ALIMENTAÇÃO: UM DIREITO DE TODOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALIMENTAÇÃO: UM DIREITO DE TODOS"

Transcrição

1

2 ALIMENTAÇÃO: UM DIREITO DE TODOS Sem uma refeição diária saudável, a criança pode desenvolver doenças graves e comprometer o seu desenvolvimento físico e mental. Para ajudar a combater e prevenir a desnutrição e os maus hábitos alimentares, existe o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). (Fonte:Cartilha Vamos Cuidar da Merenda Escolar - Editora Globo)

3 O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (PNAE) O PNAE é o mais antigo programa social do Governo Federal na área da Educação, mas quem o coloca em prática são as Entidades Executoras que, no nosso caso, é o Município. O Governo Federal transfere o dinheiro do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) ao Município, para que ele compre gêneros alimentícios. Outra parte do dinheiro é enviada pelo Governo Estadual. O restante da verba a ser gasta com gêneros alimentícios e toda a verba com prestação de serviços é complementada pelo Município.

4 OBJETIVOS DO PNAE Resolução/CD/FNDE-Nº38 de 16 de julho de 2009 Entre os objetivos do PNAE estão: Garantir, no mínimo, 20% das necessidades nutricionais diárias dos alunos; Ajudar a melhorar a capacidade das crianças aprenderem o que é ensinado; Criar bons hábitos alimentares.

5 A MISSÃO DO SETOR DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DE SOROCABA Planejar, coordenar e acompanhar a execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) no município de Sorocaba, destinado aos alunos da rede pública e algumas entidades filantrópicas, matriculados nas creches, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio e educação de jovens e adultos, durante o período de sua permanência na escola, fornecendo uma alimentação saudável, equilibrada, adequada e promovendo ações para a aquisição de bons hábitos alimentares.

6 PESSOAS ENVOLVIDAS NO PROGRAMA (PREFEITURA) Setor de Alimentação Escolar (SAAAME) Equipe Técnica: Edna Etsuco Tanaka (Nutricionista) Iris Assunta Pellini (Nutricionista) Roseli Gomes Pauletti (Nutricionista) Roseli Durigan (Técnica em Alimentos) Equipe de Supervisão: (10 supervisoras)

7 PESSOAS ENVOLVIDAS NO PROGRAMA (EMPRESAS) Desde 1.997, a Prefeitura contrata empresas especializadas na prestação de serviços de preparo de merenda (terceirização); A Equipe das empresas é composta por: um coordenador, nutricionistas, pessoal administrativo, de almoxarifado e transporte.

8 OS NÚMEROS DO PROGRAMA Alunos atendidos/dia: Unidades atendidas: 239 (escolas públicas municipais, estaduais e filantrópicas): creches, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, educação de jovens e adultos e outros Refeições servidas/dia: Merendeiras: 733

9

10 SUPERVISÃO DA PREFEITURA Observa: Uso de uniforme, Higienização correta dos utensílios, equipamentos e ambiente, Pré-preparo e distribuição da merenda, Padrão de utensílios e equipamentos e sua funcionalidade, Qualidade, validade, armazenamento e consumo de gêneros alimentícios (per capita).

11 SUPERVISÃO DA PREFEITURA (continuidade) Desperdício, Aceitação do cardápio pelas crianças, Degustação e avaliação da preparação do dia, Quantidade de merendeiras, eficiência no trabalho e tudo o que está relacionado à excelência da alimentação escolar.

12 SUPERVISÃO DA PREFEITURA (continuidade) Os dados são observados em check list, notificações e relatórios e passados aos responsáveis, para que sejam tomadas as providências necessárias. As supervisoras fazem também a intermediação entre Empresa, Direção e Prefeitura, sempre que necessário.

13 ESTAGIÁRIOS DE NUTRIÇÃO Termo de cooperação técnica entre Prefeitura de Sorocaba e UNIP, Algumas escolas recebem, por um período de 2 semanas, grupos de 4 estagiários do curso de Nutrição que, em 4 horas diárias, desenvolvem atividades, conforme termo de compromisso de estágio.

14 RESPONSABILIDADES DA EMPRESA - Seleção, contratação, reposição imediata e treinamento (capacitação) de merendeiras, observando as leis trabalhistas, previdenciárias, assistenciais e sindicais, sendo que toda a movimentação (troca, empréstimo, retirada, férias, licença médica, etc) de merendeiras da unidade deve passar pelo conhecimento da Direção; - Envio de uniformes completos e EPI s (equipamentos de proteção individual) às merendeiras; - Fornecimento de todos os gêneros alimentícios necessários para o cumprimento do cardápio. Os gêneros não perecíveis (arroz, latarias, etc) são entregues quinzenalmente, os perecíveis (carnes e hortifrutigranjeiros), semanalmente, e os pães, de acordo com o dia de utilização (ex: diariamente nas creches).

15 RESPONSABILIDADES DA EMPRESA (CONTINUIDADE) - Reposição ou desconto de gêneros alimentícios extraviados ou danificados, sem que haja prejuízo ao poder público; - Fornecimento de material de limpeza e sanitização para a higiene ambiental, pessoal, dos utensílios e equipamentos da cozinha e despensa; - Fornecimento de material descartável necessário à prestação dos serviços de alimentação escolar.

16 RESPONSABILIDADES DA EMPRESA (CONTINUIDADE) - Fornecimento de gás de cozinha e instalação externa (ex: registro de gás), da cozinha onde é confeccionada a alimentação escolar; - Envio, reposição e manutenção preventiva e corretiva dos utensílios e equipamentos da cozinha e despensa. O equipamento ou utensílio que for enviado à unidade deverá ser novo; - Identificação de todos os equipamentos e utensílios das cozinhas das escolas (inventário), incorporando-os ao patrimônio da unidade.

17 RESPONSABILIDADES DA EMPRESA (CONTINUIDADE) - Dedetização e desratização das cozinhas, despensas e suas dependências 2 vezes ao ano e sempre que for necessário. O comprovante deverá ficar em local visível, na cozinha. A Empresa não é responsável por esse serviço nas outras dependências da unidade; - Limpeza de caixa d água e filtro da cozinha 2 vezes ao ano e sempre que for necessário. O comprovante deverá ficar em local visível, na cozinha.

18 RESPONSABILIDADES DA EMPRESA (CONTINUIDADE) - Colocação e manutenção de rodinho de proteção contra insetos e roedores e molas em todas as portas externas da cozinha e despensa; - Análise microbiológica preventiva de refeições; - Confecção de Manual de Boas Práticas de acordo com a Portaria CVS 06/99; - Confecção de receituários dos cardápios oferecidos na merenda escolar.

19 RESPONSABILIDADES DA EMPRESA (CONTINUIDADE) - Supervisão constante nas unidades escolares, através de nutricionistas, para atender às necessidades do local. O nutricionista deverá se apresentar à direção, ou funcionário responsável, ao entrar e sair da unidade. Não poderá recolher nenhum alimento, utensílio, equipamento e outros, sem autorização da Prefeitura e, principalmente, sem documento devidamente assinado pela merendeira e direção (ou funcionário designado por ela); - Acompanhamento, pela nutricionista supervisora, das crianças, no que se refere ao atendimento e aceitação da alimentação oferecida.

20

21 RESPONSABILIDADES DAS MERENDEIRAS - Executar os serviços inerentes ao preparo e distribuição das refeições, cumprindo as normas do Manual de Boas Práticas (disponível na cozinha), para atender ao Programa de Alimentação Escolar; - Preparar as refeições, no máximo com 2 horas de antecedência à sua distribuição, e servi-las nas quantidades e temperaturas exigidas, podendo haver repetições (usar o bom senso); - Os funcionários podem comer o mesmo alimento das crianças, ficando proibida a preparação de outras refeições. Em caso de alguma exceção, por motivos alheios, fazer observação no livro de anotações diárias.

22 RESPONSABILIDADES DAS MERENDEIRAS (CONTINUIDADE) - Receber e armazenar os gêneros alimentícios, conferindo a quantidade, qualidade, prazos de validade e especificações e assinando documento próprio, que também deverá ser assinado (após conferência) pela direção ou funcionário designado por ela. Caso ocorra alguma irregularidade, não receber e não assinar o documento, entrando em contato imediato com a nutricionista, supervisora da empresa; - Qualquer alteração ou cancelamento na entrega de gêneros alimentícios deverá ser informada à nutricionista supervisora da empresa em tempo hábil para as providências necessárias; - Caso haja algum gênero sem condições de uso (ex:latas amassadas, pacotes rasgados), identificá-los e separá-los dos outros (em caixa de descarte), comunicando a empresa que deverá providenciar o recolhimento e substituição, com documentação própria. Nenhum gênero poderá ser descartado na unidade.

23 RESPONSABILIDADES DAS MERENDEIRAS (CONTINUIDADE) - Controlar o consumo de alimentos e demais materiais utilizados no preparo da merenda escolar, prestando contas, diariamente, dos cardápios, número de refeições servidas e consumo, fazendo as anotações necessárias em formulário próprio (mapa de controle de estoque); - Zelar pela higiene dos locais de armazenamento e preparo das refeições. Não é de competência da merendeira a limpeza do refeitório; - Não deixar entrar na cozinha pessoas sem touca de proteção para os cabelos, principalmente durante a preparação e distribuição dos alimentos.

24 RESPONSABILIDADES DAS MERENDEIRAS (CONTINUIDADE) - Não permitir a retirada de alimentos ou sobras das unidades por pessoas estranhas e funcionários. Caso haja sobras, estas deverão ser inutilizadas e nunca reaproveitadas; - Manter os cardápios fixados do lado externo da cozinha; - Acompanhar e auxiliar no momento da distribuição das refeições, principalmente quanto às crianças do berçário e durante o self-service das crianças maiores.

25

26 RESPONSABILIDADES DA ESCOLA - Avisar, com antecedência, a merendeira ou nutricionista supervisora, sempre que houver suspensão de aulas ou passeio; - Encaminhar ao Setor de Alimentação Escolar, avaliação mensal do serviço prestado, constando todas as informações que julgar necessário, até o 3º dia útil do mês seguinte ao avaliado; Colocação e manutenção de tela de proteção contra insetos em todas as portas e janelas externas da cozinha e despensa.

27 RESPONSABILIDADES DA ESCOLA (CONTINUIDADE) - Além da direção, a mesma poderá designar um ou mais funcionários da unidade escolar para recebimento, conferência, assinatura e carimbo de documentos de entrega e retirada de gêneros, equipamentos, utensílios e outros, juntamente com a merendeira. Todos os gêneros alimentícios entregues na unidade deverão ser conferidos de acordo com a quantidade, qualidade prazo de validade e especificações. Nenhum gênero, equipamento ou utensílio poderá entrar ou sair da unidade sem documentação.

28 RESPONSABILIDADES DA ESCOLA (CONTINUIDADE) - Assinar os documentos somente quando todas as mercadorias forem entregues. Se houver falta de algum item, a nota não deverá ser assinada, até a sua entrega (mesmo que o funcionário insista muito); - Qualquer funcionário que precisar entrar na cozinha deverá colocar rede de proteção nos cabelos; - Encaminhar cópia do boletim de ocorrência em caso de furto na cozinha ou despensa, até o dia seguinte do ocorrido, ao Setor de Alimentação Escolar e Empresa, para as providências necessárias.

29 RESPONSABILIDADES DA ESCOLA (CONTINUIDADE) - Enviar, ao Setor de Alimentação Escolar, ficha de notificação de criança com necessidade nutricional especial (diabetes, intolerância à lactose, alergia alimentar e outras), juntamente com a prescrição médica; - Solicitar, por escrito, ao Setor de Alimentação Escolar, café da manhã ou outra refeição que for necessária, caso a clientela seja carente; - Caso haja ausência de merendeira, entrar em contato com a supervisora da empresa para que seja feita a reposição imediata.

30 RESPONSABILIDADES DA ESCOLA (CONTINUIDADE) - Preencher, no ato da matrícula, anamnese alimentar das crianças do berçário; - Solicitar, por escrito, com antecedência de 10 dias úteis, merenda especial para eventos e/ou passeios com as crianças, sendo que não podem ser utilizados gêneros perecíveis para refeições fora da unidade; - Caso houver solicitação da cozinha fora do período de aula, para algum evento, encaminhar documento, ao Setor de Alimentação Escolar, informando data, motivo, horário, etc, com 10 dias de antecedência.

31 RESPONSABILIDADES DA ESCOLA (CONTINUIDADE) - O uso de alimentos que não os enviados pela empresa prestadora de serviços é de total responsabilidade da Direção da unidade, assim como alimentação, proporcionada aos alunos, que não tenha sido preparada pela merendeira; - Solicitar à SAAAME, mobiliário, manutenção da parte estrutural e elétrica da cozinha e despensa; - Agendar, com a Seção de Zoonoses da Secretaria da Saúde, serviço de dedetização e desratização nas dependências da escola, quando o mesmo estiver programado pela empresa, nas dependências da cozinha e despensa; - Solicitar, sempre que necessário, a presença da supervisão do Setor de Alimentação Escolar e/ou da empresa para os esclarecimentos em relação à prestação dos serviços de alimentação escolar.

32 CARDÁPIOS Os cardápios são elaborados por nutricionistas (Prefeitura em parceria com as Empresas), Seguimos as recomendações do PNAE.

33 CARDÁPIOS Prioridade: oferecer aos alunos uma alimentação gostosa, variada e equilibrada, com quantidade e qualidade de alimentos que contemple, parcialmente, suas necessidades diárias de calorias, proteínas,vitaminas e minerais, além do incentivo a bons hábitos alimentares.

34 CARDÁPIOS Cardápios adequados quanto à aceitação, desenvolvimento neuropsicomotor, safra, estações do ano, custo, equipamentos, mão de obra, facilidade de preparo, transporte, armazenamento e necessidades nutricionais especiais (ex: Diabetes, Intolerância à Lactose, Doença Celíaca, Alergia Alimentar, etc).

35 CARDÁPIOS São utilizados alimentos variados: cereais, frutas, verduras, legumes, carnes, leguminosas, ovos e leite, São elaborados cardápios distintos para cada segmento escolar, de acordo com a faixa etária e tempo de permanência do aluno na escola. Ex: creche, educação infantil de período parcial, ensino fundamental de período parcial ou integral, entre outros.

36 CARDÁPIOS Trabalhamos com cardápios rotativos e as adequações necessárias são feitas mensalmente, considerando-se, inclusive, algumas datas comemorativas.ex: Páscoa, Semana de Prevenção à Obesidade Infantil, Festa Junina, etc Balas, pirulitos, refrigerantes e outros gêneros que sejam caracterizados como guloseimas não podem ser adquiridos com recursos recebidos da União e Estado.

37 PROPOSTAS PARA Incluir arroz integral e farinha de trigo integral: ricos em óleos essenciais, fibras, vitaminas B1, B2 e E) e minerais (Cálcio, Fósforo e Magnésio) Incluir alimentos funcionais: castanha do Pará (selênio), linhaça, gergelim, ervas aromáticas e peixe. Priorizar os já utilizados: brócolis, repolho, chicória, entre outros

38

39 CONTATOS Equipe do Setor de Alimentação Escolar: FONE/FAX: s:

Departamento de Alimentação Escolar. Investindo na Qualidade para a Melhoria da Aprendizagem dos Alunos

Departamento de Alimentação Escolar. Investindo na Qualidade para a Melhoria da Aprendizagem dos Alunos Departamento de Alimentação Escolar Investindo na Qualidade para a Melhoria da Aprendizagem dos Alunos Dra. Maria Helena Cecin Resek Albernaz Diretora do Departamento de Alimentação Escolar Abril / 2013

Leia mais

SIM NÃO B. Equipamentos limpos (geladeira, freezer, fogão, batedeira) SIM NÃO C. Utensílios limpos (panelas, canecas, pratos, talheres)

SIM NÃO B. Equipamentos limpos (geladeira, freezer, fogão, batedeira) SIM NÃO C. Utensílios limpos (panelas, canecas, pratos, talheres) MODELO: ROTEIRO DE VISITAS ÀS ESCOLAS: PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE ESCOLA DATA PERÍODO CONSELHEIRO(S) 1. HIGIENE PESSOAL DAS MERENDEIRAS A. Mãos lavadas e higienizadas B. Asseio (cabelos,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Este questionário tem por objetivo orientar a participação do cidadão na gestão pública a partir do controle das despesas públicas efetuadas e da oferta de sugestões aos órgãos do governo, para que estes

Leia mais

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Presidência da República Controladoria-Geral da União MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) MERENDA ESCOLAR O Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE, conhecido como Merenda

Leia mais

6) o que determinam os itens II e III do 7º do art. 3 e os artigos 6º, 7º e 8º da Medida Provisória nº. 2.178-38, de 24 de agosto de 2001;

6) o que determinam os itens II e III do 7º do art. 3 e os artigos 6º, 7º e 8º da Medida Provisória nº. 2.178-38, de 24 de agosto de 2001; 1 RESOLUÇÃO CFN Nº 358/2005 Dispõe sobre as atribuições do Nutricionista no âmbito do Programa de Alimentação Escolar (PAE) e dá outras providências. O Conselho Federal de Nutricionistas, no uso das atribuições

Leia mais

CAE CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

CAE CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 2 Esta cartilha do Tribunal de Contas da União TCU foi elaborada para os membros do Conselho de Alimentação Escolar - CAE. Os objetivos são dois: destacar a importância

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia de Souza acadêmica 3º ano Pedagogia UNICENTRO 1 Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 RESUMO: Este artigo dialogou com

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MERENDEIRAS DO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE, NA MODALIDADE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA

PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MERENDEIRAS DO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE, NA MODALIDADE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MERENDEIRAS DO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE, NA MODALIDADE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA EDITAL Nº 05/2013 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Projeto Tempero de Mãe

Projeto Tempero de Mãe Projeto Tempero de Mãe Secretaria Municipal de Educação 1 Introdução A nutrição da população brasileira está cada vez mais afetada de más influências que vão da ignorância de uns até a superstição de outros,

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI Sylvia Elisabeth Sanner - Nutricionista PMSP SMS - CRSSul STS Santo Amaro/Cidade Ademar SUVIS Santo Amaro/Cidade Ademar Vigilância Sanitária VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divide-se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

FORMULÁRIO RELATÓRIO DE DESEMPENHO TÉCNICO NA PESSOA JURÍDICA. Razão Social: Endereço: (Rua/Av, n ) Bairro Cidade Estado CEP

FORMULÁRIO RELATÓRIO DE DESEMPENHO TÉCNICO NA PESSOA JURÍDICA. Razão Social: Endereço: (Rua/Av, n ) Bairro Cidade Estado CEP CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS 6ª REGIÃO PE-AL-PB-RN-CE-PI-MA SEDE DO CRN-6 RUA BULHÕES MARQUES, 19 SL. 803 - BOA VISTA - RECIFE/PE - CEP 50060-050 - FONES: (81) 3222-2495/ 3222-1458 / 3421-8382 FAX:

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO NUTRICIONISTA 1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- CRN- RT / QT

1. IDENTIFICAÇÃO DO NUTRICIONISTA 1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA ALIMENTAÇÃO COLETIVA - ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (REDE PRIVADA DE ENSINO) Infantil

Leia mais

QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR

QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR 1 Justificativa O Observatório Social do Brasil lança uma ação conjunta para a Rede de Observatórios Sociais que consistirá num

Leia mais

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista Nutrição Infantil Paula Veloso / Nutricionista Relação alimentação/saúde é para toda a vida! A mulher grávida preocupa-se com a alimentação. Relação alimentação/saúde é para toda a vida! Os pais preocupam-se

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Conselho de Alimentação Escolar

Conselho de Alimentação Escolar Conselho de Alimentação Escolar Controle Social no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Ana Luiza Scarparo Nutricionista Agente do PNAE Porto Alegre, 30 de setembro de 2014 Centros Colaboradores

Leia mais

os alunos a respeito da alimentação saudável. Essa é, inclusive, uma das recomendações

os alunos a respeito da alimentação saudável. Essa é, inclusive, uma das recomendações Alimentaç Por Daiana Braga e Ticyana Carone Banzato Merenda é oportunidade Frutas e hortaliças são alimentos que devem ser incluídos diariamente nas refeições de alunos. São alimentos ricos em vitaminas,

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar,

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, no Município de São Paulo, como um direito constitucional

Leia mais

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP 10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP Políticas e Ambiente Escolar Padronização dos ambientes físicos de todas as escolas, procurando proporcionar espaços saudáveis

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 217-5699 PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA DIREÇÃO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE NATAL PELA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 217-5699 PREFEITURA

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Roberlayne de Oliveira Borges Roballo Assunto: Quadro Técnico

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Cartilha para Conselheiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Cartilha para Conselheiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Cartilha para Conselheiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE Brasília, 2005 1 Copyright 2005, Tribunal de Contas da União Impresso no Brasil / Printed in Brazil

Leia mais

PNAE. Passos para executar o PROGRAMA NACIONAL DE

PNAE. Passos para executar o PROGRAMA NACIONAL DE PNAE Passos para executar o PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EXPEDIENTE Presidência da República Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Diretoria de Ações Educacionais

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO E Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Normas Gerais Objetivos da Unidade de Alimentação e Nutrição Descrição Geral dos Serviços da UAN Dietas gerais e dietas especiais, destinadas

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. RESOLUÇÃO No- 465, DE 23 DE AGOSTO DE 2010

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. RESOLUÇÃO No- 465, DE 23 DE AGOSTO DE 2010 CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS RESOLUÇÃO No- 465, DE 23 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre as atribuições do Nutricionista, estabelece parâmetros numéricos mínimos de referência no âmbito do Programa de

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Apresentação O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A PROMOÇÃO DA SAÚDE

Apresentação O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A PROMOÇÃO DA SAÚDE Apresentação O presente livreto é um material educativo destinado aos profissionais de educação de unidades escolares municipais do Rio de Janeiro, cujo objetivo é subsidiar ações para promover o consumo

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - DAE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - DAE - DAE Elaborado por: Lucileide Rodrigues dos Santos Gerente de Supervisão e Avaliação DAE-SEED/SE Sergipe, 2014 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE Luiz Carlos dos Santos

Leia mais

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009.

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. Consolida a Legislação Municipal sobre Alimentação Escolar, no Município de Chapadão do Sul-MS, como um direito Constitucional dos Escolares e Dever do Estado, e

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

Legislação. Itens relacionados aos alimentos que compõem os cardápios

Legislação. Itens relacionados aos alimentos que compõem os cardápios PNAE Mais antigo programa social do Governo Federal na área de alimentação e nutrição, considerado como um dos maiores programas na área de alimentação escolar do mundo, com atendimento universalizado

Leia mais

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME.

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. CARTA DE APRESENTAÇÃO Estamos encaminhando nosso portfólio na intenção de apresentar nossa empresa. Após estudo e análise do mercado no segmento de Segurança, Segurança

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 6 ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA NUTRIÇÃO CLÍNICA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS Nº DA VISITA

Leia mais

Período Pós-Guerra 1914-1918. Veio mostrar o valor do capital alimento; Surge escolas de nutrólogos em todo mundo;

Período Pós-Guerra 1914-1918. Veio mostrar o valor do capital alimento; Surge escolas de nutrólogos em todo mundo; Período Pós-Guerra 1914-1918 Veio mostrar o valor do capital alimento; Surge escolas de nutrólogos em todo mundo; Brasil criticavam a falta de políticas de alimentação. 1923 Cartilha de higiene para uso

Leia mais

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Definição Atribuições Organograma da Hotelaria Hospitalar Diretor de Hotelaria Hospitalar (descrição de cargo) Ouvidoria ou Ombudsman Código de Ética do

Leia mais

Concessionária [ ] Auto Gestão [ ] Restaurante Comercial [ ] Buffet / Congelados [ ] Comissaria [ ] Hotelaria Marítima [ ] DATA DA VISITA

Concessionária [ ] Auto Gestão [ ] Restaurante Comercial [ ] Buffet / Congelados [ ] Comissaria [ ] Hotelaria Marítima [ ] DATA DA VISITA CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA ALIMENTAÇÃO COLETIVA - UAN Concessionária [ ] Auto Gestão [ ] Restaurante Comercial [ ] Buffet

Leia mais

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós Trabalho elaborado por: Enf. Anabela Queirós O que é a diabetes? Uma doença que dura toda vida Provocada pela ausência ou perda de eficácia da insulina; Provoca a subida de açúcar no sangue A diabetes

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

Resumo dos Projetos de Alimentação e Nutrição Escolar em Jundiaí

Resumo dos Projetos de Alimentação e Nutrição Escolar em Jundiaí Resumo dos Projetos de Alimentação e Nutrição Escolar em Jundiaí PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esportes Diretoria de Alimentação e Nutrição PROJETO SISTEMA

Leia mais

MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Adrine Fernanda Pascoal Ayna Carolina Duarte Baia Priscila dos Santos Dantas Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO A escola pública no Brasil, além

Leia mais

DECRETO Nº 2.483/2014

DECRETO Nº 2.483/2014 DECRETO Nº 2.483/2014 APROVA A INSTRUÇÃO NORMATIVA SED Nº 001/2014 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL de São Roque do Canaã, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, conferidas

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (GESTOR PÚBLICO) Nutricionista Entrevistado(a)

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (GESTOR PÚBLICO) Nutricionista Entrevistado(a) CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (GESTOR PÚBLICO) DATA DA VISITA Nº DA VISITA VISITA AGENDADA Sim [ ] Não

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO 2013.1

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO 2013.1 DADOS DO ESTÁGIO FACULDADE SANTA TEREZINHA - COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO 2013.1 CÓDIGO ÁREA CARGA HORÁRIA PERÍODO Gestão de Unidades de Alimentação e 230h 7 Nutrição HORÁRIO 13h30

Leia mais

NORMAS E ROTINAS DO SERVIÇO DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS

NORMAS E ROTINAS DO SERVIÇO DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS NORMAS E ROTINAS DO SERVIÇO DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS TERESINA (PI)-2012 SUMÁRIO CAPITÚLO I Da Conceituação e Finalidades CAPITÚLO II Da Organização CAPITÚLO III Das Atribuições

Leia mais

Municípios premiados. Categoria: Nacional Governador Valadares MG Prefeito: João Domingos Fassarella

Municípios premiados. Categoria: Nacional Governador Valadares MG Prefeito: João Domingos Fassarella Municípios premiados Categoria: Nacional Governador Valadares MG Prefeito: João Domingos Fassarella Receita municipal em 2003: R$ 136.478.646,98 Recursos transferidos pelo FNDE em 2003: R$ 641.290,00 Complementação

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Coordenação-Geral do Programa Nacional de Alimentação Escolar (CGPAE)

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Roque do Canaã ES

Prefeitura Municipal de São Roque do Canaã ES INSTRUÇÃO NORMATIVA SED Nº 001/2014 Dispõe sobre os procedimentos para aquisição, elaboração de cardápio e distribuição da alimentação escolar da rede pública municipal de São Roque do Canaã. Versão: 01

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Resolução nº 12/2009 fls. 1 RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Altera a Resolução 06/2007 que trata do Regimento do Restaurante Escola da UFPel. O Presidente do Conselho Coordenador do Ensino, da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº024/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº024/2014 GESTÃO 2013-2016 PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº024/2014 Aprova a Instrução Normativa SEC-02 Alimentação Escolar. O PREFEITO MUNICIPAL DE VILA VELHA, Estado do Espírito

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE: Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito do DEMLURB, a fim de proporcionar melhores

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável Alimentação Saudável O que é a alimentação saudável? A Alimentação Saudável é uma forma racional de comer que assegura variedade, equilíbrio e quantidade justa de alimentos escolhidos pela sua qualidade

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Eliene Ferreira de Sousa PNAE/FNDE/MEC

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Eliene Ferreira de Sousa PNAE/FNDE/MEC PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Eliene Ferreira de Sousa PNAE/FNDE/MEC TRAJETÓRIA HISTÓRICA e FINANCEIRA Déc. de 40 Instituto de Nutrição já defendia proposta para oferecer alimentação ao escolar.

Leia mais

NUTRIÇÃO CLÍNICA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS. Nutricionista Entrevistado(a)

NUTRIÇÃO CLÍNICA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS. Nutricionista Entrevistado(a) CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA ITA NUTRIÇÃO CLÍNICA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS Nº DA VISITA

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Nutrição. O alimento como aliado da sua saúde.

Nutrição. O alimento como aliado da sua saúde. Nutrição O alimento como aliado da sua saúde. alimentação saúdavel Alimentação saúdavel e cuidados nutricionais são importantes em todas as fases da vida e devem ser tratados com distinção em cada período.

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA Curso: Nutrição (04) Ano: 2015 Semestre: 1 Período: 9 Disciplina / Unid. Curricular / Módulo: Estágio Supervisionado em Unidades de Código: DN62 Alimentação e Nutrição (Supervised Internship in Food and

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO ESTÁGIO CURRICULAR

MANUAL INFORMATIVO ESTÁGIO CURRICULAR Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO Setor de Ciências da Saúde SES/G Departamento de Nutrição DENUT/G MANUAL INFORMATIVO ESTÁGIO CURRICULAR GUARAPUAVA-PR 2008 Apresentação Este manual tem

Leia mais

Padrão de Respostas Prova Discursiva

Padrão de Respostas Prova Discursiva 01 Padrão de Respostas Prova Discursiva a) Evitam movimentos manuais repetitivos e agilizam a tempo de distribuição das refeições, aumentando a produtividade. (Valor: 7,0 pontos) b) Como agentes de transformação,

Leia mais

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS 2014 Tecnologia da Informação - TI Unimed Cascavel MANUAL HILUM 4.0 - FISIOTERAPIA A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Educação Infantil

Orientações gerais para as famílias. Educação Infantil Educação Infantil DIREÇÃO PEDAGÓGICA Profª. Monica B. Mazzo - Diretora Pedagógica - mmazzo@albertsabin.com.br Profª. Suzy Vieira Março de Souza - Coordenadora - ssouza@albertsabin.com.br Prezados Pais,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM Uruguaiana, 19 de abril de 2011. REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM DA

Leia mais

13H00 MINI MATERNAL: 13H00 MATERNAIS I E II: 13H20 JARDINS I E II: 13H45

13H00 MINI MATERNAL: 13H00 MATERNAIS I E II: 13H20 JARDINS I E II: 13H45 Queridos Pais e Alunos, Sejam bem-vindos!!! Um mundo de novidades, desafios e grandes conquistas esperam por vocês! Chegou o momento de reencontrar os amigos, fazer novas amizades, aprender mais e realizar

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO - BACHARELADO Autorizada pela Portaria MEC 2.626 de 25

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família AGENDA DA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Copyright 2009 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Todos os direitos

Leia mais

Gerente de alimentos e bebidas Planejar supervisionar, coordenar e controlar as atividades na área de a&b; Zelar pelas boas condições de higiene nos

Gerente de alimentos e bebidas Planejar supervisionar, coordenar e controlar as atividades na área de a&b; Zelar pelas boas condições de higiene nos Gerente de alimentos e bebidas Planejar supervisionar, coordenar e controlar as atividades na área de a&b; Zelar pelas boas condições de higiene nos locais que oferecem a&b; Zelar pela perfeita condição

Leia mais

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos?

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos? 1. Introdução Educar para uma alimentação saudável é essencial na tentativa de ajudar os jovens a tornar as escolhas saudáveis escolhas mais fáceis. Educar para comer bem e de uma forma saudável, constitui

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO. Das Definições e Finalidades

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO. Das Definições e Finalidades CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO Das Definições e Finalidades Art. 1º. O Programa de Bolsa de Trabalho do Centro Federal

Leia mais

ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DEFINIÇÃO O estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que

Leia mais

Gestão de Suprimentos - CRDF

Gestão de Suprimentos - CRDF 1 de 6 RESULTADO ESPERADO DO PROCESSO: Estabelecer negociação entre clientes e fornecedores internos, de modo a assegurar a conformidade, com os requisitos de entrada e saída do processo. PRODUTO PRINCIPAL:

Leia mais

DATA DE NASCIMENTO INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

DATA DE NASCIMENTO INFORMAÇÕES ADICIONAIS: FORMULÁRIO DE RESERVA JUNIOR 06/11 julho (7-12anos) MASTER 20/25 julho (10-16 16 anos) Depois de preencher este formulário poderá remetê-lo por e-mail e para pnoudar@edia.pt ou por fax (285 950 001) NOME

Leia mais

EXIGÊNCIAS MÍNIMAS VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA TODOS ESTABELECIMENTOS INSTALAÇÃO INDEPENDENTE DA MORADIA EDIFICAÇÃO DE ALVENARIA ANEXO 8 (COM TELEFONE DO CONTRIBUINTE) LAUDO DESINSETIZAÇÃO/DESRATIZAÇÃO/LIMPEZA

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS P.L.L. Nº 082/02 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Constituição Federal, o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em diferentes artigos, trazem a discussão que subsidia a argumentação

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB

Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira UNILAB Coordenação de Logística Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB Divisão

Leia mais

Merendeira. Benefícios de uma alimentação saudável o Critério das Cores Diversas dos Alimentos Ajuda na prevenção da obesidade Bullying

Merendeira. Benefícios de uma alimentação saudável o Critério das Cores Diversas dos Alimentos Ajuda na prevenção da obesidade Bullying Merendeira 1) Objetivos Gerais Através do trabalho da merendeira, aprofundar os conhecimentos sobre a preparação de uma refeição saudável com o uso dos utensílios e eletrodomésticos presentes na cozinha.

Leia mais

DATA HORA LOCAL PARTICIPANTES

DATA HORA LOCAL PARTICIPANTES ATA DE REUNIÃO DATA: 27 de março de 2012 HORA: 14:30 horas LOCAL: Promotoria de Justiça da Cidadania PARTICIPANTES: Dra. Maria Pilar Cerqueira Maquieira Menezes, Promotora de Justiça, a Diretora do Centro

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA - 2013/14. FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias em movimento

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA - 2013/14. FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias em movimento COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA - 2013/14 FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias em movimento Objeto e âmbito de aplicação O presente documento visa regular o funcionamento da Componente

Leia mais

Manual de Instruções. APE Eletrônico

Manual de Instruções. APE Eletrônico GOVERNO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL - SUDE DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA - DILOG COORDENAÇÃO DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR -

Leia mais

Prezados alunos e docentes:

Prezados alunos e docentes: 1 FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS NÚCLEO DE PSICOLOGIA EDITAL II DAS ATRIBUIÇÕES DE ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EDUCACIONAL, PSICOLOGIA DO, PSICOLOGIA CLÍNICA E PSICOLOGIA INSTITUCIONAL/SOCIAL - 1º SEMESTRE

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO - Estágio Supervisionado em Coletividade Sadia - Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica - Estágio Supervisionado em Saúde Pública Rua Dom Bosco, 1308

Leia mais

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ESCOPO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 3.1. EPI S... 2 3.2 UNIFORMES... 2 3.3 FICHA DE CONTROLE DE EPI S E UNIFORMES... 2 3.4 GESTORES... 2 3.5 ASSOCIADOS... 2 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM MAMOGRAFIA OBJETIVO DO MANUAL Este Manual

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PROJETO PROEDUCAR MANUAL DE ORIENTAÇÃO 1 - O QUE É O PROJETO PROEDUCAR? O projeto PROEDUCAR leva o nome do Consórcio que ganhou a licitação para atualizar os equipamentos distribuídos por meio do programa

Leia mais

Comida de Rua: segurança alimentar e critérios de fiscalização sanitária. Andréa Barbosa Boanova

Comida de Rua: segurança alimentar e critérios de fiscalização sanitária. Andréa Barbosa Boanova Comida de Rua: segurança alimentar e critérios de fiscalização sanitária Andréa Barbosa Boanova Segurança Alimentar A Segurança Alimentar e Nutricional Compreende a realização do direito de todos ao acesso

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE 2010

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE 2010 SECRETARIA de ESTADO da EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA de DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DIRETORIA de ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR COORDENADORIA de ALIMENTAÇÃO e NUTRIÇÃO ESCOLAR INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE

Leia mais

Conforme REGIMENTO ESCOLAR, seguem informações importantes para o ano letivo 2015.

Conforme REGIMENTO ESCOLAR, seguem informações importantes para o ano letivo 2015. INFORMATIVO ESCOLAR Conforme REGIMENTO ESCOLAR, seguem informações importantes para o ano letivo 2015. PROFISSIONAIS EXPERIENTES Contamos com uma equipe de profissionais capacitados e qualificados para

Leia mais

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Art. 1 o Para os efeitos desta Lei, entende-se por alimentação escolar todo alimento oferecido no ambiente escolar, independentemente de

Leia mais

SEÇÃO III DA EQUIPE TÉCNICA

SEÇÃO III DA EQUIPE TÉCNICA RESOLUÇÃO Nº 4/95 O Conselho Universitário da Universidade Federal de Viçosa, órgão superior de administração, no uso de suas atribuições legais, considerando o que consta do Processo nº 94-10326, RESOLVE

Leia mais