GUIA PARA PREENCHIMENTO DA SOLICITAÇÃO DE CRÉDITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PARA PREENCHIMENTO DA SOLICITAÇÃO DE CRÉDITO"

Transcrição

1 DIRETORIA FINANCEIRA E DE CREDITO Superintendência de Concessão de Crédito e Administração das Centrais de Crédito GUIA PARA PREENCHIMENTO DA SOLICITAÇÃO DE CRÉDITO julho/2015

2 S U M Á R I O 1. O Que é a Solicitação de Crédito Informando os Dados do Cliente Informando as Condições de Financiamento Indicando as Garantias Oferecidas Concluindo a Apresentação da Proposta Consultando a Solicitação de Crédito na Internet Buscando Apoio ao Preenchimento ou à Consulta da Solicitação de Crédito Erro da Página ou do Sistema APÊNDICE: Destinação de Crédito e

3 1. O Que é a Solicitação de Crédito A Solicitação de Crédito é um aplicativo moderno, amigável que proporciona a você agilidade e praticidade na caracterização da sua intenção de financiamento para vários itens, atendendo público diversificado, excetuando cliente do âmbito do Pronaf e Crediamigo, detalhado no Apêndice. Este guia vai orientá-lo quanto ao preenchimento da Solicitação de Crédito na Internet, para que a agência de relacionamento escolhida por você tome conhecimento do seu pedido. O preenchimento é realizado de modo simplificado, mediante as quatro etapas apresentadas na figura adiante: Na sequência, será apresentado, passo a passo, como você deve executar cada uma dessas etapas. 3

4 2. Informando os Dados do Cliente Para incluir os seus dados pessoais, é necessário preencher as informações ou selecionar a opção adequada na tela apresentada na figura 1 Dados do Cliente: 4

5 Figura 1 Dados do Cliente Descrição Tipo de Pessoa Forma de Constituição CPF / CNPJ Nome / Razão Social Telefone 1 Telefone 2 CEP Tipo de Logradouro Descrição DADOS DO PROPONENTE Selecionar a opção ENDEREÇO (LOCAL DO EMPREENDIMENTO) Ação Ação (estrada, sítio, avenida, rua, travessa, praça etc.), se não recuperar automaticamente Logradouro, se não recuperar automaticamente Número Complemento Bairro, se não recuperar automaticamente UF Município Referência para Localização O imóvel onde funciona sua empresa ou negócio é próprio ou de terceiros? Qual o Subsetor? ATIVIDADE ECONÔMICA PARA ESTE FINANCIAMENTO Descrição Qual o Ramo da Atividade? Qual a Atividade? Ação Para continuar o processo de preenchimento da Solicitação de Crédito, você deve clicar no botão Próximo Passo. 5

6 3. Informando as Condições de Financiamento Para incluir as condições de financiamento, é necessário preencher as informações ou selecionar a opção adequada na tela apresentada na figura 2 Condições de Financiamento. Figura 2 Condições de Financiamento Descrição Objetivo Destinação do Crédito Prazo Total (em meses) OBJETIVO DO CRÉDITO Ação. Para conhecer detalhes sobre público-alvo e finalidade do crédito, consulte o Apêndice deste Guia. Depois de selecionadas as opções de Objetivo e Destinação de Crédito, é necessário preencher as informações do Quadro de Inversão na tela apresentada na figura 3 Quadro de Inversão. 6

7 Figura 3 Quadro de Inversão O Quadro de Inversão deve ser preenchido mediante a inclusão sucessiva de cada um dos itens a serem financiados. Descrição Descrição Item Financiado Quantidade Unidade Valor Unitário Recursos Próprios Totais Valor Financiado Valor Total QUADRO DE INVERSÃO Ação (exemplo: Construção Cívil, Aquisição de Móveis e Utensílios etc.) (valor numérico) (valor de um item a financiar) (valor não financiado) Nenhuma (o valor é calculado automaticamente) Nenhuma (o valor é calculado automaticamente) Depois de preenchidas/selecionadas as informações de um item a financiar: Clique no ícone salvar (disquete ) para gravar as informações do item; ou Clique no ícone excluir (lixeira ) para apagar todas as informações do item. Algumas Destinações de Crédito apresentam, além do Quadro de Inversão, outros quadros para serem preenchidos, conforme exemplo abaixo. 7

8 Para continuar o processo de preenchimento da Solicitação de Crédito, você deve clicar no botão Próximo Passo. Caso você queira retornar à tela anterior, deve clicar no botão Voltar. 4. Indicando as Garantias Oferecidas Para escolher uma ou mais opções de garantias que sejam adequadas ao tipo de financiamento pretendido por você, é necessário selecionar a/s opção/ões na tela apresentada na figura 4 Quadro de Garantias. Figura 4 Quadro de Garantias Garantias Descrição QUADRO DE GARANTIAS Ação Marcar uma ou mais opções 8

9 Caso você queira retornar à tela anterior, deve clicar no botão Voltar. Para continuar o processo de preenchimento da Solicitação de Crédito, você deve clicar no botão Próximo Passo. 5. Concluindo a Apresentação da Proposta Para escolher a Agência de Relacionamento mais próxima do seu empreendimento na qual você deverá apresentar a Solicitação de Crédito impressa e assinada, é necessário selecionar a respectiva opção na tela apresentada na figura 5 Agência de Relacionamento. Figura 5 Agência de Relacionamento Descrição AGÊNCIA DE RELACIONAMENTO Agência na qual você irá apresentar a sua solicitação de crédito Ação Caso você queira retornar à tela anterior, deve clicar no botão Voltar. Para concluir o preenchimento da Solicitação de Crédito, você deve clicar no botão Confirmar Solicitação. Nesse momento será gerada: Uma tela com a Mensagem Final (figura 6); A Solicitação de Crédito em arquivo digital (formato PDF); Uma Senha de Acesso, para ser usada por você caso queira, posteriormente, consultar ou alterar a Solicitação de Crédito. 9

10 Figura 6 Mensagem Final Concluída a geração da Solicitação de Crédito em PDF, ela deverá ser impressa e assinada por você ou por seu representante legal e entregue à agência de relacionamento escolhida, observadas as Orientações Gerais Sobre a Proposta e Mensagem Final, apresentadas nas telas da figura 5 e figura Consultando a Solicitação de Crédito na Internet Para consultar a Solicitação de Crédito elaborada por você, selecione a opção Consultar Solicitação de Crédito, no menu da página principal da internet, para acessar o aplicativo (figura 6 Consulta de Solicitação), preencher os dados solicitados e clicar no botão Consultar. 10

11 Figura 6 Consulta de Solicitação Senha de Acesso CPF/CNPJ Descrição CONSULTA DE SOLICITAÇÃO Ação com a senha informada a você quando da confirmação do preenchimento da Solicitação de Crédito (impresso no arquivo PDF) Selecionar e 7. Buscando Apoio ao Preenchimento ou à Consulta da Solicitação de Crédito Caso você necessite de apoio ao preenchimento ou à consulta da Solicitação de Crédito, existem as seguintes opções: a) Baixar o arquivo Guia de Preenchimento da Solicitação de Crédito, clicando no menu Ajuda, no topo da página do aplicativo; b) Contatar o Cliente Consulta Banco do Nordeste: por meio do telefone , em Capitais e Regiões Metropolitanas (tarifa é de ligação local); por meio do telefone , nas demais localidades do país; ou pelo 8. Erro da Página ou do Sistema Caso ocorra algum erro na aplicação durante o acesso à página ou do preenchimento da Solicitação de Crédito, será apresentada uma mensagem padrão informando qual o código do erro, conforme a seguir: Sistema temporariamente indisponível. Tente novamente mais tarde. Caso o erro persista, contate o Cliente Consulta do Banco do Nordeste por meio dos telefones: Capitais e Regiões Metropolitanas: (Tarifa de ligação atual), Demais localidades ou através do informando o código de erro apresentado na tela: %CD_ERRO%. 11

12 APÊNDICE: Destinação de Crédito e Quadro 1 Formas de financiamentos 01 Aquisição de matérias-primas, insumos e de bens para formação de estoques (Giro Insumos) Empresa industrial, agroindustrial, turística, comercial e de prestação de serviços (empresário cadastrado na junta comercial e pessoa jurídica) excetuados o Microempreendedor Individual (MEI) e o cliente de grande porte. Apoiar a produção industrial e agroindustrial e as atividades turística, comercial e de prestação de serviços da Região mediante o financiamento da aquisição isolada do que se segue: 1.1. matérias-primas e insumos utilizados no processo produtivo de indústria e agroindústria; 1.2. mercadorias, inclusive máquinas, veículos utilitários, aeronaves, embarcações ou equipamentos, destinados à constituição de estoques de empresa comerciante desses bens; 1.3. insumos utilizados por empresa turística; 1.4. insumos utilizados por empresa de prestação de serviços, inclusive turística, desde que sejam classificada como microempresa, pequena ou pequena-média. 02 Aquisição isolada de máquinas, tratores, veículos, equipamentos e embarcações de pesca Pessoa física e jurídica e empresário registrado na junta comercial que exerça atividade comercial, de serviços, industrial, agroindustrial, rural e turismo. Financiamento de máquinas, tratores, veículos, equipamentos e embarcações de pesca a ser utilizado de acordo com a finalidade da atividade econômica do empreendimento financiado sem capital de giro associado. 03 Aquisição isolada de matrizes e reprodutores Produtor rural (pessoa jurídica e pessoa física, inclusive empresário registrado na junta comercial). Aquisição de reprodutores puros e matrizes puras ou mestiças de bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos, desde que o produtor rural comprovadamente já disponha de toda a infraestrutura adequada (instalações, aguadas, pastagens, equipamentos etc.), sem capital de giro associado. 04 Aquisição Isolada de móveis e utensílios Pessoas físicas e jurídicas e empresários registrados na junta comercial que exerçam atividades comerciais, serviços, industriais, agroindustriais, rurais e turismo. Implantação, expansão, modernização, reforma e relocalização com modernização de empreendimentos do setor comercial e do setor de prestação de serviços, mediante o financiamento de investimentos e capital de giro associado. 05 Beneficiamento ou industrialização de produtos de origem agropecuária (FINAGRO) Empresa industrial, agroindustrial e comercial (empresário cadastrado na junta comercial e pessoa jurídica) que seja compradora dos produtos, matérias-primas e outros bens 12

13 agropecuários. Apoiar as atividades agroindustrial, industrial e comercial mediante a concessão de financiamento destinado às seguintes finalidades: 5.1. financiamento da aquisição de produtos de origem agropecuária, fornecidos por produtor rural (pessoa física e jurídica), suas associação e cooperativa, ou por empresa beneficiadora, desde que tais produtos sejam beneficiados ou utilizados como matérias-primas pela empresa compradora; 5.2. financiamento da aquisição de matérias-primas e outros bens para a produção de insumos utilizados na atividade agropecuária, a exemplo dos classificados como defensivos agrícolas, adubos, fertilizantes, rações, vacinas, medicamentos, substâncias utilizadas em exames veterinários e corretivos de solo; 5.3. financiamento da aquisição, por empresa comercial, para posterior revenda, de produtos de origem agropecuária, fornecidos por produtor rural (pessoa física ou jurídica), suas associação e cooperativa, ou por outra empresa que tenha tais produtos para comercialização; 5.4. financiamento da aquisição, por empresa comercial, para posterior revenda, de insumos utilizados na atividade agropecuária, a exemplo daqueles mencionados na alínea 5.2. anterior. 06 Cooperfat (Investimento para Aquisição de Máquinas, Veículos e Equipamentos) Cooperativa e associação urbana, cujo quadro social seja composto por, no mínimo, 70% de profissionais autônomos, em operações diretamente com membros da entidade. E pessoa física que seja profissional autônomo, desde que organizado em cooperativa ou associação urbana. Apoiar cooperativas e associações urbanas, para que promovam a geração e/ou manutenção de postos de trabalho e renda, a implantação, ampliação, modernização e reforma de empreendimentos, conduzidos no meio urbano, mediante o financiamento da aquisição dos seguintes itens: 6.1. máquinas novas ou usadas com até 10 anos de uso nacionais ou estrangeiras e equipamentos novos ou usados com até 10 anos de uso nacionais ou estrangeiros, desde que estejam em bom estado de conservação e apresentem vida útil superior ao prazo da operação de financiamento; 6.2. veículos automotores, desde que utilizados na atividade produtiva objeto do financiamento, de produção nacional, não podendo ser versão esportiva ou luxuosa, necessários e imprescindíveis para o empreendimento, novos ou usados com até cinco anos de uso, desde que estejam em bom estado de conservação e tenham vida útil superior ao prazo do financiamento, assim entendidos aqueles destinados ao transporte de carga e/ou passageiros caracterizados pela versatilidade do seu uso, inclusive fora de estrada, de acordo com o que dispõe o Código Brasileiro de Trânsito; 6.3. gastos com capacitação técnico-gerencial, desde que seja apresentado um programa específico de capacitação como item integrante do orçamento do projeto ou proposta; 6.4. outros bens e serviços necessários ao ciclo produtivo do empreendimento; 6.5. gastos com assessoria empresarial e técnica; 13

14 6.6. gastos com frete para o transporte e/ou com a montagem de máquinas e equipamentos financiados de forma isolada; 6.7. capital de giro associado. 07 Custeio de Beneficiamento e Industrialização 7.1 Produtores rurais de qualquer porte (pessoas jurídicas e físicas, inclusive empresários registrados na junta comercial), e produtores de sementes e mudas de qualquer porte (pessoas jurídicas e físicas, inclusive empresários registrados na junta comercial) inscritos no Registro Nacional de Sementes e Mudas (RENASEM) mantido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 7.2 Cooperativas de produtores rurais, em créditos na modalidade à própria ou em créditos diretamente aos cooperados. 7.3 Associações de produtores rurais, em créditos diretamente aos associados. 08 Micro Empreendedor Individual (MEI) Suprimento de recursos financeiros destinados ao custeio, isolado e vinculado, das atividades relacionadas às despesas com mão de obra, manutenção e conservação de equipamentos, aquisição de materiais secundários, sacarias, embalagens, armazenagens etc., independentemente da existência de termo de parceria, convênio ou protocolo entre o Banco e outras entidades. Pessoa jurídica classificada como Microempreendedor Individual (MEI). Para o MEI, é exigido, pelo menos, seis meses de atividade, comprovada por meio de experiência bancária ou comercial. Implantação, expansão, modernização, reforma e relocalização de empreendimento de Microempreendedor Individual (MEI) dos setores industrial, inclusive mineração, agroindustrial, de turismo, comercial e de prestação de serviços, inclusive empreendimento cultural e a produção, circulação, divulgação e comercialização de produtos e serviços culturais, mediante o financiamento de investimentos, exceto capital de giro associado. 09 Empréstimo a Cooperativas para Adiantamento a Cooperados Cooperativa e produtor rural. Adiantamento de recursos por conta do preço de produtos já entregues à cooperativa para venda, observados os preços de comercialização. 10 Engorda de Bovinos Produtor rural (pessoa jurídica e pessoa física, inclusive empresário registrado na junta comercial). Aquisição de bovinos desde que o produtor rural comprovadamente já disponha de toda a infraestrutura adequada para manter os animais (instalações, aguadas, pastagens, equipamentos etc.). 11 Financiamento especial para estocagem de produtos agropecuários não integrantes da PGPM (FEE) Cooperativa de produtores rurais, produtor rural (pessoa física, inclusive empresário registrado na junta comercial, e pessoa jurídica), bem como produtor de sementes (pessoa física, inclusive empresário registrado na junta comercial, e pessoa jurídica) inscrito no Registro Nacional de Sementes e Mudas (RENASEM) mantido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 14

15 Financiamento para Estocagem de Produtos Agropecuários destinado a proporcionar recursos financeiros ao mutuário, de modo que permita o armazenamento e a conservação de seus produtos para venda futura em melhores condições de mercado. 12 Financiamento no âmbito do convênio BNB-Arezzo Pessoa jurídica e empresário registrado na junta comercial. Financiamento a empreendimento de franqueado da Arezzo, amparado pelo termo de parceira para contratação de operações de crédito. 13 Financiamento no âmbito do convênio BNB-Boticário Pessoa jurídica e empresário registrado na junta comercial. Financiamento a empreendimento de franqueado da Boticário, amparado pelo termo de parceira para contratação de operações de crédito. 14 Financiamento para a Garantia de Preços ao Produtor (FGPP) Empresário registrado na junta comercial e pessoa jurídica que beneficie ou industrialize produtos de origem agropecuários mediante comprovação da aquisição de produtos agropecuários diretamente de produtor rural, de suas associação ou de sua cooperativa de produção agropecuária: beneficiador e agroindústria; cooperativa de produtores rurais na atividade de beneficiamento ou industrialização; cerealista que exerça cumulativamente, as atividades de limpeza, padronização, armazenamento e comercialização de produtos agrícolas. Permitir ao produtor rural a venda de sua produção por valor não inferior ao preço mínimo, para os produtos amparados pela Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM). 15 Financiamento para estocagem de produtos agropecuários integrantes da PGPM (FEPM) Cooperativa de produtor rural, produtor rural (pessoa física, inclusive empresário registrado na junta comercial, e pessoa jurídica), bem como produtor de sementes (pessoa física, inclusive empresário registrado na junta comercial, e pessoa jurídica) inscrito no Registro Nacional de Sementes e Mudas (RENASEM) mantido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Financiamento para Estocagem de Produtos Agropecuários destinado a proporcionar recursos financeiros ao mutuário, de modo que permita o armazenamento e a conservação de seus produtos para venda futura em melhores condições de mercado. 16 Investimento Integrado Pessoa jurídica e empresário registrado na junta comercial que exerça atividade comercial, de serviços, industrial, agroindustrial e turismo. Implantação, expansão, modernização, reforma e relocalização de empreendimento dos setores industrial, inclusive mineração, agroindustrial, de turismo, comercial e de prestação de serviços, inclusive empreendimento cultural e a produção, circulação, divulgação e comercialização de produtos e serviços culturais, mediante o financiamento de investimentos e capital de giro 15

16 17 Pré-comercialização rural associado. Produtor rural (pessoa física, inclusive empresário registrado na junta comercial, e pessoa jurídica) e cooperativa de produtores rurais (em crédito diretamente ao cooperado ou na modalidade "à própria"), bem como produtor de sementes e mudas (pessoa física, inclusive empresário registrado na junta comercial, e pessoa jurídica) inscrito no Registro Nacional de Sementes e Mudas (RENASEM) mantido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Não se incluem grande produtor rural e grande empresa. Financiamento das despesas inerentes à fase imediata à colheita da produção própria ou de cooperado, a exemplo de armazenagem, manipulação, preservação, acondicionamento, fretes, carretos etc., visando permitir a venda da produção nos melhores mercados, sem favorecer a retenção especulativa de bens. 18 Programa Nordeste Exportação (NExport) Aquisição Isolada Mat.Prima/Insumos- Exportação Empresa exportadora industrial, agroindustrial e comercial (empresário registrado na junta comercial e pessoa jurídica), excetuada empresa de grande porte localizada fora do semiárido e o Microempreendedor Individual (MEI), qualquer que seja sua localização, o qual também não é público-alvo deste programa. Fomentar a produção industrial e agroindustrial e as atividades comerciais de empresa localizada na área de atuação da SUDENE voltada para a exportação, mediante o financiamento da aquisição isolada do que se segue: matérias-primas e insumos utilizados no processo produtivo de indústrias e agroindústrias para a fabricação de bens para exportação; mercadorias, inclusive máquinas, veículos utilitários, aeronaves, embarcações ou equipamentos, destinados à constituição de estoques de empresa comercial, destinados à exportação. 19 Proliberal (Investimento) Pessoa física que seja profissional liberal de nível médio ou superior, inclusive recém-formado, comprovadamente registrado no respectivo conselho de fiscalização da profissão reconhecida, ou seja, que possa exercer a profissão legalmente. Apoiar o profissional liberal mediante a concessão de financiamento, objetivando o aumento da produtividade, a manutenção e geração de emprego e renda e a sua fixação nas regiões de origem, destinando-se o crédito a investimento e capital de giro associado, a saber: bens e serviços inerentes à atividade, de acordo com a habilitação profissional do proponente, podendo ser financiadas aquisições isoladas; capital de giro associado destinado a suprir as necessidades da execução das atividades profissionais. 20 Recria de bovinos Produtor rural (pessoa jurídica e pessoa física, inclusive 16

17 empresário registrado na junta comercial). Aquisição de bovinos desde que o produtor rural comprovadamente já disponha de toda a infraestrutura adequada para manter os animais (instalações, aguadas, pastagens, equipamentos etc.). *** 17

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS Cadeia Produtiva do Café CADA + VEZ BOMPRATODOS Capital de Giro Recebíveis BB Giro Empresa Flex Agro Crédito Agroindustrial Desconto de Cheques/Títulos BB Giro Recebíveis Duplicatas/Cheques/Cartões BB

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS 23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS Carteira de Crédito Sicredi Fevereiro/2013 Saldo da Carteira de Crédito do Sicredi Carteira de Crédito Sicredi R$ 10.310,12 56,13% R$ 4.563,96

Leia mais

SICAN - Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes

SICAN - Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes SICAN - Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes Manual do Sistema Associações 1. Pré-Cadastro SICAN...3 2. Preenchimento do cadastro...5

Leia mais

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012 O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário dezembro de 2012 Apoio ao setor rural Ministério da Agricultura Pecuária e Abatecimento - MAPA Programas Agropecuários do Governo Federal Operacionalizados pelo

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS PARA OS PEQUENOS E MINI PRODUTORES RURAIS

PRODUTOS E SERVIÇOS PARA OS PEQUENOS E MINI PRODUTORES RURAIS PRODUTOS E SERVIÇOS PARA OS PEQUENOS E MINI PRODUTORES RURAIS SETEMBRO - 2011 BANCO DO NORDESTE APOIO AO MINI E PEQUENO PRODUTOR RURAL PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL DO NORDESTE (RURAL) FONTE:

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos.

Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos. Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos. bb.com.br/agronegocio Banco do Brasil, parceiro em todos os momentos do cooperativismo. O cooperativismo consolida, cada vez mais,

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios Soluçõ ções BB para a Economia dos Municípios Presença Nacional Presença Nacional Presença Exclusiva 4.388 Municípios * 874 Municípios * *Municípios com agências BB - dados de janeiro/2009 - Fonte: Bacen

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa 1 Manual para obtenção de Senha Web da Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa. Artesão, Pessoa física e Prestadores de serviços. 2014. INTRODUÇÃO 2 A Nota Fiscal

Leia mais

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões PGPM A. EGF SOV COV B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO Aquisições via Preços Mínimos Via Leilões Estados e Municípios Leite Compra Local Compra Direta Compra Especial Formação de Estoque Doação Simultânea EMPODER

Leia mais

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade 2 BADESUL PERFIL INSTITUCIONAL O BADESUL Desenvolvimento S.A. Agência de Fomento/RS é uma sociedade anônima de economia mista de capital fechado,

Leia mais

FNO Amazônia Sustentável Rural

FNO Amazônia Sustentável Rural FNO Amazônia Sustentável Rural Conceito É um Programa de Financiamento que apóia os empreendimentos rurais. Finalidades do Crédito Investimento fixo, semifixo e misto (investimento + custeio); Custeio

Leia mais

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA CRÉDITO COMO SOLUÇÃO PARA PRODUZIR COM SUSTENTABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL BNDES PRODUSA Objetivos Disseminar o conceito de agronegócio responsável e sustentável, agregando

Leia mais

CORRESPONDENTE CAIXA AQUI NEGOCIAL

CORRESPONDENTE CAIXA AQUI NEGOCIAL CORRESPONDENTE CAIXA AQUI NEGOCIAL Renovação de Crédito Consignado Modelo Automatizado VERSÃO 2.0 Julho 2014 ÍNDICE 1. CADASTRO DE CLIENTES... 3 2. SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO... 6 3. SOLICITAÇÃO DA PROPOSTA

Leia mais

BNDES Programas Agrícolas Pronaf Jovem Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Programas Agrícolas Pronaf Jovem Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Programas Agrícolas Pronaf Jovem Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 - Recadastramento 3. Capítulo 2 - Tabelas 24

SUMÁRIO. Capítulo 1 - Recadastramento 3. Capítulo 2 - Tabelas 24 1 SUMÁRIO Capítulo 1 - Recadastramento 3 INTRODUÇÃO 3 QUEM DEVE SE RECADASTRAR 3 PRAZO PARA O RECADASTRAMENTO 3 FLUXO 4 EMPRESA/ AUTÔNOMO 4 Orientações para o Recadastramento das EMPRESAS 4 Cadastro de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA AS EMPRESAS SOBRE COMO FAZER O CADASTRO NA SUFRAMA.

ORIENTAÇÕES PARA AS EMPRESAS SOBRE COMO FAZER O CADASTRO NA SUFRAMA. Compilações das Informações Maria da Conceição Mira dos Santos Outubro/2014 Página 1 CARTILHA DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS SOBRE O CADASTRO DA SUFRAMA. APRESENTAÇÃO Os pequenos negócios no Amapá contam com

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa 1 Manual para emissão de Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa Microempreendedor Individual 2014. INTRODUÇÃO A Nota Fiscal Eletrônica Avulsa (NF-e Avulsa)

Leia mais

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42 Pedido de Viabilidade Página 1 / 42 ÍNDICE Apresentação... 3 Pedido de Viabilidade para Inscrição de Primeiro Estabelecimento... 4 Solicitante e Pessoa Jurídica... 4 Quadro Societário... 8 Nome Empresarial,

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Linhas de financiamento BB para o Turismo Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Atualizada em 03/08/2009 Crédito / Financiamentos de Investimentos / Proger Turismo Investimento Características

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Janeiro / 2010 1 Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 PEDIDO DE VIABILIDADE MATRIZ... 4 PEDIDO DE VIABILIDADE FILIAL... 10

Leia mais

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui.

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. TÍTULO: CRÉDITO RURAL CAPÍTULO: Operações - 3 SEÇÃO: Créditos de Custeio - 2 1 - O custeio rural classifica-se como: (Res a) agrícola; b) pecuário; c) de beneficiamento

Leia mais

Manual de aquisição de crédito no Sankhya-W. AR Soluti - Goiânia

Manual de aquisição de crédito no Sankhya-W. AR Soluti - Goiânia (ERP utilizado nos Departamentos da AC SOLUTI) AR Soluti - Goiânia Versão 1.0 de 7 de Janeiro de 2013 Classificação: Classificação: Catalogação do Documento Titulo Classificação Versão 1.0 de 7 de Janeiro

Leia mais

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES - AUTOMÁTICO n Grupo: Aline Pereira Fracalossi Andrea Abreu Carlos Adriano Elika Capucho Janete Pontes Victor Henrique Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES Automático n Finalidade Financiar projetos

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda?

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda? 1 - Existe algum tipo de estudo setorial e/ou diagnóstico socioeconômico do estado que tenha sido realizado no período entre 2010 e 2014? 1 Sim 1.1 - Ano do diagnóstico: Não (passe para 2 o quesito 3)

Leia mais

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Secretaria De Estado de Fazenda Superintendência de Gestão da Informação Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários DECLARAÇÃO DE COMPRA

Leia mais

TABELA RESUMO DAS PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO CAPITAL DE GIRO

TABELA RESUMO DAS PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO CAPITAL DE GIRO Data da atualização: 16/10/2015 TABELA RESUMO DAS PRINCIPAIS CAPITAL DE GIRO Credifácil Giro Capital de Giro Poderão ser beneficiados, empreendimentos cuja receita bruta anual seja de até R$ 3,6 milhões,

Leia mais

CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS

CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS 10.108 - REGULAMENTO SIMPLIFICADO DE COMPRA E VENDA DE PRODUTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO À COMERCIALIZAÇÃO DATA DE APROVAÇÃO: 12/08/1993 - DATA DE ALTERAÇÃO: 20/09/1995 ÍNDICE PÁGINAS CAPÍTULO

Leia mais

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal Manual da Revenda de Produtos Veterinários Versão 1.0 25/02/2013 P á g i n a 1 Considerações iniciais Com a publicação da Resolução SAA nº 79, de 10/12/2012

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Abril / 2011 ÍNDICE Introdução...3 Pedido de Consulta da Viabilidade...4 Acompanhamento do Pedido de Viabilidade...13 Esqueceu

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA Apresentação Este sistema faz parte do Portal NFS Digital e tem o intuito de ser utilizado por emissores de Nota Fiscal de Serviços

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO - TELAS E FUNCIONALIDADES...5. Informações da Pessoa Jurídica...6

ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO - TELAS E FUNCIONALIDADES...5. Informações da Pessoa Jurídica...6 Página 1 / 16 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO - TELAS E FUNCIONALIDADES...5 Informações da Pessoa Jurídica...6 Qualificação dos Sócios e Administradores QSA...8 Geração e

Leia mais

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE QUAIS SÃO AS PRIORIDADES DO FCO? O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Manual do REC. Sistema de Registro de Categorias

Manual do REC. Sistema de Registro de Categorias Manual do REC Sistema de Registro de Categorias (Usuário Externo) Atualizado em Dezembro/2013 Versão 2.0 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 6 2. FLUXO DO SISTEMA... 6 3. AUTENTICAÇÃO... 7 4. VINCULAR REPRESENTANTE/REPRESENTADO...

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Natal, 03 de Outubro de 2015 Área Básica de Atuação Missão Atuar na promoção do desenvolvimento regional sustentável como banco público competitivo e rentável.

Leia mais

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 51

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 51 Requerimento Eletrônico Página 1 / 51 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO... 4 Novo Requerimento de Constituição... 5 Dados da Pessoa Jurídica... 7 Qualificação dos Sócios e

Leia mais

Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I.

Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I. Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I. Empro - Tecnologia & Informação São José do Rio Preto, São Paulo Sumário Introdução... 3 Acesso... 4 Abertura de M.E.I. - Consulta Prévia...

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Maio / 2008 Índice Introdução... 3 Pedido de Consulta da Viabilidade... 4 Acompanhamento do Pedido de Viabilidade... 11 Registro

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Secretaria de Defesa Agropecuária - SDA Vigilância Agropecuária Internacional - VIGIAGRO

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Secretaria de Defesa Agropecuária - SDA Vigilância Agropecuária Internacional - VIGIAGRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Secretaria de Defesa Agropecuária - SDA Vigilância Agropecuária Internacional - VIGIAGRO Manual Perfil: Representante Legal SIGVIG - Sistema de

Leia mais

Financiamento externo. As opções de financiamento são variáveis.

Financiamento externo. As opções de financiamento são variáveis. Financiamento externo As opções de financiamento são variáveis. O suporte que a administração do MAXIPAS pode vir a fornecer aos franqueados consiste na elaboração do projeto de financiamento para aquisição

Leia mais

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO 1. ORIGEM DOS RECURSOS: BANCO FINANCIADOR: Banco do Nordeste do Brasil S/A LINHA DE CRÉDITO: Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste FNE PROGRAMA:

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Prof. :Dalton Dutra Objetivo Estimular a participação de graduados em cursos de

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Empresas no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Empresas no SIGLA Digital Página 1 de 7 Passo a Passo do Cadastro Empresas no SIGLA Digital O cadastro de Empresas permite cadastrar quais empresas estarão configuradas para utilizar o SIGLA Digital. Caso necessário cadastrar uma

Leia mais

Passo a Passo para preenchimento do Pedido de Viabilidade no Sistema de Registro Integrado REGIN. Empresários Requerentes Contadores

Passo a Passo para preenchimento do Pedido de Viabilidade no Sistema de Registro Integrado REGIN. Empresários Requerentes Contadores Passo a Passo para preenchimento do Pedido de Viabilidade no Sistema de Registro Integrado REGIN Empresários Requerentes Contadores Maio / 2011 ÍNDICE Introdução... 3 Pedido de Consulta da Viabilidade...

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: ADMINISTRATIVO VERSÃO 1.0 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 08/01/2013 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 3 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras).

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). LEASING Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). Leasing financeiro mais comum, funciona como um financiamento.

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: PROPOSTAS VERSÃO 1.1 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 10/11/2011 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 07/01/2013 1.1 Atualização do

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais?

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Desde o dia 21/10/2013, esta em operação o Módulo Estadual de Licenciamento

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 1.556 Documento normativo revogado pela Resolução 3.208, de 24/06/2004. Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, dando seqüência à reestruturação do Manual de Crédito Rural - MCR, decidiu

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Microempreendedor Individual. Passo a Passo Como requerer uma Nota Fiscal Avulsa

Microempreendedor Individual. Passo a Passo Como requerer uma Nota Fiscal Avulsa Microempreendedor Individual Passo a Passo Como requerer uma Nota Fiscal Avulsa Acesse o link https://www2.fazenda.mg.gov.br/sol/ctrl/sol/nfae/servico_007?acao=novo&acesso_ex TERNO=1 da Secretaria de Estado

Leia mais

SILIAWEB. Sistema Integrado de Licenciamento Ambiental. Manual do usuário - Versão 1.1

SILIAWEB. Sistema Integrado de Licenciamento Ambiental. Manual do usuário - Versão 1.1 SILIAWEB Sistema Integrado de Licenciamento Ambiental Manual do usuário - Versão 1.1 Dezembro - 2013 Todos os direitos reservados por Agência Estadual de Meio Ambiente de Pernambuco CPRH/PE www.cprh.pe.gov.br

Leia mais

Sistema de Prestação de Contas Siprec

Sistema de Prestação de Contas Siprec Sistema de Prestação de Contas Siprec Manual de Utilização Perfil Beneficiário Versão 1.3.4 Agosto de 2013 1 SUMÁRIO Manual do Usuário... 3 1. Objetivo do manual... 3 2. Sobre o sistema... 3 3. Quem deve

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

MANUAL DA IAGRO. VACINAÇÃO via WEB. Campanha Novembro/2011

MANUAL DA IAGRO. VACINAÇÃO via WEB. Campanha Novembro/2011 MANUAL DA IAGRO VACINAÇÃO via WEB Campanha Novembro/2011 NOV / 2011 Manual do produtor Campanha de vacinação Novembro de 2011 Índice 1. ACESSO AO SISTEMA 3 2. MENU PRINCIPAL 5 3. REGISTRO DE VACINAÇÃO

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. DESCRIÇÃO DO SERVIÇO Instruções para preenchimento da Declaração de Operações Tributáveis - DOT que deverá ser entregue pela internet, com transmissão pelo programa Transmissão Eletrônica de Documentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à concessão de uso do selo combustível social. O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

CRÉDITO ACUMULADO ICMS

CRÉDITO ACUMULADO ICMS CRÉDITO ACUMULADO ICMS Conceito Geração Apropriação Utilização Transferência Artigo 71 - Para efeito deste capítulo, constitui crédito acumulado do imposto o decorrente de : I - aplicação de alíquotas

Leia mais

PASSO A PASSO REQUERIMENTO DE NFA MEI. Acessar a página da Secretaria de Estado de Fazenda na internet. Endereço: www.fazenda.mg.gov.

PASSO A PASSO REQUERIMENTO DE NFA MEI. Acessar a página da Secretaria de Estado de Fazenda na internet. Endereço: www.fazenda.mg.gov. 1 PASSO A PASSO REQUERIMENTO DE NFA MEI Acessar a página da Secretaria de Estado de Fazenda na internet. Endereço: www.fazenda.mg.gov.br Clicar em SIARE conforme indicação abaixo: Clicar em Sistema Integrado

Leia mais

Manual do usuário APRESENTAÇÃO... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 CONHECENDO O SISTEMA...4 MENU ADMINISTRATIVO... 5 MENU FINANCEIRO... 6 MENU CONSULTA...

Manual do usuário APRESENTAÇÃO... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 CONHECENDO O SISTEMA...4 MENU ADMINISTRATIVO... 5 MENU FINANCEIRO... 6 MENU CONSULTA... Manual do usuário APRESENTAÇÃO... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 CONHECENDO O SISTEMA...4 MENU ADMINISTRATIVO... 5 MENU FINANCEIRO... 6 MENU CONSULTA... 7 MENU TABELA...8 CADASTRANDO USUÁRIO (LOGIN)...11 PERMISSÃO

Leia mais

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 1 COMO ACESSAR O PATRONAGE... 4 2 INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO... 5 3 PRESTAÇÃO DE CONTAS... 8 3.1 Execução do projeto... 8 3.2 Autorização de recursos (remanejamento de recurso,

Leia mais

Acesso ao Crédito para a Pesca e Aquicultura

Acesso ao Crédito para a Pesca e Aquicultura Ministério da Pesca e Aquicultura Esplanada dos Ministérios- Bloco D- Brasília DF Telefones: (61) 3218-3812 - FAX: (61) 3218-3816 comunicacao@mpa.gov.br www.mpa.gov.br Acesso ao Crédito para a Pesca e

Leia mais

Manual Sistema Proac Editais. Dúvidas Frequentes

Manual Sistema Proac Editais. Dúvidas Frequentes Manual Sistema Proac Editais Dúvidas Frequentes Conteúdo 1. Acesso ao sistema... 3 1.1. Como efetuar Login... 3 1.2. Como recuperar a Senha... 3 1.3. Como fazer um Novo Cadastro de Proponente... 4 1.4.

Leia mais

Linhas de Financiamento e Programas Complementares. Montes Claros, 15 de abril de 2010

Linhas de Financiamento e Programas Complementares. Montes Claros, 15 de abril de 2010 BNDES - Linhas de Financiamento e Programas Complementares Montes Claros, 15 de abril de 2010 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal

Leia mais

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais)

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais) Fórum Nacional Eólico Carta dos Ventos Financiamento de Projetos José Maria Vilar Superintendente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Natal, 19.06.2009 Nordeste do Brasil: Infraestrutura 12 portos marítimos

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. Safra 2013/2014

Diretoria de Agronegócios. Safra 2013/2014 Diretoria de Agronegócios Safra 2013/2014 Agricultura Empresarial Custeio Custeio MCR 6.2 e MCR 6.4 Equalizado 1) Limite recursos controlados: R$ 800 mil, por beneficiário/safra, independentemente da cultura;

Leia mais

SEFAZ-MA. São Luís-Ma. 2.008

SEFAZ-MA. São Luís-Ma. 2.008 SEFAZ-MA SIISTEMA DE NOTA FIISCAL AVULSA NFA MANUAL PARA O AGENTE FIISCAL São Luís-Ma. 2.008 1 INTRODUÇÃO A Nota Fiscal Avulsa foi criada para substituir a Nota Fiscal Avulsa emitida através do Siat. Ela

Leia mais

SOLUÇÕES EM GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS

SOLUÇÕES EM GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS SOLUÇÕES EM GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA INDICE NFS-e.. 02 Tomador, Prestador e Prefeitura 03 Nota Fiscal impressa 04 Nota Fiscal enviada por e-mail 05 Certificação Digital. 06

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural

DERAL - Departamento de Economia Rural ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA POLÍTICA AGRÍCOLA - SAFRA 2015/16 A política agrícola para a agricultura empresarial vem se caracterizando nos últimos anos por assegurar o necessário apoio ao produtor

Leia mais

Excelência por natureza

Excelência por natureza Excelência por natureza DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROGRAMAS DE FINANCIAMENTOS E LINHAS DE CRÉDITO PARA O AGRONEGÓCIO. CUIABÁ - MT MAIO DE 2008 Missão " Ser o principal banco da Amazônia, promovendo o

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS DIVULGAÇÃO DE COMPRAS COTAÇÃO ELETRÔNICA MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

Manual do Usuário WEB Versão 1.0

Manual do Usuário WEB Versão 1.0 Manual do Usuário WEB Versão 1.0 GSI / SRA Novembro de 2007 Sistema de Rede de Apoio Manual do Usuário Web 1. OBJETIVOS... 3 2. ACESSANDO O SISTEMA... 3 3. OPÇÕES DISPONÍVEIS PARA CATEGORIA PESSOA FÍSICA...

Leia mais

PARTE 2. Para iniciar a digitação dos dados da nota, o emitente deve clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NFe.

PARTE 2. Para iniciar a digitação dos dados da nota, o emitente deve clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NFe. PARTE 2. Para iniciar a digitação dos dados da nota, o emitente deve clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NFe. Após clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NF-e, o sistema irá exibir uma série de

Leia mais

Introdução. Manual de Orientação ao preenchimento da Nota Fiscal Avulsa NFA Série 3

Introdução. Manual de Orientação ao preenchimento da Nota Fiscal Avulsa NFA Série 3 Introdução A Nota Fiscal Avulsa - foi criada para registrar as vendas de mercadorias, bens ou serviços realizadas pelos Contribuintes do estado de Sergipe aos órgãos e entidades da Administração Pública

Leia mais

MANUAL PARA INSCRIÇÃO online EM EDITAIS. Versão 1.0

MANUAL PARA INSCRIÇÃO online EM EDITAIS. Versão 1.0 MANUAL PARA INSCRIÇÃO online EM EDITAIS Versão 1.0 1 >> 1º Passo: Para acessar o SalicWeb Para inscrever a sua iniciativa cultural nos editais do Ministério da Cultura acesse o Sistema SalicWeb no endereço

Leia mais

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Página 1 de 9 Este é um dos principais módulos do SIGLA Digital. Utilizado para dar entrada de produtos no estoque, essa ferramenta segue a seguinte

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sistema Nota Fiscal Eletrônica. Sil Tecnologia LTDA

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sistema Nota Fiscal Eletrônica. Sil Tecnologia LTDA Sistema Nota Fiscal Eletrônica Sil Tecnologia LTDA SUMÁRIO INTRODUÇÃO 4 1. CONHECENDO OS COMANDOS DO SISTEMA 5 1.1 Tela Inicial do Sistema 5 1.2 Navegador de registros 6 1.3 Filtro de Registros 6 2. TELA

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa 1 Manual para emissão de Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa Produtor Rural 2014. INTRODUÇÃO 2 A Nota Fiscal Eletrônica Avulsa (NF-e avulsa) implementada

Leia mais