ACESSO DAS AGÊNCIAS DE SEGURANÇA À INFORMAÇÃO: VIDEOVIGILÂNCIA CONTRA A CRIMINALIDADE/TERRORISMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACESSO DAS AGÊNCIAS DE SEGURANÇA À INFORMAÇÃO: VIDEOVIGILÂNCIA CONTRA A CRIMINALIDADE/TERRORISMO"

Transcrição

1 DEMOCRACIA ACESSO DAS AGÊNCIAS DE SEGURANÇA À INFORMAÇÃO: VIDEOVIGILÂNCIA CONTRA A CRIMINALIDADE/TERRORISMO Intelligence Agencies: Video Surveilance Against Crime/Terrorism MARIANA YEE RAPOSO DA SILVA Mestranda em Direito e Segurança Há momentos em que a maior sabedoria É parecer não saber nada Sun Tzu RESUMO Os serviços de informação constituem actualmente a primeira linha da defesa e segurança. As ameaças são infinitas e com contornos indefinidos. O único mecanismo de defesa a revelar-se capaz, é a antecipação de ameaças. É aqui que entram os serviços de informação. É necessária uma abordagem integrada da Segurança Nacional, implicando a estreita coordenação e colaboração entre todas as entidades com competências directas ou indirectas para o assunto. CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 1

2 A intelligence, é a actividade precisa e especializada, desenvolvida por instituições governamentais, específicas na recolha de informação. A crescente importância deste campo é provocada pelo rápido desenvolvimento da tecnologia militar ou mesmo civil. A Segurança Internacional revela-se tão ou mais importante do que a Segurança Nacional, face ao aumento exponencial de ameaças terroristas e do crime organizado internacional. Mesmo as actividades organizadas por grupos criminosos em território nacional. Caracterizam-se por um grau elevado de flexibilidade e mobilidade, pelo simples facto, da sua subsistência incidir num apoio logístico, que só o conseguem adquirir no estrangeiro como o armamento, financiamento, branqueamento e documentação. Combater terrorismo ou criminalidade internacional com meios meramente nacionais é uma impossibilidade nos seus termos, e daí a necessidade de uma maior integração de estruturas de segurança, polícia e serviços de informações, implementada pela primeira vez com o Espaço Schengen. A videovigilância é um investimento útil e determinante na política de segurança e prevenção de criminalidade. Permite prevenir o crime, fornece mais meios à investigação criminal, permite que as forças policiais cheguem mais rapidamente ao local e com informação mais pormenorizada. No entanto, poder-se-iam colocar objeções a este método (videovigilância), levantando-se o argumento de que a vida privada dos cidadãos não seria respeitada. Felizmente este argumento não procede, face ao facto de que a todos os sistemas de vigilância é obrigatório ter uma utilização licenciada pela Comissão Nacional da Proteção de Dados. Cujo objectivo e o seu regime jurídico visam apenas o dissuadir e registar a prática de algum ilícito. O meio utilizado deverá ser idóneo, atendendo-se ao princípio da intervenção mínima, que obriga à ponderação entre o objectivo final ( a segurança) que se pretende alcançar e a necessidade da violação do direito à imagem e privacidade. A videovigilância pode também ser usada para conflitos armados, nomeadamente para o combate ao terrorismo, neste caso os conhecidos drones. Veículos aéreos, remotamente pilotados para executar acções militares que sejam perigosas para qualquer ser humano. Podendo a estes dar-se dois usos: A videovigilância per si e o disparar de material militar, como bombas e mísseis. São estes os equipamentos utilizados por Obama, tomando como exemplo no Iemén e que pecam por ser afirmarem ataques CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 2

3 cirúrgicos que provocam poucas baixas civis. No entanto, não é isso que se tem verificado, e muitos inocentes tem sido apanhados nas teias das novas tecnologias, criando-se um sentimento de sede de justiça e vingança por parte das famílias das vítimas. É neste sentido que vale colocar-se a seguinte questão: Serão estes ataques de combate ao terrorismo lícitos, ou considerados crimes de guerra, cujos danos não podem ser maiores do que os riscos que se pretende evitar? PALAVRAS-CHAVE Serviços de Informação; Defesa Nacional; Segurança Nacional; Segurança Internacional; Crime organizado; Terrorismo; Videovigilância; Drones; Crimes de guerra. ABSTRACT The intelligence services are the first line of defense and security. The threats are endless and with indefinite boundaries. The only defense mechanism proving to be capable is the anticipation of threats. That s when the intelligence services take a step. It is required an integrated approach to National Security, involving close coordination and collaboration between all entities with direct or indirect power and skills to the matter. The intelligence is the specific activity and specialized, developed by government institutions, specific in information gathering. The growing importance of this theme is caused by quick military/civil technology development. The International Security proves to be more important than National Security, given the exponential increase of terrorist threats and organized crime. Even those organized criminal groups in national territory, are characterized by a high degree of flexibility and mobility, simply because, their livelihoods involve a logistical support, that they can only acquire abroad, such as arming, financing, money laundering and legal documentation. Fight terrorism or international crime with purely national resources is impossible, and there is a need for greater integration of security structures, police and intelligence services. Seen for the first time on Schengen treaty. CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 3

4 Video surveillance is a useful and crucial investment in security policy and crime prevention. Allows to provide more resources and evidence to criminal investigation, allows the police to come more quickly at the scene and with more detailed information. However could be placed objections to this method, the raising argument that the private lives of citizens would not be respected. Fortunately this argument doesn t proceed by the fact that all surveillance systems is required to have a licensed use by the National Data Protection Commission. Whose purpose and its legal regime aimed only to deter and record the commission of an offense. The method used should be suitable, given to the principle of minimum intervention, which requires the balance between the ultimate goal (safety) to be achieved and the need for breaching the image and privacy. Video surveillance can also be used on a armed conflict, in particular for the fight against terrorism, the well known drones. Remotely piloted aircraft to perform military action, action considered dangerous for any human being. There are two given uses, to this aircrafts: Video surveillance itself and the shooting of military equipment, such as bombs and missiles. These are the equipment used by Obama, taking as an example in Yemen who sin to be claiming surgical strikes that cause few civilian casualties. However, these allegations don t match the reality and many innocent people have been caught in the trap of new technologies, creating a thirst feeling for justice and revenge by the family s victims. In the end it is well worth to pop the question: Are these anti-terrorism attacks lawful, or considered war crimes, whose damage can not be greater than the risks that are to be avoided? KEYWORDS Intelligence; National Defense; National Security; International Security; Organized crime; terrorism; videosurveillance; Drones, War Crimes CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 4

5 INTRODUÇÃO Os serviços de informação constituem actualmente a primeira linha da defesa e segurança. Num mundo onde as ameaças são infinitas com contornos indefinidos, onde o poder militar já não é suficiente para as combater com absoluta eficácia, o único mecanismo de defesa capaz será a antecipação de ameaças. É neste sentido que entram os serviços de informação. Quer a máquina militar, quer a policial não conseguiram ser eficazes no domínio da prevenção e actuação contra terrorismo e extremismo. Os serviços de informação agem em antecipação, abordando realidades e fenómenos que, na maioria das vezes, não constituem ainda ameaça à segurança nacional. Compõem simultaneamente, a primeira linha ofensiva e defensiva dos Estados de Direito, com a vantagem dos pequenos Estados conseguirem competir com superpotências internacionais e pelos reduzidos custos que implicam, face aos custos dos instrumentos militar e policial. É assim necessária uma abordagem integrada da segurança nacional implicando a estreita coordenação e colaboração entre todas as entidades com competências directas ou indirectas para o efeito. Os atentados de 11 de Setembro de 2001 foram um exemplo do fracasso da colaboração entre os serviços de informação e as restantes entidades competentes, como as unidades anti-terroristas. Tudo é posto em causa, desde os governos e decisores, às consequentes reacções dos mesmos, face às pressões e choques emocionais das populações. Não só as comunicações de informação falharam, mas também a falha na análise da informação existente. Em Portugal, numa tentativa de introduzir alguma coordenação em matéria de segurança foi criado no âmbito do Ministério da Administração Interna (MAI) a Unidade de Coordenação Anti-Terrorista (UCAT). Neste trabalho pretende-se abordar a função da videovigilância no combate da criminalidade, organizada ou não, e no âmbito do terrorismo. Nas palavras do anterior Ministro da Administração Interna, Rui Pereira : CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 5

6 Não podemos abandonar a tecnologia e em particular a videovigilância, porque ela é hoje o elemento decisivo das políticas de segurança e da prevenção da criminalidade. Serão também abordadas, as implicações das gravações resultantes da videovigilância, a nível da Protecção de dados, pelo facto de se colocar em causa a restrição de direitos, liberdades e garantias. Outro ponto que irá ser tratado é o uso dos drones, quer para vigilância e/ou recolha de informações, quer para o exercício da guerra contra o terrorismo Nesta luta para fazer face ao terrorismo, através da utilização de drones, podem ocorrer certas implicações a nível do Direito Internacional Humanitário. Capítulo I Acesso das Agências de Segurança à Informação 1.1 Importância das informações As informações, conhecidas também como Intelligence, são a actividade, precisa e especializada, desenvolvida por instituições governamentais específicas na recolha de informação e notícias, separada do processo de decisão e definição de políticas. A crescente importância da exploração deste campo, pelos governos é provocada pelo rápido desenvolvimento da tecnologia militar e pela complexidade da actividade militar. De facto, observam-se os novos exércitos a possuírem, cada vez mais, equipamento tecnologicamente avançado e acompanhado pela melhoria de meios de comunicação e transporte. As estruturas de comando tiveram assim de se adaptar a uma nova escala e complexidade. A resposta a esta nova realidade coloca a tónica na criação de estruturas permanentes afectas à criação de actividades de planeamento, mobilização e apoio ao processo de tomada de decisão pelos comandantes, que se encarregam de forma CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 6

7 contínua a reunir toda a informação disponível, sobre as capacidades das suas forças armadas, das de países estrangeiros e quaisquer outros factores relevantes para a condução de um possível conflito. Existe a necessidade constante da criação de relatórios regulares, de informação organizada e de comunicações, designado por C3I (Comando, controlo, comunicações e informações). 1.2 Segurança Interna e Defesa Nacional A segurança Nacional É no fim do séc XX e início do séc XXI que se verificam grandes alterações no cenário da segurança internacional e como consequência, no panorama da segurança nacional. O aumento exponencial de ameaças terroristas e do crime organizado internacional, foi claramente a mudança mais visível a salientar. Nos termos da Lei 20/87 de 12 de Junho ou Lei da Segurança Interna (LSI), o seu artigo nº1 refere que: A Segurança Interna é a actividade desenvolvida pelo Estado para garantir a ordem, a segurança e a tranquilidade públicas, proteger pessoas e bens, prevenir a criminalidade e contribuir para assegurar o normal funcionamento das instituições democráticas, o regular exercício dos direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos e o respeito pela legalidade democrática. O mesmo diploma refere-se ainda ao âmbito territorial da segurança interna, definindo que a mesma se desenvolve em todo o espaço sujeito a poderes de jurisdição do Estado português, o que é peculiarmente limitante. No nº 3 do art. 1º, são enunciados os fins da segurança interna: As medidas previstas na presente lei visam especialmente proteger a vida e a integridade das pessoas, a paz pública e a ordem democrática contra a criminalidade CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 7

8 violenta ou altamente organizada, designadamente, sabotagem, espionagem ou terrorismo. A lei assume assim, que estes actos criminosos não são exclusivos do domínio da segurança interna. O quadro legal induzido pela LSI, relativamente à competência territorial, não se encontra bem definido. A LSI não inclui fenómenos como o terrorismo, na noção de segurança interna, referindo sim que as medidas de segurança interna visam proteger um conjunto de bens jurídicos e de um conjunto de ameaças, entre as quais o terrorismo. Podemos afirmar que a maioria dos fenómenos que podem afectar a Segurança Interna são cada vez mais de cariz internacional ou transnacional. Mesmo as actividades altamente organizadas por grupos criminosos em território nacional caracterizam-se por um elevado grau de flexibilidade e mobilidade. As organizações terroristas/ criminosas cuja origem e propósitos são nacionais, estão cada vez mais agregadas a ligações internacionais. Para puderem subsistir, estes grupos precisam de um apoio logístico que, muitas das vezes, só o conseguem adquirir no estrangeiro, a grupos com especializações sectoriais, como o armamento, branqueamento, financiamento ou documentação. É em função desta transnacionalidade que os acordos de cooperação são muito importantes, como o que estabeleceu o Espaço Schengen, que exigem e asseguram uma maior integração das estruturas de segurança, das polícias e serviços de informações. Se por um lado, temos ameaças de cariz internacional, por outro temos estados com limitações territoriais; e se de um lado temos mobilidade e flexibilidade, do outro temos rigidez e formalismo. Combater o terrorismo/criminalidade internacional com meios meramente nacionais é uma impossibilidade nos seus termos. CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 8

9 Capítulo II Videovigilância 2.1 Videovigilância contra a criminalidade A videovigilância é contributo decisivo para prossecução da política de policiamento de proximidade e de segurança comunitária, considerada um investimento muito útil, que não substitui o patrulhamento policial de proximidade. No entanto, não podemos abandonar a tecnologia e em particular a videovigilância porque ela é hoje o elemento determinante das políticas de segurança e da prevenção da criminalidade, para garantir a segurança, prevenir e reprimir a criminalidade, a começar pela criminalidade violenta e grave. A videovigilância visa "prevenir o crime" e fornecer mais meios à investigação criminal, fazendo com que as forças policiais cheguem mais rapidamente ao local e com uma informação mais apurada. Quando a própria regulamentação social tem brancas na sua competência para solucionar ou antever situações como as que existem nos dias de hoje, quando os centros históricos estão desertificados durante a noite, é natural que tenha de haver alguma compensação em relação às pessoas, para que elas se sintam mais serenas. O Ministério da Administração Interna (MAI) aprovou em 2009, com autorização da Comissão Nacional de Protecção de Dados, sistemas de videovigilância em Fátima, Portimão, Lisboa, Porto, Setúbal, Óbidos e Coimbra. A eficácia da utilização destes sistemas integrados é verificada através de alguns dados. Por exemplo, a criminalidade diminuiu 42% na área coberta pelo sistema de videovigilância da Baixa de Coimbra. Entre 1 de Janeiro e 31 de Outubro de 2010, houve uma redução de 42% no total de crimes registados na área abrangida pelas câmaras, face ao período homólogo de 2009, informou o comandante distrital da PSP, Paulo Sampaio, acrescentando que o sistema "tem-se revelado um instrumento dissuasor de incivilidades". Nenhum acto de vandalismo do tipo grafitos foi registado. Os crimes registados na Ribeira do Porto diminuíram 9,8 por cento desde a instalação do sistema de videovigilância em Novembro de CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 9

10 O ex-ministro da Administração Interna, Rui Pereira, o grande impulsionador da implementação destes sistemas integrados, considerou este decréscimo "uma excelente novidade", referindo ainda a importância do direito à segurança e frisando que a reserva da vida privada é respeitada. "Temos uma Constituição equilibrada e amiga dos direitos fundamentais. O direito à segurança é, justamente, um dos direitos fundamentais", sustentou Protecção de dados pessoais em Portugal Os sistemas de vigilância, quer usados por entidades privadas, quer usados pelas forças de segurança públicas, para terem uma utilização licenciada, terão de obter a aprovação da Comissão Nacional da Protecção de Dados. Esta entidade administrativa e independente, controla e fiscaliza o tratamento de dados pessoais, o cumprimento das disposições legais e regulamentares em matéria de protecção de dados pessoais e autoriza ou regista os tratamentos de dados pessoais. É no âmbito da preservação da vida privada, que começam a existir algumas contestações e problemas a nível da autorização de câmaras de vídeo vigilância. O exercício da actividade de segurança privada foi, inicialmente, regulado no DL 231/98, de 22 de Julho. Artigo 12.º Meios de vigilância electrónica, de detecção de armas e outros objectos 1 - As entidades que prestem serviços de segurança privada previstos nas alíneas b) e c) do n.º 1 do artigo 2.º podem utilizar equipamentos electrónicos de vigilância e controlo. 2 - As gravações de imagem e de som feitas por sociedades de segurança privada ou serviços de autoprotecção, no exercício da sua actividade, através de equipamentos electrónicos de vigilância visam exclusivamente a protecção de pessoas e bens, devendo ser destruídas no prazo de 30 dias, só podendo ser utilizadas nos termos da lei penal. CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 10

11 As medidas utilizadas na actividade de segurança privada e o referente tratamento aludem para a existência de restrições ao direito à imagem e à liberdade de movimentos, integrando esses dados, informação relativa à vida privada. Do ponto de vista jurídico, os sistemas de videovigilância implicam restrições de direitos, liberdades e garantias pelo que caberá à lei (cf. Artigo 18.º, n.º 2 da CRP) decidir em que alcance estes sistemas poderão ser empregues e, principalmente, garantir, numa situação de colisão de direitos fundamentais, que as restrições se cinjam ao indispensável para salvaguardar outros direitos ou interesses fundamentais. Nas palavras de Paulo Mota Pinto, o Tribunal Constitucional entendeu que a permissão da utilização dos referidos equipamentos constitui uma limitação ou uma restrição do direito à reserva da intimidade da vida privada, consignada no artigo 26.º, n.º1 da CRP. Acrescenta ainda que as tarefas de definição das regras e a apreciação dos aspectos relativos à videovigilância constituem «matéria atinente a direitos, liberdades e garantias». É neste sentido que a Lei n.º 29/2003 de 22 de Agosto autorizou o Governo a legislar sobre o regime jurídico do exercício da actividade de segurança privada, desde que salvaguardados os direitos e interesses constitucionalmente protegidos. Resumidamente, as preocupações principais, relativas às condições de utilização de aparelhos electrónicos de vigilância, demonstradas na Lei n.º 29/2003 são: - Assegurar o respeito pela necessária salvaguarda dos direitos e interesses constitucionalmente protegidos (artigo 2.º, al. g). - O tratamento dos dados visar exclusivamente a protecção de pessoas e bens, - Delimitação temporal da conservação dos dados recolhidos, - Garantia do conhecimento pelas pessoas da utilização daqueles meios, - Restrição da utilização dos dados recolhidos nos termos previstos na legislação processual penal (artigo 2.º, al. h). O quadro jurídico do regime da videovigilância é, em função das preocupações acima demonstradas, definido na Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro e, mais tarde, na CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 11

12 conjugação desta com o Decreto-Lei n.º 35/2004 de 21 de Fevereiro, que revogou o Decreto-Lei n.º 231/98, de 22 de Julho. Atendendo ao facto de colocar em causa a reserva da vida privada, é criada a Lei n.º 67/98: Art. 2º O tratamento de dados pessoais deve processar-se de forma transparente e no estrito respeito pela reserva da vida privada, bem como pelos direitos, liberdades e garantias fundamentais. Nos termos do Artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 35/2004: - As imagens devem ser conservadas pelo prazo de 30 dias, findo o qual serão destruídas, só podendo ser utilizadas nos termos da legislação penal e processual penal. - É ainda obrigatória, afixação, em local visível, de um aviso que assegure o direito de informação, relativamente à existência de um sistema de videovigilância em determinado local. Por força do art. 35.º, n.º 3 da CRP e porque estamos perante dados da «vida privada» o tratamento só pode ser realizado quando houver «autorização prevista em lei» ou «consentimento dos titulares». A CNPD deve, no caso concreto, apurar se será admissível o tratamento à luz do artigo 35.º, n.º3 da CRP e do art. 7.º, n.º 2 e 3 da Lei 67/98. Os sistemas de videovigilância autorizados pela CNPD, no âmbito do Decreto-Lei n.º 35/2004 e da Lei da Protecção de Dados Pessoais, devem ser considerados necessários, adequados e proporcionados às finalidades estabelecidas: a protecção de pessoas e bens e a manutenção da segurança e da ordem pública. Para existir legitimidade para utilização de sistemas de videovigilancia e das gravações, é assim necessário cumprir com alguns requisitos. Com base no art.8º nº2 da Lei 67/98 é imprescindível: - Autorização da CNPD para o tratamento de dados pessoais relativos a actividades ilícitas e aplicação de penas, coimas ou medidas e segurança. CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 12

13 - Garantir protecção dos dados e segurança da informação recolhida; - Respeito pelos direitos, liberdades e garantias do titular dos dados. Podemos afirmar que os objectivos deste regime jurídico são, principalmente, dissuadir e registar a eventual prática de infracções; que atinja um universo genérico e indiscriminado de pessoas; revelando utilidade e relevância prática apenas, caso ocorra algum acto ilícito. A CNPD autorizará então o tratamento de som e imagem quando: - Estejam observados os princípios relativos à qualidade dos dados e ao seu tratamento art.5º Lei 67/98; - Seja respeitado o direito de informação art.10º Lei 67/98; - Se cumpram os demais requisitos da Lei 67/98 que forem exigidos no caso concreto. A CNPD entende que a protecção de pessoas e bens deve ser assegurada por meios necessários, proporcionais e adequados. Em cada caso concreto, o meio utilizado - neste caso a videovigilância deverá ser idóneo, atendendo-se também ao princípio da intervenção mínima, que obriga à ponderação entre o objectivo final que se pretende alcançar e a necessidade da violação do direito à imagem e à privacidade, direitos esses fundamentais. O acesso às imagens deverá ser restrito às entidades competentes (pelo princípio da necessidade), cujo procedimento deverá efectuar - se pela seguinte ordem: 1º Detecção da prática de infracção penal 2º Participação do ocorrido 3º A entidade responsável pelo tratamento envia ao órgão da polícia criminal ou à autoridade judiciária competente os dados recolhidos. As únicas excepções à proibição da visualização das imagens são quando, não havendo infracção penal, os titulares dos dados solicitem o direito de acesso e/ou no exercício ou defesa de um direito em processo penal. CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 13

14 2.1.2 Utilização das gravações como meio de prova As imagens gravadas também podem servir como prova em processo judicial, no formato em que se encontrem, conforme o regime da Lei 67/98 e nos termos do art 8º: Artigo 8.º Suspeitas de actividades ilícitas, infracções penais e contra-ordenações 2 - O tratamento de dados pessoais relativos a suspeitas de actividades ilícitas, infracções penais, contra-ordenações e decisões que apliquem penas, medidas de segurança, coimas e sanções acessórias pode ser autorizado pela CNPD, observadas as normas de protecção de dados e de segurança da informação, quando tal tratamento for necessário à execução de finalidades legítimas do seu responsável, desde que não prevaleçam os direitos, liberdades e garantias do titular dos dados. Ora, para conseguirmos extrair a conclusão de que podemos obter esta prova, temos de remeter também para o regime definido no Código de Processo Penal que, por exclusão de partes, não proíbe as gravações como meio de prova, aceitando todas as que forem consideradas lícitas. Artigo 125.º Legalidade da prova São admissíveis as provas que não forem proibidas por lei. Artigo 167.º Valor probatório das reproduções mecânicas 1 - As reproduções fotográficas, cinematográficas, fonográficas ou por meio de processo electrónico e, de um modo geral, quaisquer reproduções mecânicas só valem como prova dos factos ou coisas reproduzidas se não forem ilícitas, nos termos da lei penal. CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 14

15 2.2.1 O que é o terrorismo? Terrorismo para fins políticos, versa a exploração do terror, consistindo num conjunto de acções violentas, empreendidas por grupos pouco numerosos contra regimes, classes dirigentes ou minorias (políticas, religiosas, raciais ou étnicas). A directriz dessas acções violentas, é provocar medo, pavor e terror. De facto, o terror obriga a aderir ou, pelo menos, a calar e a História ensina que este sentimento sempre foi a mais poderosa arma de domínio de homens por outros homens. Só há terrorismo quando há violência, se bem que nem toda a violência seja terrorismo. Pode-se afirmar que terrorismo seria a prática reiterada de crimes, incluindo os crimes de delito comum. Entre eles, atentados, visando assassinar ou intimidar; raptos, seguidos ou não de assassínios; roubos à mão armada; destruição ou danificação de edifícios ou outros bens materiais; pirataria aérea; etc.. O uso combinado das várias formas de violência, as alternativas no seu emprego, a metódica sucessão de crimes e o seu escalonamento, por períodos relativamente longos, permite ao terrorismo dosear as ameaças que faz pairar sobre as comunidades, caracterizando uma verdadeira manobra. É a manobra terrorista que garante a continuidade na acção e especifica o terrorismo, como a exploração sistemática do terror. A menos que se trate de terrorismo de Estado, praticado pelas polícias políticas e por milícias dos Estados totalitários, as organizações terroristas são grupos armados pouco numerosos. Esta característica é ditada pela necessidade de não se exporem demasiado e, ainda de não se deixarem infiltrar, o que acarretaria a sua destruição. Logo, como corrolário, o seu esquema organizativo é forçosamente secreto, baseado numa estrutura celular bastante fechada, e por consequência, muito difícil de desmantelar. Embora do ponto de vista quantitativo, o terrorismo disponha de fracos recursos materiais, o mesmo não receia atacar grupos notóriamente mais fortes, tais como as classes dirigentes, os grupos que as sustentam e até algumas minorias. O terrorismo tem quase sempre objectivos políticos, pois baseia-se em reinvindicações cujo carácter político é evidente. Enfraquecer ou anular a influência dos grupos visados, além de CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 15

16 aterrorizar a generalidade da população, forçando-a a aderir à linha política, social, económica ou racial de que a organização terrorista se afirma paladina Internacionalização do terrorismo: Esta internacionalização tornou-se inevitável, com as organizações terroristas a deixarem de poder subsistir sem auxílio exterior pelas razões seguintes. Em primeiro lugar, o terrorismo passa a exigir somas de dinheiro cada vez mais avultadas, tais somas só podem ser conseguidas com o auxílio de países estrangeiros ou de instituições por eles apadrinhadas. Em segundo lugar, o terrorismo artesanal está ultrapassado. Para se obter resultados positivos, as organizações terroristas modernas necessitam de armamentos e equipamentos sofisticados. Só no exterior do Estado a atacar, é que tais armamentos podem ser obtidos. Uma terceira razão, será o facto de não ser possivel o treino de terroristas no interior do estado visado, por falta de quadros especializados, e ainda porque as autoridades poderiam detectar e aniquilar as organizações, antes mesmo, que estas pudessem passar à acção. Quarta razão, como acontece em conflitos armados, o terrorismo também necessita de retaguardas seguras. São os países cúmplices que garantem asilo e negam a extradição de terroristas. Esta dependência do auxílio externo que, por motivos estratégicos, nunca é desinteressado, fez nascer o apoio permanente, dispensado ao terrorismo, por alguns Governos. Existem indícios seguros que países como Cuba, Líbia, Síria, Iémen do Sul, Coreia do Norte e Argélia apoiam o terrorismo. Estes países têm regimes totalitários, que são precisamente os regimes que usam métodos brutais para impedir ou reprimir o terrorismo. Não admira, que desta forma, os crimes terroristas visem normalmente os países democráticos ou de áreas geográficas em que o Ocidente tenha interesses vitais. Sendo o terrorismo uma fonte de destabilização, se não for combatido, conduz a uma ditadura, com a limitação da soberania nacional. Por isso, os Estados dirigentes têm, CEDIS Working Papers Direito, Segurança e Democracia julho de 16

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro.

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis DECRETO N.º 136/X Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Introduz um regime de fiscalização e de sanção contra-ordenacional aplicável a infracções aos deveres previstos no Regulamento (CE) n.º 1781/2006, do Parlamento

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei n.º 134/99, de 28 de Agosto Proíbe as discriminações

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S Conselho de Segurança Distribuição: Geral S/RES/1267 (1999) 15 de Outubro de 1999 RESOLUÇÃO 1267 (1999) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4051ª sessão, em 15 de Outubro de 1999

Leia mais

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02 José Pedro AGUIAR-BRANCO Senhor Presidente Srs. Ministros Senhoras e Senhores Deputados 1. A segurança e a justiça constituem um pilar fundamental do Estado

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 12 19-3-2012 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 219 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳 門 特 別 行 政 區 第 2/2012 號 法 律 公 共 地 方 錄 像 監 視 法 律 制 度 REGIÃO

Leia mais

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS Em conformidade com o Direito Internacional Humanitário, os jornalistas que estiverem em missão em áreas de conflitos armados devem ser respeitados

Leia mais

Parecer N. 02/P/2011/GPDP

Parecer N. 02/P/2011/GPDP Parecer N. 02/P/2011/GPDP Assunto: Criação do sistema de consulta online do Título de Identificação de Trabalhador Não-Residente (TI/TNR) pelo Corpo de Polícia de Segurança Pública O Corpo de Polícia de

Leia mais

Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional

Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional I - Introdução Foi solicitado à Associação dos Advogados de

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

2/2012 Lei n.º 2/2012 Regime Jurídico da Videovigilância em Espaços Públicos

2/2012 Lei n.º 2/2012 Regime Jurídico da Videovigilância em Espaços Públicos 2/2012 Lei n.º 2/2012 Regime Jurídico da Videovigilância em Espaços Públicos Assembleia Legislativa da Região Administrativa Especial de Macau 2/2012 Lei n.º 2/2012 Regime Jurídico da Videovigilância em

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

POLÍTICA DE CONFORMIDADE ANTICORRUPÇÃO

POLÍTICA DE CONFORMIDADE ANTICORRUPÇÃO POLÍTICA DE CONFORMIDADE ANTICORRUPÇÃO Introdução A integridade é um dos valores mais importantes da American Sugar Holdings, Inc.. Esta política de conformidade anticorrupção descreve as normas de comportamento

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1. Decreto-Lei n.º / No quadro da política comum de transportes e para reforçar a protecção dos consumidores, a Comissão Europeia entendeu ser fundamental garantir um nível de seguro mínimo comum e adequado

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

SUMÁRIO: Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum.

SUMÁRIO: Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum. DATA: Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2005 NÚMERO: 6 SÉRIE I-A EMISSOR: Assembleia da República DIPLOMA: Lei n.º 1/2005 SUMÁRIO: Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança

Leia mais

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Lei n.º 1/2005, de 10 de (versão actualizada) REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Contém as seguintes alterações: - Lei n.º 39-A/2005, de 29 de Julho - Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro [ Nº de

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 86/VIII/2015 de 14 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Buscas e apreensões em escritórios dos advogados à luz do novo CPP Roberto Raposo Janeiro 2011 -o nível do desenvolvimento civilizacional -ser avaliado pelo grau de equilíbrio -poder dever punitivo do

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Regulamenta a lei que proíbe as discriminações no exercício de direitos por motivos baseados na raça, cor, nacionalidade ou origem étnica A Lei n.º 134/99, de 28

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Sobre a Utilização de Equipamento de Controlo de Assiduidades por Impressão Digital/Palma O Gabinete tem recebido várias consultas sobre a possibilidade de empregar o equipamento de controlo de assiduidades

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas -

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Lisboa, 18.05.2006 O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Enquadramento, Conceitos & Formalidades 2 Enquadramento Algumas medidas de segurança envolvem o tratamento

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª Iniciativa Europeia Proposta de Decisão - Quadro COM (2007) 654 final SEC (2007) 1422 e 1453, relativa à utilização dos dados do Registo de Identificação de Passageiros

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S/RES/1373 (2001) Conselho de Segurança Distribuição: Geral 28 de Setembro de 2001 Resolução 1373 (2001) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4385ª sessão, em 28 de Setembro de 2001

Leia mais

Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010

Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010 PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS E O MARKETING Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010 Sónia Sousa Pereira 13-12-2011 Sónia Sousa Pereira 2

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

CIRCULAR Nº 23/2012 de 19.11.2012 Lei da Videovigilância em Locais Públicos de Utilização Comum Publicação de Diplomas Complementares

CIRCULAR Nº 23/2012 de 19.11.2012 Lei da Videovigilância em Locais Públicos de Utilização Comum Publicação de Diplomas Complementares A regulamentação da utilização de sistemas de vigilância por câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum, para captação e gravação de imagens e som e seu

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006 I - Introdução A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) tem recebido, com muita frequência, um grande número de pedido de acessos a dados pessoais de saúde de titulares

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO DE SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ACESSO PÚBLICO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO DE SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ACESSO PÚBLICO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO DE SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ACESSO PÚBLICO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento aprova normas e medidas

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei da Protecção de Dados Pessoais (transpõe para a ordem jurídica portuguesa a Directiva n.º 95/46/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Outubro de 1995, relativa

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS 01 - Modelo de protecção das crianças e jovens em risco 02 - O que são as CPCJ? 03 - Qual o papel/funções do Ministério Público? 04 - Modelo de intervenção 05 - Conceito

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 30 de Junho de 2010 Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com 1 LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 1. A videovigilância no local de trabalho 2. Confidencialidade e acesso à informação 3. Monitorização

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Janeiro de 2008 1. Introdução Uma das condições para que a avaliação cumpra todos os seus objectivos e contribua para a melhoria contínua

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

Lei nº 52/2003, de 22 de Agosto

Lei nº 52/2003, de 22 de Agosto Lei nº 52/2003, de 22 de Agosto Lei de combate ao terrorismo (em cumprimento da Decisão Quadro nº 2002/475/JAI, do Conselho, de 13 de Junho) - Décima segunda alteração ao Código de Processo Penal e décima

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Práticas Recomendadas Para Limitar a Responsabilidade dos Intermediários Pelos Conteúdos de Terceiros e Promover Liberdade de Expressão e

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA Regulamento Contra a Violência, Racismo, Xenofobia e Intolerância (*) Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento visa o combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nas

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

Lei nº. 109/91 de 17 de Agosto Lei da criminalidade informática

Lei nº. 109/91 de 17 de Agosto Lei da criminalidade informática Lei nº. 109/91 de 17 de Agosto Lei da criminalidade informática A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164º, alínea d), 168º, nº 1, alínea c), e 169º, nº. 3, da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

Deliberação n.º 156/09

Deliberação n.º 156/09 Deliberação n.º 156/09 Princípios aplicáveis aos tratamentos de dados pessoais no âmbito de Gestão de Informação com a finalidade de Prospecção de Opções de Crédito A Comissão Nacional de Protecção de

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS)

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) Cartagena das Índias, 15 de Outubro de 2013 Carlos Campos Lobo Índice Enquadramento Direito ao esquecimento Quadro normativo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 30 de Junho de 2010 João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 1 LOCAL : AB - PORTO DATA : 01-07-2010 CIBERCRIME Lei 109/2009, de 15 de Setembro Disposições penais materiais: Falsidade

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

Carta registada com A/R Ao Conselho de Administração do. Consulta Pública sobre Cadastro de Infra-estruturas

Carta registada com A/R Ao Conselho de Administração do. Consulta Pública sobre Cadastro de Infra-estruturas Carta registada com A/R Ao Conselho de Administração do. - 1 B - A ü t o r i d a d e ~ d e ~ Av.JoséMalhobl2 1099-017 Lisboa Lisboa, 16 de Outubro de 2007 Assunto: Consulta Pública sobre Cadastro de Infra-estruturas

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA Regulamento do Processo de Fiscalização das Obras Particulares Sujeitas a Licenciamento Municipal Preâmbulo Estabelece o artigo 24º. do DL 445/91, de 20 Novembro, com a redacção

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento Disciplinar é aplicável aos estudantes do ISAL - Instituto Superior de Administração e

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais