PATOLOGIAS AS PATOLOGIAS E OS MECANISMOS DE DEGRADAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATOLOGIAS AS PATOLOGIAS E OS MECANISMOS DE DEGRADAÇÃO"

Transcrição

1 PATOLOGIAS ESTUDO DAS FALHAS DOS EDIFÍCIOS DESEMPENHO NÃO SATISFATÓRIO DOS EDIFÍCIOS Para o caso de edifícios que apresentam problemas patológicos, o procedimento de atuação consiste em: levantamento do maior numero possível de subsídios para o entendimento do problema através de vistoria do local, do histórico do edifício e do resultado de exames complementares diagnóstico da situação, ou seja, entendimento completo dos fenômenos ocorridos definição da conduta a partir da escolha da alternativa de intervenção mais conveniente. OBRAS CIVIS ENGENHARIA AMBIENTAL 8º PERÍODO AS PATOLOGIAS E OS MECANISMOS DE DEGRADAÇÃO Um dos aspectos essenciais é o conhecimento dos fatores que podem levar as edificações à degradação e à ruína, bem como o entendimento dos mecanismos que fazem parte deste processo e os danos já causados. Com isso é possível planejar as ações a serem desenvolvidas. A ação apenas sobre o efeito de um mecanismo de degradação e não sobre sua causa, não tem efeito duradouro e pode maximizar o problema já existente. Um exemplo disso é a realização de pinturas em uma parede que apresenta problemas de eflorescência, sem a devida preparação do substrato. 1

2 TRINCAS, FISSURAS E RACHADURAS O QUE PODE ESTAR ACONTECENDO NA CASA DA PÁGINA ANTERIOR? 1 - Trinca horizontal próxima ao teto pode ocorrer devido ao adensamento da argamassa de assentamento dos tijolos ou falta de amarração da parede com a viga superior. 2 - Fissuras nas paredes em direções aleatórias pode ser devido à falta de aderência da pintura, retração da argamassa de revestimento, retração da alvenaria ou falta de aderência da argamassa à parede. 3 - Trincas no piso podem ser produzidas por vibrações de motores, excesso de peso sobre a laje ou fraqueza da laje. Verificar se há trincas na parte de baixo (ver item 4). Se tiver é grave. Peça o PARECER de um engenheiro de estruturas. 4 - Trincas no teto podem ser causadas pelo recalque da laje, falta de resistência da laje ou excesso de peso sobre a laje. Pode ser grave. Peça o PARECER de um engenheiro de estruturas. 2

3 5 - Trincas inclinadas nas paredes é sintoma de recalques. Um dos lados da fundação não agüentou ou não está agüentando o peso e afundou ou está afundando. Geralmente é grave. Peça o PARECER de um engenheiro de estruturas. 6 - O abaulamento do piso pode ser causado por recalque das estruturas, por expansão do sub-solo ou colapso do revestimento. Quando causados por recalques, são acompanhados por trincas inclinadas nas paredes. Os solos muito compressíveis, com a presença da água, se expandem e empurram o piso para cima. 7 - As trincas horizontais próximas do piso podem ser causadas pelo recalque do baldrame ou mesmo pela subida da umidade pelas paredes, por causa do colapso ou falta de impermeabilização do baldrame. 8 - Trinca vertical na parede é causada, geralmente pela falta de amarração da parede com algum elemento estrutural como pilar ou outra parede que nasce naquele ponto do outro lado da parede. As TRINCAS, em geral, são ocorrências muito comuns nas casas e prédios. Surgem em função de muitas causas diferentes e são conhecidas também como FISSURAS ou RACHADURAS, como se fossem a mesma coisa. Entretanto, existe uma diferença conceitual entre Fissura, Trinca e Rachadura. Quais são as diferenças? FISSURA: Estado em que um determinado objeto ou parte dele apresenta aberturas finas e alongadas na sua superfície. Exemplo: A aplicação de uma argamassa rica em cimento apresentou, após a cura, muitas fissuras em direções aleatórias. As fissuras são, geralmente, superficiais e não implicam, necessariamente, em diminuição da segurança de componentes estruturais. TRINCA: Estado em que um determinado objeto ou parte dele se apresenta partido, separado em partes. Exemplo: A parede está trincada, isto é, está separada em duas partes. Em muitas situações a trinca é tão fina que é necessário o emprego de aparelho ou instrumento para visualizá-la. As trincas, por representar a ruptura dos elementos, podem diminuir a segurança de componentes estruturais de um edifício, de modo que mesmo que seja quase imperceptível deve ter as causas minuciosamente pesquisadas. 3

4 RACHADURA: Estado em que um determinado objeto ou parte dele apresenta uma abertura de tal tamanho que ocasiona interferências indesejáveis. Exemplo: Pela rachadura da parede entra vento e água da chuva. As rachaduras, por proporcionar a manifestação de diversos tipos de interferências, deve ser analisada caso a caso e serem tratadas antes do seu fechamento. São muito comuns, mas isto não significa que são normais. Portanto não devem ser aceitas passivamente. Muitas vezes são bem pequenas, quase invisíveis, mas podem ser sintomas de algo muito grave que está acontecendo com a estrutura do seu prédio. RACHADURA TRINCA FISSURA 4

5 SÃO MUITAS AS CAUSAS QUE PROVOCAM O APARECIMENTO DE TRINCAS. AS MAIS COMUNS SÃO AS SEGUINTES: 1 - RETRAÇÃO: A argamassa de revestimento, a tinta e outros materiais que são aplicados úmidos, diminuem de tamanho (retraem) ao secar. Trincas causadas expansão da alvenaria A parede precisa respirar. Aliás, os tijolos precisam respirar. Durante o dia varia a umidade do ar. Ao amanhecer o ar está bastante úmido. As paredes, que possuem um efeito higroscópico, absorvem essa umidade e produzem uma expansão (se tornam maiores). Lá pelas 10 horas, com o sol, o ar se torna mais seco. As paredes perdem umidade e retraem (encolhem). Se o revestimento das paredes não tiverem condições de acompanhar esse movimento de expansão/retração, então destacam. Todos os materiais retraem (diminuem de tamanho) quando secam. Quanto mais água na argamassa, maior a retração. Quanto mais fresco o cimento, maior a retração. Quanto mais quantidade de cimento na argamassa, maior a retração. 5

6 2 - ADERÊNCIA: As pinturas e os revestimentos que precisam ficar bem "grudados" na parede, por algum motivo, perdem aderência e começam a descascar. Veja um caso de pastilha Pastilhas, Azulejos, placas de mármore e granito podem se destacar da parede. Este fato é agravado em paredes externas que recebem muito sol. O problema pode estar no azulejo que foi mal fabricado, pode estar na argamassa de assentamento que já estava vencida (elas só duram 6 meses depois de fabricadas) pode estar no emboço que é aquela camada que serve para aprumar a parede ou ter outros problemas mais complicados. Se estamos falando dos azulejos de um banheiro é fácil e barato resolver, pois são poucas peças. Mas se estamos falando do revestimento de uma fachada de um edifício, então o caso é sério, complicado e caro. Pode acontecer: 1 - Problema no azulejo durante a fabricação. Não queimaram o esmalte direito. 2 - Problema no assentamento. Colocaram uma junta de dilatação muito pequena. 3 - Problema no armazenamento. Deixaram o azulejo tomar chuva. 6

7 Um caso: Não encontrando solução para a queda constante de azulejos, após tentar de quase tudo este condomínio encontrou uma solução: Colocou um parafuso nos azulejos. 3 - DILATAÇÃO: Os materiais aumentam e diminuem de tamanho em função da variação da temperatura do meio ambiente. Os materiais também aumentam e diminuem de tamanho em função da variação da umidade do meio ambiente Os raios solares incidindo diretamente sobre a laje de cobertura, produzem muito calor. Em dias quentes de verão, principalmente nas latitudes baixas, isto é, entre a linha do Trópico e do Equador, a laje de cobertura atinge temperaturas altas, 70ºC ou mais. O concreto não é um bom condutor de calor, de modo que a parte de baixo da laje não esquenta tanto. Essa diferença de temperatura vai envergar a laje, fazendo com que ela fique ligeiramente abaulada para cima. 7

8 Como a laje está solidamente engastada nas paredes, ao dilatar ela leva junto parte da parede. Então surgem trincas inclinadas nos cantos das paredes. 8

9 Trincas devido à dilatação térmica da mureta da cobertura Os raios solares incidindo diretamente sobre a cobertura, produzem muito calor. Os componentes como lajes, platibandas e muretas, expostos aos raios solares sofrem dilatação com o surgimento de trincas. Nessas trincas podem ocorrer a infiltração de água da chuva. Trincas devido à dilatação de materiais diferentes Os materiais possuem coeficiente de dilatação diferentes. Isto quer dizer que ao receberem o calor do sol, um deles vai dilatar mais que o outro. Então, devemos levar em consideração este fato e permitir que os materiais tenham comportamentos independentes sem que um afete o outro. Veja a foto de um caso real: 9

10 4 - MUITO CIMENTO: A argamassa de revestimento, quando tiver muito cimento sofre uma grande retração. 5 - AMARRAÇÃO: As paredes devem ficar bem "amarradas" na estrutura do prédio. Trincas por falta de amarração da alvenaria Nem sempre é feita uma boa amarração da alvenaria (parede) com a viga superior. Como conseqüência surgem trincas horizontais próximas ao teto. Veja a foto de um caso real em que foram colocados ferros para amarrar a parede à viga superior: 10

11 6 - TREPIDAÇÃO: Elevadores, compressores e mesmo os veículos que trafegam na rua, produzem vibrações que afetam as partes do prédio. Trincas por porta que bate O batente se chama batente justamente por que a porta vai bater nele. Então deve resistir às pancadas dadas pela porta. Em contrapartida, o batente deve ficar bem preso na parede. 11

12 7 - RECALQUE: O excesso de peso, a acomodação do prédio, a fraqueza do material ou do terreno fazem com que a peça se deforme ou afunde. Trincas ou rachaduras causadas por recalque da fundação Fundação (estacas, alicerces, sapata, broca) são coisas sérias. Um pequeno descuido põe toda a construção a perder. 12

13 8 - CAPACIDADE: Por erro de cálculo ou por deficiência na hora da confecção, as peças podem ficar fracas. Trincas por falta de cuidados Comete-se muitas "barbeiragens" durante a construção. Veja a foto de um caso real em que o colocador das guias não levou em consideração que no local havia uma junta de dilatação térmica. Trincas em alvenaria autoportante O construtor deve seguir toda uma Especificação Técnica e só usar materiais apropriados. Os blocos de concreto comuns não servem para Alvenaria Estrutural. 13

14 10 - MUDANÇA DO USO: Um prédio que foi projetado para uso residencial, está sendo usado como comércio. Um caso de carga excessiva. Trincas por sobrecarga na laje Antes de instalar um almoxarifado, antes de instalar uma estante, pense bem. Procure verificar se a laje foi projetada para agüentar a carga. 14

15 11 - VIZINHANÇA: Construíram um edifício de 30 andares que alterou o fluxo de água subterrânea da região. Trincas por muro de arrimo Cuidado com o barranco, com o talude. Não basta fazer uma parede grossa para segurar o barranco. É necessário um Muro de Arrimo (calculado por um engenheiro de estruturas) com uma boa Drenagem. 15

16 Trincas causadas por terceiros Hoje em dia (até para diminuir o custo do condomínio) é comum alugar o espaço da cobertura para propaganda, para colocar uma antena de rádio ou TV e até mesmo para instalar uma estação rádio base para telefonia celular. Mas deve-se tomar muitos cuidados para que o terceiro não prejudique o seu prédio. Contrate um Perito para acompanhar todo o serviço que será realizado pelo terceiro. Veja a foto de um caso real em que a estrutura de sustentação de uma estação rádio-base está danificando o prédio por causa de um apoio mal projetado ERROS DE PROJETO: Por falha na concepção da estrutura do prédio, há partes em desarmonia com o resto. Trincas por infiltração no peitoril Os peitoris de janela devem ficar bem impermeabilizados e não deixarem entrar nem um pingo de água da chuva. Simplesmente colocar pedras ou cerâmica só para efeito estético não funciona. A água vai penetrar e causar muitos problemas, estragar móveis, criar bolor na parede, etc. 16

17 Trincas por deficiência da argamassa de assentamento Muitas vezes se erra na dosagem do concreto. Muitas vezes se coloca água de mais (para facilitar a concretagem). Outras vezes se deseja economizar e coloca-se menos cimento. Há casos também em que usaram um cimento já vencido. 17

18 Trincas devido à falta de drenagem do contrapiso Não adianta caprichar na impermeabilização da cobertura. Muitas firmas fazem até uma prova, enchendo a manta com água, para mostrar que o serviço ficou bem feito. Mas a água que chega até a manta, precisa ter um escape. Precisa ter uma drenagem para ir embora. Veja a foto de um caso real em que a água empossada sobre a manta de impermeabilização causa muitos problemas. 18

19 Trincas por muitos problemas na laje de cobertura Laje exposta é um problema: 1 - Esquenta muito. Precisa então colocar um isolante térmico. 2 - Infiltra água da chuva. Precisa então colocar uma manta impermeabilizante. 3 - Coloca-se hastes para pára-raios, sinaleiro, antena de TV, etc. Só que esses elementos não devem ser fixados diretamente na laje. 4 - A laje exposta dilata muito causando problemas nas paredes laterais. 19

20 Trincas por instalação mal executada No caso abaixo, fixaram uma haste com parafusos chumbados diretamente na laje de cobertura. O problema é que esse parafuso, muito comprido, furou a manta de impermeabilização. Trincas pela proximidade de taludes Barrancos costumas cair. Costumam escorregar. Costumam desbarrancar. 20

21 Trincas falhas na estrutura do telhado 21

22 13 - COLAPSO DE MATERIAIS: Os materiais precisam receber proteção. Fissuras devido ao colapso do revestimento Falta de pintura e de manutenção do revestimento externo de paredes leva à perda do carbonato de cálcio que é o componente que mantém junto os grãos de areia. A falta de pintura regular, permite que a água da chuva lave o revestimento, levando ao colapso do revestimento. 22

23 Trincas por colapso no revestimento asfáltico O asfalto é um material muito sensível a óleos e graxas. Por isso não devemos asfaltar locais em que os veículos freiam muito ou locais em que os veículos ficam estacionados e fazem manutenção. Trincas por colapso do emboço Infiltração da água da chuva ataca o revestimento, lava a cal e faz com que o revestimento perca aderência e solte a pintura. A pintura sai inteira. 23

24 14 - DESTACAMENTOS. Azulejos, pisos e revestimentos podem se soltar INFILTRAÇÃO. Água e outros elementos podem se infiltrar causando danos. Trincas devido à infiltração de água Infiltração ataca ferragem e produz destacamento 24

25 Sem conseguir resolver satisfatoriamente o problema de infiltração de água na garagem, este condomínio não teve dúvidas: Colocou uma série de telhas plásticas para evitar que os pingos caissem sobre os carros. Este outro fez até um encanamento para conduzir a água para o esgoto. 25

26 Trincas causadas por infiltração de água A laje de cobertura precisa receber uma boa impermeabilização. 26

27 18 - MANUTENÇÃO. Falhas, imperícias, falta de conhecimento FALHA DE INSTALAÇÕES. Negligência e imperícias. 27

28 16 PATOLOGIAS por microorganismos e insetos que podem se instalar nos edifícios. Patologias são doenças que se instalam nos prédios e é difícil erradicar. Fungos, bolores, algas, mofos. São muitos os tipos de microorganismos e muito complexo estudar a profilaxia. O problema deve sempre ser erradicado em sua causa. 28

29 Patologias causadas por cupins Nas cidades de clima tropical, alguns predadores dos cupins estão diminuindo. Então os cupins se proliferam à vontade. Além de atacar os móveis de madeira, os cupins atacam também a construção. 29

30 16 OUTROS Trincas pelo afastamento de prédios Os prédios não ficam grudadinhos um nos outros. Aliás, cada prédio tem um comportamento estrutural próprio. Então, os vãos entre eles devem ficar bem vedados. Tanto o vão de cima como o vão lateral. Veja a foto de um caso real: 30

31 Trincas por ataque da chuva A chuva causa muitos tipos de problemas nas edificações Veja a foto de um caso real em que a chuva, batendo na parte de baixo da coluna, infiltrou até atacar a ferragem. Trincas devido à má vibração do concreto na forma Problemas encontrados durante a fase de construção podem desenvolver problemas muitos anos depois. O concreto armado possui no seu interior armadura de ferro que deve ser protegido da presença de água. Quem garante isso é o concreto bem adensado, bem vibrado quando foi lançado. 31

32 Esses são apenas ALGUNS exemplos de fenômenos que causam o surgimento de trincas nas edificações. Como você viu, alguns casos podem ser graves e podem até levar à queda do prédio. Geralmente as patologias não têm uma causa única e um sinal de patologia não quer dizer que se saiba exatamente a sua causa. O ideal é um estudo minucioso no local. Antes de pensar em argamassar uma trinca, é importante descobrir e eliminar a causa, o que está causando a trinca, pois a trinca é apenas uma conseqüência, um sintoma de alguma coisa ruim que está acontecendo com a edificação. O DIAGNÓSTICO da situação de deterioração engloba a análise: da estrutura: identificação do comportamento estrutural do edifício, da capacidade de carga dos elementos componentes e de possíveis problemas de estabilidade; dos componentes: identificação do grau de deterioração das alvenarias, revestimentos, pisos, forros, coberturas, esquadrias, ferragens, pinturas e detalhes arquitetônicos; dos elementos integrados: altares, afrescos, murais, os quais também devem ter seu grau de deterioração identificado. Para fazer um diagnóstico correto é necessário um aprofundado conhecimento sobre as características dos materiais e dos sistemas construtivos. Além disso, é necessário compreender o comportamento dos mesmos, sob as mais diversas situações ambientais, como umidade, presença de sais, grandes amplitudes térmicas, exposição à poluição... 32

33 FATORES DE DEGRADAÇÃO: Alguns fatores fazem com que a edificação seja mais ou menos durável. Dentre esses fatores destacam-se: OS MATERIAIS, considerando a perspectiva de durabilidade dos mesmos, em função do ambiente a que serão expostos; A QUALIDADE DO PROJETO, que envolve desde a escolha do tipo de implantação até questões mais específicas como o detalhe dos componentes; AS CONDIÇÕES DE USO; A FREQÜÊNCIA DA MANUTENÇÃO. OS AGENTES: Os agentes de degradação são elementos que por sua presença podem determinar o surgimento da degradação. Ex: ÁGUA, HOMEM. OS MECANISMOS DE DEGRADAÇÃO: Mecanismos de degradação são seqüências de mudanças químicas e/ou físicas que levam a perdas em uma ou mais propriedades de um componente ou material de construção, quando potencializado por um fator e exposto a um agente. Um exemplo de fenômeno químico é a ação dos sais e um exemplo de fenômeno físico diz respeito às dilatações e contrações relacionadas às variações de temperatura. Outro tipo de mecanismo de degradação diz respeito aos ataques de agentes biológicos que geram fenômenos bioquímicos. PRINCIPAIS AGENTES E MECANISMOS DE DEGRADAÇÃO: 1 AGENTES AMBIENTAIS E CLIMÁTICOS O clima quente e úmido a presença de água costuma acelerar os processos de deterioração dos materiais, e as altas taxas de umidade, em conjunto com o calor, propiciam o surgimento de microorganismos e a ação dos insetos; O clima quente e seco determina as grandes amplitudes térmicas, o que acaba sendo o principal fator de degradação neste clima. São impostas grandes exigências aos materiais, em relação a plasticidade e a capacidade de expansão e contração. O resultado disso é o surgimento de descontinuidades, principalmente nas superfícies dos edifícios; O clima frio no clima frio os principais problemas dizem respeito à condensação de vapor d água sobre os materiais e ao congelamento da água presente no interior das tubulações. Radiação: componente UV (ultravioleta) da radiação deixa os materiais desbotados e quebradiços; o aquecimento das superfícies causará a dilatação e contração, que com o passar do tempo e a diminuição da plasticidade dos materiais, poderá causar descontinuidades (fissuras). Além disso, quando as superfícies são constituídas por materiais diversos, é comum que os materiais apresentem comportamentos distintos quanto à dilatação, o que novamente determinará o aparecimento de fissuras. 33

34 Água: é um dos principais agentes responsáveis pelo aparecimento de patologias em todos os tipos de edificações. A capilaridade ocorre através de vazios (interstícios) microscópicos existentes nos materiais. O avanço da água por capilaridade é muito comum nas alvenarias, quando as mesmas estão em contato com zonas úmidas. As águas contidas no solo, provenientes das chuvas ou lençóis freáticos, exercem pressão ascendente sob os alicerces. A falta de impermeabilização das fundações permite o fluxo d água através dos vazios existentes entre as partículas dos materiais, provocando o aparecimento de manchas úmidas nas paredes. PRESENÇA DE UMIDADE NAS EDIFICAÇÕES: umidade ascensional proveniente do solo; absorção e penetração da água da chuva (PODE SER IMPULSIONADA PELO VENTO E PRESENÇA DE FISSURAS); umidade de condensação; umidade incorporada durante o processo de construção; umidade acidental. EXEMPLO DE UMIDADE ASCENSIONAL 34

35 A infiltração também é um dos principais problemas que ocorrem nas soluções construtivas de coberturas. A ação da umidade sobre as peças de madeira provoca seu apodrecimento, o aparecimento de fungos e principalmente cupins. As principais causas de infiltrações em coberturas podem ser: GOTEIRAS: devido ao deslocamento, quebra das telhas ou recobrimento inadequado; RETORNO DAS ÁGUAS: devido à pouca declividade do telhado e das calhas ou mau dimensionamento destas, ou ainda obstrução, tanto das calhas como das descidas de água (condutores); INFILTRAÇÃO PELAS PAREDES: devido à inexistência ou má execução da impermeabilização das paredes e platibandas. 35

36 Exemplo de umidade acidental 36

37 Ventos: pode colaborar com a degradação das edificações determinando a entrada de umidade, através da pressão que exerce, o que acontece principalmente na chuva dirigida; definindo a erosão dos elementos da fachada. Constituintes do ar: o ar é constituído por diversas substâncias, existentes naturalmente na composição do mesmo ou pelas atividades humanas. Alguns dos componentes do ar que podem trazer efeitos danosos para a edificação são: OS ÓXIDOS DE ENXOFRE: efeitos corrosivos sobre metais e atacam superfície das pedras; OS CLORETOS (SAIS): presentes principalmente nas zonas litorâneas, em um fenômeno conhecido como névoa salina, podem penetrar nas superfícies dos materiais, definindo a contaminação por sais O PÓ E FULIGEM: se depositam em certas regiões da fachada, desvalorizando o bem arquitetônico. Nem sempre essa sujeira é facilmente removida, podendo ocasionar manchas de caráter permanente. Exemplo de acúmulo de partículas e de manchas por escorrimento 37

38 Exemplo de microorganismos agindo em conjunto com a poeira e prejudicando a percepção do patrimônio cultural. 2 AGENTES BIOLÓGICOS Biodeterioração são mudanças indesejáveis produzidas por atividades normais de organismos vivos sobre as propriedades dos materiais. Os estudos relacionados a biodeterioração procuram auxiliar na compreensão dos fenômenos químicos e bioquímicos que levam a degradação dos materiais das edificações. Microorganismos: são as bactérias, os fungos, as algas e os liquens. As bactérias e os fungos se alimentam da matéria orgânica. Sendo assim, a madeira é um dos principais pontos de ataque desses elementos. Os fungos se reproduzem por esporos, que são levados pelo ar, ou seja, a partir de um esporo pode germinar um novo fungo. Os diferentes tipos de fungo atuam diferentemente na madeira. Alguns apenas geram manchas permanentes, outros constituem um elemento desorganizador que retira o carbono do tecido lenhoso alterando sua estrutura e deixando-a quebradiça e outros atuam na decomposição da celulose ou da lignina, o que é conhecido pelo nome de podridão parda ou podridão branca respectivamente. 38

39 Exemplo de colônia de fungos junto ao rodapé Vegetação: a vegetação se desenvolve onde encontra um substrato adequado ao seu crescimento. Um exemplo de vegetação não intencional que age diretamente sobre a edificação é aquela que cresce devido ao acúmulo de pó e matéria orgânica em reentrâncias da edificação, causando danos estruturais, desagregação no revestimento e fissuras que constituirão um caminho direto para a umidade. Outro tipo de relação vegetação-edifício se refere à vegetação do entorno. Esse tipo de vegetação pode trazer diferentes tipos de danos, conforme o porte, como o sombreamento de áreas de fachada determinando uma maior concentração de umidade e diferentes regimes de expansão, relacionado à vegetação de médio e grande portes. A vegetação de grande porte pode interferir no desempenho estrutural da edificação, através de suas raízes e também no entupimento de calhas e outros condutores de águas pluviais através da perda de folhas. 39

40 Exemplo de trepadeira recobrindo a fachada da Igreja Exemplo de trepadeira recobrindo a fachada da Igreja - inverno 40

41 Exemplo de microorganismos agindo em conjunto com a poeira e prejudicando a percepção do patrimônio cultural Insetos: Os insetos que mais causam danos às edificações são as formigas e os insetos xilófagos como carunchos e cupins. AS FORMIGAS, podem formar uma rede de túneis subterrâneos, que podem vir a determinar recalques nas fundações ou afundamento nos pisos. Também incidem em outros elementos da edificação, como as regiões próximas a marcos e pisos, podendo provocar a degradação das argamassas. OS INSETOS XILÓFAGOS em um determinado período do seu desenvolvimento, enquanto larvas, se alimentam da madeira, consumindo grande parte de seu tecido lenhoso. Um dos principais problemas do ataque desse tipo de inseto é que ele muitas vezes não fica evidente. Muitas vezes as peças de madeira já estão irreversivelmente comprometidas, com perigo de gerar um dano estrutural, quando se descobre o problema. Nas edificações históricas, além de observar os elementos visíveis de madeira, como estruturas e esquadrias, deve-se observar a estrutura dos estuques, pois é comum que o ataque de cupim leve ao colapso esse tipo de elemento pelo ataque aos montantes de madeira. 41

42 Exemplo de elemento em madeira atacado por cupins. 42

43 Animais de pequeno porte: Os principais animais de pequeno porte que colaboram com a degradação das edificações são os ratos, os morcegos e os pombos. OS RATOS e outros roedores podem danificar as alvenarias para fazer suas tocas e ninhos, ou se alojarem junto a pequenas fendas sob a edificação. O principal perigo de degradação refere-se ao ataque aos sistemas elétrico e hidráulico das edificações, que em colapso podem causar incêndios e inundações. OS MORCEGOS costumam ocupar os forros das edificações, formando ninhos nesses locais. Geram a contaminação desses espaços através de suas fezes e urina, que possui extremo mau cheiro. O acúmulo desse material pode, pela sobrecarga, danificar os forros das edificações históricas. AS AVES de uma forma geral podem ocasionar a quebra de ornamentos, o deslocamento de telhas e bloquear calhas. O caso dos pombos é grave nas grandes cidades devido ao número de animais. Os excrementos das aves além de sujar as fachadas podem, quando em contato com a água, gerar reações químicas que provocam o manchamento permanente da superfície. 43

44 3 FENÔMENOS INCIDENTAIS DA NATUREZA Constituem fenômenos incidentais terremotos, maremotos, avalanches, erupções vulcânicas, deslizamentos de terra, ciclones, maremotos, tufões e tornados. Os tipos de danos causados por esses agentes são devastadores, provocando a ruína imediata da edificação. No Brasil o principal problema incidente são as INUNDAÇÕES, que além dos problemas imediatos, como a ruína, geram problemas a longo prazo pela umidade a que os materiais são expostos. Enchente ocorrida em 1942 em no centro histórico em Porto Alegre. 44

45 3 AÇÃO DO USO PELO HOMEM Podemos classificar os danos causados pelo homem em cinco categorias: desgaste ao uso; falta de conservação preventiva; intervenções indevidas; desenvolvimento urbano; vandalismo. Em relação ao vandalismo destacam-se a pichação, a raspagem das superfícies e os incêndios provocados. Os principais mecanismos de degradação deflagrados pelo desenvolvimento urbanos são: a movimentação do solo do entorno; as mudanças de declividade no solo do entorno; a impermeabilização, que modifica as características hidrológicas da área; as cargas vibratórias originadas pelo incremento do tráfego do trânsito de veículos. 45

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES 200888 Técnicas das Construções I UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 5 o Impermeabilização é a proteção das construções contra

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

VAZAMENTOS E INFILTRAÇÕES

VAZAMENTOS E INFILTRAÇÕES VAZAMENTOS E INFILTRAÇÕES Um dos maiores inimigos das estruturas, tanto de concreto, aço ou madeira é a umidade, ela age no local por anos silenciosamente e quando damos conta lá está um enorme prejuízo

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia: Impermeabilização X Umidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia: Impermeabilização X Umidade UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia: Impermeabilização X Umidade Impermeabilidade das construções Impedir a passagem indesejável água, fluído e

Leia mais

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço:

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço: ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: CARACTERIZAÇÃO DO BEM IMOVEL: 1. Endereço: 2. Proteção legal: Tombamento Municipal Tombamento Estadual Tombamento Federal Preservado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL I SERVIÇOS DE ENGENHARIA Constitui objeto do presente memorial descritivo uma edificação para abrigar segura e adequadamente equipamentos de rede estabilizada, Grupo Moto-gerador

Leia mais

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO PADARATZ, Ivo J. (1); CANOVA, José A. (2); DE MORI, Luci M. (3);

Leia mais

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Engª MsC Silvania Miranda do Amaral Engenheira Civil e de Segurança do Trabalho Especialista em Georreferenciamento Mestre em Engenharia Civil Má

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL: ESTUDO DE CASO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, CRICIÚMA - SC

INSPEÇÃO PREDIAL: ESTUDO DE CASO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, CRICIÚMA - SC RESUMO INSPEÇÃO PREDIAL: ESTUDO DE CASO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, CRICIÚMA - SC Anderson dos Santos Costa (1), Evelise Chemale Zancan (2); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)andersoncric@hotmail.com.br,

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO Estado de Conservação Exterior FICHA N.º: 01 ID EDIFÍCIO: 42904 1. LOCALIZAÇÃO Zona em estudo: Vila do Olival Freguesia: Gondemaria e Olival Rua / Av. / Pc.: Rua Cimo

Leia mais

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo.

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. 85.(STM/CESPE/2011) A taipa de mão é, tradicionalmente, fabricada por meio de processos artesanais ou com forte

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

Relatório de Vistoria de Patologias Prediais

Relatório de Vistoria de Patologias Prediais Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade Florianópolis Santa Catarina Brasil 55 (048) 3721-5100 Relatório de Vistoria de Patologias Prediais Centro de Ciências Biológicas Bloco J, Bloco

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL Agosto/2011 CONDOMÍNIO VISION Engº Claudio Eduardo Alves da Silva CREA nº: 0682580395 F o n e / F a x : ( 1 1 ) 2 6 5 1-5918 R. C e l. B e n to J o s é d e C a r v a lh o,

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO MEMORIAL DESCRITIVO Reforma Unidade de Saúde de Campo da Água Verde Local: Campo da Água Verde Canoinhas/SC CANOINHAS-SC ABRIL / 2014 SERVIÇOS PRELIMINARES E GERAIS... Este Memorial Descritivo tem a função

Leia mais

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Administração

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Administração 1. INTRODUÇÃO: Prefeitura Municipal de Bom Despacho Anexo V Laudo de Vistoria Predial Terminal Rodoviário de Passageiros de Bom Despacho O presente Laudo Técnico de Vistoria Predial foi solicitado pela

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE DOCUMENTO COMPLEMENTAR 05 PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTROS DE SAÚDE ÍNDICE A. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Vistoria e Levantamento de Patologias Prediais

Vistoria e Levantamento de Patologias Prediais Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade Florianópolis Santa Catarina Brasil 55 (048) 3721-5100 Vistoria e Levantamento de Patologias Prediais Centro de Ciências da Saúde Bloco K Florianópolis

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Madeiras Estrutura da Madeira Estrutura da Madeira cerne (2) Porção mais clara, na parte externa, que corresponde

Leia mais

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa Bárbara d Oeste - SP Proposta de Intervenção Emergencial I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro 2 16 MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DA UMIDADE DE EDIFICAÇÕES EM CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI MG

AVALIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DA UMIDADE DE EDIFICAÇÕES EM CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI MG AVALIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DA UMIDADE DE EDIFICAÇÕES EM CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI MG Michele Batista Ramalho michelebatram@hotmail.com Rede de Ensino Doctum R. Gustavo Leonardo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini Impermeabilidade das construções Impedir a passagem indesejável água, fluído e vapores Pode conter

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO Porque Impermeabilizar? O que leva construtoras, construtores, proprietários de imóveis, etc... a procura de impermeabilizantes? De cada 10 pessoas que procuram produtos

Leia mais

1. Quais são os principais tipos de subcobertura utilizados no Brasil? De onde surgiu o conceito subcobertura?

1. Quais são os principais tipos de subcobertura utilizados no Brasil? De onde surgiu o conceito subcobertura? 1. Quais são os principais tipos de subcobertura utilizados no Brasil? De onde surgiu o conceito subcobertura? O conceito de subcobertura é algo já bem antigo no Brasil. Os profissionais mais preocupados,

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Execução de projetos com vista à impermeabilização

Execução de projetos com vista à impermeabilização Execução de projetos com vista à impermeabilização O arquiteto e o engenheiro, ao realizar um projeto para qualquer tipo de construção, devem preocupar-se com os problemas de impermeabilização já durante

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase Este Memorial Descritivo tem por finalidade especificar os materiais e serviços a serem executados na REFORMA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA.

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. Dados da Obra: Endereço da obra: Rua Amazonas, nº512, Centro. Parte

Leia mais

1.3 MÁQUINAS E FERRAMENTAS Serão fornecidos todos os equipamentos e ferramentas adequadas de modo a garantir o bom desempenho da obra.

1.3 MÁQUINAS E FERRAMENTAS Serão fornecidos todos os equipamentos e ferramentas adequadas de modo a garantir o bom desempenho da obra. MEMORIAL DESCRITIVO IDENTIFICAÇÃO: EDIFÍCIO SPAZIO DI ACÁCIA Proponente : Construtora Brum Ltda. Construtora : Construtora Brum Ltda. Empreendimento : Edifício Spazio Di Acácia Endereço : Rui Barbosa,

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO DG GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO DG GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: REFORMA NO MURO DE CONTENÇÃO, MURO DE ALVENARIA E ÁREA PARA DEPÓSITO NO ALMOXARIFADO DA CERON ENDEREÇO: ÀS MARGENS DA

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA Elisa Furian elisafurian@outlook.com COBERTURAS Constituem estruturas de múltipla função que tem por objetivo:

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

REVESTIMENTO CERÂMICOS

REVESTIMENTO CERÂMICOS SEMINÁRIOS DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REALIZAÇÃO: IBAPE NACIONAL E IBAPE PR Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Foz do Iguaçu-PR II Seminário Nacional de Perícias de Engenharia PERÍCIAS EM FACHADAS

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

PATOLOGIA DE FACHADAS

PATOLOGIA DE FACHADAS PATOLOGIA DE FACHADAS Antônio Henrique Correa de Freitas 1 Poliana Miranda França 2 Tamiris Miranda França 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade explorar as diversas patologias existentes em fachadas,

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

Quadra 5 Piscina x x x Ver tabela 6 Solidez/ Segurança x Ver tabela da Edificação 3

Quadra 5 Piscina x x x Ver tabela 6 Solidez/ Segurança x Ver tabela da Edificação 3 Sistema 6 meses 1 ano 2 anos 3 anos 5 anos Observações Esquadrias de x x x Ver tabela Alumínio 3 Esquadrias de x Ver tabela Madeira 3 Esquadrias de x Ver tabela Ferro 3 Revestimentos x x x Ver tabela de

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PATOLOGIAS EM OBRAS DE MADEIRA . A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Arnoldo Wendler Sistema Construtivo 1 Sistema Construtivo 2 Sistema Construtivo Sistema Construtivo 3 Sistema Construtivo Comunidade da Construção DIRETRIZES

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 1. DESCRIÇÃO DA OBRA As presentes especificações, bem como

Leia mais

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens Ficha do Produto Edição 18/5/2010 Sika 1 Construção Sika 1 Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado Descrição do Produto Usos Características/ Vantagens Dados do Produto

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho Perícias judiciais IBAPE SP - AGOSTO 2011 1 NORMAS TÉCNICAS Zona de fronteira Direito Engenharia 2 Norma de Desempenho

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Produto/variações Devido ao processo de fabricação e aplicação de gel envelhecedor, os revestimentos cimentícios, podem apresentar pequenas variações

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Leonardo de Carvalho

Leia mais

Em toda construção o natural é ter técnica.

Em toda construção o natural é ter técnica. Em toda construção o natural é ter técnica. A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras,

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Vistoria da vizinhança

Vistoria da vizinhança Vistoria da vizinhança Grupo de Materiais de Construção 1 INTRODUÇÃO: Vistoria Preventiva Laudo de vizinhança apura estado de conservação de imóveis próximos ao canteiro de obras e atua como garantia a

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

Sergio Luiz Mocarzel - Engenheiro Civil CREA 1982102452 RJ

Sergio Luiz Mocarzel - Engenheiro Civil CREA 1982102452 RJ Sergio Luiz Mocarzel, Engenheiro civil, portador da carteira do CREA- RJ 1982102452, vem por intermédio desta apresentar o Laudo de Vistoria da proposta 09/12/2014 e contratado em 15/02/2015. LAUDO DE

Leia mais

PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução

PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução 94% da informação escrita pelo Homem está em papel. Principal motivo para a má qualidade do papel, foi a introdução de produtos químicos para branquear e aumentar a produção.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO

MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO O presente Memorial Técnico de Reforma e Ampliação tem por finalidade descrever os materiais, procedimentos/métodos a serem empregados nas retiradas e na reforma, indicar

Leia mais