ARTIGO 29º - GRUPO DE TRABALHO SOBRE PROTECÇÃO DE DADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARTIGO 29º - GRUPO DE TRABALHO SOBRE PROTECÇÃO DE DADOS"

Transcrição

1 ARTIGO 29º - GRUPO DE TRABALHO SOBRE PROTECÇÃO DE DADOS 5066/00/PT/final WP 35 TERCEIRO RELATÓRIO ANUAL DA SITUAÇÃO QUANTO À PROTECÇÃO DOS INDIVÍDUOS NO QUE RESPEITA AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS E À PRIVACIDADE, NA COMUNIDADE E EM PAÍSES TERCEIROS RELATIVO AO ANO DE 1998 Adoptado em 22 de Dezembro de 1999 O Grupo de Trabalho foi criado pelo artigo 29º da Directiva 95/46/CE. É o órgão consultivo independente da UE em matéria de protecção dos dados e da privacidade. As suas funções estão definidas no artigo 30º da Directiva 95/46/CE e no artigo 14º da Directiva 97/66/CE. O secretariado é assegurado por: Comissão Europeia, DG Mercado Interno, Unidade Livre Circulação da Informação e Protecção dos Dados Rue de la Loi 200, B-1049 Bruxelles/Wetstraat 200, B-1049 Brussel - Bélgica - C100-2/133 Endereço Internet:

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO NA UNIÃO EUROPEIA Directiva 95/46/CE Transposição para o direito nacional dos Estados-Membros Protecção dos Dados nas Instituições Comunitárias Directiva 97/66/CE Códigos de Conduta Comunitários Evolução no domínio da protecção dos dados. Actividades das entidades responsáveis pela protecção dos dados Desenvolvimento da política da União Europeia no domínio da protecção dos dados A protecção dos dados e a sociedade da informação A protecção dos dados e os outros instrumentos comunitários A protecção dos dados no âmbito dos instrumentos não-comunitários CONSELHO DA EUROPA PRINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS NOS PAÍSES TERCEIROS Espaço Económico Europeu Países candidatos à adesão Estados Unidos da América Outros países terceiros OUTROS DESENVOLVIMENTOS A NÍVEL INTERNACIONAL Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos (OCDE)...69

3 5.2. Organização Mundial do Comércio (OMC) Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) ANEXOS...71

4 O GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DAS PESSOAS SINGULARES NO QUE DIZ RESPEITO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS Instituído pela Directiva 95/46/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Outubro de ; Tendo em conta o artigo 29º e o n.º 6 do artigo 30º da referida directiva; Tendo em conta o seu regulamento interno e, em particular, os artigos 12º, 13º e 15º, Adoptou o presente terceiro relatório anual: 1. INTRODUÇÃO Este é o terceiro relatório anual do Grupo de protecção das pessoas no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais 2, que cobre o ano de O relatório destina-se à Comissão, ao Parlamento Europeu, ao Conselho e ao público em geral. O Grupo de Trabalho é o órgão comunitário consultivo e independente sobre a protecção dos dados e da privacidade 3. O seu relatório pretende apresentar um panorama da situação quanto à protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais na Comunidade e nos países terceiros 4. O ano de 1998 é especialmente importante para a protecção dos dados, na União Europeia, porque os prazos para a transposição das duas directivas sobre protecção dos dados terminaram em 24 de Outubro de A chamada directiva geral de protecção dos dados, ou seja, a Directiva 95/46/CE do Parlamento Europeu e do Conselho relativa à protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais e à livre circulação desses dados (a seguir designada "a directiva") foi adoptada em 24 de Outubro de 1995 e estipulava 1 Jornal Oficial L 281 de , p. 31, disponível em: 2 Criado pelo artigo 29º da Directiva 95/46/CE. As suas funções são descritas no artigo 30º e no n.º 3 do artigo 14º da Directiva 97/66/CE. 3 Ver o n.º 1 do artigo 29º, segunda frase, da Directiva 95/46/CE. 4 Ver o n.º 6 do artigo 30º da Directiva 95/46/CE.

5 um prazo de três anos para a sua aplicação 5. A Directiva específica 97/66/CE relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade no sector das telecomunicações, adoptada pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho em 15 de Dezembro de 1997, fez coincidir a data da sua transposição com a da directiva geral. Infelizmente, apenas alguns Estados-Membros aplicaram as directivas a tempo (ver ponto a seguir). O primeiro relatório explicou a composição e as tarefas do Grupo de Trabalho e cobriu os principais acontecimentos observados em 1996, no domínio da protecção dos dados 6. O segundo relatório cobriu o ano de 1997, tendo seguido, na essência, a estrutura do primeiro relatório, para facilitar a análise dos progressos ocorridos. O presente terceiro relatório anual continua essa tradição: primeiro, apresenta um panorama dos principais progressos na União Europeia, tanto nos Estados-Membros como a nível comunitário, para, em seguida, abordar a actividade do Conselho da Europa. Além disso, dá informações acerca dos principais desenvolvimentos nos países terceiros e de outros progressos a nível internacional. Os pareceres, recomendações e outras actividades do Grupo de Trabalho são apresentados no contexto dos vários capítulos. Em 1998, o Grupo realizou as suas funções com especial enfoque nos seguintes temas: - transferência de dados pessoais para países terceiros 7 - códigos de conduta comunitários 8 - tecnologias que assegurem a privacidade 9. O Grupo de Trabalho é presidido, desde o início, por Peter J. HUSTINX, presidente da autoridade para a protecção dos dados nos Países Baixos (Registratiekamer). P. HUSTINX foi reeleito na 9ª reunião de 10 e 11 de Março de Na mesma reunião, o Prof. Stefano RODOTÀ, presidente da autoridade para a protecção dos dados em Itália (Garante per la protezione dei dati personali), foi eleito vice-presidente do Grupo de Trabalho, na sequência da reforma de Louise CADOUX (Commission Nationale de l Informatique et des Libertés, CNIL). 5 Esta data é diferente da data de entrada em vigor: dado que a directiva não especifica a data da sua entrada em vigor, entrou em vigor no vigésimo dia seguinte ao da publicação (ver n.º 1 do artigo 191º do Tratado). 6 WP 3, adoptado em 25 de Junho de 1997, disponível em: ver nota 1. 7 Ver n.º 1, alínea b), do artigo 30º da Directiva 95/46/CE. 8 Ver n.º 3 do artigo 27º e n.º 1, alínea d), do artigo 30º da Directiva 95/46/CE. 9 Ver n.º 1, alínea a), e n.º 3 do artigo 30º da Directiva 95/46/CE.

6 O secretariado do Grupo de Trabalho é assegurado pela Comissão Europeia, Direcção-Geral do Mercado Interno, Unidade Livre Circulação da Informação e Protecção de Dados. Os documentos adoptados pelo Grupo estão disponíveis em todas as línguas oficiais, na página desta unidade na Web, no site "Europa" da Comissão Europeia: 2. EVOLUÇÃO NA UNIÃO EUROPEIA 2.1. Directiva 95/46/CE A directiva pretende eliminar os obstáculos à livre circulação de dados pessoais, harmonizando, num nível superior, as regras nacionais de protecção dos indivíduos no que respeita ao tratamento dos seus dados. O processo de aplicação da directiva teve início em 1996, em todos os Estados-Membros e a nível europeu, e prosseguiu em 1997 e A parte descreve os procedimentos de transposição da directiva a nível nacional e a parte destaca as medidas adoptadas pelas instituições europeias para cumprirem as regras da directiva Transposição para o direito nacional dos Estados-Membros 10 Esta parte resume os progressos realizados na transposição da directiva para o direito nacional, em Na Bélgica, o projecto de lei de transposição da directiva, revisto na sequência do parecer do Conselho de Estado, foi apresentado ao Parlamento em Abril de 1998 e veio a ser finalmente adoptado em 11 de Dezembro de Todavia, a lei ainda não entrou em vigor porque é necessário elaborar e fazer aplicar o direito derivado para a sua aplicação. Na Dinamarca, o ministério da Justiça apresentou, em 30 de Abril de 1998, o projecto de lei N.º L 82 relativo ao tratamento dos dados pessoais. O objectivo deste projecto de lei é a aplicação da Directiva 95/46/CE. Em 8 de Outubro de 1998, o projecto foi novamente apresentado, com poucas alterações, como projecto de lei n.º L 44, mas não foi adoptado até ao fim de Efectuou-se uma transposição parcial através de uma lei que alterou a Lei do Registo Civil e que entrou em vigor em 1 de Outubro de Por isso, a directiva ainda não foi aplicada na Dinamarca. 10 As leis nacionais de aplicação da Directiva 95/46/CE estão a ser analisadas pela Comissão Europeia, a fim de averiguar a sua conformidade com a directiva. 11 Publicado no jornal oficial belga "Moniteur belge" de 3 de Fevereiro de 1999.

7 Em Espanha, o projecto de lei preliminar que altera a legislação actual sobre protecção dos dados (lei orgânica 5/1992) foi apresentado ao Conselho de Estado para emissão de um parecer, devendo ser debatido pelo parlamento durante o Verão de 1998; todavia, a maior parte das disposições já foi transposta pela "Ley Organica" 5/1992 de 29 de Outubro de 1992 sobre o tratamento automático de dados pessoais. Na Alemanha, o legislador federal é o órgão responsável, em primeiro lugar, pela aplicação da directiva neste país. Por força das suas competências, ao abrigo do artigo 74º da Constituição, esta responsabilidade ultrapassa o sector do governo federal, abrangendo também o sector não-governamental, onde se espera que ocorra a maior parte das mudanças. Contudo, as leis de protecção dos dados dos Länder - em especial as relativas ao sector público - também devem ser adaptadas em conformidade com a directiva. Até agora, foram alteradas as leis de protecção dos dados de Brandeburgo e Hessen. Contudo, além das leis gerais de protecção dos dados, é necessário verificar um grande número de disposições federais e estaduais sobre aspectos específicos da protecção dos dados. O Comissário Federal para a Protecção dos Dados, os comissários estaduais e as autoridades de controlo do sector privado consideraram a futura alteração da legislação de protecção dos dados na Alemanha, no contexto dos respectivos domínios de competência. O ministério federal do Interior, que é responsável pelo processo legislativo, apresentou um primeiro projecto de lei em 1 de Dezembro de 1997, relativamente ao qual o Comissário Federal para a Protecção dos Dados adoptou uma posição em 30 de Janeiro de Um novo projecto, datado de 8 de Abril de 1998, foi arquivado devido às eleições de 27 de Setembro de 1998 para o Bundestag. A Constituição estipula que os projectos não se mantêm válidos durante mais que uma legislatura; por isso, é necessário apresentar ao parlamento uma nova proposta, na nova legislatura. O novo governo federal adoptou um processo em duas fases, para a aplicação da directiva de protecção dos dados. Na primeira fase, deverão ser feitas todas as adaptações essenciais - se possível, até Nesse sentido, o novo projecto de lei apresentado pelo ministério federal do Interior, em 6 de Julho de 1999, assenta, basicamente, em ideias de 1997, mas também teve em conta aspectos da reforma, como a anulação e a economia de dados (particularmente pela despersonalização ou pelo recurso a pseudónimos), as regras de videovigilância, os cartões inteligentes e as auditorias à protecção dos dados. Em 30 de Agosto de 1997, o Comissário Federal adoptou uma posição sobre estas questões, sublinhando que a necessidade de reforma ainda era maior e que, de acordo com as notas explicativas do decreto-lei, considerava as revisões actuais como uma mera primeira fase de um exame mais geral. Também saudou a intenção, descrita nas notas explicativas, de que a segunda fase de reformas implicasse a actualização da lei, simplificando-a e tornando-a mais compreensível, bem como considerando o uso a dar à liberdade permitida pela directiva para fins de investigação. As notas explicativas também reflectiram o seu ponto de vista, segundo o qual, durante a legislatura em curso, todo o corpo da legislação de protecção de dados em sectores específicos deveria ser examinado, a fim de determinar se seriam necessários outros ajustamentos por uma razão de

8 conformidade com a directiva, mesmo não existindo qualquer obrigação na lei europeia, com base no facto de esta ser a única forma de garantir que, a longo prazo, não haveria dois tipos de legislação neste domínio, prevendo diferentes níveis de protecção. A lei grega de protecção dos dados (lei 2472/97 sobre a protecção dos indivíduos no que respeita ao tratamento de dados pessoais) foi ratificada pelo parlamento grego em e publicada em Segundo as disposições desta lei, o presidente da autoridade (que tem de ser um juiz do Supremo Tribunal) foi nomeado pelo governo, tendo seis membros sido designados pelo parlamento. Estas nomeações tiveram lugar em 1997, encontrando-se a autoridade já em exercício de funções. Em França, foi enviado ao primeiro-ministro, em Março de 1998, um relatório que será seguido por um novo relatório sobre as redes telemáticas. Durante o ano de 1998, não foi apresentado qualquer projecto de lei. A Commission Nationale de l'informatique et des Libertés (CNIL), entidade francesa responsável pela protecção dos dados, terá de ser consultada sobre um projecto de lei. Na Irlanda, o ministro da Justiça é responsável pela legislação de protecção dos dados. Ainda não foi adoptada a legislação necessária para aplicar a directiva. Estava a ser redigido um projecto de lei para alterar a Lei de Protecção dos Dados, de 1988, a fim de alargar o seu âmbito de aplicação (para além da aplicação apenas a dados pessoais informatizados), mas esse projecto ainda não foi publicado nem debatido no parlamento irlandês. Em Itália, a lei de protecção dos dados pessoais foi adoptada em 31 de Dezembro de , tendo entrado em vigor em 8 de Maio de O parlamento autorizou o governo 14 a elaborar regulamentos para alterar e complementar a lei destinada à transposição da directiva. No Luxemburgo, a transposição da directiva para o direito nacional compete ao ministério da Justiça. Em 1997, foi elaborado um projecto de lei que, contudo, viria a ser retirado mais tarde. Nos Países Baixos, o ministro da Justiça é responsável pela legislação de protecção dos dados. Para aplicar a directiva, foi apresentada ao parlamento neerlandês, em 14 de Fevereiro, uma proposta de uma nova lei de protecção dos dados (Wet bescherming persoonsgegevens). Esta lei destina-se a substituir a actual lei de protecção dos dados, em vigor desde 1 de Julho de 1989 (Wet persoonsregistraties). 12 Legge 675/96, Gazzetta Ufficiale della Repubblica Italiana n 5, suplemento 3, Excepto no que diz respeito a certos aspectos relacionados com o acordo de Schengen que entrou em vigor em 8 de Janeiro de Legge 676/96, Gazzetta Ufficiale della Repubblica Italiana n 5, suplemento 3,

9 Em 3 de Junho, as comissões parlamentares da Justiça e dos Assuntos Internos apresentaram um relatório sobre a proposta. Em 2 de Dezembro, o ministro da Justiça reagiu a esse relatório, propondo algumas alterações à proposta. Na sua resposta, o ministro chamou a atenção para os contactos que teve com representantes do comércio e da indústria e da defesa do consumidor. Previa-se que o debate em sessão plenária do parlamento tivesse lugar na primeira metade de A chancelaria federal austríaca (Österreichisches Bundeskanzleramt) elaborou uma proposta de transposição da directiva para o direito nacional que foi examinada pela Comissão de Protecção dos Dados. No Outono de 1998, foi apresentada ao parlamento uma versão revista. Em Portugal, a Constituição foi revista pela lei constitucional N.º 1/97 de 20 de Setembro de 1997, com vista à transposição da directiva. Efectivamente, a Constituição portuguesa contém disposições sobre protecção dos dados que, em certos casos, são mais restritivas que as da directiva 15. A autoridade portuguesa para a protecção dos dados teve um papel importante no grupo de trabalho criado pelo ministro da Justiça para redigir a proposta de lei preliminar de transposição da directiva. Esta proposta preliminar foi distribuída para consulta e publicada no site do ministério da Justiça na Internet. O projecto de lei foi apresentado ao parlamento em 2 de Abril de 1998, tendo sido finalmente adoptado em 26 de Outubro de Na Finlândia, o governo apresentou ao parlamento, em 24 de Julho de 1998, um projecto de lei dos dados pessoais e um conjunto de leis associadas (projecto de lei governamental 96/98). Além da directiva comunitária de protecção dos dados, o projecto de lei baseou-se na revisão de 1995 da legislação sobre direitos fundamentais (de acordo com a Secção 8 da Constituição, a protecção de dados pessoais deve ser estipulada por lei), na experiência com a anterior Lei dos Ficheiros de Dados Pessoais e nos progressos da tecnologia da informação. O parlamento discutiu o projecto de lei no Outono de 1998, embora a sua adopção e subsequente entrada em vigor tenham ficado adiadas para Na Suécia, o parlamento adoptou, em 16 de Abril de 1998, nova legislação sobre protecção de dados, a qual substitui a anterior lei, que se mantém aplicável apenas para as operações de tratamento ainda em curso em 24 de Outubro de Por outro lado, foi emitida, em 3 de Setembro de 1998, a Portaria sobre Dados Pessoais 17 (1998:1191), que designa a Datainspektionen como autoridade de controlo na acepção do artigo 28º da Directiva 95/46/CE. Além disso, a portaria delega a competência de decisão de algumas isenções das disposições da Lei sobre Dados Pessoais, como sejam as transferências de dados para países terceiros, a notificação e 15 Ver o primeiro relatório anual, página 7, nota A nova Lei dos Dados Pessoais (532/99) entrou em vigor em 1 de Junho de Legislação sueca, SFS 1998:1191, Portaria sobre Dados Pessoais (1998:1191) emitida em 3 de Setembro de 1998, publicada em 15 de Setembro de 1998.

10 a verificação prévia. Em 8 de Setembro, a Datainspektionen emitiu dois regulamentos com base na portaria: um sobre isenções à proibição de pessoas que não sejam entidades oficiais processarem dados pessoais sobre violação de leis, etc. 18 ; e outro respeitante à notificação do tratamento de dados pessoais à autoridade de controlo 19. No Reino Unido, o ministério do Interior (Home Office) é responsável pela legislação de protecção dos dados. O governo britânico decidiu substituir a Lei de Protecção dos Dados de 1984 por uma lei completamente nova. Em 14 de Janeiro de 1998, foi apresentado ao parlamento um projecto de lei nesse sentido (a autorização real foi dada em 16 de Julho de 1998). O projecto de lei fixa os elementos essenciais do novo regime britânico de protecção dos dados. O conteúdo da legislação derivada necessária foi submetido a consulta, tendo os instrumentos necessários sido redigidos e apresentados ao parlamento. Não se prevê que a lei entre em vigor antes do segundo trimestre de Protecção dos Dados nas Instituições Comunitárias No decurso das suas actividades, as instituições e os órgãos comunitários, em particular a Comissão, processam frequentemente dados pessoais. É o caso do tratamento dos dados pessoais dos funcionários. Outro exemplo é o tratamento dos dados pessoais dos indivíduos que tenham apresentado uma queixa à Comissão. Ou ainda o intercâmbio de dados pessoais entre a Comissão e os Estados-Membros, no contexto da Política Agrícola Comum ou para a gestão de formalidades aduaneiras. Para satisfazer a necessidade de regras que rejam o tratamento dos dados pessoais, a Comissão e o Conselho comprometeram-se, numa declaração pública à data de adopção da directiva, a cumprir os termos da directiva e apelaram às outras instituições e aos demais órgãos comunitários para que fizessem o mesmo 20. Durante a conferência intergovernamental para a revisão dos tratados, o problema das regras de protecção dos dados, aplicáveis às instituições e aos órgãos comunitários, foi levantado pelos governos neerlandês e grego. No final da conferência intergovernamental, decidiu-se incluir uma disposição específica no 18 Colectânea de Leis da Datainspektionen, Número 1998:3, Regulamentos da Comissão de Inspecção dos Dados sobre as isenções à proibição de pessoas que não sejam entidades oficiais processarem dados pessoais relativos a violação de leis, etc.; adoptados em 8 de Setembro de Colectânea de Leis da Datainspektionen, Número 1998:2, Regulamentos da Comissão de Inspecção dos Dados sobre a obrigação de notificar o tratamento à Datainspektionen.; adoptados em 8 de Setembro de Esta declaração foi publicada num comunicado de imprensa do Conselho em 24 de Julho de 1995 [9012/95 (Press 226)].

11 Tratado CE sobre a protecção dos dados pessoais processados pelas instituições e pelos órgãos comunitários (artigo 213.º-B, 286.º, na numeração final): "(1) A partir de 1 de Janeiro de 1999, os actos comunitários relativos à protecção das pessoas singulares em matéria de tratamento de dados de carácter pessoal e de livre circulação desses dados serão aplicáveis às instituições e órgãos instituídos pelo presente Tratado, ou com base nele. (2) Antes da data prevista no n.º 1, o Conselho, deliberando nos termos do artigo 189.º-B, criará um órgão independente de supervisão, incumbido de fiscalizar a aplicação dos citados actos comunitários às Instituições e órgãos da Comunidade e adoptará as demais disposições que se afigurem adequadas." Embora, por força do artigo 286.º, os actos comunitários sobre a protecção de dados pessoais (como a Directiva 95/46/CE) também se apliquem às instituições e aos órgãos comunitários, a partir de 1 de Janeiro de 1999, é óbvio que o Tratado de Amsterdão não terá entrado em vigor nessa data. A Comissão elaborou um primeiro projecto de proposta de regulamento, com base no artigo 286.º do Tratado CE. Este projecto, por um lado, contém regras substantivas sobre protecção de dados (extraídas das Directivas 95/46/CE e 97/66/CE) e, por outro lado, cria o órgão independente de supervisão a que se refere o n.º 2 do artigo 286.º do Tratado CE. O primeiro projecto foi extensamente debatido entre os serviços da Comissão, durante a segunda metade do ano, embora ainda não tenha conduzido a uma proposta da Comissão. O Grupo de Trabalho criou um subgrupo dedicado a esta questão. O subgrupo examinou um dos projectos dos serviços da Comissão e apresentou um relatório ao Grupo de Trabalho. O relatório foi adoptado na 12ª reunião do Grupo, em 3 de Dezembro, e, em particular, mandatou o subgrupo para continuar a fiscalizar o desenvolvimento do projecto de regulamento e apresentar novo relatório, na devida altura Directiva 97/66/CE Esta directiva diz respeito ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade no sector das telecomunicações 21. Especifica e complementa os princípios gerais, como a limitação do âmbito de aplicação da Directiva 95/46/CE ao sector das telecomunicações. Em particular, introduz a obrigação de os Estados-Membros assegurarem a confidencialidade das comunicações. A directiva foi aplicada no direito nacional 22 dos seguintes Estados-Membros: 21 Em relação ao Reino Unido, ver ponto 2.4 a seguir 22 As leis nacionais de aplicação da Directiva 97/66/CE estão a ser analisadas pela Comissão Europeia, a fim de averiguar a sua conformidade com a directiva.

12 A Alemanha transpôs a directiva adoptando as seguintes medidas nacionais: - Telekommunikationsgesetz (TKG) de 25 de Julho de 1996, Bundesgesetzblatt I, S (Lei das Telecomunicações) 23 - Telekommunikationsdiensteunternehmen-Datenschutzverordnung (TDSV) vom , Bundesgesetzblatt I, S 982 (Portaria relativa à Protecção dos Dados pelos Operadores de Telecomunicações) 24 - Telekommunikations-Kundenschutzverordnung (TKV) vom 11 Dezember 1997, Bundesgesetzblatt I, S Bekanntmachung des Katalogs von Sicherheitsanforderungen gemäss 87 des TKG vom im Bundesanzeiger v , Ausgabe Nr. 208a, Anlage 4 (Bekanntmachung) A Áustria transpôs a directiva através da lei das telecomunicações, de 19 de Agosto de A Espanha adoptou legislação nesta matéria em 1998: a lei de 24 de Abril de 1998 e o regulamento de 31 de Setembro de 1998 (Ley General de Telecomunicaciones de 24 de abril de 1998 e Real Decreto 1736/1998). Os textos podem ser consultados no site do Secretariado-Geral das Comunicações espanhol: Em Itália, a directiva foi substancialmente transposta pelo Decreto n.171 "Disposizioni in materia di tutela della vita privata nel settore delle telecomunicazioni, in attuazione della direttiva 97/66/CE del Parlamento europeo e del Consiglio, ed in tema di attivita giornalistica" de 13 de Maio de 1998, publicado na Gazzetta Ufficiale - Serie Generale - n.127 de 3 de Junho de Portugal adoptou as medidas necessárias na forma da lei de 28 de Outubro de 1998 (Lei n.º 69/98, de 28 de Outubro que regula o tratamento dos dados pessoais e a protecção da privacidade no sector das telecomunicações). O texto também pode ser consultado no seguinte endereço: (ver ainda ponto 2.4 a seguir). Os Países Baixos aplicaram a directiva através da Lei das Telecomunicações e de legislação derivada sobre números de identificação e centros de emergência, que entrou em vigor em 15 de Dezembro de 1998 [Wet van 19 oktober 1998, houdende regels inzake de telecommunicatie (Telecommunicatiewet), Staatsblad 610, 1998; Regeling nummeridentificatie van 25 november 1998, Staatscourant 1998, nr. 230; Besluit 112 alarmcentrales van 10 november 1998, Staatscourant, nr. 235]. A Bélgica transpôs parcialmente a directiva para o direito nacional. A legislação aplicável é a seguinte: 23 Ver versão inglesa em 24

13 - Wet van 21 maart 1991 betreffende de hervorming van sommige economische overheidsbedrijven / Loi du 21 mars 1991 portant réforme de certaines entreprises publiques économiques (lei sobre a reforma de certas empresas públicas) - Wetboek van strafrecht / Code pénal (código penal) - Koninklijk Besluit van 22 juni 1998 tot vaststelling van het bestek van toepassing op de spraaktelefoniedienst en de procedure inzake de toekenning van individuele vergunningen / Arrêté Royal du 22 juin 1998 fixant le cahier des charges pour le service de téléphonie vocale et la procédure relative à l'attribution des autorisations individuelles (decreto real que fixa as condições dos serviços de telefonia vocal e o procedimento relativo à concessão de autorizações individuais) Códigos de Conduta Comunitários A Directiva 95/46/CE convida os Estados-Membros e a Comissão a promoverem a elaboração de códigos de conduta porque este podem contribuir para a boa execução das disposições nacionais de protecção dos dados, tendo em conta as características específicas dos vários sectores 25. No que diz respeito à promoção e elaboração de códigos de conduta a nível comunitário, o Grupo de Trabalho tem a atribuição de dar parecer sobre esses códigos 26 e determinará, em particular, a conformidade com as leis nacionais adoptadas na sequência da directiva. O Grupo de Trabalho tentará obter a opinião dos sujeitos dos dados ou dos seus representantes. Os códigos comunitários que tiverem sido aprovados pelo Grupo de Trabalho poderão receber publicidade adequada por parte da Comissão. Tendo em vista a preparação do caminho para a aplicação prática destas competências, o Grupo adoptou um documento de trabalho relativo ao trabalho futuro sobre os códigos de conduta 27. Este documento estabelece os aspectos processuais, mas salienta, em particular, a necessidade de os códigos comunitários apresentarem valor acrescentado para o sector específico. As disposições aplicáveis mencionam que: 25 Ver o n.º 1 do artigo 27º da Directiva 95/46/CE. 26 Ver o n.º 1, alínea d), do artigo 30º da Directiva 95/46/CE. 27 WP 13 (5004/98): Trabalho futuro sobre os códigos de conduta: Documento de trabalho sobre o procedimento a analisar pelo grupo de trabalho sobre os códigos de conduta comunitários. Adoptado em 10 de Setembro de 1998 (em 11 línguas). Disponível no endereço já indicado em notas anteriores.

14 O grupo de trabalho determinará se um código de conduta apresentado: está de acordo com as directivas de protecção de dados e, se for pertinente, com as disposições nacionais adoptadas em conformidade com estas directivas, tem qualidade e coerência interna suficientes e fornece um valor acrescentado suficiente às directivas e a outra legislação aplicável em termos de protecção dos dados, em particular, se o projecto de código foca suficientemente as questões e os problemas específicos relativos à protecção de dados na organização ou sector a que se pretende aplicá-lo, e se oferece soluções suficientemente claras para estas questões e para estes problemas. Duas organizações submeteram à aprovação do Grupo de Trabalho projectos de códigos de conduta comunitários: a FEDMA, Federação das Associações Europeias de Marketing Directo, e a IATA, Associação Internacional de Transportes Aéreos. O Grupo de Trabalho criou um subgrupo para cada código. Os primeiros relatórios dos subgrupos foram apresentados ao Grupo de Trabalho na sua 12ª reunião, em 3 de Dezembro de O Grupo de Trabalho mandatou os subgrupos para continuarem a análise dos códigos em conjunto com as respectivas organizações. Dado que, dentro de cada organização, o processo de redacção ainda estava em curso, o Grupo de Trabalho decidiu não publicar comentários intercalares e, em vez disso, enviá-los às organizações para apreciação e posterior revisão dos projectos de código Evolução no domínio da protecção dos dados. Actividades das entidades responsáveis pela protecção dos dados Esta parte destaca os principais desenvolvimentos no domínio da protecção dos dados, debruçando-se, particularmente, sobre o trabalho das entidades nacionais responsáveis pela fiscalização da aplicação das leis de protecção dos dados 28. Abrange os progressos regulamentares nesta área, a jurisprudência, as actividades das entidades nacionais de fiscalização da protecção dos dados de interesse geral e as transferências de dados pessoais para países terceiros de que essas entidades tiveram que tratar. Podem obter-se mais informações junto dessas autoridades que publicam relatórios anuais pormenorizados. O anexo I contém informações sobre contactos a referências a sites da Web. Áustria Jurisprudência O Supremo Tribunal austríaco considerou ilegal um cartão de cliente de uma grande cadeia de supermercados, visto que a cláusula de autorização não estava bem formulada (Decisão 7 Ob 170/98w) 28 Ver o artigo 28º da Directiva 95/46/CE.

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 5 de Dezembro de 2000 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a passagem das fronteiras externas

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. 00065/2010/PT WP 174 Parecer 4/2010 sobre o código de conduta europeu da FEDMA relativo ao uso de dados pessoais no marketing directo Adoptado

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

ARTICLE 29 Data Protection Working Party

ARTICLE 29 Data Protection Working Party ARTICLE 29 Data Protection Working Party ANEXO 1 000345/07/PT WP132 Nota informativa sucinta sobre as viagens entre a União Europeia e os Estados Unidos da América Nos termos da legislação norte-americana

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Grupo de protecção de dados do artigo 29.º

Grupo de protecção de dados do artigo 29.º Grupo de protecção de dados do artigo 29.º 11601/PT WP 90 Parecer 5/2004 sobre as comunicações não solicitadas para fins de comercialização no âmbito do Artigo 13.º da Directiva 2002/58/CE Adoptado em

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

Grupo de Protecção das Pessoas no que diz respeito ao Tratamento de Dados Pessoais. Parecer 4/99 sobre

Grupo de Protecção das Pessoas no que diz respeito ao Tratamento de Dados Pessoais. Parecer 4/99 sobre 5066/99/PT/final WP 21 Grupo de Protecção das Pessoas no que diz respeito ao Tratamento de Dados Pessoais Parecer 4/99 sobre as questões mais frequentes a publicar pelo Departamento de Comércio dos EUA

Leia mais

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE 7.4.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 93/23 ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO-QUADRO 2009/315/JAI DO CONSELHO de 26 de Fevereiro de 2009 relativa à organização e ao conteúdo

Leia mais

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela Regulamento (CE) nº 1610/96 do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Julho de 1996 relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os produtos fitofarmacêuticos Jornal Oficial nº

Leia mais

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Resolução da Assembleia da República n.º 21/99 Acordo de Cooperação entre o Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Baixos,

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 113/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril de 2002 relativo à implementação do domínio de topo.eu

Leia mais

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E DA INDÚSTRIA Bruxelas, 1.2.2010 - Documento de orientação 1 Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto)

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto) AVISO N.º [XX/2015] CENTRAIS PRIVADAS DE INFORMAÇÃO DE CRÉDITO Em linha com a tendência internacional, a legislação financeira nacional consagrou recentemente o figurino das centrais privadas de informação

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1)

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1) 2002R0733 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril

Leia mais

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 DIRECTIVA 2004/114/CE DO CONSELHO de 13 de Dezembro de 2004 relativa às condições de admissão de nacionais de países terceiros para efeitos de estudos,

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.8.2011 COM(2011) 516 final 2011/0223 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 810/2009, de 13 de Julho de 2009,

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Parecer n.º 09/P/2007/GPDP Assunto: Sobre as tarefas de impressão e envio de extractos de conta confiados à Companhia B de Hong Kong por parte do Banco A Segundo carta do Banco A, este incumbe a Companhia

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X Para a realização dos objectivos da União Europeia, importa melhorar as normas que regulam o auxílio judiciário mútuo em matéria penal entre os Estados Membros da União Europeia.

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS A proteção dos dados pessoais e o respeito pela vida privada são direitos fundamentais importantes. O Parlamento Europeu insiste na necessidade de alcançar um equilíbrio entre

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES

FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES Documentação e Informação Europeias na Internet Servidor EUROPA Apresentação da estrutura Pesquisa Eurobookshop

Leia mais

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA MÓDULO II DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, O QUE É A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador L 111/16 Jornal Oficial da União Europeia 5.5.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador (Versão

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

E-Bilbau: Prestação de serviços de «help desk» no domínio das TIC 2007/S 247-300719. Anúncio de concurso. Serviços

E-Bilbau: Prestação de serviços de «help desk» no domínio das TIC 2007/S 247-300719. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 E-Bilbau: Prestação de serviços de «help desk» no domínio das TIC 2007/S 247-300719 Anúncio de concurso Serviços Secção I: Entidade adjudicante I.1) Designação, endereços e pontos de contacto: Agência

Leia mais

MANUAL SOBRE OS INSTRUMENTOS JURÍDICO-INTERNACIONAIS NOS QUAIS A DGAJ É AUTORIDADE/ENTIDADE CENTRAL

MANUAL SOBRE OS INSTRUMENTOS JURÍDICO-INTERNACIONAIS NOS QUAIS A DGAJ É AUTORIDADE/ENTIDADE CENTRAL MANUAL SOBRE OS INSTRUMENTOS JURÍDICO-INTERNACIONAIS NOS QUAIS A DGAJ É AUTORIDADE/ENTIDADE CENTRAL 1/21 1. CITAÇÕES E NOTIFICAÇÕES 2/21 1.1. Convenção da Haia, de 15.11.1965, respeitante à citação e à

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar

DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar L 251/12 DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia

Leia mais

Decreto n.º 11/78 Acordo de Estrasburgo Relativo à Classificação Internacional de Patentes

Decreto n.º 11/78 Acordo de Estrasburgo Relativo à Classificação Internacional de Patentes Decreto n.º 11/78 Acordo de Estrasburgo Relativo à Classificação Internacional de Patentes O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovado,

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas

Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas Originalmente publicadas pela OCDE em Inglês e Francês com os títulos:

Leia mais

Decreto-Lei nº 463/79, de 30 de Novembro. Institui o número fiscal de contribuinte

Decreto-Lei nº 463/79, de 30 de Novembro. Institui o número fiscal de contribuinte Decreto-Lei nº 463/79, de 30 de Novembro Institui o número fiscal de contribuinte (com as alterações introduzidas por Decreto-Lei nº 240/84, de 13 de Julho, pelo Decreto-Lei nº 266/91, de 6 de Agosto,

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 31.12.2005 PT C 336/109 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 15 de Dezembro de 2005 sobre uma proposta de regulamento (CE) relativo às informações sobre o ordenante que acompanham

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei da Protecção de Dados Pessoais (transpõe para a ordem jurídica portuguesa a Directiva n.º 95/46/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Outubro de 1995, relativa

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 15/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTO DE ADESÃO, ANEXO II PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. França Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. França Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar França Condições Legais de Acesso ao Mercado Julho 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime Geral

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 12.2.2009 COM(2009) 54 final Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO que encerra o reexame intercalar parcial das medidas anti-dumping aplicáveis aos porta-paletes

Leia mais

Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Perguntas e Respostas

Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Perguntas e Respostas Tribunal Europeu dos Direitos do Homem Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas O que é o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem? Estas perguntas e respostas foram elaboradas pela Secretaria do Tribunal.

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução e Melhoria da

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

Parecer N.º 06/P/2009/GPDP. (Extracto)

Parecer N.º 06/P/2009/GPDP. (Extracto) Parecer N.º 06/P/2009/GPDP (Extracto) Assunto: Sobre a publicação, pela Companhia de Telecomunicações de Macau, dos dados do registo dos utilizadores de telefones fixos, na Lista Telefónica Residencial

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

ARTIGO 1.º. i) Uma lista de classes, acompanhada, caso seja necessário, de notas explicativas;

ARTIGO 1.º. i) Uma lista de classes, acompanhada, caso seja necessário, de notas explicativas; Decreto n.º 138/81 Acordo de Nice Relativo à Classificação Internacional dos Produtos e Serviços aos Quais se Aplicam as Marcas de Fábrica ou de Comércio Decreto n.º 138/81 de 5 de Novembro O Governo decreta,

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio no âmbito do trabalho preparatório de medidas de conceção ecológica

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

O candidato exerce uma actividade no domínio do desporto? 4

O candidato exerce uma actividade no domínio do desporto? 4 . FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DE 2010 ACÇÃO PREPARATÓRIA NO DOMÍNIO DO DESPORTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EAC/22/2010 (CONCURSO ABERTO) Execução da rubrica orçamental 15.05.11 para 2010 Domínios

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

GATS E EVOLUÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO INTERCALAR

GATS E EVOLUÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO INTERCALAR MARKT/2526/02 PT Orig. EN GATS E EVOLUÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO INTERCALAR Commission européenne, B-1049 Bruxelles / Europese Commissie, B-1049 Brussel Bélgica. Telefone: + 32-2-299.11.11 Escritório:

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM PARECER

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM PARECER CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM ASSUNTO: Parecer Proposta de Regulamento que cria a Agência da União Europeia para a Cooperação e a Formação Policial

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Grupo de Protecção de Dados do artigo 29.º

Grupo de Protecção de Dados do artigo 29.º Grupo de Protecção de Dados do artigo 29.º WP134 Parecer n. 3/2007 sobre a proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que altera as Instruções Consulares Comuns destinadas às missões diplomáticas

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2004R0261 PT 17.02.2005 000.002 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 261/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Fevereiro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Política de Privacidade da Fieldglass

Política de Privacidade da Fieldglass Política de Privacidade da Fieldglass Histórico de revisão Histórico de revisão do documento Revisão Data Resumo de alterações Autor(es) 1 Fevereiro de 2014 Política de privacidade alinhada com padrões

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais