B-WITH B-IN. Relacionamento e Sensibilidade. Autonomia. Responsabilidade. Equilíbrio emocional. Auto-estima. Coerência

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "B-WITH B-IN. Relacionamento e Sensibilidade. Autonomia. Responsabilidade. Equilíbrio emocional. Auto-estima. Coerência"

Transcrição

1 B-WITH B-IN Relacionamento e Sensibilidade 04. Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de conflitos. Comprometo-me com o bem-estar da minha família. Reconheço que existem diversas sensibilidades estéticas e partilho os meus gostos. Encaro com naturalidade a minha sexualidade e procuro integrá-la harmoniosamente na minha vida, respeitando-me a mim e aos outros. Autonomia Escolho conscientemente as minhas referências e valores fundamentais. Sou capaz de fazer opções e de reconhecer as suas implicações. Estabeleço para mim, com regularidade, metas a atingir em várias áreas da minha vida. Responsabilidade Equilíbrio emocional Ajo de forma ponderada e reflectida, respeitando os sentimentos dos outros. Reconheço quando me excedo e esforço-me por corrigir o meu comportamento. 04. Correspondo à confiança que em mim depositam. Reconheço a importância das minhas tarefas, estabeleço prioridades e respeito-as. Encaro os obstáculos sem desistir de encontrar soluções ou alternativas e reconhecendo as lições a tirar. Assumo as minhas acções, aceitando as consequências das mesmas para mim ou para os grupos a que pertenço. Auto-estima 04. Reconheço as características da minha personalidade. Reconheço que erro e comprometo-me a melhorar as minhas características menos positivas. Aceito as minhas próprias limitações, esforçando-me sempre por melhorar. Conheço bem as minhas capacidades e invisto no meu desenvolvimento. Coerência Partilho e defendo aquilo em que acredito de forma serena e fundamentada. Ajo, em cada dia, de acordo com as convicções e referências que vou tomando para mim, tendo consciência do testemunho que dou aos outros. Cortar pelo tracejado.

2 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO B-UP B-MORE Descoberta Conheço e compreendo a vida dos profetas. Conheço e percebo a vida de Jesus com os Apóstolos. Reconheço que cada membro da Igreja é diferente e que isso é importante e enriquece a comunidade. Desempenho Testo de forma responsável os limites do meu corpo e pratico actividades físicas que me permitem conseguir um desenvolvimento equilibrado. Aprofundamento Vivo a oração como parte do meu quotidiano e participo nas celebrações comunitárias. Conheço a perspectiva da Igreja sobre os temas principais a partir da fundamentação Bíblica. Aprofundo as razões da minha fé no contacto com as outras religiões. Auto-conhecimento Aceito as características próprias do meu corpo e respeito as diferenças físicas entre as pessoas. Reconheço que homens e mulheres têm características físicas diferentes e respeito os comportamentos e necessidades que vão surgindo. Serviço Defendo a vida humana como um valor absoluto. Sei o que é ser Sal da Terra e Luz do Mundo e ponho-me ao serviço dos outros. Bem-estar físico Faço escolhas saudáveis ao nível da minha alimentação, repouso e actividades físicas. Tomo as medidas necessárias para o meu bem-estar físico e ando aprumado. Conheço os malefícios das substâncias e comportamentos de risco e evito-os. Cortar pelo tracejado.

3 B-SMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL B-SMART B-AT Procura do conhecimento Procuro sempre aumentar os meus conhecimentos, diversificando as vivências. Sei onde procurar a informação e selecciono-a de acordo com as necessidades. Conheço as minhas aptidões, sou capaz de optar por uma área profissional ou de estudo e identificar outros domínios de interesse pessoal. Exercer activamente cidadania Conheço os meus deveres e direitos e promovo que, à minha volta, os outros os conheçam. Participo activamente nas comunidades em que me insiro, intervindo na promoção de causas comuns. Quando perco uma votação, aceito a decisão e trabalho nesse sentido. Resolução de problemas Sei avaliar as experiências que vivo e utilizo o que aprendo de forma criativa nas novas situações que enfrento. Analiso problemas, proponho soluções e escolho a mais adequada. Solidariedade e tolerância Identifico situações em que posso ser útil na resolução ou minimização de um problema social. Participo, sozinho ou em equipa, na resolução ou minimização de um problema social. Exponho as minhas ideias, respeitando e valorizando as dos outros. Criatividade e Expressão Assumo o desafio de criar ideias e projectos inovadores em que relaciono os meus conhecimentos e gostos. Apresento ideias e emoções de forma criativa, explorando diferentes técnicas e meios e adequando-as a quem me dirijo. Interacção e cooperação Valorizo as diferentes funções no grupo e desempenho o melhor possível aquelas que me são confiadas. Respeito as necessidades do grupo, nunca sobrepondo a minha liderança. Cortar pelo tracejado.

4 Pioneiros/Marinheiros Enquadramento: O jogo desenrola-se numa Galáxia distante. O Embaixador da Terra incumbiu cada elemento da sua equipa de ir a diferentes Planetas adquirir aquilo que lhe faltava para completar os seus Trilhos. Personagens: Existem 6 Planetas diferentes, com 6 embaixadores, cada um associado a uma área de desenvolvimento e a uma cor - Planeta B-Up (Espiritual) - Lilás - Planeta B-In (Carácter) - Azul - Planeta B-More (Físico) - Físico - Planeta B- Smart (Intelectual) - Laranja - Planeta B-With (Afectivo) - Vermelho - Planeta B-At (Social) - Amarelo Material: Cada Embaixador tem várias estrelas de cartolina da cor da sua Área de Desenvolvimento; num dos lados está escrito um dos trilhos dessa Área (existem estrelas para todos os trilhos, com possibilidade de se escrever o objectivo) Cada Pioneiro tem que ter o plano do seu progresso individual, onda consiga identificar facilmente os Trilhos que tem em falta Deve criar-se o ambiente de uma festa inter-galáctica; cada Pioneiro vai passar pelos vários Embaixadores e negociar com eles.

5 Como se joga? Cada Embaixador (que representa uma Área de Desenvolvimento) tem exposto os Trilhos que podem ser adquiridos pelos Pioneiros. (Ex: O Embaixador do Planeta B-With: Relacionamento e Sensibilidade; Equilíbrio emocional; Auto-estima) O Pioneiro vai escolher o Trilho que quer e negociar a Oportunidade que quer dar em troca para adquirir esse trilho. Quando ambos chegarem a consenso, é entregue ao Pioneiro a estrela do respectivo Trilho onde vai escrever (verso) a Oportunidade que negociou. Repete-se em todas as personagens. No final, todos os elementos deverão falar com o Embaixador da Terra (Chefe de Unidade), para lhe dar a conhecer as escolhas feitas e obter o seu consentimento. (e re-negociar o que se achar necessário). Os Embaixadores deverão ser os restantes elementos da Equipa de Animação, e devem conhecer a situação do progresso de cada elemento. O jogo pode ser executado todo de uma vez ou no decorrer de uma actividade maior. É só usar a imaginação. E no final colocar as oportunidades no painel do progresso

6 B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO Desempenho Auto-conhecimento 01/02 Testo de forma responsável os limites do meu corpo e pratico actividades físicas que me permitem conseguir um desenvolvimento equilibrado. Aceito as características próprias do meu corpo e respeito as diferenças físicas entre as pessoas. B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO Auto-conhecimento 02/02 Reconheço que homens e mulheres têm características físicas diferentes e respeito os comportamentos e necessidades que vão surgindo. B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO Bem-estar físico 01/03 Faço escolhas saudáveis ao nível da minha alimentação, repouso e actividades físicas. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 01/01 B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO

7 B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO Bem-estar físico 02/03 Tomo as medidas necessárias para o meu bem-estar físico e ando aprumado. Bem-estar físico 03/03 Conheço os malefícios das substâncias e comportamentos de risco e evito-os. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. B-MORE ÁREA DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO

8 Relacionamento e Sensibilidade 01/04 Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de conflitos. Relacionamento e Sensibilidade 02/04 Comprometo-me com o bem-estar da minha família. Relacionamento e Sensibilidade 03/04 Reconheço que existem diversas sensibilidades estéticas e partilho os meus gostos. Relacionamento e Sensibilidade 04/04 Encaro com naturalidade a minha sexualidade e procuro integrá-la harmoniosamente na minha vida, respeitando-me a mim e aos outros. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

9 Equilíbrio emocional 01/02 Ajo de forma ponderada e reflectida, respeitando os sentimentos dos outros. Equilíbrio emocional 02/02 Reconheço quando me excedo e esforço-me por corrigir o meu comportamento. Auto-estima 01/04 Reconheço as características da minha personalidade. Auto-estima 02/04 Reconheço que erro e comprometo-me a melhorar as minhas características menos positivas. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

10 Auto-estima 03/04 Aceito as minhas próprias limitações, esforçando-me sempre por melhorar. Auto-estima 04/04 Conheço bem as minhas capacidades e invisto no meu desenvolvimento. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

11 Autonomia 01/03 Escolho conscientemente as minhas referências e valores fundamentais. Autonomia 02/03 Sou capaz de fazer opções e de reconhecer as suas implicações. Autonomia 03/03 Estabeleço para mim, com regularidade, metas a atingir em várias áreas da minha vida. Responsabilidade 01/04 Correspondo à confiança que em mim depositam. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

12 Responsabilidade 02/04 Reconheço a importância das minhas tarefas, estabeleço prioridades e respeito-as. Responsabilidade 03/04 Encaro os obstáculos sem desistir de encontrar soluções ou alternativas e reconhecendo as lições a tirar. Responsabilidade 04/04 Assumo as minhas acções, aceitando as consequências das mesmas para mim ou para os grupos a que pertenço. Coerência 01/02 Partilho e defendo aquilo em que acredito de forma serena e fundamentada. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar.

13 Coerência 02/02 Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. Ajo, em cada dia, de acordo com as convicções e referências que vou tomando para mim, tendo consciência do testemunho que dou aos outros.

14 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Descoberta Descoberta 02/03 Conheço e compreendo a vida dos profetas. Conheço e percebo a vida de Jesus com os Apóstolos. B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Descoberta 03/03 Reconheço que cada membro da Igreja é diferente e que isso é importante e enriquece a comunidade. B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Aprofundamento 01/03 Vivo a oração como parte do meu quotidiano e participo nas celebrações comunitárias. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 01/03 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL

15 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Aprofundamento Aprofundamento 03/03 Conheço a perspectiva da Igreja sobre os temas principais a partir da fundamentação Bíblica. Aprofundo as razões da minha fé no contacto com as outras religiões. B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Serviço 01/02 Defendo a vida humana como um valor absoluto. B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL Serviço 02/02 Sei o que é ser Sal da Terra e Luz do Mundo e ponho-me ao serviço dos outros. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 02/03 B-Up ÁREA DE DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL

16 Procura do conhecimento 01/03 Procuro sempre aumentar os meus conhecimentos, diversificando as vivências. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Procura do conhecimento 03/03 Conheço as minhas aptidões, sou capaz de optar por uma área profissional ou de estudo e identificar outros domínios de interesse pessoal. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Procura do conhecimento 02/03 Sei onde procurar a informação e selecciono-a de acordo com as necessidades. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Resolução de problemas 01/02 Sei avaliar as experiências que vivo e utilizo o que aprendo de forma criativa nas novas situações que enfrento. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL

17 B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Resolução de problemas 02/02 Analiso problemas, proponho soluções e escolho a mais adequada. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL Criatividade e Expressão 01/02 Assumo o desafio de criar ideias e projectos inovadores em que relaciono os meus conhecimentos e gostos. Criatividade e Expressão 02/02 Apresento ideias e emoções de forma criativa, explorando diferentes técnicas e meios e adequando-as a quem me dirijo. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. B-WSMART ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL

18 B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Exercer activamente cidadania Exercer activamente cidadania 02/03 Conheço os meus deveres e direitos e promovo que, à minha volta, os outros os conheçam. Participo activamente nas comunidades em que me insiro, intervindo na promoção de causas comuns. B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Exercer activamente cidadania 03/03 Quando perco uma votação, aceito a decisão e trabalho nesse sentido. B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Solidariedade e tolerância 01/03 Identifico situações em que posso ser útil na resolução ou minimização de um problema social. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 01/03 B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

19 B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Solidariedade e tolerância Solidariedade e tolerância 03/03 Participo, sozinho ou em equipa, na resolução ou minimização de um problema social. Exponho as minhas ideias, respeitando e valorizando as dos outros. B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Interacção e cooperação 01/02 Valorizo as diferentes funções no grupo e desempenho o melhor possível aquelas que me são confiadas. B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Interacção e cooperação 02/02 Respeito as necessidades do grupo, nunca sobrepondo a minha liderança. Cortar pelo tracejado. Dobrar e colar. 02/03 B-At ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de. OBJECTIVOS EDUCATIVOS DE SECÇÃO III Secção Comunidade

Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de. OBJECTIVOS EDUCATIVOS DE SECÇÃO III Secção Comunidade PROGRAMA EDUCATIVO OBJECTIVOS EDUCATIVOS DE SECÇÃO III Secção Comunidade JUNTA REGIONAL DE LEIRIA ÁREA PERSPECTIVA EDUCATIVA TRILHOS OS OBJECTIVOS DE CADA TRILHO RELACIONAM-SE COM OBJECTIVO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

HUMANO DRAGÃO ÁREA DE DESENVOLVIMENTO AFECTIVO. Autonomia

HUMANO DRAGÃO ÁREA DE DESENVOLVIMENTO AFECTIVO. Autonomia HUMANO DRAGÃO ÁREA DE DESENVOLVIMENTO AFECTIVO Relacionamento e Sensibilidade Valorizar e demonstrar sensibilidade nas suas relações afectivas, de modo consequente com a opção de vida assumida. Respeitar

Leia mais

Complemento do. Diário de Percurso

Complemento do. Diário de Percurso Complemento do Diário de Percurso 2ª edição - Outubro de 2013 Introdução Se o Diário de Percurso deve ser inseparável da tua Caminhada, este complemento do Diário de Percurso, deverá estar sempre junto

Leia mais

Complemento do. Diário de Vivências

Complemento do. Diário de Vivências Complemento do Diário de Vivências 3ª edição - Outubro de 2015 Introdução Olá! Estás a chegar aos Escuteiros? Então estas palavras são para ti! É justo começar por te dar os parabéns por teres aceite

Leia mais

Catequese Paroquial e CNE Escutismo Católico Português

Catequese Paroquial e CNE Escutismo Católico Português 1º Ano Paroquial e CNE Escutismo Católico Português JESUS GOSTA DE MIM Proporcionar às crianças um bom acolhimento eclesial, pelos catequistas e por toda a comunidade cristã (cf CT 16 e 24). Ajudá-las

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

Catequese Adolescência Paróquia S. Salvador de Carregosa 8º ano/ º Período Objectivos Data Tema da catequese Objectivos Estratégias

Catequese Adolescência Paróquia S. Salvador de Carregosa 8º ano/ º Período Objectivos Data Tema da catequese Objectivos Estratégias Finalidade: Descobrir-se Cristão Objectivos: Participar na eucaristia Concretizar projecto comunitário (partilha fraterna) Tema do Período Em Diálogo 1 1º Período Objectivos Data Tema da catequese Objectivos

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga De: Para: Assunto: Data: Geração Sem Medo Lobitos, Exploradores, Pioneiros, Caminheiros e Dirigentes ARAE 2015 Oportunidades Educativas 07/10/2015 Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga Oportunidades

Leia mais

Planificação Anual Oficina de Teatro. 7.º Ano 3.º Ciclo. 1.º Semestre. Ano letivo: 2017/2018

Planificação Anual Oficina de Teatro. 7.º Ano 3.º Ciclo. 1.º Semestre. Ano letivo: 2017/2018 Planificação Anual Oficina de Teatro 7.º Ano 3.º Ciclo 1.º Semestre Ano letivo: 2017/2018 Calendarização Dimensão Sócio Afetiva N.º de aulas O indivíduo e o grupo. Desenvolver uma relação de pertença e

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO. Corpo Nacional de Escutas

PROGRAMA EDUCATIVO. Corpo Nacional de Escutas PROGRAMA EDUCATIVO Corpo Nacional de Escutas Texto aprovado no Conselho Nacional de Representantes, reunido em Fátima, no dia 21 de Novembro de 2009. Entrada em vigor no início do ano escutista 2010-2011

Leia mais

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos)

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) - No final da educação pré-escolar, a criança identifica as suas características individuais, manifestando um sentimento positivo de identidade e tendo consciência

Leia mais

Organização e Gestão do Desporto Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Organização e Gestão do Desporto Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Organização e Gestão do Desporto Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover: a iniciativa

Leia mais

DISCIPLINA: Educação Moral e Religiosa Católica ANO: 6.º ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Acolhimento

DISCIPLINA: Educação Moral e Religiosa Católica ANO: 6.º ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Acolhimento ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: Educação Moral e Religiosa Católica ANO: 6.º ANO LETIVO 2013/2014 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO. Corpo Nacional de Escutas

PROGRAMA EDUCATIVO. Corpo Nacional de Escutas PROGRAMA EDUCATIVO Corpo Nacional de Escutas Programa Educativo do Corpo Nacional de Escutas FICHA TÉCNICA: Título: Programa Educativo Autor: Secretaria Nacional Pedagógica - Corpo Nacional de Escutas

Leia mais

Metodologia do Projecto

Metodologia do Projecto Metodologia do Projecto Índice 1. O Método 2. As Actividades 3. O Projecto 4. Fases da Metodologia do Projecto 5. Papel do Dirigente 6. Notas soltas 1. O Método Escutista Fonte: Escutismo: um sistema educativo,

Leia mais

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO 14º CIP Oriental Casa do Gaiato Objectivos da UF Explicar a Missão do Escutismo Descrever os princípios fundamentais do Escutismo Explicar de que modo se vivem na Unidade

Leia mais

6 º ANO Unidade Letiva 1 - A Pessoa Humana METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história.

6 º ANO Unidade Letiva 1 - A Pessoa Humana METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA Escola Básica Fernando Caldeira Departamento de Ciências Humanas e Sociais Educação Moral e Religiosa Católica - 6º ano Ano letivo 2016/2017 Unidade Letiva 1 - A Pessoa

Leia mais

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo F Plano de Desenvolvimento Pessoal Escutista ( Candidato a Dirigente) O Plano de Desenvolvimento Pessoal Escutista consiste num

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil de aprendizagens específicas do aluno à saída 1.º Ciclo do Ensino Básico Tendo em atenção as características estruturais e humanas das Escolas

Leia mais

Criatividade e Inteligência Emocional

Criatividade e Inteligência Emocional Criatividade e Inteligência Emocional Formato do curso: Presencial Preço: 730 Nível: Intermédio Duração: 24 horas As emoções determinam em grande medida a direção da nossa vida, tanto no que se refere

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015 CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SÃO PEDRO DE LOUSA

Plano Anual de Atividades 2014/2015 CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SÃO PEDRO DE LOUSA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SÃO PEDRO DE LOUSA Mês Temas/conteúdos Atividades Objetivos gerais Intervenientes Espaço -Início do Ano Escolar; -Recepção dos Alunos. - Atividades de grupo; -Acolhimento e receção

Leia mais

Plano de Actividades Centro de Dia e Lar 2012

Plano de Actividades Centro de Dia e Lar 2012 de Reis Campeonato Regional de Boccia Sénior na Zona Centro Comemoração do Carnaval Cantar os reis pelas ruas da povoação de Aguim e pelos restaurantes que se encontram perto da Instituição. Realização

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA. Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva OBJETIVOS TRANSVERSAIS

PLANIFICAÇÃO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA. Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva OBJETIVOS TRANSVERSAIS PLANIFICAÇÃO ANUAL 2012.13 EDUCAÇÃO FÍSICA Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva OBJETIVOS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover: a

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 03/04 PLANIFICAÇÃO ANUAL º CICLO EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC)- 6ºANO Documento(s) Orientador(es): Programa de EMRC,aprovado pela Comissão

Leia mais

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover: a iniciativa e a responsabilidade pessoal,

Leia mais

AS DIMENSÕES DA INTELIGÊNCIA HUMANA. Livro Fonte: Educação: A Arte de Manejar o Caráter.

AS DIMENSÕES DA INTELIGÊNCIA HUMANA. Livro Fonte: Educação: A Arte de Manejar o Caráter. AS DIMENSÕES DA INTELIGÊNCIA HUMANA. Livro Fonte: Educação: A Arte de Manejar o Caráter. 1905 INTELIGÊNCIA RACIONAL - ALFRED BINET VISÃO UNITÁRIA DA INTELIGÊNCIA CÉREBRO INTELECTUAL TESTES DE QI INTELIGÊNCIA

Leia mais

Associação de Pais, Encarregados de Educação e Amigos dos Alunos da EB1/JI de Pinhal de Frades. Plano de Atividades 2013/2014

Associação de Pais, Encarregados de Educação e Amigos dos Alunos da EB1/JI de Pinhal de Frades. Plano de Atividades 2013/2014 Setembro Receção e Acolhimento dos alunos (dias 02 a 06) Integrar as novas crianças e promover a facilidade de interação no grupo Promover o bem-estar e o fácil convívio entre as crianças Atividades relacionadas

Leia mais

Plano Anual de Actividades do ATL 2016/2017

Plano Anual de Actividades do ATL 2016/2017 Setembro Acolhimento das crianças Organização dos espaços Regras e rotinas Promover a adaptação e readaptação das crianças Criar laços de afecto e confiança entre os adultos, as crianças e as famílias

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS GESTÃO DO PROGRAMA Cristina Pecante - Médica, Saúde Pública Fátima Neves - Enfermeira Especialista, Saúde Comunitária

Leia mais

PLANO DE CURSO OBJETIVO GERAL DA ÁREA DE ENSINO RELIGIOSO

PLANO DE CURSO OBJETIVO GERAL DA ÁREA DE ENSINO RELIGIOSO PLANO DE CURSO OBJETIVO GERAL DA ÁREA DE ENSINO RELIGIOSO O direito fundamental à educação inclui receber, na formação integral, a capacitação necessária ao exercício da cidadania. O Ensino religioso tem

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2016/2017

Plano Anual de Atividades 2016/2017 Plano Anual de 2016/2017 Colégio de Santa Clara Plano Anual de 2016/2017 Deus criou o Homem e a Natureza em sintonia perfeita. Corpo, alimento e movimento coexistem desde sempre, destinados a criar felicidade.

Leia mais

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática.

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática. Curso Animação Sociocultural Ano letivo 2015/2016 Unidade Curricular Ateliê de Expressão Dramática ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3.º Semestre 2.º semestre Horas de trabalho globais Docente (s) Marisa Filipa

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

Nome: Expedição 62 Santo Isidro. Agrupamento 379 A- dos- Cunhados. Áreas Desenvolvimento. Trilhos Aliança Rumo Descoberta

Nome: Expedição 62 Santo Isidro. Agrupamento 379 A- dos- Cunhados. Áreas Desenvolvimento. Trilhos Aliança Rumo Descoberta Nome: Áreas Desenvolvimento Trilhos Aliança Rumo Descoberta Relacionamento e Sensibilidade Afectivo Equilíbrio Emocional Autoestima Autonomia Carácter Responsabilidade Expedição 62 Santo Isidro. Agrupamento

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 3º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 3º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 3º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC) 2015-16 3 º ANO Unidade Letiva 1 A Dignidade das Crianças 1. Tomar consciência de que as crianças

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto Como pode a escola católica promover o desenvolvimento da inteligência espiritual? O A educação deve

Leia mais

5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto ACTIVIDADE 1: ACTIVIDADE 2:

5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto ACTIVIDADE 1: ACTIVIDADE 2: 5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo Saber gerir a mudança Reconhecer experiências de mudança Partilhar experiências de mudança ACTIVIDADE

Leia mais

Estratégias para gestão do stresse

Estratégias para gestão do stresse GESTÃO DO STRESSE Estratégias para gestão do stresse 1. Utilizar estratégias de coping adequadas 2. Saber parar e não forçar (saber dizer não e/ou delegar) 3. Saber controlar o próprio comportamento 4.

Leia mais

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS CURSO DE ININIAÇÃO PEDAGÓGICA (C.I.P.) MANUAL ÁREA C SER DIRIGENTE/EDUCADOR MÓDULO C.1 O PAPEL DO DIRIGENTE C.1.1 U.F. DESENVOLVIMENTO PESSOAL TEXTO

Leia mais

Plano Anual de Atividades Jardim de Infância. 1º período. Humana

Plano Anual de Atividades Jardim de Infância. 1º período. Humana Plano Anual Atividas Jardim Infância 1º período Ativida/ Ação Visita Estudo Abertura do ano letivo Dia Mundial da Alimentação Dia Internacional Eco-Escolas Objetivos Estratégicos Dimensão Académica Conduzir

Leia mais

O Sonho. Intervenção pela Arte. Educação para todos. Realização de espectáculos nacionais e internacionais. Associação/ Cooperativa

O Sonho. Intervenção pela Arte. Educação para todos. Realização de espectáculos nacionais e internacionais. Associação/ Cooperativa O Sonho Intervenção pela Arte Educação para todos Realização de espectáculos nacionais e internacionais Associação/ Cooperativa Estado de Arte O que tem acontecido em Portugal ao nível do serviço educativo?

Leia mais

CONSULTAS TRATAMENTO DESCRIÇÃO TEMPO VALOR PACOTES

CONSULTAS TRATAMENTO DESCRIÇÃO TEMPO VALOR PACOTES CONSULTAS TRATAMENTO DESCRIÇÃO TEMPO VALOR PACOTES Inner Coaching Sessões individuais para desenvolvimento do Eu Integral ou para orientação em áreas específicas da vida 1:30h 1ª sessão 80 Seguintes -------

Leia mais

Senhora Presidente da Assembleia da República. Senhor Conselheiro Presidente do Tribunal de Contas. Senhor Ministro dos Assuntos Parlamentares

Senhora Presidente da Assembleia da República. Senhor Conselheiro Presidente do Tribunal de Contas. Senhor Ministro dos Assuntos Parlamentares Senhora Presidente da Assembleia da República Senhor Conselheiro Presidente do Tribunal de Contas Senhor Ministro dos Assuntos Parlamentares Senhores Vice-Presidentes da Assembleia da República e Senhores

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 8.º ANO DE EMRC 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir as metas abaixo indicadas, nos seguintes domínios: Religião e Experiência Religiosa Construir uma chave de

Leia mais

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa.

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. A Cooperativa de Ensino O Nosso Sonho e a Ideia são duas Instituições associadas, sediadas na Freguesia

Leia mais

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010)

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) Ficha de Registo Avaliação do Desempenho Docente do Ensino Básico e

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

Regulamento Quadro de Valor

Regulamento Quadro de Valor Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Regulamento Quadro de Valor Ano Letivo 2015/16 Regulamento do Quadro de Valor Preâmbulo A escola, enquanto agente dinamizador de inovação social e cultural, deve

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL Numa perspectiva global pretende-se que no 2º ciclo os alunos Adquiram e aumentem conhecimentos: Sobre o conceito de sexualidade e as suas diferentes

Leia mais

Soft-skills / Comportamental

Soft-skills / Comportamental Soft-skills / Comportamental Liderança e trabalho em equipa Comunicação, gestão de conflitos e negociação Técnicas de apresentação Gestão do tempo e Reuniões eficazes 1 Hire on attitude, Train the skills

Leia mais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Competências gerais Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica toma

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM PLANIFICAÇAO DE OFICINA DE TEATRO ANO: 8º Ano ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/5

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM PLANIFICAÇAO DE OFICINA DE TEATRO ANO: 8º Ano ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/5 p.1/5 SÓCIO-AFECTIVA 1. Dinâmica do Grupo 2. Dinâmica Individual 0. Aprofundar a dinâmica do Grupo Reconhecimento da nova realidade do Grupo. Comunicação com o outro e com o Grupo. Argumentação e negociação

Leia mais

Centro Social Monsenhor Júlio Martins

Centro Social Monsenhor Júlio Martins Centro Social Monsenhor Júlio Martins Plano Anual de Atividades 2014/2015 Tema do Projeto Educativo: Brincar a Aprender Tema do Projeto Curricular de Turma: Descobrir com as emoções Sala dos 3,4 e 5 anos

Leia mais

Centro de Assistência Paroquial de Caria Jardim de Infância Girassol Creche

Centro de Assistência Paroquial de Caria Jardim de Infância Girassol Creche Centro de Assistência Paroquial de Caria Jardim de Infância Girassol Creche Plano Anual de Atividades Cresço e Aprendo com os Contos Ano Letivo 2015/2016 Educadora Sofia Pires Introduçã o O Plano Anual

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA Critérios de Avaliação de EMRC 2009 / 2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS A base dos critérios de avaliação para o Segundo, Terceiro Ciclos do Ensino Básico e para o Ensino

Leia mais

CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO

CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA 1ºAno e 2ºAno de escolaridade Domínios Competências Sabe escutar para reproduzir pequenas mensagens

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 2º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 5 º Ano

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 2º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 5 º Ano Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas º Ciclo ENSINO BÁSICO Planificação Anual de EMRC 5 º Ano º Periodo Unidade Letiva - Viver juntos Competências chave Metas Curriculares B. Construir

Leia mais

FICHA DE AVALIAÇÃO DO CANDIDATO A ESTUDANTE DO STNB

FICHA DE AVALIAÇÃO DO CANDIDATO A ESTUDANTE DO STNB FICHA DE AVALIAÇÃO DO CANDIDATO A ESTUDANTE DO STNB Nome do Candidato: INSTRUÇÕES: 1. Esta ficha de avaliação deve ser preenchida pelo pastor da igreja e anexada a documentação que encaminha o candidato

Leia mais

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Learning Outcomes Matrix, English Version Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Compilado por: LMETB Título do módulo Perfil pessoal Matriz dos resultados da aprendizagem Nível introdutório

Leia mais

Valorıze-se, organıze-se! Cláudio Ramos

Valorıze-se, organıze-se! Cláudio Ramos Valorıze-se, organıze-se! Cláudio Ramos Índice 8 A felicidade pode estar na valorização? Pode, digo eu! 11 1. CASA 13 COMPRAS E POUPANÇA 15 DECORAÇÃO 29 2. ROUPA 40 GUARDA-ROUPA BÁSICO: O Que Todas as

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova. Departamento Curricular de Expressões PROGRAMA DE ARTES PLÁSTICAS. (Reajustamento) 7º e 8º ano

Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova. Departamento Curricular de Expressões PROGRAMA DE ARTES PLÁSTICAS. (Reajustamento) 7º e 8º ano Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova Departamento Curricular de Expressões PROGRAMA DE ARTES PLÁSTICAS (Reajustamento) 7º e 8º ano 2016 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 2.1. COMPETÊNCIAS

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros Plano de Actividades Ano 2008/2009 Tema: A aventura dos livros 1 ACTIVIDADES DE ORGANIZAÇÃO Actividades Objectivos Intervenientes Calendarização Proceder à gestão de colecções. Organização e gestão do

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 Departamento de Expressões e Representação Ano Letivo 2012/2013 Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12º ano Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 1. Introdução à disciplina

Leia mais

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA Alguns mal entendidos têm circulado em torno da Técnica Escutista e de uma sua pretensa ausência no Programa Educativo resultante do processo de Renovação

Leia mais

Planificação de Religião do 1º Ciclo

Planificação de Religião do 1º Ciclo Planificação de Religião do 1º Ciclo CONSIDERAÇÕES GERAIS No Colégio dos Navegantes, a disciplina de Religião tem como grande objectivo ajudar cada aluno a descobrir o que é ser cristão e viver como cristão.

Leia mais

2º Ano Noção de corpo Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto. Actividade1. Actividade2

2º Ano Noção de corpo Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto. Actividade1. Actividade2 Noção de corpo Estruturar o conhecimento de si próprio, reconhecendo as modificações do corpo - Localizar no corpo os órgãos dos sentidos; - Reconhecer modificações do seu corpo; - Exploração de exercícios

Leia mais

Centro de Assistência Paroquial de Caria CATL CENTRO DE ATIVIDADES E TEMPOS LIVRES

Centro de Assistência Paroquial de Caria CATL CENTRO DE ATIVIDADES E TEMPOS LIVRES Centro de Assistência Paroquial de Caria CATL CENTRO DE ATIVIDADES E TEMPOS LIVRES Plano de Atividades 2015/2016 Semear o Futuro O tema anual do plano de atividades para o ano letivo 2015/16 tem como conceito

Leia mais

Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo. 1º Ciclo do Ensino Básico

Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo. 1º Ciclo do Ensino Básico Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo 1º Ciclo do Ensino Básico Ano lectivo 2009/2010 1 I. Introdução De acordo com a legislação em vigor (Portaria 72/2006 de 24 de Agosto), a avaliação deverá incidir

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Educação Física Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1º, 2º, 3º Ano Carga Horária: 80h/a (67/H) Docente Responsável: EMENTA

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Catarina José Camacho de Caires nº 6509

Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Catarina José Camacho de Caires nº 6509 Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto Didáctica da Expressões Expressão Dramática Plano de sessão Catarina José Camacho de Caires nº 6509 Sessão n.º 25 Idade

Leia mais

Sala: Berçário/transição Educadora: Idalina Barros

Sala: Berçário/transição Educadora: Idalina Barros Sala: Berçário/transição Educadora: Idalina Barros CALENDARIZAÇÃO TEMAS/CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS SETEMBRO Adaptação Os primeiros grupos sociais Observar e explorar activamente o seu meio

Leia mais

PLANO DE CURSO. ENSINO: Ensino Religioso ANO: 2016 PROFESSOR (A): Elâine Cristina Bento

PLANO DE CURSO. ENSINO: Ensino Religioso ANO: 2016 PROFESSOR (A): Elâine Cristina Bento Escola Estadual Virgínio Perillo venida José Bernardes Maciel, 471 Marília, Lagoa da Prata-MG Fone: (37) 3261-3222 E-mail: escolavirginioperillo@gmail.com PLNO DE CURSO ENSINO: Ensino Religioso NO: 2016

Leia mais

Plano de Atividades 2017

Plano de Atividades 2017 Plano de Atividades 2017 A finalidade da planificação de atividades socioculturais do Centro Social e Paroquial Pe. António Mendonça consiste na ocupação do utente e no seu envolvimento nas atividades,

Leia mais

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO: PLANO DE FORMAÇÃO A PLATAFORMA FITESCOLA COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS NA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E NO DESPORTO ESCOLAR RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

Leia mais

PRÁTICAS NA INTERVENÇÃO EM PROJETO EU E OS OUTROS

PRÁTICAS NA INTERVENÇÃO EM PROJETO EU E OS OUTROS PRÁTICAS NA INTERVENÇÃO EM C A D PROJETO EU E OS OUTROS ISABEL NUNES CONCEITO É um programa de prevenção universal dos problemas ligados aos comportamentos aditivos e dependências, dirigido a jovens entre

Leia mais

Projeto Clube Descobrir e Aprender com as brincadeiras

Projeto Clube Descobrir e Aprender com as brincadeiras Projeto Clube Descobrir e Aprender com as brincadeiras Atividade de Enriquecimento Curricular Docente: Carla Sofia Nunes Pote de Oliveira EB1/PE da Nazaré [2015/2016] Índice INTRODUÇÃO... 2 CARATERIZAÇÃO

Leia mais

Vogal de Missão Cadernos de Serviços

Vogal de Missão Cadernos de Serviços Vogal de Missão Cadernos de Serviços Nome: Conselho Local / Regional / Nacional Centro Local: A JMV é um Movimento Missionário. Alimenta o seu espírito nas fontes de ser Igreja e no seu próprio carisma

Leia mais

Centro de Dia e Convivio. Plano de atividades 2017

Centro de Dia e Convivio. Plano de atividades 2017 Centro de Dia e Convivio Plano de atividades 17 Os Centro de dia e Convivio constituem respostas sociais implementadas com o objetivo de contribuírem para a manutenção das pessoas no seu meio habitacional

Leia mais

EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA 4º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA 4º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA 4º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO BÁSICO 1ºCICLO Documento(s) Orientador(es): Programa de EMRC de 8 junho

Leia mais

CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO

CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO - 1ºAno e 2ºAno de escolaridade Domínios Competências Avaliação Sabe escutar para reproduzir pequenas mensagens e para

Leia mais

IMPLEMENTAR um projeto: Catequese Intergeracional

IMPLEMENTAR um projeto: Catequese Intergeracional IMPLEMENTAR um projeto: Catequese Intergeracional Iniciar um projeto numa paróquia/grupo de catequese supõe: Condições prévias Estar consciente da realidade antropológica, social e eclesial envolvente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

Centro de Ocupação de Tempos Livres de Santo Tirso Ano Letivo 2015/2016

Centro de Ocupação de Tempos Livres de Santo Tirso Ano Letivo 2015/2016 Ano Letivo 2015/2016 SETEMBRO Início do ano letivo Acolhimento das Jogos de interação Visita pelas instalações do ATL Conhecimento dos transportes e das pessoas e regras que os acompanham Proporcionar

Leia mais

Métodos de Estudo & Investigação Científica

Métodos de Estudo & Investigação Científica medir é saber! Existe um Ensino que tem por objecto separar os que se destinam a saber e governar dos que se destinam a ignorar e obedecer! ( in Filix) MÉTODOS DE ESTUDO Plano Analítico - MEIC 1. Introdução:

Leia mais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais Código Deontológico SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural Artigo 1.º Princípios gerais 1 - As intervenções de Medicina Natural são realizadas com a preocupação da defesa da liberdade

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano letivo de 2015/2016 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano letivo de 2015/2016 1 PROJETO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano letivo de 2015/2016 1 ÍNDICE PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 1 METAS DE APRENDIZAGEM... 4 COMPETÊNCIAS PEDAGÓGICAS... 6 INTERACÇÃO INSTITUIÇÃO/FAMÍLIA...

Leia mais

Técnicas de Animação Pedagógica. gica

Técnicas de Animação Pedagógica. gica Técnicas de Animação Pedagógica gica Educação SéniorS 1 A intervenção educativa com idosos deve incluir-se no quadro da educação de adultos. Idoso Adulto Segregação Categoria abrangente Áreas de Intervenção

Leia mais

CURSO PRÁTICO DE GESTÃO

CURSO PRÁTICO DE GESTÃO +351 21 00 33 892 CURSO PRÁTICO DE GESTÃO Código da Formação: 1660614 Preço: 1995 (+iva) Preço para particulares: 1535 Duração: 6 dias - 42 horas Local: LISBOA INSCREVA-SE LISBOA 1 até 31 Maio 2017 1 até

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades

Leia mais

REGRAS E ETAPAS DO PROJECTO AVENTURA NA CIDADE

REGRAS E ETAPAS DO PROJECTO AVENTURA NA CIDADE REGRAS E ETAPAS DO PROJECTO AVENTURA NA CIDADE I CONTEXTO DE JOGO No jogo existe sempre uma história que se passa num espaço/local desconhecido e onde se procura alguém ou alguma coisa. Características

Leia mais