B-WITH B-IN. Relacionamento e Sensibilidade. Autonomia. Responsabilidade. Equilíbrio emocional. Auto-estima. Coerência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "B-WITH B-IN. Relacionamento e Sensibilidade. Autonomia. Responsabilidade. Equilíbrio emocional. Auto-estima. Coerência"

Transcrição

1 B-WITH B-IN Relacionamento e Sensibilidade 04. Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de conflitos. Comprometo-me com o bem-estar da minha família. Reconheço que existem diversas sensibilidades estéticas e partilho os meus gostos. Encaro com naturalidade a minha sexualidade e procuro integrá-la harmoniosamente na minha vida, respeitando-me a mim e aos outros. Autonomia Escolho conscientemente as minhas referências e valores fundamentais. Sou capaz de fazer opções e de reconhecer as suas implicações. Estabeleço para mim, com regularidade, metas a atingir em várias áreas da minha vida. Responsabilidade Equilíbrio emocional Ajo de forma ponderada e reflectida, respeitando os sentimentos dos outros. Reconheço quando me excedo e esforço-me por corrigir o meu comportamento. 04. Correspondo à confiança que em mim depositam. Reconheço a importância das minhas tarefas, estabeleço prioridades e respeito-as. Encaro os obstáculos sem desistir de encontrar soluções ou alternativas e reconhecendo as lições a tirar. Assumo as minhas acções, aceitando as consequências das mesmas para mim ou para os grupos a que pertenço. Auto-estima 04. Reconheço as características da minha personalidade. Reconheço que erro e comprometo-me a melhorar as minhas características menos positivas. Aceito as minhas próprias limitações, esforçando-me sempre por melhorar. Conheço bem as minhas capacidades e invisto no meu desenvolvimento. Coerência Partilho e defendo aquilo em que acredito de forma serena e fundamentada. Ajo, em cada dia, de acordo com as convicções e referências que vou tomando para mim, tendo consciência do testemunho que dou aos outros. Cortar pelo tracejado.

2 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO B-UP B-MORE Descoberta Conheço e compreendo a vida dos profetas. Conheço e percebo a vida de Jesus com os Apóstolos. Reconheço que cada membro da Igreja é diferente e que isso é importante e enriquece a comunidade. Desempenho Testo de forma responsável os limites do meu corpo e pratico actividades físicas que me permitem conseguir um desenvolvimento equilibrado. Aprofundamento Vivo a oração como parte do meu quotidiano e participo nas celebrações comunitárias. Conheço a perspectiva da Igreja sobre os temas principais a partir da fundamentação Bíblica. Aprofundo as razões da minha fé no contacto com as outras religiões. Auto-conhecimento Aceito as características próprias do meu corpo e respeito as diferenças físicas entre as pessoas. Reconheço que homens e mulheres têm características físicas diferentes e respeito os comportamentos e necessidades que vão surgindo. Serviço Defendo a vida humana como um valor absoluto. Sei o que é ser Sal da Terra e Luz do Mundo e ponho-me ao serviço dos outros. Bem-estar físico Faço escolhas saudáveis ao nível da minha alimentação, repouso e actividades físicas. Tomo as medidas necessárias para o meu bem-estar físico e ando aprumado. Conheço os malefícios das substâncias e comportamentos de risco e evito-os. Cortar pelo tracejado.

3 B-SMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL B-SMART B-AT Procura do conhecimento Procuro sempre aumentar os meus conhecimentos, diversificando as vivências. Sei onde procurar a informação e selecciono-a de acordo com as necessidades. Conheço as minhas aptidões, sou capaz de optar por uma área profissional ou de estudo e identificar outros domínios de interesse pessoal. Exercer activamente cidadania Conheço os meus deveres e direitos e promovo que, à minha volta, os outros os conheçam. Participo activamente nas comunidades em que me insiro, intervindo na promoção de causas comuns. Quando perco uma votação, aceito a decisão e trabalho nesse sentido. Resolução de problemas Sei avaliar as experiências que vivo e utilizo o que aprendo de forma criativa nas novas situações que enfrento. Analiso problemas, proponho soluções e escolho a mais adequada. Solidariedade e tolerância Identifico situações em que posso ser útil na resolução ou minimização de um problema social. Participo, sozinho ou em equipa, na resolução ou minimização de um problema social. Exponho as minhas ideias, respeitando e valorizando as dos outros. Criatividade e Expressão Assumo o desafio de criar ideias e projectos inovadores em que relaciono os meus conhecimentos e gostos. Apresento ideias e emoções de forma criativa, explorando diferentes técnicas e meios e adequando-as a quem me dirijo. Interacção e cooperação Valorizo as diferentes funções no grupo e desempenho o melhor possível aquelas que me são confiadas. Respeito as necessidades do grupo, nunca sobrepondo a minha liderança. Cortar pelo tracejado.

4 Pioneiros/Marinheiros Enquadramento: O jogo desenrola-se numa Galáxia distante. O Embaixador da Terra incumbiu cada elemento da sua equipa de ir a diferentes Planetas adquirir aquilo que lhe faltava para completar os seus Trilhos. Personagens: Existem 6 Planetas diferentes, com 6 embaixadores, cada um associado a uma área de desenvolvimento e a uma cor - Planeta B-Up (Espiritual) - Lilás - Planeta B-In (Carácter) - Azul - Planeta B-More (Físico) - Físico - Planeta B- Smart (Intelectual) - Laranja - Planeta B-With (Afectivo) - Vermelho - Planeta B-At (Social) - Amarelo Material: Cada Embaixador tem várias estrelas de cartolina da cor da sua Área de Desenvolvimento; num dos lados está escrito um dos trilhos dessa Área (existem estrelas para todos os trilhos, com possibilidade de se escrever o objectivo) Cada Pioneiro tem que ter o plano do seu progresso individual, onda consiga identificar facilmente os Trilhos que tem em falta Deve criar-se o ambiente de uma festa inter-galáctica; cada Pioneiro vai passar pelos vários Embaixadores e negociar com eles.

5 Como se joga? Cada Embaixador (que representa uma Área de Desenvolvimento) tem exposto os Trilhos que podem ser adquiridos pelos Pioneiros. (Ex: O Embaixador do Planeta B-With: Relacionamento e Sensibilidade; Equilíbrio emocional; Auto-estima) O Pioneiro vai escolher o Trilho que quer e negociar a Oportunidade que quer dar em troca para adquirir esse trilho. Quando ambos chegarem a consenso, é entregue ao Pioneiro a estrela do respectivo Trilho onde vai escrever (verso) a Oportunidade que negociou. Repete-se em todas as personagens. No final, todos os elementos deverão falar com o Embaixador da Terra (Chefe de Unidade), para lhe dar a conhecer as escolhas feitas e obter o seu consentimento. (e re-negociar o que se achar necessário). Os Embaixadores deverão ser os restantes elementos da Equipa de Animação, e devem conhecer a situação do progresso de cada elemento. O jogo pode ser executado todo de uma vez ou no decorrer de uma actividade maior. É só usar a imaginação. E no final colocar as oportunidades no painel do progresso

6 B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO Desempenho Auto-conhecimento 01/02 Testo de forma responsável os limites do meu corpo e pratico actividades físicas que me permitem conseguir um desenvolvimento equilibrado. Aceito as características próprias do meu corpo e respeito as diferenças físicas entre as pessoas. B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO Auto-conhecimento 02/02 Reconheço que homens e mulheres têm características físicas diferentes e respeito os comportamentos e necessidades que vão surgindo. B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO Bem-estar físico 01/03 Faço escolhas saudáveis ao nível da minha alimentação, repouso e actividades físicas. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 01/01 B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO

7 B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO Bem-estar físico 02/03 Tomo as medidas necessárias para o meu bem-estar físico e ando aprumado. Bem-estar físico 03/03 Conheço os malefícios das substâncias e comportamentos de risco e evito-os. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO

8 Relacionamento e Sensibilidade 01/04 Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de conflitos. Relacionamento e Sensibilidade 02/04 Comprometo-me com o bem-estar da minha família. Relacionamento e Sensibilidade 03/04 Reconheço que existem diversas sensibilidades estéticas e partilho os meus gostos. Relacionamento e Sensibilidade 04/04 Encaro com naturalidade a minha sexualidade e procuro integrá-la harmoniosamente na minha vida, respeitando-me a mim e aos outros. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

9 Equilíbrio emocional 01/02 Ajo de forma ponderada e reflectida, respeitando os sentimentos dos outros. Equilíbrio emocional 02/02 Reconheço quando me excedo e esforço-me por corrigir o meu comportamento. Auto-estima 01/04 Reconheço as características da minha personalidade. Auto-estima 02/04 Reconheço que erro e comprometo-me a melhorar as minhas características menos positivas. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

10 Auto-estima 03/04 Aceito as minhas próprias limitações, esforçando-me sempre por melhorar. Auto-estima 04/04 Conheço bem as minhas capacidades e invisto no meu desenvolvimento. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

11 Autonomia 01/03 Escolho conscientemente as minhas referências e valores fundamentais. Autonomia 02/03 Sou capaz de fazer opções e de reconhecer as suas implicações. Autonomia 03/03 Estabeleço para mim, com regularidade, metas a atingir em várias áreas da minha vida. Responsabilidade 01/04 Correspondo à confiança que em mim depositam. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

12 Responsabilidade 02/04 Reconheço a importância das minhas tarefas, estabeleço prioridades e respeito-as. Responsabilidade 03/04 Encaro os obstáculos sem desistir de encontrar soluções ou alternativas e reconhecendo as lições a tirar. Responsabilidade 04/04 Assumo as minhas acções, aceitando as consequências das mesmas para mim ou para os grupos a que pertenço. Coerência 01/02 Partilho e defendo aquilo em que acredito de forma serena e fundamentada. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

13 Coerência 02/02 Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. Ajo, em cada dia, de acordo com as convicções e referências que vou tomando para mim, tendo consciência do testemunho que dou aos outros.

14 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Descoberta Descoberta 02/03 Conheço e compreendo a vida dos profetas. Conheço e percebo a vida de Jesus com os Apóstolos. B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Descoberta 03/03 Reconheço que cada membro da Igreja é diferente e que isso é importante e enriquece a comunidade. B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Aprofundamento 01/03 Vivo a oração como parte do meu quotidiano e participo nas celebrações comunitárias. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 01/03 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL

15 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Aprofundamento Aprofundamento 03/03 Conheço a perspectiva da Igreja sobre os temas principais a partir da fundamentação Bíblica. Aprofundo as razões da minha fé no contacto com as outras religiões. B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Serviço 01/02 Defendo a vida humana como um valor absoluto. B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Serviço 02/02 Sei o que é ser Sal da Terra e Luz do Mundo e ponho-me ao serviço dos outros. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 02/03 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL

16 Procura do conhecimento 01/03 Procuro sempre aumentar os meus conhecimentos, diversificando as vivências. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Procura do conhecimento 03/03 Conheço as minhas aptidões, sou capaz de optar por uma área profissional ou de estudo e identificar outros domínios de interesse pessoal. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Procura do conhecimento 02/03 Sei onde procurar a informação e selecciono-a de acordo com as necessidades. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Resolução de problemas 01/02 Sei avaliar as experiências que vivo e utilizo o que aprendo de forma criativa nas novas situações que enfrento. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL

17 B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Resolução de problemas 02/02 Analiso problemas, proponho soluções e escolho a mais adequada. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Criatividade e Expressão 01/02 Assumo o desafio de criar ideias e projectos inovadores em que relaciono os meus conhecimentos e gostos. Criatividade e Expressão 02/02 Apresento ideias e emoções de forma criativa, explorando diferentes técnicas e meios e adequando-as a quem me dirijo. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL

18 B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Exercer activamente cidadania Exercer activamente cidadania 02/03 Conheço os meus deveres e direitos e promovo que, à minha volta, os outros os conheçam. Participo activamente nas comunidades em que me insiro, intervindo na promoção de causas comuns. B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Exercer activamente cidadania 03/03 Quando perco uma votação, aceito a decisão e trabalho nesse sentido. B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Solidariedade e tolerância 01/03 Identifico situações em que posso ser útil na resolução ou minimização de um problema social. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 01/03 B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

19 B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Solidariedade e tolerância Solidariedade e tolerância 03/03 Participo, sozinho ou em equipa, na resolução ou minimização de um problema social. Exponho as minhas ideias, respeitando e valorizando as dos outros. B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Interacção e cooperação 01/02 Valorizo as diferentes funções no grupo e desempenho o melhor possível aquelas que me são confiadas. B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Interacção e cooperação 02/02 Respeito as necessidades do grupo, nunca sobrepondo a minha liderança. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 02/03 B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de. OBJECTIVOS EDUCATIVOS DE SECÇÃO III Secção Comunidade

Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de. OBJECTIVOS EDUCATIVOS DE SECÇÃO III Secção Comunidade PROGRAMA EDUCATIVO OBJECTIVOS EDUCATIVOS DE SECÇÃO III Secção Comunidade JUNTA REGIONAL DE LEIRIA ÁREA PERSPECTIVA EDUCATIVA TRILHOS OS OBJECTIVOS DE CADA TRILHO RELACIONAM-SE COM OBJECTIVO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Complemento do. Diário de Percurso

Complemento do. Diário de Percurso Complemento do Diário de Percurso 2ª edição - Outubro de 2013 Introdução Se o Diário de Percurso deve ser inseparável da tua Caminhada, este complemento do Diário de Percurso, deverá estar sempre junto

Leia mais

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos)

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) - No final da educação pré-escolar, a criança identifica as suas características individuais, manifestando um sentimento positivo de identidade e tendo consciência

Leia mais

Catequese Paroquial e CNE Escutismo Católico Português

Catequese Paroquial e CNE Escutismo Católico Português 1º Ano Paroquial e CNE Escutismo Católico Português JESUS GOSTA DE MIM Proporcionar às crianças um bom acolhimento eclesial, pelos catequistas e por toda a comunidade cristã (cf CT 16 e 24). Ajudá-las

Leia mais

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Introdução Estatísticas do SEBRAE indicam que 60% das 500 mil pequenas e micro-empresas que são abertas todos os anos no Brasil fecham as portas

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto Como pode a escola católica promover o desenvolvimento da inteligência espiritual? O A educação deve

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 3º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 3º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 3º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC) 2015-16 3 º ANO Unidade Letiva 1 A Dignidade das Crianças 1. Tomar consciência de que as crianças

Leia mais

6 º ANO Unidade Letiva 1 - A Pessoa Humana METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história.

6 º ANO Unidade Letiva 1 - A Pessoa Humana METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA Escola Básica Fernando Caldeira Departamento de Ciências Humanas e Sociais Educação Moral e Religiosa Católica - 6º ano Ano letivo 2016/2017 Unidade Letiva 1 - A Pessoa

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Autoconfiança. Prof. Raul Franzolin Neto. Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br

Autoconfiança. Prof. Raul Franzolin Neto. Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br Autoconfiança Prof. Raul Franzolin Neto Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br Nada aprenderam de mim, senão o que já sabiam e que são eles quem por si mesmos

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância da Lezíria Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Jardim de Infância do Centro Escolar de Porto Alto Jardim de Infância

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES)

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Sociedade Portuguesa de Educação Física Conselho Nacional das Associações de Professores e Profissionais de Educação Física O documento

Leia mais

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA ESTRATÉGIA DE QUALIDADE DE VIDA

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA ESTRATÉGIA DE QUALIDADE DE VIDA OFICINA DE MEMÓRIA: UMA ESTRATÉGIA DE QUALIDADE DE VIDA Seção Judiciária do Estado de São Paulo OFICINA DE MEMÓRIA REALIZADA COM OS OFICIAIS DE JUSTIÇA AVALIADORES DA CEUNI Uma Estratégia de Qualidade

Leia mais

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ Disciplina: Físico-Química Ano: 8.º Professores: Ana Padilha e Alberto Morgado Ano Letivo: 2016-2017 Índice 1. Previsão do número de aulas de 45

Leia mais

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP INTELIGÊNCIA EMOCIONAL Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883 Importância das Emoções o Por que as emoções são tão importantes para nós? Importância das Emoções o Sobrevivência: Nossas emoções

Leia mais

ACADEMIA DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA IDEÁRIO EDUCATIVO

ACADEMIA DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA IDEÁRIO EDUCATIVO ACADEMIA DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA IDEÁRIO EDUCATIVO Ideário Educativo da Academia de Música de Santa Cecília ESCOLA DE ENSINO INTEGRADO A AMSC define-se como uma Escola de Ensino Integrado que garante,

Leia mais

sumário 1 Abrindo as portas do novo mundo 2 Como fica a eficiência diante da força

sumário 1 Abrindo as portas do novo mundo 2 Como fica a eficiência diante da força sumário Palavras do autor... 9 Questões que merecem grande consideração... 11 Introdução... 15 1 Abrindo as portas do novo mundo das competências... 17 2 Como fica a eficiência diante da força da competência?...

Leia mais

Postfacio: E agora? Maria Emília Brederode Santos

Postfacio: E agora? Maria Emília Brederode Santos Postfacio: E agora? Maria Emília Brederode Santos Este Congresso teve certamente resultados muito positivos: questionaram-se lugares comuns, consensos equívocos, ilusões quanto à bondade intrínseca de

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry Cursos: Administração / Ciências Contábeis Disciplina: Inovação Tecnológica Data: 12/04/2012 Inovação Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Leia mais

i dos pais O jovem adulto

i dos pais O jovem adulto i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos

Leia mais

Escola Secundária de Valongo

Escola Secundária de Valongo Escola Secundária de Valongo PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO Ano lectivo 2010/2011 TERRA NO ESPAÇO 1º PERÍODO ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PROPOSTA DE PLANIFICAÇÃO ANO LECTIVO DE 2010/2011 CIÊNCIAS

Leia mais

Plano de Actividades Centro de Dia e Lar 2012

Plano de Actividades Centro de Dia e Lar 2012 de Reis Campeonato Regional de Boccia Sénior na Zona Centro Comemoração do Carnaval Cantar os reis pelas ruas da povoação de Aguim e pelos restaurantes que se encontram perto da Instituição. Realização

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

Metodologia do Projecto

Metodologia do Projecto Metodologia do Projecto Índice 1. O Método 2. As Actividades 3. O Projecto 4. Fases da Metodologia do Projecto 5. Papel do Dirigente 6. Notas soltas 1. O Método Escutista Fonte: Escutismo: um sistema educativo,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Disciplina de MATEMÁTICA - 11º Ano Turma O A PROFESSORA: Teresa Clain 1 1. OBJECTIVOS GERAIS São finalidades da disciplina no ensino secundário: desenvolver a capacidade

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos Ano lectivo: 2005/2006 Estagiária: Curso: Educação de Infância 4º Ano Educadora Cooperante: Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/4.04.06 Áreas Domínios Objectivos Gerais Objectivos Específicos Actividade

Leia mais

1 EU - PESSOA. Meu corpo muda e se constrói minha identidade. Na construção do amor

1 EU - PESSOA. Meu corpo muda e se constrói minha identidade. Na construção do amor Meu corpo muda e se constrói minha identidade Quando eu era criança, falava como uma criança ( ) Quando me tornei um homem, terminei com as coisas de criança. 1 Cor 13,11 1 Quando eu era criança, falava

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA Critérios de Avaliação de EMRC 2009 / 2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS A base dos critérios de avaliação para o Segundo, Terceiro Ciclos do Ensino Básico e para o Ensino

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

Preciso saber se estou indo bem!

Preciso saber se estou indo bem! Preciso saber se estou indo bem! Autor: Richard L. Williams Alunos: Lubiana, Maiara, Pedro e Skalit Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio de 2012. Qual o principal assunto do livro O livro

Leia mais

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA THEKA O que é? Para que serve? Que objectivos queremos alcançar? Que iniciativas utilizar? Que actividades desenvolver? Que estratégias aplicar? Como avaliar? COMO ENTENDÊ-LA ENTUSIASMAR? ANIMAR? DINAMIZAR?

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIAS DO TERAPEUTA EXPRESSIVO

PERFIL E COMPETÊNCIAS DO TERAPEUTA EXPRESSIVO APRESENTAÇÃO As terapias expressivas, consideradas práticas psicoterapêuticas de mediação corporal, têm vindo a crescer em termos de campos de acção desde a saúde mental, passando pelas dificuldades de

Leia mais

Microcrédito e Comércio Justo

Microcrédito e Comércio Justo Microcrédito e Comércio Justo Antiga DIT Antiga DIT A Antiga DIT A Antiga DIT baseava-se no princípio da especialização. Os países do Sul especializavam-se em produtos de baixo valor acrescentado. Quando

Leia mais

Projeto Clube Descobrir e Aprender com as brincadeiras

Projeto Clube Descobrir e Aprender com as brincadeiras Projeto Clube Descobrir e Aprender com as brincadeiras Atividade de Enriquecimento Curricular Docente: Carla Sofia Nunes Pote de Oliveira EB1/PE da Nazaré [2015/2016] Índice INTRODUÇÃO... 2 CARATERIZAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Direcção Regional de Educação do Centro CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Domínios Capacidade/Conhecimentos (70%) Critérios Aquisição, compreensão e aplicação Expressão Progressão na aprendizagem Atitudes

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

Plano Anual de atividades 2012/2013 1º Periodo

Plano Anual de atividades 2012/2013 1º Periodo Plano Anual de atividades 2012/2013 1º Periodo Designação Objectivos Grupo alvo Calendarização Responsáveis pela actividade Recursos a afectar J F M A M J J A S O N D Humanos Materiais Logísticos 1ª Reunião

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

Módulo 1 Gestão de stresse

Módulo 1 Gestão de stresse Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.ardh-gi.com Módulo 1 Gestão de stresse 1 Esta apresentação não substitui a leitura dos manuais do

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Fundão

Agrupamento de Escolas do Fundão Agrupamento de Escolas do Fundão MATEMÁTICA P GPI 13 12º Ano CURRÍCULO DA DISCIPLINA E Nº DE AULAS PREVISTAS Período PLANIFICAÇÃO ANUAL Módulos a leccionar + Conteúdos Programáticos Módulo A6- Taxa de

Leia mais

Cursos de Educação e Formação de Adultos

Cursos de Educação e Formação de Adultos Curso EFA B3: Jardinagem e Espaços Verdes Área de Competência: Cidadania e Empregabilidade Unidade de Competência: Organização Política dos Estados Democráticos Nome: Data: FICHA DE ACTIVIDADE N.º 1- UM

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau1 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU I O Grau I corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador desportivo.

Leia mais

Inês Isabel Falé Cipriano. Educação / Formação / Animação Sócio-Cultural

Inês Isabel Falé Cipriano. Educação / Formação / Animação Sócio-Cultural INFORMAÇÃO PESSOAL Inês Isabel Falé Cipriano Rua 25 de Abril Nº17, 2580-401 Atalaia, Alenquer 913448834 ines_cipriano1987@hotmail.com Sexo Feminino Data de nascimento 08 de Outubro 1987 Nacionalidade Portuguesa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FICHA DE AUTO AVALIAÇÃO ASSISTENTE OPERACIONAL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FICHA DE AUTO AVALIAÇÃO ASSISTENTE OPERACIONAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO SIADAP 3 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FICHA DE AUTO AVALIAÇÃO ASSISTENTE OPERACIONAL Avaliado Carreira/Categoria Unidade

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

1º Período. Tema: animação gráfica recorrendo às cores do logótipo desafia-te a fazer maravilhas

1º Período. Tema: animação gráfica recorrendo às cores do logótipo desafia-te a fazer maravilhas EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 5º ano 2016/2017 1º Período Projeto 1: CATAVENTO Objetivo: Construção e animação gráfica de um catavento Tema: animação gráfica recorrendo às cores do logótipo desafia-te a fazer maravilhas

Leia mais

Associação de Pais, Encarregados de Educação e Amigos dos Alunos da EB1/JI de Pinhal de Frades. Plano de Atividades 2013/2014

Associação de Pais, Encarregados de Educação e Amigos dos Alunos da EB1/JI de Pinhal de Frades. Plano de Atividades 2013/2014 Setembro Receção e Acolhimento dos alunos (dias 02 a 06) Integrar as novas crianças e promover a facilidade de interação no grupo Promover o bem-estar e o fácil convívio entre as crianças Atividades relacionadas

Leia mais

Ciclo de Aulas do Riso na ASAS

Ciclo de Aulas do Riso na ASAS Ciclo de Aulas do Riso na ASAS As Aulas do Riso são uma criação original da Escola de Yoga do Riso, elaboradas ao longo de três anos de pesquisa sobre a essência poderosa e transformadora do riso. Rir

Leia mais

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK. CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK www.facebook.com/anbimabr Educação Financeira O Papel, a Responsabilidade e as Implicações para as Instituições Financeiras Educação 10.03.2015 Brasileiro é otimista com

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Enriquecimento

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Enriquecimento Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo C Enriquecimento Enriquecimento O Enriquecimento visa a consolidação formativa do Candidato a Dirigente em diversas áreas temáticas

Leia mais

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas.

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. MIND LAB MISSÃO DA MIND LAB Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. Ajudar os alunos se transformarem em indivíduos íntegros e realizados. SOBRE A MIND LAB Fundada em 1994.

Leia mais

Plano Anual de Actividades Projecto Museu Escolar Dinamizado por: Ano Lectivo 2010/2011

Plano Anual de Actividades Projecto Museu Escolar Dinamizado por: Ano Lectivo 2010/2011 Plano Anual de Actividades Projecto Museu Escolar Dinamizado por: António Inácio e António Montezo Ano Lectivo 2010/2011 CALENDARIZAÇÃO ACTIVIDADES OBJECTIVOS ARTICULAÇÃO INTERDISCIPLINAR PÚBLICO-ALVO

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris, na sua 20ª sessão,

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Estudante: Ano: 6º Turma: Educador: Wagner Melo C. Curricular: Educação Religiosa O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Deus nos criou para convivermos com outras pessoas e sermos felizes. A

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 2º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 5 º Ano

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 2º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 5 º Ano Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas º Ciclo ENSINO BÁSICO Planificação Anual de EMRC 5 º Ano º Periodo Unidade Letiva - Viver juntos Competências chave Metas Curriculares B. Construir

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Gratidão e celebração Mês: Dezembro Habilidade Sócio emocional: Este projeto visa promover o encerramento do ano de 2016, em que os alunos terão a oportunidade de resgatar

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Forma como construímos a nossa imagem a partir de conceitos que temos de nós mesmos, e de como os outros

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 O Plano Anual de Atividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das Atividades escolares, para um ano letivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os

Leia mais

Soft-skills / Comportamental

Soft-skills / Comportamental Soft-skills / Comportamental Liderança e trabalho em equipa Comunicação, gestão de conflitos e negociação Técnicas de apresentação Gestão do tempo e Reuniões eficazes 1 Hire on attitude, Train the skills

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS GESTÃO DO PROGRAMA Cristina Pecante - Médica, Saúde Pública Fátima Neves - Enfermeira Especialista, Saúde Comunitária

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

São todas as atividades que levam uma pessoa até o cliente, amigo, colega de trabalho ou a outra pessoa/organização.

São todas as atividades que levam uma pessoa até o cliente, amigo, colega de trabalho ou a outra pessoa/organização. São todas as atividades que levam uma pessoa até o cliente, amigo, colega de trabalho ou a outra pessoa/organização. O Marketing Pessoal é um conjunto de elementos harmoniosamente colocados para atenderem

Leia mais

Externato de Santa Margarida. Rua Manuel Ribeiro de Almeida, 141 Quinta da Azenha S. Cosme- Gondomar Tel Fax.

Externato de Santa Margarida. Rua Manuel Ribeiro de Almeida, 141 Quinta da Azenha S. Cosme- Gondomar Tel Fax. Externato de Santa Margarida Rua Manuel Ribeiro de Almeida, 141 Quinta da Azenha 4420-195-S. Cosme- Gondomar Tel. 224830104 Fax. 224837223 Ano Letivo 2016/2017 Plano anual de atividades SETEMBRO Dia 2

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais Apresentação e Justificativa A exclusão é parte do convencional na coletividade humana. A discriminação tem origem em preconceitos antigos gerados

Leia mais

Projeto Educativo/Plano de Atividades

Projeto Educativo/Plano de Atividades COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Projeto Educativo/Plano de Atividades Ano letivo 2014/2015 Índice Introdução Princípios orientadores da ação educativa Horário de funcionamento Clubes

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais Ano de escolaridade: 7º ano Área curricular disciplinar de Ciências Naturais A Terra no Espaço Terra - Um Planeta com Vida. - Condições que permitem a existência de vida. - A Terra como um Sistema. Ciência,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

2º Ano Noção de corpo Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto. Actividade1. Actividade2

2º Ano Noção de corpo Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto. Actividade1. Actividade2 Noção de corpo Estruturar o conhecimento de si próprio, reconhecendo as modificações do corpo - Localizar no corpo os órgãos dos sentidos; - Reconhecer modificações do seu corpo; - Exploração de exercícios

Leia mais

Metas/Objetivos Descritores de Desempenho/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

Metas/Objetivos Descritores de Desempenho/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação Domínio Religião e experiência religiosa Cultura cristã e visão cristã da vida Ética e moral cristã DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 5º ANO Calendarização:

Leia mais

Microcrédito Damos Rumo à Vida

Microcrédito Damos Rumo à Vida Microcrédito Damos Rumo à Vida 1 Responsabilidade Social A iniciativa do Microcrédito assume um papel fundamental na intervenção do Millennium bcp na vertente social. Responsabilidade Social da Empresa

Leia mais

NOTÍCIAS DA CERCIGAIA

NOTÍCIAS DA CERCIGAIA NOTÍCIAS DA CERCIGAIA Edição 03 Julho 2013 A NOSSA: Visão Uma organização com qualidade, sustentável, capaz de responder às necessidades e expectativas dos clientes e suas famílias. Missão Prestar serviços

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS 4. a EDIÇÃO 1 O CICLO ENSINO BASICO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA EVANGÉLICA PROGRAMA DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO À DESCOBERTA DE UM MUNDO DIFERENTE OBJECTIVOS GERAIS:

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA MMA CARTA DOS DIREITOS E DEVERES CENTRO SOCIAL NOSSA SENHORA DO AMPARO Aprovado em Reunião de Direção a 07 /01 /2014 INTRODUÇÃO O CSNSA focaliza todo o seu trabalho no cliente, individualizando e personalizando

Leia mais

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno 40 Tempos Disciplina: Animação Sociocultural Ano Lectivo: 2014/2015 Módulo 6 Deontologia e Animação Sociocultural 1.1 Deontologia: noção, conceitos, fundamentos; 1.2 Valores: conceito e tipos de valores.

Leia mais

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana.

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana. 1 Antropologia, a Ciência do homem A ciência - antropologia divide-se em dois campos: 1) Antropologia Física - Refere-se à forma Física do Homem (biologia humana); 2) Antropologia Social - Comportamento

Leia mais

Empreendedorismo em sala de aula. Jane Carla Claudino Tosin Assessoria da Área Pedagógica

Empreendedorismo em sala de aula. Jane Carla Claudino Tosin Assessoria da Área Pedagógica Empreendedorismo em sala de aula Jane Carla Claudino Tosin Assessoria da Área Pedagógica Contato: Jane Carla Claudino Tosin Assessora da Área Pedagógica 0800 725 3536 Ramal 1171 jtosin@positivo.com.br

Leia mais

Escola Básica da Senhora da Hora. 5º ano Sequência Didáctica Língua Portuguesa Ano lectivo 2011/2012. Tipologia Textual - O Texto Poético.

Escola Básica da Senhora da Hora. 5º ano Sequência Didáctica Língua Portuguesa Ano lectivo 2011/2012. Tipologia Textual - O Texto Poético. Escola Básica da Senhora da Hora 5º ano Sequência Didáctica Língua Portuguesa Ano lectivo 2011/2012 ipologia extual - O exto Poético explícito da língua Compreensão do oral Leitura Escrita Expressão oral

Leia mais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais Código Deontológico SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural Artigo 1.º Princípios gerais 1 - As intervenções de Medicina Natural são realizadas com a preocupação da defesa da liberdade

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 I. Introdução O ano de 2013 foi um ano marcado por grandes investimentos na Comunidade Terapêutica, por forma a criar condições estruturais que possibilitem a formação e integração

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS 2016 Prova 02 / 2016 1ª e 2ª fase 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

Nome: Expedição 62 Santo Isidro. Agrupamento 379 A- dos- Cunhados. Áreas Desenvolvimento. Trilhos Aliança Rumo Descoberta

Nome: Expedição 62 Santo Isidro. Agrupamento 379 A- dos- Cunhados. Áreas Desenvolvimento. Trilhos Aliança Rumo Descoberta Nome: Áreas Desenvolvimento Trilhos Aliança Rumo Descoberta Relacionamento e Sensibilidade Afectivo Equilíbrio Emocional Autoestima Autonomia Carácter Responsabilidade Expedição 62 Santo Isidro. Agrupamento

Leia mais

Por uma prática promotora de saúde em Orientação Vocacional (Ana Bock e Wanda Aguiar)

Por uma prática promotora de saúde em Orientação Vocacional (Ana Bock e Wanda Aguiar) Por uma prática promotora de saúde em Orientação Vocacional (Ana Bock e Wanda Aguiar) Segundo a OMS, saúde é o mais completo estado de bemestar físico, psicológico e social para um indivíduo. O que significa

Leia mais

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL O amor á profissão pode torná-lo um bom profissional, mas só um diploma pode formar um profissional completo 1. OBJECTIVOS GERAIS O curso Profissional

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

Código Deontológico do Profissional de Secretariado

Código Deontológico do Profissional de Secretariado Código Deontológico do Profissional de Secretariado Este documento foi elaborado no âmbito de formação profissional contínua, pelos formandos do percurso de Vida Ativa de Trabalho Administrativo a decorrer

Leia mais