Fichas Técnicas de Fiscalização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fichas Técnicas de Fiscalização"

Transcrição

1 ALOJAMENTO E RESTAURAÇÃO RAÇÃO E/OU BEBIDAS 1

2 2

3 I IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE FISCALIZADORA Ação realizada por: PSP GNR Identificação do agente: Comando territorial: Data de Controlo: / / Hora: h m II IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: Localidade: Freguesia: Código Postal: Concelho: Telefone: Mail: Fax: Nº Contribuinte: Restauração Tipo de atividade Bebidas Alojamento Observações: 3

4 III IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO Nome: Categoria Profissional: Função: Filiação: Residência: Código Postal: B.I. / Cartão Cidadão nº de S.I.C. de Data de Nascimento: Naturalidade: Estado Civil: Observações: IV IRREGULARIDADES DETETADAS Irregularidades: Previsão legal: Contraordenação Crime Medidas tomadas TIR? Observações: Sim Não Assinaturas 4

5 LIVRO DE RECLAMAÇÕES: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Decreto-Lei n.º 156/2005 de 15 de setembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 371/2007, de 6 de novembro, Decreto-Lei n.º 118/2009, de 19 de maio, Decreto-Lei n.º 317/2009, de 30 de outubro e Decreto-Lei n.º 242/2012, de 7 de novembro - Estabelece a obrigatoriedade de disponibilização do livro de reclamações a todos os fornecedores de bens ou prestadores de serviços que tenham contacto com o público em geral Portaria n.º 1288/2005, de 15 de dezembro, alterada pela Portaria n.º 70/2008, de 23 de janeiro e Portaria n.º 896/2008, de 18 de agosto - Aprova o modelo, edição, preço, fornecimento e distribuição do livro de reclamações a ser disponibilizado pelos fornecedores de bens e prestadores de serviços abrangidos pelo Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de setembro Portaria n.º 866/2009, de 13 de agosto - Determina que a Direção-Geral do Consumidor disponibilize em ambiente eletrónico uma rede telemática de informação comum (RTIC) que assegure às entidades reguladoras e de controlo de mercado setorialmente competentes uma plataforma para a gestão das reclamações 5

6 ESTABELECIMENTO DE ALOJAMENTO OU RESTAURAÇÃO E/OU BEBIDAS LIVRO DE RECLAMAÇÕES O estabelecimento está obrigado a dispor de Livro de Reclamações? Sim Não Se Sim ele encontra-se fisicamente no estabelecimento? O modelo de Livro de Reclamações corresponde ao modelo em vigor? O Livro de Reclamações apresenta originais por enviar para a entidade competente? O Livro de Reclamações apresenta descontinuidade na sua numeração sequencial ou apresenta falta de algum triplicado? Encontra-se afixado, em local bem visível e com caracteres facilmente legíveis pelo utente, um letreiro com a informação «Este estabelecimento dispõe de Livro de Reclamações?» O modelo de letreiro corresponde ao modelo em vigor? Os campos do letreiro encontram-se corretamente preenchidos? O estabelecimento mantém, por um período mínimo de 3 anos, um arquivo organizado dos livros de reclamações encerrados? 6

7 LIVRO DE RECLAMAÇÕES I) REGIME O quadro normativo do Livro de Reclamações é composto pelo Decreto-Lei n.º 156/2005 de 15 de setembro, que estabelece a obrigatoriedade de disponibilização do livro de reclamações a todos os fornecedores de bens ou prestadores de serviços que tenham contacto com o público em geral, e pela Portaria n.º 1288/2005, de 15 de dezembro, que aprova o modelo, edição, preço, fornecimento e distribuição do livro de reclamações a ser disponibilizado pelos fornecedores de bens e prestadores de serviços abrangidos pelo Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de setembro. Este regime veio prever a obrigatoriedade de existência e disponibilização do livro de reclamações em todos os estabelecimentos de fornecimento de bens ou prestação de serviços, constantes do anexo a este diploma, onde constam os Empreendimentos Turísticos e os Estabelecimentos de Restauração e Bebidas. A referência a «fornecedor de bens ou prestador de serviços» compreende os estabelecimentos constantes do anexo e que: a) Se encontrem instalados com caráter fixo ou permanente, e neles seja exercida, exclusiva ou principalmente, de modo habitual e profissional, a atividade; e b) Tenham contacto com o público, designadamente através de serviços de atendimento ao público destinado à oferta de produtos e serviços ou de manutenção das relações de clientela. O fornecedor de bens ou prestador de serviços é obrigado a possuir o livro de reclamações no estabelecimento a que respeita a atividade, devendo facultar imediata e gratuitamente ao utente o livro de reclamações sempre que por este tal lhe seja solicitado. Não pode, em caso algum, justificar a falta de livro de reclamações no estabelecimento onde o utente o solicita pelo facto de o mesmo se encontrar disponível noutro estabelecimento ou na sede da empresa. O Livro de Reclamações deve ser facultado a qualquer pessoa que o solicite, independentemente desta ter ou não consumido qualquer produto ou usufruído de qualquer serviço, sob pena do reclamante solicitar a presença da autoridade policial para que tome nota da ocorrência e, neste caso, a coima prevista não pode ser inferior a metade do montante máximo da coima prevista para a infração correspondente à não entrega imediata do livro. 7

8 LIVRO DE RECLAMAÇÕES O reclamante deve preencher a folha da reclamação de forma correta e completa, relativamente à sua identificação e endereço, à identificação e local do estabelecimento (o estabelecimento está obrigado a fornecer os elementos necessários relativos à sua identificação), e à descrição dos factos que motivaram a reclamação. Após a formulação da reclamação, deverá destacar o original do livro e enviá-lo à ASAE, no prazo máximo de 10 dias úteis, de preferência em carta registada com aviso de receção, por forma a poder comprovar o seu envio em caso de necessidade. Aconselha-se que, aquando do envio do original da reclamação, seja também enviada exposição por parte do estabelecimento sobre o sucedido, para o que se deverá recorrer a apoio técnico jurídico. O duplicado da reclamação deverá ser entregue ao utente, que o poderá também enviar à ASAE, se assim o entender. O triplicado deverá permanecer sempre no livro, não devendo nunca dele ser retirado. No estabelecimento, em local bem visível e com caracteres facilmente legíveis pelo utente, deve estar afixado um letreiro com a seguinte informação: «Este estabelecimento dispõe de livro de reclamações». Este letreiro deve corresponder ao modelo legalmente aprovado, devendo ainda, no caso dos Empreendimentos Turísticos e dos estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas, preencherem-se os respetivos campos da seguinte forma: ASAE Autoridade de Segurança Alimentar e Económica Rua Rodrigo da Fonseca, n.º Lisboa 8

9 LIVRO DE RECLAMAÇÕES O Livro de Reclamações anterior ao modelo em vigor pode ser utilizado até ao respetivo encerramento. O encerramento, perda ou extravio do livro de reclamações obriga o fornecedor de bens ou o prestador de serviços a adquirir um novo livro. A perda ou extravio do livro de reclamações obriga ainda o fornecedor de bens ou o prestador de serviços a comunicar imediatamente esse facto à ASAE, devendo, durante o período de tempo em que não disponha do livro, informar o utente sobre a entidade à qual deve recorrer para apresentar a reclamação. Para evitar futuros inconvenientes, caso uma determinada reclamação seja anulada ou inutilizada, essa menção deverá ser expressamente inscrita pelo reclamante, devendo o prestador de serviços remetê-la à ASAE, como se de uma normal reclamação se tratasse. A obrigatoriedade do Livro de Reclamações consta ainda do regime jurídico dos Empreendimentos Turísticos (artigo 51.º do Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de março e artigo 10.º da Portaria n.º 517/2008, de 25 de junho, para o Alojamento Local). Quanto à Restauração e Bebidas, o diploma que estabelece os requisitos específicos destes estabelecimentos (Portaria n,º 215/2011, de 31 de maio), exige ainda que, junto à entrada do estabelecimento, em local destacado, seja afixada a indicação sobre a existência de livro de reclamações. II) FISCALIZAÇÃO A fiscalização do cumprimento do regime do Livro de Reclamações, nos setores da Hotelaria e da Restauração e Bebidas, compete à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), sem prejuízo da competência própria das forças policiais (PSP e GNR). 9

10 LIVRO DE RECLAMAÇÕES III) COIMAS E SANÇÕES ACESSÓRIAS As coimas e sanções pelas contraordenações praticadas no âmbito do regime legal do Livro de Reclamações são as seguintes: Situação / Descrição Legislação Infringida Sanção Legislação Punitiva LIVRO DE RECLAMAÇÕES Não possuir o livro de reclamações nos estabelecimentos a que respeita a atividade Alínea a) do n.º 1 do artigo 3.º De 250 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Publicidade da condenação a expensas do infrator Alínea a) do n.º 1 do artigo 9.º Não facultar imediata e gratuitamente ao utente o livro de reclamações sempre que por este tal lhe seja solicitado Alínea b) do n.º 1 do artigo 3.º De 250 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Publicidade da condenação a expensas do infrator Alínea a) do n.º 1 do artigo 9.º Não facultar imediata e gratuitamente ao utente o livro de reclamações sempre que por este tal lhe seja solicitado, tendo o utente requerido a presença de autoridade policial Alínea b), n.º 1 e n.º 4, do artigo 3.º De a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a), n.º 1 e n.º 3 do artigo 9.º Não ter afixado no estabelecimento, em local bem visível e com caracteres facilmente legíveis pelo utente, um letreiro com a informação: «Este estabelecimento dispõe de livro de reclamações» Alínea c) do n.º 1 do artigo 3.º De 250 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a) do n.º 1 do artigo 9.º Não enviar o original da reclamação para a ASAE, no prazo de 10 dias úteis n.º 1 do artigo 5.º De 250 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a) do n.º 1 do artigo 9.º 10

11 LIVRO DE RECLAMAÇÕES Não entregar o duplicado da reclamação ao utente ou não conservação de triplicado no livro n.º 4 do artigo 5.º De 250 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a) do n.º 1 do artigo 9.º Não adquirir um novo livro após encerramento, perda ou extravio do livro de reclamações n.º 1 do artigo 8.º De 250 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a) do n.º 1 do artigo 9.º Não comunicar a perda ou extravio do livro de reclamações Em caso de perda ou extravio do livro de reclamações não informar o utente sobre a entidade à qual deve recorrer para apresentar a reclamação n.º 2 do artigo 8.º De 250 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a) do n.º 1 do artigo 9.º n.º 3 do artigo 8.º De 250 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a) do n.º 1 do artigo 9.º Não manter, por um período mínimo de três anos, os livros de reclamações que tenha encerrado Alínea d) do n.º 1 do artigo 3.º De 250 a (pessoa singular) e de 500 a 5000 (pessoa coletiva) Alínea b) do n.º 1 do artigo 9.º Não fornecer ao utente a identificação e o local do estabelecimento, ou não confirmar que o utente preencheu esses campos corretamente na folha da reclamação n.º 3 do artigo 4.º De 250 a (pessoa singular) e de 500 a 5000 (pessoa coletiva) Alínea b) do n.º 1 do artigo 9.º Letreiro sem a identificação e a morada da ASAE n.º 6 do artigo 5.º De 250 a (pessoa singular) e de 500 a 5000 (pessoa coletiva) Alínea b) do n.º 1 do artigo 9.º Se a gravidade da infração o justificar, pode ainda haver lugar à aplicação de sanções acessórias: 11

12 ÁLCOOL: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Decreto-Lei n.º 50/2013 de 16 de abril - Estabelece o regime de disponibilização, venda e consumo de bebidas alcoólicas em locais públicos e em locais abertos ao públicoo 12

13 VENDA/DISPONIBILIZAÇÃO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Verifica-se a venda/disponibilização de bebidas alcoólicas a menores de 16 anos? Sim Não Verifica-se a venda/disponibilização de bebidas espirituosas ou equiparadas, a menores de 18 anos? Verifica-se a venda/disponibilização de bebidas alcoólicas a clientes notoriamente embriagados? Verifica-se a venda/disponibilização de bebidas alcoólicas a clientes que aparentam possuir anomalia psíquica? Encontra-se devidamente afixado o aviso de proibição de venda e consumo de bebidas alcoólicas e espirituosas ou equiparadas? A venda/disponibilização é feita para consumo na via pública, em espaço não licenciado do estabelecimento? Sim Não Se Sim, a venda/disponibilização é feita em recipiente de material leve e não contundente? Verifica-se a venda de bebidas alcoólicas através de máquinas automáticas? Tratando-se de estabelecimento localizado em unidade de saúde, acessível ao público, verificase a venda de bebidas alcoólicas? Trata-se de sala ou recinto de espetáculo? Sim Não 13

14 VENDA/DISPONIBILIZAÇÃO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Se Sim, a venda é feita em recipiente de material leve e não contundente? Sim Não Trata-se de estabelecimento de autosserviço? Sim Não Se Sim, encontram-se delimitados e assinalados os espaços de bebidas alcoólicas e não alcoólicas? 14

15 VENDA E CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS I) REGIME O regime legal de disponibilização, venda e consumo de bebidas alcoólicas em locais públicos e em locais abertos ao público, vulgarmente designada como Lei do Álcool, vem previsto no Decreto-Lei nº 50/2013, de 16 de abril. Este regime vem definir e distinguir os seguintes tipos de bebidas alcoólicas: Bebidas Alcoólicas Bebida Espirituosa ou equiparada bebidas espirituosas ou equiparadas e bebidas não espirituosas * de 15% vol. * Bebida não espirituosa - Toda a bebida que, por fermentação, destilação ou adição, contenha um título alcoométrico superior a 0,5% vol, mas inferior ao definido para as bebidas espirituosas. Quanto à idade mínima legal, estabelece-se que é proibido facultar, independentemente de objetivos comerciais, vender ou, com objetivos comerciais, colocar à disposição, em locais públicos e em locais abertos ao público: Bebidas Espirituosas ou equiparadas 18 anos de idade Todas as bebidas alcoólicas, espirituosas e não espirituosas 16 anos de idade aparente possuir anomalia psíquica 15

16 Nota: Este impresso é de uso exclusivo dos associados da AHRESP. É proibida a sua reprodução. Fichas Técnicas de Fiscalização VENDA E CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Estas pessoas não podem consumir bebidas alcoólicas em locais públicos e em locais abertos ao público. Pode ser exigida apresentação de um documento de identificação que permita a comprovação da idade, devendo este pedido ser feito sempre que existam dúvidas relativamente à mesma. Quanto aos locais, é proibida a disponibilização, a venda e o consumo de bebidas alcoólicas: localizados nos estabelecimentos de saúde; abrangendo os edifícios integrados destinados a atividades complementares ao abastecimento de combustível, nomeadamente lojas de conveniência, não incluindo os estabelecimentos de restauração ou de bebidas. É ainda proibida a disponibilização, a venda e o consumo de bebidas alcoólicas, em qualquer estabelecimento, entre as 0 e as 8 horas, com exceção: i) Dos estabelecimentos de restauração ou de bebidas, entendendo-se por «estabelecimento de restauração ou de bebidas», aquele que se destina a prestar, mediante remuneração, serviços de alimentação, bebidas e ou cafetaria, no próprio estabelecimento ou fora dele; ii) Dos estabelecimentos situados em portos e aeroportos em local de acessibilidade reservada a passageiros; iii) Dos estabelecimentos de diversão noturna e análogos. O estabelecimento onde se vende bebidas alcoólicas deve afixar, de forma visível, um aviso impresso e com a mensagem escrita em caracteres facilmente legíveis e sobre fundo contrastante, informando sobre as proibições de venda. (Decreto-Lei n.º 50/2013, de 16 de abril) Proibida a Venda e Consumo de Bebidas Alcoólicas 1. É proibido facultar, independentemente de objetivos comerciais, vender ou, com objetivos comerciais, colocar à disposição, em locais públicos e em locais abertos ao público: a) Bebidas espirituosas, ou equiparadas, a quem não tenha completado 18 anos de idade. b) Todas as Bebidas alcoólicas, espirituosas e não espirituosas, a quem não tenha completado 16 anos de idade, ou a quem se apresente notoriamente embriagado ou aparente possuir anomalia psíquica. 2. É ainda proibida a disponibilização, a venda e o consumo de bebidas alcoólicas: a) Nas cantinas, bares e outros estabelecimentos de restauração ou de bebidas, acessíveis ao público, localizados nos estabelecimentos de saúde; b) Em máquinas automáticas; c) Em postos de abastecimento de combustível localizados nas autoestradas ou fora das localidades; d) Em qualquer estabelecimento, entre as 0 e as 8 horas, com exceção: i) Dos estabelecimentos comerciais de restauração ou de bebidas; ii) Dos estabelecimentos situados em portos e aeroportos em local de acessibilidade reservada a passageiros; iii) Dos estabelecimentos de diversão noturna e análogos. 16

17 VENDA E CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Quanto aos materiais, prevê-se que, facultar, vender ou, com objetivos comerciais, colocar à disposição bebidas alcoólicas em sala ou recinto de espetáculo, independentemente da sua natureza permanente ou temporária, acidental ou improvisada, nomeadamente em arraiais populares, concertos musicais ou festas académicas, é obrigatoriamente realizado em recipiente de material leve e não contundente. Esta obrigação, no entanto, não se aplica aos recintos fixos de espetáculos de natureza artística onde simultaneamente se desenvolvam atividades de restauração ou de bebidas, designadamente casas de fado, cafésteatro e salas de espetáculos de casinos, nem aos recintos de espetáculos em que se realizem feiras, quando exista uma área reservada exclusivamente à prestação de serviços de restauração e bebidas, ou em mostras e ações de degustação realizadas em áreas delimitadas para o efeito. Sempre que as bebidas alcoólicas se destinem a ser consumidas fora do espaço licenciado do estabelecimento, ou seja na via pública, deve também ser utilizado material leve e não contundente. Nota: Esta obrigatoriedade não se aplica a esplanadas e outros espaços licenciados dos estabelecimentos.. II) FISCALIZAÇÃO A fiscalização do cumprimento deste regime é da competência da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), da Polícia de Segurança Pública e da Guarda Nacional Republicana, sem prejuízo das competências de fiscalização atribuídas a outras entidades. Estas entidades podem, e no decurso da fiscalização, determinar o encerramento imediato e provisório do estabelecimento, por um período não superior a 12 horas, quando e enquanto tal se revele indispensável para: a) A recolha de elementos de prova; b) A apreensão dos objetos utilizados na prática da infração; e ou c) Para a identificação dos agentes da infração e dos consumidores. A determinação do encerramento provisório do estabelecimento pode também ocorrer, por um período não superior a 12 horas, se, perante a deteção de uma infração em flagrante delito, ocorrer perigo sério de continuação da atividade ilícita. 17

18 VENDA E CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS III) COIMAS E SANÇÕES ACESSÓRIAS As coimas previstas para o incumprimento a este regime são as seguintes: Situação / Descrição Facultar, vender ou, colocar à disposição, bebidas espirituosas, ou equiparadas, a quem não tenha completado 18 anos de idade Facultar, vender ou, colocar à disposição, bebidas alcoólicas, espirituosas e não espirituosas, a quem não tenha completado 16 anos de idade Facultar, vender ou, colocar à disposição, bebidas alcoólicas, espirituosas e não espirituosas, a quem se apresente notoriamente embriagado ou aparente possuir anomalia psíquica Disponibilização, venda e o consumo de bebidas alcoólicas em cantinas, bares ou outros estabelecimentos de restauração ou de bebidas, acessíveis ao público, localizados nos estabelecimentos de saúde Disponibilização, venda ou consumo de bebidas alcoólicas através de máquinas automáticas Legislação Sanção Infringida VENDA E CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Alínea a) do n.º 1 do artigo 3.º Alínea b) do n.º 1 do artigo 3.º Alínea c) do n.º 1 do artigo 3.º Alínea a) do n.º 4 do artigo 3.º Alínea b) do n.º 4 do artigo 3.º De 500 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) De 500 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) De 500 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) De 500 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) De 500 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Responsabilidade solidária proprietário do equipamento/titular do espaço Legislação Punitiva Alínea a) e b) do n.º 1 do artigo 8.º Alínea a) e b) do n.º 1 do artigo 8.º Alínea a) e b) do n.º 1 do artigo 8.º Alínea a) e b) do n.º 1 do artigo 8.º Alínea a) e b) do n.º 1 do artigo 8.º 18

19 VENDA E CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Facultar, vender ou, com objetivos comerciais, colocar à disposição bebidas alcoólicas em sala ou recinto de espetáculo, em recipiente de material que não seja leve e não contundente n.º 7 do artigo 3.º De 500 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a) e b) do n.º 1 do artigo 8.º Não utilização de material leve e não contundente para consumo de bebidas fora do espaço licenciado do estabelecimento n.º 9 do artigo 3.º De 500 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a) e b) do n.º 1 do artigo 8.º Não afixação, ou afixação irregular, do aviso quanto à proibição de venda de bebidas alcoólicas Não delimitação e identificação dos espaços de exposição de bebidas alcoólicas e de bebidas não alcoólicas nos estabelecimentos de autosserviço n.º 1 do artigo 4.º n.º 2 do artigo 4.º De 500 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) De 500 a (pessoa singular) e de a (pessoa coletiva) Alínea a) e b) do n.º 2 do artigo 8.º Alínea a) e b) do n.º 2 do artigo 8.º Em função da gravidade e da reiteração das infrações podem ainda ser aplicadas, simultaneamente com a coima, as seguintes sanções acessórias: a) Perda do produto da venda através da qual foi praticada a infração; b) Interdição, até um período de dois anos, do exercício de atividade diretamente relacionada com a infração praticada. 19

20 TABACO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n.º 37/2007 de 14 de agosto - Aprova as normas para a proteção dos cidadãos da exposição involuntária ao fumo do tabaco e medidas de redução da procura relacionadas com a dependência e a cessação do seu consumo. 20

21 ESTABELECIMENTO COM ÁREA DESTINADA AO PÚBLICO < 100 M 2 É permitido fumar no estabelecimento? Sim Não Se Sim, a área onde se permite fumar dispõe de dispositivo de ventilação, ou outro dispositivo autónomo e dispositivo de ventilação direta para o exterior através de sistema de extração de ar? O dístico encontra-se afixado, de acordo com as disposições legais e visível a partir do exterior do estabelecimento? As áreas onde se permite fumar estão devidamente identificadas? Verifica-se a existência de utentes a fumar fora das áreas permitidas? O estabelecimento procede à venda de tabaco? Se Sim, encontra-se devidamente afixado o dístico relativo à proibição de venda a menores? O estabelecimento procede à venda de tabaco através de máquina automática? Se Sim, a máquina dispõe de dispositivo eletrónico / sistema bloqueador e encontra-se devidamente localizada? O estabelecimento faz publicidade e/ou promoção ao tabaco? A venda de tabaco é feita de acordo com as normas legais? 21

22 ESTABELECIMENTO COM ÁREA DESTINADA AO PÚBLICO 100 M 2 É permitido fumar no estabelecimento? Sim Não Se Sim, a área onde se permite fumar está: a) Separada fisicamente das restantes instalações b) Sem separação física das restantes instalações Se a), o estabelecimento dispõe de dispositivo de ventilação direta para o exterior através de sistema de extração de ar? Se b), o estabelecimento dispõe de dispositivo de ventilação ou outro dispositivo autónomo e dispositivo de ventilação direta para o exterior através de sistema de extração de ar? As áreas onde se permite fumar excedem 40% (se espaço fisicamente separado), ou 30% (sem espaço fisicamente separado) do total do espaço destinado ao público? O dístico encontra-se afixado, de acordo com as disposições legais e visível a partir do exterior do estabelecimento? As áreas onde se permite fumar estão devidamente identificadas? Verifica-se a existência de utentes a fumar fora das áreas permitidas? O estabelecimento procede à venda de tabaco? Se Sim, encontra-se devidamente afixado o dístico relativo à proibição de venda a menores? O estabelecimento procede à venda de tabaco através de máquina automática? Se Sim, a máquina dispõe de dispositivo eletrónico / sistema bloqueador e encontra-se devidamente localizada? O estabelecimento faz publicidade e/ou promoção ao tabaco? A venda de tabaco é feita de acordo com as normas legais? 22

23 EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS É permitido fumar no estabelecimento? Sim Não Se Sim, as áreas onde se permite fumar excedem 40% do total do espaço destinado ao público? As áreas onde se permite fumar estão: a) Separadas fisicamente das restantes instalações b) Sem separação física das restantes instalações Se a), o estabelecimento dispõe de dispositivo de ventilação direta para o exterior através de sistema de extração de ar? Se b), o estabelecimento dispõe de dispositivo de ventilação ou outro dispositivo autónomo e dispositivo de ventilação direta para o exterior através de sistema de extração de ar? O dístico encontra-se afixado, de acordo com as disposições legais e visível a partir do exterior do estabelecimento? As áreas onde se permite fumar estão devidamente identificadas? Verifica-se a existência de utentes a fumar fora das áreas permitidas? O estabelecimento procede à venda de tabaco? Se Sim, encontra-se devidamente afixado o dístico relativo à proibição de venda a menores? O estabelecimento procede à venda de tabaco através de máquina automática? Se Sim, a máquina dispõe de dispositivo eletrónico / sistema bloqueador e encontra-se devidamente localizada? O estabelecimento faz publicidade e/ou promoção ao tabaco? A venda de tabaco é feita de acordo com as normas legais? 23

24 TABACO I) REGIME A Lei n.º 37/2007, de 14 de agosto, ( Lei do Tabaco ), prevê a proibição genérica de fumar nos estabelecimentos de restauração ou de bebidas e nos estabelecimentos hoteleiros e outros empreendimentos turísticos onde sejam prestados serviços de alojamento. Permite-se que se possa fumar nestes estabelecimentos desde que se cumpram os seguintes requisitos: Restauração ou Bebidas: inferior a 100 m 2 pode o proprietário optar por permitir, ou não, que se fume no estabelecimento; igual ou superior a 100 m 2 apenas se permite fumar em locais destinados a esse fim, até um máximo de 30%, ou até 40% se for um espaço fisicamente separado. O trabalhador não poderá permanecer nestes locais por período superior a 30% do seu tempo diário de trabalho. Alojamento: até um máximo de 40% do total respetivo, ocupando áreas contíguas ou a totalidade de um ou mais andares. Os trabalhadores que exerçam funções em locais para fumadores, não podem permanecer nesses locais por período superior a 30% do seu tempo diário de trabalho. Qualquer destes estabelecimentos que optem por permitir o fumo, terão de cumprir com os seguintes requisitos: i. As áreas onde se permita fumar estejam devidamente sinalizadas, com afixação de dísticos em locais visíveis; ii. As áreas onde se permita fumar sejam separadas fisicamente das restantes instalações ou disponham de dispositivo de ventilação, ou qualquer outro, desde que autónomo, que evite que o fumo se espalhe às áreas contíguas; iii. Seja garantida a ventilação direta para o exterior através de sistema de extração de ar que proteja dos efeitos do fumo os trabalhadores e os clientes não fumadores. 24

25 TABACO A interdição ou o condicionamento de fumar no interior dos estabelecimentos deve ser assinalado mediante afixação de dístico com fundo vermelho (de acordo com modelo legalmente aprovado): NÃO FUMADORES NO SMOKERS NON FUMEURS Lei n.º 37/2007 de 14 de Agosto. Coima máxima aplicável As áreas onde seja permitido fumar são identificadas mediante afixação de dísticos com fundo azul (de acordo com modelo legalmente aprovado): FUMADORES SMOKERS FUMEURS Lei n.º 37/2007 de 14 de Agosto. Existe ainda um modelo de dístico que, apesar de não estar consagrado legalmente, obteve a aprovação e validação da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), destinado a estabelecimentos onde é proibido fumar, mas que possuem zona onde se permite fumar: 25

26 TABACO Estes dísticos devem ser afixados de forma a serem visíveis a partir do exterior dos estabelecimentos. Sempre que num estabelecimento o cliente fume em local onde tal não seja permitido, deverá o responsável adverti-lo para que se abstenha de fumar e, caso a ordem não seja acatada, chamar as autoridades para que lavrem o respetivo auto de notícia. É sempre permitido fumar nas áreas ao ar livre dos estabelecimentos. A venda de tabaco é proibida a menores de 18 anos, devendo ser aposto um aviso, nos próprios locais de venda, podendo a pessoa que proceda à venda de tabaco solicitar ao comprador que seja apresentado documento identificativo comprovativo da idade. A venda de tabaco através de máquinas automáticas só é permitida se estas dispuserem de um dispositivo eletrónico ou outro sistema bloqueador que impeça o acesso a menores de 18 anos, estejam localizadas no interior do estabelecimento e sejam visualizadas pelo responsável do estabelecimento, não podendo ser colocadas nas respetivas zonas de acesso, escadas ou zonas similares. São proibidas todas as formas de publicidade e promoção ao tabaco e aos produtos do tabaco, incluindo a publicidade oculta, dissimulada e subliminar, exceto informação comercial, circunscrita às indicações de preço, marca e origem e exibida exclusivamente no interior do estabelecimento, desde que esta não seja visível no exterior do estabelecimento, designadamente nas respetivas montras. II) FISCALIZAÇÃO A fiscalização do cumprimento do regime da Lei do Tabaco compete à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), sem prejuízo da competência própria das autoridades no que diz respeito à ordem para os clientes se absterem de fumar. Em matéria de publicidade a fiscalização compete à Direção-Geral do Consumidor. 26

dc050864711b4b75808d5fddf29b1991

dc050864711b4b75808d5fddf29b1991 DL 137/2015 Ministério d O -Lei nº 50/2013, de 16 de abril, veio criar um novo regime jurídico de disponibilização, venda e consumo de bebidas alcoólicas, em locais públicos e em locais abertos ao público,

Leia mais

Do preâmbulo. Da venda

Do preâmbulo. Da venda Aqui procuramos apresentar e explicar as alterações introduzidas pelo novo diploma legal Decreto-Lei n.º 50/2013 de 16 de abril que estabelece o regime de disponibilização, venda e consumo de bebidas alcoólicas

Leia mais

Título: Regime de disponibilização, venda e consumo de bebidas alcoólicas em locais públicos e em locais abertos ao público

Título: Regime de disponibilização, venda e consumo de bebidas alcoólicas em locais públicos e em locais abertos ao público Título: Regime de disponibilização, venda e consumo de bebidas alcoólicas em locais s e em locais abertos ao Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas:

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A.

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, no seu artigo 79.º estipula que é da competência

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS. Nota Justificativa

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS. Nota Justificativa REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS Nota Justificativa O Regulamento dos Períodos de Abertura e Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e

Leia mais

Vídeo Vigilância Novo quadro legal. Samuel Cabral

Vídeo Vigilância Novo quadro legal. Samuel Cabral 1 Legislação dos últimos 2 anos para o regime de exercício de Segurança Privada! Instaladores ou Profissionais de Segurança Eletrónica Clientes Finais Lei n.º 34/2013 2 - Instaladores ou Profissionais

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto OBJETIVOS Alojamento Local como categoria autónoma Eficiência Simplificação Redução

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré

Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré Preâmbulo O Regulamento dos Horários de Funcionamento de Abertura e Encerramento

Leia mais

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis DECRETO N.º 136/X Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE S. TEOTÓNIO

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE S. TEOTÓNIO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE S. TEOTÓNIO Órgão Executivo, Em de 2014 Órgão Deliberativo, Em de 2014 Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Prêmbulo Com

Leia mais

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei nº63/2015, de 23 abril OBJETIVOS

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTO PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTO PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTO PÚBLICOS ARTIGO 1º OBJECTO Este regulamento tem por objectivo a definição das regras de procedimento para

Leia mais

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro.

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS Índice Preâmbulo 3 Página Capítulo I Âmbito e objeto 3 Artigo 1.º - Âmbito e objeto 3 Artigo 2.º - Acesso e exercício das atividades 3 Capítulo II -

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE ALJEZUR APROVADO POR UNANIMIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 07/04/2014

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE ALJEZUR APROVADO POR UNANIMIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 07/04/2014 APROVADO POR UNANIMIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 07/04/2014 APROVADO POR MAIORIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 30/04/2014 REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE AS ZONAS DE ESTACIONAMENTO TARIFADO E DE DURAÇÃO LIMITADA NA VILA DE VIEIRA DO MINHO O Decreto-Lei nº 114/94, de 3 de maio, com a redação dada pelo Decreto-Lei nº 265-A/2001,

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 24 DE JUNHO DE

APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 24 DE JUNHO DE REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO E DA FISCALIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DE EXPLORAÇÃO DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS, MECÂNICAS, ELÉCTRICAS E ELECTRÓNICAS DE DIVERSÃO NO MUNICÍPIO DE SINTRA ( com as alterações

Leia mais

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local FAQ's Perguntas Frequentes Alojamento Local Estou a pensar abrir um estabelecimento de Alojamento Local e quero saber o que preciso de fazer para o licenciar? Qualquer estabelecimento de Alojamento Local

Leia mais

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DE NATUREZA COMERCIAL EM EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS DE ÂMBITO LOCAL Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento rege-se pelo disposto no artigo 241º da Constituição

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

Infrações Fiscais. Contraordenações

Infrações Fiscais. Contraordenações Infrações Fiscais O incumprimento das obrigações fiscais ou a prática de determinas atos que visem evitar ou diminuir ilicitamente os impostos devis podem constituir contraordenações ou ser consideras

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO VICENTE (REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA) REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE SÃO VICENTE

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO VICENTE (REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA) REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE SÃO VICENTE JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO VICENTE (REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA) REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE SÃO VICENTE Nota Justificativa Com a publicação da Lei n.º 75/2013, de

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 Nota Justificativa A simplificação do exercício de atividades decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril

Leia mais

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 08 março 2014

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 08 março 2014 Volvidos 9 meses da entrada em vigor do comunicado de seleção de Mediadores de 2 de maio de 2013, coube avaliar e analisar o mesmo, de modo a identificar situações que criaram alguns entraves ao expectável

Leia mais

Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas

Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Nota justificativa Com a publicação da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, foram transferidas para as Freguesias novas competências, até então

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL

REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA E DE DIVERTIMENTOS PÚBLICOS NAS VIAS, JARDINS E DEMAIS LUGARES PÚBLICOS AO AR LIVRE REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA

Leia mais

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...]

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...] Alteração ao Regulamento dos Períodos de Abertura e Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e de Prestação de Serviços do Concelho de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 48/2011,

Leia mais

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Página 1 de 12 Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Nota Justificativa No final de 2011, entrou em vigor

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS).

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS). REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS). Legislação habilitante - Considerando o artigo 64, nº 1, al u) da Lei 169/99, de

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE PROJETO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do Decreto-lei n.º 204/2012, de 29 de Abril, conjugado com o nº 3 do artigo 16.º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária

Leia mais

A iniciativa i i Licenciamento i Zero

A iniciativa i i Licenciamento i Zero LICENCIAMENTO ZERO A iniciativa i i Licenciamento i Zero Estamos perante uma iniciativa do GOVERNO: Incorporando os princípios decorrentes da Diretiva de Serviços, transposta para Portugal pelo DL 92/2010,

Leia mais

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente;

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente; RLG Atualizado a: 18 de julho de 2012 1 O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL LAVANDARIAS

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 170 Diário da República, 1.ª série N.º 9 14 de janeiro de 2013 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 3/2013 de 14 de janeiro Primeira alteração ao Decreto -Lei n.º 280/93, de 13 de agosto, que estabelece o regime

Leia mais

Projeto Regulamento dos Horários

Projeto Regulamento dos Horários Projeto de Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e de Prestação de Serviços, de Restauração ou de Bebidas no Município de Grândola Nota Justificativa O Regulamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 9294 Diário da República, 1.ª série N.º 211 28 de outubro de 2015 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 248/2015 de 28 de outubro O Decreto -Lei n.º 272/98, de 2 de setembro, estabelece

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa O Decreto Lei nº 167/97, de 4 de Julho, aprovou o regime jurídico de instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende Lei Habilitante A utilização dos equipamentos municipais carece de regulamentação. A Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº. 315/95, de 28

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 14/2008/A de 11 de Junho de 2008

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 14/2008/A de 11 de Junho de 2008 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 14/2008/A de 11 de Junho de 2008 Regime jurídico da venda e consumo de bebidas alcoólicas O alcoolismo e o início precoce

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA REAL

MUNICÍPIO DE VILA REAL MUNICÍPIO DE VILA REAL PROJETO DE ALTERAÇÕES REGULAMENTARES DIVERSAS PREÂMBULO Com a publicação Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril, que simplifica o regime de exercício de diversas atividades económicas

Leia mais

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante O que são serviços de comunicações eletrónicas? São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante remuneração e que consistem no envio de sinais através de redes de comunicações

Leia mais

Proposta de Lei n.º 247/XII

Proposta de Lei n.º 247/XII Proposta de Lei n.º 247/XII Exposição de Motivos A Diretiva n.º 2012/28/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativa a determinadas utilizações permitidas de obras órfãs,

Leia mais

Área Temática Restauração e bebidas. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos:

Área Temática Restauração e bebidas. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos: Área Temática Restauração e bebidas A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou Denominação O Empresário

Leia mais

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Mónica Oliveira Costa Portugal Outubro 2015 Recentemente

Leia mais

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VILA REAL

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VILA REAL Proposta de Projeto de REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VILA REAL NOTA JUSTIFICATIVA Em ordem a dar cumprimento ao disposto

Leia mais

Artigo 2º Cedência de instalações

Artigo 2º Cedência de instalações MANUAL INTERNO UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS Artigo 1º Disposições gerais 1. As Instalações Desportivas da escola EB André Soares têm como finalidade, para além da atividade letiva, a prestação

Leia mais

CONVERT DE ENTRADA. Decreto-lei 24/96 (artº.9º.ponto 4) Portaria n.º 215/2011 (art.º 15.º n.º 1.º e 2.º).

CONVERT DE ENTRADA. Decreto-lei 24/96 (artº.9º.ponto 4) Portaria n.º 215/2011 (art.º 15.º n.º 1.º e 2.º). Selecionamos as dúvidas sobre os direitos dos consumidores da Restauração, Bares e Discotecas quando frequentam esses estabelecimentos. Será que tenho de pagar o Convert de Entrada? Tenho de dar gorjeta?

Leia mais

Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços. Nota Justificativa

Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços. Nota Justificativa Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços Nota Justificativa O Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos

Leia mais

SINALÉTICA OBRIGATÓRIA DE ACORDO COM LEGISLAÇÃO EM VIGOR

SINALÉTICA OBRIGATÓRIA DE ACORDO COM LEGISLAÇÃO EM VIGOR www.bindopor.pt copyright c Bindopor 2015 1. Restrições à venda e ao consumo de produtos do tabaco 1.1. Lei 37/2007 de 14 de Agosto Sinalização Artigo 6.º «1 - A interdição ou o condicionamento de fumar

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO SOBRE A AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO SOBRE A AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Artigo 1º Objeto O exercício da publicidade comercial, das mensagens de propaganda e da propaganda eleitoral rege-se pelas

Leia mais

Regulamento de utilização da Biblioteca

Regulamento de utilização da Biblioteca Regulamento de utilização da Biblioteca REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA A Biblioteca do atmosfera m é um local dedicado à leitura e consulta de documentos e constitui uma das valências que o Montepio

Leia mais

DIREITOS CONEXOS. António Paulo Santos Advogado especialista em propriedade intelectual Sócio da APSMAR Advogados

DIREITOS CONEXOS. António Paulo Santos Advogado especialista em propriedade intelectual Sócio da APSMAR Advogados DIREITOS CONEXOS António Paulo Santos Advogado especialista em propriedade intelectual Sócio da APSMAR Advogados DIREITOS CONEXOS Origem e fontes dos direitos conexos. Evolução tecnológica; Convenções

Leia mais

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 02 maio 2013

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 02 maio 2013 Os conhecimentos e a experiência adquiridos ao longo dos últimos anos permitem constatar que o modo como são selecionados os mediadores dos Jogos Sociais do Estado deve ser atualizado, mantendo os critérios

Leia mais

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO CONCEITO: «Prestação de serviços de restauração ou de bebidas com carácter não sedentário», a prestação, mediante

Leia mais

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Lei n.º 1/2005, de 10 de (versão actualizada) REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Contém as seguintes alterações: - Lei n.º 39-A/2005, de 29 de Julho - Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro [ Nº de

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO ERO E D DIRETIVA DE SERVIÇOS ERVIÇOS 2014 OBJETIVOS Compreender a novidade regulamentar associado à Diretiva de Serviços e à Iniciativa Licenciamento Zero;

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

Fernanda Paula Oliveira

Fernanda Paula Oliveira 3 ARTICULAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE LICENCIAMENTO ZERO COM OS PROCEDIMENTOS URBANÍSTICOS 1. As operações urbanísticas O RJUE Operações de loteamento Obras de urbanização Obras de edificação: nova construção,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 17/98/M

Decreto-Lei n.º 17/98/M Decreto-Lei n.º 17/98/M de 4 de Maio A reprodução ilícita e em grande escala de programas de computador, fonogramas e videogramas, bem como o respectivo comércio, lesam de forma inaceitável os direitos

Leia mais

Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços da área do Município de Penela

Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços da área do Município de Penela Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços da área do Município de Penela Preâmbulo O Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos

Leia mais

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas DECRETO-LEI N.º 234/2007, DE 19 DE JUNHO ( ENTROU EM VIGOR EM 19 DE JULHO DE 2007 ) 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a) Ao nível das competências

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DEFUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DEFUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DEFUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO O Regulamento Municipal sobre Regime de Horários

Leia mais

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA Rua da Artilharia 1, n.º 21, 4.º andar 1269-003 LISBOA Telefones: 213 703 990 213 703 900 Fax 213 874 770 E-mail depspriv@psp.pt M 40.1 - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ALOJAMENTO

REGULAMENTO INTERNO ALOJAMENTO REGULAMENTO INTERNO ALOJAMENTO REGULAMENTO INTERNO DO ALOJAMENTO CASAS DE MONTANHA - ECOPARKAZIBO Seja bem-vindo às CASAS DE MONTANHA ECOPARKAZIBO. Apresentamos-lhe o nosso regulamento interno no sentido

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de Abril, publicado no âmbito do Programa Simplex, veio

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

Agências de Viagens e Turismo. guia para empresários e empreendedores

Agências de Viagens e Turismo. guia para empresários e empreendedores Agências de Viagens e Turismo guia para empresários e empreendedores Agências de Viagens e Turismo guia para empresários e empreendedores Índice pág. 1. Viagens Turísticas 5 2. Agências de Viagens e Turismo

Leia mais

carácter intencional ou não intencional da sua violação.

carácter intencional ou não intencional da sua violação. NOVAS MEDIDAS, PROCEDIMENTOS E RECURSOS PARA ASSEGURAR O RESPEITO DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL No passado dia 1 de Abril foi publicado o Decreto-Lei nº 16/2008, que transpôs para a nossa ordem

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? São várias as substâncias e métodos proibidos cuja deteção só é possível com a realização de controlos

Leia mais

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Objeto a) Pelo presente contrato, a Caixa Económica Montepio Geral, entidade com capital aberto ao investimento do público, com sede na Rua Áurea,

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril FIGURA DO ALOJAMENTO LOCAL A figura

Leia mais

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas.

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL RECINTOS COM DIVERSÕES AQUÁTICAS CAE REV_3: 93210

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net Título: Regula a base de dados e os dados pessoais registados objeto de tratamento informático no âmbito do Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas:

Leia mais

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota Justificativa Considerando que em prol dos princípios da descentralização administrativa e da

Leia mais

Questões sobre a reprodução e utilização não autorizadas. Lisboa, 25 de Fevereiro de 2010

Questões sobre a reprodução e utilização não autorizadas. Lisboa, 25 de Fevereiro de 2010 Questões sobre a reprodução e utilização não autorizadas Lisboa, 25 de Fevereiro de 2010 O que são licenças de utilização? Uma licença de utilização de software é um contrato pelo qual o autor do programa

Leia mais

Edital n.º 3. Informa-se que o mesmo entrará em vigor 15 dias após a publicação deste edital no Diário da República.

Edital n.º 3. Informa-se que o mesmo entrará em vigor 15 dias após a publicação deste edital no Diário da República. Edital n.º 3 Carlos Vicente Morais Beato, Presidente da Câmara Municipal de Grândola, faz público que, de acordo com as deliberações da Câmara e Assembleia Municipais de 11 e 21 de Dezembro de 2012, respetivamente,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DOS JOGOS DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS DE FORTUNA OU AZAR

PROJETO DE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DOS JOGOS DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS DE FORTUNA OU AZAR PROJETO DE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DOS JOGOS DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS DE FORTUNA OU AZAR O Regime Jurídico dos Jogos e Apostas online (RJO), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 66/2015, de 29 de

Leia mais

REGULAMENTO DAS FEIRAS URBANAS DE ARTESANATO, COLECIONISMO E ANTIGUIDADES. Preâmbulo

REGULAMENTO DAS FEIRAS URBANAS DE ARTESANATO, COLECIONISMO E ANTIGUIDADES. Preâmbulo REGULAMENTO DAS FEIRAS URBANAS DE ARTESANATO, COLECIONISMO E ANTIGUIDADES Preâmbulo A realização das feiras urbanas, como aquelas a que respeita o objeto do presente regulamento é já uma realidade em todo

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL EDITAL (nº112/2013) António João Fernandes Colaço, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde, no uso da competência delegada conforme despacho do Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001 Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL. Artigo 1º Disposições Gerais

REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL. Artigo 1º Disposições Gerais REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL Artigo 1º Disposições Gerais 1 - O presente regulamento estabelece os princípios, normas gerais e as condições de concessão, exploração

Leia mais

Certificação AT Portaria 22-A/2012 Página 2 de 9

Certificação AT Portaria 22-A/2012 Página 2 de 9 Certificação AT Portaria 22-A/2012 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APLICABILIDADE... 4 1.2 IMPACTO DA INTRODUÇÃO DA LICENÇA CERTIFICADA EM SISTEMAS NÃO CERTIFICADOS... 4 1.3 ASSINATURA DE DOCUMENTOS EMITIDOS PELO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

LIVRO X REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS. Nota Justificativa

LIVRO X REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS. Nota Justificativa LIVRO X REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS Nota Justificativa O Dec. Lei nº 315/95, de 28/11, e o Decreto Regulamentar nº 34/95,

Leia mais

Condições gerais de utilização da área reservada A minha CML do Portal da Câmara Municipal de Lisboa

Condições gerais de utilização da área reservada A minha CML do Portal da Câmara Municipal de Lisboa Condições gerais de utilização da área reservada A minha CML do Portal da Câmara Municipal de Lisboa Maio 2013 Versão 1.2 Versão 2.0 maio de 2013 1. OBJETO O serviço de atendimento multicanal da Câmara

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto

Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto Considerando que a entidade fiscalizadora do trânsito Câmara Municipal de Lisboa através da Polícia Municipal e da EMEL,

Leia mais