ANO XIX ª SEMANA DE MAIO DE 2008 BOLETIM INFORMARE Nº 18/2008 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANO XIX - 2008-1ª SEMANA DE MAIO DE 2008 BOLETIM INFORMARE Nº 18/2008 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS"

Transcrição

1 ANO XIX ª SEMANA DE MAIO DE 2008 BOLETIM INFORMARE Nº 18/2008 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA E EMPREITADA - RETENÇÃO - PARTE II Retenção/Condições Especiais/Aposentadoria Especial - Alíquota Diferenciada - Nota Fiscal Específica ou Discriminação - Apuração da Base de Cálculo - Previsão Contratual e Não Discriminação na Nota Fiscal, Fatura ou Recibo - Não Existência de Previsão Contratual - Obrigações Das Empresas - Contratante e Contratada - Contratada - Retenção na Construção Civil - Conceito - Retenção - Serviços Não Sujeitos à Retenção - Instalação do Material ou do Equipamento/Mão-de-Obra - Serviços Sujeitos à Retenção e Serviços Isentos de Retenção na Mesma Obra - Anexo XIII... ASSUNTOS TRABALHISTAS Pág. 149 NOVAS ORIENTAÇÕES JURISPRUDENCIAIS - TST Novos Posicionamentos - Orientação Jurisprudencial/Conceito - Matérias Controvertidas - OJ/SBDI-1/nº 353/Equiparação Salarial - OJ/SBDI-1/nº 354/Intervalo Intrajornada - OJ/SBDI- 1/nº 355/Intervalo Interjornada - OJ/SBDI-1/nº 356/Programa de Demissão Voluntária - OJ/ SBDI-1/nº 357/Recurso/Extemporaneidade - OJ/SBDI-1/nº 358/Salário-Mínimo Proporcional - OJ/SBDI-1/nº 359/Substituição Processual/Sindicato - OJ/SBDI-1/nº 360/Turno Ininterrupto de Revezamento... Pág. 144

2 MAIO - Nº 18/2008 TRABALHO E PREVIDÊNCIA ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA E EMPREITADA Retenção - Parte II Sumário 1. Retenção - Condições Especiais - Aposentadoria Especial Alíquota Diferenciada Nota Fiscal Específica ou Discriminação Apuração da Base de Cálculo Previsão Contratual e Não Discriminação na Nota Fiscal, Fatura ou Recibo Não Existência de Previsão Contratual Obrigações Das Empresas Contratante e Contratada Contratada 2. Retenção na Construção Civil Conceito Retenção Serviços Não Sujeitos à Retenção Instalação do Material ou do Equipamento - Mão-de-Obra Serviços Sujeitos à Retenção e Serviços Isentos de Retenção na Mesma Obra Anexo XIII 1. RETENÇÃO - CONDIÇÕES ESPECIAIS - APOSENTA- DORIA ESPECIAL Alíquota Diferenciada Como estudamos no Bol. INFORMARE anterior sobre Cessão de Mão-de-Obra - Retenção - Parte I, o valor da alíquota para retenção é de 11% (onze por cento) do valor bruto da Nota Fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços. Porém, há situações em que o valor da alíquota para retenção poderá ser de 13% (treze por cento), 14% (quatorze por cento) ou 15% (quinze por cento), dependendo das condições em que o serviço é prestado. Para melhor esclarecer, ressaltamos que, de acordo com a Lei nº , de 08 de maio de 2003, quando a atividade dos segurados na empresa contratante (tomadora) for exercida em condições especiais que prejudiquem a saúde ou integridade física destes, de forma a possibilitar a concessão de aposentadoria especial após 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos de trabalho, o percentual da retenção aplicado sobre o valor dos serviços prestados por estes segurados, a partir de 1º de abril de 2003, deve ser acrescido de 4 (quatro), 3 (três) ou 2 (dois) pontos percentuais, respectivamente, perfazendo o total de 15% (quinze por cento), 14% (quatorze por cento) ou 13% (treze por cento) de retenção. Sendo assim, podemos afirmar que o percentual adicional de retenção incidirá sobre o valor bruto da Nota Fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços, da seguinte forma: a) 13% (treze por cento) - para atividade exercida em condições especiais, que possibilite aposentadoria especial após 25 (vinte e cinco) anos; b) 14% (quatorze por cento) - para atividade exercida em condições especiais, que possibilite aposentadoria especial após 20 (vinte) anos; c) 15% (quinze por cento) - para atividade exercida em condições especiais, que possibilite aposentadoria especial após 15 (quinze) anos Nota Fiscal Específica ou Discriminação Para que haja a aplicação da alíquota diferenciada de 13% (treze por cento), 14% (quatorze por cento) ou 15% (quinze por cento) sobre as atividades exercidas em condições especiais, a empresa contratada (tomadora) deverá: a) emitir Nota Fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços específica para os serviços prestados em condições especiais pelos segurados; ou, b) discriminar o valor desses serviços na Nota Fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços Apuração da Base de Cálculo Previsão Contratual e Não Discriminação na Nota Fiscal, Fatura ou Recibo Caso haja previsão contratual de utilização de trabalhadores na execução de atividades em condições especiais e a Nota Fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços não tenha sido específica ou não haja discriminação destes serviços, a base de cálculo para incidência do acréscimo de retenção (13% (treze por cento), 14% (quatorze por cento) ou 15% (quinze por cento)) será proporcional ao número de trabalhadores envolvidos nas atividades exercidas em condições especiais, desde que exista a possibilidade de identificação dos trabalhadores envolvidos e dos não envolvidos nessas atividades. Ainda neste caso, não havendo possibilidade de identificação do número de trabalhadores envolvidos e não envolvidos com as atividades exercidas em condições especiais, o acréscimo da retenção incidirá sobre o valor total dos serviços contido na Nota Fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços, no percentual correspondente à atividade especial Não Existência de Previsão Contratual Quando não houver previsão contratual da utilização 149

3 TRABALHO E PREVIDÊNCIA ou não dos trabalhadores contratados nas atividades especiais, incidirá, sobre o valor total dos serviços contido na Nota Fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços, o percentual adicional de retenção (13% (treze por cento), 14% (quatorze por cento) ou 15% (quinze por cento)), correspondente às atividades em condições especiais desenvolvidas pela empresa ou, não sendo possível identificar as atividades, o percentual mínimo de 2% (dois por cento), isto é, totalizando 13% (treze por cento) Obrigações Das Empresas Contratante e Contratada As empresas contratante e contratada, no que se refere às obrigações relacionadas aos agentes nocivos a que os trabalhadores estiverem expostos, devem observar as disposições previstas na Legislação sobre os riscos ocupacionais no ambiente de trabalho Contratada A empresa contratada (tomadora) deve elaborar o Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) dos trabalhadores expostos a agentes nocivos com base, dentre outras informações, nas demonstrações ambientais da contratante ou do local da efetiva prestação de serviços. 2. RETENÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Conceito Conforme já exposto, no Bol. INFORMARE anterior sobre Cessão de Mão de Obra - Retenção - Parte I, o serviço de construção civil, se contratado, tanto mediante cessão de mão-de-obra quanto mediante empreitada, estará sujeito à retenção. Desta forma, a Legislação define o serviço de construção civil para fins previdenciários como sendo o que envolva a construção, a demolição, a reforma ou o acréscimo de edificações ou de qualquer benfeitoria agregada ao solo ou ao subsolo ou obras complementares que se integrem a esse conjunto, tais como a reparação de jardins ou passeios, a colocação de grades ou de instrumentos de recreação, de urbanização ou de sinalização de rodovias ou de vias públicas Retenção Está sujeito à retenção na construção civil, conforme disposto no art. 169 da Instrução Normativa nº 03/2005: a) a prestação de serviços mediante contrato de empreitada parcial - ou seja, quando o contrato é celebrado com empresa construtora ou prestadora de serviços na área de construção civil, para execução de parte da obra, com ou sem fornecimento de material; b) a prestação de serviços mediante contrato de subempreitada - ou seja, aquele contrato celebrado entre MAIO - Nº 18/2008 a empreiteira ou qualquer empresa subcontratada e outra empresa, para executar obra ou serviço de construção civil, no todo ou em parte, com ou sem fornecimento de material; c) a prestação de serviços tais como os discriminados no Anexo XIII da Instrução Normativa nº 03/2005, que consta ao final desta matéria; d) a reforma de pequeno valor - aquela de responsabilidade de pessoa jurídica, que possui escrituração contábil regular, em que não há alteração de área construída, cujo custo estimado total, incluindo material e mão-de-obra, não ultrapasse o valor de 20 (vinte) vezes o limite máximo do salário-de-contribuição vigente na data de início da obra. Atualmente, a reforma de pequeno valor seria considerada uma obra de no máximo R$ ,80 (correspondente a 20 X R$ 3.038,99) Serviços Não Sujeitos à Retenção Os serviços abaixo relacionados não estão sujeitos à retenção na Construção Civil: a) administração, fiscalização, supervisão ou gerenciamento de obras; b) assessoria ou consultoria técnicas; c) controle de qualidade de materiais; d) fornecimento de concreto usinado, de massa asfáltica ou de argamassa usinada ou preparada; e) jateamento ou hidrojateamento; f) perfuração de poço artesiano; g) elaboração de projeto da construção civil; h) ensaios geotécnicos de campo ou de laboratório (sondagens de solo, provas de carga, ensaios de resistência, amostragens, testes em laboratório de solos ou outros serviços afins); i) serviços de topografia; j) instalação de antena coletiva; l) instalação de aparelhos de ar-condicionado, de refrigeração, de ventilação, de aquecimento, de calefação ou de exaustão; m) instalação de sistemas de ar-condicionado, de refrigeração, de ventilação, de aquecimento, de calefação ou de exaustão, quando a venda for realizada com emissão apenas da Nota Fiscal de venda mercantil; n) instalação de estruturas e esquadrias metálicas, de equipamento ou de material, quando for emitida apenas a Nota Fiscal de venda mercantil; 148

4 MAIO - Nº 18/2008 o) locação de caçamba; p) locação de máquinas, de ferramentas, de equipamentos ou de outros utensílios sem fornecimento de mão-de-obra; q) fundações especiais Instalação do Material ou do Equipamento - Mãode-Obra Quando na prestação dos serviços relacionados abaixo houver emissão de Nota Fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços relativa à mão-de-obra utilizada na instalação do material ou do equipamento vendido, os valores desses serviços integrarão a base de cálculo da retenção: XII - instalação de sistema de ar-condicionado, de refrigeração, de ventilação, de aquecimento, de calefação ou de exaustão, quando a venda for realizada com emissão apenas da Nota Fiscal de venda mercantil; XIII - instalação de estruturas e esquadrias metálicas, de equipamento ou de material, quando for emitida apenas a Nota Fiscal de venda mercantil; Serviços Sujeitos à Retenção e Serviços Isentos de Retenção na Mesma Obra Caso haja, para a mesma obra, contratação de serviços isentos de retenção e, simultaneamente, o fornecimento de mão-de-obra para execução de outro serviço sujeito à retenção, aplicar-se-á a retenção apenas a este serviço, desde que os valores estejam discriminados na Nota Fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços. Não havendo discriminação na Nota Fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços, aplicar-se-á a retenção a todos os serviços contratados Anexo XIII DISCRIMINAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL GRUPO 45 DO CNAE 45 - CONSTRUÇÃO PREPARAÇÃO DO TERRENO Demolição e preparação do terreno /01 Demolição de edifícios e outras estruturas (OBRA) - A demolição de edifícios e outras estruturas /02 Preparação de terrenos - a preparação de canteiros; - a execução de escavações diversas para construções; - nivelamentos diversos. - a demolição de edifícios e outras estruturas (4511-0/01) TRABALHO E PREVIDÊNCIA Perfurações e execução de fundações destinadas à construção civil /01 Perfurações e execução de fundações destinadas à construção civil - perfurações com a finalidade de construção ; - perfurações para exploração mineral ; - execução de fundações para edificações e outras obras de engenharia civil (OBRA). - as atividades geológicas e de prospecção ( /04); - a perfuração de poços para exploração de petróleo e gás natural quando realizada pela própria empresa ( /01), ou quando realizada por terceiros ( /00); - a perfuração e abertura de poços de água ( /05); - as sondagens destinadas à construção civil (4512-8/02) /02 Sondagens destinadas à construção civil (SERVIÇOS) - sondagens com a finalidade de construção - As atividades geológicas e de prospecção ( /04) - A perfuração de poços para exploração de petróleo e gás natural quando realizada pela própria empresa ( /01), ou quando realizada por terceiros ( /00) - A perfuração e abertura de poços de água ( /05) Grandes movimentações de terra /00 Terraplenagem e outras movimentações de terra (SERVIÇOS) - terraplenagem; - drenagem; - rebaixamento de lençóis d água; - derrocamentos; - preparação de locais para exploração mineral. Esta subclasse comprende também: - a remoção de rochas através de explosivos 45.2 CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS E OBRAS DE ENGENHARIA CIVIL Edificações (residenciais, industriais, comerciais e de serviços) /00 Edificações (residenciais, industriais, comerciais e de serviços) (OBRA) - a construção de edificações de todos os tipos ou de suas partes Esta subclasse compreende também: - a montagem de edificações pré-moldadas, quando não realizada pelo próprio fabricante - a fabricação de casas de madeira pré-fabricadas ( /01); - a construção de plantas hidrelétricas, nucleares e termoelétricas ( /01); - a construção de estações telefônicas (4533-0/01); - a construção de instalações desportivas tais como: piscinas, quadras esportivas ( /00); - as obras de instalações elétricas, hidráulicas, sanitárias, etc. (grupo 45.4); - os serviços de acabamentos da construção (grupo 45.5); - as montagens de estruturas metálicas, de madeira etc.( /01); - os serviços de arquitetura e engenharia ( /01, /02); - o gerenciamento de projetos de construção ( /01, /02) Obras Viárias 147

5 TRABALHO E PREVIDÊNCIA /01 Obras Viárias (rodovias, vias férreas e aeroportos) (OBRA) - a construção de rodovias, inclusive pavimentação; - a construção de vias férreas, inclusive para metropolitanos (preparação do leito, colocação dos trilhos); - a construção de pistas de aeroportos. - as grandes estruturas e obras de arte ( /00); - as obras de urbanização e paisagismo ( /00); - a construção de gasodutos, oleodutos e minerodutos ( /04); - a sinalização com pintura de rodovias (4522-5/02) /02 Pintura para sinalização em pistas rodoviárias e aeroportos - a sinalização com pintura de rodovias e aeroportos - a sinalização com pintura em ruas e estacionamentos (4524-1/00) Grandes estruturas e obras de arte /00 Grandes estruturas e obras de arte (OBRA) - a construção de pontes, viadutos, elevados, passarelas etc.; - a construção de túneis (urbanos, em rodovias, ferrovias, metropolitanos). - a construção de rodovias e vias férreas ( /01); - construção de portos e terminais marítimos e fluviais ( /02); - a montagem de estruturas metálicas ( /01) Obras de urbanização e paisagismo /00 Obras de urbanização e paisagismo - a construção de vias urbanas, praças, calçadas, parques, chafarizes, estacionamentos etc. (OBRA); - a sinalização com pintura em ruas e estacionamentos. Esta subclasse compreende também: - a construção de instalações desportivas tais como pistas de competição, quadras esportivas, piscinas, etc. (OBRA). - a sinalização com pintura de rodovias e aeroportos (4522-5/02) /01 Montagem de estruturas metálicas, exclusive andaimes - a montagem de estruturas metálicas por conta de terceiros; - a montagem e desmontagem de estruturas metálicas móveis. Esta subclasse compreende também: - os serviços de soldagem - a montagem e instalação de máquinas e equipamentos industriais(classes 28, 29, 32,33); - a montagem e desmontagem de andaimes (4525-0/02) /02 Montagem de andaimes - a montagem e desmontagem de andaimes, plataformas, formas para concreto e escoramento. - a montagem e instalação de máquinas e equipamentos industriais (classes 28, 29, 32, e 33); - a montagem de estruturas metálicas por conta de terceiros (4525-0/01); - a montagem e desmontagem de estruturas metálicas móveis (4525-0/01). MAIO - Nº 18/ Obras de outros tipos /01 Obras marítimas e fluviais - obras marítimas e fluviais, tais como: - construção de portos, terminais marítimos e fluviais (OBRA); - construção de marinas (OBRA); - construção de eclusas e canais de navegação (OBRA); - dragagem ; - aterro hidráulico ; - barragens, represas e diques (exclusive para energia elétrica) (OBRA); - construção de emissários submarinos (OBRA); - instalação de cabos submarinos. - drenagem ( /00) /02 Obras de irrigação - obras de irrigação. - as obras de drenagem ( /00) /03 Construção de redes de água e esgotos (OBRA) - construção de redes de distribuição de água; - construção de redes de esgoto, inclusive de interceptores; - construção de galerias pluviais. - as obras de drenagem ( /00) /04 Construção de redes de transportes por dutos (OBRA) - construção de redes de transporte por dutos: oleodutos, gasodutos, minerodutos /05 Perfuração e construção de poços de águas - perfuração e construção de poços de água (OBRA) /99 Outras obras de engenharia civil - obras de concretagem de estruturas (OBRA); - colocação de telhados, coberturas ; - construção de chaminés, lareiras, churrasqueiras (OBRA); - obras de atirantamentos e cortinas de proteção de encostas (OBRA). - drenagem ( /00); - a montagem de estruturas metálicas ( /01) OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA PARA ENGENHARIA ELÉTRICA E DE TELECOMUNICAÇÕES Construção de barragens e represas para geração de energia elétrica /00 Construção de barragens e represas para geração de energia elétrica (OBRA) - A construção de barragens e represas para geração de energia elétrica Construção de estações e redes de distribuição de energia elétrica /01 Construção de estações e redes de distribuição de energia elétrica (OBRA) - construção de plantas hidrelétricas, nucleares, termoelétricas, inclusive estações e subestações; - construção de linhas de transmissão e distribuição de energia 146

6 MAIO - Nº 18/2008 elétrica, inclusive o serviço de eletrificação rural; - construção de linhas de eletrificação para ferrovias e metropolitanos. - a manutenção de redes de distribuição de energia elétrica quando executada por empresa não produtora ou distribuidora de energia elétrica (4532-2/02) /02 Manutenção de redes de distribuição de energia elétrica - amanutenção de redes de distribuição de energia elétrica quando executada por empresa não produtora ou distribuidora de energia elétrica. - A manutenção de redes de eletricidade quando executada por empresas de produção (4010-0/01) e distribuição de energia elétrica ( /05) Construção de estações e redes de telefonia e comunicação /01 Construção de estações e redes de telefonia e comunicação (OBRA) - construção de linhas e redes de telecomunicações; - construção de estações telefônicas /02 Manutenção de estações e redes de telefonia e comunicação - a manutenção de estações e redes de telefonia e comunicação Construção de obras de prevenção e recuperação do meio ambiente /00 Construção de obras de prevenção e recuperação do meio ambiente (OBRA) - construção de obras de prevenção e recuperação do meio ambiente OBRAS DE INSTALAÇÕES Este grupo compreende: - os trabalhos de instalação nas edificações de qualquer natureza dos equipamentos técnicos necessários a seu funcionamento normal Instalações elétricas /00 Instalação e manutenção elétrica em edificações, inclusive elevadores, escadas, esteiras rolantes e antenas - a instalação de sistemas de eletricidade (cabos de qualquer tensão, fiação, materiais elétricos); - a colocação de cabos para instalações telefônicas, informáticas, comunicações; instalação de equipamentos telefônicos; - a instalação de sistemas de alarme contra roubo; - a instalação de sistemas de controle eletrônico; - a instalação de antenas coletivas e parabólicas; - a instalação de para-raios; - a montagem, instalação, reparação e manutenção por terceiros de elevadores, escadas e esteiras rolantes. - a instalação de sistemas de prevenção de incêndios (4543-8/02) Instalações de sistemas de ar condicionado, de ventilação e refrigeração /00 Instalações e manutenção de sistemas centrais de ar condicionado, de ventilação e refrigeração - a montagem de sistemas de refrigeração central em imóveis residenciais e comerciais; TRABALHO E PREVIDÊNCIA - a instalação de sistemas de ventilação mecânica controlada, inclusive exaustores. Esta subclasse compreende também; - a instalação de sistemas de aquecimento em imóveis residenciais e comerciais Instalações hidráulicas, sanitárias, de gás e de sistema de prevenção contra incêndio /01 Instalações hidráulicas, sanitárias, de gás - as instalações hidráulicas, sanitárias e de gás; - a instalação de placas coletoras para aquecimento solar, quando não realizada pelo fabricante. Esta subclasse compreende também: - a instalação de rede para distribuição de fluidos diversos (oxigênio nos hospitais) /02 Instalações de sistema de prevenção contra incêndio - as instalações de sistemas de prevenção contra incêndio Outras obras de instalações /01 Montagem e instalação de sistemas e equipamentos de iluminação e sinalização em vias públicas, portos e aeroportos - a montagem e instalação de sistemas de iluminação e sinalização em vias públicas, portos e aeroportos /02 A instalação de equipamentos para orientação a navegação marítima, fluvial e lacustre - a instalação de equipamentos para orientação a navegação marítima, fluvial e lacustre /03 Tratamentos acústico e térmico - tratamentos acústicos e térmicos /04 Instalação de anúncios - a instalação de anúncios luminosos ou não /99 Outras obras de instalações - revestimento de tubulações; - rebaixamento de teto; - stands para feiras; - outras obras de instalações. - a impermeabilização de paredes, caixas d água, lajes, etc. ( /01); - a instalação de toldos e persianas ( /01); - a instalação de esquadrias de metal ou madeira ( /01); - a instalação de sistemas de refrigeração e aquecimento ( /00) OBRAS DE ACABAMENTOS Alvenaria e reboco /01 Obras de alvenaria e reboco - obras de alvenaria (OBRA); - os serviços de emboço e reboco /02 Obras de acabamento em gesso e estuque - os serviços de acabamento em gesso e estuque. - os serviços de limpeza de fachada, com jateamento de areia e semelhante ( /99); - os serviços de impermeabilização (4552-7/01) e de pintura em 145

7 TRABALHO E PREVIDÊNCIA MAIO - Nº 18/2008 geral ( /02) Impermeabilização e serviços de pintura em geral /01 Impermeabilização em obras de engenharia civil - a impermeabilização de paredes, caixas d água, piscinas, etc.; - a impermeabilização em obras de engenharia civil /02 Serviços de pintura em edificações em geral - os serviços de pintura, interior e exterior, em edificações de qualquer tipo; - os serviços de pintura em obras de engenharia civil. - a sinalização com pintura em ruas e estacionamentos ( /00); - os serviços de acabamento em gesso e estuque ( /02); - a colocação de papéis de parede ( /02) Outras obras de acabamento /01 Instalação de portas, janelas, tetos, divisórias e armários embutidos de qualquer material, inclusive de esquadrias - a instalação de esquadrias de metal, madeira ou qualquer outro material, quando não realizada pelo fabricante; - a instalação de portas, janelas, alisares de portas e janelas, cozinhas equipadas, escadas, equipamentos para lojas comerciais e similares, em madeira e outros materiais, quando não realizada pelo fabricante; - a execução de trabalhos em madeira em interiores: tetos, divisórias, armários embutidos, etc /02 Serviços de revestimentos e aplicações de resinas em interiores e exteriores - a colocação de revestimentos de cerâmica, azulejo, mármore, granito, pedras e outros materiais em paredes e pisos, tanto no interior quanto no exterior de edificações; - a colocação de tacos, tábua corrida, carpetes e outros materiais de revestimento de pisos; - a calafetagem, raspagem, polimento e aplicação de resinas em pisos; - colocação de papéis de parede /99 Outras obras de acabamento da construção - colocação de vidros, cristais e espelhos; - a instalação de piscinas pré-fabricadas, quando não realizada pelo fabricante; - a instalação de toldos e persianas; - os serviços de limpeza de fachadas, com jateamento de areia e semelhantes; - a retirada de entulhos após o término das obras; - outras obras de acabamento ALUGUEL DE EQUIPAMENTOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COM OPERÁRIOS Aluguel de equipamentos de construção e demolição com operários /00 Aluguel de máquinas e equipamentos de construção e demolição com operários - o aluguel de máquinas e equipamentos de construção e demolição com operários. Fundamentos Legais: Art. 31 da Lei nº 8.212, de 1991, e arts. 140 a 177 da Instrução Normativa INSS nº 03/2005. ASSUNTOS TRABALHISTAS Sumário NOVAS ORIENTAÇÕES JURISPRUDENCIAIS - TST 1. Novos Posicionamentos 2. Orientação Jurisprudencial - Conceito 3. Matérias Controvertidas OJ/SBDI-1 - nº Equiparação Salarial OJ/SBDI-1 - nº Intervalo Intrajornada OJ/SBDI-1 - nº Intervalo Interjornada OJ/SBDI-1 - nº Programa de Demissão Voluntária OJ/SBDI-1 - nº Recurso - Extemporaneidade OJ/SBDI-1 - nº Salário-Mínimo Proporcional OJ/SBDI-1 - nº Substituição Processual - Sindicato OJ/SBDI-1 - nº Turno Ininterrupto de Revezamento 1. NOVOS POSICIONAMENTOS O Tribunal Superior do Trabalho, instância máxima em matéria trabalhista, publicou, em 14 de março de 2003 no Diário de Justiça da União, novas Orientações Jurisprudenciais (OJ) sobre temas controvertidos no Direito do Trabalho. Ao todo são 8 (oito) Orientações Jurisprudenciais (353 a 360), que passam a valer como novas tendências para as decisões dos magistrados trabalhistas. Os referidos entendimentos, os quais passaremos a comentar adiante, são da Subseção I Especializada em Dissídios Individuais do TST (SBDI-1). Dentre eles, os de maior destaque são: intervalo interjornada e intrajornada; salário mínimo proporcional; e turnos ininterruptos de revezamento. 2. ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL - CONCEITO Primeiramente, para melhor compreensão, esclaremos que a Orientação Jurisprudencial trata-se de um posicionamento criado por uma Comissão de Jurisprudência sobre temas que tenham sido suficientemente debatidos e decididos de maneira semelhante em algumas ocasiões que, uma vez aprovados e publicados, passam a orientar as decisões em questões da mesma natureza. Apesar de não terem a força mais consolidada e vinculante das Súmulas do TST, também servem para sinalizar a direção das decisões mais recentes na Justiça 144

8 MAIO - Nº 18/2008 do Trabalho. 3. MATÉRIAS CONTROVERTIDAS OJ/SBDI-1 - Nº Equiparação Salarial Nº EQUIPARAÇÃO SALARIAL. SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA. ART. 37, XIII, DA CF/1988. POSSIBILIDADE. DJ À sociedade de economia mista não se aplica a vedação à equiparação prevista no art. 37, XIII, da CF/1988, pois, ao contratar empregados sob o regime da CLT, equipara-se a empregador privado, conforme disposto no art. 173, 1º, II, da CF/1988. Comentário - O art. 37, XIII, da Constituição Federal dispõe que fica vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público; para as entidades de administração pública direta ou indireta, porém a nova OJ entende que quando tratar-se de sociedade de economia mista e a contratação for sob o regime da CLT, mediante registro em CTPS, o empregado terá direito à equiparação salarial normalmente OJ/SBDI-1 - Nº Intervalo Intrajornada Nº INTERVALO INTRAJORNADA. ART. 71, 4º, DA CLT. NÃO CONCESSÃO OU REDUÇÃO. NATUREZA JURÍDICA SALARIAL. DJ Possui natureza salarial a parcela prevista no art. 71, 4º, da CLT, com redação introduzida pela Lei nº 8.923, de 27 de julho de 1994, quando não concedido ou reduzido pelo empregador o intervalo mínimo intrajornada para repouso e alimentação, repercutindo, assim, no cálculo de outras parcelas salariais. Comentário - Os intervalos intrajornadas são os concedidos ao empregado para descanso e refeição dentro da jornada de trabalho, durante a jornada de trabalho e estão dispostos no art. 71 da CLT: Art Em qualquer trabalho contínuo cuja duração exceda de seis horas, é obrigatória a concessão de um intervalo para repouso ou alimentação, o qual será no mínimo, de uma hora e, salvo acordo ou contrato coletivo em contrário, não poderá exceder de duas horas. 1º - Não excedendo de seis horas o trabalho, será, entretanto, obrigatório um intervalo de quinze minutos quando a duração ultrapassar quatro horas. 2º - Os intervalos de descanso não serão computados na duração do trabalho. 3º - O limite mínimo de uma hora para repouso e refeição poderá ser reduzido por ato do Ministério do Trabalho, quando, ouvido o Departamento Nacional de Segurança e Higiene do Trabalho, se verificar que o estabelecimento atende integralmente às exigências concernentes à organização dos refeitórios e quando os respectivos empregados não estiverem sob regime de trabalho prorrogado a horas suplementares. TRABALHO E PREVIDÊNCIA 4º - Quando o intervalo para repouso e alimentação, previsto neste artigo, não for concedido pelo empregador, este ficará obrigado a remunerar o período correspondente com um acréscimo de no mínimo 50% (cinqüenta por cento) sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho. Resumidamente, os intervalos mais comuns intrajornada são: a) para jornada de até 4 (quatro) horas - não há previsão de intervalo; b) para jornada entre 4 (quatro) horas até 6 (seis) horas - intervalo de 15 (quinze) minutos para repouso; c) para a jornada superior a 6 (seis) horas - intervalo de, no mínimo, 1 (uma) hora e, salvo acordo escrito ou contrato coletivo em contrário, não poderá exceder de 2 (duas) horas, com finalidade de repouso ou alimentação. Quando este intervalo não é gozado ou é reduzido, sem seguir os parâmetros legais, o empregador ficará obrigado a remunerar o período correspondente com um acréscimo de no mínimo 50% (cinqüenta por cento) sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho. Desta forma, a nova OJ afirma que este valor terá caráter salarial e não indenizatório, integrando, assim, o salário para todos os efeitos legais OJ/SBDI-1 - Nº Intervalo Interjornada Nº INTERVALO INTERJORNADAS. INOBSERVÂNCIA. HORAS EXTRAS. PERÍODO PAGO COMO SOBREJORNADA. ART. 66 DA CLT. APLICAÇÃO ANALÓGICA DO 4º DO ART. 71 DA CLT. DJ O desrespeito ao intervalo mínimo interjornadas previsto no art. 66 da CLT acarreta, por analogia, os mesmos efeitos previstos no 4º do art. 71 da CLT e na Súmula nº 110 do TST, devendo-se pagar a integralidade das horas que foram subtraídas do intervalo, acrescidas do respectivo adicional. Comentário - O intervalo interjornada é previsto no art. 66 da CLT, sendo concedido ao empregado entre uma jornada e outra, possibilitando o descanso, a recuperação da capacidade física e mental, visando a proteção à saúde do trabalhador. Assim dispõe o art. 66 da CLT: Art Entre 2 (duas) jornadas de trabalho haverá um período mínimo de 11 (onze) horas consecutivas para descanso. A nova OJ prevê que o desrespeito a este intervalo mínimo deverá ser remunerado na forma do 4º do art. 71 da CLT, ou seja, deve ser pago pelo empregador a integralidade das horas que foram subtraídas do intervalo interjornada, acrescidas do respectivo adicional de 50% (cinqüenta pr cento). 143

9 TRABALHO E PREVIDÊNCIA OJ/SBDI-1 - Nº Programa de Demissão Voluntária Nº PROGRAMA DE INCENTIVO À DEMISSÃO VOLUNTÁRIA (PDV). CRÉDITOS TRABALHISTAS RECONHECIDOS EM JUÍZO. COMPENSAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. DJ Os créditos tipicamente trabalhistas reconhecidos em juízo não são suscetíveis de compensação com a indenização paga em decorrência de adesão do trabalhador a Programa de Incentivo à Demissão Voluntária (PDV). Comentário - A nova OJ entende que as indenizações e incentivos recebidos pelos empregados que aderem a plano de demissão voluntária não podem ser compensados com créditos tipicamente trabalhistas reconhecidos em juízo OJ/SBDI-1 - Nº Recurso - Extemporaneidade Nº RECURSO. INTERPOSIÇÃO ANTES DA PUBLICAÇÃO DO ACÓRDÃO IMPUGNADO. EXTEMPORANEIDADE. NÃO CONHECIMENTO. DJ É extemporâneo recurso interposto antes de publicado o acórdão impugnado. Comentário - Nesta nova OJ será reconhecido como interposição dentro do prazo legal apenas o recurso interposto após a publicação do acórdão impugnado OJ/SBDI-1 - Nº Salário-Mínimo Proporcional Nº SALÁRIO-MÍNIMO E PISO SALARIAL PROPORCIONAL À JORNADA REDUZIDA. POSSIBILIDADE. DJ Havendo contratação para cumprimento de jornada reduzida, inferior à previsão constitucional de oito horas diárias ou quarenta e quatro semanais, é lícito o pagamento do piso salarial ou do saláriomínimo proporcional ao tempo trabalhado. Comentário - Esta nova OJ vem reiterar o posicionamento de vários magistrados sobre essa questão ainda controvertida que é o salário-mínimo proporcional ou piso-mínimo proporcional ao tempo trabalhado. Em regra, a duração normal da jornada de trabalho é de até 8 (oito) horas diárias e 44 (quarenta e quatro) horas semanais, totalizando 220 (duzentas e vinte) horas mensais. Estes limites representam um teto para a contratação, sendo perfeitamente possível contratar jornadas de trabalho inferiores aos limites diários e semanais, bem como contratar o empregado por dia, por hora, etc. Desta forma, o entendimento vem solidificar a possibilidade de pagar ao empregado o salário-mínimo/hora, no valor atual de R$ 1,72 (um real e setenta e dois centavos) a hora (R$ 380,00 X 220h). Ou, no caso de um empregado com piso salarial de R$ 500,00, o piso-mínimo/hora, no valor de R$ 2,27 (dois reais e vinte e sete centavos) a hora (R$ 500,00 X 220h). MAIO - Nº 18/ OJ/SBDI-1 - Nº Substituição Processual - Sindicato Nº SUBSTITUIÇÃO PROCESSUAL. SINDICATO. LEGITIMIDADE. PRESCRIÇÃO. INTERRUPÇÃO. DJ A ação movida por sindicato, na qualidade de substituto processual, interrompe a prescrição, ainda que tenha sido considerado parte ilegítima ad causam. Comentário - A substituição processual é o instituto em que o substituto defende em nome próprio direito alheio. Sendo assim, a nova OJ traz o entendimento de que quando os sindicatos promoverem ações em nome de seus sindicalizados, como substitutos processuais, não correrá prescrição daquele direito que se está pleiteando OJ/SBDI-1 - Nº Turno Ininterrupto de Revezamento Nº TURNO ININTERRUPTO DE REVEZAMENTO. DOIS TURNOS. HORÁRIO DIURNO E NOTURNO. CARACTERIZAÇÃO. DJ Faz jus à jornada especial prevista no art. 7º, XIV, da CF/1988 o trabalhador que exerce suas atividades em sistema de alternância de turnos, ainda que em dois turnos de trabalho, que compreendam, no todo ou em parte, o horário diurno e o noturno, pois submetido à alternância de horário prejudicial à saúde, sendo irrelevante que a atividade da empresa se desenvolva de forma ininterrupta. Comentário - Esta nova OJ traz uma nova interpretação para a caracterização do turno ininterrupto de revezamento, que ainda é matéria muito polêmica. A Constituição Federal, no seu art. 7º, inciso XIV, prevê jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva. Porém, a Legislação Trabalhista não definiu o que seria o turno ininterrupto de revezamento, efetivamente, e existem várias interpretações para o tema, sendo a mais comumente utilizada a seguinte: empregado que trabalha em 3 (três) turnos (matutino, vespertino e noturno), obedecendo escala de revezamento pré-estabelecida, possibilitando a alternância com outros empregados, para descanso, devido a ininterrupção do serviço que é realizado por 24 (vinte e quatro) horas. Assim, segundo interpretação da OJ, para caracterizar que o empregado labore em turnos ininterruptos e, por conseqüência, tenha direito à jornada reduzida de 6 (seis) horas diárias, basta que o mesmo labore em 2 (dois) turnos, desde que um turno seja no período noturno (matutino/noturno ou vespertino/noturno), sendo irrelevante que a atividade da empresa se desenvolva de forma ininterrupta. Fundamentos Legais: Não existe fundamentação legal em virtude de tratar-se de Orientações Jurisprudenciais. 142

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01 25 de março de 2010

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01 25 de março de 2010 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01 25 de março de 2010 Dispõe sobre a retenção das contribuições previdenciárias sobre os contratos de obra de construção civil por empreitada total. Orientação Técnica nº 01, 1ª

Leia mais

Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos

Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos TABELA PRÁTICA DE RETENÇÃO DE INSS DOS OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL NAS ATIVIDADES DE CONSTRUÇÃO CIVIL Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos Atualizada até 20 de outubro de 2014 (É proibida a reprodução

Leia mais

ANEXO VII DISCRIMINAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. (Conforme Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE)

ANEXO VII DISCRIMINAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. (Conforme Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE) 41 - CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 41.2 - CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ANEXO VII DISCRIMINAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL 41.20-4 CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS (Conforme Classificação Nacional de Atividades

Leia mais

INSS, IRRF e Obrigações Fiscais Texto 10

INSS, IRRF e Obrigações Fiscais Texto 10 Não incidência de retenção de INSS na contratação de pessoas jurídicas, nas. A retenção de contribuição previdenciária a alíquota de 11% quando o órgão público contrata uma pessoa jurídica para lhe prestar

Leia mais

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR Orientação Técnica n 004/2013. Assunto: Redução Temporária da retenção do percentual de INSS para contratos celebrados com

Leia mais

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR Fone: (81) 3355-9011 GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR Orientação Técnica n 03/2013 Assunto: Dispensa da retenção previdenciária referente à contratação de

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO A T U A L I Z A Ç Õ E S DA MP 6 5 1 / 2 0 1 4 QUE T O R N A A D E S O N E R A Ç Ã O D E F I N I T I V A P A R A O S E T O R E L E I 12. 9 9 5 / 2 0 1 4 C O M N O V A R

Leia mais

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS Formas de retorno e garantia de direito Orientações sobre retenção http://www.mpas.gov.br A Lei nº 9.711 de 20 de novembro de 1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro

Leia mais

Desoneração da Folha Aplicada à Construção Civil

Desoneração da Folha Aplicada à Construção Civil Contribuições Sociais Desoneração da Folha Aplicada à Construção Civil 1 ANEXO VII IN971/2009 DISCRIMINAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Conforme Classificação Nacional de Atividades Econômicas

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO RESPOSTA DA RECEITA FEDERAL AO QUESTIONAMENTO DA CBIC Carla Soares Gerente Jurídica do Sinduscon-Rio juridico@sinduscon-rio.com.br LEI 12.546/2011 ART. 7 Art. 7 o Até

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamentos

Desoneração da Folha de Pagamentos Desoneração da Folha de Pagamentos Legislação Constituição Federal Art. 195, 12 e 13 Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 Art. 22, inciso I e III Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011 Como isso funciona

Leia mais

A Desoneração tributária na Construção Civil

A Desoneração tributária na Construção Civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 06 abril de 2014 Organização:

Leia mais

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES CONCEITOS CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA Colocação à disposição da contratante Em suas dependências ou nas de terceiros indicadas

Leia mais

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 Programa Retenções na Fonte ISSQN, IRRF, - Fato Gerador; - Tipos de Serviços; - Responsável Tributário; - Apuração

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 829 (DOU de 20/03/08)

Instrução Normativa RFB nº 829 (DOU de 20/03/08) Instrução Normativa RFB nº 829 (DOU de 20/03/08) Altera a Instrução Normativa MPS/SRP nº 3, de 14/07/05, que dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação de contribuições sociais

Leia mais

Instrução de Serviço GETM nº 006, de 4 de setembro de 2015

Instrução de Serviço GETM nº 006, de 4 de setembro de 2015 Instrução de Serviço GETM nº 006, de 4 de setembro de 2015 Interpreta a legislação aplicável e indica as atividades de prestação de serviço cuja mensuração do imposto devido permite reduções da base de

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. JORNADA DE TRABALHO (art. 4º, CLT) O instituto tem origem na

Leia mais

Setor produtivo G05 - Construção Civil/ Cerâmica. Contém 1286246 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0810-0/02 Extração de granito e beneficiamento

Setor produtivo G05 - Construção Civil/ Cerâmica. Contém 1286246 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0810-0/02 Extração de granito e beneficiamento Setor produtivo G05 - Construção Civil/ Cerâmica. Contém 1286246 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0810-0/02 Extração de granito e beneficiamento associado 0810-0/03 Extração de mármore e beneficiamento

Leia mais

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Instrução Normativa RFB nº 1.477/2014 - DOU: 04.07.2014 Altera a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 259 - Data 26 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS RETENÇÃO. SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO,

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil - São Paulo, Brasil - 31 de janeiro de 2013 CONCEITO A compensação da jornada de trabalho ocorre quando o empregado

Leia mais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais 05/08/2014 Pergunte à CPA ISS Regras Gerais Apresentação: Samyr Henrique Muniz Qbar ISS Legislação básica Art. 156, III da C.F./88 Lei Complementar 116/2003 (lista de serviços) Lei Ordinária de cada município

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 36 - Data 4 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO HIDRÁULICA, ELÉTRICA, SANITÁRIA, DE GÁS

Leia mais

Construção de Edifícios 20,34% 22,12% 25,00% Construção de Rodovias e Ferrovias 19,60% 20,97% 24,23%

Construção de Edifícios 20,34% 22,12% 25,00% Construção de Rodovias e Ferrovias 19,60% 20,97% 24,23% CE 001/2013 GIDURCX Senhor Prefeito 1. Em atenção ao estabelecido pelo Acórdão 2622/2013 TCU Plenário indicamos a utilização dos seguintes parâmetros para taxas de BDI: VALORES DE BDI POR TIPO DE OBRA

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ADICIONAL NOTURNO - PROCEDIMENTOS 1. INTRODUÇÃO O adicional noturno é devido ao empregado que trabalha a noite no período biológico em que a pessoa deve dormir. É no período noturno que o organismo humano

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral Contribuinte, Confira os dados de Identificação da Pessoa Jurídica e, se houver qualquer divergência, providencie junto à RFB a sua atualização cadastral.

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/01/2013. Sumário: 1 - Introdução

Leia mais

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165 ANEXO ÚNICO DA LEI MUNICIPAL Nº 1.501 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013 3011-3/01 Construção de embarcações de grande porte 3311- Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, 2/00 exceto

Leia mais

Jaguar Insurance Consultoria Regularização de Construção Civil ISS Auto de Conclusão SRFB - INSS Confiança, Qualidade e Pontualidade em seus Negócios

Jaguar Insurance Consultoria Regularização de Construção Civil ISS Auto de Conclusão SRFB - INSS Confiança, Qualidade e Pontualidade em seus Negócios Jaguar Insurance Consultoria Regularização de Construção Civil ISS Auto de Conclusão SRFB - INSS Confiança, Qualidade e Pontualidade em seus Negócios O Que Você Precisa Saber Para Regularizar Sua Obra

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 177 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF XXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXX ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

Leia mais

Trabalhadores a bordo de navios e plataformas Principais aspectos legais

Trabalhadores a bordo de navios e plataformas Principais aspectos legais Trabalhadores a bordo de navios e plataformas Principais aspectos legais Navios e Plataformas Embarcação: Designação comum a toda construção destinada a navegar sobre água. (in Aurélio) Navio: Embarcação

Leia mais

ATIVIDADES PERMITIDAS EM ESCRITÓRIO VIRTUAL

ATIVIDADES PERMITIDAS EM ESCRITÓRIO VIRTUAL 3011-3/01 Construção de embarcações de grande porte 3250-7/06 Serviços de prótese dentária 3311-2/00 Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, exceto para veículos 3312-1/01

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT)

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) Aula 4 Direito do Trabalho Duração do Trabalho. Férias. Repouso Semanal Remunerado. Maria Inês Gerardo DURAÇÃO DO TRABALHO (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT Jornada

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

TÓPICOS ABORDADOS. Departamento Jurídico

TÓPICOS ABORDADOS. Departamento Jurídico TÓPICOS ABORDADOS 1) JORNADA DE TRABALHO 2) HORAS NOTURNAS E ADICIONAL 3) TREINAMENTO PARA USO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 4) CARTÃO DE PONTO 5) REFEIÇÃO 1. JORNADA DE TRABALHO A) LIMITE DIÁRIO E SEMANAL

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 32 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens.

1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens. 1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens. Art. 4º. Considera-se como de serviço efetivo o período em que o empregado

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

INSS - APLICAÇÃO DE RETENÇÃO NA FONTE PJ

INSS - APLICAÇÃO DE RETENÇÃO NA FONTE PJ INSS - APLICAÇÃO DE RETENÇÃO NA FONTE PJ As Pessoas Jurídicas que adquirirem serviços de terceiros conforme IN RFB 971/2009 deverão estar aplicando retenção na fonte, referente ao INSS conforme verão no

Leia mais

APRESENTAÇÃO AO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - NOTA SALVADOR - 19/11/13

APRESENTAÇÃO AO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - NOTA SALVADOR - 19/11/13 APRESENTAÇÃO AO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - NOTA SALVADOR - 19/11/13 BENEFICIÁRIOS BENEFICIÁRIOS CRÉDITO DO ISS PAGO 30% 10% 5% REGISTRO DE NOTAS SEM IDENTIFICAÇÃO DO COMPRADOR PARTICIPAÇÃO EM

Leia mais

Até aqui, os comentários foram extraídos do nosso livro Manual do ISS de São Paulo. A parte seguinte, porém, não consta dessa obra.

Até aqui, os comentários foram extraídos do nosso livro Manual do ISS de São Paulo. A parte seguinte, porém, não consta dessa obra. Comentários às ressalvas na lista de serviços Ricardo J. Ferreira Conforme a Lei Complementar nº 116/03, ressalvadas as exceções expressas na lista, os serviços nela mencionados não ficam sujeitos ao Imposto

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 3 RESPOSTAS

ESTUDO DIRIGIDO 3 RESPOSTAS ESTUDO DIRIGIDO 3 RESPOSTAS Jornadas Especiais: Bancários 1)Disserte sobre a duração e condições de trabalho dos bancários. Mencione posicionamentos jurisprudenciais pertinentes. Na Consolidação das Leis

Leia mais

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri A elaboração da folha de pagamento A é o documento que contabiliza os valores que o empregado tem direito de receber e os descontos que ele pode sofrer. Obs. Sua

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTENSIVO III ESTADUAL E FEDERAL Disciplina: Direito do Trabalho Prof.: Agostinho Zechin Apostila Parte 03 Aula 01 DIREITO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Tanto a CLT, quanto

Leia mais

DEMANDAS DE BENS E SERVIÇOS PARA O EMPREENDIMENTO DA REFINARIA PREMIUM I

DEMANDAS DE BENS E SERVIÇOS PARA O EMPREENDIMENTO DA REFINARIA PREMIUM I WORKSHOP DE DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES DEMANDAS DE BENS E SERVIÇOS PARA O EMPREENDIMENTO DA REFINARIA PREMIUM I Maurício Lamartine PETROBRAS 1 Sumário O Empreendimento da Refinaria Premium I (Refinaria,

Leia mais

Tolerância: art. 58, 1º da CLT.

Tolerância: art. 58, 1º da CLT. AULA 11: Tolerância: art. 58, 1º da CLT. Art. 58 da CLT 1º - Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CONDIÇÕES ESPECIAIS 1. Contribuição

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

SOLUÇÃO DE CONSULTA SF/DEJUG nº 27, de 27 de outubro de 2014

SOLUÇÃO DE CONSULTA SF/DEJUG nº 27, de 27 de outubro de 2014 SOLUÇÃO DE CONSULTA SF/DEJUG nº 27, de 27 de outubro de 2014 ISS. Subitens 1.07, 7.06, 7.10, 14.01, 14.06, 14.13 e 24.01 da Lista de Serviços da Lei nº 13.701, de 24 de dezembro de 2003. Serviços executados

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório RJ RIO DE JANEIRO SRRF07

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório RJ RIO DE JANEIRO SRRF07 Fl. 15 Fls. 1 0 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 40 Data 2 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA.

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea-ES, para o exercício de 2006 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

PROGRAMA PARAÍBA DE QUALIDADE E CONTROLE TOTAL

PROGRAMA PARAÍBA DE QUALIDADE E CONTROLE TOTAL 22000 SERV TEC-PROF EM OBRAS E SERV ENGENHARIA 22001 TOPOGRAFIA 22002 GEOTECNIA 22003 ESTUDOS E PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO 22004 TESTES E ENSAIOS 22005 SERVICOS DE SOLDAGEM E SERRALHARIA 22006

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÃO PREDIAL GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÃO PREDIAL GERAL 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÃO PREDIAL GERAL 1.1. Prestação de Serviços de Manutenção Predial Geral, para as dependências do Centro Cultural José Bonifácio localizado na Rua Pedro Ernesto, nº

Leia mais

Memorial Descritivo de Cliente

Memorial Descritivo de Cliente 1. DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO O empreendimento Residencial Peres será construído em um terreno situado na Av. Comendador Pedro Facchini, Centro, Lindóia. Será composto por 26 casas residenciais, sendo

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 35 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO ELÉTRICA. TRIBUTAÇÃO. ANEXO

Leia mais

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014 1 DESCONTO NO CONTRA CHEQUE Ao receber o contra cheque é muito comum ver as pessoas indignadas com a quantidade de descontos no salário. Entretanto não existe salário sem descontos, por isso há uma diferença

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 31 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SISTEMA INTEGRADO DE PAGAMENTO DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES DAS

Leia mais

Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços Prestados por Empresas

Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços Prestados por Empresas PREFEITURA DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DA FAZENDA SUBSECRETARIA DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DEPARTAMENTO DE NORMAS TÉCNICAS Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 255 - Data 15 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA. EMPRESAS

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC J uiz de Fora, 04 de Março de 2015. Prezado Associado: ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC O SETCJ F informa as principais alterações introduzidas na Lei 12.619/12 (Lei do Motorista), na Lei 11.442/07

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000441/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR049750/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46207.006587/2015 30 DATA DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 497, DE 25 DE AGOSTO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 497, DE 25 DE AGOSTO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 497, 25 AGOSTO 2006 Fixa os valores de registro de ART e dá outras providências. O CONSELHO FERAL ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere a alínea

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 1. REAJUSTE SALARIAL: O salário base nominal dos empregados da categoria

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS INTRODUÇÃO NORMAS LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela Lei 12.715/2013 MEDIDA PROVISÓRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 (vigência encerrada no dia 3 de junho de 2013) MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14 serviços prestados fora do país 02/10/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 2.1 Lei Complementar 116 de 2003... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Lei

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL ESTUDO ESTUDO APOSENTADORIA ESPECIAL VERÔNICA ROCHA Consultor Legislativo da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO FEVEREIRO/2004 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa

Leia mais

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - DAS EMPRESAS EM GERAL, sobre: Folha de Pagamento (EMP./AVULSOS) 20% Remunerações pagas aos CI 20% Terceiros (EMP./AVULSOS) 5,8% RAT (EMP./AVULSOS) 1% (leve) 2%

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 33 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF SERVIÇOS DE PINTURA PREDIAL. TRIBUTAÇÃO. ANEXOS III E IV DA LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

NOME: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE:

NOME: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE: Pesquisar um tema referente a matéria na biblioteca e redigir um artigo nos termos da ABNT. Obs.: tema livre; obrigatória

Leia mais