MANUAL DE POLÍTICA DE CRÉDITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE POLÍTICA DE CRÉDITO"

Transcrição

1 MANUAL DE POLÍTICA DE CRÉDITO Nº 053/10 A Diretoria da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados e Servidores da Dersa, Secretaria de Estado dos Negócios dos Transportes e órgãos subordinados do Estado de São Paulo - COOPTRANSP, no uso de suas atribuições estatutárias, CONSIDERANDO: A disponibilidade financeira da Cooperativa, e o atendimento aos objetivos básicos das sociedades Cooperativistas, RESOLVE : Revogar o Manual de Política de Crédito nº 052/2010 Baixar normas regulamentando as concessões de empréstimos e limites de cartão de crédito, a partir de 01/10/2010 conforme abaixo: Art. 1º- Para concessão e pagamento dos empréstimos e limites de cartão de crédito, fica adotado o Salário Referência, que é o valor correspondente à soma do salário base ou renda mensal, acrescido das verbas fixas e vencimentos provenientes de aposentadoria/pensão por morte(se houver), descontado, quando aplicável, valor referente à pensão alimentícia paga pelo cooperado. Parágrafo 1º-As verbas fixas de que trata este artigo, serão definidas pelas empresas ou órgãos responsáveis, conforme classificado no Art.5º. Art.2º - Poderá habilitar-se a empréstimos e/ou solicitar cartão de crédito, o cooperado que na data da apresentação do pedido: Parágrafo 1º-Tenha recolhido no mínimo 01(Uma) parcela mensal de integralização de capital. Parágrafo 2º-Tenha pago no mínimo, 1/4(Um quarto) das parcelas em seu vencimento normal, prevalecendo o número inteiro ou quando houver disponibilidade de crédito de no mínimo 25% (Vinte e cinco por cento) do salário referência, isto posto, para os cooperados que vierem a renegociar o empréstimo. Parágrafo 3º-Tenha sua classificação de risco nos níveis A, B ou C, caso contrário deverão ser respeitadas as condições estabelecidas no Art.20º. 1

2 Art. 3º - Fica estabelecido que o desconto mensal não poderá superar a 25% (Vinte e cinco por cento) do salário referência, incluindo-se a capitalização mensal. Parágrafo 1º-Nos casos em que o associado perceba outros vencimentos originados de aposentadoria/pensão por morte, conforme estabelecido no Art. 1º, considerar-se-á o salário da ativa. Parágrafo 2º-Fica estabelecido que, em se tratando de conta corrente, valerá aquela cadastrada junto à Cooperativa, e nos casos de alteração da mesma, deverá ser encaminhada cópia de documento comprobatório para a devida alteração. Parágrafo 3º-O cooperado poderá optar pelo cadastro da sua conta corrente junto ao Banco do Brasil S/A ou Banco Santander S/A. Art. 4º-Modalidades de empréstimos/financiamentos e Cartão de Crédito: Parágrafo 1º: Modalidades, Prazos e Limites de Empréstimos/Financiamentos: MODALIDADES DE EMPRÉSTIMOS/ FINANCIAMENTOS Normal Especial Fácil Considerando-se dentro desse limite, aqueles estabelecidos para as modalidades: Normal e Especial. LIMITES 14(quatorze) vezes o valor da conta capital, limitado a 04(Quatro) salários referência 3 (Três) vezes o valor do salário referência + o valor do saldo da conta capital a) 02(Dois) salários referência, para associados com débito em folha de pagamento. b) 01(Um) salário referência para associados com débito em conta corrente. PRAZOS DE PARCELAMENTO ASSOCIADO COM DESCONTO EM FOLHA DE PAGAMENTO 36 parcelas com vencimento no último 60 parcelas com vencimento no último ASSOCIADO COM DESCONTO EM CONTA CORRENTE 24 parcelas com vencimento no quinto 36 parcelas com vencimento no quinto 36 parcelas com vencimento no último - 18 parcelas com vencimento no quinto 2

3 Emergência Compra Cooperada Financiamento Seguro Financiamento de Veículos de Antecipação da Restituição do Imposto de Renda Antecipação do 13º Salário ½(Meio) salário referência, Item II Letra A 14 (quatorze)vezes o valor da conta capital limitado a 04 (quatro)salários referência, Item II Letra B 14(quatorze) vezes o valor da conta capital limitado a 04(quatro) salários referência, Item II Letra C 08(Oito) salários referência, Item II Letra D 85% do valor a ser restituído com teto de 1,5(Um e meio)salário referência, Item II Letra E. a)até 25% do salário referência p/ associados com salário até R$ 5.000,00, b)até 20% do salário referência p/ associados com salário superior a R$ 5.000,00, Item II Letra F Ano Novo 95% do valor das sobras líquidas acumuladas, Item II Letra G 36 parcelas com vencimento no último 36 parcelas com vencimento no último 12 parcelas com vencimento no último a)60 parcelas para veículos novos ou até 05 anos de uso, b) 48 parc el as p/ veículos de 06 à 10 anos de uso com vencimento no último Parcela Única com vencimento na data do res pec ti vo pagamento da restituição do Imposto de Renda, efetuado pel a S e- cretaria da Receita Federal do Brasil Parcela Única com vencimento em 20 de dezem bro do respectivo ano de recebimento do 13º salário, respeitandose contudo a antecipação da data do pagamento efetuado pela empresa em função do calendário Parcela Única, com vencimento até 31/03 Não disponível 24 parcelas com vencimento no quinto 12 parcelas com vencimento no quinto a)60 parcelas para veículos novos ou até 05 anos de uso, b) 48 parc el as p/ veículos de 06 à 10 anos de uso com vencimento no quinto Parcela Única com vencimento na data do res pec ti vo pagamento da restituição do Imposto de Renda, efetuado pel a Secretaria da Receita Federal do Brasil Parcela Única com vencimento em 20 de dezem bro do respectivo ano de recebimento do 13º salário, respeitandose contudo a antecipação da data do pagamento efetuado pela empresa em função do calendário Parcela Única, com vencimento até 31/03 Item I -Valores das prestações: a) Para as modalidades Normal, Especial, Fácil, Emergência, Compra Cooperada, Financiamento de Seguro e Financiamento de Veículos, os limites são estabelecidos conforme Art. 3º, 3

4 b)para as modalidades com parcela única: Antecipação da Restituição do Imposto de Renda: Valor total do empréstimo atualizado até a data da efetiva liquidação, não podendo exceder a data de 31/12 do ano da respectiva Declaração do Imposto de Renda. Neste caso, o débito ocorrerá diretamente na conta corrente indicada pelo associado, ou na impossibilidade deverá ser quitada por outros meios pelo cooperado. Antecipação do 13º Salário: Valor total do empréstimo atualizado até a data da efetiva liquidação, não podendo exceder a data de 20/12. Neste caso, o débito da prestação ocorrerá diretamente na Folha de Pagamento do 13º salário do respectivo empregador ou na conta corrente, conforme Art. 3º - Parágrafo 2º. Na impossibilidade, o cooperado deverá quitar o saldo devedor por outros meios. Ano Novo: Valor total do empréstimo atualizado até a data da efetiva liquidação, não podendo exceder a data de pagamento das sobras líquidas. Item II-Regras específicas para as modalidades abaixo: a)empréstimo de Emergência: Poderá o cooperado habilitar-se à esta modalidade de empréstimo, independentemente de carência ou de empréstimo em curso. O Empréstimo de Emergência visa atender aos cooperados nas situações abaixo especificadas: Vítima de furto e/ou roubo de dinheiro próprio ou de terceiros, sob sua guarda; Vítima de furto e/ou roubo em sua residência; Vítima de Inundação, alagamento, desmoronamento, incêndio e/ou sinistro que afete sua residência; Vítima de Acidente de Trânsito com danos materiais e/ou pessoais(próprios e/ou de terceiros); Para atender casos de doença grave e/ou internação de dependentes; Para atendimento à funeral; Para aquele que esteja envolvido em processo de protesto; Em virtude de ocorrência de força maior, analisada e decidida pela Diretoria. 4

5 Antes da aprovação do empréstimo, será exigido a comprovação do motivo. b) Empréstimo para Compra Cooperada: Utilização exclusiva para a aquisição de bens ou serviços oferecidos pela cooperativa através de convênios firmados com os fornecedores. c)financiamento de Seguro: Utilização exclusiva para financiamento de Seguros oferecidos pela cooperativa, conforme convênio firmado. d) Financiamento de Veículos: Utilização exclusiva para financiamento de veículos Zero Quilômetro ou Usados, com até 10(dez) anos de uso, considerando-se o ano modelo. Para a obtenção deste financiamento, o cooperado deverá ter em conta capital o valor equivalente a 5% (Cinco por cento) do valor a ser financiado. e) Empréstimo de Antecipação da Restituição do Imposto de Renda: Para a obtenção deste empréstimo, o cooperado deverá efetuar o pedido no período entre 01 de março a 30 de novembro, apresentando cópia do recibo de entrega da declaração do imposto de renda, extrato da restituição do ano anterior e a Autorização de débito em conta corrente em 02(duas) vias. f) Empréstimo de Antecipação do 13º Salário: Para a obtenção deste empréstimo, o cooperado deverá efetuar o pedido no período entre 01 de julho a 30 de novembro. g) Empréstimo Ano Novo: Utilização exclusiva para a antecipação dos valores referentes às sobras líquidas acumuladas até o mês de novembro do ano anterior, podendo ser efetuado no período entre 01 a 31 de janeiro. Item III Carência para inicio de pagamento de prestação: Todos os associados, no ato da concessão do empréstimo, poderão optar em iniciar o pagamento das prestações com uma carência de até 02(dois) meses, a contar da data do vencimento normal. 5

6 Item IV- Os associados afastados por doença/acidente, mediante comprovação, terão direito à adequação do valor para desconto da prestação aos vencimentos pagos pelo INSS, Órgãos Federal, Estadual e/ou Municipal com ou sem complementação da Empresa, conforme estabelece o Artigo 3º, inclusive optar pela manutenção do(s) prazo(s) do(s) contrato(s). Parágrafo 2º-Cartão de Crédito a) Limite de Crédito: 70%(Setenta por cento) do Salário Referência; b) Vencimento: O vencimento do cartão ficará a critério do cooperado; c) Prestação: O crédito rotativo será financiado pela própria administradora do cartão, desde que não haja inadimplência do cooperado superior a 60(sessenta) dias para o cartão Bancoob Visa e 80(oitenta) dias para o cartão Sicoobcard Mastercard. Caso isto ocorra, o cooperado terá seu cartão cancelado, e deverá negociar o pagamento do respectivo saldo devedor diretamente com a Cooperativa em até 12(doze) parcelas, utilizando os limites de crédito estabelecidos neste Manual de Política de Crédito. d) O Cartão cancelado, somente poderá ser reabilitado após o período de carência, conforme abaixo: 1) cancelamento pela primeira vez: carência de 1 (um) ano para novo pedido; 2) cancelamento pela segunda vez: carência de 2 (dois) anos para novo pedido; 3)e assim sucessivamente, lembrando que o prazo será dobrado para compor a nova carência a cada cancelamento. e)parâmetros e critérios das operadoras de cartão de crédito Bancoob Visa e Sicoobcard Mastercard: 6

7 Juros Crédito rotativo cobrado pela administradora... + Receita da cooperativa... Total cobrado do associado:... Juros s/ saque cobrado p/ administradora:... + Receita da cooperativa:... Total cobrado do associado:... Multa por atraso cobrada pela administradora proporcional ao nº de dias:... Receita da cooperativa:... Anuidade cartão titular cobrada pela administradora:... Receita da cooperativa:... Total cobrado do associado:... Obs.: Para o cartão Sicoobcard Mastercard a cobrança da Taxa de anuidade do cartão titular será efetuada após 12(doze) meses de carência. Anuidade cartão adicional cobrada pela administradora:... Receita da cooperativa:... Total cobrado do associado:... Receita da cooperativa sobre compras com o BANCOOB VISA 4,5% 1,5% 6,0% 4,5% 1,5% 6,0% 2,0% 100,0% R$ 90,00 R$ 10,50 R$ 90,00 R$ 45,00 R$ 5,25 R$ 45,00 SICOOBCARD MASTERCARD 2,5% 1,4% 3,9% 2,5% 1,4% 3,9% 2,0% 100,0% R$ 48,00 R$ 0,00 R$ 48,00 R$ 3,50 R$ 0,00 R$ 0,00 cartão:... 0,0% 0,8% Parcelamento de anuidades: vezes 04 vezes Limites:... Rotativo Rotativo e Parcelado f)haverá desconto no pagamento da anuidade com os seguintes percentuais: 50% nos casos em que o valor das compras realizadas no ano anterior for igual ou superior a R$ 6.000,00(Seis mil reais) e 100% nos casos em que o valor das compras realizadas no ano anterior for igual ou superior a R$ ,00(Doze mil reais). g)para os associados que migrarem do cartão Bancoob Visa para o cartão Sicoobcard Mastercard, estes poderão parcelar o saldo devedor do primeiro cartão em até 12(doze) vezes, sem comprometer seus limites de crédito normal ou especial na cooperativa. Parágrafo 3º- O cooperado poderá utilizar-se simultaneamente de qualquer modalidade de empréstimos, bem como possuir mais de 01(Um) empréstimo da mesma modalidade, desde que, seja respeitado o limite de prestação, conforme Art. 3º e também os respectivos limites de capital em separado, para que seja mantido o percentual de 7

8 garantia, exceto para os empréstimos nas modalidades:emergência, Antecipação da Restituição do Imposto de Renda, Antecipação do 13º Salário, Ano Novo e de Migração para o cartão Sicoobcard Mastercard. Parágrafo 4º- O valor mínimo de empréstimo a ser concedido será de R$ 150,00(Cento e cinqüenta reais), exceto para a modalidade de Migração para o cartão Sicoobcard Mastercard. Parágrafo 5º- Observar-se-á a progressão de arredondamento dos empréstimos e limite de cartão de crédito conforme abaixo: a)até R$ 50,00 (Cinqüenta reais) imediatamente superior para as modalidades de empréstimos: Normal, Especial, Fácil, Emergência e Financiamento de Veículos; b)até R$ 10,00 (Dez reais) imediatamente superior, nas modalidades de empréstimos: Antecipação da Restituição do Imposto de Renda, Antecipação do 13º salário e Ano Novo. c)até R$ 50,00(Cinqüenta reais) imediatamente superior para o limite de cartão de crédito, devendo ser respeitado contudo, os limites constantes nas Tabelas das Administradoras, para a concessão do crédito. d) Estão excluídas da possibilidade de arredondamento, as modalidades de empréstimos: Compra Cooperada, Financiamento de Seguro e de Migração para o cartão Sicoobcard Mastercard. Parágrafo 6º- Os prazos de empréstimos/financiamentos estipulados no parágrafo 1º deste Artigo, não se aplicam aos associados prestadores de serviços, devendo ser utilizado o prazo de vigência restante do contrato de prestação de serviços com a entidade. Parágrafo 7º- Nas solicitações de novos empréstimos, exceto da modalidade Empréstimo Fácil, o cooperado deverá atender aos prazos fixados nos empréstimos conforme Parágrafo 1º deste Artigo, mesmo que o contrato tenha 8

9 sido assinado anteriormente a este Manual de Política de Crédito. Art. 5º- Para identificação do associado junto à Cooperativa serão adotados os Registros Internos abaixo discriminados: Parágrafo 1º - CLASSIFICAÇÃO DOS ASSOCIADOS COM DESCONTO EM FOLHA DE PAGAMENTO I- FUNCIONÁRIOS/SERVIDORES DAS EMPRESAS Nº DE REGISTRO Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A a CIA.Docas de São Sebastião a Associação dos Funcionários da Dersa AFD a CCMES da Dersa, Sec. de Est. dos Neg. Transp.e órgãos subordinados do Estado de São Paulo Cooptransp a Parágrafo 2º - CLASSIFICAÇÃO DOS ASSOCIADOS COM DESCONTO EM CONTA CORRENTE I - FUNCIONÁRIOS/SERVIDORES DAS EMPRESAS Nº DE REGISTRO Secretaria de Estado dos Negócios dos Transportes a Daesp -Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo a DER - Departamento de Estradas de Rodagem a DH - Departamento Hidroviário a Artesp Agência Reguladora de Serviços Públicos a Delegados de Transporte do Estado de São Paulo II OUTROS Nº DE REGISTRO Viúvos(a)/Pensionista de Associado Falecido a Dependentes Legais a Prestadores de Serviços/Ocupantes de Cargos em a Comissão Aposentados a Art. 6º- O associado poderá optar em receber o valor do seu empréstimo, através de cheque nominal ao próprio, desde que o valor líquido do mesmo seja igual ou superior a R$ 3.000,00(Três mil reais), exceto para o caso de Empréstimo de Emergência, que poderá ter emissão de cheque inferior ao valor estipulado acima. I- Será repassado ao associado a tarifa cobrada pelos bancos para emissão de cheques com valor igual ou superior a R$ 5.000,00(Cinco mil reais); II-Estão excluídas dessa opção, os empréstimos das seguintes modalidades:compra Cooperada e Financiamento de Seguro de Veículos financiados pela Cooperativa. 9

10 Art.7º- Se as solicitações de empréstimos forem superiores à disponibilidade de recursos, haverá processo seletivo dos pedidos, na seguinte ordem de prioridade para atendimento: a) Ao cooperado que não tenha contraído empréstimo anteriormente; b) Ao cooperado que tenha quitado empréstimo há mais tempo; c) Na ocorrência de empate entre as solicitações, considerar-se-á a data mais antiga de admissão na cooperativa. Art.8º- Encargos incidentes sobre os empréstimos conforme modalidades abaixo: Parágrafo1º - Empréstimo: Normal, Especial, Fácil, Emergência, Compra Cooperada, Financiamento de Seguro e Parcelamento do saldo devedor de Cartão de Crédito: I- Atualização Monetária pela Taxa Referencial de Juros (TR), ou outro índice que venha a ser determinado pelo Governo para remunerar a Caderneta de Poupança; II-Taxa de Juros conforme tabela abaixo: PRAZO DE PARCELAMENTO EM Nº DE MESES TAXA DE JUROS MENSAL TAXA DE JUROS ANUAL De 01 a 06 1,302121% 16,794516% De 01 a 12 1,504018% 19,618625% De 01 a 60 1,695821% 22,359384% Parágrafo 2º-Empréstimos com parcelamento único: Antecipação da Restituição do Imposto de Renda, Antecipação do 13º Salário e Ano Novo. I-Atualização Monetária pela Taxa Referencial de Juros (TR), ou outro índice que venha a ser determinado pelo Governo para remunerar a Caderneta de Poupança; II-Taxa de Juros mensal de 1,695821% (Um vírgula sessenta e nove cinqüenta e oito vinte e um por cento); III-A Taxa de Juros anual efetiva de 22,359384% (Vinte e dois vírgula trinta e 10

11 cinco noventa e três oitenta e quatro por cento). Parágrafo 3º- Empréstimo para Financiamento de Veículos: I-Atualização Monetária pela Taxa Referencial de Juros (TR), ou outro índice que venha a ser determinado pelo Governo para remunerar a Caderneta de Poupança; II-Taxa de Juros mensal de 1,302121% (Um vírgula trinta vinte e um vinte e um por cento); III-A Taxa de Juros anual efetiva de 16,794516% (Dezesseis vírgula setenta e nove quarenta e cinco dezesseis por cento). Parágrafo 4º- Caso não ocorra a publicação em tempo hábil, do índice da Taxa Referencial de Juros(TR), ou outro índice que venha a ser determinado pelo Governo para remunerar a Caderneta de Poupança, a fim de possibilitar o desconto das prestações de empréstimo na folha de pagamento ou na conta corrente, será utilizado o índice do mês imediatamente anterior, cuja diferença será compensada na amortização do mês seguinte. Parágrafo 5º- Nos casos de débitos em atraso, serão cobrados multa de 2%(Dois por cento) e juros de 1%(Um por cento) ao mês. Art. 9º- O total da atualização monetária e Taxa de Juros referidos no Artigo anterior, incorporar-se-ão ao montante do empréstimo, constituindo o valor global da dívida contraída. Art.10º- Os pedidos de empréstimos recebidos na Sede da Cooperativa até às 12:00 horas e aprovados pela Diretoria, serão atendidos de acordo com a disponibilidade financeira da Cooperativa e serão liberados diariamente com atendimento até às 24:00 horas do mesmo dia do recebimento da proposta. Parágrafo 1º- Empréstimos em caráter de emergência conforme estabelecido no Item II Letra A do parágrafo 1º, Artigo 4º, poderão ser creditados na Conta Corrente do cooperado de imediato. Parágrafo 2º- Quando houver feriado ou não houver expediente nas empresas relacionadas no Artigo 5º, os empréstimos serão creditados no dia útil imediatamente posterior. 11

12 Art.11º- A cooperativa reserva-se o direito de proceder à confirmação de valores salariais declarados pelo cooperado, para efeito de fixação do valor de empréstimo, para tanto, necessita da apresentação de holerite quando da solicitação do empréstimo. Art.12º-São exigências para a concessão de empréstimos/financiamentos e Cartão de Crédito: Parágrafo 1º-Efetuar consulta do CPF do associado tomador de empréstimo/financiamento ou cartão de crédito no SCPC/Serasa ou SCR Sistema Central de Risco de Crédito do Banco Central do Brasil. I. No caso do CPF do associado tomador do crédito constar restrição junto a esses órgãos, este deverá apresentar avalista; II. III. O avalista apresentado não poderá ter restrição do seu CPF junto aos mesmos órgãos de proteção de crédito, e deverá atender as exigências conforme Parágrafo 2º - Itens II e III deste Artigo; Excetua-se da exigência de consulta aos órgãos de proteção ao crédito, inclusive a dispensa de avalista: 1. os contratos de empréstimos destinados a refinanciamento de dívida em atraso (inadimplência); 2. parcelamento do saldo devedor de cartão de crédito cancelado por inadimplência; 3. os contratos liberados desde que o valor do empréstimo somado ao saldo devedor (se houver), for menor ou igual ao saldo da conta capital do solicitante. Parágrafo 2º- Empréstimos nas modalidades: Normal, Especial, Financiamento de Seguro, Antecipação da Restituição do Imposto de Renda: 12

13 I- Assinatura do Contrato de Empréstimo sob consignação em Folha de Pagamento ou Conta Corrente, aceite e endosso de Nota Promissória pelo solicitante e seu avalista, com vencimento à vista, ou ainda, sem a definição do vencimento; II- Assinatura do Termo de Autorização para Prestar Aval: a) No caso de avalista associado, juntar: Cartão de Assinaturas do Avalista e Cônjuge/Companheiro(a), se houver; Cópia simples do RG e CPF do Cônjuge/Companheiro(a), se houver; b) No caso de avalista não associado, juntar: Cópias simples do RG e CPF do avalista e do seu cônjuge, se houver, Comprovante de endereço do avalista; Cópia simples do último holerite do avalista; Termo de Autorização para prestar aval, com firma reconhecida em cartório, inclusive do cônjuge, se houver. III Apresentação de avalista, atendendo os critérios abaixo: a) Esteja em uma das seguintes condições: Associados funcionário/empregado nas empresas relacionadas no Artº 5º - Parágrafos 1º e 2º; Empregado em empresa no regime CLT ou Estatutário; Aposentado; Pensionista. b) Não esteja compromissado com mais de 02(Dois) associados tomadores de empréstimos ainda não liquidados. c) Possua salário-referência de no mínimo 70%(setenta por cento) do salárioreferência do associado tomador de empréstimo, inclusive nos casos em que o avalista é Aposentado, Pensionista ou afastado do trabalho por motivo de doença. 13

14 Excepcionalmente serão aceitos até 02(dois) avalistas para compor o percentual acima. d) Não esteja inadimplente a mais de 15 (quinze) dias em qualquer modalidade de empréstimo/financiamento na cooperativa. IV-O empréstimo de Antecipação da Restituição do Imposto de Renda será concedido com a dispensa de avalista, até o limite de 01(Um) salário referência e com o teto de R$ 5.000,00. V- Para associados com idade superior a 75 anos de idade será exigido avalista para toda e qualquer modalidade de empréstimo que superar o valor da sua conta capital, em função do estabelecido no Parágrafo 3º - Art. 17º. Parágrafo 3º Empréstimos nas modalidades: Emergência, Compra Cooperada, Antecipação do 13º Salário, Ano Novo e Fácil: I -Assinatura do Contrato de Empréstimo sob consignação em Folha de Pagamento ou Conta Corrente, aceite e endosso de Nota Promissória pelo solicitante, com vencimento à vista, ou ainda, sem a definição do vencimento; II- Para o empréstimo de Compra Cooperada que o valor superar a 25% (Vinte e cinco por cento) do salário referência do associado tomador do empréstimo, será exigido as condições estabelecidas no parágrafo 1º deste artigo. Parágrafo 4º- Empréstimo na modalidade: Financiamento de Veículos: I - Assinatura do Contrato de Empréstimo sob consignação em Folha de Pagamento ou Conta-Corrente pelo solicitante e de 02(duas) testemunhas, aceite e endosso de Nota Promissória pelo solicitante, com vencimento à vista, ou ainda, sem a definição do vencimento; II -Que as testemunhas sejam cooperadas; 14

15 III-Que seja feito seguro total(colisão, Incêndio, Roubo e Danos Materiais/Corporais a Terceiros) do Veículo financiado durante a vigência do Contrato. O seguro e as renovações deverão ser pagos à vista, exceto nos casos de convênio com desconto em folha de pagamento através da Associação da Empresa.O prazo mínimo de vigência é de 12(doze) meses, exceto nos casos de endosso; IV-É obrigatória a vistoria de chassi e motor para veículos financiados adquiridos de particular, a vistoria aqui tratada deverá ser realizada em empresa credenciada pelo Detran, conforme resolução do Contran nº 199 de 25/08/2007; V- Documentação completa para que seja procedida a transferência do referido veículo para o cooperado, com a Reserva de Alienação Fiduciária à Cooperativa; VI-No caso da constatação de restrição no CPF do associado, o financiamento somente será liberado se esse associado já possuir seguro de automóvel em seu nome. Porém, deverão ser analisadas quais as restrições existentes. VII Será repassado ao associado tomador do financiamento o valor correspondente à Taxa de inclusão de Gravame/Sircof, que é cobrada da Cooptransp pela empresa operadora conveniada do Detran/SP. Parágrafo 5º -Cartão de Crédito: I - Apresentação da Proposta de Adesão e Contrato devidamente preenchidos e assinados, anexando cópia do CPF, RG e Comprovante de Residência e/ou Comprovante do Endereço indicado para a entrega do cartão. II- Aceite e endosso de Nota Promissória pelo solicitante, com vencimento à vista e sem a especificação do valor, acompanhada do Termo de Autorização para Prestar Aval, quando o associado apresentar restrição no seu CPF. 15

16 Parágrafo 6º - Empréstimos solicitados via , sem a exigência de avalista: I- Assinatura do Contrato de Abertura de Crédito sob consignação em folha de pagamento ou conta corrente, que abrangerá todas as modalidades de empréstimos; II-Aceite e endosso de Nota Promissória pelo solicitante, com vencimento à vista e sem a especificação do valor. Art.13º-O Cooperado devedor de empréstimo, está obrigado à imediata substituição do avalista que perder o vínculo empregatício, exceto se for aposentado ou pensionista e atender ao limite mínimo de renda, estabelecido no Art. 12º - Parágrafo 1º - Item III Letra C. Art.14º-O eventual crédito do avalista desligado do quadro de associados da Cooperativa, será pago após sua substituição, exceto se for aposentado ou pensionista e atender ao limite mínimo de renda, estabelecido no Art. 12º - Parágrafo 1º - Item III Letra C. Art. 15º-É facultado ao cooperado a liquidação antecipada do saldo de empréstimos/financiamentos, nas seguintes condições: Parágrafo 1º- Amortização parcial com recursos próprios, até o dia 14 (quatorze) de cada mês, exceto para os empréstimos de Antecipação do Imposto de Renda e de Antecipação do 13º Salário, que poderão ocorrer a qualquer data; Parágrafo 2º-Amortização total com recursos próprios, à qualquer data. Parágrafo 3º-Para o Empréstimo Ano Novo fica vedada a amortização parcial ou total do empréstimo. Art.16º-As liquidações referidas no Artigo anterior recairão sobre o saldo atualizado do empréstimo, até a data da liquidação. Art.17º- Em caso de desligamento decorrente de perda de vínculo empregatício, o cooperado pagará o saldo de empréstimo atualizado com os encargos, conforme Art.8º, proporcionalmente ao número de dias decorridos no mês, até a data do efetivo pagamento e para os associados com cartão de crédito é obrigatória a devolução do mesmo para fins de cancelamento, ficando este responsável por débitos que ocorrerem até a respectiva data. 16

17 Parágrafo 1º- É vedada a amortização parcial para os casos de que trata este artigo, exceto para os associados que migrarem para a condição de aposentado ou pensionista, devendo neste caso ser verificada a necessidade da renegociação do saldo devedor ou a adequação dos limites conforme Parágrafo 1º - Art.4º; Parágrafo 2º- Enquadram-se neste artigo, inclusive no parágrafo anterior, o associado Dependente Legal em que seu Titular se desligar do quadro de associado da Cooperativa; Parágrafo 3º- Nos casos de falecimento ou invalidez permanente total por acidente ou doença do associado, o débito excedente ao capital será quitado através do Seguro Prestamista conforme condições abaixo: Associado com até 65(sessenta e cinco) anos de idade, com valor de débito até R$ ,00 (Cento e cinqüenta mil reais); Associado com mais de 65(sessenta e cinco) anos e até 75(setenta e cinco) anos de idade, com valor de débito até R$ ,00 (Vinte mil reais); Para novas inclusões e alterações, a aceitação se dará mediante ao preenchimento e envio da proposta de adesão para valores de saldo devedor superiores a R$ ,00ICinquenta mil reais), para os associados(proponentes) até 65 anos de idade; Para associados(proponentes) de 65 anos em diante e com saldo devedor superior a R$ 1.000,00(Hum mil reais), a aceitação se dará mediante ao preenchimento e envio da proposta de adesão. Art.18º-A aprovação e liberação dos empréstimos, independente da sua modalidade, estão condicionadas à assinatura de 02(dois) Diretores, sendo obrigatório que pelo menos uma dessas assinaturas seja de um dos integrantes da Diretoria Executiva. 17

18 Art.19º-Para fins de avaliação do risco de crédito de empréstimos superiores a R$ ,00 (Cinqüenta mil reais) é exigido a adoção dos critérios conforme discriminação abaixo: P O N T O S P O N T O S P O N T O S VALOR DO EMPRÉSTIMO A T É 5 % P R C O O P E R A T I V A ( 1 0 ) A C I M A D E 5 A T É 1 0 % ( 5 ) A C I M A 1 0 % ( 2, 5 ) S A L Á R I O S U P E R I O R A O ( 1 0 ) I N F E R I O R A T É 5 0 % ( 5 ) I N F E R I O R À ( 2, 5 ) E M P R É S T I M O E M P R É S T I M O 5 0 % E M P R É S T I M O T E M P O D E S U P E R I O R A 0 3 ( 1 0 ) E N T R E 1 E 2, 9 A N O S ( 5 ) I N F E R I O R A ( 2, 5 ) E M P R E S A ( T R Ê S ) A N O S 0 1 ( U M ) A N O C A P I T A L A T É E M P R É S T I M O. ( 1 0 ) A T É 5 0 % E M P R É S T I M O ( 5 ) I N F E R I O R A 5 0 % E M P R È S T I M O ( 2, 5 ) N º D E P A R C E L A S A T É 1 2 ( D O Z E ) ( 1 0 ) E N T R E 1 3 E 1 8 ( 5 ) A C I M A D E 1 8 ( 2, 5 ) P A R C E L A S P A R C E L A S P A R C E L A S O R I G E M R E C U R S O S C A P I T A L / R E P A S S E ( 1 0 ) S A L D O M É D I O D P / D V ( 5 ) O U T R O S ( 2, 5 ) G A R A N T I A S S E G U R O / C A P I T A L ( 1 0 ) A V A L I S T A / R E A L ( 5 ) O U T R O S ( 2, 5 ) F O R M A D E R E C E B I M E N T O F O L H A P A G T O. ( 1 0 ) D É B I T O E M C / C ( 5 ) O U T R O S ( 2, 5 ) E M P R É S T I M O S A T É 1 5 D I A S ( 1 0 ) D E 1 6 A 3 0 D I A S ( 5 ) A C I M A 3 0 ( 2, 5 ) A N T E R I O R E S A T R A S O D I A S S E T O R / F U N Ç Ã O - T R A B A L H O F U N Ç Ã O A ( 1 0 ) F U N Ç Ã O B ( 5 ) F U N Ç Ã O C ( 2, 5 ) Parágrafo 1º- No item Garantias, os casos em que o empréstimo somado ao saldo devedor(se houver) for menor ou igual ao saldo da conta Capital do solicitante, terão pontuação igual a (10). Parágrafo 2º- O item Setor/Função-Trabalho está dividido em três tipos de funções com a seguinte classificação: I- Função A Funcionários e Servidores ativos; II-Função B Aposentados(as), Viúvos(as) e Pensionistas; III-Função C Dependentes Legais, Prestadores de Serviços e Ocupantes de Cargos em Comissão. Art.20º - Concessão de Crédito aos associados classificados pelo sistema do Sicoob Central Cecresp nos Níveis de Risco D em diante: 18

19 Parágrafo 1º - O refinanciamento de empréstimos para os associados classificados no nível de risco D, fica condicionado ao pagamento de 30%(trinta por cento) do número das prestações do contrato vigente, independente da sua modalidade. Entretanto, serão concedidos normalmente, as modalidades de Antecipação do 13º salário, Antecipação da Restituição do Imposto de Renda, Fácil e Cartão de Crédito, desde que não haja inadimplência. Parágrafo 2º - O refinanciamento de empréstimos para os associados classificados no nível de risco E, fica condicionado ao pagamento de 50%(Cinqüenta por cento) do número das prestações do contrato vigente, independente da sua modalidade. Não será permitida a concessão de novos empréstimos nas modalidades de Antecipação do 13º salário, Antecipação da Restituição do Imposto de Renda, Fácil e Cartão de Crédito. Parágrafo 3º -Não será permitido o refinanciamento e/ou liberação de novos créditos, inclusive Cartão de Crédito, para os associados classificados nos níveis de risco do F ao H, até a liquidação do(s) contrato(s) vigente(s). Liquidado(s) o(s) contrato(s), a Diretoria, após a análise de risco do associado, poderá conceder novo empréstimo, podendo exigir maiores garantias, dentre elas o avalista, para qualquer uma das modalidades e prazos menores para o pagamento. Parágrafo 4º A classificação dos níveis de risco dos associados será estipulada conforme o Sistema Operacional SIC 2000 do Sicoob Central Cecresp, que utiliza como parâmetros a tabela abaixo, regulamentada pelo Banco Central do Brasil. 19

20 TABELA DE CONTABILIZAÇÃO PONTUAÇÃO NÍVEL DE PERCENTUAL PROCEDIMENTO RISCO DE RISCO 91 a 100 AA 0% CONCEDER NORMALMENTE 81 a 90 A 0,5% CONCEDER NORMALMENTE 71 a 80 B 1% CONCEDER NORMALMENTE 61 a 70 C 3% CONCEDER NORMALMENTE 51 a 60 D 10% Artº 20º Parágrafo 1º 41 a 50 E 30% Artº 20º Paràgrafo 2º 31 a 40 F 50% Artº 20º Parágrafo 3º 21 a 30 G 70% Artº 20º Parágrafo 3º 0 a 20 H 100% Artº 20º Parágrafo 3º Art.21º- Nos casos de associados inadimplentes, fica estabelecido a seguinte forma de Cobrança: Parágrafo 1º- Após o 3º(terceiro) dia útil subseqüente ao do vencimento da prestação, será encaminhada Correspondência Externa(CE) ao associado inadimplente, informando-o apenas sobre o débito em questão; Parágrafo 2º- Após o 7º(sétimo) dia útil do envio da CE conforme parágrafo 1º, e não tendo havido pagamento da prestação, será encaminhada nova Correspondência Externa(CE) ao associado inadimplente, reiterando o assunto, desta vez com cópia para o avalista; Parágrafo 3º- Após o 7º(sétimo) dia útil do envio da CE conforme parágrafo 2º, e não tendo havido pagamento da prestação, será encaminhada outra Correspondência Externa(CE) ao associado inadimplente, com cópia para o avalista, informando sobre a tomada de medidas cabíveis; Parágrafo 4º- Esgotadas as tentativas de negociação com o associado devedor, após 15(quinze) dias, o mesmo terá seu nome incluído no SCPC/SERASA; Parágrafo 5º- Após o 7º(sétimo) dia útil após a inclusão do nome do devedor no SPC/Serasa conforme parágrafo 4º, e não tendo havido pagamento da prestação, será encaminhada Correspondência Externa(CE) ao associado inadimplente, com cópia para o avalista, informando sobre o protesto da Nota Promissória que deverá ocorrer de imediato. Neste caso, somente será protestado o devedor principal; 20

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

COOPERATIVA DE CRI:DfTO DO SERVIDOR FEDERAL LTOA. SIC008 CREDFAZ SERVIDOR FEDERAL

COOPERATIVA DE CRI:DfTO DO SERVIDOR FEDERAL LTOA. SIC008 CREDFAZ SERVIDOR FEDERAL SICOOB Credfaz Federal Servidor COOPERATIVA DE CRI:DfTO DO SERVIDOR FEDERAL LTOA. SIC008 CREDFAZ SERVIDOR FEDERAL &I. CREDFAZ- SCS - Q. 05 81.C - EnL 165/9 CEP 70.305-921 Brasllia - DF - Fone - (611 3035-8299

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 002/2015

RESOLUÇÃO N. 002/2015 RESOLUÇÃO N. 002/2015 Atualiza a Resolução 005/2014 em seu artigo 3º (Taxa de juros do Consignado Estadual e renovação garantias I e II) de acordo com as condições e garantias oferecidas pelo sócio, inalteradas

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, critérios e normas de concessão de Empréstimo Pessoal aos participantes da PREVICEL Previdência Privada da CELEPAR, obedecendo as disposições legais vigentes sobre

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz na 330ª reunião de 14/09/2011 e na 331ª reunião de 23/09/2011. Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/10/2011. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO CIRCULAR Nº 110 Regulamenta a Concessão e Manutenção de Empréstimos a Participantes e Assistidos da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES. 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz em 18 e 25/01/13 (Ata da 401ª e 403ª reunião). Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/03/2013. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ CAPÍTULO I

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

VIGÊNCIA: 19/11/2014. (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014)

VIGÊNCIA: 19/11/2014. (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014) VIGÊNCIA: 19/11/2014 (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014) SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 DEFINIÇÕES... 3 3 - LIMITE DE CRÉDITO... 4 4 - ENCARGOS FINANCEIROS, ADMINISTRATIVO E

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES 1. DO OBJETIVO 1.1. Esta norma dispõe sobre procedimentos a serem adotados no segmento da carteira de empréstimo pessoal na

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015 NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015 1. DA FINALIDADE Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal Modalidade Prestações Pós Fixadas pelo

Leia mais

Atendimento das 08:00 hs. às 15:00 hs. CNPJ 01.530.136/0001-76 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO. Cooperado. Matrícula R.G. CPF

Atendimento das 08:00 hs. às 15:00 hs. CNPJ 01.530.136/0001-76 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO. Cooperado. Matrícula R.G. CPF COOPERARATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA CPTM Rua Zuma de Sá Fernandes, 360 - Térreo - Presidente Altino - Osasco - SP - CEP 06213-040 Telefones: 3689-9166 / 3652-2600 - Ramais 2771

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 4 6. PRAZOS... 4 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 5 8. GARANTIAS... 5 9. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

2. DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Art. 2º A solicitação de empréstimo será efetuada mediante preenchimento de formulário fornecido pelo AGROS.

2. DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Art. 2º A solicitação de empréstimo será efetuada mediante preenchimento de formulário fornecido pelo AGROS. NORMAS PARA HABILITAÇÃO, CONCESSÃO E ADMINISTRAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1. INTRODUÇÃO Art. 1º Estas Normas disciplinam as condições para concessão, manutenção e amortização de Empréstimos Simples, Saúde e Emergência

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Permanente Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE EMPRÉSTIMO ESPECIAL PEE

REGULAMENTO DO PLANO DE EMPRÉSTIMO ESPECIAL PEE REGULAMENTO DO PLANO DE EMPRÉSTIMO ESPECIAL PEE 1. FINALIDADE Dispõe o presente Regulamento sobre o Empréstimo Especial a ser concedido pela PREVIG aos seus Participantes e Assistidos. 2. DEFINIÇÕES 2.1

Leia mais

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal 2 Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Índice CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 4 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES ELEGÍVEIS... 4 CAPÍTULO III DOS LIMITES

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? 3. Como funciona o parcelamento?

1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? 3. Como funciona o parcelamento? 1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? De 18 anos a 90 anos, 11 meses e 29 dias. 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? Mínimo: R$ 200,00 Máximo: R$ 10.000,00 3. Como funciona o

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Condições Particulares Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 0 ÍNDICES CONDIÇÕES PARTICULARES 1. OBJETO DO SEGURO 2 2. ESTIPULANTE 2 3. GRUPO SEGURÁVEL 2 4. GRUPO SEGURADO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS ÍNDICE 1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS...Página 2 2.0 - DA MODALIDADE... 2 3.0 - DOS LIMITES... 2 4.0 - DA CONCESSÃO... 3 5.0 - DOS PRAZOS... 4 6.0 - DA AMORTIZAÇÃO... 4

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. 1 COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO Art. 1º - Este Regulamento estabelece as modalidades de empréstimos,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 001/2012

RESOLUÇÃO N. 001/2012 RESOLUÇÃO N. 001/2012 Altera a Resolução 008/2010 no art. 2º (taxa consignado e renovação garantia I e II e consignado e renovação garantia I UEPB) e art.6º (taxas garantia real de patrimônio) de acordo

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Estas são as condições gerais do Empréstimo, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições gerais, que serão aplicáveis durante todo o período

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTES (Aprovada pela Deliberação n 005/2012, de 29 de março de 2012)

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTES (Aprovada pela Deliberação n 005/2012, de 29 de março de 2012) NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTES (Aprovada pela Deliberação n 005/2012, de 29 de março de 2012) 1. DA FINALIDADE A presente Norma tem por finalidade regulamentar e definir condições para

Leia mais

ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA

ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA Segundo deliberação da Diretoria Executiva do Sicoob Cecremef, a partir de 03/12/2012, passam a complementar as Normas para concessão

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE BRADESCO PRIME

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE BRADESCO PRIME Vigência a partir de Fevereiro/2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE BRADESCO PRIME 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. O Programa de Fidelidade Bradesco Prime, a seguir simplesmente designado Programa de

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem:

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF 13º SALÁRIO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 008/2010

RESOLUÇÃO N. 008/2010 RESOLUÇÃO N. 008/2010 Regulamenta as taxas de juros cobradas nos contratos de empréstimos de acordo com as condições de garantias oferecidas pelo sócio e dá outras providências. O Conselho de Administração

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO UO DOS FUNCIONARIOS DO SISTEMA FIERGS- CRESUL Travessa Francisco de Leonardo Truda, 40 sala 143 14 andar Porto Alegre-RS CEP 90010-050 Fone (0**51) 3224-3280 Fax:

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DA RESTITUIÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA (Ref. 03/FEVEREIRO/2015) Classificação de Associado:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DA RESTITUIÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA (Ref. 03/FEVEREIRO/2015) Classificação de Associado: CONTRATO Nº: PERCENTUAL DE CAPITALIZAÇÃO % CONTRATO DE EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DA RESTITUIÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA (Ref. 03/FEVEREIRO/2015) Débito em Folha de Pagto. Classificação de Associado: Recebimento

Leia mais

CONTRATO DE ANTECIPAÇÃO DE FÉRIAS (Ref.5/FEVEREIRO/15) Classificação de Associado:

CONTRATO DE ANTECIPAÇÃO DE FÉRIAS (Ref.5/FEVEREIRO/15) Classificação de Associado: CONTRATO Nº: PERCENTUAL DE CAPITALIZAÇÃO % CONTRATO DE ANTECIPAÇÃO DE FÉRIAS (Ref.5/FEVEREIRO/15) Débito em Folha de Pagto. Classificação de Associado: Recebimento do salário na C/C na Cooperativa R e

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. - FINALIDADE Este Regulamento dispõe sobre a concessão de empréstimo pessoal pela Fundação de Previdência do Instituto Emater - FAPA, ao participante ativo, assistido,

Leia mais

IF 011 01 CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA

IF 011 01 CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA SUMÁRIO DA NORMA 1 OBJETIVO,1 2 DEFINIÇÕES,1 2.1 SIGLAS E ABREVIATURAS,1 2.2 CONCEITOS,1 2.3 PALAVRAS-CHAVES,1 3 NORMAS,1 3.1 CAMPO

Leia mais

Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo - Cooperacs - SP

Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo - Cooperacs - SP POLÍTICA DE CRÉDITO MANUAL DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO C.C.M. DOS PRAÇAS E OFICIAIS DA PMESP COOPERACS SP Capítulo Seção Ítem Descrição 1 Apresentação 2 Linhas de Crédito 1 Empréstimo Parcelado 1 Conceituação

Leia mais

Condições Gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ou benefício do INSS

Condições Gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ou benefício do INSS Condições Gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ou benefício do INSS Estas são as condições gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação

Leia mais

Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação e da ajuda mútua entre associados.

Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação e da ajuda mútua entre associados. COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DE CERÂMICA CoopASPACER Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação

Leia mais

neste regulamento. 2. DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS

neste regulamento. 2. DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1. DAS PARTES 1.1. A constituição e o funcionamento de grupos de consórcio formados pela empresa Sponchiado Administradora de Consórcios Ltda., pessoa neste regulamento. 2. DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS promovida

Leia mais

Tabela de Tarifas. Pessoa Jurídica. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br

Tabela de Tarifas. Pessoa Jurídica. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br Tabela de Tarifas Pessoa Jurídica Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013 Relação dos serviços tarifados e respectivos valores vigentes. Os valores máximos foram estabelecidos pela Cooperativa,

Leia mais

Roteiro Operacional - Banco

Roteiro Operacional - Banco Regime de Contratação (Vínculo) Categoria (Situação) Efetivo 1. PÚBLICO ALVO Todas as Secretarias Condição Estatutário Aposentado Pensionista Todas as Secretarias Todas as Secretarias Público que não atenderemos

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL, entidade fechada de previdência complementar, com sede na Praia de Botafogo, nº

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Este Contrato contém 5 (cinco) páginas que deverão ser lidas e preenchidas nos itens abaixo relacionados.

Este Contrato contém 5 (cinco) páginas que deverão ser lidas e preenchidas nos itens abaixo relacionados. INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO E ENVIO DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO ELETRÔNICO Este Contrato contém 5 (cinco) páginas que deverão ser lidas e preenchidas nos itens abaixo relacionados. página 1/5 -

Leia mais

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO 2013 GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO CARTÕES DE CRÉDITO Definição Cartão de crédito é modalidade de pagamento à vista, objeto de um contrato de adesão entre o consumidor e uma administradora de cartões,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este sumário representa um resumo das principais informações

Leia mais

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 Disposição sobre a consignação em folha de pagamento O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA faz saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Cartilha de Empréstimo 1

Cartilha de Empréstimo 1 Cartilha de Empréstimo 1 Empréstimo Economus: Como é? Quem tem direito? Que tipo de empréstimos o Economus oferece? O Economus oferece apenas a modalidade de empréstimo pessoal. Quem poderá solicitar empréstimos?

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA Condições Gerais Abaixo estão as Condições Gerais do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL CARTÃO DE CRÉDITO CONSIGNADO INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL DF / INSS

ROTEIRO OPERACIONAL CARTÃO DE CRÉDITO CONSIGNADO INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL DF / INSS ROTEIRO OPERACIONAL CARTÃO DE CRÉDITO CONSIGNADO INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL DF / INSS Logo: 459 Cód. Entidade: 1581 Atualização:03.08.2015 Vigência: 03.08.2015 Classificação da Informação: INTERNA

Leia mais

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011.

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. Regulamenta o art. 54 da Lei Complementar nº 392, de 17/12/2008, Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos do Município de Uberaba e dá outras providências.

Leia mais

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE:

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: Partes - BANCO MERCANTIL DO BRASIL S.A., com sede na Rua Rio de Janeiro, nº 654, Centro,

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO PÁGINA 1/7 CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Dados do Contratante Nome: CPF: - Carteira de Identidade: Órgão: Matrícula: - Endereço: Bairro: Cidade: UF: CEP: - Estado Civil: Profissão: Empresa: Lotação: Banco: Agência:

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

Valor do crédito concedido: R$ ( )

Valor do crédito concedido: R$ ( ) Cédula nº: Valor do crédito concedido: R$ ( ) Data da emissão: / / Data do vencimento: / / 1. EMITENTE(S): 1.1 Nome: 1.2 RG: 1.3 CPF/MF - 1.4 Nome Segundo Titular: 1.5 RG Segundo Titular: 1.6 CPF/MF Segundo

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA FIDELIDADE FARMÁCIAS SÃO MIGUEL

REGULAMENTO PROGRAMA FIDELIDADE FARMÁCIAS SÃO MIGUEL REGULAMENTO PROGRAMA FIDELIDADE FARMÁCIAS SÃO MIGUEL 1. PROGRAMA DE RELACIONAMENTO 1.1. O presente instrumento tem por objetivo regulamentar a participação dos clientes da FARMÁCIA SÃO MIGUEL LTDA - ME,

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO CONVÊNIO QUE ENTRE SI REALIZAM A JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU - SEÇÃO JUDICIÁRIA DO MARANHÃO E A FUNDAÇÃO HABITACIONAL DO EXÉRCITO FHE PARA ACESSO A PRODUTOS E SERVIÇOS. A Justiça Federal de Primeiro

Leia mais

A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu Cartão.

A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu Cartão. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Contrato de Utilização American Express Linha Crédito A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu

Leia mais

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento (Versão 05/2014) Estas são as Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento, solicitado por você e contratado por meio de digitação de senha ou ligação

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

Credfaz Servidor Federal

Credfaz Servidor Federal COOPERATIVA DE CRÉDITO DO SERVIDOR FEDERAL LTDA. SICOOB CREDFAZ SERVIDOR FEDERAL Credfaz Servidor Federal Edifício CREDFAZ - SCS - Quadra 05 Bloco C - Ent. 165/9 - CEP 70305-921 - Brasília - Fone: 61 3035

Leia mais

MODELO CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL

MODELO CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Juscelino Kubitschek, 2.235 São Paulo/SP, inscrito no

Leia mais

FUNÇÕES DO SEU CARTÃO PONTO FRIO

FUNÇÕES DO SEU CARTÃO PONTO FRIO FUNÇÕES DO SEU CARTÃO PONTO FRIO 1. Modalidades de Operação: compras à vista, compras parceladas, pagamento de contas, financiamento de despesas, empréstimo pessoal. 2. Tarifas Específicas (sem prejuízo

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Empréstimo a Participantes e Assistidos dos Planos I, II e III Capítulo I Do Objetivo R E G U L A M E N T O Art. 1º Este Regulamento de Empréstimo, doravante denominado Regulamento, dispõe sobre as regras

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

*O pagamento acontece diretamente para o vendedor, PJ ou PF, após toda análise crédito e do bem.

*O pagamento acontece diretamente para o vendedor, PJ ou PF, após toda análise crédito e do bem. 1- Posso comprar dois automóveis com uma única carta de crédito? Sim. Podem ser alienados dois veículos em uma única cota de consórcios, porém são duas despesas para alienação dos bens. *O pagamento acontece

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

Roteiro Operacional Última atualização 30/03/2015

Roteiro Operacional Última atualização 30/03/2015 Roteiro Operacional Última atualização 30/03/2015 Produto disponibilizado pela Agiplan Financeira S.A- CFI para conceder crédito pessoal em débito em conta corrente denominado Agidébito. 1. Público Alvo.

Leia mais

Empréstimo e cartão consignado

Empréstimo e cartão consignado outubro/2014 Empréstimo e cartão consignado direcionados a aposentados e pensionistas Todo aquele que recebe benefícios de aposentadoria ou pensão por morte pagos pela Previdência Social pode obter crédito

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO,

Leia mais

Anexo II da RN-016/2006 - Bolsas Individuais no País

Anexo II da RN-016/2006 - Bolsas Individuais no País Anexo II da RN-016/2006 - Bolsas Individuais no País 2. Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora - DT 2.1. Finalidade Distinguir o pesquisador, valorizando sua produção em desenvolvimento

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.360/11 Dispõe sobre o Regime de Parcelamento de Débitos de Anuidades e Multas (Redam II) para o Sistema CFC/CRCs O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais