CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS RELATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS RELATÓRIO"

Transcrição

1 CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS RELATÓRIO Em 2011, o Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores do Município de Vila Real (CCDTMVR), comemorou 30 anos de existência, e reforçou a sua actividade e importância na promoção sociocultural e desportiva dos seus associados, funcionários da Câmara Municipal de Vila Real e suas Empresas Municipais. O Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores do Município de Vila Real (CCD) foi fundado no dia 21 de Julho de 1981, com o único objectivo de estar ao serviço dos funcionários do Município e respectivos familiares, assim como do Município de Vila Real e respectiva comunidade local, de acordo com os respectivos Estatutos. Esta é uma entidade já com três décadas de vida, mas que diariamente se projecta no futuro, sabendo acompanhar as actuais dinâmicas da comunidade local onde se insere, e tornando-se, cada vez mais, ambicioso nas diversas actividades que promove e é uma referência para as associações congéneres. Reforçámos, ao longo do ano que terminou, os nossos espaços já existentes, melhorias na Sede e no edifício Parque Rio Café/Bar e promovemos novas actividades, serviços, tendo em vista as necessidades sociais, a modernização dos diversos sectores e a diversidade de tantos quantos nos procuram. Quanto às instalações, tem sempre havido um objectivo determinante que diz respeito à qualidade das mesmas. Para que esta qualidade tenha sido possível, foi também nosso objectivo a necessária manutenção permanente e uma periódica renovação, concluída com êxito e modernização no presente ano, estando para breve a sua inauguração. Impõe-se reconhecer que conseguimos manter os apoios sociais e de saúde aos associados e atingir resultados significativos nas diversas áreas em que desenvolvemos a nossa acção. CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 1

2 A 2011 aplica-se a ideia de que foi um ano duro e difícil, mas fomos capazes com a acção de muitos desenvolver projectos, solucionar problemas e conseguir resultados positivos. Atento às dificuldades por que a sociedade tem vindo a passar, e porque jamais poderemos alhear-nos da realidade municipal, o CCD organizou alguns eventos e cooperou com instituições também sociais, no sentido da promoção de um mundo melhor, mais justo e mais saudável. Os resultados obtidos só foram possíveis com uma gestão de rigor, com o trabalho de colaboradores competentes e dedicados e com a participação voluntária de muitos associados. CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 2

3 DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO Como é do conhecimento de todos, foi publicado o Decreto-Lei n.º 13/2011 que, finalmente, regula a transferência de verbas a efectuar pelas autarquias locais, no exercício das competências previstas nas alíneas o) e p) do n.º 1 do artigo 64º da Lei n.º 169/99, alterada pelas Leis n.ºs 5-A/2002 e 67/2007, para as instituições (CCD s e Serviços Sociais) do Pessoal das diversas Câmaras Municipais. Uma batalha está ganha, agora é tempo de arrumarmos a casa e começarmos a pensar levar a cabo a decisão tomada no passado 5 de Novembro de 2010, em Lisboa, com vista à constituição de uma Associação que represente todos os CCD S, Casas de pessoal, Serviços Sociais e afins que terá como objectivos informar, promover, desenvolver e criar condições para o desenvolvimento e manutenção das instituições associadas. Nesse sentido, enviamos a Câmara Municipal o respectivo diploma, de forma a proceder a legalização das transferências, bem como a clarificação deste processo que acarretou prejuízos financeiros para o nosso CCD e impasse quando ao futuro das instituições (CCD s e Serviços Sociais) do Pessoal das diversas Câmaras Municipais. APOIOS SOCIAIS E DE SAÚDE - MANUTENÇÃO DAS ACTUAIS CONDIÇÕES. Ao nível das prestações sociais, conseguimos, ao longo do ano de 2011, tal como era nosso grande objectivo, manter o pagamento de subsídios e comparticipações num curto prazo relativamente à data de entrega dos documentos, bem assim como das listas enviadas pelos serviços da CMVR. Comparticipações Sociais (Saúde ,14 ) (Educação 4.827,68 ) CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 3

4 Em colaboração com a AMI (Assistência Médica Internacional), na recolha de fundos no Peditório Nacional, transformado os donativos para ajudar a AMI na luta contra a exclusão social em Portugal. O mês de Dezembro trouxe as já tradicionais festas natalícias que, em 2011, mais uma vez ficaram marcadas por maior brilho, mais laços e muitos, muitos sorrisos, uma vez que dada a actual situação financeira que nos atormenta foi possível graças ao empenhamento da direcção e dos associados presentes. A Ceia de Natal CCD contou com a presença de vários associados e este encontro é já uma referência enquanto momento de partilha e de convívio entre tantos quantos têm o CCD e a CMVR como elo de ligação. A missa de natal, realizou-se mais uma vez na Sé de Vila Real, proferida por Sua Excelência Reverendíssima D. Amândio Tomás, Bispo da Diocese de Vila Real e com a actuação brilhante do nosso já famoso Coro. CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 4

5 Na tradicional Festa de Natal, muitas centenas de crianças encheram o edifício Paços do Concelho, numa tarde de distribuição de presentes, muita alegria e entusiasmo e animação a cargo das Catitas que divertiram as nossas crianças com jogos e muitas pinturas. Em parceria com a Associação Comercial e Industrial de Vila Real, realizamos o tradicional presépio na Capela Nova, demonstrando assim abertura ao exterior do CCD, bem como estando ao lado dos comerciantes e do comércio tradicional nesta época de crise, dinamizando e dando cor a esta zona histórica de Vila Real. AUMENTO DO NÚMERO DE PROTOCOLOS COM CASAS AMIGAS DO CCD, NOMEADAMENTE: Celebração de protocolo com o Grupo Trofa Saúde, que se assume hoje como um projecto global de saúde, integrando um vasto portfólio de serviços médicos e enfermagem, actividades de saúde, prevenção e tratamento da doença, assim como profissionais, tudo enquadrado segundo CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 5

6 critérios de complementaridade, qualidade e cooperação técnica em obediência aos movimentos de procura e de necessidades expressas pelo mercado onde está solidamente posicionado. O Grupo Trofa Saúde é constituído por quatro unidades hospitalares Hospital Privado da Trofa, Hospital Privado da Boa Nova, Hospital Privado de Braga e Hospital Privado de Alfena, um Hospital de Dia em Famalicão e um Hospital de Dia na Maia, um instituto de imagiologia - Instituto de Radiologia Dr. Pinto Leite. Emparque - Renovação das condições de utilização do parque de estacionamento. Banco Barclays. Clínica Dentária Dr. João Oliveira. Renovação com o Clube Pinhal Foz Clube. Óptica HAKY. Smile Up. Clinica Dentária Vilarealense. Clinica Terapêutica e Psicológica Vivenciando. Renovação do protocolo com a TMN/Marietel. Ergovisão Óptica. CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 6

7 DESPORTO, CULTURA E LAZER ACTIVIDADES DESPORTIVAS E OUTRAS Confirmando a excelente relação entre as associações de trabalhadores das duas autarquias, o dia 7 de Maio ficou marcado com um convívio entre o CCD e o Fundo Social dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Braga. Nesta troca de impressões, conversas, experiências e muita animação, houve espaço à confraternização desportiva, através de um jogo de futebol. O duelo entre Vila Real e Braga realizou-se pela manhã, no Complexo Desportivo do Monte da Forca e seguido de um almoço no Hotel Mira-corgo e de muitas histórias para contar ao longo da tarde com um passeio pelo Parque Corgo. No âmbito da boa relação de proximidade e de amizade de duas instituições amigas e vizinhas, realizou-se ainda um convívio com Vila Pouca de Aguiar, no dia 30 de Junho, no Complexo Desportivo do Monte da Forca, um jogo de futebol 11, seguindo-se um jantar no Restaurante Traineira. CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 7

8 De salientar, que o CCD suportou somente os custos do jantar dos nossos jogadores ficando a cargo de Vila Pouca de Aguiar as suas despesas, de acordo entre as duas instituições, numa lógica de poupança financeira e de redução de custos. Em colaboração com a CMVR, participação e limite de inscrições nas Férias da Pascoa e de Verão. Participação no torneio inter-instituições de futebol de 5, realizado pela CMVR. Participação no Torneio de Futsal Intermunicípios do Distrito de Vila Real, cuja organização pertenceu ao Município de Santa Marta de Penaguião, que se realizou no dia 19 de Novembro, com a participação dos Municípios de Santa Marta de Penaguião, Régua, Mesão Frio, Murça, Montalegre, Boticas e Vila Pouca de Aguiar. De realçar o brilhante segundo lugar da nossa equipa. Campeonato CCD KARTS. Criação de uma equipa de Voleibol Feminino CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 8

9 Participação na EDP 6ª Meia Maratona Douro Vinhateiro que decorreu na Região Demarcada mais Antiga do Mundo, o Alto Douro Vinhateiro Património Mundial da Humanidade. Com um percurso totalmente plano, acessível a todos, que liga o Pinhão e o Peso da Régua, numa das mais belas estradas do Mundo, sempre junto ao deslumbrante Rio Douro, este é um evento desportivo único. Os 21 quilómetros da EDP 6ª Meia Maratona correu-se no dia 22 de Maio e esta grande festa desportiva ficou completa com a realização, em simultâneo, da 6ª edição da Mini Maratona (percurso máximo limitado a 6 quilómetros). Jogos de Mesa (Sueca e Chincalhão) Torneio de Matraquilhos Torneio de Bilhar Torneio de Ténis de Mesa Torneio do Fito A convite do Clube Vilarealense de Pesca Desportiva, participação no Trofeu Manuel de Andrade no dia 5 de Outubro, na Pista de Cavez em Celorico de Basto. CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 9

10 PASSEIOS TURÍSTICOS E CULTURAIS Aproveitando o período de floração da amendoeira, que marca a beleza da paisagem já por si deslumbrante, o cenário de festa não podia ser melhor. Nesse sentido, o CCD organizou uma viagem no dia 12 de Março, com os seguintes destinos Vila Real // Régua // Pocinho // Foz Côa // Torre Moncorvo // Vila Flor // Vila Real. Viagem a Fátima e degustação do famoso leitão da Bairrada, realizada no dia 14 de Maio. Viagem Salamanca, Zamora e Miranda do Douro, realizada nos dias 3 e 4 de Setembro. PARQUE RIO CAFÉ BAR Realização das III Festividades do S. João, no Parque Rio Café/Bar. Realização do III Magusto de São Martinho, no Parque Rio Café Bar. CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 10

11 Celebração 30 Anos CCD. O Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores do Município de Vila Real (CCD) celebrou, durante o mês de Julho, em ambiente de festa e salutar confraternização, 30 anos de existência, com várias actividades desportivas, sociais e culturais. De salientar o já tradicional convívio anual para associados, familiares e funcionários do Município de Vila Real, que foi antecipado para o dia 23 de Julho, junto ao Parque Rio Café/Bar, no Parque Corgo, e durante o qual os associados foram presenteados com apetitosos churrasco de vitela e porco no espeto, para além de outros comeres, jogos populares e muita animação. A festa terminou com uma pequena demonstração de fogo-de-artifício. Neste convívio quiseram estar presentes, como forma de transmitirem uma mensagem pessoal de confiança e de amizade para com o CCD, o Vice-Presidente da Câmara Municipal, Eng. Domingos Madeira Pinto, o Vereador e Presidente do Conselho de Administração da EMAR, Eng. Miguel Esteves, a Vereadora Profª Eugénia Almeida, o Chefe do Gabinete de Apoio Técnico às Freguesias, Sr. Saavedra da Costa, e o Director do Departamento de Gestão e Conservação Urbana, Eng. Domingos Ribeiro. Animação nocturna com Karaoke. CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 11

12 Festas de aniversários de filhos de associados. Convívios de associados na celebração de momentos especiais. Aluguer de espaço para celebração de festas de aniversários a pessoas externas ao CCD. Colocação de sistema de videovigilância, de forma a garantir a segurança de pessoas e bens com parecer favorável da CNPD e após se verificarem dois assaltos. Melhorias no edifício de forma a garantir menos infiltrações de água e menos humidade, poupando assim custos ao nível de ar condicionado e electricidade. Assim, verificámos que mais do que cumpridas, as nossas propostas foram superadas. O CCD contínua em movimento, num caminho que se quer cada vez mais consolidado com base em projectos alicerçados e de relevância quer para os nossos associados, quer para os munícipes. CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 12

13 Em cumprimento do preceito legal e estatutário de prestação de informação, apresenta-se o Relatório de Actividades e Contas relativo ao ano económico de Tendo em conta a revogação do POC pelo Sistema de Normalização Contabilístico SNC, o CCD será abrangido pelo nº 2 do art. 3º do DL nº158/2009 de 13 de Julho, que estabelece que as entidades sem fins lucrativos são abrangidas pelo SNC, até ao momento que sejam publicadas normas específicas para este tipo de entidades. Proposta: Nos termos do relatado, a Direcção do CCDTCMVR propõe à Assembleia-Geral o seguinte: A aprovação do Relatório e Contas do exercício de 2011 e que o resultado seja transferido para resultados transitados. II ANEXOS Mapas de Prestação de Contas: Mapa Execução Receita/Despesa Mapa Balanço Mapa Demonstração de Resultados Mapa Reconciliação Bancária Mapa Depreciações e Amortizações Mapa Amortização Empréstimo Aquisição de Imóvel Vila Real, 20 de Março de CCDTMVR 2011 RELATÓRIO E CONTAS 13

14 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF PROVEITOS E GANHOS (RENDIMENTOS) Ano 2011 CONTAS SNC DESIGNAÇÃO VALOR 72 PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS , PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS MERC NACIONAL , BAR DA CAMARA , BAR DO RIO , PREST. SERV. SUECA 335, QUOTIZAÇÕES , DE PESSOAS SINGULARES , DE PESSOAS COLECTIVAS , MUNICIPIO DE V.REAL EMAR , NATAL E PRESÉPIO 3.875, VIAGENS DIVERSAS FÉRIAS DESPORTIVAS SUBSIDIOS E COMPARTICIPAÇÕES DE ENTIDADES OFICIAIS CULTURA DESPORTO GERAL VIGILÂNCIA BAR RIO ACTIVIDADES DESPORTIVAS SEGUROS SÓCIOS 3.811, PARQUE ESTACIONAMENTO , OUTRAS RECEITAS 1.825,00 FESTAS CCD 115,00 MARIETEL OUTROS RENDIMENTOS E GANHOS 7.041, GANHOS EM INVENTARIOS 648, OUTROS GANHOS 648, RAPEL 648, REND. E GANHOS EM INV. NÃO FINANCEIROS 3.680,73

15 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF PROVEITOS E GANHOS (RENDIMENTOS) Ano 2011 CONTAS SNC DESIGNAÇÃO VALOR 7872 SINISTROS 3.680, OUTROS 2.713, DONATIVOS OUTROS N/ESPECIFICADOS 2.053, OFERTAS DE MATÉRIAS PRIMAS ( BARES) 2.053,08 TOTAL RECEITAS ,66

16 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF CUSTOS E PERDAS (GASTOS) Ano 2011 CONTAS SNC DESIGNAÇÃO VALOR Férias Desportivas Natal e Presepio Festas CCD Viagens Diversas Actividades Desportivas 61 CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS E MAT. CONSUMIDAS ,79 263, ,37 31, MATÉRIAS PRIMAS E CONSUMIDAS ,79 263, ,37 31,68 BAR DA CAMARA ,61 BAR DO RIO ,81 62 FORNECIMENTOS E SERVIÇOS EXTERNOS , , , , TRABALHOS ESPECIALIZADOS 2.387, PUBLICIDADE E PROPAGANDA 959, VIGILANCIA E SEGURANÇA 3, CONSERVAÇÃO E REPARAÇÃO 1.520, SERVIÇOS BANCÁRIOS 860, FERRAMENTAS E UTENS DESGASTE RÁPIDO 3.497,60 180,59 385,20 121, MATERIAL DE ESCRITÓRIO 3.371,66 6, ARTIGOS PARA OFERTA 5.201, , ELECTRICIDADE 4.224, COMBUSTIVEIS 79,67 79, ÁGUA 234,46 20, DESLOCAÇÕES E ESTADAS , ,80 688, , RENDAS E ALUGUERES 138,75 138,75

17 CUSTOS E PERDAS (GASTOS) CCD Município de Vila Real Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF Ano 2011 CONTAS SNC DESIGNAÇÃO VALOR Férias Desportivas Natal e Presepio Festas CCD Viagens Diversas Actividades Desportivas 6262 COMUNICAÇÃO 2.231, SEGUROS 4.230,23 SEGUROS OUTROS 418,28 SEGUROS SOCIOS 3.811, DESPESAS DE REPRESENTAÇÃO 6267 LIMPEZA HIGIENE E CONFORTO 825,33 17, BENEFICIOS SOCIAIS , FREQUÊNCIA DE INFANTARIOS E ANÁLOGOS 4.827, PARQUE ESTACIONAMENTO , COMPARTICIPAÇÕES , COMPARTICIPAÇÕES DE SAUDE , OUTROS SERVIÇOS 2.768, ,00 63 GASTOS COM O PESSOAL , REMUNERAÇÕES DO PESSOAL , ENCARGOS SOBRE REMUNERAÇÕES 3.066, SEGUROS ACIDENTES TRABALHO 722, OUTROS GASTOS COM O PESSOAL 8.826, OUTROS 8.826,28 6

18 CUSTOS E PERDAS (GASTOS) CCD Município de Vila Real Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF Ano 2011 CONTAS SNC DESIGNAÇÃO VALOR Férias Desportivas Natal e Presepio Festas CCD Viagens Diversas Actividades Desportivas 64 GASTOS DE DEPRECIAÇÃO E DE AMORTIZAÇÃO 2.380, ACTIVOS FIXOS TANGIVEIS 2.380, EDIFICIOS E OUTRAS CONSTRUÇÕES 915, EQUIPAMENTO BÁSICO 513, EQUIPAMENTO ADMINISTRATIVO 951,60 68 OUTROS GASTOS E PERDAS 1.311, IMPOSTOS 709, IMPOSTO MUNICIPAL IMÓVEIS 708, IMPOSTO DE SELO 0, OUTROS 602, CORRECCOES RELATIVAS A PERIODOS ANTERIORES 552, QUOTIZAÇÕES 5 69 GASTOS E PERDAS DE FINANCIAMENTOS 1.441, JUROS DE FINANCIAMENTOS OBTIDOS 1.440, JUROS DE MORA 0,22 TOTAL DESPESAS , , , ,28

19 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF RESUMO Ano de 2011 CUSTOS E PERDAS PROVEITOS E GANHOS Contas SNC Designação Valor Contas SNC Designação Valor 61 CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS E MAT. CONSUMIDAS ,79 71 VENDAS 62 FORNECIMENTOS E SERVIÇOS EXTERNOS ,20 72 PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS ,77 63 GASTOS COM PESSOAL ,48 73 VARIAÇÕES NOS INVENTÁRIOS DA PRODUÇÃO 64 GASTOS DE DEPRECIAÇÃO E DE AMORTIZAÇÃO 2.380,37 74 TRABALHOS PARA A PRÓPRIA ENTIDADE 68 OUTROS GASTOS E PERDAS 1.311,13 75 SUBSÍDIOS À EXPLORAÇÃO 69 GASTOS E PERDAS DE FINANCIAMENTOS 1.441,03 76 REVERSÕES 77 GANHOS POR AUMENTOS DE JUSTO VALOR 78 OUTROS RENDIMENTOS E GANHOS 7.041,89 79 JUROS,DIVIDENDOS E OUTR. REND.SIMILARES Sub-Total ,00 Sub-Total ,66 81 RESULTADO LIQUIDO DO PERÍODO 5.534,66 Total ,66 Total ,66

20 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF ANEXO II RECONCILIAÇÃO BANCÁRIA DATA Banco: Caixa Geral de Depósitos Nº Conta: SALDO DO EXTRACTO BANCÁRIO ,93 MOVIMENTOS A ABATER 1. Fornecedores (a) 7.431,30 2. Listagem de despesas de saúde 4.779,51 3. Listagem de despesas de educação 521,17 4. Remunerações (Ferias e Sub ferias) 2.836,22 5.Despesas de Natal 2.586,80 6. Outros acréscimos de rendimentos 264,29 7. Outras despesas 365, ,93 MOVIMENTOS A SOMAR 1. Quotizações 7.897, De pessoas singulares 3.655, De pessoas colectivas 4.241,04 2. Bar Câmara 432,95 3. Parque 1.279,65 4. Seguros Sócios 273,29 5. Fornecedores 693, ,19 Saldo Contabilístico ,92 (a) Listagem de fornecedores em anexo

21 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF RECONCILIAÇÃO DA CONTA Nº em 31/12/2011 Instituição de Crédito: Caixa Geral de Depósitos Data do saque Nº dos Cheques Entidade Data do Debito ou Crédito Débito Crédito 1. SALDO da conta acusada por extrato em: 2. DÉBITO Café Pastelaria Nova Pompeia, Lda 307, Manuel dos Santos Gomes Suc. 117,60 Transf. Bancária Real Cópia 7, Cedis 535, Artigos R.Pesca-Jose Ramos 36, Arcofil 1.038,00 M.Cunha S.A. 693,27 Transf. Bancária Victoria Seguros 273, Borges Mar-Fernando Gaspar 127, Realdrink Lda 158,67 Transf. Bancária A.J.Aguiar 4.831, ,30 693,27

22 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF ANEXO IV RECONCILIAÇÃO BANCÁRIA DATA Banco: MONTEPIO Nº Conta: SALDO DO EXTRACTO BANCÁRIO MOVIMENTOS A ABATER 1. Cheques em Trânsito (a) Saldo Contabilistico

23 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF ANEXO V RECONCILIAÇÃO BANCÁRIA DATA Banco: BANCO ESPIRITO SANTO Nº Conta: SALDO DO EXTRACTO BANCÁRIO 2.115,57 MOVIMENTOS A ABATER 1. Cheques em Trânsito (a) 2. Listagem de despesas de saúde 2.115,57

24 Empréstimo a Médio e Longo Prazo CCD Município de Vila Real Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF Instituição de Crédito Finalidade Contratado Capital Utilizado Prestação Amortização Juros Encargos Outros Total Capital em Divida Banco Espirito Santo Aquis. Da Sede do CCD N.º Vencimento Saldo Anterior , ,01, ,93 117,19 76, , , ,02, ,95 114,84 75, , , ,03, ,23 107,02 67, , , ,04, ,35 122,55 73, , , ,05, ,83 124,04 69, , , ,06, ,34 129,48 70, , , ,07, ,77 120,16 73, , , ,08, ,20 130,32 69, , , ,09, ,23 124,07 68, , , ,10, ,42 117,85 64, , , ,11, ,64 121,63 65, , , ,12, ,66 111,66 62, , ,69 A Transportar , ,81 837, , ,69

25 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF BALANÇO INDIVIDUAL RUBRICAS NOTAS Montantes expressos em EURO PERÍODOS ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis , ,43 Propriedades de investimento...,00,00 Goodwill...,00,00 Activos intangíveis.,00,00 Activos biológicos..,00,00 Participações financeiras - método da equivalência patrimonial.,00,00 Participações financeiras - outros métodos,00,00 Accionistas/sócios.,00,00 Outros activos financeiros,00,00 Activos por impostos diferidos.,00, , ,43 Activo corrente: Inventários 5.807, ,63 Activos biológicos..,00,00 Clientes.,00,00 Adiantamentos a fornecedores,00 Estado e outros entes públicos.,00,00 Accionistas/sócios.,00,00 Outras contas a receber , ,63 Diferimentos , ,91 Activos financeiros detidos para negociação,00,00 Outros activos financeiros,00,00 Activos não correntes detidos para venda.,00,00 Caixa e depósitos bancários , , , ,27 Total do Activo , ,70 Página 1 de 2

26 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF BALANÇO INDIVIDUAL RUBRICAS NOTAS Montantes expressos em Euro PERÍODOS CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Capital próprio: Capital realizado , ,68 Acções (quotas) próprias.,00,00 Outros instrumentos de capital próprio,00,00 Prémios de emissão,00,00 Reservas legais..,00,00 Outras reservas..,00,00 Resultados transitados , ,76 Ajustamentos em activos financeiros..,00,00 Excedentes de revalorização,00,00 Outras variações no capital próprio.,00, , ,44 Resultado líquido do período , , , ,24 Interesses minoritários.. Total do capital próprio , ,24 Passivo Passivo não corrente: Provisões.,00,00 Financiamentos obtidos , ,24 Responsabilidades por benefícios pós-emprego...,00,00 Passivos por impostos diferidos...,00,00 Outras contas a pagar...,00, , ,24 Passivo corrente: Fornecedores , ,51 Adiantamentos de clientes.,00,00 Estado e outros entes públicos. 365,20 352,95 Accionistas/sócios....,00,00 Financiamentos obtidos..,00,00 Outras contas a pagar , ,76 Diferimentos ,72 799,00 Passivos financeiros detidos para negociação..,00 Outros passivos financeiros.,00,00 Passivos não correntes detidos para venda , ,22 Total do passivo , ,46 Total do Capital Próprio e do Passivo , ,70 Página 2 de 2

27 Rua Camilo Castelo Branco, n.º3, Vila Real NIF DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS MODELO REDUZIDO RUBRICAS NOTAS Montantes expressos em EURO PERÍODOS RENDIMENTOS E GASTOS Vendas e serviços prestados , ,00 Subsídios à exploração...,00,00 Variação nos inventários da produção...,00,00 Trabalhos para a própria entidade...,00,00 Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas... (36.813,79) (38.061,35) Fornecimentos e serviços externos... ( ,20) ( ,86) Gastos com o pessoal... (29.032,48) (31.115,07) Imparidade de inventários (perdas/reversões)...,00,00 Imparidade de dívidas a receber (perdas/reversões)...,00,00 Provisões (aumentos/reduções)...,00,00 Outras imparidades (perdas/reversões)...,00,00 Aumentos/reduções de justo valor...,00,00 Outros rendimentos e ganhos , ,28 Outros gastos e perdas... (1.311,13) (3.285,52) Resultados antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos 9.356, ,48 Gastos/reversões de depreciação e de amortização... (2.380,37) (2.380,07) Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) 6.975, ,41 Juros e rendimentos similares obtidos...,00,00 Juros e gastos similares suportados... (1.441,03) (1.381,61) Resultado antes de impostos 5.534, ,80 Imposto sobre o rendimento do período...,00,00 Resultado líquido do período 5.534, ,80

28 (a) CENTRO CULTURAL E DESPORTIVO DOS TRABALHADORES DO MUNICIPIO DE VILA REAL DEMONSTRAÇÃO DO CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS E DAS MATÉRIAS CONSUMIDAS EXERCÍCIO DE 2011 MOVIMENTOS MERCADORIAS MATÉRIAS PRIMAS SUBSIDIÁRIAS E DE CONSUMO Existências iniciais , Compras , , Autoconsumos , Regularização de existências , , Existências finais , , Custo no exercício , , DEMONSTRAÇÃO DA VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO EXERCÍCIO DE 2011 MOVIMENTOS PRODUTOS SUBPRODUTOS PRODUTOS ACABADOS DESPERDÍCIOS E TRABALHOS E INTERMÉDIOS RESÍDUOS E REFUGOS EM CURSO Existências finais ,,, Regularização de existências ,,, Existências finais ,,, Aumento / redução no exercício ,,,

29 TRABALHO VOLUNTÁRIO PRESTADO NO EXERCÍCIO DE 2010 FUNÇÕES DESEMPENHADAS NÚMERO DE PESSOAS TOTAL DE HORAS VALOR , , , 00,,,,,,,,,,,, TOTAL ,

30 CENTRO CULT.DESP.TRAB.MUN.VILA REAL Nº IDENTIFICAÇÃO FISCAL PERIODO DE TRIBUTAÇÃO 2011 MAPA DE DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES NATUREZA DOS ACTIVOS: MÉTODO UTILIZADO: ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS QUOTAS CONSTANTES X ACTIVOS INTANGÍVEIS QUOTAS DECRESCENTES PROPRIEDADES INVESTIMENTO OUTRO X MODELO IRC 32 Código acordo c/tab. anexa DR 25/ 2009 Descrição dos elementos do activo Data Inicio Utilização Mês Ano Valor contabilistico registado Activos Valor aquisição ou produção para efeitos fiscais (1) (2) (3) (4) (5) (6) 4311 TERRENOS RECURS.NATURAIS Anos Util. espe rada Depreciações / Amortizações e perdas imparidade contabilizadas no periodo Depreciações e amortizações aceites em periodos anteriores Taxa (%) Gastos Fiscais Taxa Co rrigida (%) (7) (8) (9) (10) (11) Depreciações e amortizações Limite fiscal do periodo Perdas Imparidade aceites no periodo (art.38ºcirc) Taxas perd idas acumu ladas Depreciações / Amortizações e perdas imparidade não aceites como gastos Depreciações / Amortizações e perdas imparidade recuperadas no periodo (12)=[10*6] ou [6-9]*11 (13) (14) (15)=[8-[12+13] (16) 2014 TERRENO SEDE-RUA CAM.CAST.BRANCO Nº TERRENO LUGAR DAS BOTELHAS ,56 598, EDIFICIOS OUT.CONSTRUCOES Totais da Conta , , EDIFICIO SEDE-RUA CAM. CAST. BRANCO N , ,00 2, EQUIPAMENTO BASICO Totais da Conta , , GRELHADOR MAXI MISTO ,46 623,46 44,52 222,58 14,28 89, TORRADEIRA KOSMUS MOD.AT ,66 150,66 10,76 53,78 14,28 21, MAQUINA GELO 30KG ,84 214,20 14,28 85, TRITURADOR ,80 535,80 38,26 191,28 14,28 76, AR CONDICIONADO ,50 832,50 12,50 555, TV - LCD - TX - 37LZD , ,00 99,89 499,45 14,28 199, EQUIP. ADMINISTRATIVO Totais da Conta 7.748, ,92 513, , , ALARME , ,85 120,09 120, , APARELHAGEM SONY , ,00 120,50 602, , COMPUTADOR COMPAQ , ,80 33,33 245, COMPUTADORES , ,00 167,93 503,90 33,33 335, PROGRAMAS DE COMPUTADORES , ,00 297,88 893,82 33,33 595,94 Totais da Conta 7.872, ,85 951, , ,30 Total Geral , , , , ,81 Filosoft Gimo.32 ( ) Licença: PRINCIPIO DA IGUALDADE, LDA (K ) 1 de 1

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM 2012 RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM LAZEREEM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3 - Demonstração

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal RELATÓRIO DE GESTÃO. Aida Machado

Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal RELATÓRIO DE GESTÃO. Aida Machado Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal RELATÓRIO DE GESTÃO Aida Machado 1. Caracterização da Associação A ACPP, Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal, com sede na Rua Sant

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 CODIGO DESPESAS CORRENTES 010101 TITULARES DE ORGÃOS DE SOBERANIA E MEMBROS DE ORGÃOS AUTÁRQUICOS Corrente DL 26/2002 010102 ORGÃOS SOCIAIS Corrente DL 26/2002

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: ASSOCIAÇÃO SOCIAL CULTURAL ESPIRITUALISTA Morada:

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes.

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes. Ano: 2016 Instituição: CERCI Braga Caracterização Síntese: MISSÃO Contribuir para a congregação e articulação de esforços no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2011 Identificação da Declaração: Data da recepção: 27/06/2012 1. Identificação da Instituição Nome: AMU - COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE LUSÓFONA POR UM MUNDO

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. :

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. : Listagem do Plano de Contas Pág. : 1 11 CAIXA 111 Caixa A 1111 Caixa A 112 Caixa Compras a Dinheiro 1121 Caixa Compras a Dinheiro 113 Caixa Vendas a Dinheiro 1131 Caixa Vendas a Dinheiro 114 Caixa Valores

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 AIDGLOBAL- ACÃO E INTEG. PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL ONG BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES EXPRESSOS EM EUROS) Notas 2014 2013 Activo Activos

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO ANEXO 13 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Concelho da Batalha, PCUP 1.2 Sede: Batalha 2440-117 Batalha 1.3 - Natureza da actividade:

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 2013 Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 Índice 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Demonstrações financeiras de 2013... 4 2.1. Situação patrimonial... 4 2.2. Demonstração de resultados... 5 2.3. Fluxos

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Balancete Geral (Acumulado até Regularizações) - 2012

Balancete Geral (Acumulado até Regularizações) - 2012 Pág. 1/5 Data b.: 31-13-2012 11 Caixa 2.628,04 2.297,40 330,64 0,00 111 Caixa 2.628,04 2.297,40 330,64 0,00 Soma Líquida 2.628,04 2.297,40 330,64 0,00 Soma Saldos 330,64 0,00 12 Depósitos à ordem 152.341,84

Leia mais

Índice. Sub-Capa...3 Plano de Atividades...4 Conta de Exploração Previsional. 8 Orçamento de Ivestimentos... 9 Memória Justificativa...

Índice. Sub-Capa...3 Plano de Atividades...4 Conta de Exploração Previsional. 8 Orçamento de Ivestimentos... 9 Memória Justificativa... CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO SOCIAL DE 2015 Índice Sub-Capa.....3 Plano de Atividades...4 Conta de Exploração Previsional. 8 Orçamento de Ivestimentos... 9 Memória

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014 Vida por vida PL DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO DE Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Amarante Fundada em 1921 NOTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimos Senhores Associados, Para cumprimento do

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade IDFG Instituto D. Francisco Gomes - Casa dos Rapazes 1.2 Sede Bom João 8000-301 Faro 1.3 NIPC 500868395

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nos termos da Portaria nº 105/2011 de 14 de Março, as divulgações a efetuar pelas ESNL em anexo às Demonstrações Financeiras, correspondem às publicadas no anexo nº 10 da Portaria nº 986/2009 de 07 de

Leia mais

Associação de Solidariedade Social de Ferrel ORÇAMENTO 2016

Associação de Solidariedade Social de Ferrel ORÇAMENTO 2016 ORÇAMENTO 2016 ORÇAMENTO 2016 DADOS DO ORÇAMENTO Ano económico: 2016 Versão: Inicial Orgão deliberativo (Assembleia geral) Nome Cargo NIF Vitor Manuel Dias Ramos Presidente 204298652 Manuel Fernando Martins

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 I Série Número 48 BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO MINISTÉRIO DA FINANÇAS: Portaria nº 49/2008: Aprova o Código de Contas do Sistema de Normalização Contabilístico e

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução ÍNDICE GERAL Nota prévia... 21 Capítulo I Introdução Breves considerações sobre a História da Contabilidade... 27 Definição e divisões da Contabilidade... 30 A Empresa, os mercados e os fluxos... 34 O

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Exercício 2012 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2010 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 31

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS As notas apresentadas neste documento, estão conforme o preconizado no art.º 46º da Lei n.º 2/2007, de 15 de janeiro,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Introdução Os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa são uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, constituída por escritura pública

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Durante o exercício de 2014 não existem cotas da empresa que possam ter sido alienadas ou adquiridas pela sociedade.

RELATÓRIO DE GESTÃO. Durante o exercício de 2014 não existem cotas da empresa que possam ter sido alienadas ou adquiridas pela sociedade. RELATÓRIO DE GESTÃO No cumprimento das obrigações legais, vem a gerência, através do presente relatório de gestão, dar conhecimento aos sócios e terceiros, que com a empresa têm relações, de alguns aspectos

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais