REQUERIMENTO. (Do Sr. CORIOLANO SALES)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REQUERIMENTO. (Do Sr. CORIOLANO SALES)"

Transcrição

1 1 REQUERIMENTO (Do Sr. CORIOLANO SALES) Requer que, ouvido o plenário desta Comissão, seja convidado o Senhor Presidente da CONFEBRÁS Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito Mútuo, Dr. Manuel Messias da Silva, o Senhor Presidente da UNICRED do Brasil, Dr. Jayr Paula Gomes Gonçalves, o Senhor Presidente da Confederação do SICOOB Sistema das Cooperativas de Crédito Integrantes do BANCOOB, Dr. Eli de Oliveira Penido, e o Senhor Coordenador do Conselho Especializado de Crédito da OCB Organização das Cooperativas Brasileiras, Dr. Alcenor Pagnussat, para prestarem informações a esta Comissão sobre o Sistema de Cooperativas de Crédito no Brasil. Senhor Presidente: Requeiro, nos termos regimentais, que esta Comissão convide o Senhor Presidente da CONFEBRÁS Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito Mútuo, Dr. Manuel Messias da Silva, o Senhor Presidente da UNICRED do Brasil, Dr. Jayr Paula Gomes Gonçalves, o Senhor Presidente da Confederação do SICOOB Sistema das Cooperativas de Crédito Integrantes do BANCOOB, Dr. Eli de Oliveira Penido, e o Senhor Coordenador do Conselho Especializado de Crédito da OCB Organização das Cooperativas Brasileiras, Dr. Alcenor Pagnussat, para prestarem informações a esta Comissão sobre o Sistema de Cooperativas de Crédito no Brasil.

2 2 JUSTIFICATIVA A CONFEBRÁS Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito Mútuo, a UNICRED do Brasil, a Confederação do SICOOB Sistema das Cooperativas de Crédito Integrantes do BANCOOB e o Conselho Especializado de Crédito da OCB Organização das Cooperativas Brasileiras, são instituições responsáveis pelo Sistema de Cooperativismo de Crédito no Brasil, órgãos fundamentais para o entendimento do funcionamento do cooperativismo no nosso país. A CONFEBRÁS Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito Mútuo tem como missão desenvolver, promover e integrar o Cooperativismo de Crédito Mútuo Brasileiro, representando-o nacional e internacionalmente. Além da difusão do Cooperativismo de Crédito e a defesa dos interesses das Cooperativas de Crédito Mútuo, a CONFEBRÁS tem como objetivo intermediar as negociações entre as Cooperativas, o Governo e o Setor Privado. A UNICRED do Brasil é um Sistema de Cooperativismo de Crédito Mútuo, cujos associados são profissionais da área de Saúde (Médicos, Dentistas, Psicólogos, dentre outros). A UNICRED do Brasil atua em 24 estados, 310 pontos de atendimento, sendo a maior Cooperativa Brasileira especializada em uma área (saúde). O objetivo da UNICRED do Brasil é reunir os associados em um único empreendimento de crédito, funcionando como um Banco para os associados, tornando-se, assim, a principal instituição financeira do profissional da saúde. A Confederação do SICOOB Sistema das Cooperativas de Crédito Integrantes do BANCOOB é constituído por 14 cooperativas centrais, mais suas filiadas, urbanas e rurais. As entidades participantes do SICOOB são independentes política, administrativa e juridicamente, mas estão integradas financeira, técnica e operacionalmente. Assim como os associados controlam sua cooperativa singular por meio de Assembléias Gerais, as cooperativas singulares também participam do controle da cooperativa central. As cooperativas centrais, por sua vez, se uniram para formar o SICOOB, que capitalizou e passou a controlar o BANCOOB (Banco Cooperativo do Brasil S.A.). As cooperativas centrais objetivam organizar, em comum e em maior escala, os serviços econômicos e assistenciais de interesse das filiadas, integrando e orientando suas atividades, bem como facilitando a utilização recíproca de serviços. O BANCOOB (Banco Cooperativo do Brasil S.A.) é um Banco Comercial, com personalidade jurídica própria, criado por iniciativa das principais Cooperativas Centrais do Brasil, para lhes dar apoio operacional e financeiro.

3 3 O Conselho Especializado de Crédito da OCB Organização das Cooperativas Brasileiras é um órgão consultivo da OCB, que funciona a nível nacional. O objetivo do Conselho é apoiar o Cooperativismo de Crédito, seja apresentando estudos técnicos ou representando o Cooperativismo a nível político. O Conselho também unifica os Sistemas de Crédito Cooperativo, já que cada Sistema tem a sua particularidade. Assim, a função do Conselho é unificar os Sistemas de Crédito Cooperativo em todo o Brasil e traçar metas comuns. É indiscutível a relevância do Cooperativismo de Crédito para o desenvolvimento do Brasil. Assim, é de extrema importância esta Comissão ouvir os representantes desses Sistemas Cooperativos, que representam o Cooperativismo de Crédito no Brasil. É, portanto, o presente REQUERIMENTO para que esta Comissão de Finanças e de Tributação convide o Senhor Presidente da CONFEBRÁS Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito Mútuo, Dr. Manuel Messias da Silva, o Senhor Presidente da UNICRED do Brasil, Dr. Jayr Paula Gomes Gonçalves, o Senhor Presidente da Confederação do SICOOB Sistema das Cooperativas de Crédito Integrantes do BANCOOB, Dr. Eli de Oliveira Penido, e o Senhor Coordenador do Conselho Especializado de Crédito da OCB Organização das Cooperativas Brasileiras, Dr. Alcenor Pagnussat, para prestarem informações a esta Comissão sobre o Sistema de Cooperativas de Crédito no Brasil. É o requerimento. Sala das Sessões, em de de Deputado CORIOLANO SALES

4 4 ANEXO CONFEBRÁS Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito Mútuo Presidente: Dr. Manuel Messias da Silva Endereço: SCS, Quadra 06, Ed. Presidente, sala 403, Brasília DF Telefone: (61) Fax: (61) UNICRED do Brasil: Presidente: Dr. Jayr Paula Gomes Gonçalves Endereço: Alameda Santos, 1827, 12º andar, cj.192, Cerqueira Cesar, São Paulo SP Telefone: (11) Fax: (11) Confederação do SICOOB Sistema das Cooperativas de Crédito Integrantes do BANCOOB: Presidente: Dr. Eli de Oliveira Penido Endereço: SCS, Quadra 06, Bloco A, Ed. Sofia, nº 50, 5º andar, Brasília DF Telefone: (61) Fax: (61)

5 5 Coordenador do Conselho Especializado de Crédito da OCB Organização das Cooperativas Brasileiras: Presidente: Dr. Alcenor Pagnussat Endereço: SAUS, Quadra 04, Bloco I, Ed. OCB, Brasília DF Telefone: (61) Fax: (61)

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

Informativo www.unicred.com.br

Informativo www.unicred.com.br Informativo www.unicred.com.br ano 5 nº 40 2011 Editorial Unicred do Brasil Definido o tema da IX Convenção Nacional Unicred A Comissão Organizadora da Convenção Nacional Unicred, que se realizará na cidade

Leia mais

O que é o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop)?

O que é o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop)? Perguntas frequentes A fim de subsidiar os analistas e técnicos do setor cooperativista de crédito brasileiro e informar a população em geral, reunimos, abaixo, algumas perguntas, com suas respostas, sobre

Leia mais

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob.

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob. 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil RODRIGO PEREIRA BRAZ Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições Não Bancárias Banco Central do Brasil 06 de junho de 2013 Agenda Estrutura

Leia mais

DADOS CONSOLIDADOS SICOOB SÃO PAULO SETEMBRO/2014

DADOS CONSOLIDADOS SICOOB SÃO PAULO SETEMBRO/2014 DADOS CONSOLIDADOS SICOOB SÃO PAULO SETEMBRO/2014 MISSÃO E VISÃO DO SICOOB SP MISSÃO ATENDER AS NECESSIDADES E EXPECTATIVAS DAS ASSOCIADAS VISÃO SER REFERÊNCIA NO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO BRASILEIRO Histórico

Leia mais

Cooperativas de crédito e seus impactos sociais

Cooperativas de crédito e seus impactos sociais Cooperativas de crédito e seus impactos sociais A estrutura do cooperativismo de crédito brasileiro Inseridas no meio econômico financeiro do país desde 1902, as cooperativas de crédito se apresentam com

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissões. Comissão de Constituição e Justiça Senado Federal

SENADO FEDERAL Comissões. Comissão de Constituição e Justiça Senado Federal RAMO AGROPECUÁRIO Período: 28 de outubro a 1º de novembro de 2013 SENADO FEDERAL Comissões Comissão de Constituição e Justiça Senado Federal Dia: 30/10 Horário: 10h Local: Plenário 3 (Item 11) PROJETO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. LEONARDO PICCIANI) Dispõe sobre a regulamentação da atividade profissional de Psicomotricista e autoriza a criação dos Conselhos Federal e Regionais de Psicomotricidade.

Leia mais

História e evolução do cooperativismo Brasileiro Os sete princípios A importância do cooperativismo para a economia social brasileira

História e evolução do cooperativismo Brasileiro Os sete princípios A importância do cooperativismo para a economia social brasileira História e evolução do cooperativismo Brasileiro Os sete princípios A importância do cooperativismo para a economia social brasileira Recife PE Junho de 2006 Breve história do cooperativismo 1844 1899

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL. REQUERIMENTO Nº /2015-CAPADR (do Sr. Daniel Vilela)

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL. REQUERIMENTO Nº /2015-CAPADR (do Sr. Daniel Vilela) COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL REQUERIMENTO Nº /2015-CAPADR (do Sr. Daniel Vilela) Requer a realização de Audiência Pública para instruir o Projeto de Lei nº 1670/2015, que Institui

Leia mais

Discurso do diretor Luiz A Pereira da Silva no SICOOB - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil

Discurso do diretor Luiz A Pereira da Silva no SICOOB - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil Brasília, 23 de novembro de 2011 Discurso do diretor Luiz A Pereira da Silva no SICOOB - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil 1. Senhoras e senhores, boa tarde. 2. Inicialmente, eu gostaria de

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO BALANÇO 213/2 RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO As incertezas do mercado econômico brasileiro no primeiro semestre de 213 jogaram para baixo as projeções do Produto Interno Bruto (PIB) e elevaram

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS REQUERIMENTO Nº, DE 2002

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS REQUERIMENTO Nº, DE 2002 COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS (AUDIÊNCIA PÚBLICA) REQUERIMENTO Nº, DE 2002 (do Sr. Paulo Baltazar) Solicita sejam convocados os Srs. Paulo Renato Souza, Ministro de Estado

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Carlos Bezerra) Senhor Presidente,

REQUERIMENTO. (Do Sr. Carlos Bezerra) Senhor Presidente, REQUERIMENTO (Do Sr. Carlos Bezerra) Requer o envio de indicação ao Poder Executivo, sugerindo alteração na legislação tributária federal relativa ao Imposto de Renda incidente sobre aplicações em renda

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Jofran Frejat) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Jofran Frejat) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Jofran Frejat) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, que sugere a adoção de medidas de incentivo à doação de leite materno por parte das funcionárias públicas federais lactantes.

Leia mais

Sicoob Central Cecresp. Institucional

Sicoob Central Cecresp. Institucional Sicoob Central Cecresp Institucional Gestão DIRETOR PRESIDENTE Carlos Augusto de Macedo Chiaraba Sicoob Nossacred DIRETOR VICE PRESIDENTE Francisco Rao - Sicoob Crediconsumo CONSELHEIROS Antonio João Batista

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

Associativismo e Cooperativismo. Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia

Associativismo e Cooperativismo. Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia Associativismo e Cooperativismo Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia O QUE É COOPERAR? Cooperar é trabalhar junto, é ajudar-se mutuamente, é tentar conseguir, com ajuda

Leia mais

1. Esta Política institucional de comunicação e marketing:

1. Esta Política institucional de comunicação e marketing: 1. Esta Política institucional de comunicação e marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles)

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles) REQUERIMENTO nº, de 2015 (Do Sr. Carlos Melles) Requer a Convocação de Sessão Solene em 2016, em Homenagem ao vigésimo aniversário da Lei que criou o SIMPLES no Brasil. Senhor Presidente, Representando

Leia mais

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS Um projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades integradas e coordenadas, com o fim de alcançar objetivos específicos dentro dos limites

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra) Requer a realização do III Fórum Nacional da Saúde Ocular. Senhor Presidente, Requeiro a Vossa Excelência, ouvido

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

2º Seminário Banco Central sobre Microfinanças

2º Seminário Banco Central sobre Microfinanças 10 de novembro de 2003 Segunda-feira 8h Credenciamento de participantes Auditório do Centro de Treinamento do Banco do Nordeste do Brasil 8h30 Abertura Expositores (10 min. cada): Lúcio Gonçalo de Alcântara

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.811, DE 21 DE JUNHO DE 2006. Dispõe sobre a composição, estruturação, competência e funcionamento do Conselho Nacional

Leia mais

CIZA-NEWS EDIÇÃO 96 ANO 2014

CIZA-NEWS EDIÇÃO 96 ANO 2014 CIZA-NEWS EDIÇÃO 96 ANO 2014 NOTÍCIAS DE SUMA IMPORTÂNCIA DO COOPERATIVISMO Fusão de dois bancos de cooperativas (BANCOOB E BANSICREDI) pode criar instituição maior que o Credit Suisse e o JP Morgan no

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.485, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi)

PROJETO DE LEI N.º 3.485, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.485, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre a instalação do sistema de segurança de portas giratórias com detector de metais nas casas lotéricas e agências

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Edson Silva) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Edson Silva) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Edson Silva) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, sugerindo ao Ministério da Educação que a disciplina língua inglesa seja incluída nos currículos dos cursos de graduação

Leia mais

www.confebras.com.br/concred

www.confebras.com.br/concred PROGRAMAÇÃO PRÉVIA DO 8º CONCRED 25.08 4ª feira 17h00 19h00 Credenciamento 1 19h00 20h30 Abertura oficial Convidados: Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Federativa do Brasil Orlando Pessuti

Leia mais

REQUERIMENTO N de de outubro de 2009 (Do Sr. Dr. Talmir)

REQUERIMENTO N de de outubro de 2009 (Do Sr. Dr. Talmir) REQUERIMENTO N de de outubro de 2009 (Do Sr. Dr. Talmir) Requer o envio de indicação ao Exmo. Sr. Ministro de Estado da Saúde. Senhor Presidente Nos termos do art. 113, inciso I e 1º, do Regimento Interno

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) Requer informações ao Ministro da Educação sobre que medidas estão sendo desenvolvidas para cooperar tecnicamente com os estados que não

Leia mais

CENTRAL EM NOTÍCIAS. Assembleias 2013: a voz do cooperativismo

CENTRAL EM NOTÍCIAS. Assembleias 2013: a voz do cooperativismo CENTRAL EM NOTÍCIAS Fevereiro/Março de 2013 Assembleias 2013: a voz do cooperativismo A participação em uma assembleia é o ponto alto na vivência do cooperativismo, momento em que podemos influir nos rumos

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

PARECER CEE Nº 152/2011

PARECER CEE Nº 152/2011 Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/203.763/2010 INTERESSADO: INSTITUTO TROMPOWSKY PARECER

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015.

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. Cria a CONEXÃO EDUCACIONAL, órgão suplementar vinculado à Coordenação Executiva. 1 O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO INSTITUTO

Leia mais

Sebrae Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Armando Monteiro

Sebrae Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Armando Monteiro Sebrae Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Armando Monteiro Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor de Administração e Finanças

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO Brasília, 14 de outubro de 2011. Prezadas Senhoras, Prezados Senhores, A ONU Mulheres Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres solicita

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão do profissional de coaching (coach), e dá outras providências. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: TRABALHO,

Leia mais

Sistema Unimed DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

Sistema Unimed DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Sistema Unimed DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU Confederação COOPERATIVA DE 2º GRAU Federação ou Central COOPERATIVA

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão de treinador de recursos humanos coaching e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS

Leia mais

DATA 22 / 06 / 2006 PÁGINA : 02

DATA 22 / 06 / 2006 PÁGINA : 02 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.811, DE 21 DE JUNHO DE 2006. Dispõe sobre a composição, estruturação, competência e funcionamento do Conselho Nacional

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL 72% 88% 54% 55% Prazo médio das operações se amplia, mas dificuldades persistem CRÉDITO DE CURTO PRAZO

SONDAGEM ESPECIAL 72% 88% 54% 55% Prazo médio das operações se amplia, mas dificuldades persistem CRÉDITO DE CURTO PRAZO Ano 7 Número 04 setembro de 2009 www.cni.org.br CRÉDITO DE CURTO PRAZO Prazo médio das operações se amplia, mas dificuldades persistem 72% das grandes empresas utilizam mais os bancos privados nacionais

Leia mais

FINANÇAS E COOPERATIVISMO

FINANÇAS E COOPERATIVISMO O CARREGA NA ESSÊNCIA OS VALORES DA HUMANIDADE Cooperativismo é a união voluntária de pessoas com o objetivo de atender necessidades e aspirações comuns, de natureza econômica, social, cultural ou outras.

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Moreira Mendes)

REQUERIMENTO. (Do Sr. Moreira Mendes) REQUERIMENTO (Do Sr. Moreira Mendes) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, propondo alteração no limite da área de imóveis rurais na Amazônia Legal para efeito de georreferenciamento e atualização

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável CEDRS-PB. Câmara Técnica de Ação Fundiária CTAF

Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável CEDRS-PB. Câmara Técnica de Ação Fundiária CTAF Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável CEDRS-PB Câmara Técnica de Ação Fundiária CTAF Edital de Convocação para Credenciamento de Entidades Prestadoras de Serviços de Medição de Área Perimetral

Leia mais

O que é Saúde Complementar

O que é Saúde Complementar O que é Saúde Complementar A Lei 9.656/1998 define Operadora de Plano de Assistência à Saúde como sendo a pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade

Leia mais

Desde 1993 a confiança e credibilidade conquistada é resultado do trabalho constante em comunicação objetiva e atendimento especializado.

Desde 1993 a confiança e credibilidade conquistada é resultado do trabalho constante em comunicação objetiva e atendimento especializado. ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA COM SÓLIDA EXPERIÊNCIA E CONHECIMENTO EM NEGÓCIOS, QUE PELO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO, CLARO E ÁGIL, TORNOU-SE UMA MARCA DE EXCELÊNCIA. MSCB Advogados possui uma visão moderna de

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO Brasília, 14 de outubro de 2011. Prezadas Senhoras, Prezados Senhores, A ONU Mulheres Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres solicita

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Cria a Central de Atendimento Telefônico ao Idoso e Portador de Necessidades Especiais, no âmbito do Estado de Goiás. A Assembléia Legislativa do Estado de Goiás, nos

Leia mais

O COOPERATIVISMO E O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

O COOPERATIVISMO E O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO O COOPERATIVISMO E O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO BRASIL Grandeza 5ª Maior População do planeta Maior reserva de água doce do mundo 7ª Economia do mundo Maior área agricultável do planeta Fonte: Banco mundial

Leia mais

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Avanços e Pontos para Reflexão Renato da Fonseca Secretário-Executivo do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Confederação Nacional da Indústria Pontos para reflexão Por que devemos criar um regime especial

Leia mais

Incubadora de Empresas de Inovação Tecnológica UNIJUÍ

Incubadora de Empresas de Inovação Tecnológica UNIJUÍ PRÁTICA-CHAVE 2.2 AVALIAÇÃO ANEXO I Edital de Incubação EDITAL Nº 03/2014 DA CRIATEC - INCUBADORA DE EMPRESAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIJUI CAMPUS IJUÍ, PANAMBI E SANTA ROSA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Pós-graduação, Formação Acadêmica, Certificações, Cursos,...

CURRICULUM VITAE. Pós-graduação, Formação Acadêmica, Certificações, Cursos,... Dados Pessoais CURRICULUM VITAE. Nome completo: José Admilson Fagundes de Oliveira. Data de nascimento: 10/10/1969.. Documentos: ID: 3.267.945 SSP/PE, CPF: 695.225.454-49, PIS/PASEP: 170.48177.62.2.. Domicílio:

Leia mais

(Do Sr. Sérgio Vidigal) Senhor Presidente:

(Do Sr. Sérgio Vidigal) Senhor Presidente: COMISSÃO ESPECIAL DA MAIORIDADE PENAL REQUERIMENTO N O, DE 2015 (Do Sr. Sérgio Vidigal) Requer que seja convidado o Juiz Fernando Antônio Nogueira Galvão da Rocha e o Promotor de Justiça Rogério Graco

Leia mais

ESTATUTOS DA OCPLP ORGANIZAÇÃO COOPERATIVISTA DOS POVOS DE LÍNGUA PORTUGUESA. CAPÍTULO I (Constituição, denominação, sede e objecto)

ESTATUTOS DA OCPLP ORGANIZAÇÃO COOPERATIVISTA DOS POVOS DE LÍNGUA PORTUGUESA. CAPÍTULO I (Constituição, denominação, sede e objecto) OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa Comissão Instaladora ESTATUTOS DA OCPLP ORGANIZAÇÃO COOPERATIVISTA DOS POVOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CAPÍTULO I (Constituição, denominação,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO ELETRÔNICA DE PREÇO SIOCONV Nº 022/2013

TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO ELETRÔNICA DE PREÇO SIOCONV Nº 022/2013 TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO ELETRÔNICA DE PREÇO SIOCONV Nº 022/2013 TIPO: MENOR PREÇO GLOBAL A Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Brasil FETRAF-BRASIL/CUT,

Leia mais

MODELO DA FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE SURDOS

MODELO DA FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE SURDOS MODELO DA FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE SURDOS A Associação de Surdos representa importante espaço de articulação e encontro da Comunidade Surda. Importantes movimentos se originaram e ainda se resultam das

Leia mais

II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO

II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS Painel: Crédito Cooperativo e Desenvolvimento COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO TEMAS A SEREM ABORDADOS: Características

Leia mais

Projeto Cartão BNDES Sicoob PROJETO Cartão BNDES Sicoob

Projeto Cartão BNDES Sicoob PROJETO Cartão BNDES Sicoob PROJETO Cartão BNDES Sicoob Abril/2013 Desenvolvimento do Projeto e Fluxo Operacional Marcos Chaves Superintendente de Cartões - Bancoob Por que é importante possuir o Cartão BNDES Porque o Cartão BNDES

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Publicada no D.O.U. nº 217, de 13/11/09 Seção 1 Página 183 e 184 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Aprova o registro profissional

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/04/2007

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/04/2007 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/04/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Wanderson Bezerra de Azevedo UF: MS

Leia mais

REQUERIMENTO N.º, DE 2.006 ( Dep. BABÁ)

REQUERIMENTO N.º, DE 2.006 ( Dep. BABÁ) REQUERIMENTO N.º, DE 2.006 ( Dep. BABÁ) Solicita ao Ministério da Fazenda o atendimento do requerimento 3513/2005 que solicita informações sobre os detentores dos títulos da dívida Interna Pública Federal.

Leia mais

Sistema Simulador de Negócios Unicred Central SC

Sistema Simulador de Negócios Unicred Central SC Sistema Simulador de Negócios Unicred Central SC Obtenha mais resultado de sua carteira! 1. Introdução Caros gerentes de agência, consultores e assistentes de negócios do Sistema Unicred de SC, vocês estão

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 6.521, DE 2009 Institui nas escolas públicas programa de educação para prevenção dos cânceres de mama e de colo do útero. Autor: Deputado JOÃO DADO : I

Leia mais

Prezado(a) Mantanedor(a), segue notícia de interesse.

Prezado(a) Mantanedor(a), segue notícia de interesse. Informativo 18/03/2014 SEMERJ www.semerj.org.br semerj@semerj.org.br Caso sua instituição ainda não seja associada ao SEMERJ, visite nosso site e descubra as vantagens em associar-se ao Sindicato das Entidades

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DO INVESTIMENTO SOCIAL ESTRANGEIRO NO BRASIL. w w w. m m s o. c o m. b r

ASPECTOS JURÍDICOS DO INVESTIMENTO SOCIAL ESTRANGEIRO NO BRASIL. w w w. m m s o. c o m. b r ASPECTOS JURÍDICOS DO INVESTIMENTO SOCIAL ESTRANGEIRO NO BRASIL w w w. m m s o. c o m. b r Tipos Societários Fundações - Pessoas jurídicas de direito privado Dotação de bens livres. Objeto: fins religiosos,

Leia mais

Reunião na Federação das Unimeds do Rio apresenta ações para o ramo

Reunião na Federação das Unimeds do Rio apresenta ações para o ramo Reunião na Federação das Unimeds do Rio apresenta ações para o ramo 27 de FEVEREIRO A Federação das Unimeds do Estado do Rio de Janeiro promoveu, em sua sede, reunião do Conselho Federativo. O presidente

Leia mais

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 Institui o Regimento Interno do Comitê Nacional de Educação Financeira. O COMITÊ

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO Brasília, 10 de maio de 2012. Prezadas Senhoras, Prezados Senhores, A ONU Mulheres Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres solicita a

Leia mais

Cooperativismo > História História do Cooperativismo

Cooperativismo > História História do Cooperativismo Cooperativismo > História História do Cooperativismo A origem do que hoje chamamos cooperativa tem data marcada: 21 de dezembro de 1844. Nesse dia, 27 tecelões e uma tecelã do bairro de Rochdale, em Manchester,

Leia mais

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

Cooperativismo Agropecuário

Cooperativismo Agropecuário Cooperativismo Agropecuário rio Camara Temática de Insumos Agropecuários Paulo Cesar Dias Junior Brasília, 25 de novembro de 2013 Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. OCB: Atuação Representação

Leia mais

Plataforma de Formação e Discussão para a Promoção do Emprego Qualificado Porto, julho2012

Plataforma de Formação e Discussão para a Promoção do Emprego Qualificado Porto, julho2012 Plataforma de Formação e Discussão para a Promoção do Emprego Qualificado Porto, julho2012 Enquadramento As sucessivas e dependentes crises financeiras - do subprime e das dívidas soberanas - têm levado

Leia mais

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física Cédula nº: Valor: Data da emissão: Data do vencimento: 1. EMITENTE(S): 1.1 Nome: 1.2 RG: 1.3 CPF/MF - CNPJ/MF: E os coemitentes, demais titulares da conta corrente ao final nomeados, todos qualificados

Leia mais

I- TENS ORGANIZACIONAIS

I- TENS ORGANIZACIONAIS I- TENS ORGANIZACIONAIS 1.1 JORNADA TRABALHO - A jornada de trabalho dos empregados das Cooperativas crédito será de 40 horas (quarenta horas) semanais. 1.2 Jornada Semanal de Trabalho Todas as horas prestadas

Leia mais

Nosso compromisso é aperfeiçoar seu negócio

Nosso compromisso é aperfeiçoar seu negócio Nosso compromisso é aperfeiçoar seu negócio 1 2 WWW.HEDGE.COM.BR Grupo Hedge Fundado em 1996, o Grupo Hedge é formado pelas empresas Hedge Recuperação de Crédito, Hedge Participações e Hedge Representações.

Leia mais

Regulamento da Campanha de Capitalização 2012-2013 CAPITAL FORTE / COOPERADO FORTE

Regulamento da Campanha de Capitalização 2012-2013 CAPITAL FORTE / COOPERADO FORTE Regulamento da Campanha de Capitalização 2012-2013 CAPITAL FORTE / COOPERADO FORTE 1. OBJETIVOS 1.1. Disseminar os princípios cooperativistas de crédito; 1.2. Oferecer ao quadro social uma opção de investimento

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Fiscalização Financeira e Controle CFFC

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Fiscalização Financeira e Controle CFFC REQUERIMENTO Nº, DE 2013 (do Sr. Fernando Francishcini) Requer que seja convocado o Sr. Manoel Dias, Ministro de Estado do Trabalho e Emprego para expor acerca dos últimos acontecimentos naquele Ministério,

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (AUDIÊNCIA PÚBLICA) REQUERIMENTO Nº, DE 2012. (Da Sra. Benedita da Silva)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (AUDIÊNCIA PÚBLICA) REQUERIMENTO Nº, DE 2012. (Da Sra. Benedita da Silva) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (AUDIÊNCIA PÚBLICA) REQUERIMENTO Nº, DE 2012 (Da Sra. Benedita da Silva) Requer a realização de Audiência Pública para discutir a continuidade e ampliação do trabalho

Leia mais

TEMA I: O GOVERNO BRASILEIRO E O SEGMENTO MICROFINANCEIRO

TEMA I: O GOVERNO BRASILEIRO E O SEGMENTO MICROFINANCEIRO do LOCAL: Ouro Minas Palace Hotel Av. Cristiano Machado, 4001 - Belo Horizonte (MG) Cep: 31910-810 Fone: [31] 3429 4001 / Fax: 3429 4262 Site: http://www.ourominas.com.br Contato do evento em Belo Horizonte:

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N DE 2011. (dos Srs. Rogério Marinho, Otávio Leite e Mara Gabrilli)

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N DE 2011. (dos Srs. Rogério Marinho, Otávio Leite e Mara Gabrilli) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N DE 2011 (dos Srs. Rogério Marinho, Otávio Leite e Mara Gabrilli) Requer que seja realizada Reunião de Audiência Pública com a presença

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnico n.º 08/07 Relações das obras com indícios de irregularidades graves constantes nos anexos às leis orçamentárias para os exercícios de 2002

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO Brasília, 24 de novembro de 2011. Prezadas Senhoras, Prezados Senhores, A ONU Mulheres Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres solicita

Leia mais

REQUERIMENTO Nº, DE 2006 (Do Sr. Julio Lopes)

REQUERIMENTO Nº, DE 2006 (Do Sr. Julio Lopes) REQUERIMENTO Nº, DE 2006 (Do Sr. Julio Lopes) Requer o envio de Indicação ao Ministro de Estado das Comunicações, sugerindo alteração na forma de definição da receita auferida pelas empresas dedicadas

Leia mais

Uma história de sucesso

Uma história de sucesso Dr. Fernando Augusto Pinto e Dra. Carla Maria Martins Gomes formam uma singular equipe. Nas áreas em que se especializaram conseguem reunir atributos fundamentais à satisfação dos interesses dos clientes,

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais