, por meio de sistemas de produção e distribuição mais eficientes, buscando o uso racional dos recursos naturais, a minimização dos impactos ambientais e a conservação da biodiversidade, num contexto de estratégia empresarial voltada para a sustentabilidade. 4. Promover ações, em sua área de influência, que contribuam para definir estratégias de conservação da natureza e de valorização humana e cultural, com respeito pelo princípio da unidade do ambiente, expresso na diversidade e integridade da sociedade e dos ecossistemas naturais. 5. Garantir que os procedimentos técnicos e administrativos, bem como a estrutura organizacional, atendam aos quesitos estabelecidos nas normas ISO 9001 e 14001, OHSAS e SA 8000 e sejam aplicados, incorporando estes aos empreendimentos em que a Empresa tenha controle majoritário e influenciando sua aplicação nos que detêm participação minoritária, objetivando a melhoria contínua e padrões de excelência em suas atividades e resultados. 6. Assegurar o cumprimento da legislação vigente, tais como leis, decretos, regulamentos, (Convenções da OIT, Declaração Universal dos Direitos Humanos e Convenções das Nações Unidas), relacionada ao meio ambiente, à segurança e saúde ocupacional e à responsabilidade social, internalizando os princípios da ética empresarial no desenvolvimento de suas atividades. 7. Manter canal de comunicação aberto com nossos clientes, colaboradores, órgãos governamentais ou não, comunidades vizinhas e mídia, prestando informações relativas às questões de meio ambiente, segurança e saúde ocupacional e responsabilidade social, decorrentes das atividades desenvolvidas pela Empresa. 8. Assegurar procedimentos adequados desde o desenvolvimento do projeto, 5656 Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

3 Meio aquisição, acondicionamento, manuseio e descarte de produtos perigosos, insalubres e/ou contaminantes, bem como prevenir a poluição e estimular a prática de reciclagem e reaproveitamento de materiais. 9. Gerir, inventariar e reportar as emissões de GEE (Gases do Efeito Estufa), além de promover iniciativas de redução de emissões e atuar junto ao setor público, privado e a cadeia de valor para o avanço das ações de mitigação das Mudanças Climáticas. 10. Promover o atendimento às Políticas e Diretrizes Ambientais, de Responsabilidade Social, Saúde e Segurança e Qualidade do Grupo CPFL Energia, pelos fornecedores e prestadores de serviços críticos. 4. PROCEDIMENTOS Na execução de qualquer atividade, trabalho ou serviço solicitado pelas empresas do Grupo CPFL Energia, a contratada, bem como quaisquer outras empresas por ela subcontratada deve atuar de acordo com as melhores práticas de Gestão Ambiental, assim como observar rigorosamente todas as exigências vigentes na legislação federal, estadual e municipal, além das contidas nas normas técnicas, política, registros e exigências específicas da CPFL, referentes à preservação do meio ambiente. Os aspectos da legislação destacados neste documento são os de maior relevância, o que não significa que os demais possam ser ignorados. Em caso de legislação municipal específica, consultar a prefeitura do município em que o serviço será executado e/ou solicitar suporte ao Departamento de Meio para possíveis esclarecimentos Disposições gerais A contratada que exercer serviços ou atividades que exijam licenciamento ambiental, obrigatoriamente, deverá enviar cópia das respectivas licenças obtidas à CPFL. Os serviços/atividades somente poderão ser executados dentro do prazo de vigência estabelecido nas respectivas licenças ambientais Sobre o uso de motosserras A contratada que faça uso de motosserras na execução de serviços/atividades deverá apresentar à CPFL, cópia do boleto bancário que comprove o pagamento das licenças de porte e uso dos equipamentos junto ao IBAMA (Guia de Recolhimento da União - GRU) responsabilizando-se pela renovação destas antes do vencimento Sobre a destinação de resíduos A contratada deverá armazenar adequadamente os resíduos perigosos de forma que não permita a contaminação do meio ambiente Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

4 Meio A disposição final de porcelanas, vidros e outros materiais inertes em aterros licenciados, ou em locais autorizados, por escrito, pela prefeitura. Em caso de destinação destes materiais a empresas de reciclagem, estas deverão apresentar a licença de funcionamento expedida por órgão ambiental competente. Não é permitida a queima de qualquer material a céu aberto, como por exemplo: - madeiras, óleos, restos vegetais, papéis e outros, exceto para treinamento de combate a incêndios, desde que devidamente autorizado pelo órgão ambiental competente. Em caso de venda pela contratada de madeira tratada com creosoto a outros, se o contrato assim permitir, deverá ser informado formalmente, os riscos da queima dessa madeira e a toxicidade da fumaça ao comprador. A contratada que utilizar solvente e/ou outros produtos químicos, deverá tomar as precauções necessárias quanto à prevenção da poluição, se responsabilizando pela destinação final adequada dos produtos. Quando possível e/ou exigido por Lei, os resíduos desses produtos deverão ser enviados à recicladores devidamente licenciados, após a obtenção do CADRI (Certificado de Autorização de Destinação de Resíduos Industriais). A contratada que utilizar estopas e/ou panos para limpeza de óleos e graxas em equipamentos ou outros, deverá dar destinação final adequada a esses materiais contaminados em empresas devidamente licenciadas, após a obtenção do CADRI (Certificado de Autorização de Destinação de Resíduos Industriais). A contratada que fornecer alimentos no campo a seus funcionários em recipientes do tipo marmitex, deverá recolher todos os resíduos de embalagens após as refeições e destiná-los adequadamente, podendo encaminhá-los para a coleta pública de lixo do município mais próximo. Nota: a contrata deverá encaminhar à CPFL uma cópia dos comprovantes de destinação final adequada dos resíduos Sobre o armazenamento de equipamentos: A contratada que armazenar equipamentos que contenham óleo deverá se responsabilizar pela proteção ao meio ambiente. Em caso de equipamentos com vazamento, estes deverão ser mantidos ao abrigo da chuva sobre bandejas ou similar, a fim de evitar a contaminação do solo e da água. O óleo que vier a vazar no piso ou solo deverá ser recolhido com serragem ou outro material absorvente, para posterior destinação final a cargo da contratada, conforme legislação ambiental vigente (Resíduo Classe I) Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

5 Meio A contratada que armazenar baterias deverá mantê-las ao abrigo da chuva e de forma a evitar contaminação ao meio ambiente. A contratada que realizar a substituição de lâmpadas deverá armazenar as lâmpadas substituídas em local coberto e em caixas de papelão identificadas. As lâmpadas quebradas (casquilhos) deverão ser armazenadas em bombonas plásticas identificadas ou tambores metálicos revestidos, ambos com tampa e/ou em local coberto Sobre a manutenção de veículos A contratada que utilizar veículos a serviço da CPFL deverá apresentar um plano de manutenção destes, contendo os seguintes itens: I - Medição de fumaça preta para os veículos movidos a óleo diesel, conforme estabelecido em legislação vigente; II - Verificação do escapamento quanto a possíveis vazamentos e furos que possam elevar os níveis de ruído (obrigatória a todos os veículos); III - Plano de manutenção dos equipamentos hidráulicos para veículos que os contenham contemplando, obrigatoriamente, a verificação das mangueiras hidráulicas. A contratada que encaminhar o veículo para manutenção deverá fazer em oficinas regularizadas, e deverão disponibilizar, sob demanda, para a CPFL: a) Registro de destinação de baterias, óleo, de materiais contaminados com óleo e outros resíduos, o qual é emitido pela empresa que faz o tratamento de resíduos e disponibiliza para as oficinas. b) Licença de Operação da empresa que presta serviço de tratamento de resíduos para as oficinas; c) Registro da devolução dos pneus usados emitido pela revendedora; Nota: Ficará sob responsabilidade da ACSA (Serviços de Manutenção da Frota) exigir das oficinas tais documentos, assim como realizar a gestão dos mesmos. Notas importantes: 1ª) Se o veículo não for movido a óleo diesel, deverá ser desconsiderado o item I; 2ª) Os veículos que possuam equipamentos hidráulicos deverão portar o material necessário ao atendimento em caso de rompimento do hidráulico com vazamento de óleo (serragem, pá, saco plástico etc.); 3ª) Derramamentos de óleo em qualquer lugar, oriundos de equipamentos da contratada ou de propriedade da CPFL sob responsabilidade da contratada, deverão ser tratados adequadamente, recolhendo-se o material vazado e o solo contaminado, para posterior destinação dos resíduos em conformidade com a legislação ambiental vigente e sem ônus à CPFL; 5656 Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

6 Meio 4ª) A contratada que abastecer e/ou trocar óleo de seus veículos, máquinas e equipamentos em local de propriedade da CPFL, deverá tomar as ações cabíveis para evitar o derramamento no solo e/ou cursos d água Sobre o transporte de equipamentos com óleo A contratada que transportar equipamentos que contenham óleo e apresentem vazamento deverá acondicioná-los em bandejas ou similar, para evitar derramamentos nas vias de rolamento, no solo e na água. Os resíduos gerados deverão ser acondicionados, armazenados e destinados de acordo com a Legislação Ambiental Sobre capacitação, treinamentos e conscientização A contratada deverá garantir à CPFL, antes do início dos serviços/atividades, a capacitação, treinamento e conscientização de seus funcionários. Os funcionários deverão ser capacitados, treinados e conscientizados a exercer suas atividades em conformidade com princípios da Política Ambiental e dos Compromissos da CPFL, além das diretrizes estabelecidas neste documento. Para fins de auditorias por parte da CPFL, a contratada deverá manter em seus arquivos as evidências da realização das capacitações, treinamentos e conscientizações. Nestas evidências deverá constar a data de realização e os procedimentos em que seus funcionários foram treinados, capacitados e conscientizados Sobre as comunicações e responsabilidades A contratada ao identificar qualquer tipo de agressão ao meio ambiente, provocada por suas atividades e/ou por equipamentos de propriedade da CPFL sobre os quais tenha influência, deverá comunicá-la imediatamente à área gestora do contrato. Caso essa agressão tenha sido provocada pela contratada ou por serviços mal elaborados por ela, fica esta sendo responsável pelas medidas de contingência, mitigadora, compensatória e, se for o caso, pagamento das multas estabelecidas pelos órgãos ambientais competentes Sobre atividades de poda e intervenção na arborização A contratada que realize intervenção programada ou emergencial em vegetação deverá apresentar, obrigatoriamente, à CPFL: - cópia da Anotação de Responsabilidade Técnica específica - ART, mediante um profissional legalmente habilitado para tal (qualquer tipo de intervenção); 5656 Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

7 Meio - cópia dos treinamentos de seus funcionários sem poda de vegetação (somente para execução de podas); - cópia da destinação adequada dos resíduos quando esta for de sua responsabilidade Sobre a prevenção à poluição e proteção ao meio ambiente e biodiversidade A contratada deverá atender toda a Legislação relacionada à conservação da biodiversidade e ecossistemas, no que diz respeito à fauna e flora, solo, água e ar. Quanto trabalho em usinas, a contratada deverá orientar seus funcionários, antes de iniciar os serviços/atividades estabelecidas em contrato, de que é proibido caçar e pescar nas propriedades da CPFL. Quanto à pesca, não sendo em local de propriedade da CPFL deverá ser respeitado o período de defeso da piracema e a distância mínima de 1500 m a jusante e a montante dos eixos das barragens e obstáculos naturais, conforme definido legalmente. A contratada que tenha necessidade de lavar veículos em local de propriedade da CPFL deverá utilizar-se de lavador de veículos, que conduza a mistura água/óleo para uma caixa separadora de óleo. Caso não exista um lavador com as especificações mencionadas, fica a cargo da contratada sua construção. A contratada deverá garantir aos seus funcionários, instalações sanitárias conforme especificado na legislação vigente Sobre a compra de madeira A contratada que a serviço da CPFL utilizar produtos ou subprodutos florestais de origem nativa deverá exigir do fornecedor, quando da aquisição destes, a cópia do atestado de origem comprovando que a madeira é oriunda de manejo florestal sustentável e cópia da documentação que comprove que o transporte e armazenamento seja aprovado e válido para todo o tempo da viagem ou do armazenamento. Esta documentação deverá ficar disponível para fins de auditorias pela CPFL Sobre a utilização de agrotóxicos e afins A contratada que utilizar agrotóxicos e afins definidos legalmente deverá ter autorização para uso, emitida pelo órgão competente (somente para empresas especializadas em aplicação de herbicidas). A destinação das embalagens deverá atender as descrições constantes no rótulo do produto ou ser realizada em postos de recebimento de embalagens de agrotóxicos e afins. Neste ultimo caso deverá ser solicitado o comprovante, para fins de auditoria por parte da CPFL Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

8 Meio No caso da contratada utilizar agrotóxicos com registro no Ministério da Agricultura para controle de insetos ela deverá manter cópia do receituário agronômico em seus arquivos para fins de auditoria da CPFL, exceto para domissanitários Sobre a criação e transporte de animais A contratada que realize a criação de animais, tal como cães de guarda, em local de propriedade da CPFL ou não, deverá adotar as medidas sanitárias cabíveis para evitar a propagação de doenças infecto-contagiosas. A contratada que realize o transporte de animais de propriedade da CPFL deverá providenciar a Guia de Transporte Animal GTA, para a(s) espécie(s) que a legislação assim exigir, e que acompanhará o transporte Das implicações A inobservância de qualquer um dos critérios estabelecidos neste documento poderá incidir na rescisão do contrato, sem nenhum ônus à CPFL Recomendação e Melhores Práticas Recomenda-se que a Contratada tenha implementado um Sistema de Gestão Ambiental com base nas diretrizes definidas pela Norma NBR ISO14001:2008. Recomenda-se que a Contratada possua um sistema de gestão de consumo de recursos naturais, tais como água, energia, recursos florestais, derivados do petróleo e outros combustíveis. Recomenda-se que a Contratada, quando aplicável à suas atividades, defina um sistema de gestão de emissões de gases de efeito estufa. Recomenda-se que a Contratada defina suas próprias diretrizes ambientais para seus fornecedores e cobre dos mesmos uma postura de responsabilidade com o meio ambiente. 5. ANEXOS 5.1. Anexo 1 Legislação Ambiental A legislação constante nessa tabela deve ser cumprida pela contratada, não a eximindo de cumprir outros requisitos legais e normas não listadas, ou que entrem em vigor no período de vigência do contrato Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

9 Meio Origem Assunto Documento Solo urbano CRFB / 88 Produtos Perigosos Decreto n / 88 Agrotóxicos Decreto nº / 02 Flora Decreto nº / 85 Ascarel Portaria Interministerial MINTER/MME/MDIC nº 19, de 29 de janeiro de 1981 Ascarel Instrução Normativa SEMA / STC / CRS n 01 / 83 Flora Lei n / 65 Fauna Lei n / 67 Flora Lei n / 77 Saneantes Lei n / 76 Flora Lei n 7803 / 89 Educação Ambiental Lei n / 99 Flora Resolução CONFEA n 218 / 73 Agrotóxicos Produtos Florestais Portaria MMA n 253 / 06 Ar / Veículos Portaria IBAMA n 85 / 96 Portaria Ministério da Agricultura e abastecimento n 329 / 85 Ar / Veículos Portaria MINTER n 100 / 80 Resíduos Sólidos Portaria MINTER n 53 / 79 Poluição Sonora Resolução CONAMA nº 1 / 90 Resíduos / Óleos Lubrificantes Licenciamento ambiental Resíduos / Pilhas e Baterias Resolução CONAMA n 362/05 Resolução CONAMA n 237 / 97 Resolução CONAMA nº 401 / 08 Resíduos / Pneus Resolução CONAMA n 258 / 99 Resíduos / Óleos Lubrificantes Portaria ANP n 125 / 99 Restos Alimentares Resolução SS nº 049 / Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

10 Meio Poluição/Controle Resolução ANEEL n 456 / 00 Ar / CFC Resolução CONAMA nº 267 / 00 Resíduo / Ambulatório Resolução CONAMA n 358 / 05 Radiofrequência Resolução ANATEL n 303 / 02 Resíduos / Entulho Resolução CONAMA n 307 / 02 Ascarel Resolução CONAMA n 313 / 02 Ascarel Resolução CONAMA n 316 / 02 ART Decisão Normativa CONFEA nº 67/00 Produtos Florestais Decreto nº 5.975/06 Registros Profissionais Sistema de Vigilância Sanitária Cadastro Técnico Decreto nº /33 Decreto nº /77 Instrução Normativa IBAMA 96/06 Registros Profissionais Lei nº 5.194/66 Fauna Lei nº 5.197/67 Supressão de Vegetação Lei nº /06 Motosserras Portaria Normativa IBAMA nº 149/92 Resíduos Sólidos em geral Transporte de Produtos Perigosos Sistema de Vigilância Sanitária Licenciamento Ambiental Portaria MINTER 53/79 Resolução ANTT 420/04 Resolução ANVISA nº18/00 Resolução CONAMA nº 13/90 Poluição Sonora Resolução CONAMA nº 252/99 ART Resolução CONFEA nº 425/ Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

11 Meio Cadastro Técnico Instrução Normativa IBAMA nº 31/09 Produtos Florestais Instrução Normativa IBAMA 06/00 Sistema de Vigilância Sanitária Resíduos / Pilhas e Baterias Resolução ANVISA nº 52/09 Resolução CONAMA nº 401 / 08 Resíduos / Pneus Resolução CONAMA n 416 / 09 Ar / CFC Resolução CONAMA nº 267 / 00 Flora Resolução CONFEA n / 05 Motosserras Lei nº / 00 Resíduos / Serviço de Saúde Resolução ANVISA n 306/04 Agrotóxicos Lei Nº 9.974/00 Licenciamento ambiental Licenciamento ambiental Resíduos/óleo lubrificante Óleo isolante Instrução Normativa ICMBio nº04/09 Portaria IPHAN nº 230/02 Resolução ANP nº 19/09 Resíduos Sólidos Lei Nº /10 Resíduos Portaria Nº 253/11 Estabelece as regras para a comercialização de óleo lubrificante básico e os requisitos necessários ao cadastramento de produtor e de importador desse produto Óleo Portaria Interministerial Nº 59/12 Emissões Atmosféricas Resolução Nº 436/11 Óleo lubrificante Resolução Nº 450/12 Saneamento Decreto nº / 78 Águas / Recursos Hídricos Decreto nº / 96 Agrotóxicos Decreto nº / 99 Poluição/Controle Decreto nº / 76 Saneamento Lei n / Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

12 Meio Águas / Recursos Hídricos Águas / Recursos Hídricos Portaria DAEE nº 717 / 96 Portaria DAEE n / 02 Agrotóxicos Portaria CVS n 009 / 00 Resíduos / Pneus Resolução SMA / SS nº 001 / 02 Recursos Hídricos Decreto nº /91 Recursos Hídricos Decreto nº /96 Recursos Hídricos Decreto nº /06 Poluição de rodovias Lei nº /00 Resíduos Sólidos Lei nº /07 Americana Campinas Campinas Campinas Educação Ambiental Lei nº /07 Decreto nº / 03 Poluição Sonora Decreto nº / 78 Resíduos / Entulho Lei n / 91 Limpeza Urbana Lei n 7.058/ 92 Campinas Lixo e qualquer tipo de resíduo Lei n / 98 Campinas Campinas Resíduos / Poda Urbana Lei n / 98 Agrotóxicos Lei nº / 01 Campinas Lixo e qualquer tipo de resíduo Lei n / 02 Campinas Campinas Altinópolis Resíduo / Lâmpadas Lei n / 02 Flora Lei n / 03 Lei Orgânica 5656 Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

13 Meio Alumínio Álvaro de Carvalho Alvinlândia Amparo Araçatuba Araçatuba Araraquara Arealva Areiópolis Bariri Barra Bonita Barretos Birigui Cristais Paulista Cubatão Descalvado Dois Córregos Esp. Sto. do Pinhal Franca Lei Orgânica Lei Orgânica Lei n 876/97 Lei n / 90 Meio Lei n / 92 Recursos hídricos Lei Orgânica Meio Código de Postura Lei Orgânica Lei nº 1.136/96 Lei n / 97 Lei orgânica / 90 Lei n / 98 Lei nº / 00 Meio Lei complementar n 001 / 97 Meio Lei n / 94 Lei n / 91 Lei n / 95 Lei orgânica Código de Meio 5656 Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

14 Meio Franca Gália Garça Gavião Peixoto Gavião Peixoto Hortolândia Ibiúna Itatiba Jaboticabal Jaboticabal Jaú Lei orgânica Lei n / 97 Lei n / 99 Lei orgânica Lei n 030 / 97 Lei n 656 / 98 Coleta Seletiva Lei n 685 / 01 Código de postura Lei n / 98 Agrotóxicos Lei n / 91 Área de proteção ambiental Lei n / 00 Lei n / 99 Decreto nº / 98 Lins Lupércio Marília Lei complementar n 502 / 99 Lei n 004 / 99 Lei complementar n 13 / 92 Marília Podas Lei n / 94 Mineiros do Tietê Lei n 877 / 96 Monte Mor Meio Lei nº 965/02 Nova Europa Lei n / 98 Nova Granada Lei n 024 / Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

15 Meio P. Paulista Penápoilis Lei n / 99 Lei n / 99 Pirangí Piracicaba Piracicaba Piracicaba Piracicaba Pompéia Ribeirão Preto Ribeirão Preto Ribeirão Preto São Carlos Sumaré Taquaral Vinhedo Lei n / 01 Amianto Lei n / 02 Resíduos / Pilhas e Baterias Lei n 26 / 48 Lei n / 03 Lei n / 96 Lei nº / 92 Podas Lei n / 95 Resíduos Sólidos Lei n / 94 Lixo Reciclável Lei n / 02 Poluição Sonora Lei nº / 99 Urbana Lei n / 96 Lei nº 164 / 02 Amianto Lei n / 02 Outros Requisitos Poluição/Controle Convênio CESP / CPFL / ELETROPAULO / CETESB de 01 /03 / 88 Outros Requisitos Outros Requisitos Outros Requisitos Capivarí Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho NR Instalações e Serviços em Eletricidade NR Líquidos Combustíveis e Inflamáveis Flora TAC MP de Santos firmado em 16/09/2003 Lei n / Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

16 Meio Monte Aprazível Monte Mor Morungaba Lei n / 98 Lei n / 96 Lei n 781 / 97 Olímpia Rafard Reginópolis Rincão Saltinho São J. da Bela Vista Rifaina Praia Grande Duartina Lei n / 96 Lei nº 954 / 96 Lei n / 01 Lei n / 96 Lei nº 137 / 96 Lei n 979 / 00 Lei n / 01 Ruído Lei Complementar n 118 / 95 Lei orgânica S. Simão Monte Alegre do Sul Monte Alegre do Sul Decreto nº 846 / 91 Lei n 792/89 Limpeza pública Lei n 794 / 89 Vegetais Decreto nº / 03 Projetos de estabelecimentos de saúde Águas / Recursos Hídricos Resolução RDC-ANVISA nº189 / 03 Portaria DAEE n / Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

17 Meio Santos Águas / Recursos Hídricos Portaria DAEE nº 322 / 02 Amianto Lei Complementar nº 439/01 Coleta Seletiva Resolução CONAMA n 275/01 Elias Fausto Boituva Lei n / 96 Lei complementar nº / 00 Motosserras Portaria IBAMA n 135-N / 93 Áreas contaminadas / Proteção ao solo Deliberação CONSEMA n 30 / 03 Reflorestamento Resolução SMA nº 8 / 08 Motosserras Portaria Normativa IBAMA n 149/92 Sorocaba Dourado Sertãozinho Lei n 4.812/95 Lei n 735 / 93 Lei Complementar nº 08 / 92 Sertãozinho Sertãozinho Sertãozinho Guaraci Vinhedo Coroados Urbana Urbana Lei nº / 92 Lei nº / 96 Lei Orgânica / 95 Lei nº / 98 Lei nº / 04 Lei nº / 95 Flora Resolução CONFEA n / 05 Motosserras Lei nº / Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

18 Meio Resíduos / Serviço da Saúde Resolução ANVISA n 306/04 Licenciamento ambiental Resolução SMA nº 26 / 05 Ascarel Lei n / 06 Resíduos / Serviço da Saúde Resolução CONAMA nº 358 / 05 Ar / Veículos Resolução CONAMA Nº.7 / 1993 Licenciamento ambiental Deliberação CONSEMA nº33/04 Resíduos / Serviço de Saúde Resolução SMA nº 22/07 Flora Portaria DEPRN nº 18/06 Bebedouro Licenciamento ambiental Resolução SMA nº 54/04 Poluição/controle Lei n 997/76 Lei complementar nº 10 de 2003 Recursos Hídricos Lei n / 91 Recursos hídricos Resolução CNRH n 52 / 05 Águas / Recursos Hídricos Águas / Recursos Hídricos Portaria DAEE 2.175/06 Lei n /05 Corte de árvores Resolução SMA nº18/07 Mirassol Bauru Araraquara Araçatuba Barretos Águas / Recursos Hídricos Urbana Urbana Urbana Urbana Decreto / 06 Decreto nº de 1996 Lei nº 4368 de 1999 Lei complementar nº 14 de 1996 Decreto nº 8897 de 1999 Código de postura Lei nº de Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

19 Meio Agrotóxicos Lei nº 9.974/00 Licenciamento ambiental Resolução SMA 33/ Anexo 2 - Normas e procedimentos inerentes ao SGA - Sistema de Gestão Ambiental da CPFL, que contêm condicionantes ambientais a serem seguidas de acordo com a atividade/serviço. Atividade / serviço Intervenção na arborização e/ou Plantio de mudas sob rede de energia Uso de inseticidas, herbicidas e/ou agrotóxicos e afins Armazenamento e destinação de Sucatas e Resíduos em geral Serviços relacionados à rede de distribuição de energia e Serviços em Usinas Inspeção e Limpeza de fossa Fornecimento de refeição na Sede (restaurante) Serviços de limpeza e manutenção da Sede /Campinas Norma / procedimento de trabalho da CPFL Procedimento de Avaliação de Plantio de Mudas de Urbana e Reflorestamento Procedimento para Utilização e Armazenamento de Agrotóxicos e Afins Procedimento para Gerenciamento Controle e Disposição de resíduos Ação emergencial para limpeza de derramamento de óleo Emergência Ambiental Inspeção e Limpeza de Fossa Séptica Inspeção e limpeza da caixa de gordura do restaurante da Sede/Campinas Limpeza das canaletas dos geradores de emergência e Manutenção do sistema de acionamento dos extintores de CO Manual 1.7 Rodolfo Nardez Sirol 06/11/ de 19

N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 5656 Procedimento 1.1 Tarcisio Borin Júnior 14/03/2007 1 de 11

N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 5656 Procedimento 1.1 Tarcisio Borin Júnior 14/03/2007 1 de 11 1. FINALIDADE: Regulamentar os critérios e padronizar os procedimentos referentes ao trabalho desenvolvido por empresas contratadas pelas empresas do grupo CPFL ou subcontratadas, que possam vir a causar

Leia mais

Rev007 CRITÉRIOS PARA FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS QUE POSSAM IMPACTAR NO MEIO AMBIENTE

Rev007 CRITÉRIOS PARA FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS QUE POSSAM IMPACTAR NO MEIO AMBIENTE CRITÉRIOS PARA FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS QUE POSSAM IMPACTAR NO MEIO AMBIENTE Revisão: Data 007 04.09.2013 Elaborador: Chaiane Ruaro da Silva Item Material / Serviço Areia extraída no Município

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12 1. FORNECIMENTOS Fornecimentos 1.1 - Ácido Clorídrico Comercial Licença da Polícia Federal 1.2 - Hidróxido de Sódio Licença da Polícia Federal 1.3 Produtos químicos em geral 1.4 - Gases Industriais 1.5

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira Aplicada ao Transporte

Legislação Ambiental Brasileira Aplicada ao Transporte Legislação Ambiental Brasileira Aplicada ao Transporte III ENCONTRO ANUAL DA EQUIPE TÉCNICA DO DESPOLUIR Eduardo Vieira Gerente de Projetos da CNT Rio de Janeiro, novembro de 2010. CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2. 2-No Item 4.: Foi

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR Política Nacional de Resíduos Sólidos BASE LEGAL : Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 Princípio

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015.

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015. PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015 MEIO AMBIENTE Fevereiro/2015 ESTRUTURA DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE Diretoria de Engenharia e Construção

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5415 / 2011-DL Processo n.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

Cartilha de Meio Ambiente

Cartilha de Meio Ambiente Cartilha de Meio Ambiente O objetivo desta cartilha é apresentar os principais procedimentos adotados pela AES Sul para eliminar ou minimizar os impactos ambientais gerados em suas atividades operacionais

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º Processo n.º 1944 / 2013-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 2329 / 2014-DL Identificador de Documento 623205 Folha 1/4 LO N.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS

DIRETORIA DE GESTÃO DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS ANEXO III DO TERMO DE REFERENCIA ASPECTOS DE MEIO AMBIENTE 1 OBJETO 1.1 Este anexo discrimina o objeto de contratação de serviços sob os aspectos da legislação ambiental vigente, obrigações e deveres,

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5103 / 2014-DL Identificador de Documento 647141 Folha 1/4 LO N.º 5103 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

Obrigações Legais Ambientais

Obrigações Legais Ambientais Obrigações Legais Ambientais 2015 PROGRAME-SE PARA CUMPRIR AS OBRIGAÇÕES DE NATUREZA AMBIENTAL EM 2015 Alguns dos principais prazos para cadastros, registros, pagamentos de taxas e outras obrigações de

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins PROTEGER Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP Karin Regina de Casas Castro Marins OBJETIVO Implantar um SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) no transporte público

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Treinamento Distribuidores

Treinamento Distribuidores Realização Coordenação Saneantes Domissanitários Entidades Especializadas Treinamento Distribuidores Operação O Programa Cidade Sustentável livre de embalagens vazias é realizado pela ABAS, coordenado

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização LO N : 0001/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

Riscos e Impactos. 2 - ESCOPO Este procedimento se aplica a todas as áreas de atuação da SMART EXPRESS, inclusive quando em serviços externos.

Riscos e Impactos. 2 - ESCOPO Este procedimento se aplica a todas as áreas de atuação da SMART EXPRESS, inclusive quando em serviços externos. 1 - OBJETIVO Este procedimento tem por finalidade definir a metodologia e os critérios utilizados para identificação e avaliação dos riscos ocupacionais e impactos ambientais na SMART EXPRESS. 2 - ESCOPO

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final

Leia mais

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO!

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! É crescente a preocupação brasileira com as questões ambientais, principalmente quando constatamos que os níveis de poluição e de produção de

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO Agosto/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa Brigada de Emergência O que é a Brigada de Emergência? A

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Lanns Alves de Almeida Filho Secretário de Agricultura e Meio Ambiente

LICENÇA AMBIENTAL. Lanns Alves de Almeida Filho Secretário de Agricultura e Meio Ambiente LICENÇA AMBIENTAL Licença Ambiental Simplificada nº 26/2015 Processo nº. 9481/2015 O Secretário de Agricultura e Meio Ambiente no exercício de sua competência definida pelo Decreto Municipal nº 10.076

Leia mais

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO APRESENTAÇÃO O presente guia visa fornecer aos colaboradores, parceiros e fornecedores da Elektro, informações e instruções básicas sobre os procedimentos para o descarte dos

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais Agosto/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem estar e o desenvolviment

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE RAZÃO SOCIAL: HOSPITAL DE CLINICAS DE NITEROI LTDA UNIDADE: HOSPITAL ENDEREÇO: RUA LA SALLE, 12 BAIRRO: CENTRO MUNICÍPIO: NITEROI PROCESSO: E-07/204.019/05 1. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT.

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. AGROTÓXICOS DEFINIÇÃO: Agrotóxicos são produtos químicos utilizados para combater

Leia mais

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas.

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas. MANUAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gerência de Desenvolvimento Sustentável Núcleo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (NSSMA/SGI) Apresentação Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental Ivo Neves Gerente de Consultoria For the benefit of business and people UNICAMP, Outubro 2005 1 Módulo I MÓDULO I VISÃO GERAL DE TEMAS AMBIENTAIS 2 1 Módulo I Conceitos

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA. Unidade Florestal PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade 1. Finalidade Disciplinar os procedimentos administrativos e operacionais para o correto gerenciamento de resíduos gerados em operações portuárias, manutenção de máquinas e equipamentos e atendimento a

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

ANEXO IV NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

ANEXO IV NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ANEXO IV NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA A) OBJETIVO Diretrizes ambientais a serem seguidas durante os trabalhos de manutenção de redes de transmissão de

Leia mais

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços Para execução dos serviços o contratado deve enviar a documentação abaixo conforme a atividade que será desenvolvida. Para outras atividades que não constam na lista, o contratado deve enviar os documentos

Leia mais

Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Gestão Ambiental A área de Sistema de Gestão Ambiental da Usinas Itamarati tem iniciativas voltadas para preservar e desenvolver a natureza do entorno onde a empresa está inserida. A Usinas Itamarati assume

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Acondicionamento de s - Classe do - perigoso; 2- não-inerte; 3-inerte Instrução de manuseio / acondicionamento - Recipiente Cor da Embalage m Coleta na Intermediária Final Intermediária Recipiente Área

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o licenciamento ambiental das atividades de transporte rodoviário de produtos perigosos (exceto os das classes 1 e 7 da Resolução ANTT 42) que circulam apenas no

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE. KPA KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Treinamento teórico e prático COA - Comunicado de Ocorrência Ambiental

PENSE NO MEIO AMBIENTE. KPA KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Treinamento teórico e prático COA - Comunicado de Ocorrência Ambiental PENSE NO MEIO AMBIENTE KPA KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Treinamento teórico e prático COA - Comunicado de Ocorrência Ambiental Fevereiro/2014 KPA QUANDO UTILIZAR O KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL? I. Derramamento

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: SAÚDE 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função: 2.Informações

Leia mais

Nos dias atuais podemos seguramente afirmar que a RB Alimentos criou sua imagem pura e simples dentro do seguinte contexto:

Nos dias atuais podemos seguramente afirmar que a RB Alimentos criou sua imagem pura e simples dentro do seguinte contexto: Desde sua fundação, aliada aos princípios e entendimentos ecológicos de seus proprietários, fruto do envolvimento com agricultura e agropecuária e no cumprimento das Leis Ambientais, a RB Alimentos tem

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: IBAMA Data: 8 de agosto de 2002 Versão Limpa 2 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 06/12/05 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS 1 JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGIRS. 2 OBJETIVO O objetivo do PGIRS

Leia mais

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES]

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO CENTRO-LESTE COORDENAÇÃO REGIONAL DE MEIO AMBIENTE [REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] DATA DE EMISSÃO: MARÇO/2011 ELABORADOR(ES):

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE.

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. Adriana Sampaio Lima (1) Bióloga pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Curitiba, em 03 de dezembro de 2002, 181º da Independência e 114º da República. REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO nº 6674/2002

Curitiba, em 03 de dezembro de 2002, 181º da Independência e 114º da República. REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO nº 6674/2002 DECRETO Nº 6674-03/12/2002 Publicado no Diário Oficial Nº 6371 de 04/12/2002 Aprova o Regulamento da Lei n0 12.493, de 1999, que dispõe sobre princípios, procedimentos, normas e critérios referentes à

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - PGRSI

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - PGRSI Departamento de Administração de Materiais TCM Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS TCM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

Leia mais

na Construção Civil Leis Gerais

na Construção Civil Leis Gerais Consultas para legislação, normas técnicas, tecnologias e informações socioambientais de sustentabilidade na Construção Civil Áreas de fragilidade ambiental uso e ocupação do solo Acessibilidade Água e

Leia mais

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais.

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. O F I C I N A D E ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. Walter Françolin DMA FIESP Agosto 2010 ou outra destinação final ambientalmente adequada; Art. 3º - XII

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

Adequação Ambiental na Indústria Naval. Estaleiro Mauá. Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz

Adequação Ambiental na Indústria Naval. Estaleiro Mauá. Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz Adequação Ambiental na Indústria Naval Estaleiro Mauá Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz Objetivos Descrever o ambiente para o surgimento e permanência da gestão ambiental no Estaleiro Mauá Apresentar

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais