A EXPANSÃO URBANA E AS CONSEQUÊNCIAS PARA CABECEIRAS DE DRENAGEM: UM ESTUDO DE CASO NAS NASCENTES DO CÓRREGO VERTENTE 1 UBERABA MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EXPANSÃO URBANA E AS CONSEQUÊNCIAS PARA CABECEIRAS DE DRENAGEM: UM ESTUDO DE CASO NAS NASCENTES DO CÓRREGO VERTENTE 1 UBERABA MG"

Transcrição

1 A EXPANSÃO URBANA E AS CONSEQUÊNCIAS PARA CABECEIRAS DE DRENAGEM: UM ESTUDO DE CASO NAS NASCENTES DO CÓRREGO VERTENTE 1 UBERABA MG Juliana Paula da Silva Rodrigues Universidade Federal de Goiás INTRODUÇÃO A ocupação urbana, associada ao pouco ou nenhum planejamento, ocasiona inúmeras alterações do meio físico, no qual se encontra a cidade, propiciando a ocorrência de diversos impactos ambientais. Como consequências dessa ocupação desordenada do meio urbano têm se a retirada da vegetação natural, a ocupação de áreas com riscos de deslizamentos, uso e ocupação desordenada do solo, aumento das áreas urbanas impermeabilizadas, ampliação das taxas de escoamento superficial o que pode gerar processos erosivos nas encostas, assoreamento dos rios e enchentes na área urbana. O que se intensifica com a constante expansão urbana. Em áreas urbanas um dos exemplos que pode-se mencionar de ação antrópica que influencia nos impactos ambientais é a construção de loteamentos, sendo que um desses impactos consiste no aparecimento de processos erosivos, pois tem se uma desproteção do solo e uma concentração de águas superficiais devido à diminuição ou inexistência de área de infiltração e à necessidade de canalizar o esgoto das estruturas locais. Sendo que quando há sistemas apropriados de condução das águas, o problema pode ter origem no ponto de lançamento das águas captadas. Pois, os incrementos das vazões, por ocasião das chuvas intensas, aliadas às alterações no nível freático, fazem com que a dinâmica do processo seja acelerada. (IDE, 2009) Outra consequência da ocupação desordenada das cidades diz respeito à 1182

2 preservação dos recursos hídricos, estando as nascentes, muitas vezes, propensas à degradação, apesar de serem elementos de suma importância na dinâmica hidrológica. Pois, constituem focos da passagem da água subterrânea para a superfície e pela formação dos canais fluviais, sendo importantes para a recarga dos aquíferos. Segundo a resolução nº 303 do CONAMA estabelece-se que nascente ou olho d água é o local onde aflora naturalmente, mesmo que de forma intermitente, a água subterrânea (BRASIL, Art. 2º, II). Essa definição é o ponto de partida para a gestão ambiental, pois a partir dela, são definidas as áreas de preservação permanente. A cidade de Uberaba, na qual ocorreu a sua ocupação ao entorno do Córrego das Lajes, tem sofrido diversos impactos ambientais urbanos provenientes de sua formação e expansão sem o devido planejamento. Portanto, o presente artigo, fruto da monografia em Geografia, tem por objetivo discorrer sobre as consequências da implantação de um loteamento nas proximidades da cabeceira do Córrego Vertente 1, um dos afluentes do Córrego das Lajes, em Uberaba- MG. Localização e caracterização da área de estudo: A área do presente estudo encontra-se no perímetro urbano de Uberaba. Cidade esta que se localiza no estado de Minas Gerais, mais precisamente no Triângulo Mineiro. A cidade de Uberaba (MG) encontra-se localizada no interior da bacia do Córrego das Lajes. Esta bacia possui 26,38 km 2 e é afluente esquerdo do Rio Uberaba e está densamente ocupada pela população, conforme observada na figura 1, já ultrapassado pela mancha urbana do município os limites da bacia. 1183

3 Figura 1: Mapa de localização da bacia do córrego das Lajes - Uberaba (MG) Autor: SILVA, R. T. S. Org.: RODRIGUES, J. P.S Conforme afirma Carvalho (1998) em seu processo histórico de crescimento urbano, o Córrego das Lajes vem tendo suas águas, e de seus afluentes, utilizadas em diversos momentos e de diferentes formas. Portanto, as primeiras moradias da cidade foram construídas nas proximidades do córrego, o que facilitava o abastecimento. Assim, a formação e expansão urbana de Uberaba se deram ao entorno do mesmo. A área de estudo do presente trabalho, a bacia do Córrego Vertente 1, conforme figura 2, é uma das sub-bacias do Córrego das Lajes, está localizada a NE do perímetro urbano, onde encontra- se as nascentes. Podendo ser caracterizada a partir do uso e ocupação do solo, sendo este marcado pela densa ocupação da população, estando seu 1184

4 entorno margeada por moradias, na maioria dos casos, condomínios fechados. Várias vias públicas e há a presença de uma linha férrea. Na área, tem-se a presença de um reservatório de contenção, conhecido como piscinão. Figura 2: Localização da bacia Córrego das Lajes e a área de estudo em destaque Fonte: Prefeitura Municipal de Uberaba (2009) modificado por RODRIGUES (2013) Devido à utilização associada à recreação e lazer que, ao entorno do piscinão, foi criado o Parque das Acácias, que possui uma pista para caminhada, quadras para prática de esportes e aparelhos de ginástica. A criação desse parque, consequentemente, valorizou a área ao seu redor, que até então, (conforme figura 3) possuía um menor adensamento populacional, conforme pode ser observado em imagem do Google Earth de 2006, período em que o mesmo ainda se encontrava em fase de construção. A valorização imobiliária nessa área atraiu empreendimentos para a construção de condomínios fechados ao redor, alguns voltados para as classes mais altas da população, como é o caso do residencial Flamboyant. 1185

5 Figura 3: Situação em que se encontrava a área de estudos antes da inauguração do Parque das Acácias, 2006 Fonte: Google Earth METODOLOGIA Inicialmente, para a metodologia deste trabalho, com objetivo de estudar sobre a análise de bacias hidrográficas em áreas urbanas, assim como o que já está escrito referente ao córrego da presente pesquisa e as características ambientais da área, foi realizada uma revisão de literatura bibliográfica, incluindo livros, artigos, teses e dissertações. Esta etapa prosseguiu durante toda a pesquisa, com o intuito de aprofundar nos temas referentes aos estudos de impactos ambientais, sobretudo em área urbanas, paisagem e teoria geossistêmica. A metodologia de análise foi pautada nos diferentes estudos como: Beltrame (1995) que propõe estudo em bacias hidrográficas; Coelho Neto (2003) e análise de bacias hidrográficas, mais especificamente da evolução das cabeceiras de drenagem; Bertrand (1972) a partir de sua análise da paisagem; Tricart (1977) com a teoria dos meios ecodinâmicos; Casseti (1991) e a compartimentação da paisagem; Christofoletti (1999) e a teoria sistêmica nos estudos ambientais; Ross (1990) com suas contribuição para o entendimento da paisagem e Guerra (2010, 2012) com os estudos ambientais, mais 1186

6 precisamente os realizados em áreas urbanas; De modo geral, a metodologia de análise teórica utilizada no presente trabalho foi a teoria geossistêmica, uma vez que esta permite uma análise integrada da paisagem. Sendo assim, a paisagem foi analisada como base na teoria dos meios ecodinâmicos de Tricart (1977) e Christofolett (1999) com suas contribuições através da teoria sistêmica nos estudos ambientais. Nesse sentido a paisagem foi entendida como a resultante dos diversos elementos que a compõe, e tendo seu equilíbrio regulado pelos fluxos de matéria e energia. Foram realizados trabalhos de campo na área com o intuito de se fazer uma análise da sua atual situação, bem como o uso e ocupação do solo e os principais impactos ambientais provenientes das ações antrópicas, sobretudo após a implantação do loteamento na área de estudo. RESULTADOS E DISCUSSÕES A partir das análises do uso e ocupação do solo na sub-bacia foi possível constatar que a mesma encontra-se altamente urbanizada, devido à criação de vários loteamentos ao seu redor. O que provocou diversas consequências à bacia hidrográfica, pois as alterações impostas ao meio físico (ou aos seus componentes) pelo homem, implementadas mediante ocupação desordenada, exploração e utilização predatória dos recursos naturais, resultam em impactos negativos, tanto para o meio físico quanto para o meio biótico. (COSTA, 2008, p.28). Além do loteamento (Figura 4), há ainda presença de pequena propriedade rural com atividade pecuária. Nas áreas onde não esta impermeabilidade devido à construção dos arruamentos, tem-se o solo caracterizado como pastagem e solo exposto. A jusante da área de estudo encontra-se a bacia de contenção. Nas proximidades da bacia de contenção, devido à valorização da área, tem-se a presença de condomínios fechados, voltados para as classes mais altas da população. Essa densa ocupação populacional gera diversas consequências para conservação dos cursos hídricos na área urbana. Uma vez que, segundo Tucci & Collischonn (1998): À medida que a cidade se urbaniza, em geral, ocorrem os seguintes impactos: (i) aumento das vazões máximas (em até 7 vezes, Leopold, 1968) devido ao aumento da capacidade de escoamento através de condutos e canais e impermeabilização das superfícies; (ii) aumento da produção de sedimentos devido a desproteção das superfícies e a produção de resíduos sólidos (lixo); (iii) 1187

7 deterioração da qualidade da água, devido a lavagem das ruas, transporte de material sólido e as ligações clandestinas de esgoto cloacal e pluvial. (p. 2) Podendo ocasionar ainda o aumento na frequência das enchentes não só pelo aumento da vazão, mas também pela redução de capacidade de escoamento provocada pelo assoreamento dos condutos e canais. (TUCCI & COLLISCHONN, 1998, p. 2) Figura 4: Loteamento de casas populares na área de estudo Autor: RODRIGUES, J. P. S (2013) A área de estudo vem sofrendo diversos danos provenientes às ações antrópicas, primeiramente devido à canalização do córrego das Lajes nas porções mais baixas, o que esta ocasionando que este sistema busque novas formas de equilíbrio, o que pode ser evidenciado no aparecimento de processos erosivos a montante do córrego. E, posteriormente, devido à expansão urbana ao redor da nascente, que pode se observado pelas obras de infraestrutura da prefeitura ao redor da área para a implantação de ruas para a construção de um loteamento de casas populares. A construção desse loteamento ocasionou mais degradação à área, pois esse tipo de obra altera o uso do solo. Uma vez que para a criação de loteamentos urbanos, estes são precedidos por intensa atividade de retirada da cobertura vegetal, movimentação de volumes de terra e desestruturação da camada superficial de solo. E essa camada superficial do solo, tendo sua estrutura alterada, torna-se menos resistente à erosão. (TUCCI et al. 1998) 1188

8 Figura 5: Obras para a implantação do loteamento Autor: RODRIGUES, J.P.S. (2013) As obras para a criação desse loteamento (figura 5) tem ainda como consequência um aumento na produção de sedimentos que, posteriormente, vão sendo depositados no curso d água, pois os solos ficam expostos para erosão no lapso de tempo entre o início do loteamento e o fim da ocupação. Quando a bacia urbana está completamente ocupada e o solo praticamente impermeabilizado, a produção de sedimentos tende a decrescer. (TUCCI & COLLISCHONN, 1998) Outras consequências das obras que ocorreram na área foram a retirada de vegetação e de solos pelas máquinas (figura 6), o que gerou uma maior fragilidade deste solo. Pois a retirada de vegetação assim como revolvimento deste solo interfere na coesão dessas partículas, tornando este solo mais susceptível a ter partículas arrastadas pela enxurrada. 1189

9 Figura 6: retirada de solo e vegetação para a implantação do loteamento Autor: RODRIGUES, J. P.S. (2013) Associada a textura do solo nessa área, com a presença da argila, que cria uma zona compactada, grande parte dos sedimentos menores que encontra-se acima tendem a ser arrastados em um evento chuvoso. Figura 7: Foto panorâmica da área de estudo no período das obras Autor: NEVES, S. A.(2013) Foi possível observar também, na ocasião, que nas obras havia o intuito de se despejar os dejetos do loteamento nas proximidades da área das nascentes (figura 7), o que posteriormente foi modificado, pois as obras, nesse local, foram abandonadas. A alta taxa de impermeabilização do solo no entorno da área, devido à densa 1190

10 ocupação populacional, aumenta as taxas de escoamento superficial. Esse escoamento acaba por gerar processos erosivos nas encostas, o que se intensifica em consequência do uso e ocupação do solo, pois na área que ainda não é asfaltada, o solo é caracterizado com área de pastagem e solo exposto. Os arruamentos das partes altas dos loteamentos ao redor faz com que água da chuva escoe sentido nascente, fazendo com que a declividade aumente a energia cinética da chuva. A alta taxa de impermeabilização do solo ao redor da área da nascente, associada ao solo exposto, que se encontra bem próximo a rua, aumenta a quantidade de água que escoa nessa superfície, uma vez que nessa área não há vegetação que possa barrar o escoamento, o que acaba por acarretar um aumento na quantidade de sedimentos transportados. A enxurrada que chega pelos arruamentos não traz apenas sedimentos, mas também grande quantidade de lixo. Bem próximo à rua tem se a formação de processos erosivos que devido à forma que já se encontram, futuramente, tende a se tornar ainda maiores. Figura 8: Sulcos no solo e presença de lixo Autor: RODRIGUES, J. P. S. (2013) CONSIDERAÇÕES FINAIS Pode-se afirmar, a partir de todas as análises realizadas, que a área de estudo 1191

11 encontra-se bastante fragilizada. Como consequência das modificações antrópicas, esse sistema buscou uma nova forma de equilíbrio, alterando a sua dinâmica natural. A alta taxa de impermeabilização do solo, em seu entorno, proveniente da expansão urbana, faz com que se tenha um aumento do escoamento superficial em detrimento da infiltração. O aumento do escoamento superficial, por sua vez, intensifica o aparecimento de processos erosivos. E como consequência da diminuição da infiltração, tem se uma perda no abastecimento de água no lençol subterrâneo, uma vez que a área de recarga foi diminuída. O aumento da taxa de sedimentos sendo arrastados e depositados a jusante, devido ao aumento do escoamento superficial, pode acarretar um assoreamento desse córrego assim como uma diminuição da vida útil da bacia de contenção devido a grande quantidade de sedimentos que estão sendo depositados. Como a área a montante das nascentes era uma área de contribuição de recarga, que agora encontra-se diminuída devido a intensa urbanização, o que provocou uma diminuição na infiltração. Com isso a tendência da nascente é recuar a jusante, tendo um rebaixamento do nível do freático, alterando a capacidade de reposição de água. Descaracterizando assim a área úmida, o que deixa de ser protegida por lei, permitindo a ocupação e exploração da área. Estando a existência dessa nascente comprometida futuramente. Algumas recomendações para diminuição da degradação da área são: proteger as cabeceiras de drenagem mantendo ou recuperando a vegetação arbórea, não só na área da APP, mas também na área ao em torno, permitindo uma maior infiltração da água que vai contribuir para o abastecimento dos lençóis subterrâneos; impedir a entrada do gado na área de proteção permanente a fim de se diminuir a compactação dos solos. E medidas relacionadas à drenagem urbana, ou seja, buscando medidas que propiciem a contenção do escoamento próximo ao local onde ele está sendo gerado, tais como superfícies de infiltração, valetas de infiltração abertas, bacias de percolação e pavimentos porosos (CANHOLI, 2005). Além de planejamento urbano a fim de evitar que os desenhos dos arruamentos permitam a concentração demasiada do escoamento superficial. 1192

12 REFERÊNCIAS BELTRAME, A.V. Diagnóstico do meio físico de bacias hidrográficas: modelo e aplicação. Florianópolis, SC: Ed. da UFSC, p. Federal de Uberlândia, Uberlândia- MG CASSETI, V. Elementos de Goiânia: Editora UFG, 1994 BERTRAND, G. Paisagem e Geografia físicaesboço metodológico. Caderno de Ciências da Terra. Instituto de Geografia da Universidade de São Paulo, n. 13, Geomorfologia. CASSETI, V. Ambiente e Apropriação do Relevo. São Paulo: Contexto, CASSETI, V. Estrutura e Compartimentação da Paisagem de Serra Negra MG. Goiânia: Editora UFG, BIGARELA, J. J. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. Florianópolis: Editora da UFSC CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Editora Blucher, BOESCH, H. ; CAROL, H. Princípios do conceito de paisagem. Boletim Geográfico. n. 202, ano 27, janeiro/ fevereiro CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Blucher, BOTELHO, R. G. M. Planejamento ambiental em microbacia hidrográfica. In: GUERRA, A. J. T.,et. al. Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. 6 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. COELHO NETO, A. L. Hidrologia de Encosta na Interface com a Geomorfologia. In: CUNHA, S.B; GUERRA, A.J.T (Orgs.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, BRASIL. Estatuto da Cidade: Lei /2001 que estabelece diretrizes gerais da política urbana. Brasília, Câmara dos Deputados, 2001, 1ª Edição. COELHO NETTO, A. L. Evolução de Cabeceiras de Drenagem no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul (SP/RJ): a Formação e o Crescimento da Rede de Canais sob Controle Estrutural. Revista Brasileira de Geomorfologia, Ano 4, Nº 2 (2003). BRASIL. Resolução CONAMA nº 303, de 20 de março de Ministério do Meio Ambiente, COSTA, R. A. Zoneamento Ambiental da Área de Expansão Urbana de Caldas Novas (GO): Procedimentos e Aplicações. Tese de Doutoramento em Geografia. Instituo de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, CAMPOS, C. A. A. ; RODRIGUES, J. P. S.; NEVES, S.A.. Condicionantes Hidromorfodinâmicos nas cabeceiras do Córrego das Lajes - UberabaMG- Brasil. In: 6 Coloquio Geográfico sobre América Latina, 2012, Paraná Província de Entre Ríos. Las Nuevas configuraciones territoriales latinoamericanas desde una perpectiva geográfica, CUNHA, S.B. Bacias Hidrográgicas. In.: CUNHA, S.B; GUERRA, A.J.T (Orgs.) Geomorfologia do Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.p CANHOLI, A. P. Drenagem urbana e controle de enchentes. São Paulo: Oficina de textos, CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. Degradação ambiental. In: GUERRA, A. J. T CARVALHO, Renato M. B. de. Vida e morte de um córrego: a história da expansão urbana de Uberaba, MG e do córrego das Lages f. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade CUNHA, S. B.; (orgs.) Geomorfologia e meio ambiente. 7 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, GUERRA, A. J. T.; SILVA, A.S.; BOTELHO, R.G.M. 1193

13 Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. 6 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. raba_em_dados/edicao_2009/capitulo_01.pdf> Acesso em agosto de GUERRA, A. J. T. Processos erosivos nas encostas. In: CUNHA, S.B; GUERRA, A.J.T (Orgs.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p RODRIGUES, J. P. S. Considerações acerca da fisiologia da paisagem na cabeceira do Córrego vertente 1 Uberaba MG Trabalho de conclusão de curso de Geografia, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba (MG), GUERRA, A. J. T(org.). Geomorfologia urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, ROSS, J. L. S. Geomorfologia: ambiente planejamento. São Paulo: Contexto, GUERRA, A. J. T; MARÇAL, M. D. S. Geomorfologia Ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, SCHIER, R. A. Trajetórias do conceito de paisagem na geografia. R. RA E GA, Curitiba, n. 7, p , Editora UFPR. IBGE. Censo 2010: população do Brasil é de pessoas. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/no ticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1766>. Acesso em: 21 out SOUZA, J. S. Áreas de preservação permanente urbanas: mapeamento, diagnósticos, índices de qualidade ambiental e influência no escoamento superficial: estudo de caso: Bacia do Córrego das Lajes, Uberaba MG f. Dissertação (mestrado em engenharia civil) Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia MG IDE, D.M. Investigação geotécnica e estudo de um processo erosivo causado por ocupação urbana. 129p. Dissertação (Mestrado) Departamento de Geotecnia, Universidade de São Paulo, São Carlos-SP, TRICART, J. Ecodinâmica, IBGE/SUPREN, 1997.p. 91. IGA. Instituto de Geociências Aplicadas. Disponível e acesso em: <http://www.iga.br/> Rio de e Janeiro TUCCI, C. E. M.; COLLISCHONN, W. Drenagem urbana e controle de erosão. VI Simpósio nacional de controle de erosão. Presidente Prudente- São Paulo, Disponível e acesso em: <http://www.semarh.se.gov.br/modules/wfdo wnloads/visit.php?cid=1&lid=196> Acesso em agosto de NOBREGA, M. T. Fisiologia da Paisagem (tema geral). Seminários Gerais, Instituto de Geociências USP: PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA. Estudo de impacto ambiental e relatório de impacto ambiental dos reforços nos canais centrais da macrodrenagem urbana do centro da cidade de Uberaba, estado de minas gerais. Dezembro de VIEIRA, V. T. CUNHA, S. B. Mudanças na rede de drenagem urbana de Teresópolis (Rio de Janeiro). In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. org. Impactos ambientais urbanos no Brasil. 9 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA. Uberaba em dados. Disponível e acesso em:<http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/ace rvo/desenvolvimento_economico/arquivos/ube 1194

14 A EXPANSÃO URBANA E AS CONSEQUÊNCIAS PARA CABECEIRAS DE DRENAGEM: UM ESTUDO DE CASO NAS NASCENTES DO CÓRREGO VERTENTE 1 UBERABA MG EIXO 4 Problemas socioambientais no espaço urbano e regional RESUMO O êxodo rural possibilitou um crescimento urbano desordenado, com a ocupação de locais inapropriados, causando impactos ambientais em áreas urbanas. Como consequências dessa ocupação desordenada do meio urbano têm se a retirada da vegetação natural, a ocupação de áreas com riscos de deslizamentos, uso e ocupação desordenada do solo, aumento das áreas urbanas impermeabilizadas, ampliação das taxas de escoamento superficial o que pode gerar processos erosivos nas encostas, assoreamento dos rios e enchentes na área urbana. O que se intensifica com a constante expansão urbana. A cidade de Uberaba, na qual ocorreu a sua ocupação ao entorno do Córrego das Lajes, tem sofrido diversos impactos ambientais urbanos provenientes de sua formação e expansão sem o devido planejamento. Portanto, o presente artigo, fruto da monografia em Geografia, tem por objetivo discorrer sobre as consequências da implantação de um loteamento nas proximidades da cabeceira do Córrego Vertente 1, um dos afluentes do Córrego das Lajes, em Uberaba- MG. A proposta metodológica pautou-se em uma revisão bibliográfica referente aos estudos ambientais, sobretudo aos impactos ambientais em áreas urbanas, cabeceiras de drenagem, teoria geossistêmica. De modo geral, a metodologia de análise teórica utilizada no presente trabalho foi a teoria geossistêmica, uma vez que esta permite uma análise integrada da paisagem. Foram realizados trabalhos de campo na área com o intuito de se fazer uma análise da sua atual situação, bem como o uso e ocupação do solo e os principais impactos ambientais provenientes das ações antrópicas, mais precisamente da implantação do loteamento. A partir das análises realizadas em campo, assim como de imagens de satélites, foi possível constatar que a área de estudo vem sofrendo diversos danos provenientes às ações antrópicas, primeiramente devido à canalização do córrego das Lajes nas porções mais baixas, o que esta ocasionando que este sistema busque novas formas de equilíbrio, o que pode ser evidenciado no surgimento de processos erosivos a montante do córrego. Processos esses que foram intensificados devido à implantação do loteamento, pois este tipo de obras é precedido por intensa atividade de retirada da cobertura vegetal, movimentação de volumes de terra e desestruturação da camada superficial de solo, camada esta que fica mais susceptível à erosão. Tem se ainda como consequência um aumento na produção de sedimentos que, posteriormente, vão sendo depositados no curso d água, ocasionando o assoreamento do córrego. Como a área a montante das nascentes era uma área de contribuição de recarga, que agora se encontra diminuída devido à intensa urbanização, o que provocou uma diminuição na infiltração. Com isso a tendência da nascente é recuar a jusante, tendo um rebaixamento do nível do freático, alterando a capacidade de reposição de água. Estando a existência dessa nascente comprometida futuramente. Palavras-chave: expansão urbana; cabeceira de drenagem; impactos ambientais. 1195

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO (RJ)

MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO (RJ) MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE Silva, L.O. 1 ; Placido, D.T. 2 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Email:leugeo25@gmail.com;

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA Landolfi Teixeira de Carvalho, J.W. 1 ; de Oliveira, F. 2 ; 1 UFPR Email:ju_wlt@hotmail.com; 2 UFPR Email:foliveira@ufpr.br; RESUMO: O presente

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV.

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV. IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE Silva, J.V.F. 1 ; Miyazaki, L.C.P. 2 ; 1 UFU/FACIP Email:joaovictorfs14@yahoo.com; 2 UFU/FACIP Email:lecpgeo@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 5 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Cap5 Plano Diretor de Águas Pluviais A gestão das águas pluviais dentro do município

Leia mais

MODIFICAÇÕES AMBIENTAIS PROVOCADAS PELA URBANIZAÇÃO

MODIFICAÇÕES AMBIENTAIS PROVOCADAS PELA URBANIZAÇÃO MODIFICAÇÕES AMBIENTAIS PROVOCADAS PELA URBANIZAÇÃO Carmynie Barros e Xavier¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Leia mais

Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro)

Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro) Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro) Virginia Amaralinda Calabrez Martins Graduanda em Geografia na Universidade Federal Fluminense,

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO)

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO) BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO Martins, V.A. 1 ; Menezes, C.R. 2 ; Salgado, C.M. 3 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Email:viamaralinda@gmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Leia mais

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS Roberto Epifânio Lessa beto.lessa.epifanio@hotmail.com /Bolsista FAPEAM Márcia Regina Albuquerque Alves marciaregina.geo@gmail.com /Bolsista

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL 1 1 AS NASCENTES E OS NOSSOS RIOS: IMPORTÂNCIA DE LEVANTAR DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL Neuma Rubia Figueiredo Santana Email: rubia.aguas@gmail.com Ana Karina Santana Martins Email: bionarika@yahoo.com.br

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 Eixo Temático: Cidades e Regiões Metropolitanas: a Geografia frente aos problemas

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2.

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2. FLÁVIO, A. O. A.; COSTA, A. R. Contribuição à Legislação para o Planejamento da Drenagem Urbana. In: CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO DA UFG COMPEEX, 2006, Goiânia. Anais eletrônicos do XIV Seminário

Leia mais

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental.

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental. ELABORAÇÃO DO MAPA DE DANOS AMBIENTAIS DA APA PETRÓPOLIS,VOLTADO À PREVISÃO DE MOVIMENTOS DE MASSA - MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS, ESTADO DO RIO DE JANEIRO BRASIL. BONATTO, G. (1), (1) Aluno do Programa de

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE.

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. Karinne Wendy Santos de Menezes Universidade Estadual do

Leia mais

Orientações Básicas. feam - FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

Orientações Básicas. feam - FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Orientações Básicas P A R A D R E N A G E M U R B A N A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Fundação Estadual do Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento de Infra-Estrutura

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

PROCESSO EROSIVO EM ÁREA URBANA: Condomínio Privê, cidade satélite Ceilândia-DF 1 INTRODUÇÃO

PROCESSO EROSIVO EM ÁREA URBANA: Condomínio Privê, cidade satélite Ceilândia-DF 1 INTRODUÇÃO PROCESSO EROSIVO EM ÁREA URBANA: Condomínio Privê, cidade satélite Ceilândia-DF 1 INTRODUÇÃO Pedro Paulo Mesquita Mendes Estudante do programa de Pós-graduação da Universidade Federal de Goiás/Regional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ASPECTOS HIDROGEOMORFOLÓGICOS E SOCIOECONOMICOS DOS PONTOS ALAGÁVEIS DO CANAL JOSÉ LEAL MARTINS, BELÉM-PA.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ASPECTOS HIDROGEOMORFOLÓGICOS E SOCIOECONOMICOS DOS PONTOS ALAGÁVEIS DO CANAL JOSÉ LEAL MARTINS, BELÉM-PA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ASPECTOS HIDROGEOMORFOLÓGICOS E SOCIOECONOMICOS DOS PONTOS ALAGÁVEIS DO CANAL JOSÉ LEAL MARTINS, BELÉM-PA. Rafaela Braga da Silva 11190002701 Roberta Pena Fortes 11035002801

Leia mais

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Odeir Alves LIIDTHE 1 Dalva Maria Castro VITTI 2 José Carlos Veniziani JUNIOR 3 Resumo As inundações

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Kit de Treinamento SWITCH 1 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil O Plano Diretor de Drenagem Urbana da Cidade de Porto Alegre Assim como muitas cidades brasileiras, Porto Alegre enfrenta problemas relacionados

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

BACIA DO ALTO PARAGUAI: DESENVOLVIMENTO URBANO E MUDANÇA MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA NO CÓRREGO JUNCO EM CÁCERES MATO GROSSO

BACIA DO ALTO PARAGUAI: DESENVOLVIMENTO URBANO E MUDANÇA MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA NO CÓRREGO JUNCO EM CÁCERES MATO GROSSO BACIA DO ALTO PARAGUAI: DESENVOLVIMENTO URBANO E MUDANÇA MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA NO CÓRREGO JUNCO EM CÁCERES Cruz, J.S. 1 ; Souza, C.A. 2 ; Santos, M. 3 ; Paula, W.C.S. 4 ; 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANÁLISE DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS NA CIDADE DE TEFÉ - AM.

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANÁLISE DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS NA CIDADE DE TEFÉ - AM. UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANÁLISE DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS NA CIDADE DE TEFÉ - AM. Amanda Caroline Cabral da Silva mandinha.geo.cabral@gmail.com Bolsista de iniciação científica PAIC/FAPEAM Grupo

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL)

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) Karla Regina Mendes Cassiano Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia karlamendes@inpa.gov.br Reinaldo Corrêa Costa Instituto Nacional

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza Introdução: A cidade é uma estrutura espacial, onde todos os elementos estão em constante interação. Em conseqüência

Leia mais

Impactos sócio-ambientais na nascente do Rio Mundaú, Garanhuns (PE).

Impactos sócio-ambientais na nascente do Rio Mundaú, Garanhuns (PE). PROCESSO UNIVERSIDADE DE SELEÇÃO FEDERAL AO MESTRADO DE SERGIPE 2011 PRÓ-REITORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE Impactos sócio-ambientais na nascente

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO NO TRANSPORTE DE SÓLIDOS EM CURSOS D ÁGUA URBANOS: O CASO DO ARROIO DILÚVIO, PORTO ALEGRE (RS), BRASIL*

A INFLUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO NO TRANSPORTE DE SÓLIDOS EM CURSOS D ÁGUA URBANOS: O CASO DO ARROIO DILÚVIO, PORTO ALEGRE (RS), BRASIL* A INFLUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO NO TRANSPORTE DE SÓLIDOS EM CURSOS D ÁGUA URBANOS: O CASO DO ARROIO DILÚVIO, PORTO ALEGRE (RS), BRASIL* Resumo Luiza Gehrke Ryff Moreira 1 A bacia hidrográfica do Arroio Dilúvio

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 Eixo Temático: Cidades e Regiões Metropolitanas: a Geografia frente aos problemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Ciências Geográficas Programa de Pós-Graduação em Geografia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Ciências Geográficas Programa de Pós-Graduação em Geografia UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Ciências Geográficas Programa de Pós-Graduação em Geografia Disciplina: Tópicos Especiais em Geografia Física - Geomorfologia Fluvial. Professor: Osvaldo

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS.

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS. !"$#% &' ()*+, -. /) /'0 1,2 ')3+0 /(' 45 06 ' 7 0 ' /(- /) 8 '( )* 9:; Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa

Leia mais

A OCUPAÇÃO DO SOLO EM ÁREA PRESERVAÇÃO PERMANENTE: O AVANÇO SOBRE A PLANÍCIE DE INUNDAÇÃO DO ARROIO CASTELHANO NA ÁREA URBANA DE VENÂNCIO AIRES, RS.

A OCUPAÇÃO DO SOLO EM ÁREA PRESERVAÇÃO PERMANENTE: O AVANÇO SOBRE A PLANÍCIE DE INUNDAÇÃO DO ARROIO CASTELHANO NA ÁREA URBANA DE VENÂNCIO AIRES, RS. A OCUPAÇÃO DO SOLO EM ÁREA PRESERVAÇÃO PERMANENTE: O AVANÇO SOBRE A PLANÍCIE DE INUNDAÇÃO DO ARROIO CASTELHANO NA ÁREA URBANA DE VENÂNCIO AIRES, RS. Wilson Junior Weschenfelder Universidade de Santa Cruz

Leia mais

EXPANSÃO URBANA E EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA EM REMANSOS DE RESERVATÓRIOS: ANÁLISE COMPARATIVA DE DUAS BACIAS HIDROGRÁFICAS EM GUARAPIRANGA, SÃO PAULO

EXPANSÃO URBANA E EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA EM REMANSOS DE RESERVATÓRIOS: ANÁLISE COMPARATIVA DE DUAS BACIAS HIDROGRÁFICAS EM GUARAPIRANGA, SÃO PAULO EXPANSÃO URBANA E EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA EM REMANSOS DE RESERVATÓRIOS: ANÁLISE COMPARATIVA DE DUAS BACIAS HIDROGRÁFICAS EM GUARAPIRANGA, SÃO PAULO SILVA, J.P. 1 1 mestre pelo programa de pós graduação

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Suscetibilidade à erosão dos solos ao longo da RJ-165 (Estrada Paraty-Cunha) e na sua área de influência

Suscetibilidade à erosão dos solos ao longo da RJ-165 (Estrada Paraty-Cunha) e na sua área de influência Suscetibilidade à erosão dos solos ao longo da RJ-165 (Estrada Paraty-Cunha) e na sua área de influência Silva, L.F.T.C. (UFRJ) ; Martins, M.B. (UFRJ) ; Guerra, A.J.T. (UFRJ) RESUMO Um dos conflitos existentes

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

DISCREPÂNCIA ENTRE USO E CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE ITAPURANGA-GO Adriana Aparecida Silva 1

DISCREPÂNCIA ENTRE USO E CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE ITAPURANGA-GO Adriana Aparecida Silva 1 DISCREPÂNCIA ENTRE USO E CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE ITAPURANGA-GO Adriana Aparecida Silva 1 1 Professora do Curso de Geografia/Unidade Cora Coralina/UEG RESUMO Localizado na micro-região

Leia mais

DRENAGEM URBANA E CONTROLE DE EROSÃO. Carlos E. M. Tucci 1 e Walter Collischonn 2

DRENAGEM URBANA E CONTROLE DE EROSÃO. Carlos E. M. Tucci 1 e Walter Collischonn 2 DRENAGEM URBANA E CONTROLE DE EROSÃO Carlos E. M. Tucci 1 e Walter Collischonn 2 Resumo: A drenagem urbana tem sido desenvolvida dentro de premissas estruturais onde os impactos são transferidos de montante

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DA SERRA DO PERIPERI EM VITÓRIA DA CONQUISTA-BA

A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DA SERRA DO PERIPERI EM VITÓRIA DA CONQUISTA-BA A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DA SERRA DO PERIPERI EM VITÓRIA DA CONQUISTA-BA Urânia Teixeira Amaral Discente do curso de Geografia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, integrante

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Letícia Celise Ballejo de Oliveira Roberto Cassol leticelise@yahoo.com.br, rtocassol@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria - UFSM UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES AO LONGO DO RIO MANÉ DENDÊ UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE DOS SEUS IMPACTOS

IDENTIFICAÇÃO DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES AO LONGO DO RIO MANÉ DENDÊ UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE DOS SEUS IMPACTOS IDENTIFICAÇÃO DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES AO LONGO DO RIO MANÉ DENDÊ UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE DOS SEUS IMPACTOS Gabriela de Azevedo Reis 1 gabrielareisazevedo@gmail.com Lyvia

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Carvalho, A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA, IGC/UFMG) ; Raposo, A.A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA,

Leia mais

São Paulo, 8 a 12 de setembro de 2014. ISBN: 978-85-7506-232-6

São Paulo, 8 a 12 de setembro de 2014. ISBN: 978-85-7506-232-6 MAPEAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE COMO AUXÍLIO PARA ESTUDO DE RENATURALIZAÇÃO AMBIENTAL DO ARROIO BARNABÉ GRAVATAÍ/RS Tassia Fraga Belloli Universidade Federal do

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE PRESERVAÇÃO PARA OS CÓRREGOS URBANOS DE PORANGATU E CONSCIENTIZAÇÃO PARA AS POPULAÇÕES RIBEIRINHAS 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE PRESERVAÇÃO PARA OS CÓRREGOS URBANOS DE PORANGATU E CONSCIENTIZAÇÃO PARA AS POPULAÇÕES RIBEIRINHAS 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE PRESERVAÇÃO PARA OS CÓRREGOS URBANOS DE PORANGATU E CONSCIENTIZAÇÃO PARA AS POPULAÇÕES RIBEIRINHAS 1 GARÇÃO, Lucimar Marques da Costa Garção 2 Palavras-chave: Educação

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA 1 ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA MARQUES, Rafael José Graduando em Geografia Universidade Estadual do Piauí UESPI Técnico em Tecnologia Ambiental IFPI. (rafaeljmarques.geo@gmail.com)

Leia mais

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 1. INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM APP URBANA: ESTUDO DE CASO NO SETOR SANTA GENOVEVA NO MUNICIPIO DE GOIÂNIA GO

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM APP URBANA: ESTUDO DE CASO NO SETOR SANTA GENOVEVA NO MUNICIPIO DE GOIÂNIA GO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM APP URBANA: ESTUDO DE CASO NO SETOR SANTA GENOVEVA NO MUNICIPIO DE GOIÂNIA GO Ulysses Cardoso Remy Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Graduando do Curso

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE Ferreira Santana, M. 1 ; Appolari, B.P. 2 ; Leocádio de Oliveira, J. 3 ; Lourenço Alves da Silva, J. 4 ; dos Santos Leandro, G.R. 5 ; dos Santos,

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

Noções sobre estimativa de vazões aspectos conceituais e metodológicos

Noções sobre estimativa de vazões aspectos conceituais e metodológicos Noções sobre estimativa de vazões aspectos conceituais e metodológicos Estimativa de vazões A água que escoa na terra depois de uma chuva precisa ser avaliada ou medida para que seja possível projetar

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM VARGEM DAS FLORES: SOMANDO CIÊNCIA E ARTE DE ENSINAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM VARGEM DAS FLORES: SOMANDO CIÊNCIA E ARTE DE ENSINAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM VARGEM DAS FLORES: SOMANDO CIÊNCIA E ARTE DE ENSINAR Sônia Santos Baumgratz (1) Diretora Técnica da ECODINÂMICA. Supervisora do Programa de Proteção Ambiental de Vargem das Flores,

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: Maria Francisca de Jesus Lírio Ramalho Maria do Socorro Costa Martim Pavla Goulart Hunka e Silvana Praxedes de Paiva ÁREA TEMÁTICA:

TÍTULO: AUTORES: Maria Francisca de Jesus Lírio Ramalho Maria do Socorro Costa Martim Pavla Goulart Hunka e Silvana Praxedes de Paiva ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: ESTÁGIO DE CAMPO NA PRATICA ENSINO/PESQUISA AUTORES: Maria Francisca de Jesus Lírio Ramalho (prof. do Departamento de geografia Coord. do Laboratório de Geografia Física UFRN - fran@ufenet.br);

Leia mais

O município de Bela Vista de Goiás está situado na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaiba, e seus principais cursos d água são:

O município de Bela Vista de Goiás está situado na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaiba, e seus principais cursos d água são: 43 7 ASPECTOS AMBIENTAIS 7.1. Hidrografia Genericamente, as características fluviais do município podem ser definidas de forma simplificada: a drenagem apresenta-se com vales encaixados a montante, que

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

Falta de água e excesso de água

Falta de água e excesso de água Falta de água e excesso de água Quando era aluno na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, o professor doutor José Meiches era Secretário de Obras Públicas do Estado de São Paulo em seu primeiro

Leia mais