Ações sustentáveis como forma de inovação em eventos turísticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ações sustentáveis como forma de inovação em eventos turísticos"

Transcrição

1 Ações sustentáveis como forma de inovação em eventos turísticos Savanna da Rosa Ramos 1 Pâmela Soares Salomão Santos 2 Filipe Rossato Silva 3 Resumo: Inovar no campo turístico por meio de mudanças é adequá-lo a suas necessidades, portanto, é considerável pensar em sustentabilidade aplicando-se em eventos turísticos. Este artigo tem por objetivo principal expor como as ações sustentáveis vêm sendo trabalhadas no segmento de eventos na atualidade a partir da busca por autores que abordam a temática. E para o alcance desse foi proposto verificar também casos práticos de eventos e, explanar sobre conceituações dentro do turismo, tais como inovação e sustentabilidade e a sua aplicação no segmento de eventos estabelecendo considerações quanto ao que ocorre na realidade. Dessa forma, a metodologia consiste em um estudo exploratório, baseado em fontes secundárias de dados (levantamento bibliográfico de autores que estudam atualmente o assunto). Espera-se que esse estudo contribua com conhecimentos no meio acadêmico para o campo do turismo de eventos e venha mostrar como a sustentabilidade e as suas ações pré-definidas se comportam no segmento eventos. Palavras-chave: Eventos. Sustentabilidade. Turismo. Inovação. Introdução Atualmente, a prática de organizar eventos com caráter mais sustentável vem sendo muito difundida e igualmente aceita dada as necessidades da sociedade e suas questões ambientais de preservação da espécie humana. Esse fato deve-se à reflexão de que os bens e recursos que se usufrui hoje, se não forem estrategicamente preservados, não perpetuarão para as nossas próximas gerações. Considerando-se que a relação entre sociedade e espaços de eventos existe desde a antiguidade e que apresenta diferenciais nos diversos períodos da história, a estrutura social de cada época acaba determinando a construção de espaços para determinado fim, na busca por atender às múltiplas determinações da sociedade (Canton, 2002; Santos, 1997), no caso dos eventos. Melo Neto (1998, p.14) também comenta que o evento amplia os espaços para a vida social e pública e a participação conduz as pessoas para a experimentação conjunta de emoções, desenvolvendo o seu senso crítico, aprimorando suas visões, prezando a liberdade e adquirindo maior sensibilidade. De acordo com a Ontario Trillium Foundation (2003), eventos têm impactos que vão além do que poderia ser mensurado em termos econômicos, eles contribuem para a qualidade de vida que vai além da cidade sede pelo fortalecimento das comunidades, proporcionando atividades e eventos únicos, construindo a ciência de diversas culturas e identidades, e atuando como uma fonte de orgulho comunitário. Já Canton (2002) considera que os 1 Professora Assistente do Curso de Turismo da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP/ Campus de Rosana, SP; Mestre em Turismo e Hotelaria na Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, SC; Bacharel em Turismo na Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC, RS; BRA. Contato: 2 Graduanda do Curso de Turismo pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP/ Campus de Rosana, SP. Contato: 3 Graduando do Curso de Turismo pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP/ Campus de Rosana, SP. Contato: 1

2 eventos podem ser um instrumento de poder, o qual movimenta uma sociedade, manipula pessoas e, por fim, acaba criando alterações no campo social, econômico e político desta sociedade. Nesse sentido, os eventos, independentes dos lugares que ocorrem, sempre refletiram a sociedade na qual acontece e, por outro lado, podem refletir sobre ela no momento que se tem a consciência do quão manipulador ele é. Assim, os eventos não podem ser vistos como uma atividade isolada do contexto social e cultural em que estão inseridos. Dentro do processo turístico, devem estar integrados ao planejamento das cidades a partir de uma política de eventos, a qual compete mobilizar os valores sociais autênticos da localidade, a fim de que estes sejam sustentáveis e permanentes (Ramos, 2005). Dessa forma, o presente artigo aborda, a partir de conceitos de inovação no turismo, como vem se dando a aplicação da sustentabilidade em eventos como forma de inovação nesse mercado promissor do século XXI. E tem como objetivo principal expor como a ações sustentáveis vem sendo trabalhadas no segmento de eventos a partir da busca por autores que abordam a temática. E para o alcance desse foi proposto verificar também casos práticos de eventos e explanar sobre conceituações dentro do turismo, tais como inovação e sustentabilidade e a sua aplicação no segmento de eventos e estabelecendo considerações quanto ao que ocorre na realidade. A metodologia caracteriza-se por um estudo exploratório em fontes secundárias de dados realizando um levantamento bibliográfico dos principais autores que estão a observar esta temática, entre eles destacam-se Piccin e Mac Dowell (2009; 2011), Mastrobuono (2009), Silberberg (2010), Matias e Mello (2011), Santos (2011) e Martin e Rogers (2011) para compreender o contexto atual. A partir disso, espera-se o esclarecimento a respeito da definição de sustentabilidade adequando-a num contexto ligado ao turismo e, indo mais além, mostrar como a sustentabilidade e as suas ações pré-definidas se comportam no segmento eventos. Assim, será explanado sobre conceituações no turismo, inovação e sustentabilidade e seu aproveitamento no segmento de eventos. 1 A inovação e o turismo de eventos Inovar vem sendo uma forma de contribuir para a vida no planeta. Fazer a diferença para a sustentabilidade, aproveitando as oportunidades de mudanças é fundamental para a manutenção dos recursos existentes hoje, a fim de criar um futuro com condições plenamente habitáveis e (re)utilizáveis. A ênfase em querer buscar soluções a partir de diferentes meios vem a ser um dos caminhos da atividade turística para o século XXI. As inovações começam a existir de inúmeras formas, dando-se muitas vezes por meio de processos simples, de menor custo econômico e conveniente para empresas e órgãos e utilizando-se 2

3 de pequenos princípios, ocasionando assim a transformação do produto. Nesse sentido, Beni (2008) apresenta características que resultam na inovação turística, que pode ser a própria sofisticação do produto oferecido, a partir da combinação com mais produtos existentes, do aperfeiçoamento de suas características, dando uma nova roupagem e despertando outros olhares. A capacitação de mão de obra especializada também contribui nas inovações para que os serviços oferecidos sejam eficazes e satisfatórios, isso vem a ajudar na melhoria e manutenção dos serviços que são oferecidos, atrelado a um suporte técnico atuante; além disso, a capacidade de oferecer um produto com mais atributos, porém com o mesmo valor, ou com o mínimo de acréscimo de custo contribui no processo inovador. Ademais, uma dessas formas de inovar é pensar por meio da sustentabilidade, tendo-se ai uma nova tendência para o setor turístico. O que mais vem se destacando nos países receptores é a inovação no turismo; que de acordo com Beni, (2008) ainda representa uma imagem que possui uma ramificação dominante para a estrutura econômica voltada para a indústria e a produção material,considerando que, o Turismo passa por uma etapa de transição, mas ainda é mal definido, por faltar instrumentos de aferição e delimitação do próprio campo turístico, em função de variáveis que o compõe e o explica. Rogers e Martin (2011) mostram que centros de eventos inserem no mercado novos produtos e serviços, atendendo e se harmonizando com as necessidades que a sociedade apresenta, por meio do desenvolvimento de sistemas que sejam ecologicamente corretos. Além disto, ainda sobre previsões e tendências aplicadas a eventos, os mesmos autores apontam que: o próprio dinamismo da indústria significa que a mudança é uma de suas características, o que torna muito difícil a comparação de um fator com outro, visto que os parâmetros mudam consideravelmente em um espaço relativamente curto de tempo. (Rogers; Martin, 2011, p.130) Com isso, novas tendências estão a revelar estratégias de um novo tipo de oferta turística, dando vazão à sustentabilidade, mais precisamente em eventos, que de forma estratégica vem tendo repercussão em vários âmbitos de sua realização, desde pequenas empresas até megaempreendimentos para o turismo de eventos. Nesse sentido, Getz (1990) já salientava que o segmento de eventos é alvo de discussões sobre os impactos ambientais, sociais e culturais, no entanto, a relação custo-benefício mostra claramente em favor dos benefícios e progresso regional. Nas vantagens do custo-benefício da área de eventos, somadas a outras, Ruschmann (1999) escreve que para a atividade turística está incluída a construção da imagem da cidade e região, e também, a sua contribuição para o desenvolvimento sustentável, a partir de ações promocionais e publicitárias empreendidas coletivamente, que tanto contribui na diminuição dos gastos como na possibilidade da utilização de profissionais especializados. 3

4 A essa constatação da autora, estabelece-se uma relação com a atividade turística de eventos nas localidades que optam por essa prática, aonde diversas empresas vêm buscando, a partir dos princípios da inovação, melhorar a forma de oferecer os seus serviços e ressaltar a sua qualidade; para isto, investem na inovação dos seus produtos. Isso vem a ser uma estratégia de garantia no mercado competitivo de eventos que cresce a cada dia e ganha visibilidade internacional como um novo segmento a fazer parte da economia globalizada. 2 Eventos sustentáveis como forma de inovação no turismo A partir dos primeiros registros de eventos que datam 776 a. C. tem-se que seus primórdios foram os Jogos Olímpicos da Era Antiga, que ocorriam na Grécia, já de quatro em quatro anos; nesse período não se podia travar nenhum tipo de combate, já que os eventos possuíam um caráter religioso dignificando os deuses do Olimpo. A partir daí, outras cidades gregas começaram a organizar eventos como: jogos, concursos, entre outras atrações, assim os eventos da antiguidade foram evoluindo e tomando forma, enquanto outros tipos foram surgindo, mas cada um com seu próprio contexto (Matias, 2007). A autora ainda destaca que a civilização antiga deixou de herança para o turismo e para o turismo de eventos o espírito de hospitalidade, a infraestrutura de acesso e os primeiros espaços de eventos. (Matias, 2007, p.4). Para compreender melhor o significado dos eventos, parte-se à sua conceituação onde Matias (2007) e Giácomo (1993) expõem que um evento é, por definição, algo temporário, passageiro, com duração determinada e que são componentes do mix da comunicação. Assim, um evento é composto por várias idéias e ações com o propósito de envolver pessoas e transmitir uma determinada mensagem ao público alvo perante pesquisas e planejamento. As áreas de eventos seguem as mais variadas tipologias, cada uma com seu enfoque, estabelecendo uma gama de eventos, onde é bastante complexo classificar como um todo, pois cada tipo de evento possui suas peculiaridades e estratégias. Com isso, a ideia de organizar eventos sustentáveis parte do principio de que cada vez este tema está sendo familiarizado em nossa sociedade, o que se pode dizer que houve a necessidade de se adequar a paradigmas que nos induzam a pensar como se pode ter qualidade de vida no presente e no futuro, já que esta é a finalidade. Por isso recorre-se a sustentabilidade. A prática da sustentabilidade, ou de ações sustentáveis mais precisamente, é uma forma que busca a manutenção de ambientes e minimizar os impactos negativos do meio em que se vive, já que nos últimos séculos as ações do homem têm causado um aumento na concentração dos gases de efeito estufa (GEE) que cobrem a atmosfera desmatamentos de áreas verdes, degradação dos solos, perda de identidade local com a globalização, entre outros. 4

5 No entanto, o termo sustentabilidade ainda remete a um contexto de contínuo e durável, para resultados futuros; sendo que a visão de sustentabilidade vai além de simplesmente ter a função de reduzir, reutilizar ou reciclar. É preciso pensar não somente em ações sustentáveis voltadas pra a questão ambiental, mas também nas formas que são causados os impactos sociais, econômicos e culturais, pois, embora o desenvolvimento sustentável seja suprir as necessidades do presente de forma a não comprometer o futuro, por conseguinte pensando na qualidade de vida das próximas gerações, para que não haja o esgotamento dos recursos no decorrer dos anos. O desenvolvimento sustentável, processo da sustentabilidade, não é em si o crescimento econômico, e não pode ser confundido, já que é uma maneira de se evoluir economicamente, mas levando em consideração os recursos naturais, os quais a própria economia também desfruta, se faz necessário reconhecer que os recursos naturais do qual a humanidade depende pra sua sobrevivência são finitos (Veiga, 2010). Desse modo, Santos (2011) destaca que as formas de sustentabilidade são várias e que se deve não apenas analisar os impactos negativos em questão ao meio ambiente, mas também, economicamente, socialmente e culturalmente para eventos, considerando que: um evento que seja ecologicamente correto, economicamente viável, socialmente justo e culturalmente aceito, isto é, que busca sustentabilidade, deve levar em consideração, em seu processo de planejamento e realização, os impactos ambientais, desde a mensuração até a destinação dos resíduos gerados em sua realização, o consumo de energia elétrica e a neutralização das emissões de gás carbônico (CO2), geradas durante o evento, por meio do plantio de árvores nativas (Santos, 2011, p.200). Dada a gravidade das mudanças climáticas e o uso indevido dos recursos naturais que atualmente se possui, destaca-se um alerta para a segmentação de eventos, assim a autora remete às empresas que estão mais atentas a inovar a maneira de participação e patrocínio em eventos, tanto na forma de minimizar impactos quanto na recuperação de áreas degradadas, por meio do plantio de mudas, e outras responsabilidades sociais. A Figura 1 abaixo é uma representação de que, a sustentabilidade, somente pode agir de forma plena, quando engloba quatro fatores principais, a saber: ambientais, econômicos, sociais e culturais. Esses fatores podem ser considerados elementos que vão convergir para a viabilização de muitas atividades, entre elas a de eventos. O fator social representa o caráter desenvolvimentista que cerca toda a sociedade, com base no indivíduo; questões culturais: são os reflexos identificados a partir da fusão de culturas distintas aculturação; o fator ambiental, sendo impactos no meio ambiente natural e físico, reconhecido pela população que utiliza desse recurso, e o fator econômico, 5

6 que corresponde às transações econômicas realizadas durante todo esse processo, reverberando também nas populações integradas a esse meio. Figura 1. Fatores que influenciam a sustentabilidade Fonte: Silberberg; Mac Dowell, (adaptado) Esta mobilização a favor da sustentabilidade vem tomando grandes dimensões na atualidade devido à própria necessidade de pensar no controle da extração dos recursos naturais, e assim está envolvendo as mais variadas áreas que se relacionam com a sustentabilidade e modelando a necessidade de estudos para compor ações que sejam efetivas. Maneiras aplicadas que são pensadas em sustentabilidade agregam bastante valor ao produto em si e formula um marketing positivo, além de ser o caminho para a sobrevivência de algumas empresas e instituições. Além do que, existem demandas a serem exploradas; formular novos eventos que ultrapassem a vontade de simplesmente oferecer um evento tradicional, implica no papel do organizador do evento promover desde o início de sua organização, ações sustentáveis. Um evento deste, de alguma maneira reforça a credibilidade e garante qualidade e responsabilidade. Os eventos sustentáveis não são somente uma forma de contribuir com o futuro do meio ambiente, mas também uma nova configuração bastante eficaz de conscientizar todos os envolvidos no acontecimento, proporcionando também reflexões que serão exercidas no cotidiano (Barbosa, 2009). 6

7 3 Aplicações de ações sustentáveis nos eventos A sustentabilidade em eventos aparece principalmente com aplicações, a partir de ações ecológicas, as quais vêm estimulando o crescimento do turismo sustentável na área de eventos e da mesma maneira valorizando e cuidando dos próprios recursos que são dominados pelo turismo. O Quadro 1 abaixo vem mostrar a análise de alguns dados que indicam como o produto sustentável é visto pelos consumidores brasileiros, de acordo com a pesquisa realizada por agencias de publicidade e comentadas por Rogers e Martin (2011), autores do livro onde a pesquisa foi divulgada. Dados sobre a sustentabilidade: 60% dos brasileiros acreditam que as marcas adotam esta idéia para uma melhor imagem; 23% acreditam que essa responsabilidade sustentável na busca de soluções deve vir do governo; 90% das pessoas respeitam empresas sustentáveis; 48% pagam um valor a mais por um produto que é considerado sustentável; 70% relacionam sustentabilidade à integridade, saúde, oportunidade e futuro. Quadro 1: Pesquisa realizada pelas agencias de publicidade Z+, Media Contacts e Mobext, (2010) Fonte: Adaptado de Rogers e Martin (2011, p.141). Interpretando esses dados, pode-se constatar que a intervenção do marketing em questões sustentáveis, age de maneira eficaz, pois produz novas reflexões e atitudes, não somente para os consumidores, mas também para empresas. A partir disto, empresas podem produzir um produto de maneira simples a classificá-lo como socialmente correto e principalmente ecologicamente responsável. Com embasamento em estratégias de marketing, é possível demonstrar que várias formas de sustentabilidade podem se aderidas na rotina das pessoas, considerando que nessa amostra teve-se 70% que relacionam sustentabilidade à integridade, saúde, oportunidade e futuro e além da questão da credibilidade atribuída às empresas sustentáveis com 90% Considera-se também que, o fato de que somente 48% das pessoas despendem um maior valor por um produto sustentável, revela que a sustentabilidade deve acontecer concomitantemente com a economia, visto que, nitidamente em países com economias frágeis como o Brasil, alguns grupos ainda vivem em condições precárias de sobrevivência, não abrindo mão de um produto mais econômico, deixando o agredir menos a natureza como motivo secundário. Dessa forma, vê-se que a idéia de eventos mais sustentáveis, vai além do que policiar para a preservação, mas sim cercar de todas as formas possíveis de planejamento, na elaboração de um evento. Piccin e Mac Dowell (2011) apresentam alguns aspectos que podem ser seguidos para a elaboração de eventos sustentáveis: 7

8 Atender e procurar por empresas que respeitam diretrizes e normas técnicas legais, fiscais, trabalhistas e ambientais; Escolhas de materiais e serviços que devem repensar os processos, produtos e tecnologias, reduzindo o uso de materiais e recursos naturais (água, energia), reutilizando tudo o que for possível e, por fim reciclando os materiais não reutilizados - regra dos quatro Rs. Minimizar impactos que serão gerados pelo evento e compensar os que não puderam ser minimizados; Escolha por serviços e produtos locais ou regionais, e dessa forma investir em melhorias que permaneçam no local após o evento além de contribuir e incentivar uma economia positiva para a localidade; Envolver assiduamente todas as empresas, funcionários, organizadores, patrocinadores, comunidade do entorno e participantes em busca de sustentabilidade. A partir desses aspectos, observa-se que eventos com caráter sustentável devem obedecer a uma série de regras normativas, contemplando além do fator econômico, o social, cultural e principalmente o ambiental. Dessa forma, os eventos tendem a ser financeiramente menos viável, olhando sob o prisma econômico, porém correto, se forem tomadas todas essas medidas prospectando o futuro. Na sustentabilidade, com a visão do desenvolvimento sustentável a tendência socioambiental, cada vez mais ganha importância em eventos se atendido a pequenas diretrizes como: pensar em acessibilidade, movimentar a economia local e estabelecer atitudes proativas, a fim de diminuir impactos além de contribuir para um comércio justo, gera um relevante feedback financeiro (Barbosa, 2009). Como foi apresentado, sobre como elaborar eventos sustentáveis, para se chegar aos benefícios dos eventos e minimizar impactos, os municípios receptores devem adotar políticas que contemplem estratégias para o desenvolvimento sustentável, dando valor ao equilíbrio no meio ambiente (Mastrobuono, 2010). Também preocupados com os impactos ambientais que a execução de um evento gera, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) está buscando instituir, ainda no primeiro semestre de 2012, a norma ISO 20121, que prevê diretrizes para eventos sustentáveis. Sobre o objetivo que essa norma pretende atingir, Zan (2012), comenta que se faz necessário: oferecer uma atenção para os profissionais de todos os setores envolvidos com conferências e outros encontros, através de diretrizes que possam ser implementadas nas etapas do processo de produção [...] Isso significa um gerenciamento que busque a redução dos impactos, levando em conta não só o lado ambiental, mas também social e econômico. 8

9 Com isso, para ter validade, a empresa deve se autodeclarar que está em conformidade com a norma, para, num segundo momento passar por uma auditoria externa, e finalmente ser reconhecido o termo como verdade. Zan (2012) ainda salienta sua perspectiva de que funcione no Brasil, dizendo que espera que a norma possa estar realmente adequada à realidade brasileira, um país com imensa diversidade cultural, social e econômica [...] considerando as diversas regiões do país. A autora ainda especifica sobre a dualidade que é promover eventos mais sustentáveis, pelo alto custo que traz, em comparação com qualquer outro evento, destacando o retorno que essas atitudes podem trazer à empresa (visibilidade, maior valor no mercado sobre outras empresas do mesmo setor) por mais que a ação não seja rentável no momento de sua realização. E ainda, segundo Silberberg e Mac Dowell (2010), a média de aumento no custo do orçamento do evento fica cerca de 30% a 50%. No entanto, isto se torna redução de custos em uma escala de curto prazo com os serviços sustentáveis prestados. Além disso, a utilização de material reaproveitado economiza os recursos e elementos da natureza, e isso traz feitos econômicos e ambientais positivos para toda a sociedade (Silberberg; Mac Dowell, 2010 p.743) Para exemplificar com ações concretas, trar-se-á alguns exemplos de eventos tanto os que adotaram idéias e práticas sustentáveis, quanto os que estabeleceram diretrizes, com a intenção do desenvolvimento sustentável; ambos em favor e em contribuição com o meio ambiente, fortalecendo também parcerias com os meios social, cultural e econômico. As informações sobre os eventos foram retiradas dos próprios endereços eletrônicos dos eventos ou gestores dos mesmos. Em 11 e 12 de Abril de 2011, o Congresso da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP), reuniu 500 gestores de fundos nacionais e internacionais dos mais variados ramos, ademais de muitos segmentos econômicos que procuravam tomar dimensão e ciência de como está se comportando o mercado. O evento ocorreu no Sheraton São Paulo WTC Hotel e discutiu assuntos que contemplavam os temas responsabilidade socioambiental e sustentabilidade. O tema do evento era: O Brasil na Rota do crescimento sustentável: é Hora de investimentos de longo prazo. O foco era o planejamento de ações que pudessem dar diretrizes de eventos sustentáveis. Tinha como objetivo debater a posição do Brasil na década em que se vive, a mesma em que o país deixou de ser o País do Futuro, e tornou-se a oitava economia mundial. A XI Convenção Quadro das Nações Unidas Sobre Mudança do Clima, também denominada Protocolo de Kyoto, realizada no ano de 2005, teve a atuação do Governo do Canadá, que adotou algumas medidas de preservação, tais como distribuição de passes livres de trânsito para as pessoas, escolha de meios de hospedagem que facilitassem ao participante do evento uma caminhada a pé, 9

10 bolsas de lona e lembranças funcionais para a diminuição de resíduos, entre outros; além de envolver totalmente em questão o meio ambiente na discussão. Eventos que seguem estes modelos, como o descrito acima, tendem a custar um maior valor, a partir de tais ações, porém geram uma maior visibilidade e menos consumo. O poder público juntamente com os promotores deve programar o crescimento dos eventos, para que este ocorra de maneira ordenada, praticando atos sustentáveis, pela conservação do meio ambiente (Mastrobuono, 2010). Como exemplo tem-se o São Paulo Fashion Week (SPFW), que desde o ano de 2007 vem adotando medidas em favor da sustentabilidade, sendo sinônimo da última tendência de moda no Brasil e no mundo, esse grande evento também traz a preocupação com o meio ambiente e as mudanças climáticas. Os materiais utilizados durante o evento são reaproveitados ano após ano, e dentro do programa carbon free, foram plantadas mais de árvores de espécies que são nativas da Mata Atlântica, na cidade de Lorena SP. Além disso, foram utilizadas lâmpadas de LED, que reduzem o consumo de energia. Estilistas traziam em suas peças, produtos artesanais, materiais reciclados, como forma de contribuição para a sustentabilidade e também responsabilidade socioambiental. (SPFW, 2009 apud Barbosa, 2009) Já o evento Fashion Rio Inverno 2011, realizado de 11 a 15 de janeiro, contou com atitudes sustentáveis, por meio do Instituto Coca Cola Brasil. O evento, que aconteceu no estado do Rio de Janeiro, possibilitou que a Organização não-governamental (ONG) Doe Seu Lixo, levasse até o local do evento pessoas responsáveis para fazer a coleta de todo o material reciclável de espaço. As camisas dos catadores foram confeccionadas de tecido PET reciclado. Também, haviam jóias de ouro e PET sendo feitas na hora. As pessoas participantes eram instruídas e motivadas a jogar o lixo nas latas correspondentes. Até mesmo a decoração interna do evento foi pensada de maneira sustentável: isto podia ser claramente visto no mobiliário do espaço. As tintas usadas também no processo de decoração eram feitas á base de água, o que é menos poluente. O material descartável arrecadado foi gentilmente doado às cooperativas aliadas ao Instituto. Reafirma-se que a partir da idéia de inovação no turismo atrelado ao desenvolvimento sustentável é trazido o fortalecimento dos produtores e prestadores de serviços do entorno. Isso diminui custos com transporte e beneficiam a população local, que se encontra próxima ao evento, neste caso, as cooperativas da cidade (Coleta Seletiva no Fashion Rio, 2011) Também na cidade do Rio de Janeiro, outro evento, que ocorreu no segundo semestre de 2011 com grande destaque nacional e internacional, se utilizou de alguns princípios da sustentabilidade, foi o Rock in Rio. No total, foram sete dias de evento, com um grande público tanto nacional quanto internacional. Foi criado um documento chamado Plano de Sustentabilidade Rock in 10

11 Rio 2011, que previu a redução de impactos ambientais aliado aos benefícios sociais para a localidade receptora do evento. Dentre algumas ações executadas destacam-se: a destinação dos resíduos em lugares corretos, e a distribuição de 520 lixeiras, para o depósito de materiais recicláveis e não recicláveis; também os incentivos ao uso do transporte público, sendo destinados corredores exclusivos para automóveis em favor do evento; rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida, assim como banheiros adaptados, para um melhor deslocamento desse público, que hoje em dia compõe uma parcela importante da sociedade. Também atrações ditas sustentáveis, como a EcoPista, que foi uma pista de dança capaz de produzir energia limpa, e as EcoBikes, que transformou a energia mecânica, produzida pelo movimento de pedalar, em eletricidade, e automaticamente permitiu que a roda gigante se movimentasse (Spitzcovksy, 2011) Iniciativas como a desses eventos, certamente influenciam o público participante, iniciando a conscientização individual, e a associação com os propósitos ambientais que o evento propõe. Além disso, é de extrema importância ressaltar que, ao participar e contribuir de alguma forma com o evento e o que ele traz como inovação, aciona-se a memória de um coletivo que vai passar os princípios adiante, para as gerações seguintes. 4 Análise da sustentabilidade em eventos turísticos aspectos teóricos A partir das abordagens teóricas tratadas, é apresentado no Quadro 2, as considerações sobre sustentabilidade em eventos procurando definir em que aspecto se enquadra de acordo com os aspectos citados pelos autores. Desse modo, buscou-se reunir as principais abordagens dos autores escolhidos para análise, de forma que esclareça a compreensão dessas teorias. As abordagens propostas pelos autores vêm refletir sobre os fatores que influenciam as questões culturais, econômicas, sociais e ambientais, e que estão intrinsecamente ligados à sustentabilidade. Autores Mello e Matias (2011) Mastrobuono (2010) FATORES DE INFLUÊNCIA DA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA AMBIENTAL CULTURAL SOCIAL Buscar usufruir Algo temporário dos serviços da com duração localidade ou determinada. região para Eventos demandam movimentar a planejamento para própria que sejam aceitos. economia. Adoção de políticas que abrangem técnicas em favor do meio ambiente, promovendo o As crenças e costumes da localidade são reafirmados a partir dos eventos Localidades receptoras dos eventos devem aderir políticas que considerem 11

12 Piccin e Mac Dowell (2011) Santos (2011) Rogers e Martin (2011) Os custos dos eventos sustentáveis ficaram mais altos, porém é uma visão de curto prazo. Investimento a longo prazo A diminuição de impactos ambientais passou a ser vista como marketing positivo pela economia mundial Os eventos geram divisas para as localidades receptoras, além de investimentos por parte das empresas. equilíbrio do mesmo. fixos. estratégias para o desenvolvimento sustentável. Propõe o uso de tecnologias mais limpas, por meio de geradores de energia, recomendase o combustível biodiesel para os geradores. Consumo consciente e responsável dos recursos naturais, como forma de preservação. Destacar empresas que valorizam a cultura brasileira, busca por produtos locais e regionais. Envolvimento da comunidade. Conhecer os costumes do público alvo do evento, e a partir disto inserir ações dirigidas. Quadro 2: Análise das abordagens teóricas sobre sustentabilidade em eventos. Fonte: Elaboração própria. Oferecer infra estrutura adequada aos participantes, que não gere incômodos aos moradores locais. Atentar- se a cooperativas que tomem conta da coleta e destinação dos resíduos, como forma de inclusão social. Inserir nos eventos a inclusão social por meio do melhor atendimento á pessoas com mobilidade reduzida. Santos (2011) aborda que, no aspecto ambiental, deve ser considerado um local para destinação de resíduos, assim como foi feito em 2011 no Rock in Rio. Diante disso, nos aspectos sociais e econômicos, considera que o planejamento seja essencial dada a comunidade onde irá ocorrer determinado evento, pois não bastam somente ações de ordem ambiental, mas a comunidade tem que estar ciente de todo o processo para que nem uma das partes seja prejudicada e o evento possa realmente movimentar a economia. Já a autora Mastrobuono (2009), aborda sobre o planejamento como base de qualquer estrutura de organização para seu funcionamento, englobando a importância e preocupação com os desdobramentos que a sustentabilidade abarca, como caso da criação de políticas públicas que a localidade receptora aceite para com isso haver um equilíbrio harmonioso no território. Ainda, faz menção à importância do aspecto cultural, quando considera que a partir dos costumes de determinada sociedade, apontem positivamente para um evento se tornar periódico ou fixo. Nesse caso, as questões de sustentabilidade foram debatidas no evento citado Protocolo de Kyoto já em 12

13 2005, enfatizando principalmente as questões ambientais, vindo a reforçar o aporte social e os critérios para ações sustentáveis no território internacional. Aí vemos um fator positivo dos efeitos da globalização, quando se tratam de normas que deverão reger determinado local para sua conciliação com entre os meios social, ambiental, cultural e sua exploração econômica. Por sua vez Santos (2011) considera que a questão ambiental funciona como um marketing positivo para a rentabilidade do setor da economia e no turismo, conseqüentemente. Pode-se fazer um contraponto com o evento Fashion Rio 2011, que usou da marca Coca Cola, que é um nome influente no mercado, para promover ações sustentáveis, que foi a arrecadação dos materiais reciclados gerados durante o acontecimento do evento. Ela também faz referência à inserção de comunidades multiplicadoras nesse processo, nesse caso, as cooperativas, que muito podem ajudar nos eventos a serem viáveis e sustentáveis, e também auxilia na própria comunidade, já que se trata de uma via de mão dupla. Reflete-se aí a questão da responsabilidade socioambiental que cada indivíduo tem com o meio em que vive, sua consciência agindo a favor as sociedades, podendo ser esse meio, um evento a participar. Rogers e Martin (2011) complementam a discussão, principalmente no fator econômico da sustentabilidade, alerta que eventos ambientalmente corretos tendem a trazer divisas para a localidade, o que é naturalmente satisfatório e estimulante, retomando o caso do São Paulo Fashion Week 2011, que já atrai pessoas do mundo todo pela temática que aborda, e hoje em dia vem adotando idéias sustentáveis, que agregam mais valor ao produto e ao evento propriamente dito. Esse é um tipo de evento que, na época em que acontece, movimenta não só o segmento de eventos na área de turismo, mas a maioria dos setores em que o turismo faz parte (hotelaria, alimentos e bebidas, entretenimento, principalmente). Com isso, deve-se atentar ao fato de que, por se tratar de um evento com uma proporção mundial, vários turistas internacionais vêm participar do evento. Piccin e Mac Dowell (2011) sugerem o uso da tecnologia em favor das ações sustentáveis, como o caso do evento Rock in Rio 2011, onde se teve a EcoPista, e as EcoBikes, para compor parte da infra estrutura, voltada ao núcleo social, sendo os resultados observados, a curto prazo, os investimentos devem considerar Plano de Sustentabilidade Rock in Rio 2011 gerido pelo evento a longo prazo. Assim, ter-se-á o legado propriamente dito do evento. Considera-se que ao destacar as empresas que valorizam a cultura brasileira, haverá uma busca maior por produtos locais e regionais, ao mesmo tempo em que gera um envolvimento da comunidade e do trade turístico associado. Estas autoras ainda elucidam sobre o assunto basal que se trata, explanam e propiciam equilíbrio entre os principais fatores que influenciam na sustentabilidade, representados na figura 1. Este equilíbrio entre os fatores da sustentabilidade resultam de forma direta e eficaz em um turismo sustentável, 13

14 mais especificadamente nos ramos que se estabelece relação com eventos. Como se pode observar no Quadro 2. Dessa forma, considera-se que para ocorrer a sustentabilidade em um evento, ela deve perpassar pelos fatores que a influenciam diretamente. Esses fatores devem fazer parte do planejamento, o qual é essencial para a engrenagem das ações, e consequentemente para a satisfação do organizador e do público-participante do evento. Portanto sabe-se que, a cada dia que passa o processo de sustentabilidade aplicada aos eventos turísticos caminham em busca de adaptação no próprio meio, assim evoluindo e se concretizando; como se observa nos eventos destacados considera-se um início de um novo paradigma, mas que conforme toda análise teórica feita a partir das obras dos autores, não basta contemplar somente um aspecto da sustentabilidade, seja social, cultural, econômico ou ambiental, deve-se prezar o máximo possível pelo equilíbrio dentre os próprios, o que na realidade se tem muito a avançar. A partir dos eventos tratados aqui se percebe sua importância para o campo turístico, quando se pensa no seu efeito multiplicador que proporciona no local-sede, ao tempo que alegam e divulgam os aspectos de influencia da sustentabilidade. No entanto, presume-se que ainda deixam implícito, impactos negativos não abordados nessa pesquisa e que com certeza merecem um estudo dirigido e crítico. Conclusões Diante do exposto pode-se considerar a que a prática da inovação no turismo de eventos é proveniente das próprias necessidades que os eventos demonstram. Estes, que desde a antiguidade vêm sendo estruturados, apresentam hoje em sua essência uma determinada versatilidade, que permite serem incorporados vários conceitos para fins de uma melhor estruturação. Entre eles, está o conceito de sustentabilidade, que se tornou relevante já que tem uma maior preocupação com questões ligadas à gestão ambiental e a responsabilidade social. No entanto, pode-se observar que a sustentabilidade não diz respeito somente aos recursos naturais, mas também, aos desdobramentos que se interligam a eles, os fatores sociais, econômicos e culturais, que estão muito presentes na atividade de eventos. Esses fatores, sendo atrelados ao desenvolvimento sustentável, vêm necessitando de uma maior atenção, na atuação prática do mercado de eventos tanto em âmbito internacional como no nacional. No Brasil, percebeu-se que os eventos sustentáveis trazem consigo a conservação dos recursos naturais atrelados à organização que envolve a realização do evento como: gestores, empresas, grupos e a população local; de forma a unir e resultar em incentivos e benefícios ao 14

15 evento. Estes eventos dão exatamente margem a diversas reflexões sobre o desenvolvimento sustentável, especialmente no fator social, quando se pensa na aceitação da comunidade local em sua realização. De acordo com o objetivo proposto, é possível apreender como a sustentabilidade reafirmase com poder, pela criação de normas regulatórias no território, e o apelo social para o mercado de eventos, pela força do marketing empreendido nas ações diante da relevância que é pensar e prospectar ações planejadas e efetivamente conscientes para o bem comum, embora muitas vezes, isso nem sempre aconteça. Cabe frisar a verificação feita no caso dos eventos discutidos: Congresso da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital, Protocolo de Kyoto, São Paulo Fashion Week 2007, Fashion Rio Inverno, 2011 e Rock in Rio 2011.Nota-se que se retoma ao tema referente explanado. A partir dos embasamentos explorados e já com a ocorrência de eventos sustentáveis em muitas localidades, transpõe-se a teoria, percebendo-se como a sustentabilidade vem sendo trabalhada no sistema de mercado de eventos, para os eventos sustentáveis, e o que vem pesar são as suas peculiaridades para com as estratégias empreendidas. Espera-se que essa pesquisa contribua para estudos futuros dentro da área acadêmica e sirva como fonte de pesquisa em outras áreas aliadas ao turismo. Assim, sendo um conceito recente e que merece ser explorado, que possa não somente auxiliar como base de conhecimento para investigação turística, por meio de pesquisas in loco nos eventos, sugerindo-se a análise da sustentabilidade nos megaeventos que estão para ser realizados no país, como a Copa do Mundo FIFA 2014 e os Jogos Olímpicos Referências ABVCAP abre inscrição para Congresso Disponível em: Barbosa, Admilson Clayton. Princípios do desenvolvimento sustentável na gestão de eventos. Intercom Sociedade brasileira de estudos interdisciplinares da comunicação. XXXII Congresso de Ciências da Comunicação, Beni, Mario Carlos. Globalização do turismo: megatendências do setor e a realidade brasileira. São Paulo: Aleph, Canton, Marisa. Eventos. In: Trigo, L.G.G. (org). Como aprender, como ensinar. v.2, 2ª ed., São Paulo: SENAC, p Coleta Seletiva no Fashion Rio. Acesso em 06/ 05/12. Disponível em: Getz, Donald. Festival, specials events and tourism. New York: Nostrand Reinhold, Giácomo, Cristina. Tudo acaba em Festa. São Paulo: Summus, Mastrobuono, Flavia. Dimensionamento de eventos turísticos e sustentabilidade: In: Philippi Jr., Arlindo; Ruschmann, Dóris Van de Menne. Gestão Ambiental e sustentabilidade no turismo /,Barueri, SP: Manole, (Coleção Ambiental, v.9). 15

16 Matias, Marlene. Organização de eventos: procedimentos e técnicas.4 ed. Ver. e ampl.- Barueri, SP: Manole, (p ). MELO NETO, F. P. de. Criatividade em eventos. 2ª ed. Campinas, São Paulo: Papirus, Piccin, Ana Carolina; Dowell, Daniella Mac. Eventos mais sustentáveis. In: Matias, Marlene (org). Planejamento, organização e sustentabilidade em eventos culturais, sociais e esportivos. Barueri. SP: Manole, 2011 (p ). Ontario Trillium Foundation, Ontario Arts Council e Ontario Cultural Attractions Fund. Economic impacts of 97 festivals and events - fact sheet 1: Overall economic impacts. Ontário: Hill Strategies, abr/2003. Disponível em: <http://www.trilliumfoundation.org/otf- English/downloads/files/research/festivals_ontario_overall_impact.pdf. O que é Desenvolvimento Sustentável? Acesso em: 23/04/12. Disponível em: Ramos, S. R. Turismo de eventos: análise nos empreendimentos hoteleiros na cidade de Balneário Camboriú SC. Dissertação. Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI/Balneário Camboriú, BRA, Rogers, Tony; Martin, Vanessa, - Eventos: planejamento, organização e mercados. [trad. Ana Paula Spolon] Rio de Janeiro: Elsevier, Ruschmann, Doris V. Marketing turístico: Um Enfoque Promocional. 3ª ed. Campinas, São Paulo: Papirus, Santos, Meire dias dos. Eventos verdes. In: Matias, Marlene (org) Planejamento, organização e sustentabilidade em eventos culturais, sociais e esportivos. Barueri, SP: Manole, Santos, Milton. Espaço & Método. São Paulo: Nobel, Silberberg, Carolina P.; Mac Dowell, Daniella. Gestão ambiental e responsabilidade social em eventos. In: Philippi Jr., Arlindo; Ruschmann, Dóris Van de Menne. Gestão Ambiental e sustentabilidade no turismo. Barueri, SP: Manole, Cap. 32 (p ). Spitzcovksy, Débora. A Sustentabilidade no Rock in Rio Acesso em: 20/04/12 Disponível em: SPFW, São Paulo Fashion Week SPFW Carbon Free. Disponível Em <http://www.spfw.com.br/noticia_det.php?c=2748> acesso em:< junho de 2009> Veiga, José Eli da. Sustentabilidade: A legitimação de um novo valor. São Paulo: SENAC, Zan, Rosana. Iso para sustentabilidade em eventos. 06 Mar Acesso em: 23/ 04/ 2012 Disponível em: 182.html. 16

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental)

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental) V1.2012 CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental) VIVÊNCIAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATUANDO JUNTO À COMUNIDADE PIRACICABANA E AO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ Rodolfo Ferreira da Costa

Leia mais

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP RESUMO Carneiro Junior, J. L. 1 ; Freitas, R. C. M. 2 ; Rosa, A. C.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

OS IMPACTOS DO TURISMO DE COMPRAS NA FRONTEIRA SUL DO BRASIL

OS IMPACTOS DO TURISMO DE COMPRAS NA FRONTEIRA SUL DO BRASIL OS IMPACTOS DO TURISMO DE COMPRAS NA FRONTEIRA SUL DO BRASIL Taís Natalia Cruz Pereira 1 Cláudia Brandão Schwab 2 Gabriel Silveira Martins 3 RESUMO Este trabalho visa demonstrar os problemas resultantes

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

PROPOSTA DE PATROCÍNIO. 5º PTT Fórum Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil

PROPOSTA DE PATROCÍNIO. 5º PTT Fórum Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil PROPOSTA DE PATROCÍNIO 5º PTT Fórum Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil Apresentação O PTT Fórum é um evento promovido pelo CEPTRO.br Centro de Estudos e Pesquisas em Tecnologia de Redes

Leia mais

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias *

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * Arminda Eugenia Marques Campos ** Luís Henrique Abegão *** Maurício César Delamaro **** Numa época em que os recursos públicos destinados

Leia mais

Eixo Temático ET-13-025 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-025 - Educação Ambiental 546 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-13-025 - Educação Ambiental AVALIAÇÃO DO CONSUMO CONSCIENTE DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos 147 Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos VIABILIDADE DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA NO IFPB CAMPUS PRINCESA ISABEL: CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Queliane Alves da Silva 1 ; Ana Lígia

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE HOTELARIA E HOSPITALIDADE TURÍSTICA ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE PONTA GROSSA PARANÁ.

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE HOTELARIA E HOSPITALIDADE TURÍSTICA ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE PONTA GROSSA PARANÁ. FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE HOTELARIA E HOSPITALIDADE TURÍSTICA ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE PONTA GROSSA PARANÁ. SILVA, Isiele Mello - Faculdade Santa Amélia 1 SILVA, Nivaldo Pereira

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL Rafael Antônio Nunes COURA³;Milena Alves da Silva SOUZA³; Isabela Fatima Silveira MARTINS³; Cássia Maria Silva NORONHA¹ e Eriks Tobias VARGAS².

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Reciclagem. qualidade. coleta seletiva. incubação.

PALAVRAS-CHAVE Reciclagem. qualidade. coleta seletiva. incubação. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( X ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UMA REFLEXÃO SOBRE O TIPO E A QUALIDADE

Leia mais

Educação ambiental e pratica educativa: Contribuições do Projeto Rondon Tur Ambiental.

Educação ambiental e pratica educativa: Contribuições do Projeto Rondon Tur Ambiental. Educação ambiental e pratica educativa: Contribuições do Projeto Rondon Tur Ambiental. MARCILIO JUNIOR, Ricardo T. UFT 11 BALSAN, Rosane - UFT² SOUSA, Luciana P. - UFT³ RESUMO O projeto Rondon Tur Ambiental

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

ROCK AMBIENTAL NO PEDAL www.bandaco2zero.com.br ProAC Diário Oficial de 05_02_2013 Valor total R$ 205.398,04 (renúncia fiscal) Valor por cota R$

ROCK AMBIENTAL NO PEDAL www.bandaco2zero.com.br ProAC Diário Oficial de 05_02_2013 Valor total R$ 205.398,04 (renúncia fiscal) Valor por cota R$ ROCK AMBIENTAL NO PEDAL www.bandaco2zero.com.br ProAC Diário Oficial de 05_02_2013 Valor total R$ 205.398,04 (renúncia fiscal) Valor por cota R$ 20.539,80. Projeto Levar a cultura do Rock Ambiental à comunidade

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS Camila Cardoso dos Reis (1) Acadêmica de Engenharia Ambiental na Universidade de Santa Cruz

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO LÚDICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO LÚDICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO LÚDICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS Oliveira, C.S.P. (1) ; Barbosa, R.F.M. (1) ; Maknamara, M. (1) sarinhac.s@hotmail.com (1) Aluna do Curso de Graduação em Ciências Biológicas,

Leia mais

Isadora Ribeiro Graduanda do curso Moda na Universidade Estadual de Maringá

Isadora Ribeiro Graduanda do curso Moda na Universidade Estadual de Maringá Isadora Ribeiro Graduanda do curso Moda na Universidade Estadual de Maringá Pricila Fernanda Cancelier Soranso Graduanda do curso de Design e Marketing de Moda na Universidade do Minho Ronaldo Salvador

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO DA GEOGRAFIA. META Compreender as contribuições da Educação Ambiental para o ensino da Geografi a

CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO DA GEOGRAFIA. META Compreender as contribuições da Educação Ambiental para o ensino da Geografi a CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO DA GEOGRAFIA Aula 10 META Compreender as contribuições da Educação Ambiental para o ensino da Geografi a OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Conhecer

Leia mais

Palavras-chave: Turismo Rural; Turismo Alternativo; Atividades Agropecuárias.

Palavras-chave: Turismo Rural; Turismo Alternativo; Atividades Agropecuárias. Turismo Rural: Teoria x Prática 1 Patrícia Fino 2 Faculdade Carlos Drummond de Andrade Resumo A busca do homem contemporâneo por locais naturais e autênticos em seu tempo livre é crescente. O interesse

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 TURISMO E MEIO AMBIENTE: PRINCIPIOS E CONDUTAS NORMATIVAS PARA O USUFRUTO DE RECURSOS/ATRATIVOS

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental 482 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental OS DESAFIOS DO LIXO NOS DIVERSOS AMBIENTES Viviane Susy de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MEIO AMBIENTE - AMA HISTÓRICO A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MEIO AMBIENTE - AMA, fundada em 20/07/1990 é uma organização

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MEIO AMBIENTE - AMA HISTÓRICO A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MEIO AMBIENTE - AMA, fundada em 20/07/1990 é uma organização ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MEIO AMBIENTE - AMA HISTÓRICO A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MEIO AMBIENTE - AMA, fundada em 20/07/1990 é uma organização Não-Governamental, a qual desenvolve suas atividades no campo da preservação

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

CARBON FREE Uma alternativa para a gestão ambiental em empresas do setor de telefonia móvel

CARBON FREE Uma alternativa para a gestão ambiental em empresas do setor de telefonia móvel Encontro Água e Floresta CARBON FREE Uma alternativa para a gestão ambiental em empresas do setor de telefonia móvel Cássio André de Oliveira Jaboticabal, 25 de Julho de 2.008 I II Marketing Verde direcionamento

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Um simples gesto para você, um grande gesto para o meio ambiente.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Um simples gesto para você, um grande gesto para o meio ambiente. EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Um simples gesto para você, um grande gesto para o meio ambiente. 1 1 TÍTULO DO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Um simples gesto para você, um grande gesto para o meio ambiente. 2 QUEM

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana:

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Ações individuais para melhorias em todo o planeta Nosso maior desafio neste século é pegar uma idéia que parece abstrata desenvolvimento sustentável e torná-la uma

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE Correia, K.V. (1) ; Silva, R.C.R. (1) ; Nascimento, V.R. (1) ; Nascimento, S.M. (1) ; Torres, M.C.G. (1) ; Silva, R.N. (1) keniaandaluz@gmail.com

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

DESTINO IGUASSU PLANO DE PATROCÍNIO 2014

DESTINO IGUASSU PLANO DE PATROCÍNIO 2014 DESTINO IGUASSU Com atrativos turísticos conhecidos internacionalmente, uma diversidade de mais de 70 etnias e roteiros de ecoturismo e aventura, o Destino Iguaçu promove o encontro geográfico e cultural

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com.

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com. PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Dados da empresa Razão Social Franquipar Franqueadora e Licenciadora de Marcas Ltda. Nome fantasia Parmê

Leia mais

AS RELAÇÕES PÚBLICAS COMO INSTRUMENTO PARA O PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO E GESTÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA

AS RELAÇÕES PÚBLICAS COMO INSTRUMENTO PARA O PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO E GESTÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA AS RELAÇÕES PÚBLICAS COMO INSTRUMENTO PARA O PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO E GESTÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA SANTOS, Rodrigo Amado dos. Docente do Curso de Bacharelado em Turismo da Faculdade de Ciências Humanas

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - CONSEMAC

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - CONSEMAC CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - CONSEMAC Indicação CONSEMAC nº 08, de 21 de junho de 2007. Dispõe sobre o Projeto de Lei n 166/2005 de Política Municipal de Educação Ambiental

Leia mais

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM 1 COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM Heliana Comin Vargas Publicado no Portal do Estado de São Paulo. www.estadao.com.br/ext/eleicoes/artigos31/08/2000 Desde o início das civilizações, comércio

Leia mais

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA Kelma Maria Nobre Vitorino (Orientadora) Química industrial pela UFC, 1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

PRÁTICAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADAS COMO MODELO DE GESTÃO: O CASO CVI

PRÁTICAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADAS COMO MODELO DE GESTÃO: O CASO CVI PRÁTICAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADAS COMO MODELO DE GESTÃO: O CASO CVI Disciplina de Estágio Supervisionado II - Curso de Administração UNIFRA Preparado pela acadêmica: Marceli da Costa Cardoso

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO PLANEJAMENTO TERRITORIAL E TURISMO: UM ESTUDO DAS ESTÂNCIAS TURÍSTICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO RIBEIRO, RENATA MARIA 1 MARGARETE ARAUJO TELES 2 Resumo: Esse estudo defende a pertinência em aliar o planejamento

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA EEEF ANTENOR NAVARRO

A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA EEEF ANTENOR NAVARRO A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA EEEF ANTENOR NAVARRO Natália Oliveira de Lima; Adjeane Farias da Silva; Thainá Marques

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 1. APRESENTAÇÃO Com o objetivo de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira

Leia mais

ENCONTROS E ACORDOS INTERNACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E GESTÃO AMBIENTAL

ENCONTROS E ACORDOS INTERNACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E GESTÃO AMBIENTAL DELOS Desarrollo Local Sostenible. Grupo Eumed.net y Red Académica Iberoamericana Local Global Vol 3, Nº 9 www.eumed.net/rev/delos/09/ ENCONTROS E ACORDOS INTERNACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012:

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012: Comércio + Sustentável APRESENTAÇÃO A Rio+20, como é chamada a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, vai ser realizada no Rio de Janeiro em junho de 2012. Exatos vinte anos

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Quais os benefícios de trabalhar com o artesanato sustentável? artesanato

Quais os benefícios de trabalhar com o artesanato sustentável? artesanato artesanato Resposta Técnica artesanato SUSTENTÁVEL Quais os benefícios de trabalhar com o artesanato sustentável? Os megaeventos são momentos únicos e, quando bem aproveitados, podem render ao seu negócio

Leia mais

TRATADO SOBRE CONSUMO E ESTILO DE VIDA PREÂMBULO

TRATADO SOBRE CONSUMO E ESTILO DE VIDA PREÂMBULO TRATADO SOBRE CONSUMO E ESTILO DE VIDA Este tratado pretende promover a reflexão e o debate entre os Movimentos Sociais e as ONGs, conduzindo a compromissos de ação entre os diversos contextos regionais

Leia mais

Roteiro para elaboração de projetos 1

Roteiro para elaboração de projetos 1 1 Roteiro para elaboração de projetos 1 O objetivo aqui é que vocês exercitem a criatividade, a atitude empreendedora, a inteligência emocional (liderar e ser liderado) e a responsabilidade (individual

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

UFRN, coordenadora do subprojeto PIBID-BIOLOGIA Orientadora³

UFRN, coordenadora do subprojeto PIBID-BIOLOGIA Orientadora³ PROPOSTA DE SUSTENTABILIDADE PARA RECRIAR O ESPAÇO ESCOLAR:REUTILIZANDO COM BISCUIT Angélica Sotero 1 ; Narjara Vitoriano²;Ivaneide Alves Soares da costa 3 Graduandas do Curso de Ciências Biológicas, Bolsistas

Leia mais

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Paulo César Lopes Barsi Comissão de Elaboração do Plano de Logística Sustentável (PLS) Carlos Henrique Feitosa Soares Fábio

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados, o Primeiro e o Segundo Setor da Sociedade. Tem como objetivo

Leia mais

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental.

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental. PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados e Setores da Sociedade. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva

Leia mais

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Malwee Malhas LTDA. Jaraguá do Sul (SC) Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Categoria Tecnologias Socioambientais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - Malwee Malhas

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais