Momento estratégico. Copa de 2014, Olimpíadas de 2016 e a descoberta do pré-sal trazem chance ímpar para investimentos em infraestrutura no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Momento estratégico. Copa de 2014, Olimpíadas de 2016 e a descoberta do pré-sal trazem chance ímpar para investimentos em infraestrutura no Brasil"

Transcrição

1 nº27 maio 2010 Publicação do Conselho Regional de Economia - 2ª Região - CORECON-SP Momento estratégico Copa de 2014, Olimpíadas de 2016 e a descoberta do pré-sal trazem chance ímpar para investimentos em infraestrutura no Brasil Entrevista Carlos Alberto Safatle

2 Não importa em que fase da vida você está. Para viver com segurança, você precisa de um bom plano de saúde. E os melhores planos, até 45% mais barato *, você encontra aqui. Graças à parceria da Qualicorp com o CORECON-SP, você pode ter um plano de saúde coletivo por adesão que oferece todas as coberturas médicas exigidas pela lei, além de coberturas adicionais e uma excelente rede de hospitais e laboratórios. E o melhor: até 45% mais barato. * Confira outras opções de planos de saúde. Ligue agora mesmo para ou acesse SulAmérica Medial Qualicorp Adm. de Benefícios * Em comparação a produtos de mesma categoria oferecidos no mercado de planos individuais (tabela de junho/2010). Planos de saúde coletivos por adesão, conforme as regras da ANS. Informações resumidas. Condições contratuais disponíveis para análise. Junho/2010.

3 Conselho Regional de Economia 2ª Região - SP Sumário Conselheiros efetivos: Antonio Luiz de Queiroz Silva, Carlos Alberto Safatle, Celina Martins Ramalho, Gílson de Lima Garófalo, João Pedro da Silva, Manuel Enriquez Garcia, Marco Antonio Sandoval de Vasconcellos, Nancy Goreti Gorgulho Chaves Braga, Pedro Afonso Gomes, Synésio Batista da Costa, Wilson Abrahão Rabahy Conselheiros Suplentes: Cláudio Gonçalves dos Santos, Francisco da Silva Coelho, José Dutra Vieira Sobrinho, Modesto Stama, Orozimbo José de Moraes, Paulo Brasil Correa de Mello, Paulo Henrique Coelho Prado, Paulo Joel Bruno, Roberto Luis Troster, Simão Davi Silber, Teruo Hida, Vera Martins da Silva Conselheiros por São Paulo do Conselho Federal de Economia - COFECON: Efetivos - Jin Whan Oh, Paulo Brasil Correa de Mello, Synésio Batista da Costa, Waldir Pereira Gomes e Wilson Roberto Villas Boas Antunes Suplentes - Antonio Luiz de Queiroz Silva, Carlos Eduardo S. Oliveira Jr., Carlos Roberto de Castro, João Pedro da Silva, Pedro Afonso Gomes 05 Encontro 04 Editorial 05 Radar 06 Entrevista 09 Memória Administração: Rua Líbero Badaró, º andar Centro São Paulo - SP Tel.: (11) Fax: (11) Assessoria de imprensa: Hélio Perazollo 10 Capa DELEGACIAS REGIONAIS ABC Delegado: Leonel Tinoco Neto (11) Carlos Alberto Safatle 14 Na mídia Araçatuba Delegado: Alair Orlando Barão (18) Bauru Delegado: Reinaldo César Cafeo (14) Campinas Delegado: Paulo César Adani (19) /9742 Jundiaí Delegado: Marino Mazzei Júnior (11) Presidente Prudente Delegado: Álvaro Barboza dos Santos (18) Carlos Antonio Luque Ribeirão Preto Delegado: Fabiano Augustio Alvarenga Guimarães (16) Santos Delegado: Arnaldo de Almeida Carvalho (13) São José dos Campos Delegado: Jair Capatti Jr (12) São José do Rio Preto Delegado: Hipólito Martins Filho (17) Sorocaba Delegado: Sidney Benedito de Oliveira (15) Infraestrutura em foco Núcleo de Criação e Desenvolvimento Rua Cayowaá, Perdizes São Paulo - SP - CEP: Fones: (11) / Site: Jornalista responsável: Roberto Souza (Mtb ) Editor-chefe: Fábio Berklian; Editor: Faoze Chibli Reportagem: Thiago Bento, Rodrigo Moraes, Amanda Campos e Marina Panham; Projeto gráfico e direção de arte: Leonardo Fial maio Diagramação: Leonardo Fial, Luiz Fernando Almeida e Felipe Santiago

4 Editorial Escolha de Sofia Atualmente o Brasil está inserido no seleto e reduzido grupo de países que estão crescendo com taxas respeitáveis, mesmo em período de saída de uma crise financeira complicada, como a enfrentada entre 2008 e Tal aumento é resultado das medidas adotadas no último trimestre do ano passado: redução fiscal conjugada com crédito consignado. Algo há muito não praticado no País. A decisão colaborou para acentuar a demanda interna e manter alto o nível do crescimento econômico. Devido a essa aceleração e aquecimento, foi necessário um ajuste inicial na taxa de juros de 0,75%. Um outro de igual valor aconteceria pouco tempo depois. O aumento, claro, gerou queixas, em especial de dois setores: indústria e agricultura. Em contrapartida o Banco Central contemporizou que ou aumentava os juros ou a inflação voltaria. Entre lidar com uma questão ou problema, segundo alguns mais localizada e pontual, como os juros, e outra mais generalizada, que desorganizaria o sistema como um todo, caso da inflação, preferiu-se a primeira opção. A expectativa, entretanto, é que esses valores sejam reduzidos ao longo do tempo. Outro fator importante para o aquecimento da economia é a Copa do Mundo. Além de estimular a autoestima da população em ver sua seleção jogar, o evento esportivo gera atividades econômicas interessantes, como o aumento de vendas de geladeiras e de aparelhos televisivos, e a nova demanda por serviços de Pay-per-view em canais a cabo. Aliado a isso, lembremos que o Brasil passa por um momento muito feliz, no qual aumentou suas reservas e conta com a recente descoberta da camada pré-sal. Boa leitura! Carlos Alberto Safatle Presidente do CORECON-SP 4 maio 2010

5 Radar Encontro das Delegacias Regionais Durante reunião em junho na sede do CORECON-SP, em São Paulo, delegados de dez Regionais estiveram presentes juntamente com o novo presidente, Luis Carlos Safatle, e o vice-presidente, José Dutra Vieira Sobrinho. O encontro teve como objetivo integrar as Delegacias à nova gestão e valorizar o trabalho realizado em cada uma das regiões do estado. Na oportunidade, abriu-se espaço para os Delegados utilizarem a revista O Economista para promover e divulgar assuntos estratégicos. Entre os Delegados presentes esta- Morre ex-presidente do BNDES vam Leonel Tinoco Netto (ABC), Alair Barão (Araçatuba), Reinaldo Cesar Cafeo (Bauru), Hipólito Martins Filho (São José do Rio Preto), Álvaro Barboza (Presidente Prudente), Paulo César Adani (Campinas), Arnaldo de Almeida Carvalho (Santos), Sidnei Benedito de Oliveira (Sorocaba) e Fabiano Augusto A. Guimarães (Ribeirão Preto). Nessa linha de atuação, o delegado Jair Capatti Junior, 53 anos, que tomou posse do Conselho Regional de Economia (CORECON) do Vale do Paraíba há um ano, divulgou um dos objetivos atingidos no período: incluir a economia no rol de profissões divulgadas pela Secretaria de Relações do Trabalho de São José dos Campos. Necessitamos aumentar o quadro de profissionais em finanças e empresas, explica. Além do incentivo aos que atuam na área e os bacharéis em ciências econômicas, o delegado acredita que o desenvolvimento dos economistas influenciará o crescimento da região. Faleceu em 20 de maio o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Banco Central e Petrobras, Francisco Roberto André Gros, em decorrência de um câncer no cérebro. O economista ocupava a vicepresidência do Conselho de Administração da empresa OGX. Carioca nascido em 1942, graduou-se economista pela Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, em 1964, voltando ao Brasil em Em 1977 atuou na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), onde se tornou superintendente, superintendentegeral e diretor. De 1981 a 1985, ocupou o cargo de diretor-executivo do Unibanco. Tornou-se presidente do Banco Central em 1987 e novamente, entre 1991 e 1992, e da Petrobras, de 2002 a Boa leitura! Com frequência em uma economia moderna, oscilações financeiras atingem dimensões de crise. Agora mesmo estamos na fase final do tratamento de uma delas. Como sempre, muito se grita na direção de redesenhar tudo para algo assim nunca mais ocorrer. Mas exatamente o que isso significa? Será possível um sistema à prova de crises? São questões discutidas neste livro editado em boa hora por Márcio Garcia e Fabio Giambiagi. Nele estão reunidos textos de um excepcional grupo de autores com experiências diversas, que abordam desde as raízes da crise à história e ao desenvolvimento atual de nosso próprio mercado. São reflexões profundas e atemporais sobre questões de grande relevância. Risco e Regulação - Por que o Brasil enfrentou bem a crise financeira e como ela afetou a economia mundial Organizadores: Fabio Giambiagi e Márcio Garcia Editora: Campus Número de Páginas: 320 maio

6 Entrevista Carlos Alberto Safatle Valorização do economista Dedicado ao crescimento da profissão, economista acredita que o País passa pelo melhor momento para incentivar a demanda pelo curso universitário e pela união da categoria Por Thiago Bento Entusiasta da reforma da grade curricular dos cursos de economia, Carlos Alberto Safatle planeja levar a discussão ao próximo Simpósio Nacional de Conselhos de Economia (Since). Demoramos para realizar graduação em quatro anos, afirma. Ainda segundo o presidente do Conselho Regional de Economia (CORECON-SP), passamos por um momento propício para essa renovação, devido à melhoria na percepção do trabalho do economista pela sociedade. O Brasil saiu muito bem da última crise, ressalta. Aumentar a demanda pelos cursos integra a ação de agregar os economistas. Precisamos nos unir em prol do nosso objetivo comum de valorizar o profissional, sentencia Safatle. Com o propósito de agrupar os profissionais, o presidente do CORECON-SP destaca o trabalho das delegacias regionais como essencial e facilitador 6 maio 2010

7 das atividades do Conselho. Na entrevista a seguir, Carlos Alberto Safatle comenta suas expectativas quanto ao seu mandato. O Economista Como encara o desafio de assumir a presidência do Corecon-SP após decisão unânime? Carlos Alberto Safatle Sinceramente foi muito gratificante. Senti-me bastante honrado com essa escolha, pois estávamos divididos e meu nome passou por unanimidade. Acredito que a escolha também foi boa institucionalmente, pois iríamos parar. Os economistas do estado de São Paulo iriam acabar sendo punidos sem terem culpa nenhuma desse processo. Eles estavam quase que abandonados. O Economista Quais serão as principais diretrizes e frentes de trabalho? Safatle A primeira diretriz é consequência da eleição: apaziguar internamente o CORECON- SP. Na linha externa é desenvolver uma aproximação bem estreita com a Ordem dos Economistas (OEB) e o Sindicato dos Economistas (SIN- DECON). Somos relativamente poucos para ficarmos divididos em três instituições trabalhando cada uma separadamente. Precisamos reunir esses esforços e buscar o objetivo comum que é a valorização do economista. O Economista Como unir as três instituições? Safatle Em termos operacionais já começando com encartes na revista O Economista. Em termos de ideias promovendo mais integrações entre conselheiros e, repito, buscando objetivos comuns. O Economista Durante algumas reuniões o senhor falou muito das delegacias regionais. Qual a importância de dar voz a elas? Safatle Elas representam uma maneira atual de gestão que é a descentralização. Apesar de dispormos de várias tecnologias modernas, como uma vídeo-conferência, há poucas condições de estarmos sempre presentes fora da capital. As delegacias fazem essa representação, são nossos braços operacionais em cada microrregião, e são fundamentais. Elas facilitam o atendimento aos profissionais que estão nessas cidades, pois assim como é complicado irmos sempre para lá, também é difícil para eles virem com frequência para o Centro de São Paulo. O Economista Sendo professor, como pretende aliar essa experiência com a que ganhou na gestão pública e privada durante seu mandato? Safatle Exerci algumas presidências estatais em São Paulo e lecionei em boa parte das faculdades da cidade. Na iniciativa privada, comecei como sócio-diretor de uma empresa de construção e atuei no mercado de capitais. Aliado a isso desenvolvo um trabalho mais social voltado para o esporte no São Paulo Futebol Clube e na Sociedade Hípica Paulista. Tudo isso vai formando um arcabouço teórico e experiências em gestão e convivência. O maior problema do profissional é mais do que a competência, mas se integrar ao grupo com o qual trabalha e criar valor onde está. Entre as demissões em todo o mundo, 70% não são causadas por incompetência, mas pela falta de integração do funcionário. O Economista Ainda sobre o academicismo, frequentemente comenta-se a necessidade de reformar a grade curricular dos cursos de economia. Como enxerga essa questão? Safatle Tenho falado muito so- maio

8 bre isso e pretendo levar esse assunto para o Since. Sou avaliador do sistema MEC/INEP (Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) para economia e administração. Nos últimos anos, para cada autorização de abertura de curso de economia, havia cinco de administração. Quando voltávamos para reavaliar economia, o curso havia sido encerrado e administração tinha triplicado. O Economista Por que isso aconteceu? Safatle O currículo da administração está mais voltado para a realidade profissional do que economia. Há várias disciplinas profissionalizantes. Recursos humanos, por exemplo, era exclusivo de economia. Além disso, o curso de economia demorou a ser realizado em quatro anos. O aluno vem com deficiências da formação quantitativa do segundo grau, mas busca um curso superior. Geralmente com uma abordagem quantitativa em menor tempo. Essa demanda acabou se conduzindo para administração. O Economista Há probabilidade de algo ser feito a curto ou médio prazo? Safatle Sim. Um exemplo é o registro profissional. Advogados só podem atuar com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), médicos com o Conselho Regional de Medicina (CRM), contabilistas também são registrados. Mas os economistas, não. O aluno vem com deficiências da formação quantitativa do segundo grau, mas busca um curso superior O Economista O Brasil encara um momento decisivo de investimentos (pré-sal, copa 2014, trem bala), como podemos aproveitar esse momento? Safatle Demos uma lição ao mundo durante essa última crise financeira. Enquanto dependíamos do mercado externo, estávamos tendo crescimento voltado às políticas externas. No momento da crise, voltamos o consumo ao mercado interno. Houve conjugação de medidas com redução fiscal e crédito consignado. Com isso presenciamos fenômenos como a General Motors quebrando lá nos Estados Unidos, mas batendo recordes de vendas no Brasil. Superamos a crise, aumentamos reservas, controlamos a inflação e incluímos 35 milhões de pessoas no mercado de consumo. O Economista Isso melhorou a percepção da sociedade quanto ao economista? Safatle Sim, melhorou muito. Tivemos momentos em que estávamos desacreditados, mas atualmente isso está melhorando. Essa crítica positiva se refletiu na demanda pelos cursos, estamos nos recuperando. O Economista Sobre infraestrutura, fala-se muito da Copa no Brasil em O que precisamos fazer para atingirmos a excelência? Safatle Nas décadas de 1950, 1960 e 1980 os estádios de futebol eram construídos para uma torcida que só pulava, no sentido literal, na hora em que seu time fazia gol. Hoje isso mudou. Elas torcem o tempo inteiro. Essa vibração exige cálculo estrutural diferente, tornando a construção atual totalmente diferente das existentes. Outro fator é a multifuncionalidade dos estádios. Hoje não podemos tê-lo apenas para o futebol, sendo utilizado uma ou duas vezes por mês. É necessário ter lojas, praça de alimentação, entre outros. Isso se encaixa na demanda de estádios. Exige investimento diferenciado. O entorno deles também precisa passar por reformulações. Há a questão de transporte, hospedagem e educação da sociedade. Acontece um efeito multiplicador enorme. O Economista Estamos prontos para receber a competição? Safatle Estamos, sim. Somos um pouco ingratos com nossos atletas e gestores. Recentemente, no primeiro jogo da seleção brasileira vencemos a Coreia do Norte e mesmo assim o time foi criticado. No dia seguinte, várias seleções consideradas grandes perderam os jogos. Às vezes não valorizamos o que temos, mas estamos prontos, sim. 8 maio 2010

9 Memória Carlos Antonio Luque Presidente do Corecon-SP às vésperas da implantação do Plano Real, Luque comenta seu ingresso na FEA-USP e no Conselho Destaque da quinta edição de O Economista, Carlos Antonio Luque se graduou em 1971 na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), instituição em que dois anos mais tarde seria professor. Enquanto lecionava, concluiu seu mestrado, em 1976, e seu doutorado, em 1982, ambos na FEA. No ano de 1986 foi até a Universidade da Califórnia, Los Angeles, (UCLA) Estados Unidos, cursar pós-doutorado. E em 1987 voltaria à USP para tornar-se livre-docente. A escolha pela economia aconteceu na década de A decisão foi mais um fruto da ausência de outras opções de cursos, afirma. Ele relata que ao terminar o colégio e ingressar no cursinho precisou eliminar faculdades que exigissem dedicação exclusiva. Eu precisava estudar e trabalhar, enfatiza. Segundo o professor, em 1967 Direito era um curso já tradicional, mas falava-se sobre a saturação do mercado. Economia, entretanto, despontava de forma promissora. Nesse mesmo período, o então ministro Delfim Netto passou a obter um reconhecimento significativo. Consequentemente optei por economia. Luque revela que ser professor não fazia parte de seus planos, mas aconteceu. Foi aberto um concurso, fiz a inscrição junto com colegas e passei. A experiência de lecionar nesse período foi interessantíssima, na opinião do docente, que à época tinha apenas quatro ou cinco anos de diferença dos alunos. Óbvio que a distância aumentou. Hoje tenho 63 e eles seguem com 20, brinca. Segundo Luque, a vantagem da proximidade de idades é a semelhança de comportamento e identificação mútua. Sentimento que vai se distanciando com o passar do tempo, mesmo com toda a experiência, comenta. Há comportamentos que muitas vezes não entendemos. Luque comenta que na década de 1960, conversas durante as aulas e entradas e saídas dos alunos sem a permissão dos docentes, representavam um modelo de desafio. Esse comportamento se tornou natural nos anos 1980 e CORECON SP Ao terminar a faculdade, Luque se inscreveu no Conselho Regional de Economia. Próximo a nomes como Sideval Aroni, Jamil Zantut e Heitor Davi, o professor da FEA foi convidado a ser conselheiro e, depois, chamado para concorrer à presidência da instituição. No início da década de 1990, o maior problema da economia brasileira era a inflação, sempre aumentando e cada vez mais difícil de ser solucionada. A estabilização mais permanente veio em 1994 com o Plano Real, comenta. Todas nossas discussões eram sobre esse assunto. Realizávamos encontros com a mídia e com economistas para debater o tema. Segundo Luque, hoje a inflação é mais importante para os profissionais que atuam no mercado financeiro do que para a população em geral. É muito diferente do período quando o fenômeno da hiperinflação, no final da década de 1980 e inicio de 1990, prevalecia em nossa economia, explica. Ainda de acordo com o professor, tanto é assim que parte dos alunos atualmente desconhecem o que significa inflação, pois além de não a terem vivido, quando passaram a ter alguma experiência com os fatos econômicos diários, nossa economia já estava com os preços estabilizados. maio

10 Capa Oportunidade única Olhares se voltam ao Brasil no momento em que se apresentam investimentos para infraestrutura, Graeme Williams/mediaclubsouthafrica com a Copa de 2014, as Olimpíadas de 2016, e o pré-sal Marcello Casal Jr./ABr 10 maio 2010

11 Chris Kirchhoff/mediaclubsouthafrica Graeme Williams/mediaclubsouthafrica Por Thiago Bento e Rodrigo Moraes O Brasil tem pela frente uma das melhores oportunidades para alguns, a melhor de se firmar como uma das mais fortes economias mundiais. As perspectivas são extremamente positivas para investimentos em áreas estratégicas. O desenvolvimento das reservas de óleo e gás na camada pré-sal; a organização da Copa do Mundo em 2014; os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro em Tudo isso posiciona o País na rota dos negócios internacionais e pode consolidar a imagem de uma nação capaz de enfrentar desafios e entrar no grupo das economias mais desenvolvidas. Nas três situações Copa, Olimpíadas e exploração do pré-sal, depois de comemorar, cabe às autoridades públicas e aos agentes privados iniciar o planejamento das ações necessárias para transformar oportunidades em negócios. E, claro, realizar investimentos concretos. Somente o pré-sal deve movimentar US$ 440 bilhões no longo prazo, em desenvolvimento de tecnologia, na ampliação da capacidade instalada da indústria, na construção de estaleiros e na formação de mão de obra, destaca o presidente da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (ABDIB), Paulo Godoy. Para ele, os benefícios desses investimentos e negócios acabarão sendo distribuídos para toda a população brasileira em todos os estados. Segundo o economista, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), e conselheiro do CORECON-SP, Manuel Enríquez Garcia, a discussão sobre os investimentos do Estado em infraestrutura acontece há décadas, sob o ponto de vista teórico. A verdade é que ele não dispõe de poupança suficiente para fazer isso, enfatiza. Essa nossa taxa é baixa, assim como a de financiamento, completa. Garcia explica que não poupar faz parte da cultura da população brasileira. Entretanto, também é consequência de uma grande fatia da sociedade não ter renda suficiente. O estudo Brasil Sustentável Impactos socioeconômicos da Copa do Mundo 2014, desenvolvido pela Ernst & Young em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), divulgado recentemente, levanta números sobre a Copa do Mundo O efeito multiplicador estimado seria capaz de quintuplicar os investimentos diretos realizados no País, injetando, no total, R$ 142,39 bilhões na economia brasileira até Para Elvio Gaspar, diretor da área de inclusão social do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), organizar esses eventos terá a missão de afirmar um projeto de País. Para tanto, as ações devem estar alinhadas. Gaspar destaca que o fato de a Copa ser realizada em 12 cidades, nas cinco regiões do País, foi um bom começo, pois passa o recado de que o Brasil quer crescer por inteiro. Além do investimento direto de R$ 22,46 bilhões para garantir infraestrutura e organização, o evento deve resultar em R$ 112,79 bilhões adicionais, considerando-se os impactos provocados em setores interligados, em um efeito dominó com uma série de desdobramentos socioeconômicos. Serão gerados 3,63 milhões de maio

12 Trem bala Na mesma linha de investimentos, o Trem bala (ou TAV Trem de Alta Velocidade) deve ligar as duas maiores cidades do País São Paulo e Rio de Janeiro - e seus aeroportos internacionais (Guarulhos e Galeão), integrando também a cidade de Campinas e o Aeroporto de Viracopos. De acordo com o Governo Federal, o custo previsto para a conclusão de todo projeto do TAV é da ordem de R$ 35 bilhões, dos quais R$ 20,8 bilhões serão financiados pelo BNDES. Os custos de investimento do TAV Brasil envolvem a construção, a aquisição de material rodante e a implantação de todos os sistemas/subsistemas necessários ao empreendimento. Tais custos foram levantados com base na otimização do traçado referencial e nos estudos de operação. Já os custos de infraestrutura relacionados às obras de construção civil foram baseados em preços unitários do SICRO 2 (Sistema de Custos Rodoviários) do Departamento Nacional de Infraestrutrua de Transportes (DNIT), considerando-se a região de São Paulo e data-base de setembro/2008. Os custos relacionados ao fornecimento e montagem de equipamentos eletroeletrônicos, mecânicos e sistemas/ subsistemas, quando não fabricados no Brasil, foram obtidos por meio de pesquisa com vários fornecedores internacionais de tecnologias de sistemas ferroviários de alta velocidade. empregos/ano, e R$ 63,48 bilhões de renda para a população, com impacto direto no mercado de consumo interno. O levantamento mostra ainda que os setores mais beneficiados pela Copa do Mundo no Brasil serão os de construção civil, alimentos e bebidas, serviços prestados às empresas, serviços de utilidade pública (eletricidade, gás, água, esgoto e limpeza urbana) e serviços de informação. No total, essas áreas deverão ter incremento da ordem de R$ 50,18 bilhões. O Estado Federal, como um todo, não poupa, por isso não há meio de propiciar os fundos necessários para os investimentos requeridos, sentencia Manuel Enríquez Garcia. Ainda de acordo com o economista, o BNDES tem sido utilizado como braço direito do governo para isso. Mas o banco não dispõe de recursos próprios e depende da União, que, por sua vez, depende de captação internacional, e acaba se endividando. Sendo assim, fica a questão se o Estado deve ter menor participação na execução de investimentos em áreas como educação, segurança e saúde, em favor da infraestrutura. Para Garcia, tem-se observado uma ampliação da participação estatal em alguns setores da economia, como energia elétrica, petróleo, aeroportos, portos, ferrovias e telecomunicações. Muitas vezes, esses investimentos são feitos de forma indireta pela capitalização do BNDES, com recursos do Tesouro, para financiar projetos. Ou, ainda, propondo desconsiderar decisões criadas para fiscalizar o uso dos recursos públicos (como as dos Tribunais de Contas), ou a preservação do meio ambiente (como as do IBAMA). Para diversos segmentos da política, esse cenário dificulta a realização de projetos em tempo desejável para atender as prementes necessidades de grandes parcelas da população que são, em geral, as mais desprotegidas. PAC Dentro dessa perspectiva de investimentos em infraestrutura, Paulo Godoy acredita que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) tem papel fundamental. Após três anos de vigência, mostra uma execução orçamentária mais veloz, mesmo que ainda distante do ideal, como reconhece o presidente da ABDIB. Em que pese a necessidade de aperfeiçoamentos necessários na gestão pública e na execução do orçamento, o PAC tem contribuído para a superação de gargalos infraestruturais, para a melhoria da qualidade de vida e para o estímulo à atividade econômica. Projetos importantes estão em andamento e medidas foram adotadas visando a expansão da infraestrutura. Já na opinião de Manuel Enríquez Garcia, a melhor maneira de resolver essa situação é a parceria públicoprivada, na qual o Estado segue regulamentando e normatizando sob o regime de concessão e a iniciativa privada assume o risco do interesse. Como exemplos bem sucedidos, o economista cita a limpeza urbana na cidade de São Paulo e as concessionárias Ecovias e Autoban. O fato é que se não for assim, não haverá trem bala, ampliação de aeroportos nem pré-sal, ressalta. E afirma que devido à eleição, o País está no melhor momento para discutir o tema. O Estado, sob o ponto de vista de Garcia, precisa 12 maio 2010

13 adotar um papel menos ideológico e mais prático. Deixando de pensar que o setor privado não pode fazer o que é do público. Se fosse assim, não teríamos escolas particulares nem planos de saúde, compara. Em artigo recente, Wilen Manteli, presidente da Associação Brasileira de Terminais Portuários (ABTP), aponta que se têm apresentado diversos entraves no processo de implementação do PAC da Infraestrutura. Entre eles estão problemas de marco regulatório e operacionalização de parcerias público-privadas. Agora se soma mais um, que na verdade representa o recrudescimento de uma velha barreira: a mentalidade dos órgãos de regulação e fiscalização ambiental, dissociada da realidade e dos interesses nacionais no que tange o licenciamento de áreas para projetos de infraestrutura. O dirigente ressalta que portos e hidrovias, por interferirem tanto no ambiente aquático quanto no terrestre, constituem um desafio para o Divulgação ABDIB Paulo Godoy Brasil melhorar sua capacitação em gestão ambiental. Porém, enquanto vemos nisso um problema, o mundo vê a chance de utilizar o conhecimento e as tecnologias em favor dos empreendimentos portuários e do ambiente que os cerca. Sob o ponto de vista econômico, o fato de a taxa de investimentos ter retornado a 18% em relação ao PIB um dos melhores níveis da década simboliza que há uma nova configuração mais sustentável para o crescimento Manuel Enríquez Garcia da economia. De acordo com o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro do primeiro trimestre de 2010, o crescimento sazonalmente ajustado de 2,7% em relação ao último trimestre do ano passado foi fruto de dois fatores principais: a recuperação da produção industrial e a retomada dos investimentos produtivos. Em termos relativos, o PIB do primeiro trimestre apresentou uma aceleração em relação ao crescimento de 2,3% verificado no quarto trimestre de Divulgação Setor Aeroportuário Outro importante aspecto da infraestrutura brasileira que requer atenção é o sistema aeroportuário. Os gargalos nesse sistema são antigos e ficaram mais evidentes entre 2006 e 2007, no auge da crise que atingiu o setor. Paulo Godoy aponta que esta infraestrutura é insuficiente, os investimentos morosos, a gestão e a operação deixam a desejar. De lá para cá, alguns problemas foram minimizados, mas outros, de grande envergadura, ainda estão pendentes e exigem ação urgente. O dirigente da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base acredita em algumas ações que podem solucionar tais gargalos. A primeira é dar prioridade máxima ao atendimento dos passageiros recém-desembarcados, com guichês, funcionários bem treinados e máquinas em quantidades suficientes. A segunda ação é institucionalizar alguns parâmetros de qualidade para cumprimento obrigatório dos operadores aeroportuários. Por fim, a expansão da infraestrutura de pistas e terminais é uma terceira ação indispensável para atender ao crescimento da demanda. Se forem confirmadas as expectativas de expansão da economia para os próximos anos, os pontos de estrangulamento em terminais, pistas de pouso e sistemas de segurança e de controle de voo tendem naturalmente a piorar, principalmente nas férias escolares. maio

14 Na mídia O CORECON-SP foi notícia em grandes meios de comunicação. Veja as principais matérias geradas pela assessoria de imprensa do Conselho: Portal R7 São Paulo - SP, maio/2010 JB Online São Paulo, maio/2010 Portal R7 São Paulo - SP, maio/2010 Portal R7 São Paulo - SP, maio/2010 Correio Brasiliense Brasília, junho/ maio 2010

15 Tome nota O Conselho Regional de Economia de São Paulo (CORECON-SP) passou a adotar as regras do novo acordo ortográfico na Revista O Economista Nova regra Antes Agora Alfabeto passa a ter 26 letras Alfabeto de 23 letras, mais as chamadas especiais K,W, Y K, W, Y são integradas Trema é eliminado Conseqüência, lingüiça Consequência, linguiça Obs: O trema permanece em nomes estrangeiros e derivados: mülleriano, Müller. Não se acentuam os ditongos abertos ei e oi nas palavras paroxítonas Platéia, idéia, paranóico Plateia, ideia, paranoico Não se acentuam o i e u tônicos das palavras paroxítonas quando Baiúca, feiúra, saiínha Baiuca, feiura, saiinha precedidas de ditongo Não se acentua o u tônico nas formas verbais rizotônicas (acento na raiz) quando precedido de g ou q Apazigúe, argúi, obliqúe Apazigue, argui, oblique e seguido de e ou i Não se acentua o hiato -oo Enjôo, vôo, perdôo Enjoo, voo, perdoo Não se acentua o hiato ee dos verbos crer, dar, ler e ver e seus derivados Crêem, dêem, lêem, vêem Creem, deem, leem, veem Cai o acento diferencial Pára (verbo), pêlo (subst.) Para (verbo), pelo (subst.) Obs: Permanece nos homógrafos pode/ pôde; e também em pôr/ por Não se emprega o hífen nos compostos terminados em vogal, auto-sugestão, contra-senso, autossugestão, contrassenso, nos quais o segundo elemento começa extra-seco, infra-som, supra-renal extrasseco, infrassom, suprarrenal com r ou s, consoantes que, nesse caso, devem ser duplicadas Obs: Permanece nos compostos com prefixos super, hiper, inter, que combinam com elementos que comecem por r: super-realista, hiper-requisitado, inter-regional Não se emprega o hífen nos compostos em que o prefixo termina em vogal e o segundo elemento Auto-ajuda, infra-estrutura, semi-árido, auto-escola Autoajuda, infraestrutura, semiárido, autoescola começa por vogal diferente Ganham hífen os compostos em que o prefixo termina em vogal e o segundo Antiimperialista, microondas Anti-imperialista, micro-ondas elemento começa com mesma letra Obs: No caso do prefixo co- não se usa hífen: cooperação Não se emprega o hífen em compostos em que se perdeu, em Manda-chuva, pára-quedas Mandachuva, paraquedas certa medida, a noção de composição Obs: Permanece nas palavras compostas que não contêm um elemento de ligação, mantendo acento próprio, e também naqueles que designam espécies botânicas e zoológicas: médico-cirugião, ano-luz, guarda-chuva, erva-doce, bem-te-vi Não se emprega o hífen nas locuções de qualquer tipo. Pão-de-mel, cor-de-vinho Pão de mel, cor de vinho Obs: São exceções algumas locuções já consagradas pelo uso: cor-de-rosa, pé-de-meia maio

16 ais do que um profissional, o economista reúne todos os conhecimentos e habilidades para promover o desenvolvimento social e econômico. A atuação do Conselho Regional de Economia de São Paulo busca valorizar cada vez mais a profissão e o profissional de economia, unindo a categoria à sociedade. Organiza e mantém o registro profissional, fiscaliza a atuação dos economistas e incentiva os jovens a optarem pela carreira. O registro no CORECON-SP habilita o economista a exercer a profissão e resguarda a sociedade da ação de maus profissionais. Sem o registro, a atividade se torna ilegal e o bacharel pode ser punido. Registre-se no CORECON-SP e tenha acesso aos serviços oferecidos a profissionais e estudantes. Economista, transformando o mundo.

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 Sheyla Carvalho 1 Nota: As fontes de consulta desta apresentação estão citada no OBJETIVOS da palestra Informar Esclarecer Comentar Trocar ideias DEFINIÇÃO - Motivação 1 O Acordo

Leia mais

Alfabeto com 26 letras

Alfabeto com 26 letras 1 Reforma Ortográfica As novas regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entram em vigor a partir de 1º de janeiro de 2009. Oito países, onde o português é língua oficial, vão precisar ajustar

Leia mais

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO (*) A revisão deste texto já considera as novas normas do Acordo Ortográfico. O Acordo Ortográfico da Língua

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

Curso Grandes temas da atualidade: o 10º tema é a Reforma Ortográfica O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa não será exigido nos vestibulares de

Curso Grandes temas da atualidade: o 10º tema é a Reforma Ortográfica O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa não será exigido nos vestibulares de Curso Grandes temas da atualidade: o 10º tema é a Reforma Ortográfica O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa não será exigido nos vestibulares de 2009, pelo menos quanto às mudanças na escrita. No entanto,

Leia mais

Dívida impagável. Mulheres contribuem de maneira indispensável para a construção da ciência econômica e da prática profissional

Dívida impagável. Mulheres contribuem de maneira indispensável para a construção da ciência econômica e da prática profissional nº25 MARÇO 2010 Publicação do Conselho Regional de Economia - 2ª Região - CORECON-SP Dívida impagável Mulheres contribuem de maneira indispensável para a construção da ciência econômica e da prática profissional

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

Categoria valorizada. Entrevista Marcos de Barros Lisboa, Economista do Ano. nº30 Edição ESPECIAL

Categoria valorizada. Entrevista Marcos de Barros Lisboa, Economista do Ano. nº30 Edição ESPECIAL nº30 Edição ESPECIAL Publicação do Conselho Regional de Economia - 2ª Região - CORECON-SP Categoria valorizada Prêmio Economista do Ano 2010 reúne expoentes da profissão no Brasil e destaca o trabalho

Leia mais

Sem licitação, Alesp contrata Fipe e dois ex-secretários de SP por R$ 779 mil

Sem licitação, Alesp contrata Fipe e dois ex-secretários de SP por R$ 779 mil Sem licitação, Alesp contrata Fipe e dois ex-secretários de SP por R$ 779 mil Antonio Biondi Jornalista Daniel Garcia Nova sede da Fipe, na Avenida Corifeu de Azevedo Marques 74 Abril 2007 O secretário-geral

Leia mais

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO. Profa. Luana Lemos

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO. Profa. Luana Lemos NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO Profa. Luana Lemos CHARGE http://charges.uol.com.br/2008/05/26/cotidian o-evolussaum/?modo=baloes NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO O Novo Acordo Ortográfico foi elaborado para uniformizar

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

acordo Novo Não foi a língua portuguesa que sofreu uma reformulação ditada por decreto. ortográfico da língua portuguesa

acordo Novo Não foi a língua portuguesa que sofreu uma reformulação ditada por decreto. ortográfico da língua portuguesa Novo acordo ortográfico da língua portuguesa Não foi a língua portuguesa que sofreu uma reformulação ditada por decreto. As línguas não mudam por decreto! Elas mudam por influência de outros fatores...

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito?

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? SESSÃO TEMÁTICA Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? Brasília, 17 de novembro de 2009 Perspectivas de Investimentos O Brasil está diante de uma oportunidade inédita para aumentar de

Leia mais

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República O que o Brasil já ganhou com a Copa COPA DO MUNDO NO BRASIL um momento histórico e de oportunidades A Copa do Mundo é um momento histórico para o Brasil, que vai sediar, em conjunto com as Olimpíadas em

Leia mais

ACORDO ORTOGRÁFICO (1990)

ACORDO ORTOGRÁFICO (1990) ACORDO ORTOGRÁFICO (1990) Mudanças no Português do Brasil Profª Drª Sandra Helena Terciotti ACORDO ORTOGRÁFICO (1990) Assinado em Lisboa, em dezembro de 1990, e ratificado agora pelo Brasil, por Cabo Verde,

Leia mais

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA PROF. DANIELA VAN GORKON

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA PROF. DANIELA VAN GORKON NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA PROF. DANIELA VAN GORKON PAÍSES LUSÓFONOS A LUSOFONIA NO MUNDO Oito países ( Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA Rénan Kfuri Lopes Sumário: I- AS MUDANÇAS SÃO SIMPLES E DE FÁCIL COMPREENSÃO II- PERÍODO DE TRANSIÇÃO DAS REGRAS ORTOGRÁFICAS III- ALFABETO IV- SOMEM DA

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário 1. PARECER TÉCNICO CETEF Nº 03/2011, de 20/07/2011. 2. EMENTA: Obrigatoriedade de registro das empresas prestadoras de serviços de Recrutamento e Seleção de Pessoal

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

4,5,6,7 8,9,10 11,12,13 14,15 16 17,18. Índice. Introdução 3

4,5,6,7 8,9,10 11,12,13 14,15 16 17,18. Índice. Introdução 3 RELATÓRIO ANUAL Índice Introdução 3 Total de Empresas Unidades de Négócios Empresas Instaladas em Inscrição de Empresas no Processo de Seleção Planos de negócios aprovados Recursos Financeiros para Custeio

Leia mais

Relatório da assessoria de imprensa do CORECON/RS Eleição e posse dos dirigentes presidente e vice-presidente do CORECON/RS

Relatório da assessoria de imprensa do CORECON/RS Eleição e posse dos dirigentes presidente e vice-presidente do CORECON/RS Relatório da assessoria de imprensa do CORECON/RS Eleição e posse dos dirigentes presidente e vice-presidente do CORECON/RS Data: 15 de janeiro Hora: 12 horas Local: Sede do Conselho Regional de Economia

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

Jornal O Norte - Página 08

Jornal O Norte - Página 08 CLIPPING - 9ªSC 07 de Junho de 2011 Jornal O Norte - Página 08 CLIPPING - 9ªSC 07 de Junho de 2011 Jornal O Norte - Página 11 CLIPPING - 9ªSC 07 de Junho de 2011 Jornal O Norte - Página 09 CLIPPING - 9ªSC

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Professor Jailton www.professorjailton.com.br

Professor Jailton www.professorjailton.com.br Professor Jailton www.professorjailton.com.br Palavras terminadas em: a, e, o (seguidas ou não de s): atrás, xará, freguês, bisavós, está, já, és, só*. em, ens: também, parabéns. ditongos abertos tônicos

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES Mobilização dos Profissionais do Estado de SP rumo ao MENSAGEM DO PRESIDENTE Caros profissionais da área tecnológica, Chegou a hora: estamos aqui em Gramado, Rio Grande do Sul,

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história Desafio Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história de recuperação, tradição e sucesso no varejo de material de construção mineiro. O único caminho a seguir,

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. São Paulo - 2012 BRUNO HENRIQUE CESAR ALBUQUERQUE GUILHERME CAVALHEIRO GUILHERME FERREIRA VINICIUS LIMA

ENGENHARIA CIVIL. São Paulo - 2012 BRUNO HENRIQUE CESAR ALBUQUERQUE GUILHERME CAVALHEIRO GUILHERME FERREIRA VINICIUS LIMA ENGENHARIA CIVIL São Paulo - 2012 BRUNO HENRIQUE CESAR ALBUQUERQUE GUILHERME CAVALHEIRO GUILHERME FERREIRA VINICIUS LIMA Sumário Como escolher sua carreira?...3 Bases disciplinares...4 O mar está para

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS TERMO DE ABERTURA PROJETO: Centro de Treinamento e Capacitação

Leia mais

Especialização em Investment Banking

Especialização em Investment Banking Especialização em Investment Banking Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram

Leia mais

EC PINHEIROS OLÍMPICO AQUÁTICOS

EC PINHEIROS OLÍMPICO AQUÁTICOS EC PINHEIROS OLÍMPICO AQUÁTICOS ESPORTE CLUBE PINHEIROS NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM 112 ANOS de existência umas das instituições mais tradicionais do país, oferecendo atividades esportivas, sociais e culturais

Leia mais

O que muda com o acordo ortográfico

O que muda com o acordo ortográfico O que muda com o acordo ortográfico A língua portuguesa é a sétima mais falada no mundo, ficando atrás apenas dos idiomas chinês, hindi, inglês, espanhol, bengali e árabe. Ao todo, são oito os países que

Leia mais

GUIA PRÁTICO DA NOVA ORTOGRAFIA

GUIA PRÁTICO DA NOVA ORTOGRAFIA 1 - Acento agudo O acento agudo desaparece das palavras da língua portuguesa em três casos, como se pode ver a seguir: Nos ditongos (encontro de duas vogais proferidas em uma só sílaba) abertos ei e oi

Leia mais

Prof. Adilson Beatriz. Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS. Gestão 2013-2017

Prof. Adilson Beatriz. Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS. Gestão 2013-2017 Prof. Adilson Beatriz Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS Gestão 2013-2017 Campo Grande, junho de 2013 1 Resumo da trajetória acadêmico-profissional - Prof. Adilson Beatriz Candidato

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br, lombardo@crea-mg.com.br Universidade de Itaúna, Departamento de Engenharia Mecânica Campus Verde Universidade de Itaúna 35.680-033

Leia mais

O Papel do Sistema CFA/CRAs na Construção da Qualidade do Ensino de Administração

O Papel do Sistema CFA/CRAs na Construção da Qualidade do Ensino de Administração Conselho Federal de Administração Câmara de Formação Profissional O Papel do Sistema /CRAs na Construção da Qualidade do Ensino de Administração Prof. Lúcio Mariano Albuquerque Melo adm.luciomelo@gmail.com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 16/05/2005 (*) Portaria/MEC nº 1.625, publicada no Diário Oficial da União de 16/05/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

CONSELHO DE GRADUAÇÃO 262ª SESSÃO EXTRAORDINÁRIA

CONSELHO DE GRADUAÇÃO 262ª SESSÃO EXTRAORDINÁRIA CONSELHO DE GRADUAÇÃO 262ª SESSÃO EXTRAORDINÁRIA 05.06.2014 Representantes Discentes presentes como ouvintes (ainda não empossados): Andrei Saito Ramalho Caio Callegari Lucas Caprio I. Expediente 1. Comunicações

Leia mais

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Título do Trabalho Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Autores: Antonio Carlos de Oliveira, Eng. Dr. Professor Pleno e Diretor e da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA PERÍODO DE REFERÊNCIA: 2011 SANTA RITA DO SAPUCAÍ

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM MARKETING E PROCESSOS GERENCIAIS UC: COMUNICAÇÃO

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas Ano I Número 6 setembro 2014 3 Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias página 4 6 Encontro Prêmio São Paulo

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

ACENTUAÇÃO GRÁFICA (NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO) Profa. Me. Luana Lemos

ACENTUAÇÃO GRÁFICA (NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO) Profa. Me. Luana Lemos ACENTUAÇÃO GRÁFICA (NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO) Profa. Me. Luana Lemos PROSÓDIA Estuda a correta posição da sílaba tônica das palavras. SILABADA erro de acentuação tônica de uma palavra. RUIM RUBRICA AVARO

Leia mais

APRESENTAÇÃO JORGE HACHIYA SAEKI (11) 3016-8450 / 9.9996-1546

APRESENTAÇÃO JORGE HACHIYA SAEKI (11) 3016-8450 / 9.9996-1546 APRESENTAÇÃO Jorge Hachiya Saeki é advogado, sócio do Clube de Campo de São Paulo onde já atuou na diretoria do departamento de golfe, atualmente faz parte da diretoria da Federação Paulista de Golfe no

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa Língua Portuguesa. Mudando, mas sempre nossa. Como você sabe, haverá algumas alterações ortográficas na Língua Portuguesa. Nessa fase de transição, é natural que

Leia mais

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008 RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008 Sumário Panorama... 4 Estatísticas e Mercado... 5 Expediente Diretoria Executiva ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas.

Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas. Acentuação Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas. sílaba tônica - pronunciada com maior intensidade.

Leia mais

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Carlos Campos Neto carlos.campos@ipea.gov.br Frederico Hartmann de Souza frederico.souza@ipea.com.br Abril de 2011 Objetivos Avaliar

Leia mais

A importância do Conselho de Classe no Estado Entrevista com Karla de Melo - presidente do Ceiconrerp - 10ª Região

A importância do Conselho de Classe no Estado Entrevista com Karla de Melo - presidente do Ceiconrerp - 10ª Região A importância do Conselho de Classe no Estado Entrevista com Karla de Melo - presidente do Ceiconrerp - 10ª Região Marcello Chamusca Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Relações Públicas

Leia mais

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação 1. Apresentação Em novembro a comunidade do IFSC Câmpus Canoinhas elegerá seus novos dirigentes: Diretor Geral, Chefe de Departamento de Ensino, Pesquisa e

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

De acordo com o novo Acordo: o que muda e o que não muda com a Reforma Ortográfica. Ana Kelly Borba da Silva Brustolin

De acordo com o novo Acordo: o que muda e o que não muda com a Reforma Ortográfica. Ana Kelly Borba da Silva Brustolin De acordo com o novo Acordo: o que muda e o que não muda com a Reforma Ortográfica Ana Kelly Borba da Silva Brustolin As datas do Acordo O documento inicial do Acordo Ortográfico foi assinado em 1990 (em

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

gestão de recursos Sobe e desce de taxas

gestão de recursos Sobe e desce de taxas Sobe e desce de taxas 14 Capital Aberto Julho 2010 Enquanto os juros menores e a concorrência comprimem as taxas de administração dos fundos DI e de renda fixa, os multimercados se sofisticam e sobem de

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP Ltda ASSUNTO: Recurso contra a decisão da Secretaria

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

MEMÓRIA: 10ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação. Apresentação do andamento das ações do Comitê e encaminhamentos pertinentes.

MEMÓRIA: 10ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação. Apresentação do andamento das ações do Comitê e encaminhamentos pertinentes. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: 10ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação Assunto: Apresentação

Leia mais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Fonte: O Globo Data: 16/09/2015 Seção: Economia Versão: Impresso (página 25) e Online Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Retomada de cobrança

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais

A locomotiva de concreto

A locomotiva de concreto A locomotiva de concreto 16 KPMG Business Magazine Construção civil supera período de estagnação, mas ainda há gargalos que podem comprometer o ritmo de investimentos A construção civil no Brasil não para

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Modalidade Caminho para a Inovação e Desenvolvimento em Sustentabilidade (CIDeS)

Modalidade Caminho para a Inovação e Desenvolvimento em Sustentabilidade (CIDeS) Modalidade Caminho para a Inovação e Desenvolvimento em Sustentabilidade (CIDeS) Estaleiro JURONG ARACRUZ com o projeto Navegar é preciso Conteúdo Caracterização da iniciativa O Estaleiro Jurong Aracruz

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS Versão 06/maio/2010 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE AUXÍLIO

Leia mais

Com inflação e juros em alta, hora de fazer 'ajuste fiscal' em casa

Com inflação e juros em alta, hora de fazer 'ajuste fiscal' em casa Veículo: O Globo Data: 07/09/15 Com inflação e juros em alta, hora de fazer 'ajuste fiscal' em casa Em tempos de desaceleração da economia e inflação e juros em alta, a cada mês as famílias se deparam

Leia mais

Pontos para reflexão sobre estratégia

Pontos para reflexão sobre estratégia Pontos para reflexão sobre estratégia Maurício Garcia*, abril de 2007 Este texto não é um tratado teórico sobre estratégia. Nem tampouco procura substituir o material escrito por autores consagrados sobre

Leia mais

Locação: cada vez mais em movimento ascendente

Locação: cada vez mais em movimento ascendente 60 edição nº 116 Out 2011 Empilhadeiras Locação: cada vez mais em movimento ascendente O segmento de locação de máquinas passou por muitas mudanças nos últimos anos, basicamente decorrentes da otimização

Leia mais

Histórico dos cursos de Administração no Brasil

Histórico dos cursos de Administração no Brasil Histórico dos cursos de Administração no Brasil 1941 O ensino de Administração ganha identidade com a criação do primeiro curso, na Escola Superior de Administração de Negócios ESAN/SP, inspirado no modelo

Leia mais

Ofício Andifes N.º 002/2015 Brasília, 21 de janeiro de 2015.

Ofício Andifes N.º 002/2015 Brasília, 21 de janeiro de 2015. Ofício Andifes N.º 002/2015 Brasília, 21 de janeiro de 2015. Senhor Ministro, A relevância das Universidades Federais no seu conjunto - Andifes, e em cada estado da federação e na condição de servidores

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2013 DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais