PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA"

Transcrição

1 Unidades UBS Ponta da Lama UBS Três Vendas UBS Saturino Braga UBS Baixa Grande UBS Murundu UBS Serrinha UBS Lagoa das Pedras UBS Morangaba UBS Mata da Cruz UBS Poço Gordo UBS Alair Ferreira UBS Lebret UBS Ips UBS Ponta Grossa Localização Bairro Ponta da Lama Rod. Campos-Itaperuna Av. Alair Ferreira Estr. do Açúcar Rua Ponte s/n Rod. BR-101 R2 s/n Rua Principal s/n Rua Augusto Oliveira Rua Vicente Lima Av. Francisco Lamêgo s/n Rua Municipal Rua dos Goytacazes Rua João Cabral Neto Tabela Unidade Básica de Saúde UBS no município de Campos dos Goytacazes por localização. Fonte: TabNet DATASUS. A estrutura turística de Campos dos Goytacazes contabiliza cerca de quarenta e nove estabelecimentos hoteleiros, de acordo com dados do Sebrae/RJ, nos estudos socioeconômicos realizados para o ano de O município de Campos dos Goytacazes conta com a Casa de Cultura Villa Maria, sendo um órgão cultural da UENF Universidade Estadual do Norte Fluminense se localiza na região central do município, a Casa de Cultura é imbuída de fonoteca, sala de leitura, videoteca mais o centro de internet comunitária Villa Livre. Há também no município órgãos e entidades beneficentes, que são: Associação Beneficente ao Pé da Cruz Associação Mão Amiga Apoio a Pessoas com Câncer Associação de Pais Amigos dos Excepcionais Associação de Proteção e Orientação aos Excepcionais Associação Beneficente Maria Auxilio dos Cristãos Casa da Criança Educandário Para Cegos Liga Espírita de Campos Obra Social São Geraldo Patronato São José Sociedade Beneficente Maçônica José do Patrocínio 70

2 3.5 SANEAMENTO O Saneamento Básico é peça fundamental na infraestrutura da sociedade, trazendo salubridade e qualidade de vida à população, quando atende de forma plena a sociedade como um todo. Para garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem e manejo de águas pluviais urbanas foi estabelecida a Lei n , que trata das Diretrizes Nacionais do Saneamento Básico e assegura a implementação dos serviços. O município de Campos dos Goytacazes conta com dispositivos legais que tratam sobre os serviços de saneamento básico e visa à preservação dos recursos, logo a qualidade de vida de seus habitantes. Dados do Censo IBGE mostraram que em 1991, 64,5% dos domicílios permanentes possuíam saneamento adequado, tendo este percentual aumentado para 67,0% no ano de O índice de atendimento com rede de esgoto no município de Campos dos Goytacazes, de acordo com dados do SNIS (2010), mostra que 60,2% da população total tem acesso a rede de esgoto. Ainda, de acordo com dados do DATASUS, Campos dos Goytacazes, no ano de 1991, o percentual de instalações sanitárias com fossa rudimentar era de 40,5%, sendo o de rede geral ou de esgoto pluvial apenas 25,9%. No ano de 2000, o índice de instalações do tipo fossa rudimentar caiu para 30,7% e o de rede geral de esgotos passou para 33,4%. O abastecimento de água tratada e coleta de esgoto em Campos dos Goytacazes até a década de 90 era bastante precário. A água oferecida não era de boa qualidade e 100% do esgoto coletado era lançado nos rios, canais e lagoas, gerando grande impacto ambiental. As melhorias deste setor surgiram a partir de 1997 com a concessão do sistema de água e esgoto a iniciativa privada. Na figura abaixo, observa-se que dez do quatorze distritos do município de Campos dos Goytacazes, praticamente não tem esgotamento sanitário, apresentando menos de 5% dos seus domicílios ligados à rede geral. 71

3 Tabela Porcentagem de Domicílios Ligados à Rede de Esgoto/Pluvial. Fonte: Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes. O Sistema de Abastecimento de Água do município de Campos dos Goytacazes é representado pela figura 3.5.1, que expõe os índices de atendimento á população por porcentagens a cada localidade, ao analisar o mapa constata-se que a maioria no território do município tem atendimento de 0 a 20% e 20 a 60%, as áreas que possuem maior capacidade de atendimento se configuram na malha urbana de Campos dos Goytacazes ou mesmo nos distritos de Ibitioca, Tocos, São Sebastião, Mussurepe e Santo Amaro. A coleta de esgoto em Campos dos Goytacazes, exposto na figura 3.5.2, registra índices concentrados, em termos espaciais, limitando-se principalmente ao distritosede e suas proximidades, enquanto que o restante do município, incluindo os demais distritos de Campos dos Goytacazes possuem índices carentes relativos à coleta de esgoto. No que diz à coleta de resíduos sólidos urbanos, o município de Campos dos Goytacazes registra índices razoáveis, boa parte do território possui 40 a 100% de coleta de resíduos sólidos urbanos, as áreas com baixas porcentagens se concentram a sul e noroeste de Campos dos Goytacazes. 72

4 Figura Mapa do Município de Campos dos Goytacazes % Abastecimento de Água. Fonte: DRZ. 73

5 Figura Mapa do Município de Campos dos Goytacazes % Coleta de Esgoto. Fonte: DRZ. 74

6 Figura Mapa do Município de Campos dos Goytacazes % Coleta de RSU. Fonte: DRZ 75

7 3.6. SAÚDE A falta de investimentos no setor do saneamento tem acarretado altos gastos em saúde pública, diminuindo a qualidade de vida da população campista. A figura abaixo mostra os custos estimados nos tratamento das doenças encontradas no município, por falta de saneamento. Campos dos Goytacazes apresenta os seguintes indicadores de saúde: Gráfico Valor Estimado do Tratamento de Pacientes. Fonte: DATASUS - Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde Natalidade (2010) Mortalidade Infantil (X/1.000) (2010) Morbidade (2010) Fecundidade (2010) nascidos vivos Tabela Dados Epidemiológicos do Município de Campos dos Goytacazes. Fonte: DATASUS - Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde Aspectos Epidemiológicos Segre (1997) define saúde como [...] não apenas a ausência de doença, mas como a situação de perfeito bem-estar físico, mental e social. E ainda, a Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) define o termo saúde pública como [...] Ações coletivas e individuais, tanto do Estado como da Sociedade Civil, voltadas à melhoria da saúde da população. Isso ultrapassa a noção de saúde como um bem público com altas externalidades. A partir disso, pode-se afirmar que a saúde está totalmente ligada ao termo saúde pública, sendo estes fatores diretamente vinculados ao saneamento, através do qual 76

8 busca-se alcançar níveis crescentes de salubridade ambiental. A falta de saneamento e todo o conjunto de ações que este traz, implica inúmeras consequências, dentre elas, a contaminação da população por vetores resultantes da falta de saneamento básico e/ou existência precária, que traz consigo um grande risco a saúde pública. Os resíduos sólidos são, dentre vastos fatores, um dos principais causadores da proliferação de doenças infecciosas, e é uma das principais características da falta de saneamento e higiene. Neste sentido torna-se de extrema importância a análise minuciosa de cada doença derivada da falta de saneamento básico, desde os modos de transmissão até as formas de proliferação e técnicas de controle. Para a geração de um diagnóstico da saúde é importante espacializar as principais doenças relacionadas ao saneamento e que assolam países em desenvolvimento como o Brasil. Dentre as principais doenças relacionadas com os resíduos sólidos, na Tabela (Barros, 1995) explicitam os vetores, as formas de transmissão e principais doenças relacionadas ao mau manejo ou falta deste em relação ao lixo. Ratos Moscas Mosquitos Baratas Suínos Vetores Formas de Transmissão Principais Doenças - através da mordida, urina e fezes; - através da pulga que vive no corpo do rato; - por via mecânica (através das asas, patas e corpo); - através das fezes e saliva; - através da picada da fêmea; - por via mecânica (através das asas, patas e corpo) e pelas fezes; - pela ingestão de carne contaminada - peste bubônica; - tifo murino; - leptospirose; - febre tifóide; - salmonelose; - cólera; - amebíase; - desinteria; - giardíase; - malária; - leishmaniose; - febre amarela; - dengue; - filariose; - febre tifóide; - cólera; - giardíase; - cisticercose; - toxoplasmose; - triquinelose; - teníase; Aves - através das fezes - toxoplasmose. Tabela Doenças relacionadas com o lixo. Fonte: Escola de Engenharia da UFMG,

9 Grupo de Doenças Transmitidas pela via feco-oral (alimentos controlados por fezes) Controladas pela higienização (associadas ao abastecimento insuficientes de água) Associadas a água (uma parte do ciclo da vida do agente infeccioso ocorre em um animal aquático) Transmitidas por vetores que se relacionam com a água Formas de Transmissão O organismo patogênico (agente causador da doença) é ingerido A falta de água e a higiene pessoal insuficiente criam condições favoráveis para a sua disseminação. O patogênico penetra pela pele ou é ingerido As doenças são propagadas por insetos que nascem na água ou picam perto dela Tabela Doenças relacionadas com a água. Principais Doenças - diarréias e desinterias, como a cólera e a giardíase; - febre tifóide e paratifóide; - leptospirose; - amebíase; - hepatite infecciosa; - ascaridíase (lombriga) - infecção na pele e óleos, como tracoma e o tifo relacionado com piolhos e a escabiose. - esquistossomose - malária; - febre amarela; - dengue; - filariose (elefantíase) Formas de Prevenção - proteger e tratar as águas de abastecimento e evitar o uso de fontes contaminadas; - fornecer água em quantidade adequada e promover higiene pessoal, domestica e dos alimentos; - fornecer água em quantidade adequada e promover higiene pessoal e domestica; - evitar o contato de pessoas com águas infectadas; - proteger mananciais; - adotar medidas adequadas para a deposição de esgotos; - combater o hospedeiro intermediário; - combater os insetos transmissores; - eliminar condições que possam favorecer criadouros; - evitar contato com criadouro; - utilizar meios de produção individual. Fonte: BARROS, R.T. de V. et. al., As doenças infecciosas têm sido associadas com menores níveis socioeconômicos da população, aferidos, por exemplo, através de indicadores de pobreza. Menores níveis de renda e escolaridade, habitações precárias, abastecimento de água e coleta de esgoto inapropriados, não são responsáveis pela ocorrência direta destas doenças, mas favorecem alguns determinantes. O baixo peso ao nascer, por exemplo, resultante da pobreza da mãe, que não teve assistência adequada durante a gravidez e um estado nutricional propício, é um fator de risco para a morbimortalidade durante a infância. Sistemas de abastecimento d água e esgotamento sanitário inadequados em domicílios com elevada densidade de moradores, favorecem maior contaminação do ambiente e conduzem a ocorrência de 78

10 diarréias nas crianças, agravada pelo prévio estado nutricional débil (FUCHS, VICTORIA e FACHEL, 1996). Com relação às Doenças Relacionadas ao Saneamento Ambiental Inadequado DRSAI, Um relatório do Unicef e da OMS aponta a diarreia como sendo a segunda maior causa de mortes em crianças menores de 5 anos de idade. Estima-se que 1,5 milhões de crianças nesta idade morram a cada ano vítimas de doenças diarreicas, sobretudo em países em desenvolvimento, em grande parte devido a falta de saneamento, bem como a subnutrição e uma saúde mais débil (UNICEF & WHO, 2009). No Brasil, as diarreias representam mais de 80% das doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado (DRSAI). Possuem etiologias diversas, o que faz a determinação das suas causas ser uma tarefa complexa, sendo evidente o papel da melhoria das condições de saneamento na redução destes agravos. As doenças diarreicas consideradas foram: cólera, shiguelose, amebíase, infecções por salmonella, infecções intestinais bacterianas, doenças intestinais por protozoários, infecções intestinais virais, diarreia e gastroenterite de origem infecciosa presumível. O indicador Internação hospitalar por doenças diarreicas em crianças, que expressa a proporção das internações por diarreias em crianças menores de 5 anos em relação ao número total de internações por diarreia, apresenta o nível de exposição das crianças desta faixa etária a este tipo de doenças. Considerando a média das cidades analisadas, mais da metade dos casos de internação hospitalar por diarreia ocorre em menores de 5 anos (54% em 2007 e 58% em 2008), o que mostra a susceptibilidade desta parcela da população. A seguir serão apresentados alguns dados referentes ao município de Campos dos Goytacazes: 79

11 PADRÕES MUNICÍPIO Taxa de Internação* Hospitalar por Diarreia nos municípios brasileiros com mais de habitantes Padrões de Comportamento da Serie Histórica Queda Campos dos 170,5 136,5 146,9 140,6 131,4 131,5 Oscilante Goytacazes Posição no Ranking da Taxa de Internação Hospitalar por Diarreia 14º Campos dos Goytacazes Morbidade por Diarreia em Crianças Menores de Cinco Anos de Idade Município Número de Internações por Diarreia de Crianças Menores de 5 anos de idade Ranking Participação das Internações de Crianças no Total das Internações por Diarreia (%)* Campos dos Goytacazes , Posição no Ranking da Taxa de Mortalidade dos Municípios Brasileiros 14º Campos dos Goytacazes Taxa de Letalidade por Diarreia dos municípios brasileiros número de óbitos por diarreia/n.º de internações por diarreia *100 Oscilante Campos dos 0,14 0,87 0,48 0,83 1,25 0,35 Goytacazes Posição no Ranking da Taxa de Letalidade dos Municípios Brasileiros 14º Campos dos Goytacazes Custo Total* das Internações Hospitalares por Diarreia por Habitantes Estado / Município Valor Total de Internação (R$) por 100 mil habitantes Rio de Janeiro / Campos dos Goytacazes Posição no Ranking dos Custos Totais de Internação Hospitalar por Doenças Diarreicas nos Municípios Brasileiros 14º Campos dos Goytacazes Participação Percentual do Gasto com Internações por Diarreia no Gasto com Internação por DRSAI Doenças Relacionadas ao Saneamento Ambiental Inadequado Campos dos Goytacazes 64,2 90,3 90,8 89,2 63,8 28,9 Tabela Doenças apresentadas em Campos dos Goytacazes em 2011 e Fonte: elaborados com base nos dados do Ministério da saúde, DATASUS. 80

12 4. DIAGNÓSTICO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO 81

13 4.1 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA O abastecimento de água, dentro dos limites do perímetro urbano e em suas áreas contínuas do município de Campos dos Goytacazes, é de responsabilidade da empresa privada Águas do Paraíba S/A, através de Contrato de Concessão que teve seu início em 16/09/1999, com vencimento previsto para 30/09/2038. Na zona rural, o abastecimento de agua também é realizado pelo Município, seja através de poços ou fontes drenadas, ou ainda de forma coletiva e nesse caso, estão organizados sob a forma de associações, onde as comunidades são as administradoras dos Sistemas, bem como das soluções e alternativas a serem tomadas, com apoio da Administração Municipal. O município de Campos dos Goytacazes contratou através de licitação uma empresa para prestar serviço de implantação, ampliação, manutenção e operação dos sistemas de tratamento e distribuição de água em 45 sistemas nos distritos, assim distribuídos: ITEM LOCALIDADE VAZÃO (M³/H) DISTRITO DE SANTA MARIA 01 Mata da Cruz 8,10 02 Palmares 18,00 DISTRITO DE MORRO DO COCO 03 Seis Marias 18,00 DISTRITO DE VILA NOVA 04 Barro Vermelho 9,50 05 Morro da Parabólica 27,00 DISTRITO DE TRAVESSÃO 06 Matutu 9,00 07 São Diogo 3,60 08 Guandú 13,50 09 Brejo Grande 6,80 11 Ribeiro do Amaro 9,00 12 Balança Rangel 10,40 13 Caxias de B. Rangel Caxeta de Santa Ana 20,30 15 Mundeus 4,50 16 Fazenda Colégio 4,50 DISTRITO DE GUARUS 17 Minha Deusa 4,50 DISTRITO DE CAMPOS 18 Santa Cruz 13,50 19 e 20 Carvão I e II 38,30 21 Fazendinha 9,90 22 Usina São João 11,30 DISTRITO DE GOYTACAZES 23 Veiga 18,70 24 Campo Limpo 18,00 25 Paus Amarelo 6,80 26 Mussurepe / Coqueiro / São Bento 9,00 DISTRITO IBITIOCA 27 Pedra Negra 6,80 29 Pernanbuca 2,30 30 São Bento / Lagoa de Cima 3,90 DISTRITO DE MORANGABA 82

14 31 e 32 Conceição do Imbé e Aleluia 5,90 DISTRITO DE SÃO SEBASTIÃO 33 Alto do Elizeu 6,80 34 Lago do Garcia 6,80 35 Beira do Tai 6,80 36 Campo Novo 27,00 37 Venda Nova 22,50 38 Balança do Jai 15,80 DISTRITO DE DORES DE MACABU 28 e 29 Ponta da Lama e Posto Flexa 68,00 10 e 40 Quilombo e Santa Ana 23,90 DISTRITO DE SANTO AMARO 41 Terminal Pesqueiro 4,50 42 Caboio 6,80 ETA 43 Martins Lage ETA 33,80 44 Correnteza ETA 22,50 45 Marcelo ETA 15,80 Tabela Sistema de Água Potável no Município de Campos dos Goytacazes Fonte: PMCG/

15 Figura Mapa do Município de Campos dos Goytacazes Localidades. Fonte: DRZ. 84

16 4.1.1 Informações Gerais As características sobre os mananciais de abastecimento de água para o município de Campos dos Goytacazes são relevantes, pois sem as mesmas não é possível que se realize a captação de água, etapa essencial para todo o procedimento de abastecimento de água no município. Segue abaixo as principais características dos mananciais de Campos dos Goytacazes. Rio Itabapoana: Localizado no norte do município, tem largura média de 56 metros. Passa pelo município entre as coordenadas UTM 24S ,764 m E ,478 m S e ,768 m E ,464 m S. As cabeceiras do Rio Itabapoana localizam-se na Serra do Caparaó. Formado pelo encontro do Rio Preto com o Rio São João, na divisa dos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. A partir daí, se estende por aproximadamente 250 km, servindo de limite entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro até desaguar no Oceano Atlântico, próximo à cidade de São Francisco de Itabapoana. Rio Preto: Localiza-se no distrito de Morangaba, tem sua foz no rio Ururaí. Sua nascente está nas coordenadas UTM 24S ,8 m E ,42 m S e a foz nas coordenadas ,101 m E ,857 m S. Possui largura média de 5 metros. Lagoa Feia: é a terceira maior lagoa de água doce do Brasil, está localizada na divisa dos municípios de Campos dos Goytacazes e Quissamã no estado do Rio de Janeiro. É alimentada principalmente pelo Rio Macabu, que deságua a noroeste, e pelo rio Ururaí, que desagua ao norte, sendo este o principal abastecedor dulcícula (de água doce). Ambos estão completamente retificados no seu trecho próximo à Lagoa Feia, sendo suas águas muito consumidas na irrigação. Rio Paraíba do Sul: Atravessa o município e a área urbana de Campos dos Goytacazes, passa por este entre as coordenadas UTM 24S ,962 m E ,311 m S e ,734 m E ,926 m S. O rio possui uma extensão total de aproximadamente 1150 km e o comprimento que passa pelo município é próximo de 52 quilômetros, com largura média de 550 metros. O Rio Paraíba do Sul é a principal fonte de abastecimento de água no Estado do Rio de Janeiro, são trinta e sete municípios que fazem parte da Bacia Hidrográfica, o rio se estende por grande parte do território, são aproximadamente doze milhões de pessoas abastecidas pelo Rio Paraíba do 85

17 Sul, incluindo a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, que mesmo fora do perímetro de abrangência da Bacia Hidrográfica, é servida pela mesma através da captação do Rio Paraíba do Sul. Ao longo de seu percurso o rio Paraíba do Sul passa por diversas fontes de poluição, em áreas rurais e urbanas, sejam domiciliares, industriais, agropecuárias, etc., e quando suas águas chegam ao município de Campos dos Goytacazes, por estar relativamente próximo de sua foz, é de se esperar que sua qualidade seja comprometida e relativamente degradada. Lagoa de Cima: Situa-se na parte oeste de Campos, mede cerca de 15 km² de área, 18 km de circunferência e profundidade média de 4 metros. É formada pelos rios Urubu e Morto, cujas nascentes localizam-se na APA do Imbé e o escoadouro das águas pelo Rio Ururaí. Com a construção de um Iate Clube, em sua margem, houve um surto de construções de casas populares, atraídas pelas oportunidades de empregos nas propriedades marginais e no próprio Iate Clube.Com todo o desenvolvimento, o local vem sofrendo profunda ação de degradação. A Lagoa de Cima, por possuir características diferenciadas dos outros corpos hídricos da região, vem sendo colocada nos últimos anos como grande opção turística para os campistas e moradores de outros municípios próximos. A lagoa, em toda sua extensão, vem sofrendo ação antrópica, promovida pelo uso desordenado dos seus recursos. A política de desenvolvimento turístico, não está sendo acompanhada de uma infraestrutura e conscientização ambiental capaz de manter esse ecossistema equilibrado. Com três acessos, dois pela BR 101, no sentido Rio de Janeiro, e um sentido no sentido Campos - São Fidelis percebe-se que a degradação começa pelos morros que se situam em volta da lagoa, o plantio de cana de açúcar, seguida de desmatamento que vem se agravando, já que existem várias nascentes nessa região. Outro fator degradante são os detritos, que vão de produtos alimentícios a resíduos de material de construção, deixados pelos turistas e moradores, e as ocupações irregulares no entorno das suas margens, já que o local é área estadual de preservação ambiental e deveria ter uma faixa limite para construções de casas e outros tipos de edificações. Rio Muriaé: O Rio Muriaé nasce na Serra das Perobas, no Município de Miraí, Estado de Minas Gerais, pela confluência de dois ribeirões: Samambaia e o Bonsucesso, sua extensão é de aproximadamente 295 km. Passa pela parte oeste do município, percorrendo neste uma extensão 86

18 aproximada de 17 km, com largura média de 100 metros. Está degradado em virtude dos tipos de uso que são feitos na beira de suas margens e na sua bacia hidrográfica. Canal das Flechas: O Canal das Flexas, ou simplesmente Furado, é um canal artificial que serve como principal sangradouro da Lagoa Feia no mar. Possui cerca de 17 km de extensão no município e largura entre 100 e 120 m. Inicia-se no lado sudeste da Lagoa Feia (coordenadas UTM 24S ,831 m E ,756 m S), seguindo na direção sudeste confrontando com o limite municipal nas coordenadas UTM 24S ,942 m E ,322 m S. Percorre hoje uma extensa área rural utilizada para pecuária de corte bovino e plantação de cana, nas quais se podem perceber os antigos canais naturais que atuavam como sangradouros da Lagoa Feia. Há várias lagoas conectadas com a Lagoa Feia, entre as quais se destacam: Ao norte; lagoas do Jesus, Cacumanga, Piabanha, Olhos d Água, Sussunga e Tambor, a lagoa de Cima (que alimenta o rio Ururaí); Ao sul; a lagoa de Dentro e o rio Iguaçu (que é, na realidade, uma lagoa estreita e comprida); Leste; as lagoas Abobreira, Coqueiros, Goiaba, Salgada, Baixio, Capim e Martinho; Oeste; as lagoas da Ribeira e do Luciano. Em 50 anos, a lagoa teve seu espelho d água reduzido de 370 km² para os atuais 170 a 200 km². Que resulta numa perda de cerca de 50%. Na área urbana do município de Campos dos Goytacazes, o despejo de esgotos domésticos e efluentes industriais é reunido no chamado Canal da Cula ou Grande Canal, que é uma parte do secular canal Macaé-Campos. As águas poluídas seguem pelo canal Macaé-Campos e pelo canal dos Tocos, que por sua vez deságua na Lagoa do Jacaré que se comunica com a Lagoa Feia. As principais atividades econômicas desenvolvidas na bacia são: exploração de petróleo e gás, atividades sucroalcooleiras, comércio e serviços, cerâmica, fruticultura, agropecuária, laticínios e mineração. Muitos investimentos são esperados para a região, principalmente devido à construção do Complexo Portuário do Açu no município de São João da Barra. Segundo o Censo 2010 realizado pelo IBGE, dos domicílios do Município, são abastecidos por rede geral de água e por poços ou nascente com canalização em pelo menos um dos cômodos. 87

19 Já a Pesquisa Nacional de Saneamento Básico também do IBGE, indica que o volume total de água distribuída é de m 3 /dia, m³ de água são distribuídos diariamente via tratamento convencional, sendo que o volume de abastecimento de água tratada distribuída por dia, para simples desinfecção e cloração é de m 3 /dia. Segundo dados do SNIS 2010, o índice de atendimento com rede de abastecimento de água chegou a 77,37% da população total, sendo 89,23% o correspondente à população urbana do município. Já o consumo médio de água per capita foi de 120,5 l/hab.dia e o índice de perdas na distribuição de 26,1%. O município também apresentou ligações ativas e economias residenciais ativas. Segundo a concessionária Águas do Paraíba no ano de 2012 o município apresentou ligações ativas e consumo médio de 151,5 l/hab. dia, sendo que o atendimento segundo a companhia chega a 99,1% de área atendida. Segue abaixo, nas figuras 4.1.2, e os mapas que representam o Sistema de Abastecimento de Água de Campos dos Goytacazes, incluindo a área de abrangência, rede de abastecimento e a localização das Estações de Tratamento de Água ETAs. 88

20 Figura Mapa do Município de Campos dos Goytacazes Abrangência do SAA. Fonte: DRZ. 89

21 Figura Mapa do Município de Campos dos Goytacazes Rede de Abastecimento de Água. Fonte: DRZ. 90

22 Figura Mapa do Município de Campos dos Goytacazes ETAs/Centros Operacionais. Fonte: DRZ. 91

23 4.1.2 Características Gerais Sobre a Concessionária dos Serviços A concessionária de Águas do Paraíba atua no município de Campos dos Goytacazes desde o ano de 1999, seu contrato com a prefeitura municipal tem a duração até setembro de A concessionária Águas do Paraíba é responsável pelos serviços de água e esgoto de Campos dos Goytacazes, desde A empresa tem o compromisso de universalização do saneamento. Para isso já foram investidos mais de R$ 120 milhões de reais. E outros R$ 100 milhões de reais começam a ser aplicados a partir de Águas do Paraíba é uma concessionária do Grupo Águas do Brasil, formado pelas empresas: Developer S.A., Queiroz Galvão Participações-Concessões S.A., Trana Construções Ltda., e Construtora Cowan S.A. O Grupo Águas do Brasil está presente em diversos municípios, nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo. No Rio de Janeiro, opera em Petrópolis e Nova Friburgo, na Região Serrana; em Niterói, entre a Baía de Guanabara e a Região Oceânica; em Araruama, Saquarema e Silva Jardim, na Região dos Lagos; em Resende, no sul do Estado, e em Campos dos Goytacazes, no norte, ambas às margens do rio Paraíba do Sul. O contrato da concessionária Águas do Paraíba com Campos dos Goytacazes prevê a concessão em caráter de exclusividade da gestão integrada dos sistemas e serviços de saneamento básico de água e de esgoto, incluindo operação, conservação, manutenção, modernização, ampliação, exploração e cobrança direta aos usuários dos serviços. O prazo de concessão vai até 2038, este prazo, por acordo entre as partes, poderá ser prorrogado, mediante termo aditivo desde que a concessionária se manifeste, expressamente, com antecedência mínima conforme contrato. Em termos de deveres com serviços à população, a concessionária tem a obrigação de executar e realizar projetos e estudos, direta ou indiretamente, assim como obras acessórias ou complementares aos serviços satisfatórios, os problemas de saneamento básico no município, obedecendo às prioridades previamente definidas de comum acordo entre a concessionária e município e a comunidade. O município de Campos dos Goytacazes para atender os distritos, contratou uma empresa através de licitação, em regime de empreitada para prestação de serviço de implantação, ampliação, manutenção e operação dos sistemas de tratamento e distribuição de águas de 45 sistemas localizados em diversos distritos, atendendo uma população de aproximadamente habitantes. 92

24 Figura Dados da ANA sobre o Abastecimento Urbano de Água em Campos dos Goytacazes. Fonte: Agência Nacional de Águas. A figura expõe o quadro sobre o abastecimento de água no município, onde a Companhia Águas do Paraíba consta como prestador de serviços para Campos dos Goytacazes. De acordo com dados produzidos pela Agência Nacional de Águas ANA. O município possui cinco mananciais que abastecem a demanda existente, são eles o Rio Paraíba do Sul, Poços Campos dos Goytacazes, Rio Itabapoana, Rio Preto e Lagoa Feia. O cenário elaborado para o ano de 2015 prevê que a demanda urbana de Campos dos Goytacazes será equivalente a litros/segundo. 93

25 4.1.3 Poder Regulatório Dentre as formas de exercer a regulação do Sistema de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário, destacam-se a agências reguladoras, no caso do Estado do Rio de Janeiro, a AGENERSA Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Rio de Janeiro. A função da AGENERSA é a de exercer o poder regulatório, realizando o acompanhamento, controle e fiscalização as concessões e permissões de serviços públicos concedidos em energia e saneamento básico. Os serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e drenagem e manejo de águas pluviais urbana, no município de Campos dos Goytacazes são regulados pela Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Rio de Janeiro, tendo relação direta no que diz a gestão de serviços de Saneamento Básico através da prestadora de serviços, Águas do Paraíba, vigente em Campos dos Goytacazes desde o ano de Criada através da Lei Estadual n 4556/05 de seis de junho de 2005 e regulamentada pelo Decreto Estadual de oito de dezembro de 2005, vinculando-se à Secretaria de Estado da Casa Civil, conforme Decreto Estadual n de primeiro de janeiro de A Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Rio de Janeiro tem como áreas de atuação: - Energia do Estado do Rio de Janeiro, questões correspondentes á distribuição de gás canalizado e outras formas de energia. - Serviços de esgotamento sanitário, questões relativas á indústria e abastecimento de água e coleta e disposição de resíduos sólidos, executados por empresas outorgadas, concessionárias e permissionárias, também por serviços autônomos do referente município. Os Atos Internos, na AGENERSA, são Atos Administrativos, portanto manifestações unilaterais de vontade que visam disciplinar o funcionamento da Administração Pública e alcançam efeitos, tais como: adquirir, resguardar, transferir, modificar, extinguir e declarar direitos, ou impor obrigações, para com os administrados ou a si própria. Incidindo tanto internamente, quanto externamente sobre direitos, obrigações, negócios ou condutas perante a Administração, esses Atos Internos só entram em vigor ou execução depois de divulgados pela Agência, dado o interesse do público do seu conhecimento. São espécies de Atos Internos praticados na AGENERSA: - Resoluções: são atos administrativos normativos expedidos pelo Presidente da AGENERSA para administrar matéria de sua competência específica. 94

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição UFPI CT DRHGA DISCIPLINA: Saneamento II Carga horária: horas 6 créditos Horário: Seguas, quartas e sextas 6: 8: horas Local: Sala 55 Professores: Carlos Ernao da Silva email: carlosernao@gmail.com 88 Página:

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Figura 2. Evolução da População Urbana no Brasil. 1940 2000. Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 1940, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000. In.

Figura 2. Evolução da População Urbana no Brasil. 1940 2000. Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 1940, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000. In. UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Uso e Ocupação do Solo

Leia mais

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde!

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde! Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE Saneamento é saúde! Ordem na casa! Proteger o meio ambiente é dever de todos. E começar pelo saneamento pode ser uma boa alternativa Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade )

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade ) 3.2 UBÁ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul O sistema de abastecimento de água de Ubá é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA,

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Saneamento Básico COMPLEXO ARAUCÁRIA

Saneamento Básico COMPLEXO ARAUCÁRIA Saneamento Básico COMPLEXO ARAUCÁRIA Olá, caros Alunos, Na aula de hoje, vamos aprender mais sobre o Saneamento Básico, Um novo projeto desenvolvido aqui em nosso Município, chamado COMPLEXO ARAUCÁRIA

Leia mais

BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DO SANEAMENTO BÁSICO PARA O MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ

BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DO SANEAMENTO BÁSICO PARA O MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DO SANEAMENTO BÁSICO PARA O MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ FABRICIO BARROS PESSANHA (UCAM) fabriciobarrospessanha@bol.com.br KARLA SUELEN CORDEIRO ALVES (UCAM) karlasuelenalves@hotmail.com

Leia mais

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA Jaqueline Maria Soares (1) Engenheira Sanitarista pela Universidade Federal do Pará - UFPA. Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças

ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças Profa. Eliane Carneiro Gomes Disciplina

Leia mais

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Universidade Federal de Pelotas Dept de Veterinária Preventiva Faculdade de Veterinária Disciplina de Saneamento Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Prof.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS DE DESINFECÇÃO DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DESTINADAS AO CONSUMO HUMANO Rogério Alves Barbosa Abril de 2004. 1 Objetivo Visando

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Sistemas de abastecimento de água do da Cidade do Rio de Janeiro, com ênfase no GUANDU.

Sistemas de abastecimento de água do da Cidade do Rio de Janeiro, com ênfase no GUANDU. Sistemas de abastecimento de água do da Cidade do Rio de Janeiro, com ênfase no GUANDU. 23 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO (Grande Rio) Pequenos Mananciais 1 m³/s Sistema Acari 3,8 m³/s Sistema

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

Empresa Pública Municipal de Saneamento

Empresa Pública Municipal de Saneamento Empresa Pública Municipal de Saneamento MARÇO 2014 SANEAMENTO AMBIENTAL: Conjunto de ações sócio - econômicas que tem o objetivo alcançar níveis crescentes de salubridade ambiental, através dos seguintes

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

Apresentação da Metodologia da Conferência

Apresentação da Metodologia da Conferência Apresentação da Metodologia da Conferência Objetivos das Conferências? são espaços de diálogo entre o governo e a população Instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA APRESENTAÇÃO

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O Plano Municipal de Saneamento Básico é um elemento fundamental para o planejamento de um município visando o desenvolvimento sustentável. É através do planejamento que se consegue diagnosticar

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

Poluição Hídrica e Qualidade de vida: O caso do saneamento básico no Brasil. Palavras-chave: Qualidade de vida, Saneamento básico e Poluição Hídrica

Poluição Hídrica e Qualidade de vida: O caso do saneamento básico no Brasil. Palavras-chave: Qualidade de vida, Saneamento básico e Poluição Hídrica Poluição Hídrica e Qualidade de vida: O caso do saneamento básico no Brasil Roberta Fernanda da Paz de Souza Aziz Galvão da Silva Junior Resumo: As condições de saneamento básico em que vive grande parte

Leia mais

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS Giovani Meira de Andrade (*), Jennifer Domeneghini 2, Alcindo Neckel 3, Aline Ferrão Custodio Passini 4, Andreia do Nascimento 5 * Faculdade

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga.

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga. SISTEMA BOTAFOGO INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1986 (1ª etapa) UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 17% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo Igarassu (parcialmente),

Leia mais

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA APRESENTAÇÃO

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O Plano Municipal de Saneamento Básico é um elemento fundamental para o planejamento de um município visando o desenvolvimento sustentável. É através do planejamento que se consegue diagnosticar

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

1 - Obras programadas

1 - Obras programadas 1 - Obras programadas 1.1 - Região Metropolitana Local: São Gonçalo Recuperação e melhoria na ETE São Gonçalo II com intervenções que visam: otimizar o processo de tratamento, bem como revisão dos equipamentos

Leia mais

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator 3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator primordial para o desenvolvimento do turismo sustentável.

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI 427 SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI Daiane dos Santos Esquevani¹, Camila Augusta Florindo¹, Mayara Pissutti Albano² Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso

Leia mais

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA APRESENTAÇÃO

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O Plano Municipal de Saneamento Básico é um elemento fundamental para o planejamento de um município visando o desenvolvimento sustentável. É através do planejamento que se consegue diagnosticar

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

Saneamento Básico, Dignidade da Pessoa Humana e Realização dos Valores Fundamentais

Saneamento Básico, Dignidade da Pessoa Humana e Realização dos Valores Fundamentais 38 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Saneamento Básico, Dignidade da Pessoa Humana e Realização dos Valores Fundamentais João Batista Damasceno 1 RESUMO Nosso trabalho busca analisar as disposições

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível ambiente natural, bem como induzir condições em um determinado curso ou corpo de água, direta

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO 1. INTRODUÇÃO O Plano Municipal de Saneamento de Patos de Minas abrange a sede municipal, os distritos de Areado, Santana de Patos, Pindaíbas, Bom Sucesso de Patos, Major

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Manutenção e Operacionalização da Administração SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover o SAAE de recursos materiais e humanos para o bom desenvolvimento

Leia mais

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Universidade Mackenzie Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental S. Paulo, fevereiro 2014 Conceitos Sistema

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA 01. Objeto TERMO DE REFERÊNCIA O presente PMI visa orientar a apresentação de interessados na estruturação de Projetos de Implantação, Expansão, Restauração e Operação do Sistema de Abastecimento de Água

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS Drenagem de Bacias SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 035 Garantir a captação e drenagem das bacias hidrográficas; Eliminar pontos de alagamento junto a córregos e canais; Proteger as margens

Leia mais

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires A construção da saúde pelo saneamento dos municípios Eng Civil Henrique Pires 2011 O Homem e a água uma longa história Os primeiros poços, chafarizes, barragens e aquedutos foram construídos no Egito,

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento

Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento M. A. Braghiroli a, M. B. dos Santos b, D. Brega Filho c a. Sabesp, São Paulo,

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE Julho/2015 Antônio Elisandro de Oliveira Diretor-Geral do Dmae PORTO ALEGRE -RS População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj

baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj índice Histórico recente dos projetos Vetores de degradação e seus impactos econômicos e sociais Diagnóstico da situação atual

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco 5 A água no Planeta Terra A água tem uma enorme importância para

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA

INSTITUTO DE ENGENHARIA INSTITUTO DE ENGENHARIA DISCUSSÕES INTERNAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL E FUTURA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA MACROMETRÓPOLE PAULISTA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES. AGOSTO 2014 RECURSOS HIDRICOS PARA A MACROMETROPOLE

Leia mais

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA Evaristo C. Rezende dos Santos 2 José Almir R. Pereira 1 Lindemberg Lima Fernandes 2 Rui Guilherme

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO

A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO Lia Mônica de Oliveira Aluna do Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental/UNIPLI e funcionária da FUNASA. E-mail: sandramarins7@yahoo.com.br

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Consumo de Água DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Sistema de Abastecimento de Água

Leia mais