APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais"

Transcrição

1 APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais Apresentação e Justificativa A exclusão é parte do convencional na coletividade humana. A discriminação tem origem em preconceitos antigos gerados na vida comunitária. O termo exclusão social é bastante recente, mas os conceitos já se encontravam em numerosas sociedades sob a forma de exílio, isolamento, abandono, segregação. O sistema educacional exclui do seu interior a comunidade, a família, as pessoas com deficiências. Em geral, os pais estão presentes apenas quando formalmente convidados para uma festa ou reunião e quando os seus filhos têm problemas de comportamento. E o seu envolvimento é avaliado pela escola, segundo este único momento de participação. A pergunta que se faz é como querer que os pais se comprometam com as situações dentro da escola e, por consequência, com o desenvolvimento dos seus filhos com deficiência, se a família é um corpo estranho ao espaço educativo. Uma escola inclusiva só se faz numa educação e numa sociedade também inclusivas, o que subentende não apenas a inclusão de alunos com deficiência, mas também a parceria da comunidade e dos pais. Não se concebe uma escola inclusiva onde os pais estejam afastados, mas, sim, onde a participação deles seja uma constante, mesmo que a forma desta participação varie A proposta da Escola de Pais parte de uma visão integradora entre Apae, família e pessoa com deficiência, permitindo que todos compartilhem, se sintam co-responsáveis e participem tanto do cotidiano da própria Escola, quanto dos objetivos da sua proposta. 1 Considerando a política de modernização do Movimento Apaeano e em coerência com as políticas estratégicas definidas nos programas estruturantes da atual gestão, a consolidação de uma Escola de Pais agrega valor ao compromisso da instituição com a defesa dos direitos das pessoas com deficiência. A proposta de Escola de Pais atende, inclusive, a ação norteadora da Federação Nacional que define o âmbito de atuação da Universidade Coorporativa da Rede Apae. Objetivos: - Geral: Fortalecer e qualificar os pais facilitando uma atuação responsável deles para com seus filhos com deficiência intelectual e múltipla.

2 - Específicos: 1. Contribuir para que os pais se sintam capazes de lidar com os problemas específicos de seus filhos com deficiência; 2. Criar um espaço de aprendizado que favoreça falar, partilhar experiências e encontrar ferramentas para lidar com a questão da deficiência; 3. Informar sobre os diferentes níveis dos serviços de atendimento e as opções de vida que os filhos podem ter; 2 4. Desenvolver a consciência de cidadania; 5. Trabalhar em grupo, buscando a necessidade de organização junto com outros pais para resolver problemas que os afetam; 6. Valorizar o núcleo familiar como fonte geradora de princípios significativos para construção de uma sociedade mais justa e solidária. 7. Identificar pais que possam participar de programas e projetos desenvolvidos na Apae, ou representá-la na comunidade. Público alvo: Em sua primeira fase, o projeto será desenvolvido através da oferta de um Curso de Formação de Pais que atenderá essencialmente as famílias de pessoas com deficiência intelectual ou múltipla que recebam atendimento na Apae. Concepção do projeto: É aconselhável que o Curso de Formação da Escola de Pais ocorra dentro do espaço físico da Apae, já que toda Apae é uma instituição de defesa de direitos formada pela associação de pais de pessoas com deficiência e conta com o serviço profissional de técnicos voluntários, assim como de outros auxiliares nas mais diferentes funções. Sendo assim, passa a ser um trabalho que mobiliza direta e indiretamente um grande número de pessoas. A Escola de Pais é apenas um dos componentes de uma resposta que pretende ser mais abrangente com a criação de uma rede social, a partir da qual as famílias possam resolver vários problemas de ordem social, burocrática, legal entre outros, enriquecendo os pais em sua autonomia e capacitando-os na busca dos recursos fora do sistema familiar para a defesa dos direitos de seus filhos com deficiência. Assim, a Escola de Pais deve fazer parte integrante do Projeto político da Instituição Apae, oferecendo,

3 anualmente, o Curso de Formação para Pais de Filhos com Deficiência. A Apae, quando necessário, disponibilizará uma equipe de voluntários para entreter e desenvolver atividades paralelas com os filhos enquanto os pais frequentam as aulas. -Coordenação e corpo docente: A coordenação da Escola de Pais deverá ficar sob a responsabilidade de um profissional identificado com o trabalho com as famílias. O corpo docente será constituído por profissionais com formação e experiência com o tema a ser desenvolvido, além de apresentar identidade com a proposta de Escola de Pais. 3 Carga Horária: O Curso terá a carga-horária total de 120 horas, distribuídas em 4 Módulos de 30 horas cada, sendo 24 horas presenciais e 6 horas de atividades complementares. Período e periodicidade: Cada módulo tem a duração de 6 semanas, com 1 Encontro presencial semanal de 4 horas-aula. No período de um (1) ano, os integrantes de cada turma deverão concluir quatro (4) módulos de trabalho que correspondam à carga horária total do curso da Escola de Pais. Número de vagas: As turmas do Curso de Formação de Pais serão constituídas no máximo de vinte (20) alunos. Condições de matrícula e frequência ao curso: Os alunos deverão estar regularmente matriculados no curso e deles será exigida a frequência de 75% nas aulas. Conteúdo programático: - Módulo I : A identidade do movimento Apaeano Disciplinas: 1. Apresentação da Escola de Pais. 2. Histórico do movimento Apaeano. 3. Missão. 5. Trabalho em comunidade. 6. Defesa de direitos. Módulo II : A associação e a responsabilidade da família

4 Disciplinas: 1. Estrutura e gestão da Apae. 2. Trabalhos desenvolvidos com irmãos de pessoas com deficiência 3. Diagnóstico de deficiência intelectual e as repercussões no contexto familiar. 4. Educação para o desenvolvimento humano: perspectivas e práticas 5. Estrutura e Gestão da Apae. 6. Relação da Apae com a comunidade 7. Representativa política III Módulo III: Políticas Públicas voltadas às pessoas com deficiência intelectual e múltipla 4 Disciplinas: 1. Política Públicas voltadas às pessoas com deficiência intelectual e múltipla: legislação para a defesa de direitos 2. Política Públicas voltadas às pessoas com deficiência intelectual e múltipla: níveis de ensino 3. Política Públicas voltadas às pessoas com deficiência intelectual e múltipla: estrutura do SUS com os níveis de atendimento; 4. Política Públicas voltadas às pessoas com deficiência intelectual e múltipla: na área da saúde. 5. Autismo IV Módulo IV: Participação e autonomia da pessoa com deficiência e múltipla Disciplinas: 1. Formação para o trabalho da pessoa com deficiência intelectual e múltipla; 2. Autogestão, Autodefesa e Família; 3. Fontes informacionais; 4. Treinamento de pais; 5. Atividade complementar: estudo de casos. Metodologia: O Curso de Formação de Pais se divide em dois momentos: 1. Momento teórico, quando recebem informações sobre diferentes temas como:

5 Promoção da Saúde Direitos e Deveres Trabalho em comunidade Inclusão Escolar e Educação Especial Autogestão e Autodefesa Capacitação profissional e Trabalho 2. Momento de reflexão sobre as informações adquiridas, sua aplicação e posicionamentos pessoais frente a elas: 5 Fomentar a autoconfiança Melhorar a comunicação Conscientizar sobre a co-responsabilidade Aprofundar os contatos pessoais Redefinir limites e possibilidades pessoais, culturais e sociais Fortalecer o espírito associativo Esses momentos serão desenvolvidos através dos seguintes recursos metodológicos: ( )Aula expositiva Análise de casos Exposição dialogada Trabalho em grupo Vivências Atividades complementares : Cada módulo deverá incluir 6 horas de atividades complementares a serem desenvolvidas em grupo ou individualmente em espaços sociais extraclasse: pesquisas bibliográficas; visitas; passeios 5 pontos

6 com os filhos; lazer; filmes, que serão objeto de relatos dialogados nos encontros presenciais. Calendário: Cada Apae deverá montar o seu próprio calendário 6 Sistema de Avaliação: A avaliação deverá contemplar: prova escrita de conhecimento Frequência Participação Atividade complementar 1 ponto 2 pontos 2 pontos A Escola de Pais Espera-se dos profissionais envolvidos: escutar com atenção; dar credibilidade às pessoas com deficiência intelectual e múltipla; abolir a infatilização, dar oportunidade de troca com seus pares; favorecer que os assuntos, as conversas, as dúvidas, as perguntas sejam comuns a todo o grupo; incentivar o interesse e preparação para atividades laborais; possibilitar a adequação do comportamento frente às demandas sociais esperadas na fase de adolescência. Espaço de aprendizagem e conhecimento e a troca de experiências que acontece nas Apaes, para orientar, capacitar os pais das pessoas com deficiência intelectual e múltipla, para se tornarem mais autônomos e eles próprios buscarem recursos na rede de proteção social para a defesa dos direitos de seus filhos com deficiência.

Programas de Atendimento aos Estudantes

Programas de Atendimento aos Estudantes Programas de Atendimento aos Estudantes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP Câmpus Guarulhos 1. Integração dos Ingressantes O atendimento ao estudante no IFSP Guarulhos

Leia mais

VITOR HUGO BITTENCOURT DA SILVA PROJETO SOCIAL: REFORÇO ESCOLAR DE LÍNGUA PORTUGUESA RESPONSABILIDADE SOCIAL

VITOR HUGO BITTENCOURT DA SILVA PROJETO SOCIAL: REFORÇO ESCOLAR DE LÍNGUA PORTUGUESA RESPONSABILIDADE SOCIAL VITOR HUGO BITTENCOURT DA SILVA PROJETO SOCIAL: REFORÇO ESCOLAR DE LÍNGUA PORTUGUESA RESPONSABILIDADE SOCIAL Porto Alegre 2013 VITOR HUGO BITTENCOPURT DA SILVA PROJETO SOCIAL: REFORÇO ESCOLAR DE LÍNGUA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016 ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI DIRETORIA DE ENSINO EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS DE EXTENSÃO O Núcleo de Iniciação

Leia mais

Escola SENAI Antônio Souza Noschese Santos -SP. Proposta Pedagógica. Uma nova visão

Escola SENAI Antônio Souza Noschese Santos -SP. Proposta Pedagógica. Uma nova visão Escola SENAI Antônio Souza Noschese Santos -SP Proposta Pedagógica Uma nova visão Nossa Proposta Pedagógica é a tradução do nosso compromisso com o desenvolvimento das pessoas, da sociedade e da indústria

Leia mais

Acompanhamento do Planejamento

Acompanhamento do Planejamento MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ENSINO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PROPLAN Acompanhamento do Planejamento A

Leia mais

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO. Nível de Ensino: Educação Básica

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO. Nível de Ensino: Educação Básica Plano Estratégico de Intervenção e Monitoramento para Superação da Evasão e Retenção CÂMPUS REGISTRO DIAGNÓSTICO QUALITATIVO Nível de Ensino: Educação Básica Cursos Principais CAUSAS de Evasão e Retenção

Leia mais

PROJETO LIBRAS. 1. TÍTULO Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais:

PROJETO LIBRAS. 1. TÍTULO Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais: 3 PROJETO LIBRAS 1. TÍTULO Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais: 2. NATUREZA DO PROJETO Curso de Extensão 3. IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Professor Sérgio Vaz Mendes 4. ÁREA RESPONSÁVEL

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO TEXTO 2 http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2310-6.pdf acesso em http://pt.wikipedia.org/wiki/conselho_de_classe 09 de outubro de 2014 CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL

Leia mais

Autonomia e Flexibilidade Curricular. III Reunião com as Escolas do Projeto Julho de 2017

Autonomia e Flexibilidade Curricular. III Reunião com as Escolas do Projeto Julho de 2017 Autonomia e Flexibilidade Curricular III Reunião com as Escolas do Projeto Julho de 2017 AUTONOMIA E FLEXIBILIDADE CURRICULAR C RESPONSABILIDADE N F A U T O N O M I A A ACOMPANHAMENTO Ç F L E X I B I L

Leia mais

Quando dizemos a margem referimos ao analfabetismo e o baixo nível de escolaridade.

Quando dizemos a margem referimos ao analfabetismo e o baixo nível de escolaridade. O IFNMG Campus Arinos, localiza-se ao noroeste do estado de Minas Gerais, a 250 km de Brasília e a 700 km de Belo Horizonte. Abrange uma circunscrição constituída por 11 municípios, atendendo uma população

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo A Federação Espírita do Espírito Santo, fundada em 1921, é constituída pelo Conselho Estadual e

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Resolução Nº 01, de 12 de dezembro de 2012. Fixa Normas e Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos EJA

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS Dispõe sobre a oferta de atividades de Monitoria no curso de graduação da Faculdade Processus e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA ESCOLA AGROTÉCNICA COORDERNAÇÃO GERAL DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA ESCOLA AGROTÉCNICA COORDERNAÇÃO GERAL DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA ESCOLA AGROTÉCNICA COORDERNAÇÃO GERAL DE ENSINO EDITAL Nº 35/2017 CGE/EAGRO/UFRR BOA VISTA RR, 19 de junho de 2017. Seleção de alunos para preenchimento

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 2010/2 EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 2010/2 EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

CESMAC FACULDADE DO AGRESTE NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA (NAP) CHAMADA PARA A FORMAÇÃO DE GRUPOS DE ESTUDO EM 2017

CESMAC FACULDADE DO AGRESTE NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA (NAP) CHAMADA PARA A FORMAÇÃO DE GRUPOS DE ESTUDO EM 2017 CESMAC FACULDADE DO AGRESTE NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA (NAP) CHAMADA PARA A FORMAÇÃO DE GRUPOS DE ESTUDO EM 2017 O Núcleo de Apoio à Pesquisa (NAP) do Cesmac Faculdade do Agreste, no uso de suas atribuições,

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014 Anexo 2 Atribuições dos Cargos AGENTE DE APOIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Acompanhar, auxiliar e orientar os alunos nas Atividades de Vida

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico aos

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO INTERNA DO PROJETO DE EXTENSÃO EDUSA: EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA ESCOLA CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI

EDITAL DE SELEÇÃO INTERNA DO PROJETO DE EXTENSÃO EDUSA: EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA ESCOLA CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI EDITAL DE SELEÇÃO INTERNA DO PROJETO DE EXTENSÃO EDUSA: EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI O PROJETO DE EXTENSÃO EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA ESCOLA - EDUSA em parceria com a Coordenação

Leia mais

Curso: Licenciatura em Pedagogia

Curso: Licenciatura em Pedagogia Curso: Licenciatura em Pedagogia Módulo: Formação Humanística números de variáveis, com as respectivas abrangendo Nacionais- que tratam de complemento a formação do aluno no ser NF-301 Projeto Experimental

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 160 aprovado pela portaria Cetec nº 138 de 04 / 10 /2012 Etec Professora Ermelinda Giannini Teixeira Código: 187 Município: Santana de Parnaíba

Leia mais

Fundação Darcy Ribeiro

Fundação Darcy Ribeiro I Fundação Darcy Ribeiro ATUAÇÃO DOS EDUCADORES PONTOS ESSENCIAIS DA PROPOSTA Vídeo 05 Coordenação Nacional Formação Inicial e Continuada do Educador do ProJovem: o especialista, o pensador, o cidadão

Leia mais

SEMINÁRIO LOCAL DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO PARA A UNIFESP UNIFESP PARA Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis - PRAE Junho/2015

SEMINÁRIO LOCAL DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO PARA A UNIFESP UNIFESP PARA Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis - PRAE Junho/2015 SEMINÁRIO LOCAL DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO PARA A UNIFESP UNIFESP PARA TOD@S Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis - PRAE Junho/2015 AÇÕES PRAE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - A Prae acolhe questões de acessibilidade

Leia mais

Marisa Vidovix. Superintendente

Marisa Vidovix. Superintendente Marisa Vidovix Superintendente Contribuir para a promoção humana e a inclusão socioeconômica, a partir da assistência e da qualificação profissional e cultural de pessoas com e sem deficiência. Ser referência

Leia mais

III Projeto Político Pedagógico. 3.1 Princípios. 3.2 Valores. Valorização da educação pela oferta de um ensino de qualidade.

III Projeto Político Pedagógico. 3.1 Princípios. 3.2 Valores. Valorização da educação pela oferta de um ensino de qualidade. Quatro pilares do conhecimento. Pedagogia da Presença. Educação Interdimensional. Protagonismo Juvenil. III Projeto Político Pedagógico 3.1 Princípios 3.2 Valores Valorização da educação pela oferta de

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MANUAL DE AT ATIVIDADES TRANSVERSAL

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MANUAL DE AT ATIVIDADES TRANSVERSAL CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MANUAL DE AT ATIVIDADES TRANSVERSAL CONCEITOS, NORMAS E PROCEDIMENTOS REGULAMENTO ATIVIDADES TRANSVERSAL I DA DEFINIÇÃO Art. 1º Por Transversalidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 233 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Indústria

Leia mais

NOME DO CURSO: O uso pedagógico dos recursos de Tecnologia Assistiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial

NOME DO CURSO: O uso pedagógico dos recursos de Tecnologia Assistiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial NOME DO CURSO: O uso pedagógico dos recursos de Tecnologia Assistiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina

Leia mais

Manual de Monitoria - FAMETRO

Manual de Monitoria - FAMETRO 2015 Manual de Monitoria - FAMETRO QUALIDADE DE ENSINO Coordenação de Ensino 17/12/2015 MANUAL DE MONITORIA INTRODUÇÃO O presente Guia visa proporcionar aos professores orientadores e alunos-monitores

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - PAP

PROGRAMA DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - PAP PROGRAMA DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - PAP S U M Á R I O PROGRAMA DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO... 3 Da Definição... 3 Dos Objetivos... 3 Da Justificativa... 3 Dos Projetos, Ações e Atividades... 4 Projeto Entrando

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO MANUAL/EDITAL DO (A) CANDIDATO (A) EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE RONDÔNIA 2º SEMESTRE/2016 APRESENTAÇÃO PREZADO CANDIDATO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Ministério da Educação. Ivana de Siqueira Secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

Ministério da Educação. Ivana de Siqueira Secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Ministério da Educação Ivana de Siqueira Secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Julho de 2016 1 Constituição Federal de 1988 - Direito de Todos à Educação sem preconceitos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO

Leia mais

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Organização Pan Americana de Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde Associação Brasileira da Rede Unida

Leia mais

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE ALAGOAS ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR ARTHUR RAMOS PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL. João Victor Santos

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE ALAGOAS ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR ARTHUR RAMOS PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL. João Victor Santos SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE ALAGOAS ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR ARTHUR RAMOS PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL João Victor Santos Inclusão Educativa Trajetos para uma educação inclusiva Pilar 2016 RESUMO

Leia mais

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM INICIAÇÃO ESPORTIVA

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM INICIAÇÃO ESPORTIVA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM INICIAÇÃO ESPORTIVA É ofertado no 6º semestre, compreende uma carga horária de 75 horas, totalizando 5 créditos, conforme as normas específicas para a realização do referido estágio,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA Normatiza a realização dos estágios supervisionados previstos nas Matrizes Curriculares dos Cursos Superiores de Licenciatura

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de

Leia mais

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Formulário de Registro Anual do Plano de AEE I - Dados referentes ao estudante

Leia mais

Plano de Trabalho Docente

Plano de Trabalho Docente Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente - 2017 Plano de Curso no. 206 aprovado pela Portaria Cetec 733, de 10-9-2015, publicada no Diário Oficial de 11-9-2015 Poder Executivo

Leia mais

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM TREINAMENTO ESPORTIVO A

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM TREINAMENTO ESPORTIVO A ESTÁGIO PROFISSIONAL EM TREINAMENTO ESPORTIVO A É ofertado no 7º semestre, compreende uma carga horária de 120 horas, totalizando 8 créditos, conforme as normas específicas para a realização do referido

Leia mais

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 Contextualização O Projeto de Gestão Democrática da Educação foi desenvolvido pela SEE em 2016 e contou

Leia mais

O Regimento Escolar é o documento que estabelece as diretrizes administrativas, as orientações, as regras de convivência, os direitos e deveres de

O Regimento Escolar é o documento que estabelece as diretrizes administrativas, as orientações, as regras de convivência, os direitos e deveres de O Regimento Escolar é o documento que estabelece as diretrizes administrativas, as orientações, as regras de convivência, os direitos e deveres de todos que convivem no ambiente escolar. A rede pode ter

Leia mais

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE A

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE A ESTÁGIO PROFISSIONAL EM ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE A É ofertado no 8º semestre, compreende uma carga horária de 120 horas, totalizando 8 créditos, conforme as normas específicas para a realização do referido

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS- CCL Coordenação do Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS- CCL Coordenação do Curso de Letras REGULAMENTO DE MONITORIA TÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO Art. 1 o A Monitoria no Centro de Comunicação e Letras (CCL) será regida por este regulamento e corresponderá ao conjunto

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV APROVADO EM REUNIÃO ORDINÁRIA DO COLEGIADO

Leia mais

Histórico. Mantenedora. Conselho Pedagógico

Histórico. Mantenedora. Conselho Pedagógico Histórico Por iniciativa de um grupo formado por professores universitários e profissionais liberais, liderados pelo professor Fábio Konder Comparato, foi constituída em São Paulo, em fins de 1991, a Associação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto!

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL 1 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL (EDL) A EDL incide em traços gerais nas seguintes problemáticas: Acesso

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

Instituto Brasiliense de Direito Público - IDP Escola de Direito de Brasília Centro de Pesquisa - CEPES

Instituto Brasiliense de Direito Público - IDP Escola de Direito de Brasília Centro de Pesquisa - CEPES - PROJETO PEDAGÓGICO - CURSO DE FORMAÇÃO EM TEORIA GERAL DO DIREITO PÚBLICO BRASÍLIA 2014 SUMÁRIO 1 NOME DO CURSO E ÁREA DO CONHECIMENTO...3 2 JUSTIFICATIVA...3 3 OBJETIVOS...3 4 CONCEPÇÃO DO PROGRAMA...4

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Estudando matemática para o processo seletivo do IFFarroupilha ensino fundamental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

Etec Monsenhor Antonio Magliano. Plano de Trabalho Docente Professor: Morgana Maravalhas de Carvalho Barros

Etec Monsenhor Antonio Magliano. Plano de Trabalho Docente Professor: Morgana Maravalhas de Carvalho Barros Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico Etec Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES:

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: a) Descrição Sintética: Orientar a aprendizagem do aluno; participar no processo de planejamento das atividades da escola; organizar as operações inerentes ao processo

Leia mais

PROFESSORES: FREDERICO MASTROANGELO SIMÕES LUCIMAR MAZIERO VINÍCIUS SIMÕES RODRIGUES CARLOS CÉSAR GOMES DE SALES.

PROFESSORES: FREDERICO MASTROANGELO SIMÕES LUCIMAR MAZIERO VINÍCIUS SIMÕES RODRIGUES CARLOS CÉSAR GOMES DE SALES. PROFESSORES: FREDERICO MASTROANGELO SIMÕES LUCIMAR MAZIERO VINÍCIUS SIMÕES RODRIGUES CARLOS CÉSAR GOMES DE SALES www.ieadrccbrasil.com.br Ementa: Curso de Formação de Formadores da RCCBRASIL: a espiritualidade

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação. Plano de Ensino 2º Quadrimestre de Caracterização da disciplina Práticas de Ensino de Biologia l NHT

Pró-Reitoria de Graduação. Plano de Ensino 2º Quadrimestre de Caracterização da disciplina Práticas de Ensino de Biologia l NHT Código da disciplina: NHT1083-15 Nome da disciplina: Caracterização da disciplina Práticas de Ensino de Biologia l Créditos (T- P-I): Código da turma: Docente(s) responsável(is): (2-1-4) Carga horária:

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE APRESENTAÇÃO

PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE APRESENTAÇÃO Uma vez que se contemple a importância, na missão da FAMETRO, da formação de cidadãos éticos e profissionais competentes para o contexto atual, é lógico que se

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL E PROMOÇÃO AO CPC E ENADE PROENADE

POLÍTICA INSTITUCIONAL E PROMOÇÃO AO CPC E ENADE PROENADE POLÍTICA INSTITUCIONAL E PROMOÇÃO AO CPC E ENADE PROENADE POLÍTICA INSTITUCIONAL E PROMOÇÃO AO CPC E ENADE PROENADE A Política Institucional de Promoção ao CPC e ENADE PROENADE nos Cursos de Graduação

Leia mais

Portanto, a atividade de monitoria visa fornecer elementos que colaborem na formação de profissionais na área de Gastronomia.

Portanto, a atividade de monitoria visa fornecer elementos que colaborem na formação de profissionais na área de Gastronomia. PROJETO DE MONITORIA 2014 Centro Universitário SENAC: Águas de São Pedro Curso: Gastronomia Disciplina: Cozinha fria Professor responsável: Fabio Stoco Período letivo: 2 Período 1. Justificativa A monitoria

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente regulamento estabelece

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO Área de intervenção Resultados escolares: promoção do sucesso e da excelência Objetivos Metas Atividades Indicadores Situação inicial Atingir em 95% os Elaboração dos PDI segundo Cumprimento

Leia mais

2 Manual de Monitoria

2 Manual de Monitoria MANUAL DE MONITORIA 1 Manual de Monitoria 2 3 INTRODUÇÃO O presente manual visa proporcionar aos professores orientadores de alunosmonitores das FIPMoc informações sobre a MONITORIA, entendida como possibilidade

Leia mais

INSTRUMENTAL PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

INSTRUMENTAL PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO I Identificação ASSOCIAÇÃO DE REABILITAÇÃO INFANTIL LIMEIRENSE ARIL INSTRUMENTAL PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Entidade Executora: Associação de Reabilitação Infantil Limeirense - ARIL Endereço: Rua Dr.

Leia mais

Objetivo Geral: Objetivos Específicos:

Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Disciplina: Gestão e Organização do Trabalho Pedagógico Código da disciplina: EDU 339 Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2015 Número

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE Rodovia Prefeito Quintino de Lima, 2100, Paisagem Colonial - CEP 18136-540 São Roque SP Fone (11)

Leia mais

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial NOME DO CURSO: O Ensino de Língua Portuguesa como segunda língua para estudantes surdos e/ou com deficiência auditiva Nível: Especialização Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código

Leia mais

PROJETO CONSTRUINDO SABERES

PROJETO CONSTRUINDO SABERES PROJETO CONSTRUINDO SABERES Justificativa: O Projeto Construindo Saberes em Língua Portuguesa e Matemática, justifica-se pela importância de ser um instrumento de apoio pedagógico e didático para sanar

Leia mais

RESOLUÇÃO 01 /2015 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Autismo.

RESOLUÇÃO 01 /2015 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Autismo. RESOLUÇÃO 01 /2015 Aprova o Curso de Pós-Graduacão Lato Sensu, na modalidade de Especialização, com a denominação de Curso de Especialização em Autismo. O COLEGIADO ACADÊMICO DA FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS

Leia mais

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões PLANEJAMENTO INSTRUMENTO DE AÇÃO EDUCATIVA PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões Busca determinar fins Torna presentes valores e crenças Explicita nossa compreensão (mundo, vida, sociedade,

Leia mais

ANEXO I FORMAÇÃO REQUERIDA

ANEXO I FORMAÇÃO REQUERIDA ANEXO I FORMAÇÃO REQUERIDA Professor Formador e Professor Mediador a Distância DISCIPLINA 1. Ambientação em Educação a Distância FORMAÇÃO REQUERIDA Bacharelado, Licenciatura ou Tecnólogo na área de computação;

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Entende-se por Monitoria as atividades de apoio

Leia mais

Usinagem geral. frente ao laboratório 15.

Usinagem geral. frente ao laboratório 15. Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2017.2 e 2018.1 Edital nº003/2017 A Direção Geral do IFRJ/, comunica, pelo presente Edital, que estarão abertas as inscrições para a Seleção de Monitores para

Leia mais

PROPOSTA DE DIRETRIZES PARA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DOCENTES (DIPAD) DO IF SUDESTE MG Câmpus Juiz de Fora. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais

PROPOSTA DE DIRETRIZES PARA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DOCENTES (DIPAD) DO IF SUDESTE MG Câmpus Juiz de Fora. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais PROPOSTA DE DIRETRIZES PARA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DOCENTES (DIPAD) DO IF SUDESTE MG Câmpus Juiz de Fora CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art. 1º. Este documento orienta o Planejamento das Atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROGRAMA SEGUNDO TEMPO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO ÂMBITO ESCOLAR

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO ÂMBITO ESCOLAR INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO ÂMBITO ESCOLAR Fonte: https://scontent.fplu1-1.fna.fbcdn.net/v/t34.0-0/p206x206/14080997_1264335063576553_179639638 5_n.png? Discentes: Bruno Holmo Camila Rebouças Julia Imparato

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO LIGA ACADÊMICA DE FISIOTERAPIA EM SAUDE DA MULHER - LAFISM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO LIGA ACADÊMICA DE FISIOTERAPIA EM SAUDE DA MULHER - LAFISM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO LIGA ACADÊMICA DE FISIOTERAPIA EM SAUDE DA MULHER - LAFISM EDITAL 01/2016 DE SELEÇÃO PARA A LIGA ACADÊMICA DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR

REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR Núcleo de Atendimento Educacional ao Discente NAED Regulamento CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO NAED Art.

Leia mais

PROJETO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PROJETO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PROJETO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Augustinópolis 2017.2 1 - NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Docência do Ensino Superior, com carga horária de

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO

CURSO DE CAPACITAÇÃO CURSO DE CAPACITAÇÃO 1. TÍTULO SURDEZ E LIBRAS ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS 2. IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Nome do proponente: Lourena Cristina de Souza Barreto Campus/IFG: Goiânia Oeste 3. ÁREAS DE CONHECIMENTO

Leia mais

Projeto Ambienta Rio: A escola faz a diferença.

Projeto Ambienta Rio: A escola faz a diferença. Projeto Ambienta Rio: A escola faz a diferença. E/SUBE/CED/GPEC Semana de Meio Ambiente Mostra de Trabalhos de Educação Ambiental das Escolas da Rede Pública Municipal de Ensino Justificativa A Secretaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS RIO VERDE O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Campus Rio Verde (IF Goiano Campus Rio

Leia mais

DIAGNÓSTICO ESCOLAR. Coordenação Pedagógica

DIAGNÓSTICO ESCOLAR. Coordenação Pedagógica 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS MAF DEPARTAMETNO DE MATEMÁTICA E FÍSICA CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I PROFESSOR: Ms SAMUEL LIMA PICANÇO Coordenação Pedagógica

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DO UNIBAVE

POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DO UNIBAVE CENTRO UNIVERSITÁRIO BARRIGA VERDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROADM PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO - PROPPEX POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE

Leia mais

Regulamento do Programa de Tutorias

Regulamento do Programa de Tutorias Regulamento do Programa de Tutorias Escola Secundária Ferreira Dias, Agualva- Sintra Artigo 1º Competências Específicas O professor tutor tem as seguintes competências: Desenvolver medidas de apoio aos

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CHAMADA ABERTA PETbol

CHAMADA ABERTA PETbol CHAMADA ABERTA PETbol O grupo PET BICE da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL MG, campus Varginha, usando de suas atribuições legais, comunica aos interessados a abertura das inscrições para o processo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 ETEC Maria Cristina Medeiros Código: 141 Município: Ribeirão Pires Eixo Tecnológico:

Leia mais

Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Manual Projeto Interdisciplinar Ano: 2016/2 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 3. Projeto Interdisciplinar I... 6 4.

Leia mais