1. INTRODUÇÃO - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. INTRODUÇÃO - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO"

Transcrição

1 SRVIÇOS LTDA LUCNA MMORIAL DSCRITIVO DAS INSTALAÇÕS HIDRÁULICAS PARA ÁGUA FRIA, SGOTO SANITÁRIO COMBAT A INCÊNDIO. 1. INTRODUÇÃO - IDNTIFICAÇÃO DO PROJTO OBRA: UNIDAD INTGRADA SSI-SNAI DO JURUÁ LOCAL: RUA AFONSO PNA, CNTRO C. DO SUL / ACR ÁRA D CONSTRUÇÃO: 2.239,50 m² ALTURA DA DIFICAÇÃO: 0.50 m AO PISO HABITÁVL PROPRITÁRIO: SSI-SNAI AUTOR DO PROJTO: F. A.LUCNA, NGNHIRO CIVIL, CRA 2639 /D-AC RSPONSÁVL TÉCNICO: F. A. LUCNA, NGNHIRO CIVIL, CRA 2639 /D-AC. 2. OBJTIVO O presente Memorial destina-se a apresentar os princípios básicos e as normas de apoio que nortearam o desenvolvimento do projeto executivo das instalações hidráulicas, sanitárias e combate a incêndios da Unidade Integrada SSI-SNAI do Juruá em Cruzeiro do Sul no stado do Acre As soluções técnicas apresentadas estão todas indicadas nas pranchas de desenho, as quais se junta o presente memorial, que procura tão somente apontar de onde nasceram tais soluções, referentes aos seguintes sistemas: 1 - Sistema de água fria; 2 - Sistema de esgoto sanitário; 3 - Sistema de combate à incêndios; 3. NORMAS TÉCNICAS D APOIO RGULAMNTO O projeto que ora se apresenta foi desenvolvido com base nas seguintes normas e regulamentos: 3.1. Normas Técnicas NBR Tubos de aço carbono aptos para rosca NBR-6414, para usos comuns na condução de fluídos; NBR Tubos de PVC rígido para adutores e redes de água; NBR Tubo de concreto simples de seção circular; NBR Água tratada ou não para o consumo público - condições de potabilidade;

2 SRVIÇOS LTDA LUCNA NBR-7229/93 Construção e instalação de fossas sépticas e disposições dos efluentes finais; NBR Tubo médio e pesado de cobre, sem costura, para condução de água; NBR Tampões e Grelhas de Ferro Fundido Dúctil; NBR Tubos e Conexões de Ferro Fundido para sgoto e Ventilação; XTINTORS NBR xtintores de Incêndio Classe A - nsaios em engradados de madeira NBR xtintores de Incêndio Classe B - nsaios de fogo em líquidos inflamáveis NBR xtintores de Incêndio com carga de pó NBR Sistema de Proteção por xtintores de Incêndio NBR Manutenção de Terceiro Nível- Vistorias em extintores de Incêndio GRAIS NBR Instalações Prediais de sgotos Sanitários NBR Instalações Prediais de Água Fria NBR Instalações Prediais de Águas Pluviais NBR Construção e Instalação de Tanques sépticos NBR Instalações létricas em Baixa Tensão NBR-5419/ Proteção Contra Descargas Atmosféricas 3.2. Regulamentos Gerais specificações Técnicas para instalações de proteção contra incêndios do Corpo de Bombeiros do stado do Acre e outras normas brasileiras aplicáveis ao projeto. Normas das concessionárias de Água e sgoto. Codigo de Obras Municipal. Condições e instruções dos respectivos fabricantes dos materiais e equipamentos.

3 SRVIÇOS LTDA LUCNA 4. MMORIAL DSCRITIVO Todos os materiais e serviços utilizados para execução deste projeto, deverão seguir as exigências específicas estabelecidas pelas Normas da "ABNT" (Associação Brasileira de Normas Técnicas) INSTALAÇÕS PRDIAIS D ÁGUA FRIA O projeto das instalações prediais de água-fria foi elaborado de modo a garantir o fornecimento de água de forma contínua, em quantidade suficiente, mantendo sua qualidade com pressões e velocidades adequadas ao perfeito funcionamento das peças de utilização e do sistema de tubulações, preservando o máximo conforto dos usuários, incluindo alimentação dos níveis de ruído Sistema O abastecimento será feito através da concessionária local para o reservatório inferior, e bombeado ao superior Sistema de distribuição Foi adotado o sistema indireto com recalque, em que a alimentação da rede de distribuição do edifício foi feita a partir do reservatório elevado para onde a água é recalcada por um sistema de bomba hidráulica do reservatório inferior. A partir do reservatório superior, a distribuição aos pontos de consumo será descendente por ação de forças hidrostáticas gravitacionais. O sistema de reserva foi dimensionado para uma população máxima possível na edificação e totaliza 45,00 m³. A reserva técnica de incêndio (15,00 m 3 ) será feita em reservatório semi enterrado Recalque O abastecimento do reservatório superior será feito por uma bomba centrífuga de acionamento automático, segundo um programa a ser estabelecido pelo responsável pelo imóvel. A bomba de recalque destinada ao reservatório de água potável têm vazão para atender o reservatório superior em 1 hora no máximo. A potencia será de 3/4 HP. Na bomba centrífugas, a sucção será em tubo de aço galvanizado a fogo com costura Norma NBR

4 SRVIÇOS LTDA LUCNA (M - Média espessura), da APOLO e conexões em ferro maleável galvanizado classe 10, rosca BSP da Tupy. Foram previstas uniões a montante e a jusante da bomba, bem como junto a válvulas e registros com o objetivo de facilitar para manutenção e substituição Dimensionamento da Instalação A rede foi projetada de modo que as pressões estáticas e dinâmicas em qualquer ponto não sejam inferiores a 5 kpa (0,5mca) e nem superiores a 400 kpa (40mca), a velocidade em qualquer trecho não ultrapasse a 2,5 m/s e a carga cinética correspondente não supere a dez vezes o diâmetro nominal do trecho considerado. O dimensionamento do barrilete e das colunas foi feito com base no método dos pesos, previsto na norma NBR-5626 da ABNT, de modo a garantir pressões dinâmicas adequadas nos pontos desfavoráveis da rede de distribuição e evitar que os pontos críticos das colunas possam operar com pressões negativas em seu interior. O dimensionamento do barrilete foi realizado tendo-se em conta a probabilidade de uso simultâneo dos diversos aparelhos sanitários e pontos de consumo nos períodos de pico de demanda considerados, de modo a garantir pressões dinâmicas adequadas nos pontos mais desfavoráveis da rede de distribuição nos horários de uso congestionado. Os ramais foram dimensionados levando-se em conta a condição de não simultaneamente de uso dos diversos aparelhos sanitários exceto para os chuveiros dos sanitários. O conjunto de recalque foi dimensionado de modo a ser estabelecido um compromisso econômico entre os diâmetros das tubulações de sucção e recalque e a potência da bomba, em função das vazões de distribuição.

5 SRVIÇOS LTDA LUCNA 5.2. INSTALAÇÕS PRDIAIS D SGOTOS SANITÁRIOS Foi previsto um sistema de ventilação para os trechos de esgoto primário provenientes de desconectores e despejos de vasos sanitários, a fim de evitar a ruptura dos fechos hídricos por aspiração ou compressão e também para que os gases emanados dos coletores sejam encaminhados para a atmosfera Sistema de Coleta de sgotos O sistema de coleta de esgoto atuará conjuntamente: esgoto primário (vasos sanitários) e esgoto secundário (demais aparelhos) as quais lançarão os efluentes até a caixa mais próxima. Após.esta caixa os sistemas se unificam na rede coletora interna provida de poços de visita até a fossa séptica com volume de 28,00 m³ Características da Instalação Procurou-se utilizar conexões entre os ramais de esgoto e os tubos de queda que permitam um escoamento com pouco turbilhonamento, evitando-se o afogamento do fluxo anular nesses pontos, o que provocaria sobre pressões e depressões internas indesejáveis e prejudiciais à integridade dos selos hídricos dos desconectores adjacentes. Foi previsto tubo de queda e caixa de gordura, separadamente, para os esgotamentos da cuba da copa e dos wcs. vitou-se a passagem de tubulações de esgoto em locais de difícil acesso para inspeção ou para desobstrução, bem como os locais que poderiam causar riscos à potabilidade da água de consumo humano. As tubulações, com diâmetros até 100 mm, serão em PVC série R, tendo as mesmas um traçado o mais retilíneo possível, sem grandes deflexões, com caimentos de acordo com os previstos pela Norma ABNT, sendo deixados pontos para possíveis acessos para desobstrução da rede, em caso de entupimento, locados em pontos estratégicos. As extremidades abertas dos tubos ventiladores foram projetadas de modo a emergirem, no mínimo 30 em acima da cobertura e deverão dispor de Terminal de Ventilação ou um terminal em Tê.

6 SRVIÇOS LTDA LUCNA Dimensionamento das Instalações O dimensionamento das instalações foi feito de acordo com os critérios fixados pela norma "NBR "Instalações Prediais de sgotos Sanitários", baseados num fator probabilístico numérico que representa a freqüência habitual de utilização, associada à vazão típica de cada uma das diferentes peças e aparelhos sanitários da instalação em funcionamento simultâneo na hora de contribuição máxima no hidrograma diário, conhecido como "unidade de descarga" (UHC - Unidade Hunter de Contribuição). Cada unidade de descarga corresponde ao despejo de um lavatório de residência equivalente à vazão de 28 litros por minuto. A vazão nos tubos de queda foi limitada de modo que, no máximo, 1/3 da secção seja preenchida durante o escoamento, a fim de se evitar ruídos provenientes de afogamentos. O dimensionamento desenvolveu-se de forma que os diâmetros não sejam descendentes no sentido do escoamento, adotando-se 100 mm como diâmetro mínimo nos trechos que receberão lançamentos provenientes de vasos sanitário. 5.3 INSTALAÇÕS D COMBAT A INCÊNDIOS Características da Obra Quanto à Natureza da Ocupação e ao Risco de Incêndio. Como a edificação em questão apresenta natureza de ocupação predominante do Forum pelos critérios de classificação da lista de ocupações da Tarifa de Seguro Incêndio no Brasil apresenta o equivalente ao risco "A" na classificação das especificações técnicas do Corpo de Bombeiros Sistema de Proteção por xtintores Quanto à natureza do fogo a extinguir, a edificação enquadrou-se na Classe B, caracterizada por fogo em materiais combustíveis comuns, tais como materiais celulósicos (madeira, tecido, algodão, papéis) onde o efeito de "resfriamento" por água ou soluções contendo água é de primordial importância, caracterizada por fogo em equipamento elétrico, onde a extinção deve ser realizada com material não condutor de corrente elétrica.

7 SRVIÇOS LTDA LUCNA m conseqüência, os tipos de extintores manuais adotados e suas respectivas capacidades nominais, equivalente a 1 unidade extintora cada, foi o seguinte: pó químico seco. O critério usado na determinação das quantidades foi baseado no conceito de unidade extintora, conforme a regulamentação do Corpo de Bombeiros, sendo que para a classe de risco em questão, cada unidade extintora deverá proteger uma área máxima de 250 metros quadrados. Nas áreas inferiores a 50 metros quadrados admitiu-se a existência de apenas uma unidade extintora. Os extintores foram dispostos, tanto quanto possível, eqüidistantes entre si e distantes de maneira tal que poderão ser alcançados de qualquer ponto da área protegida sem que haja necessidade de serem percorridos, pelo operador, mais de 25 metros, como decorrência do risco da área a proteger. Os extintores foram distribuídos racionalmente de modo a serem adequados à extinção dos tipos de incêndio, dentro de sua área de proteção. Foram consideradas unidades extintoras suplementares adequadas à natureza do incêndio, independentemente da proteção geral Sistema de Proteção por Hidrante Adotou-se o sistema de proteção com hidrantes internos e externos à edificação providos com mangueiras flexíveis e esguichos de jato sólido de modo que todos os pontos da edificação possam ser alcançados pela efetiva extensão da mangueira, limitada em 30 metros, no máximo da linha. sses hidrantes foram localizados na área de circulação dos riscos e pontos de acesso principais dos riscos isolados protegidos, a saber: nas proximidades das portas externas às áreas que se quer proteger, nas proximidades das escadas, nas saídas dos pavimentos elevados e nas proximidades das paredes externas ou de divisões internas dos ambientes, não distando, em qualquer caso, mais de 5 metros desses acessos. A reserva de incêndio, ou seja, o volume de água destinado exclusivamente para alimentação de sistema de proteção por hidrantes, ficará totalmente armazenada no reservatório superior. A capacidade de reserva de incêndio, função da área construída a proteger e do número total de hidrantes instalados no sistema suficiente para garantir o pleno suprimento de 03 hidrantes mais desfavoráveis, considerados em uso simultâneo, durante 30 minutos, intervalo de tempo determinado pelas normas do Corpo de Bombeiros do stado do Acre.

8 SRVIÇOS LTDA LUCNA O sistema de hidrante será abastecido por bomba, pois a condição de pressão mínima na ponta do requinte, 10 mca, não está sendo verificada somente por gravidade, fazendo-se necessário a colocação de uma bomba de pressurização, instalada na rede para pressurizar os hidrantes. Seu acionamento será através de botoeira. Foram previstas válvulas de retenção nas tubulações de recalque imediatamente após a bomba de modo a impedir o retorno de água pressurizada ao reservatório. Após a partida do motor, o funcionamento da bomba só poderá ser interrompido por intervenção manual, condicionando-se o conjunto a funcionar, em pleno regime, no maximo 30 segundos após a partida. A bomba de recalque da rede de hidrantes será utilizada exclusivamente para o combate a incêndio com funcionamento totalmente independente. Terá potencia de 7.00 HP. A rede de alimentação dos hidrantes, totalmente independente da rede de distribuição de água para consumo, foi dimensionada para atender ao funcionamento simultâneo dos hidrantes mais desfavoráveis, observando-se o diâmetro mínimo de75 mm (3"). Foi previsto o prolongamento da rede de incêndio até a entrada principal da edificação, cuja extremidade terminará num registro de recalque situado no passeio, em caixa apropriada. ste hidrante de passei é provido de um registro angular (igual ao empregado nos demais hidrantes) e uma expedição com tampão de engate rápido, todos com 63 mm de diâmetro e outra extremidade também provida de registro e conector Storz posicionada 70 cm acima do piso, com a finalidade de utilização da água do reservatório inferior de água potável para combate a incêndio. A rede de abastecimento será provida de válvula de retenção junto ao registro de recalque. O registro de recalque externo terá acesso exclusivo do Corpo de Bombeiros, permitindo a interligação de seus equipamentos com a rede predial de combate a incêndios, possibilitando o bombeamento de sua água para a rede de hidrantes. Por essa razão foi prevista a interposição de uma válvula de retenção à saída da linha adutora no reservatório elevado voltada para o mesmo sentido do escoamento de modo a fazer com que a água bombeada através do registro de recalque seja efetivamente transferida para os hidrantes.

9 SRVIÇOS LTDA LUCNA 6. SPCIFICAÇÕS GRAIS PARA XCUÇÃO A instalação das tubulações deverá ser procedida de acordo com as normas da ABNT para cada tipo particular de material empregado. A firma instaladora deverá providenciar a prévia montagem e colocação das tubulações antes da alvenaria, sempre que a estrutura de concreto, pelas suas características, assim o exigir. É vedada a concretagem de tubulações dentro de colunas, vigas, lajes, tirantes e demais elemento de concreto, aos quais fiquem solidários, sujeita às deformações próprias dessas estruturas ou prejudiciais pelos seus esforços. Quando houver necessidade imperiosa de passagem de tubulação por elementos estruturais, deverá ser previamente deixado um tubo com bitola superior à do tubo definitivo antes do lançamento do concreto, a título de camisa ou bainha, para que não fique solidário à estrutura. As passagens deverão ser executadas de modo a permitir fácil montagem e desmontagem das tubulações, em qualquer ocasião. Toda tubulação metálica enterrada, será feita a proteção contra corrosão através de primer asfáltico e fita Scotch Rap, ambos da (3M) e envelope de concreto 15 MPa. Será permitido o alojamento posterior de tubulações em reentrâncias, encaixes ou passagens de meio diâmetro (meia cana) projetados para esta finalidade desde que devidamente instaladas, permitindo fácil acesso para reparos. As tubulações embutidas em alvenaria serão fixadas pelo enchimento total do rasgo com argamassa de cimento e areia no traço 1 :3; as de diâmetro superior serão fixadas por meio de grapas de ferro redondo com diâmetro superior a 5 mm, em números e espaçamentos adequados para manter o tubo firmemente em seu local. Quando da instalação e durante a realização dos trabalhos de construção, os tubos deverão ser vedados com bujões ou tampões suas extremidades correspondentes aos aparelhos e pontos de consumo, para serem removidos quando de sua instalação, sendo vedado o uso de buchas de papel, pano ou madeira INSTALAÇÕS D ÁGUA FRIA Antes de se executar qualquer tipo de solda às extremidades do tubo de PVC deverão ter sido cortadas em seção reta (esquadro) ter suas rebarbas removidas com linha fina em meia cana e ter os furos escareados corretamente. Os testes de estanqueidade, conforme a NBR 5626 deverão ser efetuados antes do revestimento da alvenaria e pelo menos 24 horas depois do término do serviço. As superfícies a serem soldadas deverão ser previamente lixadas, removendo totalmente sujeiras, gorduras e óxidos existentes, que poderiam impedir a boa aderência da solda.

10 SRVIÇOS LTDA LUCNA Os reservatórios deverão ter suas paredes laterais, cobertura e fundo revestidos internamente com argamassa de cimento e areia de traço 1:3 com adição agente impermeabilizante adequado. O interior dos reservatórios deverá ter paredes lisas com cantos chanfrados por planos a 45 graus e largura mínima de 20 cm, tendo em vista impedir a deposição de resíduos e acumulação de limo, além de facilitar a limpeza. O fundo dos reservatórios deverá ter declividade mínima de 1:100 na direção da saída da água, para se evitar a decantação de substâncias sólidas eventualmente transportadas pelo alimentador predial. As tampas de inspeção do reservatório inferior deverão estar a pelo menos 20 cm acima do nível do piso circundante, cuja superfície externa deverá ser impermeabilizada e dotada de declividade mínima de 1 % nos sentidos das bordas, de modo que o reservatório inferior não sirva de ponto de drenagem nas águas residuais ou estagnadas em sua volta. A conexão das bombas hidráulicas aos motores elétricos, deverão ser cuidadosamente executadas, por meios de uniões flangeadas, estando as partes rigorosamente alinhadas, de modo a se evitar quaisquer excentricidades na coincidência dos eixos respectivos, o que acarretaria em redução do rendimento do conjunto e comprometimento da vida útil das partes móveis. O amortecedor de vibração deverá ser instalado a jusante das bombas de recalque por meio de flanges ou de roscas, não podendo ser comprimidos, estirados, torcidos ou flexionados quando de sua fixação, devendo trabalhar livres de quaisquer esforços advindos da tubulação, que para tanto deverá ser convenientemente ancorada logo após o amortecedor, no extremo oposto à fonte de vibração. A ancoragem não deverá ficar vinculada ao equipamento de recalque e nem a sua base. A tubulação de recalque deverá ser seccionada no comprimento exato para interposição do amortecedor, de acordo com seu diâmetro nominal, conforme orientação dos fabricantes TST D STANQUIDAD D ÁGUA FRIA Rara execução dos testes de estanqüeidade os trechos,a serem testados deverão estar tamponados e a tubulação e suas conexões estar expostas em toda a sua extensão, não devendo ter sido aplicada pintura ou qualquer forma de recobrimento, junto às conexões e válvulas e registros. Deverá ser aplicado o teste hidrostático através de bomba com reservatório de água, na temperatura ambiente, até que atinja a pressão de teste conforme abaixo:

11 SRVIÇOS LTDA LUCNA Aplicar uma pressão 50 % maior que máxima pressão estática de serviço indicada no Projeto ou Memorial Descritivo, não devendo porém a pressão de teste ser menor que 4 kgf / cm2. Após chegar a esta pressão a válvula esfera posicionada na saída da bomba deverá ser fechada, a sua alavanca ser travada e a bomba retirada do local. Feito isto, a pressão deverá ser mantida por 6 horas, devendo a linha ser percorrida neste período, por várias vezes, em busca de. pequenos vazamentos, se necessário com auxílio de lanterna. Verificar que o manômetro deverá ter certificado de aferição, com prazo de validade em dia, com as seguintes características: 7) Fundo de escala 7 Kgf / cm2 e diâmetro externo de 100 mm (4"). Preencher as Folhas de Testes de stanqüeidade, com as devidas assinaturas. A Construtora deverá inserir o seu logotipo e o da Instaladora. OBSRVAÇÕS: Para se evitar a formação de bolhas de ar, o processo de enchimento da rede deve ser lento. No ponto mais elevado do trecho a ser testado, recomenda-se deixar uma válvula esfera para controlar a saída do ar, que está contido na tubulação. Quando parar de sair borbulhas, fechar a válvula e iniciar a pressurização INSTALAÇÕS D SGOTO SANITÁRIOS Antes de se executar qualquer junta soldada, as extremidades dos tubos em PVC deverão ter sido cortadas em seção reta (esquadro) em morsa apropriada e apresentarem extremidades perfeitamente chanfradas em 15 graus numa extensão de 5 mm com uma lima, para facilitar o encaixe das partes removendo-se todas as rebarbas remanescentes dessa operação. As superfícies a serem soldadas deverão ser previamente limpas com estopa branca, lixadas com lixa número 100 até tirar todo o brilho original para aumentar a área de ataque do adesivo e receber um banho de solução limpadora para eliminação das impurezas e gorduras que poderiam impedir a ação do adesivo.

12 SRVIÇOS LTDA LUCNA As profundidades das bolsas deverão ter sido marcadas nas pontas dos tubos e o adesivo deverá ser aplicado, sem excesso, primeiro na bolsa e depois na ponta do tubo, perdendose imediatamente a montagem da junta pela introdução da ponta do tubo até o fundo da bolsa observando a posição da marca feita na ponta como guia. Antes de se executar qualquer junta elástica (ponta e bolsa com anel de borracha) as extremidades dos tubos em PVC deverão ter sido cortadas em seção reta (esquadro) em morsa apropriada e terem extremidades perfeitas chanfradas em 15 graus numa extensão de 5 mm com lima, para facilitar o encaixe, removendo-se todas as rebarbas existentes. As superfícies deverão ser previamente limpas com estopa branca, com especial cuidado na virola da bolsa, onde irá se alojar o anel de borracha. As profundidades das bolsas deverão ter sido marcadas nas pontas dos tubos, procedendo-se a imediata acomodação do anel de borracha na virola e aplicação de pasta lubrificante adequado, sendo vedada a utilização de óleos ou graxas que poderão atacar o anel. Nas conexões, as pontas deverão ser introduzidas até o fundo das bolsas. No caso de canalizações expostas, deve-se recuar 5 mm com a ponta após a introdução total e no caso de canalizações embutidas, o recuo deverá ser de 2 mm, tendo como referência a marca previamente feita na ponta do tubo. sta folga se faz necessária para possibilitar a dilatação e movimentação da junta. Quando enterradas as tubulações deverão ser assentadas em terreno resistente, em vala 0,30 m mais larga que o diâmetro do tubo, com fundo devidamente compactado ou apiloado ou lastro de concreto magro com 5 cm de espessura. O recobrimento mínimo da vala deverá ser 0,50m sob o leito de vias trafegáveis e 0,30m nos demais casos e seu reenchimento se fará em camadas sucessivas de 10 cm, bem apiloadas e molhadas e isentas de entulho, pedras, etc... As caixas de esgoto terão canaletas em meia-cana e fundo em cimento liso queimado. As tampas de esgoto terão isolamento/vedação contra saída de gases ou mau cheiro. Na ligação das tubulações de PVC com caixa de inspeção em alvenaria, deverá ser aplicado plástico adequado à superfície, iniciando em seguida a vedação da ligação com a caixa de inspeção.

13 SRVIÇOS LTDA LUCNA As tubulações deverão passar a pelo menos 10 cm de qualquer baldrame ou fundação, a fim de evitar a ação de recalques. As valas abertas no solo para assentamento de tubulações só poderão, ser fechadas após verificação pela fiscalização das condições das juntas, declividades, impermeabilizações, etc... O espaçamento máximo dos apoios, suportes ou braçadeiras em tubulações de esgotos horizontais nos trechos aparentes ou dentro de forros falsos deverá ser igual a 10 vezes o diâmetro da canalização, para tubos de queda essa distância é constante e igual a 2,0m. A execução da abertura de entradas em caixas sifonadas em PVC deverá ser feita com furadeira elétrica com broca de 6 mm, fazendo-se furo ao lado de furo ao longo de todo o contorno interno da entrada e.,rasgando as rebarbas remanescentes com linha cana ou rasqueta. Os tubos de queda em PVC Série R deverão ser executados exclusivamente com juntas elásticas, dada a considerável dilatação térmica a que estão sujeitos tendo em vista a sua extensão, de modo que não sofram danos causados pela movimentação da estrutura do prédio ou por outras solicitações mecânicas, com o devido ancoramento. Os tubos aparentes em locais sujeito a impactos deverão ser executados em ferro fundido. Nos pés de colunas de sgoto, Águas Servidas e de Gordura, deverão ser instalados joelhos de PVC de 87 30', apoiados em berço de con creto de 15 MPa. Os tubos de ventilação em geral e ramais de esgoto, em trechos horizontais, com tubos até Ø 100 mm, deverão ser em PVC soldável rígido branco. Nas mudanças de direção dos tubos de queda tais como deslocamentos de coluna e desvios, só deverão ser empregadas curvas de raio curto e vedado a prática de se curvar a tubulação a força ou por meio de maçarico. Os tubos ventiladores primários deverão emergir, no mínimo 30 cm acima da cobertura das edificações, conforme imposição de norma, tendo em vista o tipo de cobertura apresentado pelo prédio em questão. Não será permitida a substituição de junções simples, ligadas a joelhos de 45 graus, por te sanitários e nem junções duplas, ligadas a joelhos 45 graus, por cruzetas sanitárias, na interconexão de ramais de esgoto com tubos de queda, devido à perturbação no fluxo anular que seria introduzida, provocando o afogamento na seção.

14 SRVIÇOS LTDA LUCNA Todos os ralos sifonados, terão porta grelhas e grelhas redondas em aço inox, com dispositivo anti-inseto. Todas as tampas de inspeção serão em concreto armado (esgoto, águas servidas, águas pluviais e caixa de gordura), vedação em elastômero de Polietileno/Polipropileno, contra mau cheiro e com resistência conforme tipo de tráfego. em projeto. Os tubos horizontais da rede de esgoto deverão ser executados com declividade indicada Não serão permitidas conexões em bolsas instaladas no sentido inverso ao fluxo, exceto nas conexões tipo bolsa / bolsa explicitados no projeto. As tubulações deverão ser suportadas adequadamente, através de suportes exclusivos para essa finalidade. Os drenos de ar condicionado, tipo split, fancolete ou tipo janela, deverão ser encaminhados aos ralos sifonados mais próximos, e deverão ser isolados termicamente, em todo trecho horizontal e vertical, mesmo em trechos embutidos em alvenaria TST D STANQUIDAD nsaios com água O ensaio deve ser aplicado à instalação como um todo ou por seções. No ensaio da instalação como um todo, qualquer abertura deve ser convenientemente tamponada exceto a mais alta, por onde deve ser introduzida água até o transbordamento da mesma por essa abertura e mantida por um período mínimo de 6 horas, devendo ser observado por várias vezes o trecho em teste, observando-se possíveis vazamentos ou infiltrações através de lajes. Nota: ste ensaio pode ser realizado desde Que a pressão estática resultante no ponto mais baixo da tubulação não exceda a 60 Kpa (6 m.c.a.).

15 SRVIÇOS LTDA LUCNA No ensaio por seções, cada uma com uma altura mínima de 3 metros e incluindo no mínimo 1,5 metro da seção abaixo, deverá ser, enchida com água pela abertura mais alta do conjunto, devendo as demais aberturas, serem convenientemente tamponadas. A pressão deve ser mantida por um período mínimo de 6 horas. No ensaio por seções a pressão resultante no ponto mais baixo da tubulação não deve exceder a 60 Kpa (6 m.c.a.). O limite máximo de 60 Kpa (6 m.c.a.), deve ser ultrapassado sempre que for verificado pela análise do projeto, que um entupimento em um trecho da tubulação pode ocasionar uma pressão superior a esta. Após as conclusões dos testes de estanqueidade, fazer o preenchimento das folhas de Testes de stanqueidade com as devidas assinaturas INSTALAÇÕS D COMBAT A INCÊNDIOS Tubos em aço carbono preto com costura, conforme norma NBR-5580, (M) tipo médio com conexões classe 10, rosca "BSP" até o Ø 2 ½ e para diâmetros maiores que Ø 2 ½ utilizar solda (tubos e conexões). RF: Tubos de marca APOLO; Conexões roscáveis em ferro maleável classe 10, TUPY. Conexões soldáveis em aço carbono forjado sem costura, com pontas biseladas para solda, SCH 40, da ASCOVAL, NIAGARA, CONFORJA, MASCOT. As instalações prediais de prevenção e combate a incêndios foram projetadas rigorosamente dentro das normas e imposições do Corpo de Bombeiros do stado de Acre, tendo sido o respectivo projeto encaminhado e aprovado pelo departamento competente e, como tal, deverá ser fielmente executado. Somente serão aceitos materiais e equipamentos previamente aprovados pelo Corpo de Bombeiros e tecnicamente indicados para a função a desempenhar no sistema, sendo vedada sua substituição por outros não testados ou submetidos à análise e aprovação por parte do órgão competente, ou que não atendam às especificações técnicas constantes do presente memorial. Os extintores manuais deverão ser instalados com seu ponto de fixação a 1,60 m, no máximo, do piso acabado, apoiados ou suspensos em suportes adequados, nos pontos previstos no projeto executivo. É vedado intercambiar extintores de tipos diferentes em suas posições, pois protegerão áreas de riscos diversos, com diferentes naturezas de fogo a extinguir, pois cada variedade de extintor tem uma aplicação característica, prevista no projeto.

16 SRVIÇOS LTDA LUCNA Os extintores deverão apresentar obrigatoriamente o Selo de Conformidade do INMTRO e de seu Organismo de Certificação. Os extintores deverão ter sua carga renovada ou verificada nas épocas e condições recomendadas pelos respectivos fabricantes. Os extintores manuais não poderão ficar apoiados diretamente no piso, devendo estar no mínimo 0,20 m deste, de modo a não receber água de lavagem do piso. Os extintores e hidrantes deverão ser obrigatoriamente sinalizados de acordo com as instruções do Corpo de Bombeiros, adotando-se o seguinte critério de cores: amarelo para válvulas de retenção, registros de paragem, etc, e vermelho para a tubulação, nos trechos em que correr aparente. Os demais extintores e hidrantes terão sinalização opcional, abrigos dos hidrantes, entretanto, deverão ser pintados em vermelho e caracterizados com o dístico "Incêndio". Os abrigos dos hidrantes não poderão ter portas providas de fechaduras; as portas dos abrigos deverão estar situadas nas partes mais largas dos abrigos, não aceitando-se a abertura de portas pelas laterais. A canalização da rede de hidrantes será executada com tubo de aço carbono preto com costura, conforme NORMA NBR M (MÉDIO), com conexões roscáveis de ferro maleável Classe 10 da TUPY devendo obedecer aos critérios técnicos de execução constantes das normas da NBR O registro de recalque situado no passeio deverá ser encerrado numa caixa de alvenaria dotada de tampa metálica, identificada com a palavra "incêndio", com dimensões de 0,40m x 0,60m. A expedição do registro de 63 mm (igual ao utilizado nos demais hidrantes) deverá estar voltada para cima, em ângulo de 45 graus e dotada de engate rápido e tampão, ficando no máximo a 15 cm de profundidade em relação ao piso do passeio TST HIDROSTÁTICO As canalizações em aço galvanizado deverão resistir a uma pressão, no mínimo, 50% maior que a pressão máxima de trabalho do sistema. As conexões, registros, válvulas e demais peças deverão ser convenientemente instaladas para não prejudicar o integral aproveitamento das canalizações e deverão possuir resistência igualou superior à exigida para os tubos. As instalações deverão ser executadas de forma a evitar sua danificação acidental, possibilitar sua inspeção e permitir a rápida execução de eventuais reparos. Após o término da execução da instalação, o sistema deverá ser submetido a uma pressão hidrostática c;n prova igual a uma vez e meia a pressão nominal da bomba de recalque, e ao máximo de 140 mca, 1400 Kpa ou 14 Kgf/cm2, durante seis horas interruptas, sem apresentar vazamentos.

17 SRVIÇOS LTDA LUCNA As pressões e vazões indicadas nas plantas deverão ser verificadas para cada um dos hidrantes do sistema, medidas nos requintes respectivos, por meio de "tubo de Pitot" apropriado. Não serão tolerados quaisquer vazamentos no Sistema. As pressões hidrostáticas são medidas nos pontos mais baixo dos setores em testes, no caso, considerando-se o reservatório de Incêndios na parte superior. A área ao redor dos hidrantes, bem como as vias de acesso aos mesmos deverão estar sempre desobstruídas e livres de qualquer material ou equipamento. As caixas de hidrante de hidrante serão em fibra de vidro (90x60x17), com viso r de vidro na porta # 4 mm, da NW BRASIl, quando expostas às intempéries, ou em chapa de aço decapada com 1 demão de primer e 2 (duas) demãos de tinta esmalte sintética ou Poliuretano na cor Vermelha, com visor de vidro na porta # 4 mm, da BUCKA SPIRO ou KIDD RSMAT PARSCH TST HIDROSTÁTICO nsaios com água O ensaio deve ser aplicado à instalação como um todo ou por seções. No ensaio da instalação como um todo, toda abertura deve ser convenientemente tampo nada exceto a mais alta, por onde deve ser introduzida água até o transbordamento da mesma por essa abertura e mantida por um período mínimo de 6 horas, devendo ser observado por várias vezes o trecho em teste, observando-se possíveis vazamentos ou infiltrações através de lajes. Nota: ste ensaio pode ser realizado desde que a pressão estática resultante no ponto mais baixo da tubulação não exceda a 60 Kpa (6 m.c.a.). No ensaio por seções, cada uma com uma altura mínima de 3 metros e incluindo no mínimo 1,5 metro da seção abaixo, deverá ser, enchida com água pela abertura mais alta do conjunto, devendo as demais aberturas, serem convenientemente tamponadas. A pressão deve ser mantida por um período mínimo de 2 horas. No ensaio por seções a pressão resultante no ponto mais baixo da tubulação não deve exceder a 60 Kpa (6 m.c.a.) O limite máximo de 60 Kpa (6 m.c.a.), deve ser ultrapassado sempre que for verificado pela análise do projeto, que um entupimento em um trecho da tubulação pode ocasionar uma pressão superior a esta. Após as conclusões dos testes, preencher a Folha de Testes de stanqüeidade com as devidas assinaturas.

18 SRVIÇOS LTDA LUCNA 7. SPCIFICAÇÃO D MATRIAIS QUIPAMNTOS - DIVRSOS A presente especificação tem por objetivo estabelecer as características dos materiais e equipamentos a serem utilizados na execução das instalações do Forum. Caberá a Construtora responsável pela obra, assegurar que os materiais e equipamentos estejam estritamente de acordo com o especificado em Memorial e/ou Projetos. Não serão aceitos materiais ou equipamentos fora do especificado, cabendo a Construtora em caso de dúvida esclarecer ou sugerir alterações, através de carta protocolada, encaminhada a Fiscalização do Tribunal de Justiça do stado do Acre, com antecedência. Caso a Construtora por razão de força maior venha pleitear a substituição de um modelo ou marca especificada, deverá ser levada em consideração no pleito os valores monetários envolvidos, ou seja, ser feito um balanço de débito e crédito, ou o que chamamos de "Moeda de Troca". ste custo deverá ser apresentado em planilha orçamentária elaborada em xcel, contendo os custos unitários de material e mão de obra, com os respectivos custos totais. A especificação deverá ser clara e precisa e a planilha além dos custos e quantidades, deve indicar separadamente os ambientes e/ou locais envolvidos. A resposta da Fiscalização do SSI-SNAI com relação ao pleito de substituição de especificação, também. será através de carta encaminhada ao responsável pela Construtora, ressaltando-se que fora deste procedimento não serão aceitas substituições. A inspeção para recebimento de materiais e equipamentos será feita no canteiro da obra por processo visual e dimensional, podendo, entretanto ser feita na fábrica ou em laboratório, por meio de ensaios. Neste caso, o fornecedor ou fabricante deverá avisar com antecedência a data em que a inspeção poderá ser feita. Para os recebimentos dos materiais e equipamentos, a inspeção deverá conferir a descrição constante da nota fiscal ou guia de remessa, com o respectivo pedido de compra, conforme as especificações de materiais. A inspeção visual para recebimento dos materiais e equipamentos constituir-se-g basicamente, do cumprimento das seguintes atividades: - verificação das quantidades; - verificação das condições dos materiais e o estado de conservação; - designação das áreas de estocagem e preservação dos materiais e equipamentos. Caso algum material ou equipamento não atenda as atividades acima indicadas, deverá ser rejeitado. Quanto à estocagem dos materiais e equipamentos, a mpreiteira deverá verificar, quando os mesmos forem empilhados, se o material que ficar embaixo suportará o peso colocado sobre ele, bem como a distância entre suportes, ou exposição ao Sol e intempéries,

19 SRVIÇOS LTDA LUCNA para que não venha ocorrer deformações ou alterações nas suas características originais. Os tubos deverão ser estocados em prateleiras, separados por diâmetros e tipos característicos, sustentados por tantos apoios quanto forem necessários, para evitar deformação pelo peso próprio. Os mesmos devem ficar abrigados ou permanentemente cobertos por lonas impermeáveis, para não sofrerem danos por ação das intempéries. 7.1 Tubos e conexões de PVC marrom CI. 15 (rígido tipo pressão - Água Potável ) (Tubos de PVC rígido marrom soldável, série A, pressão de serviço classe 15) Conexões em PVC rígido soldável, com pressão de serviço de 7,5 Kgf/cm2, série A, classe15. ' Para pontos onde serão conectados metais, tais como ligações flexíveis, torneiras, registros e etc, as conexões serão reforçadas com anel metálico com buchas metálicas de bronze ou latão. Obs: 1) Não será admitida a mistura de marcas para interligações de tubulações, em um mesmo sistema, mesmo que seja entre as aprovadas. Caso seja constatado este fato, toda a troca e custos envolvidos ocorrerão por conta da Construtora. FABRICANT: TIGR e AMANCO (exceto para a Solução Limpadora e o Adesivo para PVC, que devem ser da TIGR). 7.2 Tubos e conexões de PVC rígido para sgoto e Águas Servidas Tubos e conexões do tipo sgoto Predial, Reforçado, (Série R), conforme indicação em projeto até 100 mm, ou linha VINILFORT ou COLFORT / TCC para Ø > que 150 mm até 400 mm. FABRICANTS: TIGR AMANCO / FORTILlT. 7.3 Ligações de descarga a bacias sanitárias: Tubos de PVC com adaptadores / joelho azul FABRICANT.S: TIGR AMANCO / FORTILlT. 7.4 Tubos e conexões de ferro fundido para esgoto e águas servidas: Linha Predial SMU e Sistemas de Drenagens de Águas Pluviais Indicadas para locais onde o conforto acústico é importante, tais como stúdios de Rádio e TV, Dormitórios e Salas de Aulas, caso indicado em proieto. - Curvas de "pé de colunas" para prumadas de sgoto, Águas Pluviais e Servidas; - Conexões de PVC, tipo HL, bolsa/bolsa. Observação: Todas as bolsas devem vir com anéis de borracha.

20 SRVIÇOS LTDA LUCNA 7.5 Registros e metais Serão de bronze fundido ou forjado, fabricados de acordo com as Normas Brasileiras ou Internacionais, devendo acompanhar, quando aparentes, a linha de acabamento especificada pelo Projeto Arquitetônico. Quando aparentes, ou embutidos em Casas de Bombas, de Máquinas os mesmos serão do tipo Gaveta, com acabamento tipo Bruto, com volantes. Fabricante: DCA, DOCOL, MIPL, SAINT GOBAIN - (Vide Caderno de Arquitetura para registros com acabamentos). 7.6 Válvulas de Retenção Vertical, horizontal tipo portinhola, Duo-Check ou de Crivo, serão de bronze, com bujão de inspeção, tipo vertical ou horizontal, vedação metal contra metal. Fabricante: DCA, DOCOL, MIPL, NIAGARA. 7.7 Torneiras de bóia (mecânicas) Serão do tipo compensado, reforçado, com vazão total, rosca do tipo macho, com bóia de chapa de cobre ou plástica com volume suficiente para dar pressão à vedação. Fabricante: DCA, NIAGARA, SAINT GOBAIN, CASA DA BÓIA, RIO.

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DOS PROJETOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, SANITÁRIAS E PLUVIAL MERCADO PÚBLICO DO SÃO JOAQUIM TERESINA PI AGOSTO/2014 IDENTIFICAÇÃO Obra: Mercado do São Joaquim Endereço: Bairro São

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS UNIDADE ONCO CIRÚRGICA

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS UNIDADE ONCO CIRÚRGICA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS UNIDADE ONCO CIRÚRGICA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA Marília/SP PROJETO: Engº Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio Garrido, 47 - Bairro Barbosa 17501-443

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS MEMORIAL DESCRITIVO I N S T A L A Ç Õ E S H I D R O - S A N I T Á R I A S EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS AC. CERES ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE VARGAS, Nº220, CENTRO, CERES - GO. Página 1 de 8

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO 1. GENERALIDADES O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas

Leia mais

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O H I D R O S S A N I T Á R I O COREN CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações.

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações. ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 05.01.000 ÁGUA FRIA 05.01.200 Tubulações e Conexões de PVC Rígido 05.01.201 Tubo Tipo: tubo PVC rígido soldável, classe 15, diâmetros 85, 60, 50, 32 e 25 mm. Aplicação: nas

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Esquema de Instalação Hidráulica RESIDENCIAL Atenção: Modelo meramente ilustrativo em casas térreas. Para sua segurança e garantia do bom funcionamento das tubulações de

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI Contratante: SESI - FIEB Localização: Unidade SESI Simões Filho BA. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Memorial Descritivo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDRO SANITÁRIO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng Civil Cleber Giordani

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde as primeiras civilizações conhecidas (assírios,

Leia mais

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. OBRA: Regularização e Ampliação de um Complexo Esportivo. 1.2. ENDEREÇO: Conjunto Manuel Julião, Rio

Leia mais

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: Autor do Projeto Resp. Técnico: Co-Autor: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO: 200_PB.HS.AF.ET-300000

Leia mais

IEE INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA USP SÃO PAULO/SP

IEE INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA USP SÃO PAULO/SP IEE INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA USP SÃO PAULO/SP SEDE DO CENDAT MEMORIAL DESCRITIVO DE REVISÃO 09/09/23 Rua Crasso, 392 Vila Romana São Paulo Cep 05043-0 Tel. (11) 36751335 QUADRO DE REVISÕES

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral.

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. SETEMBRO/2011 Bitolas: 20, 25, 32, 40,50,60, 75, 85, 110 milímetros; Pressão

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

Rua Cruzeiro dos Peixotos, 499 Sala 1008 Bairro Aparecida UBERLÂNDIA-MG TELEFONES: (034) 3231-4235 & 9102-7015

Rua Cruzeiro dos Peixotos, 499 Sala 1008 Bairro Aparecida UBERLÂNDIA-MG TELEFONES: (034) 3231-4235 & 9102-7015 Biblioteca Educa Campus Educa Materiais Projetos Hidro-sanitário e Prevenção e Combate a Incêndio Lista de materiais do Térreo Esgoto - Caixas de Passagem Caixa de areia pluvial com grelha CAG- 60x60cm

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

FÓRUM DE VITÓRIA DA CONQUISTA

FÓRUM DE VITÓRIA DA CONQUISTA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE VITÓRIA DA CONQUISTA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE REFORMA DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E SANITÁRIAS EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO OBRA: Biblioteca do câmpus Ibirama LOCALIZAÇÃO: Rua Dr. Getúlio Vargas, 3006 Ibirama/SC 89140-000 SISTEMAS A SEREM EXECUTADOS: Sistema de Água Fria Potável Sistema

Leia mais

Edificações - instalações de água

Edificações - instalações de água MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência.

Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência. Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência. União deslizante de duplo lábio: maior segurança e facilidade de trabalho. O anel

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

Palestrante : Maj BM Polito

Palestrante : Maj BM Polito SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS Palestrante : Maj BM Polito SUMÁRIO 1- PARÂMETROS PARA EXIGÊNCIAS DE SISTEMAS

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

Sistema de Hidrantes Prediais para Combate a Incêndios

Sistema de Hidrantes Prediais para Combate a Incêndios 1 Sistema de Hidrantes Prediais para Combate a Incêndios O sistema de hidrantes é um tipo de proteção instalado em edifícios, utilizado como meio de combate a incêndios. É composto basicamente por Reservatórios

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PPCI: PREVENÇÃO DE INCÊNDIO PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO PPCI: PREVENÇÃO DE INCÊNDIO PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO PPCI: PREVENÇÃO DE INCÊNDIO PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CIDADE NOVA 1. DADOS GERAIS Objeto: Escola

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

Sistemas Hidráulicos Sanitários. Água fria Água quente Esgoto Águas Pluviais Combate a incêndio Gás

Sistemas Hidráulicos Sanitários. Água fria Água quente Esgoto Águas Pluviais Combate a incêndio Gás Sistemas Hidráulicos Sanitários Água fria Água quente Esgoto Águas Pluviais Combate a incêndio Gás Sistemas Hidráulicos Sanitários Instalação hidro-sanitária água fria Processo Executivo 1) Colocar todas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II TIPOS Água Fria Esgoto Águas Pluviais Água Quente Incêndio

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Reforma e Adequação sem acréscimo de área construída do Posto de Saúde de Eden. End.: Rua Roberto Silveira s/n Éden - São João de

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - HIDROSSANITÁRIO ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - HIDROSSANITÁRIO GENERALIDADES O presente Memorial Descritivo refere-se a reforma da Escola Municipal de Ensino Fundamental Afonso Guerreiro Lima. OBJETIVO O relatório

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB.

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB. REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB.) 1. Instalação de Combate a Incêndio por meio de Extintores

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS A PLASTUBOS é uma empresa do Grupo Empresarial DVG, especializada na produção de tubos rígidos e conexões de PVC para água e esgoto predial, infra-estrutura, irrigação e eletricidade.

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m²

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² Este memorial se baseia no programa de necessidades para elaboração de projetos executivos:

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Caxias do Sul 2015 2 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Determinação do número de contribuintes...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM TIRADENTES, S/Nº- CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA/AM GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul Secretaria Municipal de Obras Departamento Engenharia

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul Secretaria Municipal de Obras Departamento Engenharia ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 ARQUITETURA 1.1 VEDAÇÕES 1.1.1 Alvenaria de Blocos Cerâmicos Tipo: 10x20x20 Aplicação: todas as Paredes internas e externas 1.2 ESQUADRIAS 1.2.1 Porta de madeira Compensada As

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS 6 MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS Versão 2014 Data: Abril / 2014 6.1. Tubos e Conexões... 6.3 6.1.1. Sistema em aço... 6.3 6.1.1.1. Tubos... 6.3 6.1.1.2. Conexões... 6.3 6.1.2. Sistema em cobre rígido...

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC)

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

I s n t s a t l a a l ção ã o de d e Sis i t s e t m e as a s de d Irrigação

I s n t s a t l a a l ção ã o de d e Sis i t s e t m e as a s de d Irrigação Instalação de Sistemas de Irrigação PROJETOS EUCALIPTOS Layout de Água TRANSPORTES CARPINTARIA CP025 CP19 ESCADA CP024 AR CP023 CP18 ESCRITORIO CP17 ESTACIONAMENTO CP06 1-7 1-6 1-3 1-2 1-4 R CP21A CP16

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

PROJETO PARA FECHAMENTO DE QUADRA DE ESPORTES E.E.B MARIA DO ROSÁRIO

PROJETO PARA FECHAMENTO DE QUADRA DE ESPORTES E.E.B MARIA DO ROSÁRIO PROJETO PARA FECHAMENTO DE QUADRA DE ESPORTES E.E.B MARIA DO ROSÁRIO MONTE CARLO SC JULHO DE 2015 Fazem parte deste projeto: - Projeto Arquitetônico e Detalhes. - Memorial Descritivo. - Orçamento, Cronograma.

Leia mais

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 14 Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase Este Memorial Descritivo tem por finalidade especificar os materiais e serviços a serem executados na REFORMA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

ANEXO I TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO FORO DA JUSTIÇA DO TRABALHO EM CACHOEIRINHA / RS

ANEXO I TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO FORO DA JUSTIÇA DO TRABALHO EM CACHOEIRINHA / RS ANEXO I TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO FORO DA JUSTIÇA DO TRABALHO EM CACHOEIRINHA / RS REFORMA DAS INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO 1. APRESENTAÇÃO 1.1. GENERALIDADES 1.1.1. As presentes

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais