Utilização das fontes de Comércio Exterior de Serviços nas Contas Nacionais. Julia Gontijo Vale Coordenação de Contas Nacionais - Dez 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização das fontes de Comércio Exterior de Serviços nas Contas Nacionais. Julia Gontijo Vale Coordenação de Contas Nacionais - Dez 2009"

Transcrição

1 Utilização das fontes de Comércio Exterior de Serviços nas Contas Nacionais Julia Gontijo Vale Coordenação de Contas Nacionais - Dez 2009

2 O Sistema de Contas Nacionais e a Conta do Resto do Mundo O Sistema de Contas Nacionais apresenta os fluxos de bens e serviços registrados na tabela das Contas Econômicas Integradas (CEI) que são obtidos a partir das Tabelas de Recursos e Usos (TRU). A tabela das Contas Econômicas Integradas mostra a participação dos setores institucionais na geração, apropriação, distribuição e uso da renda nacional e da acumulação de ativos não-financeiros, como também evidenciam as relações entre a economia nacional e o resto do mundo. Será abordado de forma ampla os diversos usos das contas do setor externo em transações correntes (bens, serviços, rendas, transferências) no Sistema de Contas Nacionais, com ênfase nos dados de serviços internacionais.

3 Fonte de dados de serviços internacionais Balanço de Pagamentos - Banco Central do Brasil Metodologia: Manual do Balanço de Pagamentos, 5ª edição, 1993 (FMI) Tempestividade: mensal. Valores em US$. A conversão para Reais é feita usando-se a taxa média mensal de compra e venda de dólares Serve para alimentar os dados de comércio internacional de serviços tanto das Contas Nacionais Trimestrais quanto das Contas Nacionais Anuais Balanço de Pagamentos é enviado trimestralmente para a Coordenação de Contas Nacionais com abertura mais desagregada dos itens do para atender a classificação de Contas Nacionais As Contas Anuais consideram as revisões e ajustes de dados do Balanço de Pagamentos, porém, para as contas de transações correntes, os valores correntes são bem próximos ao medido pelas Contas Trimestrais

4 Uso do BP nas Contas Nacionais Metodologia: Sistema de Contas Nacionais - SNA, 1993 (ONU) O Sistema de Contas Nacionais brasileiro possui uma lista com cerca de 300 produtos no nível mais desagregado, sendo que destes, 60 são serviços. Os produtos e atividades seguem a Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE. Os itens do Balanço de Pagamentos são classificados de acordo com os produtos e serviços usados em Contas Contas Nacionais: 3 grandes classes de atividades - Agropecuária, Indústria e Serviços. O resultado em Reais de importação e exportação de bens e serviços difere do registrado na Balança Comercial e Conta de Serviços do BP, por motivos conceituais, ajustes. Tanto SNA quanto o Manual do BP apresentam a conciliação entre a Conta do Resto do Mundo com as contas internacionais do BP

5 Uso do BP nas Contas Nacionais Viagens internacionais: O item viagens é que apresenta maior dificuldade de classificação para as Contas Nacionais, pois não se trata de um produto ou serviço específico, mas uma cesta de bens e serviços consumidos por nãoresidentes. A dificuldade está na distribuição ponderada dos valores. Desde 2005, os valores são distribuídos de acordo com a participação da receita líquida das atividades pesquisadas pela PAS, consideradas atividades típicas de turismo. A tabela de Recursos e Usos apresentada no SNA inclui uma linha de ajuste de compras diretas no exterior por residentes e compras de nãoresidentes no mercado interno - referente ao item viagens do BP.

6 Supply and Use Table

7 Uso do BP nas Contas Nacionais Demais itens O dados da Conta de Serviços do Balanço de Pagamentos possuem desagregação menor que os serviços analisados em Contas Nacionais. Para os itens que não têm uma relação direta, é necessária uma análise dos componentes mais relevantes desses itens para que possam ser associados a um ou alguns serviços das Contas Nacionais. Itens como outros fornecimentos, serviços governamentais, transferências não especificadas, etc. têm tratamento específico e a identificação dos componentes é feita através dos metadados dos itens do BP.

8 Outras fontes de comércio exterior Importação sem cobertura cambial ITAIPU Em Contas Nacionais, além dos itens da Balança Comercial e do Balanço de Pagamentos, é registrada a importação de energia elétrica da Hidroelétrica Binacional Itaipu e a receita de juros (conta de Rendas) correspondente à dívida do Paraguai pela construção de Itaipu (partidas contábeis sem cobertura cambial). Pesquisa Anual de Serviços - PAS A PAS registra exportações de serviços identificados pela CNAE (atividade principal) da empresa Para serviços das Contas Nacionais no nível mais agregado usamos os valores de exportação de serviços da PAS como fonte de comparação com os dados do BP

9 Fonte PAS (Pesquisa Anual de Serviços) - IBGE Variáveis: origem da Receita Líquida, em percentuais, dos principais serviços exportados pelas empresas pesquisadas pela PAS (participação no total) Questionário: Variável 38 O informante identifica o serviço exportado pela CNAE 1.0

10 Suplemento da PAS Serviços Audiovisuais, Engenharia, Arquitetura e Assessoramento Técnico Especializado, Tecnologia da Informação, Telecomunicações, Transporte Aéreo, Transporte Aquaviário, Transporte Ferroviário e Metroviário, Transporte Rodoviário

11 Equilíbrio a preços básicos e preço de consumidor (nacional x importado) As importações de bens e serviços são registradas a preços básicos (oferta) e pelo lado da demanda os bens e serviços são adquiridos a preços de consumidor (acrescidos das margens e impostos) No caso dos serviços importados, há incidência de impostos federais, estaduais e municipais, dependendo da natureza do serviço Os bens e serviços importados são destinados de acordo com a categoria de uso (BEC) para bens. Para serviços, usou-se a classificação da TRU (CI ou CF) Para o cálculo do PIB anual 2007, foi feita uma tentativa de se calcular, a partir dos preços básicos de bens e serviços, o preço de consumidor, incluindo margens e impostos, de acordo com cada caso. Os equilíbrios entre oferta e demanda no sistema podem ser feitos pela origem da oferta: nacional ou importado e a soma é o total da oferta. Problema: classificação de serviços por categorias de uso

12

13 Equilíbrio em valor - ano corrente A apresentação de um SCN é feita a preços correntes e constantes do ano anterior baseado nos trabalhos do ano de referência. Dados correntes das pesquisas anuais e registros administrativos. Os valores a preços do ano anterior são obtidos por extrapolação através de índices de volume, ou por deflação se estiverem disponíveis apenas índices de preço. Índices de preço o de bens serviços internacionais Bens: Metodologia. Cálculo dos índices de preço pela fórmula de Paasche O índice de volume é calculado implicitamente Serviços

14 Índices de preço de serviços internacionais Metodologia atual: o valor do ano/trimestre a preços do ano anterior é obtido dividindo-se o valor do ano/trimestre pela variação da taxa de câmbio anual/trimestral. Fragilidade da metodologia atual: sujeita a ajustes. A validação é feita nas planilhas de equilíbrio de oferta e demanda, pode sofrer ajustes nos índices devido a variação cambial mensal, indicando um índice maior ou menor para determinado serviço. Valores correntes não sofrem alterações - fonte externa (BP); valores constantes possuem maior flexibilidade de ajuste - analisa-se caso a caso (comportamento mensal x variação cambial). Principal problema: falta de um bom deflator para serviços externos Existem várias recomendações que serão testadas na próxima base

15

16 A Conta do Resto do Mundo A Conta do Resto do Mundo, componente das Contas Econômicas Integradas (CEI), registra as transações de todas as unidades institucionais da economia relacionadas com os fluxos de produção, renda, acumulação e patrimônio. Uso do Balanço de Pagamentos para registro dos serviços, rendas, transferências correntes e de capital, conta financeira e conta de variações no patrimônio. A Conta do Resto do Mundo é uma conta espelho das transações entre agentes nacionais (residentes) e agentes externos (não-residentes). Demonstra a relação entre os setores institucionais e o setor externo: saldos iguais, com sinais contrários.

17 A Conta do Resto do Mundo - Contas Econômicas Integradas Saldo externo de bens e serviços - fluxo de bens e serviços externos Saldo Externo Corrente - saldo líquido de bens e serviços; rendas líquidas de propriedade (salários, juros e dividendos) e transferências correntes líquidas Capacidade/ Necessidade de Financiamento - saldo resultante da diferença entre a poupança externa corrente e as transferências líquidas de capital Conta Financeira: o resultado das contas correntes da CEI é transportado para a Conta Financeira onde será alocado nas diversas transações financeiras. Se positivo, o montante será destinado a empréstimos, financiamentos, investimentos a economias deficitárias; se negativo, a Conta Financeira demonstrará de onde provêm os recursos para cobrir o déficit em conta corrente.

18 Usos Contas 1. P rodução/ conta externa de bens e serviços Geração da renda Alocação da renda primária 2.2. Distribuição secundária da renda 2.3. Redistribuição Total Conta do resto do mundo Total da economia Códigos Contas econômicas integradas Operações e saldos Conta do resto do mundo Total da economia Contas correntes ( R$) P.7 Importação de bens e serviços P.6 Exportação de bens e serviços P.1 Produção P.2 Consumo intermediário D.21-D.31 Impostos, líquidos de subsídios, sobre produtos B.1 Valor adicionado bruto/ P roduto interno bruto (1) (-) (-) B.11 Saldo externo de bens e serviços (-) (-) D.1 Remuneração dos empregados D.11 Ordenados e salários B.2 Excedente operacional bruto B.3 Rendimento misto bruto (rendimento de autônomos) D.4 Rendas de propriedade D.41 Juros D.42 Dividendos e retiradas B.5 Saldo das rendas primárias brutas/ Renda nacional D.5 Impostos correntes sobre a renda, patrimônio, etc D.7 Outras transferências correntes D.74 Cooperação Internacional D.75 Transferências correntes diversas B.6 Renda disponível bruta D.63 Transferências sociais em espécie B.7 Renda disponível bruta ajustada Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais. Contas 1. P rodução/ conta externa de bens e serviços Geração da renda Alocação da renda primária 2.2. Distribuição secundária da renda 2.3. Redistribuição B.6 Renda disponível bruta Uso P.4 Consumo final efetivo Uso da renda da renda B.8 P oupança bruta (-) (-) B.12 Saldo externo corrente Variações de ativos Contas de acumulação ( R$) B.8 P oupança bruta B.12 Saldo externo corrente (-) (-) P.51 Formação bruta de capital fixo P.52 Variação de estoques Capital K.2 Aquisições líquidas de cessões de ativos não-financeiros não Capital D.9 Transferências de capital a receber D.9 Transferências de capital a pagar (-) (-) (-) B.9 Capacidade (+) / Necessidade(-) lí quida de B.10.1 Variações do patrimônio lí quido resultantes de (-)

19 Tabela de Recursos e Usos - TRU A Tabela de Recursos e Usos identifica as fontes (recursos - nacional e importado) e os destinos (usos) dos bens e serviços e os componentes do valor adicionado das atividades econômicas. As importações são registradas pelo valor CIF, o que gera dupla contagem dos serviços de transporte e seguros. O ajuste é feito na TRU Ajuste CIF/FOB - ajuste feito no valor de importação de bens A importação de bens é registrada pelo valor CIF, ou seja, além do valor da mercadoria, inclui no valor final frete e seguros pagos. Quando incluímos a importação de serviços, o montante pago pelo importador pelo transporte e seguro das mercadorias já está registrado no Balanço de Pagamentos, sendo necessário ajustar o valor CIF para FOB, ou seja, deduzir do valor total de importações de bens a parte referente a frete e seguros.

20 Tabela de recursos e usos valores correntes I - Tabela de recursos de bens e serviços Produção das Oferta de bens e serviços atividades Valores correntes em R$ Importação Descrição do produto Oferta total a preço de consumidor Oferta total a preço básico Total do produto Total da econo mia Ajuste CIF/FOB Impo r- tação de bens Impo r- tação de serviços A gropecuária Indústria extrativa Indústria de transformação Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana Construção civil Comércio Transporte, armazenagem e correio (-) Serviço s de informação Intermediação financeira, seguro s e previdência complementar e serviços relacio nados (-) A tividades imobiliárias e aluguéis Outros serviços A dministração, saúde e educação públicas e seguridade so cial A juste CIF/FOB (-) Total Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais.

21 Matriz Insumo-Produto MIP: matriz de coeficientes técnicos diretos que apresenta o quanto determinada atividade econômica necessita consumir das demais atividades (produtos e serviços) para realizar a produção 2007: matriz de bens e serviços importados por atividade (Cnae 1.0), cujo destino principal é o consumo intermediário Produtos (NCM) classificados pela categoria de uso (BEC) como consumo intermediário e serviços classificados como consumo intermediário pela TRU Para identificação das atividades demandantes de serviços importados (CI) seguiu-se a estrutura da TRU

22 Nova Base ª versão do Manual do BP (abertura maior dos itens) Incorporação de novas fontes para análise: Siscoserv Além dos itens Balanços de Pagamentos, o desenvolvimento do Siscoserv do MDIC será uma importante fonte de estatística de serviços internacionais por apresentar um nível bem mais desagregado de informações, o que é fundamental para a leitura dos dados para o Sistema de Contas Nacionais que possui cerca de 60 tipos de serviços no seu nível mais desagregado. PAS O Suplemento da PAS cobre exportações de serviços de grupos agregados como transportes, serviços de informação, serviços imobiliários, etc e principais países de destino das exportações. Haverá uma revisão das variáveis investigadas para atender à demanda dos principais usuários da pesquisa, entre eles as Contas Nacionais

23 Nova Base 2010 Índices de volume e preço de comércio exterior de serviços e outras recomendações System of National Accounts Balance of Payments and International Investment Position Manual, Sixth Edition (BPM6) Manual for the Export and Import Price Indices Eurostat Manual of Supply, Use and Input-Output Tables Methodological Guide For Developing Producer Price Indices For Services

24 Indicadores Índices de volume e preço por categoria de uso dos bens e serviços importados e exportados 2007 Índices de volume e preço por categoria de uso dos bens e serviços importados Bens intermediários 0,96 1,16 Bens de consumo semiduráveis Bens de consumo nãoduráveis 1,05 1,63 1,04 1,12 Bens de consumo duráveis 0,92 1,60 Bens de capital 0,94 1,43 Importação total 0,97 1,20 0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 variação de preço variação de volume

25 Grau de abertura da economia (X+M/PIB) Grau de abertura da economia % 30% 25% 26% 27% 27% 29% 27% 26% 25% 22% 20% 15% 10% 5% 0% Grau de abertura da economia

26 SEC ± TLC = Capacidade/Necessidade financiamento RM

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010 II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Base 2010 Coordenação de Contas Nacionais (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 MUDANÇA DE BASE Por que uma mudança na série? Atualização de pesos não faz

Leia mais

Tabela 2 - Economia Nacional - Contas de produção, renda e capital - 2003-2007

Tabela 2 - Economia Nacional - Contas de produção, renda e capital - 2003-2007 (continua) Produção 2 992 739 1 522 125 Consumo intermediário Impostos sobre produtos 229 673 Subsídios aos produtos (-) 339 2003 1 699 948 Produto Interno Bruto Produto interno bruto 1 699 948 671 872

Leia mais

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução A partir de 2015, o Banco Central do Brasil divulga as estatísticas de setor

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil volume 24 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais Séries Relatórios Metodológicos número

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Nova série 2000 Brasil

Sistema de Contas Nacionais Nova série 2000 Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Nova série 2000 Brasil Seminario Latino Americano de Cuentas Nacionales Ciudad de Guatemala - Guatemala, 23 al 25 de octubre de 2006 Pontos para reflexão

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 02

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 02 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 02 Estrutura do Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2009 25/08/2011

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2009 25/08/2011 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2009 25/08/2011 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS REFERÊNCIA 2010

SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS REFERÊNCIA 2010 Diretoria de Pesquisas SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS REFERÊNCIA 2010 09 de março de 2015 Coordenação de Contas Nacionais IBGE MUDANÇA DE BASE Por que uma mudança na série? 2010 Classificação Base de dados

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS O que é? O que mede e como?

SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS O que é? O que mede e como? Diretoria de Pesquisas SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS O que é? O que mede e como? Roberto Luís Olinto Ramos roberto.olinto@ibge.gov.br Coordenador Coordenação de Contas Nacionais OFERTA = DEMANDA PIB = C+G+I+X-M

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 2

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 2 DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 2 Estrutura do Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 05

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 05 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 05 Glossário e Referências (versão para informação e comentários)

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 11 Administração Pública (versão para informação e comentários)

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Diretoria de Pesquisa. Serviços 25/08/2010

Diretoria de Pesquisa. Serviços 25/08/2010 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2008 25/08/2010 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6)

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6) Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6) Novembro de 2014 1. Introdução A partir de abril de 2015, o Banco Central

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 6 Conta da Produção das Atividades (versão para informação e

Leia mais

Perguntas frequentes (FAQs) sobre a conversão de BPM5 para BPM6

Perguntas frequentes (FAQs) sobre a conversão de BPM5 para BPM6 Perguntas frequentes (FAQs) sobre a conversão de BPM5 para BPM6 A partir de abril de 2015, o Banco Central do Brasil (BCB) passará a publicar as estatísticas de Balanço de Pagamentos (BP) e Posição Internacional

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

Alavancagem do Comércio Exterior de Serviços

Alavancagem do Comércio Exterior de Serviços Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços Alavancagem do Comércio Exterior de Serviços Brasília, 08 de abril de 2015 O Setor de Serviços no Brasil O

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 04

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 04 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 04 Setores Institucionais (versão para informação e comentários)

Leia mais

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Victor Gomes Universidade Católica de Brasília victor@pos.ucb.br 6 de março de 2003 1 Introdução Como em outras ciências, os economistas

Leia mais

Conta Corrente do Governo

Conta Corrente do Governo Faculdade de Economia UFF Lista 07 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes Diretor

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real.

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real. Faculdade de Economia UFF Monitoria 3 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Professor: Claudio M. Considera Monitor: Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

Setor externo estatísticas do comércio exterior

Setor externo estatísticas do comércio exterior Setor externo estatísticas do comércio exterior O comércio é mutuamente benéfico. Duas pessoas não trocam bens e serviços a não ser que ambas esperem obter um benefício. No nosso dia a dia dependemos de

Leia mais

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV)

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV) Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV) Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior O Brasil

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO NÚMERO 28 JUNHO DE 21 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB no primeiro trimestre desse ano, além de revelar uma taxa

Leia mais

Glossário Termos técnicos utilizados

Glossário Termos técnicos utilizados BALANÇA COMERCIAL BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BENS DE CAPITAL BENS DE CONSUMO (DURÁVEIS/NÃO DURÁVEIS) BENS INTERMEDIÁRIOS CAPACIDADE INSTALADA Apresentação do valor das exportações e importações de

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS NOTAS METODOLÓGICAS A Pesquisa Mensal de Serviços - PMS tem por objetivo produzir indicadores que permitam o acompanhamento da evolução conjuntural do setor de serviços empresariais

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 12

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 12 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 12 Governo e Administração Pública (versão para informação e comentários)

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

A saúde nas Contas Nacionais do Brasil

A saúde nas Contas Nacionais do Brasil Diretoria de Pesquisa Coordenação de Contas Nacionais A saúde nas Contas Nacionais do Brasil Ricardo Montes de Moraes Data 29/06/07 Conta satélite - em elaboração - Pesquisa de bases de dados do governo

Leia mais

Metodologia de compilação das contas nacionais

Metodologia de compilação das contas nacionais Metodologia de compilação das contas nacionais A referência metodológica das Contas Nacionais de Cabo Verde é o Sistema de Contas Nacionais (SCN) das Nações Unidas de 1968. O Produto Interno Bruto (PIB)

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

série relatórios metodológicos volume c n t ontas acionais rimestrais IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

série relatórios metodológicos volume c n t ontas acionais rimestrais IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística série relatórios metodológicos volume 28 c n t ontas acionais rimestrais IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS Antony P. Mueller*) antonymueller@gmail.com THE CONTINENTAL ECONOMICS INSTITUTE STUDY PAPERS SERIES 2011/1 www.continentaleconomics.com I. Balanço dos Pagamentos - Estrutura

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE GOIÁS

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE GOIÁS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE GOIÁS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO - MPOG INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO - SEPLAN/GO

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO Profa.: Enimar J. Wendhausen TEORIA MACROECONÔMICA A partir da teoria macroeconômica foram empregados esforços para a construção de um sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2008

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2008 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2008 DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA - DIPJ 2008 CNPJ: 06.123.978/0001-27 Ano-Calendário:

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2010

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2010 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2010 26/09/2012 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2010 2009 CIRCULANTE Caixa e bancos 422.947 20.723 Contas a receber 4 698.224 903.098 Outras contas a receber 5 3.304.465 121.908 Estoques 14.070

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE ATIVIDADES LIGADAS AO TURISMO NA ECONOMIA

PARTICIPAÇÃO DE ATIVIDADES LIGADAS AO TURISMO NA ECONOMIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ESCRITÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO TÉCNICO DE PESQUISA E ASSESSORIA ITEPA PARTICIPAÇÃO DE ATIVIDADES LIGADAS AO TURISMO NA ECONOMIA DE SÃO LOURENÇO DO SUL

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida

Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida Rubens Penha Cysne 27 de Maio de 2008 Recentemente, anunciou-se que o Brasil passou de devedor a credor internacional. Isto significa que sua Dívida

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO 1-2 ALCANCE E APRESENTAÇÃO 3 8 DEFINIÇÕES 9 CARACTERÍSTICAS DAS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

3.3 - Setor externo e CS

3.3 - Setor externo e CS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-02215 - Contabilidade Social Agregados econômicos e identidades contábeis Setor externo

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais. O tratamento das atividades de Serviços no SCN do Brasil

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais. O tratamento das atividades de Serviços no SCN do Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais O tratamento das atividades de Serviços no SCN do Brasil Rio, 28 de novembro de 2008 Estrutura SCN do Brasil Recomendações do SCN-93, baseado nas

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

Preços de Transferência. Alterações MP 563/12

Preços de Transferência. Alterações MP 563/12 Preços de Transferência Alterações MP 563/12 1 - Multinacionais em litígio com a SRF há mais de uma década; - Empresas de diversos setores se organizaram em duas frentes para tentar negociar mudanças nas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Perda de Participação da Indústria de Transformação no PIB

Perda de Participação da Indústria de Transformação no PIB Perda de Participação da Indústria de Transformação no PIB Maio/2015 Sumário executivo Em março de 2015, o IBGE realizou alterações no cálculo do PIB para melhor adequá-lo aos padrões internacionais. Com

Leia mais

As mais importantes alterações introduzidas na nova apresentação do balanço de pagamentos são:

As mais importantes alterações introduzidas na nova apresentação do balanço de pagamentos são: Notas explicativas ao Balanço de Pagamentos compilado de acordo com as normas estabelecidas na quinta edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI 1 A partir de janeiro de 2001, o Banco Central do

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira

Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Unidade de Gestão Estratégica UGE Participação das Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Indicadores Fiscais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Indicadores Fiscais Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Indicadores Fiscais com informações até março de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Indicadores

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais