Desta obra foram impressos 200 exemplares, em papel especial, numerados de 1 a 200.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desta obra foram impressos 200 exemplares, em papel especial, numerados de 1 a 200."

Transcrição

1

2 Desta obra foram impressos 200 exemplares, em papel especial, numerados de 1 a 200.

3 SERPRO Uma Crônica de 18 Anos

4 SERPRO Uma Crônica de 18 Anos Texto elaborado por WILSON SIDNEY LOBATO Analista Consultor do SE RPRO. Brasília-DF 1982

5 SUMÁRIO À Guisa de Apresentação Notas 185 Mensagem nº 25, de 1964 (C.N.) 197 Lei nº 4.516, de 1º de dezembro de Decreto nº , de 11 de março de Portaria nº GB-193, de 2 de junho de Resolução nº 6, de 1º de julho de Resolução nº 51, de 21 de setembro de Portaria nº GB-142, de 9 de junho de Decreto nº , de 19 de agosto de Lei nº 5.615, de 13 de outubro de Portaria nº GB-69, de 9 de março de Portaria nº 71, de 20 de março de Decreto nº , de 14 de agosto de Portaria nº 424, de 14 de agosto de Portaria nº 65, de 08 de fevereiro de Deliberação º 01/78, nde 25 de janeiro de Resolução º 04/78, n de 30 de junho de Deliberação º 04/79, nde 28 de junho de

6 À GUISA DE APRESENTAÇÃO Creio ser um exercício difícil escrever sobre algo de que se é protagonista. Os sentimentos se misturam, as lembranças ressurgem, borbulham, remoçam e perturbam. O SERPRO pode ser visto como uma obra. A proposta primitiva foi alterada ao longo dos anos no aspecto operacional, mas não na ideologia. No SERPRO e do SER- PRO, viu-se um país emergir de um terceiro-mundismo, de uma sociedade mais pobre e acanhada no domínio de tecnologias para outra que aprendeu a concebê-las e fabricá-las. Nesta Empresa convivem a criação intelectual e a repetição mecânica. Pela harmonia dos dois extremos, aprendeu-se a valorizar a medida do trabalho e o trabalho medido. E o SERPRO, por isto, tem sido um inovador e um organismo fiel, profissional e ético. Aí está, após 18 anos da sua criação legal, uma memória da Empresa. Para isto, os talentos de Almir de Paula Pinto e de Wilson Sidney Lobato uniram-se para gerar a pesquisa e a crônica. Buscaram localizar documentos antigos e antigas fotografias de equipamentos, assim como registrar depoimentos, todos doravante disponíveis para futuros historiadores, museólogos e pesquisadores da história do processamento eletrônico de dados no Brasil. Dedicamos esta obra aos Conselheiros e dirigentes a seguir enumerados, e a Luiz Walter do Prado Abdon, autor da primeira minuta de projeto para criação da Empresa, que aqui simboliza também o funcionário anônimo, apaixonado e laborioso de todas as idades no SERPRO. 7

7 CONSELHEIROS Alfredo Luiz Baumgarten Junior Annibal Vilanova Villela Antônio Luiz Pimentel Mesquita Carlos Heinz Rischbieter Carlos Viacava Cyro Freire Cury David Elkind Schvartz Eduardo Pereira de Carvalho Ernane Galvêas Francisco Israel Rodrigues de Ávila Francisco Oswaldo Neves Dornelles Galba Ferreira de Oliveira Gerson Augusto da Silva Giampaollo Marcello Falco Gil Gouvêa Macieira Haroldo Corrêa de Mattos Hindemburgo Sobral Teixeira Isaac Kerstenetzky José Antônio Berardinelli Vieira José Flávio Pécora José Lopes Fernandes Lineo Emílio Klüppel Manuel Olímpio de Oliveira Carneiro Márcio João de Andrade Fortes Marcos Pereira Vianna Nelson Mortada Noé Winkler Octávio Gouvêa de Bulhões Paulo Hortêncio Pereira Lira Paulo Ricardo dos Santos Werner Grau DIRETORES-PRESIDENTES Elson dos Santos Mattos Moacyr Antônio Fioravante DIRETORES-SUPERINTENDENTES Francisco Alves Ricardo Barra Bahia Vianna Vicente Paolillo Netto 8

8 1964 Como Dionísio, nascido da perna de Júpiter, o SERPRO nasceu do bojo de um gigante, para logo assumir o seu devido lugar entre os órgãos especializados da Administração Pública. Não obstante a imponência dos mármores e bronzes do clássico Palácio da Fazenda, que a arquitetura estadonovista lhe legou como sede no Rio de Janeiro, o olímpico Ministério da Fazenda, secular herdeiro e sucessor da Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda estabelecida por D. Pedro I em 1823, mantinha no apósguerra a mesma estrutura, já agora obsoleta, que lhe atribuíra a Reforma Oswaldo Aranha (1934) na onda da Revolução de De então para a frente, tão diversa foi-se sucedendo a realidade e adversa a conjuntura, dentro como fora do país, que para logo se evidenciou a necessidade de uma profunda reformulação específica naquele órgão, tanto como na própria Administração Pública em geral. Testemunho eloqüente da preocupação do Governo com tentar modernizar e reaparelhar a sua máquina de administração fiscal e econômico-financeira são as (pelo menos) 25 propostas/projetos apresentadas (1), nos dois decênios seguintes, para reforma do Ministério da Fazenda. Culminou tal empenho na Lei nº 4.155, de 28 de novembro de 1962, a qual, entre outros objetivos complementares, autorizava o Poder Executivo a reorganizar as repartições arrecadadoras. Estribado nessa Lei, e ratificando acordo já firmado pelo Ministro Miguel Calmon, em 12 de março de 1963 o Ministro San Tiago Dantas assinava com a Fundação Getúlio Vargas um Contrato pelo qual esta se obrigava "a organizar, coordenar ou realizar os levantamentos, estudos, elaboração de atos ou projetos de implantação de rotinas necessárias à reestruturação das repartições federais, tendo em vista:... as necessidades de planejamento sistemático, de assessoria permanente e de chefia, de aperfeiçoamento de pessoal e de melhoria dos processos mecânicos de arrecadação"... assim como "a racionalização e mecanização dos processos de exação de tributos e instituição de instrumentos eficientes de controle de arrecadação" (grifo nosso). 9

9 "Havendo aceito a honrosa e tremenda responsabilidade de executar a reforma do Ministério da Fazenda" (2), entrou a Fundação Getúlio Vargas na execução do contrato já na gestão do Ministro Carvalho Pinto, em outubro de Constituiu-se, então, uma Comissão de Reforma do Ministério da Fazenda, incluindo vários especialistas e pessoal de secretaria pertencentes aos seus próprios quadros, aos quadros daquele Ministério e aos quadros de outras organizações públicas e entidades particulares. (3) Estimulada e prestigiada pelo novo titular da pasta, Ministro Ney Galvão, que lhe cedeu inclusive as salas contíguas ao seu Gabinete no 10º andar do Palácio da Fazenda, organizou-se a Comissão em várias unidades técnicas e administrativas, sob a supervisão e orientação geral e direta do Ministro através do Núcleo de Planejamento do Ministério da Fazenda, sendo Coordenador-Geral o técnico de Economia e Finanças Gerson Augusto da Silva que viria, depois, a ser o primeiro Presidente do Conselho de Administração do SERPRO. Entre as premissas que lhe nortearam os trabalhos, várias há que aqui nos interessam de perto e merecem registro: "tanto a administração financeira e a rede arrecadadora, o seu equipamento, o seu pessoal, quanto os métodos e rotinas de trabalho, necessitam de revisão." "o Brasil grangeou a má fama de ser paraíso de contrabandistas." "se o fisco estivesse à altura das necessidades da União e tornasse, senão impossível, pelo menos realmente perigosas a evasão e a sonegação de impostos, o orçamento federal estaria equilibrado, ou, pelo menos, não estaria tão desequilibrado quanto se encontra." "a tarefa mais urgente é a modernização da administração financeira e a tecnificação da máquina arrecadadora em todas as suas dependências, ao longo e através do País." "cumpre que a reforma... proporcione ao Governo instrumentos e dispositivos gerenciais que lhe tornem eficiente e aguda a administração financeira em geral, além de um aparelho fiscal apto a arrecadar para os cofres públicos, de todos os contribuintes, indistintamente, todos os impostos e contribuições compulsórios criados por lei e que constituem a base do seu sistema tributário." (4) A vista de tais premissas, com razão a Comissão destacou, como uma das suas unidades integrantes, um Setor de Automação, sob a coordenação do Técnico de Mecanização Elson dos Santos Mattos (que seria depois o primeiro Diretor-Superintendente do SERPRO), com o objetivo imediato de "abrir as portas do Ministério da Fazenda aos modernos recursos oferecidos pela automação e pela mecanização, para acelerar os serviços de administração financeira, os de arrecadação, os de previsão, os de controle da arrecadação, os de combate à sonegação e à evasão de impostos, e outros da mesma família." (5) 10 Do levantamento a que então procedeu, saltaram evidentes os entraves que

10 peavam o sistema fiscal brasileiro. A mor parte do processamento de dados cabia à própria Fazenda, por intermédio de 30 Unidades Mecanizadas, com pessoal do próprio Ministério, utilizando equipamento alugado e sediada em 10 capitais do país, sendo que 10 delas só no Rio de Janeiro, disseminadas por várias repartições fazendárias. A outra parcela do processamento, referente ao imposto de renda, estava entregue por contratação a terceiros, que nela empregavam seu pessoal e equipamento próprio, a custos bem altos para serviços de baixa qualidade. As Unidades Mecanizadas, em regime de total independência sob um comando fragmentado, não se entendiam entre si, operando por métodos e processos próprios, com generalizada carência de técnicos qualificados e, na maioria dos casos, por deficiência ou inadequação mecânica, valendo-se de processos manuais, não obstante a existência de máquinas. Estas, por seu turno, ostentavam um alto percentual de obsolescência (43% no cômputo total), com um baixo índice de utilização (apenas 12% em 8 Unidades do então Estado da Guanabara), o que evidenciava o irrisório nível de mecanização do sistema. (6) Geralmente alugadas de firmas especializadas, para alegadamente poupar ao Ministério os problemas com sua propriedade, manutenção e utilização, tais máquinas significavam elevado custo de operação com pulverização dos serviços. Afora extravagâncias de toda a sorte, tal como um computador eletrônico IBM 1401, na Diretoria de Despesa Pública (Rio de Janeiro), que era refrigerado por ventilador; ou um setor de perfuração (São Paulo) que guardava 10 milhões de cartões em estoque, para um consumo anual de 1 milhão; ou ainda uma repartição da Despesa Pública (Brasília) que mantinha toda uma Seção Mecanizada para processar o pagamento de apenas 400 cheques da Fazenda; e uma Delegacia Fiscal (Belém) instalada num mosteiro em ruinas, com 5 máquinas abandonadas sobre assoalhos trepidantes. Embora os trabalhos previstos no Contrato da Fundação Getúlio Vargas tivessem expressamente o prazo de 3 anos para se completarem, cerca de 6 meses depois (novembro 1963 a março 1964) os estudos e atividades da Comissão de Reforma já produziam resultados concretos, configurados nos 2 Projetos apresentados ao Ministro Octávio Gouvêa de Bulhões com o Relatório Preliminar em abril de Visava um à simplificação das operações mecanizadas atinentes à baixa dos débitos dos contribuintes de imposto de renda, bem como à contabilização da arrecadação. Buscava o outro o descongestionamento dos pagamentos a cargo da Diretoria da Despesa Pública e a melhor utilização da rede bancária nacional. Dos estudos a que procedeu o seu Setor de Automação resultou, inicialmente, uma proposta de criação de uma sociedade de economia mista, a "Computadora Federal S.A." (CONTASA), para logo rejeitada veementemente pelo Ministro Bulhões, sendo que a maioria das então existentes eram deficitárias, além dos óbvios óbices que sua natureza mercantil carrearia para o desempenho dos serviços estatais. Em substituição, elaborou-se e a Comissão propôs um Anteprojeto que foi submetido ao Congresso Nacional e, com pequenas alterações, lá decretado como a Lei nº 4.516, de 01 de dezembro de 1964, criando o Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO. Cabe aqui, en passant, o registro dos dramáticos momentos por que então passaram os criadores do SERPRO. Rejeitada a primeira proposta (a 11

11 CONTASA), sobraram apenas 4 dias para que um novo texto fosse elaborado, a contento do Ministro, e apresentado aos congressistas para discussão e votação dentro do prazo de 30 dias que o Ato Institucional nº 1 fixava para o Legislativo votar projetos de lei. Em não mais do que 48 horas o advogado Newton Correia Ramalho, que assistia a Comissão de Reforma, elaborou o novo Anteprojeto, que em 1º de novembro chegava ao Congresso. Ali, dentre as várias emendas que recebeu, destacavam-se: uma do Deputado Aliomar Baleeiro que, no art. 1º, retirava a autonomia financeira da Empresa; outra, apresentando substituto que desfigurava o texto inicial, propunha um complexo sistema colegiado (quase uma quinzena de membros) e transferia para o capital da empresa o "cérebro eletrônico" UNIVAC do IBGE. Através de eficiente trabalho de lobby, lograram-se obviar ambas, rejeitando o substitutivo e inserindo noutros artigos a autonomia financeira recusada na proposta Baleeiro. Na mensagem nº 25, pela qual, em 27 de outubro de 1964, o Presidente H. Castello Branco propõe aos membros do Congresso Nacional a "criação de uma entidade cujo objeto será o processamento eletrônico e eletromecânico de dados e informações pertinentes à exação e fiscalização financeira", há pontos que vale ressaltar. Ao verberar as crônicas deficiências de tais serviços, levadas à conta de obsoletismo das normas, superdimensionamento das instalações, heterogeneidade dos métodos, diversificação da orientação técnica e fragmentação da mecanização, conclui o Governo que a sua reorganização deverá atender aos objetivos seguintes: 12 a) possibilitar o recrutamento e a seleção de pessoal qualificado para a execução dos serviços; b) assegurar o máximo aproveitamento de servidores do Ministério capacitados ou passíveis de capacitação para as atividades de processamento de dados, a fim de reduzir os custos reais pela utilização de mão-de-obra atualmente subempregada; c) garantir, de futuro, o dimensionamento do pessoal às estritas necessidades do serviço; d) possibilitar a vigência de regime salarial adstrito às condições do mercado de trabalho, como meio de garantir a operação a custos e preços competitivos; e) propiciar o dimensionamento econômico das instalações, sua organização em unidades periféricas e centralizações sucessivas, determinadas exclusivamente pelo volume, natureza e oportunidade das operações a realizar; f) propiciar a correta estimativa dos recursos orçamentários necessários e suficientes para o custeio dos serviços de processamento de dados; g) garantir a oportuna disponibilidade desses recursos; h) evitar as formalidades atuais, que dificultam a execução de várias espécies de serviços não burocráticos, assegurando-se, porém, rigor na determinação dos preços e custos e no controle dos pagamentos; i) preservar o sigilo das informações manipuladas; j) estabelecer condições que facilitem a aquisição ou locação de equipamentos, a contratação de serviços de terceiros e a aquisição de material de consumo;

12 I) propiciar a compatibilidade de equipamentos e a padronização de processos, apurações e relatórios; m) facilitar a utilização de eventual capacidade ociosa de instalações e pessoal, mediante aceitação de serviços de outros órgãos da administração federal ou de outras pessoas jurídicas de direito público; n) diluir os custos de serviços de pessoal técnico de alta qualidade e de equipamentos de grande velocidade e versatilidade, atribuindo a uma organização unificada a exclusividade na execução de todos os serviços de processamento de dados do Ministério. Para alcançar tais objetivos, decidiu-se "criar uma entidade dotada de autonomia administrativa e financeira, ou seja, com a flexibilidade indispensável à eficiente condução dos serviços de processamento de dados e tratamento de informações" em larga escala. Tendo em vista a complexidade do sistema tributário brasileiro e a diversificação dos equipamentos e rotinas então existentes nos órgãos fazendários, buscou-se na constituição da nova Empresa a centralização das atividades de processamento de dados, tanto na orientação, como na execução dos serviços. E deu-se-lhe uma organização autárquica, com os poderes normativos e de controle atribuidos a um Conselho de Administração e os executivos a um Diretor-Superintendente, assegurando-se a necessária liberdade de comando de par com um órgão interno para orientação e controle de funcionamento. Como, mais tarde, algo desabusadamente declarava um mensário especializado da Capital, "A criação do Serviço Federal de Processamento de Dados foi um gesto do Governo que, aparentemente, não passou de uma tentativa de integrar os serviços de administração pública na metodologia nova do processamento. Pode até ter parecido, aos menos atentos, um gesto esnobe de frágil conteúdo prático. Na realidade, o SERPRO é uma realização destinada a provocar conseqüências importantíssimas na vida nacional, que se farão sentir desde o Palácio do Planalto à favela do morro." (7) A verdade desta última frase ecoa nas páginas que adiante se hão de ler. Por ora, vale assinalar que, cenário embora de eventos fortemente marcantes para a própria história do País, o ano de 1964 significou, para o SERPRO, o início apenas do primeiro instante da crônica dos 18 anos que se lhe seguiram como agora passaremos a narrar. 13

13 1965 Publicada no D.O.U. de 4 de dezembro, só veio a Lei nº a ser regulamentada cerca de 100 dias mais tarde, através do Decreto nº , de 11 de março de 1965, que dispunha sobre a organização e funcionamento da nova entidade. No texto original de ambos, lei e decreto, destacam-se características que persistirão ao longo de toda a existência da Empresa, não obstante as futuras alterações legais do seu estatuto. A primeira está em que o SERPRO é um órgão "vinculado ao Ministério da Fazenda", mas nem administrativa nem tecnicamente dele integrante ou dependente. Traduz-se tal vinculação pelas atribuições que ali se reservam àquele Ministério e incluem: exclusividade de serviços, competência regimental, nomeação e remuneração da Administração Superior, bloqueio de saldos ou dotações e aprovação prévia dos balanços anuais. Outra característica vem logo destacada no artigo 1º do referido Decreto, que declara o SERPRO uma "empresa pública de natureza industrial, dotada de personalidade jurídica" própria. O que indica a independência de ação que se lhe quis atribuir em face das normas imperantes para as empresas públicas em geral independência objetivamente respaldada pela liberdade de manipulação dos seus recursos orçamentários, como estabelecido no artigo 14 da referida Lei. Por último, não obstante a "prioridade absoluta" assegurada ao Ministério da Fazenda para os "serviços que se contiverem na capacidade operacional do SER- PRO", está este autorizado a executar serviços congêneres, assim como a prestar assessoramento técnico, a quaisquer outros órgãos da Administração pública federal, estadual e municipal. Com isto se lhe ensejam, ab initio, duas grandes vantagens operacionais: economias de escala decorrentes de uma grande massa de dados a processar, e salvaguarda contra o problema da capacidade ociosa para o dispendioso equipamento com que tem de operar. 15

14 Ainda conforme a Lei nº 4.516, a administração do SERPRO será exercida por dois órgãos, quais sejam, um Conselho de Administração (3 membros posteriormente aumentados para 5) e um Diretor-Superintendente, todos nomeados pelo Presidente da República por indicação do Ministro da Fazenda. Seu pessoal "regerse-á pela legislação trabalhista, incluido na categoria profissional de industriários" e que, embora sejam, assim, apenas empregados, poderão incluir funcionários públicos requisitados do Ministério da Fazenda. Contam, ademais, com dispositivos especiais, tais como: salários de mercado, obrigatoriedade de sigilo e participação nos lucros da Empresa. Patrimonialmente, reserva-lhe a Lei um capital social que inclui "bens e direitos que a União possuir, no Ministério da Fazenda, relacionados com atividades de processamento de dados e informações", com valor a ser complementado em dinheiro até atingirem-se os Cr$ 5 bilhões fixados como seu capital inicial. Como receita sistemática, atribui-lhe os recursos decorrentes do pagamento pelos serviços prestados à Administração Pública e alocados nas respectivas dotações orçamentárias ou adicionais. O ato que regulamentou tal Lei, ou seja o Decreto nº (publicado no D.O.U. de 12 de março de 1965 e vigente até sua revogação pela Lei nº 5.615, de 13 de outubro de 1970), avança um pouco mais nos detalhes quanto à Competência do SERPRO, à Instalação e Constituição do seu Capital Inicial, e à Prestação de Serviços ao Ministério da Fazenda e a outros órgãos, embora ainda cotenha numerosos dispositivos transitórios (vd. texto integral in "Documentação" anexa). Nele cabe ressaltar, por ordem de referência, os itens em que: acrescenta aos objetivos do SERPRO o de "opinar sobre projetos de lei que possam ter repercussão no desempenho de suas atribuições"; limita a 10% do crédito especial liberado os recursos para cobrir os gastos iniciais de instalação; fixa a data de 01 de janeiro de 1966 para que a Empresa assuma os serviços que lhe cabem nos órgãos do Ministério da Fazenda, determinando-lhe a maneira de os solicitar, propor, ajustar, avaliar e remunerar; faculta a utilização, em serviços para outros órgãos públicos, da sua capacidade operacional remanescente; torna obrigatório o convite ao SERPRO para apresentar propostas nas coletas de preços realizados por órgãos e autarquias federais, e estabelece as normas gerais para composição, remuneração e funcionamento do Conselho de Administração. Assinados e publicados ambos os instrumentos constitutivos da nova Empresa, faltava dar-lhe o sopro vital da designação e posse dos seus primeiros dirigentes. E tal ocorreu exatamente 6 meses após a Mensagem de 27 de outubro do Executivo ao Legislativo. Nomeados pelo Presidente da República por Decreto publicado no D.O.U. de 12 de março de 1965, em 23 de abril o Ministro da Fazenda empossava os membros do primeiro Conselho de Administração do Serviço Federal de Processamento de Dados, que foram: Gerson Augusto da Silva, Presidente do Conselho; Noé Winkler e José Lopes Fernandes, Conselheiros; Elson dos Santos Mattos, Dire- 16

15 tor-superintendente do SERPRO. No mesmo dia, reunidos extraordinariamente na sala nº 1011 do Palácio da Fazenda, "formalizavam com a assinatura da (primeira) Ata as investiduras e o exercício nos cargos (em) que acabavam de ser empossados", marcando para o próximo dia 3 de maio, às 15:00 horas, uma Reunião ordinária do Conselho para: 1) providências gerais pertinentes à instalação da Empresa; 2) leitura e discussão do anteprojeto de Regimento Interno. (8) Tal Ata só foi publicada no D.O.U. mais de 2 meses depois, em 28 de junho, o que não obstou a que nas Reuniões subseqüentes examinasse o Conselho o texto do proposto Regimento Interno, finalmente aprovado na 5ª Reunião 2 de junho e, na mesma data, baixado com a Portaria n GB-193, do Ministro da Fazenda. (9) Esta, com a Lei n e o Decreto n , comporá a tríade legal na qual se estribarão a organização e o funcionamento do SERPRO ao longo de todo o qüinqüênio que termina em 1970, quando se lhe atribuirão novos dispositivos. Pela Resolução nº 6, de 1º de julho de 1965, o Conselho de Administração estabelecia a estrutura dos órgãos do SERPRO, não sem ressaltar, nas palavras do Diretor-Superintendente, que essa devia "ser entendida como sendo provisória, o que (era) plenamente justificado dado o caráter pioneiro da entidade". De acordo com ela, o SERPRO compõe-se de: órgãos da Administração Superior, como sejam o Conselho de Administração e o Diretor-Superintendente; órgãos Centrais de Assessoramento, Orientação e Controle, que são o Departamento Técnico (com 7 Turmas), o Departamento Financeiro (4 Turmas e 1 Caixa), o Departamento Administrativo (4 Turmas) e a Assessoria Jurídica, e de Unidades Regionais de Operação (cada URO com Turma de Administração, Centro de Processamento e Núcleo de Operação). Nos termos daquele Regimento, os atos deliberativos do Conselho de Administração veiculam-se por "Resoluções", cabendo ao Diretor- Superintendente baixar normas e instruções sob a forma de "Ordens de Serviço" e movimentar o Pessoal através de "Portarias". Com as funções e atribuições que ali se lhes especificam, os órgãos criados foram-se implantando e provendo na medida das necessidades e possibilidades da novel Empresa. Empossado o Conselho de Administração, logo decidiu (Reunião de 10 de maio) constituir um Núcleo de Organização para a instalação da Empresa, com o máximo de 15 componentes e um teto de Cr$ 20 milhões para as despesas correspondentes, sob a responsabilidade de Valdecir Freire Lopes. Pela Portaria n 1, de 21 de maio de 1965, o Diretor-Superintendente Elson dos Santos Mattos designava Valdecir Freire Lopes para Responsável pela Assessoria Técnica, Roberto Pereira da Silva pela Assessoria Financeira, Abelardo Rosa Santos pela Assessoria Administrativa e Luiz Walter do Prado Abdon pela Assessoria Jurídica. Foram as primeiras designações, no SERPRO, fora do Conselho de Administração, destinando-se tais Assessorias especificamente a planejar e promover as medidas necessárias à instalação dos órgãos Centrais e das Unidades Regionais. Só em setembro seguinte é que viriam as Portarias subseqüentes, designando os primeiros titulares efetivos dos 3 Departamentos e da Assessoria Jurídica (os mesmos da referida Portaria), assim como da URO (Salvador Perrotti) a primeira a ser titulada. De então até dezembro de 1965, seriam paulatinamente designados os Chefes da Turma de Operações (Oswaldo Ney Soares Carneiro), da Turma de Controle (Francisco Alves de 17

16 Sá), da Turma de Material (Francelino Corrêa Mattos dos Santos) e da Turma de Métodos e Sistemas (Alistair Neves). O Núcleo de Organização funcionou até setembro, quando o SERPRO se estruturou definitivamente, mas já na 12ª Reunião (de 6 de junho) dava contas ao Conselho das providências recomendadas. Quanto à organização das UROs, a idéia era de criar-se um Centro de Processamento em cada Região Fiscal do país, assim como tantos Núcleos de Perfuração quantos necessários, para impedir que os documentos tivessem de sair da repartição de origem. Quanto às atividades de processamento, constituiram-se 6 grupos de trabalho, um para cada assunto específico, devendo cada qual ir até o preparo manual de operações para as UROs. Quanto a pessoal, impunha-se contar o SERPRO com especialistas nos diversos tributos que seriam objeto das suas atividades, sendo opinião do Presidente do Conselho que, para tanto, se deveria recorrer aos peritos que compunham a Comissão de Reforma FGV/MF. No que tange à mão-de-obra, já em fins de junho era contratado um técnico em seleção de pessoal, o professor Oscar Peixoto, para elaborar e superintender as provas para cargos de escritório, sendo que em 1 de julho, pela Resolução nº 5, foram baixadas as Normas para Recrutamento, Seleção e Admissão dos Empregados, estabelecendo-se, pela de nº 8, de 19 de agosto, a classificação das suas funções e respectivas atribuições. Enquanto não se realizavam as provas para admissão, contrataram-se escriturários e secretárias na firma "Manpower". No concurso para analista e programador, inscreveram-se 74 e foram inicialmente (ISOP) aprovados 55 candidatos, sendo que, dentre os 8 que obtiveram aprovação final, 6 desistiram em face da exigüidade do salário oferecido. O óbice mais sério, porém, à necessária e urgente constituição do seu corpo de empregados decorreu da promulgação, em 5 de julho, da Emenda Constitucional nº 15, que drasticamente vedava toda nomeação, admissão ou contrato de pessoal, a qualquer título, no período compreendido entre os 90 dias anteriores à eleição para Presidente da República e o término do seu mandato. Em conseqüência, além de não poder completar seus próprios quadros, ainda ficou o SERPRO desfalcado da colaboração de muitos servidores já engajados na área, tendo até de recorrer a terceiros para poder cumprir compromissos assumidos. Isto explica porque, em 31 de dezembro de 1965, seus empregados numerassem não mais que 90, sendo 35 na Administração Central e 55 nas Unidades Regionais de Operação. Uma síntese das principais providências então tomadas na área de pessoal está na simples relação das normas estabelecidas por várias Resoluções e Ordens de Serviço durante o exercício: 18 normas para recrutamento, seleção e admissão de empregados do SERPRO; normas para autorização de viagens, fixação de diárias e comprovação de despesas; normas de administração de pessoal, constantes do Plano de Classificação de Cargos; normas relativas à aplicação do "sistema de pontos", em que se baseia a remuneração das funções de confiança;

17 normas relativas ao pagamento de incentivo sobre a produção efetiva dos empregados; normas relativas a serviços médicos e atividades assistenciais, no SERPRO; normas sobre o Plano de Benefício para Assistência Médica; normas para concessão, aplicação e comprovação de adiantamentos, na Administração Central; normas sobre exame médico pré-admissional; normas sobre controle de freqüência, pagamentos e descontos dos empregados; normas sobre o sistema de pesquisa salarial, necessário à fixação dos salários dos empregados do SERPRO à base dos vigorantes, em geral, no mercado de trabalho. Quanto à instalação física da Empresa, cabe registrar aqui apenas os fatos de maior relevância, entre as muitas marchas e contramarchas ocorridas. Embora a locação das 14 salas do 18 andar do Edifício Palácio Mercantil, na Avenida Presidente Vargas, nº 482, no Rio de Janeiro, já estivesse acordada e aprovada desde 01 de julho alugadas da Zein Comércio e Indústria S.A. por Cr$ ,00 mensais somente em 5 de novembro pôde o Diretor-Superintendente informar o Conselho de haver recebido as chaves respectivas. Retardada inicialmente a concessão do "habite-se" pelo atraso na instalação da eletricidade e na ligação do fornecimento de água, a adaptação das salas só permitiu iniciar-se a mudança da Administração Central do SERPRO para sua sede na última semana de dezembro de Até então, manteve-se precariamente distribuida em várias salas do Palácio da Fazenda, sendo que o Conselho de Administração se reunia ali sistematicamente duas vezes por semana, no 10 andar, e só veio a ter sua primeira Reunião na sede (sala 1814 do Palácio Mercantil) em 8 de março de Já as Unidades Regionais de Operação tiveram uma evolução vária, sendo esta sua situação em 31 de dezembro de 1965: A 1ª URO (sede em Brasília, com jurisdição sobre Distrito Federal, Mato Grosso e Goiás) não logrou ver terminadas ainda neste exercício as negociações com a Prefeitura local para a celebração de um Convênio de prestação de serviços, em cujo pagamento entrariam um terreno e a construção da respectiva sede. Na 2ª URO (sede em Belém, com jurisdição sobre Amazonas, Pará, Amapá, Acre, Roraima e Rondônia), a precariedade dos possíveis locais dificultou a escolha e impediu uma solução em 1965 para localização da sede. Também na 3ª URO (sede em Fortaleza, com jurisdição sobre Maranhão, Piauí e Ceará) o exame de duas áreas oferecidas pela Alfândega e pela Delegacia Fiscal não bastou para chegar-se a uma conclusão antes do término do exercício. Já na 4ª URO (sede em Recife, com jurisdição sobre Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Fernando de Noronha) a área oferecida pela Delegacia Fiscal foi aceita e entrou em andamento o projeto para a sua instalação. Na 5ª URO, igualmente, (sede em Salvador, com jurisdição sobre Bahia e Sergipe) findou-se o ano com uma parte da área em que funcionavam a Alfândega e a Delegacia Fiscal já destinada à sede da Unidade. A 6ª URO (sede em Belo Horizonte, com jurisdição sobre Minas Gerais) teria sua sede instalada no pré- 19

18 dio da Delegacia de Rendas Internas, dependendo dos entendimentos finais sobre a segurança e adaptação do local. Na 7ª URO (sede no Rio de Janeiro, com jurisdição sobre Espírito Santo, Rio de Janeiro e a então Guanabara), a instalação provisória da sua sede em repartições (na maioria) localizadas no Palácio da Fazenda não atendia aos requisitos básicos para um centro de computação, dadas as características e linhas arquitetônicas do prédio; além de não comportar a aglutinação dos setores da Caixa de Amortização e da Alfândega, sendo por isso prevista e necessária sua mudança em futuro próximo. Só a 8ª URO (sede em São Paulo, com jurisdição sobre o Estado) logrou iniciar suas atividades, já em setembro de 1965, no prédio da Alfândega, valendo-se ainda do equipamento de mecanização de Santos. Para a 9 URO (sede em Curitiba, com jurisdição sobre Paraná e Santa Catarina), a Delegacia Fiscal cedeu uma área, onde se lhe prepara a sede. O mesmo para a 101M URO (sede em Porto Alegre, com jurisdição sobre o Rio Grande do Sul). A verdade é que um exame da situação real no final do exercício revela que apenas "os Departamentos e algumas Unidades Regionais de Operação já foram instalados, enquanto as Turmas de cada Departamento vão sendo constituídas de acordo com a necessidade e o encaminhamento dos serviços" como declara o "Relatório" (de Atividades) de Afora as naturais dificuldades com pessoal habilitado e espaço adequado, havia o problema do equipamento. Ao iniciar suas atividades operacionais, recebeu o SERPRO 1 computador eletrônico IBM-1401, instalado pelo Ministério da Fazenda no Rio de Janeiro, 2 computadores UNIVAC-1004, instalados em São Paulo, e várias máquinas periféricas não poucas dentre as quais obsoletas ou de pouco rendimento. Teve então de devolver muitas e alugar outras mais, essenciais aos novos padrões de trabalho a introduzir. Ao terminar o ano, contava com um total de 368 unidades, sendo 47 classificadoras, 21 conferidoras numéricas, 11 intercaladoras, 9 interpretadoras, 4 multiplicadoras e calculadoras, 82 perfuradoras alfa-numéricas, 114 perfuradoras mecânicas, 30 reprodutoras e 46 tabuladoras, afora 4 computadores eletrônicos sendo que todos os equipamentos operavam apenas e somente com cartões perfurados. Não obstante a ênfase naturalmente atribuída à instalação e organização da Empresa no seu primeiro exercício, logrou o SERPRO desenvolver ainda algumas atividades executivas e operacionais que merecem registro. Assim é que, "já no ano de 1965, firmaram-se ajustes parciais para execução de serviços com o Departamento do Imposto de Renda, com a Delegacia Fiscal de São Paulo e com o Departamento de Arrecadação. Os serviços ajustados passaram a ser executados sob orientação do pessoal do SERPRO, que, ademais, já assumira desde junho de 1965 a responsabilidade pelo processamento do pagamento dos servidores ativos do Ministério da Fazenda, do Ministério das Relações Exteriores, da Presidência da República e do DASP. Cumpre ressaltar ainda que, além da assistência técnica aos órgãos da Fazenda, prestou sua colaboração ao Ministério do Planejamento, na elaboração e execução dos primeiros ensaios de mecanização, visando ao acompanhamento do Orçamento-Programa; realizou estudos e análises para 2 Carteiras da Caixa Econômica Federal do Rio de Janeiro; tomou a seu cargo o planejamento e emissão do número único para os contribuintes de impostos federais, a ser utilizado no Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda". (10) 20

19 Aliás, em setembro mesmo, ao submeter ao Ministro Octávio Gouvêa de Bulhões proposta de empréstimo, por parte do Governo norte-americano, de 12 computadores eletrônicos excedentes, o Conselho de Administração descrevia os serviços, "de interesse do Ministério da Fazenda, no plano nacional," a serem prestados com tal equipamento: DEPARTAMENTO DE ARRECADAÇÃO Implantação do Cadastro Geral de Contribuintes das pessoas jurídicas Controle e Classificação da Receita DEPARTAMENTO DE IMPOSTO DE RENDA Lançamento Controle da Cobrança Controle dos rendimentos pagos ou creditados Estatística DEPARTAMENTO DE RENDAS INTERNAS Imposto de Consumo) e Imposto de Selo: Baixa de pagamentos Acompanhamento da conta-corrente por contribuintes Estatística DIRETORIA DA DESPESA PÚBLICA E DELEGACIAS FISCAIS Pagamentos de pessoal Ativo Pensionistas Aposentados Apropriação de despesas CONTADORIA GERAL DA REPÚBLICA Acompanhamento da execução da Despesa Orçamentária Apuração das contas da União no Banco do Brasil Acompanhamento Provisório da Receita e Despesa SERVIÇO DE ESTATÍSTICA ECONÔMICA E FINANCEIRA Estatísticas: Importação e Exportação Cabotagem Movimento Bancário Movimento Marítimo e Fluvial Transmissão de Imóveis Hipotecas DIRETORIA DE RENDAS ADUANEIRAS Controle do valor das mercadorias importadas e respectivo imposto Estatística das mercadorias importadas 21

20 CAIXA DE AMORTIZAÇÃO Controle de títulos de Recuperação Financeira (cálculo de juros, conta de depósitos, amortização, etc.) Controle de Obrigações do Tesouro (cálculo de juros-orçamento da despesa-movimento de bolsa, etc.) DEPARTAMENTO FEDERAL DE COMPRAS Previsão de consumo e suprimento automático Controle de preços Estoques mínimos PREFEITURA DO DISTRITO FEDERAL E AUTARQUIAS VINCULADAS (por convênio em elaboração) Pagamento de Pessoal Emissão de contas de luz, telefone, taxa de água e esgoto Controle de Cobrança Controle de material Financiamento e Cobrança dos Impostos Predial, Territorial, Indústria e Profissões. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Estudos iniciados visando ao acompanhamento do Orçamento Programa. Quanto aos recursos financeiros, provieram inicialmente da parcela de Cr$ 500 milhões de crédito especial aberto pelo Decreto nº , de 8 de abril de 1965, para constituição do Capital da Empresa e destinada à sua organização, assim como dos Cr$ mil correspondentes às dotações orçamentárias para atender, em 1965, aos encargos de locação de equipamento e de execução de serviços mecanizados dos órgãos do Ministério da Fazenda. A propósito, antes de tudo mais cabe ressaltar que, no tocante à referida dotação orçamentária, a jovem Empresa conseguiu para a Fazenda uma economia de mais de meio bilhão de cruzeiros. Devendo, pela nova legislação, entender-se com a IBM do Brasil Ltda. e a Remington Rand do Brasil S.A. para a locação de equipamentos e a execução de serviços de mecanização necessários, logrou o SERPRO que ambas as empresas reformulassem as propostas de contrato anteriormente acertadas com o Ministério da Fazenda. Para um valor contratual inicial de Cr$ mil (que demandaria um crédito adicional de Cr$ mil para suplementar os Cr$ mil orçados), obteve novas propostas totalizando Cr$ (com um saldo orçamentário de Cr$ mil e uma redução global de cerca de 29%). Como oportunamente assinalou o Presidente do Conselho de Administração, a "economia resultante para o Ministério, decorrente da simples intervenção do SERPRO na realização de tais contratos, superou em quase cem milhões de cruzeiros a totalidade dos recursos destinados à cobertura das despesas de organização de instalação da empresa".(12) Do capital fixado em Cr$ 5 bilhões, a serem integralizados pelo Governo da União, Cr$ 500 milhões foram liberados pelo Ministério da Fazenda até 31 de dezembro de 1965, ficando os remanescentes Cr$ milhões por integralizar me- 22

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

LEI Nº176, DE 9 de DEZEMBRO DE 1949. Capítulo _ I Da organização, Fins e Jurisdição

LEI Nº176, DE 9 de DEZEMBRO DE 1949. Capítulo _ I Da organização, Fins e Jurisdição LEI Nº176, DE 9 de DEZEMBRO DE 1949. REGULA O BANCO MUNICIPAL DA PRODUÇÃO DE ANÁPOLIS. A CÂMARA MUNICIPAL decreta e eu PREFEITO MUNICIPAL sanciono a seguinte lei: Capítulo _ I Da organização, Fins e Jurisdição

Leia mais

Lei No 4.923, de 23 de Dezembro de 1965 (D.O.U. DE 29.12.65 - LTr. 30 / 91) Faço saber que o Congresso Nacional decreta, e eu sanciono a seguinte lei:

Lei No 4.923, de 23 de Dezembro de 1965 (D.O.U. DE 29.12.65 - LTr. 30 / 91) Faço saber que o Congresso Nacional decreta, e eu sanciono a seguinte lei: Lei No 4.923, de 23 de Dezembro de 1965 (D.O.U. DE 29.12.65 - LTr. 30 / 91) Institui o cadastro permanente das admissões e dispensas de empregados, estabelece medidas contra o desemprego e de assitência

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969.

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. Dispõe sobre a transformação do Departamento dos Correios e Telégrafos em empresa pública, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Parágrafo Único: O Conselho Municipal de Política Habitacional Popular CMPHP é vinculado diretamente ao Gabinete do Prefeito Municipal.

Parágrafo Único: O Conselho Municipal de Política Habitacional Popular CMPHP é vinculado diretamente ao Gabinete do Prefeito Municipal. GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL N.º 1170/2007 DE 19 DE ABRIL DE 2007. CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICA HABITACIONAL POPULAR CMPHP E INTITUI O FUNDO MUNICIPAL HABITACIONAL POPULAR FUNDHAPO, E DÁ

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

DECRETO Nº 20.393, DE 10 DE SETEMBRO DE 1931 (*)

DECRETO Nº 20.393, DE 10 DE SETEMBRO DE 1931 (*) DECRETO Nº 20.393, DE 10 DE SETEMBRO DE 1931 (*) Modifica o Codigo de Contabilidade da União e reforma o sistema de recolhimento da receita arrecadada e o de pagamento das despesas federais. O Chefe do

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Estabelece normas para execução orçamentária, e define a programação financeira para o exercício de 2015 e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014.

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014 Salto Veloso, SC O IPRESVEL O Instituto de Previdência Social dos Servidores

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES ESTATUTOS TÍTULO I DO NOME, DA NATUREZA, DO OBJETO, DA SEDE e DO FORO Art. 1º - O INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE CAPÍTULO I Da Fundação e seus objetivos Artigo 1º - A Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados SEADE, rege-se por estes Estatutos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS.

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º - A Fundação Desenvolvimento Ambiental - Fundamental é pessoa jurídica de direito

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Lei nº 1.628, de 20 de Junho de 1952

Lei nº 1.628, de 20 de Junho de 1952 arte_memorias_02(13_217).qxd 7/28/08 11:57 PM Page 25 LEGISLAÇÃO 25 Lei nº 1.628, de 20 de Junho de 1952 Dispõe sobre a restituição dos adicionais criados pelo art. 3º da Lei n 1.474, de 26 de novembro

Leia mais

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Atual

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES (EBSERH)

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES (EBSERH) PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES (EBSERH) DEFINIÇÃO Pergunta: O que é a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares? Resposta: A Empresa Brasileira de Serviços

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL Wilson Loureiro 1 O ICMS Ecológico é um mecanismo que possibilita aos municípios acessarem recursos financeiros do

Leia mais

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO PASSIVO CIRCULANTE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS,

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO QUARTO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 14/ANA/2004 CELEBRADO ENTRE A AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E A ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL, COM A ANUÊNCIA DO COMITÊ PARA

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 2101 - Programa de Gestão e Manutenção da Presidência da República 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 121 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S E S P E C I F I C A Ç Õ E S 1) DO OBJETO: É objeto da presente licitação, a contratação de empresa para Prestação de Serviço de Auditoria externa (independente), compreendendo: 1.1 Auditoria dos registros

Leia mais

LEI Nº 1.103. Reorganiza os serviços da Caixa de Pensões dos Servidores Municipais de Pelotas e dá outras providências.

LEI Nº 1.103. Reorganiza os serviços da Caixa de Pensões dos Servidores Municipais de Pelotas e dá outras providências. LEI Nº 1.103 Reorganiza os serviços da Caixa de Pensões dos Servidores Municipais de Pelotas e dá outras providências. O DOUTOR JOÃO CARLOS GASTAL, Prefeito de Pelotas. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Seção I Dos Objetivos Art. 1º O Programa de

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Capitalização de Cooperativas Médicas Singulares Operadoras de Plano de Assistência à Saúde BNDES PROCAPCOOP

Ass.: Programa BNDES de Capitalização de Cooperativas Médicas Singulares Operadoras de Plano de Assistência à Saúde BNDES PROCAPCOOP Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 09/2015-BNDES Rio de Janeiro, 16 de março de 2015 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Capitalização de Cooperativas

Leia mais

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE QUADRO I BALANÇOS PATRIMONIAIS ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 2.630.185 2.070.467 Fornecedores 115.915 76.688 Contas

Leia mais

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À CRIAÇÃO OU AO APERFEIÇOAMENTO DE NÚMEROS CIRCENSES

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À CRIAÇÃO OU AO APERFEIÇOAMENTO DE NÚMEROS CIRCENSES EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À CRIAÇÃO OU AO APERFEIÇOAMENTO DE NÚMEROS CIRCENSES O Presidente da Fundação Nacional de Artes - Funarte, no uso das Atribuições que lhe confere o inciso V artigo 14

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação PROFESSORA: Iza Angélica Carvalho da Silva CONTROLE DO GASTO PÚBLICO Controle é a fiscalização e o acompanhamento de todos os atos e fatos da execução

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Perfil de Pessoal das Estatais - Folha

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Perfil de Pessoal das Estatais - Folha 19/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Prazos de Entrega... 6 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo,

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo, LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro de 2011 e dá outras providências. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

Desejo a todos que realizem uma excelente preparação para esse e outros concursos.

Desejo a todos que realizem uma excelente preparação para esse e outros concursos. ..FUNDOS ESPECIAIS Amigos e amigas estudantes do Ponto dos Concursos! Com a aproximação do concurso do TCU, estamos programando três cursos on line específicos para esse certame: Contabilidade Pública,

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CONOF

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CONOF NOTA TÉCNICA Nº 17/2007 Subsídios para a apreciação da Medida Provisória nº 367, de 30 de abril de 2007, quanto à adequação orçamentária e financeira. Interessado: Comissão Mista de Planos, Orçamentos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AVALIAÇÃO DE RISCO Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS A ANÁLISE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO Esta Chamada Pública de Apoio Institucional visa à seleção de projetos a serem apoiados pelo CAU/BR na modalidade de Apoio à Assistência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

Edital CNPq/CT-Petro nº 01/2003

Edital CNPq/CT-Petro nº 01/2003 Edital CNPq/CT-Petro nº 01/2003 O Ministério da Ciência e Tecnologia, por intermédio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, torna público o presente edital e convoca os

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA 1. CONTEXTO ORGANIZACIONAL O Tribunal de Contas é um órgão com autonomia orçamentária e financeira de auxílio ao

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Aprovado em Reunião Ordinária do Conselho de Administração conforme registro em ata. Este Regimento Interno Regulamenta

Leia mais

5 de fevereiro de 2002

5 de fevereiro de 2002 5 de fevereiro de 2002 O Banco do Estado do Amazonas Bea foi privatizado em 24 de Janeiro de 2002 por R$ 182,9 milhões, equivalentes ao preço mínimo. O adquirente foi o Bradesco, um conglomerado financeiro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA RESOLUÇÃO Nº 002/2003 TCE/RR PLENÁRIO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA RESOLUÇÃO Nº 002/2003 TCE/RR PLENÁRIO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA RESOLUÇÃO Nº 002/2003 TCE/RR PLENÁRIO Regulamenta na forma e para os fins estabelecidos no art. 6º da Lei Estadual nº 352, de 14 de novembro de 2002, o Fundo de

Leia mais

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos.

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. Resolução CNAS n.º 32, de 24 de fevereiro de 1999 Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. O Plenário do Conselho Nacional de Assistência Social

Leia mais

KROTON EDUCACIONAL S/A. Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES

KROTON EDUCACIONAL S/A. Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES KROTON EDUCACIONAL S/A Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES Í N D I C E SOBRE O FIES O que é o FIES? 1 Qual o marco legal do FIES? 1 Condições de financiamento 2 Quem pode se candidatar

Leia mais

Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014.

Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014. Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014. Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2015 e da outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL Faço saber que a Câmara Municipal decreta e

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

LEI N. 1520/2009, DE 22 DE JULHO DE 2009.

LEI N. 1520/2009, DE 22 DE JULHO DE 2009. MUNICÍPIO DO IPOJUCA LEI N. 1520/2009, DE 22 DE JULHO DE 2009. EMENTA: Autoriza o Poder Executivo a criar a empresa pública denominada Agência de Desenvolvimento Econômico do Ipojuca - AD. Ipojuca, ajusta

Leia mais

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS INSTRUÇÕES PARA A EXECUÇÃO FINANCEIRA/PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS TRANSFERIDOS PELO MINISTÉRIO/ORGANISMOS INTERNACIONAL REFERENTE AOS CONTRATOS DE FINANCIAMENTO DE ATIVIDADES FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais