Aula 23: IMPERMEABILIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 23: IMPERMEABILIZAÇÃO"

Transcrição

1 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Aula 23: Conceituação e Classificação Profs. Fernando H. Sabbatini, Francisco F. Cardoso, Luiz Sergio Franco e Mercia M. B. Barros SISEMAS DE PROEÇÃO DO EDIFÍCIO "Sistemas que englobam os elementos destinados a garantir as funções do edifício ao longo do tempo, frente à ação dos agentes agressivos" SISEMAS DE PROEÇÃO DO EDIFÍCIO De proteção contra a ação da água (impermeabilização) De proteção contra a ação da temperatura e de ruídos (Isolamento térmico e acústico) De proteção contra intrusão De proteção contra incêndio De proteção contra descargas atmosféricas SISEMAS DE Conjunto de produtos e serviços destinados à conferir estanqueidade a partes de uma construção. NBR 9575:2003 1

2 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II ESANQUEIDADE Propriedade de um elemento (ou de um conjunto de componentes) de impedir a penetração ou passagem de fluídos através de si. A sua determinação está associada a uma pressão limite de utilização (a que relaciona-se com as condições de exposição do elemento). NBR 9575:2003 IMPERMEABILIDADE Propriedade de um produto de ser impermeável. A sua determinação está associada a uma pressão limite convencionada em ensaios específicos. IMPERMEÁVEL Produto (material ou componente) impenetrável por fluídos. NBR 9575:2003 Conjunto de operações e técnicas construtivas (serviços) que objetivam proteger as construções contra a ação deletéria de fluídos, vapores e da umidade O produto (conjunto de componentes ou o elemento) resultante destes serviços. Geralmente a impermeabilização é composta de um conjunto de camadas com funções específicas. O PRINCIPAL FLUÍDO AUANE É A ÁGUA, CUJA SOLICIAÇÃO PODE SE DAR DE FORMAS DISINAS: ÁGUA DE PERCOLAÇÃO (EX:CHUVA, LAVAGEM) UMIDADE DE SOLO (ÁGUA CAPILAR) ÁGUA SOB PRESSÃO (UNILAERAL OU BILAERAL) PAREDES, COBERURAS, PISOS FUNDAÇÕES, CORINAS, PISOS SOBRE SOLO PISCINAS E RESERVAÓRIOS NBR 9575:2003 ÁGUA DE CONDENSAÇÃO SUPERFÍCIES EXPOSAS AO VAPOR E AO FRIO 2

3 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II FORMAS DE PROEGER Evitar contato com o elemento Permitir o contato, impedindo a penetração da água Evitar contato com o elemento Detalhes construtivos de fachadas Afastar a água Rebaixamento de lençol freático Uso de barreira dupla SParedes e esquadrias duplas SBlocos vazados Coberturas inclinadas Sistemas para impedir o contato da água Sistemas para impedir o contato da água Paredes duplas Drenos Paredes duplas Drenos 3

4 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Sistemas para impedir o contato da água Sistemas para impedir o contato da água Membrana polimérica Paredes duplas Drenos Sistemas para impedir o contato da água Drenos: tubo coletor PROEGER DA PENERAÇÃO Projeto específico Empresa especializada 4

5 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II PAPEL DA ENGENHARIA Escolher o sistema mais adequado a cada caso Selecionar os materiais adequados a cada sistema Contratar a empresa fornecedora dos materiais e serviços a partir de uma análise técnica PAPEL DA ENGENHARIA Controlar a execução Identificar e solucionar as interferências com outros subsistemas e serviços UM SISEMA DE GENÉRICO SISEMA DE GENÉRICO BASE: responsabilidade na definição de algumas das exigências do sistema de impermeabilização, em função de: Grau de fissuração Deformabilidade devida a cargas Movimentação térmica 5

6 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II CAMADAS DE UM SISEMA DE CAMADAS DE UM SISEMA DE CAMADA DE REGULARIZAÇÃO: camada com as funções de: regularizar o substrato, proporcionando uma superfície uniforme de apoio adequado à camada impermeável; fornecer à camada impermeável uma certa declividade (MÍNIMO 1%) quando esta for necessária. (NBR 9575) CAMADAS DE UM SISEMA DE CAMADAS DE UM SISEMA DE CAMADA IMPERMEÁVEL Camada com a função de prover uma barreira CONRA A PASSAGEM DE FLUÍDOS. (NBR 9575) 6

7 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II CAMADAS DE UM SISEMA DE CAMADAS DE UM SISEMA DE CAMADA SEPARADORA: camada com a função de evitar a aderência de outros materiais sobre a camada impermeável (NBR 9575) Geralmente: Papel Kraft betumado Lâmina plástica pré-formada CAMADAS DE UM SISEMA DE CAMADAS DE UM SISEMA DE PROEÇÃO MECÂNICA: camada com a função de absorver e dissipar os esforços atuantes por sobre a camada impermeável, de modo a protegê-la contra a ação deletérias destes esforços (NBR 9575). 7

8 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II CAMADAS DE UM SISEMA DE CAMADAS DE UM SISEMA DE DE PROEÇÃO ÉRMICA: Camada com a função de reduzir o gradiente de temperatura atuante sobre a camada impermeável, de modo a protegê-la contra os efeitos danosos da temperatura. PARES DO SISEMA DE PARES DO SISEMA DE CAMADA DE BERÇO : Camada com a função de apoio e proteção da camada impermeável contra agressões provenientes do substrato CAMADA DE AMORECIMENO: Mesma função da camada de proteção mecânica, mas utilizada em conjunto com a camada de berço 8

9 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II CLASSIFICAÇÃO DOS SISEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DOS SISEMAS DE RÍGIDOS Baixa capacidade de absorver deformações da base (principalmente deformações concentradas em fissuras e trincas) FLEXÍVEIS Suportam deformações da base com amplitudes variáveis (em função do sistema de impermeabilização), inclusive em fissuras e trincas sem reforços reforçados (com materiais resistentes á tração) RÍGIDOS CONCREO IMPERMEÁVEL Com aditivos impermeabilizantes Sem aditivos ARGAMASSA IMPERMEÁVEL Argamassa com hidrofugantes Argamassas poliméricas (aditivadas com polímeros) CIMENOS POLIMÉRICOS E CRISALIZANES Cimentos impermeabilizantes e polímeros Cimentos impermeabilizantes e líquidos seladores Bloqueadores hidráulicos CLASSIFICAÇÃO DOS SISEMAS DE Nas impermeabilizações RÍGIDAS a camada estanque é aplicada diretamente sobre a base e geralmente sem outras camadas complementares Argamassa polimérica de base acrílica 9

10 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II CLASSIFICAÇÃO DOS SISEMAS DE FLEXÍVEIS MEMBRANAS (moldadas no local) asfálticas poliméricas elastoméricas (ex: neoprene; hypalon) acrílicas MANAS (pré-formadas) asfálticas poliméricas elastoméricas (ex: butílicas; EPDM) plásticas (ex: PVC; PEAD) CLASSIFICAÇÃO DOS SISEMAS DE FLEXÍVEIS MEMBRANAS (moldadas no local) Asfálticas a quente (com asfalto oxidado) a frio (emulsão asfáltica) Solução asfáltica modificada com polímeros (geralmente a frio) Membrana asfáltica (à quente, reforçada) com feltro asfáltico Membrana asfáltica (a frio, reforçada) com véu (de fibra de vidro) 10

11 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II CLASSIFICAÇÃO DOS SISEMAS DE Membrana acrílica com adição de cimento (reforçada com tela de poliester) MAI (membrana acrílica impermeável) FLEXÍVEIS MEMBRANAS (moldadas no local) Acrílicas sem adição de cimento com adição de cimento (MAI) MAI - membrana acrílica impermeável CLASSIFICAÇÃO DOS SISEMAS DE FLEXÍVEIS MANAS (pré-moldadas) Asfálticas 11

12 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Manta asfáltica (4 mm, com maçarico) CLASSIFICAÇÃO DOS SISEMAS DE FLEXÍVEIS MANAS (pré-moldadas) Poliméricas EPDM (borracha de) PRINCIPAIS APLICAÇÕES FUNDAÇÕES E CORINAS Membranas e mantas asfálticas Membranas poliméricas Impermeabilizações rígidas PRINCIPAIS APLICAÇÕES CAIXAS D ÁGUA E PISCINAS Impermeabilizações rígidas (exceto caixas d água elevadas) Mantas poliméricas Mantas asfálticas (exceto para caixas d água potáveis) 12

13 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II PRINCIPAIS APLICAÇÕES COBERURAS E ÁREAS EXERNAS Mantas e membranas asfálticas Mantas e membranas poliméricas PRINCIPAIS APLICAÇÕES ÁREAS INERNAS DE EDIFÍCIOS Membranas poliméricas e asfálticas Mantas asfálticas Argamassas poliméricas COMO ESCOLHER O SISEMA DE? REQUISIOS E CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO REQUISIOS E CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO CARACE- RÍSICAS DOS SISEMAS PRESSÃO HIDROSÁICA FREQÜÊNCIA DA UMIDADE EXPOSIÇÃO AO SOL EXPOSIÇÃO A CARGAS MOVIMENAÇÃO DA BASE FISSURAÇÃO DA BASE EXENSÃO DA APLICAÇÃO COMPLEXIDADE DA SUP. INCLINAÇÃO DA SUP. INERF. COM INSALAÇÕES CUSOS DURABILIDADE ESPESSURA CONFIABILIDADE 13

14 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II CARACERÍSICAS DOS SISEMAS CUSO INICIAL VIDA ÚIL E GARANIAS RESISÊNCIA MECÂNICA RESISÊNCIA À INEMPÉRIES FLEXIBILIDADE (capacidade de absorver deformações) FORMA DE APLICAÇÃO POSSIBILIDADE DE REPARO EXERCÍCIO: CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO DA No mercado de construção existem vários sistemas de impermeabilização com características bastante distintas. Para a escolha adequada do melhor sistema para cada situação, devemos analisar as condições nas quais estes sistemas poderão ser aplicados, para então escolher o sistema que permitirá atender a estas exigências. EXERCÍCIO: CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO DA Assim, estabeleça uma classificação e dê notas quantitativas (de 0 a 4) segundo os critérios apresentados na tabela no verso da folha 14 EXEMPLO DE CRIÉRIO 1. Freqüência de ocorrência e pressão de água Acesso de água com baixa freqüência e sem pressão (p. ex.: cozinha, varanda) Acesso de água com freqüência e baixa pressão (p. ex. box do banheiro, cobertura plana) Acesso de água contínuo e alta pressão (estrutura enterrada abaixo do nível do lençol, reservatórios, piscinas) 1 2 3

15 PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Para as seguintes situações Para as seguintes situações 1. Caixa d água, em concreto armado, de edifício residencial enterrada; 2. Piscina de edifício residencial, sobre laje em concreto armado; 3. Cobertura de edifício industrial, no qual funciona uma fábrica de componentes eletrônicos, em estrutura pré-fabricada de concreto protendido com vigas W ; 4. Piso do 3º subsolo de edifício comercial, com lençol freático alto; 5. Laje em balanço das varandas de um edifício de alto padrão no Morumbi; 6. Banheiro de 3 m2 sobre laje, de um edifício em alvenaria estrutural, de padrão médio; Para as seguintes situações Para as seguintes situações 7. Laje mista de cobertura de um edifício habitacional de 6 pavimentos em cidade da região metropolitana de São Paulo; 8. Cozinha de edifício em edifício habitacional de padrão médio, com estrutura convencional (laje de 10 cm); 9. Laje da periferia de edifício habitacional de padrão médio, com acesso a veículos; Floreiras nas varandas de edifício habitacional de alto padrão; 11.Paredes do embasamento de um edifício em alvenaria estrutura de blocos de concreto construído no litoral 12.Cobertura do edifício da Engenharia Civil- Parabolóide e grelha invertida;

Aula 24: IMPERMEABILIZAÇÃO SISTEMAS E EXECUÇÃO

Aula 24: IMPERMEABILIZAÇÃO SISTEMAS E EXECUÇÃO PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II SISEMAS

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO. Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

IMPERMEABILIZAÇÃO. Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br Impermeabilização Ministério da Educação 15:02 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) IMPERMEABILIZAÇÃO Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

IMPERMEABILIZAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II IMPERMEABILIZAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Conjunto de produtos e serviços destinados a conferir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini Impermeabilidade das construções Impedir a passagem indesejável água, fluído e vapores Pode conter

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

Soluções Técnicas em Construção

Soluções Técnicas em Construção Betumanta E Composto de asfalto elastomerico (S.B.S.), reforçado por um filme de polietileno de alta densidade com 50 micra de espessura. Esse produto foi desenvolvido para ser aplicado à maçarico. O produto

Leia mais

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO Porque Impermeabilizar? O que leva construtoras, construtores, proprietários de imóveis, etc... a procura de impermeabilizantes? De cada 10 pessoas que procuram produtos

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L.

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L. Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Impermeabilização Prof. André L. Gamino Normalização ABNT: Termos Gerais NBR 9575 (2010): Impermeabilização

Leia mais

Execução de projetos com vista à impermeabilização

Execução de projetos com vista à impermeabilização Execução de projetos com vista à impermeabilização O arquiteto e o engenheiro, ao realizar um projeto para qualquer tipo de construção, devem preocupar-se com os problemas de impermeabilização já durante

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Conceitos importantes UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Angelo Just da Costa e Silva Materiais betuminosos Impermeabilização Betume: aglomerante orgânico obtido por processo industrial (resíduo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia: Impermeabilização X Umidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia: Impermeabilização X Umidade UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia: Impermeabilização X Umidade Impermeabilidade das construções Impedir a passagem indesejável água, fluído e

Leia mais

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance.

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance. ATENDEMOS: Aterros Sanitários Bacias de Contenção de Dejetos Box / Banheiros Box / Banheiros Sistema Drywall Espelhos D' água Estações de Tratamento de Água Estações de Tratamento de Efluentes Floreiras

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES 200888 Técnicas das Construções I UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 5 o Impermeabilização é a proteção das construções contra

Leia mais

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) ANA LUIZA ALVES DE OLIVEIRA (2) (1) Professora UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduanda em Engenharia

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES INTRODUÇÃO 2. A IMPORTÂNCIA DA IMPERMEABILIZAÇÃO

IMPERMEABILIZAÇÕES INTRODUÇÃO 2. A IMPORTÂNCIA DA IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZAÇÕES INTRODUÇÃO A umidade sempre foi uma preocupação para o homem desde o tempo em que habitava as cavernas. O homem primitivo passou a se refugiar em cavernas para proteger das chuvas, animais,

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas Ficha Técnica de Produto Versão 20-08-2015 Viaplus 7000 1 /5 Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, flexível,

Leia mais

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo.

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. 85.(STM/CESPE/2011) A taipa de mão é, tradicionalmente, fabricada por meio de processos artesanais ou com forte

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO e ISOLAMENTO

IMPERMEABILIZAÇÃO e ISOLAMENTO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Riograndense Curso Técnico em Edificações Prof. Carlos Francisco Oliveira Plá IMPERMEABILIZAÇÃO e ISOLAMENTO 1. INTRODUÇÃO A umidade sempre foi uma

Leia mais

Universidade Católica de Pernambuco. Departamento de Engenharia Civil APOSTILA RESUMO. Prof. Angelo Just da Costa e Silva (MSc.)

Universidade Católica de Pernambuco. Departamento de Engenharia Civil APOSTILA RESUMO. Prof. Angelo Just da Costa e Silva (MSc.) Universidade Católica de Pernambuco Departamento de Engenharia Civil APOSTILA RESUMO Prof. Angelo Just da Costa e Silva (MSc.) Recife, 2004 Índice 1. IMPERMEABILIZAÇÃO... 3 1.1. Materiais betuminosos...3

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL! Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL! Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza EXERCÍCIO IMPERMEABILIZAÇÃO A seguir está modificado um

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Rogério Ferrarezi Busch

Leia mais

Em toda construção o natural é ter técnica.

Em toda construção o natural é ter técnica. Em toda construção o natural é ter técnica. A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras,

Leia mais

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa;

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa; VIAPLUS 7000-FIBRAS 1. Descrição Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Descrição VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente ao concreto, à alvenaria e à argamassa. VEDATOP não é tinta de acabamento,

Leia mais

MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade.

MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade. Data da última revisão: 03/2011 DEFINIÇÃO MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade. MANTA POLIMÉRICA é fácil

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

membrana impermeabilizante

membrana impermeabilizante 01 Descrição: votomassa é uma impermeável flexível e antifissura resistente a cargas, que dispensa o uso de telas, para aplicação em diversos substratos. 02 Classificação técnica: ANTES Hydro Ban votomassa

Leia mais

Resinas e. impermeabilizantes

Resinas e. impermeabilizantes Resinas e impermeabilizantes 02923 Flexível 360GR Cinza UNIT. É um adesivo selante, de alta flexibilidade e alongamento, formulado a partir de resinas elastoméricas de poliuretano, que sela a penetração

Leia mais

DRENAGEM E IMPERMEABILIZAÇÃO DE CAVES

DRENAGEM E IMPERMEABILIZAÇÃO DE CAVES DRENAGEM E IMPERMEABILIZAÇÃO DE CAVES Autor: Eng.º Daniel Matias Coordenação: Prof. F. A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Prof. Pedro Vaz Paulo e Prof. João Pedro Correia 1/60 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO DECivil

Leia mais

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação.

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Descrição VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Pode ser aplicado sobre concreto, alvenaria e argamassa. VEDAJÁ proporciona impermeabilidade, mesmo com a ocorrência

Leia mais

Sistema de Impermeabilização (Membrana)

Sistema de Impermeabilização (Membrana) Sistema de Impermeabilização (Membrana) MI - Membrana Impermeável Locais de Aplicação: Lajes, piscinas, banheiros, cozinhas, caixas d água, reservatórios, baldrames, calhas, muros de arrimo, alvenaria,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

MÉTODOS EXECUTIVOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO COMERCIAL DE GRANDE PORTE

MÉTODOS EXECUTIVOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO COMERCIAL DE GRANDE PORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Escola Politécnica Curso de Engenharia Civil Departamento de Construção Civil MÉTODOS EXECUTIVOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO COMERCIAL DE GRANDE PORTE

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

13 o Encontro Técnico DER-PR

13 o Encontro Técnico DER-PR 13 o Encontro Técnico DER-PR Imprimaduras Impermeabilizante e Ligante Osvaldo Tuchumantel Jr. Imprimadura ato ou efe ito de imprima r Impermeabilizante - Aplicação uniforme de material betuminoso sobre

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

SANEAMENTO AMBIENTAL SANEAMENTO AMBIENTAL. ETA Pirapama PE

SANEAMENTO AMBIENTAL SANEAMENTO AMBIENTAL. ETA Pirapama PE SANEAMENTO AMBIENTAL SANEAMENTO AMBIENTAL ETA Pirapama PE 202.000 m² de área impermeabilizada, de importância estratégica para milhões de pessoas. Escolha produtos Viapol e garanta a proteção e durabilidade

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte X Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

PONDERAÇÕES PARA PROJETOS E INSTALAÇÕES. IMPERMEABILIZAÇÃO E REVESTIMENTOS NAS EDIFICAÇÕES

PONDERAÇÕES PARA PROJETOS E INSTALAÇÕES. IMPERMEABILIZAÇÃO E REVESTIMENTOS NAS EDIFICAÇÕES PONDERAÇÕES PARA PROJETOS E INSTALAÇÕES. IMPERMEABILIZAÇÃO E REVESTIMENTOS NAS EDIFICAÇÕES EXPLICAÇÕES A MEDITAR DE MODO GERAL. -Objetivando um bom desempenho e perfeito trabalho de execução das obras

Leia mais

Severino Felix de Oliveira Neto. Impermeabilização de Reservatórios d água - Estudo de Caso

Severino Felix de Oliveira Neto. Impermeabilização de Reservatórios d água - Estudo de Caso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Severino Felix de Oliveira Neto Impermeabilização de Reservatórios d água - Estudo de Caso Trabalho apresentado

Leia mais

Valores em Reais. Preço Unit. (Mat.+MO) Preço Parcial 1.0 EDIFÍCIO SEDE

Valores em Reais. Preço Unit. (Mat.+MO) Preço Parcial 1.0 EDIFÍCIO SEDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Coordenação-Geral de Recursos Logísticos Coordenação de Obras e Suporte Técnico Divisão de Engenharia PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES NOTAS DE AULAS TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO COLATINA-ES 2010 Tecnologia das construções Prof. Dorival Rosa Brito 1 1.Introdução 2.Classificação das impermeabilização

Leia mais

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura MASSA LISA Massa extra-lisa para revestimento de paredes e tetos. Substitui a massa corrida e o gesso, reduzindo o uso de lixas. Sem desperdício e de rápida aplicação; Reduz o uso de lixas; Aplicação sobre

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CONCRETO ARMADO: Apenas

Leia mais

Memorial Descritivo Condomínio Residencial Renascer

Memorial Descritivo Condomínio Residencial Renascer Memorial Descritivo Memorial Descritivo Condomínio Residencial Renascer Um novo tempo. Sua nova vida. Incorporação e Construção: JDC Engenharia Ltda Empreendimento: Construção de 2 torres residenciais,

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL. Impermeabilização e

CONSTRUÇÃO CIVIL. Impermeabilização e CONSTRUÇÃO CIVIL Impermeabilização Impermeabilização e e Injeção Injeção PROJETO E EXECUÇÃO DE IMPERMEABILIZAÇÃO EM PISCINAS COM MEMBRANA DE POLIURETANO PALESTRANTE: ENG. PAULO ROBERTO FERRAZ DATA: 14/10/2015

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Construção Civil Linha PVC

Construção Civil Linha PVC Construção Civil Linha PVC Correr Abertura de 2 a 6 folhas que se movimentam mediante deslizamento horizontal. De fácil manuseio, podendo ser utilizada com persiana e tela mosquiteira. Permite ventilação

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

1. NORMAS DE PROJETO E ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS E SISTEMAS CONSTRUTIVOS 1.1. NORMAS QUE INCIDEM SOBRE O PROJETO DE ARQUITETURA

1. NORMAS DE PROJETO E ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS E SISTEMAS CONSTRUTIVOS 1.1. NORMAS QUE INCIDEM SOBRE O PROJETO DE ARQUITETURA NORMAS TÉCNICAS E QUE INCIDEM SOBRE ESPECIFICAÇÃO 1 DE 15 DESCRIÇÃO 1. NORMAS DE E ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS E SISTEMAS CONSTRUTIVOS 1.1. NORMAS QUE INCIDEM SOBRE O DE ARQUITETURA 1.1.1. Projeto de arquitetura

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes Estruturas de Saneamento Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes SUMÁRIO Zentrifix Elastic pág. 7-8 MC-RIM pág. 9-10 Xypex pág. 11-12 MC-DUR 1100 Diffusion

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO

CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO MANUAL CONSTRUTIVO Recomendações Técnicas 1/6 1.CARACTERIZAÇÃO E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS O sistema construtivo utilizado para construção de casas

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 09

MÉTODO EXECUTIVO ME 09 Objetivo: FOLHA 1 de 7 O método tem como objetivo detalhar o processo de proteção estanque para piscina, utilizando membrana polimérica, de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por conseqüência

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

Aula 4 : Desenho de Estruturas

Aula 4 : Desenho de Estruturas Aula 4 : Desenho de Estruturas Índice: UNIDADE 4 DESENHO DE ESTRUTURAS 4.1 Introdução; Fundações: - São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses Produto VEDAPREN é uma manta líquida, de base asfalto e aplicação a frio, pronta para uso e moldada no local. Cobre a estrutura com uma proteção impermeável. Apresenta ótimas características de elasticidade

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas de Manta de PVC Soluções completas para impermeabilização A MC-BAUCHEMIE apresenta ao mercado da construção um

Leia mais

QUE DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS AMBIENTES INTERNOS QUE CONTROLAM A PASSAGEM DE AGENTES ATUANTES.

QUE DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS AMBIENTES INTERNOS QUE CONTROLAM A PASSAGEM DE AGENTES ATUANTES. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 2 VEDAÇÕES VERTICAIS: CONCEITOS BÁSICOS ALVENARIAS: CARACTERÍSTICAS E PROJETO Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica

Leia mais

PROJETO DE SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇAO DE UMA LAJE DE COBERTURA

PROJETO DE SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇAO DE UMA LAJE DE COBERTURA 1 PROJETO DE SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇAO DE UMA LAJE DE COBERTURA Helio Felizardo (1), Prof. Dr. Eng. Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) eng.hf@hotmail.com, (2) fep@unesc.net

Leia mais

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para edificações Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loft A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Lajes armadas

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO MATERIAIS, PROCEDIMENTOS E DESEMPENHO

IMPERMEABILIZAÇÃO MATERIAIS, PROCEDIMENTOS E DESEMPENHO i LUCIANO SOARES LUCAS DE MELLO IMPERMEABILIZAÇÃO MATERIAIS, PROCEDIMENTOS E DESEMPENHO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Leonardo de Carvalho

Leia mais

Prof. Marcos Valin Jr. Por quê Impermeabilização. www.mvalin.com.br 1

Prof. Marcos Valin Jr. Por quê Impermeabilização. www.mvalin.com.br 1 Por quê Impermeabilizar www.mvalin.com.br 1 www.mvalin.com.br 2 www.mvalin.com.br 3 O concreto e as argamassas utilizadas nos revestimentos possuem poros, trincas epequenas fissuras, na maioria das vezes

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS Julio Cesar Sabadini de Souza Escola Politécnica da USP - Av. Prof. Almeida Prado, Trav. 2, nº 271 - PCC CEP

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

comercial@ecofirma.com.br

comercial@ecofirma.com.br Sede Av. Atlântica, 1021 Sala 2 - Jardim Atlântico Florianópolis/SC CEP: 88095-701. tel. (48) 3346-7070 comercial@ecofirma.com.br www.ecofirma.com.br/ 1 RESUMO: 1 - IMPERMEABILIZAÇÃO / REABILITAÇÃO DE

Leia mais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho Perícias judiciais IBAPE SP - AGOSTO 2011 1 NORMAS TÉCNICAS Zona de fronteira Direito Engenharia 2 Norma de Desempenho

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO VERCELLI RESIDENCIAL

MEMORIAL DESCRITIVO VERCELLI RESIDENCIAL MEMORIAL DESCRITIVO VERCELLI RESIDENCIAL Rua Firmino Toreli, 171 Torres-RS 1. LOCALIZAÇÃO: O empreendimento localiza-se à Rua Firmino toreli 171, Torres/RS. 2. INFORMAÇÕES GERAIS: O empreendimento será

Leia mais

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA Adesivo acrílico em emulsão aquosa PROPRIEDADES DA ARGAMASSA Excelente plasticidade Boa impermeabilidade Minimiza retração após secagem A mistura permanece homogênea,

Leia mais

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação PCC-2435 ecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES AULAS 5 e 6 DEPARAMENO DE ENGENHARIA DE CONSRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - ecnologia da Construção de Edifícios I Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M.

Leia mais

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO.

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. Flávia Previatto Baldini; Anderson Mendes de Oliveira; José Leonel Alves dos Santos. Sika Química Ltda. Rodovia Marechal Rondon,

Leia mais

As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: - acessíveis a veículos (ligeiros ou pesados);

As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: - acessíveis a veículos (ligeiros ou pesados); 9. COBERTURAS DE EDIFÍCIOS 9.1. CLASSIFICAÇÃO DAS COBERTURAS EM TERRAÇO As coberturas planas podem ser classificadas, segundo vários aspectos: quanto à acessibilidade - não acessíveis (à excepção de trabalhos

Leia mais