Novas regras forçaram registo de casas de férias em seis meses

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novas regras forçaram registo de 13.500 casas de férias em seis meses"

Transcrição

1 EDIÇÃO LISBOA QUA 27 MAI 2015 OCDE contesta disparidade de atendimento nos centros de saúde p10/11 Novas regras forçaram registo de casas de férias em seis meses PRÉMIOS 2014 JORNAL EUROPEU DO ANO JORNAL MAIS BEM DESENHADO ESPANHA&PORTUGAL Algarve representa 55% dos registos feitos ao abrigo do novo regime de alojamento local, aplicável a casas e apartamentos arrendados a turistas. Do total, 63% são apartamentos e 30% são moradias Economia, 17 NUNO FERREIRA SANTOS Amigo de Sócrates já está em prisão domiciliária BALSEMÃO ESCOLHE SUCESSOR DURÃO BARROSO ENTRA NO PODEROSO CLUBE DE BILDERBERG Carlos Santos Silva deixou ontem a prisão anexa à PJ, onde passou seis meses em prisão preventiva. Sócrates é agora o único preso p6 Portugal, 6 ALIMENTAÇÃO OS SNACKS DO FUTURO TÊM BARATAS, LARVAS E OUTROS INSECTOS TOS Lista VIP estava a funcionar antes de ser aprovada IGF apurou que a lista dos contribuintes VIP arrancou 11 dias antes do despacho favorável e recomenda processos disciplinares p4 Protecção de Dados exige mais autonomia Presidente Filipa Calvão diz que dependência do Ministério das Finanças condiciona actuação p2/3 Ciência, 30/31 O Principezinho, de Antoine de Saint-Exupéry Com aguarelas do autor, prefácio de Álvaro Magalhães e tradução dee Ana Saldanha Clooney ganhava as lutas todas, agora leva sempre porrada HOJE por apenas + 2,90 Carreira de George Clooney dá mais uma reviravolta com A Terra do Amanhã. Fomos ouvi-lo antes da estreia, amanhã p28/29 PUBLICIDADE Os prémios atribuídos de valor superior a estão sujeitos a imposto do selo, à taxa legal de 20%, nos termos da legislação em vigor. Ganhe até com a nova Raspadinha dos 20 anos. ISNN: Ano XXVI n.º ,15 Directora: Bárbara Reis Directores adjuntos: Nuno Pacheco, Simone Duarte, Pedro Sousa Carvalho, Áurea Sampaio Directora de Arte: Sónia Matos 05587b c2-bbc7-6dc04a76e1a4

2 2 DESTAQUE PÚBLICO, QUA 27 MAI 2015 ENTREVISTA PÚBLICO/RENASCENÇA Depender das Finanças condiciona a nossa liberdade decisória Filipa Calvão Presumo que não vão legislar sobre drones sem nos consultarem, afirma a presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados Ana Henriques e Liliana Monteiro A presidente da Comissão Nacional da Protecção de Dados entende que é grave a divulgação na Internet do vídeo das agressões ao aluno da Figueira da Foz pelos colegas. A dirigir esta entidade independente desde 2012 e doutorada em Direito, em Ciências Jurídico-Políticas pela Universidade de Coimbra, Filipa Calvão tem afrontado o Governo em matérias tão sensíveis como a lista de contribuintes VIP, a base de dados de pedófilos ou o uso de drones pela polícia nas manifestações, pondo em causa a legalidade destas medidas. Em casos como o do vídeo das agressões ao jovem da Figueira da Foz, como se equilibra o direito à privacidade com aquilo que pode constituir prova de um crime? Toda a recolha e disponibilização de imagens de pessoas constitui um tratamento de dados pessoais e nessa medida depende de previsão legal ou de autorização da Comissão Nacional da Protecção de Dados que só pode ser dada se houver consentimento de todos os envolvidos ou se existir um interesse público importante que justifique essa divulgação. Acontece que nos processos-crime tem havido alguma jurisprudência que, ponderando os valores em causa, faz prevalecer a sanção do crime sobre as regras da privacidade. Como vê a eventual utilização das imagens deste esbofeteamento em tribunal? A disponibilização destas imagens na Internet é grave, devendo ser adoptadas medidas para prevenir este tipo de situações tal como são graves os comportamentos retratados. As primeiras imagens que apareceram na comunicação social não tinham o rosto dos jovens tapado. É preciso ter algum cuidado nesse tipo de coisas. Os jovens têm hoje um conceito de privacidade diferente do dos adultos? É uma geração que cresceu num mundo tecnológico muito mais avançado que o das gerações anteriores. Por regra, a curto prazo é-lhes irrelevante o que possa ser feito com essas imagens: estão mais à vontade com a exposição da sua vida do que as gerações mais velhas. Mas não sei se estão suficientemente informados sobre as consequências que pode ter, na sua vida, a utilização de determinadas imagens suas a médio e longo prazo. São imagens que mais cedo ou mais tarde os podem vir a prejudicar. Podem servir para contratar ou não alguém no mundo laboral, por mostrarem que ele fez isto e aquilo em dado ponto da sua vida. Situações como a que aconteceu no Marquês de Pombal, em Lisboa, durante os festejos do Benfica, podiam ser mais prontamente resolvidas com videovigilância? Até agora, não há estudos que demonstrem claramente que um sistema de videovigilância sobre uma cidade ou um concelho previna efectivamente desacatos, crimes ou o que seja. A câmara não salva ninguém. Grava, transmite imagem em tempo real. Mas a intervenção policial é seguramente mais eficaz na prevenção da prática de crimes. O Ministério da Administração Interna articula-se com a comissão quando julga necessário recolher imagens de manifestações, por exemplo? Nos termos da lei, isso implica a consulta à Comissão da Protecção de Dados para emissão de parecer. Mas tem-no feito a tempo, tendo em conta que algumas decisões têm de ser tomadas quase de um dia para o outro? Quando é invocada urgência, o pedido chega em cima da hora, sem dar oportunidade à comissão para se pronunciar atempadamente. Nesse caso aprecia-se a posteriori se os pressupostos para a utilização de câmaras pelas forças de segurança estavam preenchidos. Não estando, isso implica a obrigatoriedade de eliminação das imagens, que não podem servir para efeitos de prova. Foi o que já sucedeu com o uso de drones pela PSP. A utilização destes aparelhos já foi regulada, como tem pedido repetidamente a comissão? É uma questão que tem muitas implicações na segurança nacional e na segurança física dos próprios cidadãos há riscos de acidentes com os drones, que podem chocar uns com os outros ou cair em cima das pessoas. E ao nível do impacto na privacidade. Está em preparação um diploma sobre a matéria que, tanto quanto sei, não tem ainda normas relativas à privacidade. Que é evidente que não pode deixar de ter. Recebem muitas queixas de videovigilância ilegal ou inadequada? Feitas por causa de drones são poucas ainda, até porque ainda não existe um sistema que permita saber quem os está a usar em cada momento e em cada local. Mas temos muitas queixas de utilização alegadamente indevida de videovigilância, quer nas relações de vizinhança, quer pelas entidades laborais. Isso é legal? Os sistemas de videovigilância das empresas não podem ser para controlo do trabalhador. Mesmo quando é apanhado a roubar pelas câmaras? A Constituição proíbe a invasão das comunicações entre cidadãos, a não ser que exista um despacho de um juiz a autorizar uma investigação criminal. Aqui põe-se o mesmo problema que nas comunicações electrónicas: em princípio, não é lícito usar essas imagens para levantar um processo disciplinar. Agora, quando está em causa a prática de um crime, o direito à privacidade

3 PÚBLICO, QUA 27 MAI 2015 DESTAQUE 3 EDGAR SOUSA Portugal Ver mais em pode ser ponderado. A comissão perdeu poder quando os seus pareceres sobre a instalação de videovigilância deixaram de ser vinculativos. Isso mudou alguma coisa? Só em relação ao regime da obtenção de imagens em espaços públicos pelas forças de segurança. Tendencialmente, os argumentos da comissão são, alegadamente, tomados em consideração pelo MAI. A comissão já se sentiu pressionada pelo Governo? Pela sua natureza independente, não se sente pressionada. A independência é isso mesmo: sobreviver a todo o tipo de pressões. Mas não tenho ideia que haja verdadeiramente pressões. É então uma entidade querida? [ri-se] Depende por quem. Há pessoas que a respeitam, mas nem sempre é bem-vista, porque diz muitas vezes que não. Emite muitas vezes pareceres negativos sobre diplomas legislativos, e por isso nem sempre é das entidades mais estimadas. Mas junto do público tem uma imagem positiva. Já disse uma vez que o Governo por vezes se esquece de pedir pareceres à comissão... Isso é o contrário do que perguntou atrás: nós é que pressionamos os titulares do poder político e legislativo para que não se esqueçam de nós e nos façam a consulta prevista por lei. É isso que está a acontecer com a lei dos drones? A comissão não foi, de facto, ainda ouvida, mas presumo que não vão legislar sobre drones sem nos consultarem. Tenho dúvidas de que isso possa sequer ser equacionado pelos titulares do poder legislativo. O Governo quer avançar com uma lista de pedófilos que já mereceu parecer negativo de várias entidades, incluindo a Protecção de Dados. Pode ser uma medida morta à nascença? Tenho muitas dúvidas sobre a sua conformidade com a Constituição. Essa informação já existe numa base de dados a que têm acesso as forças policiais e de investigação, que é o registo criminal. Temos dificuldade em perceber por que razão é preciso duplicá-la. Mas o principal problema da lei aprovada na generalidade no Parlamento é termos cidadãos comuns a acederem, por via indirecta, a essa base de dados. Estão a criar-se condições para uma espécie de justiça popular, carimbando na rua quem devia poder reintegrar-se na sociedade, uma vez que já cumpriu pena. Não percebo a utilidade prática desta medida. Não me parece que traga vantagens na prevenção da pedofilia. No direito penal, não me parece que se possa considerar esta lei legítima. O que sabe a comissão sobre a lista VIP do fisco? Tanto quanto sei, já não existe. O maior problema é determinar quem tem legitimidade para aceder aos dados. Ainda estamos à espera que nos digam que medidas serão adoptadas para prevenir esse acesso, que nos pareceu excessivo quer no número de pessoas, quer das entidades fora da Autoridade Tributária (AT) sem que esta controle quer os acessos por entidades internas, quer por externas. Há um prazo para o fazerem que termina em Setembro. Esse descontrolo no acesso aos dados dos cidadãos estende-se a outras áreas? Previmos realizar este ano inspecções a sistemas de bases de dados públicas e privadas para verificar como está a ser tratado o acesso a dados pessoais pela administração pública. A saúde é uma dessas áreas e a Segurança Social outra bem como a base de perfis de ADN. O caso da lista VIP pode dar origem à aplicação de multas ao Governo? Enviámos o processo para o Ministério Público. Se este concluir que não há crime, devolve-nos o processo e nós teremos de avaliar os factos que apurámos do ponto de vista da aplicação de coimas. O sistema está mal construído de raiz, por culpa de vários intervenientes. Desde logo do legislador, que, ao longo destes anos todos, não tem acautelado essa questão. Cada vez mais os dados dos cidadãos estão entregues a empresas privadas, por via do outsourcing feito pelos diferentes ministérios... É um problema. A tentativa de encolher a administração pública desde a última crise financeira teve como consequência a falta de recursos humanos. Não censuramos o recurso ao outsourcing. O que censuramos é que, dentro das entidades privadas, que são muitas, haja tanto trabalhador a aceder a informação sensível, sem que exista um controlo. Neste caso, a AT é responsável por verificar se as empresas que contratou estão a cumprir as regras. Já há resultados sobre a inspecção que a comissão fez à factura electrónica, que permite reconstituir todo o percurso de um cidadão se foi ao cabeleireiro, se foi à farmácia, a que horas o fez? Ainda não a concluímos. A ideia é verificar em que termos é processada a informação recolhida, que é, de facto, muito sensível, por retratar o nosso dia-a-dia. Vamos verificar se essa informação está a ser usada para os fins previstos na lei ou também para outras finalidades. O número de pessoas da AT a aceder a essa informação é, contudo, mais restrito. Como é que só com 25 trabalhadores a Protecção de Dados consegue levar a cabo este manancial de tarefas? A comissão precisa de condições especiais e de autonomia para exercer a sua função com independência A comissão emite muitos pareceres negativos, e por isso nem sempre é das entidades mais estimadas. Mas junto do público tem uma imagem positiva Com muita dificuldade e muitas angústias. Há dez anos entravam anualmente na comissão dois a três mil processos, em 2014 foram cerca de 18 mil. É estranho que o número de trabalhadores da comissão tenha vindo a ser reduzido em vez de aumentado. E o orçamento é suficiente? O problema são os condicionamentos à forma de gastar esse dinheiro. Queríamos contratar juristas e técnicos especializados, que não estão disponíveis no regime de mobilidade da administração pública, e não podemos ir ao mercado buscá-los. Será essa limitação propositada? Também não diria tanto. Mas a comissão precisa de condições especiais e de autonomia para exercer a sua função com independência. Não pode ficar dependente de autorizações ou pareceres favoráveis do Ministério das Finanças para gerir as despesas no seu dia-a-dia. É, evidentemente, condicionador da sua liberdade decisória. Recebem muitas reclamações? Em que áreas? No ano passado tivemos quase 700 queixas. As pessoas queixamse de videovigilância, mas também de spam, as comunicações de marketing que para serem enviadas dependem, nos termos da lei, do consentimento dos cidadãos. Também há queixas sobre o tratamento de dados feito por entidades públicas não ser o mais correcto. Quais são as hipóteses de um cidadão que queira ver-se livre das empresas que o assediam sistematicamente com vendas agressivas? Deve guardar todas as provas disso e queixar-se à comissão. No caso dos telefonemas, é mais difícil, porque os números dos quais nos ligam nem sempre aparecem identificados. É das coisas que mais incomodam as pessoas e em relação às quais é mais difícil garantir a sua defesa. Mas em princípio o contacto é feito em nome de uma empresa, sendo possível seguir esse rasto. E quando o cidadão diz que não quer que o voltem a contactar, normalmente as empresas retiram o seu nome da base de dados. O problema é quando os contactos telefónicos são subcontratados a outra empresa.

4 4 PORTUGAL PÚBLICO, QUA 27 MAI 2015 Lista de contribuintes VIP já estava a funcionar ainda antes de ser aprovada Inquérito pedido por Paulo Núncio à IGF conclui que o fisco não informou o secretário de Estado. Inspecção aponta falhas no controlo dos acessos aos dados dos contribuintes e sugere registo prévio de funcionários Fisco Pedro Crisóstomo Os serviços da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) já tinham a funcionar a lista de contribuintes VIP mesmo antes de o então subdirector-geral José Maria Pires aprovar a criação deste sistema de alerta, que permitia saber quem consultava dados fiscais de quatro contribuintes (Cavaco Silva, Passos Coelho, Paulo Portas e Paulo Núncio). No inquérito ao caso, a Inspecção- -Geral de Finanças (IGF) arrasa os procedimentos que levaram à criação da lista, considerando que a medida foi aprovada sem fundamentação, sem poder ser hierarquicamente supervisionada e, de resto, sem garantir a protecção do sigilo fiscal. As lacunas que a IGF encontrou em relação à protecção dos dados dos contribuintes, plasmadas nas conclusões ontem publicadas por este organismo do Ministério das Finanças, não se ficam pela lista VIP incluem vários procedimentos internos verificados nesta inspecção. A IGF avançou com este inquérito por ordem do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, um dos nomes incluídos na lista VIP. Em relação a este sistema de controlo, a inspecção diz que a medida não reunia as condições para ser aprovada. Mas foi o que aconteceu a 10 de Outubro, dia em que António Brigas Afonso, então director-geral do fisco, estava ausente e tinha como substituído legal José Maria Pires. Uma das conclusões da IGF é a de que a lista foi testada durante vários dias antes mesmo de José Maria Pires dar despacho favorável à criação deste sistema de alerta. A lista esteve em funcionamento entre 29 de Setembro de 2014 e 10 de Março de 2015, tendo o início ocorrido em momento anterior ao próprio despacho de autorização, a 10 de Outubro. Segundo a IGF, a medida consta de uma informação de página e meia, sem fundamentação, de facto e de direito, dos motivos e dos critérios para o tratamento específico e privilegiado daquele grupo de contribuintes, sem descrição precisa dos procedimentos e tarefas a desenvolver e sem a clara identificação dos responsáveis pela respectiva implementação. O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio (CDS-PP), que tutela a AT, era um dos quatro nomes da lista VIP A entidade de inspecção das Finanças diz que a criação daquele sistema foi uma medida não fundamentada, arbitrária e discriminatória, além de manifestamente ineficiente e ineficaz para proteger o sigilo fiscal dos contribuintes. A falta de definição clara das tarefas e da correspondente responsabilidade, a ausência de supervisão da estrutura hierárquica, diz a IGF, levaram a que a gestão da lista ficasse exclusivamente nas mãos de um só responsável da AT. Suspeitas de actos ilícitos A IGF na dependência do Ministério das Finanças e a quem o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais ordenou este inquérito diz que Brigas Afonso não informou aquele governante da existência e do funcionamento da lista VIP, uma versão que coincide com a de Paulo Núncio. Brigas Afonso, que foi ouvido no Parlamento a 20 de Março, já tinha revelado aos deputados que o secretário de Estado lhe perguntou em Fevereiro se havia uma lista. Eu disse que não. Depois, quando o processo se tornou mediático, fui ver e havia um processo de auditoria em que essa lista era referida, concedeu então Brigas Afonso, que a IGF refere agora como tendo dado uma informação incorrecta à tutela. A IGF recomenda que sejam instaurados processos disciplinares aos funcionários dirigentes da AT envolvidos no caso, considerando que os actos praticados são susceptíveis de integrar diferentes ilícitos, graus de culpa e de censura. O Ministério Público, que abriu um inquérito, a correr no Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, tem em mãos as conclusões de um outro relatório, elaborado pela Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD), em que também se admite que o caso pode indiciar ilícitos criminais. E, tal como a CNPD, a IGF encontrou lacunas na segurança dos dados dos contribuintes, que podem comprometer o sigilo fiscal. Uma das falhas tem que ver com o facto de os utilizadores das aplicações informáticas acederem livremente aos dados dos contribuintes. Para além dos cerca de funcionários da AT, há 2302 utilizadores externos (foi este o número identificado pela CNPD, mas a IGF refere apenas 893 utilizadores exteriores). À parte da lista VIP, a IGF diz que a AT não tem um controlo de segurança para verificar acessos indevidos, porque não foi avaliado esse risco e porque parte do pressuposto indevido de que a informação no interior da AT já está protegida pelo dever de sigilo dos trabalhadores. MIGUEL MANSO Segundo a IGF, a AT preocupou-se quase exclusivamente em relação a ataques externos, descurando a protecção contra acessos indevidos e ofensivas por parte dos próprios trabalhadores e colaboradores. Para prevenir acessos indevidos, a IGF recomenda que o fisco desenvolva uma aplicação em que os utilizadores façam o registo prévio do procedimento ou do acto administrativo que justifica o acesso aos dados, tal como já acontece com os dados do E-factura. À AT, actualmente liderada por Helena Borges, a IGF recomenda ainda que monitorize o cumprimento das regras de utilização das credenciais que cada funcionário do fisco tem para consultar os dados fiscais. E, para além de medidas de prevenção, sugere que sejam definidas detalhadamente as medidas de reacção imediata quando há acessos indevidos.

5

6 6 PORTUGAL PÚBLICO, QUA 27 MAI 2015 NUNO FERREIRA SANTO Empresário amigo de Sócrates deixa a cadeia e regressa a casa com pulseira electrónica Durão Barroso, da presidência da Comissão Europeia para a direcção do Clube Bilderberg Balsemão escolhe Durão Barroso para lhe suceder em Bilderberg Clube Internacional Maria Lopes Patrão da Impresa deixa direcção do clube ao fim de 32 anos. É altura de dar lugar a outro português, afirmou ao PÚBLICO Ao fim de 32 anos, Francisco Pinto Balsemão vai deixar o restrito clube de Bilderberg e já escolheu o seu sucessor no Steering Committee, o conselho director que organiza os encontros anuais. Será Durão Barroso, o ex-presidente da Comissão Europeia e antigo primeiro-ministro que o irá substituir, apurou o PÚBLICO. O novo nome português terá ainda que ser aprovado pelos restantes membros. Espera-se que Barroso assuma o cargo depois da reunião anual do clube, marcada para os Alpes austríacos para daqui a duas semanas dias depois e a poucos quilómetros do local da reunião do G7 na Alemanha. Ao PÚBLICO, Pinto Balsemão confirmou a decisão de abandonar o Steering Committee de Bilderberg e a escolha de Durão Barroso. Achei que era a altura de dar lugar a outro português, limitou-se a justificar o também fundador do PSD, que poderá continuar a ser convidado para as conferências deste restrito clube. Balsemão é dos mais antigos mem- bros daquele conselho director fez oito mandatos de quatro anos quando o habitual é metade. Em 1999 organizou na Penha Longa, em Sintra, a única reunião em Portugal. Durão Barroso já conhece os cantos à casa: foi convidado em 2003 e 2005 e manteve uma ligação como consultor. Quase tudo é decidido e discutido em segredo neste clube de poderosos. O local da reunião anual só costuma ser anunciado dias antes, assim como os nomes dos convidados, e os tópicos dos temas a discutir. Os participantes não podem divulgar o conteúdo das reuniões e impera o princípio da Chatham House Rule podem usar a informação discutida mas sem atribuir a sua origem. Órgão intermédio da organização, o Steering Committee realiza duas reuniões por ano, escolhe os temas e oradores da conferência anual. É para esta conferência que os conselheiros levam convidados do seu país. Abaixo deste conselho director, há um outro nível de ligação a Bilderberg, constituído por personalidades que prestam algum tipo de consultoria ao Steering Committee, e que podem já ter passado (ou não) pelas reuniões anuais. O Steering é constituído por 33 filiados políticos, académicos de renome, empresários e gestores de topo e de empresas de peso internacional e actualmente é presidido por Henri de Castries, o presidente executivo do grupo AXA. O magnata norte-americano David Rockfeller é conselheiro e integra o órgão supremo, o restrito Advisory Comine, de apenas nove membros. Balsemão, que entrou em Bilderberg em 1983 (acredita-se que por alguma influência de Medeiros Ferreira, que fora ministro dos Negócios Estrangeiros), costuma convidar uma personalidade mais à esquerda e outra à direita. Ainda não se conhecem as duas personalidades deste ano, mas o social-democrata tem tido dedo para a escolha de nomes que acabam por ganhar relevância na vida nacional. Pela sua mão já ali passaram os antigos primeiros-ministros (alguns antes de o serem, como Santana Lopes e José Sócrates, ambos em 2004), assim como praticamente todos os líderes do PS e do PSD excepto Passos, que foi convidado mas acabou por não ir. Mas também gestores como Ricardo Salgado, António Borges, Vasco de Mello, Murteira Nabo, Artur Santos Silva, Vasco Pereira Coutinho ou Miguel Horta e Costa. Jornalistas como Clara Ferreira Alves, Nicolau Santos, Margarida Marante ou José Eduardo Moniz. E muitos políticos António Guterres, Jorge Sampaio, Rui Machete, Deus Pinheiro, António Vitorino, Ferro Rodrigues, Paulo Portas, Leonor Beleza, Rui Rio, António Costa, Manuela Ferreira Leite, Teixeira dos Santos, Paulo Rangel, Nogueira Leite, Luís Amado ou Moreira da Silva. Operação Marquês Pedro Sales Dias Carlos Santos Silva esteve seis meses em prisão preventiva. Juiz ainda não se decidiu se ex-primeiroministro continuará preso O empresário Carlos Santos Silva, amigo do ex-primeiro-ministro José Sócrates e também arguido no mesmo processo, regressou ao final da tarde de ontem a casa, em Lisboa, onde ficará vigiado com pulseira electrónica enquanto decorre o inquérito, confirmou o PÚBLICO junto de fonte dos serviços prisionais. O arguido saiu pelas 18h30 da cadeia anexa de PJ em Lisboa e chegou a casa, em Telheiras, Lisboa, pelas 19h. A alteração da medida de coacção ocorre seis meses após o empresário ser colocado em prisão preventiva e numa altura em que se impunha a revisão da decisão. O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal, Carlos Alexandre, decidiu a alteração da medida e terá recebido na tarde de segunda-feira o relatório dos técnicos da Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais favorável ao regresso a casa. O PÚBLICO tentou, sem sucesso, contactar a sua advogada, Paula Lourenço. Na segunda-feira, os técnicos deslocaram-se à habitação para verificarem as condições para a instalação do equipamento necessário ao controlo dos movimentos do arguido por pulseira electrónica. Já quanto a Sócrates, a alteração da medida de coacção ainda não se verificou. A última revisão teve lugar Carlos Santos Silva está desde ontem em prisão domiciliária em 9 de Março, pelo que ainda não decorreu o prazo legal para nova revisão, referiu o Conselho Superior da Magistratura num enviado ao PÚBLICO. Também um dos advogados de Sócrates, Pedro Delille, garantiu que até ontem a defesa não foi notificada de qualquer mudança na medida de coacção, pelo que o ex-governante se mantém em prisão preventiva. De resto, o advogado congratulou-se com a saída da cadeia de Carlos Santos Silva. Não temos qualquer reacção, mas é sempre um final positivo saber que o engenheiro Carlos Santos Silva deixa de estar em prisão preventiva. Esperemos que o mesmo venha a acontecer com o engenheiro José Sócrates face aos vários recursos interpostos. Aliás, sempre dissemos que a prisão preventiva é completamente injustificável, disse. A revisão da medida de coacção de José Sócrates só deverá ser tomada nas próximas duas semanas, dado que o juiz tem até 9 de Junho para a reexaminar. João Araújo, outro advogado de José Sócrates, expressou sexta-feira um entendimento diferente do juiz, insistindo que o prazo para rever a prisão preventiva do exprimeiro-ministro termina no próximo domingo, 24 de Maio. Santos Silva, que na tese do MP será testa-de-ferro de Sócrates, foi detido a 20 de Novembro, na véspera da detenção do ex-primeiro-ministro. Ambos ficaram presos preventivamente a partir de 24 de Novembro, por suspeitas de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção. A defesa de Sócrates, adiantou Pedro Delille, entregou um recurso no Tribunal Constitucional no qual contesta a decisão da Relação de Lisboa, que, em Março passado, confirmou a prisão preventiva de Sócrates, comprovando a existência de indícios suficientes dos crimes e também o risco de perturbação da recolha e conservação da prova. Sócrates é agora o único arguido em prisão preventiva neste processo. Também o ex-motorista de Sócrates, João Perna, que esteve inicialmente na cadeia, foi libertado em Fevereiro após o juiz ter considerado que já não estava em causa os perigos de fuga e de continuação da actividade criminosa. Igualmente o administrador do Grupo Lena Joaquim Barroca Rodrigues, suspeito de ser um dos principais corruptores do ex-primeiro-ministro José Sócrates, deixou no mês passado o Hospital-Prisão de Caxias e regressou a casa, onde aguardará o desenvolvimento do processo em prisão domiciliária.

7 Apoio às micro e pequenas empresas O NOVO BANCO tem soluções moldadas à medida da Indústria, soluções feitas por uma equipa que conhece bem o setor e as ferramentas para o apoiar. Esse conhecimento e essa experiência são determinantes, por exemplo, nas candidaturas ao PME Crescimento 2015, ao Compete 2020 e no acesso à linha de crédito FEI INOVAÇÃO. Se juntarmos a isto inovações como o NB Express Bill que garante pagamentos e recebimentos a horas já percebemos melhor por que razão o NOVO BANCO é uma referência no apoio às micro e pequenas empresas, ou seja, no apoio a quem faz. novobanco.pt/empresas

8 8 PORTUGAL PÚBLICO, QUA 27 MAI 2015 PCP quer metade da dívida perdoada, manter TSU, reduzir IVA e salvar a TAP Há solução para os problemas nacionais, diz Jerónimo de Sousa, que apresentou ontem os principais eixos do programa, com críticas ao Governo e ao PS. PCP quer baixar o IVA da restauração de 23% para 13% Eleições Maria João Lopes Quando o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse que o partido é pelo rigor das contas públicas e deu como exemplo de seriedade na gestão de dinheiros públicos as autarquias CDU, a assistência aplaudiu. Na apresentação dos principais eixos do programa eleitoral, ontem, em Lisboa, o líder comunista deixou claro ser possível defender serviços públicos, renegociar a dívida ou aumentar salários, sem ferir as contas do país. Alterações fiscais no IVA, no IRS, o cumprimento integral dos descontos para a Segurança Social com base na TSU, a recapitalização da TAP e o perdão de cerca de metade da dívida são algumas das propostas. Há solução para os problemas do país, afirmou Jerónimo de Sousa. Sobre o tema da sustentabilidade do sistema, e opondo-se a alterações nos descontos através da Taxa Social Única, defendeu a adopção de medidas que garantam o cumprimento integral dos descontos para a Segurança Social com base na TSU e a diversificação das fontes de financiamento através do Valor Acrescentando Líquido criado pelas empresas. No documento está ainda inscrita a revogação da sobretaxa do IRS e a fixação de dez escalões e do regime de deduções deste imposto ; a redução da taxa normal do IVA e o alargamento da aplicação da taxa reduzida ou intermédia a bens e serviços essenciais, o que inclui o IVA a 13% na restauração. E defendem ainda a criação de um imposto sobre transacções financeiras e sobre o património mobiliário. A apresentação do programa final é a 7 de Julho, mas o PCP adiantou já que é pelo fim das taxas moderadoras, pela garantia de que todos os portugueses têm médico de família e pela reposição de transporte a doentes não-urgentes. E querem um Programa Nacional de Combate à Precariedade. Os comunistas defendem a redução dos custos de energia, o fim do pagamento especial por conta pelas pequenas e médias empresas, a reposição dos salários, o aumento destes em geral, assim como o do NUNO FERREIRA SANTOS Jerónimo de Sousa explicou que pretende assegurar uma política fiscal que elimine a protecção ao grande capital e combata a evasão fiscal salário mínimo nacional para 600 euros no início de No que toca a impostos, o PCP assume com toda a clareza que a política fiscal pode e deve garantir as receitas públicas necessárias para que o Estado cumpra as funções sociais: A questão fiscal não é o falso dilema em que insiste a política de direita, de subir ou descer impostos em abstracto. A questão é ver quem pode e deve pagar mais ou quem deve pagar menos, disse Jerónimo, defendendo ser necessário desagravar significativamente a carga fiscal sobre os trabalhadores e sobre quem tem rendimentos mais baixos e onerar fortemente a tributação do grande capital, dos seus lucros e da especulação financeira. Renegociar a dívida O PCP quer ainda romper com dependências externas e renegociar a dívida: Uma renegociação da dívida directa do Estado, em particular da correspondente ao empréstimo da troika, com uma redução dos montantes não inferior a 50% do valor nominal, em simultâneo com a renegociação de prazos e juros, visando a diminuição dos custos com o serviço da dívida em 75% que, associado a um pagamento que tenha como referência o valor das exportações, permitirá libertar mais de seis mil milhões de euros por ano para os atribuir ao investimento público, às funções sociais do Estado, à dinamização da economia. Jerónimo de Sousa explicou que se pretende, do lado da receita do Estado, assegurar uma política fiscal que elimine a protecção ao grande capital e combata a evasão fiscal. Do lado da despesa, as propostas passam pelo resgate das PPP e dos contratos swap, por uma séria limitação à contratualização de serviços externos e por um eficaz combate ao desperdício e descontrolo na utilização dos dinheiros públicos. Sobre a TAP, defendem a recapitalização da transportadora por via do Estado e a garantia do controlo público da totalidade da empresa. E insistem no fim dos constrangimentos externos impostos pela União Europeia, o que passa por preparar o país para se libertar da submissão ao euro. O Jerónimo de Sousa quer onerar fortemente a tributação do grande capital, dos seus lucros e da especulação financeira PCP defende ainda um forte poder local com regiões administrativas e uma estrutura administrativa descentralizada. No discurso, Jerónimo de Sousa insistiu que os portugueses não têm de escolher entre os dois males que os partidos da política de direita propõem. E referiu-se mesmo a inconsistentes cenários macroeconómicos, sem qualquer colagem com a realidade, construídos para justificar o prosseguimento da política de afundamento. Antes, o membro do comité central do PCP, Agostinho Lopes, já tinha abordado o cenário macroeconómico do PS com alguma ironia, quando disse que o programa do PCP, sem desvalorizar a contribuição especializada, não é um programa de sábios. Mas defendeu ser uma farsa haver diferenças entre os programas do PS e da coligação.

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Pela Lei n.º 93/99, de 14 de Julho, a Assembleia da República aprovou o diploma que regula a aplicação de medidas para protecção de testemunhas em processo penal,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 29/2008, de 25 de Fevereiro I série nº39

Decreto-Lei n.º 29/2008, de 25 de Fevereiro I série nº39 Estabelece deveres de comunicação, informação e esclarecimento à administração tributária para prevenir e combater o planeamento fiscal abusivo O presente decreto-lei, na sequência da autorização legislativa

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

MÉDICOS DA TROPA SUSPEITOS DE CORRUPÇÃO P.4

MÉDICOS DA TROPA SUSPEITOS DE CORRUPÇÃO P.4 MÉDICOS DA TROPA SUSPEITOS DE CORRUPÇÃO P.4 Polícia Judiciária Militar investiga empresa de Massamá ligada a negócio de cirurgias de urologia em unidades do setor privado MÉDICOS DO HOSPITAL M lutar DESVIAM

Leia mais

Conferência Privacidade, Inovação e Internet

Conferência Privacidade, Inovação e Internet Privacidade, Inovação e Internet Privacidade e Proteção de Dados 22 de maio de 2013 Com o patrocínio da Google APDSI promove conferência sobre Lisboa, 22 de maio de 2013 - A APDSI realizou, a 22 de maio

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

A MJG&A na Revista Quem é Quem - Sociedades de Advogados 2013, publicada em anexo ao Diário Económico de 29 de Novembro de 2013

A MJG&A na Revista Quem é Quem - Sociedades de Advogados 2013, publicada em anexo ao Diário Económico de 29 de Novembro de 2013 NOTÍCIAS A MJG&A na Revista Quem é Quem - Sociedades de Advogados 2013, publicada em anexo ao Diário Económico de 29 de Novembro de 2013 A MJG&A esteve presente no jantar de apoio a António Raposo Subtil,

Leia mais

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4 DL 35/2014 2014.01.23 A Lei 64-B/2011, de 30 de dezembro, que aprovou o orçamento do Estado para o ano de 2012, promoveu a criação de novas medidas de combate à fraude e evasão fiscais. Neste contexto

Leia mais

Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro Os indicadores de pobreza relativos a Portugal evidenciam a necessidade de correcção das intoleráveis assimetrias de rendimento existentes entre os Portugueses,

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

DESTAQUE FACTURAÇÃO ELECTRÓNICA Fisco vai reforçar informática. para. evitar 'crash'

DESTAQUE FACTURAÇÃO ELECTRÓNICA Fisco vai reforçar informática. para. evitar 'crash' DESTAQUE FACTURAÇÃO ELECTRÓNICA Fisco vai reforçar informática para evitar 'crash' Finanças querem comprar novo servidor para garantir processamento das facturas comunicadas via electrónica. Paula Cravina

Leia mais

INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 83-G3

INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 83-G3 Adopta medidas mais justas no acesso aos medicamentos, combate à fraude e ao abuso na comparticipação de medicamentos e de racionalização da política do medicamento no âmbito do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA justifiquem, concretamente, como e quando vieram à sua posse ou não demonstrem satisfatoriamente a sua origem lícita, são punidos com pena de prisão até três anos e multa até 360 dias. 2 O disposto no

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

Descoberta identidade

Descoberta identidade Descoberta identidade do segundo beneficiário das transferências de Rosalina Caso Feteira Acusação do Ministério Público brasileiro diz que os desvios de dinheiro estiveram na origem do crime de que é

Leia mais

Série I, N. 25 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.50

Série I, N. 25 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.50 Quarta-Feira, 7 de Julho de 2010 Série I, N. 25 $ 0.50 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE SUMÁRIO PARLAMENTO NACIONAL : LEI N. 7/2010 de 7 de Julho Lei Contra a Violência Doméstica...

Leia mais

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Diário de noticias, por Hugo Filipe Coelho 17-10-11 Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Dinheiro público. PSD e CDS

Leia mais

Marinho Pinto. O Ministério da Justiça está a ser usado para ajustes de contas

Marinho Pinto. O Ministério da Justiça está a ser usado para ajustes de contas Cavaco Silva convoca mandões da Justiça para Belém Marinho Pinto. O Ministério da Justiça está a ser usado para ajustes de contas De acordo com a Ordem dos Advogados, apenas 2238 processos estavam irregulares

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses A conferência de imprensa realizada por Paulo Portas e pela

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª Cria uma nova taxa aplicável às transacções financeiras realizadas no mercado de valores mobiliários 1. Durante a crise financeira,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL

PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL Exposição de motivos No seu Programa de candidatura e depois no Programa de Governo o

Leia mais

Processo: R-4559/98 (A2) Assunto: Tributação com recurso a presunções e métodos indiciários. Dever de fundamentação. O caso concreto de M...

Processo: R-4559/98 (A2) Assunto: Tributação com recurso a presunções e métodos indiciários. Dever de fundamentação. O caso concreto de M... Processo: R-4559/98 (A2) Assunto: Tributação com recurso a presunções e métodos indiciários. Dever de fundamentação. O caso concreto de M... Decisão: A situação objecto de queixa foi pelo Provedor de Justiça

Leia mais

PARECER N.º 43/CITE/2010

PARECER N.º 43/CITE/2010 PARECER N.º 43/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento de trabalhadora

Leia mais

Nos termos da alínea a) do Nº 1 do artigo 198º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Nos termos da alínea a) do Nº 1 do artigo 198º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Das neue Gesetzesdekret über das Sofortunternehmen Decreto-Lei Nº 111/2005 de 8 de Julho O desenvolvimento da competitividade da economia portuguesa é uma prioridade fundamental do XVII Governo Constitucional.

Leia mais

Resumo de Imprensa. Quinta-feira, 19 de Junho de 2008

Resumo de Imprensa. Quinta-feira, 19 de Junho de 2008 Resumo de Imprensa Quinta-feira, 19 de Junho de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Setenta respostas sobre as mudanças na função pública. Últimas medidas arrancam em Janeiro (págs. 1, 14 a 21) Aumentos, reformas,

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO INFORMAÇÃO N.º 56 P E R Í O D O DE 23 A 30 D E D E Z E M B R O DE 2011 PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO Dec. Lei n.º 119/2011, de 26 de Dezembro Estabelece com carácter permanente o limite legal

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais

Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X

Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X COMISSÃO EVENTUAL DE INQUÉRITO PARLAMENTAR AO ACOMPANHAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO DO HOSPITAL AMADORA - SINTRA 1 - Em 4 de Junho de 2004, a Administração

Leia mais

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA UM NOVO PASSO Seminário 16 de abril de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Leia mais

Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS. Preâmbulo

Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS. Preâmbulo Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS Preâmbulo Na sequência da adopção da Lei Orgânica do Tribunal de Contas, tem o presente diploma como escopo fundamental definir o processo atinente

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr.

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Francisco Ramos) Ex.mo Senhor Presidente da Comissão Parlamentar da Saúde, representado

Leia mais

1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1

1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1 Radios_8_Abril_2015 Revista de Imprensa 1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1 2. Sindicatos da PSP enviam proposta conjunta ao ministério, TSF - Notícias, 07-04-2015

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 91 12 de Maio de 2009 2829 Artigo 8.º Garantias do Estado 1 Os créditos concedidos pelo Estado ao abrigo da presente linha de crédito gozam de privilégio imobiliário

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 008 de 25/01/01 Vamos passar ao ponto nº 4 da nossa ordem do dia, ou seja, à Proposta de Resolução Medidas de Combate à Leptospirose. Tem a palavra o Sr. Deputado Bento Barcelos. Deputado

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

COMISSÃO DE SAÚDE ACTA NÚMERO 119/XII/ 3.ª SL

COMISSÃO DE SAÚDE ACTA NÚMERO 119/XII/ 3.ª SL Aos 22 dias do mês de janeiro de 2014, pelas 10:00 horas, reuniu a Comissão de Saúde, na sala 1 do Palácio de S. Bento, na presença dos Senhores Deputados constantes da folha de presenças que faz parte

Leia mais

Fausto. de Quadros. 'A verdadeira. reforma do. Estado' S Pág. 24

Fausto. de Quadros. 'A verdadeira. reforma do. Estado' S Pág. 24 Fausto de Quadros 'A verdadeira reforma do Estado' S Pág. 24 FAUSTO DE QUADROS PROFESSOR DE DIREITO 'Reformar o Estado é mais do que despedir funcionários' Manuel A. Magalhães manuei.a.magalhaes@sol.pt

Leia mais

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Seminário internacional: Inclusão dos cidadãos em políticas públicas de saúde A participação dos cidadãos no sistema de saúde português Mauro Serapioni Centro de

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, dia 30 de Janeiro de 2008

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, dia 30 de Janeiro de 2008 Resumo de Imprensa Quarta-feira, dia 30 de Janeiro de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Exportações para Angola atingem valores recorde (págs.1, 12 e 13) As empresas portuguesas já vendem quase tanto para aquele

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

1. (PT) - TVI 24 - Política Mesmo, 25/06/2014, Discurso de António José Seguro: Direto 1

1. (PT) - TVI 24 - Política Mesmo, 25/06/2014, Discurso de António José Seguro: Direto 1 Tv's_25_Junho_2014 Revista de Imprensa 26-06-2014 1. (PT) - TVI 24 - Política Mesmo, 25062014, Discurso de António José Seguro: Direto 1 2. (PT) - RTP Informação - Grande Jornal, 25062014, Consultas no

Leia mais

Quase metade dos cursos superiores impedidos de aumentar vagas

Quase metade dos cursos superiores impedidos de aumentar vagas Pág: 6 ID: 59471903 28-05-2015 Quase metade dos cursos superiores impedidos de aumentar vagas Área: 26,00 x 31,31 cm² Corte: 1 de 5 estaque Cursos superiores e mercado de trabalho Superior 45% dos cursos

Leia mais

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Fevereiro de 2012 Índice 1. Resumo das actividades... 1 2. Balanço e aperfeiçoamento... 6 3. Perspectivas para os trabalhos

Leia mais

Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional

Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional I - Introdução Foi solicitado à Associação dos Advogados de

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 A TRANSFORMAÇÃO DOS HOSPITAIS SA EM HOSPITAIS EPE, A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE EM PORTUGAL E O PROGRAMA DO GOVERNO PS PARA A ÁREA DA SAÚDE RESUMO

Leia mais

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado Florbela Batalha Ramiro Marques (Orientação) 1. Introdução O Código Deontológico é um documento que reúne um conjunto de regras que

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

ECONOMIA. Esquema financeiro provoca buraco de 3 mil milhões em empresas públicas. Gostava muito que as gentes não se resignassem

ECONOMIA. Esquema financeiro provoca buraco de 3 mil milhões em empresas públicas. Gostava muito que as gentes não se resignassem JOÃO DUQUE Fundos de arrendamento podem ajudar as famílias E14 LUÍS MARQUES Estamos a caminho de um caos, de um caos político E12 JOÃO VIEIRA PEREIRA Constituição: mais que mudar é preciso incluir limites

Leia mais

Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento

Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento Fonte: anti-corrupcao.150m.com e Correio da Manhã O juiz Pedro Miguel Vieira validou as mais de 16 mil horas de escutas do caso Apito Dourado e decidiu levar

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE Artigo 1.º Objectivos da avaliação A avaliação do pessoal não docente visa: a) A avaliação profissional, tendo em conta os conhecimentos, qualidades e

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Resumo de Imprensa. Terça-feira, 1 de Abril de 2008

Resumo de Imprensa. Terça-feira, 1 de Abril de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO Resumo de Imprensa Terça-feira, 1 de Abril de 2008 1. Prestação da casa atinge máximos (págs. 1, 24 e 25) A prestação mensal do crédito à habitação voltou a subir: Em Março, a Euribor

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2.

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2. LEI N.º67/2007 Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas Artigo 1.º Aprovação É aprovado o Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais

Leia mais

Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª

Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª Revoga os benefícios fiscais concedidos a PPR s planos de poupança reforma - e ao regime público de capitalização Procede a

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Noticias 3.º Congresso da Investigação Criminal

Noticias 3.º Congresso da Investigação Criminal Noticias 3.º Congresso da Investigação Criminal Paula Teixeira da Cruz: PJ não vai ser fundida Correio da Manhã, 30-03-12 A independência da Judiciária, "que não vai ser fundida num corpo de polícia única",

Leia mais

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero IV GOVERNO CONSTITUCIONAL Proposta de Lei n. De... de... Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero O Fundo Petrolífero foi estabelecido em 2005 com o objectivo de contribuir

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS Exposição de motivos O presente projecto de lei consagra a integração

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

Portugal: Uma crise em várias frentes

Portugal: Uma crise em várias frentes Portugal: Uma crise em várias frentes Luís Alves de Fraga 1 Universidade Autónoma de Lisboa Antecedentes As causas da actual situação portuguesa remontam a várias décadas atrás, nomeadamente aquando da

Leia mais

1. Marcelo Rebelo de Sousa vai ser um bom Presidente da República?, RTP 1 - Prós e Contras, 25-01-2016 1

1. Marcelo Rebelo de Sousa vai ser um bom Presidente da República?, RTP 1 - Prós e Contras, 25-01-2016 1 Tv's_25_Janeiro_2016 Revista de Imprensa 1. Marcelo Rebelo de Sousa vai ser um bom Presidente da República?, RTP 1 - Prós e Contras, 25-01-2016 1 2. Conversa com Marisa Matias, RTP 2 - Página 2, 25-01-2016

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª Tributa as mais-valias mobiliárias realizadas por Sociedades Gestores de Participações Sociais (SGPS), Sociedades de Capital

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem

Leia mais

Pergunta. Anúncio do Governo de uma pretensa devolução aos portugueses, em 2016, de um montante da Sobretaxa paga em 2015.

Pergunta. Anúncio do Governo de uma pretensa devolução aos portugueses, em 2016, de um montante da Sobretaxa paga em 2015. Pergunta Destinatário: Senhora Ministra de Estado e das Finanças Assunto: Anúncio do Governo de uma pretensa devolução aos portugueses, em 2016, de um montante da Sobretaxa paga em 2015. Exma. Senhora

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna-se indispensável actualizar princípios e normas até ao momento vigentes

Leia mais

25 Anos na União Europeia 25 Anos de Instituto Europeu. Onde estamos? Para onde vamos? Congresso Internacional

25 Anos na União Europeia 25 Anos de Instituto Europeu. Onde estamos? Para onde vamos? Congresso Internacional Organização: 25 Anos na União Europeia 25 Anos de Instituto Europeu Onde estamos? Para onde vamos? Congresso Internacional 28, 29 e 30 de Nov. de 2011 Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

PARECER N.º 100/CITE/2009

PARECER N.º 100/CITE/2009 PARECER N.º 100/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Processo n.º 535 DL/2009

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 7 V Outras informações 8 NEWSLETTER

Leia mais

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Managing Director _ Executive Researcher_ António Gomes [antonio.gomes@gfk.com] João Costa [joao.costa@gfk.com] Contexto O estudo foi desenvolvido no âmbito do

Leia mais