Protecção de Dados Pessoais 27 de Maio de 2014 Protecção de Dados Pessoais e o Direito do Trabalho. Helena Tapp Barroso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protecção de Dados Pessoais 27 de Maio de 2014 Protecção de Dados Pessoais e o Direito do Trabalho. Helena Tapp Barroso (htb@mlgts."

Transcrição

1 Protecção de Dados Pessoais 27 de Maio de 2014 Protecção de Dados Pessoais e o Direito do Trabalho Helena Tapp Barroso

2 Protecção de Dados Pessoais e o Direito do Trabalho MÚLTIPLOS PLANOS Recrutamento e contratação Gestão de trabalhadores e processamento de remunerações Controlo de assiduidade (sistemas biométricos) Actividades e Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho Gestão de processos e sanções disciplinares Controlo de chamadas telefónicas, e Internet Videovigilância (e outros meios de vigilância à distância) Acidentes de Trabalho (Dados de Saúde) Linhas de Ética (Whistleblowing) 2

3 Tratamento de dados no âmbito da contratação de pessoal Código do Trabalho ( ) 3

4 Tratamento de dados no âmbito da contratação de pessoal Código do Trabalho ( ) ( ) Responsável EMPREGADOR Código do Trabalho Cfr. artigo 108.º Lei n.º 102/2009 (regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho) na redacção dada pela Lei n.º 3/2014 sobre a realização de exames de saúde adequados a comprovar e avaliar a aptidão física e psíquica do trabalhador para o exercício da atividade (e repercussão na saúde do trabalhador. Cfr., em especial realização de exames de admissão, antes do início da prestação de trabalho). 4

5 Tratamento de dados no âmbito da contratação de pessoal Agências Privadas de Colocação de Candidatos a Empregos Empresas de Trabalho Temporário Empresa de Trabalho Temporário Agência Privada de Colocação de Candidatos a Empregos Desenvolve actividade de cedência temporária de trabalhadores para ocupação por utilizadores Pode, ainda, desenvolver actividades de selecção, orientação e formação profissional, consultadoria e gestão de recursos humanos Decreto-lei n.º 260/2009, de 25 de Setembro (republicado pela Lei n.º 5/2014 de 12 de Fevereiro) Tem por objeto um ou mais dos seguintes serviços: a)recepção das ofertas de emprego; b)inscrição de candidatos a emprego; c)colocação de candidatos a emprego; d) Selecção, orientação ou formação profissional, desde que desenvolvida com vista à colocação do candidato a emprego. Pode ainda promover a empregabilidade de candidatos a emprego através do apoio à procura activa de emprego ou autoemprego 5

6 Tratamento de dados no âmbito da contratação de pessoal Agências Privadas de Colocação de Candidatos a Empregos Algumas menções constantes do Decreto-lei n.º 260/2009 (republicado pela Lei n.º 5/2014 de 12 de Fevereiro) Regime das Empresas de Trabalho Temporário e das Agências Privadas de Colocação de Candidatos ( ) ( ) ( ) 6

7 Tratamento de dados no âmbito da Gestão de trabalhadores e processamento de remunerações ( ) Código do Trabalho Finalidade do tratamento Autorização de isenção n.º 1/99 Processamento de retribuições, prestações, abonos de funcionários ou empregados Autorização de isenção n.º 4/99 Gestão administrativa de funcionários, empregados e prestadores de serviços Categorias de dados Prazo de conservação Destinatários dos dados 7

8 Gestão de trabalhadores e processamento de remunerações Autorização de isenção n.º 1/99 Autorização de isenção n.º 4/99 Categorias de Dados (os estritamente necessários à realização das finalidades, limitando-se às seguintes categorias de dados) a) Dados de identificação: o nome, data de nascimento, naturalidade, filiação, sexo, nacionalidade, morada e telefone, habilitações literárias, número de bilhete de identidade, número de contribuinte, número de segurança social, número de sócio do sindicato; b) Situação familiar: estado civil, nome do cônjuge, filhos ou pessoas a cargo e outras informações susceptíveis de determinar a atribuição de complementos de remuneração; c) Sobre a actividade profissional: horário e local de trabalho, número de identificação interno, data de admissão, antiguidade, categoria profissional, antiguidade na categoria, nível/escalão salarial, natureza do contrato; d) Elementos relativos à retribuição: retribuição base, outras prestações certas ou variáveis, subsídios, férias, assiduidade e absentismo, licenças, outros elementos relativos à atribuição de complementos de retribuição, montante ou taxa em relação aos descontos obrigatórios ou facultativos; e) Outros dados: grau de incapacidade do trabalhador ou de membro do agregado familiar, incapacidade temporária resultante de acidente de trabalho ou de doença profissional, local de pagamento, número de conta bancária, número de associado e identificação da entidade à ordem da qual devem ser efectuados descontos obrigatórios ou facultativos (sindicato, serviços sociais, grupo desportivo, etc.). Autorização de isenção n.º 1/99 a) Dados de identificação: Nome, idade, número de bilhete de identidade, morada, telefone, fax, , número de identificação interno e fotografia; b) Outros dados: Habilitações literárias e profissionais, funções exercidas, categoria, situação profissional e local de trabalho. Autorização de isenção n.º 4/99 8

9 Gestão de trabalhadores e processamento de remunerações Autorização de isenção n.º 1/99 Autorização de isenção n.º 4/99 Finalidades (exclusivas) indicadas nas Autorizações de isenção a) O cálculo e pagamento de retribuições, prestações acessórias, outros abonos e gratificações; b) O cálculo, retenção na fonte e operações relativas a descontos na retribuição, obrigatórios ou facultativos, decorrentes de disposição legal; c) convenção colectiva de trabalho, pedido formulado pelo trabalhador ou decisão judicial; d) O cálculo da participação nos lucros da empresa, nos termos da legislação aplicável; e) A realização de operações estatísticas não nominativas relacionadas com o processamento de salários no âmbito da entidade processadora; gestão administrativa de funcionários, empregados e prestadores de serviços Autorização de isenção n.º 4/99 Autorização de isenção n.º 1/99 9

10 Gestão de trabalhadores (e processamento de remunerações) Controlo de assiduidade Sistemas biométricos Código do Trabalho Princípios sobre a utilização de dados biométricos no âmbito do controlo de acessos e de assiduidade Considerando ( ) A CNPD alerta os responsáveis para a necessidade de cumprirem certos princípios de protecção de dados e informa que irá considerar os seguintes aspectos no momento da apreciação dos tratamentos de dados biométricos para controlo de acessos e de assiduidade ( ). 26 de Fevereiro de

11 Gestão de trabalhadores (e processamento de remunerações) 11

12 Gestão de trabalhadores Gestão de processos e sanções disciplinares Código do Trabalho Artigo 8.º Suspeitas de actividades ilícitas, infracções penais e contra-ordenações finalidades prazo de conservação ( ) 2 - O tratamento de dados pessoais relativos a suspeitas de actividades ilícitas, infracções penais, contra-ordenações e decisões que apliquem penas, medidas de segurança, coimas e sanções acessórias pode ser autorizado pela CNPD, observadas as normas de protecção de dados e de segurança da informação, quando tal tratamento for necessário à execução de finalidades legítimas do seu responsável, desde que não prevaleçam os direitos, liberdades e garantias do titular dos dados. 12

13 Actividades e Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho Serviços de Medicina do Trabalho Lei 102/2009 de 10 de Setembro (republicada pela Lei n.º 3/2014 de 28 de Janeiro) ( ) ( ) Obrigações de conservação ( ) 13

14 Actividades e Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho Serviços de Medicina do Trabalho Código do Trabalho Lei 102/2009 de 10 de Setembro (versão publicada em anexo à Lei n.º 3/2014 de 28 de Janeiro) ( ) 14

15 Actividades e Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho Lei 102/2009 de 10 de Setembro (republicada pela Lei n.º 3/2014 de 28 de Janeiro) ( ) 15

16 Actividades e Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho Serviços de Medicina do Trabalho Lei 102/2009 de 10 de Setembro (republicada pela Lei n.º 3/2014 de 28 de Janeiro) ( ) subcontratante Deliberação [CNPD] n.º 840/2010 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho 16

17 Actividades e Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho Deliberação [CNPD] n.º 840/2010 Responsável pelo tratamento Empregador Condições de legitimidade Artigos 281.º a 284.º do Código do Trabalho Lei 102/2009 de 10 de Setembro (republicada pela Lei n.º 3/2014 de 28 de Janeiro) Serviços de medicina preventiva e curativa fora deste âmbito Categorias de dados Medidas de Segurança Medidas Especiais de Segurança (artigo 15.º LPDP) sistema com separação lógica entre os dados referentes à saúde e restantes dados pessoais (cfr. n.º 3 do artigo 15.º da LPDP) CNPD determinou que sempre que haja circulação destes dados em rede a transmissão deve ser cifrada Prazo de conservação 5 anos artigo 98.º/5 Lei 102/2009) 40 anos artigo 41.º Lei 102/2009) processo judicial em função da necessidade Acesso restrito Registo auditoria de acesso Back-ups 17

18 Gestão de trabalhadores Realização de testes de alcoolemia e consumo de droga 18

19 Gestão de trabalhadores Realização de testes de alcoolemia e consumo de droga 19

20 Controlo de chamadas telefónicas, e Internet Considerandos 3 e 4 da Deliberação n.º 1638/2013 da CNPD aplicável aos tratamentos de dados pessoais decorrentes do controlo da utilização para fins privados das tecnologias de informação e comunicação no contexto laboral 20

21 Controlo de chamadas telefónicas, e Internet Código do Trabalho Deliberação [CNPD] n.º 1638/2013 Aplicável aos tratamentos de dados pessoais decorrentes do controlo da utilização para fins privados das tecnologias de informação e comunicação no contexto laboral Revisão da Deliberação de 29 de Outubro de 2002 sobre o tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo de e do acesso à Internet 21

22 Controlo de chamadas telefónicas, e Internet Finalidades Gestão dos meios da empresa Produtividade dos trabalhadores Princípio da proporcionalidade Privilegiar metodologias genéricas de controlo Finalidades Direito à Informação Prazo de conservação 6 meses Manutenção no decurso de processo disciplinar ou judicial 22

23 Controlo de chamadas telefónicas, e Internet Condições de Legitimidade Dados de tráfego Dados contidos nas comunicações privadas Outros dados de utilização das comunicacões Dados da vida privada dos trabalhadores [dados sensíveis] (artigo 3.º, al. a) e 7.º n,º 1 da LPDP) ( ) Finalidades 23

24 Controlo de chamadas telefónicas, e Internet Código do Trabalho Estando, por isso vedado ao empregador o acesso ao conteúdo das mensagens de natureza pessoal e à informação de carácter não profissional em caso de utilização pelo trabalhador dos meios de comunicação do empregador Reconhece-se ao empregador poder de empreender formas de controlo decorrentes do estabelecimento de regras de conduta e de utilização dos meios de trabalho. As regras de utilização devem balizar o uso desses meios [telefone, telemóveis, Internet, correio electrónico] por parte do trabalhador, através de regulamento interno que disponha sobre essa matéria, nos termos do artigo 99.º do Código do Trabalho Deliberação [CNPD] n.º 1638/

25 Controlo de chamadas telefónicas, e Internet 25

26 Controlo de chamadas telefónicas, e Internet Criação de pastas próprias devidamente identificadas para arquivo de s pessoais Acesso ao correio electrónico como último recurso e feito na presença do trabalhador visado e, preferencialmente, na presença de estrutura representativa Controlo realizado de forma aleatória Filtragem de ficheiros (com conhecimento do trabalhador) Limitado à visualização dos endereços, assunto e data e hora de envio Finalidades 26

27 Meios de vigilância à distância Videovigilância Videovigilância Forma de vigilância à distância mediante operações de tratamento de imagem 27

28 Meios de vigilância à distância Videovigilância Deliberação [CNPD] n.º 61/2004 Princípios dobre o tratamento de dados por videovigilância Dados da vida privada (artigo 35.º n.º 3 da CRP) O tratamento só pode ser realizado quando houver autorização prevista em lei ou consentimento dos titulares Finalidades 28

29 Videovigilância (In)admissibilidade de utilização de imagens recolhidas através de câmaras de videovigilância como meio de prova para efeitos disciplinares OPINIÃO - Inadmissibilidade porque utilização implica um controlo do desempenho profissional do trabalhador, vedado pelo artigo 20.º do Código do Trabalho e extravasa finalidade OPINIÃO - Admissibilidade caso as infracções ponham em causa a segurança e protecção de pessoas e bens e o sistema esteja autorizado pela CNPD (para a finalidade de garantir a segurança das instalações e aprotecção de pessoas e bens) Jurisprudência Finalidades 29

30 Videovigilância Finalidades 30

31 Meios de vigilância à distância Não serão considerados nesta deliberação os tratamentos de dados pessoais resultantes dos sistemas de geolocalização que serão objecto de deliberação específica da CNPD Deliberação n.º 1638/2013 Aplicável aos tratamentos de dados pessoais decorrentes do controlo de utilização para fins privados das tecnologias de informação e comunicação no contexto laboral Deliberação n.º 1638/2013 Protecção de de Dados Dados Pessoais e o e o Direito do do Trabalho - Helena - Helena Tapp Tapp Barroso Conferência Ordem Ordem dos dos Advogados Conselho Distrital de Lisboa de Lisboa de 27 Maio de Maio de 2014 de

32 Tratamento de dados de gravação de chamadas Deliberação n.º 629/2010 Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas Os tratamentos de dados pessoais que decorrem da gravação de chamadas incidem sobre dados sensíveis por estarem sujeitos a sigilo, se enquadram no conceito de vida privada previsto no n.º 1 do artigo 7.º da LPD e sujeitos ao princípio da confidencialidade das comunicações. Tratamentos carecem de autorização da CNPD (alínea a) do n.º 1 do artigo 28.º da LPD) Princípio geral do sigilo das comunicações Práticas comerciais lícitas Titular informado e consentido Âmbito de relação contratual Serviços públicos (emergência) Lei 41/2004 de 18 de Agosto (republicada pela Lei 46/2012 de 29 de Agosto) Tratamento de dados pessoais e à proteção da privacidade no sector das comunicações electrónicas Monitorização da qualidade do serviço 32

33 Tratamento de dados de gravação de chamadas Condições de legitimidade (trabalhadores) Deliberação n.º 629/2010 Tratamento de dados pessoais decorrentes da gravação de chamadas efectuadas no âmbito de uma relação contratual Situações de emergência artigo 4.º, n.º 4 da Lei 41/2004 Tratamento de dados pessoais decorrentes da gravação de chamadas efectuadas no âmbito da monitorização da qualidade de atendimento Enquadra o tratamento no contexto dos requisitos da Lei 41/2004 (republicada pela Lei 46/2012) No contrato de trabalho celebrado deverá figurar a possibilidade de gravação de chamadas para efeito de monitorização da qualidade do serviço, bem como as condições decorrentes desse tratamento ( ) [havendo] alteração do conteúdo funcional do trabalhador ( ) redução a escrito por meio de adenda contratual ou outro meio idóneo que assegure o pleno conhecimento do trabalhador 33

34 Linhas de Ética (Whistleblowing) Controlo prévio Os tratamentos de dados com a finalidade de gerir as comunicações internas de práticas irregulares de âmbito financeiro (Linhas de Ética), incidem sobre dados que, não estando classificados como dados sensíveis previstos no artigo 7.º da Lei 67/98, são dados especialmente protegidos (cfr. n.º 2 do artigo 8.º da Lei 67/98) e, por isso, legalmente sujeitos a uma protecção especial que impõe a existência de controlo prévio da CNPD, nos termos do disposto na alínea a) do artigo 28.º da Lei 67/98 Finalidade do tratamento Procedimentos de controle interno de denúncia de infracções destinados a prevenir e/ou a reprimir irregularidades no seio das sociedades, nos domínios da contabilidade, dos controlos contabilísticos internos, da auditoria, da luta contra a corrupção e do crime bancário e financeiro 34

35 Linhas de Ética (Whistleblowing) Categorias de Dados A denúncia só será considerada se se apoiar em factos e respeitar aos domínios relativos à finalidade determinante Repudia-se o anonimato a favor de um regime de confidencialidade como forma de salvaguardar os riscos de denúncia caluniosa e de discriminação Direitos do Denunciado Direito de informação sobre a entidade responsável, os factos denunciados e a finalidade do tratamento Direito de acesso e rectificação No caso de tratamento de com a finalidade de apurar da veracidade de suspeitas de prática de infracções criminais (direito de acesso exercido através da CNPD) Considerando a finalidade do tratamento em apreço, mostram-se necessárias para o tratamento as seguintes categorias de dados: oidentidade e categoria profissional do denunciante; oidentidade e categoria profissional do denunciado; oidentidade e funções das pessoas que intervêm na recolha e no tratamento; oos factos denunciados passíveis de integrarem actividades consideradas osuspeitas, no âmbito das actividades de contabilidade, de controlos contabilísticos internos, de auditoria, de luta contra a corrupção e do crime bancário e financeiro; oos elementos de facto recolhidos no âmbito da averiguação; odestino da denúncia. Direitos do Denunciante Informação sobre; identidade do responsável, finalidade, domínios abrangidos pela denúncia, carácter facultativo, inexistência de consequência pela não utilização, destinatários da denúncia, eventual transferência de dados para fora da EU, existência de direito de acesso e de rectificação das pessoas identificadas no quadro do dispositivo. Advertência de que a utilização abusiva e de má-fé pode expor a sanções disciplinares e procedimento judicial 35

36 Protecção de Dados Pessoais Protecção de Dados Pessoais e o Direito do Trabalho Conselho Distrital de Lisboa, 27 de Maio de 2014 Helena Tapp Barroso

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas -

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Lisboa, 18.05.2006 O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Enquadramento, Conceitos & Formalidades 2 Enquadramento Algumas medidas de segurança envolvem o tratamento

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

Tratamentos de dados pessoais decorrentes da utilização de tecnologias de geolocalização. Deliberação n.º 7680/2014 da CNPD - PORTUGAL

Tratamentos de dados pessoais decorrentes da utilização de tecnologias de geolocalização. Deliberação n.º 7680/2014 da CNPD - PORTUGAL Tratamentos de dados pessoais decorrentes da utilização de tecnologias de geolocalização Deliberação n.º 7680/2014 da CNPD - PORTUGAL Os trabalhadores estão hoje sujeitos a um número crescente de controlos

Leia mais

Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010

Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010 PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS E O MARKETING Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010 Sónia Sousa Pereira 13-12-2011 Sónia Sousa Pereira 2

Leia mais

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei da Protecção de Dados Pessoais (transpõe para a ordem jurídica portuguesa a Directiva n.º 95/46/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Outubro de 1995, relativa

Leia mais

Deliberação n.º 156/09

Deliberação n.º 156/09 Deliberação n.º 156/09 Princípios aplicáveis aos tratamentos de dados pessoais no âmbito de Gestão de Informação com a finalidade de Prospecção de Opções de Crédito A Comissão Nacional de Protecção de

Leia mais

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 30 de Junho de 2010 Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com 1 LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 1. A videovigilância no local de trabalho 2. Confidencialidade e acesso à informação 3. Monitorização

Leia mais

03 de Dezembro 2013 Direito do Trabalho

03 de Dezembro 2013 Direito do Trabalho DADOS DOS TRABALHADORES A agilização do direito à privacidade dos trabalhadores com a crescente e hegemónica utilização das denominadas tecnologias de informação, levaram a Comissão Nacional de Protecção

Leia mais

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL O MARKETING DIRECTO POR EMAIL 1 AS IMPLICAÇÕES LEGAIS DO EMAIL MARKETING Enquadramento da questão Equilíbrio entre o poder e a eficácia do marketing directo por e-mail no contacto com os consumidores e

Leia mais

Obrigações Patronais

Obrigações Patronais Obrigações Patronais Registo de tempo de trabalho a) Manter, em local acessível e por forma que permita a sua consulta imediata, um registo que permita apurar o número de horas de trabalho prestadas pelo

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro REGULA O TRATAMENTO DOS DADOS PESSOAIS E A PROTECÇÃO DA PRIVACIDADE NO SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES (TRANSPÕE A DIRECTIVA 97/66/CE, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1997) Artigo

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo certo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação

Leia mais

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição As presentes orientações aplicam-se ao tratamento de dados pessoais pelos candidatos a deputado da Assembleia Legislativa

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net Título: Regula a base de dados e os dados pessoais registados objeto de tratamento informático no âmbito do Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas:

Leia mais

Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas

Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas O elevado e crescente número de notificações de tratamentos de dados pessoais resultantes da gravação de chamadas e a celeridade requerida

Leia mais

Admissão de trabalhadores

Admissão de trabalhadores Admissão de trabalhadores Quando a empresa pretende contratar um trabalhador, há um conjunto de obrigações legais que devem ser cumpridas e concluídas antes do trabalhador iniciar a sua prestação de trabalho.

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos

Gestão de Recursos Humanos Gestão de Pessoal Definição A Gestão de Pessoal implica não apenas o tratamento oficial do esquema de remunerações, mas também a manutenção do Cadastro dos Empregados, Higiene e Segurança no Trabalho,

Leia mais

A Videovigilância e outros tratamentos de imagem (Dados Pessoais)

A Videovigilância e outros tratamentos de imagem (Dados Pessoais) Universidade do Minho Licenciatura em Direito Informática Jurídica A Videovigilância e outros tratamentos de imagem (Dados Pessoais) Docente: José Manuel E. Valença Discente: Eunice Maria Leite Coelho,

Leia mais

O Tratamento de Dados Pessoais em Portugal. Breve Guia Prático

O Tratamento de Dados Pessoais em Portugal. Breve Guia Prático O Tratamento de Dados Pessoais em Portugal Breve Guia Prático Este guia destina-se a distribuição exclusiva pela APDSI, com caráter meramente informativo e para uso exclusivo dos seus destinatários, não

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE ESTUDOS DE MERCADO E DE OPINIÃO RELATIVO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE ESTUDOS DE MERCADO E DE OPINIÃO RELATIVO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE ESTUDOS DE MERCADO E DE OPINIÃO RELATIVO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS CONSIDERANDO QUE: A) A Lei nº 67/98, de 26 de Outubro, estipula um conjunto de normas tendentes

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Parecer n.º 09/P/2007/GPDP Assunto: Sobre as tarefas de impressão e envio de extractos de conta confiados à Companhia B de Hong Kong por parte do Banco A Segundo carta do Banco A, este incumbe a Companhia

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 890 /2010

DELIBERAÇÃO Nº 890 /2010 1 DELIBERAÇÃO Nº 890 /2010 Aplicável aos tratamentos de dados pessoais com a finalidade de medicina preventiva e curativa no âmbito dos controlos de substâncias psicoactivas efectuados a trabalhadores

Leia mais

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 30 de Junho de 2010 João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 1 LOCAL : AB - PORTO DATA : 01-07-2010 CIBERCRIME Lei 109/2009, de 15 de Setembro Disposições penais materiais: Falsidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 78/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde 10

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho sem termo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação de cláusulas

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6 Julho 2013 Contencioso Penal A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa

Leia mais

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos:

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: TRABALHO TEMPORÁRIO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: Contrato de Trabalho Temporário Celebrados entre Ou uma empresa de

Leia mais

Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas

Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas 1 Deliberação n.º 629/2010 Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas O elevado e crescente número de notificações de tratamentos de dados pessoais resultantes da gravação de

Leia mais

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho Em 1 de Dezembro de 2003, entrou em vigor o Código do Trabalho (C.T.) aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que se encontra

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

Artigo A. Valorizações remuneratórias

Artigo A. Valorizações remuneratórias Artigo A Valorizações remuneratórias 1 - No período de vigência da presente lei está vedada a prática de quaisquer actos que consubstanciem valorizações remuneratórias do seguinte pessoal: a) Trabalhadores

Leia mais

A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO ANGOLANA

A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO ANGOLANA CONFERÊNCIA PROFISSIONAL A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO ANGOLANA A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO ANGOLANA 2015 QUEM GANHA E QUEM PERDE? Actualize-se, através de um dos Melhores Especialistas, acerca do Novo

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL 1 PARECER N.º 04/2008 HOSPITAL DA NOSSA SENHRA DO ROSÁRIO, E.P.E. REGULAMENTO DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HUMANOS E CONTROLO DA ASSIDUIDADE - CARREIRA MÉDICA HOSPITALAR PRESTAÇÃO DE TRABALHO EM DOMINGOS,

Leia mais

Publicado: I SÉRIE N.º 2 - «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 22 DE JANEIRO DE 2001

Publicado: I SÉRIE N.º 2 - «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 22 DE JANEIRO DE 2001 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei nº134/v/2001 de 22 de Janeiro Actualmente ainda persiste no ordenamento jurídico cabo-verdiano um grande número de direitos praticamente sem garantia ou resposta. O domínio da protecção

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

NEWSLETTER I LABORAL. NEWSLETTER LABORAL I Novembro, 2014. I Portarias de Extensão 2. II Obrigações Laborais 2. III Jurisprudência 3

NEWSLETTER I LABORAL. NEWSLETTER LABORAL I Novembro, 2014. I Portarias de Extensão 2. II Obrigações Laborais 2. III Jurisprudência 3 NEWSLETTER I LABORAL NEWSLETTER LABORAL I Novembro, 2014 I Portarias de Extensão 2 II Obrigações Laborais 2 III Jurisprudência 3 NEWSLETTER LABORAL I PORTARIAS DE EXTENSÃO Área de Actividade Indústrias

Leia mais

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL O ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL (TC), COM DATA DE 20 DE SETEMBRO RESPONDE A UM PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO ABSTRACTA

Leia mais

PRINCÍPIOS SOBRE A PRIVACIDADE NO LOCAL DE TRABALHO* O tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo do e-mail e do acesso à Internet

PRINCÍPIOS SOBRE A PRIVACIDADE NO LOCAL DE TRABALHO* O tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo do e-mail e do acesso à Internet 1 PRINCÍPIOS SOBRE A PRIVACIDADE NO LOCAL DE TRABALHO* O tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo do e-mail e do acesso à Internet Considerando que 1. As novas tecnologias têm um impacto

Leia mais

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho 07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho Estágios Profissionais A matéria relativa aos estágios profissionais encontra-se regulada pelo Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho («Estágios Profissionais»)

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado?

Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado? Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado? O trabalho não declarado é um flagelo aumenta o risco de pobreza dos trabalhadores e favorece condições de trabalho potencialmente perigosas.

Leia mais

Declaração de Privacidade

Declaração de Privacidade Declaração de Privacidade A Kelly Services, Inc. e as suas subsidiárias ("Kelly Services" ou Kelly ) respeitam a sua privacidade e reconhecem que possui determinados direitos relacionados com quaisquer

Leia mais

1. Dados de acesso à Internet

1. Dados de acesso à Internet Ao efectuar o presente registo está a afirmar ter conhecimento e a manifestar a sua aceitação da nossa Política de Privacidade (A Clínica Dr Eduardo Merino- Lda., adiante designada por Eduardo Merino Terapias

Leia mais

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade Proteção de Dados Pessoais e Privacidade João Paulo Ribeiro joao.ribeiro@cnpd.pt 22 Novembro/2012 HISTÓRIA 1888: o direito de ser deixado só - Juiz Thomas Cooley, USA 1890: The Right to Privacy (O Direito

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A.

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Princípios Gerais A garantia que os clientes e utilizadores da Cabovisão-Televisão por Cabo S.A. ( Cabovisão ) sabem e conhecem,

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a directiva do Parlamento Europeu e do Conselho nº 96/9/CE, de 11 de Março, relativa à protecção jurídica

Leia mais

VII Encontro Ibero-Americano Relatório Português

VII Encontro Ibero-Americano Relatório Português VII Encontro Ibero-Americano Relatório Português A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) portuguesa tem vindo, desde o último Encontro Ibero-Americano, a desempenhar esforçadamente as suas variadas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E DIREITO À PRIVACIDADE ANO LECTIVO: 2014/2015 2ª EDIÇÃO

PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E DIREITO À PRIVACIDADE ANO LECTIVO: 2014/2015 2ª EDIÇÃO Página1 PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E DIREITO À PRIVACIDADE ANO LECTIVO: 2014/2015 2ª EDIÇÃO COORDENAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO: Doutora Ana Roque, UAL e CNPD OBJETIVOS: Proporcionar

Leia mais

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n.

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n. 1- O que é o PEPAL? O Programa de Estágios Profissionais na Administração Local (PEPAL) representa uma oportunidade de valorização profissional e de emprego de recursos humanos, através de estágios remunerados,

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO LEI N.º 23/2004, DE 22 DE JUNHO APROVA O REGIME JURÍDICO DO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DECRETA, NOS TERMOS DA ALÍNEA

Leia mais

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª Os RTSST-Montepio, primeira estrutura do género a ser eleita em Portugal ao abrigo da Lei 35/2004, entenderam formular o presente parecer em complemento

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 TÍTULO I PARTE GERAL Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta, a seguir designado

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Adesão ao Serviço MB WAY

Adesão ao Serviço MB WAY Adesão ao Serviço MB WAY 1) Objecto Pelo presente contrato, o Banco Santander Totta SA obriga-se a prestar ao Utilizador o Serviço MB WAY, nas condições e termos regulados nas cláusulas seguintes, e o

Leia mais

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research Regulamento de bolsas da Associação Fraunhofer Portugal Research I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. A Associação Fraunhofer Portugal Research, com o objectivo de

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO 1. OBJECTIVO ADVOGADOS O presente Guia visa concretizar os pressupostos para o cumprimento dos

Leia mais

N. o 204 1-9-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A. Lei n. o 146/99. Artigo 4. o

N. o 204 1-9-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A. Lei n. o 146/99. Artigo 4. o 6103 QUADRO ANEXO B Competência punitiva Entidades Penas Ministro da Administração Interna Comandante- -geral 2. o comandante- -geral, chefe do estado-maior e inspector-geral Comandante de unidade e vice-presidente

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al.g) do n.º 27.º do art. 9.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al.g) do n.º 27.º do art. 9.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA al.g) do n.º 27.º do art. 9.º. Enquadramento - Prestação de serviços de gestão administrativa e actuariais, realizadas a Sociedades Gestoras de Fundos de

Leia mais

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) O Decreto-Lei n.º 251/98,

Leia mais

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n. PARECER N.º 88/CITE/2010 Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.º 396 DV/2008 I OBJECTO 1.1. A CITE recebeu em 28 de Julho de 2008, um

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto Caderno de encargos Parte I Do contrato Artigo 1.º Objecto O presente caderno de encargos tem por objecto a aquisição, ao abrigo do Acordo Quadro Nº 10 para serviços de comunicações de voz e dados em local

Leia mais

(Não dispensa a consulta do Diário da República) LEI N.º 105/2009, DE 14 DE SETEMBRO

(Não dispensa a consulta do Diário da República) LEI N.º 105/2009, DE 14 DE SETEMBRO (Não dispensa a consulta do Diário da República) LEI N.º 105/2009, DE 14 DE SETEMBRO REGULAMENTA E ALTERA O CÓDIGO DO TRABALHO, APROVADO PELA LEI N.º 7/2009, DE 12 DE FEVEREIRO, E PROCEDE À 1.ª ALTERAÇÃO

Leia mais

www.act.gov.pt CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO TRABALHO TEMPORÁRIO

www.act.gov.pt CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO TRABALHO TEMPORÁRIO CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO www.act.gov.pt TRABALHO TEMPORÁRIO CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO www.act.gov.pt TRABALHO TEMPORÁRIO EDITOR Autoridade para as Condições do Trabalho

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO BAI EUROPA, S.A. PREÂMBULO

CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO BAI EUROPA, S.A. PREÂMBULO CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO BAI EUROPA, S.A. PREÂMBULO A conduta dos membros do Conselho de Administração e dos Colaboradores do Banco reflecte os seus valores e a sua cultura, que estão alinhados com os

Leia mais

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013 Matéria em causa: Uso do

Leia mais

Última actualização em 22/05/2007

Última actualização em 22/05/2007 Lei n.º 19/2007 de 22 de Maio. - Aprova um novo regime jurídico do trabalho temporário (revoga o Decreto-Lei n.º 358/89, de 17 de Outubro, alterado pelas Leis nºs 39/96, de 31 de Agosto, 146/99, de 1 de

Leia mais

Princípios da protecção de dados pessoais. em locais de trabalho

Princípios da protecção de dados pessoais. em locais de trabalho Princípios da protecção de dados pessoais em locais de trabalho Instruções para fiscalização das actividades dos empregados pelos empregadores Com o objectivo de implementar com eficácia a Lei n. 8/2005

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

Acordo de Voluntariado (minuta)

Acordo de Voluntariado (minuta) Acordo de Voluntariado (minuta) Considerando que: a) O IMC é o organismo do Ministério da Cultura responsável pela definição de uma política museológica nacional e pela concretização de um conjunto de

Leia mais

LEGISLAÇÃO LABORAL PARA RECURSOS HUMANOS

LEGISLAÇÃO LABORAL PARA RECURSOS HUMANOS WWW.IFE.PT CURSO PRÁTICO LEGISLAÇÃO LABORAL PARA RECURSOS HUMANOS Analisar o Código do Trabalho, as consequências e suas implicações para as empresas 28 horas / 4 Dias 1ª Edição Lisboa, 24, 25 e 31 de

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS. Decreto n.º 23/2003 Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Bulgária sobre Contratação Recíproca dos Respectivos Nacionais, assinado em Sófia em 26 de Setembro de 2002 Considerando

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de uma forma livre, responsável

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 )

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 ) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, Regulamenta a Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, que estabeleceu as bases do enquadramento jurídico do voluntariado (JusNet 223/1999) ( DR N.º 229 30

Leia mais

PARECER N.º 45/CITE/2006

PARECER N.º 45/CITE/2006 PARECER N.º 45/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora puérpera, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º da Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que aprovou o Código do Trabalho, conjugado

Leia mais

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas Entre o Banco BIC Português, S.A., Sociedade Comercial Anónima, com sede na Av. António Augusto de Aguiar, nº132 1050-020 Lisboa, pessoa colectiva nº 507880510, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS

INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS Geral Empresa, corpos estatutários e empregados têm de estar inscritos na Segurança Social. Os corpos estatutários poderão ser dispensados dos

Leia mais

O PROGRAMA QUALIFICAÇÃO EMPREGO (Portaria Nº 126/2009, de 30 de Janeiro)

O PROGRAMA QUALIFICAÇÃO EMPREGO (Portaria Nº 126/2009, de 30 de Janeiro) 17/02/2009 LABORAL FLASH N.º 2/2009 O PROGRAMA QUALIFICAÇÃO EMPREGO (Portaria Nº 126/2009, de 30 de Janeiro) A Portaria nº 126/2009, de 30 de Janeiro cria o Programa Qualificação Emprego (adiante só Programa)

Leia mais

A AICCOPN NÃO SE RESPONSABILIZA PELA INSUFICIENTE OU INDEVIDA ADAPTAÇÃO DO CLAUSULADO.

A AICCOPN NÃO SE RESPONSABILIZA PELA INSUFICIENTE OU INDEVIDA ADAPTAÇÃO DO CLAUSULADO. SEDE: Rua Álvares Cabral, 306 4050-040 PORTO Telefone: 22 340 22 00 Fax: 22 340 22 97 www.aiccopn.pt E-mail: geral@aiccopn.pt ADVERTE-SE QUE A PRESENTE MINUTA CONSTITUI APENAS UM EXEMPLO PELO QUE DEVERÁ

Leia mais

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE SINDICATO DOS QUADROS TÉCNICOS DO ESTADO Rua Braamcamp, 88-2º Dto. - 1269-111 LISBOA Tel. 21 386 00 55 / Fax 21 386 07 85 www.ste.pt / ste@ste.pt PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE 1.O STE considera que a melhor

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

Trabalho Temporário. Uma Soluçao Provisória ou Uma Escolha com Futuro? Marisa Assunção Novembro/2008

Trabalho Temporário. Uma Soluçao Provisória ou Uma Escolha com Futuro? Marisa Assunção Novembro/2008 Trabalho Temporário Uma Soluçao Provisória ou Uma Escolha com Futuro? Marisa Assunção Novembro/2008 Enquadramento Histórico O Trabalho Temporário é praticado na vida empresarial portuguesa desde os princípios

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 9º, nº 30 Assunto: Locação de imóveis L201 2006049 - despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 24-07-07 Conteúdo: 1. A requerente pretende

Leia mais